Vous êtes sur la page 1sur 3

ALUNO: Hebert Marques Silva

1º Período de Direito/Noturno
TEXTO
O Estado Antigo

A formação do Estado e seu desenvolvimento na história é baseado nos povos antigos. A formação do
Estado se divide em 5 fases: Estado Antigo, Estado Grego, Estado Romano, Estado Medieval e Estado
Moderno. O Estado Antigo, também chamado de Estado Oriental ou Estado Teocrático é formado
pelos povos Egípcios, povos da Mesopotâmia Hindus e os Hebreus. Tem como base a Teoria do Direito
Divino Sobrenatural, ou seja, o Estado foi fundado por Deus e por meio de sua vontade, e o Rei é o
sumo-sacerdote. O rei representa Deus e o governador civil, pois o Estado do Médio Oriente tem o
poder político ligado ao poder religioso. É uma monarquia com desigualdades hierárquicas reduzidas
as garantias jurídicas individuais, ou seja, o Estado Antigo concentrava poderes e a religiosidade. Os
nobres, chefes militares e os sacerdotes tinham privilégios entre a sociedade. O Estado não admitia
divisão interior, territorial e nem funções, assim, ele determinava a autoridade e as normas de
comportamentos individuais e coletivos.

O Estado Egípcio dos Faraós

O Estado Egípcio atualmente encontrado no continente Africano surgiu às margens do Rio Nilo em um
planalto desértico. Por conta do rio a terra era fértil e os egípcios usavam a agricultura para a sua
subsistência. Eles também eram extremamente religiosos dando status e privilégios para os sacerdotes
que não pagavam tributos e detinham um terço do solo egípcio. O faraó detinha o poder absoluto para
julgar, legislar, comandar o exército e ser dono dos recursos naturais. O faraó era considerado um
Deus e com isso era vigiado constantemente pelos sacerdotes, pois eles acreditavam na sua
imortalidade. Ele casava se com sua irmã para que os seus sucessores tivessem o seu sangue. E
também ele não chamado pelo seu nome, e sim pelo nome oficial; per-ao. A estrutura familiar era
constituída por: pai, mãe e filhos e homem e a mulher tinham direitos iguais não havendo autoridade
marital.

O Estado na Mesopotâmia

A palavra Mesopotâmia etimologicamente significa, mesos (meio) e potamós (rio) que quer dizer
,entre rios, é uma região que atualmente se encontra o Iraque, uma parte do Irã e outras pequenas
partes. A mesopotâmia foi formada por cidades-estados todas com sua própria independência, poder
político, e sua própria divindade. A sociedade que viveu lá contribuiu significativamente para a ciência
e os dias atuais, pois eles criaram tijolos, a jardinagem, cerveja, as primeiras escolas, a escrita
cuneiforme e os fundamentos do Estado e do governo. Além disso, eles dividiram as horas em minutos
e segundos. As cidades-estados mesopotâmicas formaram um mosaico de raças, culturas, línguas e
histórias políticas. Havia uma constante alternância de poderes de cidades sobre as demais impondo
normas jurídicas e costumes. Em 3000 a.C. os semitas acadianos absorveram as antigas populações e
criaram o grande império Babilônico. Já em 1800 a.C. surge o rei Hamurabi teve um marco no seu
reinado, pois, ele unificou a Babilônia em três elementos: língua, religião e o direito. Ele oficializou a
língua Acádio e um panteão de deuses foram oficializados. Ele ainda criou um código de leis chamado
código Hamurabi baseando em leis anteriores. O código Hamurabi foi descoberto em Susa em 1902,
sendo ele dividido em três partes: O legislador fixa suas glórias, depois os 282 parágrafos de textos
legais, e o terceiro o rei abençoa os sucessores que seguirem a lei e amaldiçoa os infratores. Com essas
contribuições a Mesopotâmia conseguiu unificar se em um império, com uma única representação
divina. O rei é o chefe da cidade para reinar a justiça, proteger os fracos, garantir a prosperidade, a
ordem e a paz. O rei é somente a representação de Deus na terra interpretando a vontade divina, mas
tem um Deus da cidade teocrática. O soberano age pela vontade de Deus, guiados por presságios,
oráculos e sonhos. Ele também declara o direito, legisla, juíza e declara guerra e a conclua.

