Vous êtes sur la page 1sur 26

Principais Aspectos das

Mudanças da Contabilidade
Aplicada ao Setor Público
(CASP)

Módulo 1
Créditos
Equipe Executiva

Conteudista Coordenadoria-Geral de Capacitação da


Karen Mancini ECG
Jose Antonio Gomez Marquina
Diretor-Geral da Escola de Contas e Letícia da Costa Beserra
Gestão (ECG) Regina P. A. da Silva Abrantes
João Paulo Menezes Lourenço
Equipe técnico-pedagógica responsável
Assessora-chefe da Assessoria Dalva Stella Pinheiro da Cruz
Pedagógica da ECG Marcia Araujo Calçada
Máira Conceição Alves Pereira Rachel Constant Vergara Mann

Coordenadora-Geral de Capacitação da Estagiários da ECG


ECG Jefferson Correa Abreu
Claudia Gomes Corrêa Barbosa Karla Waleska Cvitanic Souza
Marcia Gladys Guimarães de Oliveira
Coordenador-Geral de Documentação da Rayane Medina Nogueira
ECG
Paulo Cesar Peçanha Assessor da Diretoria-Geral de
Informática
Coordenador da Secretaria da ECG Robert Vicente Libotti
Jose Sigberto da Silva Junior

Assessoria da Direção-Geral da ECG


Rachel Constant Vergara Mann

Assessoria Pedagógica da ECG


Dalva Stella Pinheiro da Cruz
Marcia Araujo Calçada
Paulo Cesar Bessa Neves
Tania Maria de Oliveira Silva

2 | 26
Recursos Didáticos

Atenção: destaca conceitos importantes e apresenta dicas sobre o


 conteúdo.

Saiba Mais: apresenta conteúdo complementar através de link ou


+ obra externa.

 Leitura de Lei: apresenta citações de leis.

3 | 26
Sumário
Módulo 1 | Conhecendo a Legislação Vigente Aplicável à CASP ...........................................5

Unidade 1 | Legislação Vigente Aplicável à CASP ..................................................7

Resumindo .................................................................................................................13

Referências Bibliográficas ..........................................................................................14

Lista de Siglas ............................................................................................................20

4 | 26
MÓDULO 1
Conhecendo a Legislação Vigente Aplicável à
CASP

5 | 26
Módulo 1 | Conhecendo a Legislação Vigente Aplicável à CASP

Módulo 1
Conhecendo a Legislação Vigente Aplicável à
CASP

Olá, iniciaremos agora o Módulo 1, que vai apresentar a legislação vigente


referente à Contabilidade Aplicada ao Setor Público (CASP).

Ao final deste módulo, esperamos que você identifique as legislações vigentes


aplicadas à CASP, que é uma etapa essencial para compreender o curso e
aperfeiçoar a sua atuação profissional.

Este módulo será apresentado em uma unidade, conforme discriminado a seguir:

Unidade 1 | Legislação Vigente Aplicável à CASP

Bons estudos!

6 | 26
UNIDADE 1
Legislação Vigente Aplicável à CASP

7 | 26
Unidade 1 | Legislação Vigente Aplicável à CASP

Unidade 1
Legislação Vigente Aplicável à CASP

Caro(a) estudante, seja bem-vindo(a) à primeira unidade do Módulo 1 de seu


curso! Preparado para conhecer a legislação vigente aplicável à Contabilidade
Aplicada ao Setor Público (CASP)? Vamos começar!

Vamos começar falando na nossa Lei Maior, isto é, a Constituição Federal de


1988, que trata, por exemplo, nos artigos 163 a 169 (BRASIL, 1988), das finanças
públicas e dos instrumentos orçamentários: PPA (Plano Plurianual), LDO (Lei de
Diretrizes Orçamentárias) e LOA (Lei Orçamentária Anual). Veremos também
os artigos 70 a 75 da Carta Magna (BRASIL, 1988), que trata da fiscalização
contábil, financeira e orçamentária. Ou seja, há diversos artigos na Constituição
Federal que são objeto da área pública.

