Vous êtes sur la page 1sur 16

061 nÁ

Leitura para
Rio de Janeiro, maio de 1980- CR$ 30,00 maiores de 18anós daesquina

nÇ si
NOVA FO
NOI=Nr""í"q^NTRO
EM SÃO PAULO,
BICHAS E

AS vi ^ 'IA MESA
EM MATAR O STRAVESTIS
1
Um encarte g lEltiS:
EXTRA/LAMPIi NO N 2 2
O homem num está na pg. 9
v

^iX

*) Centro de Documentação
APPAD e
da p.iiad.i da til vridad
Prof. Dr. Luiz Mott GRU PODIGN IDADE
OPINIÃO

Um apelo da
tradicional
família Mesquita:
prendam, matem
e comam os travestis!

IJhiií;u
1 cedo como ponto de partida um crime ideologia do sistema. Assim, além doa bosno.-
cometido por travestis numa rosa realdendal de sexuais, as feministas os negro., o. índios, «e. e
São Paulo. o jornal Estido de São Piulo tantos quantos reivindiquem direito., poderãoses-
publicou no. dia, 28 e 29 de março duas repor- enquadrados e... com o requinte de delegacias e
tagens em que, co. a menu de preatar seaviços Prisões especializadas.
pábilo.., comentava a hrvug o deste, sa, rua, tia Ocorre-me, de repente, um lapso por es-
Capital e alertavi a população para "o perigo dos quecimento co ingenuidade: em mat&ia de es-
Irae,ds. Aparentemente áteis e até didática, és pedallzadas já tivemos até bem recentemente
pessoas alheias ao assunto, ai reportagens Porém prisões políticas e temos em pleno funcionamento
revoltaram tu mala eadareddos porque o alando w
o. hospitais (?) para loucos e a própria PEDEM,
jornal, que sempre evitou rderêacésa ao que mal disfarça a sua missão geradora de mar-
sauaãamo em sua, págém, lazão mifilio, u ginalizado. irrecuperáveis. A lista desses "os-
de lo,,a lediadora de viofi~ a.udo.alhi*, pécirnes indesejáveis" poderá então vir a ser bis-
como qualquer daa seus colega, da baprema travesti, Prostituindo-se pelas ruas. 'Na In- travesti, que na maneira deles de ver é quase uma
tante extensa porque orientada ao sabor de uma glaterra é uma opção. Alguns se prostituem , mas
marrou mentalidade totalitária que esquece que não só de mulher...
A verdadeira razão dai reportagens porém não necessitam porque e geral têm outros
'obedientes e canportado&' (filhos diletos que "trabalho.". Constàte-se então que aprostituição O que está verdadeiramente errado? O sis-
apareceu no mesmo jornal alguns dias dqio, usufruem as vantagens do sistema), é quero com- tema proporciona (quando não impõe), mais
numa noticia fria, calculada. Tudo se mdared.i do travesti aparece no Brasil o um dos es-
põe a estrutura de uma nação. Também, os pelhcn (um das muito.) da nossa miséria, da nos- Facilidades de vida ao homossexual que queira
de comum acordos o delegado da Seccional Sul da chamados minoi-itárica, idem os marginalizados, negar sua natureza adotando as regras e compor-
o&klao ciwend comandante da Polida Militar sa incultura da nossa desigualdade sçaal e
ccônomca e socialmente, tém o direito de exigir econômica e cons eqüentemente do ditismo do tamentos heteros que convêm ao sistema. Este
planejaram unir a, forças de ambas a, poèclas soluções para os seis problemas, das quais eles homem agüenta o quanto pode mas.., mais cedo
d'riu e milhar, num amplexo de málua e cosas nono poder Político.
são o resultado enão a causa. Porém o quero faz ou mais tarde escorrega pelas tangentes (quase
irvilva compreensão que nunca esigila entre Ë fato comprovado que o travesti-prostituto
atualmente, por inépcia ou para satisfazer in- sempre de pensas abertas) porque ninguém é de
a fim de combater a criminalidade, .dll teresses dúbio., é exatamente o contrário: tenta- vem em sua maioria das camadas proletárias da feri-o, "Faça por não demonstrar e nõe faremos de
zindo iodo o dlspo.hI'vo possível de hoen,s e nossa sociedade e que antes de adotar como em-
se conter pela repressão so males que a própria balagem o traje feminino quase sempre imigrou conta que não estamos vendo", dizem as ccmvon-
viaturas para der os iyavmlh ala rua., esquia, sociedade dominante criou e continua criando. çoes — isto, até que os resultados dessa misti-
dr.sndo-os no orlar de vadiagem. (Isto enquanto de lugar menor para uma cidade grande. Com
Soube-se há pouco pelos ornais de uqi nosa formação educacional primária, calejado desde j ficação transbordem em forma de mazelas so-
a lei não pudor sor modXkada, *ajeitando o classe de reprimidos, na Rússia. Pasmem: a do.
infãncia na sua cidade pela incutnpreassjo fa- ciais, o que nenhum -, band-aid' de última hora
homoareauallso a outra, palidadm). Para que paraplégico. ou portadores de defeitos físicos consegue esconder, muito menos curar. Repri-
ai piamo dê re,ultadoa, sugarem alada que se que lá são confinados em uma ilha-prisão. Será miliar e pela opressão social, chega por aqui só
com a coragem, pernas dispostas a ca-rei- da mir, cano se está planejando por aqui? Temos
reforce Delegacia de Vadiagem de Dcix e que se que aqui chegaremos a esse ponto? doquentes exemplos na história, de aceno as
faça uma reforma no Pre,ldIo do Hipódromo policia e com a sagacidade, que algumas vezes
Mas soltemos ao "Estadão. Além de não advém curiosamente, da sua condição sexual - repressões levam a grandes catástrofes.
1 recentemente deasticado por ser cosaldue,do
propor= qualquer solução além da repressão portm, inapto., mesmo para os subempregos Foi bastante importante a panicipação do
Inablilveli, para abrigar hmosirruaia. policial aos travestis (perdão, aos homossexuais), (poucos) travestis que tiveram a coragem de com-
Observe-se, abrindo um parêntese, que tanto para os quais os patrões também dão prioridade
as reportagens incitam sutilmente a unia 'revan- aos hetes-os", porque não desmunbeca". parecer ao 1 Encontro Brasileiro de Homosse-
nas duas reportagens como nema notícia, as eM' pelas violências praticadas pelos travestis- xuais. Seus depoimentes pessoais sobre repres-
palavras "Travestr' e "lio,o.suuaf foram O travestismo a nível de prostituição, cano
prostitutas. (E os hetei-os, marginais ou não, tam- tantos outras mazelas nacionais, é conseqüência são, maus tratos e extorsões que sofrem, tiveram
usadas seus a especificação adequada, o que pelo bém não as praticam?) Ë preciso ter em mente a força de um libelo, exigindo urgentes providên-
menos para o grande pábil» se (sus necessário. da nossa fome. Mas existe outro fator paraldo ou
antes de lazer uma coisa dessas, que numa ci- digamos complementar nós que vivemos numa e cias de n&, os homossexuais, contra a máquina
Completando o plaao, pensaram também em vilização neirotizada como a nossa, os justiceiros da repressão do sistema que ainda não foi de-
lonfliar os travesti, em alguma, rua, da região da para uma sociedade consumista sabemos que o
voluntários estão sempre prontos a entrar em postulado básico do "marqueting" & "Só existes sativada, como se andou propalando. Tudo faz
"boca do IIio, protegendo su laindias dos assal- ação, à espera de um sinal apenas, em nome de a-ei- (tomara que não) que esteja em fase de des-
tos e chantagens, "aló, de evkar aquele viajo oferta onde existe a procura." Porque o travestis-
um ideal qualquer, ou simplesmente á procura do mo de rua surgiu também como uma exigência do canso para reparo.. Não podendo mais ser usada
desagradável dos luvorildos oferecendo o empo prazer de uma aventura sádica, principalmente para fins políticos devido ia modernas e anun-
pelas ruas decente, da cidade". mercado sexual das grandes cidades e, pari servir
quando acobertados e garantidas pelo sistema. o mercado heterossea.al (ou o que se esconde sob ciadas aberturas, usará sua força para impor a
Quantos homossexuais ou prostitutas já não a aparência dele), servindo corno válvula de es- moral de conveniência doa sistema aos indese-
Esse plano de repressão, corno se vã, confi- foram assassinados assim? jáveis mais óbvios: os hosnossetuaja e particular-
gura-se de muita gravidade porque, além de - capa para os homossexuais não assumidos (um
número tão grande que "é capaz de sustentar malte os travesti, - porque de qualquer forma,
trinar a nossa constituição, violenta o direito A prostituição pelo travestismo é um fenõ- além do mais, é preciso manter o cxnpreguismo,
humano de não segregação. tanto mais grave mono relativamente novo na enorme painel da P rofissiona lmente cinco mil travestis. só au S.
ainda porque, se los- aprovado (e neste pais tudo Paulo!). Essa clientela é tmsua maioria c ompos- czxsservar em ponto neutro a desinformação ou,
sexualidade. Sendo que no Brasil ele está atingin- ta de respeitáveis ch efes de família que não têm em última instáncia, satisfazer de alguma ma-
pode acontecer! ... ) abrirá precedente a que se do proporções inimaginávas. PCr pie jiotaznmte neira o sadismo das massas. Mesmo sem pão,
criem prisões especilizadas para indo e iodo que aqui? Um inglês meu amigo. rcézn-chegado a (ou não tiveram, no devido tempo) a coragem ou
a possibilidade de procurar se relacionar com abrem-se as portas do circo - ou da arena. E o
Por qualquer razão possam ser incômodos á São Paulo, ficou surpreso com o número de Povã o ingênuo, não percebendo a armadilha,
homossexuais seus iguais, recorrendo então ao aplaude e pede bis. (Darcy Pontuado)

(Campinas); Glauco Mattoso, Celso Cúri, (capa), Patrício Bisso, Hildebrando de Cai- taçøes e Distribuição de Livros e Periódicos
Edélcio Mostaço, Paulo Augusto, Cynthia iro, José Carlos Mendes e Levi. Lida.; Belo Horizonte: Distribuidora R'iccio
Sarti, Francisco Fukushjma (São Paulo); de Jornais e Revistas Ltda.; Porto Elegre:
Eduardo Dantas (Campo Grande); Amylton Arte Final —Ant&iioCarlos Moreira
Almeida (Vitória)z; Zé Albuquerque Coojcwnal; Curitiba. J. Chignone e Cia. Li-
Conselho Editorial - Adão Acosta, Publicidade - César Augusto de Al- da.; Vitória; Angelo V. Zurlo; Campos:
(Recife); Luiz Moi (Salvador); Gilmar de meida Campo. R.S. Santana; Jundial; ,jsndlaf: Distri-
Aguinaldo Silva, Antônio Chrysatomo, Carvalho (Fortaleza); Alexandre Ribondi
Clóvis Marques, Darc y Penteado, Francisco (Brasilia); Polibio Alves (Jo g o pessoa). buidora Paulista de Jornais e Revistas Ltda.
Rittenccurt, Gasparino Darnata, Jean- LAMPIÃO da Esquina é uma publi- Campinas: Distribuidora Campineira de
FrankLin Jorge (Natal); Paulo Hecker Filho cação da Esquina-Editora de Livros, Jornais Jornais e Revistas Ltda. e Distribuidora
Clattdc Bernardet, Jo g o Silv'ério Trevisan e (Porto Alegre); Wilson Bueno (Curitiba);
Peter Frv. e Revistas Ltda.; CGC (M 17) Constanzo de Jornais e Revistas Ltda.;
EdvaldoRibeirode Oliveira (Jacarei) 29529856/0001-30-,Inscrição estadual, Ribeirão Prelo. Centro Acadêrnic ri de Fi-
81. 547J 13. losofia; ,jitz de Fora: Ercok Caruso & Cia.
Coordenados- de edição — Aguinaldo Correspondentes — Fran Tornabene
Silva Endereço — Rua Joaquim Silva, li, Ltda.; Londrina: Livraria Reunida Apu-
(San Francisco); AIlen Young (Nova Yotk); s/707, Lapa, Rio. Correspondência: Caixa catana Ltda.; Brasilia: Anazir Vieira da Sil-
Armando de Fulviã (Barcelona); Ricardo e Postal 41031, CEP 20400 (Santa Teresa), va; Gelánla: Agricio Braga & Cia. Ltda.:
C .ahtaadores — Leda Miccolis, Rubem Hector (Madri); Addy (Londres); Cekstino Rio de Janeiro, Ri.
Cort'ete, Antônio ('ano. Moreira, João Recife: Diplomata — Distribuidora de
(Paris); Anton Leicht e Nestor Perkal (Fran- Composto e impresso ria Gráfica e Publicaçôcs e Representações Ltda.; For-
Carlos Rodrigues,, Agudo (Juirnarges, kfurt). Editora Jornal do Comércio S.A. —Rua do taleza: Orbras - Organização Brasileira de
Fredirico Jorge Dantas, Alceste Pinheiro, Livramento, 189/203, Rio.
Paulo Sérgio Pestana, José Fernando Bas- Serviços Ltda.; Manso: StanleyWhide.
Folia — Billy Aciolly, Dimitri Ribeiro Distribuição — Rio: Distribuidora de
to,, Henrique Neiva, Mima Grzich, jogo (Rio); Fanny e Cmii Calix, e Dimas Schitni
Carneiro e Atistóteles Rodrianes (Rio): José Jornais e Revistas Presidente Lida. (Rua da
(SãoPaulo), e arquivo. Constituição, 65/67); São Paulo. Pauhno Assinatura anual (doze números): (r1
Psre. Barroso Filho e Carlos AlbertoMjran. Arte — Dimitri Ribeiro (coordenador), 360,00. Número atrasado: Cr$ 40,00. As-
ia i'iicrii); Marius, Fdward MacRae Carcanheti; Salvador: Livraria Literarie;
Nélson Souto (diagramaçao), Mcm de Sã Florianópolis e ,Iolavllle: Amo, Re presen- sinatura para oexcerior: US$ 25,00.

r4jIrret
LAMPIÃO da Esquina

Centro de Documentação
APPAD iL t
da varada da (IIvvrsId.ldL'
Prof. Dr. Luiz Mott GRUPODIGNIDADE

ATIVISMÈJ--
Isso também eO Brasil!
"Quando saí do
Teatro Ruth
Escobar,em São
Paulo, após a
sessão aberta do 1?
Encontro Brasileiro
de Homossexuais,
- trazia comigo uma
' certeza: alguma
coisa mudou, neste
4
pais, apartir
e ,
;_.:! daquele dia"
(Francisco
/ Bittencourt). O
noticiário completo
sobre o ° EBHO
está nas cinco
páginas seguintes.

Fog os: Fanny/Cris UAIIC% -

T.: '•••\\

\• 1

4
1

1h

LAMPIÃO daEsquina Página 3

e
MÇ «3 QAI9I1A,,

* o

Centro de Documentação
APPAD
I
da parada Ila di t'rdade
Prof. Dr. Luiz Mott It._JFDIGI'1IDi\DE
í ATIVISMO]

