Vous êtes sur la page 1sur 499

AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Poder Constituinte����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Noções Introdutórias��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Titularidade e Exercício�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Poder Constituinte Originário����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Poder Constituinte Derivado�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Poder Constituinte
Noções Introdutórias
Poder Constituinte é o poder de elaborar e modificar normas constitucionais.
Esse poder encontra-se presente em Constituições escritas e rígidas, nas quais se assegura a Su-
premacia Constitucional.
Nos Estados onde se adotam Constituições rígidas, existem dois tipos de legisladores: o legisla-
dor constituinte e o legislador ordinário.
Não se deve confundir Poder Constituinte com Poderes Constituídos, estes são o Executivo, o
Legislativo e o Judiciário.
Titularidade e Exercício
O Titular do Poder Constituinte é o POVO (sempre), mesmo em regimes ditatoriais; é apenas o povo
que tem legitimidade para determinar como deve ser feita a Constituição ou como ela deve ser alterada.
Povo é aquele que detém a nacionalidade de um determinado Estado, no nosso caso, aquele que for
brasileiro nato ou naturalizado. Essa titularidade é assegurada no art. 1º, parágrafo único da CF/88:
Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou direta-
mente, nos termos desta Constituição.
Para Emmanuel Sieyès, criador da teoria do Poder Constituinte, a titularidade seria da Nação, e
não do povo, entretanto, para o Constitucionalismo moderno o titular é o povo.
Dizer que o povo é titular do Poder Constituinte não significa dizer que o seu EXERCÍCIO será demo-
crático. Isso porque em alguns países o poder é exercido por ditadores ou grupos que alcançam o poder de
forma não democrática. Assim, quanto ao exercício do Poder Constituinte, podemos dizer que será:
˃˃ DEMOCRÁTICO (poder constituinte legítimo): quando exercido pelo Povo, por meio de
uma Assembleia Nacional Constituinte ou Convenção composta por representantes do povo
democraticamente eleitos. Por esse modelo, o povo, legítimo titular do poder constituinte, dá
poderes para seus representantes elaborarem e promulgarem a Constituição. É o tipo de Consti-
tuição promulgada. É possível, inclusive, a participação direta do povo na elaboração da Consti-
tuição, por meio de plebiscito ou referendo, ou ainda, o povo elaborando proposta de dispositi-
vos constitucionais, em uma espécie de “iniciativa popular constitucional.”
No Brasil nenhuma das nossas Constituições teve participação direta do povo. São consideradas
promulgadas as Constituições de 1891, 1934, 1946 e a de 1988.
˃˃ AUTOCRÁTICO (poder constituinte usurpado): quando exercido por um usurpador do poder.
O exercício autocrático se dá por meio da chamada outorga, que é quando se tem a criação de
uma Constituição de forma unilateral, decorrente da vontade daquele que está no poder, sem repre-
sentação popular. É o que se chama de Poder Constituinte usurpado; é o tipo de Constituição outor-
gada. No Brasil esse tipo de exercício do poder constituinte se deu nas constituições de 1824, 1937
(Constituição Polaca), 1967 e 1969.
São duas as espécies de poder constituinte: o originário e o derivado.

Poder Constituinte Originário


O poder constituinte originário é o poder de elaborar uma nova Constituição e pode ser:
˃˃ HISTÓRICO: que ocorre com a criação de um novo Estado (poder constituinte originário his-
tórico).

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

˃˃ REVOLUCIONÁRIO: quando há a substituição de uma Constituição por outra (poder consti-


tuinte originário revolucionário).
Existem dois momentos de atuação do Poder Constituinte originário:
˃˃ Poder Constituinte Material: que é quando politicamente se decide pela criação de um Estado
ou de uma nova Constituição – é a ideia de um direito.
˃˃ Poder Constituinte Formal: que ocorre quando essa ideia é formalizada em um texto, trans-
formando a ideia em texto jurídico.
O poder constituinte originário possui 5 características, de acordo com a doutrina tradicional:
1) Político: o poder constituinte originário é político, extrajurídico ou pré-jurídico, pois é ele que
faz nascer uma ordem jurídica, rompendo definitivamente com a anterior.
2) Inicial: é a base de tudo; toda a ordem jurídica decorre da Constituição criada, sem referência de
norma precedente.
3) Incondicionado: não está vinculado a nenhuma forma ou procedimento anterior.
4) Permanente: o poder constituinte não se encerra com a elaboração da Constituição, ele fica em
estado de “dormência”, podendo ser “acordado” para uma nova manifestação.
5) Ilimitado ou autônomo: essa característica refere-se ao aspecto jurídico, no sentido de que o le-
gislador constituinte tem liberdade de atuação, podendo mudar tudo o que se conhece ou que se
tem previamente estabelecido, inclusive as cláusulas pétreas.
Essa autonomia significa também que nem mesmo o Poder Judiciário poderia fiscalizar a
validade das normas que seriam inseridas na Constituição, ou seja, não há controle de constitucio-
nalidade de uma nova Constituição.
Há correntes minoritárias que defendem que o PCO encontraria limite no direito internacio-
nal, especialmente em normas de direitos humanos. Entretanto, a corrente majoritária positivista
entende que não há limites à atuação do PCO.
Quando surge uma nova Constituição, todas as leis anteriores são revogadas?

Poder Constituinte Derivado


É o poder de modificar a Constituição e também de elaborar Constituições estaduais.
O PCD é assim chamado porque ele é criado pelo poder constituinte originário, estabelecido e
regulado na própria Constituição.
São características do PCD:
1) Jurídico: integra o Direito; seu exercício é regulado pelo Direito.
2) Derivado: porque decorre do originário.
3) Limitado ou subordinado: o seu exercício encontra limites constitucionais, que podem ser ex-
pressos ou implícitos, que são as chamadas cláusulas pétreas. Por conta disso, o seu exercício
pode ser submetido ao controle de constitucionalidade.
4) Condicionado: deve seguir a forma e os procedimentos preestabelecidos na própria Constitui-
ção, sob pena de inconstitucionalidade.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Exercícios
01. Não foram recepcionadas pela atual ordem jurídica leis ordinárias que regulavam temas para
os quais a CF passou a exigir regramento por lei complementar.
Certo ( ) Errado ( )
02. Com a promulgação da CF, foram recepcionadas, de forma implícita, as normas infraconstitu-
cionais anteriores de conteúdo compatível com o novo texto constitucional.
Certo ( ) Errado ( )
03. O titular do poder constituinte é o povo, que, no Brasil, engloba tanto os brasileiros natos
quanto os naturalizados.
Certo ( ) Errado ( )
04. Quanto ao poder constituinte, é correto afirmar:
a) Ele é sempre originário e nunca derivado.
b) Ele se materializa unicamente na Assembleia Nacional Constituinte.
c) Ele emana do povo e é exercido primordialmente por meio dos seus representantes demo-
craticamente eleitos.
d) Dissolvida a Assembleia Nacional Constituinte, extingue-se o Poder Constituinte
Gabarito
01 - Errado
02 - Certo
03 - Certo
04 - C

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Poder Constituinte����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Poder Constituinte Derivado Reformador���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Revisão Constitucional������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Emendas Constitucionais��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Limitações ao Poder de Reforma���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Poder Constituinte Derivado Decorrente������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Poder Constituinte Difuso�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������7
Poder Constituinte Supranacional����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������7

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Poder Constituinte
O Poder Constituinte Derivado se divide em PCD reformador e PCD decorrente:

Poder Constituinte Derivado Reformador


É o poder de reformar, alterar a Constituição, respeitadas algumas regras e limites estabelecidos
na CF. Esse poder foi dado ao Congresso Nacional mediante dois procedimentos: a) a revisão consti-
tucional (art. 3º ADCT); b) as emendas constitucionais (art. 60 CF).
Revisão Constitucional
Prevista no art. 3º do ADCT estabelece um procedimento simplificado de alteração da CF, que foi
realizada 5 anos após a promulgação da CF, em razão das discussões durante o trabalho da Assem-
bleia Nacional Constituinte em 1988:
Art. 3º. A revisão constitucional será realizada após cinco anos, contados da promulgação da Constitui-
ção, pelo voto da maioria absoluta dos membros do Congresso Nacional, em sessão unicameral.
Assim, 5 anos depois da promulgação, a CF poderia ser alterada por meio de um procedimento
simples, menos rígido que o das emendas constitucionais. Isso porque durante os trabalhos da As-
sembleia Nacional Constituinte houve muito debate a respeito da forma e do sistema de governo que
deveria ser adotado no país. Sendo assim, foi adotado em caráter temporário a forma de governo
republicana e o sistema de governo presidencialista, tendo sido assegurado que o povo brasileiro
deveria decidir, em 1993, por meio de plebiscito, qual a forma de governo e o sistema de governo que
deveriam vigorar no País. Conforme art. 2º do ADCT:
Art. 2º. No dia 7 de setembro de 1993 o eleitorado definirá, por meio de plebiscito, a forma (república ou
monarquia constitucional) e o sistema de governo (parlamentarismo ou presidencialismo) que devem
vigorar no País.
Se o povo optasse pela monarquia e/ou pelo parlamentarismo, a CF deveria ser substancialmente
alterada, por isso o Constituinte previu a revisão constitucional, que estabelece esse procedimento
mais fácil, simplificado para alteração da Constituição.
Esse procedimento então se encerrou em junho de 1994 e foram realizadas 6 emendas constitu-
cionais de revisão (ECR), as quais, entretanto, não tiveram grande relevância jurídica, já que o povo
não alterou a forma e o sistema de governo adotados em 1988.
→→ São essas as ECR:
˃˃ EMENDA 1 – março de 1994: acrescentou os artigos 71, 72 e 73 ao ADCT, criando o chamado
Fundo Social de Emergência:
Art. 1.º Ficam incluídos os arts. 71, 72 e 73 no Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, com a
seguinte redação:
Art. 71. Fica instituído, nos exercícios financeiros de 1994 e 1995, o Fundo Social de Emergência,
com o objetivo de saneamento financeiro da Fazenda Pública Federal e de estabilização econômi-
ca, cujos recursos serão aplicados no custeio das ações dos sistemas de saúde e educação, benefícios
previdenciários e auxílios assistenciais de prestação continuada, inclusive liquidação de passivo
previdenciário, e outros programas de relevante interesse econômico e social.
Parágrafo único. Ao Fundo criado por este artigo não se aplica, no exercício financeiro de 1994, o disposto
na parte final do inciso II do § 9.º do art. 165 da Constituição.
Art. 72. Integram o Fundo Social de Emergência:
I – o produto da arrecadação do imposto sobre renda e proventos de qualquer natureza incidente na
fonte sobre pagamentos efetuados, a qualquer título, pela União, inclusive suas autarquias e fundações;
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

II – a parcela do produto da arrecadação do imposto sobre propriedade territorial rural, do imposto


sobre renda e proventos de qualquer natureza e do imposto sobre operações de crédito, câmbio e seguro,
ou relativas a títulos ou valores mobiliários, decorrente das alterações produzidas pela Medida Provisó-
ria n.º 419 e pelas Leis n.ºs 8.847, 8.849 e 8.848, todas de 28 de janeiro de 1994, estendendo-se a vigência
da última delas até 31 de dezembro de 1995;
III – a parcela do produto da arrecadação resultante da elevação da alíquota da contribuição social
sobre o lucro dos contribuintes a que se refere o § 1.º do art. 22 da Lei n.º 8.212, de 24 de julho de 1991,
a qual, nos exercícios financeiros de 1994 e 1995, passa a ser de trinta por cento, mantidas as demais
normas da Lei n.º 7.689, de 15 de dezembro de 1988;
IV – vinte por cento do produto da arrecadação de todos os impostos e contribuições da União, excetua-
do o previsto nos incisos I, II e III;
V – a parcela do produto da arrecadação da contribuição de que trata a Lei Complementar n.º 7, de 7
de setembro de 1970, devida pelas pessoas jurídicas a que se refere o inciso III deste artigo, a qual será
calculada, nos exercícios financeiros de 1994 e 1995, mediante a aplicação da alíquota de setenta e cinco
centésimos por cento sobre a receita bruta operacional, como definida na legislação do imposto sobre
renda e proventos de qualquer natureza;
VI – outras receitas previstas em lei específica.
§ 1.º As alíquotas e a base de cálculo previstas nos incisos III e V aplicar-se-ão a partir do primeiro dia do
mês seguinte aos noventa dias posteriores à promulgação desta Emenda.
§ 2.º As parcelas de que tratam os incisos I, II, III e V serão previamente deduzidas da base de cálculo de
qualquer vinculação ou participação constitucional ou legal, não se lhes aplicando o disposto nos arts. 158,
II, 159, 212 e 239 da Constituição.
§ 3.º A parcela de que trata o inciso IV será previamente deduzida da base de cálculo das vinculações ou
participações constitucionais previstas nos arts. 153, § 5.º, 157, II, 158, II, 212 e 239 da Constituição.
§ 4.º O disposto no parágrafo anterior não se aplica aos recursos previstos no art. 159 da Constituição.
§ 5.º A parcela dos recursos provenientes do imposto sobre propriedade territorial rural e do imposto sobre
renda e proventos de qualquer natureza, destinada ao Fundo Social de Emergência, nos termos do inciso
II deste artigo, não poderá exceder:
I – no caso do imposto sobre propriedade territorial rural, a oitenta e seis inteiros e dois décimos por
cento do total do produto da sua arrecadação;
II – no caso do imposto sobre renda e proventos de qualquer natureza, a cinco inteiros e seis décimos por
cento do total do produto da sua arrecadação.
Art. 73. Na regulação do Fundo Social de Emergência não poderá ser utilizado o instrumento previsto no
inciso V do art. 59 da Constituição.
˃˃ EMENDA 2 – 7 de junho de 1994: alterou o caput do art. 50 e seu § 2º, apenas para acrescen-
tar a expressão ou quaisquer titulares de órgãos diretamente subordinados à Presidência da
República. Vejamos o texto:
Art. 50. A Câmara dos Deputados e o Senado Federal, ou qualquer de suas Comissões, poderão convocar
Ministro de Estado ou quaisquer titulares de órgãos diretamente subordinados à Presidência da Repú-
blica para prestarem, pessoalmente, informações sobre assunto previamente determinado, importando
crime de responsabilidade a ausência sem justificação adequada. (Redação dada pela Emenda Constitu-
cional de Revisão nº 2, de 1994)
§ 2º As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal poderão encaminhar pedidos escritos de in-
formações a Ministros de Estado ou a qualquer das pessoas referidas no caput deste artigo, importando em
crime de responsabilidade a recusa, ou o não atendimento, no prazo de trinta dias, bem como a prestação
de informações falsas. (Redação dada pela Emenda Constitucional de Revisão nº 2, de 1994)
˃˃ EMENDA 3 – 7 de junho de 1994: alterando os seguintes dispositivos:
»» Art. 12, I, “c” que trata da Nacionalidade potestativa e que foi inclusive alterada pela EC 54/2007;
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Art. 12. São brasileiros:


I – natos:
c) os nascidos no estrangeiro, de pai brasileiro ou de mãe brasileira, desde que sejam registrados em repar-
tição brasileira competente, ou venham a residir na República Federativa do Brasil antes da maioridade e,
alcançada esta, optem, em qualquer tempo, pela nacionalidade brasileira; (redação originária)
c) os nascidos no estrangeiro, de pai brasileiro ou mãe brasileira, desde que venham a residir na Re-
pública Federativa do Brasil e optem, em qualquer tempo, pela nacionalidade brasileira; (Redação
dada pela Emenda Constitucional de Revisão nº 3, de 1994)
c) os nascidos no estrangeiro de pai brasileiro ou de mãe brasileira, desde que sejam registrados em
repartição brasileira competente ou venham a residir na República Federativa do Brasil e optem, em
qualquer tempo, depois de atingida a maioridade, pela nacionalidade brasileira; (Redação dada pela
Emenda Constitucional nº 54, de 2007)
»» Alterou o art. 12, II, alínea “b” que trata da naturalização extraordinária, reduzindo de 30
anos para 15 anos o tempo de residência.
Art. 12. São brasileiros:
II – naturalizados:
b) os estrangeiros de qualquer nacionalidade, residentes na República Federativa do Brasil há mais
de trinta anos ininterruptos e sem condenação penal, desde que requeiram a nacionalidade brasilei-
ra. (redação originária)
b) os estrangeiros de qualquer nacionalidade, residentes na República Federativa do Brasil há mais
de quinze anos ininterruptos e sem condenação penal, desde que requeiram a nacionalidade brasilei-
ra. (Redação dada pela Emenda Constitucional de Revisão nº 3, de 1994)
»» Alterou o art. 12§, 1º da CF que trata do Português equiparado, retirando-lhes o direito de
brasileiro nato:
§ 1º – Aos portugueses com residência permanente no País, se houver reciprocidade em favor de brasilei-
ros, serão atribuídos os direitos inerentes ao brasileiro nato, salvo os casos previstos nesta Constituição.
(redação originária)
§ 1º Aos portugueses com residência permanente no País, se houver reciprocidade em favor de brasileiros,
serão atribuídos os direitos inerentes ao brasileiro, salvo os casos previstos nesta Constituição. (Redação
dada pela Emenda Constitucional de Revisão nº 3, de 1994)
»» Alterou o § 4º do art. 12, incluindo as alíneas do inciso II que trata das possibilidades de
cumulação da nacionalidade brasileira:
§ 4º – Será declarada a perda da nacionalidade do brasileiro que:
II – adquirir outra nacionalidade por naturalização voluntária.
II – adquirir outra nacionalidade, salvo nos casos: (Redação dada pela Emenda Constitucional de
Revisão nº 3, de 1994)
a) de reconhecimento de nacionalidade originária pela lei estrangeira; (Incluído pela Emenda Cons-
titucional de Revisão nº 3, de 1994)
b) de imposição de naturalização, pela norma estrangeira, ao brasileiro residente em estado es-
trangeiro, como condição para permanência em seu território ou para o exercício de direitos civis;
(Incluído pela Emenda Constitucional de Revisão nº 3, de 1994)
˃˃ EMENDA 4 – 7 de junho de 1994: alterou o § 9º do art. 14 da Constituição Federal:
§ 9º Lei complementar estabelecerá outros casos de inelegibilidade e os prazos de sua cessação, a fim de
proteger a normalidade e legitimidade das eleições contra a influência do poder econômico ou o abuso do
exercício de função, cargo ou emprego na administração direta ou indireta. (redação original).
§ 9º Lei complementar estabelecerá outros casos de inelegibilidade e os prazos de sua cessação, a fim de
proteger a probidade administrativa, a moralidade para exercício de mandato considerada vida pregressa
do candidato, e a normalidade e legitimidade das eleições contra a influência do poder econômico ou o
abuso do exercício de função, cargo ou emprego na administração direta ou indireta. (Redação dada pela
Emenda Constitucional de Revisão nº 4, de 1994)
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

˃˃ EMENDA 5 – 7 de junho de 1994: alterou o art. 82 da CF, reduzindo mandato do Presidente


da República de 5 anos para 4 anos.
Art. 82. O mandato do Presidente da República é de cinco anos, vedada a reeleição para o período subse-
quente, e terá início em 1º de janeiro do ano seguinte ao da sua eleição. (Vide Emenda Constitucional de
Revisão nº 5, de 1994)
Art. 82. O mandato do Presidente da República é de quatro anos e terá início em primeiro de janeiro do
ano seguinte ao da sua eleição. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 16, de 1997)
˃˃ EMENDA 6 – 7 de junho de 1994: acrescenta o § 4º ao art. 55 da Constituição Federal.
Art. 55. § 4º A renúncia de parlamentar submetido a processo que vise ou possa levar à perda do mandato,
nos termos deste artigo, terá seus efeitos suspensos até as deliberações finais de que tratam os §§ 2º e 3º.
São CARACTERÍSTICAS do processo de revisão constitucional:
a) Procedimento simplificado: basta a decisão da maioria absoluta do Congresso em sessão
UNICAMERAL, com promulgação pela própria Mesa do Congresso Nacional.
b) Tempo para realização: a sua realização estava autorizada apenas após 5 anos após a promulga-
ção da Constituição. Assim, após a sua realização, esgotou-se essa forma de modificação da CF,
não podendo sequer ser estabelecida nova hipótese de procedimento simplificado. Qualquer
alteração na CF deverá ser feita pelo procedimento das emendas constitucionais.
c) Limitado: por ser PCD Reformador, deve respeito às limitações constitucionais.
d) Não se aplica aos Estados-Membros: a revisão ocorreu apenas para a CF.
Emendas Constitucionais
As emendas constitucionais, por sua vez, permitem a alteração do texto constitucional por meio
de um procedimento rígido. Essa dificuldade assegura a supremacia da CF sobre as demais normas.
Assim, com o exaurimento da revisão constitucional, as emendas constitucionais são o único meio
legítimo de se alterar a redação do texto Constitucional.
O processo de elaboração de um EC compreende as seguintes etapas:
˃˃ Iniciativa: quem pode elaborar proposta de Emenda Constitucional:
Art. 60. A Constituição poderá ser emendada mediante proposta:
I – de um terço, no mínimo, dos membros da Câmara dos Deputados ou do Senado Federal;
II – do Presidente da República;
III – de mais da metade das Assembleias Legislativas das unidades da Federação, manifestando-se,
cada uma delas, pela maioria relativa de seus membros.
Cumpre observar que não cabe iniciativa popular de Emenda Constitucional.
˃˃ Discussão e votação: a proposta deve ser discutida e votada em cada uma das casas, em dois turnos
de votação, e será considerada aprovada se obtiver em cada casa e em ambos os turnos o voto de 3/5
dos respectivos membros, ou seja, pelo menos 308 deputados federais e 49 Senadores.
Art. 60 2º – A proposta será discutida e votada em cada Casa do Congresso Nacional, em dois turnos,
considerando-se aprovada se obtiver, em ambos, três quintos dos votos dos respectivos membros.
Destaca-se que a proposta de emenda não será encaminhada para sanção ou veto do Presidente,
mas sim diretamente para a promulgação.
˃˃ Promulgação: na sequência será promulgada pela Mesa de cada Casa, ou seja, pelo próprio Le-
gislativo, e não pelo Executivo. Se a emenda for rejeitada, ela não poderá ser proposta novamen-
te na mesma sessão legislativa.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

3º – A emenda à Constituição será promulgada pelas Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado
Federal, com o respectivo número de ordem.
§ 5º A matéria constante de proposta de emenda rejeitada ou havida por prejudicada não pode ser objeto
de nova proposta na mesma sessão legislativa.

Limitações ao Poder de Reforma


São limitações ao poder de reforma:
˃˃ Temporais: a limitação temporal consiste na proibição de reforma da CF por um período deter-
minado de tempo; essa limitação não existe na nossa Constituição.
Alguns doutrinadores defendem que a CF apenas trouxe esta limitação para o poder de revisão,
conforme art. 3º, ADCT.
˃˃ Circunstanciais: a CF proíbe alterações durante algumas circunstâncias excepcionais, graves,
como, por exemplo, no caso do estado de defesa, estado de sítio e na intervenção federal,
conforme art. 60 § 1º da CF:
§ 1º A Constituição não poderá ser emendada na vigência de intervenção federal, de estado de defesa ou
de estado de sítio.
˃˃ Materiais: algumas matérias não podem ser abolidas do texto constitucional, são as chamadas
cláusulas pétreas. Deve-se observar que o que não pode é extinguir, abolir, sendo possível a sua
relativização. Essas limitações podem ser expressas ou implícitas.
As limitações expressas encontram-se elencadas no art. 60, § 4º, da CF e são chamadas de cláusu-
las pétreas expressas ou explícitas.
Art. 60. § 4º Não será objeto de deliberação a proposta de emenda tendente a abolir:
I – a forma federativa de Estado;
II – o voto direto, secreto, universal e periódico;
III – a separação dos Poderes;
IV – os direitos e garantias individuais.
As limitações implícitas apontadas pela doutrina são:
a) o próprio poder constituinte originário;
b) o poder constituinte derivado;
c) o processo de modificação da Constituição, seja das emendas, seja da revisão.
˃˃ Processuais ou formais: a CF estabelece procedimentos a serem observados para alteração do
seu texto, sendo esse mais difícil do que o processo de alteração das leis; é o que caracteriza a
Constituição como rígida, pois assegura maior estabilidade à vontade do poder constituinte
originário.
Poder Constituinte Derivado Decorrente
É o poder que a CF deu aos Estados-Membros para elaborarem suas próprias Constituições Esta-
duais e decorre do poder constituinte originário, conforme art. 25 da CF e art. 11 do ADCT:
Art. 25. Os Estados organizam-se e regem-se pelas Constituições e leis que adotarem, observados os prin-
cípios desta Constituição.
Art. 11. Cada Assembleia Legislativa, com poderes constituintes, elaborará a Constituição do Estado, no
prazo de um ano, contado da promulgação da Constituição Federal, obedecidos os princípios desta.
Parágrafo único. Promulgada a Constituição do Estado, caberá à Câmara Municipal, no prazo de seis
meses, votar a Lei Orgânica respectiva, em dois turnos de discussão e votação, respeitado o disposto na
Constituição Federal e na Constituição Estadual.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

Já os Municípios, em que pese serem dotados de autonomia, não possuem poder constituinte
derivado decorrente. Isso porque a competência para elaborar suas leis orgânicas é condicionada à
observância da CF e também da CE, de modo que a sua elaboração não decorre diretamente e exclu-
sivamente do poder constituinte originário.
→→ Mas e o DF?
Apesar de o DF se auto-organizar por meio de lei orgânica, entende a doutrina que a sua auto-or-
ganização é exercício de poder constituinte derivado decorrente, pois não há Constituição estadual
que o DF deve respeitar, mas tão somente a CF. Logo a sua elaboração decorre direta e exclusiva-
mente do poder constituinte originário, funcionando como uma “Constituição local”, conforme já
decidiu o STF1.
A organização dos Estados nas suas Constituições deve observar os princípios estabelecidos na
CF, ou seja, encontram-se limitadas aos princípios constitucionais.
Esses Princípios Constitucionais são classificados em três espécies: (i) princípios constitucionais sen-
síveis, previstos no art. 34 da CF; (ii) princípios constitucionais extensíveis que consagram normas de or-
ganização da União, as quais devem obrigatoriamente ser aplicadas nos Estados, por exemplo, sistema
eleitoral, composição e organização dos Tribunais de Contas, processo legislativo; (iii) princípios constitu-
cionais estabelecidos, por exemplo, art. 37 da CF ou as competências dos Estados e Municípios.
Desse modo, as Constituições Estaduais devem adotar um modelo simétrico ao estabelecido na
CF – esse é o chamado princípio da simetria, que estabelece algumas normas de observância e re-
produção obrigatória pelos Estados nas CE.

Poder Constituinte Difuso


O poder constituinte difuso é o poder de alterar, atualizar, de forma informal a CF, por meio do
que se chama de mutação constitucional. Esse poder pode alterar o conteúdo, o alcance e o sentido
das normas constitucionais, sem alterar a literalidade do texto constitucional. Muda-se o sentido da
norma, sem mudar o seu texto.
É chamado de difuso porque não está previsto na CF.
É um poder de fato, porque nascido de uma necessidade social, quando há uma dissociação entre
a norma e o texto.
É informal, porque não possui uma forma prevista para a sua ocorrência e decorre de interpreta-
ções do sentido da Constituição.

Poder Constituinte Supranacional


É o poder de elaborar uma Constituição além dos limites do próprio Estado, com vários países,
chamadas de transnacionais, supranacionais ou globais. Exemplo disso é a tentativa de se elaborar
uma Constituição Europeia.

1 RE 577025, Relator(a): Min. RICARDO LEWANDOWSKI, Tribunal Pleno, julgado em 11/12/2008, REPERCUSSÃO GERAL –
MÉRITO DJe-043 DIVULG 05-03-2009 PUBLIC 06-03-2009 EMENT VOL-02351-08 PP-01507 RTJ VOL-00209-01 PP-00430
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
7
AlfaCon Concursos Públicos

Exercícios
01. O poder constituinte derivado reformador manifesta-se por meio de emendas à CF, ao passo
que o poder constituinte derivado decorrente manifesta-se quando da elaboração das Consti-
tuições estaduais.
Certo ( ) Errado ( )
02. Por serem normas de observância obrigatória para os Estados, os Municípios e o DF, as
chamadas cláusulas pétreas da CF devem ser reproduzidas nas respectivas leis fundamen-
tais desses entes e constituem os únicos limites materiais a serem observados quando de suas
reformas.
Certo ( ) Errado ( )

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
8
AlfaCon Concursos Públicos

03. A alteração informal do texto da Constituição Federal, realizada pelo poder difuso, é realizada
por meio de:
a) Emenda constitucional.
b) Revisão constitucional.
c) Atos das disposições constitucionais transitórias.
d) Emenda de revisão constitucional.
e) Mutação constitucional.
Gabarito
01 - Certo
02 - Errado
03 - E

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
9
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Controle de Constitucionalidade����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Noções Introdutórias��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Objeto do Controle de Constitucionalidade��������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Parâmetro de Constitucionalidade – Bloco de Constitucionalidade���������������������������������������������������������������������3
Espécies de Inconstitucionalidade����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Inconstitucionalidade por Ação e por Omissão��������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Inconstitucionalidade Material e Formal������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Inconstitucionalidade Total e Parcial�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Controle de Constitucionalidade
Noções Introdutórias
Como se sabe, o Brasil adota uma Constituição do tipo rígida, ou seja, as normas Constitu-
cionais, produzidas pelo poder constituinte originário, para serem alteradas, submetem-se a um
processo legislativo muito mais rigoroso do que o processo de elaboração das normas infraconsti-
tucionais. Como consequência disso, as normas constitucionais são hierarquicamente superiores às
normas infraconstitucionais, vigorando assim o princípio da supremacia da Constituição.
Dessa forma, todas as normas produzidas devem estar de acordo com o disposto na Constituição
Federal, para que ela possa manter assim a sua supremacia.
O processo que analisa se as normas estão ou não de acordo com o disposto na Constituição é o
que se chama de controle de constitucionalidade. O que não estiver de acordo com a Constituição
deve ser declarado inconstitucional, tornando a norma nula, sem validade.
→→ Os mecanismos e órgãos encarregados de realizar esse controle são estabelecidos pela própria
Constituição. Assim, podemos afirmar que:
˃˃ somente em sistemas com Constituição escrita e rígida é possível a realização de controle de
constitucionalidade;
˃˃ é preciso um sistema de controle e fiscalização da constitucionalidade das leis e dos atos normativos.
→→ Estudar controle de constitucionalidade nada mais é do que:
˃˃ analisar os órgãos que podem declarar a inconstitucionalidade das normas;
˃˃ quais atos se submetem a esse controle e quais são os procedimentos corretos para isso;
˃˃ quais os efeitos da declaração de inconstitucionalidade.
Devemos partir do pressuposto de que as leis e os atos normativos são constitucionais, pois reali-
zados por representantes da vontade popular; é o que se chama de princípio da presunção da cons-
titucionalidade das leis.
Objeto do Controle de Constitucionalidade
Podemos afirmar que os atos normativos sujeitos ao controle de constitucionalidade são os chamados
atos normativos PRIMÁRIOS, ou seja, aquelas espécies normativas previstas no Art. 59 da CF/88:
a) Emendas constitucionais (lembre-se: normas constitucionais originárias, não!);
b) Leis complementares;
c) Leis ordinárias;
d) Leis delegadas;
e) Medidas provisórias;
f) Decretos legislativos;
g) Resoluções;
h) Decretos autônomos.
Apesar de não estarem elencados no Art. 59 da CF/88, os decretos autônomos são classificados
como atos normativos primários, pois encontram fundamento na própria CF e por isso podem ser
objeto de controle de constitucionalidade.
→→ CUIDADO! O STF entende que quando um ato normativo secundário viola a Constituição, não
se trata de inconstitucionalidade, mas sim de ilegalidade, pois os atos secundários não encontram
fundamento na Constituição, e sim nos atos normativos primários.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Assim, não são objeto de controle de constitucionalidade os atos normativos secundários.


→→ NÃO estão sujeitos ao controle de constitucionalidade:
˃˃ as normas constitucionais originárias;
˃˃ o direito pré-constitucional, ou seja, as normas anteriores à Constituição. De acordo com o
STF, as normas anteriores à Constituição não passam por um juízo de inconstitucionalidade,
mas sim de recepção ou não recepção. Dessa forma, se a norma anterior for compatível com a
CF, ela é recepcionada e mantém-se no ordenamento jurídico; se não for recepcionada, a norma
deve ser considerada como revogada pela nova Constituição, e não declarada inconstitucional.
Dessa forma, o STF entende que não existe inconstitucionalidade superveniente.
Parâmetro de Constitucionalidade – Bloco de Constitucionalidade
O parâmetro para analisar se uma norma é ou não constitucional é a própria Constituição. En-
tretanto, o preâmbulo não pode servir como parâmetro, pois não tem força normativa. Já o ADCT,
por ser norma com hierarquia constitucional e ter força normativa (eficácia jurídica), pode servir de
parâmetro para controle de constitucionalidade.
Devem servir também como parâmetro os Tratados Internacionais de Direitos Humanos que
forem internalizados com status de emenda constitucional.
As Constituições Estaduais também servem como parâmetro para controle de constitucionali-
dade das leis estaduais e municiais (Art. 125, § 2°, CF/88).
A Lei Orgânica do Distrito Federal também serve como parâmetro de constitucionalidade para
as leis distritais.
→→ Não há controle de constitucionalidade com parâmetro em lei orgânica municipal.

Espécies de Inconstitucionalidade
Analisaremos a seguir algumas espécies de inconstitucionalidade:
Inconstitucionalidade por Ação e por Omissão
Inconstitucionalidade por ação ocorre quando uma norma é criada em desacordo com a CF, ou
seja, decorrente de um ato positivo do Estado.
Inconstitucionalidade por omissão ocorre quando o legislador, por expressa determinação constitu-
cional, deveria criar a norma e não o faz. Esse tipo de inconstitucionalidade ocorre diante de normas de
eficácia limitada. A inconstitucionalidade por omissão pode ser total ou parcial. É total quando o legis-
lador obrigado a legislar não legisla (ex.: direito de greve dos servidores públicos); e é parcial, quando o
legislador faz a norma, mas ela é insuficiente para atender ao comando da Constituição.

Inconstitucionalidade Material e Formal


A inconstitucionalidade material , ou namoestática, ocorre quando o conteúdo da norma viola a
Constituição. Ex.: lei que estabeleça pena de morte no Brasil em situação de normalidade institucional.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

A inconstitucionalidade formal, ou namodinâmica, ocorre quando o processo de elaboração da


norma foi desrespeitado. A inconstitucionalidade formal pode ser orgânica ou propriamente dita.
Vejamos:
˃˃ Inconstitucionalidade formal orgânica: ocorre pela inobservância das regras constitucionais
de competência. Nesse caso, a lei é realizada por ente que não tem competência para a elabo-
ração da referida norma. Por exemplo, uma lei estadual dispondo a respeito de trânsito e trans-
porte, essa norma é inconstitucional, porque a competência para legislar sobre esse tema é da
União, e não dos estados.
˃˃ Inconstitucionalidade formal propriamente dita: ocorre pela inobservância de regras do
processo legislativo. Essa inconstitucionalidade pode ocorrer por violação de requisitos subje-
tivos ou objetivos do processo. Vejamos:
»» Viola os requisitos subjetivos quando houver vício de iniciativa da norma, por exemplo, um
parlamentar que apresenta projeto de lei sobre o regime jurídico dos servidores públicos
federais; a competência para propor essa lei é reservada ao Presidente da República; caso essa
lei seja aprovada, ela será inconstitucional por vício na iniciativa.
»» Viola os requisitos objetivos quando ferir qualquer outra regra referente ao processo legislativo.
Por exemplo, a CF exige que aquele tema seja regulamentado por meio de lei complementar, e a lei
criada é ordinária; nesse caso, a lei será inconstitucional por violação dos requisitos objetivos.

Inconstitucionalidade Total e Parcial


A inconstitucionalidade é total quando atinge todo o ato, ou seja, toda a norma é inconstitucional.
A inconstitucionalidade é parcial quando atinge um artigo, um parágrafo ou uma alínea da
norma, podendo, se for declarada pelo Judiciário recair até mesmo em uma palavra1.
Ainda a respeito da inconstitucionalidade parcial merecem destaque duas formas de declaração
de inconstitucionalidade adotadas pelo STF: a declaração parcial de nulidade sem redução de texto
e a interpretação conforme a Constituição.
˃˃ Declaração parcial de nulidade sem redução de texto ocorre quando o STF vê que parte da
norma é inconstitucional, mas a exclusão seria tecnicamente impossível pela redação da norma
ou porque a retirada da parte indesejada acabaria acarretando um resultado ruim, indesejado.
Nesse caso, o STF determina que apenas a aplicação da lei a determinadas pessoas, ou em deter-
minados períodos, é inconstitucional, ou seja, nenhuma palavra da lei é suprimida, apenas a sua
aplicação é considerada como inconstitucional.
˃˃ A interpretação conforme a Constituição, técnica também adotada pelo STF, ocorre quando
uma norma comporta mais de uma interpretação, e uma ou algumas interpretações são incons-
titucionais. Nesse caso, o Poder Judiciário deve declarar a interpretação que se compatibiliza
com a Constituição ou proibir a adoção de uma interpretação específica.
Essas técnicas mencionadas encontram-se regulamentadas na Lei 9.868/1999 (Art. 28, parágrafo
único).

1 Cuidado! O veto do presidente por inconstitucionalidade não pode recair em fração de artigo ou em palavras isoladas, mas
tão somente em texto integral de artigo, parágrafo, inciso ou alínea, conforme Art. 66,§ 2º, da CF/88. Art. 66 § 2º O veto parcial
somente abrangerá texto integral de artigo, de parágrafo, de inciso ou de alínea.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

Exercícios
01. Se um órgão usurpa iniciativa reservada ao Presidente da República na Constituição Federal e
aprova o projeto decorrente de tal usurpação, a hipótese ensejará inconstitucionalidade:
a) formal.
b) material.
c) omissiva.
d) parcial.
e) superveniente.
02. O STF admite, com fundamento no princípio da contemporaneidade, a aplicação da denomi-
nada teoria da inconstitucionalidade superveniente.
Certo ( ) Errado ( )
03. No tocante ao controle de constitucionalidade, na hipótese de recente lei ordinária dispensar
o contraditório em processo administrativo que objetiva a imposição de sanções a servidores
públicos, é correto afirmar que o referido ato normativo padeceria de inconstitucionalidade:
a) superveniente.
b) nomodinâmica.
c) nomoestática.
d) formal subjetiva.
e) formal objetiva.
Gabarito
01 - A
02 - Errado
03 - C
Referências Bibliográficas
BRASIL. Constituição Federal.
CANOTILHO, JJ GOMES e outros. Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2014.
LENZA, Pedro. Direito Constitucional. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Atlas, 2014.
NOVELINO, Marcelo. Curso de Direito Constitucional. 11. ed. Salvador: JusPodivm, 2016.
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Constitucional descomplicado. 15 ed. São
Paulo: Método, 2016.
SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2006.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Controle de Constitucionalidade����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Momento de Controle�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Controle Preventivo������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Controle Repressivo������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Sistemas de Controle���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Sistemas ou Modelos de Controle Judicial de Constitucionalidade����������������������������������������������������������������������������4
Vias de Ação�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Tribunal de Contas�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Controle de Constitucionalidade
Momento de Controle
O controle de constitucionalidade pode acontecer em dois momentos, antes ou depois da elabo-
ração da norma. Se ocorre durante o processo de elaboração da lei (lato sensu) chamamos de controle
preventivo; se ocorre após a elaboração da norma, chamamos de controle repressivo.
Controle Preventivo
O controle preventivo pode ser realizado pelos três Poderes (Legislativo, Executivo e Judiciário) e
é realizado durante o processo de elaboração do ato normativo. Nesse caso, não se declara a incons-
titucionalidade, apenas se impede que uma norma inconstitucional entre no ordenamento jurídico.
˃˃ O Legislativo realiza esse controle por meio das Comissões de Constituição e Justiça, compe-
tentes para analisar a existência de alguma inconstitucionalidade no projeto.
˃˃ O Executivo realiza controle de constitucionalidade por meio do veto do Chefe do Executivo.
Sabe-se que o Chefe do Executivo pode sancionar ou vetar projetos de lei. O veto só pode ter
dois fundamentos: a inconstitucionalidade ou a contrariedade ao interesse público. O veto pela
inconstitucionalidade é chamado de veto jurídico, e pela contrariedade ao interesse público é
chamado de veto político. Quando o Presidente veta pela inconstitucionalidade, realiza controle
prévio de constitucionalidade.
˃˃ O Judiciário realiza controle de constitucionalidade preventivo, quando provocado por meio de
mandado de segurança impetrado por parlamentar que visa sustar a tramitação de projeto que
entenda inconstitucional.
Controle Repressivo
O Controle repressivo ocorre quando a norma já está pronta e inserida na ordem jurídica, nesse
caso o objetivo é a declaração de inconstitucionalidade da norma existente.
Como regra, esse controle é feito pelo Poder Judiciário, por intermédio do sistema de controle
jurisdicional misto (difuso e concentrado), entretanto, excepcionalmente esse controle pode ser feito
pelo Legislativo.
O Legislativo exerce controle de constitucionalidade repressivo nas seguintes hipóteses:
a) Sustar atos normativos – Art. 49, V.
O Congresso Nacional tem competência para sustar os atos normativos do Poder Executivo que
exorbitem o poder regulamentar ou os limites da delegação legislativa (autorização para elaboração
de lei delegada), conforme Art. 49, V da CF/88:
Art. 49. É da competência exclusiva do Congresso Nacional:
V – sustar os atos normativos do Poder Executivo que exorbitem do poder regulamentar ou dos limites
de delegação legislativa;
Quando o Poder Executivo exorbita o poder regulamentar, temos em verdade um controle de legali-
dade, e não de constitucionalidade. Entretanto, quando susta os efeitos da lei delegada (Art. 68 CF/88), o
Congresso Nacional realiza controle de constitucionalidade. É chamado de “veto legislativo.”
Essa decisão do Congresso opera efeitos “ex nunc”, porque está apenas suspendendo a eficácia do
ato normativo.
b) Medida provisória – Art. 62.
Como se sabe, o Presidente pode expedir medida provisória no caso de relevância e urgência. Na
sequência, essa norma deve ser enviada ao Congresso Nacional para análise do cumprimento dos
pressupostos constitucionais, ou seja, para analisar a sua constitucionalidade.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Art. 62. Em caso de relevância e urgência, o Presidente da República poderá adotar medidas provisórias,
com força de lei, devendo submetê-las de imediato ao Congresso Nacional.
c) Senado – suspender execução de lei declarada inconstitucional por decisão do STF – Art. 52, X.
De acordo com o Art. 52, X da CF/88:
Art. 52. Compete privativamente ao Senado Federal:
X – suspender a execução, no todo ou em parte, de lei declarada inconstitucional por decisão definitiva
do Supremo Tribunal Federal.
Nesse caso, o STF, ao realizar controle de constitucionalidade DIFUSO (em um caso concreto),
declara a inconstitucionalidade de uma determinada norma, e o Senado atribui efeitos abstratos à
decisão, suspendendo os efeitos da lei.
A suspensão pelo Senado Federal poderá se dar em relação a leis federais, estaduais, distritais
ou mesmo municipais que forem declaradas inconstitucionais pelo STF, de modo incidental, no
controle difuso de constitucionalidade.
Destaca-se que essas manifestações do Poder Legislativo, no controle de constitucionalidade,
não impedem a possibilidade de apreciação pelo Poder Judiciário.

Sistemas de Controle
A respeito do controle repressivo de constitucionalidade, que é aquele que ocorre após a elabora-
ção da norma, a depender da Constituição de um Estado, podemos ter diversos sistemas de controle
de constitucionalidade: jurisdicional; político ou misto.
˃˃ O sistema é jurisdicional quando realizado pelo Poder Judiciário. Ex.: EUA, Brasil.
˃˃ O sistema é político quando realizado por órgão que não integra o Poder Judiciário.
˃˃ O sistema é misto quando o controle é realizado em parte pelo Judiciário e em parte por outros
órgãos alheios ao Poder Judiciário.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

O Brasil adota o sistema jurisdicional de controle de constitucionalidade repressivo.


