Vous êtes sur la page 1sur 77

SISTEMA ARTICULAR

AULA 03
01/09/2016
SISTEMA ARTICULAR
INTREGRANTE DA PARTE INATIVA DO SISTEMA LOCOMOTOR

PARTE INATIVA
 SISTEMA ESQUELÉTICO
 SISTEMA ARTICULAR
SISTEMA ARTICULAR
1. CONSIDERAÇÕES GERAIS
• Os termos articulações ou
junturas significam a mesma
coisa.
• A juntura tem a função de manter
unidas duas ou mais partes
ósseas que entram em contato.
SISTEMA ARTICULAR
2. CLASSIFICAÇÃO DAS ARTICULAÇÕES
São classificadas dependendo do
elemento que se encontra entre os
ossos, sendo assim, classificados
em:
• Fibrosas (Sinartrose)
• Cartilagíneas (Anfiartrose)
• Sinoviais (Diartrose)
SISTEMA ARTICULAR
2. CLASSIFICAÇÃO DAS ARTICULAÇÕES
São classificadas dependendo do
elemento que se encontra entre os
ossos, sendo assim, classificados
em:
• Fibrosas (Sinartrose)
• Cartilagíneas (Anfiartrose)
• Sinoviais (Diartrose)
SISTEMA ARTICULAR
2. CLASSIFICAÇÃO DAS ARTICULAÇÕES
São classificadas dependendo do
elemento que se encontra entre os
ossos, sendo assim, classificados
em:
• Fibrosas (Sinartrose)
• Cartilagíneas (Anfiartrose)
• Sinoviais (Diartrose)
SISTEMA ARTICULAR
3. ARTICULAÇÕES FIBROSAS
• Responsável pela união dos ossos é o tecido fibroso;
• O termo fibroso já dar a ideia de rigidez;
• Elas não possuem mobilidade;
Dependendo da forma como as superfícies ósseas entram em
contato, as junturas fibrosas se dividem em: sutura, sindesmose
e gonfose.
SISTEMA ARTICULAR
3.1. SUTURA
• Significa costura;
• Encontra-se maior parte das junturas do crânio;
• Pequena quantidade de tecido fibroso;
• Com o avanço da idade, as suturas são substituídas por tecido
ósseo (Sinostose);
• Na Medicina Legal, a quantidade de tecido fibroso permite ao
legista identificar a idade aproximada do crânio.
SISTEMA ARTICULAR
3.1. SUTURA
A quantidade de tecido fibroso BREGMA

encontrado no recém-nascido é
exuberante, e tem a função de gerar uma
flexibilização do crânio ao passar no canal
do parto. As fontanelas (“moleiras”),
persistem durante os primeiros meses de Através da sua
palpação é possível
vida do bebê verificar o grau de
desidratação da
criança
SISTEMA ARTICULAR
SUTURA PLANA (OU RETA)
• Quando as margens ósseas são lisas e lineares.

Sutura palatina mediana

Sutura internasal
SISTEMA ARTICULAR
SUTURA ESCAMOSA
• Quando um dos ossos que
se articula apresenta a
forma de escama, ficando
“montado” sobre o outro
osso.

Sutura temporoparietal

Sutura parieto-occiptal
SISTEMA ARTICULAR
SUTURA SERRÁTIL
• Quando as superfícies
ósseas são semelhantes
aos dentes de uma serra

Sutura interparietal

Sutura frontoparietal
SISTEMA ARTICULAR
SUTURA ESQUINDILESE
• Quando uma margem, da
sutura se aloja dentro de
uma fenda. A única que
existe fica entre a base do
vômer e uma crista no
corpo do esfenoide.
Sutura esfenovomeral
SISTEMA ARTICULAR
3.2. SINDESMOSE
A presença de tecido
em algumas junturas,
fora do crânio, serve
apenas para conectar
firmemente os ossos.

