Vous êtes sur la page 1sur 41

Projeto Elétrico de Unidade

Consumidora Residencial

Engenheiros Eletricistas:
Francinildo Costa Mesquita
(CREA- CE) Matrícula: 367443
Gustavo Melo de Sousa
(CREA- CE) Matrícula: 369218
Leonardo Pires de Sousa Silva
(CREA- CE) Matrícula: 369222

1
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO .................................................................................................................. 4
1.1 APRESENTAÇÕES E OBJETIVOS ............................................................................... 4
1.2 CLIENTE: ........................................................................................................................ 4
1.3 LOCALIZAÇÃO: ............................................................................................................. 4
1.4 CONDIÇÕES CLIMÁTICAS: ......................................................................................... 4
2 NORMAS CONSULTADAS ............................................................................................. 4
3 DESCRIÇÃO GERAL ........................................................................................................ 5
4 CÁLCULO DAS POTÊNCIAS .......................................................................................... 5
4.1 PONTOS DE ILUMINAÇÃO ......................................................................................... 5
4.1.1 SALA ..................................................................................................................................5
4.1.2 COZINHA ...........................................................................................................................5
4.1.3 QUARTO 1.........................................................................................................................6
4.1.4 QUARTO 2.........................................................................................................................6
4.1.5 QUARTO 3.........................................................................................................................6
4.1.6 DESPENSA .........................................................................................................................6
4.1.7 BANHEIRO 1......................................................................................................................6
4.1.8 BANHEIRO 2......................................................................................................................6
4.1.9 ÁREA DE SERVIÇO .............................................................................................................6
4.1.10 GARAGEM.........................................................................................................................7
4.1.11 JARDIM .............................................................................................................................7
4.1.12 HALL..................................................................................................................................7
4.2 TOMADAS DE USO GERAL (TUG) ............................................................................. 8
4.2.1 SALA / SALA DE JANTAR ..........................................................................................................8
4.2.2 COZINHA ..................................................................................................................................8
4.2.3 QUARTO 1................................................................................................................................8
4.2.4 QUARTO 2................................................................................................................................8
4.2.6 DISPENSA .................................................................................................................................9
4.2.7 BANHEIRO 1.............................................................................................................................9
4.2.8 BANHEIRO 2.............................................................................................................................9
4.2.9 ÁREA DE SERVIÇO ....................................................................................................................9
4.2.10 GARAGEM..............................................................................................................................9
4.3 TOMADAS DE USO EXCLUSIVO (TUE) .................................................................. 10
4.3.1 QUARTO 1............................................................................................................................. 10
4.3.2 QUARTO 2............................................................................................................................. 10
4.3.3 QUARTO 3............................................................................................................................. 10
4.3.4 BANHEIRO 1.......................................................................................................................... 10

2
4.3.5 BANHEIRO 2.......................................................................................................................... 10
4.3.6 ÁREA DE SERVIÇO ................................................................................................................. 11
4.3.7 JARDIM ................................................................................................................................. 11
5 PREVISÃO DE CARGAS ................................................................................................ 11
6 POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA DE DEMANDA ........................................... 12
7 TIPO DE FORNECIMENTO DE ENERGIA .................................................................. 13
8 LOCAÇÃO DOS PONTOS .............................................................................................. 14
9 DIVISÃO DOS CIRCUITOS E QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO DE CARGAS ........... 15
10 DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES .............................................................. 17
10.1 CIRCUITO 1 ................................................................................................................ 18
10.2 CIRCUITO 2 ................................................................................................................ 18
10.3 CIRCUITO 3 ................................................................................................................ 19
10.4 CIRCUITO 4 ................................................................................................................ 19
10.5 CIRCUITO 5 ................................................................................................................ 19
10.6 CIRCUITO 6 ................................................................................................................ 20
10.7 CIRCUITO 7 ................................................................................................................ 20
10.8 CIRCUITO 8 ................................................................................................................ 20
10.9 CIRCUITO 9 ................................................................................................................ 21
10.10 CIRCUITO 10 ............................................................................................................ 21
10.11 CIRCUITO 11 E CIRCUITO 12 ................................................................................ 21
10.12 CIRCUITO 13 ............................................................................................................ 22
10.13 CIRCUITO 14 ............................................................................................................ 22
11 QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO ...................................................................................... 22
12 DIMENSIONAMENTO DE PROTEÇÃO ....................................................................... 23
12.1 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR CIRCUITO 1 ................................................. 24
12.2 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR CIRCUITO 2 ................................................. 25
12.3 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR CIRCUITO 3 ................................................. 26
12.4 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR CIRCUITO 4 ................................................. 26
12.5 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR CIRCUITO 5 ................................................. 27
12.6 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR CIRCUITO 6 ................................................. 28
12.7 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR CIRCUITO 7 ................................................. 28
12.8 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR CIRCUITO 8 ................................................. 29
12.9 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR CIRCUITO 9 ................................................. 30
12.10 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR CIRCUITO 10 ............................................. 30
12.11 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR CIRCUITOS 11 e 12 ................................... 31
12.12 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR CIRCUITO 13 ............................................. 32
12.13 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR CIRCUITO 14 ............................................. 32
12.14 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR DO QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO ......... 33
13 DIMENSIONAMENTO DE ELETRODUTOS ............................................................... 34
14 LISTA DE MATERIAIS .................................................................................................. 36
15 DIAGRAMA UNIFILAR FINAL DAS CARGAS .......................................................... 37
16 ANEXOS ........................................................................................................................... 38

3
1 INTRODUÇÃO

1.1 APRESENTAÇÕES E OBJETIVOS

Este relatório tem como objetivo exemplificar as condições gerais do projeto de uma
consumidora residencial, bem como as normas utilizadas. O projeto será separado em tópicos
para uma melhor compreensão mostrando os dimensionamentos dos condutores, eletrodutos,
disjuntores e quadro de distribuição. Todos os dispositivos dimensionados seguem a norma
vigente. No final deste relatório também se encontra o diagrama unifilar das cargas.

Responsável técnico: Francinildo Costa Mesquita


Endereço: Rua 04, Nº39, Autódromo – Eusébio / Ceará.
Fone: (85) 86274225

Responsável técnico: Gustavo Melo de Sousa


Endereço: Rua Tenente José Vicente, Nº 2825, Violete – Itapipoca / Ceará.
Fone: (88) 996404164

Responsável técnico: Leonardo Pires de Sousa Silva


Endereço: Rua 104, Nº 23, Cohab – Itapipoca / Ceará.
Fone: (85) 999271827

1.2 CLIENTE:
ADSON BEZERRA MOREIRA

1.3 LOCALIZAÇÃO:
RUA CEL. ESTANISLAU FROTA- CENTRO-CE.

1.4 CONDIÇÕES CLIMÁTICAS:


TEMPERATURA MÉDIA DE 35º C.

2 NORMAS CONSULTADAS

➢ NT 001 (COELCE)
➢ ABNT NBR 5410:2004

4
3 DESCRIÇÃO GERAL

O projeto é exemplificado para uma casa que possui três quartos, sala de estar, sala de
jantar, dois banheiros, cozinha, área de serviço, hall, dispensa garagem e jardim. Cada
cômodo da residência foi analisado corretamente de acordo com as normas. O quadro de
medidas se encontra na sala de jantar, pois percebeu-se um grande acúmulo de condutores
passando por esta área, logo decidiu-se ser instalado neste ponto para a economia de
materiais.
Assim, o quadro de medição – QM - será de policarbonato seguindo os padrões
estabelecidos pela norma vigente. Este conterá um medidor de potência ativa, um medidor
geral e um disjuntor termomagnético tripolar, recebendo as três fases da rede.

4 CÁLCULO DAS POTÊNCIAS

Para uma melhor compreensão calculou-se separadamente a potência prevista para


iluminação, tomada de uso geral e tomada de uso específico.