Antes da edição da nossa atual Constituição Federal, tivemos a publicação da


Lei nº 4.320/1964 (BRASIL, 1964), considerada até hoje como a bíblia do Direito
Financeiro. Essa Lei de normas gerais de Finanças Públicas trata da elaboração
e controle dos Orçamentos Públicos e Balanços da União, Estados, Distrito
Federal e Municípios. É uma lei de aplicabilidade nacional, válida para todos os
entes da federação.

Em 1964, quando a referida lei foi editada, ela foi elaborada como Lei Ordinária,
todavia, a Constituição (BRASIL, 1988), no seu artigo 163, prevê que lei que trate
de Finanças Públicas deve ser tratada por Lei Complementar. Sendo assim o
Supremo Tribunal Federal (STF) recepcionou a referida Lei ao atual ordenamento

8 | 26
Unidade 1 | Legislação Vigente Aplicável à CASP

jurídico. Portanto, a Lei nº 4.320/1964 (BRASIL, 1964), é uma lei de natureza


híbrida, sendo uma lei ordinária quanto à forma e uma lei complementar quanto à
matéria, ou seja, uma lei ordinária com status de lei complementar. Mais à frente
iremos abordá-la com maior profundidade.

O Projeto de Lei nº 229/09 – Projeto de Lei da Qualidade Fiscal – visa


 substituir a Lei nº 4.320/1964 e tratar de assuntos que ainda estão
pendentes no âmbito das Finanças Públicas. O projeto já foi aprovado
pelo Senado Federal e atualmente encontra-se na Câmara dos
Deputados para ser apreciado.

Outro importante avanço nas Finanças Públicas foi a edição da Lei Complementar
nº 101 de 2000 (BRASIL, 2000), a famosa Lei de Responsabilidade Fiscal
(LRF). Trataremos, no decorrer do curso, da LRF no que tange aos aspectos
fiscais da CASP, abordando principalmente o Relatório Resumido da Execução
Orçamentária (RREO) e o Relatório de Gestão Fiscal (RGF). É importante
ressaltar que o RREO já estava previsto no art. 165, § 3º da CF (BRASIL, 1988) e
que a LRF regulou as funções deste relatório bem como instituiu o RGF, trazendo
condições e limites a exemplo das despesas com pessoal na área pública. No
Módulo 6 falaremos com mais propriedade do Manual de Demonstrativos Fiscais
que aborda os referidos relatórios.

Em 2009, foi publicada a Lei Complementar nº 131 (BRASIL, 2009), conhecida


como Lei de Transparência. Essa lei acrescentou dispositivos à Lei de
Responsabilidade Fiscal, dando maior transparência, buscando, por exemplo,
determinar a disponibilização, em tempo real, de informações pormenorizadas
sobre execução orçamentária e financeira de todos os entes da federação, nos
portais de transparência dos respectivos entes.

Trataremos também da Lei nº 10.180 de 2001 (BRASIL, 2001), que organiza e


disciplina os sistemas de planejamento, de orçamento, de contabilidade e de
controle interno da administração financeira federal e do Decreto nº 6.976 de
2009 (BRASIL, 2009), que vai dispor sobre o sistema de contabilidade federal,
uma vez que a Secretaria do Orçamento Federal (SOF) e a Secretaria do Tesouro
Nacional (STN) são atualmente, por força legal, responsáveis pela elaboração
dos manuais em âmbito nacional.

9 | 26
Unidade 1 | Legislação Vigente Aplicável à CASP

Dando continuidade a apresentação da legislação que permeia a CASP, é


importante citarmos a Portaria nº 42 de 1999 (BRASIL, 1999), do Ministério do
Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), que atualizou a discriminação da
despesa por funções, tratada na Lei nº 4.320/1964 (BRASIL, 1964), e estabeleceu
conceitos de função, subfunção, programa, projeto, atividade, operações
especiais, entre outras providências.