Membrana interossea

Juntura Tibiofibular distal


SISTEMA ARTICULAR
3.3. GONFOSE
Não é na verdade uma
juntura, já que a união se
processa entre o dente e o
osso alveolar da
mandíbula ou da maxila,
apesar do dente, ser um
osso modificado.
O tecido que une a raiz do Juntura Dento-alveolar
dente ao osso alveolar é o
cemento.
SISTEMA ARTICULAR
4. ARTICULAÇÕES CARTILAGÍNEAS
• São aquelas em que o tecido entre os ossos é cartilagem.
Podendo a mesma ser cartilagem fibrosa (fibrocartilagem) ou
cartilagem hialina;
• Podem apresentar um grau reduzido de movimento,
denominadas de semimóveis;
• São subdivididas em: sínfise e sincondrose
SISTEMA ARTICULAR
4.1. SINCONDROSE
• Os ossos de uma articulação
do tipo sincondrose estão
unidos por uma cartilagem
hialina. Muitas sincondroses
são articulações temporárias,
com a cartilagem sendo
Sincondrose
substituída por osso com o costoesternal
passar do tempo (isso ocorre
em ossos longos e entre
alguns ossos do crânio).
SISTEMA ARTICULAR
4.2. SÍNFISE
• As superfícies articulares dos ossos
unidos por sínfises estão cobertas por
uma camada de cartilagem fibrosa.
Entre os ossos da articulação, há um
disco fibrocartilaginoso, sendo essa a
característica distintiva da sínfise. Esses
discos por serem compressíveis
permitem que a sínfise absorva Sínfise púbica
impactos.
SISTEMA ARTICULAR
5. ARTICULAÇÕES SINOVIAIS
• Não existe tecido interposto entre os ossos que se articulam;
• Entre as articulações existe uma substancia gelatinosa
chamada sinóvia que tem a função de lubrificação;
• A união entre os ossos é de responsabilidade da cápsula
articular;
• Executam movimentos amplos, e são denominada de junturas
móveis;
SISTEMA ARTICULAR
5.1. ELEMENTOS DA ARTICULAÇÃO SINOVIAL
• CÁPSULA ARTICULAR • Externamente: Membrana fibrosa
• SINÓVIA que reveste a juntura sinovial,
fundindo-se com o periósteo;
• CAVIDADE ARTICULAR
• Internamente: Revestida pela
• CARTILAGEM ARTICULAR
membrana sinovial, que é
• LIGAMENTOS responsável pela fabricação da
• MENISCOS sinóvia.
SISTEMA ARTICULAR
5.1. ELEMENTOS DA ARTICULAÇÃO SINOVIAL
• CÁPSULA ARTICULAR
• SINÓVIA
• CAVIDADE ARTICULAR
• CARTILAGEM ARTICULAR
• LIGAMENTOS
• MENISCOS
SISTEMA ARTICULAR
5.1. ELEMENTOS DA ARTICULAÇÃO SINOVIAL
• CÁPSULA ARTICULAR • Material gelatinoso que banha o
• SINÓVIA interior da cavidade articular
• CAVIDADE ARTICULAR
• CARTILAGEM ARTICULAR
• LIGAMENTOS
• MENISCOS
SISTEMA ARTICULAR
5.1. ELEMENTOS DA ARTICULAÇÃO SINOVIAL
• CÁPSULA ARTICULAR
• SINÓVIA
• CAVIDADE ARTICULAR
• CARTILAGEM ARTICULAR
• LIGAMENTOS
• MENISCOS SINÓVIA
(Líquido sinovial)
SISTEMA ARTICULAR
5.1. ELEMENTOS DA ARTICULAÇÃO SINOVIAL
• CÁPSULA ARTICULAR • Espaço intracapsular, circundado
• SINÓVIA pela cápsula articular
• CAVIDADE ARTICULAR
• CARTILAGEM ARTICULAR
• LIGAMENTOS
• MENISCOS
SISTEMA ARTICULAR
5.1. ELEMENTOS DA ARTICULAÇÃO SINOVIAL
• CÁPSULA ARTICULAR
• SINÓVIA
• CAVIDADE ARTICULAR
• CARTILAGEM ARTICULAR
• LIGAMENTOS
• MENISCOS
SISTEMA ARTICULAR
5.1. ELEMENTOS DA ARTICULAÇÃO SINOVIAL
• CÁPSULA ARTICULAR • Cartilagem de revestimento das
• SINÓVIA superfícies ósseas que se articulam.
• CAVIDADE ARTICULAR
• CARTILAGEM ARTICULAR
• LIGAMENTOS
• MENISCOS
SISTEMA ARTICULAR
5.1. ELEMENTOS DA ARTICULAÇÃO SINOVIAL
• CÁPSULA ARTICULAR
• SINÓVIA
• CAVIDADE ARTICULAR
• CARTILAGEM ARTICULAR
• LIGAMENTOS
• MENISCOS
SISTEMA ARTICULAR
5.1. ELEMENTOS DA ARTICULAÇÃO SINOVIAL
• CÁPSULA ARTICULAR • Os ligamentos reforçam as
• SINÓVIA articulações, impedindo
movimentos anormais.
• CAVIDADE ARTICULAR
• CARTILAGEM ARTICULAR
• LIGAMENTOS
• MENISCOS
SISTEMA ARTICULAR
5.1. ELEMENTOS DA ARTICULAÇÃO SINOVIAL
• CÁPSULA ARTICULAR Extracapsulares

