Vous êtes sur la page 1sur 32

Educação Ambiental

Apostila

Everton Maksud Medeiros

Pelotas-RS / 2017
Sumário
Palavra do Professor 03

Apresentação da Disciplina 04

Projeto instrucional 05

1 Educação Ambiental 06

1.1 Introdução 06

1.2 Alguns conceitos de Educação Ambiental 07

1.3 Princípios da Educação Ambiental 08

Atividades de aprendizagem 10

2 O papel da educação ambiental 11

Atividades de aprendizagem 13

3 Políticas Brasileiras 14

3.1 Artigo 225 da Constituição Federal brasileira 14

3.2 Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999 15

Atividades de aprendizagem 17

4 Dados históricos da Educação Ambiental 18

Atividades de aprendizagem 31

Referências 32

2 Técnico em Biocombustíveis
Palavra do Professor
Caro (a) Aluno (a)

Estamos começando uma nova disciplina e, com ela, novos


desafios pela frente. Juntos, trabalharemos para o desenvolvimento dos
conhecimentos sobre Educação Ambiental.

Não esqueça que a sua participação nas atividades propostas é


importante para a construção do conhecimento de todos.

Bom trabalho!

Prof. Dr. Everton Maksud Medeiros

Educação Ambiental 3
Apresentação
Prezado(a) estudante

Seja bem-vindo ao espaço da disciplina de Educação Ambiental!

Nesta disciplina, será possível conhecer o contexto histórico do


movimento ambientalista, os fundamentos da educação ambiental, os
principais eventos e histórico da educação ambiental e o aparato legal.

A disciplina está dividida em quatro semanas. Na primeira semana,


estudaremos “Educação Ambiental: Introdução, alguns conceitos de
educação ambiental, princípios da educação ambiental”; na segunda
semana “o papel da educação ambiental”, na terceira semana, “Lei nº 9.795”
e o “Artigo 225 da Constituição Brasileira” e na quarta semana “Dados
Históricos da Educação Ambiental Internacional e Dados Históricos da
Educação Ambiental no Brasil”.

Lembre-se: há uma equipe que trabalha para que você supere suas
dificuldades.

Conte conosco!

Prof. Everton Maksud Medeiros

4 Técnico em Biocombustíveis
Projeto Instrucional
Instituição: Instituto Federal Sul-rio-grandense - Campus Pelotas - Visconde da Graça
Nome do Curso: Técnico em Biocombustível
Professores-autores: Everton Maksud Medeiros e Elisa Bald Siqueira
Disciplina: Educação Ambiental

EMENTA BÁSICA DA DISCIPLINA:

Princípios da Educação Ambiental; O papel da educação ambiental;


Legislação: o artigo 225 da Constituição Federal Brasileira; Dados Históricos
da Educação Ambiental Internacional; Dados Históricos da Educação
Ambiental no Brasil.

Semana Aula Objetivos e Recursos Carga


aprendizagem

1. Educação Ambiental: Conhecer a abrangência Unidade 12h

1ª Introdução, alguns da Educação Ambiental, Curricular 1

conceitos de educação assim como identificar

ambiental, princípios seus princípios básicos. Fórum de

da educação ambiental. dúvidas

Atividade 1 8h

2. O papel da Educação Reconhecer o papel da Unidade 6h

2ª Ambiental Educação Ambiental em Curricular 2

nossa sociedade.

Atividade 2 Fórum de 4h

dúvidas

3. Legislação Conhecer o artigo 225 Unidade 6h

3ª da constituição federal Curricular 3

do Brasil e a Lei nº

9.795, correlacionando Fórum de

Atividade 3 com a sua realidade. dúvidas 4h

4. Dados históricos da Reconhecer os dados Unidade 12h

4ª Educação Ambiental históricos da Educação Curricular 4

Ambiental nos cenários

nacional e internacional Fórum de

dúvidas

Atividade 4 8h

Educação Ambiental 5
1. Educação Ambiental

OBJETIVOS DA AULA: Conhecer a abrangência da Educação
Ambiental, assim como identificar seus princípios básicos.

1. INTRODUÇÃO

Estamos vivendo em um mundo que nenhum de nós deseja; e essa


situação acontece justamente porque deixamos que ela ocorresse. A espécie
humana experimenta um grande desafio à sua sustentabilidade: a perda
do equilíbrio ambiental, injustiça social, injustiça econômica, violência,
empobrecimento ético, cultural e espiritual, frutos de um tipo de Educação
que “treina” as pessoas para serem consumidores egocêntricos e ignorar as
consequências ecológicas dos seus atos.

Durante a Conferência da Organização das Nações Unidas (ONU)


sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio-92), representantes de
170 países formularam a Agenda-21, um Plano de Ação para o Século XXI,
com o objetivo de promover o desenvolvimento sustentável, a estratégia
mais viável para enfrentar esse desafio. Reconhece também que o desafio
fundamental para a construção de uma sociedade sustentável é a educação
(DIAS, 2004).

Assim, a Educação Ambiental foi identificada como o elemento


crítico para a promoção desse novo modelo de desenvolvimento. O desafio
que se coloca é de formular uma educação ambiental que seja crítica e
inovadora em dois níveis: formal e não formal.