4.1 PONTOS DE ILUMINAÇÃO

Para se dimensionar quantos pontos de iluminação serão instalados em cada cômodo,


deve-se atentar inicialmente à área de cada ambiente. Após ser feito esse dimensionamento,
seguindo a NBR 5410, instala-se um ponto de 100 VA nos primeiros 6 m², sendo acrescidos
de pontos de 60 VA a cada 4 m² a mais inteiros, por ambiente. Vale ressaltar que em
ambientes com área inferior a 6 m², a norma informa que deve-se instalar um ponto de 100
VA, tendo em vista outro critério citado na NBR, que cita a necessidade de pelo menos um
ponto de iluminação por compartimento.

4.1.1 SALA
Área = 5,65 x 3,50 = 19,775 m²
6 m² + 3 x 4 m² + 1,775 m²
100 VA + (3 x 60 VA) + 0 = 280 VA
Assim, optou-se por quatro lâmpadas fluorescentes de 60 VA (30 W) em cada ponto
de iluminação.

4.1.2 COZINHA
Área = 2,35 x 3,35 = 12,6 m²

5
6 m² + 1,8725 m²
100 VA + 0 = 100 VA
Assim, optou-se por 1 lâmpada fluorescente de 100 VA (50 W).

4.1.3 QUARTO 1
Área = (3,15 x 4,00) + (1,2 x 0,9) = 13,68 m²
6 m² + 1 x 4 m² + 3,68 m²
100 VA + 1 x 60 VA + 0 = 160 VA
Assim, optou-se por duas lâmpadas fluorescentes de 60 VA (30W).

4.1.4 QUARTO 2
Área = 3,50 x 3,20 = 11,2 m²
6 m² + 1 x 4 m² + 1,2 m²
100 VA + 1 x 60 VA + 0 = 160 VA
Assim, optou-se por duas lâmpadas fluorescentes de 60 VA (30W).

4.1.5 QUARTO 3
Área = 3,35 x 3,20 = 10,72 m²
6 m² + 1 x 4 m² + 0,72 m²
100 VA + 1 x 60 VA + 0 = 160 VA
Assim, optou-se por duas lâmpadas fluorescentes de 60 VA (30W).

4.1.6 DESPENSA
Área = 1,00 x 1,10 = 1,10 m²
Por projeção, 100 VA
Assim, optou-se por uma lâmpada fluorescente de 100 VA (50 W).

4.1.7 BANHEIRO 1
Área = 2,10 x 2,00 = 4,20 m² < 6 m²
Por projeção, 100 VA
Assim, optou-se por uma lâmpada fluorescente de 100 VA (50 W).

4.1.8 BANHEIRO 2
Área = 1,50 x 2,50 = 3,75 m² < 6 m²
Por projeção, 100 VA
Assim, optou-se por uma lâmpada fluorescente de 100 VA (50 W).

4.1.9 ÁREA DE SERVIÇO


Área = 2,60 x 3,80 = 9,88 m²
6 m² + 3,88 m²
6
100 VA + 0 = 100 VA
Assim, optou-se por uma lâmpada fluorescente de 100 VA (50 W).

4.1.10 GARAGEM
Área = 3,60 x 3,45 = 12,42 m²
6 m² + 1 x 4 m² + 2,42 m²
100 VA + 1 x 60 VA + 0 = 160 VA
Assim, optou-se por duas lâmpadas fluorescentes de 60 VA (30W).

4.1.11 JARDIM
100 VA + 8 x 60 VA = 580 VA
Assim, optou-se por nove lâmpadas fluorescentes de 60 VA (30W).

4.1.12 HALL
Próximo ao banheiro 2:
Área = 1,50 x 0,80 = 1,2 m² < 6 m²
Por projeção, 100 VA.
Optou-se por uma lâmpada fluorescente de 100 VA (50 W).
Para a potência de iluminação prevista para cada cômodo, seguindo os parâmetros
previstos pela NBR 5410, tem-se:

Tabela - Potência de Iluminação


CÔMODO 6 m² (VA) 4 m² (VA) TOTAL (VA)
SALA 0 2 X 60 120
SALA DE JANTAR 1 X 100 1 X 60 160
COZINHA 1 X 100 0 100
QUARTO 1 1 X 100 1 X 60 160
QUARTO 2 1 X 100 1 X 60 160
QUARTO 3 1 X 100 1 X 60 160
DESPENSA 1 X 100 0 100
BANHEIRO 1 1 X 100 0 100
BANHEIRO 2 1 X 100 0 100
ÁREA DE SERVIÇO 1 X 100 0 100
GARAGEM 1 X 100 1 X 60 160
JARDIM - - 580
HALL 1 X 100 0 100

7
4.2 TOMADAS DE USO GERAL (TUG)

No que diz respeito às tomadas de uso geral. A NBR 5410 estima sua previsão de carga a
partir do cálculo do perímetro de cada compartimento da casa. Dessa forma, a norma cita que
para cômodos e dependentes que possuam área igual ou superior a 6 m² deve-se instalar um
ponto de tomada de 100 VA a cada 5 metros ou fração de perímetro, como por exemplo em
salas e quartos.
Já em ambientes como cozinha, área de serviço, copas e cômodos em geral com as
mesmas características que os citados, deve-se instalar um ponto de tomada a cada 3,5 m ou
fração de perímetro, ressaltando que devem ser instalados 600 VA em cada tomada para
ambientes que possuam até três pontos, sendo acrescidos de 100 VA para cada ponto
excedente. Caso o número de pontos nesses ambientes excedam os seis, instalar 600 VA nos
dois primeiros, e 100 VA para os excedentes.
Outros compartimentos devem possuir no mínimo um ponto de tomada, e no caso dos
banheiros, a tomada deve ser colocada próximo ao lavatório.
Abaixo o cálculo da quantidade de tomadas de uso geral para cada cômodo da casa,
acompanhado de sua potência prevista.

4.2.1 SALA / SALA DE JANTAR


Perímetro = 2 x (5,65 + 3,50) = 18,3 m
TUG´S = 18,3/5,0 = 3,66 = 4 TUG’S
Potência: 4 x 100 VA = 400 VA

4.2.2 COZINHA
Perímetro = 2 x (2,35 + 3,35) = 11,4 m
TUG´S = 11,4/3,5 = 3,25 = 4 TUG’S
Potência: 3 x 600 VA + 1 x 100 VA = 1900 VA

4.2.3 QUARTO 1
Perímetro = 2 x (3,15 + 4,00) + 2 x (1,2 + 0,9) = 18,5 m
TUG´S = 14,3/5,0 = 3,7 = 4 TUG’S
Potência: 4 x 100 VA = 400 VA

4.2.4 QUARTO 2
Perímetro = 2 x (3,50 + 3,20) = 13,4 m
TUG´S = 13,4/5,0 = 2,68 = 3 TUG’S
Potência: 3 x 100 VA = 300 VA

8
4.2.5 QUARTO 3
Perímetro = 2 x (3,35 + 3,20) = 13,1 m
TUG´S = 13,1/5,0 = 2,62 = 3 TUG’S
Potência: 3 x 100 VA = 300 VA

4.2.6 DISPENSA
Perímetro = 2 x (1,00 + 1,10) = 4,40 m
TUG´S = 4,40/5,0 = 0,88 = 1 TUG
Potência: 1 x 100 VA = 100 VA

4.2.7 BANHEIRO 1
Perímetro = 2 x (2,10 + 2,00) = 8,2 m
TUG´S = 8,2/5,0 = 1,64 = 1 TUG pela norma.
Potência: 1 x 600 VA = 600 VA

4.2.8 BANHEIRO 2
Perímetro = 2 x (1,50 + 2,50) = 8 m
TUG´S = 8,00/5,0 = 1,6 = 1 TUG pela norma.
Potência: 1 x 600 VA = 600 VA