• SINÓVIA
• CAVIDADE ARTICULAR
• CARTILAGEM ARTICULAR
• LIGAMENTOS
• MENISCOS
Intracapsulares
SISTEMA ARTICULAR
5.1. ELEMENTOS DA ARTICULAÇÃO SINOVIAL
• CÁPSULA ARTICULAR • Ou discos, são estruturas que se
• SINÓVIA localizam dentro de algumas de
algumas junturas sinoviais e entre
• CAVIDADE ARTICULAR os ossos que se articulam.
• CARTILAGEM ARTICULAR • Função principal: Permitir melhor
• LIGAMENTOS adaptação entre as superfícies
ósseas que se articulam,
• MENISCOS proporcionando maior estabilidade
e também, amortecimento.
SISTEMA ARTICULAR
5.1. ELEMENTOS DA ARTICULAÇÃO SINOVIAL
• CÁPSULA ARTICULAR Meniscos do joelho Disco da ATM
• SINÓVIA
• CAVIDADE ARTICULAR
• CARTILAGEM ARTICULAR
• LIGAMENTOS
• MENISCOS
SISTEMA ARTICULAR
6. CLASSIFICAÇÃO MORFOLÓGICA DAS ART. SINOVIAIS
• PLANA • Quando as superfícies ósseas que
• GÍNGLIMO se articulam são planas ou
ligeiramente curvas.
• TROCÓIDEA
• SELAR
• CONDILAR
• ESFERÓIDEA
SISTEMA ARTICULAR
6. CLASSIFICAÇÃO MORFOLÓGICA DAS ART. SINOVIAIS
• PLANA
• GÍNGLIMO
• TROCÓIDEA
• SELAR
• CONDILAR
• ESFERÓIDEA
SISTEMA ARTICULAR
6. CLASSIFICAÇÃO MORFOLÓGICA DAS ART. SINOVIAIS
• PLANA • Se dobra em um único sentido;
• GÍNGLIMO • Semelhante a uma dobradiça;
• TROCÓIDEA • Possui um único eixo de movimento;
• SELAR • Movimento de flexão e extensão.
• CONDILAR
• ESFERÓIDEA
SISTEMA ARTICULAR
6. CLASSIFICAÇÃO MORFOLÓGICA DAS ART. SINOVIAIS
• PLANA
• GÍNGLIMO
• TROCÓIDEA
• SELAR
• CONDILAR Articulação do Articulação do
• ESFERÓIDEA cotovelo joelho
SISTEMA ARTICULAR
6. CLASSIFICAÇÃO MORFOLÓGICA DAS ART. SINOVIAIS
• PLANA • Quando tem forma de cilindro;
• GÍNGLIMO
• TROCÓIDEA
• SELAR
• CONDILAR
• ESFERÓIDEA
SISTEMA ARTICULAR
6. CLASSIFICAÇÃO MORFOLÓGICA DAS ART. SINOVIAIS
• PLANA
• GÍNGLIMO
• TROCÓIDEA
• SELAR
• CONDILAR
• ESFERÓIDEA
SISTEMA ARTICULAR
6. CLASSIFICAÇÃO MORFOLÓGICA DAS ART. SINOVIAIS
• PLANA Enquanto uma das superfícies se
• GÍNGLIMO assemelha a uma sela (convexidade),
a outra superfície tem formato
• TROCÓIDEA
côncavo.
• SELAR
• CONDILAR
• ESFERÓIDEA
SISTEMA ARTICULAR
6. CLASSIFICAÇÃO MORFOLÓGICA DAS ART. SINOVIAIS
• PLANA
• GÍNGLIMO
• TROCÓIDEA
• SELAR
• CONDILAR
• ESFERÓIDEA
SISTEMA ARTICULAR
6. CLASSIFICAÇÃO MORFOLÓGICA DAS ART. SINOVIAIS
• PLANA Quando uma das extremidades que se
• GÍNGLIMO articula tem formato de côndilo
(convexa e oval entre dois ossos).
• TROCÓIDEA
• SELAR
• CONDILAR
• ESFERÓIDEA
SISTEMA ARTICULAR
6. CLASSIFICAÇÃO MORFOLÓGICA DAS ART. SINOVIAIS
• PLANA
• GÍNGLIMO
• TROCÓIDEA
• SELAR
• CONDILAR
• ESFERÓIDEA
SISTEMA ARTICULAR
6. CLASSIFICAÇÃO MORFOLÓGICA DAS ART. SINOVIAIS
• PLANA Quando uma das extremidades que se
• GÍNGLIMO articula tem formato de côndilo
(convexa e oval entre dois ossos).
• TROCÓIDEA
• SELAR
• CONDILAR
• ESFERÓIDEA
SISTEMA ARTICULAR
6. CLASSIFICAÇÃO MORFOLÓGICA DAS ART. SINOVIAIS
• PLANA
• GÍNGLIMO
• TROCÓIDEA
• SELAR
• CONDILAR
• ESFERÓIDEA
a
SISTEMA ARTICULAR
Plana