Homossexuais, a nova força


çamcnlo entre homossexuis e operários no 10 de
Pegue um ônibus na Praça da República, Maio).
das linhas que passam pela Av. Dr. Arnaldo e Na minha imaginação desvairada cheguei d
desça na porta do cernit&IO" . me explicou o me sentir em plena Assembléia Nacional da
amigo. "Meu Deus, que coisa mais macabra, Reluçio Francesa quando a Ação Lésbiw
num cemiténol Quem teve a idéia? Garanto que Feminista colocou-se em bloco, inconscientemen-
foiaIgun do SOMOS." O outro, que é do te co não, na extrema-esquerda das arquiban-
SOMOS/SP, irritou-se imediatamente, surgiu ver
cadas do plenário. Para mim ali estavam os
nele o militante enfezado, só faltando o trabuco -daeirosvlucná,jaobisdfutr,
na mão. "No cemitério o que. bicha burra, e de capazes de levar à frente um projeto de luta, ai-
qual SOMOS você está falando?" Ele me parecia quanto nos outra grupos eu eçava a dcteraar
to ameaçador, que disfarcei: "Do carioca, ora. um certo bizantinismo, o prazer do aparte pelo
Voas aqui já estio na fase da guerrilha, enquan- aparte e o subjetivismo típico dos que ainda
to que. gente por lá continua na base das ideia tateiam em terrena minados pela metafisica.
exóticas, como. bundinha de fora em Ipanema, E Teca, abder da Ação Lésbico-Feminista,
né? Fazer o encontro num cemitério por falta de começou a parecer na minha imaginação a nossa
outros locais poderia ser muito bem uma ina- Saint-luis, o belo e ta'dvd herói da Revolução
piraçiode carioca gozador.— Francesa. Também ela é bela e capaz de arre-
O diálogo acima (como outra que poderio batar as plateias cosa seu dicuno preciso, onde
seguir) é um pouco por conta da imaginaçio não sobram nem faltam palavras, c@de saram-
bicheaca. .l ue não deve sucumbir diante de tanto trama justamente aquilo que estávamos queren-
congresso. conclamaçáo. amença de pauests, do expressar. Mas Teca é também, e eu acho isso
palavras de ordem e o escamb.u. Em 68, Paria teimo, uma vedete no sentido mais moderno do
ficou toda picada com a palavra de cedem "Viw a termo. Ela respira melhor diante de grandes
imaginaçio' e eu adio que ainda hoje ela é A- auditórios e sentimo-la vibrar de emogio quando
lida.JápensrmgtdaoueLl, a aplaudem e gritam seu nome. Tem é uma
tratando a amigos de "csxnpanheirea(a)a" e vedete, uma estrela, e arasdito que um de seus
piela ezaultio para que tudo desse cedo nos o encontro iria discutir os temas gerais e os es-
fazendo comícios Para 100 mil pessoas? Pai- maiores prazeres seja o de roubar o . como se
minienca detalhes. SOMOS. EROS. LIBERTOS pecificos aos grupos, mas que não teriam esem
flama a ser uma das muitas faces do sistema. Ou diz na gtria teatral, quando ela sé que o áow
são a grupos paulistas que deram tudo de si para discussões caráter deliberativo e que suas con-
não? Mas ma em frente. Descemos na porta meça a dar sono.
o brita desse encontro, mas para bem da verdade clusões tomariam a forma de rruimen~
do cemitio traias os passageiros - oønibus es- é preciso que se diga que tudo começou em de
tava lotado de bichas - e atravesse~ a rua até sembro (iltimo, quando no Rio, em reunião Fora a temas de diaaio sobre o homos-
A SaSMo é Iposta
a Faculdade de Medicina onde, no Centro preparatória. foi decidida a realização em São sexual e a política e sobre madilamo e lesbianis-
Académico Oswaldo Crua, teria inicio ás duas Paulo do que seria um congresso de htxnaae- participantes mo, traIa os c*strca despertaram pouca atenção e
Com os do encontro divididos
horas daquela sexta-feira santa a fase 'inicial de zuais. O nome mudou, mas a ideia foi dearand- em 11 grupos de debates ficou muito dilIcil pesa o tiverem parco. resultados. Alguns dseg.ram a
reuniões fechadas do 1° Encontro Brail&o de sda cran grande brilho. cosa o auxílio doa grupos repórter manter, a partir daí, uma visão geral do oonduaões delirantes ramo o quarto tema, 'A
Homossexuais. cariocas, do interior de São Paulo e de Brasilia. que estava acontecendo. O local cedido pelo Cai- questão da solidão, da velhios, da belesa e da
Assim, o nervosismo da abertura era cempar- tio Académico é enorme mas, mo andas. suas amipetição". cujo grupo responsável pelos de-
Já no jardim da laco Idade notava-se o forte es- tilbado por traia, amo o foram os grikn e as es- salas me pareceram todas repiatas em dado bates resoli que "a sollo é Imposta", sem
quema de segurança armado para Impedir a en- peelativas no decorrer do encontro e a sensação dizer por quem. Nesse samo grupo particu-
momento. O interessante foi que se podia notar
trada de pemosa não constantes das listas de ias- de vitória no final. Um membro do LIBERTOS que alguns grupos permaneceram multo calmos larlzou-se multo a quão de velhice e po
alta. Como não faço parte de nenhum grupo fui me confessou no dia seguinte ao encerramento todo o tempo, enquanto que os castros pareciam tição dando como exemplo o que ocorre num bar
logo barrado na prata. Me senti a coisinha mais "Estamos iodos tristes. O que há agora é uma estar travando uma luta de face no escuro tal a de São Paulo, "Caneco de Prata", que para os
insignificante da terra, meu nome não estava nem sensação de vazio, depois de tanto trabalho e violência e a altura dos debates. No fim. porém, homossexuais de outras cidades não queria dizer
na hsta negra. Enquanto isso a o u tros , ás de- brigas, " Luis Antônio do SOMOS pa~ ram- tudo terminou bem, ou quase. Houve, que eu absolutamente na da.
=nas. iam ganhando seus eradihs e sendo ad- ta que fez reunibes, em sua casa com até 40 pez- saiba, apenas uma deleoçio do campo de ba-
mitidos no sagrado local onde Ocorreriam a soas onde quebraram paus monumentais." E em talha Um dos mais inteligentes e brilhantes Outros grupos. o os que discutiram
debates. Confesso que me retirei para um canto dado momento o encontro meeve por um trW'. debatalom do terna "Retos'mulaçãop.rtldária e "Hcmsosaexualismo no 1wesldkir' e "Mi". O
do jardim quase em lágrimas, me achando a informa de. homossexualismo. lançamento de um candidato travesti e a rups'essão' soltaram de um encontros
própria gata borralheira. Sente-me numa pos- Ë que duas semanas antes da ealizsçkodo 1 homossexual nas eleições, dentro das estruturas raxa relatos obtusos e enganados, cosa a desculpa
sante moto que estava ali e passe a sonhar que o EBHO quase toda sua comissão organizadora es- políticas vigentes. Nossa participação nas esqua'- de que não havia nem ex-presidiária nem midsla
seu dono iria me raptar a qualquer momento para teve presa durante cinco horas por causa de um das brasileiras. Cosmo fia o movimento homos' ou traveatia em seus respectivos grupos para
passarmos momentos inesquecíveis nalgum hotel incidente no Largo Arciache. Jogaram água de um sexual, acusado de se' luta senandária, frente a p..Àeiun testemunhar sobre o que scíraam na
da zona da Rodoviária (a moto em afinal de um apartamento no pessoal que estava na calçada e, uma luta maior que sena a mudança da estrutura carne. Teriam feito melhor se tivntsem se dissol-
lésbica maravilhosa, que conheci mais tarde e que como bons ativistas, todos passaram a redaniar. social? Homossexualismo e anarquismo raxuo vido por sentirem-se lnspctentes, como fez o
me deu uma estonteante carona sua má- indo afinal parar na delegacm. O delegado resol- negação do podes" ; não voltou no dia seguinte grupo que tentou discutir o tema "O bamomexual
quina). quando um dos membros da cranlaslor- veu enquadrar algumas das bichas por vadiagem, por ter sido vencido na tese de que a hemos- diante da influéncia estrangeira e a procura de
ganizadora veio me buscar. já cosa um enorme porque não tinham carteira assinada (autôno- sexuals não dei, pr enquanto, atender ao um modelo brasileiro de hosnossezuar', que foi
a'adiá na não, que pregou na minha amua. mos), todas justamente da ixxnissioorgauizadora canto de sacia dos políticos nem participar, raxao &eremdo a debate pelo grupo OAAG, de Caxias.
Entrei pelo corredor polonés da segurança do ai- Soares da cama ás
do encontro. "Tiramos a Alice mama de manobra e bucha de canhão da "luta Ri, hoje dissolvido por graves problemas de (alta
contra dando rabanadas para a a'iançs que tinha quatro da manhã e ela naturalmente na livrou da maior". de incentiva
me barrado e. nem sei se devo contar, já no fim cadeia depom de ser muito maltratada pelo de- Esse jovem hosnomezual que desatou emasu
desse dia tínhamos feito as pazes e, nas folgui- legado de maus botes." (Para quem não se lem- ali para desempenhar um papei muito bern
alias dos debates. andávamos na encontrando Usa sapato - O SlmltJo da
bra, Alice Soares é a advogada do Centro Aca- delineado por sei partido pdltico, o PC do B. es
seguidamente demais nos mictórios e quebradas, détnico XI de Agosto, hoje considerada a santa sua não participação no restante do encontro
sem nunca deixar de trocar beijos, como dias Não $ possível dar aqui todo o painel do que
da travestis e homossexuais paulistas em geral.) aiim uma lacuna nos debata. Aliás, o19 EBHO seu passou tanto no CAOC o no teatro Ruth
brun irmão.. Mas enfim, estávamos todos reunidos para a contou com a presença de repre sentantes peys de Escobar, apenas os momentos de maior impacto,
sessão de abertura do 10 EBHO no Teatro do vários grupos políticas cíamo o PT. o PC e a Con- ou laslu dos figurantes que mais se destacaram.
Grãos e Vltáilu
Centro Académico da Faculdade de Medicina da vergência Socialista. Não podemos deixar de Do Rio, san dúvida, Lala Mlccolis fia o parti.
USP. Os grupos presentes: SOMOS (SP), Ação cumprimentar esses ativistas poilticos que, infil- eipsnte mais ativo, trabalhando o tem po todo
Fui incumbido por ! aio de faaer a a'6slca
Lésbico-Feminista (SP), EROS (SP), LIBERTOS trados (se é que é essa a palavra) num encontro san nunca perder o bom humor e cosa uma
desses Iréa dias memoráveis que reuniram era São
Paulo homossexuais de todo o Brasil. Meu relato (Guarulha). AU (RI), SOMOS (RJ), SOMOS que se pretendia de caráter puramente homos- tência anno relatora - de mais de um grupo e do
não terá rigor cronolico nem falarei de tudo o (Sorocaba) e BEIJO LIVRE Brasilia). Havia sexual, conseguiram conduzir tantas es os plenário do segundo dia - de dar inveja a muita
também representantes das cidades de lide debates para aquela que seguramente será em bicha. Lala tem o dom não só de aplacar a mais
que aconteceu no 19 EBHO, pina as coisas se pas-
saram em várias salas ao mesmo tempo (na parte Horizonte. Vitória, Goiina e Curitiba. Cera de breve a questão crucial dos homossexuais or- exaltada como de colocar em termos per feita
200 pessoas. A mesa iniciou as trabalhos tentando ganizada brasileira: somos ou não parte da em seus relata as propostas mais-mentcors
fechada do encontro) e com grande riqueza de
detalhes. Tenho a ajudar-me na colocação da manter um tom não emocional, mas era evidente nação. de seu sistema, ou optamos por repudiar estapafúrdias.
que todos os gratos e todas as palavras pronun- qualquer forma de participação numa sociedade
lata um alde-.olre preparado por Peter Fry
ciadas na abertura daquela sessão estavam a- que consideramos injusta e opressora? Um de- No sábado, todo mundo ainda estremunhado
que, comoautbiticociaitists. anotou tudo. atéos
tregados de emcxio. As pessoas ficariam rela- talhe: o que mais me causou espanto diantedesse do embalo de sexta à noite na baste Mistura Fina,
aplausos e as pauleiras. O que houver portanto
neste relato de veraz e de minúcia realista, cre- xadas mais tarde, nos debates por pequenas elenco de ativistas políticos foi o forte sotaque onde aconteceram cxasas maravilhosas e lances de
ditem a Peter Fry as fantasias a mim. A ambos, o grupos dos II temas gerais previstos na pauta dos americano da Convergência Socialista. De fato, baixtssimo astral, foi feita a colocação dos re.
trabalhos. Uma das primeiras providãnaas da como a homossexuais, eles podem dizer "Niis es- sumos de debates do dia anterior. Fia aí que o
entusiasmo e a emoção. temos em toda a parte".
mesa foi apresentar ao plenário uma moção de pau quebrou leio mesmo, cosa muito grito e,
A sessão inaugural foi aberta sob intenso ner-
apoio aos metalúrgicos em greve, que foi apro- O debate que atraiu mais participantes foi "A pode-se dizer, falta de coinposturi. da mesa que
vosismo. Não era para menos. Três grupos,
vada por aclamação. A seguir, ficou resolvido que questão lésbica. O machismo entre homossexuais num gesto dos mais repressores e subconscien-
durante dois meses, trabalharam até a mais com-
e papei sexuais". Cerca de 70 pessoas perma- leniente fetichista e sadomasoquista colocou um
neceram reunidas durante duas horas e ma em sapato (na verdade uma bota de cano curto) em
acesas discussões, sem, no entanto, conseguir cima da mesa e cora de batia desesperadamente
chegar a um entendimento. Não se pode deixar de na madeira cada vez que o plenário" portava-
Espaço de dança e ginástica dar destaque ao mais cosso, mais treinado para
falar, mais articulado e mais coerente dos grupos
se mal". No meu entender essa foi uma atitude
totalmente indigna (ainda que suas conotações
presentes ao encontro, que é a Ação Lésbico-
Recebemos bofes, assumidas, Feminista, do SOMOS/SP. Trata-se na verdade
sejam subconscientes) de um congresso que se
pretendeu libertário. O mais engraçado é que
i enrustidas e emancipadas de uma facção, que se destaca logo por seu com -
portamento altamente político (no sentido mais
nem um dos debatedores do plenário protestou
contra o papai de chinelo sentado na mesa. Não é
amplo do termo), atuando sempre em unissono e por isso que dizem que as bichinhas gostam ma-
Ginástica, Jazz, dança, sapateado, yoga conseguindo várias vitórias para as suas teses (só mo é de apanhar?
Visconde de Pirajá, 540 - S/307—Tel.: 259-3596 perdeu, por um voto, na proposta de congra-
LAMPIÃO da Esquina
Página 4

** Centro de Documentação
o

APPAD(
da p.r.id d dtvt'rsid"d'
Prof. Dr. Luiz Mott GRUPODIGNUDADE
• ,
[ATIVISMO 1
Falou-se muito em manobrismo em alguns
circules do encontro. O exemplo desse manobns- -
mo seria uma abaixo-assinado que correu pelo
plenário na manhã de sábado pedindo a formação
de uma secretariado nacional de grupos homos-
sexuais, ou de um politiburo, para sermos mais
claros, e isso depois de uma proposta semelhante
ter sido rejeitada. O que significaria de tato
reunir os incipientes grupos homossexuais
brasileiros sob um secretariado todo poderoso?
Simplesmente transformar esses grupos em massa
de manobras para os interesses dos donos do
poder dentro do secretariado. Felizmente o tal
abaixo-assinado nem sequer foi considerado pela
mesa. O que quer dizer que desta vez nos sal-
vamos. Mas e na próxima'

O Ato Final

Passemos agora para o39 ato do nosso encon-


tro, que o meu espaço está acabando. Domingo,
desde muito cedo, todo o pessoal já estava a pos-
tos no teatro Rutb Escobar para encerrar, pela
manhã, a parte fechada dos debates e, à tardc,
fazer a reunião aberta para a qual foram -
sidados os outros grupos minoritários. A sala em
questão tem lugar para 600 pessoas, mas lá es-
tiveram mais de mil. segundo a grande imprensa.
Junto com os representantes doa grupos que
participaram da primeira parte do encontro sen-
taram-se à mesa a Dra. Alice Soares, represen-
tantes do Centro da Mulher Brasileira e do
Movimento Negro Unificado, assim conto um
travesti muito bonito, bem vestido e extremamen-
te emocionado, que se apresentou corno Maria
Paciilha. Esta, em resumo, disse ser de Vitória e
que está há seis meses em São Paulo. Nenhum
outro travesti quis ir, por isso ela estava ali. A
frase mágica, que colocou a assistência de pé, foi:
"Essa história de homossexual. travesti. é papo
furado. Nós somos todos sexuais.
A questão da série de reportagens sobre
travestis de "O Estado de São Paulo" gerou gran-
des discussões, com intervenções e testemunhos
do plenário, inclusive de uma bicha que foi presa
e acusada injustamente de ser um dos assassinos
no crime a que se referem as reportagens. Fa-
laram também um metalúrgico recém-chegado do
exibo para pedir a união de todos os oprimidos no
combate à ditadura, dois homossexuais do
Encontros e brigas de vários graus
Movimento Negro Unificado, uma bicha deCam- Sim, deu gosto a gente vir de várias partes do manara especifica a repressão generalizada que a acontecimento depende um pouco do seu des-
pinas pedindo a'uda para os gayw de sua cidade e Brasil e da cidade para se juntar nesse 1 Encon- maidà dos brasileiros sofre, cm diferentes .fca'- dobramento futuro. Aqueles momentos podem
muitas outras pessoas fazendo queixas e re- tro. Três dias resultantes de um esforço de anos, mas e graus. ter sido históricos, mas são apenas uma apoteose
clamações numa linguagem tão sincera e franca coroados por aquilo que Teca chamou de Ato Um terceiro momento de grande vibração que encerra a primeira etapa. A força do mo-
que os participantes do 10 EBHO contaçaram a Público, no Teatro Ruth Escubar, em pleno ocorreu com problemas de linguagem, de quem vimento homossexual no Brasil repousa em 'sua
achar que era ali, naquele momento, e não du- Domingo de Páscoa; cerca de mil pessoas lotavam começa a balbuciar. O seguinte: bichas elêsbicas continuidade, ou seja, nas características da
rante as discussões áridas e muitas vexes sem as dependências do teatro Era compreensível o não sabiam como se interpelar, a nível impessoal. etapa seguinte que começa agora.
proveito, que o encontro estava se realizando. nervosismo que se sentia no ar, sobretudo porque Nas discussões dos dois primeiros dias, muitas E aqui eu corro o risco de parecer paradoxal,
Com isso houve mesmo um desfecho feliz. as televisões forçavam a entrada - e o abomi- pessoas se aventuraram a usar o termo "cor"- porque penso que se trata da parte mais dura: O 1
nável Homem do Sapato Branco ameaçava ins- panheiro" e . ' companheira" - para arrepio meu, Encontro de Grupos Homossexuais Organizados
Alexandre (BEIJO LIVRE/BR) secretariou a que cheguei a protestar contra a importação desse
talar dez câmeras diante do local, para entregar (I EGHO), realizado nos dois dias anteriores,
mesa com a sua já conhecida eficéncia. Foi ele formalismo e sizudez da esquerda. Houve depois
os participantes. Mas havia também lágrimas mal caracterizou-se por um grau de disputa de poder
quem leu os vários documentos de apoio que tentativas tímidas de se chamar de "colega", o
contidas e vozes embargadas de alegria, com toda realmente chocante, em se tratando de um
chegavam. assim como a carta que os grupos que também não funcionou, porque o termo
razão. Definitivamente, estávamos pondo nossa movimento tão novo. Os grupos pareciam mais
homossexuais brasileiros vão enviar ao Papa e o soava artificial e ginasiano. Até que a água
cara fora das sombras, num acontecimento até capelas fechadas. As divergências, necessárias e
documento elaborado pelo encontro endereçado derramou toda: num momento de tumulto no Ato
então inédito na vida brasileira, porque éramos henfazejas, lamentavelmente ampliaram-sé como
aos médicos, psicólogos C cientistas sociais sobre a uma multidão. Bichas, lésbicas e travestis de Público, um membro da Mesa bateu o sapatão
discriminação feita na Medicina e na dsaa con- numa caixa de ressonância, graças a maneira
todos os tipos chegaram das partes mais distantes sim. Kruschev. havia um irreverente sapstão) e tradicional de conduzi-las visando ganhar po-
tra o homossexual. O presidente da mesa, como pediu ao público que se garantisse a palavra da
para se manifestar publicamente como tal (o sições, pontos As diferenças (que eu acho geral-
não citá-lo?, foi o coriiiimo Eduarcá, (SOMOS/
auditório estava cheio de gente da periferia de São "colega" - no caso, a colega era uma bicha que mente menores, na medida que o movimento mal
Ri), que apesar de sua falta de prática con- teimava em discursar sobre a "luta mais ampla".
Paulo). se estruturou) transformaram-se em furiosas dis-
seguiu dominar perfeitamente e sem arroubos NA MESA, NOSSA MISTURA MAIS FINA Dai em diante, ninguém mais segurou a deliciosa
autoritários uma platéia de mil pessoas. Foi uma putas estudantis - com manobras, conchavos e
esculhambação da linguagem; a última que ouvi, singos. Se não, vejamos: houve disputas e agres-
delícia ver Eduardo aplacando os ânimos e se A meu ver, houve pelo menos três instantes de nesse sentido, foi uma bicha gritando para outra
aplacando a si mesmo com aquela sua gesticu- sões entre cidades, entre regiões, entre grupos de
total vibrações nesse Ato Público do domingo. O que tinha a palavra: "Fala mais alto, qun-idi- uma mesma cidade, entre partidos políticos rivais
lação de medusa que parece lhe prover de duzen-
tos braços.
primeiro foi quando o travesti da Mesa, sem isha!"Sem dúvida, um arraso. que esta vam ali representados. Cheguei a me per-
nenhum charme estudado, tomou a palavra e, Aliás, a Mesa do último dia evidenciava um guntar se não estávamos num Congresso da UNE
Outro absolutamente citável é o nosso Iam-
querendo usar um termo mais fino, declarou que dos aspectos mais positivos de todo o Encontro; só para bichas e lésbicas. Em outros momentos, a
piósiico Darcy Penteado que assistiu e participou
ali todo mundo era "homem-sexual do mesmo ou seja, a mistura fina que tínhamos conseguido gente parecia estar participando de um concurso
de todo oeesuln,. Só nesta sessão abata é que de jeito". Esse "homem-sexual" soou corno uma fazer com bichas, lésbicas, negros, feministas e
chegou atrasado, mas sem que por imo tenha dedo de Discriminados, quando as capelas disputavam
benfazeja dificuldade em digerir e veicular um travestis ali juntos (o pessoal da Comissão Pró- entre si o privilégio de quem seria mais discri-
por achado. Com a maior calma dirigiu-se ao
conceito que nos discrimina por nos classificar indio não pôde comparecer). San nenhuma falsa minada que as outras.
palco e sentou-se à mesa já formada. Mas quem exclusivamente por um aspecto de nossas vidas. modéstia, isso resultava de um posicionamento Digo isso apenas para dar uma idéia de certos
iria pôr em dúvida o direito de Darcy de sentar-se
Esse travesti inc lembrou um índio que tivesse inovador que os grupos homossexuais organi- momentos críticos, onde a competição (o falo, en-
a uma mesa dirigindo um debate sobre as liber-
mantido suas raizes em plena metrópole, porque zados vêm propondo com teimosia invejável. San tre homens e mulheres) explodiu escandalosa-
dades essenciais do homem e sobre homosse-
tratava-se de um estigmatizado que, aprendendo dúvida somos hoje no Brasil os maiores entusias- mente num acontecimento que fora feito para
xualismo? O seu éumifrr*deaalasanca, como se
a falar, não repetia a linguagem dos seus estig- tas de um encontro entre os vários setores dis- propiciar conhecimento mútuo e solidariedade.
dizia antigamente.
matizadores; pelo contrário, modificava-a, e por criminados de nossa sociedade. Além de ratificar E, cá entre nós, tratava-se de um Encontro bas-
E. para encerrar, uma informação que se
isso tive inveja dele. Ri, deliciado, e pensei nosso desejo de autonomia, essa tem sido nossa tante modesto, onde haveria um máximo de 200
pode chamar de mau agouro. Durante todo o
inaugurar termos como ­ mulher-sexual ­ , "bicha- contribuição mais original para uma prática participantes representando 9 grupos organizados
tempo da reunião aberta no Ruth Eseobar, o
sexual", — lésbica-sexual". etc. Aquele travesti política fora dos manuais. E isso tudo, em apenas rio Rio, Brasília, São Paulo e Sorocaba, com
famoso Homem do Sapato Branco postou-se na
proleta devorava e criava em cima dos seus opres- dois anos de atividades, significa um enorme representantes isolados de Goiânia, Belo Hori-
porta com todo o seu equipamento de televisão,
sores. E espontaneamente protestava contra a avanço. Basta lembrar que os americanos, em zonte, Vitória e Curitiba. Imaginem, nesse clima,
tentando entrar. Foi impedido elicasmente pela
gueloização inerente ao conceito de "homosse- muitos anos de luta, poucas vezes conseguiram o que não acontecerá no próximo ano. oran maior
maravilhosa segurança do 19 EBHO, composta de
xual", criado para marcar os limites entre normal juntar forças tão dispares num objetivo comum. número de grupos e pessoas?
meninos e meninas. Nós vencemos, esse perso-
e anormal.
nagem de mácatadura não conseguiu penetrar no Aliás, uma das características mais marcantes
Outro momento de vibração: depois de de- -
teatro de jeito algum. Da porta, ao ouvir os VITIMAS DA ABERTURA OU desse 1 EGHO foi a capacidade de seus parti-
nunciada publicamente uma campanha que as
aplausos e os gritos, deveria estar sem saber o que cipantes disputarem a manipulação de conceitos,
policias civil e militar do Estado de São Paulo SINDROME DA UNE?
pensar, na sua brutal falta de imaginação, sobre para com isso ganhar posições. Coisa tí pica da es-
(pela primeira vez unidas!) estavam colocando em
quais seriam os motivos para tanto entusiasmo. querda, da qual somos filhos bastardos, mas
prática contra os travestis, a platéia explodiu num Mas se olharmos para além da euforia, o que
Outro momento de angústia para mim, no meio filhos. Certas palavras eram disputadas por
grito uníssono e repetido de "ABAIXO A RE- reaLmente aconteceu no Teatro Ruth Escobar?
da euforia que contagiava a todos, foi o surgi- todos, como um cetro; e "DEMOCRACIA" era,
PRESSÃO". Esse slogan tão conhecido em Apenas uma modernização do sistema brasileiro,
mento repentino sobre a mesa do maldito sapato evidentemente. a de maior Ibope, inclusive por
política estudantil adquiriu ali uma conotação de com nossa contribuição à Abertura? Ou um even -
autoritário do dia anterior. Felizmente alguém
subversão à subversão, numa atitude de recu- to realmente inovador? A qualidade transfor-
teve a sensatez de retirá-lo da vista da platéia
peração às avessas: estávamos assumindo de madora ou meramente niodernizadot'a desse
depois de algum tempo. (Francisco Bltte.coart).
Página 5
LAMPIÃO da Esquina

* 11k.
Centro de Documentação
APPAD i(
da parada da divcrsidadu
Prof. Dr. Luiz Mott CRU PODIGNIDADE