Tudo isso será estudado no Módulo 7 deste curso, que abordará o Manual
de Contabilidade Aplicada ao Setor Público – MCASP (BRASIL, 2017),
especificamente na unidade dos Procedimentos Contábeis Orçamentários
(PCO).

Em 2001, tivemos a edição da Portaria nº 163 (BRASIL, 2001) que dispôs


sobre normas gerais de consolidação das Contas Públicas no âmbito da União,
Estados, Distrito Federal e Municípios e dando outras providências, como uma
classificação mais atualizada para os grupos das despesas públicas.

Dando prosseguimento, é fundamental citarmos os seguintes manuais:

• O Manual Técnico Orçamentário – MTO (BRASIL, 2017), publicado


anualmente pela Secretaria do Orçamento Federal (SOF), que trata das
técnicas orçamentárias; e

• O Manual de Demonstrativos Fiscais – MDF (BRASIL, 2016) e o Manual


de Contabilidade Aplicada ao Setor Público – MCASP (BRASIL, 2017),
com vigência a partir do exercício de 2017 para todos os entes da
federação, que serão estudados nos módulos 6 e 7, respectivamente.

Em 2008, o Conselho Federal de Contabilidade (CFC) publicou as primeiras


Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público (NBCs T 16)
que foram posteriormente atualizadas em 2011 e 2012. Sendo assim, passaram
a vigorar 11 NBCs T: da 16.1 a 16.11 (CFC, 2017).

A publicação das NBCs T por parte das resoluções do CFC se deram em virtude
da necessidade de início do processo de convergência da contabilidade brasileira
aos padrões internacionais. Ressalta-se que o processo de convergência aos
padrões internacionais está se dando no âmbito da ciência contábil, ou seja,

10 | 26
Unidade 1 | Legislação Vigente Aplicável à CASP

outros ramos da contabilidade também vêm passando por este processo, a


exemplo da Contabilidade Empresarial/Geral. Percebam, portanto, que este
processo não é exclusivo da CASP, que é um ramo da contabilidade, mas sim
da ciência contábil.

Este processo é importante tendo em vista a necessidade de padronização


para comparabilidade das informações contábeis com outros países. No âmbito
empresarial, a convergência das normas de contabilidade geral se deu através
da tradução das IFRS (International Financial Reporting Standarts) pelo Comitê
de Pronunciamentos Contábeis (CPCs), que ainda estão sendo estudados. No
âmbito da CASP esse processo está ocorrendo por intermédio da tradução das
IPSAS (International Public Sector Accounting Standards), que correspondem às
IFRS, mas em âmbito da Administração Pública. A tradução destas IPSAS está
gerando novas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicada ao Setor Público
(NBC T SP).

Tendo em vista as traduções das IPSAS, algumas NBCs T 16 (CFC, 2017) foram
revogadas a partir de 01/01/2017, conforme discriminado a seguir.

• NBC T 16.1 – Tratava da conceituação, objeto e campo de aplicação


da CASP;

• NBC T 16.2 – Tratava de patrimônio e sistemas contábeis;

• NBC T 16.3 – Tratava de planejamento e seus instrumentos sob


enfoque contábil;

• NBC T 16.4 – Tratava de transações no setor público; e

• NBC T 16.5 – Tratava de registros contábeis.

11 | 26
Unidade 1 | Legislação Vigente Aplicável à CASP

A NBC T 16.6 sofreu uma revisão em 31 de outubro de 2014. Já as NBCs T 16.7


a 16.11 (CFC, 2017) continuam vigentes e abordam os temas discriminados a
seguir.

• 16.7 - trata da consolidação das demonstrações contábeis;

• 16.8 - trata de controle interno;

• 16.9 - trata de depreciação, amortização e exaustão na área pública;

• 16.10 - trata a avaliação e mensuração de ativos e passivos em


entidades do setor público; e

• 16.11 - trata do sistema de informação de custos do Setor Público.

Conforme vimos, as NBCs T 16.1 a 16.5 foram revogadas. Mas foi


 elaborada a NBC T SP Estrutura Conceitual (CFC, 2016) que trata de
alguns temas que eram abordados nestas normas que não estão
mais em vigência.

