Vous êtes sur la page 1sur 10

Direito Constitucional Tributário

Unidade 2 – LIMITAÇÕES CONSTITUCIONAIS AO PODER DE TRIBUTAR E NORMAS GERAIS EM


MATÉRIA TRIBUTÁRIA

SEÇÃO 2.1 PRINCÍPIOS TRIBUTÁRIOS

ATIVIDADE DIAGNÓSTICA
A Constituição Federal de 1988, no que diz respeito à disciplina reservada ao Sistema
Constitucional Tributário, elenca alguns princípios a serem obrigatoriamente seguidos pelo
legislador ordinário. Dentre eles, está o princípio da legalidade, previsto no art. 150, I, CF, que,
no entanto, admite algumas exceções quando se trata de tributos extrafiscais. Veja: "Os tributos
são utilizados não apenas com finalidade fiscal (obtenção de receita), mas também com
finalidade extrafiscal, o que ocorre, e.g., quando se tributa pesadamente os latifúndios
improdutivos visando a forçar o cumprimento da função social da propriedade ou quando se
estabelece elevada alíquota para a importação de determinada mercadoria visando à proteção
da indústria nacional".
Nesse contexto, considerando a hipótese de aumento de tributo, assinale a alternativa que
apresenta os impostos que não obedecem ao Princípio da Legalidade:
Escolha uma:
a.
Imposto de Importação (II), Imposto de Exportação (IE), Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI)
e Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores

Mobiliários (IOF).

b.
Imposto de Importação (II), Imposto de Exportação (IE), Imposto sobre Propriedade Territorial Rural
(ITR) e Imposto sobre Grandes Fortunas (IGF).

c.
Imposto de Importação (II), Imposto de Exportação (IE), Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI)
e Imposto de Renda e Proventos de Qualquer Natureza (IR).

d.
Imposto de Exportação (IE), Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCMD), Imposto
sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF)
e Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

O Princípio da Anterioridade, originariamente, possuía tão somente a sua face anual, ou seja, o
legislador constituinte previu apenas a vedação ao aumento de tributo antes da efetiva mudança
do exercício/ano fiscal. Foi somente no ano de 2003, com a Emenda Constitucional nº 42, que a
figura da Anterioridade Nonagesimal foi inserida, como cláusula pétrea, no rol dos princípios
tributários do artigo 150, CF, proibindo que os aumentos também fosse efetivados antes de
decorridos 90 dias da data em que haja sido publicada a lei que o aumentou o tributo.
Assinale a alternativa que indica os tributos que são exceção à Anterioridade Nonagesimal:
Escolha uma:
a.
Empréstimo Compulsório para atender despesas extraordinárias, Imposto sobre Importação (II),
Imposto sobre Exportação (IE), Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou
Relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF) e Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).
b.
Empréstimo Compulsório para atender investimento público de caráter urgente, Imposto sobre
Importação (II), Imposto sobre Exportação (IE), Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e
Seguro, ou Relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF) e Imposto sobre Produtos
Industrializados (IPI).

c.
Empréstimo Compulsório para atender despesas extraordinárias, Imposto sobre Importação (II),
Imposto sobre Exportação (IE), Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou

Relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF) e Imposto Extraordinário de Guerra.

d.
Empréstimo Compulsório para atender investimento público de caráter urgente, Imposto sobre
Importação (II), Imposto sobre Exportação (IE), Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e
Seguro, ou Relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF) e Imposto Extraordinário de Guerra.

e.
Empréstimo Compulsório para atender investimento público de caráter urgente, Imposto sobre
Importação (II), Imposto sobre Exportação (IE), Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e
Seguro, ou Relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF) e Imposto sobre Grandes Fortunas.

O Princípio da Anterioridade, originariamente, possuía tão somente a sua face anual, ou seja, o
legislador constituinte previu apenas a vedação ao aumento de tributo antes da efetiva mudança
do exercício/ano fiscal. Foi somente no ano de 2003, com a Emenda Constitucional nº 42, que a
figura da Anterioridade Nonagesimal foi inserida, como cláusula pétrea, no rol dos princípios
tributários do artigo 150, CF, proibindo que os aumentos também fosse efetivados antes de
decorridos 90 dias da data em que haja sido publicada a lei que o aumentou o tributo.
Assinale a alternativa que indica os tributos que são exceção à Anterioridade Nonagesimal:
Escolha uma:
a.
Empréstimo Compulsório para atender despesas extraordinárias, Imposto sobre Importação (II),
Imposto sobre Exportação (IE), Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou
Relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF) e Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

b.
Empréstimo Compulsório para atender investimento público de caráter urgente, Imposto sobre
Importação (II), Imposto sobre Exportação (IE), Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e
Seguro, ou Relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF) e Imposto sobre Produtos
Industrializados (IPI).