Vale lembrar que o controle de constitucionalidade preventivo realizado pelas CCJs, no âmbito
das Casas Legislativas, o veto jurídico do Presidente e o controle repressivo pelo Poder Legislativo
são exemplos de controle político, mas isso não caracteriza o nosso modelo como sistema misto, pois
há possibilidade de submissão desses controles ao Judiciário. Logo, quem realiza o controle de cons-
titucionalidade repressivo de forma definitiva é o Poder Judiciário.

Sistemas ou Modelos de Controle Judicial de Constitucionalidade


Como vimos, o Brasil adota o modelo de controle judicial de constitucionalidade, que pode ser
de duas formas:
˃˃ Controle Difuso, de origem americana; nesse modelo todos os juízes ou tribunais do Poder
Judiciário realizam controle de constitucionalidade. Vamos analisar quais órgãos podem fazer:
˃˃ Controle Concentrado, de origem austríaca (Hans Kelsen); nesse modelo somente um órgão
do Judiciário realiza o controle.
Quando o sistema judicial adotado utiliza a possibilidade de controle concentrado e difuso,
chamamos de sistema misto. No Brasil adotamos os dois modelos, por isso chamamos de sistema
jurisdicional misto.

Vias de Ação
Vimos, então, que o controle de constitucionalidade jurisdicional pode ser realizado tanto de
forma concentrada, como difusa. Entretanto, como é que uma norma pode ser impugnada perante o
Poder Judiciário? Quais as vias existentes para isso? Existem duas formas:
˃˃ Pela via incidental (de defesa ou exceção), em um caso concreto – chamamos de controle
concreto. Aqui o objetivo principal da ação não é a inconstitucionalidade em si, mas sim o re-
conhecimento de um direito. Esse controle pode ser realizado por todos os juízes e tribunais do
Poder Judiciário.
˃˃ Pela via principal, de forma abstrata – chamamos de controle abstrato. Nesse caso, o autor da
Ação busca como finalidade única e principal a realização do controle de constitucionalidade,
não há um caso específico, o controle é feito em tese, por meio de ações específicas, são elas:
Ação Direta de Inconstitucionalidade (genérica, interventiva ou por omissão), Ação Declarató-
ria de Constitucionalidade e Ação de Descumprimento de preceito fundamental perante o STF.
Além desse controle perante o STF, é possível também controle abstrato das Constituições
Estaduais e da Lei Orgânica do DF perante os respectivos Tribunais de Justiça.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

Em regra, o sistema difuso é utilizado pela via incidental – do controle concreto, enquanto que o
controle concentrado é utilizado pela via principal – controle abstrato. Entretanto, nem todo controle
concreto será difuso, exemplo disso é a ADI interventiva, em que o controle é concentrado (STF que
julga), mas analisando um caso concreto; logo, é concreto e concentrado.
Tribunal de Contas
De acordo com o STF, os Tribunais de Contas podem afastar a aplicação de leis e atos normativos
que entenderem inconstitucionais. É o que determina a Súmula 347 do STF:
Súmula 347: O Tribunal de Contas, no exercício de suas atribuições, pode apreciar a constitucionalidade
das leis e dos atos do Poder Público.
Esse controle de constitucionalidade realizado pelos Tribunais de Contas configura controle
difuso de constitucionalidade, pressupondo a análise de um caso concreto, e não de controle abstrato.
Além do mais, a decisão do Tribunal de Contas pode ser submetida à apreciação do Poder Judiciá-
rio, uma vez que é o único órgão que decide de forma definitiva a Constitucionalidade das normas.
Exercícios
01. A Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental é exemplo de Controle de Consti-
tucionalidade
a) difuso.
b) concentrado.
c) misto.
d) não previsto no Direito brasileiro.
02. No sistema de controle de constitucionalidade adotado no Brasil existem influências norte-a-
mericanas e germânicas. O Brasil, em decorrência disso, estabelece as bases do seu sistema de
controle de constitucionalidade em:
a) político, com revisão judicial.
b) judicial, abstrato e concreto.
c) misto, com tribunal constitucional.
d) judicial, de controle concentrado.
e) político, de controle popular.
03. No Brasil o controle de constitucionalidade repressivo judiciário é
a) apenas difuso.
b) misto.
c) concentrado dependente de complementação.
d) apenas concentrado.
e) difuso dependente de complementação.
Gabarito
01 - B
02 - B
03 - B
Referências Bibliográficas
BRASIL. Constituição Federal.
CANOTILHO, JJ GOMES e outros. Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2014.
LENZA, Pedro. Direito Constitucional. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Atlas, 2014.
NOVELINO, Marcelo. Curso de Direito Constitucional. 11. ed. Salvador: JusPodivm, 2016.
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Constitucional descomplicado. 15 ed. São
Paulo: Método, 2016.
SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2006.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Controle de Constitucionalidade����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Controle Difuso�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Conceito e Origem��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Legitimidade Ativa�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Espécies de Ações Judiciais������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Objeto do Controle Difuso������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Competências����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Recurso Extraordinário�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Efeitos da Decisão���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Senado Federal�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Súmula Vinculante������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Iniciativa�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Requisitos�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Deliberação��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Eficácia���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Reclamação Constitucional�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������7

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Controle de Constitucionalidade
Controle Difuso
Como vimos, o Brasil adota o modelo de controle judicial de constitucionalidade, que pode ser
de duas formas: difuso e concentrado. Veremos agora mais detalhes a respeito do controle difuso de
constitucionalidade.
Conceito e Origem
O controle de constitucionalidade difuso tem origem nos Estados Unidos, por isso é chamado
também de controle americano. Esse modelo o controle pode ser realizado por todos os juízes e tri-
bunais do Poder Judiciário, nas mais variadas ações, declarando a inconstitucionalidade de determi-
nada norma em um caso concreto.
A pessoa que ingressa com a Ação não tem como objetivo final a declaração de inconstitucio-
nalidade, mas a análise da questão constitucional é indispensável para a solução do caso, por isso
esse modelo de controle é chamado de incidental, incidenter tantum, por via de exceção, por via de
defesa, concreto ou indireto.
Legitimidade Ativa
→→ Quem pode iniciar o processo de controle difuso? Vejamos:
˃˃ as partes do processo;
˃˃ terceiros (intervenientes no processo);
˃˃ Ministério Público;’
˃˃ Juiz ou Tribunal de ofício, isso porque os juízes não precisam de provocação para afastar a apli-
cação de norma que entendem ser inconstitucional.
Espécies de Ações Judiciais
Toda e qualquer ação judicial pode ensejar a realização do controle difuso de constitucionalida-
de, independentemente da sua natureza.
Destaca-se o entendimento do STF de que a Ação Civil Pública também pode ser utilizada como
instrumento de controle difuso, desde que a finalidade da Ação não seja a inconstitucionalidade, ou
seja, tem que ser em um caso concreto.
Objeto do Controle Difuso
Toda e qualquer norma pode ser objeto desse controle incidental, ou seja, leis e atos normativos em
geral, feitos pela União, pelos estados, pelo Distrito federal ou pelos municípios, inclusive atos anteriores
à CF/88, mas nesse caso não declarando a constitucionalidade, e sim se a norma foi ou não recepcionada.
Competências
Como visto, qualquer órgão do Poder Judiciário, juiz ou tribunal, pode declarar a inconstitucio-
nalidade controle difuso.
˃˃ Juiz de 1º grau: pode declarar a inconstitucionalidade motivando a sua decisão.
˃˃ Tribunais: os tribunais também podem declarar a inconstitucionalidade, entretanto, só podem
fazer isso por decisão de maioria absoluta dos membros do Tribunal ou do órgão especial1. É o
que se chama de cláusula de reserva de plenário, prevista no Art. 97 da CF/88:
1 Previsão de criação de órgão especial. Art. 93, XI CF/88: XI. nos tribunais com número superior a vinte e cinco julgadores,
poderá ser constituído órgão especial, com o mínimo de onze e o máximo de vinte e cinco membros, para o exercício das atribuições
administrativas e jurisdicionais delegadas da competência do tribunal pleno, provendo-se metade das vagas por antiguidade e a outra
metade por eleição pelo tribunal pleno.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Art. 97. Somente pelo voto da maioria absoluta de seus membros ou dos membros do respectivo órgão
especial poderão os tribunais declarar a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo do Poder Público.
A CF, dessa forma, estabelece um procedimento especial para declaração de inconstituciona-
lidade no âmbito dos tribunais, exigindo a maioria absoluta do Plenário ou do órgão especial do
Tribunal, sob pena de nulidade da decisão. Assim, a declaração de inconstitucionalidade não poderá
ser feita por órgão fracionário (turmas, câmaras e seções). Vejamos o teor da Súmula vinculante 10.
Súmula Vinculante 10: viola a cláusula de reserva de plenário (CF, artigo 97) a decisão de órgão fracio-
nário de tribunal que, embora não declare expressamente a inconstitucionalidade de lei ou ato normati-
vo do Poder Público, afasta sua incidência, no todo ou em parte.
Essa exigência é válida tanto para declaração de inconstitucionalidade com fundamento da
CF/88 quanto na Constituição Estadual, mas não se aplica para a verificação de recepção ou não de
norma pré-constitucional.
→→ Por fim, ressalta-se que a exigência de reserva de plenário só é aplicável para a primeira apreciação
da inconstitucionalidade de determinada norma. Isso porque, de acordo com o STF, se o plenário,
o órgão especial ou o plenário do STF já tiverem proferido decisão a respeito, os órgãos fracioná-
rios poderão, adotando a interpretação dada, declarar a inconstitucionalidade das normas.
Recurso Extraordinário
O recurso extraordinário é o recurso competente para levar até o STF controvérsia constitucio-
nal discutida em instâncias inferiores, possibilitando o controle difuso também pelo órgão máximo
do Poder Judiciário.
Art. 102. Compete ao Supremo Tribunal Federal, precipuamente, a guarda da Constituição, cabendo-lhe:
III – julgar, mediante recurso extraordinário, as causas decididas em única ou última instância,
quando a decisão recorrida:
a) contrariar dispositivo desta Constituição;
b) declarar a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal;
c) julgar válida lei ou ato de governo local contestado em face desta Constituição.
d) julgar válida lei local contestada em face de lei federal.

Efeitos da Decisão
→→ Os efeitos do controle difuso, independentemente do órgão que tenha proferido a decisão:
˃˃ serão entre as partes do processo (inter partes);
˃˃ não terão efeito vinculante;
˃˃ terão efeitos retroativos (ex tunc) – em regra.
Entretanto, pode o STF, por razões de segurança jurídica ou relevante interesse social, deter-
minar que os efeitos sejam apenas prospectivos (ex nunc), não retroativos, ou até mesmo fixar um
momento para o início da eficácia da decisão.

Senado Federal
Apesar de a decisão no controle difuso produzir efeitos apenas entre as partes (inter partes),
existe a possibilidade de ampliação desses efeitos, conferindo eficácia geral (erga omnes) à decisão,
mediante a atuação do Senado Federal, quando a decisão tiver sido dada pelo STF. É o que dispõe o
Art. 52, X da CF/88:
Art. 52. Compete privativamente ao Senado Federal:
X – suspender a execução, no todo ou em parte, de lei declarada inconstitucional por decisão definitiva
do Supremo Tribunal Federal.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Nesse caso, o STF realizando controle de constitucionalidade DIFUSO (em um caso concreto)
declara a inconstitucionalidade de uma determinada norma e o Senado atribui efeitos abstratos à
decisão suspendendo os efeitos da lei. Logo, aquela decisão produzirá efeitos erga omnes.
A suspensão pelo Senado Federal poderá dar-se em relação a leis federais, estaduais, distritais
ou mesmo municipais que forem declaradas inconstitucionais pelo STF, de modo incidental, no
controle difuso de constitucionalidade.
Os efeitos da decisão do Senado, de acordo com a doutrina majoritária, são prospectivos, ou seja,
ex nunc. Esse também é o entendimento das bancas.
O Senado não é obrigado a suspender a execução da lei, sendo, portanto, um ato facultativo, de
natureza política e materializado mediante uma resolução. Além disso, uma vez suspensa por resolução,
o Senado não pode revogar seu ato de suspensão, nem restringir ou ampliar o alcance da decisão do STF.
A resolução se sujeita ao controle abstrato de constitucionalidade.
→→ Atenção! O Senado só pode suspender a execução de lei se ela foi declarada inconstitucional pelo
STF, não sendo possível se a decisão for proferida por outros órgãos do Judiciário.
˃˃ Resumindo:

Súmula Vinculante
Como vimos, as decisões do STF no controle difuso (concreto) operam efeitos apenas inter partes,
não vinculando os demais órgãos do Poder Judiciário, muito menos a Administração Pública, de
modo que o indivíduo que pretenda ser beneficiado pela declaração de inconstitucionalidade de de-
terminado ato normativo deverá propor ação judicial. Essa sistemática acaba provocando uma “en-
xurrada” de ações judiciais com matéria idêntica, congestionando o Poder Judiciário.
Diante dessa situação, a EC 45/2004 criou a chamada Súmula Vinculante, que visa atribuir efeitos
vinculantes a determinadas posições do STF. Vejamos o que dispõe o Art. 103-A da CF/88:
Art. 103-A. O Supremo Tribunal Federal poderá, de ofício ou por provocação, mediante decisão de dois terços
dos seus membros, após reiteradas decisões sobre matéria constitucional, aprovar súmula que, a partir de sua
publicação na imprensa oficial, terá efeito vinculante em relação aos demais órgãos do Poder Judiciário e à ad-
ministração pública direta e indireta, nas esferas federal, estadual e municipal, bem como proceder à sua revisão
ou cancelamento, na forma estabelecida em lei. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004)
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

(Vide Lei nº 11.417, de 2006).


§ 1º A súmula terá por objetivo a validade, a interpretação e a eficácia de normas determinadas, acerca das
quais haja controvérsia atual entre órgãos judiciários ou entre esses e a administração pública que acarrete
grave insegurança jurídica e relevante multiplicação de processos sobre questão idêntica. (Incluído pela
Emenda Constitucional nº 45, de 2004)
§ 2º Sem prejuízo do que vier a ser estabelecido em lei, a aprovação, revisão ou cancelamento de súmula
poderá ser provocada por aqueles que podem propor a ação direta de inconstitucionalidade. (Incluído pela
Emenda Constitucional nº 45, de 2004)
§ 3º Do ato administrativo ou decisão judicial que contrariar a súmula aplicável ou que indevidamente a
aplicar, caberá reclamação ao Supremo Tribunal Federal que, julgando-a procedente, anulará o ato admi-
nistrativo ou cassará a decisão judicial reclamada, e determinará que outra seja proferida com ou sem a
aplicação da súmula, conforme o caso.
A Súmula Vinculante encontra-se regulamentada na Lei 11.417/2006.
Iniciativa
Apenas o STF pode aprovar, rever ou cancelar súmula vinculante, mas quem pode propor a
criação de uma súmula vinculante?
Além do próprio STF – de ofício – o § 2º do Art. 103-A da CF/88 permite que a Súmula Vinculan-
te seja proposta pelos legitimados para propor Ação Direta de Inconstitucionalidade. Regulamen-
tando o referido dispositivo, a Lei 11.417/2006 ampliou esse rol de legitimados.
→→ São legitimados para propor a edição de Súmula Vinculante (Art. 3º, Lei 11.417/2006):
˃˃ o próprio STF – de ofício;
˃˃ o Presidente da República; (ADI)
˃˃ a Mesa do Senado Federal; (ADI)
˃˃ a Mesa da Câmara dos Deputados; (ADI)
˃˃ a Mesa de Assembleia Legislativa ou da Câmara Legislativa do Distrito Federal; (ADI)
˃˃ o Governador de Estado ou do Distrito Federal; (ADI)
˃˃ o Procurador-Geral da República; (ADI)
˃˃ o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil; (ADI)
˃˃ partido político com representação no Congresso Nacional; (ADI)
˃˃ confederação sindical ou entidade de classe de âmbito nacional; (ADI)
˃˃ o Defensor Público-Geral da União;
˃˃ os Tribunais Superiores, os Tribunais de Justiça dos Estados ou do Distrito Federal e dos
Territórios, os Tribunais Regionais Federais, os Tribunais Regionais do Trabalho, os Tribu-
nais Regionais Eleitorais e os Tribunais Militares.
O § 1º do Art. 3º da Lei 11.417 dispõe que o Município poderá propor, incidentalmente ao curso
de processo em que seja parte, a edição, a revisão ou o cancelamento de enunciado de súmula vincu-
lante, o que não autoriza a suspensão do processo.
A proposta de edição, revisão ou cancelamento de enunciado de súmula vinculante não autoriza
a suspensão dos processos em que se discuta a mesma questão. (Art. 6º da Lei 11.417).
O PGR deve manifestar-se antes da edição, revisão ou cancelamento de Súmula, desde que a
proposta não tenha sido formulada por ele.
Ademais, é possível, desde que autorizada pelo relator, por decisão irrecorrível, a manifestação de
terceiros no processo de edição, revisão ou cancelamento de Súmula vinculante. É a chamada figura
do amicus curiae.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

Requisitos
A finalidade da SV é a validade, a interpretação e a eficácia de normas determinadas, desde que
preenchidos os seguintes requisitos:
˃˃ matéria constitucional;
˃˃ reiteradas decisões do STF sobre essa matéria, ou seja, a posição do STF já deve estar consolidada;
˃˃ controvérsia atual, nem futura e nem superada, entre os órgãos do Poder Judiciário e da Admi-
nistração Pública;
˃˃ grave insegurança jurídica e relevante multiplicação de processos sobre questão idêntica.

Deliberação
A aprovação, assim como a revisão ou o cancelamento de SV, depende de decisão pelo quórum de
2/3 dos membros do STF.

Eficácia
A SV passa a produzir os seus efeitos a partir da publicação na imprensa oficial, produzin-
do efeitos vinculantes de forma imediata, para todos os órgãos da Administração Pública direta
e indireta, nas esferas federal, estadual, municipal e distrital e ainda vincula os demais órgãos do
Poder Judiciário, ou seja, não vincula a atuação do próprio STF. Cumpre observar que a SV não
vincula o Poder Legislativo.
Entretanto, é possível que o STF restrinja os efeitos da SV ou mesmo determine que ela produza
efeitos em momento posterior, desde que decida pelo quórum de 2/3 dos seus membros, conforme
Art. 4º da Lei 11.417/2006:
Art. 4 º A súmula com efeito vinculante tem eficácia imediata, mas o Supremo Tribunal Federal, por
decisão de 2/3 (dois terços) dos seus membros, poderá restringir os efeitos vinculantes ou decidir que só
tenha eficácia a partir de outro momento, tendo em vista razões de segurança jurídica ou de excepcional
interesse público.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

Reclamação Constitucional
→→ Caso seja realizado um ato ou decisão judicial:
˃˃ contrária;
˃˃ que negue vigência;
˃˃ que aplicar indevidamente a SV.
A parte que se sentir prejudicada poderá formular perante o STF reclamação, sem prejuízo dos
recursos ou outros meios de impugnação cabíveis.
Na hipótese de ato administrativo, a reclamação só será cabível após o esgotamento das instân-
cias administrativas.
Se o STF julgar procedente a Reclamação, anulará o ato administrativo ou cassará a decisão
judicial, determinando que outra seja proferida, aplicando ou não a Súmula a depender do caso.
Vejamos os artigos correspondentes da Lei 11.417:
Art. 7º Da decisão judicial ou do ato administrativo que contrariar enunciado de súmula vinculante,
negar-lhe vigência ou aplicá-lo indevidamente caberá reclamação ao Supremo Tribunal Federal, sem
prejuízo dos recursos ou outros meios admissíveis de impugnação.
§ 1º Contra omissão ou ato da administração pública, o uso da reclamação só será admitido após esgota-
mento das vias administrativas.
§ 2º Ao julgar procedente a reclamação, o Supremo Tribunal Federal anulará o ato administrativo ou
cassará a decisão judicial impugnada, determinando que outra seja proferida com ou sem aplicação da
súmula, conforme o caso.
Exercício
01. De acordo com a Constituição Federal brasileira, em matéria de controle difuso de consti-
tucionalidade, o Senado Federal poderá editar uma resolução suspendendo a execução, no
todo ou em parte, de lei ou ato normativo declarado inconstitucional por decisão definitiva do
Supremo Tribunal Federal. Esta resolução senatorial
a) terá efeitos erga omnes, porém ex nunc, ou seja, a partir da sua publicação.
b) não terá efeitos erga omnes, sendo que os efeitos inter partes serão ex nunc, ou seja, a partir
da sua publicação.
c) terá efeitos erga omnes e ex tunc, ou seja, anteriores à sua publicação.
d) somente terá efeitos ex tunc depois de aprovada por maioria absoluta do Senado Federal e
um terço do Congresso Nacional.
e) não terá efeitos erga omnes, porém os efeitos inter partes serão ex tunc, ou seja, anteriores à
sua publicação.
Gabarito
01 - A
Referências Bibliográficas
BRASIL. Constituição Federal.
CANOTILHO, JJ GOMES e outros. Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2014.
LENZA, Pedro. Direito Constitucional. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Atlas, 2014.
NOVELINO, Marcelo. Curso de Direito Constitucional. 11. ed. Salvador: JusPodivm, 2016.
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Constitucional descomplicado. 15 ed. São
Paulo: Método, 2016.
SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2006.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
7
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Controle de Constitucionalidade����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Controle Concentrado������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Conceito e origem���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Competência������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Espécies de Ação de Controle��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Ação Direta de Inconstitucionalidade – ADI����������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Noções Gerais����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Competência������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Legitimidade Ativa�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Pertinência Temática����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Objeto�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Parâmetro de Controle�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Princípio do Pedido������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Controle de Constitucionalidade
Controle Concentrado
Como vimos, o Brasil adota o modelo de controle judicial misto de constitucionalidade, que pode
ser de duas formas: difuso e concentrado.
Veremos agora mais detalhes a respeito do controle concentrado de constitucionalidade.
Conceito e origem
O controle de constitucionalidade concentrado, que é feito de forma abstrata, tem origem na
Europa, especificamente com a Constituição Austríaca (Hans Kelsen), por isso é chamado de sistema
europeu continental.
Esse modelo foi inserido no nosso ordenamento jurídico pela Emenda Constitucional 16/1965,
ou seja, foi inserido na vigência da Constituição de 1946.
Nesse modelo, o controle é feito de forma abstrata, em tese, sem que exista um caso concreto a ser
analisado. A inconstitucionalidade é verificada então por meio de uma ação que visa especificamen-
te ao controle de constitucionalidade da norma.
Como essas ações não visam assegurar um direito subjetivo em um caso específico, a doutrina
chama esses processos de processos objetivos.
Esse modelo de controle é chamado de concentrado, abstrato, direto, por via de ação, via princi-
pal, em tese.
Competência
A competência para o controle concentrado é originária:
˃˃ do STF: quando visa analisar a constitucionalidade de leis em face da Constituição Federal;
˃˃ do Tribunal de Justiça: quando visar analisar a constitucionalidade de leis locais em face da
Constituição Estadual.
Espécies de Ação de Controle
São ações de controle concentrado:
˃˃ Ação Direta de Inconstitucionalidade – ADI (genérica).
˃˃ Ação Declaratória de Constitucionalidade – ADC.
˃˃ Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental – ADPF.
˃˃ Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão – ADO.
˃˃ Ação Direta de Inconstitucionalidade Interventiva – ADI interventiva, que é uma ação no
modelo de sistema concentrado, pois é de competência originária do STF, mas excepcional-
mente não se dá para controle abstrato, e sim em um caso concreto.
Passaremos a analisar cada uma das Ações de Controle:

Ação Direta de Inconstitucionalidade – ADI


Noções Gerais
A Ação Direta de Inconstitucionalidade é uma ação existente no modelo de controle abstrato e tem
por objetivo afastar normas que violem a Constituição Federal, exercendo o controle em tese, ou seja, sem
que haja análise de um caso concreto. O pedido é o reconhecimento da inconstitucionalidade da norma.
˃˃ Essa ação tem previsão na CF e é regulamentada pela Lei 9.868/1999.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Competência
A competência para processar e julgar essa modalidade de ação é exclusiva do STF, conforme
Art. 102, I,‘a’da CF/88:
Art. 102. Compete ao Supremo Tribunal Federal, precipuamente, a guarda da Constituição, cabendo-lhe:
I – processar e julgar, originariamente:
a) a ação direta de inconstitucionalidade de lei ou ato normativo federal ou estadual e a ação decla-
ratória de constitucionalidade de lei ou ato normativo federal.

Legitimidade Ativa
Têm legitimidade para propor a ADI aquelas pessoas elencadas no Art. 103 da CF/88. Trata-se de
rol taxativo. Vejamos:
Art. 103. Podem propor a ação direta de inconstitucionalidade e a ação declaratória de constitucionalida-
de: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004)
(Vide Lei nº 13.105, de 2015)
(Vigência)
I – o Presidente da República;
II – a Mesa do Senado Federal;
III – a Mesa da Câmara dos Deputados;
IV – a Mesa de Assembleia Legislativa ou da Câmara Legislativa do Distrito Federal; (Redação dada
pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004)
V – o Governador de Estado ou do Distrito Federal; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 45,
de 2004)
VI – o Procurador-Geral da República;
VII – o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil;
VIII – partido político com representação no Congresso Nacional;
IX – confederação sindical ou entidade de classe de âmbito nacional.
Apenas os partidos políticos com representação no Congresso Nacional e a Confederação Sindical
ou entidade de classe de âmbito nacional precisam de advogado para propor a ADI. Os demais legi-
timados podem propor diretamente ADI sem estar representados por advogado, podendo realizar
atos no processo que seriam privativos de advogados, inclusive interpondo recursos, evidentemente,
desde que o legitimado tenha proposto a ADI. Não pode, por exemplo, o Presidente da República
interpor ADI e no curso do processo o Governador de Estado apresentar recurso. Nesse caso, apenas
o Presidente tem legitimidade para interpor o Recurso.
Cumpre frisar que partido político com representação no Congresso Nacional é aquele que tem
pelo menos um representante eleito na Câmara ou no Senado. Ademais, se o partido, no decorrer da
ação, perder essa legitimidade, o processo deverá ter continuidade, uma vez que a aferição da legiti-
midade deve ser feita no momento da propositura da ação.
Para caracterizar uma entidade de classe com caráter nacional, deve-se comprovar, além da
previsão estatutária de defesa dos interesses da categoria em todo território nacional, que a entidade
tenha associados ou membros em pelo menos nove estados da Federação.
É pertinente observar que apenas as Confederações Sindicais podem propor ADI, não sendo
legitimados os sindicatos, as federações e as centrais sindicais.
Entendeu o STF que Associações formadas apenas por pessoas jurídicas (associações de associa-
ções) também têm legitimidade para interpor ADI, mesmo não mencionadas no Art. 103.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Pertinência Temática
Como vimos, são vários os legitimados para propositura da ADI. Contudo, a jurisprudência
tem exigido que alguns legitimados demonstrem o que se chama de “pertinência temática”, ou seja,
algumas pessoas só podem propor ADI se demonstrarem que possuem algum interesse na matéria
que está sendo impugnada, comprovem interesse de agir.
Assim, podemos dividir os legitimados em duas categorias: legitimados universais – que não
precisam demonstrar pertinência temática e os legitimados especiais – que precisam demonstrar
pertinência temática.
→→ São legitimados universais:
˃˃ o Presidente da República;
˃˃ o Procurador-Geral da República;
˃˃ a Mesa do Senado Federal;
˃˃ a Mesa da Câmara dos Deputados;
˃˃ o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil;
˃˃ partido político com representação no Congresso Nacional.
→→ São legitimados especiais:
˃˃ o Governador de Estado ou do Distrito Federal;
˃˃ a Mesa de Assembleia Legislativa ou da Câmara Legislativa do Distrito Federal;
˃˃ a Confederação Sindical ou entidade de classe de âmbito nacional.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

MEMORIZE!!

Objeto
A ADI serve para analisar a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo, editado APÓS a
CF/88:
˃˃ Federal;
˃˃ Estadual;
˃˃ Leis do Distrito Federal, quando editadas no exercício de competência estadual1.
→→ Não se admite ADI no STF para discutir a constitucionalidade de normas municipais!
Leis orgânicas, leis e atos normativos municipais só serão analisados pelo STF em sede de controle
difuso (recurso extraordinário) ou por meio de ADPF, como veremos adiante.
Vale lembrar que essas leis e atos normativos, para ser objeto de ADI, devem atender aos seguin-
tes requisitos:
a) Devem ter sido editados na vigência da CF. Isso porque, como já se sabe, o direito pré-cons-
titucional não é objeto de controle de constitucionalidade, e sim de recepção ou revogação.
(lembrando que o direito pré-constitucional pode ser alegado no controle difuso e na ADPF).
b) O ato deve ter abstrato, genérico e possuir normatividade. Não cabe ADI de atos de efeitos
concretos. É ato de efeito concreto, por exemplo, um decreto de nomeação de servidor. Dessa
forma, esse ato não pode ser objeto de ADI por ter efeitos concretos.
Essa restrição não se aplica se o ato de efeito concreto tiver a forma de lei formal (aprovada pelo
Legislativo), por exemplo, a LOA (Lei Orçamentária Anual); LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias).
c) Devem ser atos autônomos. Por isso só se submetem à ADI os atos normativos primários; atos
meramente regulamentares não são objetos de ADI.
d) A norma impugnada deve estar vigente. Não são objetos de ADI atos normativos revogados
ou com eficácia exaurida.
→→ Para fins de prova, podemos elencar alguns atos normativos objeto de ADI:
˃˃ Emenda Constitucional;
˃˃ Constituição Estadual;
˃˃ Tratados e convenções internacionais;
1 Como se sabe, o Distrito Federal cumula as competências legislativas dos Estados e dos Municípios (Art. 32, § 1º, da CF/88).
Dessa forma, só poderá ser objeto de ADI aquela lei produzida pelo DF quando editada no exercício de competência estadual.
Art. 32. § 1º Ao Distrito Federal são atribuídas as competências legislativas reservadas aos Estados e Municípios.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

˃˃ Leis complementares, ordinárias ou delegadas;


˃˃ Resoluções/ decretos legislativos;
˃˃ Medidas provisórias;
˃˃ Decreto autônomo;
˃˃ Regimentos internos dos Tribunais; como são normas elaboradas com fundamento na própria
Constituição, podem ser objeto de ADI (Art. 96, I, a, CF/88);
˃˃ Resoluções e decisões administrativas de Tribunais;
˃˃ Atos normativos de pessoas jurídicas de direito público (autarquias/fundações públicas).
→→ ATENÇÃO! Súmulas não podem ser objeto de ADI.
NÃO CABE ADI sobre norma já declarada constitucional pelo Plenário do Supremo Tribunal
Federal, mesmo que em recurso extraordinário, ou seja, no controle difuso, exceto quando venham a
ocorrer modificações significativas de ordem jurídica, social ou econômica, ou se apresentem argu-
mentos supervenientes, nitidamente mais relevantes do que aqueles que antes prevaleciam.
Nesse caso, a petição inicial será considerada inepta e indeferida pelo relator.
É manifestamente improcedente a ação direta de inconstitucionalidade que verse sobre norma (art. 56
da Lei nº 9.430/96) cuja constitucionalidade foi expressamente declarada pelo Plenário do Supremo
Tribunal Federal, mesmo que em recurso extraordinário. Aplicação do art. 4º da Lei nº 9.868/99 (...). A al-
teração da jurisprudência pressupõe a ocorrência de significativas modificações de ordem jurídica, social
ou econômica, ou, quando muito, a superveniência de argumentos nitidamente mais relevantes do que
aqueles antes prevalecentes, o que não se verifica no caso. (ADI 4.071-AgR, rel. min. Menezes Direito,
julgamento em 22-4-2009, Plenário, DJE de 16-10-2009.) No mesmo sentido: ADI 4.466, rel. min. Dias
Toffoli, decisão monocrática, julgamento em 13-2-2012, DJE de 17-2-2012.

Parâmetro de Controle
→→ O parâmetro do controle na ADI é:
˃˃ Constituição Federal em vigor, inclusive as emendas;
˃˃ ADCT;
˃˃ Tratados Internacionais de Direitos Humanos – aprovados com status de emenda constitucional.
Princípio do Pedido
No controle concentrado de constitucionalidade, o Poder Judiciário só poderá exercer esse
controle se for provocado, e não de ofício. Ademais, a atuação do Judiciário fica limitada à análise
dos dispositivos que foram questionados; é o que se chama de princípio do pedido, de adstrição ao
pedido, ou princípio da congruência.
Contudo, o Judiciário não é obrigado a decidir conforme os fundamentos jurídicos do pedido, ou seja,
à causa de pedir. Dessa forma, o Judiciário, ao analisar a constitucionalidade de determinado dispositivo,
poderá reconhecer a sua inconstitucionalidade, não pelos fundamentos mencionados na petição inicial,
podendo fundamentar em outros motivos – é o que se chama de causa de pedir aberta.
Apesar de o Judiciário estar adstrito ao reconhecimento da inconstitucionalidade, apenas da
norma mencionada no pedido, muitas vezes o Judiciário, ao reconhecer a inconstitucionalidade de
determinada norma, pode tornar sem efeito uma outra que seja dependente da primeira. Nesse caso,
teremos a chamada inconstitucionalidade por arrastamento ou consequencial.
Nessa situação, o STF declara a inconstitucionalidade de uma norma ou dispositivo, aquele que
foi objeto da petição inicial, mas acaba por via de consequência estendendo os efeitos da declaração a
outras normas ou dispositivos, mesmo que não tenham sido objeto do pedido inicial.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

Exercícios
01. É legitimado, dentre outros, para a propositura da Ação Direta de Inconstitucionalidade
a) o Governador do Distrito Federal.
b) o Advogado-Geral da União.
c) o Procurador do Município.
d) qualquer cidadão no gozo de seus direitos políticos.
e) Ministro de Estado.
02. Cabe Ação Direta de Inconstitucionalidade contra resolução do Senado Federal que, ao sus-
pender a execução de lei declarada inconstitucional pelo STF, extrapole os limites da decisão a
que faz referência.
Certo ( ) Errado ( )
03. As associações que congregam exclusivamente pessoas jurídicas, as denominadas associações
de associações, não têm legitimidade, segundo a jurisprudência do STF, para propor a ADI
perante o tribunal.
Certo ( ) Errado ( )
04. Os partidos políticos, ainda que apresentem representação no Congresso Nacional quando
do ajuizamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade, devem manter tal representação
ao longo de toda a tramitação do feito, sob pena de extinção do processo sem apreciação do
mérito.
Certo ( ) Errado ( )
05. As associações de classe de âmbito nacional são compreendidas como aquelas que se dedicam,
estatutariamente, à defesa dos interesses de uma categoria econômica em todo o território
nacional, tendo representação, pelo menos, em nove Estados da federação.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - A
02 - Certo;
03 - Errado
04 - Errado
05 - Certo
Referências Bibliográficas
BRASIL. Constituição Federal.
CANOTILHO, J.J. GOMES e outros. Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2014.
LENZA, Pedro. Direito Constitucional. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Atlas, 2014.
NOVELINO, Marcelo. Curso de Direito Constitucional. 11. ed. Salvador: JusPodivm, 2016.
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Constitucional descomplicado. 15 ed. São
Paulo: Método, 2016.
SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2006.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
7
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Controle de Constitucionalidade – Concentrado�������������������������������������������������������������������������������������������2
Ação Direta de Inconstitucionalidade����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Petição inicial����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Natureza Ambivalente��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Imprescritibilidade�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Desistência���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Suspeição e impedimento��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Intervenção de Terceiros – Amicus Curiae�������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Pedido de Informações�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
AGU e PGR��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Relatório – Instrução – Informações Adicionais������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Decisão de Mérito��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Deliberação��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Efeitos da Decisão���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������7
Modulação de Efeitos����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������7

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Controle de Constitucionalidade – Concentrado


Ação Direta de Inconstitucionalidade
Petição inicial
Como já vimos, a Lei 9.868/99 regulamenta a ADI e, nos artigos 3º e 4º, ela estabelece como a
petição inicial deve ser elaborada. Resumidamente, a petição inicial deverá indicar qual o ato nor-
mativo impugnado e os fundamentos jurídicos da sua inconstitucionalidade. Lembrando que o STF
fica vinculado ao pedido (princípio do pedido), e não à causa de pedir (causa de pedir aberta).
Deverá ainda ser apresentada em duas vias, com cópia da norma impugnada dos documentos
necessários à comprovação da inconstitucionalidade. Deve ainda ser acompanhada de procuração,
mas apenas para aqueles legitimados que dependam de representação por intermédio de advogado,
que são: os partidos políticos com representação no Congresso Nacional e as confederações sindicais
e entidades de classe no âmbito nacional.
Se a petição inicial não cumprir com os requisitos previstos em lei, ela poderá ser indeferida de
forma limitar pelo relator, cabendo agravo da decisão.
Art. 3º A petição indicará:
I – o dispositivo da lei ou do ato normativo impugnado e os fundamentos jurídicos do pedido em relação
a cada uma das impugnações;
II – o pedido, com suas especificações.
Parágrafo único. A petição inicial, acompanhada de instrumento de procuração, quando subscrita por
advogado, será apresentada em duas vias, devendo conter cópias da lei ou do ato normativo impugnado e
dos documentos necessários para comprovar a impugnação.
Art. 4 º A petição inicial inepta, não fundamentada e a manifestamente improcedente serão liminarmente
indeferidas pelo relator.
Parágrafo único. Cabe agravo da decisão que indeferir a petição inicial.

Natureza Ambivalente
Diz-se que a ADI é dotada de natureza dúplice ou ambivalente. É dizer: se a ADI for julgada
improcedente, significa afirmar que a norma impugnada é compatível com a Constituição, ou seja,
implica o reconhecimento da sua constitucionalidade. De outro sentido, se a ADI for julgada pro-
cedente, significa que a norma impugnada é inconstitucional. Desse modo, tanto na procedência
quanto na improcedência da ação, a decisão de mérito produzirá efeitos.
É o que dispõe o Art. 24 da Lei 9.868/99:
Art. 24. Proclamada a constitucionalidade, julgar-se-á improcedente a ação direta ou procedente
eventual ação declaratória; e, proclamada a inconstitucionalidade, julgar-se-á procedente a ação direta
ou improcedente eventual ação declaratória.

Imprescritibilidade
Conforme entendimento do STF, a ADI não se sujeita a prazos de prescrição ou decadência.
Desistência
Conforme Art. 5º da Lei 9.868/99 não se admite a desistência da ADI, ou seja, uma vez proposta
por um dos legitimados, ele não poderá oferecer pedido de desistência da ação. Princípio da Indis-
ponibilidade.
Art. 5º Proposta a ação direta, não se admitirá desistência.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Suspeição e impedimento
Sabe-se que os juízes devem julgar sempre de forma imparcial, com a finalidade de manter a im-
parcialidade do Poder Judiciário. A legislação processual civil criou dois institutos: o impedimento
e a suspeição.
O impedimento decorre de situações objetivas em decorrência das quais o juiz não poderá julgar;
já a suspeição decorre de questões subjetivas que possam comprometer a imparcialidade da decisão.
Na ADI, por se tratar de processo objetivo, não cabe alegação de suspeição de Ministro, mas
poderá ser alegado o seu impedimento quando o Ministro já tiver atuado anteriormente na condição
de PGR ou AGU, requerente ou requerido na ação.
As hipóteses de suspeição ou impedimento estão elencadas nos artigos 144 e 145 do NCPC:
Art. 144. Há impedimento do juiz, sendo-lhe vedado exercer suas funções no processo:
I – em que interveio como mandatário da parte, oficiou como perito, funcionou como membro do Mi-
nistério Público ou prestou depoimento como testemunha;
II – de que conheceu em outro grau de jurisdição, tendo proferido decisão;
III – quando nele estiver postulando, como defensor público, advogado ou membro do Ministério
Público, seu cônjuge ou companheiro, ou qualquer parente, consanguíneo ou afim, em linha reta ou
colateral, até o terceiro grau, inclusive;
IV – quando for parte no processo ele próprio, seu cônjuge ou companheiro, ou parente, consanguíneo
ou afim, em linha reta ou colateral, até o terceiro grau, inclusive;
V – quando for sócio ou membro de direção ou de administração de pessoa jurídica parte no processo;
VI – quando for herdeiro presuntivo, donatário ou empregador de qualquer das partes;
VII – em que figure como parte instituição de ensino com a qual tenha relação de emprego ou decorren-
te de contrato de prestação de serviços;
VIII – em que figure como parte cliente do escritório de advocacia de seu cônjuge, companheiro ou
parente, consanguíneo ou afim, em linha reta ou colateral, até o terceiro grau, inclusive, mesmo que
patrocinado por advogado de outro escritório;
IX – quando promover ação contra a parte ou seu advogado.
Art. 145. Há suspeição do juiz:
I – amigo íntimo ou inimigo de qualquer das partes ou de seus advogados;
II – que receber presentes de pessoas que tiverem interesse na causa antes ou depois de iniciado o
processo, que aconselhar alguma das partes acerca do objeto da causa ou que subministrar meios para
atender às despesas do litígio;
III – quando qualquer das partes for sua credora ou devedora, de seu cônjuge ou companheiro ou de
parentes destes, em linha reta até o terceiro grau, inclusive;
IV – interessado no julgamento do processo em favor de qualquer das partes.

Intervenção de Terceiros – Amicus Curiae


Não se admite na ADI o instituto processual da intervenção de terceiros1, salvo a figura do
Amicus Curiae (“Amigo da Corte”).
Amicus Curiae é a pessoa ou entidade estranha à causa, que vem auxiliar o tribunal, provocada
ou voluntariamente, oferecendo esclarecimentos sobre questões essenciais ao processo.
O Art. 7º, § 2º, da Lei 9.868 autoriza a manifestação de outros órgãos ou entidades na ADI, ou seja,
admite a figura do Amicus Curiae. Vejamos:

1 É a atuação de pessoas estranhas a determinado processo judicial quando esta não se dá por litisconsórcio. Ex.: assistência,
denunciação da lide, chamamento ao processo.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Art. 7º Não se admitirá intervenção de terceiros no processo de ação direta de inconstitucionalidade.


§ 1º (VETADO)
§ 2º O relator, considerando a relevância da matéria e a representatividade dos postulantes, poderá, por
despacho irrecorrível, admitir, observado o prazo fixado no parágrafo anterior, a manifestação de outros
órgãos ou entidades.
De acordo com o STF, só poderão ser admitidos terceiros estranhos à lide, ADI, na qualidade de
Amicus Curiae:
a) pessoas jurídicas (órgãos ou entidades) – pessoa natural não terá legitimidade;
b) a matéria em discussão deve ser relevante;
c) terceiro deve ter representatividade.
Preenchidos esses requisitos, o órgão ou entidade interessada deverá formular pedido para in-
gressar na ação na condição de Amicus Curiae. Tal pedido poderá ou não ser deferido pelo relator. Se
o relator DEFERIR, a decisão será irrecorrível, se INDEFERIR caberá agravo.
O Amicus Curiae somente pode demandar a sua intervenção até a data em que o Relator
liberar o processo para pauta. (ADI 4071)
O Amicus Curiae terá direito à realização de sustentação oral.
O Amicus Curiae NÃO pode interpor recurso, nem mesmo embargos de declaração!
Ementa: CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM AÇÃO
DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE POR OMISSÃO. OPOSIÇÃO DE EMBARGOS POR
AMICUS CURIAE. IMPOSSIBILIDADE. DISCUSSÃO DO MÉRITO DE LEI EM SEDE DE ADO.
IMPOSSIBILIDADE. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO REJEITADOS. 1. O Amicus Curiae não
possui legitimidade para a oposição de embargos de declaração em sede de ações de controle con-
centrado de constitucionalidade. Precedente. 2. A ação direta de inconstitucionalidade por omissão
não é meio adequado à discussão do mérito de lei existente. 3. Embargos de declaração rejeitados.
(ADO 6 ED, Relator(a): Min. EDSON FACHIN, Tribunal Pleno, julgado em 01/07/2016, ACÓRDÃO
ELETRÔNICO DJe-188 DIVULG 02-09-2016 PUBLIC 05-09-2016)
Cumpre observar que o NCPC2 trata a respeito do tema, mas alguns dispositivos não se aplicam
no controle concentrado de constitucionalidade, como, por exemplo, a possibilidade de recurso pelo
Amicus Curiae.