A educação ambiental, com a preocupação de cuidado com o meio


ambiente, é um direito e um dever de todos, responsabilizando o poder
público, as instituições educativas, os meios de comunicação de massa,
enfim, a sociedade como um todo. Pretende compromissar os cidadãos com
uma idéia, com preceitos bem elaborados, constituídos em uma linha de
conscientização crítica e solidária, com princípios de liberdade, igualdade,
solidariedade, democracia, justiça social, responsabilidade e, ainda, com um
enfoque humanístico e holístico (NEVES, 2003).

6 Técnico em Biocombustíveis
1. Educação Ambiental
1.2. ALGUNS CONCEITOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Tendo as suas bases conceituais conhecidas desde a Conferência de


Tbilisi (1977), a Educação Ambiental, dada a sua natureza interdisciplinar,
reúne os elementos necessários para contribuir decisivamente com a
promoção das mudanças de rota que a humanidade carece.

A evolução dos conceitos de Educação Ambiental esteve diretamente


relacionada à evolução do conceito de meio ambiente e ao modo como este
era percebido.

Segundo a Política Nacional de Educação Ambiental, a Educação


Ambiental foi conceituada como:

Educação Ambiental são os processos por meio dos quais o


indivíduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos,
habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação
do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia
qualidade de vida e sua sustentabilidade.

O Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA (1996) definiu a


Educação Ambiental como:

Educação Ambiental é um processo de formação e informação,


orientado para o desenvolvimento da consciência crítica sobre as
questões ambientais e de atividades que levem à participação das
comunidades na preservação do equilíbrio ambiental.

Na realidade, os conceitos se completam. Vejamos uma definição


que procure unir alguns autores:

Educação Ambiental é o desenvolvimento da compreensão e


motivação para adquirir atitudes necessárias para trabalhar com as
questões ou os problemas ambientais, e procurar encontrar soluções
sustentáveis para tais problemas.

Um dos principais objetivos da Educação Ambiental consiste


em contribuir para a compreensão da complexidade do ambiente em
suas dimensões ecológicas, econômicas, sociais, culturais, políticas,

Educação Ambiental 7
1. Educação Ambiental
éticas e tecnológicas, de maneira a sensibilizar a coletividade quanto a
importância de sua organização e participação na defesa de todas as
formas de vida. Pretende-se, assim, incentivar a mobilização dos cidadãos
a partir do reconhecimento das causas e das consequências dos impactos
socioambientais que afligem o planeta, buscando satisfazer as necessidades
fundamentais da humanidade ao mesmo tempo em que são respeitados os
direitos das gerações futuras terem acesso a um ambiente saudável.

1.3. PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

As diretrizes expressas na Política Nacional de Educação Ambiental


definida pela Lei Federal nº 9795, de 27 de abril de 1999, trazem orientações
quanto aos princípios, aos objetivos, às linhas de atuação e às estratégias
de implementação da Educação Ambiental. É reconhecida como um
instrumento pelo qual “o indivíduo e a coletividade constroem valores
sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para
a conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à
qualidade de vida e sua sustentabilidade”.

Simultaneamente à reunião de chefes de Estado ocorrida na


Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento
– Rio de Janeiro, 1992 - foi realizado o Fórum Global das Organizações
Não governamentais, no qual foram ratificados vários tratados, dentre
os quais o Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis
e Responsabilidade Global, documento que constitui marco referencial
da Educação Ambiental para o Programa Nacional de Educação Brasileira,
no qual são definidos os seus princípios de compromisso com mudanças
nas dimensões individuais e estruturais. Aborda os direitos e os deveres
que cabem aos cidadãos, tendo em vista o estabelecimento de sociedades
sustentáveis.

Princípios da Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e


Responsabilidade Global

1) A Educação é direito de todos; somos todos aprendizes e educadores.

2) A Educação Ambiental deve ter como base o pensamento crítico e


inovador, promovendo a transformação da sociedade.

3) A Educação Ambiental é individual e coletiva. Tem o propósito de formar

8 Técnico em Biocombustíveis
1. Educação Ambiental
cidadãos com consciência local e planetária.

4) A Educação Ambiental não é neutra, mas ideológica. É um ato político.

5) A Educação Ambiental deve envolver uma perspectiva holística,


enfocando a relação entre o ser humano, a natureza e o universo de forma
interdisciplinar.

6) A Educação Ambiental deve estimular a solidariedade, a igualdade e o


respeito aos direitos humanos, valendo-se de estratégias democráticas.

7) A Educação Ambiental deve tratar as questões globais críticas, suas


causas e inter-relações em uma perspectiva sistêmica, em seu contexto
social e histórico.

8) A Educação Ambiental deve facilitar a cooperação mútua e equitativa


nos processos de decisão, em todos os níveis e etapas.

9) A Educação Ambiental deve recuperar, reconhecer, respeitar, refletir


e utilizar a história indígena e culturas locais, assim como promover a
diversidade cultural, lingüística e ecológica.

10) A Educação Ambiental deve estimular e potencializar o poder das diversas


populações, promovendo oportunidades para as mudanças democráticas
de base que estimulem os setores populares da sociedade.

11) A Educação Ambiental valoriza as diferentes formas de conhecimento.


Este é diversificado, acumulado e produzido socialmente.

12) A Educação Ambiental deve ser planejada para capacitar as pessoas a


trabalharem conflitos de maneira justa e humana.

13) A Educação Ambiental deve promover a cooperação e o diálogo entre


os indivíduos e instituições com a finalidade de criar novos modos de vida,
baseados em atender às necessidades básicas de todos os indivíduos.