ATIVISMO
estar mais na moda. Outros termos que fun- movimento homossexual, mas evidencia a neces-
cionavam como varinhas de condão, ou palavras- sidade de dixtnies paralelas, «uno issua de
mágicas: discriminação. machismo. .wtoiitaris- combate mais efetivo. na luta contra a dupla dia-
ma minoria, reacionário, fascista etc. Bastava criminação, ou seja, enquanto mulher e enquanto
utilisã-los para garantir-se contra eles: acusando homossexual.
o autoritarismo dos outros, o acusador se colo- "O terceiro pólo Foi aproblanítica dos pa-
cava automaticamente fora de acusação. O que se péis sexuais: Este debate se subdividiu em duas
seguia, logicamente, era a repetição da dicotomia partes, tais como: a discussão sobre a reprodução
BANDIDO X MOCINHO, que nossas cabas dos papes sexuais entre os homossexuais e a
reproduzem cm qualquer reunião política deste necessidade da busca deuma identidade hemos-
pala. sexual. Em relação à reprodução de papéis, «ai-
Esses conceitos abriam espaço para quem os cordou-se em que ela se dá tanto entre mulheres
utilizasse (o mocinho) e fechava espaço para como entre homens homossexuais, e que deve ser
quem recebia a acusação (o bandido). Assim, combatida com a busca de uma identidade ho-
num grupo de discussão, o coordenador foi ta- mossexual, opondo-se à relação do poder.
xado de anti-democrático e imediatamente subs- " Durante toda a discussão. foi ressaltada a
tituído por quem lhe tinha fato a critical E numa necessidade de trocas de informações entre os
otaçio de plenário, a acusação de fascista era grupos, para pue a partir desses dados se asaui-
berrada de todas os lados, desta ves brandida traiu os moti'a da diferença numérica da mulher
como um tacape. indiscriminadamente. nos grupos homossexuais. Cada grupo Forneceu o
De repente, eu me perguntei onde estava o número de participantes: AUË/RL 35 homens e
decantadp potencial subversivo das bcxnosse- 5 mulheres; SOMOS/Ri: 60 homens e 8 mu-
xuais. E me dei conta que a própria definição de lheres SOMOS/ SP: ãO homens e o único a ter
subversivos que nos dávamos indiscriminada- um grupo exclusivémente de mulheres (AÇÃO
mente significava a deflagração de um conformis- LÉSBICO-FEMINISTA). com 20 componentes;
mo básico: se sou subversivo, estou isento das EROS: 5 mulheres e 11 homens, CONVEROËN-
crtticas, exatamente por exercer a cdtica. E per- CIA SOCIALISTA/SP (FRAÇÃO GAY): 7
cebi que, como tantas outras, a definição de homens e 3 mulheres; BEIJO LIVRE /Brasília,
"subversivo" (num sentido elogiosol quase sem- sem nenhuma mulher.
pre funcionava como maneira de manipular e Finalizando as condusões dos trabalhas, ai-
dominar através da apropriação das definições. tendeu-se que a solução não é guetonem a rIm-
Nesse 1 EGHO, por exemplo, o medo de não destinidade, mas a organização, através da
ser democrático era tio compulsivo que existiam criação de uru movimento transformador e liber-
votações para tudo, inclusive quando não havia tário.
necessidade de deliberar. A partir de um momeii- (Esse relataria foi leito pelos grupou AÇÃO
todoterminado, eu próprio deixei de votar, já que LÉSBICO-FEMINISTA, FRAÇÃO GAY DA
quase não havia propostas mas vagos relatórios CONVERGÊNCIA SOCIALISTA E SOMOS -
em votação. Que sentido tem, por exemplo. votar os três deSP— eAUÊ, do Rio)."
se vamos ou não "lutar contra a repressão exer- No dia S. fia discutido o outro itens relativo à
cida sobre os homossexuais"? Num encontro de mulheres: "A aglutinação de mulheres em facção
grupos de liberação homossexual, tal vocação tor- ingênuo ao passar que tivéssemos tirado algumas seja, é urgente que desacs ai uoa es- dentro dos grupos e a mulher dentro dos movi-
nava-se no mínimo surrealista. lições desse doloroso exemplo que fia o 11 Con- pedilcidades enquanto Movimento. Para con mentas homossexuais." Eis a opinião doa grupos
gresso da Mulher Paulista (ver LAMPIÃO 23). elas encontrar (criar) formas novas de fazer, 2e3: GRUPO 2— "Houve dois blocos deopi-
poética, formas nossas. niào. Uns acredita necessária a facção, pois há
POR UNANIMIDADE: AUTONOMIA E AGORA, MARIA-JOSÉ? Sina, é fundamental mobilizar" as bases", problemas específ icos (negros, mulheres e traves-
(APENAS APARENTE) como no Ato Publico do Ruth Escobar. A mo- tia), outro acredita que separar é distanciar as
bilização de fato ocorra' e fia gratificante. Mas homossexuais de uma luta comum e que o homem
Apesar de tantas votações, paradoxalmente Pela mostra desse Encontra, acho que re- para além disso, na defrontamos com uma ques- não poderá descobrir em sio machismo, cabendo
houve pouquíssimas propostas concretas tiradas produzimos sobejamente os padrões poitóxu tão ligada à nossa própria sobrevivéncia enquanto à mulher denunciar. Mas isso não impede que
do 1 EGHO. Uma delas foi a importante decisão tradicionais. Então me pergunto se niQ estamos movimastcs ou mudamos a forma de atuação das se reúnam para discutir os assuntos espe-
de reafirmar e garantir a autonomia política do desperdiçando energia ao tentar imitar e mul- política baseada na petição partidá- cíficos".
movimento homossexual brasileiro. Mas qual- tiplicar partidos políticas já existentes... Numa rio/doutrinária ou, no mínimo, teremos vários GRUPO 3—" EL) Nos colocamos a favor da
quer participante sabe que essa Ira mais uma con- conclusão para mim absurda, saia então melhor rachas no LI Encontro, em 1981, e talvez até pan- aglutinação de mulheres au grupos exclusiva-
entrar diretamente para desi Mas de tudo isso, cadaria. Ou seja, este movimento que ainda ai- mente femininos para discussão de seus pro'
clusão a nivel toánco, desmentias na prática pela pode-se dizer que o! EGHO foi fértil pelo fato de
presença, já na Comissão Organizadora. de um gatinha tenderá a se diluir em meio à disputa de bianas especificou b) Adiamos inadequado o
grupo homossexual Formalizado que se definia nos mostrar o que não somos e o que nos falia. um poder que de não tem e, certamente, renega. termo facção para designar um grupo especifico
como Fração Guei da Convergência Socialista - Seria desejável que no próximo ano começás- Depois de inaugurar o novo, é preciso dar de lésbicas, pois implica numa disputa de posta
semos pelo começo: discutIndo aquilo que tes continuidade ao novo. Adio. Penso. Tenho a im- que contraria os objetivos do próprio movimento
em outras palavras, um Departamento Homos-
sexual dessa agremiação poética. Adio esse um de origLual: pois se não sabemos em que sornas pressão. Aquele Ato Público e sua Mesa Virada c) Devemos estar sempre atentos ás atitudes
precedente lamentável, porque abre caminho originais, nosso primeiro gesto deverá ser nem- ao avesso certamente indicam um caminho. paternalistas dos homens homossexuais em re-
para que qualquer partido poético invada o seriamente o de nos conhecermos por dentro; ou Quien sabe? (João Sfls'isIoTreriaa.). laçãoàs questões lésbicas".
movimento homossexual para di*putálo enquan- AS MULHERES
to potencial eltoreiro, através dos condiavoa e
nianobnsmos que aliás já ocorreram nesse 1 Houve grande número de mulheres desde o
BOBO.
A meu ver, saia preferível que as bichas e
bicas da Convergência e de outras agremiações
Mulheres compram as brigas primeiro dia do Encontro, que, ironicamente,
começou «aia a presença de vinte e quatro, e com
o decorrer dos minutos foi crescendo, até tri-
poético-partidárias entrassem para os grupos
plicar-se no último dia. Desde o saguão, a
homoss exuais já organizados e, a partir dessa 29 grupo no dia 4. Eis o documento Mi do das atuação das mulheres se fez notória, através da
prá±ia, se instfumentalizassan para ddlagar dia- Desta vez os leitores que lavem o rosto, es-
tiquem as pernas, sacudam a preguiça, porque discussões banquinha de livros, onde das vendiam cartarçs
cussórs politicamente originais junto . seus com- "O grupo, através de wação, optou pela não-
viciu falar - muito - do 19 EBHO, Encontro (para ajudar as feministas, os metalúrgicos)jo r-
panheiros partidários. Pois a perspectiva que se divisão em sub-grupos, o que acarretou a pre- nais Lampião e livras do Darcy, do Trevisan, das
tem é justamente contrária: essas bichas e lés- Brasileiro de Homossexuais. Eccano não tenho a
mínima intenção de poupar detalhes, quem aio sença de mais de setenta pencas, aproxima- — Mulheres da Vida".
bicas irão deflagar a discussão dos seus partidos damente 36 homens e 35 mulheres, discutindo,
dentro do movimento homossexual e tentar, uns for apressado e tiver tempo, que me siga! Ainda na entrada, o mural informativo para
Sete grupos participaram do EGHO - En- primeiro por inscrição, e depois por debate livre, que os participantes escrevessem suas mensagens
contra os outros, colher dividendos políticas entre as proposições do tanário estava repleto de manifestações femininas. Como
a lndectsot. Inclusive disputando-os para seus contro de Grupos Homossexuais Organizados
quadros. Acre4i 10 que, para esses grupos par- parte): AU/RIO, BEIJO U- "A questão incial foi colocada por um homos- a sigla da I parte do auxaitro eia EGHO, num
tidários, a únicia e máxima função do movimento VRE/BRASILIA. EROS/SP, LIBERTOS! sexual, no sentido de se identificar expressões jogo de duplo sentido, o mural se divida em:
GUARULHOS, SOMOS/RIO, SOMOS/SP, machistas no cotidiano dos grupos homossexuais. EGHO, SUPER-EOHO, e IHD. Notem que a
hcancjesexual é tratar da questão homossexual e
SOMOS/SOROCABA. Ao fundo do cenário, tais «uno a designação do termo "bicha" o primeira frase foi escrita por um homem: • 'Les-
acabar a repressão nesse nível. DepoiL na bianismo é um estado de esptrito. Viva! Viva!
lógica deles. as homossexuais devem continuar duas faixas a do Lapso,, pregada peloChico, e expressão que englobasse genericamente homens
a do Au& ,,..or Rã e Maga. Do Conselho Editorial emulherà. Ficou impll cito que o mach ismo não ê Vim! Agora posso me candidatar" - "Conceição.
pasiiapando das lutas poéticas maior, logi- belos ..."" Cuidado, Leila est4 agindo". "Grupo
camente dentro dos partidas organizadas e das do Lampa, além de Francisca Bittencourt, es- propriedade masculina, mas sim uma instituição
tavam Trevisan, Peter Fjy e Darcy Penteado, autoritária utilizada como relação de poder, não Augê admite novas víboras" . "Cuidadol Agentes
cartilhas mais abrangentes. Fica imphcito então
que as movimentos hosuosssexuais, feministas, todos diarmnosíasimos, devastando corações. só, 'nas principalmente pelos homens. Os termas do Butati infiltradas"...
Na sexta e no sábado, o encontro se realizou "lésbica" e" bicha" devem ser esvaziados por ex-, Através das informações passadas pelo mural,
negro ecológico stc, teriam fésego curto saiam tiramos três importantíssimas conclusões: que o
lutas meramente circunstanciais e fracionadas na CAOC - Centro Acadêmico da Faculdade prensar discriminações da sociedade heteros-
que não modificam o Fundamental das estruturas de Medicina —; funcionando assim: dia 4, sexual contra os homossexuais. 3* a palavra grupo 2, no 19 dia, fia o mais falado. através da
sociais, na medida que essas transformações só quatro grupos, em salas separadas, discutiram os "machismo" não, pois designa a opres~ contra "Seção Inlámia"; que SP continuava "quaitË',
quatro primeiros itens do tanário: 1) A questão a qual lutamos. apesar da chuva; e que a ideia do Emanuel do
saio viáveis através dos partidos aparelhados SoiDOS/SP de fazer o BOBO. o SUPER-BOBO e
programa e mobilização de massa, visando a lésbica. O machismo entre homossexuais e papéis "Em seguida, passou-se a debater a questão
sexuais. 2) Michés. O Travesti e a repressão que lésbica propriamente dita, ficando claro que o (principalmente) o IHD foi unanimemente
tomada do poder. aprovada. Agora: saiba quem não sabia, que o
Por isso, sempre segundo a lógica deles, é recebe. 3) Homossexualismo no presidia 4) A lesbianismo não se descarta do movimento ho-
questão da solidão, da velhice e da competição. mossexual, mas tens especificidades que justi- mural foi retirado no dia S. e já é documento-
melhor abocanhar os grupos homossexuais desde histórico do SOMOS/SP. E as declarações de
já, tornando-os departamentos estanques que No dia 5 houve plenário pela manhã, e, à tarde, ficam os grupos exclusivas de mulheres, levando-
estendendo-se pela noite, três turmas debateram se em conta a importância da discussão das se- amor assinadas, heim, heim?...
saiam orquestrados, au seu conjunto, pela Dois últimos registros ainda sobre a parte
direção partidária. Isso, aliás, a Convergéncia os outros oito itens restantes. No dia 6. pela xualidades específicas. Então, num primeiro
manhã, plenário; parte aberta, ambos no Teatro momento, a união é necessária como fator de fechada: o único travesti - Mansinha (Aue) -
Socialista já postulava há dois anos atrás, no que conversou muito com Darcy sobre problcms
inicio de sua Formação. Em conclusão, parece-me Ruth Escobar. agrupação, afirmação e organização, mas depois,
também, é preciso que haja grupos separados, profissionais, e a única heterossexual, Sosncs/RJ,
que o Movimento Homossexual corre o risco de se
A QUESTÃO LÉSBICA sem que isso signifique a perda do caráter coletivo Ao haver menção deste fato pelo grupo 2 no
tornar uma mera extensão da luta partidária cum plenário do dia 6, a mesa entenda' que não podia
apetitoso bife disputado por vários garfos in- da luta, já que o elo comum é o combate contra a
"A questão lésbica, o machismo entre boinas- opressão discriminatória. lhe ser negada a participação, já que, como merri-
trometidos. Exatamente como sem ocorrendo itc vir c,msque
àMmento das Mulheres. Confesso que fui scaua's e pnp esns ,foi,o i(em 09rdadp pelo "Por isso, a questão lésbica não se esgota no ,,bn .lo.gripo Unha
í .4'M 9e E$,q M ira
ágjn& 6