2 Art. 138. O juiz ou o relator, considerando a relevância da matéria, a especificidade do tema objeto da demanda ou a reper-
cussão social da controvérsia, poderá, por decisão irrecorrível, de ofício ou a requerimento das partes ou de quem pretenda manifes-
tar-se, solicitar ou admitir a participação de pessoa natural ou jurídica, órgão ou entidade especializada, com representatividade
adequada, no prazo de 15 (quinze) dias de sua intimação.
§ 1º A intervenção de que trata o caput não implica alteração de competência nem autoriza a interposição de recursos, ressalvadas a
oposição de embargos de declaração e a hipótese do § 3 º.
§ 2º Caberá ao juiz ou ao relator, na decisão que solicitar ou admitir a intervenção, definir os poderes do amicus curiae.
§ 3 º O amicus curiae pode recorrer da decisão que julgar o incidente de resolução de demandas repetitivas.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

Pedido de Informações
Após o recebimento da petição inicial, o Relator deverá solicitar informações para as autoridades
ou órgãos que expediram o ato normativo que se alega inconstitucional, as quais devem ser prestadas
no prazo de 30 dias.
Art. 6 º O relator pedirá informações aos órgãos ou às autoridades das quais emanou a lei ou o ato norma-
tivo impugnado.
Parágrafo único. As informações serão prestadas no prazo de trinta dias contado do recebimento do pedido.

AGU e PGR
Após o prazo das informações, devem ser ouvidos sucessivamente o Advogado-Geral da União
(AGU) e o Procurador-Geral da República (PGR), no prazo de 15 dias.
Art. 8 º Decorrido o prazo das informações, serão ouvidos, sucessivamente, o Advogado-Geral da União e
o Procurador-Geral da República, que deverão manifestar-se, cada qual, no prazo de quinze dias.
O AGU é o chefe da Advocacia Pública, entretanto na ADI não deverá atuar dentro das suas funções
institucionais (Art. 131 da CF/88). Isso porque a CF dá ao AGU a incumbência de promover a defesa da
constitucionalidade da norma impugnada, conforme dispõe o Art. 103 § 3º da CF/88. Vejamos:
§ 3º Quando o Supremo Tribunal Federal apreciar a inconstitucionalidade, em tese, de norma legal ou ato
normativo, citará, previamente, o Advogado-Geral da União, que defenderá o ato ou texto impugnado.
Entretanto, o AGU tem plena autonomia para decidir como pretende se manifestar, se pela cons-
titucionalidade ou inconstitucionalidade da norma, de acordo com a orientação do STF.
Relembra-se que o AGU não tem legitimidade para provocar o controle abstrato e não deve se
manifestar na ADC e na ADO somente se foi solicitada a sua manifestação.
O PGR, chefe do Ministério Público da União, tem o dever de atuar como fiscal da Constituição,
devendo opinar de forma autônoma pela constitucionalidade ou inconstitucionalidade da norma
impugnada, inclusive quando ele mesmo promove a ADI. Obviamente, o parecer do PGR não tem
caráter vinculativo, mas meramente opinativo. O PGR atua em todas as ações de controle abstrato,
conforme determina o § 1º do Art. 103 da CF/88:
§ 1º O Procurador-Geral da República deverá ser previamente ouvido nas ações de inconstitucionalidade
e em todos os processos de competência do Supremo Tribunal Federal.

Relatório – Instrução – Informações Adicionais


Após as informações serem prestadas e o AGU e o PGR serem ouvidos, o relator deverá elaborar um
relatório encaminhando cópia para os Ministros e pedindo data para julgamento. Pode ainda o relator,
visando a melhor instrução do processo, requisitar informações adicionais, designar perito para emissão
de parecer, marcar audiência pública, ouvir depoimento de pessoas que possam auxiliar na melhor inter-
pretação da matéria, devendo esses atos ser realizados em até 30 dias após a solicitação do relator.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

Ademais, pode o relator solicitar informações aos Tribunais Superiores, aos Tribunais Federais e
aos Tribunais Estaduais acerca da aplicação da norma impugnada no âmbito de sua jurisdição.
É o que determina o Art. 9 º da Lei 9.868/99:
Art. 9 º Vencidos os prazos do artigo anterior, o relator lançará o relatório, com cópia a todos os Ministros,
e pedirá dia para julgamento.
§ 1º Em caso de necessidade de esclarecimento de matéria ou circunstância de fato ou de notória insufi-
ciência das informações existentes nos autos, poderá o relator requisitar informações adicionais, designar
perito ou comissão de peritos para que emita parecer sobre a questão, ou fixar data para, em audiência
pública, ouvir depoimentos de pessoas com experiência e autoridade na matéria.
§ 2º O relator poderá, ainda, solicitar informações aos Tribunais Superiores, aos Tribunais federais e aos
Tribunais estaduais acerca da aplicação da norma impugnada no âmbito de sua jurisdição.
§ 3º As informações, perícias e audiências a que se referem os parágrafos anteriores serão realizadas no
prazo de trinta dias, contado da solicitação do relator.

Decisão de Mérito
Deliberação
O quórum de instauração da sessão de julgamento de uma ADI é de pelo menos 8 Ministros, ou
seja, 2/3 dos membros. Sem esse número mínimo de Ministros, a sessão não será iniciada. Uma vez
presente esse número mínimo de Ministros, a decisão final só será proferida pela decisão de pelo
menos 6 Ministros (maioria absoluta) decidindo em um ou em outro sentido, sendo esse o quórum
de julgamento.
Se não se atingir o número mínimo de 6 Ministros, o julgamento deverá ser suspenso até o com-
parecimento dos Ministros ausentes. Por exemplo: se em uma sessão estiverem presentes 9 Minis-
tros, teremos quórum para instauração da sessão, mas se 5 Ministros votarem pela inconstituciona-
lidade e 4 votarem pela constitucionalidade da norma, não será proferida decisão de mérito nessa
sessão, pois é necessário pelo menos o voto de 6 Ministros em um ou em outro sentido.
Art. 22. A decisão sobre a constitucionalidade ou a inconstitucionalidade da lei ou do ato normativo
somente será tomada se presentes na sessão pelo menos oito Ministros.
Art. 23. Efetuado o julgamento, proclamar-se-á a constitucionalidade ou a inconstitucionalidade da dis-
posição ou da norma impugnada se num ou noutro sentido se tiverem manifestado pelo menos seis Minis-
tros, quer se trate de ação direta de inconstitucionalidade ou de ação declaratória de constitucionalidade.
Parágrafo único. Se não for alcançada a maioria necessária à declaração de constitucionalidade ou de
inconstitucionalidade, estando ausentes Ministros em número que possa influir no julgamento, este será
suspenso a fim de aguardar-se o comparecimento dos Ministros ausentes, até que se atinja o número ne-
cessário para prolação da decisão num ou noutro sentido. (grifo nosso)

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

Efeitos da Decisão
→→ A ADI produz os seguintes efeitos:
a) erga omnes;
b) retroativos (ex tunc): a decisão alcança toda a existência da lei desde a sua origem;
c) vinculante: vincula os demais órgãos do Judiciário e a Administração Pública direta e indireta
nas três esferas. Convém observar que a decisão não vincula o Poder Legislativo no exercício
de sua função legislativa, cabendo reclamação na hipótese de se verificar descumprimento da
decisão vinculante do STF, tanto pela Administração Pública quanto pelo Poder Judiciário,
caberá reclamação;
d) repristinatório: a declaração de inconstitucionalidade de uma norma implica a repristinação
da norma anterior, afastando os efeitos da norma inconstitucional desde o seu nascimento.
Ex.: a lei B revogou a lei A, e a lei B foi declarada inconstitucional. Nesse caso, a lei A voltará a
produzir os seus efeitos.
Art. 28. Dentro do prazo de dez dias após o trânsito em julgado da decisão, o Supremo Tribunal Federal
fará publicar em seção especial do Diário da Justiça e do Diário Oficial da União a parte dispositiva do
acórdão.
Parágrafo único. A declaração de constitucionalidade ou de inconstitucionalidade, inclusive a interpre-
tação conforme a Constituição e a declaração parcial de inconstitucionalidade sem redução de texto, têm
eficácia contra todos e efeito vinculante em relação aos órgãos do Poder Judiciário e à Administração
Pública federal, estadual e municipal.

Modulação de Efeitos
Como vimos, a decisão que declara a inconstitucionalidade produz efeitos erga omnes, vinculan-
tes, ex tunc e repristinatórios, uma vez que o STF adota a tese de que uma norma inconstitucional é
nula devendo ser assim reconhecida desde o seu nascimento.
Entretanto, o Art. 27 da Lei 9.868/99 permite que o STF manipule os efeitos da decisão, quando
preenchidos os seguintes requisitos:
a) Decisão por 2/3 dos membros do Tribunal (oito Ministros).
b) Razões de segurança jurídica ou excepcional interesse social.
Art. 27. Ao declarar a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo, e tendo em vista razões de segurança
jurídica ou de excepcional interesse social, poderá o Supremo Tribunal Federal, por maioria de dois terços
de seus membros, restringir os efeitos daquela declaração ou decidir que ela só tenha eficácia a partir de
seu trânsito em julgado ou de outro momento que venha a ser fixado.
Dessa forma, poderá o STF de forma excepcional:
1) Restringir o efeito erga omnes, por exemplo, estabelecendo que determinadas situações (negócios jurí-
dicos) que foram realizados sob a égide da norma declarada inconstitucional continuam válidos.
2) Afastar o efeito repristinatório. É possível que o STF declare a inconstitucionalidade da norma
revogadora e da norma anterior a ela, mas para tanto é necessário que:
a) o autor tenha feito pedido expresso para que não haja repristinação das normas anteriores;
b) o STF tenha se manifestado de forma expressa.
3) Pode determinar que a decisão produza efeitos ex nunc, ou seja, mantém válidos os atos anterio-
res a decisão.
4) Pode determinar que a decisão produza efeitos em outro momento, ou seja, antes ou depois da
declaração de inconstitucionalidade.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
7
AlfaCon Concursos Públicos

Exercícios
01. A petição inicial da ação direta de inconstitucionalidade deve indicar o dispositivo da lei ou do
ato normativo questionado, os fundamentos jurídicos do pedido e a existência de controvérsia
judicial relevante acerca da aplicação da disposição objeto da ação.
Certo ( ) Errado ( )
02. Conforme a Lei n. 9.868/1999: a) proposta a ação direta de inconstitucionalidade, não se
admitirá desistência; b) é irrecorrível a decisão que indeferir a petição inicial da ação direta de
inconstitucionalidade; c) não se admitirá intervenção de terceiros no processo de ação direta
de inconstitucionalidade.
Certo ( ) Errado ( )
03. O STF admite a alegação de prescrição ou decadência para o ajuizamento de ação direta de
inconstitucionalidade em relação à lei ou ao ato normativo.
Certo ( ) Errado ( )
04. No regime do controle concentrado de constitucionalidade, não se admitem as intervenções
clássicas de terceiros. No entanto, pela própria natureza do debate controvertido, admite-se a
atuação do:
a) Assistente
b) Anômalo
c) Amicus Curiae
d) Opoente
e) Jus Custodem
05. No processo objetivo de controle de constitucionalidade, o Amicus Curiae tem legitimidade
para interpor recurso nas mesmas hipóteses facultadas ao titular da ação.
Certo ( ) Errado ( )
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
8
AlfaCon Concursos Públicos

06. Os efeitos da declaração de inconstitucionalidade no controle abstrato brasileiro são, em regra:


a) erga omnes, ex nunc, vinculantes e repristinatórios.
b) inter partes, ex nunc e vinculantes.
c) erga omnes, ex tunc, vinculantes e repristinatórios.
d) erga omnes, ex tunc, não vinculantes e repristinatórios.
e) inter partes, ex tunc, não vinculantes e repristinatórios.
07. Ao declarar a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo, e tendo em vista razões de se-
gurança jurídica ou de excepcional interesse social, poderá o Supremo Tribunal Federal, por
maioria de dois terços de seus membros, restringir os efeitos daquela declaração ou decidir que
ela só tenha eficácia a partir de seu trânsito em julgado ou de outro momento que venha a ser
fixado.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - Errado
02 - Errado
03 - Errado
04 - C
05 - Errado
06 - C
07 - Certo
Referências Bibliográficas
BRASIL. Constituição Federal.
CANOTILHO, J.J. GOMES e outros. Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2014.
LENZA, Pedro. Direito Constitucional. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Atlas, 2014.
NOVELINO, Marcelo. Curso de Direito Constitucional. 11. ed. Salvador: JusPodivm, 2016.
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Constitucional descomplicado. 15 ed. São
Paulo: Método, 2016.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
9
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Controle de Constitucionalidade – Concentrado�������������������������������������������������������������������������������������������2
Ação Direta de Inconstitucionalidade – Continuação�������������������������������������������������������������������������������������������������2
Início da Produção de Efeitos��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Irrecorribilidade������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Limites da Eficácia Retroativa�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Transcendência dos Motivos Determinantes������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Medida Cautelar������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Controle de Constitucionalidade – Concentrado


Ação Direta de Inconstitucionalidade – Continuação
Como vimos, a ADI produz os seguintes efeitos:

Início da Produção de Efeitos


A decisão produz efeitos a partir da data da publicação da ata da sessão de julgamento no Diário
Oficial, ou seja, não é necessário aguardar o trânsito em julgado para a produção dos efeitos da ADI.

Irrecorribilidade
A decisão na ADI e na ADC é irrecorrível, sendo cabíveis apenas Embargos de Declaração, que
servem tão somente para suprir eventual omissão, obscuridade ou contradição da decisão.
→→ Não cabe AÇÃO RESCISÓRIA.
Art. 26. A decisão que declara a constitucionalidade ou a inconstitucionalidade da lei ou do ato normati-
vo em ação direta ou em ação declaratória é irrecorrível, ressalvada a interposição de embargos declara-
tórios, não podendo, igualmente, ser objeto de ação rescisória.

Limites da Eficácia Retroativa


Vimos que a decisão da ADI como regra produz efeitos ex tunc, declarando a norma nula desde a
sua origem. Contudo, isso não significa que atos concretos realizados sob a vigência daquela norma
serão automaticamente desfeitos. A decisão apenas permite que a parte interessada pleiteie judicial-
mente o desfazimento do ato realizado com base em norma declarada inconstitucional.
A decisão de inconstitucionalidade não tem o condão de reformar decisões judiciais que aplica-
ram a norma inconstitucional, devendo a parte impetrar o devido recurso, ou se a decisão já tiver
transitada em julgado, poder-se-á impetrar Ação Rescisória.
Imaginemos, por exemplo, uma sentença transitada em julgado em 2016 que aplicou a lei X,
sendo que em 2017 a lei X foi declarada inconstitucional. Essa decisão não vai retroagir e afastar
automaticamente os efeitos da sentença anterior, para isso a parte deverá impetrar Ação Rescisória.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Transcendência dos Motivos Determinantes


Como já sabemos, a decisão que declara a inconstitucionalidade produz efeitos vinculantes. Mas
você pode estar se perguntando: que partes da decisão produzem efeitos vinculantes?
Duas correntes:
a) Teoria restritiva: só o dispositivo produz efeito vinculante.
b) Teoria da transcendência dos motivos determinantes: além do dispositivo, os motivos invo-
cados na decisão, ou seja, os fundamentos produzem efeitos vinculantes.
»» Ex.: imaginemos que o STF declarou a inconstitucionalidade da Lei Y, do Estado “X”, que
estabelecia reserva de vagas para as mulheres nas universidades estaduais, por entender con-
figurada a ofensa ao princípio constitucional da isonomia.
Considere que outro Estado da Federação editou a Lei W, de idêntico teor.
˃˃ Se o STF admitir o cabimento da Reclamação contra a nova lei, reconhecendo atentado à auto-
ridade da sua decisão, estará adotando a teoria da transcendência dos motivos determinantes.
˃˃ Se adotar a teoria restritiva, só uma nova ADI será capaz de analisar a constitucionalidade da lei
W, do outro Estado.
→→ O STF tem adotado a teoria restritiva.
Medida Cautelar
A Lei 9.868/99 prevê a possibilidade de se apresentar pedido de medida cautelar em sede de ADI,
também de competência do STF para o seu julgamento, nos termos do Art. 102, I, p, da CF/88:
Art. 102. Compete ao Supremo Tribunal Federal, precipuamente, a guarda da Constituição, cabendo-lhe:
I – processar e julgar, originariamente:
p) o pedido de medida cautelar das ações diretas de inconstitucionalidade;
A medida cautelar visa antecipar os efeitos da decisão final, suspendendo a eficácia e a vigência
da lei impugnada. Para a concessão da medida cautelar, é necessário que se verifique a presença de
dois requisitos:
a) Fumus boni juris: fumaça do bom direito, ou seja, os pedidos devem ser plausíveis, razoáveis.
b) Periculum in mora: perigo da demora, nesse caso, a demora na prestação judicial poderá gerar
danos irreparáveis ou de difícil reparação.
O quórum de deliberação para concessão da medida liminar é de maioria absoluta do Tribunal
(seis votos), salvo no recesso que será concedida pelo Presidente do Tribunal, sendo posteriormente
referendada pelo pleno.
Como regra o pedido de medida liminar deverá ser analisado após a oitiva dos órgãos ou autoridades
dos quais emanou a lei ou ato normativo impugnado, no prazo de 5 dias, podendo o relator ouvir o AGU
e o PGR no prazo de 3 dias. Entretanto, em situações excepcionais de urgência, poderá ser concedida a
medida liminar antes de ouvir os órgãos ou autoridades, Inaudita altera pars (sem ouvir a outra parte).
É possível a sustentação oral no julgamento da medida liminar pelos Requerentes e as autorida-
des ou órgãos responsáveis pela elaboração da norma impugnada.
É esse o teor do Art. 10 da Lei 9.868/99:
Art. 10. Salvo no período de recesso, a medida cautelar na ação direta será concedida por decisão da
maioria absoluta dos membros do Tribunal, observado o disposto no art. 22, após a audiência dos órgãos
ou autoridades dos quais emanou a lei ou ato normativo impugnado, que deverão pronunciar-se no prazo
de cinco dias.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

§ 1º O relator, julgando indispensável, ouvirá o Advogado-Geral da União e o Procurador-Geral da Repú-


blica, no prazo de três dias.
§ 2º No julgamento do pedido de medida cautelar, será facultada sustentação oral aos representantes judi-
ciais do requerente e das autoridades ou órgãos responsáveis pela expedição do ato, na forma estabelecida
no Regimento do Tribunal.
§ 3º Em caso de excepcional urgência, o Tribunal poderá deferir a medida cautelar sem a audiência dos
órgãos ou das autoridades das quais emanou a lei ou o ato normativo impugnado.

O relator poderá ainda propor ao pleno, dando maior celeridade ao processo, a conversão da
medida cautelar em julgamento definitivo da ação, cabendo ao pleno decidir se julga de forma de-
finitiva ou não. Pode o relator propor o julgamento definitivo quando haja:
˃˃ relevância da matéria;
˃˃ especial significado para a ordem social e a segurança jurídica.
Vejamos o que dispõe o Art. 12 da Lei 9.868/99:
Art. 12. Havendo pedido de medida cautelar, o relator, em face da relevância da matéria e de seu especial
significado para a ordem social e a segurança jurídica, poderá, após a prestação das informações, no
prazo de dez dias, e a manifestação do Advogado-Geral da União e do Procurador-Geral da República,
sucessivamente, no prazo de cinco dias, submeter o processo diretamente ao Tribunal, que terá a faculda-
de de julgar definitivamente a ação.

A medida cautelar passa a produzir efeitos a partir da sua publicação no Diário Oficial e, se for
julgada procedente, terá eficácia:
˃˃ ex nunc (o STF pode excepcionalmente atribuir efeitos ex tunc);
˃˃ erga omnes;
˃˃ vinculante (vincula os demais órgãos do Judiciário e a Administração Pública direta e indireta
nas três esferas). O caráter vinculante ainda determina que os processos que estiverem em
trâmite e que envolvam a aplicação da lei impugnada deverão ficar suspensos, cabendo recla-
mação na hipótese de descumprimento da suspensão;
˃˃ repristinatório: a suspensão dos efeitos da norma impugnada na medida cautelar implica a re-
pristinação provisória da norma anterior, caso existente, salvo se o STF determinar de forma
diferente.
A medida cautelar não tem caráter ambivalente, ou seja, o eventual indeferimento da medida em
ação direta de inconstitucionalidade não acarreta a declaração de constitucionalidade.
Vejamos o que dispõe o Art. 11 da Lei 9.868/99:
Art. 11. Concedida a medida cautelar, o Supremo Tribunal Federal fará publicar em seção especial do
Diário Oficial da União e do Diário da Justiça da União a parte dispositiva da decisão, no prazo de dez
dias, devendo solicitar as informações à autoridade da qual tiver emanado o ato, observando-se, no que
couber, o procedimento estabelecido na Seção I deste Capítulo.
§ 1º A medida cautelar, dotada de eficácia contra todos, será concedida com efeito ex nunc, salvo se o
Tribunal entender que deva conceder-lhe eficácia retroativa.
§ 2º A concessão da medida cautelar torna aplicável a legislação anterior acaso existente, salvo expressa
manifestação em sentido contrário.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

Resumindo:

Exercícios
01. É possível deferir medida cautelar em ação direta de inconstitucionalidade, desde que pela decisão
de 2/3 dos membros do Tribunal, após a audiência dos órgãos ou autoridades dos quais emanou a lei
ou o ato normativo impugnado, que deverão pronunciar-se no prazo de cinco dias.
Certo ( ) Errado ( )
02. As decisões definitivas de mérito, proferidas pelo STF, nas ações diretas de inconstitucionali-
dade produzirão efeito vinculante em relação:
a) aos fundamentos transcendentes.
b) aos motivos determinantes.
c) à parte dispositiva.
d) à ratio decidendi.
Gabarito
01 - Errado
02 - C
Referências Bibliográficas
BRASIL. Constituição Federal.
CANOTILHO, J.J. GOMES e outros. Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2014.
LENZA, Pedro. Direito Constitucional. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Atlas, 2014.
NOVELINO, Marcelo. Curso de Direito Constitucional. 11. ed. Salvador: JusPodivm, 2016.
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Constitucional descomplicado. 15 ed. São
Paulo: Método, 2016.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Controle de Constitucionalidade – Concentrado�������������������������������������������������������������������������������������������2
Ação Declaratória de Constitucionalidade – ADC�������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Noções Gerais����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Regras em Comum entre a ADI e a ADC�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Objeto�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Petição Inicial – Pressuposto���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Pedido de Informações�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Medida Cautelar������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Controle de Constitucionalidade – Concentrado


Ação Declaratória de Constitucionalidade – ADC
Noções Gerais
A Ação Declaratória de Constitucionalidade – ADC integra o sistema de controle concentrado e
abstrato e tem por objetivo a declaração, pelo STF, da constitucionalidade de determinada lei ou ato
normativo que esteja gerando divergência nos juízos inferiores.
Sabe-se que a regra é da presunção da constitucionalidade das normas. Entretanto, essa é uma
presunção relativa, de modo que, com a declaração de constitucionalidade, essa presunção passa a
ser absoluta.
˃˃ Essa ação foi inserida em nosso ordenamento pela EC 3/1993, ou seja, já na vigência da atual
Constituição.
A ADC segue as mesmas regras da ADI, com a diferença de que o pedido é pela constitucionali-
dade, e não pela inconstitucionalidade, motivo pelo qual é chamada de ADI com sinal trocado.
»» Essa ação é regulamentada também pela Lei 9.868/1999.
Regras em Comum entre a ADI e a ADC
A) COMPETÊNCIA
Como já vimos, a competência para processar e julgar essa modalidade de ação é exclusiva do
STF, conforme Art. 102, I,‘a’da CF/88:
Art. 102. Compete ao Supremo Tribunal Federal, precipuamente, a guarda da Constituição, cabendo-lhe:
I – processar e julgar, originariamente:
a) a ação direta de inconstitucionalidade de lei ou ato normativo federal ou estadual e a ação decla-
ratória de constitucionalidade de lei ou ato normativo federal.
B) LEGITIMIDADE ATIVA
Após a EC 45/2004, têm legitimidade para propor a ADC as mesmas pessoas que têm legitimida-
de para propor a ADI, como dispõe o Art. 103 da CF/88. Vejamos:
Art. 103. Podem propor a ação direta de inconstitucionalidade e a ação declaratória de constitucionalidade:
I – o Presidente da República;
II – a Mesa do Senado Federal;
III – a Mesa da Câmara dos Deputados;
IV – a Mesa de Assembleia Legislativa ou da Câmara Legislativa do Distrito Federal;
V – o Governador de Estado ou do Distrito Federal;
VI – o Procurador-Geral da República;
VII – o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil;
VIII – partido político com representação no Congresso Nacional;
IX – confederação sindical ou entidade de classe de âmbito nacional.
Quanto à legitimidade, valem as mesmas regras já estudadas no tópico referente à ADI. Relembra-se:
˃˃ representação via advogado;
˃˃ pertinência temática: legitimados universais e especiais
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

C) PRINCÍPIO DO PEDIDO
Também se aplica na ADC a regra já estudada segundo a qual o STF só poderá analisar a Cons-
titucionalidade dos dispositivos que forem questionados, mas não fica vinculado aos fundamentos
mencionados na petição inicial (causa de pedir aberta).
D) NATUREZA AMBIVALENTE
Assim como a ADI, a ADC também tem natureza dúplice ou ambivalente, ou seja, tanto a proce-
dência quanto a improcedência geram efeitos jurídicos.
E) IMPRESCRITIBILIDADE
A ADC também não se sujeita a prazos de prescrição ou decadência.
F) INTERVENÇÃO DE TERCEIROS – AMICUS CURIAE
Não se admite na ADC o instituto processual da intervenção de terceiros1, salvo a figura do
Amicus Curiae (Amigo da Corte), da mesma forma que ocorre na ADI.
Art. 18. Não se admitirá intervenção de terceiros no processo de ação declaratória de constitucionalidade.
G) PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA – PGR
A atuação do PGR na ADC é obrigatória, de forma autônoma.
Entretanto, não haverá atuação do AGU, isso porque como a ação visa apenas à confirmação da
constitucionalidade da norma, o AGU não precisará defender a constitucionalidade.
Art. 19. Decorrido o prazo do artigo anterior, será aberta vista ao Procurador-Geral da República, que
deverá pronunciar-se no prazo de quinze dias.
H) DECISÃO DE MÉRITO
Os efeitos da ADC são os mesmos da ADI:
˃˃ erga omnes;
˃˃ ex tunc;
1 É a atuação de pessoas estranhas a determinado processo judicial quando esta não se dá por litisconsórcio. Ex.: assistência,
denunciação da lide, chamamento ao processo.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

˃˃ vinculante;
˃˃ repristinatório: isso porque se a ação for julgada improcedente, significa que a norma é incons-
titucional, gerando efeitos repristinatórios.
Da mesma forma, será possível a modulação dos efeitos da ADC, desde que haja:
a) decisão por 2/3 dos membros do Tribunal (oito ministros);
b) razões de segurança jurídica ou excepcional interesse social.
É também idêntico o quórum de instauração (8 ministros) e o quórum de julgamento (6 ministros).
I) IRRECORRIBILIDADE
A decisão de mérito na ADI e na ADC é irrecorrível, sendo cabíveis apenas Embargos de Declara-
ção, que servem tão somente para suprir eventual omissão, obscuridade ou contradição da decisão.
→→ Não cabe AÇÃO RESCISÓRIA.
J) DESISTÊNCIA
Também não se admite a desistência da ADC, conforme Art. 16 da Lei 9.868/99:
Art. 16. Proposta a ação declaratória, não se admitirá desistência.
K) SUSPEIÇÃO E IMPEDIMENTO
Assim como ocorre na ADI, na ADC, por se tratar de processo objetivo, não cabe alegação de
suspeição de Ministro, mas poderá ser alegado o seu impedimento quando o Ministro já tiver atuado
anteriormente na condição de PGR ou AGU, requerente ou requerido na ação.
Objeto
Quanto ao objeto, há uma diferença importante entre a ADI e a ADC. Só cabe ADC para declarar
a constitucionalidade de leis ou atos normativos federais.
Cumpre frisar que na ADI podem ser impugnados leis e atos normativos estaduais e distritais.
Assim, com exceção referente à origem das leis, as demais regras estudadas quanto ao objeto
da ADI valem também para a ADC (normas vigentes, atos com natureza normativa, não se analisa
direito pré-constitucional).
Petição Inicial – Pressuposto
O Art. 14 da Lei 9.868/99 dispõe sobre os requisitos da petição inicial na ADC. Vejamos:
Art. 14. A petição inicial indicará:
I – o dispositivo da lei ou do ato normativo questionado e os fundamentos jurídicos do pedido;
II – o pedido, com suas especificações;
III – a existência de controvérsia judicial relevante sobre a aplicação da disposição objeto da ação de-
claratória.
Parágrafo único. A petição inicial, acompanhada de instrumento de procuração, quando subscrita por
advogado, será apresentada em duas vias, devendo conter cópias do ato normativo questionado e dos
documentos necessários para comprovar a procedência do pedido de declaração de constitucionalidade.
É pertinente acrescentar que os requisitos são idênticos aos da ADI, com exceção do item III, que
estabelece um pressuposto indispensável para o ajuizamento da ADC, qual seja: a existência de con-
trovérsia judicial relevante sobre a norma questionada.
Para ser cabível uma ADC, deve-se demonstrar, já na petição inicial, a existência de controvérsia
judicial relevante sobre a constitucionalidade do ato normativo. Frisa-se que deve ser controvérsia
judicial, ou seja, jurisdicional, e não meramente doutrinária.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

Salienta-se que esse pressuposto não se aplica na ADI.


Se a petição inicial não cumprir com os requisitos previstos em lei, ela poderá ser indeferida de forma
limitar pelo relator, cabendo agravo da decisão.
Art. 15. A petição inicial inepta, não fundamentada e a manifestamente improcedente serão liminar-
mente indeferidas pelo relator.
Parágrafo único. Cabe agravo da decisão que indeferir a petição inicial.

Pedido de Informações
Conforme já estudamos, na ADI o relator deveria solicitar informações aos órgãos e às autori-
dades que criaram a norma, as quais deveriam ser prestadas no prazo de 30 dias. Esse pedido não
existe na ADC; isso porque, como a ideia é apenas confirmar a constitucionalidade, não existe um
legitimado passivo.
Entretanto, haverá a possibilidade de solicitação, pelo relator, de informações adicionais, nos
termos do Art. 20 da Lei 9.868/99:
Art. 20. Vencido o prazo do artigo anterior, o relator lançará o relatório, com cópia a todos os Ministros, e
pedirá dia para julgamento.
§ 1º Em caso de necessidade de esclarecimento de matéria ou circunstância de fato ou de notória insufi-
ciência das informações existentes nos autos, poderá o relator requisitar informações adicionais, designar
perito ou comissão de peritos para que emita parecer sobre a questão ou fixar data para, em audiência
pública, ouvir depoimentos de pessoas com experiência e autoridade na matéria.
§ 2º O relator poderá solicitar, ainda, informações aos Tribunais Superiores, aos Tribunais federais e aos
Tribunais estaduais acerca da aplicação da norma questionada no âmbito de sua jurisdição.
§ 3º As informações, perícias e audiências a que se referem os parágrafos anteriores serão realizadas no
prazo de trinta dias, contado da solicitação do relator.

Medida Cautelar
É também possível a concessão de medida cautelar em ADC, que consistirá na suspensão dos jul-
gamentos que envolvam a aplicação da norma objeto da ação. Frisa-se que não se suspende a eficácia
da norma, porque a ideia é a de que ela seja reconhecida como constitucional.
É o que dispõe o Art. 21 da Lei 9.868/99:
Art. 21. O Supremo Tribunal Federal, por decisão da maioria absoluta de seus membros, poderá deferir
pedido de medida cautelar na ação declaratória de constitucionalidade, consistente na determinação de
que os juízes e os Tribunais suspendam o julgamento dos processos que envolvam a aplicação da lei ou do
ato normativo objeto da ação até seu julgamento definitivo.
Parágrafo único. Concedida a medida cautelar, o Supremo Tribunal Federal fará publicar em seção
especial do Diário Oficial da União a parte dispositiva da decisão, no prazo de dez dias, devendo o
Tribunal proceder ao julgamento da ação no prazo de cento e oitenta dias, sob pena de perda de sua
eficácia.

A medida cautelar passa a produzir efeitos a partir da sua publicação no Diário Oficial e, se for
julgada procedente, terá eficácia:
˃˃ erga omnes;
˃˃ vinculante.
A medida cautelar perde os seus efeitos após o decurso de 180 dias caso não seja confirmada pelo
Tribunal. Apesar de ser uma regra expressa na lei, na prática, o STF não a tem aplicado.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

Exercícios
01. A medida judicial cabível para se declarar a constitucionalidade em tese de lei ou ato normati-
vo federal é
a) o habeas data.
b) a ação declaratória da constitucionalidade.
c) a representação interventiva.
d) o mandado de injunção.
e) a ação declaratória de inconstitucionalidade por omissão.
02. Na ação declaratória de constitucionalidade, é certo que
a) sua decisão de mérito será dotada de eficácia erga omnes, ou seja contra todos, porém com
efeito ex nunc, apenas a partir da declaração, vedados os efeitos retroativos, e força vinculan-
te restrita aos órgãos do Poder Judiciário.
b) é obrigatória a atuação do Procurador-Geral da República, emitindo parecer com plena au-
tonomia, entretanto, não há obrigatoriedade de citação do Advogado-Geral da União.
c) seu objeto é dotado de maior amplitude, uma vez que poderão ser impugnados leis ou atos
normativos de qualquer natureza, ou seja, federais, estaduais e municipais, além dos atos
expedidos pelo Distrito Federal quando de sua competência estadual.
d) não cabe o deferimento de medida cautelar, visto a ausência de seus requisitos e pelo fato de
que, se fosse concedida, implicaria forçosamente na suspensão da vigência da norma.
e) deverá ser proposta em tempo determinado, dependendo da situação enfocada, já que está sujeita
a prazos de decadência ou prescrição, sendo que uma vez proposta, é possível a desistência.
03. Em conformidade com as disposições constitucionais, podem propor a Ação Declaratória de
Constitucionalidade perante o Supremo Tribunal Federal:
a) Todos os partidos políticos.
b) Os Senadores Federais.
c) O governador do Distrito Federal.
d) Os Deputados Estaduais.
04. Mesmo que o Supremo Tribunal Federal tenha declarado a validade de uma lei em sede de
ação declaratória de constitucionalidade, o servidor do Executivo pode-se recusar a aplicar a
mesma lei, se estiver convencido da sua inconstitucionalidade, por um motivo não considera-
do no julgamento do STF.
Certo ( ) Errado ( )
05. Ato normativo editado por governo de estado da Federação que proíba algum tipo de serviço de
transporte poderá ser questionado mediante ação declaratória de constitucionalidade no STF.
Certo ( ) Errado ( )
06. Em havendo controvérsias acerca da constitucionalidade de determinada lei ou ato normativo
do Poder Público, poderá o Prefeito Municipal propor ação declaratória de constitucionalida-
de para solucioná-las.
Certo ( ) Errado ( )
07. Caberá Ação Declaratória de Constitucionalidade quando for relevante o fundamento da con-
trovérsia constitucional sobre lei ou ato municipal.
Certo ( ) Errado ( )
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

08. As normas anteriores à Constituição Federal de 1988 não são passíveis de serem submetidas
ao controle de constitucionalidade concentrado, a não ser por meio da Ação Declaratória de
Constitucionalidade.
Certo ( ) Errado ( )
09. Em razão de a ação declaratória de constitucionalidade ter surgido com a Emenda Constitu-
cional nº 3/1993, estará ela impedida de ter por objeto, por exemplo, lei editada anteriormente
à data da promulgação da referida emenda, ainda que posterior ao parâmetro constitucional
invocado.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - B
02 - B
03 - C
04 - Errado
05 - Errado
06 - Errado
07 - Errado
08 - Errado
09 - Errado
Referências Bibliográficas
BRASIL. Constituição Federal.
CANOTILHO, J.J. GOMES e outros. Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2014.
LENZA, Pedro. Direito Constitucional. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Atlas, 2014.
NOVELINO, Marcelo. Curso de Direito Constitucional. 11. ed. Salvador: JusPodivm, 2016.
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Constitucional descomplicado. 15 ed. São
Paulo: Método, 2016.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
7
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Controle de Constitucionalidade – Concentrado�������������������������������������������������������������������������������������������2
Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental – ADPF�����������������������������������������������������������������������������2
Noções Gerais����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Competência������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Legitimidade Ativa�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Objeto�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Caráter Subsidiário – Fungibilidade��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Preceito Fundamental��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Petição Inicial����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Pedido de Informações�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Decisão de Mérito��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Deliberação��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Efeitos da Decisão���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Modulação de Efeitos����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������7
Produção de Efeitos�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������7
Irrecorribilidade������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������7
Medida Liminar (Cautelar)������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������7
Natureza Ambivalente��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������8
Imprescritibilidade�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������8
Desistência���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������8
Suspeição e Impedimento��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������8
Intervenção de Terceiros – Amicus Curiae������������������������������������������������������������������������������������������������8

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Controle de Constitucionalidade – Concentrado


Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental – ADPF
Noções Gerais
A arguição de descumprimento de preceito fundamental é uma ação existente no modelo de
controle concentrado e abstrato, ou seja, por intermédio de um processo objetivo, e serve para evitar
ou afastar lesão a preceito fundamental, bem como quando houver controvérsia constitucional sobre
leis ou atos normativos nas três esferas da federação.
˃˃ Essa ação encontra-se prevista no Art. 102, § 1º, da CF/88 e é regulamentada pela Lei 9.882/99.
Competência
A competência para processar e julgar essa modalidade de ação é exclusiva do STF, conforme
Art. 102, § 1º, da CF/88.
§ 1º A arguição de descumprimento de preceito fundamental, decorrente desta Constituição, será apre-
ciada pelo Supremo Tribunal Federal, na forma da lei.

Legitimidade Ativa
Têm legitimidade para propor a ADPF as mesmas pessoas que têm legitimidade para propor
ADI e ADC, ou seja, aquelas pessoas elencadas no Art. 103 da CF/88. Vejamos:
Art. 103. Podem propor a ação direta de inconstitucionalidade e a Ação Declaratória de Constitucionalidade:
I – o Presidente da República;
II – a Mesa do Senado Federal;
III – a Mesa da Câmara dos Deputados;
IV – a Mesa de Assembleia Legislativa ou da Câmara Legislativa do Distrito Federal;
V – o Governador de Estado ou do Distrito Federal
VI – o Procurador-Geral da República;
VII – o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil;
VIII – partido político com representação no Congresso Nacional;
IX – confederação sindical ou entidade de classe de âmbito nacional.
Esse dispositivo encontra correspondência no Art. 2º da Lei 9.882/99:
Art. 2º Podem propor arguição de descumprimento de preceito fundamental:
I – os legitimados para a ação direta de inconstitucionalidade;
II – (VETADO)
§ 1º Na hipótese do inciso II, faculta-se ao interessado, mediante representação, solicitar a propositura de
arguição de descumprimento de preceito fundamental ao Procurador-Geral da República, que, exami-
nando os fundamentos jurídicos do pedido, decidirá do cabimento do seu ingresso em juízo.
§ 2º (VETADO)
Aplicam-se aqui as mesmas regras já estudadas sobre a ADI e ADC, inclusive quanto à pertinên-
cia temática e representação via advogado.
O inciso II vetado previa a possibilidade de propositura de ADPF por qualquer pessoa lesada ou
ameaçada por ato do Poder Público, entretanto permanece vigente o § 1º , de modo que a legitimi-
dade para propor ADPF é apenas dos legitimados para ADI. Acrescenta-se, todavia, que qualquer
interessado pode solicitar ao PGR a propositura da arguição.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Objeto
O objeto da ADPF encontra-se elencado no Art. 1º da Lei 9.882/99, vejamos:
Art. 1º A arguição prevista no § 1º do art. 102 da Constituição Federal será proposta perante o Supremo
Tribunal Federal, e terá por objeto evitar ou reparar lesão a preceito fundamental, resultante de ato do
Poder Público.
Parágrafo único. Caberá também arguição de descumprimento de preceito fundamental:
I – quando for relevante o fundamento da controvérsia constitucional sobre lei ou ato normativo federal,
estadual ou municipal, incluídos os anteriores à Constituição; (Vide ADIN 2.231-8, de 2000)
II – (VETADO)
Pela leitura do dispositivo, podemos verificar que há duas espécies de ADPF:
→→ 1a – ARGUIÇÃO AUTÔNOMA
Evitar ou reparar lesão a preceito fundamental, resultante de ato do Poder Público.
Essa hipótese visa afastar qualquer ação ou omissão do Poder Público que ameacem ou lesem
efetivamente um preceito fundamental.
Observa-se nessa hipótese tanto um caráter preventivo (evitar lesão) quanto repressivo (reparar
lesão) dessa ação.
Podem ser objeto de ADPF:
˃˃ De acordo com a doutrina, aqui se incluem os atos normativos secundários, inclusive regula-
mentares, desde que violem um preceito fundamental, os quais, como se sabe, não podem ser
objeto de ADI1. Ex.: decreto presidencial (não autônomo).
→→ CUIDADO! De acordo com o STF, a ADPF não é, como regra, o meio de se impugnar um ato
normativo secundário tipicamente regulamentar, pois, como sabemos, não há que se falar em
controle de constitucionalidade de ato normativo secundário, e sim de controle de legalidade.
Apenas em hipóteses excepcionais esse controle poderia ser exercido.
A jurisprudência do STF firmou-se no sentido de que a arguição de descumprimento de preceito funda-
mental é, via de regra, meio inidôneo para processar questões controvertidas derivadas de normas secun-
dárias e de caráter tipicamente regulamentar.
[ADPF 210 AgR, rel. min. Teori Zavascki, j. 6-6-2013, P, DJE de 21-6-2013.]
˃˃ Incluem-se também atos não normativos de efeitos concretos, por exemplo, as decisões judiciais.
CUIDADO! Não cabe em face de decisão judicial transitada em julgado, em respeito ao prin-
cípio constitucional da segurança jurídica (Art. 5º, XXXVI2).
˃˃ Atos normativos revogados ou com eficácia exaurida. (ADPF 33/PA e 77/DF).
Não podem ser objeto de ADPF:
˃˃ Não se incluem atos políticos. Ex.: ADPF em face de veto do Presidente da República.
˃˃ Não se incluem súmulas dos Tribunais.
˃˃ Não está incluído ato de particulares3, entretanto, se o ato do particular decorrer do exercício
de atribuições do Poder Público, caberá ADPF (mesma ideia do Mandado de Segurança). Ex.:
concessionárias de serviço público.

