Vous êtes sur la page 1sur 45

Processamento de polimeros P2

Processamento de polímeros por


Termoformação

Prof. Osmar Roberto Bagnato

14/03/2014 1
Conceitos Iniciais
Definição:
- Termoformagem: obtenção de peças a partir de chapas
previamente produzidas que são aquecidas temporariamente e
forçadas a se envolver na superfície de um molde.
Obtenção das chapas de polímeros:
- Extrusão – processo mais utilizado para a transformação do
material granulado ou em pó;

- Co-extrusão – melhorar as características da material;

- Calandragem – chapas de PVC;

- Fundição (casting) – chapas de acrílico.


Reagentes (líquidos) são vazados em formas com temperatura
14/03/2014 2
controlada.
Conceitos Iniciais

Etapas de produção:

Todo processo de termoformação possui 3 etapas fundamentais:


-Aquecimento da chapa;

- Conformação e

- Resfriamento.

Uma quarta etapa, onde não ocorre transformação da matéria-


prima:
- Corte e estampagem.

14/03/2014 3
Aquecimento
Fatores:
- Tipo e intensidade da fonte de calor;
- Temperatura requerida para a conformação;
- Características de absorção da chapa;
- Condutividade térmica da chapa;
- Características de degradação térmica da chapa.

Condições ideais:
- Aquecimento rápido;
- Gradiente térmico mínimo entre a borda e o centro.
Tipos:
- radiação;
- convecção e
- condução.
14/03/2014 4
Aquecimento - Radiação

- principal método empregado;


- radiação infravermelha através de uma fonte constituída de lâmpadas;
- fornece temperaturas entre 260 ºC e 630 ºC;
- controle de temperatura através do controle de corrente.

- Escudo refletor - recuperar energia


que atravessa materiais finos ou
transparentes;

- Sombreamento – evitar afinamento


excessivo na conformação.
utilizado em porções da chapa que
serão estiradas em cavidades
profundas ou nas arestas.

14/03/2014 5
Aquecimento
Características do aquecimento por convecção:

- forno, através da circulação de ar quente;


- melhor homogeneidade e melhor controle da temperatura;
- processos mais lento;
- facilidade de aquecer várias chapas ao mesmo tempo;
- aplicado apenas a materiais com elevada resistência à quente.

Características do aquecimento por condução:

- velocidade intermediária de aquecimento;


- aquecimento através do contato com superfícies metálicas,
aquecidas por resistências;
- placas são revestidas com teflon, para o plástico não aderir.
- aplicado a chapas finas.
14/03/2014 6
Moldes

O Molde é onde irá estirar uma chapa amolecida, para que a mesma tome
a forma desejada.

Existem dois tipos de Moldes:


Macho ou Positivo
Fêmea ou Negativo

O uso dos tipos vai depender de alguns aspectos:


Espessura da parede
Acabamento superficial
Tipos de materiais dos Moldes:
Metálico (aço, alumínio, ligas de cobre), para produção em massa
Madeira ou resina termofixas, para produção semi-artersanal
14/03/2014 7
Tipos de Moldes

Molde Macho ou Positivo

As peças requerem maior espessura no topo


Melhor nitidez de detalhes do lado interno
Maior brilho na superfície externa do produto
Melhor controle dimensional para peças
São mais baratos, pois exigem menos usinagem interna
Maior consumo de material, para impedir o afinamento na base
14/03/2014 8
Tipos de Moldes

Molde Fêmea ou Negativo

Produção de peças rasas


Detalhes do lado externo da peça
Maior brilho na superfície interna do produto
Melhor controle dimensional para peças
Menor espaçamento entre as cavidades
Maior produtividade, mais peças por unidade de área de chapa
14/03/2014 9
Métodos de Termoformação

Método de termoformação com etapa única de conformação


É para chapas finas e peças com formas simples, nela contém cinco
métodos:
Recobrimento (Drape Forming)
Vácuo (Vacuum Forming)
Pressão Positiva
Inflagem ou Sopro Livre
Moldes Combinados ou União

14/03/2014 10
Métodos de Termoformação

Método de termoformação com múltiplas etapas de conformação


É para chapas espessas e peças com formas complexas, com maior
profundidade e com uniformidade de espessura nas paredes, nela contém
três métodos:
Estiramento e Recobrimento
Estiramento e Vácuo
Auxiliados por Plugue

14/03/2014 11
Métodos de Termoformação

Método de termoformação com etapa única de conformação


Recobrimento (Drape Forming)
A chapa aquecida é baixada contra um molde frio tomando a forma do
molde, a peça apresenta fundos mais espessos e paredes finas.

