Vous êtes sur la page 1sur 24

Módulo 07 Geografia A Produção do espaços desiguais e o Centro Sul

GEOGRAFIA

CEESVO 1
Módulo 07 Geografia A Produção do espaços desiguais e o Centro Sul

Seja bem vindo à Geografia

Instruções de Estudo.

 Para estudar e aprender o conteúdo deste módulo, você deverá ler


atentamente as explicações. Talvez mais de uma vez.

 Veja as instruções contidas nas atividades e somente comece a resolver os


exercícios após ter entendido completamente o texto.

 Não escreva no módulo, pois você terá de devolvê-lo à escola para que ele
seja utilizado por outra pessoa.

 Consulte o professor se você encontrar dificuldades durante os estudos.

Não tenha
tenha pressa, mas não perca tempo.

CEESVO 2
Módulo 07 Geografia A Produção do espaços desiguais e o Centro Sul

A PRODUÇÃO DOS ESPAÇOS DESIGUAIS

DIVISÃO GEOECONÔMICA E GEOPOLÍTICA BRASILEIRA

Região Centro-Sul

Diferenças físicas: Relevo e Hidrografia

O rio Sorocaba

As diferenças humanas e econômicas

ROTEIRO

I. Divisão do Brasil em regiões


Através da comparação entre os conceitos de geopolítica e geoeconômica você
entenderá a divisão do Brasil em regiões.
II. Características e contrastes da Região Centro-Sul
Você conhecerá as características da Região Centro-Sul e mais detalhadamente, da
região onde se situa Sorocaba.
Você perceberá as diferenças humanas e econômicas da região Centro-Sul, em
especial da grande São Paulo.

CEESVO 3
Módulo 07 Geografia A Produção do espaços desiguais e o Centro Sul

PRODUÇÃO DOS ESPAÇOS DESIGUAIS

No nosso dia-a-dia convivemos com grandes diferenças.

No seu ambiente de trabalho você pode observar que as pessoas têm funções
diferentes e que, trabalhando o mesmo número de horas, são remuneradas de formas
diferentes.

Um contínuo recebe um salário inferior ao de chefe de seção; por sua vez, o conjunto
de funcionários da empresa têm uma
renda muito inferior à do patrão. Isso,
além de salientar as diferenças, mostra
a distribuição de renda, na qual uns
ficam com muito e o pouco é dividido
pela maioria.
Da mesma forma quando você anda
pelas ruas da sua cidade, você pode
observar inúmeras diferenças sociais:

 Casas luxuosas ao lado de


Construídas sobre troncos da árvore açacu, a mais favelas;
utilizada por ter alto teor de fibras, as casa flutuantes são a  Carros modernos ao lado de
opção de moradia dos ribeirinhos da região Amazônica.
Com o crescimento do turismo ecológico, elas estão sendo carros velhos e transportes
utilizadas para alojamento de turistas. coletivos etc.
Crédito: André Penner

Inaugurada em 1960 para ser a capital do Brasil, Brasília se tornou à Quando começaram a existir
sede do poder do país. A Esplanada dos Ministérios é um conjunto de
18 prédios idênticos projetados pelo arquiteto Oscar Niemeyer.
no Brasil essas diferenças
Crédito: Orlando Versiani sociais?
Antes de industrializar-se, o
Brasil já apresentava inúmeras
diferenças sociais, com áreas
ricas produtoras de café, cana
e outras muito pobres, que
viviam da agricultura de
subsistência.
Com a industrialização, as
diferenças tornaram-se mais
visíveis, aumentando os
contrastes (diferenças) entre
as regiões brasileiras.

CEESVO 4
Módulo 07 Geografia A Produção do espaços desiguais e o Centro Sul

E como isso aconteceu?


O Brasil tem muitas paisagens diferentes, devido a diversos fatores, tanto naturais
como sócio-econômicos.

A presença de características comuns a essas paisagens permite agrupá-las em


conjuntos, que têm atributos (características) sociais e econômicos também comuns.

Uma das maneiras de agrupar as diversas paisagens é considerar seu ritmo de


crescimento econômico, isto é, a velocidade das mudanças que ocorrem nas paisagens
devido às transformações na agropecuária, na indústria e nos serviços.

Em Sorocaba

Antes do Carrefour havia um espaço despovoado (avenida Antonio Carlos Comitre),


com vegetação de cerrado, sem abertura de ruas, sem esgoto.

Com a vinda do Carrefour houve a formação da avenida com asfalto, com esgoto,
casas de comércio, residências, ponte sobre as rodovias, iluminação pública.

A mudança do espaço da Avenida que dá acesso ao Carrefour foi feita num período de
10 anos, pelo trabalho humano, que substituiu a paisagem natural por casa, prédios, ruas
asfaltadas e iluminadas etc.

O que fez esta paisagem mudar?


Foi à prestação de serviço programada pelo Carrefour e pelo Shopping Esplanada.

Que outros fatores podem modificar uma paisagem?