1 PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo, p. 833. LENZA, Pedro. p. 401.


2 Art. 5 º XXXVI – a lei não prejudicará o direito adquirido, o ato jurídico perfeito e a coisa julgada;
3 PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo, p. 833
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

→→ 2a – ARGUIÇÃO INCIDENTAL
Quando for relevante o fundamento da controvérsia constitucional sobre lei ou ato normativo federal,
estadual ou municipal, incluídos os anteriores à Constituição.
Ocorre quando houver controvérsia constitucional sobre lei ou ato normativo federal,
estadual ou municipal, inclusive de normas pré-constitucionais, em uma hipótese concreta.
Nesse caso, os legitimados a propor a ADPF verificam que em um caso concreto há controvérsia
sobre a aplicação de uma determinada norma e levam à análise do STF a partir desse caso concreto.
Cumpre observar que o controle aqui também é abstrato, mas surge a partir de uma situação
concreta. Tanto o é que o Art. 6º, § 1º, da Lei 9.882/99 permite que o relator convoque as partes do
processo que gerou a arguição. Vejamos:
Art. 6 º
§ 1º Se entender necessário, poderá o relator ouvir as partes nos processos que ensejaram a arguição,
requisitar informações adicionais, designar perito ou comissão de peritos para que emita parecer sobre
a questão, ou ainda, fixar data para declarações, em audiência pública, de pessoas com experiência e
autoridade na matéria.
O grande diferencial da ADPF é a possibilidade de levar ao controle abstrato do STF normas mu-
nicipais contestadas em face da Constituição, inclusive do direito pré-constitucional, temas que não
podem ser objeto de ADI.
É requisito nessa segunda hipótese que haja controvérsia constitucional sobre as normas impug-
nadas e que essa controvérsia seja relevante.
Quanto ao direito pré-constitucional, destacamos que aqui o juízo não será de constitucionalidade ou
inconstitucionalidade, mas sim de recepção ou não recepção da norma questionada. Assim, a ADPF é o
instrumento processual adequado para analisar a recepção ou não de normas anteriores à CF.
→→ CUIDADO! Se a norma pré-constitucional já foi declarada inconstitucional no regime anterior
e já há precedente do STF reconhecendo sua inconstitucionalidade, não há que se falar em ADPF.
Assim, podemos esquematizar como requisito dessa modalidade de ADPF:
˃˃ ato normativo em qualquer esfera da federação;
˃˃ controvérsia judicial relevante;
Elencamos as hipóteses de cabimento e não cabimento da ADPF mais relevantes para a sua prova:

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

Caráter Subsidiário – Fungibilidade


Só é cabível ADPF quando não couber outra ação de controle abstrato, como ADI e ADC ou outro ins-
trumento capaz de afastar a lesividade, como, por exemplo, um remédio constitucional, daí o seu caráter
subsidiário, também chamado de residual ou excepcional, conforme Art. 4º, § 1º, da Lei 9.882:
Art. 4 º
§ 1º Não será admitida arguição de descumprimento de preceito fundamental quando houver qualquer
outro meio eficaz de sanar a lesividade.
Em decorrência do caráter subsidiário, se um dos legitimados ajuizar a ADPF, mas se verificar
que era hipótese de outra ação de controle concentrado – como ADI, por exemplo, ela pode ser co-
nhecida como ADI, é o que se chama de princípio da fungibilidade.
Preceito Fundamental
Nem a CF nem a legislação infraconstitucional estabeleceu o que se entende como preceito fun-
damental. Assim, entendem-se como preceito fundamental não apenas os princípios fundamentais
– Art. 1º – 4º da CF, mas também qualquer norma que seja considerada como fundamental.
Desse modo, competirá ao próprio STF, na petição inicial da ADPF, analisar se há preceito fun-
damental envolvido ou não.
Petição Inicial
Como já vimos a Lei 9.882/99 regulamenta a ADPF e, nos artigos 3º e 4º, ela estabelece como a
petição inicial deve ser elaborada.
Se a petição inicial não cumprir com os requisitos previstos em lei, ela poderá ser indeferida de
forma liminar pelo relator, cabendo agravo da decisão.
Art. 3º A petição inicial deverá conter:
I – a indicação do preceito fundamental que se considera violado;
II – a indicação do ato questionado;
III – a prova da violação do preceito fundamental;
IV – o pedido, com suas especificações;
V – se for o caso, a comprovação da existência de controvérsia judicial relevante sobre a aplicação do
preceito fundamental que se considera violado.
Parágrafo único. A petição inicial, acompanhada de instrumento de mandato, se for o caso, será apre-
sentada em duas vias, devendo conter cópias do ato questionado e dos documentos necessários para com-
provar a impugnação.
Art. 4 º A petição inicial será indeferida liminarmente, pelo relator, quando não for o caso de arguição de
descumprimento de preceito fundamental, faltar algum dos requisitos prescritos nesta Lei ou for inepta.
§ 1º Não será admitida arguição de descumprimento de preceito fundamental quando houver qualquer
outro meio eficaz de sanar a lesividade.
§ 2º Da decisão de indeferimento da petição inicial caberá agravo, no prazo de cinco dias. (grifo nosso)

Pedido de Informações
Após o recebimento da petição inicial, o relator deve apreciar pedido liminar, se houver; na se-
quência, deverá solicitar informações às autoridades responsáveis pela prática do ato questionado,
no prazo de 10 dias.
Como se sabe, o PGR deve ser sempre ouvido nas ações de controle concentrado, no prazo de 5 dias.
Apesar de a Lei não se manifestar sobre a participação do AGU, o STF tem entendido pela sua
necessidade.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

Após as informações serem prestadas, e o AGU e o PGR serem ouvidos, o relator deverá elaborar
um relatório encaminhando cópia para os Ministros e pedindo data para julgamento.
Pode ainda o relator, visando à melhor instrução do processo, ouvir as partes nos processos que en-
sejaram a arguição, requisitar informações adicionais, designar perito para emissão de parecer, marcar
audiência pública, ouvir depoimento de pessoas que possam auxiliar na melhor interpretação da matéria.
Art. 6 º Apreciado o pedido de liminar, o relator solicitará as informações às autoridades responsáveis pela
prática do ato questionado, no prazo de dez dias.
§ 1º Se entender necessário, poderá o relator ouvir as partes nos processos que ensejaram a arguição,
requisitar informações adicionais, designar perito ou comissão de peritos para que emita parecer sobre
a questão, ou ainda, fixar data para declarações, em audiência pública, de pessoas com experiência e
autoridade na matéria.
§ 2º Poderão ser autorizadas, a critério do relator, sustentação oral e juntada de memoriais, por requeri-
mento dos interessados no processo.
Art. 7º Decorrido o prazo das informações, o relator lançará o relatório, com cópia a todos os ministros, e
pedirá dia para julgamento.
Parágrafo único. O Ministério Público, nas arguições que não houver formulado, terá vista do processo,
por cinco dias, após o decurso do prazo para informações. (grifo nosso)

Decisão de Mérito
Deliberação
O quórum de instauração da sessão de julgamento de uma ADPF é de pelo menos 2/3 dos
membros, ou seja, 8 ministros. Sem esse número mínimo de ministros, a sessão não será iniciada.
Apesar de a lei não falar do quórum de julgamento, em respeito ao Art. 97 da CF, a decisão final
só será proferida pela maioria absoluta dos membros, ou seja, pelo menos 6 ministros decidindo em
um ou em outro sentido. Verifica-se que se trata da mesma regra pertinente à ADI e à ADC.
Art. 8º A decisão sobre a arguição de descumprimento de preceito fundamental somente será tomada se
presentes na sessão pelo menos dois terços dos Ministros.
§ 1º (VETADO)
§ 2º (VETADO)
Art. 9 º (VETADO)

Efeitos da Decisão
A ADPF produz os seguintes efeitos:
a) erga omnes;
b) retroativos (ex tunc), a decisão alcança toda a existência do ato.
c) vinculantes: vincula os demais órgãos do Judiciário e a Administração Pública direta e
indireta nas três esferas. Frisa-se que a decisão não vincula o Poder Legislativo no exercício de
sua função legislativa, cabendo Reclamação na hipótese de se verificar descumprimento da
decisão vinculante do STF, tanto pela Administração Pública quanto pelo Poder Judiciário,
caberá reclamação.
CUIDADO com a redação do Art. 10, § 3º; apesar de falar que a decisão terá efeito vinculante
sobre os demais órgãos do Poder Público, não está incluído o Poder Legislativo.
Art. 10. Julgada a ação, far-se-á comunicação às autoridades ou órgãos responsáveis pela prática dos atos
questionados, fixando-se as condições e o modo de interpretação e aplicação do preceito fundamental.
§ 1º O presidente do Tribunal determinará o imediato cumprimento da decisão, lavrando-se o acórdão
posteriormente.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

§ 2º Dentro do prazo de dez dias contado a partir do trânsito em julgado da decisão, sua parte dispositiva
será publicada em seção especial do Diário da Justiça e do Diário Oficial da União.
§ 3º A decisão terá eficácia contra todos e efeito vinculante relativamente aos demais órgãos do Poder
Público. (grifo nosso)
Como a ADPF pode ter vários fundamentos, a decisão depende do pedido. Vejamos:
»» Se for pela constitucionalidade ou inconstitucionalidade, a decisão pode adotar as mesmas
técnicas da ADI e ADC (intepretação conforme a CF/ declaração parcial de inconstituciona-
lidade sem redução de texto etc.).
»» Se for um ato concreto, a ADPF impedirá a sua aplicação.
»» Se for direito pré-constitucional, a ADPF deverá declarar a sua recepção ou revogação.
Modulação de Efeitos
Como vimos, a decisão da ADPF produz efeitos erga omnes, vinculantes, ex tunc.
Entretanto, semelhantemente ao que ocorre na ADI e ADC, o Art. 11 da Lei 9.882/99 permite que
o STF manipule os efeitos da decisão, quando preenchidos os seguintes requisitos:
a) Decisão por 2/3 dos membros do Tribunal (oito ministros).
b) Razões de segurança jurídica ou excepcional interesse social.
Art. 11. Ao declarar a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo, no processo de arguição de descum-
primento de preceito fundamental, e tendo em vista razões de segurança jurídica ou de excepcional inte-
resse social, poderá o Supremo Tribunal Federal, por maioria de dois terços de seus membros, restringir
os efeitos daquela declaração ou decidir que ela só tenha eficácia a partir de seu trânsito em julgado ou de
outro momento que venha a ser fixado.

Produção de Efeitos
A decisão produz efeitos imediatos, não dependendo da publicação da ata da sessão de julgamen-
to no Diário Oficial, é o que determina o Art. 10, § 1º:
Art. 10.
§ 1º O presidente do Tribunal determinará o imediato cumprimento da decisão, lavrando-se o acórdão
posteriormente. (grifo nosso)

Irrecorribilidade
A decisão da ADPF é irrecorrível, e apesar de a lei não dispor nada a respeito, a doutrina entende
ser cabível a oposição de embargos de declaração, que servem tão somente para suprir eventual
omissão, obscuridade ou contradição da decisão por analogia à ADI e ADC.
→→ Não cabe AÇÃO RESCISÓRIA.
Art. 12. A decisão que julgar procedente ou improcedente o pedido em arguição de descumprimento de
preceito fundamental é irrecorrível, não podendo ser objeto de ação rescisória.

Medida Liminar (Cautelar)


A Lei 9.882/99 prevê a possibilidade de se apresentar pedido de medida liminar em sede de ADPF;
aqui os requisitos são os mesmos já estudados (fumus boni juris e periculum in mora).
O quórum de deliberação para concessão da medida liminar é de maioria absoluta do Tribunal
(seis votos), salvo no recesso ou em casos de extrema urgência ou perigo de lesão grave, em que será
concedida pelo Presidente do Tribunal, sendo posteriormente referendada pelo Pleno.
O relator poderá ouvir as autoridades responsáveis, o AGU e o PGR, se quiser, antes de decidir
sobre a medida liminar.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
7
AlfaCon Concursos Públicos

A liminar poderá consistir na:


a) sustação de ato impugnado;
b) suspensão do andamento de processo ou os efeitos de decisões judiciais, ou de qualquer
outra medida que apresente relação com a matéria objeto da arguição de descumprimento de
preceito fundamental, salvo se decorrentes da coisa julgada.
São efeitos da medida liminar:
˃˃ Erga omnes;
˃˃ Vinculante.
Art. 5º O Supremo Tribunal Federal, por decisão da maioria absoluta de seus membros, poderá deferir
pedido de medida liminar na arguição de descumprimento de preceito fundamental.
§ 1º Em caso de extrema urgência ou perigo de lesão grave, ou ainda, em período de recesso, poderá o
relator conceder a liminar, ad referendum do Tribunal Pleno.
§ 2º O relator poderá ouvir os órgãos ou autoridades responsáveis pelo ato questionado, bem como o Advo-
gado-Geral da União ou o Procurador-Geral da República, no prazo comum de cinco dias.
§ 3º A liminar poderá consistir na determinação de que juízes e tribunais suspendam o andamento de
processo ou os efeitos de decisões judiciais, ou de qualquer outra medida que apresente relação com a
matéria objeto da arguição de descumprimento de preceito fundamental, salvo se decorrentes da coisa
julgada. (Vide ADIN 2.231-8, de 2000)

Natureza Ambivalente
Diz-se que a ADPF é também dotada de natureza dúplice ou ambivalente, isso porque, a depender
do pedido formulado, ela pode gerar o reconhecimento da constitucionalidade ou inconstitucionali-
dade do ato normativo questionado.
Imprescritibilidade
Conforme entendimento do STF, a ADPF não se sujeita a prazos de prescrição ou decadência.
Desistência
Apesar de não existir previsão na Lei 9.882/99, não se admite a desistência da ADPF, ou seja, uma
vez proposta por um dos legitimados, ele não poderá oferecer pedido de desistência da ação (princí-
pio da indisponibilidade).
Suspeição e Impedimento
Assim como ocorre da ADI e na ADC, na ADPF, por se tratar de processo objetivo, não cabe
alegação de suspeição de ministro, mas poderá ser alegado o seu impedimento quando o ministro já
tiver atuado anteriormente na condição de PGR ou AGU, requerente ou requerido na ação.
Intervenção de Terceiros – Amicus Curiae
Não se admite, na ADPF, o instituto processual da intervenção de terceiros4, salvo a figura do
Amicus Curiae (Amigo da Corte).
Exercícios
01. Conforme o entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF), é cabível a arguição de des-
cumprimento de preceito fundamental
a) contra súmula do STF.
b) contra proposta de emenda à Constituição Federal de 1988.
c) para desconstituir coisa julgada material oriunda de decisão judicial já transitada em julgado.
d) contra normas secundárias regulamentares — como, por exemplo, decretos presidenciais —
vulneradoras de preceito fundamental.
e) para revisar, alterar ou cancelar súmula vinculante do STF.
4 É a atuação de pessoas estranhas a determinado processo judicial quando esta não se dá por litisconsórcio. Ex.: assistência,
denunciação da lide, chamamento ao processo.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
8
AlfaCon Concursos Públicos

02. A arguição de descumprimento de preceito fundamental


a) é o meio processual adequado para se dar interpretação conforme a Constituição a súmulas
vinculantes.
b) pode questionar atos de poder eminentemente políticos, como o veto.
c) é, via de regra, meio idôneo para impugnar atos regulamentares, que não podem ser objeto
de ação direta de inconstitucionalidade.
d) pode ser formalizada com o intuito de desconstituir decisões judiciais, desde que não mais
possam ser objeto de recurso algum.
e) pode ser conhecida pelo STF por meio de petição de ação direta de inconstitucionalidade,
por força da aplicação do princípio da fungibilidade.
Gabarito
01 - D
02 - E.
Referências Bibliográficas
BRASIL. Constituição Federal.
CANOTILHO, J.J. GOMES e outros. Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2014.
LENZA, Pedro. Direito Constitucional. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Atlas, 2014.
NOVELINO, Marcelo. Curso de Direito Constitucional. 11. ed. Salvador: JusPodivm, 2016.
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Constitucional descomplicado. 15 ed. São
Paulo: Método, 2016.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
9
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Controle de Constitucionalidade – Concentrado�������������������������������������������������������������������������������������������2
Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão�����������������������������������������������������������������������������������������������������2
Noções Gerais����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Objeto�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Competência������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Legitimidade������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Desistência���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Petição Inicial����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Pedido de Informações�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
AGU e PGR��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Decisão de Mérito���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Medida Cautelar������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
ADO x Mandado de Injunção�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Controle de Constitucionalidade – Concentrado


Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão
Noções Gerais
Como já estudamos, a inconstitucionalidade ocorre não apenas por um ato comissivo (a criação
de uma lei ou ato normativo), mas também pela sua omissão, ou seja, quando um determinado órgão
ou autoridade encarregado de elaborar determinada norma não a realiza, inviabiliza-se a efetividade
de uma norma constitucional.
Dessa forma, a Ação Direta de Inconstitucionalidade por omissão, que integra o sistema de
controle concentrado e abstrato, tem por objetivo a declaração, pelo STF, da omissão, buscando
tornar efetiva a norma constitucional.
»» Essa ação foi inserida em nosso ordenamento pela CF/88 (Art. 1031 § 2º).
»» Essa ação é regulamentada também pela Lei 9.868/1999.
Essa ação, por ser também uma Ação Direta de Inconstitucionalidade, possui as mesmas ca-
racterísticas e o procedimento da ADI genérica, já estudados, apenas com algumas peculiaridades,
como dispõe o Art. 12 – E da Lei 9.869/99:
Art. 12-E. Aplicam-se ao procedimento da ação direta de inconstitucionalidade por omissão, no que
couber, as disposições constantes da Seção I do Capítulo II desta Lei.

Objeto
A ADO tem como objeto a omissão inconstitucional, que pode ser tanto legislativa quanto ad-
ministrativa, bem como pode ser total ou parcial.
Logo, podemos afirmar que só é cabível ADO em face da omissão regulamentadora daquelas
normas constitucionais de eficácia limitada, tanto as normas programáticas, quanto as de princí-
pios institutivos, mas desde que tenham natureza impositiva, e não facultativa.
Considerando a mesma regra da ADI, só podem ser impugnadas omissões normativas federais,
estaduais e distritais – no exercício de competência estadual, mas não podem ser impugnadas
omissões de órgãos ou autoridades municipais.

Competência
Como sabemos, a competência para o controle concentrado no âmbito federal é do STF.
Legitimidade
Nos termos do Art. 12-A da Lei 9.868/1999 são legitimados ativos os mesmos para propor a ADI,
como dispõe o Art. 103 da CF/88. Vejamos:
Art. 12-A. Podem propor a ação direta de inconstitucionalidade por omissão os legitimados à propositura
da ação direta de inconstitucionalidade e da Ação Declaratória de Constitucionalidade.
Art. 103. Podem propor a ação direta de inconstitucionalidade e a Ação Declaratória de Constituciona-
lidade:
I – o Presidente da República;
II – a Mesa do Senado Federal;
III – a Mesa da Câmara dos Deputados;

1 § 2º Declarada a inconstitucionalidade por omissão de medida para tornar efetiva norma constitucional, será dada ciência ao
Poder competente para a adoção das providências necessárias e, em se tratando de órgão administrativo, para fazê-lo em trinta dias.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

IV – a Mesa de Assembleia Legislativa ou da Câmara Legislativa do Distrito Federal;


V – o Governador de Estado ou do Distrito Federal;
VI – o Procurador-Geral da República;
VII – o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil;
VIII – partido político com representação no Congresso Nacional;
IX – confederação sindical ou entidade de classe de âmbito nacional.
No que tange à legitimidade, valem as mesmas regras já estudadas no tópico referente à ADI:
»» representação via advogado;
»» pertinência temática: legitimados universais e especiais.

˃˃ Uma observação importante a ser traçada, neste momento, quanto à ADO, é que não pode
propor ADO a autoridade que também for a competente para elaborar a norma omissa.
Quanto à legitimidade passiva na Ação Direta de Inconstitucionalidade por omissão, são os órgãos
ou autoridades que deveriam editar a norma faltante para a concretização da norma constitucional.
→→ Cuidado! Algumas leis são de iniciativa privativa de algumas autoridades; nesse caso a ADO
deve ser proposta contra aquele que deveria ter tido a iniciativa da lei.
Desistência
Também não se admite a desistência da ADO (princípio da indisponibilidade), por se tratar de
processo de natureza objetiva, conforme Art. 12-D da Lei 9.868/99:
Art. 12-D. Proposta a ação direta de inconstitucionalidade por omissão, não se admitirá desistência.

Petição Inicial
O Art. 12-B da Lei 9.868/99 dispõe sobre os requisitos da petição inicial na ADO. Vejamos:
Art. 12-B. A petição indicará:
I – a omissão inconstitucional total ou parcial quanto ao cumprimento de dever constitucional de
legislar ou quanto à adoção de providência de índole administrativa;
II – o pedido, com suas especificações.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Parágrafo único. A petição inicial, acompanhada de instrumento de procuração, se for o caso, será apre-
sentada em 2 (duas) vias, devendo conter cópias dos documentos necessários para comprovar a alegação
de omissão.
Se a petição inicial não cumprir com os requisitos previstos em lei, ela poderá ser indeferida de
forma liminar pelo relator, cabendo agravo da decisão.
Art. 12-C. A petição inicial inepta, não fundamentada, e a manifestamente improcedente serão liminar-
mente indeferidas pelo relator.
Parágrafo único. Cabe agravo da decisão que indeferir a petição inicial.

Pedido de Informações
Neste tópico, segue-se a mesma regra da ADI, ou seja, devem ser solicitadas informações aos
órgãos ou autoridades a respeito da omissão inconstitucional.
Destaca-se aqui a disposição do Art. 12-E § 1º da Lei 9.868/99, que autoriza a manifestação dos
demais legitimados na ação, juntando inclusive documentos que acharem pertinentes, no prazo das
informações.
§ 1º Os demais titulares referidos no art. 2º desta Lei poderão manifestar-se, por escrito, sobre o objeto da
ação e pedir a juntada de documentos reputados úteis para o exame da matéria, no prazo das informa-
ções, bem como apresentar memoriais.

AGU e PGR
Após o decurso do prazo para informações, o PGR será intimado para manifestar-se, lembrando
que a atuação do PGR na ADO é obrigatória, assim como em todas as ações de controle concentrado.
Entretanto, na ADO só se manifestará se não for o autor da ação e no prazo de 15 dias.
Art. 12-E § 3º O Procurador-Geral da República, nas ações em que não for autor, terá vista do processo,
por 15 (quinze) dias, após o decurso do prazo para informações.
A atuação do AGU é facultativa, ou seja, se assim determinar o relator, também no prazo de 15 dias:
Art. 12-E § 2º O relator poderá solicitar a manifestação do Advogado-Geral da União, que deverá ser en-
caminhada no prazo de 15 (quinze) dias.

Decisão de Mérito
O quórum para a declaração de inconstitucionalidade por omissão é o mesmo da ADI, ou seja,
maioria absoluta (6 Ministros), em sessão iniciada com pelo menos 8 Ministros (2/3).
Caso o STF declare a inconstitucionalidade, deverá informar tal fato ao poder competente para
adotar as providências necessárias.
Se a omissão decorrer de órgão administrativo, sem função política, as providências deverão ser
tomadas no prazo de 30 dias.
Art. 12-H. Declarada a inconstitucionalidade por omissão, com observância do disposto no art. 22, será
dada ciência ao Poder competente para a adoção das providências necessárias.
§ 1º Em caso de omissão imputável a órgão administrativo, as providências deverão ser adotadas no prazo
de 30 (trinta) dias, ou em prazo razoável a ser estipulado excepcionalmente pelo Tribunal, tendo em vista
as circunstâncias específicas do caso e o interesse público envolvido.
§ 2º Aplica-se à decisão da ação direta de inconstitucionalidade por omissão, no que couber, o disposto no
Capítulo IV desta Lei.
Essa regra também encontra disposição no Art. 103 § 2º da CF/88:
§ 2º Declarada a inconstitucionalidade por omissão de medida para tornar efetiva norma constitucional,
será dada ciência ao Poder competente para a adoção das providências necessárias e, em se tratando de
órgão administrativo, para fazê-lo em trinta dias.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

Medida Cautelar
É também possível a concessão de medida cautelar em ADO, desde que se constate:
a) excepcional urgência;
b) relevância da matéria.
Quórum: maioria absoluta.
No caso de omissão parcial, a medida cautelar pode implicar a suspensão da aplicação da lei ou
do ato normativo questionado. Pode ser concedida ainda para determinar a suspensão de processos
judiciais ou de procedimentos administrativos em curso, ou ainda impor outras providências que o
Tribunal considerar pertinente.
Art. 12-F. Em caso de excepcional urgência e relevância da matéria, o Tribunal, por decisão da maioria
absoluta de seus membros, observado o disposto no art. 22, poderá conceder medida cautelar, após a au-
diência dos órgãos ou autoridades responsáveis pela omissão inconstitucional, que deverão pronunciar-
se no prazo de 5 (cinco) dias.
§ 1º A medida cautelar poderá consistir na suspensão da aplicação da lei ou do ato normativo questiona-
do, no caso de omissão parcial, bem como na suspensão de processos judiciais ou de procedimentos admi-
nistrativos, ou ainda em outra providência a ser fixada pelo Tribunal.
§ 2º O relator, julgando indispensável, ouvirá o Procurador-Geral da República, no prazo de 3 (três) dias.
§ 3º No julgamento do pedido de medida cautelar, será facultada sustentação oral aos representantes ju-
diciais do requerente e das autoridades ou órgãos responsáveis pela omissão inconstitucional, na forma
estabelecida no Regimento do Tribunal.
Art.12-G. Concedida a medida cautelar, o Supremo Tribunal Federal fará publicar, em seção especial do
Diário Oficial da União e do Diário da Justiça da União, a parte dispositiva da decisão no prazo de 10
(dez) dias, devendo solicitar as informações à autoridade ou ao órgão responsável pela omissão inconsti-
tucional, observando-se, no que couber, o procedimento estabelecido na Seção I do Capítulo II desta Lei.

ADO x Mandado de Injunção

Exercícios
01. A Ação Direta de Inconstitucionalidade por omissão visa a:
a) impugnar lei ou ato normativo federal ou estadual em face da Constituição Federal.
b) impugnar ato dos poderes estaduais ou distritais que infrinja princípio constitucional sensível,
de maneira a promover a sua declaração de inconstitucionalidade perante o Supremo Tribunal
Federal e a requisitar a decretação de intervenção federal ao Presidente da República.
c) adotar medida necessária para tornar efetiva norma constitucional federal.
d) solucionar controvérsia judicial relevante sobre a aplicação de lei ou ato normativo federal
em face da Constituição Federal.
e) evitar ou reparar lesão a preceito fundamental resultante de ato do Poder Público, bem como
solucionar controvérsia constitucional a respeito de lei ou ato normativo federal, estadual ou
municipal, incluídos os anteriores à Constituição da República.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

02. São ações típicas do controle abstrato de constitucionalidade:


a) Ação Direta de Inconstitucionalidade e Ação Civil Pública.
b) Ação Declaratória de Constitucionalidade e Ação Civil Pública.
c) arguição de descumprimento de preceito fundamental e Ação Direta de Inconstitucionali-
dade por omissão.
d) Ação Direta de Inconstitucionalidade por omissão e Ação Civil Pública.
e) Ação Declaratória de Constitucionalidade e Ação Popular.
03. Declarada a inconstitucionalidade por omissão de medida para tornar efetiva norma consti-
tucional, será dada ciência ao Poder competente para a adoção das providências necessárias e,
em se tratando de órgão administrativo, para fazê-lo em vinte dias.
Certo ( ) Errado ( )
04. É incabível a medida cautelar em Ação Direta de Inconstitucionalidade por omissão.
Certo ( ) Errado ( )
05. Não é todo silêncio legislativo que autoriza a declaração de inconstitucionalidade por omissão. Essa
omissão inconstitucional verificar-se-á com o descumprimento de um mandamento constitucio-
nal que obrigue o legislador ordinário a atuar positivamente, criando uma norma legal.
Certo ( ) Errado ( )
06. Não é cabível medida cautelar em ADI por omissão.
Certo ( ) Errado ( )
07. Assinale a alternativa correta acerca da Ação Direta de Inconstitucionalidade por omissão:
Certo ( ) Errado ( )
a) Cabem embargos da decisão que indeferir a petição inicial.
b) Proposta a Ação Direta de Inconstitucionalidade por omissão, admitir-se-á desistência.
c) O relator deverá solicitar a manifestação do Advogado-Geral da União, no prazo de 15
(quinze) dias.
d) O Procurador-Geral da República, nas ações em que não for autor, terá vista do processo,
por 15 (quinze) dias, após o decurso do prazo para informações.
08. Na Ação Direta de Inconstitucionalidade por omissão, a legitimidade passiva restringe-se ao
Poder Legislativo inadimplente, ao qual será estipulado prazo para adotar as providências
cabíveis no sentido de suprir a omissão.
Certo ( ) Errado ( )
09. Considerada a disciplina constitucional e a respectiva regulamentação legal da Ação Direta de
Inconstitucionalidade por omissão, é INCORRETO afirmar que
a) pode ser proposta pelos legitimados à propositura da Ação Direta de Inconstitucionalidade
e da Ação Declaratória de Constitucionalidade.
b) não admite desistência.
c) não admite medida cautelar.
d) cabe agravo da decisão que indeferir a petição inicial.
e) em caso de omissão imputável a órgão administrativo, as providências deverão ser adotadas
no prazo de 30 (trinta) dias, ou em prazo razoável a ser estipulado excepcionalmente pelo
Supremo Tribunal Federal, tendo em vista as circunstâncias específicas do caso e o interesse
público envolvido.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

Gabarito
01 - C
02 - C
03 - Errado
04 - Errado
05 - Certo
06 - Errado
07 - D
08 - Errado
09 - C
Referências Bibliográficas
BRASIL. Constituição Federal.
CANOTILHO, J.J. GOMES e outros. Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2014.
LENZA, Pedro. Direito Constitucional. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Atlas, 2014.
NOVELINO, Marcelo. Curso de Direito Constitucional. 11. ed. Salvador: JusPodivm, 2016.
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Constitucional descomplicado. 15 ed. São
Paulo: Método, 2016.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
7
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Controle de Constitucionalidade – Concentrado�������������������������������������������������������������������������������������������2
Representação Interventiva ou ADI Interventiva���������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Noções Gerais����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Intervenção��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Espécies de Intervenção�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Ação Direta de Inconstitucionalidade Interventiva������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Hipóteses de Cabimento����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Legitimidade Ativa�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Petição Inicial����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Pedido de Informações�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Provimento – Decisão Judicial������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Decreto Interventivo�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������7
Controle Político�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������7
Medida Liminar������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������7

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Controle de Constitucionalidade – Concentrado


Representação Interventiva ou ADI Interventiva
Noções Gerais
A Ação Direta de Inconstitucionalidade Interventiva ou Representação Interventiva é uma mo-
dalidade de controle concentrado, mas que, excepcionalmente, não se dá de forma abstrata, e sim em
um caso concreto. Logo, é Ação de Controle Concentrado, pela via incidental (concreta).
Temos um processo de natureza objetiva.
Tem como finalidade a decretação da INTERVENÇÃO pelo chefe do Poder Executivo.
˃˃ Inserida na CF de 1934 e com os moldes atuais apenas em 1946.
É regulamentada pela Lei 12.562/2011.
Vamos relembrar o que é a Intervenção Federal?
Intervenção
É fundamento do modelo de Estado Federativo a existência de autonomia dos entes que compõem
a federação. Essa autonomia pressupõe que não existe hierarquia entre os entes federados e que um
ente não se intromete nos assuntos de competência de outro ente. Desse modo, cada um manterá sua
autonomia, podendo se auto-organizar, autogovernar, autoadministrar, autolegislar, bem como ter
receitas próprias.
Contudo, em situações excepcionais, a CF permite, como forma de manter a unidade federativa,
que um ente federado se intrometa, intervenha na esfera de autonomia de outro ente federativo, isso
é o que se chama de Intervenção.
Existem dois tipos de Intervenção: Federal e a Estadual, sempre de um ente mais amplo sobre
outro imediatamente menos amplo.
˃˃ Federal: União nos Estados, DF e Municípios localizados nos Territórios Federais.
˃˃ Estadual: Estados intervêm apenas nos Municípios localizados em seus territórios.
As hipóteses de Intervenção estão elencadas de forma taxativa numerus clausus nos Arts. 34 e 35
da CF:
São hipóteses de Intervenção Federal:
Art. 34. A União não intervirá nos Estados nem no Distrito Federal, exceto para:
I – manter a integridade nacional;
II – repelir invasão estrangeira ou de uma unidade da Federação em outra;
III – pôr termo a grave comprometimento da ordem pública;
IV – garantir o livre exercício de qualquer dos Poderes nas unidades da Federação;
V – reorganizar as finanças da unidade da Federação que:
a) suspender o pagamento da dívida fundada por mais de dois anos consecutivos, salvo motivo de
força maior;
b) deixar de entregar aos Municípios receitas tributárias fixadas nesta Constituição, dentro dos
prazos estabelecidos em lei;
VI – prover a execução de lei federal, ordem ou decisão judicial;
VII – assegurar a observância dos seguintes princípios constitucionais:
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

a) forma republicana, sistema representativo e regime democrático;


b) direitos da pessoa humana;
c) autonomia municipal;
d) prestação de contas da administração pública, direta e indireta.
e) aplicação do mínimo exigido da receita resultante de impostos estaduais, compreendida a prove-
niente de transferências, na manutenção e desenvolvimento do ensino e nas ações e serviços públicos
de saúde. (grifo nosso)
São hipóteses de Intervenção Estadual:
Art. 35. O Estado não intervirá em seus Municípios, nem a União nos Municípios localizados em Territó-
rio Federal, exceto quando:
I – deixar de ser paga, sem motivo de força maior, por dois anos consecutivos, a dívida fundada;
II – não forem prestadas contas devidas, na forma da lei;
III – não tiver sido aplicado o mínimo exigido da receita municipal na manutenção e desenvolvimento
do ensino e nas ações e serviços públicos de saúde;
IV – o Tribunal de Justiça der provimento a representação para assegurar a observância de princípios
indicados na Constituição Estadual, ou para prover a execução de lei, de ordem ou de decisão judicial.

Espécies de Intervenção
A Intervenção pode se dar de forma espontânea (discricionária) ou de forma provocada, que
pode ser: por solicitação, por requisição ou por provimento de representação.

A Intervenção espontânea ocorre de forma discricionária nas hipóteses elencadas nos incisos I,
II, III e V, do Art. 34:
˃˃ Manter a integridade nacional;
˃˃ Repelir invasão estrangeira ou de uma unidade da Federação em outra;
˃˃ Pôr termo a grave comprometimento da ordem pública;
˃˃ Reorganizar as finanças da unidade da Federação que:
a) suspender o pagamento da dívida fundada por mais de dois anos consecutivos, salvo motivo de
força maior;
b) deixar de entregar aos Municípios receitas tributárias fixadas nesta Constituição, dentro dos
prazos estabelecidos em lei.
A Intervenção provocada pode ser: por solicitação, por requisição ou por provimento de repre-
sentação.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

→→ POR SOLICITAÇÃO:
(Art. 34, IV c/c Art. 36, I – 1a parte): quando for para garantir o livre exercício de qualquer dos
Poderes nas unidades da Federação.
Nesse caso será solicitada quando for para garantir o livre exercício dos Poderes Executivo e Le-
gislativo, apenas. Isso porque quando for contra o Poder Judiciário será hipótese de Requisição.
Nesse caso, o Poder Executivo ou Legislativo que se sentir impedido ou coagido no exercício das
suas funções, poderá solicitar Intervenção Federal.
Art. 34. A União não intervirá nos Estados nem no Distrito Federal, exceto para:
IV – garantir o livre exercício de qualquer dos Poderes nas unidades da Federação;
Art. 36. A decretação da intervenção dependerá:
I – no caso do art. 34, IV, de solicitação do Poder Legislativo ou do Poder Executivo coacto ou impedido, ou
de requisição do Supremo Tribunal Federal, se a coação for exercida contra o Poder Judiciário; (grifo nosso)
→→ POR REQUISIÇÃO:
Nessa modalidade de Intervenção, temos dois casos distintos: a) requisição do STF; b) requisição
do STF, STJ ou TSE, c) provimento de representação.
˃˃ REQUISIÇÃO DO STF (Art. 34, IV c/c 36, I)
É hipótese de Intervenção provocada por requisição do STF a que está descrita no Art. 34, IV, ou
seja, quando for para garantir o livre exercício de qualquer dos Poderes nas unidades da Federação,
quando o impedimento ou a coação for contra o Poder Judiciário.
Se o STF entender que é caso de Intervenção irá requisitar ao Presidente que deverá obrigatoria-
mente decretar a Intervenção.
Vejamos os dispositivos pertinentes da CF:
Art. 34. A União não intervirá nos Estados nem no Distrito Federal, exceto para:
IV – garantir o livre exercício de qualquer dos Poderes nas unidades da Federação;
Art. 36. A decretação da intervenção dependerá:
I – no caso do art. 34, IV, de solicitação do Poder Legislativo ou do Poder Executivo coacto ou impedido, ou
de requisição do Supremo Tribunal Federal, se a coação for exercida contra o Poder Judiciário; (grifo nosso)
˃˃ REQUISIÇÃO DO STF, STJ ou TSE: (Art. 34, VI c/c 36, II).
No caso de descumprimento de ordem ou decisão judicial ocorrerá a Intervenção por requisi-
ção de um dos seguintes Tribunais: STF, STJ ou TSE, a depender da origem da decisão descumprida.
Vejamos os dispositivos pertinentes da CF:
Art. 34. A União não intervirá nos Estados nem no Distrito Federal, exceto para:
VI – prover a execução de lei federal, ordem ou decisão judicial;
Art. 36. A decretação da intervenção dependerá:
II – no caso de desobediência a ordem ou decisão judiciária, de requisição do Supremo Tribunal
Federal, do Superior Tribunal de Justiça ou do Tribunal Superior Eleitoral; (grifo nosso)
˃˃ DEPENDENDO DE PROVIMENTO DE REPRESENTAÇÃO: (Art. 34, VI e VII c/c Art. 36,
III) – É ESTA QUE NOS INTERESSA!
Essa hipótese de Intervenção, no âmbito federal, depende de Representação do Procurador-Ge-
ral da República perante o STF, que em caso de provimento irá requerer ao Presidente que decrete a
Intervenção. Trata-se, portanto, de hipótese também de requisição feita pelo STF, mas que depende
de representação do PGR.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

Ocorrerá em duas hipóteses:


1) Recusa de Execução (cumprimento) de Lei Federal –– Art. 34, VI + 36, III.
2) Violação a princípios constitucionais sensíveis –Art. 34, VII + 36, III.
Vejamos os dispositivos pertinentes da CF:
Art. 34. A União não intervirá nos Estados nem no Distrito Federal, exceto para:
VI – prover a execução de lei federal, ordem ou decisão judicial;
VII – assegurar a observância dos seguintes princípios constitucionais:
a) forma republicana, sistema representativo e regime democrático;
b) direitos da pessoa humana;
c) autonomia municipal;
d) prestação de contas da administração pública, direta e indireta.
e) aplicação do mínimo exigido da receita resultante de impostos estaduais, compreendida a proveniente
de transferências, na manutenção e desenvolvimento do ensino e nas ações e serviços públicos de saúde.
Art. 36. A decretação da intervenção dependerá:
III – de provimento, pelo Supremo Tribunal Federal, de representação do Procurador-Geral da Repú-
blica, na hipótese do art. 34, VII, e no caso de recusa à execução de lei federal. (grifo nosso)
1) No caso de recusa de execução de lei federal, teremos o cabimento da Ação de executoriedade de
lei federal, e a referida ação busca o cumprimento da lei.
2) No caso de violação dos princípios constitucionais sensíveis, temos a chamada representação interven-
tiva ou AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE INTERVENTIVA. Nesse caso, a finali-
dade será a declaração de inconstitucionalidade do ato realizado pelos entes federativos.
Vamos analisar agora a ADI interventiva.

Ação Direta de Inconstitucionalidade Interventiva


Hipóteses de Cabimento
Como vimos, é hipótese de controle concentrado de constitucionalidade em que se pretende a decla-
ração de inconstitucionalidade de um ato em um caso concreto que esteja violando os princípios cons-
titucionais sensíveis, aqueles elencados no Art. 34 VII da CF, na hipótese de Intervenção Federal, ou os
princípios elencados na Constituição estadual, na hipótese de Intervenção estadual, Art. 35, IV.
Assim, podemos esquematizar as hipóteses de cabimento da ADI interventiva federal:
a) forma republicana;
b) sistema representativo
c) regime democrático;
d) direitos da pessoa humana;
e) autonomia municipal;
f) prestação de contas da administração pública, direta e indireta.
g) aplicação do mínimo exigido da receita resultante de impostos estaduais, compreendida a proveniente
de transferências, na manutenção e desenvolvimento do ensino e nas ações e serviços públicos de saúde.
VII – assegurar a observância dos seguintes princípios constitucionais:
a) forma republicana, sistema representativo e regime democrático;
b) direitos da pessoa humana;
c) autonomia municipal;
d) prestação de contas da administração pública, direta e indireta.
e) aplicação do mínimo exigido da receita resultante de impostos estaduais, compreendida a proveniente
de transferências, na manutenção e desenvolvimento do ensino e nas ações e serviços públicos de saúde.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

Caso os Municípios não cumpram os princípios elencados na Constituição Estadual também


haverá ADI Interventiva, nesse caso no âmbito estadual.
Art. 35. O Estado não intervirá em seus Municípios, nem a União nos Municípios localizados em Territó-
rio Federal, exceto quando:
IV – o Tribunal de Justiça der provimento a representação para assegurar a observância de princípios
indicados na Constituição Estadual, ou para prover a execução de lei, de ordem ou de decisão judicial.

Legitimidade Ativa
Essa modalidade de Intervenção depende de representação, no âmbito federal do PGR e no
âmbito estadual do PGJ.
Petição Inicial
Art. 3º A petição inicial deverá conter:
I – a indicação do princípio constitucional que se considera violado ou, se for o caso de recusa à aplica-
ção de lei federal, das disposições questionadas;
II – a indicação do ato normativo, do ato administrativo, do ato concreto ou da omissão questionados;
III – a prova da violação do princípio constitucional ou da recusa de execução de lei federal;
IV – o pedido, com suas especificações.
Parágrafo único. A petição inicial será apresentada em 2 (duas) vias, devendo conter, se for o caso, cópia
do ato questionado e dos documentos necessários para comprovar a impugnação.
Art. 4 º A petição inicial será indeferida liminarmente pelo relator, quando não for o caso de representa-
ção interventiva, faltar algum dos requisitos estabelecidos nesta Lei ou for inepta.
Parágrafo único. Da decisão de indeferimento da petição inicial caberá agravo, no prazo de 5 (cinco)
dias. (grifo nosso)

Pedido de Informações
O relator, após receber a petição inicial, deverá solicitar informações aos órgãos ou autoridades
responsáveis pelo ato questionado, no prazo de 10 dias.
Deverá ser ouvido o AGU e o PGR também no prazo de 10 dias.
Art. 6 º Apreciado o pedido de liminar ou, logo após recebida a petição inicial, se não houver pedido de
liminar, o relator solicitará as informações às autoridades responsáveis pela prática do ato questionado,
que as prestarão em até 10 (dez) dias.
§ 1º Decorrido o prazo para prestação das informações, serão ouvidos, sucessivamente, o Advogado-Geral da
União e o Procurador-Geral da República, que deverão manifestar-se, cada qual, no prazo de 10 (dez) dias.
§ 2º Recebida a inicial, o relator deverá tentar dirimir o conflito que dá causa ao pedido, utilizando-se dos
meios que julgar necessários, na forma do regimento interno.
Pode o relator também requisitar informações adicionais:
Art. 7º Se entender necessário, poderá o relator requisitar informações adicionais, designar perito ou
comissão de peritos para que elabore laudo sobre a questão ou, ainda, fixar data para declarações, em
audiência pública, de pessoas com experiência e autoridade na matéria.
Parágrafo único. Poderão ser autorizadas, a critério do relator, a manifestação e a juntada de documen-
tos por parte de interessados no processo.