4.2.9 ÁREA DE SERVIÇO


Perímetro = 2 x (2,60 + 3,80) = 12,8 m
TUG´S = 12,8/3,5 = 3,66 = 4 TUG’S
Potência: 3 x 600 VA + 1 x 100 VA = 1900 VA

4.2.10 GARAGEM
Perímetro = 2 x (3,60 + 3,45) = 14,1 m
TUG´S = 14,1/5,0 = 2,82 = 3 TUG’S, adotamos 2 TUG’S
Potência: 2 x 100 VA = 200 VA
Para a tabela com a previsão da potência instalada de força, tem-se:

Tabela- Potência Prevista nas TUG´s


CÔMODO TUG (VA)
SALA/JANTAR 4 X 100
COZINHA 3 X 600 + 1 X 100
QUARTO 1 4 X 100
QUARTO 2 3 X 100
QUARTO 3 3 X 100
DISPENSA 1 X 100

9
BANHEIRO 1 1 X 600
BANHEIRO 2 1 X 600
ÁREA DE S. 3 X 600 + 1 X 100
GARAGEM 2 X 100
JARDIM 0

4.3 TOMADAS DE USO EXCLUSIVO (TUE)


Para a instalação de tomadas de uso especifico (TUE), no que diz respeito a potência
na mesma, é levado em consideração a potência nominal de cada equipamento que fará uso do
ponto instalado.
Para o projeto em questão, especificou-se a necessidade de instalação de ar-
condicionado nos três quartos da casa, dois chuveiros elétricos, um para cada banheiro, um
ponto na área de serviço para uso de máquina de lavar, e na área externa, um ponto referente à
alimentação do portão automático.
A especificação de cada equipamento está descrita a seguir, com base em valores
tabelados.

4.3.1 QUARTO 1
1 Ar Condicionado 12000 BTU
Potência = 1168 W
𝐹𝑝 = 0,95

4.3.2 QUARTO 2
1 Ar Condicionado 9000 BTU
Potência = 822 W
𝐹𝑝 = 0,95

4.3.3 QUARTO 3
1 Ar Condicionado 9000 BTU
Potência = 822 W
𝐹𝑝 = 0,95

4.3.4 BANHEIRO 1
1 Chuveiro Elétrico
Potência = 5500 W

4.3.5 BANHEIRO 2
1 Chuveiro Elétrico
Potência = 5500 W
10
4.3.6 ÁREA DE SERVIÇO
1 Máquina de Lavar
Potência = 1000 W
𝐹𝑝 = 0,60

4.3.7 JARDIM
1 Portão Elétrico
Potência = 390 W𝐹𝑝 = 0,63

Tabela
Tabela - Potência de TUG´s e TUE´s Previstas
CÔMODO TUG (VA) TUE (W) TUE (VA) TOTAL
(VA)
SALA/JANTAR 4 X 100 0 0 400
COZINHA 3 X 600 + 1 X 100 0 0 1900
QUARTO 1 4 X 100 1 x 1168 1 X 1229,5 1629,5
QUARTO 2 3 X 100 1 x 822 1 X 865,3 1165,3
QUARTO 3 3 X 100 1 x 822 1 X 865,3 1165,3
DISPENSA 1 X 100 0 0 100
BANHEIRO 1 1 X 600 1 x 5500 1 X 5500 6100
BANHEIRO 2 1 X 600 1 x 5500 1 X 5500 6100
ÁREA DE S. 3 X 600 + 1 X 100 1 x 1000 1 X 1666,7 3566,7
GARAGEM 2 X 100 0 0 200
JARDIM 0 1 x 390 1 x 619 619

5 PREVISÃO DE CARGAS

Após todos os dimensionamentos e cálculos de distribuição de pontos de iluminação e


pontos de tomada, bem como a descrição de todos os valores de potência aparente e ativa
previstos por cômodo, abaixo segue a tabela resumida para cada previsão de carga de cada
cômodo, respectivamente:

Tabela - Quantidade de pontos e previsão de cargas por cômodo

Cômodos Potência Aparente Potência Ativa


Iluminação TUG's TUE's
Qntd [VA] Qntd [VA} Qntd [W]
SALA 4 280 4 400 0 0
COZINHA 1 100 4 1900 0 0

11
QUARTO 1 2 160 4 400 1 1168
QUARTO 2 2 160 3 300 1 822
QUARTO 3 2 160 3 300 1 822
BANHEIRO 1 1 100 1 600 1 5500
BANHEIRO 2 1 100 1 600 1 5500
ÁREA DE S. 1 100 4 1900 1 1000
GARAGEM 2 160 2 200 0 0
JARDIM 9 580 0 0 1 390
HALL 1 100 0 0 0 0
DESPENSA 1 100 1 100 0 0
TOTAL 2100 - 6700 - 15202

6 POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA DE DEMANDA

Ao prever as cargas do projeto é necessário que em seguida seja feita a previsão da


potência instalada. A potência instalada é a soma das potências nominais (de entrada) dos
equipamentos de utilização da instalação, do setor da instalação ou do conjunto de
equipamentos sua unidade é dada em W. Para levantar a potência total instalada, deve-se usar
o fator de potência para encontrar a potência ativa para cada circuito. A relação entre essas
grandezas é expressa abaixo.
𝑃𝑜𝑡ê𝑛𝑐𝑖𝑎 𝐴𝑡𝑖𝑣𝑎
Fator de Potência =
𝑃𝑜𝑡ê𝑛𝑐𝑖𝑎 𝐴𝑝𝑎𝑟𝑒𝑛𝑡𝑒

Abaixo se encontra o valor da potência instalada calculada a partir dos valores


encontrados anteriormente.

Tabela - Potência Instalada


Carga Potência Aparente Fator de Potência Potência Ativa
Iluminação 2100 VA 0.5 1050 W
TUG's 6700 VA 0.8 5360 W
TUE's 14812 W - 15202 W
Potência Instalada = 21612 W

Em instalações elétricas de forma geral nem todas as cargas são energizadas de forma
simultânea. Sendo assim, é aplicado um fator de correção à potência instalada, para que os
elementos do circuito não sejam superdimensionados, facilitando observar o maior consumo
de potência que possa vir a ocorrer.

12
Essa potência é denominada de potência demandada, e o fator de correção, chamado
fator de demanda, é representado pela letra ‘g’. Assim:
Potência de demanda = g * potência instalada
Sendo utilizado um fator de demanda diferente para a potência instalada em TUG’s e
iluminação, e outro diferente para as TUE’s, dependendo da quantidade utilizada.
A tabela abaixo expressa os valores de potência demandada para cada caso, bem
como a potência demandada total da casa.

Tabela - Potência Demandada


Potência
Potência
Carga fator de Demanda demandada
Instalada [W]
[W]
Iluminação e TUG's 1050 + 5360 0.6 3846

TUE's 15202 0.6 9121,2


TOTAL = 12967,2

7 TIPO DE FORNECIMENTO DE ENERGIA

Neste ínterim, tendo em conhecimento a potência média (ativa) total para o projeto da
residência é necessário saber o tipo de fornecimento de energia de acordo com a NT 001.