Ressalta-se que a Resolução nº 750/93 (CFC, 1993), que tratava dos


princípios de contabilidade, também foi revogada, partindo-se da ideia
que os Princípios já são intrínsecos à disciplina, não precisando
estarem normatizados.

Atualmente, o CFC vem traduzindo as IPSAS e publicando novas


+ NBC T SP sobre diversos temas da CASP. Sugerimos que acompanhe
essas publicações no portal oficial do CFC, a partir do link a seguir.

http://cfc.org.br/tecnica/normas-brasileiras-de-contabilidade/nbc-tsp-
do-setor-publico/

Parabéns, você finalizou o primeiro Módulo deste curso! Em caso de dúvidas,


volte ao conteúdo. Continue seus estudos e até o próximo Módulo!

12 | 26
Resumindo

Para finalizar, relembre o que foi visto no decorrer do Módulo 1:

Unidade 1 – Nesta unidade, verificamos a legislação vigente referente à


Contabilidade Aplicada ao Setor Público, a CASP, bem como os manuais
que serão utilizados ao longo de seu estudo neste curso.

13 | 26
Referências Bibliográficas
ANGELICO, J. Contabilidade Pública. 8. ed. São Paulo: Atlas, 1995.

BEZERRA FILHO, João Eudes. Contabilidade Pública: teoria, técnica de


elaboração de balanços e questões. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Secretaria de


Orçamento Federal. Manual Técnico de Orçamento MTO. Edição 2017. Brasília,
2016. 159 p. Disponível em: <http://www.orcamentofederal.gov.br/informacoes-
orcamentarias/manual-tecnico/mto_2017-1a-edicao-versao-de-06-07-16.pdf>.
Acesso em: 16 jun. 2017.

_______. Ministério da Fazenda. Secretaria do Tesouro Nacional. Manual de


Contabilidade Aplicada ao Setor Público. 7ª. ed. Brasília, 2017. Secretaria do
Tesouro Nacional, Subsecretaria de Contabilidade Pública, Coordenação-Geral
de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação, 2016. 416 p. Disponível
em: <https://tinyurl.com/ybx2xu3h>. Acesso em: 16 jun. 2017.

_______. Ministério da Fazenda. Secretaria do Tesouro Nacional. Manual de


Demonstrativos Fiscais: aplicado à União e aos Estados, Distrito Federal e
Municípios. 7ª. ed. Brasília: Secretaria do Tesouro Nacional, Subsecretaria de
Contabilidade Pública, Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas
à Federação, 2016. 653 p. Disponível em: <http://www.tesouro.fazenda.gov.
br/documents/10180/542015/MDF_7_edicao_05_04_17_versao_02_12_16.
pdf/7a4bf97c-0db9-48c4-bb0e-41d9f6bedf55>. Acesso em: 16 jun. 2017.

_______. Ministério da Fazenda. Secretaria do Tesouro Nacional. Portaria nº


511, de 28 de agosto de 2014. Dispõe sobre a instituição, as atribuições, a
composição e o funcionamento do Grupo Técnico de Padronização de Relatórios
e Demonstrativos Fiscais – GTREL. Brasília, 2014a Disponível em: <http://www.
tesouro.fazenda.gov.br/documents/10180/370003/CPU_Portaria_STN_511_
GTREL.PDF/16cfa875-3d4d-453a-9b89-cd82e068e397>. Acesso em: 19 jun.
2017.

14 | 26
_______. Ministério da Fazenda. Secretaria do Tesouro Nacional. Portaria
nº 510, de 28 de agosto de 2014. Dispõe sobre a instituição, as atribuições,
a composição e o funcionamento do Grupo Técnico de Padronização de
Procedimentos Contábeis – GTCON. Brasília, 2014b. Disponível em: <http://www.
tesouro.fazenda.gov.br/documents/10180/372026/CPU_Portaria_STN_510_
GTCON.PDF/0779f49f-6aea-439b-ba67-6224952c4f2a>. Acesso em: 19 jun.
2017.

