Vous êtes sur la page 1sur 14

INTEGRALIDADE EM SAÚDE

Roseni Pinheiro

INTEGRALIDADE COMO PRINCÍPIO DO


DIREITO À SAÚDE
A ‘integralidade’ é um dos princípios doutrinários da política

do Estado brasileiro para a saúde – o Sistema Único de

Saúde (SUS) –, que se destina a conjugar as ações

direcionadas à materialização da saúde como direito e como

serviço. Suas origens remontam à própria história do

Movimento de Reforma Sanitária brasileira, que, durante as

décadas de 1970 e 1980, abarcou diferentes movimentos de

luta por melhores condições de vida, de trabalho na saúde e

pela formulação de políticas específicas de atenção aos

usuários.

Mattos (2005a) sistematizou três conjuntos de sentidos

sobre a ‘integralidade’ que têm por base a gênese desses

movimentos, quais sejam: a ‘integralidade’ como traço da boa

medicina, a ‘integralidade’ como modo de organizar as práticas

e a ‘integralidade’ como respostas governamentais a

problemas específicos de saúde.

No primeiro conjunto de sentidos, a ‘integralidade’, um valor

a ser sustentado, um traço de uma boa medicina, consistiria

em uma resposta ao sofrimento do paciente que procura o


serviço de saúde e em um cuidado para que essa resposta não

seja a redução ao aparelho ou sistema biológico deste, pois tal

redução cria silenciamentos. A ‘integralidade’ está presente no

encontro, na conversa em que a atitude do médico busca

prudentemente reconhecer, para além das demandas

explícitas, as necessidades dos cidadãos no que diz respeito à

sua saúde. A ‘integralidade’ está presente também na

preocupação desse profissional com o uso das técnicas de

prevenção, tentando não expandir o consumo de bens e

serviços de saúde, nem dirigir a regulação dos corpos.

No segundo conjunto de sentidos, a ‘integralidade’, como

modo de organizar as práticas, exigiria uma certa

‘horizontalização’ dos programas anteriormente verticais,

desenhados pelo Ministério da Saúde, superando a

fragmentação das atividades no interior das unidades de

saúde. A necessidade de articulação entre uma demanda

programada e uma demanda espontânea aproveita as

oportunidades geradas por esta para a aplicação de protocolos

de diagnóstico e identificação de situações de risco para a

saúde, assim como o desenvolvimento de conjuntos de

atividades coletivas junto à comunidade.

Por último, há o conjunto de sentidos sobre a ‘integralidade’

e as políticas especialmente desenhadas para dar respostas a


um determinado problema de saúde ou aos problemas de

saúde que afligem certo grupo populacional.

Com a institucionalização do SUS, mediante a lei 8.080-90,

deflagrou-se um processo marcado por mudanças jurídicas,

legais e institucionais nunca antes observadas na história das

políticas de saúde do Brasil. Com a descentralização, novos

atores incorporaram- se ao cenário nacional, e esse fato, junto

à universalidade do acesso aos serviços de saúde, possibilitou

o aparecimento de ricas e diferentes experiências locais

centradas na ‘integralidade’.

A ‘integralidade’ como definição legal e institucional é

concebida como um conjunto articulado de ações e serviços de

saúde, preventivos e curativos, individuais e coletivos, em cada

caso, nos níveis de complexidade do sistema. Ao ser

constituída como ato em saúde nas vivências cotidianas dos

sujeitos nos serviços de saúde, tem germinado experiências

que produzem transformações na vida das pessoas, cujas

práticas eficazes de cuidado em saúde superam os modelos

idealizados para sua realização.

Milhares de gestores, profissionais e usuários do SUS, na

busca pela melhoria de atenção à saúde, vêm apresentando

evidências práticas do inconformismo e da necessidade de

revisão das idéias e concepções sobre saúde, em particular dos


modelos tecno-assistenciais. A busca pela implantação de

políticas públicas mais justas no país por esses atores tem-se

destacado pela sua ‘ação criativa’, como sujeitos em ação que,

na luta pela construção de um sistema de saúde universal,

democrático, acessível e de qualidade, vêm possibilitando o

surgimento de inúmeras inovações institucionais, seja na

organização dos serviços de saúde, seja na incorporação e/ou

desenvolvimento de novas tecnologiasassistenciais de atenção

aos usuários do SUS.

Essas experiências, fruto de iniciativas municipais e

estaduais, têm implicado o repensar dos aspectos mais

importantes do processo de trabalho, da gestão, do

planejamento e, sobretudo, da construção de novos saberes e

práticas em saúde, resultando em transformações no cotidiano

das pessoas que buscam e dos profissionais e gestores que

oferecem cuidado de saúde.