Provimento – Decisão Judicial


A decisão judicial deverá apenas constatar e declarar que houve violação dos princípios sensíveis
no referido ato. Se a representação for julgada procedente, deverá o Tribunal competente requisitar
ao Chefe do Executivo que decrete a Intervenção.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

O quórum de instauração da sessão de julgamento é de pelo menos 2/3 dos membros, ou seja, 8
ministros; sem esse número mínimo de ministros a sessão não será iniciada.
O quórum de julgamento é de maioria absoluta dos membros, ou seja, pelo menos 6 ministros,
decidindo em um ou em outro sentido.
Art. 9 º A decisão sobre a representação interventiva somente será tomada se presentes na sessão pelo
menos 8 (oito) Ministros.
Art. 10. Realizado o julgamento, proclamar-se-á a procedência ou improcedência do pedido formulado
na representação interventiva se num ou noutro sentido se tiverem manifestado pelo menos 6 (seis) Mi-
nistros.
Parágrafo único. Estando ausentes Ministros em número que possa influir na decisão sobre a represen-
tação interventiva, o julgamento será suspenso, a fim de se aguardar o comparecimento dos Ministros
ausentes, até que se atinja o número necessário para a prolação da decisão.
Da decisão do STF que julga a representação do PGR não cabe recurso, sendo, portanto, irrecor-
rível, não cabendo Ação Rescisória.
Art. 12. A decisão que julgar procedente ou improcedente o pedido da representação interventiva é irre-
corrível, sendo insuscetível de impugnação por ação rescisória.
Essa regra também vale para o âmbito estadual, conforme súmula 637 do STF: Não cabe recurso ex-
traordinário contra acórdão de Tribunal de Justiça que defere pedido de intervenção estadual em Município.
Decreto Interventivo
Uma vez julgada procedente a ação, o Tribunal deverá requisitar ao Chefe do Executivo que
expeça o decreto. No âmbito federal, o prazo para o Presidente cumprir a determinação é de 15 dias.
Art. 11. Julgada a ação, far-se-á a comunicação às autoridades ou aos órgãos responsáveis pela prática
dos atos questionados, e, se a decisão final for pela procedência do pedido formulado na representação
interventiva, o Presidente do Supremo Tribunal Federal, publicado o acórdão, levá-lo-á ao conhecimento
do Presidente da República para, no prazo improrrogável de até 15 (quinze) dias, dar cumprimento aos §§
1º e 3º do art. 36 da Constituição Federal.
Parágrafo único. Dentro do prazo de 10 (dez) dias, contado a partir do trânsito em julgado da decisão, a
parte dispositiva será publicada em seção especial do Diário da Justiça e do Diário Oficial da União.
Destaca-se ainda que nessa modalidade de Intervenção se a mera suspensão do ato impugnado já for
suficiente para restabelecer a normalidade, o decreto deverá se limitar a isso, apenas a suspensão do ato;
caso a suspensão não seja suficiente, então o Presidente deverá determinar outras medidas interventivas.
Trata-se também de ato vinculado, não podendo o Chefe do Executivo se recusar a expedir o
decreto interventivo.
Controle Político
Conforme disposição do Art. 36, § 3º, essa modalidade de Intervenção não precisa de controle
político, ou seja, aquele realizado pelo Congresso Nacional ou Assembleia Legislativa, quando a sus-
pensão do ato impugnado já for suficiente para restabelecer a normalidade.
§ 3º Nos casos do art. 34, VI e VII, ou do art. 35, IV, dispensada a apreciação pelo Congresso Nacional
ou pela Assembleia Legislativa, o decreto limitar-se-á a suspender a execução do ato impugnado, se essa
medida bastar ao restabelecimento da normalidade.

Medida Liminar
Art. 5º O Supremo Tribunal Federal, por decisão da maioria absoluta de seus membros, poderá deferir
pedido de medida liminar na representação interventiva.
§ 1º O relator poderá ouvir os órgãos ou autoridades responsáveis pelo ato questionado, bem como o Ad-
vogado-Geral da União ou o Procurador-Geral da República, no prazo comum de 5 (cinco) dias.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
7
AlfaCon Concursos Públicos

§ 2º A liminar poderá consistir na determinação de que se suspenda o andamento de processo ou os


efeitos de decisões judiciais ou administrativas ou de qualquer outra medida que apresente relação com a
matéria objeto da representação interventiva.

Assim, podemos esquematizar:


˃˃ Legitimidade para fazer ADI:
»» No âmbito federal: Procurador-Geral da República;
»» No âmbito estadual: Procurador-Geral de Justiça.
˃˃ Provimento:
»» No âmbito federal: STF.
»» No âmbito estadual: TJ.
˃˃ Decreto:
»» No âmbito federal: Presidente;
»» No âmbito estadual: Governador.

Exercícios
01. Para que o STF julgue uma Ação Direta de Inconstitucionalidade Interventiva no caso de um
Estado-Membro violar o princípio da autonomia municipal, tal ação deverá ser precedida de
representação, oferecida pelo presidente da República. Esse tipo de Intervenção denomina-se
Intervenção Espontânea.
02. A instauração do processo de controle de constitucionalidade, para fins de Intervenção, é pri-
vativa do Procurador-Geral da República.
Certo ( ) Errado ( )
03. Depois de várias derrotas políticas nas votações de projetos de lei na respectiva assembleia legislati-
va, o governador de determinado estado da Federação editou decreto dissolvendo a referida assem-
bleia e proibindo a entrada dos deputados estaduais no prédio do órgão legislativo.
Nessa situação hipotética, o instrumento adequado para questionar a constitucionalidade da lei
é a ADI interventiva proposta
a) pelo Procurador-Geral de Justiça do Estado em questão.
b) pelo Procurador-Geral da República.
c) pelo Presidente da República.
d) por partido político com representação no Congresso Nacional.
e) pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil.
04. As ações diretas interventivas podem se apresentar na modalidade concentrada e concreta.
Certo ( ) Errado ( )
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
8
AlfaCon Concursos Públicos

Gabarito
01 - Errado
02 - Certo
03 - B
04 - Certo
Referências Bibliográficas
BRASIL. Constituição Federal.
CANOTILHO, J.J. GOMES e outros. Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2014.
LENZA, Pedro. Direito Constitucional. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Atlas, 2014.
NOVELINO, Marcelo. Curso de Direito Constitucional. 11. ed. Salvador: JusPodivm, 2016.
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Constitucional descomplicado. 15 ed. São
Paulo: Método, 2016.
SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2006.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
9
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Controle de Constitucionalidade nos Estados�������������������������������������������������������������������������������������������������2
Controle Concentrado nos Estados���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Noções Gerais����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Competência������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Legitimidade������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Parâmetro de Controle e Objeto���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Efeitos da Decisão���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Simultaneidade de ADIs����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Recurso Extraordinário na ADI – Estadual��������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Distrito Federal�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Controle de Constitucionalidade nos Estados


Controle Concentrado nos Estados
Noções Gerais
Como vimos, o Brasil adota o modelo de controle judicial misto de constitucionalidade, que pode
ser de duas formas: difuso e concentrado.

Como se sabe, qualquer juiz ou Tribunal poderá realizar controle de constitucionalidade, por meio de
controle difuso – concreto, analisando a constitucionalidade das leis e atos normativos federais, estaduais
e municipais em face da Constituição Federal e também em face da Constituição Estadual.

Além disso, os Estados também poderão realizar controle concentrado – abstrato de consti-
tucionalidade, nesse caso analisando as leis ou atos normativos estaduais e municipais em face da
Constituição Estadual.

A possibilidade de se instituir controle concentrado encontra-se prevista no Art. 125 § 2º da CF:


§ 2º – Cabe aos Estados a instituição de representação de inconstitucionalidade de leis ou atos normativos
estaduais ou municipais em face da Constituição Estadual, vedada a atribuição da legitimação para agir
a um único órgão. (grifo nosso)

Apesar de a CF falar em representação de inconstitucionalidade (ADI) poderão os Estados insti-


tuir não apenas a ADI, mas também ADO, ADC e ADPF em respeito ao princípio da Simetria.

→→ Relembra-se que não existe controle de constitucionalidade de lei municipal utilizando como pa-
râmetro a lei orgânica, nesse caso teremos controle de legalidade.

Competência
A competência é do Tribunal de Justiça do Estado.

Legitimidade
A CF NÃO estabelece um rol de legitimados para propor o controle abstrato nos Estados, logo
compete aos Estados definirem nas suas constituições quem são os legitimados, entretanto, a CF
veda que a atribuição seja feita a um único órgão (Art. 125, § 2º).

Na prática os Estados têm adotado os mesmos legitimados da CF com as devidas proporções, por
exemplo, se no controle federal tem legitimidade do PGR, no controle estadual tem legitimidade o
PGJ.

Ademais, seria possível inclusive ampliar os legitimados. Já reconheceu o STF a constitucio-


nalidade de CE, que atribuiu a deputados estaduais a competência para propor Ações Diretas de
Controle Concentrado Estadual. (ADI – 5599).

Aplicando a regra da simetria, poderíamos elencar os seguintes legitimados para o controle con-
centrado estadual:
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

A doutrina defende que a regra da pertinência temática deve ser respeitada também no âmbito
estadual.
Vale relembrar:

Parâmetro de Controle e Objeto


No âmbito do controle abstrato de constitucionalidade, o parâmetro será a Constituição
Estadual e tem como objeto leis ou atos normativos estaduais ou municipais.
Sabemos que as Constituições dos Estados são formadas por normas autônomas e normas de
reprodução obrigatória (ex.: regras do sistema eleitoral, imunidades etc.).
Servem como parâmetro tanto as normas autônomas quanto aquelas de reprodução obrigatória.
Assim, temos que:
˃˃ Leis federais só poderão ser objeto de controle abstrato de constitucionalidade perante o STF,
lembrando que no controle difuso o Tribunal de Justiça poderá analisar a constitucionalidade
de leis federais.
˃˃ Leis estaduais podem sofrer duplo controle de constitucionalidade, tanto por ADI perante o
STF em face da CF, quanto por intermédio de ADI perante o TJ, utilizando como parâmetro a
Constituição do Estado, inclusive as ações podem ser ajuizadas simultaneamente.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

˃˃ Leis municipais podem ser objeto de ADI perante o TJ sempre em face da CE, mas como já
visto, não podem ser objeto de ADI perante o STF. Controle de constitucionalidade de Direito
Municipal no STF apenas por meio de ADPF.
O STF é o único órgão que pode fazer controle abstrato de leis ou atos normativos federais!
Efeitos da Decisão
As decisões proferidas em sede de controle concentrado nos Estados produzem efeitos erga
omnes, ex tunc e vinculantes.
Simultaneidade de ADIs
Como vimos, uma lei estadual pode sofrer duplo controle de constitucionalidade tanto por ADI
no STF em face da CF, quanto por meio de ADI perante o TJ, utilizando como parâmetro a Consti-
tuição do Estado.
Inclusive, o ajuizamento de uma ADI no âmbito federal não impede o ajuizamento de ADI no
âmbito estadual, ou vice-versa. Entretanto, temos algumas situações específicas quanto ao trâmite:
a) Se for norma de reprodução obrigatória:
Nesse caso, se houver ADI estadual e após for instaurado ADI federal a ADI estadual deverá ficar
suspensa até final decisão do STF. Isso porque, como é norma de reprodução obrigatória, a decisão
de mérito do STF vinculará a decisão do TJ, que deverá apenas reproduzir a decisão do Supremo.
b) Se for norma autônoma:
Nesse caso, o TJ só ficará vinculado se a decisão do STF for pela inconstitucionalidade da lei
estadual. Assim temos que:
Se a lei estadual for declarada inconstitucional pelo STF, o TJ deverá declarar também incons-
titucional. Entretanto, caso o STF declare a norma estadual constitucional em face da CF, poderá o
TJ prosseguir no julgamento para analisar se aquela norma é mesmo constitucional em face da CE.
Recurso Extraordinário na ADI – Estadual
Sabemos que o controle concentrado é aquele realizado por um único Tribunal, no caso dos
Estados esse Tribunal é o TJ, de modo que, em regra, a decisão do TJ no controle concentrado
(abstrato) é irrecorrível.
Entretanto, de acordo com a jurisprudência do STF, seria possível em uma situação a interposi-
ção de recurso extraordinário em face de decisão de ADI proferida por um Tribunal de Justiça, qual
seja: Quando a lei impugnada viola dispositivo da Constituição Estadual que é de reprodução
obrigatória pelos Estados-Membros.
A decisão desse Recurso extraordinário terá eficácia erga omnes.
Ex.: lei municipal X que viole o Art. 20 da CE, que é norma de reprodução obrigatória da CF. Nesse
caso, o TJ vai analisar a constitucionalidade, tendo como parâmetro a Constituição Estadual. Entretanto,
como é norma de reprodução obrigatória da CF, cabe Recurso Extraordinário para o STF.
A doutrina tem chamado isso de controle abstrato no modelo difuso.
Assim, podemos afirmar que:
Cabe Recurso Extraordinário (difuso) em face de decisão de TJ que julga de forma abstrata
(concentrado) a constitucionalidade ou inconstitucionalidade de lei estadual ou municipal em
face da CE, quando a norma da CE for de reprodução obrigatória da CF.
Convém frisar que se for norma estadual, essa regra só se aplica se não houver ADI já ajuizada no
STF.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

Distrito Federal
A Lei Orgânica do Distrito Federal é tratada como uma verdadeira Constituição Estadual, de
modo que pode haver controle de constitucionalidade de leis e atos normativos distritais em face da
Lei Orgânica do DF, mediante ações diretas perante o Tribunal de Justiça do DF, nos mesmos moldes
que já analisamos.
Entretanto, vale a pena destacar que a competência para instituir o sistema de controle concentrado
no DF não é uma atribuição do próprio DF, e sim da União, com fundamento no Art. 22, XVII da CF:
Art. 22. Compete privativamente à União legislar sobre:
XVII – organização judiciária, do Ministério Público do Distrito Federal e dos Territórios e da Defen-
soria Pública dos Territórios, bem como organização administrativa destes;
Exercícios
01. Dispõe o §2º do artigo 125 da Constituição da República que “Cabe aos Estados a instituição de
representação de inconstitucionalidade de leis ou atos normativos estaduais ou municipais em
face da Constituição Estadual, vedada a atribuição da legitimação para agir a um único órgão”.
Sobre o controle abstrato de constitucionalidade pelos Estados-Membros, pode-se afirmar,
EXCETO:
a) Na representação de inconstitucionalidade estadual pode-se apenas apreciar a incons-
titucionalidade de lei ou ato normativo estadual ou municipal tendo como parâmetro de
controle a Constituição Estadual.
b) Não cabe aos tribunais de justiça estaduais exercer o controle concentrado de constitucio-
nalidade de leis e demais atos normativos municipais em face da Constituição da República.
c) A declaração de inconstitucionalidade de norma estadual em face da Constituição Estadual,
realizada em controle concentrado, quando transitada em julgado, tem eficácia erga omnes
e vinculante.
d) É vedada no âmbito da representação de inconstitucionalidade estadual a análise da validade
de norma municipal em face de norma da Constituição Estadual que é repetição de disposi-
tivo da Constituição Federal.
02. No que tange ao controle de constitucionalidade no âmbito estadual, é correto afirmar que
a) cabe aos Estados a instituição de representação de inconstitucionalidade de leis ou atos nor-
mativos estaduais ou municipais em face da Constituição Federal, vedada a atribuição da
legitimação para agir a um único órgão.
b) cabe aos Estados a instituição de representação de inconstitucionalidade de leis ou atos nor-
mativos estaduais ou municipais em face da Constituição Estadual, desde que com atribui-
ção exclusiva da legitimação para agir ao Procurador-Geral da Justiça.
c) cabe aos Estados a instituição de representação de inconstitucionalidade de leis ou atos nor-
mativos estaduais ou municipais em face da Constituição Estadual, vedada a atribuição da
legitimação para agir a um único órgão.
d) cabe aos Estados, por meio da Justiça Comum, o controle difuso da constitucionalidade,
sendo vedado expressamente no texto constitucional o controle concentrado da constitucio-
nalidade no âmbito estadual.
03. Com relação ao parâmetro para o controle de constitucionalidade abstrato nos Estados-Mem-
bros e no Distrito Federal (DF), admite-se que os tribunais de justiça exerçam o controle de leis
e demais atos normativos municipais e distritais em face da CF.
Certo ( ) Errado ( )
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

04. A competência para julgar a Ação Direta de Inconstitucionalidade em que se impugna norma
local contestada em face de Carta Estadual é do Tribunal de Justiça respectivo. Essa regra não
se aplica quando o preceito atacado se revela como pura repetição de dispositivos da Constitui-
ção Federal, de observância obrigatória pelos estados.
Certo ( ) Errado ( )
05. Cabe aos estados instituir a representação de inconstitucionalidade de leis ou de atos normativos es-
taduais ou municipais em face da Constituição Estadual, vedada a instituição de ADI por omissão.
Certo ( ) Errado ( )
06. A decisão de TJ que, em ação direta, declarar inconstitucional lei estadual somente terá
eficácia contra todos após a assembleia legislativa do respectivo estado suspender a execução
do referido ato normativo.
Certo ( ) Errado ( )
07. (A existência de Ação Direta de Inconstitucionalidade no STF ajuizada contra lei estadual
do Espírito Santo, tendo como parâmetro de controle a Constituição Federal, impede o ajui-
zamento de idêntica ação no respectivo Tribunal de Justiça, em razão de eventual violação
também à Constituição Estadual.
Certo ( ) Errado ( )
08. Quando uma lei municipal afronta simultaneamente dispositivos previstos na CF e na Cons-
tituição Estadual, mesmo em se tratando de preceitos de repetição obrigatória, compete ao
Tribunal de Justiça do Estado processar e julgar originariamente eventual Ação Direta de In-
constitucionalidade.
Certo ( ) Errado ( )
09. Segundo entendimento do STF, quando tramitam simultaneamente duas ações diretas de inconsti-
tucionalidade, uma perante o Tribunal de Justiça do Estado e outra perante o STF, tendo por objeto
a mesma lei estadual, impugnada sob o fundamento de afronta a princípios inseridos na Consti-
tuição Estadual que reproduzam princípios da CF, a ação direta em trâmite perante o tribunal do
estado deve ser suspensa até o julgamento final da ação ajuizada perante o STF.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - D
02 - C
03 - Errada
04 - Errado
05 - Errada
06 - Errada
07 - Errada
08 - Certa
09 - Certa
Referências Bibliográficas
BRASIL. Constituição Federal.
CANOTILHO, J.J. GOMES e outros. Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2014.
LENZA, Pedro. Direito Constitucional. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Atlas, 2014.
NOVELINO, Marcelo. Curso de Direito Constitucional. 11. ed. Salvador: JusPodivm, 2016.
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Constitucional descomplicado. 15 ed. São
Paulo: Método, 2016.
SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2006.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Constituição: Princípios Fundamentais�����������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Noções Gerais���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Princípio Federativo����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Conceito de Estado�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Formas de Estado����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Conceito de Federalismo����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Características do Federalismo Brasileiro�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Tipos de Federalismo����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Constituição: Princípios Fundamentais


Noções Gerais
Os princípios fundamentais, também chamados de estruturantes, estabelecem a forma, estrutu-
ra e os fundamentos do Estado Brasileiro, a divisão dos Poderes, os objetivos a serem seguidos pelo
Estado e as diretrizes a serem adotadas nas relações internacionais.
A CF/88, em seus Arts. 1º ao 4º, apresenta os chamados princípios fundamentais, são eles:
1) Princípio Federativo;
2) Princípio Republicano;
3) Princípio Democrático;
4) Princípio da Separação dos Poderes;
5) Fundamentos da República Federativa do Brasil;
6) Objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil;
7) Princípios que regem as relações internacionais do Brasil.
Da análise desses princípios, podemos afirmar que eles são classificados em:
a) Princípios relativos à existência, forma e estrutura do Estado: Princípio Federativo (Art. 1º) e
Soberania;
b) Princípios relativos à forma de governo: Princípio Republicano; (Art. 1º)
c) Princípios relativos à organização dos Poderes: Separação dos Poderes; (Art. 2º)
d) Princípios relativos à organização da sociedade; (Art. 3º, I)
e) Princípios relativos ao regime político (Art. 1º e parágrafo único); cidadania;
f) Princípios relativos à prestação positiva do Estado; (Art. 3º, II, III e IV)
g) Princípios relativos à comunidade internacional. (Art. 4º)
Vamos analisar, de forma objetiva e pontual, cada um desses princípios:

Princípio Federativo
Define a nossa FORMA DE ESTADO.
Conceito de Estado
Estado é uma sociedade política dotada de características próprias, elementos essenciais, que o
diferenciam das demais sociedades, quais sejam:
˃˃ POVO: ELEMENTO HUMANO do Estado determina as pessoas que mantêm vínculo jurídi-
co-político com o Estado, tornando-se parte dele – conceito jurídico-político, são aqueles que
detém a nacionalidade.
População – Conjunto de pessoas que se encontram em determinado território de um Estado –
nacionais ou estrangeiros – conceito numérico.
Nação – conjunto de pessoas ligadas que formam uma comunidade unida por laços históricos e
culturais – conceito sociológico.
˃˃ TERRITÓRIO: ELEMENTO MATERIAL do Estado – Espaço sobre o qual o Estado exerce
de modo efetivo e exclusivo o poder de império, sua supremacia sobre pessoas e bens. É um
conceito JURÍDICO.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

˃˃ SOBERANIA ou Governo Soberano. ELEMENTO FORMAL do Estado: Poder de autodeter-


minação plena, não condicionado a nenhum outro poder, externo ou interno. Supremacia na
ordem interna e independência na ordem externa.
Formas de Estado
˃˃ Simples ou Unitário: O poder central é exercido sobre todo o território sem as limitações impostas
por outra fonte do poder. Uma unidade de poder político interno, exercício centralizado.
˃˃ Composto ou Federação: Formado por mais de um poder político (pluralidade de poderes polí-
ticos internos), nesse modelo há uma repartição de poderes autônomos.
O BRASIL adota a forma de Estado Federativa!
Conceito de Federalismo
Federalismo é uma aliança (união) entre Estados-Membros para a formação de um Estado
Federal, em que as unidades federadas (os estados) preservam autonomia política, enquanto a sobe-
rania é transferida para o Estado Federal.
O Federalismo nasceu com a Constituição norte-americana de 1787. No Brasil a forma federal
de Estado foi adotada em 1889, junto com a Proclamação da República, mas foi consolidada com a
Constituição Republicana de 1891.
O modelo federativo de Estado encontra-se previsto no Art. 1º da CF/88:
Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do
Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos: (grifo nosso)
Contudo, esse dispositivo deve ser analisado conjuntamente com o Art. 18 da CF, que define a
Organização Político-Administrativa do Estado brasileiro:
Art. 18. A organização político-administrativa da República Federativa do Brasil compreende a União,
os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, todos autônomos, nos termos desta Constituição.
República Federativa do Brasil é o Estado Federal dotado de Soberania – pessoa jurídica de
direito público internacional.
União, Estados, Municípios e DF: entes federados dotados de autonomia – pessoas jurídicas de
direito público interno.
Dizer que os entes que compõem uma federação são dotados de autonomia significa afirmar
que eles possuem capacidade de: auto-organização, autoadministração, autogoverno, autolegislação
e autonomia financeira.
As características decorrentes da autonomia política são mais bem estudadas no tópico “Organi-
zação do Estado”.
Não há hierarquia entre os entes!
Características do Federalismo Brasileiro
1) Soberania do Estado federal: o poder que confere ao Estado federal a independência na ordem
externa, que lhe permite não se sujeitar, jurídica ou politicamente, a quaisquer imposições de
Estados estrangeiros ou organismos internacionais.
2) Autonomia dos entes federativos: poder conferido, aos diversos entes federativos da Federa-
ção, que lhes permite graus variáveis de auto-organização, autogoverno, autoadministração
e também de arrecadação de receitas próprias, nos termos e limites fixados pela Constituição
federal.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

3) Caráter indissolúvel do vínculo federativo: uma vez formalizado o Estado federal, não mais é
permitido a qualquer dos entes que fazem parte da Federação separar-se dela, tendo em vista seu
caráter permanente (não há direito de secessão).
4) Formalização por meio de uma constituição: o Estado federal é criado por uma Constituição, a
denominada Constituição Federal, que estabelece e formaliza o pacto federativo.
5) Repartição de competências entre o poder central e os entes parciais: a Constituição Federal
estabelece as bases em que a mesma deve funcionar, inclusive fixando as competências materiais
e legislativas de cada um dos entes que fazem parte do Estado Federal.
6) Direito de participação das vontades parciais na vontade central (bicameralismo do Poder
Legislativo da União): para que um Estado possa ser considerado efetivamente uma Federação,
os entes parciais também devem ter o direito de participar da formação da vontade central, por
meio de representantes no Parlamento.
7) Possibilidade de intervenção federal: o texto constitucional da Constituição Federal deve prever a
possibilidade de a União agir, em nome dos demais entes federativos, não só para a garantia da indis-
solubilidade do vínculo federativo, como também para o respeito à repartição de competências.
8) Controle Jurisdicional de Constitucionalidade, por intermédio do Guardião da CF = STF
(Tribunal Constitucional)
PACTO FEDERATIVO – indissolubilidade do vínculo federativo.
→→ Princípio Federativo
É CLAUSULA PÉTREA!
§ 4º – Não será objeto de deliberação a proposta de emenda tendente a abolir:
I – a forma federativa de Estado.

Tipos de Federalismo
→→ AGREGAÇÃO x DESAGREGAÇÃO
O federalismo por agregação: é caracterizado pela reunião de vários Estados para a formação de
um novo Estado, um Estado Federal. Movimento Centrípeto.
O federalismo por desagregação, ao contrário, ocorre quando um Estado unitário se descentra-
liza. Movimento Centrífugo.
→→ DUAL x COOPERATIVO
O federalismo dual é caracterizado por uma rígida separação de competências entre o ente
central (União) e os entes regionais (Estados-Membros).
No federalismo cooperativo as competências podem ser exercidas de forma comum ou concor-
rente, não havendo necessariamente uma separação rígida de competências entre os entes federa-
dos, justamente para promover aproximação, cooperação entre a união e os Estados-Membros. Isso
não significa que no modelo cooperativo não existam competências exclusivas ou privativas, o que
ocorre é que, além dessas, devem existir competências comuns e concorrentes.
→→ SIMÉTRICO x ASSIMÉTRICO
O federalismo simétrico é caracterizado pela homogeneidade entre os entes federados, inclusive
no que tange ao tratamento (relacionamento) dos Estados para com a União.
O federalismo assimétrico é caracterizado pela heterogeneidade entre os entes federados. Dessa
forma há um tratamento diferenciado entre a União e os Estados, considerando fatores socioeconô-
micos ou mesmo territoriais.
˃˃ Federalismo de segundo grau ou terceiro grau: de acordo com a doutrina, no Brasil existe
uma TRÍPLICE estrutura do Estado Brasileiro (União, Estados e Municípios). Contudo quanto
à auto-organização os municípios devem obedecer a duas ordens constitucionais: a CF e as CE,
por isso a doutrina classifica como federalismo de segundo grau.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

→→ Atenção: A banca CESPE entende que o federalismo é de terceiro grau.


˃˃ O federalismo de equilíbrio busca estabelecer repartição equilibrada de competências entre os
entes que compõem a Federação. A ideia é a manutenção da harmonia entre os entes, reforçan-
do suas instituições.
˃˃ No federalismo de integração há uma predominância do Governo Central sobre os demais
entes, com a imposição aos Estados-Membros do modelo adotado para o ente central. Nele, há
uma tendência de estabelecer um Estado unitário descentralizado, e não um verdadeiro Estado
federal. Seria um federalismo apenas formal.
˃˃ O federalismo orgânico: o Estado é visto como organismo, com a presença marcante do Estado
Federal sobre os entes.
Exercícios
01. De acordo com a doutrina, os princípios constitucionais fundamentais estabelecidos no Título
I da Constituição Federal de 1988 podem ser discriminados em princípios relativos (i) à exis-
tência, forma e tipo de Estado; (ii) à forma de governo; (iii) à organização dos Poderes; (iv)
à organização da sociedade; (v) à vida política; (vi) ao regime democrático; (vii) à prestação
positiva do Estado e (viii) à comunidade internacional. Adotando essa classificação, é exemplo
típico de princípio fundamental relativo à forma de governo o princípio republicano.
Certo ( ) Errado ( )
02. No federalismo orgânico, há uma presença marcante do ente federal, em detrimento das
unidades federadas.
Certo ( ) Errado ( )
03. Entre as características comuns do Estado Federal, incluem-se a representação das unidades
federativas no Poder Legislativo central, a existência de um tribunal constitucional e a inter-
venção para a manutenção da federação.
Certo ( ) Errado ( )
04. A forma de federalismo adotada no Brasil é conhecida como federalismo de segregação e cen-
trífugo, sendo os Estados-Membros dotados de autogoverno.
Certo ( ) Errado ( )
05. O federalismo brasileiro constitui um federalismo de duplo grau por ter a Constituição da
República reconhecido aos Municípios autonomia política, administrativa, normativa e finan-
ceira e definido suas competências privativas, regra geral, de forma expressa.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - Certo
02 - Certo
03 - Certo
04 - Certo
05 - Errado
Referências Bibliográficas
BRASIL. Constituição Federal.
CANOTILHO, J.J. GOMES e outros. Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2014.
LENZA, Pedro. Direito Constitucional. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Atlas, 2014.
NOVELINO, Marcelo. Curso de Direito Constitucional. 11. ed. Salvador: JusPodivm, 2016.
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Constitucional descomplicado. 15 ed. São
Paulo: Método, 2016.
SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2006.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Constituição: Princípios Fundamentais�����������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Princípio Republicano������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Sistema Presidencialista – Atenção�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Princípio Democrático������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Constituição: Princípios Fundamentais


Princípio Republicano
A República, proclamada em 15 de novembro de 1889, foi efetivamente consagrada na Constitui-
ção de 1891. O princípio republicano determina a nossa FORMA DE GOVERNO, ou seja, o modo
como se organiza a Chefia de Estado em um País.
São duas as formas de Governo conhecidas:

PRINCÍPIO REPUBLICANO!
O texto constitucional não previu o princípio republicano como cláusula pétrea, contudo a CF o
definiu como princípio sensível, previsto no Art. 34 da CF, ou seja, a sua violação ensejaria Interven-
ção Federal.
Art. 34. A União não intervirá nos Estados nem no Distrito Federal, exceto para:
VII – assegurar a observância dos seguintes princípios constitucionais:
a) forma republicana, sistema representativo e regime democrático.
˃˃ Plebiscito 1993 – Soberania Popular.
˃˃ Voto periódico é cláusula pétrea.
Sistema Presidencialista – Atenção
O Sistema Presidencialista NÃO está elencado entre os princípios fundamentais previstos nos
artigos 1º ao 4º da CF. Entretanto, como o presidencialismo define o nosso SISTEMA DE GOVERNO,
por questões didáticas vamos analisá-lo neste tópico.

Princípio Democrático
O princípio democrático define o nosso regime político. Quanto ao regime político, o caput do
Art. 1º da CF afirma que o Estado brasileiro é um Estado Democrático de Direito, consagrando
assim a adoção de um regime político democrático.
Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do
Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos: (…)
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

O Regime político adotado no Brasil é o Democrático e a nossa democracia é a semidireta (parti-


cipativa), uma vez que conjuga os elementos da democracia direta com a democracia indireta (repre-
sentativa), como se extrai do Art. 1º parágrafo único da CF:
Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou direta-
mente, nos termos desta Constituição.

→→ RESUMO:

→→ MNEMÔNICA:
“O Estado Fede, a República é Fogo, o Presidente é sistemático e o regime é democrático.”
Exercícios
01. A eleição periódica dos detentores do poder político e a responsabilidade política do Chefe do
Poder Executivo são características do princípio republicano.
Certo ( ) Errado ( )
02. O Brasil tem por forma de governo a República e adota como regime político a Democracia, na
sua forma semidireta.
Certo ( ) Errado ( )
03. São sistemas de governo Parlamentarismo e Presidencialismo.
Certo ( ) Errado ( )
04. A expressão “República Federativa” enuncia, respectivamente, uma forma de governo e uma
forma de Estado.
Certo ( ) Errado ( )
05. De acordo com a CF, a forma de governo republicana no Brasil é considerada cláusula pétrea e
não pode ser modificada por emenda constitucional.
Certo ( ) Errado ( )
06. República é uma forma de governo fundamentada na igualdade formal entre as pessoas, na
qual o poder político é exercido por meio de representação, em caráter eletivo e por um período
determinado de tempo.
Certo ( ) Errado ( )
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

07. O regime político adotado na CF caracteriza a República Federativa do Brasil como um Estado
Democrático de Direito em que se conjuga o princípio representativo com a participação direta
do povo por meio do voto, do plebiscito, do referendo e da iniciativa popular.
Certo ( ) Errado ( )
08. O estabelecimento pela CF de que todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de re-
presentantes eleitos ou diretamente, nos seus termos, evidencia a adoção da democracia semi-
direta ou participativa.
Certo ( ) Errado ( )
09. O princípio democrático é pertinente aos regimes políticos, evidenciado pela titularidade
do poder estatal pelos cidadãos e exercido por meio da representação política, com o fim de
atender a interesses populares.
Certo ( ) Errado ( )
10. O conceito de Estado Democrático de Direito representa uma evolução do conceito de Estado
de Direito e significa o Estado submetido a uma Constituição e aos valores nela consagrados.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - Certo
02 - Certo
03 - Certo
04 - Certo
05 - Errado
06 - Certo
07 - Certo
08 - Certo
09 - Certo
10 - Certo
Referências Bibliográficas
BRASIL. Constituição Federal.
CANOTILHO, J.J. GOMES e outros. Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2014.
LENZA, Pedro. Direito Constitucional. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Atlas, 2014.
NOVELINO, Marcelo. Curso de Direito Constitucional. 11. ed. Salvador: JusPodivm, 2016.
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Constitucional descomplicado. 15 ed. São
Paulo: Método, 2016.
SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2006.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Constituição: Princípios Fundamentais�����������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Princípio da Separação dos Poderes – Tripartição dos Poderes����������������������������������������������������������������������������������2
Fundamentos da República Federativa do Brasil����������������������������������������������������������������������������������������������������������2
SO CI DI VA PLU����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Constituição: Princípios Fundamentais


Princípio da Separação dos Poderes – Tripartição dos Poderes
˃˃ PODER É UNO E INDIVISÍVEL, o que se divide são as funções estatais básicas.
˃˃ OBJETIVO: preservar a liberdade individual, combatendo a concentração de poder, isto é, a
tendência absolutista de exercício de poder político pela mesma pessoa ou grupo de pessoas.
Art. 2º São Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário.
Cada Poder possui funções típicas e funções atípicas, em respeito ao princípio da indelegabilida-
de de atribuições, os Poderes não podem ficar transferindo suas atribuições para outros Poderes.
Contudo, isso não significa que essa separação de funções do Estado é rígida, isso porque pelo
sistema de freios e contrapesos é possível o exercício de forma atípica de um Poder por outro Poder.
A separação dos Poderes, nesse modelo, estabelece um mecanismo de fiscalização e responsabi-
lização recíproca dos Poderes estatais.
Condicionam a competência de um Poder à apreciação de outro Poder de forma a garantir o
equilíbrio entre os Poderes.
Dessa forma, além do exercício de funções típicas, cada órgão exerce também outras duas funções
atípicas dos demais órgãos.
É cláusula pétrea
§ 4º – Não será objeto de deliberação a proposta de emenda tendente a abolir:
III – a separação dos Poderes.

Fundamentos da República Federativa do Brasil


Os Fundamentos da República Federativa do Brasil são os valores essenciais que compõem a es-
trutura do Estado Brasileiro, são eles:
Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do
Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como FUNDAMENTOS:
I – a soberania;
II – a cidadania
III – a dignidade da pessoa humana;
IV – os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;
V – o pluralismo político.

SO CI DI VA PLU
˃˃ SOBERANIA: pode ser definida como um poder supremo e independente: supremo por não ser
limitado a nenhum outro na ordem interna (soberania interna) e independente, pois na ordem
internacional não recebe ordens (soberania externa).
˃˃ CIDADANIA: consiste na participação política dos indivíduos nas decisões políticas do Estado,
mediante o exercício dos direitos políticos; contudo, cidadania não se resume apenas ao exercício de
direitos políticos, está também relacionada ao exercício de direitos e deveres fundamentais.
˃˃ DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA: a dignidade possui um caráter MULTIDIMENSIO-
NAL, estando associada a um grande conjunto de condições ligadas às existências humana, a
começar pela própria vida, passando pela integridade moral, liberdade, condições materiais de
bem-estar etc. A dignidade é considerada pela Doutrina como o valor constitucional supremo.
Vale ressaltar que a dignidade da pessoa humana implica não apenas garantir dignidade as
pessoas, mas também impor ao Estado deveres de proteção, respeito e que possam assegurar às
pessoas condições de vida digna.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

˃˃ VALORES SOCIAIS DO TRABALHO E DA LIVRE INICIATIVA: os valores sociais do


trabalho, enquanto fundamento do Estado, implicam o respeito ao trabalho e à dignidade
humana; determinam ainda o respeito aos direitos sociais (Art. 6º CF) e aos direitos trabalhis-
tas (Art. 7º – 11ºCF) constitucionalmente previstos, garantindo o mínimo existencial. Ademais,
esse fundamento impõe ao Estado o dever de proteger as relações de trabalho contra qualquer
tipo de abuso ou exploração. Já a livre iniciativa caracteriza-se pela liberdade de empreender,
liberdade de contratar, é princípio básico do liberalismo econômico, previsto também no Art.
170 CF. Desse modo, a CF acabou por adotar um sistema capitalista.
Observa-se que esses dois fundamentos se encontram diretamente ligados, uma vez que o a livre
iniciativa só se justifica como fundamento se houver o respeito aos valores sociais do trabalho. Dessa
forma a livre iniciativa não impede que o Estado intervenha na ordem econômica com a finalidade
de regulamentação de mercado1, respeito aos direitos sociais e ao consumidor, por exemplo.
˃˃ PLURALISMO POLÍTICO: relaciona-se a diversidade de ideias, alteridade, existente em uma
sociedade plural, é o respeito as diferenças e ao direito de expor suas próprias ideias. Ex: se
traduz no pluralismo social, político, (CF, Art. 1º, V) partidário – PLURIPARTIDARISMO,
(CF, Art. 17º) religioso, (CF, Art. 19º) econômico, (CF, Art. 170) de ideias e de instituições de
ensino, (CF, Art. 260, III) e cultural (CF, arts. 215 e 216). É importante observar que pluripar-
tidarismo não é sinônimo de pluralismo político; o pluripartidarismo é umas das formas de
expressão do pluralismo político. Ademais, não se pode defender como pluralismo político dis-
cursos de ódio ou de conteúdo de discriminação racial.
Exercícios
01. A CF instituiu mecanismos de freios e contrapesos, de modo a concretizar-se a harmonia entre
os Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário, como, por exemplo, a possibilidade de que o
Poder Judiciário declare a inconstitucionalidade das leis.
Certo ( ) Errado ( )
02. Os valores sociais da livre iniciativa e a livre iniciativa são princípios da República Federativa do
Brasil; o primeiro é um fundamento, e o segundo, um princípio geral da atividade econômica.
Certo ( ) Errado ( )
03. O pluralismo político, fundamento da República Federativa do Brasil, é pautado pela tolerân-
cia a ideologias diversas, o que exclui discursos de ódio, não amparados pela liberdade de ma-
nifestação do pensamento.
Certo ( ) Errado ( )
04. A livre iniciativa, fundamento da República Federativa do Brasil, possui valor social que trans-
cende o interesse do empreendedor, merecendo proteção constitucional apenas quando res-
peitar e ajudar a desenvolver o trabalho humano. Por isso, não se coaduna com a CF empreita-
da que deixe de assegurar os direitos sociais dos trabalhadores.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - Certo
02 - Certo
03 - Certo
04 - Certo

1 STF – RE 349.686
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Referências Bibliográficas
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, 1988.
CANOTILHO, J.J. GOMES e outros. Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2014.
LENZA, Pedro. Direito Constitucional. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Atlas, 2014.
NOVELINO, Marcelo. Curso de Direito Constitucional. 11. ed. Salvador: JusPodivm, 2016.
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Constitucional descomplicado. 15 ed. São
Paulo: Método, 2016.
SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2006.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Constituição: Princípios Fundamentais�����������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Objetivos da República Federativa do Brasil – Art. 3º��������������������������������������������������������������������������������������������������2
CON GA ERR PRO�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Princípios nas Relações Internacionais – Art. 4º�����������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Conde Preso não Reina Coopera Igual����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Constituição: Princípios Fundamentais


Objetivos da República Federativa do Brasil – Art. 3º
Os objetivos da República dispõem a respeito de questões a serem alcançadas pelo Estado e
constam de um rol NÃO TAXATIVO, e sim EXEMPLIFICATIVO.
Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil:
I – construir uma sociedade livre, justa e solidária;
II – garantir o desenvolvimento nacional;
III – erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais;
IV – promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras
formas de discriminação.

CON GA ERR PRO


O objetivo fundamental que consagra a ideia de se criar uma sociedade livre, justa e solidária
também é chamado de princípio da solidariedade.
A redução das desigualdades sociais e regionais visa assegurar o princípio da igualdade material.
˃˃ Art. 79 (ADCT).
˃˃ Art. 235, Código Penal Militar.

Princípios nas Relações Internacionais – Art. 4º


Os princípios nas relações internacionais estabelecem orientações e limites à atuação do Estado
em um cenário internacional.
Art. 4º A República Federativa do Brasil rege-se nas suas relações internacionais pelos seguintes princípios:
I – independência nacional;
II – prevalência dos direitos humanos;
III – autodeterminação dos povos;
IV – não intervenção;
V – igualdade entre os Estados;
VI – defesa da paz;
VII – solução pacífica dos conflitos;
VIII – repúdio ao terrorismo e ao racismo;
IX – cooperação entre os povos para o progresso da humanidade;
X – concessão de asilo político.
Parágrafo único. A República Federativa do Brasil buscará a integração econômica, política, social e cultural
dos povos da América Latina, visando à formação de uma comunidade latino-americana de nações.

Conde Preso não Reina Coopera Igual


˃˃ CONCESSÃO DE ASILO POLÍTICO: consiste no acolhimento por parte de um Estado que não
o seu, em virtude de uma perseguição por ele sofrida. De acordo com o Art. XIV 2. da Decla-
ração Universal de Direitos Humanos (DUDH), esse direito não pode ser invocado em caso de
perseguição legitimamente motivada por crimes de direito comum ou por atos contrários aos
objetivos e princípios das Nações Unidas.
A concessão anterior de asilo político não é fator impeditivo de posterior análise, e consequen-
temente concessão, de pedido de extradição, desde que o fato ensejador do pedido não apresente
característica de crime político ou de opinião.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

˃˃ DEFESA DA PAZ: implica o dever de não provocar conflitos e ainda no dever de manter ou
restabelecer a paz.
˃˃ PREVALÊNCIA DOS DIREITOS HUMANOS: aplica-se tanto em um plano interno quanto
externo. Internamente, no dever de internalizar as normas e os tratados de Direitos Humanos,
e externamente, no engajamento e na postura de proteção a esses direitos. Esse princípio pode,
inclusive, sobrepor-se à soberania dos Estados.
˃˃ SOLUÇÃO PACÍFICA DOS CONFLITOS: deve optar pela solução diplomática de conflitos.
˃˃ NÃO INTERVENÇÃO: é um dever do Estado brasileiro de não intervir nos assuntos internos e
externos de outros países. Contudo esse princípio não é absoluto, isso porque em alguns casos é
possível a intervenção humanitária.
˃˃ REPÚDIO AO TERRORISMO E AO RACISMO: mediante a adoção de medidas punitivas, cri-
minalizando esses comportamentos.
˃˃ INDEPENDÊNCIA NACIONAL: relacionado com o exercício da soberania externa, também
se traduz na ideia de respeito à independência dos outros Estados soberanos.
˃˃ AUTODETERMINAÇÃO DOS POVOS: é o respeito a que outros Estados estabeleçam o seu
próprio sistema político e de desenvolvimento.
˃˃ COOPERAÇÃO ENTRE OS POVOS PARA O PROGRESSO DA HUMANIDADE
˃˃ IGUALDADE ENTRE OS ESTADOS: impõe ao país o dever de adotar medidas igualitárias
entre os Estados. Trata-se, segundo Novelino (2016), de uma igualdade jurídica, que pode ma-
nifestar-se em três níveis:
»» igualdade formal: tratamento igualitário perante os órgãos judiciais;.
»» igualdade legislativa: os Estados só poderiam ser obrigados naquilo que consentirem;
»» igualdade política: refere-se a igualdade existencial, a sua independência política.
˃˃ INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA: buscar uma integração supranacional de natureza
econômica, política, social e cultural.