Tabela: Limites de Fornecimento de Energia


Limites de fornecimento Ligação Aérea (Potência Ligação Subterrânea
Instalada) (Potência Instalada)
Monofásica Até 10Kw Até 15kW
Bifásica Até 20kW Até 30kW
Trifásica Até 75kW Até 100kW

Logo, a potência instalada calculada para a residência foi de aproximadamente 21.612 W,


logo pela tabela 6 o fornecimento de energia será dado por um sistema a quatro fios, 3 fases e
neutro, ou seja, trifásico. Se caso o sistema residencial fosse bifásico, iria-se instalar trifásico,
pois aqui no Ceará só há manutenção para monofásico e trifásico.
Sabendo a potência instalada pode-se conhecer a tensão de alimentação e o padrão de
entrada especificado pela COELCE. Tendo a tensão de entrada da residência de 220V
eficazes, ou seja, a tensão média da rede, pode-se fazer o dimensionamento da entrada,
pontalete e poste auxiliar, caso necessário. Assim, seguindo a norma prevista, tem-se:

13
Tabela: Dimensionamento da Entrada, Pontalete e Poste Auxiliar
TIPO CARGA(W) RAMAIS DE ELETRODUTO DIÂMETRO CORRENTE
LIGAÇÃO(MM²) DE PVC (MM) DO MÁXIMA DO
TERRA(MM²) DISJUNTOR(A)
Trifásico 20,1 a 30 10 50 16 50

8 LOCAÇÃO DOS PONTOS

Para a localização dos pontos de tomadas, lâmpadas e interruptores em planta baixa da


residência, tem-se:

Figura 1 : Localização dos Pontos de Luminação e Força

Fonte: Autores

14
Para o cálculo da localização do quadro de distribuição, para que este fique
posicionado adequadamente de forma que fique em um lugar de maior concentração de
potência, tem-se:
Para a coordenada em X do quadro de distribuição:

6.47 ∗ 100 + 5.6 ∗ 60 + 9.37 ∗ 822 + ⋯ + 9.37 ∗ 100


𝐶𝐶𝑋 = = 6,95𝑚
100 + 60 + 822 + ⋯ + 100

Para a coordenada em Y do quadro de distribuição:

9.55 ∗ 822 + 9.55 ∗ 600 + 4.37 ∗ 100 + ⋯ + 11.69 ∗ 100


𝐶𝐶𝑌 = = 6,2𝑚
822 + 600 + 100 + ⋯ + 100

Assim, tendo estas coordenadas pode-se projetar o quadro de distribuição sobre esta
coordenada, no entanto como não há como colocá-lo nesta posição por falta de parede
resolveu-se posiciona-lo na coordenada 𝐶𝐶𝑋 = 7,8𝑚 e 𝐶𝐶𝑌 = 7,16𝑚.

9 DIVISÃO DOS CIRCUITOS E QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO DE


CARGAS

Tabela - Divisão dos Circuitos


CIRCUITO CIRCUITO
TENSÃO LOCAL POTÊNCIA
TERMINAL TERM. TIPO

sala de jantar, quarto 1, quarto 2,


1 ILUMINAÇÃO 1 220 banheiro 1, banheiro 2, hall, 880 VA
despensa

sala, cozinha, área de serviço,


2 ILUMINAÇÃO 2 220 640 VA
quarto 3, garagem

3 ILUMINAÇÃO 3 220 jardim 580 VA

sala de jantar, quarto 1, quarto 2,


4 TUG 1 220 2100 VA
banheiro 1, banheiro 2

5 TUG 2 220 sala, quarto 3, garagem, despensa 800 VA

15
6 TUG 3 220 cozinha 1900 VA
7 TUG 4 220 área de serviço 1900 VA
8 TUE 1 220 ar condicionado - quarto 1 1168 W
9 TUE 2 220 ar condicionado - quarto 2 822 W
10 TUE 3 220 ar condicionado - quarto 3 822 W
11 TUE 4 220 chuveiro 1 5500 W
12 TUE 5 220 chuveiro 2 5500 W
13 TUE 6 220 Máquina de lavar 1000 W
14 TUE 7 220 Portão Elétrico 390 W

Limitar as consequências de possíveis curtos-circuitos e consequentemente possíveis


falhas são os principais motivos para ocorrer a divisão de circuitos neste projeto elétrico
Além de ocorrer um melhor isolamento de cada agrupamento realizado, essa divisão facilita
ao técnico na realização de futuras manutenções na rede elétrica da casa.
A divisão foi feita tendo em vista os critérios de distribuição ditos em norma, como
circuitos exclusivos para iluminação, circuitos destinados apenas para cada TUE instalada, e
circuitos próprios para TUG’s de cozinha e área de serviço.
De maneira geral o mais importante foi utilizar o bom senso, pois é preciso considerar
que a potência é limitada a 2500VA/220V para iluminação e 4300 VA/220V para as tomadas
de uso geral. Abaixo encontra-se a tabela com a divisão de todos os circuitos do projeto
Após todos os circuitos serem divididos, utilizando os fatores de potência
correspondentes a cada tipo de circuito, segue abaixo a tabela de distribuição de cargas de
cada circuito correspondente:

Tabela - Distribuição de Cargas


CIRCUITO CIRCUITO POTÊNCIA POTÊNCIA POTÊNCIA
TENSÃO
TERMINAL TERM. TIPO APARENTE ATIVA REATIVA
ILUMINAÇÃO
1 220 880 VA 440 W 762 𝑉𝐴𝑟
1
ILUMINAÇÃO
2 220 640 VA 320 W 554,26 𝑉𝐴𝑟
2
ILUMINAÇÃO
3 220 580 VA 290 W 502,3 𝑉𝐴𝑟
3
4 TUG 1 220 2100 VA 1680 W 1260 𝑉𝐴𝑟
5 TUG 2 220 800 VA 640 W 480 𝑉𝐴𝑟
6 TUG 3 220 1900 VA 1520 W 1140 𝑉𝐴𝑟
7 TUG 4 220 1900 VA 1520 W 1140 𝑉𝐴𝑟
8 TUE 1 220 1229,5 VA 1168 W 382,04 𝑉𝐴𝑟
9 TUE 2 220 865,3 VA 822 W 270,2 𝑉𝐴𝑟
10 TUE 3 220 856,3 VA 822 W 270,2 𝑉𝐴𝑟

16
11 TUE 4 220 5500 W 5500 W 0
12 TUE 5 220 5500 W 5500 W 0
13 TUE 6 220 1666,6 VA 1000 W 1333,33𝑉𝐴𝑟
14 TUE 7 220 619 VA 390 W 480,7 𝑉𝐴𝑟
15 GERAL 220 23251.02 VA 21612 W 8575.03𝑉𝐴𝑟

10 DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES

Para o tipo de condutor a ser utilizado no projeto, foi escolhido o cobre, por conta de
suas propriedades e custo na hora da compra. Já o material isolante escolhido foi o PVC, por
sua alta resistência, e dentre outros fatores o baixo custo.
O dimensionamento dos condutores teve como base de escolha a seção nominal
mínima de cada condutor e sua máxima capacidade de corrente. Pela NBR 5410, o critério de
seção mínima adotado se distingue entre circuitos de iluminação, força e seção de
equipamentos específicos.
Para iluminação, a seção mínima adotada é de 1,5 mm², já no caso de circuitos de
força, o mínimo aplicado é 2,5 mm², e por fim, em casos de equipamentos específicos, o
dimensionamento da seção acompanha a descrição do fabricante.
Para o método de referência adotado no projeto, foi escolhido o método B1, por se
tratar de uma instalação com condutores embutidos em alvenaria, com temperatura ambiente
de 35º C.
Como os condutores estão submetidos a condições diferentes do que o de referência, que
seria a 30º C com um circuito passando por cada eletroduto, é necessário fazer uma correção
na temperatura e no agrupamento do circuito. Sabendo que a temperatura média de insolação
adotada foi de 35º C, tem-se como fator de correção de temperatura 0.94, conforme
estabelecido pela NBR 5410.
Faz necessário o conhecimento da quantidade de condutores carregados que passam por
cada eletroduto para saber seu fator de correção de agrupamento. Assim conforme a
disponiblidade destes, seguem a seguinte tabela:

Tabela- Circuitos e seus Fatores de Correção de Agrupamento(FCA)


CIRCUITO Nº DE CONDUTORES FATOR DE CORREÇÃO
CARREGADOS DE AGRUPAMENTO
1 9 0,5

17
2 4 0,65
3 9 0,5
4 9 0,5
5 4 0,65
6 4 0,65
7 9 0,5
8 9 0,5
9 9 0,5
10 3 0,7
11 9 0,5
12 9 0,5
13 9 0,5
14 4 0,65

10.1 CIRCUITO 1
Potência = 880 VA
VFN = 220 V
Potência
I=
Tensão
800
I= = 4𝐴
220
Aplicando a correção de fator de temperatura e agrupamento:
4
Ic = = 8,55 𝐴
0,94 x 0,5
Analisando o critério de seção mínima para circuitos de iluminação, a seção adotada
para os condutores do circuito é de 1,5 mm², mas por critério de ajuste de do equipamento de
proteção, como será visto no tópico seguinte, a seção necessitou de correção, vindo então 2,5
mm² a ser adotado para este circuito.