Entende-se que a experiência não é apreendida para ser

repetida simplesmente e passivamente transmitida, ela

acontece para migrar, recriar, potencializar outras vivências,

outras diferenças. Há uma constante negociação para que ela

exista e não se isole. Aprender com a experiência é, sobretudo,

fazer daquilo que não somos, mas poderíamos ser, parte


integrante de nosso mundo. A experiência é mais vidente que

evidente, criadora que reprodutora.

É a partir da experiência que temos as bases de uma ética

particular e concreta, em que a obra e vida se nutrem sem se

reduzirem uma a outra. A partir dela a ética seria o

desdobramento da politização dos sujeitos em suas lutas e

conquistas no presente, no mundo que vivemos.

As experiências de ‘integralidade’ identificam que conceitos,

definições e noções vêm sendo repensados, reconstruídos,

formando um verdadeiro amálgama dos demais princípios

norteadores do SUS. Pensar o cuidado em saúde como

uma tecnologia, por exemplo, e não somente como objeto de

práticas de saúde realizadas em determinado nível de atenção,

e sim nos demais níveis de atenção especializada, nos quais a

complexidade não seja dada pelo grau de hierarquização dos

espaços e procedimentos por ela definidos, mas pelos recursos

cognitivos, materiais e financeiros que reúnem.

Na experiência a ‘integralidade’ ganha o sentido mais

ampliado de sua definição legal, ou seja, pode ser concebida

como uma ação social que resulta da interação democrática

entre os atores no cotidiano de suas práticas, na oferta do

cuidado de saúde, nos diferentes níveis de atenção do sistema.


A ‘integralidade’ das ações consiste na estratégia concreta de

um fazer coletivo e realizado por indivíduos em defesa da vida.


voltar ao topo

INTEGRALIDADE COMO MEIO DE


CONCRETIZAR O DIREITO À SAÚDE
A ‘integralidade’ como eixo prioritário de uma política de

saúde, ou seja como meio de concretizar a saúde como uma

questão de cidadania, significa compreender sua

operacionalização a partir de dois movimentos recíprocos a

serem desenvolvidos pelos sujeitos implicados nos processos

organizativos em saúde: a superação de obstáculos e a

implantação de inovações no cotidiano dos serviços de saúde,

nas relações entre os níveis de gestão do SUS e nas relações

destes com a sociedade.

Esses dois movimentos consistem nos principais nexos

constituintes da ‘integralidade’ como meio de concretizar o

direito à saúde da população, do qual emergem um conjunto

de questões consideradas relevantes para sua apropriação

conceitual e prática no campo da saúde coletiva. E essas

questões estão diretamente relacionadas, muitas vezes de

forma contraditória, com as políticas econômicas e sociais

adotadas no país nas últimas décadas – políticas excludentes

que concentram riqueza e fragilizam a vida social, aumentando


de forma exponencial a demanda da população brasileira por

ações e serviços públicos de saúde.

Se, de um lado, a forma de organização de nossa sociedade,

baseada no capitalismo, tem favorecido inúmeros avanços nas

relações de produção, sobretudo no que diz respeito à

crescente sofisticação e progresso de tecnologias em

diferentes campos, inclusive da saúde, o mesmo não se pode

dizer das relações sociais. Estas revelam o sofrimento difuso e

crescente de pessoas que são cotidianamente submetidas a

padrões de profundas desigualdades, expressos pelo

acirramento do individualismo, pelo estímulo à competitividade

desenfreada e pela discriminação negativa, com desrespeito às

questões de gênero, raça, etnia e idade.

Na contramão desse processo, temos a Constituição Federal,

que, ao criar e estabelecer as diretrizes para o SUS, oferece os

elementos básicos para o reordenamento da lógica de

organização das ações e serviços de saúde brasileiros, de modo

a garantir ao conjunto dos cidadãos as ações necessárias à

melhoria das condições de vida da população.

Surgem experiências inovadoras e exitosas, em diferentes

estados e municípios do país, cujos contextos nem sempre são

favoráveis. Contudo, nessas experiências, podemos identificar

os atributos habilitadores da ‘integralidade’, na medida em que


revelam o campo das práticas como espaço privilegiado para o

surgimento de inúmeras inovações institucionais na

organização da atenção à saúde. Inovações que são

construídas cotidianamente por permanentes interações

democráticas dos sujeitos nos e entre os serviços de saúde,

sempre pautadas por valores emancipatórios fundamentados

na garantia da autonomia, no exercício da solidariedade e no

reconhecimento da liberdade de escolha do cuidado e da saúde

que se deseja obter.