14) A Educação Ambiental deve integrar conhecimentos, aptidões, valores,


atitudes e ações.

15) A Educação Ambiental deve ajudar a desenvolver uma consciência ética


sobre todas as formas de vida com as quais compartilhamos este planeta,

Educação Ambiental 9
1. Educação Ambiental
respeitar seus ciclos vitais e impor limites à exploração dessas formas de
vida pelos seres humanos.

Fonte: http://www.cnpma.embrapa.br/projetos/indexphp3?sec=eduam:::99

ATIVIDADES DE APRENDIZAGEM

ATIVIDADE 1: Comente dois princípios da Educação


Ambiental, contextualizando-os com o seu dia-a-dia.
Poste seu texto no fórum.

10 Técnico em Biocombustíveis
2. O Papel da Educação Ambiental
OBJETIVOS DA AULA: Reconhecer o papel da Educação
Ambiental em nossa sociedade.

A reflexão sobre as práticas sociais, em um contexto marcado pela


degradação permanente do meio ambiente e do seu ecossistema, envolve
uma necessária articulação com a produção de sentidos sobre a Educação
Ambiental. A dimensão ambiental configura-se crescentemente como
uma questão que envolve um conjunto de atores do universo educativo,
potencializando o engajamento dos diversos sistemas de conhecimento,
a capacitação de profissionais e a comunidade universitária numa
perspectiva interdisciplinar. Nesse sentido, a produção de conhecimento
deve necessariamente contemplar as inter-relações do meio natural
com o social, incluindo a análise dos determinantes do processo, o papel
dos diversos atores envolvidos e as formas de organização social que
aumentam o poder das ações alternativas de um novo desenvolvimento,
numa perspectiva que priorize novo perfil de desenvolvimento, com ênfase
na sustentabilidade socioambiental (JACOBI, 2003).

A sociedade, embora nos últimos anos tenha conquistado avanços


científicos e tecnológicos, ainda é empurrada por altos padrões de consumo,
impostos por modelos de desenvolvimento insanos, completados por um
insustentável crescimento populacional.

Acrescendo-se a isso, as alterações ambientais globais, induzidas


por dimensões humanas, agravaram a crise ambiental, produzindo
mudanças indesejáveis, como alterações climáticas, destruição de habitats,
desflorestamento, perda de solo, extinção de espécies e de diversidade de
ecossistemas, poluição, escassez de água potável, erosão cultural e outras
(DIAS, 2004).

O grande desafio, segundo Oliveira e Corrêa (2009), consiste


na dimensão ética, responsável e comprometida dos seres humanos
com o ambiente, o que requer um processo educativo que envolva
permanentemente os indivíduos e a coletividade.

Assim, a educação ambiental apresenta-se como um instrumento


importante a ser considerado nesse processo, pelo fato de sua prática
pedagógica estar comprometida permanentemente com a transformação
do ser social, na construção de valores, conhecimentos, habilidades,

Educação Ambiental 11
2. O Papel da Educação Ambiental
atitudes e competências voltadas para a preservação dos ambientes, dos
seres humanos e das relações destes entre si e com os ambientes dos quais
fazem parte (OLIVEIRA e CORRÊA, 2009).

A Educação Ambiental, como processo de educação política, objetiva


o exercício da cidadania para uma ação transformadora, a fim de melhorar a
qualidade de vida da coletividade. A abordagem sociocultural permite que
a ação pró-ativa e transformadora, proposta pela Educação Ambiental, se
efetive, já que implique em formação para uma reflexão crítica (PELICIONI,
2004).

A eficiência da gestão de uma área urbana ou rural é determinada


pelo grau de educação da população local. Assim, a educação ambiental se
torna fundamental na obtenção dos objetivos e metas para uma adequada
gestão ambiental, em qualquer localidade.

A Educação Ambiental, de acordo com Neves (2003), tem uma


missão que vai além da educação e do conhecimento do meio ambiente em
que vivemos. Ela precisa buscar um novo ideário comportamental, construir
um novo conceito de mundo, permeado pela coerência nas atitudes, com
uma postura ética e uma consciência política, que permitam um bem estar
coletivo.

Além disso, precisa ser uma educação que prepare o indivíduo para
o convívio em comunidade, respeitando o seu semelhante e o meio onde
vive, questionando os outros e a si próprio constantemente, organizando
e reorganizando seu modo de vida, sendo atuante, e ao mesmo tempo,
consciente de que as transformações acontecem paulatinamente, e levam
tempo, mas são urgentes e, mais do que nunca, necessárias (NEVES, 2003).

Cabe destacar que a Educação Ambiental, segundo Jacobi (2003),


assume cada vez mais uma função transformadora,na qual a responsabilidade
dos indivíduos torna-se um objetivo essencial para promover um novo
tipo de desenvolvimento – o desenvolvimento sustentável. Entende-se,
portanto, que a Educação Ambiental é condição necessária para modificar
um quadro de crescente degradação socioambiental, mas ela ainda não é
suficiente.

12 Técnico em Biocombustíveis
2. O Papel da Educação Ambiental
ATIVIDADES DE APRENDIZAGEM

ATIVIDADE 2: Identifique em seu município um exemplo


onde a Educação Ambiental cumpriu seu papel, ou onde
poderia ser utilizada para melhoria da qualidade de vida
da população. Elabore um texto sobre suas reflexões,
postando-o no fórum.