14/03/2014 12
Métodos de Termoformação

Método de termoformação com etapa única de conformação


Vácuo (Vacuum Forming)
A chapa aquecida é presa e selada sobre o molde, o vácuo é aplicado
estampando a chapa contra o molde, a peça apresenta bordas mais
espessas e fundo mais fino.

14/03/2014 13
Métodos de Termoformação

Método de termoformação com etapa única de conformação


Pressão Positiva
Similar ao processo a vácuo, só que com a deformação feita por pressão,
permitindo melhor definição dos detalhes e é usado para materiais mais
rígidos e com muitos detalhes geométricos.

14/03/2014 14
Métodos de Termoformação

Método de termoformação com etapa única de conformação


Inflagem ou Sopro Livre
A chapa amolecida é presa na máquina e estirada por sopro tomando
forma livre, a espessura da chapa é praticamente uniforme. Muito utilizada
para fazer redoma para aviões de combate.

14/03/2014 15
Métodos de Termoformação

Método de termoformação com etapa única de conformação


Moldes Combinado ou União
Muito utilizado para polímeros rígidos, como PS expandido (isopor). A
chapa amolecida é colocada entre duas partes de molde que são fechadas.

14/03/2014 16
Métodos de Termoformação

Método de termoformação com múltiplas etapas de conformação


Estiramento e Recobrimento
A chapa é aquecida e expandida como uma bolha, depois o molde avança
sobre a mesma e é recoberto. O ar comprimido ajuda a moldar detalhes da
peça. A vantagem é uma peça com espessura uniforme.

14/03/2014 17
Métodos de Termoformação

Método de termoformação com múltiplas etapas de conformação


Estiramento e Vácuo
Após o estiramento da chapa pelo ar comprimido, ocorre uma depressão
ocasionada pelo vácuo e a chapa se molda no molde fêmea. Usado para
peças com cavidades profundas.

14/03/2014 18
Métodos de Termoformação

Método de termoformação com múltiplas etapas de conformação


Método Auxiliado por Plugue
Para certo detalhes e cavidades é utilizado o plugue em conjunto com os
métodos anteriores. Os materiais do plugue são nylon, epóxi e cerâmica.

14/03/2014 19
Métodos de Termoformação

Método de termoformação com múltiplas etapas de conformação


Método Auxiliado por Plugue

14/03/2014 20
Métodos de Termoformação

Método de termoformação com múltiplas etapas de conformação


Método Auxiliado por Plugue

14/03/2014 21
Métodos de Termoformação

Termoformação de peças com mais de um material

• Obtenção de embalagens com maiores propriedades de “barreira”


(isolamento entre os produtos a serem embalados e agentes externos).

• Maior qualidade referente à data de validade dos produtos embalados.

• Junto ao polímero principal, como PP (polipropileno) e PS (poliestireno), são


utilizadas chapas co-extrudadas (duas chapas de materiais diferentes são
termoformadas no mesmo molde) de EVOH, PVDC, PA e outros.

• Desvantagem: Fácil delaminação, pois as 2 camadas não estão soldadas

14/03/2014 22
Métodos de Termoformação

Termoformação de peças com mais de um material

• As duas chapas aquecidas (A) e moldadas (B).

• As sobras da chapa são aparadas, sem que os materiais sejam misturados


(C), permitindo a reciclagem de ambos para reutilização na extrusão das
próprias chapas.

14/03/2014 23
Métodos de Termoformação

Termoformação de peças com parede dupla


• Peças com parede dupla podem ser produzidas por termoformação.
• O espaço entre as duas chapas pode ser deixado vazio ou preenchido por
isolantes térmicos ou acústicos, como o poliuretano (PU).
• As chapas são devidamente aquecidas (A), sopradas contra seus
respectivos moldes.
•Plugues podem auxiliar a conformação das chapas, como em (C), para a
formação de nervuras de reforço.