Daí nasce o entendimento de sujeitos coletivos “resultantes

da intersubjetividade que somos”, vivendo em espaços

públicos, ainda carentes de um agir político compartilhado e

sociabilizado – os serviços de saúde.

Experiências de organização da atenção à saúde efetivam a

construção do SUS também no cotidiano dos usuários e

trabalhadores, oferecendo diferentes padrões de eqüidade e

‘integralidade’ forjados por práticas de gestão, de cuidados e

de controle social. A saúde, como direito de cidadania e defesa

da vida, exige análises compreensivas, a fim de identificá-la

como uma categoria da prática portadora de padrões móveis e

progressivos, e o sistema de saúde, sua organização e o

conjunto de práticas no seu interior devem ter a capacidade de

acompanhá-los e, mesmo, construir sempre novas


possibilidades, em um movimento renovado de ‘integralidade’

com eqüidade. Torna-se necessário exercer, no limite, todas as

combinações possíveis de forças técnicas, políticas e

administrativas existentes em cada realidade local – com a

necessidade tal como expressa pelos usuários e como é

percebida por meio de indicadores que a razão técnica analisa

para o planejamento, com a gerência dos serviços e com as

práticas dos trabalhadores – em arranjos dinâmicos que, a

partir de cada conquista realizada, pressionem e organizem as

condições para novos avanços.

Para entendermos a ‘integralidade’ como meio para

concretizar o direito à saúde é importante atentar para as três

dimensões que a constituem: a organização dos serviços, os

conhecimentos e práticas de trabalhadores de saúde e as

políticas governamentais com participação da população.


voltar ao topo

INTEGRALIDADE COMO FIM NA


PRODUÇÃO DA CIDADANIA DO CUIDADO
A ‘integralidade’ como fim na produção de uma cidadania do

cuidado refere-se ao ato de cuidar integral que tem as práticas

de saúde como eixos políticos-organizativos, formas de

construir inovações e novas tecnologias de atenção aos

usuários no SUS.
A ‘integralidade’ como fim na produção de uma cidadania do

cuidado se dá pelo modo de atuar democrático, do saber fazer

integrado, em um cuidar que é mais alicerçado numa relação

de compromisso ético-político de sinceridade, responsabilidade

e confiança entre sujeitos, reais, concretos e portadores de

projetos de felicidade.

Entende-se o sujeito como ser real, que produz sua história

e é responsável pelo seu devir. Respeita-se o saber das

pessoas (saber particular e diferenciado), esses saberes

históricos que foram silenciados e desqualificados, que

representam uma atitude de respeito que possa expressar

compromisso ético nas relações gestores/profissionais/

usuários.

Desta forma, ‘integralidade’ existe em ato e pode ser

demandada na organização de serviços e na renovação das

práticas de saúde, sendo reconhecida nas práticas que

valorizam o cuidado e que têm em suas concepções a idéia-

força de considerar o usuário como sujeito a ser atendido e

respeitado em suas demandas e necessidades. Essa idéia-força

constitui o cerne da cidadania do cuidado.

A ‘integralidade’ ganha visibilidade quando se atinge a

resolubilidade da equipe e dos serviços, por meio de discussões

permanentes, capacitação, utilização de protocolos e


reorganização dos serviços. Como exemplo, tem-se o

acolhimento/usuário centrado e a democratização

da gestão do cuidado pela participação dos usuários nas

decisões sobre a saúde que se deseja obter.

Nesse sentido, é preciso reconhecer nas estratégias de

melhoria de acesso e desenvolvimento de práticas integrais,

como o acolhimento, o vínculo e a responsabilização. Franco,

Bueno e Merhy (1999) destacam, historicamente centrados na

oferta e no profissional médico, um modelo centrado no

usuário.

O acolhimento é assim concebido como dispositivo para

interrogar processos intercessores que constroem relações nas

práticas de saúde, buscando a produção da responsabilização

clínica e sanitária e a intervenção resolutiva, reconhecendo

que, sem acolher e vincular, não há produção dessa

responsabilização.

Merhy (1997) propõe refletir como têm sido nossas práticas

nos diferentes momentos de relação com I os usuários. O autor

afirma que uma das traduções de acolhimento é a relação

humanizada, acolhedora, que os trabalhadores e o serviço,

como um todo, têm de estabelecer com os diferentes tipos de

usuários. Em nossa busca prévia pelos conceitos atribuídos aos

termos acolhimento e vínculo, recorremos a alguns dicionários


de língua portuguesa, a fim de verificar concordância, além de

observar o nexo lexical.