Educação Ambiental 13
3. POLÍTICAS BRASILEIRAS
OBJETIVOS DA AULA: Conhecer o artigo 225 da constituição
federal do Brasil e a Lei nº 9.795, correlacionando com a sua
realidade.

3.1. ARTIGO 225 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL BRASILEIRA

Presidência da República
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Jurídicos
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL.


CAPÍTULO VI - DO MEIO AMBIENTE
Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado,
bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-
se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo
para as presentes e futuras gerações.

§ 1º - Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao Poder Público:

I - preservar e restaurar os processos ecológicos essenciais e prover o manejo


ecológico das espécies e ecossistemas;

II - preservar a diversidade e a integridade do patrimônio genético do País


e fiscalizar as entidades dedicadas à pesquisa e manipulação de material
genético;

III - definir, em todas as unidades da Federação, espaços territoriais e seus


componentes a serem especialmente protegidos, sendo a alteração e a
supressão permitidas somente através de lei, vedada qualquer utilização
que comprometa a integridade dos atributos que justifiquem sua proteção;

IV - exigir, na forma da lei, para instalação de obra ou atividade


potencialmente causadora de significativa degradação do meio ambiente,
estudo prévio de impacto ambiental, a que se dará publicidade;

V - controlar a produção, a comercialização e o emprego de técnicas,

14 Técnico em Biocombustíveis
3. POLÍTICAS BRASILEIRAS
métodos e substâncias que comportem risco para a vida, a qualidade de
vida e o meio ambiente;

VI - promover a educação ambiental em todos os níveis de ensino e a


conscientização pública para a preservação do meio ambiente;

VII - proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que


coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies
ou submetam os animais a crueldade.

§ 2º - Aquele que explorar recursos minerais fica obrigado a recuperar o


meio ambiente degradado, de acordo com solução técnica exigida pelo
órgão público competente, na forma da lei.

§ 3º - As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente


sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e
administrativas, independentemente da obrigação de reparar os danos
causados.

§ 4º - A Floresta Amazônica brasileira, a Mata Atlântica, a Serra do Mar, o


Pantanal Mato-Grossense e a Zona Costeira são patrimônio nacional, e sua
utilização far-se-á, na forma da lei, dentro de condições que assegurem
a preservação do meio ambiente, inclusive quanto ao uso dos recursos
naturais.

§ 5º - São indisponíveis as terras devolutas ou arrecadadas pelos Estados, por


ações discriminatórias, necessárias à proteção dos ecossistemas naturais.

§ 6º - As usinas que operem com reator nuclear deverão ter sua localização
definida em lei federal, sem o que não poderão ser instaladas.

3.2. LEI Nº 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999

Presidência da República
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Jurídicos
LEI Nº 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999.

CAPÍTULO I - DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Educação Ambiental 15
3. POLÍTICAS BRASILEIRAS
Art. 4o São princípios básicos da educação ambiental:

I - o enfoque humanista, holístico, democrático e participativo;

II - a concepção do meio ambiente em sua totalidade, considerando a


interdependência entre o meio natural, o sócio-econômico e o cultural, sob
o enfoque da sustentabilidade;

III - o pluralismo de idéias e concepções pedagógicas, na perspectiva da


inter, multi e transdisciplinaridade;

IV - a vinculação entre a ética, a educação, o trabalho e as práticas sociais;

V - a garantia de continuidade e permanência do processo educativo;

VI - a permanente avaliação crítica do processo educativo;

VII - a abordagem articulada das questões ambientais locais, regionais,


nacionais e globais;

VIII - o reconhecimento e o respeito à pluralidade e à diversidade individual


e cultural.

Art. 5o São objetivos fundamentais da educação ambiental:

I - o desenvolvimento de uma compreensão integrada do meio ambiente


em suas múltiplas e complexas relações, envolvendo aspectos ecológicos,
psicológicos, legais, políticos, sociais, econômicos, científicos, culturais e
éticos;

II - a garantia de democratização das informações ambientais;

III - o estímulo e o fortalecimento de uma consciência crítica sobre a


problemática ambiental e social;

IV - o incentivo à participação individual e coletiva, permanente e


responsável, na preservação do equilíbrio do meio ambiente, entendendo-
se a defesa da qualidade ambiental como um valor inseparável do exercício
da cidadania;

16 Técnico em Biocombustíveis
3. POLÍTICAS BRASILEIRAS
V - o estímulo à cooperação entre as diversas regiões do País, em níveis
micro e macrorregionais, com vistas à construção de uma sociedade
ambientalmente equilibrada, fundada nos princípios da liberdade,
igualdade, solidariedade, democracia, justiça social, responsabilidade e
sustentabilidade;

VI - o fomento e o fortalecimento da integração com a ciência e a tecnologia;

VII - o fortalecimento da cidadania, autodeterminação dos povos e


solidariedade como fundamentos para o futuro da humanidade.

ATIVIDADES DE APRENDIZAGEM

ATIVIDADE 3: Escolha um item da LEI nº 9.795 ou do Art.


225 da CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO
BRASIL para comentar, correlacionando com a realidade
da sua cidade. Produza um texto de no mínimo 10 linhas
sobre o assunto, postando o mesmo no Fórum. Leia e
comente o texto produzido por outro colega do seu polo.

Educação Ambiental 17
4. DADOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL
OBJETIVOS DA AULA: Reconhecer os dados históricos da
Educação Ambiental nos cenários nacional e internacional.

