Vous êtes sur la page 1sur 3

Anotações Direito Administrativo QConcursos

O denominado "Estado em Rede" tem como uma de suas características marcantes a


viabilização da participação do cidadão na atuação administrativa do Estado. Neste
contexto, as audiências públicas e as consultas públicas podem ser apontadas como
exemplos deste modelo.
Administração Pública extroversa representa a relação existente entre a Administração e
os administrados, ou seja, diz respeito às relações externas efetivadas pelo Poder Público,
que sempre serão pautadas pelos princípios da Supremacia do Interesse Público sobre o
privado e da Indisponibilidade, pela Administração, dos interesses dos administrados.
Por outro lado, a Administração Pública introversa é formada pelas relações existentes
entre os Entes Políticos (União, Estados, Distrito Federal e Municípios) e entre esses e os
órgãos da Administração Direta ou entre os órgãos entre si. Trata-se de relação interna,
que é instrumento para a efetivação da relação externa ou extroversa, pois o Poder Público
se organiza internamente para poder efetivar as suas políticas e atuar em face da
coletividade.
“Administração pública gerencial” :é aquela construída sobre bases que consideram o
Estado uma grande empresa cujos serviços são destinados aos seus clientes, outrora
cidadãos; na eficiência dos serviços, na avaliação de desempenho e no controle de
resultados, suas principais características.
Governo é o conjunto de órgãos e as atividades que eles exercem na sentido de conduzir
politicamente o Estado, definindo suas diretrizes supremas. Não se confunde com a
Administração Pública em sentido estrito, que tem a função de realizar concretamente as
diretrizes traçadas pelo Governo. Portanto, enquanto o Governo age com ampla
discricionariedade, a Administração Pública atua de modo subordinado.
O Brasil adotou o Sistema Inglês (ou de unicidade de jurisdição), o qual sustenta que
qualquer conflito pode ser levado ao Poder Judiciário.
Para a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, o Estado não responde civilmente
por atos ilícitos praticados por foragidos do sistema penitenciário, salvo quando os danos
decorrem direta ou imediatamente do ato de fuga. Também entende o Superior Tribunal
de Justiça que o Estado pode responder civilmente pelos danos causados por seus agentes,
ainda que estes estejam amparados por causa excludente de ilicitude penal. (teoria do
risco criado)
Assim, Tratando-se de ato omissivo do poder público, a responsabilidade civil por esse
ato é subjetiva, pelo que exige dolo ou culpa, em sentido estrito, não sendo, entretanto,
necessário individualizá-la, dado que pode ser atribuída ao serviço público, de forma
genérica, a falta do serviço.
Considerando que é dever do Estado, imposto pelo sistema normativo, manter em seus
presídios os padrões mínimos de humanidade previstos no ordenamento jurídico, é de sua
responsabilidade, nos termos do art. 37, § 6º, da Constituição, a obrigação de ressarcir os
danos, inclusive morais, comprovadamente causados aos detentos em decorrência da falta
ou insuficiência das condições legais de encarceramento. STF. Plenário. RE 580252/MS,
rel. orig. Min. Teori Zavascki, red. p/ o ac. Min. Gilmar Mendes, julgado em 16/2/2017
(repercussão geral) (Info 854). Vale ressaltar, no entanto, que a responsabilidade civil
neste caso, apesar de ser objetiva, é regrada pela teoria do risco administrativo. Desse
modo, o Estado poderá ser dispensado de indenizar se ficar demonstrado que ele não tinha
a efetiva possibilidade de evitar a ocorrência do dano.

Só existe duas formas de alteração unilateral do contrato pela adm:


Quando houver modificação do projeto ou das especificações, para melhor adequação
técnica aos seus objetivos (alteração QUALITATIVA) - Art. 65, I, a.
Quando necessária a modificação do valor contratual em decorrência de acréscimo ou
diminuição quantitativos de seu objeto, respeitados os limites legais (alteração
QUANTITATIVA) - Art. 65, I, b.

Conforme a Lei do Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC), nas licitações


e contratações de obras e serviços de engenharia serão adotados como regimes de
execução indireta, preferencialmente, a empreitada por preço global, a empreitada
integral ou a contratação integrada.
Art. 8o Na execução indireta de obras e serviços de engenharia, são admitidos os
seguintes regimes:
I - empreitada por preço unitário;
II - empreitada por preço global;
III - contratação por tarefa;
IV - empreitada integral; ou
V - contratação integrada.
§ 1o Nas licitações e contratações de obras e serviços de engenharia serão adotados,
preferencialmente, os regimes discriminados nos incisos II, IV e V do caput deste artigo.

Constitucional
Para resolver a questão é necessário conhecer o conceito de Sociológico, Político e
Jurídico da Constituição.
a) Concepção Sociológica- Ferdinand Lassale
A Constituição é a soma dos fatores reais de poder que regem um determinado
Estado. A Constituição não é um mero produto da razão, algo inventado pelo homem,
mas sim o resultado concreto do relacionamento entre as forças sociais.
b) Concepção Política – Carl Schmitt
A Constituição significa a decisão política fundamental.
c) Concepção Jurídica – Hans Kelsen
Jurídico-Positivo: Pirâmide de Kelsen. A constituição é uma norma suprema que
impõe a compatibilidade para todas as inferiores.
Lógico-Jurídico: A Constituição encontra o seu fundamento de validade, não no
direito posto, mas no plano pressuposto lógico, ou seja, a norma hipotética
fundamental.

Teoria da eficácia vertical (Estado-particular);


Teoria da eficácia horizontal (particular (superior) - particular (inferior));
Teoria da eficácia diagonal (particular - particular - posições iguais).

O que se entende por efeito Backlash?


Efeito backlash consiste em uma reação conservadora de parcela da sociedade ou das
forças políticas (em geral, do parlamento) diante de uma decisão liberal do Poder
Judiciário em um tema polêmico. Ou seja, é o ativismo judicial.