** Centro de Documentação
APPA iru se
D

da parada da divvridade
Prof. Dr. Luiz Mott CRU PODIGNIDADE
: MÁ
Í ATIVISMO 1
devena ter sido previamente comunicada a que as as tem quando precisam accmteca-". Encerrei minha noite jantandcç em muito boa 302.0, código esse seguido pelo INPS. que inclui o
quisa que da estava fazendo dentro do Enermtro Houve números de mímicas do Cláudio companhia, no Bexiga, às quatro da matina (em homossexualismo como desvio mental.
para a sua tese. (imitando Elba Ramalho) e da Alice (imitando SP, pasmem, os bares funcionam toda a ma- S. Criação de uma comissão de médicos e ad-
Simone), Quando da despiu seu coletinho, teve drugada). vogados para pressionar a OMS, a Pan América e
gente na platéia que gritou: "joga, joga pras fia", No sábado, houve uma festas fantasia na casa a OAB, no sentido de viabilizar, na prática, as ai-
RECADO DO GRUPO LÉSBICO-FEMINISTA
mas da jogou não. Vitório imitou, de modo muito de Wjlminha (sempre de fdmadora em punho terações propostas no Código Internacional de
A turma me pediu para passar adiante a sensual, oNey Matogrosso em "Meu Tipo' e o registrando os lances mais Importantes). Mas * Doenças e na Constituição Brasileira.
seguinte infcfmaç&o "PRIMEIRO LIVRO DE Evaristo foi o mágico, fazendo exibição com car- gente saiu tio tarde do encontro, que metade das
meninas se dispersou. De qualquer modo dei 6. Elaboração de unia carta, a ser lida na parte
POESIAS LÉSBICAS . HOMENAGEM A tola, pombas, lenços e conseguindo até apagar a
uma panada lá. eà uma e meia damanhã havia aberta do Encontm destinada à Associação de
SAFO: Participe enviando os sena poemas, com lua, mágica que foi "consertada" minutos depois,
bastante convidados, embora poucas roupas car- Psiquiatria e de Psicologia do Brasil, denuncian-
nome e endereço. em 3 viu, até dia 10 de junho. A segunda parte foi quase toda ocupada pelas
navelcscss. Tem nada nãa da pr&ima vez doo tratamento dado ao. homossexuais.
Grupo Lésbico-Feminista (SOMOS) - Caixa "meninas", não as do romance da Lygia, mas as
preparo minha fantasia de Aurora Boreal (ou Au* 7. Denunciar junto ao Conselho de Psicologia a
Postal, 22196 —01000-SP", componentes do grupo lésbico-feminista. A
Boreal?) que vm encomendar desde já para o discriminação feita durante o recrutamento e
Ainda distribuído pelo Grupo, recebemos um Teresa cantou música de sua autoria, falando em
Bornay... seleção de candidatos a empregos.
precioso material, com o hist&ico e atividades - liberdade. felicidade e amor.
panadas e atuais - , indicações de começar Depois, Téka chegou ao palco e sua presença 8. Apuração, até as últimas czxiseqüénc*as, de
um grupo tesninila, qukmanm*s sobre al- despertou ciúmes de uma namorada na platéia, todos os fatos discriminatórios e arbitrária con-
PARTE ABERTA DO 1° EBHO
guns temas pclbniocs, proposta e temido a ser Incomodada pelo "gostosa" proferido por sua tra homossexuais, quando levados à delegacia,
discutido em grupos de identifi~ manifesto acompanhante. Téka cantou uma composiçio com o respado dos grupos organizados.
sobre mulheres violentadas, farta documeataçio sua, acompanhada do grupo(Dta aoviolio, além 9.0 movimento deve ser aberto à participação de
Indescritível, Pico arrepiada até agora só de
sobre o 11 Congresso da Mulher paulista, e uma das vozes de Alice, Minam, Cristina, Silvana, todos os homossexuais, independente de qual.-
relembrar aqueles momentos, Ruth Escobar
bibliografia feminista. Mansinha, Ângela, Marilisi), Olhem só um quer discriminações.
repledssnno, com gente em pé no primeiro andar
Dizem das no intróito; trecho da letra: "Se éopai cospe nochio,/aeéa
e sentada no chio no segundo. Todos os tipos de lO. Preservação de nossa autonomia, enquanto
Experiências vivenciadas. questões levan- mie passa o esfregão! Se é o pai, chama de
denúnocia - dos negros, das femininas, da Ccii- movimento, sem afastar a possibilidade de unia
tadas e trabalhos concluídos resultaram num sal- ladrão. /se 6 a mie morre de paixão./Filha aio
vergénda - foram postos a nu, com incríveis participação individual de homossexuais au
do positivo de informações sobre o unierso case não filha aio case nk,/dha a lua;/filia depoimentos, inclusive de travestis.
n&o case nio,/fllha niocasenão,/olha alua... outras lutas.
Feminino-Lésbico. Ressaltam-se duas mulheres: T&a, como
Ao invés de retermos esses dado., estamos Dia também se apresentou omn duas com- sempre, com seu brilhantismo e clareza verbais, OQLJE É BOM DURA POUCO?'?
divulgando-os através de docwnentc., com o ob- posições suas, dizendo, numa ddas "serei sem- abordando a situação das mulheres hoinosse-
jetivo de ampliarmos nossos limitei, abrindo nos- pre uma mulher sem receita pessoal." Seguindo- zunia, eDr Alice Soares, representante do Deptt9 Para quem como eu participou desde as fes-
so espaço de atuaçio. se o Daikon e a Manisene Costa, contratada da Jurídico do Centro Àcadinaico XI deAgc.to. com tividades até os cansativos trabalhos da mesa
Colocando-nos au disponibilidade para Mistura Pina. O final apotexico foi a presença uma fala bastante expressiva sobre atos arbi- coordenadora (como relatora), a confraternização
trabalharmos com todas as mulheres organizadas das "Frenéticas", rapazes vestidos de mcliii- trários praticados nas delegacias contra homos- final dos beijos e abraços foi um ato de recompen-
an Grupos Homossexuais ou interessadas na drosas que, ao saírem do palco para a pista de sexuais. sa pci' todo o esforço - &iletivo - que fez com
questão; buscamos unificar, visando posterior- dança, inauguraram a maior pulaçio de todos e. que o EBHO tivesse saldo altamente positivo.
mente à masshficsç*o de nosso movimento, bem tempos. CONSENSOSi
como solidanzarrno-nos com os demais contin- Deu de tudo neste carnaval, de TUDO, gentel
ACONTECEU, gente, foi emocionante, belis-
gentes oprimidos e discriminados de ncsaa ao- Conheci a Eddy, de MO (um beijio procê). vi 1. Realização em cada grupo de uma comissão simo, mas não acabou, nau podemos parar ai.
ciafade. gente chorando mágoas por estar desacompa- que estude ci pról e os centras da legalização Ha muito o que se fazer em cima das cizedusões
Hoje, quando assinamos um manifesto em nhada co momento (se eu contar quem foi me jurídica da grupos organizados. tiradas ao Congresso e da proposta do Z6 Maria
defesa do Movimento das Prostitutas, uma moção chamam de novo de venenosa), Msrgareth num 2. Dinamização das relações intergnzpais au dois (Aué) no sentido de que cada grupo eçasse a
de repúdio contra entidades que Impediram o frevo rasgadissimo (sóniotinha sombrinha), Não níveis: entre Estados, através de cartas;e, re- fazer um levantamento da memta-la "gay', para
bom andamento do 119 Congresso da Mulher Iaftc*i nem o benemlesa (serei uni túmul% não gionalmente, não só através de reuniões a serem que attrevistas, registros, recortes, depoimentos
Paulista. ou quando convocamos todas as lésbicas digoç não digo, aio digo quem foi o cara fasnóda- Posteriormente axnbinadas. como também dos homossexuais brasileiros (inclusive travestis)
a enviarem suas poesias e ilustrações para fa- simo que começw, pois prezo demais a minha através de jornais e boletins, a exemplo do que não se percam no tempo e no espaço.
zerem parte de um livro, único do género a ser rida..) nem o iopbes, que depois de inaugurado, ocorre no Somos de São Paulo.
editado no pais, estamos sendo coerentes com es gerou uma imensa proliferação de bustos - de 3.Entrar em contato com médicos, psicólogos, Nés contamos com todos vocia que não foram.
nossa ideais e conscientes de nossa luta. todos os tamanhos e para todos os gostos. psiquiatras e interessados, dentro dos grupos e e que devem estar babando de inveje,, a esta al-
"Aglutinando as mulheres homossexuais, Incidentes quase desagradáveis: com Tika d fora deles, para confeccionar trabalhos sobre tura do campeonato. A luta é comum a todos, e o
buscando-as do gueto à dandeitinidade, que- o sbow contratado pela boate. mas tudo hoanoesezualismo, a fim de criar discussão dentro movimento precisa de pessoas que criem grupos
remos fortalecidas diser, em alto e bom tom: acabou beta, "numa boa", como dizem os ca- do Congresso Anual dOSBPC. organizados em cada Estado, e se façam re-
BASTA à repress.io enquanto mulher e enquanto rinhas. Aliás, não foi bem assim, falarei a ver- 4.Criaçio, cru cada grupo, de uma omnissio ai- presentar no 29 EBHO. marcado para a Semana
lésbica. JUNTAS poderemos exigir reapsito 1 dade dia seguinte muita gente me ligou fazendo o carregada de estudar medidas para viabilizar: 1) Santa de 1981, no Ria Juntem-se no trabalho de
pessoa, da mulher lésbica brasilara", balanço sentimental do EGHO, com o coração a alteração da Constituição Brasileira no que diz combater a opressão e a discriminação (Quanto
sangrando e a cuca fundida por avassaladoras respeito 1 opção sexual, incluindo esse termo nos mais membros melhor, como diria Mambaba).
NA BOATE paixões. O jato, pessoal, é tentar desconto ei- direitos individuais do cidadão. 2) alteração no Afinal depende da gente o prazer nosso de cada
pedal na ponte aérea, já que é pra tanta gente... Código Internacional de Doenças - OMS - dia. (Leda MICColiS)
As festividades extra-Encontro, por parte das
mulheres, estavam programadas para duas
noites: sexta e sábado Na sexta, a comemoraçio
foi na hoste Mistura Pina (ex-Dinossauros), na
majar Sat&io. Pra tn de ss, o kair é
um dos mais agradáveis que já ecmhmi. As mesas
aio baixinhas, os pequenos dlvii comportam dois
E tudo foi uma festa móvel
casais, que sob luzes amarda& ver~ verme.
Um. estrobcarpicas, namoram muitlsámo à
vontade. O discotecário fica num módulo suspen-
so no centro do salio e a música nio é tocada tio
alta a ponto de rito se poder trocar informações. Desde as primeiras horas da manhã de quin- ticasse pronto às 14h, quando estava previsto o
A casa foi praticamente fechada para os parti- ta-feira, dia 3 de abril a "Paulka desvairada" inicio do 1? EGHO. A Sagra.ça, um dos grupos
cipantes do 10 RUMO e pessoal da organização, começou a ser invadida por um bando de bichas e que mais trabalharam, não se cansava de tanto
da Encontro anunciou um show em homenagem a lésbicas vindas de outras cidades e estados. Uma credenciar, identificar e revistar cerca de 250 in-
todos. verdadeira towda da Trála, só que sem cavalo, tegrantes de grupos homossexuais. Cláudio
No salio, a discoteca era animada, mas nos Reinaldo (SOMOS/SP), responsável pela recep- (Libsaus), assim que os jornalistas do Laplão
bastidores as conenas estavam mais ainda. En- ção dos participantes do Encontro, não parou um chegaram, recebeu-os divinamente, providenciou
quanto os "artistas" se preparavam para ama só minuto. Mal chegava alguém e ele logo corria à seus crachás de Lprss, e os pôs a par de tudo o
números, se maquiando e se penteando, fofocava- Rodoviária e transava as hospedagens, que estava previsto para o Encontro, O Jeniel
se com extremo bom-humor. Por exemplo: como aquele charme todo seu. Diga-se de passagem G.y. também esteve presente para fazer a cober-
cada pessoa do plenário tinha de se inscrever para que, além de ter sido muito beta recebido por de, tura dos trabalhe..
falar, ouvi a seguinte traze: "quero saber é quan- pude contar com uma atenção toda especial!! 1 O
do vão abrir as inscrições para a suruba...'. Tam- contingente maior chegou na sexta-feira pela
bém escutei este diálogo. "- Vocá já viu que o manhã. Apesar do número considerável de pes- PRIMEIROS AMORES
Jorge Ben tem uma mósica xingandoa mulher de soas que chegaram para o Encontro, a coorde-
sapatio? - Esses artistas estio mesmo nação e a recepção não tiveram nenhum pro-
enlouquecidos, idagina o'jc até no slow da blema au acomodá-las, e mais uma vez as bichas Por volta das 14h30sn, ai pessoas o:iiieçaram
minha musa, a Betinia, o apresentador ameaçava paulistas mostraram que, ao contrário do que se a dirigir-se para o local da plenária iniciei. e já
isí
o público com a preze de 'galos", (o pessoal divulga. são muito hospitaleiras. eram v veis os primeiros contatos amorosos en-
da segurança), dispostos a porem pra fora qual- Na noite de quinta pra sexta, o pessoal recém tre os integrantes dos grupos. Beijos, abraços e
quer tipo de bicho que incomodasse"... chegado aproveitou para dar uma esticada pela sarros nos cantões integravam-se naturalmente ao
cidade, junto com seus anfitriões, e sacar o duma cenário do COAC. Odijon, de Brasilia, fazia cri-
Muito manuseado - e devidamente apre- colar entre os presentes en923 doIamp.oque,
das pessoas em véspera de Encontro. Por sinal.
ciado - foi o material que Ta trouxe de San toda se encontravam muito excitada e era gran- corno sempre, despertou muito interesse e pio-
Francisco. dois discos com canções e textos "l'he de número nervosos, pois as espectativas com tocou várias discussões. Dá-se inicio à plenária de
lesbian antotog', botoei de lapela alusivos, e relação ao Encontro - algo totalmente novo para abertura do Encontro. A Comissão encarregada
carrões deliciosos impressos pela Wornen Presa os homossexuais organizados e de tamanha re- de organizar os trabalha é apresentada; a cada
Project (Céça me deu um desenho a bico de pata percussão - eram muito temerosas. A emoção e nome citado o plenário se manifestava com inten-
de uma mulher, com cara espantadíssima de entusiasmo que pairaram sobre as pessoas duran- sas ovações, e os apresentados não faziam por
goro os cabelos arrepiados, uma graça). te todos os trabalhos já podiam ser sentidos desde menos: deixavam cair as plumas coa pactês.
As 23h45nun, Marcelo (Scznos/SP), elegan- a véspera, quando mesmo na cama, entre um Após a discussão da primeira bateria de te--
temente vestido com seu robe vermelho e meias carinho e outro, as indagações sobre o Encontro mas, foi dado um intervalo de IS minutos para
listradas azuis e brancas, além daquele sotaque eram colocadas. que a moçada pudesse esfriar um pouco a coca.
baiano gostosíssimo, deu inicio ao shovv que, Na manhã de sexta-feira, no Centro Aca- visto que em todos os grupos as discussões absor-
segundo de, provava que homossexual militante démico Oswaldo Cruz (CAOC), da Faculdade de verem muito as pessoas. levando-as a um cnn-
1também era bonito e gostoso. Sobre a ocasião,
ft"un ? e'do'Ciêïú: ' Ilift fcsiçu
Medicina da USP, a euforia tomava conta dos
:
r
LAV01X0%ÊijWjha , Página 7

**
Centro de Documentação
APPAD ic
d a I);rd a (1,1 dI\t'r',l(l.IdL'
*1
Prof. Dr. Luiz Mott GRUPODIGNIDADE

[ATIVISMO ^

saço além do natural. Aquele que. além de dis- nalizada contra os homossexuais, cisto não acon-
cutir nos grupos, aproveitou para dar algumas tece de graça.
paqueradas. pôde concretizá-las durante o inter- Entramos no 30 dia do encontro, muito es-
valo, pois o numero de casais que trocavam vis to - perado pelos participantes, pois na parte da tarde
cias pelas redondezas, era superior iodo inicio da seria realizado o Encontro aberto. Todos mos-
tarde. Joã o Carneiro SOMOS/RJi, não perd eu travam-se muito receosos do que pudesse acon-
t
tempo,maisdoquedpresaolusitano garou ecer.
Carlos (SOMOS /RJ) e tratou de ficar junto dde, Ao término dos trabalhados da parte fechada
durante icalo o Encontro. o pessoal tesa um pequeno intervalo para o ai-
Nessa altura do campeonato os boatos de que moço. Um grande número de particapantes, foi
haveria uma suruba entre os rapazes tomou cesfta almoçar numa pizzana rodízio e muitas quase
do COAC, e várias pessoas tentavam ouriça- passaram mal de tanto comer. Mas o que acon -
ilamente descobrir onde se daria o grandioso teceu de mais engraçado foi o incidente ocorrido
evento. Mas infelizmente tudo não passou de um com João Carneiro (SOMOS/Ri), que teve sua
mero boato. Fui algumas vezes no banheiro, para saída de pizzaria vetada, sob a acusação de que
ve r como estava a movimentação durante o inter- não havia pago a conta. A bicha ficou nervosa e
valo, e pude constatar que só as moscas habi- desandou a chamar as pessoas para que a ajudas-
tavam tal recinto; decepcionado, soltei ás dicusa- sem. Acontece que, além dele, outras pessoas
svai, tentando lembrar-me das orgias do Menezes também sentaram na mesma mesa, eogarçon, na
Côrtes tEd. Garagem RI). Por que será que os hora de cobrar as despesas, o fez por intermédio
mais ousados resolveram dar uma de compor- de um talão apenas. Conclusão: uma das bichas.
tadinhsa. justamente num Encontro. onde pelo muito estabanadarnente, saiu e levou consigo o
menos em tese se era fasor g vd a todo tipo de talão que comprovava o pagamento da despesa,
Liberação e prazer? provocando assim o maior rebu. Mas tudo ter-
Ao terminar a segunda pane do ternário, minou bem, pois a bicha esquecida soltou e con-
todos trataram de ir embora e se ' empetecar seguiu livrarioàoCarneiro deter de lavar pratos.
para ir à tão esperada festa que aconteceria na Tcham! Tcham! Tcham! l'chaminm!!! Final-
Hotte Mistura Fina. Não faltaram guias altas e os mente estamos na parte aberta do encontro. A
longos maravilhosos, além de muito charme. emoção toma conta dos que passaram dois dias
Por volta das 23h30m. a bode estava lotada e i nteiros, discutindo isoladamente O Teatro Ruth
o ambiente animadíssimo e muito descontraido Escobar, às 14h30m. á se encontrava comple-
A integração entre os grupos era total. Che g uei a tamente lotado. Ao inicio do trabalho muitos
pensar que me encontrava em uma das corri- lembraram-se das árduas repressões que vem
queiras festas do SOMOS/Ri, devido ao nível de o
s frendo desde o dia que assumiram sua hoinos-
relacionamento entre as pessoas. A int eg ração sexualidade como forma de prazer, e se pôde ob-
entre o Centro-( )este co Sul foi iniciada por Za,t, servar em alguns olhinhos apertados a ameaça
a bicha-l és bica do SOMOS/SI', que imediata- magic. que 'iiiva Lazer em lesta de .intver- ceram aos participantes do E neoniro. Acontece do rolar de uma ou várias lágrimas.
mente tratou de fiei-lar com Daniel. de Goiãnia. nos infantis. 1 udos ficaram deslumbrados ao que o quadro em questão ufatuzava os famige- Durante todo o debate o banheiro fervilhava
que está tentando formar um grupo por lá. O serem a bicha fazer aparecer e desaparecer leis- radca papéis do macho e da fêm ea , tão difundidos de gente, que não deixou por menos e aproveitou
babado deu pano pra manga. e pelo que se sabe a pom bas e o diabo. por esta sociedade machista. Foi uma pata agr . pra dar uma transadinha. uma rasteira nas ia-
lua de mel durou durante s-s trés dias de Encon- Ni segunda parte do abow. Dailton (SO- são à consciência dos homossexuais militantes, ali chas organizadas. Na platéia os olhares eram o
Iro MOS/SP) apresentou algumas composições suas. presentes, pois iodos oprimidos e classificados de principal meio de comunicação lata-pessoal. Só
Outro grande intercámbio, foi o do 50- Diga-se de passagem que este rapaz é uma goa- doentes mentais e sociais justamente por rejeitar não pegou quem não quis, pois entre uma lalação
MOS., RI com &iSOMOS/SP, que pelo visto gernu tusura. As mulheres da FaeçãoLeibico'Feminista tais papéis e comportamentos, que tanto esta e outra os flertes eram muito visíveis. Nenhum lo-
muita dor de ctiwdi, após o Encontro. John. o também se apresentaram e cantaram Junhi) com sociedade tenta nos imputar. A partir dai foi cidente. todos estavam interessados de tal modo
leão/anho do SOMOSRJ, foi frequeniemasle Mariceni Costa, também integrante do Grupo. criado o maior rebuliço. Alguém da platéia co' no que as pessoas tinham pra dizer, que melhor
surpreendido aos beilu, e abraços caio Cacá Mas o que mais agradou o público foi o final com mou a gritar e se posicionar contrar o quadro, andamento ata termos de trabalho seria impos-
SOMOS/SP. Helinho(SOMOS/1111 entrou' a apresentação das Frenéticas. que cantaram chamando-o de reacionário e machista, sendo . sivei .Quanto aos travestis presentes, deram um
'e de corpo e alma a Anilson SOMOS/SP). Os Manga Madura­ . Ao serem anunciadas. agredido verbalmente por Phedra de Córdoba, banho nas bichas repressoras e se tornaram o
contatos entre os SOMOS, também se deram a apareceram sete donzelas no palco: Vitorio. Mar- que ficou irritadissima, uma série de fatos de- ponto principal das discussões.
tiRai internacional O americano Jimmy (SO- Ll() tllissev, Marco. Cláudio. Dimori (SÓ- - sagradásais aconteceram, e houve um brusco es- Houve a tentativa de Invasão do Teatro Ruth
MOS/SP) foi visto vánas vezes em iwtchawa MOS/R) e eu, e a lesta começa a partir do vaziamento da hoite. Escobar pelo Sr. Jacinto Figueira ir., que queria
lidibinosir. com o argentino Jorge (SOMQS/RJ). momento em que elas descem do palco e se mis- a qualquer custo, filmar todo o Encontro para o
e perece qucus resultados foram calmos. turam com a platéia, que a essa altura já cantava CORREIO ELEGANTE seu famigerado programa: O Homene do Sapato
Soube por fonte s eg uríssima, que três pessoas e dançava com das. O discotecáno logo em se' Branco. E, o que a priori poderia acabar em eras-
(li) Eme em determinado momento abandonaram guida inicia uma rodada de samba e a festa coo- A abertura do 29 dia. mareada para ás 9h. flito, transformou-se num quadro ultra-grotco.
a biitte eftsram fazer um ménage. trok. Egoístas. limua numa euforia crescente. O espetáculo foi como era de se esperar só comaoii ás 12h30m, e digno de Feilini, pois dois camburões da PM, iras-
nem convidaram os demais para partiesparem da um desfile de talentos. uma priva de que as mesmo assim com um número bem redundo de titutição que o Sr. Jacinto tanto enaltece em seus
.i p vidade; tisva assim de gente querendo fazer lilcilas e as lesbicas militantes também sabem ps&ns. Parece que o pessoal dos vários grupos programas, por ironia do destin&, é que justa-
uma suruba unir oulil soagradável não aprenderam que ao véspera de qualquer mente o impediram de entrar, dizendo que lá es-
Para surpresa de grande parte dos presentes. A certa altura do carnaval. mie deparei com trabalho é inconsequente a programnaçio de tavam para proteger o encontro. Não fique aa.
algumas pt'SMIIS 1ii SOMOS/SP e do Libertos Chiu Biitencourt segurando a calça e a camisa atividades ou festas que entrem noite a dentro. as sso Jacinto. esta é apenas uma das várias com-
programaram um show que foi o maior sucesso. do 1 resisan, e só então me dei conta de que este 14h30m. com uma plenária cansada e confusa. tradiçõesdoSistema que você tantoufaloza
4)s camarins, antes do espetáculo. estavam uma havia ficacti, de cueca em pleno salão. A moda sentiu-se a necessidade de um intervalo para o ai- Mais uma vez ficou patente entre os militantes
erdadcira loucura, As bichas corriam de um lado pegou e não tardaram as ades ao ' ' Rale da moço. Caos de 60 pessoas foram comer no res- dos diversos grupos que a luta dos homossexuais
para o outro arrumando-se. Muitos fariam pela Cu~ ­ .1 udos liberados e se curtindo sem taurante do Hospital das Cllnica-s. onde se for- contra a repressão ca discriminação não está d'is-
Irinie'a %C7 mi vida um trabalho deste tipo. maiores grilos. Em determinado momento. maram mesas quilornttriois. saciada do prazer. Dai o 1 Encontro ter sido uma
ClaudioiLlbenos#. muito nervoso. retocava coes- 1 resisan resolve adotar o hottou-ls e liii uma Enquanto a comida não chegava. alguém festa, onde além das intensas discussões todos
tatitonente sua maquiagem. Eviristo 150- loucura so Não ficando atrás. as mulheres sugeriu que brincássemos de -Correio Elare'- puderam se sentir libertos e assim expressar toda
MOS SP(, não parava de gritar: "Que lxxii. a aderem ai) top-lisi e a nudez paira sobre o salão. A br1seadelra cons is te no aegulutt as p.uo.a as- a sua afetividade, tAntâsiloCarlos MO,*.)
Imprensa está ai, vou sair no Lamplio' , e Correu o boato de que um integrante do SO- .eevem um bilhete end ereçado • alguém do grupo Entoa: Fanny/CrIs UArtes
aproveitava para tirar uma casquinha com este MOS si havia tentado arrancar a blusa da 1 eca e o eutra ao correio. e tIram es perando a.
rrpiw'tcr Facção Leshico-Feministat, mas o acusado iura prováveis r es postas. O mais Interessante é que os
de pos juntos que jamais teve tal recaida. bUbetes não possuemId e ntificação de Imediato, As fotógrafas Faay e Cria Cala. do Lés-
Mas nem tudo correu tão bem quanto parece. provocando grande curiosidade aos destinatários. bko-FnlnIstaJArte, comunicam aos par-
s
BICIIACRIATIVA A começar pda repre são desencadeada pelos Todos ficaram ourados, pois o que maisapi- tklp.nic. do! Encontro BrasfldrodrHoos'
garçisns, que desde o Inicio da noite faziam ques- rede nos hlheiei eram ~Ata os abordagem sexualti que a pubbc*çáo de suas fot os
tão de afirmar que não car,; bichas. Vitor amor osa s. Do pessoal presente, ou mala so&l-- õrgãos da impremoi não prdi
apresentador do i SOMOS, Rli ao dirigir-se a um dos ganons que tado. forem: João Lula tSOMOSfSP). um ga- prejudicar os particípantea nem faturar
Marcelo SOMOSISPi.
shus, ao aparecer por entre as cortina. não re- atendiam no bar. tocou vila mão ao pedir uma rotinho muito fofinho Ipena que ele não tenha cima deles. Sua Intenção lei ap en as divulgar,
vodIça. O garçom bruscamente retirou sua mãodo respondido aos meus hilhetesi: Otávio (SO- osin as devidis preeauç, u m a luta da qual
I)iirOU que o palco não ciiflttfluas5 a sua frente, e
levou o niajor tombo; mas conto toda bicha contato com a de Vitor e disse. "Não toçue em MOS.'RJ, Mai-iza eieka iSOMOS/SP). dia também participam. Ai referidas fosca
da es
mim, pois eu não sou gav" Outro incidente O que surgiu de namorico depois dessa brin- aio de autoria e proprie de das m mas
cnativa não perdeu a classe e iniciou a apresen-
ação do espetáculo. Desandou a falar sobre parecido aconteceu com Bitiencourt que sem adrira, não esta no gibi. Inclusivefiqueisabendo fotõgrilas, não cabendo. portanto, eentuah
querer esbarrou no discotecário. que passava por de muita gente que está na fossa até hoje, por não aensaçõex de que o jornal Lampião, para o
irasrstis. repressão. dvilaçào. Encontro, e só
parou quando o pessoal por detrás da cortina detrás dele, e repentinamente foi agredido com a ter sido correspondidotSnif! Snif! Snif . qual trabalham. teria maaiopo&ado os dl-
começou a cutucá-lo. pois estavam ansiosos para seguinte pergunta: " O que é que foi porra' ...... Em pleno — Sábado da Aleluia" , as discussões rabos de documentar o Entro, com flua
entrarem em cena. A platéia mostrava-se interes- Além disso, os ga rç ons da pista. ao entrarem al on garam-se e se por volta de mela-noite é que o
lucrativos.
sadts.sima, e a grande maiona, sentada nas es- com algum carimba de cueca ou com alguma pensar cm se divertir. Não foi Ao oferecerem suas losna para vekulaçâo
usdas laterais do salào, acs*ovelava-se silen- menina de top-leas, agressivamente diziam: programada nenhuma festa ou atividade para es- emOSitiOl Õili($ da lmprzsa, as fotógrafas
ciixiiimen(e á espera dos acontecimentos. "Coloca a roupa siado` ­ As bichas e as lésbicas sa noite, logo houve uma peq uena dispersão entre recomendaram ex pressamente que as
f
ficaram indignadas com tais acontecimentos. pois ossem escurecidas, para evitar a ttftosç*o
A primeira a se apresentar foi ERa. Ramahio as pes soa s. Um grupo resolveu dar uma esticada
i('laudioi que contou e interpretou como nunca tã estão de saco cheio de scan maltratadas em daspessoas. e TtCd3'*I5I total isii.tlmto
Bo l te Medieval e acabou presenciando uma
'B&siogondi A platéia delirava e aplaudia in- lugares entendidos, onde ironicamente a grande cena chocante que os deixou profundamente das redaçõex. £ lansentósel que tal acordo não
ti
viStenIemetlte. Em seguida surge em cena Simone maioria do que têm contato direto com público revoltados t enha sido cumprido por 'to órgão da lai-
a
Alice - SOMOS/SP) que, de forma muito sai- são heterossexuais extremamente repressores. Na entrada do Medieval havia um grupo de prensa. Se houver qualquer probl em daí
sutil, despertou o interesse de todas as lésbicas Não bastando a repressão do dia a dia, nem "txes" que malharam um judas chamado de resultante, é de se desejar que os grupos
presentes. O ponto máximo do espetáculo, foi sequer nos guetos se pode ter um comportamento Gani e que atirava pedaços do mesmo nos que ai-
homossexuais organizados se empenhem na
quando Ney Matogroa.so )Vitorio-SOMOS/SP), liberto e sem falsos pudores, pois logo vem um travam no bode. Em determinado momento, o sua soluçâo, como parta da luta contra a da.
garçon para dizer que Somos viactos e que cli minaçiio e Intimidação de que somou A.
de tanga, comoou a interpretar "Seu Tipo". envolvimento com a malhação (uma verdadeira
Confesso que senti água na boca ao ser aquele vemos nos comportar direitinho. Ora pombas'!' catarse machistai foi tamanha que eles come- tInias.
O que mais indignou grande parte do pessoal Para maioresdarecentos. es ~
corpo sedutor aquelas sorvas sensualíssimas. çaram a jogar sacos de lixo, que se encontravam
Ah , presente foi um quadro apresentado pela artista proxirnia ao Local, em todos os que entravam, na para Faay e Cria Caiu na Caixa Postal
Para amenizar, Evaristo. que foi o conede' iransexual Phedra de Córdoba. que fazia penedo hoite. principalmente nos travestis. A violência 22.196, Grupo Léablco-Fenlnlata.
uni etúm e- .stiowquc gt t'dircutis.1a' atualpsene. m&b ' ss sei é -
.: , a.'. •; : , . '. » 5 p '