A agropecuária modifica a paisagem natural dos campos para pastos com paisagem
única, cuja vegetação se torna apropriada para a criação de animais. São substituídas as
vegetações diversificadas, próprias de cada região, pela pastagem que é uma vegetação
uniforme, modificando todo o espaço natural. Do mesmo modo, a agricultura pode
substituir a vegetação própria da região por uma vegetação programada pelo homem.

A indústria transforma a paisagem natural através dos seguintes aspectos:


 Pela construção da própria indústria;
 Pelas casas à sua volta;
 Pelas vias de acesso;
 Usinas hidrelétricas;
 Eletrificação das ruas vizinhas;
 Cabos telefônicos;
 Rede de água e esgotos.

CEESVO 5
Módulo 07 Geografia A Produção do espaços desiguais e o Centro Sul

A indústria, além de modificar o espaço físico, transforma o espaço social porque o


número de pessoas aumenta, através de agrupamentos de trabalhadores.

Com a instalação da indústria, surge o comércio aumentando também o número de


pessoas no local, formando ou desenvolvendo novos núcleos urbanos.

O espaço natural, que era formado por vegetação e rochas próprias do local, se
transforma num espaço produzido pelo homem. (Exemplos: indústrias, usinas
hidrelétricas, campos agrícolas, rodovias, túneis, pontes etc.)
Para facilitar o estudo desses contrastes, os estados brasileiros foram agrupados em
regiões.

Num primeiro momento, consideraram-se mais os aspectos físicos (clima, vegetação e


relevo). Surgiram daí cinco regiões.

Assistindo a um noticiário de televisão, ou olhando os boletins de previsão de tempo,


você vai observar que o mapa do Brasil está dividido nas seguintes regiões: norte,
nordeste, sul, sudeste e centro-oeste. Observe os mapas da página seguinte.

Num segundo momento, de acordo com uma visão mais atual da Geografia,
consideraram-se as mudanças provocadas no espaço através do trabalho humano, além
dos aspectos físicos (clima, relevo e vegetação).

Essas mudanças, além de outras feitas pelos homens, podem ser observadas na região
em que você vive. Exemplos: as rodovias que ligam a sua cidade a outros municípios, o
represamento das águas do Rio Sorocaba para a obtenção de energia elétrica, entre
outras.

Portanto, essas mudanças promoveram maior ou menor integração entre as diversas


redes, de transporte, energia e telecomunicações e influíram também na quantidade de
pessoas, mercadorias e informações que circulam.

A partir daí, o território brasileiro seria dividido em três regiões geoeconômicas: Centro-
sul, Nordeste e Amazônia.

Saiba que...
A divisão geoeconômica não obedece à divisão política brasileira, por isso você vai
encontrar estados que possuem parte do seu território em uma ou outra região.

CEESVO 6
Módulo 07 Geografia A Produção do espaços desiguais e o Centro Sul

DIVISÃO GEOECONÔMICA E GEOPOLÍTICA BRASILEIRA


A divisão regional do território brasileiro pode ser feita de duas maneiras como você
poderá perceber nos mapas a seguir:

a) Divisão geopolítica que divide o país em 05 regiões: Norte, Nordeste, Centro-Oeste,


Sudeste e Sul.

b) Divisão geoeconômica: região Centro-Sul, região Amazônica e a região Nordeste.

Essa divisão não se preocupa com as divisas entre os estados e sim com os traços
comuns entre essas porções territoriais, estando mais de acordo com a formação
histórico-econômica do país.

Você deve se lembrar de que:

1. A região da Amazônia foi uma área deixada de lado durante séculos, mas hoje vem
sendo ocupada desordenadamente, num processo de destruição de suas florestas.
Poucas pessoas se fixaram nesse espaço.
2. O Nordeste é a área de ocupação econômica mais antiga do país, e no passado
contava com a maioria da população brasileira. Hoje vem fornecendo grande número
de migrantes para as demais regiões.
3. Após a independência, o Centro-Sul é a região que mais se desenvolveu, sendo a
mais industrializada e urbanizada do país.

CEESVO 7
Módulo 07 Geografia A Produção do espaços desiguais e o Centro Sul

A caracterização de cada região é bastante complexa, mas simplificando podemos


afirmar que o Nordeste simboliza o Brasil colonial, com enormes plantações, monocultura,
mão-de-obra mal remunerada e pobreza intensa. O Centro-Sul representa o Brasil das
indústrias, das metrópoles e modernização da economia. E a Amazônia representa o
Brasil do futuro, um território com muitas riquezas naturais que, infelizmente, vem sendo
destruída por uma rápida e desnorteada ocupação que beneficia uma minoria privilegiada.

Você sabe a que região pertence o seu município?


Sorocaba é um dos municípios do estado de São Paulo, que por sua vez pertence à
região Centro-Sul.

O CENTRO-SUL DO BRASIL

Essa região é composta por outros


estados além de São Paulo: Goiás, sul
do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul,
quase todo o estado de Minas Gerais,
Espírito Santo, Rio de Janeiro, Paraná,
Santa Catarina e Rio Grande do Sul.
Aí vivem cerca de 2/3 dos habitantes
do Brasil. É onde se encontra a maior
parte dos recursos econômicos e
culturais do país: indústrias, atividades
agropecuárias modernas, centros
financeiros comerciais, rede de
transportes e comunicações,
universidades e centros de pesquisas
científicas.