14/03/2014 24
Resfriamento

• Requer atenção redobrada – tempo de resfriamento das peças maior que


outras etapas do ciclo.

• Moldes devem ter alta condutividade térmica.

• Resfriamento acelerado - dutos de água passando pelo molde.

• Quanto mais a peça esfria, velocidade de resfriamento cai - Baixo ΔT entre a


peça e o molde.

• Resfriamento por ventiladores – uso em moldes mau condutores térmicos


(madeira, gesso).

• Molde fêmea - contração do resfriamento, a peça tende a se desprender do


molde.

• Molde macho – ao resfriar-se, a peça tende a se prender no molde.


14/03/2014 25
Contração

• Resfriamento - ocorre considerável alteração dimensional (contração


térmica e Δ de densidade).

• Pode ser observada de 15 a 30 min. após a moldagem.

• O intervalo de tempo entre conformação e apara deve ser mantido


constante - manter tolerâncias estreitas.

• Quanto maior o tempo entre a conformação e a remoção de aparas, melhor


o resultado final (espera de 15 min., pelo menos).

•É a contração do material registrada durante o ciclo de esfriamento no


molde logo após a termoformagem.

14/03/2014 26
Desmoldagem pobre

• Peça ou molde quente demais.


• Orifícios inadequados de molde
• Acabamento pobre na superfície.

14/03/2014 27
MATERIA PRIMA PARA CONFECÇÃO DOS MOLDES:

• alumínio mais usado no entanto deve-se utilizar preferencialmente SAE


305 e SAE 323 ou permanecer dentro da Norma DIN 1725-2 da composição
da liga de alumínio para aplicar o processo de cromagem.
• aço  mais resistente, mais caro, resfriamento mais lento, todos os aços
são de fácil tratamento, com exceção do aço inox que necessita de um banho
especial.
• Madeira, epóxi, fibra-de-vidro  baixa produtividade, resfriamento lento,
baixa durabilidade, baratos para peças-protótipo.

14/03/2014 28
Aplicação

Produtos Termoformados:

A termoformação é empregada em larga escala na indústria de


embalagens e descartáveis, mas também é aplicado na indústria
automobilística, na produção de carcaças de equipamentos industriais, em
produtos de linha branca (refrigeradores e freezers) e na construção civil.

14/03/2014 29
Aplicações

14/03/2014 30
Comparativo

Termoformação x Injeção

Exemplo de produção*
termoformação por
injeção pressão positiva
molde US$ 134.000,00 US$ 24.000,00
molde/1000 peças US$ 134,00 US$ 24,00
material e process. US$ 13,84 US$ 22,29
/1000 peças
custo/1000 peças US$ 147,84 US$ 46,29
* Segundo Ken Marus, GE plastics

14/03/2014 31
CONFORMAÇÃO DE POLÍMEROS A
VÁCUO

14/03/2014 32
Vantagens termoformagem

- Moldes, máquinas e operações são mais simples.


- Menor custo dos equipamentos.
- Menor espessura de parede (geralmente necessário para produção de peças
descartáveis como copos).
- Peças com grande superfície e múltiplas cavidades (área de moldagem de 1m2 ate
4m2 por ciclo).
- Tempo de desenvolvimento do projeto reduzido.
- Possibilidade de alterações posteriores no molde.

Desvantagens termoformagem

- Formação de cantos com pouca espessura.


- Controle de dimensões das peças menor.
- Restrições no formato da peça.
- Menor aproveitamento do material gerando mais moagem.
- Tempo de ciclo maior.
- Necessidade de acabamento da peça antes de ser considerada pronta.
14/03/2014 33
Máquina de termoformagem a vácuo
- Fixação de uma chapa plástica em um quadro metálico.
- Aquecimento da chapa.
- Transporte ate o molde que está dentro da câmara (1).
- Prensa da placa aquecida e vedação da câmara (2).
- Sistema de vácuo suga a chapa (3).
- Conformação no molde e resfriamento
- Extração
- Área de corte

14/03/2014 34
Exemplos de peças feitas por termoformagem

14/03/2014 35
Principais materiais para termoformagem.

