Vous êtes sur la page 1sur 2

1

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas


RELATÓRIO DE LEITURA

Nome: Tais Inoue Riboli

Código de matrícula: 31943543

Turma: 01L

Disciplina: CTS

Referência completa (ABNT) do artigo ou capítulo: HESSEN, Johannes. A essência do conhecimento. In:
Teoria do Conhecimento. Coimbra: Arménio Amado, 1980, pp. 87-120.

Ideia 1: Ideia 1- Nas soluções pré metafisicas, encontra - se o objetivismo, onde Platão e Husserl tem conceitos
em comum e ao mesmo tempo diferentes.

Página: 89-90;
Excerto (máximo 5 linhas): “A coincidencia entre a teoria platônica das ideias e a teoria de Husserl só se refere,
porém ao pensamento fundamental, e não ao desenvolvimento particular deste”
Explicação (mínimo 5 linhas): No objectivismo, o objecto determina o sujeito. O sujeito toma sobre si, as
propridades do objeto, reproduzindo- as. Porém Platão defendeu o objetivismo no sentido, na teoria das ideias,
com as realidades objetivas, já Hurserl distingiu- se com a intuição sensivel da intuição não sensível. Ambas se
referem ao pensamento fundamental, e não ao desenvolvimento particular deste. Enquanto um, se mantém no
reino das essências ideais, o outro avança até atribuir uma realidade metafísica a estas essências.

Ideia 2: A passagem do objectivismo para o subjectivismo por Santo Agostinho

Página: 91
Excerto (máximo 5 linhas): “Santo Augostinho, seguinto o precedente de Protino, colocou o mundo flutuante das
Ideias platónicas no Espírito divino, fazendo das essências ideais, existentes por si, conteúdos lógicos da razão
divina, pensamento de Deus."
Explicação (mínimo 5 linhas): O subjeticismo procura fundamentar o conhecimento humano no sujeito,
diferente do objetivismo, que se foca no objeto. Por meio destes principios e conceitos gerais, a verdade já não
está mais fundada num mundo espiritual objetivo, mas sim no absoluto, em Deus. Santo Agostinho corresponde a
algo real, um objeto, e a um produto de conhecimento, defensor dessas ideias desde a antiguidade.

Ideia 3: A grande diferença nos realismos ingênuos e naturais.

Página: 93-94
2

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas


Excerto (máximo 5 linhas): “Diferente do realismo ingênuo é o realismo natural. Este já não é ingénuo,
mas esta influenciado por reflexões críticas sobre o conhecimento. Isto revela- se no fato de que já não identifica o
conteúdo da percepção e o objeto, mas sim distingue um do outro."
Explicação (mínimo 5 linhas): No realismo, há coisas reais, independente da consciência. O realismo natural foi
criado por reflexões críticas sobre o conhecimento. Baseado no fato de que não se identifica o conteudo da
percepção e o objeto, mas distingue- se um do outro. Já no realismo ingênuo por exemplo, o sangue pode não ser
vermelho, o açúcar pode não ser doce, pois tão caracteristicas, existem na nossa consciência, são propriedades
objetivas das coisas.

Ideia 4: A ideia de sujeito, e/ ou objeto

Página: 118
Excerto (máximo 5 linhas): “Se o sujeito e o objeto são absolutamente idênticos, já não existe o problema de
sujeito e objeto."
Explicação (mínimo 5 linhas): Em todas as teorias, ou fundamentos do conhecimento, vimos a ênfase no
objetivo ou subjetivo, razão ou experiencia, e ênfase em sujeito, ou no objeto. Essa teoria renuncia uma solução
científica do problema do conhecimento, pois as especulações sobre o absoluto, não podem pretender de modo
algum, um caráter científico