É uma área extremamente diversificada, tanto do ponto de vista físico (solo, relevo,
clima, vegetação) como do ponto de vista humano e social.

AS DIFERENÇAS FÍSICAS: CLIMAS.

Observando o mapa a seguir, você pode verificar os tipos de climas encontrados no


Centro Sul e no Brasil.

1. Clima Tropical Típico: ocorre no norte da região, Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas
Gerais e oeste de São Paulo. Características: inverno seco e verão úmido, clima
quente com temperaturas em torno de 20° e 28°C.

A vegetação característica dessa região é o cerrado. É uma mistura de vegetação


arbórea (árvore) junto com plantas herbáceas (vegetação rasteira). Em partes do Mato
Grosso e Mato Grosso do Sul aparece uma vegetação denominada complexo do
Pantanal Matogrossense.

CEESVO 8
Módulo 07 Geografia A Produção do espaços desiguais e o Centro Sul

2. Clima Tropical Úmido Litorâneo:


aparece numa faixa situada no
nordeste da região: Rio de Janeiro,
Espírito Santo e parte de São Paulo
(área litorânea). Características:
quente e úmido por causa das nuvens
úmidas provenientes do oceano;

3. Clima Subtropical: Em Sorocaba, o


clima da cidade apresenta
temperaturas elevadas no verão e
inverno mais seco. Como o Trópico de
Capricórnio passa por Sorocaba, o
clima é considerado subtropical por
alguns geógrafos, e clima de transição
(entre o tropical e o temperado) por
outros.

O clima subtropical predomina


na região sul: Paraná, Santa Catarina,
Rio Grande do Sul e parte do sudeste de São Paulo.
Características: as temperaturas situam-se entre 18° e 24°C e as chuvas são bem
distribuídas durante o ano todo.
A vegetação típica desse
VEGETAÇÃO ORIGINAL DO BRASIL clima é a mata de Araucária
(pinheiro) hoje quase
inexistente. Encontramos
também no extremo sul do Rio
Grande do Sul, os campos
limpos (Campanha Gaúcha) e
áreas de Cerrado.

DIFERENÇAS FÍSICAS:
VEGETAÇÃO

Você sabe qual vegetação


predominava na região de
Sorocaba?
Andando pela cidade ou
mesmo por estradas da região,
você vai observar que muito
pouco ou quase nada da
vegetação natural pode ser
encontrada. Antes do processo
de ocupação e urbanização, o
município era coberto por uma
vegetação de cerrado e
pequenas áreas de Mata
Atlântica, que ainda hoje podem
ser observadas no Parque da
Biquinha e em outras áreas.

CEESVO 9
Módulo 07 Geografia A Produção do espaços desiguais e o Centro Sul

DIFERENÇAS FÍSICAS: RELEVO E HIDROGRAFIA


Você sabia que Campos de Jordão apresenta temperaturas mais baixas que Sorocaba?
Isto acontece porque a altitude do relevo influencia na variação da temperatura. Quanto
maior a altitude, menor a temperatura.

CEESVO 10
Módulo 07 Geografia A Produção do espaços desiguais e o Centro Sul

Pelos noticiários de TV ou mesmo nas suas viagens para qualquer parte do litoral, você
deve notar a diferença de altitude de uma região para outra. Descendo a “Serra do Mar”
pela Rodovia dos Imigrantes, você pode observar as curvas e os túneis até chegar ao
litoral.

Através dessa observação, você pode concluir que a superfície apresenta áreas de
altitudes bastante diferenciadas, ou seja, regiões mais baixas, outras mais elevadas.

A região Centro-Sul apresenta, predominantemente, áreas de planalto, como você pode


observar no mapa do relevo.

Você já ouviu falar que Sorocaba fica numa depressão? Através do mapa anterior, você
pode verificar que Sorocaba fica na Depressão Periférica da Borda Leste do Rio Paraná.
Esta área onde está localizado o município de Sorocaba pertence à Bacia do Rio Paraná.

Mas o que é uma Bacia Hidrográfica?


BACIA HIDROGRÁFICA é uma área drenada por um rio principal, seus afluentes e
subafluentes.

A Bacia (do rio Paraná) é parte


de uma Bacia maior chamada
Platina, formada pelos rios
Paraguai, Paraná, Uruguai, seus
afluentes e subafluentes.

Os rios da Bacia Platina são


muito importantes para o
desenvolvimento da região Centro-
Sul. Por serem encachoeirados
(rios de Planalto), são muito
utilizados para a produção de
energia hidrelétrica como a de
Itaipu, Jupiá, Ilha Solteira etc.
Apesar da maioria dos rios não ser
de planícies, isto é, próprios para a
navegação, tem-se investido muito
nas obras de rebaixamento dos leitos (local por onde escoa a água) dos rios
principalmente em eclusas (equipamentos que permitem abaixar e elevar o nível da água,
permitindo a passagem de navios através de barragens onde os rios foram represados).