o
Centro de Documentação
APPAD *
iv 'uII
da parada da di crvul,idu
Prof. Dr. Luiz Mott G RU PODIGNIDADE
I :11) Z YI
Detalhes
de um
jardim
tropical
Nosso garoto do mês chama- se
Breiio, trabalha na Bolsa de Valores
curte unia Honda2000. Acha oSUrf
uma "coisa de cardas", o wind- surf
"unia brincadeira de burgueses" e a
deita "um santo remédio para quem
sofre de hemorróidas" (ele,
naturalmente, no as tem). Está rnai
para o ano 2000 que para 1980 - qu
• diier, em matéria de transar o corp
está na fase dos dedos dos pés. Precis
•i,cr mais? Ah, oenderodele? Iss
'itu O jardim tropical foi gentileza d
L)uduGuimares.

E:'-

4.#M
(


::.. . -..,:'..., . : . •.. ,:•, - 9

Centro de Documentação
**

APPAD *
.ISUL IIÇi() 1)raneI1st
da parada da divridid,
Prof. Dr. Luiz Mott GRU PODIGN IDADE

ESOUINA 1
Para quem faz a linha lixa o bar Trlcc, na tIi'amente, o a.sandno do "deputado mais bossa-
Jerônimo Monteiro (avenida principal desta ilha), Lecy pra cabeça toda Grétás".
mm "jue-b=" e midietagcm.O SIIU, na Praia
de Suá, em frente ao p.*ltO de ônibus onde foi 'ii- Festival é sempre uma coisa careta. E oMPB- Andas, fica b dato da am em por todas,
Ia pela última ver aquela futura santa, a Aracdl, 80 não fugiria à regra, a julgar pela primeira que hoemasarualisem a cuhas andam de mies
também oferece a mesma linha. A sauna Ficar. eliminatória, não fossem duas músicas: o re dada,. Na esia três, o jornalista, bkha de tem-
b, é iraco, medroso e ada a tudo, mamo a

cÇo Ç) na Rua Corond Monjardim, gerenciada por um gdrege desenfreado daquela dupla baiana (moi
es-cabeleireiro, é igual às outras em qualquer Deus, mais uma!) intitulado Raata-Pb, e a canção vestida opostas vindas ao mesmo omsito, a
parte do pala. Na Avenida Beira-Mar, no cais dessa preciosa, divina musa aqui da casa, cha- pode comprometa' seriamente o . da em-
do Porto, a partir de 19 horas, funcionam as Shir- mada Lecy Brandio. Ea tal datara não só tem prata para a qual trabalha. E accmelhavni tt
lce, sempre óbvias. Para quem gostada linha es- uma das letras mais bonitas que eu ouvi nestes flI- cuidado cem das e abati-los da, grandas rapes'
trangeiro-que. te-quero-de-olho-verde (todas via- tiznca tempos de músicas maravilhosas, como sabllkladm, Na cena quatro, tão bosita • feita
doa do porto de Tubarão e etc.) a melhor opção é permitiu que a nossa Lecy desabrochasse como cem minAdas de um a bicha, já
a sauna do Hetd Sca, na ilha do Boi. uma das maiores intérpretes da nossa música dissecada como colcha de retalho das qualidades
Outro bar recomendado e testado: oPan. ás popular. Sua apresentação no Pantáa*ko foi tão mais pa'igosaa, sai para uma noite de gandaia. E
Bano, em Marulpe, perto do quartel da Policia emocionante que eu. Adio Acosta e respectn'os havia acabado de se tornar um assassino, o que,
Militar (não preciso dar mais detalhes). Para namorados ficamos de votes embargadas e olhos para ele. não tinha impertlncia alguma.
quem faz a linha Classe A a orla marítima da úmidos. Continua assim, Laty, que vocã está no Espero que não me venham com a história de
Praia da Costa, nas noites de seio, é muito caminho calo. que ele era um caso boiado e que, na teia, não
animada. Principalmente se você está de carro, A Aliás, causou-me espécie, no mesmo MPB-80, corria o naco de falar, ou agir, em nome de todos.
"jatnesae-dcreé' está toda 1*. Quem é que, vendo o rime, não pensou em todos
o entusiasmo de uma classe de artistas quanto à pai
Em outro extremo fica o bairro de Campo música deloyos, Eu acheiClarsana, a música em ci ticos honestos, em todo mundo, mostos e
Cimesie, mm a discoteca Aquarêsa. O baro é questão, quadrada e chatinha. E depois, essa de eliminados pelo sistema? Agora, pergunto, que
ótimo, embora pobre (por paradoxal que pareça: falar das filhinhas mm aquela postura de me- impc*'t$ncia tem para a história de 4 ou para a
é mais rico de todos os bairros pobres, cias nininha de cisne média, minha cara Joyca, já era: elucidação~ice a que se peopia, saber que o
ruas sio terminar em Campo Grande. Assim, artista tem mesmo é que dizer que a familia assassino (pago por loiças superiora lat.--
todos os migrantes estio lá). Há bares com cal- acabou, e não louvá-la. Não demora muito e o em escava' a hbtórla da Gra à wan manela)
çadâcs e cadeiras, estilo "fumando espero". SECOM pede a sua cançoneta emprestada para era bomosssival? Em momo algum Costa
Todos os motéis da Grande Vitória (ou seja, a ilustrar o filmete governamental dedicado ao Dia Gravas parece estar Intesausado descobrir se
reunião de três municípios. Vitoria. Vila Velha e das Mães. as outra. passeai, Igualmente wolvld.a ao ai-
Serra que sio na verdade uma coisa só. sepa- Viva Lecy, que levou o pessoal do Fantástico u , b.. Io, travam bem ma tua. esposaii ou as
radas apenas por interesses poéticas) oterecem o pra Arma da Lapa e usa, como baek-grvu.d, viviam felizes da~ da aia. Ao contrário, nas-
máximo de discreçio e alheiamento, inclusive de pares homossexuais - masculinos e femininos mi apam (.de *a z) que
dia. Nada se pergunta, o que importa é o pa- —' que curtiam a paisagem enquanto eia can- eram amigados aodalmmta. Mas quando se
gamento. Muitos locais têm decoraçio perfeita tava; tudo muito inquietante, como amvémn a um trata de bicha, parec, que a caha é diasate -
para um filme pornb, com espelhos e muito silen- artista que se preza. (Aguslào Silva) porque, aia, do cn'ltos que o
cio IA fora. homossexualismo clareos, tudo ladra que só com

,
a homossexuais acontece do o ia saio ser mala
importante que todos es outros campesat de
Para quem gosta de cinema e de música de
Ángela Maria: o cine Santa Cedia é o mais "Z",o antibicha sua ilda. Sabaia áe um cota? Isto está ina
$-i tradicional, tanto que já foi manchete, tipo "que cheirando a jornalismo barato,
mundo é esse?" liA os que preferem os chies as Da lesma que, para ao sessões solenes, a 'ou
Glória e Od.o. (este o mais movimentado às tar- Quando rd ao para, haa, preparado. Além da usa um da pipoca, lavo
des). 'ar o flha. 7., á. Costa Gravas, senti caemseas- Junto a adaba bem alimad.a capacidade de
tivesse caórba.do para new sessão solene, saber que tudo está salvo 96 porque o regime

Vitória
O bar Marta'., no centro da Cidade (rua Nes-
All.al, não a4 apem dar anos em 'lo pera, resol~ abrir as pernas. Eu, bem! (Alexandre
tor Gosnes), tem roda de samba no fim de se-
depois da tanto tempo, tipàsssute tjar no Ribondi).
mana, e oferece muita animação a partir do
proprietária da casa. d.ema aceapanhado de wan sacuda poa asa
íffiffiffiffiffiffiffi
gugar diante das a~ ás em thriiler tio bem
Para quem faz a linha radical-Rio, a "cidade"
Desde sua fundação, em 1517, Vitória, capital de Carapeba pode ser uma cpçio. É bairro cade Pois bem, duas heras dspois ad do '4- Olha o Mão Branca!
do Espirito Santo, é conhecida como "ilha do foram confinadas as prostitutas, na década pas- es. n agsadavoi L.,......Ao áe esahaem* ter stao
md" A intenção de Maria Bethania em justificar sada. Em fim de noite, há sempre ci peões que em dos areibeta fibe. que g~ da custeia, No mesmo dia em que os homossexuais ci'-
conotações eróticas na palavra encontra apoio não conseguiram uma cama para dormir. Pro- bailem ~do bege de aia. Mas temb aol ginizados do Rio desencadeavam a concretização
total na cidade, que, naturalmente, agrupa um grama recomendado só para quem tem carro, A casa alguems beag, aparatemataoe sem ba- de uma proposta de trabalho crim o COLETIVO
pouquinho de cada coisa. Sua geografia é muito Civit. um bairro de operários que trabalha no portbecfa, Ia*mlando em cabaça. DE MULHEUES/RJ e com o Meulmato and'
bonita, suas praias são ótimas, o velo é sempre porto de Tubarão, é também recomendado para Se vista, ásatro ás toda a história, ata. NudarIUJ, mais um travesti em assassinado na
uma perspectiva para quem gosta de tranqtli- quem faz essa linha. Alguém muito viajado diz baigem cesta. .uiso pence. FWeaenat cidade chamada de maravilhosa: o quarto, neste
li4a4 que prefere passar as férias noCisft a Paria. ocape. peucu apego da - qu - mês de abril (e ainda édia 16...). Mn não foi
É muito tadl chegar aqui, porque rica atire a numa, tem o .Éslto da 4hientir poldra sem a apenas inala um crime; nem sequer, apenas inala
Bahia, Minas e o Rio. Vitória é umareunião de Guarapari é atração permanente durante o seara das -— aeadlcas • Julga aáxlo um obus contra uma bicha, mmc aquele de San-
tudo isto, mais um ar descontraído dos menina ano todo principalmente no veio (que aqui ter- ostrar, sim grande bedla da elaan, o Ia Teresa, duplo, do qual ninguém mais falou,
e, até mesmo, das meninas. mina em maio. extra-oficialmente). A maior par- enovate rio ás lágrta derramado pele bula claro.
O Beta-Bar é o principal ponto do castro de te dos freqüentadores é do Rio, Assim. já atriz Irem Papes, A. c ás que bolei aio as Desta im, tudo começou com um rapto na
• Vitória. Fundado pela esquerda acossada em sabem tudo. Jacarelpe é mais calma: e freqüas- sugninten 1) o .aadao, dia~ de Juiz, Galeria Alaska, terminando com um corpo se
1969, depois empossado pela ala discreta do tida pelos mineiros que atravessam a fronteira, Já haver udo peso por corrupção da _enea a, viciado e abandonado na Barra. Reivindicando o
movimento guà. que nunca mais deu espaço nem ksicu para esqueceras montanhas, Ia me es- cona em sento dulce, nam anil usiemiao dos assassinato, a tal quadrilha ilegal (?) que uma
mesmo aos banidos ressentidos ou nio. O bar quecuades em frente ao Briti, os dissidentes ia- aa.a.ba e ceumapses, -_- qu cem em ceita figura batizou de Ml. Banca, E uma aviam
fecha de manhA. Assim, durante horas, os que ventaram uma lanchonete MhaI. A partir do ffiouteiro em sela da naempeeffloa 2) satado começou a limpeza da gai.a".
usam barba-e-bigode e os que dispensam a titulo está a indicação. Para quem faz a I'uiha na ca.,,c.,ia da candosete, o asaiao elas-ie Logo o travesti, que dava pelo nome de Geni.
dumentárta se olham sem resultados práticos, pelo-amor-de-Deus-me-Ieva-em-casa", um rapaz (multo hesito, por sisal) que, v.ddo virou " traficante e membro de uma gang de as'
Geralmente, os freqüentadores ioao Heis mais Para quem adota a linha Forte: oBardoDálio, apenas da calção e camiseta beanai, está na saltantes' ', pira lucro e manchete da imprensa
pelo que ele representa como ponto de encontro em ~beiras, que reúne todas as alas. É difícil varanda de sua cem e ajust, ao ceadcbo da praça. marrod, aquela mesma que inventou e fabricou o
folclórico da cidade. Fica perto da praça Costa chegar lá, mas todo motorista de táxi lhe informa. 3) oa.ulao pede ao Joemlbta, que ao que mau Mio Branca, para fazer aquecer a real violência
Pereira, parecida com a "feira" de Brasília, cun O bar da Tia ilUda, na Ilha doContorno, segue o á o seia aio, pes por sen na cabeça em que sobrevivemos.
Icaiças e michetagan. tipo Shirley e amor impos- mesmo esquema, mais assaltos, esdndakn e da laia das pessoas que tumultuava. o As nossas família tradicionais e proprietá-
sivel, Entre o bar ea praça, a Rua Sete deSetem- outros faroestes. Apesar da prostituição feminina O Jornalista cuemada a poda pesa que ela saia da rias, aquelas mesmas que estão invadindo a
bro tem no sai calçadão muito a ser aprovatado. na praia de Caburi, em frente ao bar Franet- redação. O assassino volta em seguida, apavorado Galeria Alada — para ver as bichas
'" , escutam as
mas com alto risco, porque os freqüentadores go cano (onde a santa Araceh foi vista, segundo se co a morte do deputado, e pede para Furtar ia apocaliticas palestras de Dom Eugênio Salies,
os mais "ligados". comenta) também é uma opção, mas muito •omi. O jornalista, mis um vai, cede. 4)O ag. Cardeal-Arcebispo do Rio de Janeirow citam o
Também no centro fica o Parque Mosceso, desesperada, samino ata em em bar e, quais Papa para nos condenar, e dormem mais trami-
ponto Final de Ônibus das cidades-dormitórios, O Bar-S-Parta, em São Torquata é para inca de pegaçio, aio lesse da em amaduo, qililas. o Mio Branca, rala pelapas, pela osdue
onde tudo é sempre diferente, como dizia Roberto quem faz a linha fortíssima. Tipo "pega pra acaricia a mão do rapaz-to-boie que Joga flip- -o progrimo.
Carlos. No Bar Mosaiso o clima é sempre de des- capa?' ou "corre que lá sem homens". O Gas'. per. Entretanto, um pouco pelo pais todo, ope-
confiança (são os do norte que bn), mas, apesar racha 44 oferece espaço e muita cerveja para as O quebra-cabeça atA quase totalmente --_ rários lutam pci' sai direito ao pio . . e aio há
da má qualidade do serviço e das mulheres que meninas, que não ligam para o aparente machis- tad. catAra o aisaadno é ho.ossmaal. E, natas Mio Branca que vá em sai auxilio. Aliás, como
fazem ponto disfarçado e tolerado na regilo, o es- mo do nome. Outras dicas: O bardo-Shluo, o quatro canas, rápidas • obJdvemats fascistas, poderia ir, se é a policia que lhes dá porrada?
trangeiro pode até se arriscar, desde que pague. Group., o Dto-Does-Dom, todos na praia do está lançada a velha, gasta e dosada Imagem da Mas, esse é outro papo.
O bar mais tradicional da cidade. o Santa, na Canto, também ezpeni à noite, a beleza doa hidra. Va.es a ela, outra vem na cena um, fica No mesmo dia, na Estácio de Sá - aquelas
Vila Rubim, vale mais pelo que tem de antigo e Jovens dourados - porém todos muito desli- atendido que os homossexuais são ladhidues Faculdades onde se formam os censores -, um tal
discreto mas não lugar badalado, É ponto ideal gados. prupemus ao ii.e e que aio podem 'a' gato- Christian, antropólogo de profissão, parece que
para conversas discretas, em mesa de mármore. tinha de coxa de fora que querem comer. Na ianque, palestrava sobre hsezualb-
Para quem faz a linha bote-ao-ponto, é só casa dois, esta de uma bem= amoldada, o .o/hoiueuscaalldada, na base do 'cada ser
Nas praias, onde impera a classe média, os passar de carro em frente a qualquer ponto de homossexual observa maS a.a presa, minutos humano iown seu lado bom e titai lado hetero, e a
bares nunca têm a descontração necessária para ônibus. Aqui em Vitória - não se sabe se por anta de se tornar, definittvameste, o asassiao do sociedade é que bIA blá bW'. Uma p1at visada,
abordagens mais sécias. Menos na praia da Cos- causa do antigo apelido, "a ilha do mer - acon- "deputado mais honesto da Grécia". O quebra. autoprodamada de normal, perguntava coisas do
ta, na cidade de Vila Velha. (próxima a Vitória), tece o seguinte: Você olha. Se olhar também, dá cabeça está quase totalmente montado, sitia o gêsato " causo é que ae mia prazer ao calo
onde o Via Praia representa o melhor das vim- Certo, Invariavelmente acontece. Mas é preciso a,saulao é homossexual. E, aastas quatro canas, anal?**. Só faltava mamo «a um sou. de Gil,
nhanças. Outro Vila, o do centro de Vila Vela, ter savoir falte. Basta lembrar que o primeiro rápidas e objetivamente la.ciataa, está lançada a para ficar cada macaco no ia galho.
tem michetagan suburbana que lembra os tem- donatário da capitania hereditária foi excomun- iniba, gasta e doentia beagem da bicha. Vamos a Para que conste: não foi o Mão Branca quem
pos do bar guei do Bairro da Glória, o CheGuei, gado pela Igreja Católica simplesmente porque elas outra vem na tuas um fica estendido que es destruiu. na PUC/RJ, os cartazes do 1 Encontro
que hoje é um bar, a pedido, de enrustidos, mas insistia em entrar na Igreja fumando cigarrilha de homossexuais aio individuos propensos ao crbec Brasileiro de Homossexuais: foram militantes es-
tem o nome de Claderda. Vila Velha é uma ci- palha. Ou seja: com discreào, tudo é possível. e que aio podem ver garotinhos de cosa de fora tudaatis de uma(s) certa(s) esquerda(s).
dade dormitório, a uns dose quilômroa da (Amylton Almeida) que querem comer. Na cena dois, ata de uma Corno se nada tivessem que ser com toda esta
capital (todos os motoristas de táxi são "aderai-. imenea crueldade, o homossexual observil
ri's,gsa, minutos anta de ae tornar, dual-
• i)'!íI l:tk ,'s i '•,jiJ'PtP't , i.s.
P*gM1O MHÂU da Esqu ina
.!,' . r;; j •'li ,.).- " ' ' j

o
*Ør
Centro de Documentação- (0
APPAD *
a ' socI:içiu
ti ,t p ir. da ri a d r' r s i ri u ri
p.
Prof. U. Luiz Mott, GRU PODIGN IDADE
ESOUINA 1
autentica guerra, bichas (serão bichas, mesmo?) dono, Oswaldo, pediu à aminincli ama malva de
empresárias continuam promovendo concursos palma. para Lampião em ansa homesagem na
tipo o gay 80, ou o garotão do aso. Parece que, primeira sobe que lá estive, Naturalmente que

ixt o MORRO f2ftP


entre a gente, há quem esteja remando o.mtra a voltei multa, veres e, sempre maravibado, vi o
maré. Questão de opinião? Afinal, é necessário que desconfio ser o to brasaelro de boesosserual
que as viados (coa sapatões, ti, não precisam w& que o delunto grupo GAAG tanto procurava)m
são homens rudes e fortes, mas de trato afável e
tsr a rue chamar de machista) sejam livres até
para saan alienados.
É. Mais que nunca, parece evidente a neces- yU\ORJkR MINHÀ CoNIÇAO alegre, Eles fazem atr-tesse ames a maior sem-
cerimâsda, basta a gesto pedir. Tinha um... Bem,
sidade de a vigdagem e a sapataria se unirem, se
organizarem. lutarem juntas. Travestis, micha, DSCR\MkWADOJ JE5TU0g1 cala-te boca,