No Dicionário Aurélio de Língua Portuguesa, o termo

acolhimento está relacionado ao “ato ou efeito de acolher;

recepção, atenção, consideração, refúgio, abrigo, agasalho”. E

acolher significa: “dar acolhida ou agasalho a; hospedar,

receber; atender; dar crédito a; dar ouvidos a; admitir, aceitar;

tomar em consideração; atender a”. Já vínculo é “tudo o que

ata, liga ou aperta; ligação moral; gravame, ônus, restrições;

relação, subordinação; nexo, sentido”.

No Dicionário Houaiss, o termo acolhimento não existe,

porém acolher significa “oferecer ou obter refúgio, proteção ou

conforto físico. Ter ou receber (alguém) junto a si. Receber,

admitir, aceitar, dar crédito, levar em consideração”. Já vínculo

é definido como “aquilo que ata, liga ou aperta: que estabelece

um relacionamento lógico ou de dependência, que impõe uma

restrição ou condição”. É interessante notar que os sentidos

atribuídos às palavras não se correlacionam diretamente às

questões de saúde, mas podemos identificar alguns de seus

significados, como: “atenção, consideração, abrigo, receber,

atender, dar crédito a, dar ouvidos a, admitir, aceitar, tomar

em consideração, oferecer refúgio, proteção ou conforto físico,


ter ou receber alguém junto a si”, atributos de atenção integral

à saúde, enfim, da ‘integralidade’.

Os valores implícitos nessas palavras nos permitem realizar

diferentes aproximações com as distintas produções sobre

‘integralidade’ no cuidado, que se refere sobretudo, na

definição de responsabilidades entre serviços e população,

à humanização das práticas da saúde, ao estabelecimento de

um vínculo entre profissionais de saúde e a população, ao

estímulo à organização da comunidade para o exercício

do controle social e ao reconhecimento da saúde como direito

de cidadania.

A construção da ‘integralidade’ como fim na produção da

cidadania do cuidado, implica, necessariamente, a

disponibilidade em trabalhar a partir de um plano aberto de

possíveis, aspecto que torna essa categoria tão

particularmente polissêmica e polifônica. Tal característica, ao

contrário de indicar uma limitação ou negatividade, é antes o

que nos faz tomar a ‘integralidade’ como um campo de disputa

política e produção de real social menos determinado pelas

configurações institucionais e normativas e, portanto,

especialmente constituído e materializado através da textura

conflituosa dos encontros de diversos sujeitos e instituições.


A ‘integralidade’ é assim concebida como uma construção

coletiva, que ganha forma e expressão no espaço de encontro

dos diferentes sujeitos implicados na produção do cuidado em

saúde.
voltar ao topo

PARA SABER MAIS


FRANCO, T. B.; BUENO, W. S. & MERHY, E. E. O acolhimento e os processos de
trabalho em saúde: Betim, Minas Gera is, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 2(15):
345-353, 1999.
MATTOS, R. Os sentidos da integralidade: algumas reflexões acerca de valores que
merecem ser defendidos. In: PINHEIRO, R. & MATTOS, R. (Orgs.) Os Sentidos da
Integralidade na Atenção e no Cuida do em Saúde. 4.ed. Rio de Janeiro:
Cepesc/IMS/Uerj/Abrasco, 2005a.
MERHY, E. E. Em busca do tempo perdido: a micropolítica do traba lho vivo em
saúde. In: MERHY, E. E. & ONOCKO, R. (Orgs.) Agir em Saúde: um desafio pa ra o
público. São Paulo: Hucitec, 1997.
PI NHEIRO, R. & MATTOS, R. Construção da Integralida de: cotidiano, sa beres,
práticas em saúde. 3.ed. Rio de Janeiro: Cepesc/IMS/ Uerj/Abrasco, 2004.
PINHEIRO, R. & MATTOS, R. Os Sentidos da Integralida de na Atenção e no Cuida do
em Saúde. 4.ed. Rio de Janeiro : Cepesc/IMS/ Uerj/Abrasco, 2005a.
PINHEIRO, R. & MATTOS, R. Cuidado: as fronteiras da integralidade. 3.ed. Rio de
Janeiro: Cepesc/IMS/Uerj/Abrasco, 2005b.
PINHEIRO, R. & MATTOS, R. Construção Social da Demanda: direito à sa úde,
trabalho em equipe e pa rt icipação em espaços públicos. 1.ed. Rio de Ja neiro:
Cepesc/IMS/Uerj/ Abrasco, 2005c.

Centres d'intérêt liés