Quadro 4.1: Dados Históricos da Educação Ambiental Internacional

Ano Acontecimento

- Século XIX -

1869 Ernst Haeckel, propõe o vocábulo “ecologia”


para os estudos das relações entre as
espécies e seu ambiente

1872 Criação do primeiro parque nacional do


mundo “Yellowstone”, USA

- Século XX -

1947 Funda-se na Suíça a UICN- União


Internacional para a Conservação da Natureza

1952 Acidente de poluição do ar em Londres


provoca a morte de 1600 pessoas

- anos 60 -

1962 Publicação da “Primavera Silenciosa” por


Rachel Carlson

1965 É utilizada a expressão “Educação Ambiental”


(Enviromental Education) na “Conferência
de Educação” da Universidade de Keele, Grã-
Bretanha

1966 Pacto Internacional sobre os Direitos


Humanos - Assembléia Geral da ONU

18 Técnico em Biocombustíveis
4. DADOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL
1968 Fundação do Clube de Roma

1968 Manifestações de Maio de 68 na França

- anos 70 -

1972 Publicação do Relatório “Os Limites do


Crescimento” - Clube de Roma

1972 Conferência de Estocolmo - Discussão


do Desenvolvimento e Ambiente, Conceito
de Ecodesenvolvimento. Recomendação 96
Educação e Meio Ambiente

1973 Registro Mundial de Programas em Educação


Ambiental -USA

1974 Seminário de Educação Ambiental em


Jammi, Finlândia - Reconhece a Educação
Ambiental como educação integral e
permanente

1975 Congresso de Belgrado - Carta de Belgrado


estabelece as metas e princípios da Educação
Ambiental

1975 Programa Internacional de Educação


Ambiental - PIEA

1976 Reunião Subregional de EA para o ensino


Secundário Chosica Peru. Questões
ambientais na América Latina estão ligadas
às necessidades de sobrevivência e aos
direitos humanos.

1976 Congresso de Educação Ambiental


Brasarville, África, reconhece que a pobreza é
o maior problema ambiental.

Educação Ambiental 19
4. DADOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL
1977 Conferência de Tbilisi - Geórgia, estabelece
os princípios orientadores da EA e remarca
seu caráter interdisciplinar, critico, ético e
transformador.

1979 Encontro Regional de Educação Ambiental


para América Latina em San José , Costa Rica.

- anos 80 -

1980 Seminário Regional Europeu sobre EA , para


Europa e América do Norte. Assinala a
importância do intercâmbio de informações
e experiências.

1980 Seminário Regional sobre EA nos Estados


Árabes, Manama, Bahrein. UNESCO _ PNUMA.

1980 Primeira Conferência Asiática sobre EA Nova


Delhi, Índia

1987 Divulgação do Relatório da Comissão


Brundtland, Nosso Futuro Comum.

1987 Congresso Internacional da UNESCO - PNUMA


sobre Educação e Formação Ambiental -
Moscou. Realiza a avaliação dos avanços
desde Tbilisi , reafirma os princípios de
Educação Ambiental e assinala a importância
e necessidade da pesquisa, e da formação
em Educação Ambiental .

1988 Declaração de Caracas. ORPAL - PNUMA,


Sobre Gestão Ambiental em América
Denuncia a necessidade de mudar o modelo
de desenvolvimento.

1989 Primeiro Seminário sobre materiais para a


Educação Ambiental. ORLEAC - UNESCO -
PIEA. Santiago, Chile.

20 Técnico em Biocombustíveis
4. DADOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL
1989 Declaração de HAIA, preparatório da
RIO 92,aponta a importância da cooperação
internacional nas questões ambientais.

- anos 90 -

1990 Conferência Mundial sobre Ensino para


Todos, Satisfação das necessidades básicas
de aprendizagem, Jomtien, Tailândia.
Destaca o conceito de Analfabetismo Ambiental

1990 ONU Declara o ano 1990 o Ano Internacional


do Meio Ambiente.

1991 Reuniões preparatórias da Rio 92.

1992 Conferência sobre o Meio Ambiente e


o Desenvolvimento, UNCED, Rio/92 - Criação
da Agenda 21 Tratado de Educação Ambiental
para Sociedades Sustentáveis FORUN das
ONG’s - compromissos da sociedade civil
com a Educação Ambiental e o Meio
Ambiente. Carta Brasileira de Educação
Ambiental . Aponta as necessidades de
capacitação na área. MEC.

1993 Congresso Sul-americano continuidade


Eco/92 - Argentina

1993 Conferência dos Direitos Humanos. Viena.

1994 Conferência Mundial da População. Cairo

1994 I Congresso Ibero Americano de Educação


Ambiental. Guadalajara, México.

1995 Conferência para o Desenvolvimento Social.


Copenhague Criação de um ambiente
econômico-político-social-cultural e jurídico
que permita o desenvolvimento social.

Educação Ambiental 21
4. DADOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL
1995 Conferência Mundial da Mulher / Pequim

1995 Conferência Mundial do Clima. Berlim

1996 Conferência Habitat II Istambul.

1997 II Congresso Ibero-americano de EA . Junho


Guadalajara, México.

1997 Conferência sobre EA em Nova Delhi.

1997 Conferência Internacional sobre Meio


Ambiente e Sociedade : Educação e
Conscientização Pública para a
Sustentabilidade, Thessaloniki, Grécia.