c.
Empréstimo Compulsório para atender despesas extraordinárias, Imposto sobre Importação (II),
Imposto sobre Exportação (IE), Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou

Relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF) e Imposto Extraordinário de Guerra.

d.
Empréstimo Compulsório para atender investimento público de caráter urgente, Imposto sobre
Importação (II), Imposto sobre Exportação (IE), Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e
Seguro, ou Relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF) e Imposto Extraordinário de Guerra.

e.
Empréstimo Compulsório para atender investimento público de caráter urgente, Imposto sobre
Importação (II), Imposto sobre Exportação (IE), Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e
Seguro, ou Relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF) e Imposto sobre Grandes Fortunas.
ATIVIDADE DE APRENDIZAGEM

Analisando aplicação de multa tributária pela Fiscalização, o Supremo Tribunal já se posicionou


nesse sentido: "O entendimento desta Corte é no sentido de que a abusividade da multa punitiva
apenas se revela naquelas arbitradas acima do montante de 100% (cem por cento) do valor do
tributo. (AI 851.038 AgR, rel. min. Roberto Barroso, j. 10-2-2015, 1ª T, DJE de 12-3-2015.)
Analisando a decisão acima, assinale a alternativa que aponta corretamente o princípio aplicado
ao caso:
Escolha uma:
a.
Princípio da Irretroatividade

b.
Princípio da Anterioridade

c.

Princípio da Vedação ao Confisco

d.
Princípio da Isonomia

e.
Princípio da Legalidade

Analisando aplicação de multa tributária pela Fiscalização, o Supremo Tribunal já se posicionou


nesse sentido: "O entendimento desta Corte é no sentido de que a abusividade da multa punitiva
apenas se revela naquelas arbitradas acima do montante de 100% (cem por cento) do valor do
tributo. (AI 851.038 AgR, rel. min. Roberto Barroso, j. 10-2-2015, 1ª T, DJE de 12-3-2015.)
Analisando a decisão acima, assinale a alternativa que aponta corretamente o princípio aplicado
ao caso:
Escolha uma:
a.
Princípio da Irretroatividade

b.
Princípio da Anterioridade

c.

Princípio da Vedação ao Confisco

d.
Princípio da Isonomia

e.
Princípio da Legalidade
Considere o seguinte julgado do Supremo Tribunal Federal: "Imposto de importação: alteração
das alíquotas, por ato do Executivo, atendidas as condições e os limites estabelecidos em lei:
CF, art. 153, § 1º. (...) O que a Constituição exige, no art. 150, III, a, é que a lei que institua ou
que majore tributos seja anterior ao fato gerador. No caso, o decreto que alterou as alíquotas é
anterior ao fato gerador do imposto de importação.
Assinale a alternativa que aponta o princípio tributário referido na decisão do Supremo Tribunal
Federal:
Escolha uma:
a.
Princípio da Legalidade Tributária

b.
Princípio da Isonomia Tributária

c.
Princípio da Vedação ao Confisco

d.
Princípio da Anterioridade

e.

Princípio da Irretroatividade

SEÇÃO 2.2 IMUNIDADES, INSENÇÕES E NÃO INCIDÊNCIA

ATIVIDADE DIAGNÓSTICA
Considere a redação do artigo 150, VI, a, da Constituição Federal: "Art. 150. Sem prejuízo de
outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal
e aos Municípios: (...) VI - instituir impostos sobre: a) patrimônio, renda ou serviços, uns dos
outros; (...)"
A partir desse dispositivo, assinale a alternativa correta:
Escolha uma:
a.
O dispositivo constitucional referido trata da chamada isenção recíproca conferida à União, Estados,
Municípios e Distrito Federal, e tem por objetivo impedir a tributação mútua entre os entes,
garantindo o equilíbrio federativo, a autonomia, bem como a forma Federativa do Estado, nos
termos do art. 60, § 4º, I, da CF. As entidades da Administração Indireta desses entes políticos,
como as autarquias, fazem jus à esse tipo de isenção, desde que os imóveis objeto de exação,
no caso do IPTU, tenham relação com a finalidade essencial da autarquia.