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS
Fundamentos Objetivos Fundamentais Relações
(CF, Art. 1º) (CF, Art. 3º) Internacionais (CF, Art.4º)
SO CI DI VA PLU CON GA ERR PRO CONDE PRESO NÃO REINA
COOPERA IGUAL
I – a soberania; I – construir uma sociedade I – independência nacional;
livre, justa e solidária;
II – a cidadania; II – prevalência dos direitos humanos;
II – garantir o desenvolvimen-
III – a dignidade da pessoa III – autodeterminação dos povos; IV
to nacional;
humana; – não intervenção;
III – erradicar a pobreza e a
IV – os valores sociais do V – igualdade entre os Estados;
marginalização e reduzir as
trabalho e da livre iniciativa;
desigualdades sociais e regio- VI – defesa da paz;
V – o pluralismo político. Pa- nais;
VII – solução pacífica dos conflitos;
rágrafo único. Todo o poder
IV – promover o bem de todos,
emana do povo, que o exerce VIII – repúdio ao terrorismo e ao
sem preconceitos de origem,
por meio de representantes racismo;
raça, sexo, cor, idade e quais-
eleitos ou diretamente, nos
quer outras formas de discri- IX – cooperação entre os povos para o
termos desta Constituição.
minação. (grifo nosso) progresso da humanidade;
X – concessão de asilo político. Pará-
grafo único. A República Federativa do
Brasil buscará a integração econômica,
política, social e cultural dos povos da
América Latina, visando à formação de
uma comunidade latino-americana de
nações.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Exercícios
01. A garantia da dignidade da pessoa humana é um objetivo da República Federativa do Brasil e
tem consolidado decisões judiciais para a efetivação de direitos fundamentais previstos na CF.
Certo ( ) Errado ( )
02. O princípio da independência nacional conduz à igualdade material entre os Estados, na medida
em que, na esfera econômica, são iguais as condições existentes entre eles na ordem internacional.
Certo ( ) Errado ( )
03. O princípio da não intervenção é absoluto, razão por que se deve respeitar a soberania de cada
um no âmbito externo e por que nenhum Estado pode sofrer ingerências na condução de seus
assuntos internos.
Certo ( ) Errado ( )
04. Em decorrência do princípio da defesa da paz e da resolução pacífica dos conflitos, o Brasil é
proibido de participar de qualquer guerra externa, devendo-se posicionar como país neutro
em conflitos bélicos.
Certo ( ) Errado ( )
05. A integração econômica, política, social e cultural dos povos da América Latina, com a finali-
dade de constituir uma comunidade latino-americana de nações, constitui um princípio fun-
damental da República brasileira.
Certo ( ) Errado ( )
06. Princípios relativos à prestação positiva do Estado não figuram entre os princípios fundamen-
tais constantes da CF.
Certo ( ) Errado ( )
07. Os objetivos da República Federativa do Brasil estão previstos expressamente em rol taxativo na CF.
Certo ( ) Errado ( )
08. Em razão do princípio fundamental internacional da concessão de asilo político, toda pessoa
vítima de perseguição, independentemente do seu motivo ou de sua natureza, tem direito de
gozar asilo em outros Estados ou países.
Certo ( ) Errado ( )
09. A concessão de asilo, ato de soberania, não obsta a posterior extradição do asilado.
Certo ( ) Errado ( )
10. Ao implementar ações que visem reduzir as desigualdades sociais e regionais e garantir o de-
senvolvimento nacional, os governos põem em prática objetivos fundamentais da República
Federativa do Brasil.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - Errado
02 - Errado
03 - Errado
04 - Errado
05 - Certo
06 - Errado
07 - Errado
08 - Errado
09 - Certo
10 - Certo
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

Referências Bibliográficas
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, 1988.
CANOTILHO, J.J. GOMES e outros. Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2014.
LENZA, Pedro. Direito Constitucional. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Atlas, 2014.
NOVELINO, Marcelo. Curso de Direito Constitucional. 11. ed. Salvador: JusPodivm, 2016.
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Constitucional descomplicado. 15 ed. São
Paulo: Método, 2016.
SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2006.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Constituição: Direitos Fundamentais���������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Teoria Geral dos Direitos Fundamentais������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Conceito�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Dimensão de Direitos���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Características dos Direitos Fundamentais��������������������������������������������������������������������������������������������������������������3

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Constituição: Direitos Fundamentais


Teoria Geral dos Direitos Fundamentais
Conceito
Os direitos e as garantias fundamentais são institutos jurídicos que foram criados no decorrer
do desenvolvimento da humanidade e se constituem de normas protetivas que formam um núcleo
mínimo de prerrogativas inerentes à condição humana.
Possuem como objetivo principal a proteção do indivíduo diante do poder do Estado. Mas não
só do Estado. Os direitos e as garantias fundamentais também constituem normas de proteção do
indivíduo em relação aos outros indivíduos da sociedade.
Título II da Constituição Federal, que estabelece os Direitos e as Garantias Fundamentais, foi
assim dividido (Arts. 5º a 17 CF):
a) Capítulo I – Dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos – Art. 5º.
b) Capítulo II – Dos Direitos Sociais – Arts. 6º a 11.
c) Capítulo III – Da Nacionalidade – Arts. 12 e 13.
d) Capítulo IV – Dos Direitos Políticos – Arts. 14 a 16.
e) Capítulo V – Dos Partidos Políticos – Art. 17.
Dimensão de Direitos
→→ DIREITOS DE 1ª Dimensão– Foram os primeiros direitos conquistados pela humanidade. São
direitos relacionados à liberdade, em todas as suas formas. Nascem das revoluções liberais ocorri-
das no final do século XVIII, com a burguesia, que exigia a limitação do Poder do Estado, a época
absolutista, e o respeito as liberdades individuais. Possuem um caráter negativo diante do Estado,
tendo em vista ser utilizado como uma verdadeira limitação ao poder estatal, ou seja, o Estado,
diante dos direitos de primeira dimensão, fica impedido de agir ou interferir na sociedade. São
verdadeiros direitos de defesa com caráter individual. Estão entre esses direitos as liberdades
públicas, civis e políticas. São os ligados ao valor LIBERDADE. São os direitos CIVIS E POLÍTI-
COS. NÃO FAZER DO ESTADO.
˃˃ Documentos históricos que marcaram o surgimento desses direitos:
»» Magna Carta de 1215 – João sem Terra;
»» Paz de Westfália (1648);
»» Habeas Corpus Act (1679);
»» Bill of Rights (1688);
»» Declaração Americana – 1776 (Revolução Americana);
»» Declaração Francesa – 1789 (Revolução Francesa).
→→ DIREITOS DE 2ª Dimensão– Diante das péssimas condições de trabalho decorrentes da Revo-
lução Industrial (século XIX) aliadas à Primeira Grande Guerra Mundial, tivemos o surgimento
dos direitos de segunda geração. Por isso são conhecidos como direitos de igualdade. Agora, para
reduzir as diferenças sociais, o Estado precisa interferir na sociedade. Essa interferência reflete
a conduta positiva adotada por meio de prestações sociais. São direitos de segunda dimensão os
DIREITOS SOCIAIS, ECONÔMICOS E CULTURAIS.
Estão ligados ao valor IGUALDADE. Implicam um FAZER DO ESTADO – prestação em favor
dos menos favorecidos e dos setores economicamente mais fracos da sociedade.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

˃˃ Documentos históricos que marcaram o surgimento desses direitos:


»» Constituição Mexicana – 1917;
»» Constituição de Weimar – 1919;
»» Tratado de Versalhes – 1919 (criação da OIT);
»» Constituição Brasileira – 1934.
→→ DIREITOS DE 3ª Dimensão – ligados ao valor FRATERNIDADE OU SOLIDARIEDADE.
Direitos da sociedade de massa, que atingem a todos. São direitos difusos: de indivisibilidade a
ausência de individualização.
˃˃ Alguns direitos de 3a geração:
»» Direito ao meio ambiente;
»» Direito à defesa do consumidor.
»» Direito ao desenvolvimento, ao progresso;
»» Direito de comunicação;
»» Direito de propriedade sobre o patrimônio comum da humanidade;
»» Autodeterminação dos povos;
»» Direito à Paz (Karel Vazak) para alguns doutrinadores é direito de 5ª Geração – divergência!).
→→ DIREITOS DE 4ª Dimensão – de acordo com Paulo Bonavides, são direitos de 4a geração:
»» patrimônio genético; biotecnologia (engenharia genética);
»» decorrentes da globalização dos direitos fundamentais: inerentes à democracia, à informação,
pluralismo político. (globalização política).
→→ DIREITOS DE 5ª Dimensão – Direito à paz, de acordo com Paulo Bonavides.
Características dos Direitos Fundamentais
˃˃ Historicidade – esta característica revela que os Direitos Fundamentais são frutos da evolução his-
tórica da humanidade. Significa que eles surgem e se desenvolvem conforme o momento histórico.
˃˃ Universalidade– os direitos fundamentais pertencem a todas as pessoas, independente da sua
condição. A existência de um núcleo mínimo de proteção à dignidade deve estar presente em
qualquer sociedade.
˃˃ Limitabilidade ou relatividade – não existe direito fundamental absoluto. Os direitos funda-
mentais são relativos, esses direitos podem ser limitados:
»» (i) pela própria Constituição Federal;
»» (ii) por meio de Emenda Constitucional;
»» (iii) por intermédio das leis (Reserva Legal simples e Reserva legal qualificada);
»» (iv) Juiz, mediante um juízo de ponderação, aplicando a regra da máxima observância dos
direitos fundamentais, conjugando com a mínima restrição.
Importa destacar que a limitação dos direitos fundamentais não pode implicar a abolição desses
direitos, uma vez que esses são cláusulas pétreas e, portanto, a limitação/relativização de um direito
fundamental não pode descaracterizar o seu núcleo essencial ao ponto de abolir o direito. Isso porque
em nosso Estado, adotamos a teoria RELATIVA dos direitos fundamentais, e não a teoria absoluta.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

˃˃ TEORIA RELATIVA: pela teoria relativa, a relativização de um direito fundamental seria


possível, sendo que o seu núcleo essencial só poderia ser determinado em um caso concreto,
pois só em um caso específico se poderá verificar se eventual restrição ao direito seria capaz de
violar a essência do direito fundamental, uma vez restringido o seu núcleo.
˃˃ TEORIA ABSOLUTA: de acordo com essa teoria, o núcleo essencial do direito fundamental é
determinado pelo próprio direito, sendo insuscetível de qualquer restrição, independentemente
das peculiaridades que o caso concreto possa fornecer.
»» Inalienabilidade – os direitos fundamentais não podem alienados, não podem ser negocia-
dos, não podem ser transigidos.
»» Irrenunciabilidade – os direitos fundamentais não podem ser renunciados.
»» Imprescritibilidade – os direitos fundamentais não se sujeitam a prazos prescricionais. Não
se perde um direito fundamental pelo decorrer do tempo. Essa é a regra. É possível encontrar
uma exceção a esta regra quando se fala do direito a créditos trabalhistas.
»» Inviolabilidade – não podem ser violados por leis infraconstitucionais, nem por atos admi-
nistrativos de agente do Poder Público, sob pena de responsabilidade civil, penal e adminis-
trativa. Logicamente, não podem ser violados nas relações privadas.
»» Proibição do retrocesso – esta característica proíbe que os direitos já conquistados sejam
perdidos.
»» Máxima efetividade – esta característica é mais uma imposição para o Estado no sentido de
garantir a máxima efetividade dos direitos fundamentais, ou seja, esses direitos não podem ser
ofertados de qualquer forma; é necessário que eles sejam garantidos da melhor forma possível.
»» Concorrência – os direitos podem ser exercidos cumulativamente.
»» Complementariedade – um direito fundamental não pode ser interpretado sozinho. Cada
direito deve ser analisado juntamente com outros direitos fundamentais, bem como com
outros institutos jurídicos.
»» Não-taxatividade – esta característica diz que o rol de direitos fundamentais é apenas exem-
plificativo, tendo em vista a possibilidade de inserção de novos direitos. É o que se extrai do
Art. 5º, § 2º, da CF (cláusula de abertura material):
§ 2º – Os direitos e garantias expressos nesta Constituição não excluem outros decorrentes do regime e dos
princípios por ela adotados, ou dos tratados internacionais em que a República Federativa do Brasil seja parte.
Exercícios
01. Quanto à delimitação do conteúdo essencial dos direitos fundamentais, a doutrina se divide
entre as teorias absoluta e relativa. De acordo com a teoria relativa, o núcleo essencial do direito
fundamental é insuscetível de qualquer medida restritiva, independentemente das peculiari-
dades que o caso concreto possa fornecer.
Certo ( ) Errado ( )
02. Historicamente, os direitos fundamentais de primeira dimensão pressupõem dever de absten-
ção pelo Estado, ao contrário dos direitos fundamentais de segunda dimensão, que exigem,
para sua concretização, prestações estatais positivas.
Certo ( ) Errado ( )
03. Os direitos de segunda geração são direitos de fraternidade ou solidariedade, tendo como
objetivo a proteção da coletividade.
Certo ( ) Errado ( )
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

04. Direitos fundamentais de terceira geração possuem um viés mais coletivo e subjetivo, como
direito à paz, a um meio ambiente sadio ou à comunicação.
Certo ( ) Errado ( )
05. É característica marcante o fato de os direitos fundamentais serem absolutos, no sentido de que
eles devem sempre prevalecer, independentemente da existência de outros direitos, segundo a
máxima do “tudo ou nada”.
Certo ( ) Errado ( )
01 - Errado
02 - Certo
03 - Errado
04 - Certo
05 - Errado
Referências Bibliográficas
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, 1988.
CANOTILHO, J.J. GOMES e outros. Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2014.
LENZA, Pedro. Direito Constitucional. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Atlas, 2014.
NOVELINO, Marcelo. Curso de Direito Constitucional. 11. ed. Salvador: JusPodivm, 2016.
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Constitucional descomplicado. 15 ed. São
Paulo: Método, 2016.
SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2006.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Constituição: Direitos Fundamentais���������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Teoria Geral dos Direitos Fundamentais������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Titulares e Destinatários dos Direitos e Garantias Fundamentais�������������������������������������������������������������������������2
Cláusulas Pétreas e os Direitos Fundamentais����������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Direitos x Garantias������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Tribunal Penal Internacional – TPI����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Força Normativa dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos�������������������������������������������������������������������3

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Constituição: Direitos Fundamentais


Teoria Geral dos Direitos Fundamentais
Titulares e Destinatários dos Direitos e Garantias Fundamentais
Os direitos fundamentais surgiram tendo como titulares os seres humanos, tanto é que a CF no
caput do Art. 5º estabelece como titulares e destinatários dos direitos fundamentais os brasileiros e
estrangeiros residentes no país.
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros
e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segu-
rança e à propriedade, nos termos seguintes: (…)

Contudo, de acordo com a orientação do STF, esses direitos também devem ser estendidos aos
estrangeiros de passagem, aos turistas que estão no Brasil.
As Constituições mais modernas, como a brasileira, também consagram direitos fundamentais
às pessoas jurídicas, tanto de direito privado quanto de direito público, ou seja, o Estado – entes
estatais, também são titulares e destinatários de direitos fundamentais. Evidentemente que só
poderão exercer aqueles direitos que são compatíveis com a personalidade jurídica desses entes.
Assim, podemos dizer que os titulares e destinatários dos direitos fundamentais são:
˃˃ brasileiros natos ou naturalizados (Art. 5º, caput);
˃˃ estrangeiros residentes no país (Art. 5°, caput);
˃˃ estrangeiros em trânsito no país (STF);
˃˃ pessoas jurídicas, privadas ou públicas, quando o direito for compatível com a sua personalidade.
˃˃ apátridas.

Cláusulas Pétreas e os Direitos Fundamentais


O artigo 60, § 4º, da Constituição Federal traz o rol das chamadas cláusulas pétreas.
§ 4º – Não será objeto de deliberação a proposta de emenda tendente a abolir:
I – a forma federativa de Estado;
II – voto direto, secreto, universal e periódico;
III – a separação dos Poderes;
IV – OS DIREITOS E GARANTIAS INDIVIDUAIS. (grifo nosso)

As cláusulas pétreas são núcleos temáticos formados por institutos jurídicos de grande im-
portância, os quais não podem ser retirados da Constituição. Cumpre frisar que o texto proíbe a
abolição destes direitos e garantias, ou seja, a sua descaracterização, a violação de seu núcleo essen-
cial, contudo não impede que eles sejam modificados, relativizados, para melhor.
É importante notar que o texto constitucional prevê, no inciso IV, como sendo cláusulas pétreas
apenas os direitos e as garantias individuais. Dessa forma, pela literalidade da Constituição, não são todos
os direitos fundamentais que são protegidos por este instituto, mas apenas os de caráter individual.
Contudo, para o STF e para as principais bancas, especialmente a CESPE, todos os direitos fun-
damentais são considerados CLÁUSULAS PÉTREAS.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Direitos x Garantias
Outro tema relevante para a sua prova é a diferença entre direitos e garantias. Podemos dizer que
DIREITOS são bens, vantagens prescritas na norma constitucional, são normas de conteúdo decla-
ratório (por exemplo: direito à honra, à liberdade de locomoção).
As GARANTIAS, por sua vez, são os instrumentos mediante os quais se assegura o exercício dos
direitos fundamentais. São normas de conteúdo assecuratório, preservando o direito declarado (por
exemplo: indenização por dano à honra, Habeas Corpus para garantir a liberdade de locomoção).
Podemos dizer que os remédios constitucionais são espécies de garantias, isso porque as garan-
tias não se limitam aos remédios constitucionais.
A CF estabelece formas de garantia diferentes dos remédios constitucionais. Vejamos dois
exemplos:
˃˃ Ex. 1: é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos
cultos religiosos — Art. 5.º, VI (direito) —, garantindo-se na forma da lei a proteção aos locais
de culto e suas liturgias (garantia);
˃˃ Ex. 2: direito ao juízo natural (direito) — o Art. 5.º, XXXVII, veda a instituição de juízo ou
tribunal de exceção (garantia).
→→ ATENÇÃO: as garantias também são direitos, porém nem todo direito é uma garantia!
Tribunal Penal Internacional – TPI
O § 4º do artigo 5º da Constituição dispõe a respeito do Tribunal Penal Internacional – TPI,
vejamos:
§ 4º O Brasil se submete à jurisdição de Tribunal Penal Internacional a cuja criação tenha manifestado
adesão.
O TPI é um tribunal permanente, localizado em Haia, nos países baixos (Holanda), integra o
sistema de proteção da ONU – Organização das Nações Unidas, com competência criminal apenas
para julgamento de indivíduos, e não de Estados em crimes mais graves, como: genocídios, crimes
de guerra, crimes contra a humanidade.
Apesar de ser um tribunal com atribuições jurisdicionais, o TPI não integra o Poder Judiciá-
rio brasileiro. Sua competência é excepcional e complementar à jurisdição nacional, e somente será
exercida no caso de manifesta incapacidade ou falta de disposição do sistema judiciário nacional.
Dessa forma, a submissão brasileira ao TPI não ofende a soberania do Estado brasileiro, pois só
atuará na ineficácia ou omissão do Judiciário brasileiro.
Força Normativa dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos
Uma regra muito importante para sua prova é a que está prevista no parágrafo 3º do artigo 5º:
§ 3º Os tratados e convenções internacionais sobre direitos humanos que forem aprovados, em cada Casa
do Congresso Nacional, em dois turnos, por três quintos dos votos dos respectivos membros, serão equiva-
lentes às emendas constitucionais. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004)
Este dispositivo constitucional apresenta a chamada Força Normativa dos Tratados Internacio-
nais de Direitos Humanos.
Segundo o texto constitucional, é possível que um tratado internacional de Direitos Humanos
possua força normativa de emenda constitucional, desde que preencha os seguintes requisitos:
˃˃ Deve tratar de Direitos Humanos.
˃˃ Deve ser aprovado nas duas Casas Legislativas do Congresso Nacional, ou seja, na Câmara dos
Deputados e no Senado Federal.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

˃˃ Deve ser aprovado em dois turnos de votação em cada Casa.


˃˃ Deve ser aprovado pelo quórum de 3/5 dos membros em cada turno de votação, em cada Casa.
Preenchidos esses requisitos, o Tratado Internacional terá força normativa de Emenda à Consti-
tuição.
Mas surge a seguinte questão: e se o Tratado Internacional for de Direitos Humanos e não preen-
cher os requisitos constitucionais previstos no § 3º do artigo 5º da Constituição? Qual será sua força
normativa? De acordo com o STF, caso o Tratado Internacional fale de direitos humanos, e for
aprovado no Congresso Nacional, mas não preencha os requisitos do § 3º do Art. 5º da CF, ele terá
força normativa de NORMA SUPRALEGAL, é dizer, é uma norma acima da lei (supra), mas que
ainda está abaixo da Constituição Federal.
Dessa forma, frisa-se que os tratados internacionais de direitos humanos podem ter dois status:
ou de norma constitucional (emenda) ou de norma supralegal.

Apenas para complementar: aqueles tratados que não falem de direitos humanos, se aprovados
pelo Poder Legislativo, terão força normativa de Lei Ordinária.
Exercícios
01. O respeito aos direitos fundamentais deve subordinar tanto o Estado quanto os particulares,
igualmente titulares e destinatários desses direitos.
Certo ( ) Errado ( )
02. Os direitos e as garantias fundamentais constitucionais estendem-se aos estrangeiros em
trânsito no território nacional, mas não às pessoas jurídicas, por falta de previsão constitucio-
nal expressa.
Certo ( ) Errado ( )
03. O gozo da titularidade de direitos fundamentais pelos brasileiros depende da efetiva residên-
cia em território nacional.
Certo ( ) Errado ( )
04. Há direitos fundamentais cuja titularidade é reservada aos estrangeiros.
Certo ( ) Errado ( )
05. A Constituição Federal de 1988 é conhecida como a “Constituição Cidadã” em função de seu
vasto rol de direitos e garantias fundamentais. Nesse sentido, os direitos fundamentais dife-
renciam-se das garantias fundamentais na medida em que os direitos se declaram, enquanto
as garantias têm um conteúdo assecuratório daqueles.
Certo ( ) Errado ( )
06. Os tratados e as convenções internacionais sobre quaisquer temas que forem aprovados, em
cada Casa do Congresso Nacional, em dois turnos, por dois quintos dos votos dos respectivos
membros, serão equivalentes às emendas constitucionais.
Certo ( ) Errado ( )
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

07. O Brasil se submete à jurisdição de Tribunal Penal Internacional a cuja criação tenha manifes-
tado adesão.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - Certo
02 - Errado
03 - Errado
04 - Certo
05 - Certo
06 - Errado
07 - Certo
Referências Bibliográficas
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, 1988.
CANOTILHO, J.J. GOMES e outros. Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2014.
LENZA, Pedro. Direito Constitucional. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Atlas, 2014.
NOVELINO, Marcelo. Curso de Direito Constitucional. 11. ed. Salvador: JusPodivm, 2016.
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Constitucional descomplicado. 15 ed. São
Paulo: Método, 2016.
SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2006.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Direitos Fundamentais: Teoria Geral dos Direitos Fundamentais����������������������������������������������������������������2
Aplicabilidade das Normas Constitucionais – Eficácia dos Direitos Fundamentais�����������������������������������������������2
Classificação de Maria Helena Diniz�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Eficácia Vertical/Horizontal e Diagonal dos Direitos Fundamentais�������������������������������������������������������������������5
Dimensão Objetiva e Subjetiva dos Direitos Fundamentais����������������������������������������������������������������������������������������5

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Direitos Fundamentais: Teoria Geral dos Direitos Fundamentais


Aplicabilidade das Normas Constitucionais – Eficácia dos Direitos
Fundamentais
Antes de analisarmos a eficácia dos direitos fundamentais, temos que analisar a eficácia e a apli-
cabilidade das normas constitucionais como um todo.
Falar em aplicabilidade das normas constitucionais é falar na eficácia delas; para que uma
norma constitucional seja aplicada, é indispensável que ela possua eficácia, ou seja, que ela tenha a
capacidade de produzir efeitos.
Podemos afirmar que todas as normas constitucionais possuem eficácia jurídica, ou aplicabili-
dade jurídica, de forma imediata, direta e vinculante.
A eficácia jurídica também opera um efeito negativo que é a capacidade que todas as normas consti-
tucionais possuem de revogar as normas do sistema jurídico que com ela colidam, que forem contrárias,
além de impedir o ingresso no ordenamento de normas incompatíveis com seus preceitos, ou seja, se uma
lei ou ato forem contrários a uma norma constitucional, eles serão inconstitucionais, não podendo ser
aplicados. Servem desse modo como parâmetro de controle de constitucionalidade.
Por outro lado, quando uma norma constitucional é capaz por si só de produzir efeitos concretos,
reais, fáticos, nós dizemos que essa norma tem eficácia social, ou seja, produz efeitos positivos na
realidade social.
Todas as normas constitucionais possuem eficácia jurídica, mas nem todas têm eficácia social.
Logo, é possível afirmar que todas as normas constitucionais possuem algum tipo de eficácia. O
problema surge quando uma delas não pode ser aplicada na prática, pois depende de outras normas,
ou seja, não possui eficácia social.
Para explicar esse fenômeno, foram desenvolvidas várias classificações acerca do grau de eficácia
de uma norma constitucional. A classificação mais adotada pela doutrina e mais cobrada em prova
é a defendida pelo professor José Afonso da Silva, que classifica as normas constitucionais quanto à
sua eficácia social em:
1) Normas de Eficácia Plena;
2) Normas de Eficácia Contida;
3) Normas de Eficácia Limitada.
As normas constitucionais de eficácia plena são aquelas autoaplicáveis (autoexecutáveis), que
produzem seus efeitos diretamente do texto constitucional, que não dependem de complementação legis-
lativa para produzir efeitos. São normas que possuem aplicabilidade direta, imediata e integral.
˃˃ Exemplos: Art. 1º; Art. 2º; Art. 5º, III; Art. 14, § 2º ; Art. 230, §2°.
As normas de eficácia contida ou prospectiva são também normas autoaplicáveis, produzindo
efeitos sociais diretamente do texto constitucional, independentemente de regulamentação, contudo,
podem ter sua eficácia (seu alcance) restringida. Assim como as normas de eficácia plena, elas têm
aplicabilidade direta e imediata, contudo esta pode não ser integral. Daí a doutrina chamá-la de
norma contível, restringível ou redutível.
São normas restringíveis na medida em que estão sujeitas a limitações, restrições que podem ser
estabelecidas por meio:
a) da própria Constituição – ex.: direito de reunião;
b) de uma lei;
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

c) de conceitos ético-jurídicos indeterminados: por exemplo o Art. 5º, inciso XXV, da CF/88 estabelece
que, no caso de “iminente perigo público”, o Estado poderá requisitar propriedade particular. Mas
o que caracteriza uma situação de iminente perigo público? Esse é um conceito ético-jurídico inde-
terminado, que uma vez definido poderá, então, limitar o direito de propriedade.
˃˃ Exemplos: Art. 5º, incisos XIII, XVI, VII1, VIII, XV, XXV; Art. 9 º.
Já as normas de eficácia limitada são desprovidas de eficácia social. Diz-se que essas normas
não são autoaplicáveis, possuem aplicabilidade indireta, mediata (diferida) e reduzida. São
normas que dependem de outra norma para produzirem efeitos. O que as difere das normas de
eficácia contida é a dependência de outra regra para que produza resultados sociais. Enquanto as de
eficácia contida produzem efeitos imediatos, os quais poderão ser restringidos posteriormente, as
de eficácia limitada dependem de outra norma para produzirem efeitos.
Cuidado para não pensar que essas espécies normativas não possuem eficácia; como afirma-
mos anteriormente, elas possuem eficácia jurídica, apenas não têm eficácia social. Por essa razão,
a doutrina afirma que elas contêm eficácia negativa ou paralisante e vinculante. Significa dizer
que, mesmo não possuindo aplicabilidade social imediata, as normas de eficácia limitada possuem
aplicabilidade jurídica imediata, direta e vinculante, por estabelecerem limites para atuação estatal.
O efeito negativo consiste na revogação de disposições anteriores em sentido contrário e na proibi-
ção de leis posteriores que se oponham a seus comandos. Sobre esse último ponto, vale destacar que as
normas de eficácia limitada servem de parâmetro para o controle de constitucionalidade das leis.
O efeito vinculativo, para a norma de eficácia limitada, manifesta-se na obrigação de que o legis-
lador ordinário crie as normas regulamentadoras, sob pena de haver omissão inconstitucional, que
pode ser combatida por meio de mandado de injunção ou Ação Direta de Inconstitucionalidade por
Omissão.
As normas de eficácia limitada são classificadas ainda em:
a) Normas de eficácia limitada de princípio institutivo (organizativo ou organizatório): são
aquelas em que o legislador constituinte traça esquemas gerais de estruturação e atribuições de
órgãos, entidades ou institutos. Ex.: 18, §2°.
• Impositivas: quando impõem ao legislador uma obrigação de elaborar a lei
regulamentadora.2
• Facultativas: quando estabelecem mera faculdade ao legislador.3– Art. 125, § 3º – criação
da Justiça Militar.

1 VII – é assegurada, nos termos da lei, a prestação de assistência religiosa nas entidades civis e militares de internação coletiva.
CUIDADO: CESPE já divergiu sobre a eficácia.
(CESPE/2013 – DEPEN) Segundo a Constituição Federal de 1988, é assegurada a prestação de assistência religiosa nas entidades
civis e militares de internação coletiva. Entretanto, tal norma é de eficácia limitada, pois depende de complementação de lei ordiná-
ria ou complementar para ser aplicada. GABARITO: ERRADO.
(CESPE/2014 – PF) A prestação de assistência religiosa nas entidades civis e militares de internação coletiva pode ser considerada
exemplo de norma constitucional de eficácia limitada. GABARITO: CERTO.
(CESPE/2016 – TRT) Conforme o inciso VII do artigo 5° da CF, “é assegurada, nos termos da lei, a prestação de assistência religiosa nas
entidades civis e militares de internação coletiva”. Considerando-se a aplicabilidade das normas constitucionais e os critérios doutrinários
de classificação, é correto afirmar que o referido dispositivo constitui norma de aplicabilidade imediata. GABARITO: CERTO.
2 Art. 88. A lei disporá sobre a criação e extinção de Ministérios e órgãos da administração pública.
Art. 32§ 4º Lei federal disporá sobre a utilização, pelo Governo do Distrito Federal, das polícias civil e militar e do corpo de bombeiros
militar.
Art. 190. A lei regulará e limitará a aquisição ou o arrendamento da propriedade rural por pessoa física ou jurídica estrangeira e esta-
belecerá os casos que dependerão de autorização do Congresso Nacional.
3 Art. 125. § 3º A lei estadual poderá criar, mediante proposta do Tribunal de Justiça, a Justiça Militar estadual, constituída, em
primeiro grau, pelos juízes de direito e pelos Conselhos de Justiça e, em segundo grau, pelo próprio Tribunal de Justiça, ou por Tribunal
de Justiça Militar nos Estados em que o efetivo militar seja superior a vinte mil integrantes.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

b) Normas de eficácia limitada de princípio programático: são aquelas que apresentam verdadeiros
objetivos a serem perseguidos pelo Estado, programas a serem implementados, comandos-valores.
Têm como destinatário principal o Legislador, mas não único, isso porque as normas de eficácia
limitada programática podem ser implementadas por meio de políticas públicas, da atuação do
Executivo. Em regra, possuem fins sociais. A presença de normas programáticas na Constituição
Federal é o que caracteriza a nossa Constituição como uma Constituição-dirigente.
Exemplos: Art. 6° – direito à alimentação, educação, saúde. Art. 3º; Art. 205; Art. 215; Art. 227;
todos da CF.
A omissão inconstitucional de regulamentação das normas de eficácia limitada pode ser objeto
de Mandado de Injunção ou Ação Declaratória de Inconstitucionalidade por omissão.
Dessa forma, podemos assim esquematizar a eficácia das normas constitucionais:

EFICÁCIA PLENA EFICÁCIA CONTIDA EFICÁCIA LIMITADA


AUTOAPLICÁVEIS AUTOAPLICÁVEIS NÃO SÃO AUTOAPLICÁVEIS
DIRETA, IMEDIATA E DIRETA, IMEDIATA, PODE INDIRETA, MEDIATA/
INTEGRAL NÃO SER INTEGRAL DIFERIDA e REDUZIDA
Sozinhas só produzem efeitos
negativos (capacidade da norma
Sozinhas produzem todos os
Sozinhas produzem todos os seus servir de parâmetro para in-
seus efeitos (positivos e ne-
efeitos (positivos e negativos). validar atos contrários ao seu
gativos).
conteúdo). Eficácia negativa,
paralisante ou impeditiva.
Precisam de normas que as regu-
Autorizam a restrição, diminui- lamente e complete o seu comando
ção, contenção dos seus efeitos. normativo para produzirem efeitos
LEI – RESTRINGE O ALCANCE. positivos.
LEI – AMPLIA O ALCANCE.
Ex.: Ex.: 2 espécies:
III – ninguém será sub- 5º, XIII – é livre o exercício de a) programática;
metido a tortura nem a qualquer trabalho, ofício ou pro-
XX – proteção do mercado
tratamento desumano fissão, atendidas as qualificações
de trabalho da mulher,
ou degradante; profissionais que a lei estabele-
mediante incentivos específi-
cer;
cos, nos termos da lei;
b) princípios institutivos:
Art. 18. § 3º Os Estados podem
incorporar-se entre si, subdivi-
dir-se ou desmembrar-se para se
anexarem a outros, ou formarem
novos Estados ou Territórios
Federais, mediante aprovação da
população diretamente interes-
sada, através de plebiscito, e do
Congresso Nacional, por lei com-
plementar.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

O parágrafo 1º do artigo 5º da Constituição Federal prevê que:


§ 1º – As normas definidoras dos direitos e garantias fundamentais têm aplicação imediata.
Partindo desse pressuposto, é correto afirmar que os direitos e garantias fundamentais possuem
APLICAÇÃO IMEDIATA. Contudo, quanto à sua APLICABILIDADE, devemos analisar se elas são
de eficácia plena, contida ou limitada, como analisado.
Classificação de Maria Helena Diniz
˃˃ Normas com eficácia absoluta: São as cláusulas pétreas.
˃˃ Normas com eficácia plena: o mesmo sentido da classificação de JAS.
˃˃ Normas com eficácia relativa restringível:
o mesmo sentido das normas de eficácia contida.
˃˃ Normas com eficácia relativa complementável ou dependentes de complementação: são equiva-
lentes às normas de eficácia limitada (José Afonso da Silva).
Normas de eficácia exaurida ou aplicabilidade esgotada: quando os efeitos da norma já se esgota-
ram, por exemplo, alguns dispositivos do ADCT.
Eficácia Vertical/Horizontal e Diagonal dos Direitos Fundamentais
Quanto à eficácia, ainda podemos falar em EFICÁCIA VERTICAL E HORIZONTAL dos
direitos fundamentais.
Os direitos fundamentais surgiram inicialmente para proteger o cidadão do arbítrio do Estado,
de modo que os direitos fundamentais produziam efeitos apenas para o indivíduo em face do Estado.
Essa relação de aplicação dos direitos fundamentais entre o Estado e os indivíduos ficou conhecida
como eficácia ou amplitude vertical dos direitos fundamentais.
Contudo, atualmente, os direitos fundamentais podem ser igualmente exercidos nas relações
entre particulares, sejam pessoas físicas ou jurídicas de direito privado. Essa relação de aplicação dos
direitos fundamentais entre particulares ficou conhecida como eficácia ou amplitude horizontal ou
efeito externo dos direitos fundamentais.
Temos ainda a eficácia diagonal que trata da aplicação dos direitos fundamentais entre os parti-
culares nas hipóteses em que se configuram desigualdades fáticas (ex.: relações de trabalho).

Dimensão Objetiva e Subjetiva dos Direitos Fundamentais


Os direitos fundamentais podem ser vislumbrados a partir de duas dimensões, perspectivas:
uma subjetiva e uma objetiva.
Sob a perspectiva subjetiva, os direitos fundamentais, sejam eles negativos ou positivos, são
vistos como direitos exigíveis pelo indivíduo em face do Estado, do Poder Público.
Na perspectiva objetiva, os direitos fundamentais são compreendidos como diretrizes para a
atuação dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, orientando suas atividades principais e,
ainda, para as relações entre particulares. Essa dimensão é também denominada de eficácia irra-
diante dos direitos fundamentais.
Exercícois
01. Para que as normas constitucionais de eficácia limitada produzam todos os seus efeitos, é
necessária a atuação do legislador ordinário, não obstante o fato de essas normas possuírem
eficácia jurídica imediata, direta e vinculante.
Certo ( ) Errado ( )
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

02. Normas constitucionais de eficácia limitada são normas cuja eficácia jurídica mínima depende
de lei ou ato normativo regulamentador.
Certo ( ) Errado ( )
03. As normas de eficácia relativa complementável têm produção mediata de efeitos, ou seja,
enquanto não for promulgada a legislação regulamentadora, não produzirão efeitos positivos,
além de terem eficácia paralisante de efeitos nas normas anteriores incompatíveis.
Certo ( ) Errado ( )
04. As normas de eficácia relativa restringível ou de eficácia contida têm aplicabilidade imediata,
embora sua eficácia possa ser reduzida conforme estabelecer a lei.
Certo ( ) Errado ( )
05. As normas de eficácia absoluta, assim como as cláusulas pétreas, são normas constitucionais
intangíveis.
Certo ( ) Errado ( )
06. As normas de eficácia plena têm aplicabilidade mediata, porque seus efeitos podem ser postergados.
Certo ( ) Errado ( )
07. O Art. 5.° , inciso XIII, da Constituição Federal de 1988 (CF) assegura ser livre o exercício de
qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei esta-
belecer. Com base nisso, o Estatuto da Ordem dos Advogados do Brasil estabelece que, para
exercer a advocacia, é necessária a aprovação no exame de ordem. A norma constitucional
mencionada, portanto, é de eficácia
a) contida.
b) programática.
c) plena.
d) limitada.
e) diferida.
08. A norma constitucional que consagra a liberdade de reunião é norma de eficácia contida, na
medida em que pode sofrer restrição ou suspensão em períodos de estado de defesa ou de sítio,
conforme previsão do próprio texto constitucional.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - Certo
02 - Errado
03 - Certo
04 - Certo
05 - Certo
06 - Errado
07 - A
08 - Certo
Referências Bibliográficas
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, 1988.
CANOTILHO, J.J. GOMES e outros. Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2014.
LENZA, Pedro. Direito Constitucional. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Atlas, 2014.
NOVELINO, Marcelo. Curso de Direito Constitucional. 11. ed. Salvador: JusPodivm, 2016.
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Constitucional descomplicado. 15 ed. São
Paulo: Método, 2016.
SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2006.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Direitos e Garantias Individuais e Coletivos����������������������������������������������������������������������������������������������������2
Introdução��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Direito à Vida���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Direito à Igualdade ou Isonomia�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Igualdade Formal x Igualdade Material���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Os Destinatários do Dever de Igualdade�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Igualdade nos Concursos���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Direitos e Garantias Individuais e Coletivos


Introdução
A Constituição Federal, ao disciplinar os direitos individuais, apresenta-os basicamente no
artigo 5°. Logo no caput deste artigo, já aparece uma classificação didática dos direitos ali previstos:
Art. 5° Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros
e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segu-
rança e à propriedade, nos termos seguintes: (…)
Para estudarmos os direitos individuais, utilizaremos os cinco grupos de direitos previstos no
caput do artigo 5°:
˃˃ direito à vida;
˃˃ direito à igualdade;
˃˃ direito à liberdade;
˃˃ direito à propriedade;
˃˃ direito à segurança.
Percebe-se que os 78 incisos do artigo 5°, de certa forma, surgem de um desses direitos que
costumo chamar de “direitos raízes”. Utilizando esta divisão que parece didática, vamos trabalhar
os incisos mais importantes deste artigo de forma a prepará-lo para a prova. Logicamente, não con-
seguiremos abordar todos os incisos, o que não tira a sua responsabilidade de lê-los, ainda que não
trabalhados em nossa aula.

Direito à Vida
O direito à vida, previsto de uma forma genérica no Art. 5° assegura tanto o direito de não ser
morto, direito de continuar vivo (acepção negativa), quanto o direito a ter uma vida digna (acepção
positiva).
Apesar de ser um direito essencial ao exercício dos demais direitos, não se pode afirmar que o
direito à vida seja hierarquicamente superior aos demais direitos fundamentais.
A CF protege a vida de forma geral, não só a extrauterina como a intrauterina. Porém, assim
como os demais direitos, o direito à vida não é absoluto.
A CF e outras leis infraconstitucionais estabelecem relativização a esse direito fundamental,
vejamos:
˃˃ Pena de morte: a CF prevê uma hipótese de pena de morte no Brasil no caso de guerra declara-
da, nos termos da alínea a do inciso XLVII do artigo 5° da CF. Ademais, entende a doutrina que
não poderia ser inserida uma nova hipótese de pena de morte – cláusula pétrea:
XLVII – não haverá penas:
a) de morte, salvo em caso de guerra declarada, nos termos do art. 84, XIX;
˃˃ Aborto: o aborto é proibido no Brasil, em respeito ao direito à vida, contudo a lei permite a
prática em alguns casos específicos, a saber: (i) necessário ou terapêutico; (ii) sentimental ou
humanitário;
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Vejamos o Art. 128 do Código Penal:


Art. 128 – Não se pune o aborto praticado por médico:
Aborto necessário
I – se não há outro meio de salvar a vida da gestante;
Aborto no caso de gravidez resultante de estupro
II – se a gravidez resulta de estupro e o aborto é precedido de consentimento da gestante ou, quando
incapaz, de seu representante legal.
˃˃ Aborto do feto anencéfalo: (ADPF 541): efeito vinculante e erga omnes.
˃˃ Interrupção voluntária (aborto) no primeiro Trimestre: HC 124.306 – interpretação
conforme a CF dos artigos 124 a 127 do CP (que tipificam o aborto), excluindo da sua incidência
a interrupção voluntária no primeiro trimestre. Defendeu o STF:
»» direitos sexuais e reprodutivos da mulher;
»» autonomia da mulher;
»» integridade física e psíquica da gestante.
Diferentemente da questão do feto anencéfalo, a interrupção no primeiro trimestre não deixou
de ser crime no Brasil, isso porque a decisão não tem caráter vinculante e efeito erga omnes.
˃˃ Células-tronco embrionárias: O STF decidiu, na ADI 3.510, pela legitimidade da pesquisa cien-
tífica com a utilização de células-tronco embrionárias, nos termos do Art. 5° da Lei 11.105/2005:
Art. 5° É permitida, para fins de pesquisa e terapia, a utilização de células-tronco embrionárias obtidas
de embriões humanos produzidos por fertilização in vitro e não utilizados no respectivo procedimento,
atendidas as seguintes condições:
I – sejam embriões inviáveis; ou
II – sejam embriões congelados há 3 (três) anos ou mais, na data da publicação desta Lei, ou que, já
congelados na data da publicação desta Lei, depois de completarem 3 (três) anos, contados a partir da
data de congelamento.
A irrenunciabilidade do direito à vida, assim como sua inviolabilidade suscitam temas divergen-
tes na doutrina e jurisprudência, como a questão da eutanásia.
˃˃ Eutanásia é a ação médica intencional de adiantar ou provocar a morte, com finalidade be-
nevolente, de pessoa que se encontra em situação irreversível e incurável, de acordo com os
padrões médicos atuais. (Barroso, 2009). É crime!
˃˃ Distanásia é a tentativa de retardar a morte o máximo possível por meio do emprego de métodos
disponíveis, ainda que isso possa causar dores e padecimento a uma pessoa cuja morte é inevitável, é
o tratamento inútil, (prolongamento artificial da vida) – morte lenta e com sofrimento.
˃˃ Ortotanásia é a morte em seu tempo adequado, não combatida com os métodos extraordi-
nários e desproporcionais usados na distanásia, nem apressada por ação intencional, como na
eutanásia.
Ligado à ortotanásia, podemos destacar o cuidado paliativo, que é o uso de tecnologia para
diminuir o sofrimento, dando conforto ao paciente.