Semi-Cristalino

PP (Polipropileno) Elevada resistência ao calor, elevada resistência química.


PE (Polietileno) Tenacidade, elevada resistência química.

Amorfo
PC (Policarbonato) Resistência as condições de esterilização, auto extinguível,
excelente transparência.
PMMA (Polimetilmetacrilato) Ampla colorabilidade, excelente transparência, resistência a
agentes atmosféricos, estabilidade a luz.
PS (Poliestireno) Dureza e rigidez, boa colorabilidade, ótima brilhatura, ótima
transparência.
PVC (Polivinilcloreto) Elevada rigidez ou flexibilidade, resistente a abrasão, elevada
resistência química e auto extinguível.
ABS (Acrilonitrila – Butadieno – Boas propriedades mecânicas, dureza, resistência e tenacidade.
Estirol)

14/03/2014 36
Fabricação de chapas termoplásticas
- Fundição do material plástico na extrusora
- Rosca interna empurra o fundido através do cabeçote plano de saída formando a chapa.
- Sistema alisador composto por três cilindros (calandras).
- Esteira “resfriamento secundário”.
- Dois cilindros emborrachados trabalham com pressão sobre a chapa.
-Corte e empilhamento das chapas.
Particularidades :
- Extrusora e cabeçote revestidos por resistências de aquecimento controladas pelo
operador.
- As calandras são necessárias para o ajuste final das dimensões desejadas e possuem
superfícies de cromo altamente espelhadas, para ao mesmo tempo alisar a superfície da peça.
-Os rolos emborrachados são responsáveis pelo controle do movimento e também pelo
estiramento e orientação das chapas.

14/03/2014 37
Conformação por molde macho (positivo)
Devido ao estiramento
inconstante durante a
moldagem, há uma grande
variação de espessura nos
cantos e nas partes inferiores
da peça.
Portanto onde o material
“encostar” no molde por
último ficará com uma
espessura excessivamente fina.
Caso o material seja muito
estirado pode formar furos na
peça, portanto a altura não
deve ser maior que 30 a 50%
de seu comprimento.

14/03/2014 38
Conformação por molde fêmea (negativo)

Na conformação por
molde fêmea (negativo) é
muito parecida ao
processo apresentado
anteriormente.
A chapa plástica é
aquecida e presa no
quadro acima do molde.
O molde é elevado até a
posição de moldagem, e o
vácuo é acionado
estirando a chapa.
A atmosfera pressiona a
chapa contra a parede do
molde formando o
contorno externo da peça,

14/03/2014 39
MOLDAGEM MACHO E FÊMEA SIMPLES

Peça moldada a molde macho Peça moldada a molde fêmea

14/03/2014 40
MOLDAGEM MACHO E FÊMEA COM BALÃO
A chapa plástica é aquecida e
presa no quadro acima do
molde, é aplicada pressão de ar
entre o quadro e molde para
formar o balão e pré-estirar o
plástico, em seguida o molde
sobe ate a posição de
moldagem e aciona o vácuo; a
chapa é pressionada contra a
parede do molde pela
atmosfera moldando a peça.
Este processo tem o objetivo
de melhorar a uniformidade da
peça, porém mesmo nas
operações mais cuidadosas
ocorrerão variações na
espessura

14/03/2014 41
MOLDAGEM MACHO E FÊMEA COM BALÃO

No molde fêmea com balão as


características são as mesmas da
moldagem apresentada
anteriormente.
A diferença consiste basicamente
na qualidade da superfície externa
da peça onde ocorre contato com o
molde.
Portanto peças que requerem brilho
externo devem ser produzidas em
moldes macho.

14/03/2014 42
MOLDAGEM FÊMEA AUXILIADO POR CONTRAMOLDE

14/03/2014 43
MOLDAGEM FÊMEA AUXILIADO POR
CONTRAMOLDE E BALÃO

14/03/2014 44
MOLDAGEM SOB PRESSÃO, AUXILIO
POR CONTRAMOLDE E BALÃO.

14/03/2014 45