b.
O dispositivo constitucional referido trata da chamada imunidade recíproca conferida à União,
Estados, Municípios e Distrito Federal, e tem por objetivo impedir a tributação mútua entre os
entes, garantindo o equilíbrio federativo, a autonomia, bem como a forma Federativa do Estado,
nos termos do art. 60, § 4º, I, da CF. As entidades da Administração Indireta desses entes
políticos, como as autarquias, fazem jus à esse tipo de imunidade, desde que os imóveis objeto

de exação, no caso do IPTU, tenham relação com a finalidade essencial da autarquia.


c.
O dispositivo constitucional referido trata da chamada imunidade recíproca conferida à União,
Estados, Municípios e Distrito Federal, e tem por objetivo impedir a tributação mútua entre os
entes, garantindo o equilíbrio federativo, a autonomia, bem como a forma Federativa do Estado,
nos termos do art. 60, § 4º, I, da CF. As entidades da Administração Indireta desses entes
políticos, como as autarquias, não fazem jus à esse tipo de imunidade.

d.
O dispositivo constitucional referido trata da chamada imunidade recíproca conferida à União,
Estados, Municípios e Distrito Federal, e tem por objetivo impedir a tributação mútua entre os
entes, garantindo o equilíbrio federativo, a autonomia, bem como a forma Federativa do Estado,
nos termos do art. 60, § 4º, I, da CF. As entidades da Administração Indireta desses entes
políticos, como as autarquias, fazem jus à esse tipo de imunidade, sem exceção.

e.
O dispositivo constitucional referido trata da chamada isenção recíproca conferida à União, Estados,
Municípios e Distrito Federal, e tem por objetivo impedir a tributação mútua entre os entes,
garantindo o equilíbrio federativo, a autonomia, bem como a forma Federativa do Estado, nos
termos do art. 60, § 4º, I, da CF. As entidades da Administração Indireta desses entes políticos,
como as autarquias, não fazem jus à esse tipo de isenção.

Segundo Leandro Paulsen, “'A imunidade deve ser aplicada em sentido amplo, desde que a
entidade obedeça aos requisitos estabelecidos na Constituição Federal (fins não-lucrativos) e no
art. 14 do CTN”
O texto acima destacado refere-se a qual espécie de imunidade tributária:
Escolha uma:
a.
Imunidade sobre templos de qualquer culto

b.

Imunidade das instituições de educação e de assistência social

c.
Imunidade sobre fonogramas e videofonogramas musicais produzidos no Brasil

d.
Imunidade sobre livros, jornais, periódicos e o papel destinado a sua impressão

e.
Imunidade Tributária recíproca

A questão relativa à constitucionalidade da cobrança da taxa de coleta de lixo foi resolvida pelo
Supremo Tribunal Federal, que editou a súmula vinculante nº 19, com o seguinte teor: "a taxa
cobrada exclusivamente em razão dos serviços públicos de coleta, remoção e tratamento ou
destinação de lixo ou resíduos provenientes de imóveis, não viola o art. 145, II, da Constituição
Federal".
Considerando a constitucionalidade da taxa de lixo, assinale a alternativa correta:
Escolha uma:
a.
A imunidade tributária recíproca é aplicável a todos as espécies tributárias.
b.
A imunidade tributária recíproca somente é aplicável em relação a contribuições, não alcançando
taxas.

c.
A imunidade tributária recíproca somente é aplicável à taxas, não alcançando impostos.

d.
A imunidade tributária recíproca somente é aplicável à taxas, não alcançando contribuições.

e.
A imunidade tributária recíproca somente é aplicável em relação a impostos, não alcançando

taxas.

ATIVIDADE DE APRENDIZAGEM

Até agosto de 2017, determinada companhia aberta, exploradora de atividade econômica, era
devedora de vultuosa quantia de IPTU ao município de Maringá/PR. Em setembro de 2017, essa
companhia foi extinta, tendo a União, única acionista, sucedido a mesma na totalidade de suas
obrigações tributárias.
Considerando o enunciado, assinale a alternativa correta:
Escolha uma:
a.
A imunidade tributária recíproca não exonera a União das obrigações tributárias relativas aos fatos
jurídicos tributários ocorridos antes da sucessão. Ela terá, portanto, que pagar os valores em

aberto junto ao Município de Maringá/PR.