Sutura Escamosa
Fibrosas Sindesmose Serrátil
Gonfose Plana
Esquindilese Gínglimo
Classificação Trocoidea
Sinoviais
Morfológica Selar
Componentes Condilar
articulares Cápsula articular
Esferoidea
Sinóvia
Cavidade articular
Sincondrose Cartilagem articular
Cartilagíneas Ligamentos
Sínfise Meniscos
SISTEMA ARTICULAR
7. TIPOS DE MOVIMENTO
DESLIZAMENTO • Movimento de acomodação
EXTENSÃO / FLEXÃO das extremidades
ADUÇÃO / ABDUÇÃO
ROTAÇÃO MEDIAL / ROTAÇÃO
LATERAL
SUPINAÇÃO / PRONAÇÃO
SISTEMA ARTICULAR
7. TIPOS DE MOVIMENTO
DESLIZAMENTO
EXTENSÃO / FLEXÃO
ADUÇÃO / ABDUÇÃO
ROTAÇÃO MEDIAL / ROTAÇÃO
LATERAL
SUPINAÇÃO / PRONAÇÃO
SISTEMA ARTICULAR
7. TIPOS DE MOVIMENTO
DESLIZAMENTO
EXTENSÃO / FLEXÃO
ADUÇÃO / ABDUÇÃO
ROTAÇÃO MEDIAL / ROTAÇÃO
LATERAL
SUPINAÇÃO / PRONAÇÃO
SISTEMA ARTICULAR
7. TIPOS DE MOVIMENTO
DESLIZAMENTO
EXTENSÃO / FLEXÃO
ADUÇÃO / ABDUÇÃO
ROTAÇÃO MEDIAL / ROTAÇÃO
LATERAL
SUPINAÇÃO / PRONAÇÃO
SISTEMA ARTICULAR
7. TIPOS DE MOVIMENTO
DESLIZAMENTO
EXTENSÃO / FLEXÃO
ADUÇÃO / ABDUÇÃO
ROTAÇÃO MEDIAL / ROTAÇÃO
LATERAL
SUPINAÇÃO / PRONAÇÃO
SISTEMA ARTICULAR
7. TIPOS DE MOVIMENTO
• CIRCUNDAÇÃO
• FLEXÃO PLANTAR / FLEXÃO
DORSAL DO PE
• INVERSÃO / EVERSÃO
• PROTAÇÃO / TERAÇÃO
• DEPRESSÃO / ELEVAÇÃO
SISTEMA ARTICULAR
7. TIPOS DE MOVIMENTO
• CIRCUNDAÇÃO
• FLEXÃO PLANTAR / FLEXÃO
DORSAL DO PE
• INVERSÃO / EVERSÃO
• PROTAÇÃO / TERAÇÃO
• DEPRESSÃO / ELEVAÇÃO
SISTEMA ARTICULAR
7. TIPOS DE MOVIMENTO
• CIRCUNDAÇÃO
• FLEXÃO PLANTAR / FLEXÃO
DORSAL DO PE
• INVERSÃO / EVERSÃO
• PROTAÇÃO / TERAÇÃO
• DEPRESSÃO / ELEVAÇÃO
SISTEMA ARTICULAR
7. TIPOS DE MOVIMENTO
• CIRCUNDAÇÃO
• FLEXÃO PLANTAR / FLEXÃO
DORSAL DO PE
• INVERSÃO / EVERSÃO
• PROTAÇÃO / RETRAÇÃO
• DEPRESSÃO / ELEVAÇÃO
SISTEMA ARTICULAR
7. TIPOS DE MOVIMENTO
• CIRCUNDAÇÃO
• FLEXÃO PLANTAR / FLEXÃO
DORSAL DO PE
• INVERSÃO / EVERSÃO
• PROTAÇÃO / TERAÇÃO
• DEPRESSÃO / ELEVAÇÃO
SISTEMA ARTICULAR
8. CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL DAS ART. SINOVIAIS
• MONO-AXIAL • Quando executa apenas um
• BI-AXIAL eixo de movimento.
• TRI-AXIAL (poli axial ou multiaxial)
SISTEMA ARTICULAR
8. CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL DAS ART. SINOVIAIS
• MONO-AXIAL • Quando executa dois eixos de
• BI-AXIAL movimento
• TRI-AXIAL (poli axial ou multiaxial)
Flexão / Extensão Adução / Abdução
SISTEMA ARTICULAR
8. CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL DAS ART. SINOVIAIS
• MONO-AXIAL • Quando executa mais de dois
movimentos.
• BI-AXIAL
• TRI-AXIAL (poli axial ou multiaxial) Exemplo: Junturas do ombro e do
quadril