Fonte: Naná Minnini Medina

Consultora de Educação Ambiental

http://www.cdcc.sc.usp.br/CESCAR/Material_Didatico/dados_hist_educa_ambie_Internacional.pdf

Quadro 4.2: Dados Históricos da Educação Ambiental no Brasil

Ano Acontecimento

- Século XIX -

1808 Criação do Jardim Botânico no Rio de Janeiro

1850 Lei 601 de Dom Pedro II proibindo a


exploração florestal nas terras descobertas,
a lei foi ignorada, continuando o
desmatamento para implantação da
monocultura de café.

1876 André Rebouças sugere a criação de parques


nacionais na Ilha de Bananal e em Sete
Quedas.

1891 Decreto 8.843 cria reserva florestal em Acre,

22 Técnico em Biocombustíveis
4. DADOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL
que não foi implantada ainda.

1896 Foi criado o primeiro parque estadual em


São Paulo. Parque da Cidade.

- Século XX -

1920 O pau brasil é considerado extinto

1932 Realiza-se no Museu Nacional a primeira


Conferência Brasileira de Proteção à Natureza

1934 Decreto 23793 transforma em Lei o


Anteprojeto de Código Florestal

1937 Cria-se o Parque Nacional de Itatiaia

1939 Cria-se o Parque Nacional do Iguaçu

- anos 60 -

1961 Jânio Quadros, declara o pau brasil como


árvore símbolo nacional, e o ipê como a flor
símbolo nacional

- anos 70 -

1971 Cria-se em Rio Grande do Sul a associação


Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural.
AGAPAN

1972 A Delegação Brasileira na Conferência de


Estocolmo declara que o pais está “aberto a
poluição, porque o que se precisa é dólares,
desenvolvimento e empregos”. Apesar disto,
contraditoriamente o Brasil lidera os países
do Terceiro Mundo para não aceitar a Teoria
do Crescimento Zero proposta pelo Clube de
Roma

Educação Ambiental 23
4. DADOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL
1972 A Universidade Federal de Pernambuco inicia
uma campanha de reintrodução do pau
brasil considerado extinto em 1920.

1973 Cria-se a Secretaria Especial do Meio


Ambiente, SEMA, no âmbito do Ministério do
Interior, que entre outras atividades, começa
a fazer Educação Ambiental

1976 A SEMA e a Fundação Educacional do Distrito


Federal e a Universidade de Brasília realizam
o primeiro curso de Extensão para
professores do 1o Grau em Ecologia.

1977 Implantação do Projeto de Educação


Ambiental em Ceilândia. (1977 - 81).

1977 SEMA constitui um grupo de trabalho para


elaboração de um documento de Educação
Ambiental para definir seu papel no contexto
brasileiro.

1977 Seminários Encontros e debates


preparatórios à Conferência de Tbilisi são
realizados pela FEEMA-RJ.

1977 A disciplina Ciências Ambientais passa a ser


obrigatória nos cursos de Engenharia.

1978 A Secretaria de Educação de Rio Grande do


Sul desenvolve o Projeto Natureza (1978 - 85)

1978 Criação de cursos voltados para as questões


ambientais em varias universidades
brasileiras.

1978 Nos cursos de Engenharia Sanitária inserem-se


as disciplinas de Saneamento Básico e
Saneamento Ambiental

24 Técnico em Biocombustíveis
4. DADOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL
1979 O MEC e a CETESB/ SP, publicam o documento
“Ecologia uma Proposta para o Ensino de 1o e 2o Graus.

- anos 80 -

1981 Lei Nº. 6938 de 31 de Agosto, dispõe sobre a


Política Nacional do Meio Ambiente
(Presidente Figueiredo)

1984 Conselho Nacional do Meio Ambiente


(CONAMA) apresenta uma resolução
estabelecendo diretrizes para a Educação
Ambiental, que não é tratada.

1986 A SEMA junto com a Universidade Nacional


de Brasília, organiza o primeiro Curso de
Especialização em Educação Ambiental.
(1986 a 1988)

1986 I Seminário Nacional sobre Universidade e


Meio Ambiente

1986 Seminário Internacional de Desenvolvimento


Sustentado e Conservação de Regiões
Estuarino – Lacunares (Manguezais) São
Paulo

1987 O MEC aprova o Parecer 226/87 do


conselheiro Arnaldo Niskier, em relação a
necessidade de inclusão da Educação
Ambiental nos currículos escolares de 1o e 2o
Graus

1987 Paulo Nogueira Neto representa ao Brasil na


Comissão Brundtland

1987 II Seminário Universidade e Meio Ambiente,


Belém, Pará.

Educação Ambiental 25
4. DADOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL
1988 A Constituição Brasileira, de 1988, em Art.
225, no Capítulo VI - Do Meio Ambiente,
Inciso VI, destaca a necessidade de
‘’promover a Educação Ambiental em
todos os níveis de ensino e a conscientização
pública para a preservação do meio ambiente’’.

Para cumprimento dos preceitos


constitucionais, leis federais, decretos,
constituições estaduais, e leis municipais
determinam a obrigatoriedade da Educação
Ambiental.

1988 Fundação Getúlio Vargas traduz e publica o


Relatório Brundtland, Nosso Futuro Comum.

1988 A Secretaria de Estado do Meio Ambiente de


SP e a CETESB, publicam a edição piloto do
livro “Educação Ambiental” Guia para professores
de 1o e 2o Graus.