Uma idéia que me ocorres é organizar nem


transformistas, todos.
E os atentados contra a Ou cifieira (São José) e
o Bilha? Também saí coisa do Mão Braaea, ou COMULCJ\ÇAO) HZ ARTE marcha de biebsa sobre Brasilia para coesagrara
capital como nossa também. Depois desta nota

DUMU,k )GANTO, DA NÇO E


estaremos enfrentando uma quinta coluna? mel que o surismo braallm.e, que ma pereces
Afinal, quem esqueceu o comi cio paulista (boate moio midia, vai floresce,. Corram par, ia, bo-
Meus Country), dia 6 de abril, contra 01 Encon- nemi dobaimoim, mas não vão penando que es-

rALOm -
tro Brasileiro .de Homossexuais e em defesa do tão aos últimos dias de Pompál ou miquelas
Homem do Sapato Branco? GU 5 * 11111 cidades dormitório que a Bíblia diamos de

?RX 1'O flLd


Também militantes do Coluivo de Malha. Sodousa e Gomoors. Comportadas e devagar é
res/RJ e do Mo'vlmto AatI.Nudesr/Ri podem que wocâ conseguirão tudo, e não esqueçam de
ser vakera aliadas da luta contra a repressão e a levar menu diuca.. Vão por mim que ,ocá musa
bem, (Francisco Bittencourt).
opressão que se abatem sobre nós, homossexuais.
San essa de frentes amplas, de cariz presteano
Mas, isso sim, dando as mica onde e sempre que
co5GU UMk
for possivel. 0^
URGI (r 1 Memória guei
Frescuras, frescuras, lutas á parte. Tá, bo-
necas? (J()o(Iesfrc)

Que trapalhada!
\\Á A\
1-1

De alguns anos para cá, a


Imprensa brasileira tem dado
Lendo a seção de cartas do Caderno 3 do Jor-
nal do Brasil. deparei-me no último dia 23 de
ftNN-íNC um destaque a Questão Homos-
sexual. Noticias, ensaios en-
março cem a de um tal Jorge Farias Reldsard.
que nervosamente acusava o programa Ou trevistas, matérias e contos,
tem sido publicados em jornais
Trapalhôca de promover abertamente o boinas-
scsualismo. Como se não bastasse tal disparate, o o1 )Al e revistas de norte a sul do pais.
Para que todo esse material não
famigerado telespectador continua: "Além de
um personagem constante que faz o tipo do Inver-
tido sexual o programa teve a ariragem de trazer,
há pouco, um conhecido homossexual (?), ca'-
rÔI se perca no tempo e no espaço,
o Jornal Lampião resolveu or-
temente para reforçar o alklaaiento das crianças ganizar uma Memória de tudo
à prática desse desvio do comportamento. Ou que tenha sido ou venha ser
quem sabe, há uma premeditação para acabar
com as valores morais da nassa sociedade?"
publicado sobre homosse-
É bem lembrarmos a este telespectador tão
xualismo. Para isto, pedimos a
preocupado com a formação das crianças que Os colaboração dos leitores, que,
Tespalhães em hipótese alguma tenta promover a enviem-nos o original ou xerox
imagem do homossexuaL Pelo contrário, é jus-
tamente em nome de tais valores morais, tão
Festa paulista Baratos em Brasília desse material.
apregoados em sua carta, que este programa é As bichas e as lésbicas do SOMOS/SP, emlo Vocã )á foi à Brailia? Não? Então vá, amores-
moldada. ouriçaclissimas, pois no próximo dia 20, será do, para gozar do cIma que agora, Jualameste,
Pelo que pastemos observar, todas as atitudes comemorado o 20 aniversário do Grupo, e que em o ludo da temperada de seca, é moko
honioasexuils, veiculadas pelo Sr. Resisto Aragio promete ser a GIárlil II Para as coinenicwaç&s es- saudáveL Mas aio «a disso que es queria falar, Lampião da Esquina: Caixa
e CIA., trazem urna grande e grcasàra dose de tá sendo programada urna semana de atividades,
estaiótipoa que visam simplesmente ridicularizar faltando confirmar alguns detslhes Dia 19 -
daro, Estou convencido que o pecado mora em
Brasil., um direito que. cidade aiuktou am
Postal 41.031, Rio de Janeiro -
a figura da bicha, para que as inocentes crianças Exposição e Venda do Obras sobre Homosse' mesa cnvalartaais, lifantes e artibelro.,
feio
4, em RJ - CEP 20.400
automaticamente passem a tu uma prevenção a zualismo, BciteBughoue, na Augusta; Dia 20— linguagem avel, ruem de todas as uma,
tal tipo de comportamento, que é gnescamaite Mostra do Filme do 1° Encontro Brasileiro de imaglnáveb que te dão uma sopa Iniesnal, de ivcê
apresentado. E se raciocinarmos bem, veremos Homossexuais e Show do Grupo, na Boite Mis- Bicar boquiaberto no grande viadato do Rodi
que tal programa se preocupa realmente em tura Fina, Major Sert&io Dia 21 - Debate iI&ata, olhando transido para a boles. do es-
aliciar as indefesas aiançsa, mas só que em aberto sobre o Grupo SOMOS/SP, Teatro Ruth planado dos usleistéstos. "Eatard stmhando, ou a PsIcoterapIa Eziulenilal - Terapia coa.
detrimento das práticas heta'oasexuajs e doa Escobar, Dia 22— Bingo/cartela. Bate Condes- maldade mesmo", ma perguntei a beliscar-ma. sitio mezual
comportamentos machistas desta sociedade. se ou Le Beteau; Dia 23 - Show com cantores e Era tudo verdade, e tem mais. A vida .otuem da 4ris,óu'les Rodrigueç - Psicólogo CRP.
Fique sabendo seu Jorge Fades que quem Recital de poesias do pessoal do Grupo, Bate capital federal á am vordao fesTó de botar 05.2512
degenera e desvia o comportamento das crianças Mistura Fina; Dia 24 - "Meu Brasil Lorbi- água - boca me qualquer ridade grande. Eiss Fonei 286.9561 e 226.7147
e dos individuos no geral é justamente esta so- cbàro, baile a fantasia na Boite Mistura Fina. tem ia das, bastes, The Foz e a Nsw qwém
ciedade machista cru que vivemos, que até hoje, As musas da nossa redação, ficaram enfósicas além de ama galeria subterránes ombeelda esmo Rua Bano de Luc'ena 28e 28.A - Botafogo
com seu arcabouço moral, só serviu para oprimir com o programa, e prometem dar urna estica- Buraco do Milo, ~de as s mais
e castrar a exprio e os sentimentos doa iii- dinha em São Paulo e fazer aquela "Jab. Is quentes do planeta.
dividuos (AntãsIo Carlos Moi*). lambe". Eu ma cosomtrd - New Aqsar, eao

Papa processado
O Ministro do Interior da Espanisa,
Sr. lbaika Froire anunciou em Maèl
que seu gomo aio comosdes §tatus
legal ia OrgaIlILaçóCi hooss.xuals
porque a homossexualidade om seu pai
ainda é coinzideirada orime. Falando uns
Cortes, Frelre disse que qualquer grupo
que contrarie a "moral púhli&' aio
pode se aceito dentro da Id.
A discussão foi levantado quando a
Frente de Llbeaçffo Homossexual da
Catalunha pediu seu reamhedmento
legal, dentro das liberdades onuati-
tudonais pós.franquistaa, e de lhTe ai.
soclaçio. Nesse sentido, a organlzaçdo
mtali reuniu recentemente ide ml
pessoas no seu quarto congresso anual
nu Barcelona. O congresso foi apoiado
por mais de 50 cimaras municipais,
sindicatos e organiza çioes de jovens.
Os dirigentes da Frente, dizem que os
"homossexuais estio sendo forçdo@ a
levar vida dupla enquanto que o gover-
no afirma que agora temos uma de.
pjççrada na Espanha'. (Fonte: "The
'dy iol1l': N?, (iZ 4e abril 1980) Pgfla1 1
LAMPIAO da Esquina

**
Centro de Documentação
APPAD ie
da parada da diver',idad
Prof. Dr. Luiz Mott CRU PODIGNIDADE
1 REPORTAGEM ]

Feministas viram a mesa


No número anterior de LAMPIAO vocês quecendo. Eu acho inclusive que no ano passado,
leram, com detalhes, o que realmente aconteceu
no 11 Congresso da Mulher Paulista, realizado em
março. Bem no meio das sessões de porradas e
Mulheres não se quando tinha um número bem menor de mu-
lheres no congresso, foram discutidas questões de
muito mais peso, em termos de movimento fe-
autoritarismo, no calor doa i,conleclmentos minista, do aue nesse.
daqueles dias, um lamplónico, João Silvérlo
Trevisan, reuniu quatro feministas, aludi roucas
e perplexas, para um papo multo franco, onde
envergonham de assumir Trevisan - Se vocês têm, realmente, um
programa multo definido, é evidente que a pos-
sibilidade de uma participação bastante ampla é
fosse Possível fazer uma previsão e uma análise do bem menor, e os partidos vão olhar vocês cciii
movimento feminista após aq ueles acontecimen-
loa. Foi uma conversa quase sem fõlego, mas a sua "luta menor" outros olhos. Por exemplo, vocês vão virar,
efetivamente, pequeno-burguesesaa, porque é a
também desopilante, que serviu para descarregar grande pecha que tascam em cima de vocês como
as tensões e acabou indicando os novos rumos que
o movimento feminista pretende tomar no Brasil.
Presentes: Ana Matilde Mota, da Associação das
- Porque no fim, a gente chegou, fez um
congresso de quatro mil mulheres, no qual a gen-
mário só era capaz de sensibilizar mulheres ccsTlO
gente, que tem um nível de consciência do
feministas. O movimento feminista brasileiro -
Isso é uma coisa muito pessoal, minha, que eu
acho há algum tempo - veio até hoje multo
Mulheres; Maria Moraes, do Grupo Nós Mu- te não conseguiu passar uma só das reivindicações problema, que é X, e que é diferente das outras, atarrachado por discussões partidárias, mesmo
Ihetes; Teresa Caldeira, feminista independente; que estão no programa, que é imenso. Então, no que compunham grande parte do plenário. Foi que não Icisem político-partidárias, mas de
Cynt hia Sani, também do grupo Nós Mulheres. E próximo ano, o seguinte: quem não for feminista, essa a contradição que se revelou no congresso: o programas de certos partidos. Então, de repente,
o próprio Trevisan, pelo LMP1ÃO. Todos quem não tiver reivindicações, cai fora. Nós desejo de avançar numa determinada linha e, ao eu vejo a coisa, hoje, assim como um parto, e
bot afldoa boca no mundo. preferimos reunir 500 mulheres que tenham mesmo tempo, a conciliação que se faz no sentido acho que esse parto vai ser muito custoso. Eu
representação, que falem o que realmente pen- de querer ampliar a participação das mulheres. queria que analisassem, também, em perspectiva
sam. Cynthia - E assim a gente nunca avança. Há
Trevisan - Me preocupa multo o que acon- da relação nova que vocês vão ler com os partidos.
Ana - Eu gostaria de colocar uma coisa na anos que é isso. Maria - Eu acho que a grande deficiência
teceu no Congresso. Foi a primeira vez que, den- linha do que a C'vnthia está dizendo. A gente, que Ana - Não era possível, para tirar desse con- nossa foi a seguinte: nós tivemos consciência de
tro de uma luta independente de partidos, uma compõe estes grupos feministas, vem de um certo gresso o que a gente queria, que ele tivesse o tipo que o movimento de mulheres, pela sua natureza.
luta autónoma, explode isso em termos assim extrato social, um certo grau de cultura. Além de composição que teve. comportava mulheres de classes diferentes, de
bem vivos e em público. Então, nós temos ai um disso, tem outra determinante, o fato de que Teresa - Eu acho que tem um grave pro- niveis diferenciados de integração, inclusive níveis
fato concreto. Assim, eu gostaria de perguntar a muita gente foi militante política, e vem para o blema, que é o seguinte: o movimento feminista, diferenciados no sentido de militância. A gente
o que significa isso politicamente, em ter- movimento com uma bagagem orientada por essa quer dizer, os grupos feministas, sempre omi- tinha clareza dos pontos que devia defender na
mos inclusive de perspectivas: como é que vai ser militância. Eu acho que essas duas coisas fazem tiram que eram feministas. Além dos problemas prática, mas sempre que confrontadas, enquanto
o movimento feminista e/ou feminino? com que, na prática, a gente se divida um pouco; qúe tinham com essa palavra, chamavam grupos
CnthIa - Ë o seguinte: eu acho que uma feministas, dentro do movimento de mulheres, a
porque a gente tem concepções feministas, quer
outra questão, além dessa questão da autonomia, lançar um programa nessa linha do que a gente
de mulheres justamente para fazer a composição gente abdicou de defender nossos pontos de vis-
das 50 mil organizações, entidades que formavam ta , a gente se dizia, "bom, vamos tentar fazer a
que este congresso de mulheres colocou, é o fato acumulou até agora, mas ao mesmo tempo é a coordenação do congresso. E então, nessa coor- unidade em cima do que dá". E o que dá é isso:
de que não houve nenhum avanço em termos de dividida pela necessidade de ampliar o movimen- denação, as feministas eram mão-de-obra, mas opressão salarial, creche, bolsa de saúde, etc.
conclusões, neste congresso, em relação ao do ano to, de achar que ele só tem sentido se empolgar estavam em minoria. E por isso, o tempo todo Nosso erro foi o seguinte: existem milhares,
passado. Eu acho que ele coloca uma questão realmente a ampla massa de mulheres. Ora, a elas estas'am retirando suas bandeiras. Porque lá milhões demulheres iguais a nós; por que é que a
para a gente que é a seguinte: como é que agente ampla massa de mulheres é formada, inclusive, estão quatro mil mulheres, e então, em nome do gente se despreza, fica se proletarizando? Que
sé organiza daqui pra diante? Como é que agente por mulheres de classes diferentes da nossa, ecr apoio que elas lhe dão, você vai tirando suas absurdo esse?
centra a nossa atuação no movimento feminista? o? - Então, o que foi esse congresso? Seu te- reivindicaçóes, vai botando elas de lado, vai es-
A gente vai centrar em torno do que interessa à
gente, aos grupos feministas, que têm uma parte
basicamente de mulheres de classe média, univer-
sitárias, etc. - que significam uma represen-
tatividade muito grande numa cidade como São
Paulo, por exemplo -, ou a gente tende a incor-
porar um número muito maior de 'mulheres e
sacrilicar com isso uma série de reivindicações,
porque elas não são de iodo o mundo. Eu acho
que essa é a questão que agente tem que pôr.

Escolha
o seu grupo
SOMOS/RJ - Caixa Postal
3356, CEP 20.100, Rio de Ja-
neiro, RJ
AU/RJ - Caixa Postal 16218,
CEP 20.000, Rio de Janeiro, RJ
SOMOS/SP Caixa Postal
22.196, CEP 01000, São Paulo,
SP
SOMOS/Sorocaba - Rua
Fuad Bachir Abdala, 53/31,
CEP 18.100, Sorocaba, São
Paulo.
EROS/SP - Caixa Postal 5140,
CEP 01.00, São Paulo, SP
Facção Lésbico-Feminista -
Caixa Postal 22.196, CEP 01000,
São Paulo, SP
LIBERTOS/Guarulhos - Rua
Cabo António P. da Silva, 481,
Jardim Tranqüilidade, CEP
07.00, Guarulhos, São Paulo
(a/c Osvaldo Izidoro)
Beijo Livre/Brasilia - Caixa
Postal 070.812, CEP 70.000,
Brasília, Distrito Federal.

Página 12 LAMPIÃO da Esquina

Centro de Documentação
APPAD ie
da parada da divcr',idad
Prof. Dr. Luiz Mott GRUPODIGNIDADE
mi,
REPORTAGEM]
- Nosso problema eu acho que é esse: além gresso. você tirar um programa tipo questões Teresa - Acho que ai, inclusive, entra uma
de se definir, agora é partir para trabalhar e or- como aborto, questões como sexualidade. questão que a gente estava conversando: o mo-