O Estado Hindu
O Estado Hindu é formado pela comunidade da religião bramânica, muito vasta com mais de 500
milhões de membros sendo a maioria da Índia. O hinduísmo é uma religião politeísta formada por uma
união de 33 deuses, 11 no céu, 11 na terra e 11 na região intermediaria. A maior parte desses deuses
são fenômenos naturais divinos. Esta religião não tem sacerdotes e cada indivíduo dialoga com seus
deuses. Para o hinduísmo o homem é uma abstração sendo que eles são definidos pelas categorias
sociais pertencentes ao seu nascimento. Essas categorias são hierarquizadas e de acordo com a qual
ele pertence é determinado os seus direitos, deveres e uma moral específica. O comportamento é
determinado em obras chamadas Sastras, sendo que cada uma define um comportamento e conduta.
As castas são quatro; Brâmanes, Ksatryas e Sudras. Suas hierarquias não eram determinadas por
guerras, mas sim por posições de serviços dentro da sociedade. A chamada párnias não era
considerada uma casta, sendo classificados como impuros. A mudança de uma casta para outra só era
possível através da reencarnação, ou seja, se você foi uma pessoa boa na vida anterior você tem o
direito de voltar na próxima reencarnação em uma casta superior. Toda a vida do indivíduo tinha que
ser relacionada com as pessoas da mesma casta, ou seja, casamentos e filhos etc... O Estado foi
formado baseado na religião ditando regras. Na sua formação estatal não houve um Estado unitário ou
cidades-estados determinando tenções de ordem social entre as cidades. Para o hinduísmo o homem é
uma abstração, sendo que, os homens definidos são para categorias sociais pertencentes ao seu
nascimento. Essas categorias são hierarquizadas e de acordo com a qual ele pertence é determinado
os direitos, deveres e uma moral específica. O comportamento é determinado em obras chamadas
sastras, na qual, cada uma define um tipo de comportamento e conduta. As castas eram quatro;
Brâmanes, Ksatryas, Varsyas e Surdras.

O Estado Hebraico

O Estado hebraico foi formado por povos semitas que vieram da mesopotâmia e habitaram na costa
do mar Mediterrâneo. Estes povos foram chamados pelos cananeus de Hebreus, e viveram ao redor de
Jerusalém. Os hebreus acreditam em um só Deus que se revelou ao patriarca Abraão e daí nasceu a
promessa entre ele e o povo escolhido. O profeta Moisés escreveu os cinco primeiros livros sagrado
para o povo Hebreu, chamado Bíblia Sagrada, tendo por nome Torá ou Pentateuco. O Deus do povo
Hebreu é chamado de YAHVEH ou JEOVÁ, sendo o mesmo Deus para os cristãos. Mas para os
mulçumanos ele é chamado de Alá. Para os Hebreus o seu Deus é monoteísta e não aceitavam no
sistema politeísta ou pagão. A organização social era determinada por tribos, ou seja, formada por
doze tribos que eram subdivididas em famílias e no statu quo. Dentre essas doze tribos, onze
trabalhavam com o pastoreio e a agricultura e somente uma exercia funções sacerdotal que auxiliava o
sacerdote Aarão. Quanto à formação do Estado, não há uma fase definida, mas são organizadas de
acordo com organização política e social dos Israelitas. As fases são as seguintes: Fase patriarcal, do
século XXI a.c. até XVI a.c.; fase da confederação, do século XVI a.c. até XII a.C.; fase do reino
unificado, século XII a.C. até X a.C.; fase do reino dividido, século X a.C. até VI a.C.; fase da vassalagem,
século VI a.C. até II a.C.; Para os Hebreu a figura do Rei é uma escolha determinado pelo seu Deus e
ratificada pelo povo, determinando assim uma aliança entre Deus e seu povo. O Estado Hebraico foi
extinto com a expulsão do povo de Jerusalém, mas em 1948, o novo Estado de Israel foi criado
dividindo a palestina.