1989 Criação do IBAMA (Instituto Brasileiro do


Meio Ambiente), pela fusão da SEMA,
SUDEPE, SUDEHVEA e IBDF. Nele funciona a
Divisão de Educação Ambiental.

1989 Programa de Educação Ambiental em


Universidade Aberta da Fundação Demócrito
Rocha, por meio de encartes nos jornais de
Recife e Fortaleza.

1989 Primeiro Encontro Nacional sobre Educação


Ambiental no Ensino Formal. IBAMA/ UFRPE.
Recife

1989 Cria-se o Fundo Nacional de Meio Ambiente


FNMA no Ministério do Meio Ambiente
MMA.

26 Técnico em Biocombustíveis
4. DADOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL
1989 III Seminário Nacional sobre Universidade e
Meio Ambiente. Cuiabá. MT

- anos 90 -

1990 I Curso Latino-Americano de Especialização


em Educação Ambiental . PNUMA/IBAMA/
CNPq/CAPES/UFMT. CUIABÁ- MT (1990 a
1994)

1990 IV Seminário Nacional sobre Universidade e


Meio Ambiente, Florianópolis, SC.

1991 MEC resolve que todos os currículos nos


diversos níveis de ensino deverão contemplar
conteúdos de Educação Ambiental (Portaria
678 (14/05/91).

1991 Projeto de Informações sobre Educação


Ambiental IBAMA/ MEC

1991 Grupo de Trabalho para Educação Ambiental


coordenado pelo MEC, preparatório
para a Conferência do Rio 92.

1991 Encontro Nacional de Políticas e


Metodologias para Educação Ambiental.
MEC/ IBAMA/Secretaria do Meio Ambiente
da Presidência da República/ UNESCO/
Embaixada do Canadá.

1992 Criação dos Núcleos Estaduais de Educação


Ambiental do IBAMA, NEA’s.

1992 Participação das ONG’s do Brasil no Fórum


de ONG’s e na redação do Tratado de
Educação Ambiental para Sociedades
Sustentáveis. Destaca-se o papel da Educação
Ambiental na construção da Cidadania
Ambiental.

Educação Ambiental 27
4. DADOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL
1992 O MEC promove no CIAC do Rio das Pedras
em Jacarepagua Rio de Janeiro o Workshop
sobre Educação Ambiental cujo resultado
encontra-se na Carta Brasileira de Educação
Ambiental, destacando a necessidade de
capacitação de recursos humanos para EA

1993 Uma Proposta Interdisciplinar de Educação


Ambiental para Amazônia. IBAMA,
Universidades e SEDUC’s da região,
publicação de um Documento Metodológico
e um de caráter temático com 10
temas ambientais da região.(1992 a 1994)

1993 Criação dos Centros de Educação Ambiental


do MEC, com a finalidade de criar e difundir
metodologias em Educação Ambiental

1994 Aprovação do Programa Nacional de


Educação Ambiental, PRONEA, com a
participação do MMA/IBAMA/MEC/MCT/
MINC

1994 Publicação da Agenda 21 feita por crianças e


jovens em português. UNICEF.

1994 3º Fórum de Educação Ambiental

1995 Todos os Projetos Ambientais e/ou de


desenvolvimento sustentável devem incluir
como componente, atividades de Educação
Ambiental.

1996 Criação da Câmara Técnica de Educação


Ambiental do CONAMA

1996 Novos Parâmetros Curriculares do MEC, nos


quais incluem a Educação Ambiental como
tema transversal do currículo.

28 Técnico em Biocombustíveis
4. DADOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL
1996 Cursos de Capacitação em Educação
Ambiental para os técnicos das SEDUC’s
e DEMEC’s nos Estados, para orientar a
implantação dos Parâmetros Curriculares.
Convênio UNESCO - MEC

1996 Criação da Comissão Interministerial de EA.


MMA

1997 Criação da Comissão de Educação Ambiental


do MMA

1997 I Conferência Nacional de Educação


Ambiental. Brasília. ICNEA

1997 Cursos de Educação Ambiental organizados


pelo MEC – Coordenação de Educação
Ambiental, para as escolas Técnicas e
Segunda etapa de capacitação das SEDUC’s
e DEMEC’s. Convênio UNESCO – MEC

1997 I Teleconferência Nacional de Educação


Ambiental. Brasília, MEC

1998 Publicação dos materiais surgidos da ICNEA

1999 Criação da Diretoria de Educação Ambiental


do MMA Gabinete do Ministro

1999 Aprovação da LEI 9.597/99 que estabelece a


Política Nacional de EA

1999 Programa Nacional de Educação Ambiental

1999 Criação dos Movimentos dos Protetores da


Vida Carta de Princípios Brasília DF

1999 A Coordenação de EA do MEC passa a formar


parte da Secretária de Ensino Fundamental
– COEA

Educação Ambiental 29
4. DADOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL
- anos 2000 -

2000 Seminário de Educação Ambiental


organizado pela COEA/ MEC Brasília DF

2000 Curso Básico de Educação Ambiental a


Distância DEA/ MMA UFSC/ LED/ LEA

2004 Em setembro foi realizada a Consulta


Pública do ProNEA, o Programa Nacional de
Educação Ambiental, que
reuniu contribuições de mais de 800 educadores
ambientais do país. Em novembro
foi realizado o V Fórum Brasileiro
de Educação Ambiental, após sete anos
de intervalo ocorrido entre o IV Fórum, com
o lançamento da Revista
Brasileira de Educação Ambiental e com a
criação da Rede Brasileira de Educomunicação
Ambiental - REBECA.

