Vous êtes sur la page 1sur 1

Defensoria pública é a instituição destinada à garantia do acesso da população

carente à justiça, prestando assistência jurídica, judicial e extrajudicial, integral e


gratuita, por intermédio dos defensores públicos federais. Todo indivíduo,
brasileiro ou estrangeiro, possui o direito de acessar a justiça, mesmo que não
tenha como pagar um advogado particular. Por esse motivo, o governo federal e
os estaduais têm o dever de garantir assistência jurídica, por meio da defensoria
pública, a quem não dispõe dos meios financeiros requeridos.
De acordo com o critério estabelecido pela instituição, terá direito à assistência
jurídica gratuita todo o indivíduo cuja renda familiar não seja superior ao limite
de isenção do imposto de renda. Caso a renda familiar ultrapasse esse valor e o
interessado possua ainda gastos extraordinários como despesas com
medicamentos, material especial de consumo e alimentação especial, ele poderá
ter a assistência da defensoria, caso comprove esta situação.
No Brasil, a defensoria pública ramifica-se na Defensoria Pública da União,
responsável por representações contra a União, suas entidades públicas
federais ou, ainda, outros órgãos que estejam submetidos ao poder judiciário da
união. Além desta, temos as defensorias públicas em cada um dos estados e do
Distrito Federal, totalizando 27 defensorias diferentes, cada uma concentrada na
representação contra o respectivo estado e suas entidades.
A defensoria é responsável por ajuizar ações, apresentar recursos aos tribunais
e defender quem a procura nos processos cíveis ou criminais perante o poder
judiciário. Ela ainda realiza assistência jurídica extrajudicial, através do defensor
público, um agente político que não integra a advocacia, pública ou privada, e
tem independência funcional no exercício de sua função. Ele é responsável pela
orientação e o aconselhamento jurídico, além de fazer a conciliação e a
representação do interessado junto à Administração Pública.
Há alguns campos especiais onde a defensoria atua frequentemente, com
destaque para a saúde, quando o governo é obrigado a atender aqueles que
precisam de assistência médica. Quando há falha ou omissão nesse dever, a
defensoria pública pode representar os interessados, ou até quando
necessitarem de um remédio ou de internação e tratamento em hospital público.
Tem-se como exemplo, também: a educação, quando a falta deste serviço ou a
deficiência na sua prestação geram o direito da coletividade, de exigi-lo; a
moradia, apresentando defesa nas ações de imissão ou reintegração da posse;
liberdade, quando analisa a legalidade da prisão dos que não possuem
condições, atuando na defesa de acusados perante a justiça.