1 ESTADO – LAICIDADE. O Brasil é uma república laica, sendo absolutamente neutro quanto às religiões. Considerações.
FETO ANENCÉFALO – INTERRUPÇÃO DA GRAVIDEZ – MULHER – LIBERDADE SEXUAL E REPRODUTIVA – SAÚDE
– DIGNIDADE – AUTODETERMINAÇÃO – DIREITOS FUNDAMENTAIS – CRIME – INEXISTÊNCIA. Mostra-se inconstitu-
cional interpretação de a interrupção da gravidez de feto anencéfalo ser conduta tipificada nos artigos 124, 126 e 128, incisos I e II,
do Código Penal.
(ADPF 54, Relator(a): Min. MARCO AURÉLIO, Tribunal Pleno, julgado em 12/04/2012, ACÓRDÃO ELETRÔNICO DJe-080
DIVULG 29-04-2013 PUBLIC 30-04-2013 RTJ VOL-00226-01 PP-00011)
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Ressalta-se a Res. 1.805/2006 do Conselho Federal de Medicina que permite que o médico
suspenda os procedimentos com autorização da pessoa ou representante legal:
Art. 1º É permitido ao médico limitar ou suspender procedimentos e tratamentos que prolonguem a vida
do doente em fase terminal, de enfermidade grave e incurável, respeitada a vontade da pessoa ou de seu
representante legal.

˃˃ Suicídio assistido.
Como desdobramento da ideia de vida digna, a CF garante as necessidades vitais básicas do
ser humano e proíbe qualquer tratamento indigno, como a TORTURA, penas de trabalho forçado,
penas de caráter perpétuo etc., nos termos do Art. 5°, III e XLVII:
III – ninguém será submetido a tortura nem a tratamento desumano ou degradante;
XLVII – não haverá penas:
a) de morte, salvo em caso de guerra declarada, nos termos do art. 84, XIX;
b) de caráter perpétuo;
c) de trabalhos forçados;
d) de banimento;
e) cruéis;

Nesse sentido, em respeito ao princípio da dignidade da pessoa humana, o STF, por meio da
Súmula vinculante 11, restringiu o uso de algemas no país, autorizando o seu uso para 3 situações:
PERIGO, RESISTÊNCIA E FUGA – PRF
Súmula Vinculante 11
Só é lícito o uso de algemas em casos de resistência e de fundado receio de fuga ou de perigo à integridade
física própria ou alheia, por parte do preso ou de terceiros, justificada a excepcionalidade por escrito, sob
pena de responsabilidade disciplinar, civil e penal do agente ou da autoridade e de nulidade da prisão ou
do ato processual a que se refere, sem prejuízo da responsabilidade civil do Estado. (grifo nosso)

Ainda em respeito ao direito à vida, sob a perspectiva da dignidade da pessoa humana, temos:
XLIX – é assegurado aos presos o respeito à integridade física e moral;
L – às presidiárias serão asseguradas condições para que possam permanecer com seus filhos durante o
período de amamentação;
XLVIII – a pena será cumprida em estabelecimentos distintos, de acordo com a natureza do delito, a
idade e o sexo do apenado;

Direito à Igualdade ou Isonomia


O direito ou princípio da igualdade encontra-se previsto de forma genérica no caput do Art. 5° da
CF, mas desse princípio decorrem diversas previsões constitucionais relacionadas à igualdade, como
por exemplo: inciso I, XLII, do Art. 5°, Art. 7º, XXX, dentre diversos outros que estabelecem um tra-
tamento igualitário. Vejamos:
I – homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos termos desta Constituição;
XLII – a prática do racismo constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão, nos
termos da lei;
XXX – proibição de diferença de salários, de exercício de funções e de critério de admissão por motivo
de sexo, idade, cor ou estado civil;
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

Igualdade Formal x Igualdade Material


A doutrina classifica o princípio da igualdade em duas modalidades:
→→ IGUALDADE FORMAL:
A igualdade formal, nascida no liberalismo clássico, juntamente com os direitos de primeira
geração, traduz-se no termo todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza. É
uma igualdade jurídica, que não se preocupa com a realidade, mas apenas atenta que o Estado ou as
pessoas estabeleçam tratamento diferenciado de forma arbitrária.
→→ IGUALDADE MATERIAL:
Contudo, o princípio da igualdade não impede que se estabeleça tratamento diferenciado entre
pessoas diferentes, quando há razoabilidade para essa discriminação, a fim de estabelecer o que se
chama de igualdade material, substancial ou efetiva. É a igualdade que se preocupa com a realidade,
com origens no modelo de Estado Social. Traduz-se na seguinte expressão:
Tratar os iguais de forma igual, os desiguais de forma desigual, na medida das suas desigualdades.
Este tipo de igualdade confere um tratamento com justiça social para aqueles que não a possuem.
Convém observar que a igualdade formal é a regra utilizada pelo Estado para conferir um tra-
tamento isonômico entre as pessoas. Contudo, por diversas vezes, um tratamento igualitário não
consegue atender a todas as necessidades práticas. Faz-se necessária a utilização da igualdade em seu
aspecto material para que se consiga produzir um verdadeiro tratamento isonômico.
Dessa forma, podemos afirmar que o Estado pode dar tratamento diferenciado aos indivíduos,
seja por meio da lei, seja mediante políticas públicas, com a finalidade de atenuar diferenças sociais.
Como formas de concretização da igualdade material foram desenvolvidas políticas públicas
de compensação dirigidas às minorias sociais ou camadas menos favorecidas por intermédio das
chamadas AÇÕES AFIRMATIVAS OU DISCRIMINAÇÕES POSITIVAS. São verdadeiras ações de
cunho social que visam compensar possíveis perdas que determinados grupos sociais tiveram ao
longo da história de suas vidas.
Podemos destacar como Ações afirmativas:
˃˃ Lei Maria da Penha: Lei 11.340/2006 que estabelece uma proteção especial à mulher, no sentido
de coibir a violência doméstica e familiar e é exemplo de tratamento discriminatório constitu-
cional entre homens e mulheres.
Foro de residência da mulher: o Art. 100 do CPC/1973 estabelecia foro especial para a mulher
nas ações de separação judicial e de conversão da separação judicial em divórcio. De acordo com o
STF, essa disposição não ofende o princípio da isonomia entre homens e mulheres ou da igualdade
entre os cônjuges. [RE 227.114, rel. min. Joaquim Barbosa, j. 14-12-2011, 2ª T, DJE de 22-11-2012.]
Entretanto, esse artigo não é mais vigente, o NCPC/2015 estabelece a regra de que o foro deve ser
o do filho incapaz. (Art. 53 NCPC).
»» Prouni: é um programa do Ministério da Educação, criado pelo Governo Federal em 2004,
que oferece bolsas de estudo integrais e parciais (50%) em instituições privadas de educação
superior, em cursos de graduação e sequenciais de formação específica, a, especialmente estu-
dantes egressos do ensino médio da rede pública ou da rede particular na condição de bolsis-
tas integrais da própria escola e de estudantes com deficiência2.
»» Cotas raciais para acesso às Universidades Públicas, consideradas pelo STF como constitucio-
nais, uma vez que se consideraram as disposições do Estatuto da Igualdade Racial3. (ADPF 186)
• Em decorrência dessa decisão foi publicada a Lei 12.990/2014 que reserva 20% das vagas
oferecidas em concursos públicos – no âmbito do Executivo federal para negros.

2 http://siteprouni.mec.gov.br
3 Lei nº 12.288/10
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

Por fim, podemos destacar ainda a decisão do STF, na ADIn 4277 e na ADPF 132, que, evitando
tratamento discriminatório sem razoabilidade, reconheceu o direito à União Estável homoafetiva,
entendendo de forma extensiva o conceito constitucional de família, permitindo inclusive a celebra-
ção civil do casamento.
Destacou o Ministro Celso de Mello na decisão mencionada:
É arbitrário e inaceitável qualquer estatuto que puna, exclua, discrimine ou fomente a intolerân-
cia, estimule o desrespeito e a desigualdade e as pessoas em razão de sua orientação sexual.

Os Destinatários do Dever de Igualdade


O tratamento isonômico para o Estado se manifesta por meio de um dever, e que pode ser anali-
sado em dois planos distintos:
˃˃ Igualdade na lei: o princípio da igualdade obriga o legislador na edição das leis a estabelecer
um tratamento igualitário entre as pessoas, evitando tratamento abusivamente diferenciado a
pessoas que estão em situações idênticas.
˃˃ Igualdade perante a Lei: voltada especialmente ao intérprete da norma – Judiciário e aos aplica-
dores da lei (Executivo) que devem aplicar a norma de forma igualitária.
Registra-se o conteúdo da Súmula Vinculante 37, que não autoriza o Poder Judiciário a estender
vantagens concedidas pela lei a um grupo determinado para outro grupo de indivíduos sob o funda-
mento da isonomia, sob pena de violação da separação dos poderes:
Não cabe ao Poder Judiciário, que não tem função legislativa, aumentar vencimentos de servidores
públicos sob o fundamento de isonomia.
Vale ressaltar, ainda, que o princípio da igualdade também se aplica na relação entre particula-
res, nas relações privadas.
Igualdade nos Concursos
O princípio da igualdade não impede tratamento discriminatório, diferenciado, em concursos
públicos, desde que as exigências do cargo justifiquem o tratamento diferenciado.
Dessa forma, seria possível estabelecer limite de idade mínima e máxima ou ainda altura mínima
ou previsão de vaga para apenas um sexo. Contudo, para que possam existir essas discriminações
devem preencher dois requisitos:
˃˃ Deve ser fixado em lei – não basta que os critérios estejam previstos no edital, precisam estar
previstos em Lei, no seu sentido formal;
˃˃ Deve ser necessário ao exercício do cargo – o critério discriminatório deve ser necessá-
rio ao exercício do cargo. A título de exemplo: seria razoável exigir, para um cargo de policial
militar, altura mínima ou mesmo idade máxima, que representam vigor físico, tendo em vista
a natureza do cargo, que exige tal condição. As mesmas condições não poderiam ser exigidas
para um cargo de técnico judiciário, por não serem necessárias ao exercício do cargo.
Nesse sentido, destaca-se a Súmula 683 do STF:
O limite de idade para a inscrição em concurso público só se legitima em face do art. 7º, XXX, da Cons-
tituição, quando possa ser justificado pela natureza das atribuições do cargo a ser preenchido.
Exercícios
01. Acerca do aborto, o Supremo Tribunal Federal, em recente julgado de sua 1ª Turma, afirmou
ser necessário conferir interpretação conforme a Constituição aos Arts. 124 a 126 do Código
Penal (que tipificam o crime de aborto) para excluir do seu âmbito de incidência a interrupção
voluntária da gestação efetivada no primeiro trimestre do período gestacional.
Certo ( ) Errado ( )
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

02. O direito individual fundamental à vida possui duplo aspecto: sob o prisma biológico, traduz
o direito à integridade física e psíquica; em sentido mais amplo, significa o direito a condições
materiais e espirituais mínimas necessárias a uma existência condigna à natureza humana.
Certo ( ) Errado ( )
03. A vida é direito constitucional fundamental garantindo-se sua inviolabilidade. À luz desse
preceito, a eutanásia é admitida pelo ordenamento brasileiro desde que precedida do testa-
mento vital ou procuração de saúde.
Certo ( ) Errado ( )
04. Apesar da proteção à vida intrauterina, é permitido o aborto humanístico.
Certo ( ) Errado ( )
05. A CF consagra que todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, contudo
deve-se buscar não apenas a aparente igualdade formal, mas, principalmente, a igualdade material.
Certo ( ) Errado ( )
06. A utilização de critérios distintos para a promoção de integrantes do sexo feminino e do mas-
culino de corpo militar viola o princípio constitucional da isonomia.
Certo ( ) Errado ( )
07. O princípio da isonomia refere-se à igualdade na lei (entendida como a exigência destinada ao
legislador, que, no processo de formação do ato legislativo, nele não poderá incluir fatores de
discriminação responsáveis pela ruptura da ordem isonômica) e também à igualdade perante
a lei (esta pressupõe lei já elaborada e traduz imposição destinada aos demais poderes estatais,
que, na aplicação da norma legal, não poderão subordiná-la a critérios que ensejem tratamento
seletivo ou discriminatório).
Certo ( ) Errado ( )
08. A CF estabelece direitos e garantias fundamentais de todas as pessoas, de tal modo que não
deve haver quaisquer formas de discriminação, reconhecendo os direitos aos homossexuais e
igual valoração jurídica nas relações homoafetivas.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - Certo
02 - Certo
03 - Errado
04 - Certo
05 - Certo
06 - Errado
07 - Certo
08 - Certo
Referências Bibliográficas
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, 1988.
CANOTILHO, J.J. GOMES e outros. Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2014.
LENZA, Pedro. Direito Constitucional. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Atlas, 2014.
NOVELINO, Marcelo. Curso de Direito Constitucional. 11. ed. Salvador: JusPodivm, 2016.
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Constitucional descomplicado. 15 ed. São
Paulo: Método, 2016.
SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2006.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
7
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Constituição: Direitos Fundamentais���������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Direito à Liberdade������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Liberdade de Ação ou Princípio da Legalidade���������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Liberdade de Manifestação do Pensamento e Expressão�����������������������������������������������������������������������������������������3

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Constituição: Direitos Fundamentais


Direito à Liberdade
O direito à liberdade encontra-se previsto de forma genérica no caput do Art. 5°. A liberdade é a
essência dos direitos de primeira geração, que inclusive são chamados de liberdades públicas.
A ideia de liberdade prevista no caput é bastante ampla e compreende a ideia de liberdade física,
de expressão, pensamento, religiosa.
Diversos direitos previstos no Art. 5° decorrem da ideia de liberdade, os quais serão analisados agora.
Liberdade de Ação ou Princípio da Legalidade
O inciso II do artigo 5° apresenta aquilo que a doutrina chama de liberdade de ação:

II – ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei;
Esse inciso consagra o princípio da legalidade, em sentido AMPLO, também chamada de liberdade
matriz, base da noção de Estado de Direito. Por intermédio desse princípio os particulares somente serão
obrigados a fazer ou deixar de fazer alguma coisa em virtude de uma lei, de uma norma, que imponha ou
proíba um determinado comportamento. Isso significa que o particular é livre para fazer tudo aquilo que
a lei não proíba ou não determine. A regra é da autonomia da vontade.
Entretanto, essa ideia não é a mesma quando destinada ao Poder Público. Isso porque em um
Estado de Direito, o Poder Público se sujeita às leis, de modo que se aplica ao Estado o princípio da
legalidade estrita, segundo o qual o Estado não pode atuar contrariamente à lei ou, na sua ausência,
esse princípio voltado para a Administração Pública pode ser verificado no caput do Art. 37 da CF.1.
Dessa forma, podemos assim esquematizar o princípio da legalidade a depender do seu destinatário:
˃˃ PARA O PARTICULAR – A legalidade significa liberdade de agir, é dizer “fazer tudo que não
for proibido”. Princípio da AUTONOMIA DA VONTADE.
˃˃ PARA O PODER PÚBLICO – para o agente público legalidade significa “poder fazer tudo o que
for determinado ou permitido pela lei”. Princípio da LEGALIDADE ESTRITA.

A expressão LEI, no Art. 5°, II, refere-se à lei de uma forma ampla, genérica, aqui abordando
outras espécies normativas que não apenas a lei formal (aquela elaborada pelo Poder Legislativo).
Decorre daí a relevante distinção entre o princípio da legalidade e o princípio da reserva legal.
O PRINCÍPIO DA RESERVA LEGAL decorre do princípio da legalidade e ocorre quando
uma norma constitucional atribui determinada matéria exclusivamente à lei formal, ou seja, aquela
aprovada pelo Legislativo, excluídas as Medidas Provisórias e outras normas subordinadas. Ex.:
matérias envolvendo a criação de tipos penais.

1 Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos
Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte:
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Dessa forma, podemos dizer que a legalidade é mais ampla que a reserva legal, pois esta tem
o seu conteúdo mais restrito àquelas hipóteses exigidas pela CF. Contudo, podemos dizer que a
reserva legal tem maior densidade ou conteúdo, pois exige um tratamento exclusivo do Legislati-
vo nas matérias previstas na CF.
˃˃ Reserva legal Simples e qualificada.

Como desdobramento do PRINCÍPIO DA LEGALIDADE, podemos destacar:


˃˃ Atividade de tributação, que determina que os entes não podem aumentar ou exigir tributos
sem lei.
Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados,
ao Distrito Federal e aos Municípios:
I – exigir ou aumentar tributo sem lei que o estabeleça;
˃˃ Tipificação de crimes, a CF exige a existência de lei formal na definição de tipos penais.
Art. 5° XXXIX – não há crime sem lei anterior que o defina, nem pena sem prévia cominação legal;

Liberdade de Manifestação do Pensamento e Expressão


Dentro da ideia de liberdade de expressão, podemos destacar três incisos do Art. 5°: IV, V e IX.
Esse direito está diretamente ligado aos fundamentos da RFB, quais sejam: o Pluralismo Político
e a Dignidade da pessoa humana.
Vejamos o Art. 5°, IV:
Art. 5°, IV – é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;
Esta liberdade serve de amparo para uma série de possibilidades no que tange ao pensamento.
A manifestação do pensamento diz respeito à exteriorização de ideias, por escrito ou oralmente,
mas também o direito de ouvir, assistir e ler.
Assim como os demais direitos fundamentais, a manifestação do pensamento não possui caráter
absoluto, sendo restringida pela própria Constituição Federal, que proíbe seu exercício de forma
anônima.
A vedação ao anonimato impede, como regra, DENÚNCIAS ANÔNIMAS, também chamadas
de delações apócrifas, como fundamento único para a instauração de procedimentos criminais.
Contudo, o STF, entende como constitucionais as referidas denúncias (disque-denúncia) como
ferramenta de comunicação do crime, mas não podem servir como amparo para a instauração do
Inquérito Policial, muito menos como fundamento para a condenação de quem quer que seja. Este
posicionamento se aplica à instauração de qualquer tipo de procedimento investigatório, seja admi-
nistrativo, cível ou penal.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Desse modo, podemos concluir que a denúncia anônima não pode, isoladamente, servir de fun-
damento para instauração de processo formal contra o denunciado, autorizando apenas medidas
informais para a verificação dos fatos denunciados.
A vedação do anonimato não impede que o jornalista guarde o sigilo de suas fontes2, responden-
do ele, porém, caso opte pelo sigilo, por declarações falsas, injuriosas, difamatórias etc.
A vedação ao anonimato, além de ser uma garantia ao exercício da manifestação do pensamento,
possibilita o exercício do DIREITO DE RESPOSTA caso alguém seja ofendido, em matéria divulgada,
publicada ou transmitida por veículo de comunicação social, como prevê o inciso v do Art. 5° da CF:
V – é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização por dano material,
moral ou à imagem;
O direito de resposta, que se manifesta como ação de replicar ou de retificar matéria publicada,
é exercitável por parte daquele que se vê ofendido em sua honra e é orientado pela ideia da proporcio-
nalidade, é dizer: a resposta deve ser assegurada no mesmo meio de comunicação em que a agressão
foi realizada, devendo ter o mesmo destaque e duração.
O direito de resposta é amplo e abrange ofensas, mesmo que não tenham caráter penal.
O direito de resposta, inobstante ser norma de eficácia plena e aplicabilidade imediata, é regulamen-
tado pela Lei 13.188/2015 que assegura o exercício desse direito de forma GRATUITA. Vejamos o Art. 2°:
Art. 2° Ao ofendido em matéria divulgada, publicada ou transmitida por veículo de comunicação social é
assegurado o direito de resposta ou retificação, gratuito e proporcional ao agravo.
O direito de resposta ou retificação deve ser exercido no prazo decadencial de 60 (sessenta)
dias, contado da data de cada divulgação, publicação ou transmissão da matéria ofensiva, mediante
correspondência com aviso de recebimento encaminhada diretamente ao veículo de comunicação
social ou, inexistindo pessoa jurídica constituída, a quem por ele responda, independentemente de
quem seja o responsável intelectual pelo agravo.
O exercício do direito de resposta não afasta a possibilidade de indenização por dano: material,
moral ou a imagem. Vale destacar ainda que a indenização decorrente desses danos é cumulativa!
A CF ainda assegura o direito à LIBERDADE DE EXPRESSÃO:
IX – é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independente-
mente de censura 3ou licença;
Dessa forma, no Brasil é assegurada a liberdade de expressão, sendo vedada a censura. Essa
vedação é confirmada pelo Art. 220, § 2°, da CF:
Art. 220. A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma,
processo ou veículo não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição.
§ 2° É vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística.
A liberdade de expressão apresenta duas dimensões:
a) substancial: que consiste no próprio direito de pensar (Pluralismo político);
b) instrumental: que consiste no direito de expor o seu pensamento, de expressar suas ideias (ex.:
direito de reunião).
A liberdade de expressão, assim como a manifestação do pensamento não são absolutas, devendo
ser exercidas com responsabilidade pois encontram limites em outros direitos fundamentais, como,
por exemplo, a privacidade e a intimidade das pessoas.
Ademais, de acordo com a jurisprudência do STF a liberdade de expressão encontra limites nos
chamados discursos de ódio, voltadas ao combate do preconceito e da intolerância contra minorias
estigmatizadas.
2 XIV – é assegurado a todos o acesso à informação e resguardado o sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profissional;
3 Art. 220, § 2º É vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

A respeito do exercício da liberdade de expressão e manifestação do pensamento, já decidiu o STF:


Decisão do STF que vale a pena ser mencionada, é a que analisou a constitucionalidade da “marcha
da maconha”. De acordo com o Supremo, no julgamento da ADPF4 187, o movimento foi legítimo
e encontra fundamento na liberdade de manifestação do pensamento. De acordo com o STF, a mera
proposta de descriminalização de determinado ilícito penal não se confunde com o ato de incita-
ção à prática do crime, além disso não poderá ser feito o uso da droga durante a manifestação e não
poderá ter a participação de crianças e adolescentes.
O STF declarou inconstitucional a exigência de diploma de jornalismo para ser jornalista, haja
vista esta profissão ser um canal essencial para divulgação do pensamento e da informação.
Em respeito à liberdade de expressão, entendeu o STF5 não ser exigível autorização prévia6, da
pessoa biografada ou de seus familiares, para a publicação de obras biográficas ou audiovisuais. Des-
taca-se o trecho do referido julgado:
Em decorrência do direito à liberdade de expressão, decidiu o STF7 que é inconstitucional a proibi-
ção de tatuagem a candidato de concurso público, os ministros destacaram que a tatuagem passou
a representar uma autêntica forma de liberdade de manifestação do indivíduo, pela qual não pode
ser punido, sob pena de flagrante violação à CF. Entretanto, em situações excepcionais poderá ocorrer
restrição de pessoas com tatuagens quando o seu conteúdo viole valores constitucionais. (RE 898.450)
Exercícios
01. O princípio da legalidade estabelece que ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer
alguma coisa senão em virtude de lei. Assim, os particulares podem fazer tudo o que a lei não
proíbe, enquanto a Administração Pública só pode fazer o que a lei permite.
Certo ( ) Errado ( )
02. A reserva de lei é mais restrita que a legalidade no que concerne a densidade e conteúdo; en-
tretanto, a legalidade é mais abrangente que a reserva de lei pelo fato de atingir certas matérias
especificadas no próprio texto constitucional.
Certo ( ) Errado ( )
03. REYNARD ILLARY reuniu várias peças de seu acervo de artes plásticas (telas retratando tra-
balhadores em plena atividade laboral) e produziu um documentário, com imagens e sons, em
relação a elas. É correto afirmar que a divulgação dessa atividade artística é livre e independe
de censura ou licença.
Certo ( ) Errado ( )
04. Herculano, condômino, desgostoso com os atos de arbitrariedade praticados pelo síndico em
exercício do edifício onde reside, resolveu manifestar suas criticas por meio de cartas dirigidas
aos demais condôminos. Com medo de sofrer represálias do síndico, Herculano não se iden-
tificou nas cartas, reservando-se ao anonimato. Nesse caso, segundo a Constituição Federal, é
livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato.
Certo ( ) Errado ( )
05. Liberdade de pensamento, direito de resposta e responsabilidade por dano moral ou à imagem
constituem garantias, mas não direitos individuais.
Certo ( ) Errado ( )

4 Ação de descumprimento de preceito fundamental – ADPF


5 ADI 4815 – MIN. CÁRMEN LÚCIA
6 Em consonância com os direitos fundamentais à liberdade de expressão da atividade intelectual, artística, científica e de
comunicação, independentemente de censura ou licença de pessoa biografada, relativamente a obras biográficas literárias ou audio-
visuais (ou de seus familiares, em caso de pessoas falecidas).
7 RE 898450– Rel. Min. Luiz Fux.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

06. O direito de resposta proporcional ao agravo tem abrangência ampla e aplica-se a todas as
ofensas, ainda que elas não sejam de natureza penal.
Certo ( ) Errado ( )
07. Legalmente, ao ofendido em matéria divulgada, publicada ou transmitida por veículo de comuni-
cação social é assegurado o direito de resposta ou retificação, gratuito e proporcional ao agravo.
Certo ( ) Errado ( )
08. A dimensão substancial da liberdade de expressão guarda relação íntima com o pluralismo
político na medida em que abarca, antes, a formação da própria opinião como pressuposto
para sua posterior manifestação.
Certo ( ) Errado ( )
09. A liberdade de expressão é direito fundamental que viabiliza a autodeterminação do indivíduo
e guarda estreita relação com a dignidade da pessoa humana, possuindo, ademais, dimensões
instrumental e substancial, essa última compreendendo o direito aos meios adequados à ex-
pressão e à veiculação do que se pensa e do que se cria.
Certo ( ) Errado ( )
10. De acordo com a jurisprudência do STF, a exigência de diploma de curso superior para a
prática do jornalismo é compatível com a ordem constitucional, pois o direito à liberdade de
profissão e o direito à liberdade de informação não são absolutos.
Certo ( ) Errado ( )
11. Quando um jornalista denuncia fatos de interesse geral, como os relacionados às organiza-
ções criminosas especializadas no desvio de verbas públicas, está juridicamente desobrigado
de revelar a fonte da qual obteve suas informações.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - Certo
02 - Errado
03 - Certo
04 - Certo
05 - Errado
06 - Certo
07 - Certo
08 - Certo
09 - Errado
10 - Errado
11 - Certo
Referências Bibliográficas
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, 1988.
CANOTILHO, J.J. GOMES e outros. Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2014.
LENZA, Pedro. Direito Constitucional. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Atlas, 2014.
NOVELINO, Marcelo. Curso de Direito Constitucional. 11. ed. Salvador: JusPodivm, 2016.
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Constitucional descomplicado. 15 ed. São
Paulo: Método, 2016.
SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2006.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Constituição: Direitos e Deveres Individuais e Coletivos������������������������������������������������������������������������������2
Direito à Liberdade������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Liberdade de Consciência e Crença – Religiosa��������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Liberdade de Locomoção���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Liberdade Profissional��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Constituição: Direitos e Deveres Individuais e Coletivos


Direito à Liberdade
Liberdade de Consciência e Crença – Religiosa
A CF assegura a liberdade de consciência e de crença as pessoas no Art. 5°, VI:
VI – é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos
religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias; (grifo nosso)
˃˃ a liberdade de consciência consiste na aceitação de valores morais e espirituais, independente-
mente de questões religiosas;
˃˃ a liberdade de crença se refere às questões religiosas e é abrangida pela liberdade de consciência;
˃˃ já a liberdade de culto é uma das formas de expressão da liberdade de crença.
Por causa da liberdade religiosa, é possível exercer qualquer tipo de crença no país. Convém
perceber que o inciso VI, além de proteger as crenças e os cultos, também protege as suas liturgias,
que são os ritos e as cerimônias.
Essa liberdade, contudo, não é absoluta, uma vez que não se pode utilizar este direito para praticar
atos contrários às demais normas do Direito brasileiro, como, por exemplo, sacrificar seres humanos
como forma de prestar culto a determinada divindade.
Além de consagrar a liberdade religiosa no Brasil, esse inciso consagra também a ideia de que o
Brasil é um ESTADO LAICO, LEIGO OU NÃO CONFESSIONAL. Isso não significa que o Brasil é
um Estado ateu, mas tão somente que não adota uma religião oficial, existindo uma separação entre
Estado e Igreja. Esta relação entre o Estado e a Igreja encontra, inclusive, vedação expressa no texto
constitucional, que consagra o princípio da laicidade (Art. 19, I, CF):
Art. 19. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:
I – estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou
manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, na forma da
lei, a colaboração de interesse público; (grifo nosso)
Ressalta-se que é possível a relação entre Estado e Igreja para assegurar a colaboração de interes-
se público.
Outro dispositivo interessante é o previsto no inciso VII:
VII – é assegurada, nos termos da lei, a prestação de assistência religiosa nas entidades civis e militares
de internação coletiva;
A Constituição Federal garantiu a prestação de assistência religiosa nas entidades de internação
coletiva, sejam elas civis ou militares. Entidades de internação coletiva são quartéis, penitenciárias,
hospitais ou hospícios. A prestação dessa assistência não será, evidentemente, realizada pelo Estado,
mas sim pelas entidades religiosas (entidades privadas), o dever do Estado aqui se manifesta na per-
missão quanto ao exercício dessa liberdade.
Ainda a respeito da liberdade religiosa, destacamos o inciso VIII, do Art. 5°, um dos mais impor-
tantes para sua prova, vejamos:
VIII – ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou
política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir
prestação alternativa, fixada em lei;
Estamos diante do instituto da ESCUSA DE CONSCIÊNCIA. Este direito permite a qualquer
pessoa que, em razão de sua crença ou consciência, deixe de cumprir uma obrigação imposta sem
que com isso sofra alguma restrição em seus direitos, contudo, tal regra encontra um limite.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

No caso de uma obrigação imposta a todos, se o indivíduo se recusar ao seu cumprimento, ser-
lhe-á oferecida uma prestação alternativa, previamente prevista em lei. Caso também não cumpra
a prestação alternativa, a Constituição permite que alguns direitos do indivíduo sejam restringidos.
Os direitos que serão restringidos serão os direitos políticos e haverá a PERDA desses direitos, de
acordo com a doutrina majoritária, como se observa pela leitura do Art. 15, IV da CF:
Art. 15. É vedada a cassação de direitos políticos, cuja perda ou suspensão só se dará nos casos de:
IV
– recusa de cumprir obrigação a todos imposta ou prestação alternativa, nos termos do art. 5°, VIII;
Como estamos diante de uma norma de eficácia contida, caso o Estado não estabeleça a pres-
tação alternativa, aquele que deixou de cumprir a obrigação legal a todos imposta não poderá ser
privado dos seus direitos.

Podemos afirmar que a liberdade religiosa assegurada pela CF possui uma dimensão positiva e
uma negativa.
˃˃ Negativa, na medida em que assegura aos indivíduos o exercício dessa liberdade sem restrição
de direitos pelo Estado, implicando para o Estado um não fazer;
˃˃ Positiva, na medida em que determina ao Estado um comportamento positivo, um fazer, como o de
assegurar a prestação de assistência religiosa nas entidades civis e militares de internação coletiva.
A respeito da liberdade religiosa e da laicidade do Estado, podemos destacar algumas questões
relevantes:
→→ PREÂMBULO DA CF
Quanto à laicidade do Estado, destacamos que o preâmbulo da CF contém a expressão – sob a
proteção de Deus”-, no entanto, de acordo com o STF, o preâmbulo não tem força normativa, é antes
um norte, um guia para o povo e para os operadores do Direito, por isso a sua previsão não implica
violação à laicidade.
Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembleia Nacional Constituinte para
instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e indivi-
duais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores
supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e
comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promul-
gamos, sob a proteção de Deus, a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO
BRASIL. (grifo nosso)
→→ SÍMBOLOS RELIGIOSOS EM REPARTIÇÕES PÚBLICAS e FERIADOS RELIGIOSOS
Nesse tema também se enquadra o posicionamento da jurisprudência quanto à presença de
símbolos religiosos em repartições públicas. O entendimento atual considera que a presença dos
símbolos decorre da cultura nacional e não ofende a laicidade do Estado, seria um símbolo cultural.
O mesmo pode ser entendido para os feriados religiosos.
→→ IMUNIDADE TRIBUTÁRIA
Em respeito à liberdade religiosa, em especial à proteção aos locais de culto, a CF assegura a imu-
nidade tributária para os templos religiosos. Art. 150, VI, b:
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados,
ao Distrito Federal e aos Municípios:
VI – instituir impostos sobre:
b) templos de qualquer culto;
De acordo com o STF, a Maçonaria não tem imunidade tributária:
A imunidade tributária conferida pelo art. 150, VI, b, é restrita aos templos de qualquer culto religioso,
não se aplicando à maçonaria, em cujas lojas não se professa qualquer religião. [RE 562.351, rel. min.
Ricardo Lewandowski, j. 4-9-2012, 1ª T, DJE de 14-12-2012.]
→→ ENSINO RELIGIOSO NAS ESCOLAS PÚBLICAS
Outro tema interessante versa a respeito da disciplina de ensino religioso nas escolas públicas
de ensino fundamental, que é de matrícula facultativa, é disciplina ofertada nos horários normais
das aulas, conforme Art. 210 da CF:
Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação
básica comum e respeito aos valores culturais e artísticos, nacionais e regionais.
§ 1º O ensino religioso, de matrícula facultativa, constituirá disciplina dos horários normais das escolas
públicas de ensino fundamental. (grifo nosso)
Apesar da facultatividade estar mencionada apenas nas escolas públicas, Pedro Lenza entende
que também deveria ser estendida às escolas particulares.
De acordo com o STF (27/09/2017), o ensino religioso prestado nas escolas públicas poderá ter
natureza confessional, ficando a critério da escola optar pelo ensino confessional ou não confessio-
nal. Vejamos a decisão:
O Plenário (...) julgou improcedente pedido formulado em ação direta na qual se discute o ensino religioso
nas escolas públicas do país. Conferiu interpretação conforme à Constituição ao art. 33, caput, e §§ 1º e
2º, da Lei 9.394/1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB), e ao art. 11, § 1º, do acordo
Brasil-Santa Sé aprovado por meio do DL 698/2009 e promulgado por meio do Decreto 7.107/2010, para
assentar que o ensino religioso em escolas públicas pode ter natureza confessional. Entendeu que o poder
público, observado o binômio laicidade do Estado (...) e consagração da liberdade religiosa no seu duplo
aspecto (...), deverá atuar na regulamentação integral do cumprimento do preceito constitucional previsto
no art. 210, § 1º da CF, autorizando, na rede pública, em igualdade de condições, o oferecimento de ensino
confessional das diversas crenças, mediante requisitos formais de credenciamento, de preparo, previamen-
te fixados pelo Ministério da Educação. Dessa maneira, será permitido aos alunos se matricularem volun-
tariamente para que possam exercer o seu direito subjetivo ao ensino religioso como disciplina dos horários
normais das escolas públicas. O ensino deve ser ministrado por integrantes, devidamente credenciados, da
confissão religiosa do próprio aluno, a partir de chamamento público já estabelecido em lei para hipóteses
semelhantes (...) e, preferencialmente, sem qualquer ônus para o poder público.
[ADI 4.439, rel. p/ o ac. min. Alexandre de Moraes, j. 27-9-2017, P, Informativo879.]

Liberdade de Locomoção
A CF assegura o direito à liberdade de locomoção, que significa o direito de ir, vir e permanecer.
O inciso XV do artigo 5° já diz:
XV – é livre a locomoção no território nacional em tempo de paz, podendo qualquer pessoa, nos termos
da lei, nele entrar, permanecer ou dele sair com seus bens;
Assim, a liberdade de locomoção é assegurada de forma livre em tempos de paz. Desse modo,
em regra, ninguém será preso em tempos de paz, senão em flagrante delito ou por ordem escrita e
fundamentada de autoridade judiciária competente, nos termos do Art. 5°, LXI:
LXI – ninguém será preso senão em flagrante delito ou por ordem escrita e fundamentada de autori-
dade judiciária competente, salvo nos casos de transgressão militar ou crime propriamente militar,
definidos em lei;
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

Convém perceber que o direito explanado no inciso XV não possui caráter absoluto, haja vista ter
sido garantido em tempo de paz. Isto significa que em momentos de “não paz” seria possível estabe-
lecer restrições à liberdade de locomoção.
Do mesmo modo, destaca-se que em situações excepcionais, de instabilidade institucional, como
no estado de sítio e no estado de defesa esse direito poderá ser restringido:
ESTADO DE DEFESA: ART. 136 § 3º Na vigência do estado de defesa: I – a prisão por crime contra o
Estado, determinada pelo executor da medida, será por este comunicada imediatamente ao juiz compe-
tente, que a relaxará, se não for legal, facultado ao preso requerer exame de corpo de delito à autoridade
policial.
ESTADO DE SÍTIO: ART. 139 Art. 139. Na vigência do estado de sítio decretado com fundamento no art.
137, I, só poderão ser tomadas contra as pessoas as seguintes medidas: I – obrigação de permanência em
localidade determinada; II – detenção em edifício não destinado a acusados ou condenados por crimes
comuns; (grifo nosso)
Outro aspecto interessante refere-se à possibilidade de qualquer pessoa entrar, permanecer ou
sair do país com seus bens, nos termos da lei. Esse direito também não pode ser encarado de forma
absoluta, haja vista que esse direito deve ser exercido nos termos da lei, assim há a possibilidade de se
exigir declaração de bens ou pagamento de imposto quando da entrada da pessoa no país com bens.
Frisa-se que a liberdade de locomoção, por não ser um direito absoluto, permite a sua restrição
quando em conflito com outros direitos fundamentais.
Caso a liberdade de locomoção seja restringida por ilegalidade ou abuso de poder, a Constituição
prevê um remédio constitucional, uma solução a esse problema, por meio do Habeas Corpus.
Art. 5°, LXVIII – conceder-se-á “habeas-corpus” sempre que alguém sofrer ou se achar ameaçado de
sofrer violência ou coação em sua liberdade de locomoção, por ilegalidade ou abuso de poder;

Liberdade Profissional
O Art. 5°, inciso XII, dispõe a respeito da liberdade do exercício profissional:
XIII – é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissio-
nais que a lei estabelecer;
Apesar de a liberdade estar consagrada na CF, por se tratar de norma de eficácia contida, podem
ocorrer restrições ao exercício dessa liberdade, por meio de lei. Ou seja, as pessoas são livres para o
exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, contudo, caso a lei estabeleça alguma exigên-
cia, como qualificação, nível superior, para que a pessoa exerça a atividade, essa deverá cumprir o
previsto na lei. Se não cumprir o previsto na lei, a pessoa poderá ser responsabilizada pelo exercício
ilegal de profissão, previsto no Art. 37 da Lei das Contravenções Penais.
Contudo, entendeu o STF que nem todas as profissões podem sofrer restrições ou condições
legais para o seu exercício, uma vez que a regra é a liberdade. De acordo com a decisão, apenas
quando houver potencial lesivo na atividade é que poderá haver restrições.
˃˃ Dessa forma, entendeu o STF como inconstitucional a exigência de inscrição em conselho de fisca-
lização profissional para a atividade de músico, uma vez que tal atividade não tem potencial lesivo.
Nem todos os ofícios ou profissões podem ser condicionados ao cumprimento de condições legais para o seu
exercício. A regra é a liberdade. Apenas quando houver potencial lesivo na atividade é que pode ser exigida
inscrição em conselho de fiscalização profissional. A atividade de músico prescinde de controle. Constitui,
ademais, manifestação artística protegida pela garantia da liberdade de expressão.[RE 414.426, rel. min.
Ellen Gracie, j. 1º-8-2011, P, DJE de 10-10-2011.] = RE 795.467 RG, rel. min. Teori Zavascki, j. 5-6-2014, P,
DJE de 24-6-2014, com repercussão geral
˃˃ Também entendeu o STF como constitucional o Exame de Ordem (OAB) como requisito ne-
cessário ao exercício da advocacia. (RE 603.583)
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

Exercícios
01. O Brasil, por ser um país laico, não tem religião oficial, sendo assegurada constitucionalmente
a inviolabilidade da liberdade de consciência e de crença, bem como o livre exercício dos cultos
religiosos.
Certo ( ) Errado ( )
02. A escusa de consciência permite a todo indivíduo, por motivos de crenças religiosas, filosóficas ou
políticas, eximir-se de cumprir alguma obrigação imposta a todos, por exemplo, o serviço militar
obrigatório; entretanto, o indivíduo será privado, definitivamente, de seus direitos políticos, quando
a sua oposição se manifestar, inclusive, a respeito do cumprimento de uma obrigação alternativa.
Certo ( ) Errado ( )
03. A invocação a Deus, presente no preâmbulo da CF, reflete um sentimento religioso, o que não
enfraquece o fato de o Estado brasileiro ser laico, ou seja, um Estado em que há liberdade de
consciência e de crença, onde ninguém é privado de direitos por motivo de crença religiosa ou
convicção filosófica.
Certo ( ) Errado ( )
04. Quanto à presença de crucifixos em cartórios e repartições públicas estaduais, pode-se dizer
que seu término, com a singela retirada dos crucifixos, não implicaria violação à ordem cons-
titucional vigente.
Certo ( ) Errado ( )
05. O ensino religioso, de matrícula facultativa, será oferecido em horários suplementares nas
escolas públicas de ensino básico.
Certo ( ) Errado ( )
06. A liberdade religiosa é direito fundamental que, por impor a laicidade estatal, possui dimensão
unicamente negativa, vinculando o Estado a um dever de abstenção.
Certo ( ) Errado ( )
07. O cidadão W é impedido de caminhar na rua por força de ordem de autoridade municipal que
pretende regular os horários de caminhada em vias públicas. Não há interesse público e nem
evento que justifique restrição no local. Diante das normas constitucionais em vigor, ocorreu
uma violação ao direito de locomoção.
Certo ( ) Errado ( )
08. Em tempo de paz, a liberdade de locomoção dentro do território nacional é ampla, para os nacio-
nais e os estrangeiros residentes e não residentes que tenham ingressado regularmente no país.
Certo ( ) Errado ( )
09. A liberdade para o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão está condicionada ao
atendimento das qualificações profissionais estabelecidas por lei, mas nem todos os ofícios ou
profissões, para serem exercidos, estarão sujeitos à existência de lei.
Certo ( ) Errado ( )
10. Se o poder público tiver a intenção de condicionar o exercício de determinada profissão a
certas exigências, e se tais exigências forem estabelecidas mediante lei formal, elas serão cons-
titucionais, pois o Estado tem discricionariedade para eleger as restrições que entenda cabíveis
para todos os ofícios ou profissões, desde que o faça por lei federal.
Certo ( ) Errado ( )
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

Gabarito
01 - Certo
02 - Certo
03 - Certo
04 - Certo
05 - Errado
06 - Errado
07 - Certo
08 - Certo
09 - Certo
10 - Errado
Referências Bibliográficas
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, 1988.
CANOTILHO, J.J. GOMES e outros. Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2014.
LENZA, Pedro. Direito Constitucional. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Atlas, 2014.
NOVELINO, Marcelo. Curso de Direito Constitucional. 11. ed. Salvador: JusPodivm, 2016.
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Constitucional descomplicado. 15 ed. São
Paulo: Método, 2016.
SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2006.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
7
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Constituição: Direitos e Deveres Individuais e Coletivos������������������������������������������������������������������������������2
Direito à Liberdade������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Liberdade de Reunião���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Liberdade de Associação����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Constituição: Direitos e Deveres Individuais e Coletivos