b.
A imunidade tributária recíproca exonera parcialmente a União das obrigações tributárias relativas
aos fatos jurídicos tributários ocorridos antes da sucessão. Ela terá que pagar apenas o principal
dos valores em aberto junto ao Município de Maringá/PR, não devendo ser responsabilizada
pelas multas e juros.

c.
A imunidade tributária recíproca exonera parcialmente a União das obrigações tributárias relativas
aos fatos jurídicos tributários ocorridos antes da sucessão. Ela terá que pagar apenas o principal
e os juros dos valores em aberto junto ao Município de Maringá/PR, não devendo ser
responsabilizada pelas multas.

d.
A imunidade tributária recíproca exonera parcialmente a União das obrigações tributárias relativas
aos fatos jurídicos tributários ocorridos antes da sucessão. Ela terá que pagar apenas as multas
e juros dos valores em aberto junto ao Município de Maringá/PR, não devendo ser
responsabilizada pelo principal.

e.
A imunidade tributária recíproca exonera a União das obrigações tributárias relativas aos fatos
jurídicos tributários ocorridos antes da sucessão. Ela não terá, portanto, que pagar os valores
em aberto junto ao Município de Maringá/PR.
Considere a existência de três imóveis rurais e três imóveis urbanos, todos de propriedade da
Mitra da Arquidiocese do município de Palmas, no Estado do Tocantins. Considere, ainda, a
existência de um imóvel rural e dois imóveis urbanos de propriedade de determinado Centro
Espírita localizado em Botucatu, Estado de São Paulo.
Analise as afirmativas e assinale a alternativa que está em consonância com o entendimento do
Supremo Tribunal Federal:
Escolha uma:
a.
A destinação de eventual renda obtida na exploração dos imóveis, sejam eles urbanos ou rurais, não
afetará o direito constitucionalmente garantido às entidades religiosas de não sofrerem incidência
de impostos sobre as respectivas propriedades.

b.
Haverá, tão somente, aplicação de imunidade tributária aos imóveis pertencentes à Mitra da
Arquidiocese de Palmas/TO uma vez que a Constituição Federal, mesmo pautada em um ideal
de Estado laico, reservou a dispensa de pagamento de imposto apenas à Igreja, mantendo a
tributação sobre instituições de outros cultos.

c.
Desde que a renda auferida com a exploração dos imóveis rurais seja, no caso, integralmente
destinada à finalidade essencial das duas entidades religiosas, resta a imunidade referente ao
ITR deve ser aplicada. O mesmo racional deve ser aplicado aos imóveis urbanos, ou seja, se
forem utilizados ou explorados economicamente em função das atividades nucleares das

entidades religiosas, a imunidade referente ao IPTU deve ser aplicada.

d.
Desde que a renda auferida com a exploração dos imóveis urbanos seja, no caso, integralmente
destinada à finalidade essencial das duas entidades religiosas, a imunidade referente ao IPTU
deve ser aplicada. Para o ITR, no entanto, a imunidade não será auto aplicável, dependendo da
existência de lei nacional como condição de aplicabilidade.

e.
Desde que a renda auferida com a exploração dos imóveis rurais seja, no caso, integralmente
destinada à finalidade essencial das duas entidades religiosas, a imunidade referente ao ITR
deve ser aplicada. Para o IPTU, no entanto, a imunidade não será auto aplicável, dependendo
da existência de leis municipais como condição de aplicabilidade.

Conforme dispõe o art. 178 do Código Tributário Nacional, apenas


a isenção gratuita pode ser revogada ou modificada por lei, a qualquer
tempo. A isenção onerosa, ao contrário, não pode ser livremente
suprimida, consoante estabelece a Súmula 544 do Supremo Tribunal
Federal, in verbis: Isenções tributárias concedidas, sob condição onerosa, não
podem ser livremente suprimidas.
Considerando o texto acima, assinale a alternativa correta:
Escolha uma:
a.
Lei do Estado de Roraima, datada do ano de 2006, previa isenção de IPVA para proprietários de
automóveis portadores de necessidades especiais. Em 2018, referida Lei foi revogada, tendo
sido objeto de questionamento judicial por parte de determinado número de contribuintes. Nesse
caso, a demanda deverá ser julgada procedente uma vez que a revogação fere direito líquido e
certo dos proprietários que se encontrem nessa condição.
b.
Lei do Município de São Manuel/SP, datada do ano de 1999, previa isenção de IPTU para
proprietários de imóvel maiores de 70 anos. Em 2018, referida Lei foi revogada, tendo sido objeto
de questionamento judicial por parte de determinado número de contribuintes. Nesse caso, a
demanda deverá ser julgada procedente uma vez que a revogação fere direito líquido e certo
dos proprietários que se encontrem nessa condição.