Flexão e Extensão
Adução e Abdução
Rotação medial e lateral
SISTEMA ARTICULAR
8. CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL DAS ART. SINOVIAIS
Rotação

• MONO-AXIAL Lateral Medial

MOVIMENTO DO QUADRIL
• BI-AXIAL
• TRI-AXIAL (poli axial ou multiaxial)
Abdução Adução

MOVIMENTO DO OMBRO
Flexão / Extensão Abdução / Adução Rotação medial / lateral
Extensão Flexão
SISTEMA ARTICULAR
8. IMPORTÂNCIA PRÁTICA
• A preservação de uma boa articulação é uma das condições
mais importantes para o bom desempenho do movimento.
• O conhecimento de algumas patologias articulares pelo
profissional de Educação Física pode facilitar uma conduta
inicial nos traumas articulares.
SISTEMA ARTICULAR
8. IMPORTÂNCIA PRÁTICA
• CONTUSÃO • Trauma produzido por instrumento
• EDEMA TRAUMÁTICO contundente que poderá produzir
desde um edema até uma ferida
• ARTRITE
contusa.
• ARTROSE
SISTEMA ARTICULAR
8. IMPORTÂNCIA PRÁTICA
• CONTUSÃO • Inchaço que aparece no local do
• EDEMA TRAUMÁTICO trauma minutos após o mesmo ter
ocorrido. A melhor conduta é colocar
• ARTRITE
gelo.
• ARTROSE
SISTEMA ARTICULAR
8. IMPORTÂNCIA PRÁTICA
• CONTUSÃO • Consiste na inflamação da articulação.
• EDEMA TRAUMÁTICO Poderá ter origem em doenças
sistêmicas (Ex: Doença reumática) ou
• ARTRITE
ser resultante de traumas repetitivos
• ARTROSE da articulação.
SISTEMA ARTICULAR
8. IMPORTÂNCIA PRÁTICA
• CONTUSÃO
• EDEMA TRAUMÁTICO
• ARTRITE
• ARTROSE
SISTEMA ARTICULAR
8. IMPORTÂNCIA PRÁTICA
• CONTUSÃO
• EDEMA TRAUMÁTICO
• ARTRITE
• ARTROSE
SISTEMA ARTICULAR
8. IMPORTÂNCIA PRÁTICA
• CONTUSÃO • É a fibrose da articulação, levando ao
• EDEMA TRAUMÁTICO “endurecimento” dos movimentos.
• ARTRITE • A artrite repetitiva poderá levar a
• ARTROSE artrose.
SISTEMA ARTICULAR
8. IMPORTÂNCIA PRÁTICA
• CONTUSÃO
• EDEMA TRAUMÁTICO
• ARTRITE
• ARTROSE
SISTEMA ARTICULAR
RESUMÃO
C R Â NI O
IDENTIFICAR A
ARTICULAÇÃO
JUNTURA SERRÁTIL
JUNTURA ESCAMOSA
JUNTURA RETA