_______. Ministério da Fazenda. Secretaria do Tesouro Nacional. Portaria nº


438, de julho de 2012. Brasília, 2012. Aprova a alteração dos Anexos nº 12
(Balanço Orçamentário), nº 13 (Balanço Financeiro), nº 14 (Balanço Patrimonial),
nº 15 (Demonstração das Variações Patrimoniais), nº 18 (Demonstração dos
Fluxos de Caixa) e nº 19 (Demonstração das Mutações no Patrimônio Líquido)
da Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964, revoga a Portaria STN nº 665, de
30 de novembro de 2010, e dá outras providências. Disponível em: <http://
www3.tesouro.gov.br/legislacao/download/contabilidade/Portaria_STN_438_
Atualizacao_Anexos_Lei_4320.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2017.

_______. Lei nº 12.249, de junho de 2010. Institui o Regime Especial de


Incentivos para o Desenvolvimento de Infraestrutura da Indústria Petrolífera
nas Regiões [...]. Brasília, 2010. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/
ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12249.htm>. Acesso em: 19 jun. 2017.

_______. Decreto nº 6.976, de 7 de outubro de 2009. Dispõe sobre o Sistema


de Contabilidade Federal e dá outras providências. Brasília, 2009. Disponível
em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6976.
htm>. Acesso em: 16 jun. 2017.

_______. Projeto de Lei nº 229, 28 de maio de 2009 (Lei da Qualidade Fiscal).


Estabelece normas gerais sobre plano, orçamento, controle e contabilidade
pública, voltadas para a responsabilidade no processo orçamentário e na gestão
financeira e patrimonial, altera dispositivos da Lei Complementar nº 101, de 4
de maio de 2000, a fim de fortalecer a gestão fiscal6 responsável e dá outras
providências. Brasília, 2009. Disponível em: <http://www25.senado.leg.br/web/
atividade/materias/-/materia/91341/pdf>. Acesso em: 20 jun. 2017.

15 | 26
_______. Lei Complementar nº 131, de 27 de maio de 2009 (Lei da
Transparência). Acrescenta dispositivos à Lei Complementar nº 101, de 4 de
maio de 2000, que estabelece normas de finanças públicas voltadas para a
responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências, a fim de determinar
a disponibilização, em tempo real, de informações pormenorizadas sobre a
execução orçamentária e financeira da União, dos Estados, do Distrito Federal
e dos Municípios. Brasília, 2009. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/
ccivil_03/leis/lcp/lcp131.htm>. Acesso em: 16 jun. 2017.

_______. Ministério da Fazenda. Portaria nº 184, de 25 de agosto de 2008.


Dispõe sobre as diretrizes a serem observadas no setor público (pelos entes
públicos) quanto aos procedimentos, práticas, elaboração e divulgação das
demonstrações contábeis, de forma a torná-los convergentes com as Normas
Internacionais de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público. Brasília, 2008.
Disponível em: <http://www.fazenda.gov.br/acesso-a-informacao/institucional/
legislacao/portarias-ministerial/2008/portaria184>. Acesso em: 19 jun. 2017.

_______. Ministério da Fazenda. Secretaria do Tesouro Nacional. Portaria nº 136,


de 6 de março de 2007. Cria o Grupo Técnico de Padronização de Procedimentos
Contábeis, dispondo sobre sua composição e funcionamento. Brasília, 2007a.
Disponível em: <http://www3.tesouro.gov.br/legislacao/download/contabilidade/
Portaria136.pdf>. Acesso em: 19 jun. 2017.

_______. Ministério da Fazenda. Secretaria do Tesouro Nacional. Portaria


nº 135, de 6 de março de 2007. Cria o Grupo Técnico de Padronização de
Relatórios, dispondo sobre sua composição e funcionamento. Brasília, 2007b.
Disponível em: <http://www3.tesouro.gov.br/legislacao/download/contabilidade/
Port_135_2007.pdf>. Acesso em: 19 jun. 2017.