Com estas medidas está se viabilizando a criação de hidrovias, como a de Tietê -


Paraná, importante meio de escoamento de produtos para o Mercosul a preços inferiores
aos dos transportes rodoviários. Na região Centro-Sul, nasce o rio São Francisco, que é
de grande importância para a população nordestina e do norte de Minas Gerais.

Além dessas bacias, a região Centro-Sul também é banhada por rios da Bacia do Leste,
(Jequitinhonha, Doce e Paraíba do Sul) Sul e Sudeste (Ribeira de Iguape, Itajaí).

CEESVO 11
Módulo 07 Geografia A Produção do espaços desiguais e o Centro Sul

O RIO SOROCABA.

Você sabe por que o


rio Sorocaba pertence à
Bacia do Rio Paraná?
O rio Sorocaba é
afluente (joga suas
águas) no rio Tietê. O
rio Tietê, por sua vez, é
afluente do rio Paraná.

O Rio Sorocaba
nasce na Serra de São
Francisco, através da
Encontro do rio Sorocaba com o rio Cubatão, próximo ao terminal João Souto junção dos rios Soroca-
Mirim e Sorocaba-Açu e
a sua foz é no Rio Tietê. É de grande importância para a região, para a produção de
energia elétrica (Represa Itupararanga - Ligth) e para o abastecimento de água na cidade.

Esse rio possui importância histórica, pois suas águas serviram para abastecer as
tropas de muares que por aqui passaram em direção às Minas Gerais.

Hoje, devido ao crescimento urbano e industrial, o rio Sorocaba se tornou muito poluído,
principalmente na área que corta a cidade.

Exercícios. Responda em seu caderno:

01. Cite a forma de relevo predominante da região Centro-Sul. Em que forma de relevo
se encontra o município de Sorocaba?
02. Conceitue o que é uma bacia hidrográfica ou fluvial. Qual bacia hidrográfica
pertence a região de Sorocaba?
03. Sobre o rio Sorocaba, responda:
a) onde nasce?
b) quais os rios que o formam?
c) qual a sua importância?
d) como poderia ser resolvido o problema da poluição de suas águas?

04. Quais são os rios que formam a Bacia Platina? Escreva sobre a importância desses
rios para o desenvolvimento da economia da região Centro-Sul.

CEESVO 12
Módulo 07 Geografia A Produção do espaços desiguais e o Centro Sul

A IMPORTÂNCIA DO CAFÉ NO DESENVOLVIMENTO DO CENTRO-SUL

Você vai conhecer especificamente a região Centro-sul, onde se situa Sorocaba e que
se estende de Minas Gerais até o Rio Grande do Sul, englobando também Mato Grosso
do Sul, Goiás e Distrito Federal.

A região Centro-Sul teve três atividades econômicas que determinaram sua ocupação e
serviram de base para o seu desenvolvimento econômico e social: a cultura cafeeira, a
mineração e agropecuária no sul.

É uma área do território brasileiro onde o processo de industrialização acelerado


ocorreu a partir de meados do século XX e se deu com maior intensidade, o que levou à
sua diferenciação em relação ao restante do país. A base desse desenvolvimento ocorreu
a partir do final do século XVIII (1701-1800), com a crise da mineração associada a
diminuição da exportação do açúcar e do algodão.

Portanto, foi necessário estimular uma atividade econômica baseada na agricultura e


que pudesse abastecer os mercados internacionais. Foi escolhido o café que rapidamente
se transformou em produto de exportação, fazendo com que o país entrasse numa nova
etapa de desenvolvimento. Observe o mapa da expansão cafeeira.

ONDE COMEÇOU A SER PLANTADO O CAFÉ?

O café foi plantado inicialmente no Rio de Janeiro e em São Paulo, na região do Vale
do Rio Paraíba do Sul.
Devido às condições naturais favoráveis de clima (quente e úmido) e ao solo (terra
roxa), o café pôde expandir-se pelo oeste do estado de São Paulo até atingir as terras do
norte do Paraná.

CEESVO 13
Módulo 07 Geografia A Produção do espaços desiguais e o Centro Sul

Se o café para exportação era levado do Vale do Rio Paraíba para o Rio de Janeiro,
quando passou a ser cultivado na região oeste paulista, como era transportado esse
café?
Para ser transportado das regiões produtoras até o porto de Santos foram construídos
ferrovias com o capital (dinheiro) inglês, e também foi melhor aparelhado o porto de
Santos.
O café, trazido para
o Brasil no século XVIII, teve
importante papel no
desenvolvimento dos
estados da Região Sudeste.
A cultura cafeeira
transformou São Paulo num
dos pólos do poder político
durante os períodos imperial
e republicano, até meados
do século XX. Hoje, os
cafezais abriram espaço
para outras plantações nos
campos paulistas, como
cana-de-açúcar, milho e
soja. Crédito: Gulherme
Gaensly - Arquivo do Estado