CLASSIFICAR A
ARTICULAÇÃO
SUTURA FIBROSA SERRÁTIL
SUTURA FIBROSA ESCAMOSA 1. Entre os ossos parietais
SUTURA FIBROSA RETA 2. Entre os ossos parietais e o osso
frontal
C R Â NI O
IDENTIFICAR A
ARTICULAÇÃO
JUNTURA SERRÁTIL
JUNTURA ESCAMOSA
JUNTURA RETA

CLASSIFICAR A
ARTICULAÇÃO
SUTURA FIBROSA SERRÁTIL
1. Entre o osso temporal e o osso
SUTURA FIBROSA ESCAMOSA parietal
SUTURA FIBROSA RETA 2. Entre o osso temporal e o osso
occipital
C R Â NI O
IDENTIFICAR A
ARTICULAÇÃO
JUNTURA SERRÁTIL
JUNTURA ESCAMOSA
JUNTURA RETA

CLASSIFICAR A
ARTICULAÇÃO
SUTURA FIBROSA SERRÁTIL
SUTURA FIBROSA ESCAMOSA
SUTURA FIBROSA RETA
1. Entre o osso nasal
T R O NC O
IDENTIFICAR A
ARTICULAÇÃO
SÍNFISE PÚBICA
SÍNFISE INTERVERTEBRAL

CLASSIFICAR A
ARTICULAÇÃO
CARTILAGEM FIBROSA DA SÍNFISE PÚBICA
RÍGIDA
CARTILAGEM FIBROSA DA SÍNFISE INTERVERTEBRAL
CARTILAGEM FIBROSA
T R O NC O
IDENTIFICAR A
ARTICULAÇÃO
SÍNFISE PÚBICA
SÍNFISE INTERVERTEBRAL

CLASSIFICAR A
ARTICULAÇÃO
CARTILAGEM FIBROSA DA SÍNFISE PÚBICA
RÍGIDA
CARTILAGEM FIBROSA DA SÍNFISE INTERVERTEBRAL
CARTILAGEM FIBROSA
T R O NC O
IDENTIFICAR A
ARTICULAÇÃO
SINCONDROSE ESTERNOCOSTAL
SÍNFISE INTERVERTEBRA

CLASSIFICAR A
ARTICULAÇÃO
CARTILAGEM HIALINA ESTERNOCOSTAL
CARTILAGEM HIALINA ESFENO-OCCIPITAL
SEMI-FLEXIVEL
CARTILAGEM HIALINA
T R O NC O
IDENTIFICAR A
ARTICULAÇÃO
SINCONDROSE ESTERNOCOSTAL
SINCONDROSE ESFENO-OCCIPITAL

CLASSIFICAR A
ARTICULAÇÃO
CARTILAGEM HIALINA ESTERNOCOSTAL
CARTILAGEM HIALINA ESFENO-OCCIPITAL
SEMI-FLEXIVEL
CARTILAGEM HIALINA
MEMBROS INFERIORES E SUPERIORES
TODAS SÃO JUNTURAS SINOVIAIS
IDENTIFICAR A
ARTICULAÇÃO
JUNTURA GINGLIMO
JUNTURA ESFEROIDEA
COTOVELO JOELHO

CLASSIFICAR A DEDOS DA MÃO


ARTICULAÇÃO
JUNTURA SINOVIAL GINGLIMO
JUNTURA SINOVIAL ESFEROIDEA

DOBRADIÇA
MEMBROS INFERIORES E SUPERIORES
TODAS SÃO JUNTURAS SINOVIAIS
IDENTIFICAR A
ARTICULAÇÃO
JUNTURA GINGLIMO
JUNTURA ESFEROIDEA

CLASSIFICAR A
ARTICULAÇÃO
JUNTURA SINOVIAL GINGLIMO
JUNTURA SINOVIAL ESFEROIDEA

ESFERÓIDE
MEMBROS INFERIORES E SUPERIORES
TODAS SÃO JUNTURAS SINOVIAIS
IDENTIFICAR A
ARTICULAÇÃO
JUNTURA GINGLIMO
JUNTURA ESFEROIDEA

CLASSIFICAR A
ARTICULAÇÃO
JUNTURA SINOVIAL GINGLIMO
JUNTURA SINOVIAL ESFEROIDEA

ESFERÓIDE