Vous êtes sur la page 1sur 26

Aula 5

Exemplos de projetos
urbanos – TP3
ESTÚDIO DE URBANISMO 3B
TP3 – Trabalho final - APLICAR
AS CRÍTICAS DA ETAPA ANTERIOR
- OBJETIVO: SERVIRAM COMO BASE PARA NOS
AJUDAR A COMPREENDER O QUE
NÃO FAZER EM NOSSO PROJETO
- Caminhabilidade IDEAL!
- Experiência positiva do pedestre
- Jane Jacobs (variedade de densidades, de usos,
vitalidade)
- Jan Gehl (pedestrianização, escala humana)

- APLICAÇÃO:

- Zoneamento criado por vocês (altimetria, usos,


largura das vias, TUDO!)
- Não precisa ter a ver com o zoneamento da etapa
anterior
Exemplos
“Explicamos a teoria urbanística
sobre centralidades e a
macroestrutura de São Paulo.
Como a cidade-metrópole não foi
planejada em conjunto, existem
hoje áreas extensas altamente
adensadas sem conexões
importantes com o transporte
público, bem como bairros com
seu miolos adensados não
conectados a rede de transporte
público ou áreas pouco
adensadas equipadas com infra
de alta capacidade. Na cidade,
existe uma realidade na qual
destinos e origens de viagens são
espalhados e desconexos por
toda a cidade.”
“A. MURO | FACHADA |PARA A
RUA: A chamada fachada inativa
causa a sensação de insegurança
e monotonia tanto do usuário do
lote quanto do pedestre, como
também o isolamento da rua e
da calçada estão entre os
problemas causados por essa
forma de ocupação.
B. ESTACIONAMENTO |
ENTRADAS |PARA A RUA: ​ Outro
problema comum é a
necessidade do recuo obrigatório
da edificação em relação à
testada do lote. Este recuo, por
fazer parte do lote, acaba sendo
utilizado como estacionamento,
ocasionando o conflito entre
pedestres e automóveis.”
1. CRUZAMENTOS
ENTRE AVENIDAS:

Criar ilhas de pedestres


para melhorar sua
segurança.
2. CRUZAMENTOS DE
AVENIDAS COM RUAS
MENORES:

Criar faixas elevadas


para melhor segurança
do pedestre
3. ELEVAÇÕES EM RUAS
MENORES:

Criar cruzamentos
elevadas para melhor
segurança do pedestre
4. MINI ROTATÓRIAS EM
RUAS MENORES:

As rotatórias, em ruas
com baixo fluxo de
veículos, e sem
semáforo, obrigam o
veículo a reduzir a
velocidade.
5. CRUZAMENTOS
COMPLEXOS:

Quando possível, inserir


cruzamentos complexos,
que reduzam o número
de conflitos entre
direções de veículos e
pedestres.
Plano Diretor de São Paulo/ 2014
Plano Diretor de São Paulo/ 2014

Zoneamento ilustrado:
https://gestaourbana.prefeit
ura.sp.gov.br/marco-
regulatorio/zoneamento/arq
uivos/
Plano Diretor de São Paulo/ 2014

Zoneamento ilustrado:
https://gestaourbana.prefeit
ura.sp.gov.br/marco-
regulatorio/zoneamento/arq
uivos/
Referências
Guias de desenho urbano:

WRI
https://wribrasil.org.br/pt/publicacoes/o-desenho-de-cidades-seguras
https://wribrasil.org.br/pt/publicacoes/8-principios-da-calcada

NACTO
https://globaldesigningcities.org/publication/global-street-design-guide/

Guia de gestão urbana:


https://caosplanejado.com/guia/

Referências de projetos:
URB-I
https://www.urb-i.com/
Bom trabalho a todos!