Percebe-se que no território paulista as ferrovias desempenharam importante papel na


ocupação e na organização espacial.
Ao longo dessas ferrovias, surgiram muitas cidades como, por exemplo, Campinas,
Jundiaí, Araraquara, Ribeirão Preto etc.
Saiba que o café que você toma diariamente foi responsável por profundas mudanças
na vida econômica, social e cultural do país.
O café que era o principal produto de exportação acumulou capital que passou a ser
investido na atividade industrial.
Inicialmente a mão-de-obra utilizada nas fazendas de café foi escrava, e passou a ser
substituída pela mão-de-obra assalariada, livre, a partir de 1889 (final do século XIX). Era
representado pelos imigrantes europeus, destacando-se os italianos, espanhol, alemão e
a partir de 1908 (século XX) os japoneses.
Até 1929, o nosso país foi um grande exportador de café, tendo como principal
comprador os E.U.A (Estados Unidos da América). A partir de sua crise econômica, os
E.U.A deixaram de comprar o nosso produto.
Assim, o Brasil teve que mudar de atividade econômica, passando da monocultura para
a policultura (cultivo de vários produtos) agroindustrial, e desenvolver as atividades
industriais, que trouxe muitas mudanças nas paisagens urbana e rural.
Na paisagem rural, apareceram médias e pequenas propriedades (sítios), policulturas e
pecuaristas. Nas áreas urbanas, apareceram as chaminés das indústrias, surgindo uma
nova classe social: o operário assalariado.

CEESVO 14
Módulo 07 Geografia A Produção do espaços desiguais e o Centro Sul

Como o café influenciou no desenvolvimento da atividade industrial no estado de


São Paulo?
 Acúmulo de capital (os cafeicultores tinham muito dinheiro);
 Mão-de-obra imigrante qualificado (que sabia trabalhar na lavoura);
 Modernização do porto de Santos;
 Ampliação do mercado consumidor;
 Construção de usinas hidrelétricas;
 Aumento de centros urbanos;
 Ampliação do setor de prestação de serviços (comércio, escolas, hospitais,
saneamento básico, transportes etc);
 Ampliação das rodovias;
 Abundância e facilidades na obtenção de matérias-primas.

Por todos esses motivos, os cafeicultores passaram a investir em indústrias.

Mas por que o café se desenvolveu tanto nessa região? Quais foram as condições
naturais necessárias à expansão
do café? As diferentes
característica
Como você já viu anteriormente, s físicas e
climáticas do
o café começou a ser plantado no Paraná
Rio de Janeiro, expandindo-se pelo contribuem
Vale do Rio Paraíba, oeste de São para o estado
Paulo e norte do Paraná. ter grande
Atualmente, as maiores plantações diversidade
agrícola. As
se encontram em Minas Gerais. principais
lavouras da
Nessas regiões o café pôde ser região são as
cultivado graças às condições plantações de
naturais favoráveis: solo de terra soja, milho,
roxa e clima tropical. Esse tipo de feijão,
algodão, trigo
clima é encontrado em quase todo e café.
o território brasileiro, devido ao fato Crédito: Jader
de que a maior parte do Brasil se da Rocha
encontra entre as linhas do
Equador e do Trópico de
Capricórnio. É um clima de
temperaturas elevadas, com verão
chuvoso e inverno mais seco.

CEESVO 15
Módulo 07 Geografia A Produção do espaços desiguais e o Centro Sul

A MINERAÇÃO
Assim como o café, a mineração teve também sua importância no desenvolvimento da
Região Centro-Sul. A partir do final do século XVIII ocorreu a crise da mineração. Você
sabe o que foi a mineração?

Foi o ciclo econômico que se iniciou com a descoberta das minas de ouro nas regiões
das Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso, devido à crise da lavoura canavieira no nordeste.
Essa nova atividade não exigia grandes investimentos de capital e mão-de-obra, pois o
ouro era encontrado nos leitos dos rios. Posteriormente, o ouro passou a ser explorado
através dos veios (ouro que era encontrado no subsolo e que necessita de escavações), o
que exigia técnicas mais modernas.

A crise e a decadência da
mineração ocorreu devido à falta de
técnicas para a exploração de novas
jazidas e do imposto que era muito
elevado.

A atividade mineradora foi


responsável pelo surgimento de
novos núcleos de povoamento,
diversificação da agropecuária e de
uma intensa atividade urbana
(comércio) que tinha a finalidade de
abastecer a população das minas.

As transformações provocadas
pela mineração foram responsáveis
O Brasil produz cerca de 80 substâncias minerais, envolvendo
mais de mil empresas mineradoras. Minas Gerais é o principal
pela transferência do eixo econômico
estado minerador do Brasil, destacando-se na produção de
do nordeste para o Centro-Sul. A
minério de ferro. As principais empresas são a Cia. Vale do Rio
capital da colônia passou a ser a
Doce, Minerações Reunidas, Itaminas, entre outras. O estado
representa 30% do total da produção mineral brasileira.
Crédito: Divulgação Cia Vale do Rio Doce.
cidade do Rio de Janeiro, para
facilitar o acesso entre a zona de
mineração e a nova metrópole. Da
mesma forma, a mineração foi responsável por mais um ciclo econômico: a criação de
gado (pecuária) que se intensificou, com a finalidade de abastecer (carne, couro e
animais para transporte) a região das Minas Gerais (ou seja, os mineradores).