i., Troca .S0


ganizar, partindo da maioria das pessoas que Teresa - Prazer... vimento homossexual de mulheres, no Brasil, está
pensa igual a nós. Cythla - Coisas que são colocadas em ligado ao movimento homossexual, e não ao
C)iithla -Porque o feminismo tem uma base qualquer discussão que junte duas, três feminis- movimento feminista.
que é bem urbana e de classe média...
Maria - E é nessa base que está a raiz de sua
tas.
Trevisan - Eu perguntei 'as prática", por-
Trevisan - Pira o pessoal que vem de fora, é
um caso único que as lésbicas, aqui, estejam
PdOJL
problemática. O negócio é o seguinte: nós somos que gostaria de saber se. prática de socas vai ser trabalhando com as bichas, e não com as feminis-
uma tendência dentro do movimento de mu- repensada a partir da hoje. E. digo, tanto a ias.
lheres, uma tendência feminista. Então, vamos prática política quanto, prática, digamos, a nlvd Teresa - Eu acho que essa dissociação do tJNIVERSITÃRIO. rosnâu*k'o e sozinho,
nos caracterizar dessa forma e trabalhar em cima pessoal. Porque a modificação sal ser violenta, ao movimento homossexual de mulheres com o 22 anos, deseja se correspoader em rapaom
disso. De outra forma, não avançaremos. relacionamento dentro do próprio grupo. movimento feminista tem a ver com as compo- cultos, siaceros e discreto., e que queiram um
Cynthla - Mesmo que isso sacrifique a Ana - Se eu entendi bem a tua peraunta. eu sições, com as concessões... Com o calar a boca e amigo. 1. A. Ribeiro. Caixa Postal 25018,
unidade, que é uma unidade falsa, na verdade. responderia o~te. Não tem rude que w uma tal. CEP 20670, Rio deJaneiro RI.
Maria - Uma unidade mentirosa. Por exem- coisa com a outra. Eu. enquanto mulher, tenho Cnthla - De 'a gente ter que se dar mais cciii RAPAZ. 26 aios, 1,70 de altura, 70 kg
plo: se a Igreja Católica é contra o aborto, o uma sele de atividades. Não vou abrir mão de mulher operária que com mulher homossexual: é cabelos pretos, 'istudaute de Turismo, deseja
problema é da Igreja Católica. Porque eu sou nenhuma. Então eu sou, digamos, militante atal história. se correspondar com p.sms discretínisain,
favorável á legalização do aborto. E foi uma ver- feminista Ë evidente que, na minha vida pessoal, Maria - Agora, o que eu acho ótimo é oue com Idade de 24 a 39, para uma sua aml-
gonha o que aconteceu no congresso: alguém estabeleço prioridades: o que eu gosto mais de quando o Grupo Léstiz,'Feminiia diegrix es-se jade. Troca foto us primeira carta. F.M. Pos-
pediu pra gente dar um tempo, pra não levantar fazer, o que me realiza mais, não é nem enquanto logo que a composição social delas era diversi- te Restante, CEP 94.900, Cachodriuba, RS.
essa questão. Ora, as mulheres estio abortando mulher, enquanto pessoa. Agora eu acho o se- ficada. Então, é muito complicado chamá-las de
guinte, que é o fundamental: tua militincia
VESTIBULANLIA de arquitetura, amante
há não sei quantos milénios. Todo ano três mi- alta burguesia, porque tinha operárias e negras.
politica, tuas idéias com relação ao conjunto da dai artos. gostaria de se ~responder com
lhões de mulheres morrem por causa disso. E ain- Isso calou a boca de iodo o mundo. Depois elas, pessoal dl.cregaa e de boa lormsção para
da pedem pra gente pensar um pouco antes de sociedade, evidentemente elas te orientam, mas enquanto pessoas, exatamente porque fazem a
não tini que passar dissos. Na medida em que
troca de Missa. Coas todo o Brasil a outros
falar no assuntol? Vai dizer a uma mulher critica de uma relação de domifsaçio, são ótimas. paises. Helma. Rua X. 32$, CEP 21931, Rio
grávida pra não pensar nisso, pra não falar em você, enqtianto militante politica. vai para unta A prática delas, o estar coei, elas é educativo, a
frente de massa... de Janeiro, RI.
aborto. gente avança sempre, aprende.
Trevisan - Mas Ana, é liso que ei adio ei- GUEI assumIdo aligra, ubeples, I,72
Ointhla - O fato é que a gente, que orga- Trevisan - O. homens homossexuais tam- 28 anos, universitário, gostaria de recolior
nizou a coisa, que comandou a coisa, no fim não graçados de reposte o teu lhils.o não é a tua bém estão gostando multo da presença delas, e
política. Para mIm, o femIsla,o á — mov*mto cartas de goste que deseja amar e me amado.
teve espaço pra falar. gostando exatamente porque está sendo uma Tom. Caixa Postal 10047, CEP 74000,
Tmisas - E alada fora, chamadas de polUias. checaçio violeistérs-lma,
Maria— 56 é. GOi&niL GO.
satesltirlas e repteadvas. C),IthIa - Eu acho importantíssimo. tam- LOURA, 31 ama, alvel uslie'oltãaio,
Maria - Pois é; falou todoo mundo: a UNE, bém. Embora tenha esse lado negativo, elas nas- i,áO, 53kg, dese jo se oceraposde' mis
Maria —Mas no Congresso Isso nem pintou.
a PUC, a TUC, a LUC, menos nós. AI eu falei, ceram sem contato casei a gente, mas acho que moças que queira dar e emebe- carlabo,
Cy.thla - Por isso que é importante colocar
"pois é, só faltam os marcianos chegarem aqui,
nossas questões agora; nada desse negócio de devem estar nos dois lados; é fundamental que o CláudM. Caixa Postal 3$034, CEP 22451, Ria
neste congresso de mulheres, e pedirem a pa- grupo Somos também tenha mulheres. deis.dro, Ri.
procurar a unidade em cima de falsos pontos; é
lavra..." Assim não dá! Trevisan - E eu estou iava.taado liso te-
importante que a gente leve adiante essa prática; FAZENDEIRO, aolharlo, dei4. mam ar
Trevisan - Dá pra dIaer rapldlaho cesso é clusive para que vocês possum saber que as bichos
quem não concordar com ela, que se dane: não r a jovem 1ad, louro, discuto, ala.asinto
que foi o .F clo dos sagras?
tem o nosso apoio. «tio realmente Interessadas em discutir a ques- vare, amaste da aatursaa, Ivre. d.~
Maria - Acho que foi um problema de in- tão feminista; inclusive já houve duos resnãões dido para canis uma vida atem umbo amor.
Teresa - Chega de a gente ser mio-de-obra
compreensão. }ia criticas que podem ser feitas à com rias, houve uma resu,o gsral oudo isdush'e Qnaemta ano., 1,65.. 60 kg. A.S. Caiu
de coisas que não nas interessam e manter a boca
coordenação, mas não quanto ao convite feito ao quebrou o maior pau. Que- dise', é oetanss Postal 92, CEP 35700, Patos de Miam, MG.
fechada. Foi nesse congresso, foi nas eleições: a
movimento negro. Além disso, vários grupos que vocia saibam dhao
gente abre mão das coisas da gente, vai lá, faz JOVEM br.sláo risIde sa Visesuda,
aprovaram moções de apoio à luta da mulher
negra, bem conto à luta darnulher homossexual.
campanha e... =positivo, akgrs, carinhoso, romãutko, hei-
Cyathla —Isso é coisa de mie, a mãe que dá. Cyuthla - Mas é a questão da mudança de os amiga para troca de id,. Carta. para
Asa - Claro. Antes de os relata-los serem E aquele papel mais tradicional da mulher. Deus papéis do movimento feminista e do movimento Rebsos da Casta, apartado 4275, Pomo Lis
lidos, elas levantaram a discussão, dizendo que homossexual. Isso é muito quotidiano, a questão Cruz, Vosomala.
me livre! Eu não sou mie, não tenho nada a ver
neles não se falava au mulher negra. Quiseram de a mulher fazer isso e o homem... Sabe, certas
com isso, Deus me livre. Chega de ser a eterna
ler a própria moção que tinham redigido, tinham
doadora... tarefas domésticas: não é questão de tarefas, é PORIVGUÉS, «tatues .'40as e-iso
uma postura de ressentimento, disseram que não
Trevisan - Se .*., . odlltãada de vocês lei uma coisa que você nãó percebe. dato, aprsdapdo a loisa,., Sestro, áoiin e
queriam pegar o bonde andando. Mas a gente amizade, que' se correspouder cais repasse
toda eada sessa... Ana - atiro, porque, no fundo, você sabe
convidou, elas é que não participaram da coor- de lado olrasll sem &stiaçãod.Idaás corou
Cysthla - No principio da maternidade fazer melhor cestas coisas, e automaticamente
denação. credo, Carlos Maanuj Siva Forrsks, Rua
(ria,). você vai continuar fazendo.
Trevisan - Valt..do à poalção mend 1. Trevisan - o só: sessa coisa crW*, Ia- Goseal Humberto Delgado, *99,3? Disdio.
,sciai que' 49£W que são tirar a óarai... cluslie: a sa$eraldade é uma calas bem cristã.
Faguesá-o Amora. 2$40, Seteal, Porta.sL
Maria - Por isso que a nossa luta t um
Maria - Vamos trabalhar com clareza nas Maria - Mas a maternidade como a concebe negócio de todo dia, do tempo todo. É tio prático GUEI 35 asa, gostada de emr.p~
nas posições, defendendo-as abertamente... a Igreja: sem prazer. Porque a Virgem Maria ser um militante que só milita algumas horas por se com esueididos de si.hos os seim, qu e
Trevisan - Poalçã. ~bens.... concebeu virgem, não se esqueçam. dia! Cano esse pessoal que só vai nas reuniões pra Ria e galem de animais. Manoul residamo
Filaria - ...E fazer a unidade em pontos es- Teresa - E este é o modelo da mulher ca- fazer baderna. Saiu dali, acabou o compromisso, Orlando, Rua Geme-ai Ssseslaao, 66, ousa 7.
peciticos. Têm coisas que para nós são impoi'tan- tólica. não fazem nenhum esforço: é urna merda! Chega lutaI.g. Rio dela.oira, RI.
ia. A prostituição, por exemplo: então, se forma Cyathla - Que trepe quem gosta de trepar! a ser um exercido aliasante ficam pul~
uma comissão, trabalha au cima, e tal. Nós não (bs*dta e risos) MORENA. cabelos 1.62., 57
brigando e taE Não estão entendendo as con- kg, aalde, val a tudo o que é belo e
vamos pedir autorização de ninguém pra fazer is- Trevisan - Quer dizer, além de pequeno- tradições, não estio avançando. Deve ser fácil
so. A questão do aborto: nós vamos levar a luta borguesas, voolla são pemar a ser todas pulas. bom, lhes, loveeselia, que
' as ..,......s,
mesmo. mm malhe'.. Proste risposta bata.
pela legalização do aborto, sim. Chega quem Maria - Aliás, vão dizer que o nosso interesse
quiser. Eu lamento muito que setores tão radi- no movimento das prostitutas é exatamente esse: Ana - Eu acho que, como aconteceu no Con- Nisce Mias. Rua Toaz Andiudo, 431, C EP
cais, como os jovens marxistas da Hora do Povo, pra garantir nosso futuro. Tudo bem, estamos aí gresso, é sempre aquele negócio psicanalítico. Es- 30.000, Islo Horizoute, MG.
se'am contra a legalização do aborto. E não em e tal. Vamos ver. Seguramente, freira eu não vou sa agressividade toda corresponde a recalque, sei RAPAZ, moroso dato, olhos e cabelos
nome deles. em nome... morrer. lá, deve ser de ordem sexual. casta*bos, 2$ anos. quer se emrpcsd mis
Trevssan - Em e da Igr*? Trevisan - Só mais uma coisa: eu acho que galões pais trocar Idátas e lutures pa,-
Maria - ... De Interesses da população, que essa preocupação de vocês de repensar a prática misao.. Foto ua primou cana (rmpoadasí a
Trevisan - Como é mesmo aquela hiatérta
nem foi perguntada a respeito. do movimento, essa quebre de barreiras entre o adite a prática sexual dos .aalm chamados re-
todas). Rabiem de Carvalho. Rua V—IW-'4O
Cthla - Você ió vai saber quem é a favo, privado e o poi*lco aio é uma discussão só dos Flores, 1871201, CEP 20.000, Rio de landro
voluclosárIm?
ou contra quando a campanha estiver ai. Só imo. femlsistas. Vários movimentos ralão se dedican- Ri.
Maria - Estilo, o que acontece: eu fui na do a rediscutir a prática política. Eu me lembro PROCURO, a amt mieba hesca há
Maria - Eu não sei, mas tem urna piadinha multa necessidade de ama, e se' amada.
Jovem Pari, e si um liberal como Severo Gomos de cara, por exemplo, da sede cem que o pessoal que é assim: "Comunista, quando tem mulher, Multo me Imposta a forma carlabosa e sem-
defender brilhantemente a legalização do aborto; do grupo homossexual quer saber de feminismo; el
não tem cama; quando tem cama, não tem Ní v como voc ê pode ralaclosar-se atadgo. Se
Á o Lauro César Munir defender brilhantemente isso porque sabeis que se traia de um instruam- mulher; quando tem mulher e cama, tem que ir lisa for importante também, creu-e.. Már-
a legalização do aborto; a mesma coisa para Irene to de análise disponível, e de um trabalho de
Ravachc. Mas vou num Congresso de Mulheres, e prática nova.
Pra urna reunião do partido." (lisa) da. Caixa Postal 5.000, CEP 13.100, Cam-
lá não se tem espaço para defender a mesma as, SP,
(5,555.
Cnthia - Dai, nós vamos viver na prática.
sabe? Não adianta você deixar de colocar suas
* DISCRETO. sha. «tudaste, rapaz
de4a se coiresposder coei raposas de todo o
Brasil e e exterior (só em português) para
questões apenas por conta da suposição de que
não vai ser aprovada.
Teresa - É por isso que nunca se ousa nada.
GAY* troca de idéia.. Pede foto. Castos. Rua C.-
talunha, 200, CEP 05.329, iag.aré, São
Paulo, SP.
INTERESSANTE gaádio, 29 aios, 1,68,
"Junca se tem coragem de ousar as coisas, de falar
o que se pensa, de avançar, porque você ró Fala
**, GIRL8 55 kg, descia se corseaposder com pemosa
rtubáenie dhcrrtas, de prele'beda de bigode
em ama do que tem certeza que vai ser aprovado,
do que vai levar ao consenso, ou do que a periferia
* ou barba. Quem remate' loto aa primeira car-
quer, sei lá. E assim, você nunca joga na mesa na
discussão questões que ajudem a fazer avançar o
negocio,
A solta da revista a Copacabana
ELOINA e MARIA LEOPOLDINA an
(uni musical de travtis)
* ta terá resposta lnsnllnta. Tasalr Laip. Caixa
Postal 3.366, CEP 90.000, Porto Alegre, RS.
COLORED. 411 anos, sisal superior,
11.80m, 70 kg, discreto, amante da saturam,

*
Cvathis - Você coloca essas discussões na deseja se correspoader mis pessoas do mamo
mesa do bar, você as coloca em casa. A riqueza de
Com Theo Montenegro. SteIla Stevens - Fuglka sexo e gostos, para tutora amizade e bom
uma discussão de mesa de bar, por exemplo, à
MarlsaJoneseVerushka relacionamento. Paulo Santos. Caixa Postal
noite, num grupo de feministas, é muito maior do Atriz convidada: Nõlia Paula 1.586, CEP 20.100, Rio deJa,eli'o, Ri.
que a gente consegue na prática. muito avan- Participação dos bailarinos Édson Farn * MORENO daro, técnico-qulalco, 26
anos, 1,85m, 75 kg, procura rapazes estes-
çado. Mas a gente não consegue levar isso na e Eduardo Aliende didua, discretos, até 30 anto e emidentes no
prática: esse é que é o problema. a, 1f', 5 feiras e domingos às 21h30min. Rio. Oliveira. Caixa Posta) 1.927, CEP
Trevisan - Mas o qae significa, para você.
levar Isso na prática?
Sexta e sábados às2i 20.000, Rio delandro. RI.
Csiithla - Significa, por exemplo, num Cosi- Teatro Alaska - Posto Seis
LAMPIÃO da Esquina Página 13

**
Centro de Documentação
APPAD Il
ti., parida da tii tririadr'
Prof. Dr. Luiz Mott GRUPODIGNIDADE
CARTAS
NA MESA
R. - Estamos providenciando seta bláa nosso modelo. Por sinal que nó. astásumas
impiedoso mesmo Co público. E oborderô. Gos- precisando de mocídos homem e mulheres e
tando tai não, o Michalski, Bianco, Marinho ou kam&ase para lazer uma Inearsão aos banheiros
chegamos • convocá-los através do Jornal; mas só
Macksas, trataram o nosso trabalho com res- da lancha, R.M.; e se ela cruzar com o tal mi
.parsceram homem tnfdhm.sste, "Lampião
peito. Igualmente Adão Acosta. Meu abraço para ruiu, ele que se cuide, porque o ascêadsio que a
Alô, mulheres (1) a equipe lampiônica. menina vai fazer resultará na na imediata demit-
são. Alls. ali,. CONERI: extorsão ii pode?
não é um jornal dedicado ao@ hoenemi é apresa
um Jornal ao qual as mulheres estão hesitando
Alvaro Guimarães - Rio de Janeiro. multo em aderir.
Com INPS, Fundo de Garantia e tudo? Qual é?
R. Olha. MvIsbo, o consenso aqui du cem éo
01, gente amiga do Limpa. Ainda estou sob o tato de "À Direita do PresIdente", a
a emoção do nosso 19 EBHO; quanta verdade peça que vorá &rlgIs, são vai aUm de regular.
pintou, vocés sentiram isso? Viram a força que Mas o eipetículo é átimo! E Grudado J(IiIOS (a
existe era no~ irmãos, companheiros de luta,
m&sa que luta, vivéncial? O que eu estou queren-
.ás são Interessa sus preferência sexual) está Alô, mulheres (2) Marui Antênlo Ciragia Guimarãm
subitme, bem como o dlsfoo André Viliori.item-
A ( Palcelogo - CRP 05/2550)
do desta ver não e denunciar nada, tampouco te recomende a todos, gueit as não. E sist a Consultórios Praça Saias Pede, 45/1502,
relatar. Quero uma ajuda de socés, no sentido de alegria! TIjuca. Teleloumu 2*4-6714 - Marcar hera
movimentarmos as mulheres do Rio. Não quero Gente, aqui quem escreve não é só uma lés- dia 14 Ia 17 hora..
que vocès sejam com isso, paternalistas e sim bica, não. Eu vou falar em nome de muitas mais.
realistas... preciso de espaço no nosso único meio que Freqüentam a vida guei aquieto Niterói, e que
de comunicação iiidal, e isso vai depender de não estão satisfeitas com o jornal.
vocês. Publiquem onde acharem que merece. Só
posso contar com o sentido de coisas realizadas.. CBA explica Que machismo é esse? Um monte de coisas
que só interessam às bichas, e nada para nós, lés
por nós! bicas. Ai pinta a tal Yonne coso propostas de
Não poço que esta chamada" seja publicada reabilitar o jornal, tornando-o interessante para Aulas de Inglês
como artigo pelo simples fato de querer. vocés nós, também. Ficamos três meses esperando ,Métodos práticos
sabem da necessidade de unirmos nossas lésbicas O CBA!RJ tomou cxstheãmento de uma Tradução á-e cartas e livros
denúncia feita pelo jornal Lampo (mês de mar- noticias/entrevistas sobre mulheres e a tal guria,
num trabalho em comum. Mulheres têm que par'- e nada. Parece até jogada comercial. Criação de Tudo es Inglês
Ilcipar também. Porque deixarmos que só os ço - n° 22 - 1980) de que ocorreu um boicote ao Date Márcia
documento escrito pelo companheiro Herbert vocês. Coisas que ela escreve, que nós apoiamos, e
rapazes se movimentem? A proposta do sub- não aparece a tal entrevista. Cadê ela? Se o jornal Fase 350.1526
grupo de atividades femininas do SOMOS- RI é Eustáquio de Carvalho no II Congresso pela
Anistia realizado em novembro do ano passado continuar só com matérias de interesse masculino Manhai 350-1795 p/!
que as mulheres lésbicas dessa nossa terra se sitie milhões de fotes de homens e só uma, na ul- Rua Ohvia Mala. 1441201
unam ao que chamamos de lula em prol de todo ao Salvador. Gastaríamos de esclarecer que
quanto ao CBA."Ri não há nenhum motivo de tima folha, de uma garotinha - ffinha, por
um ideal, sinal—, nós mulheres vamos continuar boicotan-
Como lutar contra a repressão sentadas na ordem poistica ou pessoal para discriminar o
companheiro Herbert, deixado do lado de furada do o jornal de vocês.., que parece ser só para
mesa de um bar, ou na pista de bcite da moda? homens. Ou será que a tal guria perdeu a co-
Porque a acomodação? Se a desculpa era que o mesquinha e odiosa anistia parcial dada pelo
regime militar. Muito pelo contrário não só es- ragem de falara vocês?
madnstnd' dos rapazes atrapalhavam ta não Juro que vou fazer campanha contra o jornal
pode ser usada esta desculpa: Estamos com meias tamos solidários em palavras corno também em
de sermos ativistas, independendo da ventade atos eras o companheiro exilado. Herbert não es- muitas/a maioria das lésbicas andam desconten-
tes com vocês). Pó, vê se vocês tornam jato e : Gayfieira Palace
(bosaou má) de qualquer outro subgrupo.
ATIVIDADES FEMININAS é maus que uma
tá 'i5rfãd' e corno prosa disso ele constituiu corno
sua advogada aqui no Rio para cuidar do seus deixam o paiernalisrno em prol dos homens de ' Ci.. São José
' sábado Ia 23h30..
Praça Tbsdentss. Sinta e
processos na Justiça a Dra. ruia Mulkr. que é lado: só um pouquinho.
tentativa de trabalho entre, coro mulheres, é nos-
sa oportunidade de, reunindo nossos esforços, nada mais, nada menos, membro da Diretoria do Luca — Niieroi. Ri.
sermos, também, uma Força no movimento. CBA/RJ.
Pelo CRA do Ceará não podemos Falar, pois R. - Como você sal ver seita entanto pàgi.s, Cheguei. Sou Guy!
Meu convite é mais que isso' e uma intimação Lura. Yonae está convocando as lés~ atrases
para as lésbicas do Rio e adjacéncias. Quero que, desconhecíamos totalmente este fato agora de- do Lampa, para um trabalho conjunto. E a geme
no próximo, RRHO, não ejamca apenas $ or- nunciado. Devido à gravidade do fato e sua pra-
já passou sua carta pra ela, aguarde contato. A PublIcr'da4i.itL. cuida eMndeM.
ganizadas, e sim uma maioria marcante. Gente. vel exploração peles reacionárias e inimigo. da guriu lomba que saiu es pe.áltima págiaa do Com Shfrle Mos*ens(se e Marêma
• g
Anistia Ampla. Geral e Irrestrita. gcsstatlamcn de
as sei que vocês ulan naar que asa
ver publicada esta nossa carta no l..empo. es- Lampa/23 é a prápria Yosee, que acatou ser ** ****************
tição não tem muito valor, mas a gente 50 (xx%-
sue ver isso quando esta dentro do todo que to perando assim que se apague a generalização in-
nosso trabalho. Não sonho quando talo que nossa justa que se faz contra os CBA'sque estariam dis-
ma é sermos presença marcante, porque criminando atingidos pela ditadura no que diz
acredito que aquilo que a geme quer, e aquilo que respeito apenas a aspectos da vida pessoal, onde
a gente merece! Beijos mil, para a turma gostosa elemento político não deve ser confundidiz No.
desse nosso Lampião. da CBA/RJ estamos solidários com tod'ta os
Yoene Ludgrai )Subgrupo de Atividades movimentos democráticos neste pais, indusive, a
Femininas, Somoa'RJ luta das minorias por seus direitos.
R. - Youne, Nesta mesma pÃga voos vai ver Sérgio Ferreira, CBA-RJ. Jece Valaddo
que tem mulher querendo se chegar. E a gaste R - Você tem mão quanto ao perigo das
aqui raaa bi muito tempo que torce por lues generalizações. Sérgio. Mas • reação do represas- Anselmo Vasconcelos
Ateiçio .ealaai Yonne eia c4sama.dol ante do COA do Ceará quanto à preferência
senil de H&sesi no@ foi transmklde. indualve,
fiffil por gente do COA-RI, E. pra nos, não há ne-
Paulo Vilaça
nhuma dltri'mça mate esta pessoa cuarenle e na
reacionárion inimigos da anistia ampla geral e Otávio Augusto
Mas quem no ? Irrestrita". Os que fazem a luta das aliorlas
também estão solidários aias todo@ os ovlmen-
tom democráticos sente pala. Mas, mas amor, não
por Isso que vamos deixar que pessoas sexistas e
Querido Lampião: antes de tudo o mal autoritárias Infiltradas nestes movimentos ve.
aplauso pelo seu desempenho. Pelo jornalismo VIsam pisar nm nossos caio.. Nem mortas! No novo
moderno e atuante. Inteligente lambem. Mas Wme
contando coro Aguinaldo. Adão, Tresisan. Chr' a ---- -
%cstomo, Bernard& só podia dar nisso: um udomasoquist
que vale a pena! A imparcialidade Co principal
requisito ético para o exerd rio da crítica, não é'
Se é, a critica de Luiz Carlos Macid 0p VEJA n
Bicha kamikase entendido de
603) merece nova leitura. Enviei uma carta para a
ralação da tal revista que não k, nem será.
publicada. Lapso entenderá porquê. £ notário Prezados lampiônicoa: antes de mais nada António Calmon
que Maciel levou uma surra de Gracindoir, nos quero dizer da minha alegria ais ver chegar o
bastidores de A Longa Noite de CrIstal, que segundo ano de glórias do nosso jornal. Apro-
freqüentava apenas corno mando de uma atriz da vestasdo a oportunidade cia'o, mavés de vocés,
peça. E Maciel dá a maior bandeira quando
"transcreve" um comentário que registrou (sic)
apos o espetáculo. Segundo de, uma senhora na
fazer um protesto e ao mesmo tempo, um aviso,
acontece que nas Lanchas Rio'Nitercs ICONERJI
há um marujo. mulata alto e forte (infelizmente
O TORTURADOR
plateia debatia-se coro o dilema: "Gracindo Jr. é não sei o nome dele) que vem agindo como uni
ou não é gay?" E responde Maciel categórico: verdadeiro assaltante, um verdadeiro vigarista.
Aproveita qualquer demora de pessoas no ba-
Corno pode saber o critico core tanta exatidão nheiro para ameaçar de escândalo. de entregar à
a sexualidade dos atores que critica? Gostaria policia. Isso vais acontecendo com pessoas que Num certopaitropicI,
tanto de saber... EArscyé?E André Vdkméou nada tem a ver com pegaçio, para depois pedir
não é? Jorge Boelbo' E Bento? E você Maciel, dinheiro em troca do seu silêncio. Para de o a história de atguma pe**oa.s
ainda enrustido? Será que interessa ao público negócio já é uma mina de ouro, pois corre di-
assistindo Riaga Coruçies se Raul Cortes é ou nheiro grande nisso. Agora pergunto, onde anda
não é gay? Mas interessa aMaciei - e parece que a Administração da CONERJ que não vê isso? O
interessa muito, este joguinho machista de quem que faz o Dqwtamarto dc Pcal de CONERJ
é e quem não É. Coisas de tia velha em fim de para admitir no seu quadro de Funcionários uru
osrreira. sujeito desse tipo? Termino pedindo que esse
Quero deixar clara como diretor do rape aviso seja fesio coro muita força. para nosso bem e
táculo, que não pretendo me defender da critica. tranquilidade, pois o caso é serio e deplorável.
Pau muitas poças. calorosamente apoiadas pelos Para vocês, mil vitorias e muitas felicidades.
criticos especializados, foram estrondosos fracas-
aos de bilheteria. Estranha coincidência. Critico R. M. - Niterói. Ri