Ainda em novembro, após dois anos de


existência enquanto Grupo de Estudos,
é oficializado o Grupo de Trabalho em
Educação Ambiental da ANPEd, Associação
Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa
em Educação. Em dezembro foi criado o
Grupo de Trabalho de Educação Ambiental
no FBOMS, o Fórum Brasileiro de ONGs e
Movimentos Sociais.

Fonte: Naná Minnini Medina

Consultora de Educação Ambiental

http://ambientes.ambientebrasil.com.br/educacao/dados_historicos/dados_historicos_da_educacao_

ambiental_no_brasil.html

30 Técnico em Biocombustíveis
4. DADOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL
Outras políticas no Brasil relacionadas à Educação Ambiental:

1998 - Lei nº 9.606, de 12 de fevereiro de 1998 que Dispõe sobre as sanções


penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio
ambiente, e dá outras providências.

2002 - Regulamentação da Política Nacional de EA (Lei n. 9.795) pelo Decreto


nº 4.281, de 25 de junho de 2002.

2006 - Lei nº 11.284, de 02 de março de 2006, que Dispõe sobre a gestão


de florestas públicas para a produção sustentável; institui, na estrutura
do Ministério do Meio Ambiente, o Serviço Florestal Brasileiro - SFB; cria
o Fundo Nacional de Desenvolvimento Florestal - FNDF; altera as Leis nos
10.683, de 28 de maio de 2003, 5.868, de 12 de dezembro de 1972, 9.605, de 12
de fevereiro de 1998, 4.771, de 15 de setembro de 1965, 6.938, de 31 de agosto
de 1981, e 6.015, de 31 de dezembro de 1973; e dá outras providências.

2006 - Lei nº 11.428, de 22 de dezembro de 2006, que Dispõe sobre a


utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica, e dá
outras providências.

2010 - Lei nº 12.305, de 02 de agosto de 2010, que Institui a Política Nacional


de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá
outras providências.

2010 - Decreto nº 7.404, de 23 de dezembro de 2010, que Regulamenta a


Lei no 12.305, de 2 de agosto de 2010, que institui a Política Nacional de
Resíduos Sólidos, cria o Comitê Interministerial da Política Nacional de
Resíduos Sólidos e o Comitê Orientador para a Implantação dos Sistemas
de Logística Reversa, e dá outras providências.

ATIVIDADES DE APRENDIZAGEM

ATIVIDADE 4: Escolha um acontecimento nacional ou internacional


dos dados históricos da Educação Ambiental e efetue uma pesquisa
bibliográfica sobre o tema (biblioteca e ou internet, entre outros).
Após elabore um texto de no mínimo 15 linhas sobre o assunto
correlacionando com o material de sua pesquisa, postando o
mesmo no Fórum. Leia e comente o texto produzido por outro
colega.

Educação Ambiental 31
Referências
BRASIL. Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil.
Brasília, 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/
Constituicao.htm>, acesso em 06 jun.2012.

CONAMA – Conselho Nacional do Meio Ambiente (1996). Disponível em <http://


www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=222>, acesso em 27/03/2012.

DIAS, G. B. Educação Ambiental: Princípios e Práticas. 9 ed. São Paulo: Gaia, 2004. 551p.

EMBRAPA MEIO AMBIENTE.Disponível em <http://www.cnpma.embrapa.br>,acesso em 28/05/2012.

EMBRAPA MEIO AMBIENTE. Disponível em <http://www.cnpma.embrapa.br/


projetos/index.php3?sec=eduam:::99>, acesso em 18/06/2012.

JABOBI, P. Educação Ambiental, Cidadania e Sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa,


n.118. São Paulo, 2003.

NEVES, E. S. A problemática sócio-ambiental de uma comunidade discutida a partir


de encontros democráticos. Dissertação (Mestrado em Educação Ambiental).
Fundação Universidade Federal de Rio Grande. Rio Grande, 2003.

OLIVEIRA, M. V.; CORRÊA, L. B. Tecendo a Educação Ambiental a Partir de Olhares


Coletivos. Porto Alegre: Evangraf, 2009. 139p.

PELICIONI, M. C. F. Fundamentos da Educação Ambiental. In: PHILIPPI, A.; ROMÉRO,


M. A.; BRUNA, G. C. Curso de Gestão Ambiental. Barueri, SP: Manole, 2004.

NANÁ MINNINI MEDINA. <http://ambientes.ambientebrasil.com.br/educacao/


dados_historicos/dados_historicosda_educacao_ambiental_no_brasil.html>,
acesso em 08 jun. 2012.

NANÁ MINNINI MEDINA. <http://www.cdcc.sc.usp.br/CESCAR/Material_Didatico/


dados_hist_educa_ambie_Internacional.pdf>, acesso em 09 jun.2012.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. MMA. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/


legislacao/responsabilidade-socioambiental>, acesso em 10 jun. 2012.

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. Disponível em <http://pga.pgr.mpf.gov.br>,acesso em 28/05/2012.

PLANALTO. Presidência da República Federativa do Brasil. LEI FEDERAL nº 9795 de


27 de abril de 1999. <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9795.htm>, acesso
em 07 jun. 2012.

32 Técnico em Biocombustíveis