Quais foram as condições naturais que


favoreceram a pecuária no sul do país? Saiba que...

O clima subtropical que apresenta Durante o período de mineração, tropas de muares


(mulas) transportavam charque (carne seca), e
temperaturas mais amenas e chuvas bem couro dos campos do sul para a região das Minas
distribuídas durante o ano o relevo, Gerais, desenvolvendo vários povoados onde os
constituído por pequenas ondulações e a tropeiros paravam para pernoitar ou descansar
vegetação rasteira que forma os campos durante esse percurso. Sorocaba foi um desses
(campanha gaúcha). povoados onde eram feitas as feiras de muares nos
meses de maio e junho.

CEESVO 16
Módulo 07 Geografia A Produção do espaços desiguais e o Centro Sul

AS DIFERENÇAS HUMANAS E ECONÔMICAS

O Centro-Sul apresenta grandes contrastes na organização regional, com áreas


bastante industrializadas e outras de agricultura tradicional e pequena urbanização.
Baseados nessa diversidade podemos dividir a região em 3 sub-regiões:
I. A Megalópole;
II. O Sul do país;
III. O Norte da região.

Vista noturna de São Paulo.


A megalópole

Você já ouviu falar em megalópole?


Provavelmente você já deve ter ouvido esse termo
em noticiário de televisão ou mesmo lido em algum
jornal.

Megalópole não é uma cidade e sim uma área onde


se concentram grandes cidades, recursos econômicos
e áreas industriais.

A megalópole brasileira concentra: a grande São


Paulo, o Rio de Janeiro, o Vale do Paraíba, a Baixada
Santista, Campinas e seus arredores.
Observando o mapa
a seguir, você percebe
que Sorocaba não está
incluída nessa área.
Sorocaba não é um
centro de importância
nacional, mas como
você já estudou
anteriormente, é um
centro regional
industrializado, com
importante setor de
prestação de serviços
com grande destaque
dentro da nossa região.

A grande São Paulo é uma área que inclui São Paulo e mais 39 municípios e concentra
17,6 milhões de habitantes.
É a região mais industrializada do país, podendo ser considerada seu maior centro
econômico e cultural.

CEESVO 17
Módulo 07 Geografia A Produção do espaços desiguais e o Centro Sul

Sua população formada inicialmente por imigrantes, hoje continua recebendo migrantes
de todo o país, principalmente das regiões onde as péssimas condições de vida obrigam
a população a se mudar (NE, Norte, interior do país).

O crescimento rápido e desordenado dessas cidades causou sérias conseqüências


sobre a qualidade de vida dessa população. A falta de planejamento urbano, aliada à falta
de preparo profissional dos migrantes que chegaram e provocaram o inchaço das
periferias, formou uma legião de desempregados que passaram a viver em condições
miseráveis.
O grande desenvolvimento industrial causou:
 Danos terríveis ao meio ambiente, através da poluição dos rios, enchentes.
 Um ar praticamente irrespirável.

Nos limites desta área metropolitana, nos arredores das cidades, existe um importante
cinturão verde, área de criação de pequenos animais, plantação de legumes, frutas e
verduras, que abastece a grande São Paulo e o grande Rio de Janeiro.

O grande Rio de Janeiro abrange a cidade do Rio de Janeiro e mais doze cidades
vizinhas com uma população de 10,5 milhões de habitantes. Possui o segundo parque
industrial do Brasil e o segundo porto em volume de bens importados e exportados.

CEESVO 18
Módulo 07 Geografia A Produção do espaços desiguais e o Centro Sul

Outras áreas industrializadas da região centro-sul:


1) O Vale do Paraíba: situa-se entre São Paulo e Rio de Janeiro, é uma área muito
industrializada (indústrias aeroespaciais, automobilísticas, CSN, etc). É uma
importante área agrícola e bacia leiteira. Na Baixada Santista encontramos o porto de
Santos que é o principal porto brasileiro, por onde são escoados os produtos de
exportação.
2) Campinas: é uma grande área industrial com população de aproximadamente 1
milhão de habitantes, pólo de grande atração de migrantes. A parte sul da Região
Centro-Sul, foi formada por imigrantes principalmente italianos e alemães e também é
bem desenvolvida.

A Região Centro-Sul é dividida em 2 partes:


 Sul: que compõe o sul do Brasil
 Norte: também dividida em duas partes: nordeste e noroeste.

SUL DO PAÍS

Composto por boa parte do estado de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande
do Sul.

O Jardim Botânico de Curitiba O centro de Porto Alegre avança sobre o rio Guaíba. A
capital do Rio Grande do Sul.

Características:
 Clima subtropical (menos no norte de São Paulo);
 Presença marcante dos imigrantes;
 Agropecuária, aliada à agroindústria.

Porto Alegre e Curitiba são duas metrópoles do sul do país com população acima de 1
milhão de habitantes e importante parque industrial.