c.
Lei do Estado do Piauí, datada do ano de 2016, previa, por 04 anos, isenção de ICMS para
contribuintes do serviço de telecomunicações que instalassem rede de antenas nos municípios
do Estado. Em 2018, referida Lei foi revogada, tendo sido objeto de questionamento judicial por
parte de determinado número de contribuintes. Nesse caso, a demanda deverá ser julgada
procedente uma vez que a revogação fere direito líquido e certo dos contribuintes que se

encontrem nessa condição.

d.
Lei do Estado de Goiás, datada do ano de 2015, previa, por 04 anos, isenção de
ICMS para contribuintes do setor alimentício que instalassem centros de distribuição de
mercadorias nos municípios do Estado. Em 2018, referida Lei foi revogada, tendo sido objeto de
questionamento judicial por parte de determinado número de contribuintes. Nesse caso, a
demanda deverá ser julgada improcedente uma vez que a revogação não fere direito líquido e
certo dos contribuintes que se encontrem nessa condição.

e.
Lei do Município de Londrina/PR, datada do ano de 2010, previa isenção de ISS para engenheiros e
arquitetos. Em 2018, referida Lei foi revogada, tendo sido objeto de questionamento judicial por
parte de determinado número de contribuintes. Nesse caso, a demanda deverá ser julgada
procedente uma vez que a revogação fere direito líquido e certo dos engenheiros e arquitetos

SEÇÃO 2.3 NORMAS GERAIS EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA

ATIVIDADE DIAGNÓSTICA
Geraldo Ataliba afirmava que a parafiscalidade seria a atribuição, por lei, da capacidade de
sujeito ativo do Estado formal político, a pessoas diversas, paraestatais, para benefício de suas
próprias finalidades públicas, enquanto que a fiscalidade seria a arrecadação de tributos pelo
próprio Estado, por suas diferentes entidades diretas
Considerando o texto acima, assinale a alternativa que somente apresenta tributos parafiscais:
Escolha uma:
a.
Contribuição de Interesse de Categoria Profissional ao Conselho de Medicina, Contribuição Social
ao SESI, Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico-Combustíveis.

b.
Contribuição de Interesse de Categoria Profissional à Ordem dos Advogados do Brasil, Contribuição
Social ao SESC, Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico-Royalties.

c.
Contribuição de Interesse de Categoria Profissional ao Conselho de Medicina, Contribuição Social
ao SENAI, Contribuição de Interesse de Categoria Profissional ao Conselho de Engenharia e

Agronomia.

d.
Contribuição de Interesse de Categoria Profissional ao Conselho de Medicina, Contribuição Social
ao SESC, Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico-Royalties.

e.
Contribuição de Interesse de Categoria Profissional à Ordem dos Advogados do Brasil, Contribuição
Social ao SENAI, Contribuição de Interesse de Categoria Profissional ao Conselho
de Engenharia e Agronomia.

"Impostos fiscais ou de finalidades fiscais, quando visam apenas à obtenção de receitas públicas
para fazer face às despesas do Estado. Tais impostos possuem uma função meramente fiscal,
exclusivamente financeira, qual seja, a de possibilitar receitas. A primeira razão de todo o sistema
tributário é a finalidade fiscal dos tributos, ou melhor, é proporcionar ao Estado os recursos
financeiros indispensáveis para o cumprimento de suas atividades. Trata-se de finalidade
“predominante” do imposto, diz Salvador Oria. Tal finalidade corresponde à meta econômica dos
sistemas tributários mais antigos, que limitavam a utilização dos impostos para um fim
unicamente fiscal, determinado pelo total das necessidades da economia pública não coberta
pelos demais recursos. [...]. Obter recursos para o atendimento dos fins do Estado é a finalidade
normal, natural, fiscal, de todo o imposto"
Considerando o texto acima, assinale a alternativa que apresenta apenas impostos com
característica de fiscalidade:
Escolha uma:
a.
Imposto renda e proventos de qualquer natureza (IR), Imposto sobre operações de crédito, câmbio
e seguro, ou relativas a títulos ou valores mobiliários (IOF), Imposto sobre transmissão causa
mortis e doação, de quaisquer bens ou direitos (ITCMD) e Imposto sobre propriedade predial e
territorial urbana (IPTU).