10.2 CIRCUITO 2
Potência = 640 VA
VFN = 220 V
640
I= = 2,9 𝐴
220

18
Aplicando a correção de fator de temperatura e agrupamento:
2,9
Ic = = 4,8 𝐴
0,94 x 0,65
Analisando o critério de seção mínima para circuitos de iluminação, a seção adotada
para os condutores do circuito é de 1,5 mm².

10.3 CIRCUITO 3
Potência = 640 VA
VFN = 220 V
580
I= = 2,64 𝐴
220
Aplicando a correção de fator de temperatura e agrupamento:
2,64
Ic = = 5,62 𝐴
0,94 x 0,5
Analisando o critério de seção mínima para circuitos de iluminação, a seção adotada
para os condutores do circuito é de 1,5 mm², mas por critério de ajuste de do equipamento de
proteção, como será visto no tópico seguinte, a seção necessitou de correção, vindo então 2,5
mm² a ser adotado para este circuito.

10.4 CIRCUITO 4
Potência = 2100 VA
VFN = 220 V
2100
I= = 9,54 𝐴
220
Aplicando a correção de fator de temperatura e agrupamento:
9,54
Ic = = 20,3 𝐴
0,94 x 0,5
Analisando o critério de seção mínima para circuitos de força, a seção adotada para os
condutores do circuito é de 2,5 mm².

10.5 CIRCUITO 5
Potência = 800 VA
VFN = 220 V
800
I= = 3,64 𝐴
220
Aplicando a correção de fator de temperatura e agrupamento:
19
3,64
Ic = = 5,96 𝐴
0,94 x 0,65
Analisando o critério de seção mínima para circuitos de força, a seção adotada para os
condutores do circuito é de 2,5 mm².

10.6 CIRCUITO 6
Potência = 1900 VA
VFN = 220 V
1900
I= = 8,64 𝐴
220
Aplicando a correção de fator de temperatura e agrupamento:
8,64
Ic = = 14,14 𝐴
0,94 x 0,65
Analisando o critério de seção mínima para circuitos de força, a seção adotada para os
condutores do circuito é de 2,5 mm².

10.7 CIRCUITO 7
Potência = 1900 VA
VFN = 220 V
1900
I= = 8,64 𝐴
220
Aplicando a correção de fator de temperatura e agrupamento:
8,64
Ic = = 18,4 𝐴
0,94 x 0,5
Analisando o critério de seção mínima para circuitos de força, a seção adotada para os
condutores do circuito é de 2,5 mm².

10.8 CIRCUITO 8
Potência = 1229,5 VA
VFN = 220 V
1229,5
I= = 5,59 𝐴
220
Aplicando a correção de fator de temperatura e agrupamento:
5,59
Ic = = 11,89 𝐴
0,94 x 0,5

20
Analisando o critério de seção mínima para circuitos de força, a seção adotada para os
condutores do circuito é de 2,5 mm².

10.9 CIRCUITO 9
Potência = 865,3 VA
VFN = 220 V
865,3
I= = 3,93 𝐴
220
Aplicando a correção de fator de temperatura e agrupamento:
3,93
Ic = = 8,34 𝐴
0,94 x 0,5
Analisando o critério de seção mínima para circuitos de força, a seção adotada para os
condutores do circuito é de 2,5 mm².

10.10 CIRCUITO 10
Potência = 865,3 VA
VFN = 220 V
865,3
I= = 3,93 𝐴
220
Aplicando a correção de fator de temperatura e agrupamento:
3,93
Ic = = 6,43 𝐴
0,94 x 0,65
Analisando o critério de seção mínima para circuitos de força, a seção adotada para os
condutores do circuito é de 2,5 mm².

10.11 CIRCUITO 11 E CIRCUITO 12


Potência = 5500 VA
VFN = 220 V
5500
I= = 25 𝐴
220
Aplicando a correção de fator de temperatura e agrupamento:
25
Ic = = 53,19 𝐴
0,94 x 0,5
Analisando o critério de seção mínima para circuitos de força, a seção adotada para os
condutores do circuito é de 10 mm², mas por critério de ajuste de do equipamento de proteção,

21
como será visto no tópico seguinte, a seção necessitou de correção, vindo então 16 mm² a ser
adotado para este circuito.

10.12 CIRCUITO 13
Potência = 1666,7 VA
VFN = 220 V
1666,7
I= = 7,56 𝐴
220
Aplicando a correção de fator de temperatura e agrupamento:
7,56
Ic = = 16,12 𝐴
0,94 x 0,5
Analisando o critério de seção mínima para circuitos de força, a seção adotada para os
condutores do circuito é de 2,5 mm².

10.13 CIRCUITO 14
Potência = 619 VA
VFN = 220 V
619
I= = 2,81 𝐴
220
Aplicando a correção de fator de temperatura e agrupamento:
3,93
Ic = = 4,6 𝐴
0,94 x 0,65
Analisando o critério de seção mínima para circuitos de força, a seção adotada para os
condutores do circuito é de 2,5 mm².

11 QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO

Potência Trifásica = 23251,02 VA


Potência por fase = 7750,34 VA
VFN = 220 V
7750,34
I= = 35,23 𝐴
220
Aplicando a correção de fator de temperatura e agrupamento:
35,23
Ic = = 37,48 𝐴
0,94 x 1

22
Analisando o critério de seção mínima, foi adotado 10 mm².

Tabela - Seção nominal atual dos condutores por fase


QNTD. DE CORRENTE SEÇÃO
CORRENTE SEÇÃO NOMINAL
Nº DO CIRCUITO CONDUTORES IMEDIATAM. ADOTADA
CORRIGIDA [A] MINIMA [mm²]
CARREGADOS ACIMA [A] [mm²]

1 2 8,55 9 0,5 2,5


2 2 4,8 9 0,5 1,5
3 2 5,62 9 0,5 2,5
4 2 20,3 24 2,5 4
5 2 5,96 9 0,5 2,5
6 2 14,14 17,5 1,5 2,5
7 2 18,4 24 2,5 2,5
8 2 11,89 13,5 1 2,5
9 2 8,34 9 0,5 2,5
10 2 6,43 9 0,5 2,5
11 2 53,19 57 10 16
12 2 53,19 57 10 16
13 2 16,12 17,5 1,5 2,5
14 2 4,6 9 0,5 2,5
GERAL 3 37,48 50 10 10

12 DIMENSIONAMENTO DE PROTEÇÃO

Os dispositivos de proteção, também conhecidos popularmente com disjuntores são


mecanismos utilizados nas instalações elétricas como uma forma de segurança contra
acidentes para as pessoas que frequentam o ambiente onde os mesmos estão instalados,
promovendo assim o funcionamento adequado do circuito projetado naquele local.
Para isso, é necessário realizar o dimensionamento adequado para cada tipo de
disjuntor, levando em conta uma série de fatores, como por exemplo a corrente máxima
suportada por ele. Para encontrar os disjuntores associados a cada circuito terminal é preciso
seguir os critérios a seguir:
I ≤ IN ≤ Iz’
Irp => Icc
K2 ∗S²
Tsc =
Icc²
Sendo:

23
I = corrente de projeto;
IN = corrente nominal do disjuntor;
Iz’ = corrente nominal corrigida do condutor;
Irp = capacidade de interrupção do disjuntor;
Icc= corrente de curto-circuito;
Tad = Tempo de atuação do disjuntor;
Tsc = Tempo de suportabilidade térmica dos condutores.