O porto de Paranaguá (próximo a Curitiba) é um dos mais importantes do país,


exportando principalmente café e soja.

CEESVO 19
Módulo 07 Geografia A Produção do espaços desiguais e o Centro Sul

O Vale do Itajaí, área de colonização alemã, é a região mais próspera de Santa


Catarina com importantes indústrias alimentícias, têxteis e outras.

No Rio Grande do Sul, podemos destacar a região da Campanha Gaúcha onde se


desenvolvem atividades agropecuárias modernas e também o cultivo do trigo, arroz e
soja.

No Paraná, a antiga região cafeeira vem sendo substituída por cana-de-açúcar,


algodão, arroz etc.

São Paulo possui inúmeras áreas agroindustriais importantes: Ribeirão Preto, São José
do Rio Preto, Bauru, Sorocaba, entre outras.

A cana-de-açúcar foi o cultivo que mais aumentou nestas últimas décadas, por causa
do Proálcool.

A porção norte do centro sul


Vai do sul do Mato Grosso até Minas Gerais e Espírito Santo, passando por Mato
Grosso do Sul e Goiás.

Pode ser dividida em duas partes:


1) Parte Nordeste

Vai de Minas
Gerais ao Espírito
Santo, incluindo o Rio
de Janeiro. É a
principal área
produtora nacional de
petróleo - Bacia de
Campos no Rio de
Janeiro.

A grande Belo
Horizonte (Minas
Gerais) é uma das
mais importantes
áreas metropolitanas
do país. Próximo a
A capital de Minas Gerais teve seu bairro mais famoso, Pampulha, Belo Horizonte localiza-
projetado por Oscar Niemeyer. Em 1940, a pedido de Juscelino
Kubitschek, o arquiteto criou o lago artificial da Pampulha, além de
se o Quadrilátero
edifícios modernos. O destaque de seu projeto é a Igreja de São Ferríferro, área que já
Francisco de Assis, com azulejos pintados por Cândido Portinari. foi a maior produtora de
Crédito: Ronaldo Guimarães minério do país.
Na zona da Mata
Mineira encontramos uma tradicional área pecuária e agrícola (gado leiteiro).

CEESVO 20
Módulo 07 Geografia A Produção do espaços desiguais e o Centro Sul

2) Parte Noroeste
Essa área apresentou grande crescimento nos últimos anos. O Sul de Goiás é
importante área agrícola: soja, arroz e trigo. Nessa região, destaca-se Brasília, a
capital do país.

Uma das 200 espécies da fauna Maior planície alagada do mundo no período das chuvas, o
brasileira ameaçada de extinção, o pantanal mato-grossense é o santuário ecológico de
jacaré encontra no pantanal um inúmeras espécies de aves e de outros animais. O rio
hábitat perfeito para viver: água e sol Paraguai e seus afluentes, como o Negro, são os
à vontade e muitas espécies de responsáveis pela inundação das terras mais baixas, sendo
animais para servir-lhe de alimento, vital para a preservação desse ecossistema, considerado um
principalmente aves. dos mais importantes do planeta.

No Sul do Mato Grosso, desenvolve-se a pecuária de corte e o cultivo de soja e trigo.


O Pantanal Matogrossense é uma área de planícies fluviais que ficam inundadas no
período de chuvas, quando os rios enchem e transbordam. Nessas planícies desenvolve-
se a pecuária extensiva de corte. Outra atividade econômica é o extrativismo vegetal,
destacando-se o tanino e a erva-mate.

Essa área foi considerada pela ONU (Organização das Nações Unidas) um
patrimônio ecológico da humanidade, por ser uma das regiões do mundo onde a natureza
original é mais rica e diversificada. Por sua importância ecológica, o Pantanal deveria ser
preservado mantendo intacta a sua vegetação e protegida sua variadíssima fauna. Nos
últimos anos, vem ocorrendo uma ocupação irracional dessa área, com desmatamento e
construção de estradas, poluição de rios e matança de animais.

Exercícios. Responda em seu caderno:

05. Por que o Centro-Sul do Brasil apresenta maiores contrastes na organização do


espaço geográfico?
06. O que é uma Megalópole? Quais as áreas que formam a Megalópole brasileira?
07. Escreva sobre os problemas que ocorrem nos grandes centros urbanos hoje.
08. Como está dividida a Região Centro-Sul?
09. Dê as principais características do sul do país.
10. Na sua opinião, por que o Pantanal Matogrossense foi considerado patrimônio
ecológico da humanidade?

CEESVO 21
Módulo 07 Geografia A Produção do espaços desiguais e o Centro Sul

Leitura Complementar. Deu na Imprensa. As florestas de proveta.