_______. Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Brasília,


2002. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406.
htm>. Acesso em: 16 jun. 2017.

_______. Ministério da Fazenda. Secretaria do Tesouro Nacional. Ministério


da Fazenda. Portaria Interministerial nº 163, de 4 de maio de 2001 (e
atualizações posteriores). Dispõe sobre normas gerais de consolidação das
Contas Públicas no âmbito da União, Estados, Distrito Federal e Municípios,
e dá outras providências. Brasília, 2001. Disponível em: <http://www3.tesouro.

16 | 26
fazenda.gov.br/legislacao/download/contabilidade/Portaria_Interm_163_2001_
Atualizada_2011_23DEZ2011.pdf>. Acesso em: 16 jun. 2017.

_______. Lei nº 10.180, de 6 de fevereiro de 2001. Organiza e disciplina os


Sistemas de Planejamento e de Orçamento Federal, de Administração Financeira
Federal, de Contabilidade Federal e de Controle Interno do Poder Executivo
Federal, e dá outras providências. Brasília, 2001. Disponível em: <http://www.
planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LEIS_2001/L10180.htm>. Acesso em: 16 jun. 2017.

_______. Lei Complementar nº 101, de 04 de maio de 2000 (Lei de


Responsabilidade Fiscal). Estabelece normas de finanças públicas voltadas
para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências. Brasília, 2000.
Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LCP/Lcp101.htm>.
Acesso em: 16 jun. 2017.

______. Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Portaria nº 42 do


MPOG, de 14 de abril de 1999. Atualiza a discriminação da despesa por funções
de que tratam o inciso I do § 1º do art. 2º e § 2º do art. 8º, ambos da Lei nº 4.320, de
17 de março de 1964, estabelece os conceitos de função, subfunção, programa,
projeto, atividade, operações especiais, e dá outras providências. Brasília, 1999.
Disponível em: <http://www.lex.com.br/doc_989210_PORTARIA_N_42_DE_14_
DE_ABRIL_DE_1999.aspx>. Acesso em: 16 jun. 2017.

_______. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília,


1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/
constituicao.htm>. Acesso em: 16 jun. 2017.

_______. Decreto-Lei nº 200, de 24 de fevereiro de 1967. Dispõe sôbre a


organização da Administração Federal, estabelece diretrizes para a Reforma
Administrativa e dá outras providências. Brasília, 1967. Disponível em: <http://
www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del0200.htm>. Acesso em: 16 jun.
2017.

_______. Lei nº 5.172, de 25 de outubro de 1966. Dispõe sobre o Sistema


Tributário Nacional e institui normas gerais de direito tributário aplicáveis
à União, Estados e Municípios. Brasília, 1966. Disponível em: <http://
www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5172.htm>. Acesso em: 20 jun. 2017.

17 | 26
_______. Lei nº 4.320 de 17 de março de 1964. Estatui Normas Gerais de Direito
Financeiro para elaboração e controle dos orçamentos e balanços da União, dos
Estados, dos Municípios e do Distrito Federal. Brasília, 1964. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L4320.htm>. Acesso em: 16 jun. 2017.

_______. Decreto-Lei nº 9.295, de 27 de maio de 1946. Cria o Conselho Federal


de Contabilidade, define as atribuições do Contador e do Guarda-livros, e dá
outras providências. Rio de Janeiro, 1946. Disponível em: <http://www.planalto.
gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del9295.htm>. Acesso em: 19 jun. 2017.

CARVALHO, D. Manual Completo de Contabilidade Pública. 2. ed. Brasília:


Elsevier, 2014.

_______. Orçamento e Contabilidade Pública. 6. ed. Brasília: Campus, 2014.

CASTRO, D. P. Auditoria, Contabilidade e Controle Interno no Setor Público. 3.


ed. São Paulo: Atlas, 2008.