Sabendo que os disjuntores são constituídos de condutores de cobre de PVC, logo


k=115. Consideraremos a temperatura de 35º e presume-se uma corrente de curto-circuito de
1,37 kA, a partir da equação de Icc abaixo:

22
Icc =
√ 484 + 100 ∗ Cos∅cc0 ∗ L + 5 ∗ L²
Icc0² Icc0 ∗ S S²

Sendo L = 15 m, Icc0 = 1,7kA, Cos∅cc0 = 0.9 por tabela e S a seção nominal


do quadro de distribuição, de 10mm². Logo Icc = 1,37 kA.

12.1 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR CIRCUITO 1


I ≤ IN ≤ Iz’
S = 2,5 mm²
Iz = 24 A
Fazendo a correção através dos fatores de agrupamento e temperatura:
Iz’ = Iz x FCA x FCT
Iz’ = 24 x 0,94 x 0,5 = 11,28 A
Assim, a corrente nominal do disjuntor é:
IN = 10 A
Irp => Icc
A partir da tabela das correntes de ruptura, enquadrando o tipo de polaridade do
fornecimento elétrico, que no caso é trifásico com 220 V, a corrente de ruptura é de 5 kA,
sendo superior a Icc, que equivale a 1,37 kA.

24
Tsc ≥ Tad
1152 ∗2,5²
Tsc = = 0,0440 s
1370²
Numa situação de curto:
Icc 1370
Fator = = = 137
IN 10
Analisando o gráfico do tempo de atuação do disjuntor utilizado que foi anexado ao
final deste memorial, notamos pela curva, que Tad é próximo de 0,008 seg. Dessa forma:
0.440 0.008 s

12.2 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR CIRCUITO 2


I ≤ IN ≤ Iz’
S = 1,5 mm²
Iz = 17,5 A
Fazendo a correção através dos fatores de agrupamento e temperatura:
Iz’ = 17,5 x 0,94 x 0,65 = 10,69 A
Assim, a corrente nominal do disjuntor é:
IN = 10 A
Irp => Icc
A partir da tabela das correntes de ruptura, enquadrando o tipo de polaridade do
fornecimento elétrico, que no caso é trifásico com 220 V, a corrente de ruptura é de 5 kA,
sendo superior a Icc, que equivale a 1,37 kA.
Tsc ≥ Tad
1152 ∗1,5²
Tsc = = 0,0158 s
1370²
Numa situação de curto:
Icc 1370
Fator = = = 137
IN 10
Analisando o gráfico do tempo de atuação do disjuntor utilizado que foi anexado ao
final deste memorial, notamos pela curva, que Tad é próximo de 0,008 seg. Dessa forma:
0.0158 s ≥ 0.008 s

25
12.3 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR CIRCUITO 3
I ≤ IN ≤ Iz’
S = 2,5 mm²
Iz = 24 A
Fazendo a correção através dos fatores de agrupamento e temperatura:
Iz’ = 24 x 0,94 x 0,5 = 11,28 A
Assim, a corrente nominal do disjuntor é:
IN = 10 A
Irp => Icc
A partir da tabela das correntes de ruptura, enquadrando o tipo de polaridade do
fornecimento elétrico, que no caso é trifásico com 220 V, a corrente de ruptura é de 5 kA,
sendo superior a Icc, que equivale a 1,37 kA.
Tsc ≥ Tad
1152 ∗2,5²
Tsc = = 0,0440 s
1370²
Numa situação de curto:
Icc 1370
Fator = = = 137
IN 10
Analisando o gráfico do tempo de atuação do disjuntor utilizado que foi anexado ao
final deste memorial, notamos pela curva, que Tad é próximo de 0,008 seg. Dessa forma:
0.440 0.008 s

12.4 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR CIRCUITO 4


I ≤ IN ≤ Iz’
S = 4 mm²
Iz = 32 A
Fazendo a correção através dos fatores de agrupamento e temperatura:
Iz’ = 32 x 0,94 x 0,5 = 15,04 A
Assim, a corrente nominal do disjuntor é:
IN = 15 A
Irp => Icc
A partir da tabela das correntes de ruptura, enquadrando o tipo de polaridade do
fornecimento elétrico, que no caso é trifásico com 220 V, a corrente de ruptura é de 5 kA,
sendo superior a Icc, que equivale a 1,37 kA.

26
Tsc ≥ Tad
1152 ∗4²
Tsc = = 0,113 s
1370²
Numa situação de curto:
Icc 1370
Fator = = = 91,3
IN 10
Analisando o gráfico do tempo de atuação do disjuntor utilizado que foi anexado ao
final deste memorial, notamos pela curva, que Tad é próximo de 0,008 seg. Dessa forma:
0.113 s ≥ 0.008 s

12.5 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR CIRCUITO 5


I ≤ IN ≤ Iz’
S = 2,5 mm²
Iz = 24 A
Fazendo a correção através dos fatores de agrupamento e temperatura:
Iz’ = 24 x 0,94 x 0,65 = 14,7A
Assim, a corrente nominal do disjuntor é:
IN = 10 A
Irp => Icc
A partir da tabela das correntes de ruptura, enquadrando o tipo de polaridade do
fornecimento elétrico, que no caso é trifásico com 220 V, a corrente de ruptura é de 5 kA,
sendo superior a Icc, que equivale a 1,37 kA.
Tsc ≥ Tad
1152 ∗2,5²
Tsc = = 0,0440 s
1370²
Numa situação de curto:
Icc 1370
Fator = = = 137
IN 10
Analisando o gráfico do tempo de atuação do disjuntor utilizado que foi anexado ao
final deste memorial, notamos pela curva, que Tad é próximo de 0,008 seg. Dessa forma:
0.0440 s ≥ 0.008 s

27
12.6 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR CIRCUITO 6
I ≤ IN ≤ Iz’
S = 2,5 mm²
Iz = 24 A
Fazendo a correção através dos fatores de agrupamento e temperatura:
Iz’ = 24 x 0,94 x 0,65 = 14,7 A
Assim, a corrente nominal do disjuntor é:
IN = 10 A
Irp => Icc
A partir da tabela das correntes de ruptura, enquadrando o tipo de polaridade do
fornecimento elétrico, que no caso é trifásico com 220 V, a corrente de ruptura é de 5 kA,
sendo superior a Icc, que equivale a 1,37 kA.
Tsc ≥ Tad
1152 ∗2,5²
Tsc = = 0,0440 s
1370²
Numa situação de curto:
Icc 1370
Fator = = = 137
IN 10
Analisando o gráfico do tempo de atuação do disjuntor utilizado que foi anexado ao
final deste memorial, notamos pela curva, que Tad é próximo de 0,008 seg. Dessa forma:
0.0440 s ≥ 0.008 s

12.7 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR CIRCUITO 7


I ≤ IN ≤ Iz’
S = 2,5 mm²
Iz = 24 A
Fazendo a correção através dos fatores de agrupamento e temperatura:
Iz’ = 24 x 0,94 x 0,5 = 11,28 A
Assim, a corrente nominal do disjuntor é:
IN = 10 A
Irp => Icc
A partir da tabela das correntes de ruptura, enquadrando o tipo de polaridade do
fornecimento elétrico, que no caso é trifásico com 220 V, a corrente de ruptura é de 5 kA,
sendo superior a Icc, que equivale a 1,37 kA.