b.
Imposto renda e proventos de qualquer natureza (IR), Imposto sobre transmissão causa mortis e
doação, de quaisquer bens ou direitos (ITCMD), Imposto sobre transmissão "inter vivos", a
qualquer título, por ato oneroso, de bens imóveis (ITBI) e Imposto sobre importação de produtos
estrangeiros (II).

c.
Imposto renda e proventos de qualquer natureza (IR), Imposto sobre operações de crédito, câmbio
e seguro, ou relativas a títulos ou valores mobiliários (IOF), Imposto sobre transmissão causa
mortis e doação, de quaisquer bens ou direitos (ITCMD) e Imposto sobre transmissão "inter
vivos", a qualquer título, por ato oneroso, de bens imóveis (ITBI).

d.
Imposto sobre propriedade predial e territorial urbana (IPTU), Imposto sobre propriedade de veículos
automotores (IPVA), Imposto sobre importação de produtos estrangeiros (II) e Imposto renda e
proventos de qualquer natureza (IR).

e.
Imposto sobre transmissão "inter vivos", a qualquer título, por ato oneroso, de bens imóveis
(ITBI), Imposto sobre propriedade predial e territorial urbana (IPTU), Imposto sobre propriedade
de veículos automotores (IPVA) e Imposto sobre transmissão causa mortis e doação, de

quaisquer bens ou direitos (ITCMD).

"Impostos fiscais ou de finalidades fiscais, quando visam apenas à obtenção de receitas públicas
para fazer face às despesas do Estado. Tais impostos possuem uma função meramente fiscal,
exclusivamente financeira, qual seja, a de possibilitar receitas. A primeira razão de todo o sistema
tributário é a finalidade fiscal dos tributos, ou melhor, é proporcionar ao Estado os recursos
financeiros indispensáveis para o cumprimento de suas atividades. Trata-se de finalidade
“predominante” do imposto, diz Salvador Oria. Tal finalidade corresponde à meta econômica dos
sistemas tributários mais antigos, que limitavam a utilização dos impostos para um fim
unicamente fiscal, determinado pelo total das necessidades da economia pública não coberta
pelos demais recursos. [...]. Obter recursos para o atendimento dos fins do Estado é a finalidade
normal, natural, fiscal, de todo o imposto"
Considerando o texto acima, assinale a alternativa que apresenta apenas impostos com
característica de fiscalidade:
Escolha uma:
a.
Imposto renda e proventos de qualquer natureza (IR), Imposto sobre operações de crédito, câmbio
e seguro, ou relativas a títulos ou valores mobiliários (IOF), Imposto sobre transmissão causa
mortis e doação, de quaisquer bens ou direitos (ITCMD) e Imposto sobre propriedade predial e
territorial urbana (IPTU).

b.
Imposto renda e proventos de qualquer natureza (IR), Imposto sobre transmissão causa mortis e
doação, de quaisquer bens ou direitos (ITCMD), Imposto sobre transmissão "inter vivos", a
qualquer título, por ato oneroso, de bens imóveis (ITBI) e Imposto sobre importação de produtos
estrangeiros (II).

c.
Imposto renda e proventos de qualquer natureza (IR), Imposto sobre operações de crédito, câmbio
e seguro, ou relativas a títulos ou valores mobiliários (IOF), Imposto sobre transmissão causa
mortis e doação, de quaisquer bens ou direitos (ITCMD) e Imposto sobre transmissão "inter
vivos", a qualquer título, por ato oneroso, de bens imóveis (ITBI).

d.
Imposto sobre propriedade predial e territorial urbana (IPTU), Imposto sobre propriedade de veículos
automotores (IPVA), Imposto sobre importação de produtos estrangeiros (II) e Imposto renda e
proventos de qualquer natureza (IR).

e.
Imposto sobre transmissão "inter vivos", a qualquer título, por ato oneroso, de bens imóveis
(ITBI), Imposto sobre propriedade predial e territorial urbana (IPTU), Imposto sobre propriedade
de veículos automotores (IPVA) e Imposto sobre transmissão causa mortis e doação, de

quaisquer bens ou direitos (ITCMD).

ATIVIDADE DE APRENDIZAGEM

AVALIAÇÃO DA UNIDADE 2