_______. Balanços Públicos, teoria e prática. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2000.

CFC – CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. NBC TSP – do Setor


Público. Portal oficial, 2017. Brasília, 2017. Disponível em: <http://cfc.org.br/
tecnica/normas-brasileiras-de-contabilidade/nbc-tsp-do-setor-publico/>. Acesso
em: 14 jun. 2017.

_______. NBC TSP Estrutura Conceitual. Aprova a NBC TSP ESTRUTURA


CONCEITUAL - Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de
Informação Contábil de Propósito Geral pelas Entidades do Setor Público.
Brasília, 2016. Disponível em: <http://www2.cfc.org.br/sisweb/sre/detalhes_sre.
aspx?Codigo=2016/NBCTSPEC&arquivo=NBCTSPEC.doc>. Acesso em: 16
jun. 2017.

_______. Resolução CFC n.º 1.137/08. Aprova a NBC T 16.10 – Avaliação


e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. Brasília,
2008. Disponível em: <http://www.cfc.org.br/sisweb/sre/detalhes_sre.
aspx?Codigo=2008/001137>. Acesso em: 16 jun. 2017.

18 | 26
_______. Resolução CFC nº. 1.133/08. Aprova a NBC T 16.6 – Demonstrações
Contábeis. Brasília, 2008. Disponível em: <http://www3.stn.gov.br/contabilidade_
governamental/download/RES_CFC_11332008_NBC_T166_Demonstracoes_
Contabeis.pdf>. Acesso em: 21 jun. 2017.

_______. Resolução CFC n.º 1.111/07. Apêndice sobre os Princípios


Fundamentais de Contabilidade. Brasília, 2007. Disponível em: <http://www.cfc.
org.br/sisweb/sre/docs/RES_1111.doc>. Acesso em: 14 jun. 2017.

_______. Resolução CFC n.º 750/93. Dispõe sobre os Princípios Fundamentais


de Contabilidade (PFC). Brasília, 1993. Disponível em: <http://cfc.org.br/sisweb/
sre/docs/RES_750.doc>. Acesso em: 16 jun. 2017.

FEIJÓ, P. H. Entendendo as mudanças na Contabilidade Aplicada ao Setor


Público. 1. ed. Brasília: Gestão Pública, 2013.

GIACOMONI, J. Orçamento público. 14. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

JUND, S. Administração, Orçamento e Contabilidade Pública. Rio de Janeiro:


Elsevier, 2008.

KOHAMA, H. Contabilidade Pública: teoria e prática. 13. ed. São Paulo: Atlas,
2013.

MARTINS, L. Contabilidade Governamental – um enfoque administrativo da


contabilidade pública. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

MOTA, F. G. L. Contabilidade Aplicada ao Setor Público. 1. ed. Brasília:


Estefania Gonçalves, 2009.

QUINTANA, A. C. et. al. Contabilidade Pública – De acordo com as novas


NBCASP e a LRF. 1. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

REIS, H. C. A Lei 4.320 comentada e a Lei de Responsabilidade Fiscal. 34.


ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris/IBAM, 2012.

ROSA, M. B. Contabilidade do Setor Público. São Paulo: Atlas, 2011.

19 | 26
SLOMSKY, V. Manual de Contabilidade Pública – um enfoque na contabilidade
municipal. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2013.

VAZ, D. Contabilidade Pública: integrando União, Estados e Municípios (SIAFI


e SIAFEM). 3. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

20 | 26
Lista de Siglas
ABASAF: Associação Brasileira das Secretarias de Finanças das Capitais

