Vous êtes sur la page 1sur 6
aia -MALINOWSKI CAPITULO XII [Na praia de Sarubwoyna . 1a costa noroeste dos estritos Dawson, onde, na ampla pra, nadas as aldeias de Bwayowa, Tw'utauna e Deyde', a0. pé de cerimOnias inaugutas, também agora esta praia, Sarubwoyr onde mais uma vez eles rednem suas forgas depois de completada a tabs eto sendo obsess, nv cso de gus faz com que 0s natives adocram, Alguse do ss — sto obserads tanto poe tans; emus vinta team segid, vines de Tevare, Syamawa ¢ Sano’ | ‘Agus els, na vedade, fo exam pertcpando. do Kul, mas scompe: ‘hando as dena por simples cuosicae, Como sonteceu na sande eapedit | tvalok qoe es asompantat de Dobu a Soaista em 1918 = na gual.as event anoas Dab foram sogudas de outras doze vindes dus hes Amphiet © outa anas vidas de Vl Ge rituais migicos. Num curto espago de tempo, sucedese um grande tée pequenos rituis, acompaahados de f6rmulas migicas em geral nio ‘esde © momento da chegada da Sarubwoyna até sua en rochas é 0 que a histria longas: Com efe alusbes 20 Kula na na aldeia, el gue pyde tstemunhar ef nia andloga a esa, exzcutada ola fota hula de Dob 8 velas slo enroladas, os mastras desmontados, as eanoas stracadas (ves fig. 48). Em cada uma das canoas, os homens mais velhos co- | | | | 20 MALINOWSKI rmecam a abri cesar dels ses objets de uso pesca. Os mais 2 Pai, recolhendo arande qundade de Liber de ea Fefueno recptisio, onde Seat amishos i enfiado tos brace estegada tobe 0 (retin dinars odo o& encantamestn pofridos sobre ox coxmsicos 3 mwas (gia hl) da belt, © objeto pti te Feio e desajeltado, tador. Ese episédio Fran de Stubwoyna, ov em Curr los eee dessin ee frau reptium-ne dae See” © Haendo eizoolha para nés, vé quem para nie , io hi vida de que a erensa ‘pode torné-Is realmente muagie da beleza do Ki cada antes das grandes dancas ¢ fomece ARGONAUTAS DO PACIFICO OCIDENTAL 21 0 ritual executado € 0 da ablugio csrimoaisl. O toliwapa coloca ‘2 boca bem préxima dos grandes magos de fo ‘érmula denominada kaykakaya (rmula ENCANTAMENTO K4YRAKAYA “0 peixe katatuna, 6 peixe marabwage, peixe yabwat, peixe reresu!” vermetha, com que eles esto pintdos; aut tint vermelha, com que cles esto enti “les me apertam ao pito; eles me abragam, “A grande mulher se tora minha amiga, onde os 1 boa mulher se toma minha amiga, na plataforma de [Duss pombas se levanam ¢ fem a volts; dis papugsos voam em plataforma de sentar sio-as pernas dele; nfo mais € mina colher para cal, ‘minha colher para cal €a lingua dele; ndo mals € meu pote para aly meu pote para cal a garganta del Esta formula passa, ent sma parte final do feigo do sulumwoya, jf citado anteriormente (capitulo VIN, que diz: “Espirito de meu tio mi temo, recentemente falecid”, ete, No iniio desta {6rmula, sio enumerados nomes de penss. Esses peixes tém todos marcas vermelhas n0' corpo e so coasiderados tabu pelos nativor que tam a magia mwasila e praticam 0 Kula. Se comidos, dio 2 pessoa uma apa- réncia muito feia. As palaveas de um dos meus informantes, jé mensionadss acim, “nds comemos peites ruins, nds ficamos feos", refeemse a estes certacoertacia mégiea que se veriice no Ambito de uma coneatenacio fextremamente obscuras ¢ confusas: 0 vermelho do pei, + pntura vermelha do corpo hum: 20 -MALINOWSKI ciancinks. Segundo 0 fe considera efemiade ou ridculo.@ {ato de os home eres tana, ands ou cio Deven ace je tengo homosexial, pelo mance 26'do "enum afago remem Ore ee nae i parce Kil esos ema do pacer, as quis como f davon ae consideradss como possuidoras de prance infagacs nas ton Filey ct pe te co auc en rn me it Ss See Shenae fe pa gs ie ss ata incon abe ENCANTAMENTO DO TALO tinta vermetha do peite wdawada! Tinta vermelha, site mwvaylii! Numa extremidade da pétala-flor do pan: Minha cesta poquena, Minha ARGONAUTAS DO PACIFICO OCIDENTAL 23 teas materits. Aqui essa expressio denota que 0 parceiro de Dobu, a0 clhar para 0 rh tn ports, como o de um chefe: meu cor excelente. Eu sou'o unico; minha fama se ergue ‘étalas da. flor fo pandano sto lgeiramente coloridas numa de suas exitemidates e que sio ‘contideradas como um dos mais belos e atraentes ensites parte intermediaria patida da expedigio, 0 depois € culdadosamente ve que rome parsed “Quem vem & frente com 0 Kula? Eu (neste ponto 0 resitador profere seu priprio nome), venho a frente com o Kula, eu sere a tinico chef; eu seri © nico velho; eu sereio tinico @ encontar-se com meu parcero na es teada. Minha fama permanece sozinha; meu aome € tnico Lindos objetos dd valor so trocados aqui com meu parcsiro; lindos objeos de valor sio iro; os objetos que meu parceirotraz em sua cesta slo inspecionados.” Depois deste exérdio vem a parte intermediria, baseada no principio da repetifdo de uma palavra com uma série de outras. A palavra-chave, nesta cexpressio que denota 0 estado de contentamento em que se [parceiro e que o faz dar generosos presents lula. Essa palavra ie de palavras que descrevem os diver- 403 objetos de uso pessoal do parceire, Seu cachorto, seu into; seu caco nox de bétel tabu; e, a seguir, com uma nova serie de fermos que deno- tam as diversas categrias do objets valiosos do Kula que se espera éados. Esta parte podera, entio, ser waduida da sep