Página 14
LAMPIÃO da Esquina

- JL
1

**

Centro de Documentação
APPAD3*
.IS'.)CIIÇIU 1).ir.I1IeIISS'
da parida tia tu', crsidadt'
Prof. Dr. Luiz Mott GRUPODIGNIDADE
1s
nxorwa l
A

Novocabu lúrio guei


Glossirlo de termos tM,koe para bkhu e
lésbica; Interessadas em parddp.r dos
próximos *1gressos de homossexuais ml•
brancos masculinos - são criaturas simples-
mente dc.sprertveis,)
si,' a` RLÁ9:M lei PI::OW
Iltanteu, cmsio,me pesquisa feita pelo Iam- MANOI3R!SMO - Palavra cxl remamen-
plku P,*er Fr durante u 19 ElmO, em te diltcil de se definir. Parece se referir a ums
SÃO Paulo. - tentativa de manobrar as reuniões por interes-
MACHISMO - Qualquer tentativa de se se partidário. Como "autoritarismo" e
impor sobre a vontade de uma outra pessoa, machismo", é uma palavra extremamente
seja de que sexo for. Pa1a,-a extremamente tjtil para calar a boca de alguém cuja palavra
útilcorno acusação dirigida à pe.ssoa cuja nos pareça inchntoda.
palavra você quer cassar. ESPAÇO CONQUISTADO - Bares,
AUTORITARISMO - Idem machismo. saunas, boates, esquinas etc., que foram
LIDERANÇA - Idem autoritarismo. Al- tomados pelas bichas com grande sacrifício.
go a ser evitado a qualquer custo, para garan- Dois exemplos concretos: o Buraco da Maysa,
tir a continuidade da balbúrdia reinante no Rio, e o banheiro da Praça da República,
numa reunião. cm São Paulo.
CONSENSO Estado de sonolência e BICHA - Termo para designar o homos-
aborrecimento que leva as pessoas à inca- sexual masculino militante (não pode ser con-
pacidade de votar a favor ou contra qualquer fundido com a mesma palavra fora do meio
proposta concreta. militante; neste último caso, trata-se de uma
PROPOSTA CONCRETA - Este m- oiensa grave). Ê também usado por alguns
cesto se define em oposição a "proposta abs- para se referir a homossexuais de ambos os
trata" sexos; neste caso, para as lésbicas, trata-se de
PROPOSTA ABSTRATA - Este con- uma manifestação de machismo de quem o
ceito se define em contraposição a 'proposta utiliza.
concreta". HETEROSSEXUAL - Quem n&oé bicha
REPRESSÃO - Regras que são inven- ou lésbica. Pessoas extremamente perigosas,
tadas pela classe dominante, e cuja intenção é cujo maior prazer parece ser o de criar novas
nos proibir daquilo que n& queremos. formas requintadas e sutis de repressão.
DUPLA REPRESSÃO - Quando uma BISSEXUAL - Algo que não existe;
pessoa é sujeita a duas repressões. Especi- quem se diz bissexual é apenas uma bicha não
ficamaste bichas negras e mulheres homcu- assumida, com tendências ao machismo, ao
sexutis. autoritarismo. Flã quem diga, também, que o
TRIPL4 REPRESSÃO - Quando a pes- bissexualismo é apenas uma manifestação es-
soé é sujeita a três repressões. Exemplo: quizofrénica.
mulher negra homossexual. PACISMO - A palavra ideal para subs-
QUÀDRUPA REPRESSÃO - Estado de tituir "autoritarismo" e "machismo" quando
graça no qual a pessoa está sujeita a quatro sequer dar a estes insultos um peso histórico.
repressões. Exemplificando: bicha negra É como se um heterossexual, em vez de
homossexual gorda. (N.B. - As pessoas que chamar um homossexual de "bicha", pre-
somam o maior número de repressões gosam ferisse diser "sodomita".
de altissimo statu e são a inveja dos que têm GRUPO ORGANIZADO - Eufemismo
matos; aqueles que não sofrem qualquer tipo para se referir a certas herdas desorganizadas
de repressão - é o caso do. heterossexuais que vêm se alastrando pelo pais.

............
Imaginem a Galeria Alaska no seu ritmo
de 'Saturday Night Feve r".Na entrada da Av.
Atlântica um bando de michês envelhecidos e
mais ou menos maltrapilhos tentando pegar
algum turista distraído. Na outra extremi-
dade, a carne fresca, recém-chegada do Rio
Grande do Sul, Santa Catarina e Argentina,
se oferecendo com aquele despudor e a sem-
vergonhice da inocência. No centro, a coo-
fusão da fila do Teatro Alaska, com casais de
todos os sexos possíveis fazendo força para ver
"Gay Giris". Não seria nada demais aquele
rosto ansioso e afogueado no meio da mui.
tidão, caçando a todo vapor, se não fosse o
"Kappi", o chapeuzinho que os judeus or-
todoxos usam sempre, na cabeça. Com essa
primeira aparição do "Kappi" na Alaska, es-
pera-se para breve a formação de um sub-
grupo de Meus ortodoxos num dos grupo,
homossexuais do Rio.

Valtincis, o rapaz ii da foto, é um dou


atores do inquietante grupo teatral pernam-
bucano denominado Vlvencial Dlwrslones.
f
Ele esli no Rio atualmente, com um .show
presto e acabado, à espera de um produtor
inteligente que o contrate. O show é da pe-
sada, daqueles de fazer as bichas da nilcagem
(as dubiadoras)àntar de despeito (pelo amor
dexDeus, bichas?! Vamos parar com essa his-
tésia de dublagem, falem e cantem por si
prúprlast).Quem se habilita? AJO, ali), Luis
Garcia, Adão Acosta e outros que tais: Vai.
linda está disposta a mostrar, num palco as
mil hora, que nem todos os anjos são azuis,
Numa entrevista à revista Play -
Boy na qual reafirma todos os seus ............
conceitos de machão empedernido, o "A todos os htwnossexuais da Bahia": é

RO
cartunista Ziraldo saiu-se com uma assim que começa um apnfleto distribuído
novidade: diz que nunca,masnua
mesmo, deu uma brochada; quer
dizer, funcionou sempre a tempo e a
recentemente em Salvador, no qual um grupo
de homossexuais daquela cidade prega a
necessidade de formação de grupos para
NR1
"colaborar de maneira organizada" com a UREIRQ
hora, para (suposta) alegria de suas luta dos homossexuais que vem tomando cor- MPOGRANL
parceiras. Comentário de Rafaela po em todoo país. O panfletoé ótimo, bastan-
Mambaba ao ler a entevista: "Eu sei
porque ele nunca brochou; é por
causa daquela timose horrorosa; ela
te deflagrador, e termina com uma advertên-
cia importantíssima: "No momento, esta é a
nossa política. Não é política partidária,
UNTH RQ ÇflFlDJflflQ
11111,10F91,95.MERITI.
PIWILHAQ
,4O1IICIMtU -
NEM LUTA PELA TOMADA DO PODER":
o mantém permenentemente ou- É isso aí, moçada baiana; LAMPIÃO esta
riçado",, La Mambaba sabe das aqui mesmo, à espera de um contato mais
coisas... imediato com vocês. Contem com a gente.


LAMPIÃO da Esquina Pág wU 15

**
Centro de Documentação
APPADir
da parada da divrrisl.id
Prof. Dr. Luiz Mott GRUPODIGNIDADE
L

Sartre para todos os gostos


Há, em Sartre. Sartres para todos os gostos - fim se abre, procurando ac'srradamente, no gitive resistente, arriscando a cabeça com co- E pensar que tudo isso, como volume de obra,
ou desgostos dos que pretendem renunciar ao inacabável e complexo raciodnio da Critiqu, de ragem exata, calma, o homem que náo acreditava equivale a menos de um décimo do que produziu
pelo da liberdade. Pode-se esher o que cai os Ia r~ diaiscelque, se responder como de fato no amor e não só viveu amando como, com Si- no ensaio, filosófico. crítico. •política, biográfi-
que nos agradem mais, penso que como em funciona a praxis dialética, ao mesmo tempo au mone, o casamento inciciaJ mais solidário e ins- co... haja homem! E o escritor, o artista da
nenhum outro rsctnor, e sem por certo nio é o que vai soando as clarinadas da artigos de de- pirador de sua época. Há mais. E ainda a obra. palavra, acudiu sempre ao inumerável que esse
menor sinal da sua grandeza. núncia, dum pata inéditos porque o político nela Em teatro, começa pela obra-prima que é Lu hosnan quis ver e viu, pois fazer e fez. Tanto que
Há o menino, o Sarire dsepojado e dai tio desperta o posta. Passa assim aos poucos o eis- asechos, dum tipo bem fran, todo apoiado no
o número de suas páginas criadoras como expra-
pungente, de Lis mesa, moralista e apilcadoocem tencialista a se responsabilizar nada menos do diálogo, em prosa se diria para poda- aperfeiçoar são, resultou sem dúvida mala' ao se dispor
um adulto, à mercé da psixio deuzbitada da in- que pelo mundo, protestando por si e os redatora a unidade do próprio eleito pobtiock Alguns apenas a pensar do que quando dellbe'adamante
finda, e que vai se encaixando na realidade a- de sua revista, Lu ts.ps =dama, contra as in- Olraudouz, Lá iIsdom isps6i'sat tas aag atou.
tislor e da própria maduras sem diminuir orit- justiças em curso, ocorram onda no, de Montherlant é que no gIsero se aproxima,
mo passional, através doa a de uma longa e E há, sempre, o Saitre disposto a saber tudo catre os cocrtanposmnetx, dessa realização mala.
trabalhada exiatincis. Há discasses, cercado de do homem, num desvelantaito ininterrupto e que Logo, a perfeita maquinada ±rica de La patale Que Sartre escolher? Oaria de ficar mm
ou'intes, animado e fino como os feia desend. o hábito do método fenomendógico faz passar r,ctame. e de Hlus eles e depois as peças que um pouco de cada um deles, pois mais que um
em para cativar, e que, apelar da plena ligaçio por ele mesmo. Da perspectiva existencial, tenta exaurem o próprio tema, Lu meIs ..1., La pouco iria decerto além da minha cultura e há
com uma mulher omuo SImone rapaz de seda' p& a ordem da razão no freiidismo co resultado é Dialde et Is Boa Disa, onde Goeir, nova projeção que admirar au cada aventura criativa dome
taxes as ma variadas exigdaa de um homem, uma psicanálise nova que chama de alstqudsl. do autor como o Oreste de Lu -~ também que se identificou mm o humano à vista, levado
cm pensamento, Istras, pciltia, em ram e na Menos viável socialmente pelo que exige de mia- a enfrentar o problema do bem e do mal ou da por urna insaciável sede de verdade e humanidade
rua, admite que nunca superou o apelo das fáceis, inação e lucidez, em psicanálise chega a ser no ação humana, mostra como o autor, no tempo que é enfim o melhor também na gente. E quanto
indo regularmente dormir com alguma. Há o entanto mais provável que a freudiana quando decorrido, fincou a pés na terra, Lu u'g-iseas a mim, de deu mais que incelvos de admiração,
generoso, que recusou a boisda do Nobel por manejada por seu fundada', mmo aos estudos d'Miou, e os brilhantes, traglobmicos Ksea e deu razões de viver. Atraído emno da pelo Ab-
principia antiburgusees e que andava com mon- biográficos que publicou sobre Baudelaire, Nslcras,o'r. É um mundo, embora um tanto par- soluto, dentro da herança religiom ainda forte eia
to de dinheiro no bdao, indiferente aos riscos e Gaiet, Flaubert. Nos anos 50, da parecia mesmo tii,'ular, ou demasiado mitriano para o teatro minha geração, foi diante do sai exemplo que
distribuindo as mames gorjetas de Paria, e que rapaz de renovar por dentro psicanálise, mmo a universal. Mas não é forçoso cderá-Io o marca- pude dar o árduo passo para superar ais enfim
financiava a quem lhe batesse 1 prata, se achasse partir da década anterior o existencialismo, cem draniartugo do tempo, como tem acontecido, es- egotismo, por sublime que piras nos pare.
justo o pedido. grande pane pelo influxo da obra sartriana, pedalmarte se levando em conta, para começar, Com de também me vi na juventude linz e em-
Há aquele cuja glória nunca altercai a inc*fis- renovara a literatura mundial. Depois, podendo que outras peças da época - de Brscht, Becheit, ponsável e mmo o homem do Exbtai'1 ~ ai
tia, como se orgulho e vaidade desaparecessem ser trocada em miúdos sem perder a eletividade, a Ioéesco, Miliar, Williams - mantém melhor sai un hu--i—'s, votado á ação como o esminho
sob a constante obrigaçio de servir, como um enorme instituição freudians estabelaida acabou oribinal poder de atração. O que tem de se re' real para ser, e tenho a idéia de que por imo oe.'
unto, e omtamente mais que a malaia dos prevalecendo, o que não está mal, por setratarde conhecer é que ele foi de fato um homem de paço que abri à liberdade foi maior. Depois, me
canonizados. E há, no santo, a de se elperar ira urna instüuiçiocrcsoentemaite aberta. teatro, atou consistentes perionageas em cenas distanciei um pouco de sua obre na medida em
sagrada mm que Investe contra o mesquinho e.- Nem estranha a dificuldade porque o homem, vivas, por saber armar um diálogo falável e Ia- que as realidades brutais do capitalismo me -
pinto burgubi, a tiranos, os aproveladorse, os quando começava a pensar, não se detinha, oque cluindo um pensamento e uma poesia cuja mm- dudam a uma visão social de cunho marxista. De
impiedosos. Se em polnlcas sobre sua obra, nem aliás repraarta uma questão de status para os pletidade - vejam-se a temos filosifloos - só mudo que foi uma felicidade deparar mm a mes-
sempre é polido é inala por uma questio de tom fllios. Ele conta que escrevia fácil, a qualquer gémo lco saberia reduzir. Suas peças são por ma direção no prefácio da li D1mLtu..
local; numa paulo cultural lnmmum entre a&, hora o lugar, sais unos de pensamento, Heideg- dose exprimir inteiro udas, pais, de outra forma, Postaimmmte, constatando os limita de~
a europeus, quando discutem, é pra valer mas ta. para manter a autenticidade do posmi, soariam falsas, não sa-iam. E ele foi tudo o ____ da prática socialista mmo mi medo
eie, mamo se deixando levar, nio chega à pretendia e~a como pensava, o que, se que foi, ao mente quanto à grandosa emaa peças imposta • urgáscia de penar tudo de noso, lá e.-
imodéstis. Há o faminto do Absoluto que, ra- prenom a poesia do primeiro jato, perde a cla- não temem confrontos. ta la de, mi uxe na brida, um de* primeirca
cicoalmente obrigado a deelatir da Dais, chega Is reza que só urna boi arTumsçio dá. Sarire, um ofI4Etss a ositicaro I&m ja5ia3 pua
a
No narrador, a obra-prima são as novelas de
fórmulas dum absolutismo assustador de L'ki. se pouco na mesma, tem p*giau de verdadeiro Lesear, embora La Is pema se fazer admirar salvar para o homem asa esperança- aserisáris.
1@ m~ como a que pretende medir o valor dos pare radonante, ainda que sem perder a datas ainda mais pela sutil riqueza com que pinta o Emi, enfIm, ornou Sitie, que sei não é
proista humana pela autenticidade sem levir
em conte o deito social, os a que demo o ho-
como o outro. Mas bem que se teria preferido que
buscasse ser, fraameute, mais sintético e
pr'agem.tema existencial. Mas em parte pelo
cunha de desamparo e rejeição, o Uno é das e
prodis ser ode todos, jáqu.a
e doa é-pesa lripém
ti~ 4.sua vida
El&
mim como "mia a o latr, p~ quer mi arremedo. Pa: mi, ' mi menos respirável. O brilho das nardas rrge buscou a verdade e o bem sem o
e existir ao mesmo tempo, visando ao tomar o a~ touros de iltuedma (ara outros sem dávida nos trás longos mmanem dos C'bu dais de não se contradizer. Onde viahambasae, o cato
Deus que aio pode enquanto homem, ou . mais a =trem, se não já) primam pele organisaçio. sê, especialmente ao primeiro Algo porém pesa ou o errado, já o estava dizendo mm o verbo
popular, em lieb eles "o lel.miuio se Mas afinal tudo se redime pelo estilo, um estilo de neles, devido ás manifestas intaições de forma e magistral, cujo aplásdido excaao o levou além
• que, se é cato palic mam - as mestre, com um poda- persuasno que mi da cer- direção narrativa, até certo ponto em contraste da crítica, às famas ditas criadoras e, na atira,
asnos do iassb a . penaffie& da, teza e capaz de resumos e baia que empolgam com a espontaneidade que tão bem defendeu para à criaçio. Diria mano quea mais ampla lição de
Há eme inquietante herel existencialista, mmo verso. o romance no artigo sobre Maurlac que marcou sua busca, e a mais oportuna na medida au que
autorizado pela devastação da Guerra, e bá, cose data na crítica. Repegar Li aver é mitar ao Inicial as sociedades atuais tendem a cdofr o indidduo
E há mais Satiros. O repórter-poeta dos textos deslumbramartoç um pouco menos, La uaés já no homem, está em dstrar ao que pode
cx anos, sua descida à pcltica como democrata e scbr Nova Iorque, o Inovada' tda'lco e alticoda
humanista. Como Man, a aip pu n''to - _ a Ch~ soam d-» -do os o datados, chegar alguém disposto que a* em sua liberdade.
literatura, o aprisionado peles • mies e o tu- fáceis do largar. Pas.In Il.&'.. WL

-- -a------r-t--rn---- - -- -

* '*- _ —

Centro de Documentação
k
APPAD Prof. Dr. Luiz Mott GRUPODUGNIDADE