ABIN: Agência Brasileira de Inteligência

ABM: Associação Brasileira de Municípios

ABRACOM: Associação Brasileira dos TCMs

ABRASF: Associação Brasileira das Secretarias de Finanças das Capitais

ADCT: Ato das Disposições Constitucionais Transitórias

AMF: Anexo de Metas Fiscais

ARF: Anexo de Riscos Fiscais

ARO: Antecipação de Receita Orçamentária

ATRICON: Associação dos membros do TCs do Brasil

BF: Balanço Financeiro

BO: Balanço Orçamentário

BP: Balanço Patrimonial

BSPN: Balanço do Setor Público Nacional

CASP: Contabilidade Aplicada ao Setor Público

CF: Constituição Federal

CFC: Conselho Federal de Contabilidade

CJF: Conselho da Justiça Federal

CNJ: Conselho Nacional de Justiça

21 | 26
CNM: Confederação Nacional dos Municípios

CNMP: Conselho Nacional do Ministério Público

CONACI: Conselho Nacional de Controle Interno

CONFAZ: Conselho Nacional de Política Fazendária

CONSEPLAN: Conselho Nacional de Secretários Estaduais do Planejamento

CPC: Comitê de Pronunciamentos Contábeis

CUTN: Conta Única do Tesouro Nacional

DC: Despesa Corrente

DCASP: Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público

DESID/SE/MS ou SIOPS: Departamento de Economia da Saúde; Investimento


e Desenvolvimento

DFC: Demonstração dos Fluxos de Caixa

DMPL: Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido

DRPSP/SPPS/MPS: Departamento dos Regimes de Previdência no Serviço


Público da Secretaria de Políticas de Previdência Social do Ministério da
Previdência Social

DVP: Demonstração das Variações Patrimoniais

FCO: Fundo de Desenvolvimento do Centro-Oeste

FG: Fator Gerador

FMI: Fundo Monetário Internacional

FNDE: Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

FNE: Fundo de Desenvolvimento do Nordeste

FNO: Fundo de Desenvolvimento das Regiões Norte

22 | 26
FNP: Frente Nacional de Prefeitos

FPE: Fundo de Participação dos Estados

FPM: Fundo de Participação dos Municípios

GEFIN: Grupo de Gestores de Finanças Estaduais

GFSM: Government Finance Statistics Manual

GTCON: Grupo Técnico de Padronização de Procedimentos Contábeis

GTREL: Grupo Técnico de Padronização de Relatórios

IASB: International Accounting Standards Board

IES: Instituições de Educação Superior

IFAC: International Federation of Accountants

IFRS: em inglês, International Financial Reporting Standards

IFRS: em português, Normas Internacionais de Contabilidade

IPSAS: International Public Sector Accounting Standards

IPSASB: International Public Sector Accounting Standards Board

IPTU: Imposto Predial e Territorial Urbano

IRB: Instituto Rui Barbosa

LDO: Lei de Diretrizes Orçamentárias

LOA: Lei Orçamentária Anual

LRF: Lei de Responsabilidade Fiscal

MCASP: Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público

MDF: Manual de Demonstrativos Fiscais

MP: Ministério Público

23 | 26
MPOG: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

MTO: Manual Técnico Orçamentário

NBC: Normas Brasileiras de Contabilidade

NBCASP: Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público

NBC T SP: Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicada ao Setor Público

NBC T: Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público

ONG: Organização Não Governamental

OS: Organização Social

OSCIP: Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público

PCASP: Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

PCE: Procedimentos Contábeis Específicos

PCO: Procedimentos Contábeis Orçamentários

PCP: Procedimentos Contábeis Patrimoniais

PE: Poder Executivo

PJ: Poder Judiciário

PL: Poder Legislativo

PLDO: Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias

PPA: Plano Plurianual

RC: Receitas Correntes

RCL: Receita Corrente Líquida

RCPGs: Relatórios Contábeis de Propósito Geral das Entidades do Setor Público

RGF: Relatório de Gestão Fiscal

24 | 26
RK: Receitas de Capital

RPPS: Regimes Próprios de Previdência Social

RREO: Relatório Resumido da Execução Orçamentária

SIAFI: Sistema Integrado de Administração Financeira

SICONFI: Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro

SOF: Secretaria do Orçamento Federal

SPL: Situação Patrimonial Líquida

STF: Supremo Tribunal Federal

STN: Secretaria do Tesouro Nacional

TC: Tribunal de Contas

VPA: Variação Patrimonial Aumentativa

VPD: Variação Patrimonial Diminutiva

25 | 26