Nem tudo está perdido no Brasil verde: um terço do consumo anual de madeira já vem de
florestas plantadas, em que as empresas investem bilhões.
Na lista de previsões que não resistiram à realidade,
podem ser incluídas todas as especulações sobre uma
eventual queda no comércio mundial de papel, provocada
pela difusão de tecnologias digitais. Isso porque, ao
menos por enquanto, o que se vê é o contrário. Em vez
de inibir, os meios eletrônicos parecem estimular o
consumo desse produto, cuja primeira versão surgiu na
China, no ano 105. Entre 1990 e 2004, a fabricação
mundial de papel, cuja matéria-prima, a celulose, é
extraída de árvores, avançou de 240 milhões de
toneladas para 337 milhões de toneladas. Um
crescimento de 40%. No Brasil, o salto foi de quase 80%
no mesmo período, passando de 4,7 milhões de
toneladas para 8,4 milhões de toneladas. E foi por meio
de um subterfúgio, o plantio de florestas artificiais, que a indústria do
setor bancou esse avanço na produção, sem levar ao colapso as
reservas verdes do planeta. No mundo, essas áreas de matas plantadas
pelo homem para uso industrial já ocupam 187,5 milhões de hectares, o
equivalente a um país do tamanho do México. Dessa gleba global
gigantesca, 5,4 milhões de hectares, ou 2,9% do total, estão no Brasil. E,
hoje, o país vive um novo ciclo de investimentos nesse setor.

Os projetos de reflorestamento, por sua vez, modernizaram-se,


também por causa de severas certificações internacionais, aliadas à
tecnologia. Hoje, as grandes florestas são plantadas em áreas
intercaladas com matas naturais, formando verdadeiros mosaicos
verdes. Isso porque, como são feitas com material genético homogêneo,
as plantações não têm um sistema de defesa contra insetos. Poderiam
ser dizimadas por punhados de bichinhos. "Mas, em equilíbrio com o ambiente natural, elas até se
tornam mais resistentes, pois ganham os inimigos naturais contra possíveis agressores", diz José
Totti, gerente de planejamento e pesquisa florestal da Klabin. Para completar, apesar de as
florestas plantadas ocuparem apenas 8% da área cultivada do Brasil, elas fornecem 85% de todos
os produtos de origem florestal encontrados no mercado. E esse é um alento, principalmente em
um mundo que parece não querer diminuir tão cedo o consumo de papel, energia, móveis e
materiais para a indústria de construção.

Fonte Revista Veja - Out/2005

CEESVO 22
Módulo 07 Geografia A Produção do espaços desiguais e o Centro Sul

BIBLIOGRAFIA

ADAS, Melhem. Geografia. São Paulo. Editora Ática, 1994.


ALMANAQUE ABRIL. CD ROM, 8ª Edição, 2000.e 2004
BELTRAME, Zoraide Victoréllo. Geografia Ativa. São Paulo. Editora Ática, 1995.
CONSTITUIÇÃO FEDERAL DO BRASIL, 1998.
DIAMANTINO, Alves C. Pereira e outros, Ciências dos Espaço. São Paulo.
Editora Atual, 1994
DIMENSTEIN, Gilberto. Aprendiz do Futuro. São Paulo. Editora Ática, 2000.
ENCICLOPÉDIA ELETRÔNICA KOOGAN HOUAISS 2000
JORNAIS: Folha de São Paulo, Estado de São Paulo, Cruzeiro do Sul e Folha de
Votorantim.
LUCCI, Elian Alabi. Geografia. O homem no espaço global. São Paulo. Editora
Saraiva, 1997.
IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estática.
MAGNOLI, Demétrio e. Projeto de Ensino de Geografia. São Paulo. Editora
Moderna, 2000.
MÉDICI, Miriam de Cássia e. Coleção Nova Geração. São Paulo. Editora Nova
Geração, 1999.
MOREIRA, Igor. O espaço geográfico. São Paulo, Editora Ática, 1998.
NIDELCOFF, Maria Teresa. A escola e a compreensão da realidade. São Paulo.
Editora Brasiliense, 1990.
OLIVA, Jaime. Espaço e Modernidade. Temas da Geografia Mundial. São Paulo.
Editora Atual, 1995.
PROFESSOR PC, Geografia, CD ROM
REVISTAS: Veja, Isto é, Super Interessante, Época, Globo Rural.
RODRIGUES, Rosicler Martins. As cidades brasileiras. São Paulo, Editora
Moderna, 1995.
SENE, Eustáquio de e. Espaço geográfico e globalização. São Paulo. Editora
Scipione, 1998.
SIMIELLI, Maria Helena. Atlas Geográfico. São Paulo. Editora Ática, 2000.
TELECURSO 2000, Geografia, Vol. 1 e 2 .
VESENTINI, J. William. Sociedade e Espaço. São Paulo. Editora Ática, 1997.

CEESVO 23
Módulo 07 Geografia A Produção do espaços desiguais e o Centro Sul

EQUIPE DE GEOGRAFIA CEESVO 2005

Jaime Aparecido da Silva


Maria de Fátima Pinto
Deise Quevedo Bertaco

COLABORAÇÃO

Neiva Aparecida Ferraz Nunes


Equipe de Geografia do CEESSO 2004

DIREÇÃO

Elisabete Marinoni Gomes


Maria Isabel R. de C. Kupper

APOIO.

Prefeitura Municipal de Votorantim.

CEESVO 24