28
Tsc ≥ Tad
1152 ∗2,5²
Tsc = = 0,0440 s
1370²
Numa situação de curto:
Icc 1370
Fator = = = 137
IN 10
Analisando o gráfico do tempo de atuação do disjuntor utilizado que foi anexado ao
final deste memorial, notamos pela curva, que Tad é próximo de 0,008 seg. Dessa forma:
0.0440 s ≥ 0.008 s

12.8 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR CIRCUITO 8


I ≤ IN ≤ Iz’
S = 2,5 mm²
Iz = 24 A
Fazendo a correção através dos fatores de agrupamento e temperatura:
Iz’ = 24 x 0,94 x 0,5 = 11,28 A
Assim, a corrente nominal do disjuntor é:
IN = 10 A
Irp => Icc
A partir da tabela das correntes de ruptura, enquadrando o tipo de polaridade do
fornecimento elétrico, que no caso é trifásico com 220 V, a corrente de ruptura é de 5 kA,
sendo superior a Icc, que equivale a 1,37 kA.
Tsc ≥ Tad
1152 ∗2,5²
Tsc = = 0,0440 s
1370²
Numa situação de curto:
Icc 1370
Fator = = = 137
IN 10
Analisando o gráfico do tempo de atuação do disjuntor utilizado que foi anexado ao
final deste memorial, notamos pela curva, que Tad é próximo de 0,008 seg. Dessa forma:
0.440 ≥ 0.008 s
0.441

29
12.9 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR CIRCUITO 9
I ≤ IN ≤ Iz’
S = 2,5 mm²
Iz = 24 A
Fazendo a correção através dos fatores de agrupamento e temperatura:
Iz’ = 24 x 0,94 x 0,5 = 14,7 A
Assim, a corrente nominal do disjuntor é:
IN = 10 A
Irp => Icc
A partir da tabela das correntes de ruptura, enquadrando o tipo de polaridade do
fornecimento elétrico, que no caso é trifásico com 220 V, a corrente de ruptura é de 5 kA,
sendo superior a Icc, que equivale a 1,37 kA.
Tsc ≥ Tad
1152 ∗2,5²
Tsc = = 0,0440 s
1370²
Numa situação de curto:
Icc 1370
Fator = = = 137
IN 10
Analisando o gráfico do tempo de atuação do disjuntor utilizado que foi anexado ao
final deste memorial, notamos pela curva, que Tad é próximo de 0,008 seg. Dessa forma:
0.440 ≥ 0.008 s

12.10 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR CIRCUITO 10


I ≤ IN ≤ Iz’
S = 2,5 mm²
Iz = 24 A
Fazendo a correção através dos fatores de agrupamento e temperatura:
Iz’ = 24 x 0,94 x 0,65 = 14,7 A
Assim, a corrente nominal do disjuntor é:
IN = 10 A
Irp => Icc

30
A partir da tabela das correntes de ruptura, enquadrando o tipo de polaridade do
fornecimento elétrico, que no caso é trifásico com 220 V, a corrente de ruptura é de 5 kA,
sendo superior a Icc, que equivale a 1,37 kA.
Tsc ≥ Tad
1152 ∗2,5²
Tsc = = 0,0440 s
1370²
Numa situação de curto:
Icc 1370
Fator = = = 137
IN 10
Analisando o gráfico do tempo de atuação do disjuntor utilizado que foi anexado ao
final deste memorial, notamos pela curva, que Tad é próximo de 0,008 seg. Dessa forma:
0.440 0.008 s

12.11 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR CIRCUITOS 11 E 12


I ≤ IN ≤ Iz’
S = 16 mm²
Iz = 76 A
Fazendo a correção através dos fatores de agrupamento e temperatura:
Iz’ = 76 x 0,94 x 0,5 = 26,79 A
Assim, a corrente nominal do disjuntor é:
IN = 35 A
Irp => Icc
A partir da tabela das correntes de ruptura, enquadrando o tipo de polaridade do
fornecimento elétrico, que no caso é trifásico com 220 V, a corrente de ruptura é de 5 kA,
sendo superior a Icc, que equivale a 1,37 kA.
Tsc ≥ Tad
1152 ∗16²
Tsc = = 1,8 s
1370²
Numa situação de curto:
Icc 1370
Fator = = = 39,15
IN 35
Analisando o gráfico do tempo de atuação do disjuntor utilizado que foi anexado ao
final deste memorial, notamos pela curva, que Tad é próximo de 0,008 seg. Dessa forma:
1,8 s ≥ 0.008 s

31
12.12 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR CIRCUITO 13
I ≤ IN ≤ Iz’
S = 2,5 mm²
Iz = 24 A
Fazendo a correção através dos fatores de agrupamento e temperatura:
Iz’ = 24 x 0,94 x 0,5 = 11,28 A
Assim, a corrente nominal do disjuntor é:
IN = 10 A
Irp => Icc
A partir da tabela das correntes de ruptura, enquadrando o tipo de polaridade do
fornecimento elétrico, que no caso é trifásico com 220 V, a corrente de ruptura é de 5 kA,
sendo superior a Icc, que equivale a 1,37 kA.
Tsc ≥ Tad
1152 ∗2,5²
Tsc = = 0,0440 s
1370²
Numa situação de curto:
Icc 1370
Fator = = = 137
IN 10
Analisando o gráfico do tempo de atuação do disjuntor utilizado que foi anexado ao
final deste memorial, notamos pela curva, que Tad é próximo de 0,008 seg. Dessa forma:
0.0440 s ≥ 0.008 s

12.13 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR CIRCUITO 14


I ≤ IN ≤ Iz’
S = 2,5 mm²
Iz = 24 A
Fazendo a correção através dos fatores de agrupamento e temperatura:
Iz’ = 24 x 0,94 x 0,65 = 14,7 A
Assim, a corrente nominal do disjuntor é:
IN = 10 A

32
Irp => Icc
A partir da tabela das correntes de ruptura, enquadrando o tipo de polaridade do
fornecimento elétrico, que no caso é trifásico com 220 V, a corrente de ruptura é de 5 kA,
sendo superior a Icc, que equivale a 1,37 kA.
Tsc ≥ Tad
1152 ∗2,5²
Tsc = = 0,0440 s
1370²
Numa situação de curto:
Icc 1370
Fator = = = 137
IN 10
Analisando o gráfico do tempo de atuação do disjuntor utilizado que foi anexado ao
final deste memorial, notamos pela curva, que Tad é próximo de 0,008 seg. Dessa forma:
0.0440 s ≥ 0.008 s

12.14 DIMENSIONAMENTO DISJUNTOR DO QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO


I ≤ IN ≤ Iz’
S = 10 mm²
Iz = 50 A
Fazendo a correção através dos fatores de agrupamento e temperatura:
Iz’ = 24 x 0,94 x 1 = 47 A
Assim, a corrente nominal do disjuntor é:
IN = 40 A
Irp => Icc
A partir da tabela das correntes de ruptura, enquadrando o tipo de polaridade do
fornecimento elétrico, que no caso é trifásico com 220 V, a corrente de ruptura é de 5 kA,
sendo superior a Icc, que equivale a 1,37 kA.
Tsc ≥ Tad
1152 ∗10²
Tsc = = 0,704 s
1370²
Numa situação de curto:
Icc 1370
Fator = = = 34,25
IN 40
Analisando o gráfico do tempo de atuação do disjuntor utilizado que foi anexado ao
final deste memorial, notamos pela curva, que Tad é próximo de 0,008 seg. Dessa forma:

33
0.704 s ≥ 0.008 s
Para uma melhor visualização do dimensionamento feito em todos os circuitos, segue
abaixo uma tabela resumo com o dimensionamento geral da instalação elétrica.
Tabela - Resumo de dimensinamento da instalação elétrica
secção
sec.
NBR Iz Iz' Disj
Circuito S [VA] P [W] Q [Var] I [A] FCA FCT Ic [A] escolhida
5410 [A] [A] [A]
[mm²]
[mm²]
1 880 440 762 4 0,5 0,94 8,55 0,5 2,5 24 11,28 10
2 640 320 554,26 2,91 0,65 0,94 4,8 0,5 1,5 17,5 10,69 10
3 580 290 502,3 2,64 0,5 0,94 5,62 0,5 2,5 24 11,28 10
4 2100 1680 1260 9,54 0,5 0,94 20,3 2,5 2,5 24 11,28 10
5 800 640 480 3,64 0,65 0,94 5,96 0,5 2,5 24 14,7 10
6 1900 1520 1140 8,64 0,65 0,94 14,14 1,5 2,5 24 14,7 10
7 1900 1520 1140 8,64 0,5 0,94 18,4 2,5 2,5 24 11,28 10
8 1229,5 1168 382,04 5,59 0.5 0,94 11,89 1 2,5 24 11,28 10
9 865,3 822 270,2 3,93 0.5 0,94 8,34 0,5 2,5 24 11,28 10
10 856,3 822 270,2 3,93 0,65 0,94 6,43 0,5 2,5 24 14,7 10
11 5500 5500 0 25 0,5 0,94 53,19 10 16 76 35,72 35
12 5500 5500 0 25 0,5 0,94 53,19 10 16 76 35,72 35
13 1666,6 1000 1333,33 7,56 0,5 0,94 16,12 1,5 2,5 24 11,28 10
14 619 390 480,7 2,81 0,65 0,94 4,6 0,5 2,5 24 14,7 10
15 23251.02 21612 8575.03 x 1 0,94 x 10 10 50 47 40

13 DIMENSIONAMENTO DE ELETRODUTOS

É sabido que para dimensionar os eletrodutos é necessário que siga a norma


estabelecida pela NBR 5410 da ocupação de condutores em cada eletroduto. No entanto,
dimensionar um seria um trabalho incessante e desnecessário já que na prática não se vai
comparar inúmeros condutores de dimensões distintas. Assim, a fim de facilitar a compra do
material será adotado o mesmo eletroduto para todo o circuito.
Para que não haja problemas com a instalação e manutenção, adota-se o caso que
possui mais condutores passantes, a fim de seguir também a norma vigente da ocupação
desses equipamentos. Deste modo, dimensionando o eletroduto que sai diretamente do quadro
de distribuição no qual passam oito circuitos e vinte e dois condutores, tem-se:

34
Tabela - Quantidade de condutores passantes no eletroduto
Nº DO CIRCUITO QTD DE CONDUTORES SEÇÃO NOMINAL [MM²]
1 2 2,5
3 2 1,5
4 3 2,5
7 3 2,5
8 3 2,5
9 3 2,5
11 3 16
12 3 16

Sabendo que a seção nominal de ocupação de cada condutor é de:

Tabela - Ocupação dos condutores no eletroduto


SEÇÃO NOMINAL[ mm²] SEÇÃO OCUPADA PELOS
ELETRODUTOS [mm²]
1,5 6,2
2,5 9,1
16 33,2

Assim, calculando a seção total ocupado pelos condutores no eletroduto de acordo


com a tabela acima, tem-se:
𝑆𝑇𝑂𝑇𝐴𝐿 = 14 ∗ 9,1 + 2 ∗ 6,2 + 6 ∗ 33,2 = 339𝑚𝑚²

Para o diâmetro nominal respeitando a norma de ocupação máxima estabelecida de 40% ,


tem-se um eletroduto de PVC com 40mm de diâmetro.

35
14 LISTA DE MATERIAIS

Tabela- Descrição Geral dos Materiais Necessários


Item Quantidade Unidade Descrição
1 - - Quadro de distribuição geral

2 44 Unid. Caixa universal de interruptor ou tomada

3 7 Unid. Interruptor simples

4 5 Unid. Interruptor duplo


5 1 Unid. Interruptor triplo
6 18 Unid Caixa de passagem octagonal
7 31 Unid. Tomada universal 2P+T / 220V
8 8 Unid Luminária fluorescente compacta 30 W
9 10 Unid Luminária fluorescente compacta 50 W
10 9 Unid Luminária tipo Arandela 30 W
Disjuntor termomagnético, tripolar 40A/220V-
11 1 Unid 60Hz capacidade interruptiva mínima de 5,0 kA
em 220V
Disjuntor termomagnético, unipolar 10A/220V-
12 8 Unid 60Hz capacidade interruptiva mínima de 3,0 kA
em 220V
Disjuntor termomagnético, unipolar 35A/220V-
13 2 Unid 60Hz capacidade interruptiva mínima de 3,0 kA
em 220V
Diferencial residual, unipolar 10A/220V-60Hz
14 4 Unid capacidade interruptiva mínima de 3,0 kA em
220V
15 147,45 Metro Eletroduto PVC - 40 mm
16 14 Metro Cabo unipolar de cobre (Azul) – 1,5 mm²
17 25,4 Metro Cabo unipolar de cobre (Vermelho) – 1,5 mm²
18 23,4 Metro Cabo unipolar de cobre (Preto) – 1,5 mm²
19 383 Metro Cabo unipolar de cobre (Preto) – 2,5 mm²
20 375 Metro Cabo unipolar de cobre (Azul) – 2,5 mm²
21 280,44 Metro Cabo unipolar de cobre (Verde) – 2,5 mm²
21 351,16 Metro Cabo unipolar de cobre (Vermelho) – 2,5 mm²
22 52,18 Metro Cabo unipolar de cobre (Vermelho) – 4,0 mm²
23 52,18 Metro Cabo unipolar de cobre (Azul) – 4,0 mm²
24 52,18 Metro Cabo unipolar de cobre (Verde) – 4,0 mm²
25 22,45 Metro Cabo unipolar de cobre (Verde) – 16,0 mm²

36
26 22,45 Metro Cabo unipolar de cobre (Vermelho) – 16,0 mm²
27 22,45 Metro Cabo unipolar de cobre (Azul) – 16,0 mm²
28 30 Metro Cabo unipolar de cobre (Vermelho) – 10,0 mm²
29 10 Metro Cabo unipolar de cobre (Azul) – 10,0 mm²
30 10 Metro Cabo unipolar de cobre (Verde) – 10,0 mm²

15 DIAGRAMA UNIFILAR FINAL DAS CARGAS

O sistema de energia elétrica do projeto é trifásico, por se tratar de um sistema que


possui uma potência aparente de aproximadamente 23,2 kVA, logo cada circuito é alimentado
por uma fase especifica. A tabela abaixo forma de uma forma bem próximo do equilibrado,
quais circuitos cada fase especificamente alimenta.

Tabela - Distribuição das Fases

FASE S [VA] CIRCUITOS S TOT. [VA]

R 7750,04 1, 4, 5, 6, 7 7517
S 7750,04 2, 12, 13, 14 7589
T 7750,04 3, 8, 9, 10, 11 8719.19

Anexado ao projeto se encontra o diagrama unifilar que representa toda a distribuição das
fases para seus respectivos circuitos alimentados, bem como a representação de cada disjuntor
e sua característica especifica, tendo em vista o ambiente o qual estão sendo instalados.

37
16 ANEXOS

Seguem abaixo as tabelas utilizadas nos cálculos do dimensionamento elétrico da


consumidora residencial.

Tabela 15.1 - Capacidade de condução de corrente- Anexo 1

Tabela 15.2- Fator de Correção de Temperatura- Anexo 2

38
Tabela 15.3- Fator de Correção de Agrupamento- Anexo 3

Tabela 15.4 - Capacidade Interruptiva- Anexo 4

Tabela 15.5- Curva de Disparo do Disjuntor- Anexo 5

39
Tabela 15.6- Dimensão Total do Eletroduto- Anexo 6

Tabela 15.7- Eletrodutos de PVC Rígido Roscável- Anexo 7

Tabela 15.8- Relação área do ambiente por quantidade de BTU/h prevista- Anexo 8

40
Tabela 15.9 –Potência do Ar-Condicionado- Anexo 9

Tabela 15.10- Potência do Chuveiro Elétrico- Anexo 10

41