Direito à Liberdade
Liberdade de Reunião
Primeiramente, destaca-se que este direito decorre do fundamento constitucional do Pluralis-
mo Político, bem como se identifica com a liberdade de expressão e manifestação do pensamento.
Assim, podemos dizer que o direito de reunião é um direito-meio utilizado para se viabilizar a ma-
nifestação do pensamento e a liberdade de expressão, tratando-se de união de pessoas, em caráter
temporário, que visam expressar alguma ideia ou objetivo em comum. Trata-se de direito indivi-
dual, mas de exercício coletivo.
A CF estabelece as características desse direito:
XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independente-
mente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo
local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;
Podemos enumerá-las:
˃˃ Reunião pacífica: a finalidade desse direito é a manifestação pacífica e lícita da liberdade de
expressão; não se legitima uma reunião que tenha fins não pacíficos.
˃˃ Sem armas: trata-se de vedação a uma reunião armada, significa sem armas brancas ou de fogo,
a ideia é evitar a violência ou coação por meio do uso de armas. Ressalta-se que se um ou alguns
dos manifestantes portarem armas, não torna o exercício do direito de reunião inconstitucio-
nal, devendo a autoridade policial retirar o manifestante armado, prosseguindo o direito de
reunião dos demais participantes.
˃˃ Locais abertos ao público: não pode ser realizado em espaço privado, ainda que em percurso móvel.
˃˃ Independente de autorização – não precisa de autorização, significa dizer que as autorida-
des não dispõem de competência e discricionariedade para decidir pela conveniência, ou não,
da realização da reunião e não podem interferir indevidamente em uma reunião realizada de
forma lícita e pacífica, quando não haja lesão ou perturbação à ordem pública.
˃˃ Necessidade de prévio aviso: o direito de reunião independe de autorização, contudo se faz necessá-
rio o aviso (comunicação) à autoridade competente para que se adotem as medidas necessárias para a
garantia da ordem e da segurança pública, como, por exemplo, a organização do trânsito no local da
manifestação, bem como para não frustrar outra reunião previamente convocada.
˃˃ Não frustrar outra reunião convocada anteriormente para o mesmo local: é a garantia de
isonomia no exercício do direito prevalecendo o de quem exerceu primeiro.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Extraem-se do referido direito alguns elementos:


a) Elemento subjetivo: é necessário um conjunto de pessoas para o exercício desse direito, que não
pode ser realizado de forma individual. O seu exercício, portanto é necessariamente coletivo.
b) Elemento temporal: refere-se à temporariedade do direito, a reunião deve ser temporária, com
início e fim predeterminados.
c) Elemento espacial: deve ser realizada em local aberto ao público, de forma estática ou em
movimento.
d) Elemento objetivo: a reunião deve ser realizada de forma pacífica, sem armas.
e) Elemento formal: refere-se à necessidade de aviso prévio à autoridade competente, para não
frustrar outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local.
f) Elemento teleológico: as pessoas em uma reunião devem ter um ideal em comum, um mesmo
propósito, mesma finalidade, que pode ser política, religiosa, artística ou filosófica. Sabe-se
que o direito de reunião é um direito-meio, um instrumento para o exercício do direito-fim,
que é a liberdade de manifestação do pensamento.
Caso ocorra lesão ou ameaça ao exercício do direito de reunião, por ilegalidade ou abuso de
poder, o remédio constitucional será o Mandado de Segurança, e não o Habeas Corpus.
O direito de reunião é norma constitucional de eficácia contida, uma vez que esse direito poderá
sofrer restrição durante o estado de defesa e poderá ser suspenso durante o estado de sítio. Vejamos:
ESTADO DE DEFESA:
Art. 136. O Presidente da República pode, ouvidos o Conselho da República e o Conselho de Defesa
Nacional, decretar estado de defesa para preservar ou prontamente restabelecer, em locais restritos e de-
terminados, a ordem pública ou a paz social ameaçadas por grave e iminente instabilidade institucional
ou atingidas por calamidades de grandes proporções na natureza.
§ 1º O decreto que instituir o estado de defesa determinará o tempo de sua duração, especificará as áreas
a serem abrangidas e indicará, nos termos e limites da lei, as medidas coercitivas a vigorarem, dentre as
seguintes:
I – restrições aos direitos de:
a) reunião, ainda que exercida no seio das associações;
ESTADO DE SÍTIO
Art. 139. Na vigência do estado de sítio decretado com fundamento no art. 137, I, só poderão ser tomadas
contra as pessoas as seguintes medidas:
IV – suspensão da liberdade de reunião; (grifo nosso)

Liberdade de Associação
As associações pressupõem a união de pessoas, que se organizam, com caráter permanente, em
decorrência de uma ideia ou interesse em comum. Assim, podemos dizer que o direito de associação
depende do preenchimento de 3 requisitos:
a) Pluralidade de pessoas – trata-se de direito individual, mas de exercício coletivo.
b) Caráter permanente.
c) Interesse em comum – ato de vontade.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

A CF assegura o exercício desse direito de forma plena, mas não absoluta, vejamos:
XVII – é plena a liberdade de associação para fins lícitos, vedada a de caráter paramilitar;
A CF proíbe a criação de associações que tenham finalidade ilícita, reforçando a proibição de
criação de associações com caráter paramilitar. Entende-se como associação de caráter paramilitar,
toda organização paralela ao Estado, sem legitimidade, com estrutura e organização tipicamente
militar. São as facções criminosas, milícias ou qualquer outra organização que possua fins ilícitos e
alheios aos do Estado.
A finalidade lícita de que trata o direito à associação não está ligada somente às normas de Direito
Penal, mas se estende ao Direito como um todo.
XVIII – a criação de associações e, na forma da lei, a de cooperativas independem de autorização,
sendo vedada a interferência estatal em seu funcionamento;
A CF ainda dispõe que a criação dessas associações é livre, ou seja, para criar uma associação
não será preciso anuência ou autorização do Estado, sendo ainda vedada interferência estatal no
funcionamento e criação das associações. Ademais, as associações não precisam de personalidade
jurídica para que tenham a proteção constitucional.
Já a criação de cooperativas também é livre, mas dependerá de lei.
XIX – as associações só poderão ser compulsoriamente dissolvidas ou ter suas atividades suspensas por
decisão judicial, exigindo-se, no primeiro caso, o trânsito em julgado;
As associações podem ter suas atividades suspensas ou dissolvidas de forma compulsória apenas
por meio de decisão judicial, caso tenham finalidade ilícita, ou seja, se a associação tiver finalidade
lícita, ela não poder ter suas atividades suspensas ou ser dissolvida compulsoriamente.
No caso da dissolução, que importa no encerramento definitivo da associação, por ser uma
medida mais grave, não basta qualquer decisão judicial, tem que ser transitada em julgado, ou seja,
uma decisão judicial definitiva, de que não cabe mais recurso. Contudo, para a suspensão não é ne-
cessário que a decisão tenha transitado em julgado.

XX – ninguém poderá ser compelido a associar-se ou a permanecer associado;


O inciso XX tutela a chamada Liberdade Associativa pela qual ninguém será obrigado a se
associar ou mesmo a permanecer associado a qualquer entidade associativa.
XXI – as entidades associativas, quando expressamente autorizadas, têm legitimidade para represen-
tar seus filiados judicial ou extrajudicialmente;
Por fim, o inciso XXI permite às associações representar seus filiados, tanto na esfera judicial,
quanto na esfera administrativa, desde que possuam expressa autorização, pois atuam em repre-
sentação processual, ou seja, a ação deve ser ajuizada em nome do representado para defender o seu
direito, pela associação. De acordo com o STF, na hipótese de representação processual, a autoriza-
ção não pode ser genérica, tem que ser expressa (obtida por meio de deliberação em assembleia ou
individualmente), de modo que a autorização apenas no estatuto social da Associação (genérica) não
é suficiente para legitimar a atuação das associações na representação.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

Diferente da situação de representação processual (XXI) é a substituição processual, que ocorre


quando a associação defende, em nome próprio, interesse alheio, como quando impetra Mandado
de Segurança Coletivo. Nesse caso, de acordo com STF, a associação não precisará de autorização
expressa e específica, bastando a autorização genérica do ato de constituição da associação1.
˃˃ A respeito da atuação das associações em defesa de seus filiados, merece destaque a jurisprudência
do STF, que entende que as associações não possuem legitimidade para deduzir interpelação judicial
como medida preparatória de ação penal em defesa da honra de seus associados. Explica-se:
O Art. 144 do Código Penal trata da chamada interpelação judicial nos crimes contra a honra.
Esse instituto nada mais é do que um pedido de explicações em juízo solicitada por aquele que se
achar ofendido. Vejamos o dispositivo legal:
Art. 144 – Se, de referências, alusões ou frases, se infere calúnia, difamação ou injúria, quem se julga
ofendido pode pedir explicações em juízo. Aquele que se recusa a dá-las ou, a critério do juiz, não as dá
satisfatórias, responde pela ofensa.
A interpelação judicial tem caráter facultativo e preparatório para futura e eventual ação penal
decorrente de crimes contra a honra.
De acordo com o STF2, a legitimidade para promover esse tipo de procedimento é apenas daquele
que se sente ofendido, uma vez que a medida tem caráter personalíssimo, e não das associações ou de
qualquer outro ente coletivo.
Exercícios
01. Uma fila de pessoas esperando às 10 horas da manhã a chegada de um ônibus em uma rodoviária
para embarcar para a cidade de São Paulo não constitui uma reunião, para os fins previstos no
artigo 5º, inciso XVI, da Constituição Federal (Direito de Reunião). No exemplo, em específico, o
direito de reunião NÃO está configurado porque falta especificamente o elemento teleológico.
Certo ( ) Errado ( )
02. No que diz respeito à liberdade de reunião, é certo que
a) o instrumento jurídico adequado para a tutela da liberdade de reunião, caso ocorra lesão ou
ameaça de lesão, ocasionada por ilegalidade ou arbitrariedade, é o habeas corpus.
b) essa liberdade, desde que atendendo aos requisitos de praxe, não está sujeita a qualquer sus-
pensão por conta de circunstâncias excepcionais como no estado de defesa.
c) o prévio aviso à autoridade para realizar uma reunião limita-se, tão somente, a impedir que
se frustre outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local.
d) na hipótese de algum dos manifestantes, isoladamente, estiver portando arma de fogo, o
fato não autoriza a dissolução da reunião pelo Poder Público.
e) a autoridade pública dispõe de competência e discricionariedade para decidir pela conveniência,
ou não, da realização da reunião.

1 REPRESENTAÇÃO – ASSOCIADOS – ARTIGO 5º, INCISO XXI, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL. ALCANCE. O disposto
no artigo 5º, inciso XXI, da Carta da República encerra representação específica, não alcançando previsão genérica do estatuto da
associação a revelar a defesa dos interesses dos associados. TÍTULO EXECUTIVO JUDICIAL – ASSOCIAÇÃO – BENEFICIÁRIOS.
As balizas subjetivas do título judicial, formalizado em ação proposta por associação, é definida pela representação no processo de co-
nhecimento, presente a autorização expressa dos associados e a lista destes juntada à inicial. (RE 573232, Relator(a): Min. RICARDO
LEWANDOWSKI, Relator(a) p/ Acórdão: Min. MARCO AURÉLIO, Tribunal Pleno, julgado em 14/05/2014, REPERCUSSÃO GERAL
– MÉRITO DJe-182 DIVULG 18-09-2014 PUBLIC 19-09-2014 EMENT VOL-02743-01 PP-00001)
CONSTITUCIONAL. MANDADO DE SEGURANÇA COLETIVO. SUBSTITUIÇÃO PROCESSUAL. AUTORIZAÇÃO EXPRESSA:
DESNECESSIDADE. OBJETO A SER PROTEGIDO PELA SEGURANÇA COLETIVA. C.F., ART. 5º, LXX, b. MANDADO SE SEGU-
RANÇA CONTRA LEI EM TESE: NÃO CABIMENTO. SÚMULA Nº 266-STF. I – A legitimação das organizações sindicais, entidade
de classe ou associação, para a segurança coletiva, é extraordinária, ocorrendo, em tal caso, substituição processual. CF, art. 5º, LXX.
II – Não se exige, tratando-se de segurança coletiva, a autorização expressa aludida no inc. XXI do art. 5º, CF, que contempla
hipótese de representação. III – O objeto do mandado de segurança coletivo será um direito dos associados, independentemente de
guardar vínculo com os fins próprios da entidade impetrante do writ, exigindo-se, entretanto, que o direito esteja compreendido nas
atividades exercidas pelos associados, mas não se exigindo que o direito seja peculiar, próprio, da classe. (...)”Nesse mesmo sentido:
RMS nº 21.514, Rel. Min. Marco Aurélio (DJU 18/06/93, pág. 12111); e RE nº 175.401-0, Rel. Min. Ilmar Galvão.
2 Pet 1249 AgR, Relator(a): Min. CELSO DE MELLO, Tribunal Pleno, julgado em 20/03/1997, DJ 09-04-1999 PP-00026
EMENT VOL-01945-01 PP-00041
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

03. O direito de reunião constitui instrumento viabilizador do exercício da liberdade de expres-


são e propicia a ativa participação da sociedade civil mediante exposição de ideias, opiniões,
propostas, críticas e reinvindicações.
Certo ( ) Errado ( )
04. A CF garante aos cidadãos, de modo irrestrito, a liberdade de realizarem reuniões em locais
abertos ao público.
Certo ( ) Errado ( )
05. O direito de associação assegurado constitucionalmente possui um viés positivo, consistente
no livre arbítrio de o indivíduo juntar-se a uma associação, assim como um negativo, con-
substanciado na liberdade de retirar-se da associação a seu talante, independentemente de
qualquer justificativa formal.
Certo ( ) Errado ( )
06. Considere que determinada associação seja ré em ação judicial que pleiteie a suspensão de suas
atividades. Nessa situação hipotética, caso o juiz competente julgue procedente o pleito, será
necessário aguardar o trânsito em julgado da decisão judicial para que a referida associação
tenha suas atividades suspensas.
Certo ( ) Errado ( )
07. É assegurada a ampla liberdade de associação, independentemente de autorização dos poderes
públicos.
Certo ( ) Errado ( )
08. A atuação judicial de entidades associativas é amplamente assegurada, possuindo legitimida-
de para representar os seus filiados, ainda que inexistente autorização expressa dos mesmos.
Certo ( ) Errado ( )
09. Ninguém poderá ser obrigado a associar-se ou a permanecer associado, salvo nos casos previs-
tos em lei.
Certo ( ) Errado ( )
10. As associações legalmente constituídas e em funcionamento há pelo menos um ano poderão
impetrar, em nome próprio, mandado de segurança coletivo em favor de seus associados, in-
dependentemente da autorização expressa destes.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - Certo
02 - D
03 - Certo
04 - Errado
05 - Certo
06 - Errado
07 - Errado
08 - Errado
09 - Errado
10 - Certo
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

Referências Bibliográficas
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, 1988.
CANOTILHO, J.J. GOMES e outros. Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2014.
LENZA, Pedro. Direito Constitucional. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Atlas, 2014.
NOVELINO, Marcelo. Curso de Direito Constitucional. 11. ed. Salvador: JusPodivm, 2016.
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Constitucional descomplicado. 15 ed. São
Paulo: Método, 2016.
SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2006.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
7
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Constituição: Direitos e Deveres Individuais e Coletivos������������������������������������������������������������������������������2
Direito à Propriedade��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Função Social da Propriedade�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Desapropriação�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Requisição Administrativa������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Constituição: Direitos e Deveres Individuais e Coletivos


Direito à Propriedade
A CF assegura o direito à propriedade de bens móveis, imóveis, materiais e imateriais, impe-
dindo a intervenção por parte do Estado e dos particulares de forma arbitrária. Relembra-se que o
direito de propriedade é um direito de natureza civil, ou seja, um direito de primeira geração.
O Art. 1.228 do Código Civil dispõe a respeito dos atributos decorrentes do direito de proprieda-
de que são: (i) usar; (ii) gozar; (iii) dispor; (iv) reaver.
Art. 1.228. O proprietário tem a faculdade de usar, gozar e dispor da coisa, e o direito de reavê-la do poder
de quem quer que injustamente a possua ou detenha.
O texto constitucional garante este direito de forma expressa:
XXII – é garantido o direito de propriedade.
Para a maior parte da doutrina, o direito à propriedade, apesar de mesclar elementos de direito
privado, é instituto de DIREITO PÚBLICO, eis que seu fundamento é Constitucional.
Esse direito, assim como os demais direitos fundamentais, não é absoluto possuindo diversas
restrições estabelecidas na própria CF e nas legislações infraconstitucionais. Vejamos:
Função Social da Propriedade
Apesar da natureza individual da propriedade, o seu uso deve visar aos interesses da coletivida-
de. Desse modo, a Constituição exige que a propriedade atenda a sua função social:
XXIII – a propriedade atenderá a sua função social.
O respeito à função social da propriedade é condição para o exercício do direito de propriedade.
Ademais, a função social da propriedade é classificada como princípio da ordem constitucional eco-
nômica, no artigo 170, inciso III, e das políticas urbana (artigo 182, §2º) e agrícola e fundiária (artigo
186).
Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, tem por
fim assegurar a todos existência digna, conforme os ditames da justiça social, observados os seguintes
princípios:
(...)
II – propriedade privada;
III – função social da propriedade;
Art. 182. A política de desenvolvimento urbano, executada pelo Poder Público municipal, conforme di-
retrizes gerais fixadas em lei, tem por objetivo ordenar o pleno desenvolvimento das funções sociais da
cidade e garantir o bem-estar de seus habitantes.
§ 2º A propriedade urbana cumpre sua função social quando atende às exigências fundamentais de orde-
nação da cidade expressas no plano diretor. (grifo nosso)
Art. 186. A função social é cumprida quando a propriedade rural atende, simultaneamente, segundo
critérios e graus de exigência estabelecidos em lei, aos seguintes requisitos:
I – aproveitamento racional e adequado;
II – utilização adequada dos recursos naturais disponíveis e preservação do meio ambiente;
III – observância das disposições que regulam as relações de trabalho;
IV – exploração que favoreça o bem-estar dos proprietários e dos trabalhadores. (grifo nosso)
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Pelos dispositivos acima, observa-se que a propriedade urbana atende à sua função social quando
cumpre o plano diretor do Município, enquanto que a propriedade rural atende à função social
quando cumpre os requisitos estabelecidos pela própria CF, como, por exemplo, a preservação do
meio ambiente.
Ressalta-se que caso a propriedade não atenda à sua função social, o Estado poderá impor sanções
que em último caso poderá gerar a desapropriação, a perda da propriedade.

Desapropriação
Uma das formas de intervenção do Estado na propriedade se dá por meio da chamada desapro-
priação, que ocorre quando o Estado, mediante procedimento específico, transfere para si proprie-
dade particular. É forma de aquisição originária da propriedade, porque não decorre de um título
anterior.
Existem três modalidades de desapropriação que merecem nossa atenção:
Desapropriação por necessidade ou utilidade pública e interesse social
Esta modalidade de desapropriação é utilizada pelo Estado quando o interesse social ou a utili-
dade pública prevalecem sobre o direito individual. Neste tipo de desapropriação, destaca-se que o
proprietário nada fez para merecê-la, contudo, o interesse público exige que determinada área seja
desapropriada. É a aplicação pura e simples do princípio administrativo da supremacia do interesse
público sobre o interesse privado. É o caso, por exemplo, da construção de uma rodovia que exige
a desapropriação de várias propriedades para o asfaltamento da via. Vejamos o que diz o texto da
Constituição:
XXIV – a lei estabelecerá o procedimento para desapropriação por necessidade ou utilidade pública,
ou por interesse social, mediante justa e prévia indenização em dinheiro, ressalvados os casos previs-
tos nesta Constituição. (grifo nosso)

Esse artigo traz três situações distintas: a) utilidade pública; b) necessidade pública; e c) interesse
social. Vamos ver a diferença entre elas:
˃˃ “utilidade pública”: ocorre para atendimento ao interesse público, por conveniência social, uma
vez que sua utilização trará mais benefícios para a população de modo geral;
˃˃ “necessidade pública”: ocorre da mesma forma que a utilidade pública, mas em situações de
emergência;
˃˃ “interesse social”: ocorre para dirimir as desigualdades sociais, utilizando a propriedade em
benefício, principalmente, das camadas sociais menos favorecidas.
Deve ser destacado que esta modalidade de desapropriação gera direito à indenização que deve
ser paga de forma prévia, em dinheiro e com valor justo.
Qualquer um dos entes federativos (União, estados, municípios e o DF) podem promover essa
modalidade de desapropriação.
ATENÇÃO: de acordo com o Art. 185 da CF, a pequena e média propriedade, se o proprietário não
tiver outra, e a propriedade produtiva, não poderão ser desapropriadas para fim de reforma agrária:
Art. 185. São insuscetíveis de desapropriação para fins de reforma agrária:
I – a pequena e média propriedade rural, assim definida em lei, desde que seu proprietário não
possua outra;
II – a propriedade produtiva. (grifo nosso)
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Desapropriação-sanção
Nesta modalidade, o proprietário, por algum motivo, não observou a função social da pro-
priedade e por isso poderá ter sua propriedade desapropriada. Contudo, a desapropriação só deve
ser aplicada como última medida punitiva, quando outras medidas não foram atendidas. Por este
motivo, é chamada de desapropriação-sanção, haja vista ser uma verdadeira punição. Segundo a CF,
esta desapropriação gera direito à indenização, que deverá ser prévia, com valor justo, mas não em
dinheiro, e sim em títulos da dívida pública ou agrária.
Essa modalidade de desapropriação pode ser tanto da propriedade urbana quanto da proprieda-
de rural. Vejamos como ocorre cada uma delas:
A desapropriação-sanção do imóvel urbano é chamada de desapropriação urbanística sancio-
natória e está prevista no Art. 182, § 4º, III, da CF e nesse caso o ente que vai desapropriar deverá ser
o Município, que indenizará a pessoa que foi desapropriada por meio de títulos da dívida pública:
Art. 182, § 4º – É facultado ao Poder Público municipal, mediante lei específica para área incluída no
plano diretor, exigir, nos termos da lei federal, do proprietário do solo urbano não edificado, subutiliza-
do ou não utilizado, que promova seu adequado aproveitamento, sob pena, sucessivamente, de:
I – parcelamento ou edificação compulsórios;
II – imposto sobre a propriedade predial e territorial urbana progressivo no tempo;
III – desapropriação com pagamento mediante títulos da dívida pública de emissão previamente
aprovada pelo Senado Federal, com prazo de resgate de até dez anos, em parcelas anuais, iguais e su-
cessivas, assegurados o valor real da indenização e os juros legais. (grifo nosso)

A desapropriação-sanção do imóvel rural, chamada de desapropriação rural sancionatória,


está prevista no Art. 184 da Constituição, e se dá por interesse social para fins de reforma agrária, o
ente que deve desapropriar será a União, que indenizará em títulos da dívida agrária:
Art. 184. Compete à União desapropriar por interesse social, para fins de reforma agrária, o imóvel rural
que não esteja cumprindo sua função social, mediante prévia e justa indenização em títulos da dívida
agrária, com cláusula de preservação do valor real, resgatáveis no prazo de até vinte anos, a partir do
segundo ano de sua emissão, e cuja utilização será definida em lei. (grifo nosso)

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

Desapropriação confiscatória ou expropriação


Essa modalidade de desapropriação, ou apenas expropriação, ocorre quando a propriedade,
mais que violar a função social, acaba por ser utilizada para o cometimento de crimes. Nesse caso,
ocorrerá a desapropriação-confisco ou confiscatória, que tem caráter sancionatório, pois o proprie-
tário não será indenizado e encontra-se prevista no Art. 243 da CF:
Art. 243. As propriedades rurais e urbanas de qualquer região do País onde forem localizadas culturas
ilegais de plantas psicotrópicas ou a exploração de trabalho escravo na forma da lei serão expropriadas
e destinadas à reforma agrária e a programas de habitação popular, sem qualquer indenização ao pro-
prietário e sem prejuízo de outras sanções previstas em lei, observado, no que couber, o disposto no art. 5º.
Parágrafo único. Todo e qualquer bem de valor econômico apreendido em decorrência do tráfico ilícito
de entorpecentes e drogas afins e da exploração de trabalho escravo será confiscado e reverterá a fundo
especial com destinação específica, na forma da lei. (Redação da EC 81/2014)
Alguns autores não consideram a hipótese tratada no artigo 243 da CF como espécie de desapro-
priação, mas simplesmente como confisco (ex.: Pedro Lenza).
Incide tanto em propriedades urbanas quanto em áreas rurais, onde forem localizadas culturas
ilegais de plantas psicotrópicas ou a exploração de trabalho escravo.
A Lei 8.257/1991 regulamenta o procedimento de expropriação, que deve ser feita por meio de
uma ação judicial expropriatória.
As áreas deverão ser destinadas à reforma agrária ou a programas de habitação popular sem
direito à indenização para o proprietário e este poderá ainda ser processado pela prática de ilícito
penal.
Quanto à natureza da responsabilidade do proprietário, decidiu o STF que pode o proprietário
afastar a sua responsabilidade se demonstrar que não incorreu em culpa, ainda que in vigilando ou
in eligendo, ou seja, deve ser aplicada a responsabilidade subjetiva. (RE 635.336)
˃˃ in vigilando – falta de atenção com procedimento de outra pessoa.
˃˃ in eligendo – má escolha daquele a quem se confia a prática de um ato.
Cultivo ilegal de plantas psicotrópicas. Expropriação. Art. 243 da CF/88. Regime de responsabili-
dade. Emenda Constitucional 81/2014. Inexistência de mudança substancial na responsabilidade do
proprietário. Expropriação de caráter sancionatório. Confisco constitucional. Responsabilidade sub-
jetiva, com inversão de ônus da prova. Fixada a tese: “A expropriação prevista no art. 243 da CF pode
ser afastada, desde que o proprietário comprove que não incorreu em culpa, ainda que in vigilando ou
in eligendo”.
[RE 635.336, rel. min. Gilmar Mendes, j. 14-12-2016, P, DJE de 15-9-2017, tema 399.]

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

Requisição Administrativa
O inciso XXV do artigo 5º prevê a chamada Requisição Administrativa.
XXV – no caso de iminente perigo público, a autoridade competente poderá usar de propriedade parti-
cular, assegurada ao proprietário indenização ulterior, se houver dano;
A requisição é a ocupação ou uso temporário, por autoridades públicas, de bens ou serviços, no
caso de iminente perigo público.
Este instituto permite que o uso da propriedade seja limitado, em caráter temporário, pela ne-
cessidade de se solucionar situação de perigo público. Não se trata de uma forma de desapropriação,
pois o dono da propriedade requisitada não a perde, apenas a empresta para uso público sendo ga-
rantido posteriormente, em havendo dano, direito à indenização. É medida direta e autoexecutória,
pois não depende de acordo ou procedimento judicial.
Observa-se que se assegura ao particular uma indenização na hipótese de ocorrência de dano,
não se indeniza o mero uso da propriedade, mas tão somente o dano caso ocorra.
Ademais, a indenização será sempre posterior (ulterior) e nunca anterior, pois não há como se
antever o dano e a sua extensão.
Logo, pode-se afirmar que a requisição é compulsória e a cessão é gratuita.
A requisição pode ser civil ou militar. Militar, por exemplo em caso de conflito armado e civil,
por exemplo para evitar danos aos bens da coletividade.
Ressalta-se que durante o estado de sítio é possível também a requisição de bens.
Art. 139. Na vigência do estado de sítio decretado com fundamento no Art. 137, I, só poderão ser tomadas
contra as pessoas as seguintes medidas:
VII – requisição de bens.
Exercícios
01. O direito à propriedade é assegurado constitucionalmente, porém ela deverá atender à sua
função social.
Certo ( ) Errado ( )
02. O direito de propriedade é garantido pela Constituição Federal, de forma que para a constru-
ção de uma rodovia, determinado Estado da Federação pode lançar mão da desapropriação,
mediante justa e prévia indenização aos proprietários, direito que também consta do rol de
direitos individuais.
Certo ( ) Errado ( )
03. A desapropriação em casos de necessidade e utilidade pública ou interesse social exige prévia e
justa indenização em título da dívida pública.
Certo ( ) Errado ( )
04. O Art. 5º, XXV, da Constituição da República dispõe que “no caso de iminente perigo público,
a autoridade competente poderá usar de propriedade particular, assegurada ao proprietário
indenização ulterior, se houver dano”. Trata-se da modalidade de intervenção do Estado na
propriedade por meio da qual o poder público utiliza bens móveis, imóveis e serviços particu-
lares em situação de perigo público iminente, conhecida como requisição administrativa.
Certo ( ) Errado ( )
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

05. A Constituição da República prevê, como mecanismo atrelado ao cumprimento da função


social da propriedade, a desapropriação para fins de reforma agrária, mediante indenização
em títulos da dívida pública, de glebas em que localizadas culturas ilegais de plantas psicotró-
picas.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - Certo
02 - Certo
03 - Errado
04 - Certo
05 - Errado

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
7
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Constituição: Direitos e Deveres Individuais e Coletivos������������������������������������������������������������������������������2
Direito à Propriedade��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Impenhorabilidade do Bem de Família����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Propriedade Imaterial – Propriedade Intelectual�����������������������������������������������������������������������������������������������������2
Direito à Herança����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Direitos à Privacidade�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Vida Privada – Intimidade – Honra e Imagem���������������������������������������������������������������������������������������������������������3

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Constituição: Direitos e Deveres Individuais e Coletivos


Direito à Propriedade
Impenhorabilidade do Bem de Família
A Constituição, no Art. 5º, inciso XXVI, consagra uma forma de proteção à pequena propriedade
rural, chamada de bem de família, afirmando que ela não pode ser objeto de penhora para garantia
de dívidas, débitos decorrentes da atividade da propriedade. Vejamos:
XXVI – a pequena propriedade rural, assim definida em lei, desde que trabalhada pela família, não
será objeto de penhora para pagamento de débitos decorrentes de sua atividade produtiva, dispondo a
lei sobre os meios de financiar o seu desenvolvimento.
Cumpre observar que a proteção é para uma modalidade específica de propriedade, de modo que
para sua prova é preciso atentar aos requisitos estabelecidos no inciso, quais sejam:
˃˃ Pequena propriedade rural – a propriedade para ser impenhorável deve ser pequena e rural, não
se trata de qualquer propriedade.
˃˃ Trabalhada pela família – a propriedade deve ser explorada pelo agricultor e sua família, sem
empregados, ainda que seja possível a eventual ajuda de terceiros.
˃˃ Débitos decorrentes da atividade produtiva – para que a propriedade não seja penhorada, ne-
cessariamente o débito deve decorrer da atividade produtiva do imóvel rural.
Propriedade Imaterial – Propriedade Intelectual
Além das propriedades sobre bens materiais, a Constituição também consagra normas de
proteção sobre a propriedade de bens imateriais, intelectuais. A propriedade intelectual abrange: (i) a
propriedade autoral e (ii) a propriedade industrial.
PROPRIEDADE AUTORAL
A propriedade autoral encontra-se protegida nos incisos XXVII e XXVIII do artigo 5º:
XXVII – aos autores pertence o direito exclusivo de utilização, publicação ou reprodução de suas obras,
transmissível aos herdeiros pelo tempo que a lei fixar;
XXVIII – são assegurados, nos termos da lei:
a) a proteção às participações individuais em obras coletivas e à reprodução da imagem e voz
humanas, inclusive nas atividades desportivas;
b) o direito de fiscalização do aproveitamento econômico das obras que criarem ou de que participa-
rem aos criadores, aos intérpretes e às respectivas representações sindicais e associativas.
Os incisos em análise garantem ao autor exclusividade de direitos de utilização, publicação ou
reprodução de suas obras, transmissível aos herdeiros. A possibilidade de transmissão aos herdeiros
qualifica o direito autoral como sendo VITALÍCIO, contudo, após o falecimento do autor, o direito
é limitado pela Lei 9.610/981, para os herdeiros, que estabelece o prazo de 70 anos. Após esse prazo,
o direito cai em domínio público, podendo ser livremente explorado, ou seja, para o autor o direito
autoral é vitalício, mas após a sua morte, para os herdeiros, esse direito passa a ser temporário.
Ademais, caso o autor não tenha herdeiros, após o seu falecimento, o direito autoral pertencerá
ao domínio público2.
1 Art. 41. Os direitos patrimoniais do autor perduram por setenta anos contados de 1° de janeiro do ano subsequente ao de seu
falecimento, obedecida a ordem sucessória da lei civil.
Parágrafo único. Aplica-se às obras póstumas o prazo de proteção a que alude o caput deste artigo.
2 Art. 45. Além das obras em relação às quais decorreu o prazo de proteção aos direitos patrimoniais, pertencem ao domínio
público:
I – as de autores falecidos que não tenham deixado sucessores;
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Destaca-se a Súmula 386 do STF:


Pela execução de obra musical por artistas remunerados é devido direito autoral, não exigível quando a
orquestra for de amadores.
PROPRIEDADE INDUSTRIAL
Já a propriedade industrial encontra-se protegida no inciso XXIX:
XXIX – a lei assegurará aos autores de inventos industriais privilégio temporário para sua utiliza-
ção, bem como proteção às criações industriais, à propriedade das marcas, aos nomes de empresas e a
outros signos distintivos, tendo em vista o interesse social e o desenvolvimento tecnológico e econômico
do País.
Diferentemente do direito autoral, a propriedade industrial é um privilégio TEMPORÁRIO. A
lei a que se refere o artigo é a Lei 9.279/1996 e, de acordo com ela, o prazo do privilégio previsto na CF
pode variar de 7 a 20 anos.
Uma relação muito interessante entre a propriedade autoral e a industrial está no tempo de
proteção previsto na Constituição.
Cumpre observar que na propriedade autoral, o direito do autor é vitalício, tendo em vista a
previsão de possibilidade de transmissão desses direitos aos herdeiros. Contudo, quando nas mãos
dos sucessores, a proteção será pelo tempo que a lei fixar, ou seja, temporário. Já na propriedade in-
dustrial, a proteção do próprio autor já possui caráter temporário.
Direito à Herança
O direito à herança permite a transferência – sucessão – dos bens acumulados em vida aos her-
deiros.
A CF assegura esse direito de forma expressa:
XXX – é garantido o direito de herança;
XXXI – a sucessão de bens de estrangeiros situados no País será regulada pela lei brasileira em bene-
fício do cônjuge ou dos filhos brasileiros, sempre que não lhes seja mais favorável a lei pessoal do de
cujus.
O inciso XXXI prevê que em caso de sucessão, transmissão, de bens de estrangeiros situados no
Brasil, a regra é a da aplicação da lei brasileira. Contudo, existe a possibilidade de aplicação da lei
pessoal do estrangeiro falecido, ou seja, da lei estrangeira, quando essa lei for mais benéfica, mais
favorável, ao cônjuge e aos filhos brasileiros. Trata-se da garantia da lei sucessória mais benéfica.

Direitos à Privacidade
Alguns direitos elencados no Art. 5º da CF visam proteger diretamente a privacidade, a intimi-
dade das pessoas, podemos destacar: a inviolabilidade da intimidade, vida privada, honra e imagem
das pessoas; a inviolabilidade domiciliar; a inviolabilidade das correspondências e o sigilo das comu-
nicações.
Vida Privada – Intimidade – Honra e Imagem
Para proteger a privacidade (gênero), sem a interferência de curiosos, a CF assegura a inviolabili-
dade da intimidade, vida privada, honra e imagem das pessoas (espécies).
X – são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito
à indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação.
˃˃ Vida privada (privacidade): é um conceito mais amplo que a intimidade, englobando tudo o
que queremos que não seja do conhecimento geral, relações do indivíduo com o meio social.
Ex.: um relacionamento amoroso.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

˃˃ A intimidade: relacionada ao modo de ser da pessoa, compreende os segredos e as informações


confidenciais – autoestima, autoconfiança, sexualidade. Ex.: recordações pessoais, memórias e
diários, dentre outras coisas.
˃˃ Imagem: refere-se à captação e difusão sem consentimento da imagem da pessoa.
˃˃ Honra: reputação do indivíduo perante o meio social em que vive ou na estimação de si mesmo.
A violação desses direitos gera a possibilidade de indenização por dano moral e material de forma
CUMULATIVA. Vejamos o significado de cada um desses danos:
˃˃ O dano material é o prejuízo econômico que uma pessoa pode ter em virtude da violação da
sua intimidade, vida privada, honra e imagem.
˃˃ O dano moral é a angústia, o sofrimento, a dor que uma pessoa sente em virtude da violação
da sua intimidade, vida privada, honra e imagem. Ressalta-se que a publicação não consentida
de fotografia já viola o direito à imagem gerando dano moral, não se exige nesse caso ofensa
à reputação ou à honra do indivíduo; apenas o uso indevido da imagem já causa desconforto,
aborrecimento capaz de gerar dano moral.
→→ O Estado também pode ser condenado a indenizar, pelo dano moral, particular em decorrência
de ofensas praticadas pelos seus agentes.
→→ A indenização por danos morais decorrentes da violação da honra deve ser assegurada tanto para
pessoas físicas quanto jurídicas (honra objetiva).
→→ A proteção do direito à imagem é autônoma em relação ao direito à honra, ou seja, não precisa ter
violação à reputação da pessoa para ter violação à sua imagem.
Exercícios
01. O direito autoral sobre obras intelectuais cai em domínio público com o falecimento do autor,
ainda que ele deixe herdeiros.
Certo ( ) Errado ( )
02. A lei assegurará aos autores de inventos industriais privilégio temporário para sua utilização,
bem como proteção às criações industriais, à propriedade das marcas, aos nomes de empresas
e a outros signos distintivos, tendo em vista o interesse social e o desenvolvimento tecnológico
e econômico do País.
Certo ( ) Errado ( )
03. A pequena propriedade rural, desde que trabalhada pela família, usufrui de impenhorabilida-
de no que se refere ao pagamento dos débitos decorrentes de sua atividade produtiva.
Certo ( ) Errado ( )
04. Os direitos de propriedade e de herança não estão sujeitos a nenhum limite.
Certo ( ) Errado ( )
05. A pequena propriedade rural, assim definida em lei, não será objeto, em qualquer hipótese,
de penhora para pagamento de débitos decorrentes de sua atividade produtiva, dispondo a lei
sobre os meios de financiar o seu desenvolvimento.
Certo ( ) Errado ( )
06. Aos autores pertence o direito exclusivo de utilização, publicação ou reprodução de suas obras,
transmissível aos herdeiros pelo tempo que a lei fixar.
Certo ( ) Errado ( )
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

07. A garantia do direito de herança não se afigura como direito e garantia fundamental
Certo ( ) Errado ( )
08. A sucessão de bens de estrangeiros situados no País será sempre regulada pela lei brasileira em
benefício do cônjuge ou dos filhos brasileiros.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - Errado
02 - Certo
03 - Certo
04 - Errado
05 - Errado
06 - Certo
07 - Errado
08 - Errado

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Constituição: Direitos e Deveres Individuais e Coletivos������������������������������������������������������������������������������2
Direitos à Privacidade�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Inviolabilidade Domiciliar������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Sigilo de Correspondência e das Comunicações�������������������������������������������������������������������������������������������������������3

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Constituição: Direitos e Deveres Individuais e Coletivos


Direitos à Privacidade
Alguns direitos elencados no art. 5º da Constituição Federal visam proteger diretamente a priva-
cidade, a intimidade das pessoas, podemos destacar: a inviolabilidade da intimidade, vida privada,
honra e imagem das pessoas; a inviolabilidade domiciliar; a inviolabilidade das correspondências e o
sigilo das comunicações.
Inviolabilidade Domiciliar
Por meio dessa garantia, a CF visa proteger o indivíduo em seu domicilio, na sua casa.
Vejamos o que a Constituição dispõe:
XI – a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento do
morador, salvo em caso de flagrante delito ou desastre, ou para prestar socorro, ou, durante o dia, por
determinação judicial;
Como regra, só se pode entrar na casa de uma pessoa com o seu consentimento. Excepcional-
mente, a Constituição Federal admite a entrada sem consentimento do morador nos casos de:
→→ Flagrante delito
→→ Desastre
→→ Prestar socorro
→→ Determinação judicial, apenas durante o dia, trata-se de cláusula de reserva jurisdicional, ou
seja, apenas um juiz pode determinar a invasão domiciliar. Esse direito não se estende, portanto,
aos membros do Ministério Público e as CPI’s.
Contudo, no caso de determinação judicial, a entrada é autorizada apenas durante o dia, nos
demais casos a entrada é permitida a qualquer momento do dia ou da noite.
Quando a Constituição foi feita em 1988, a ideia originária era a proteção apenas da casa, do do-
micílio, do indivíduo. Contudo, a jurisprudência tem dado um sentido mais amplo ao CONCEITO
DE CASA, que deve ser entendido como sendo:
a) Qualquer compartimento privado, não aberto ao público, em que alguém exerce suas ativida-
des pessoais ou profissionais.
b) Qualquer compartimento habitado
c) Aposento de habitação coletiva.
Assim, o conceito de casa abrange não apenas a residência do indivíduo, mas também escritórios
profissionais, consultórios médicos, trailers, barcos, quarto de hotel.
Essa amplitude logicamente não abrange bares, restaurantes, uma vez que são locais abertos
ao público.
Outra questão relevante é saber: O QUE É DIA?
A doutrina é bastante controversa nesse ponto, para alguns, dia deve ser considerado o período
das 6h00h às 18h00. Para outros, dia é o período entre o alvorecer e o anoitecer. E para Alexandre
de Moraes, por exemplo, seria possível a invasão domiciliar com autorização judicial, após as 18:00
horas, desde que, ainda, não seja noite, como, por exemplo, nos estados em que é adotado o horário
de verão.
Para as provas, as bancas costumam usar as expressões dia e noite facilitando a vida do candida-
to, quando muito a banca informa o período em que se deve considerar como dia e noite.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Ressalta-se, ainda, a interpretação do STF a respeito da entrada forçada em domicílio, sem


mandado judicial, no caso de flagrante em decorrência de crime permanente, proferida no recurso
extraordinário 603616, que entende ser possível essa entrada a qualquer hora, inclusive à noite, desde
que haja fundadas razões que indiquem que dentro da casa existe uma situação de flagrante:
“A entrada forçada em domicílio sem mandado judicial só é lícita, mesmo em períodos noturno,
quando amparada em fundadas razões, devidamente justificadas a posteriori, que indiquem que
dentro da casa ocorre situação de flagrante delito, sob pena de responsabilidade disciplinar, civil e
penal do agente ou da autoridade e de nulidade dos atos praticados”
De forma excepcional, o STF entendeu válida a entrada em escritório profissional, por meio de
determinação judicial, durante a noite, para instalar escuta ambiental e exploração do local.
EMENTAS: (...) 8. PROVA. Criminal. ESCUTA AMBIENTAL E EXPLORAÇÃO DE LOCAL. Captação
de sinais óticos e acústicos. Escritório de advocacia. Ingresso da autoridade policial, no período noturno,
para instalação de equipamento. Medidas autorizadas por decisão judicial. Invasão de domicílio. Não
caracterização. Suspeita grave da prática de crime por advogado, no escritório, sob pretexto de exercício
da profissão. Situação não acobertada pela inviolabilidade constitucional. Inteligência do art. 5º, X e XI,
da CF, art. 150, § 4º, III, do CP, e art. 7º, II, da Lei nº 8.906/94. Preliminar rejeitada. Votos vencidos. Não
opera a inviolabilidade do escritório de advocacia, quando o próprio advogado seja suspeito da prática de
crime, sobretudo concebido e consumado no âmbito desse local de trabalho, sob pretexto de exercício da
profissão. (...)(Inq 2424 ED, Relator(a): Min. GILMAR MENDES, Tribunal Pleno, julgado em 19/08/2010,
DJe-203 DIVULG 20-10-2011 PUBLIC 21-10-2011 EMENT VOL-02612-01 PP-00014)
Lei do mosquito:
A lei federal 13.301/2016 – conhecida como lei do mosquito – dispõe sobre a adoção de medidas
de vigilância em saúde quando verificada situação de iminente perigo à saúde pública pela presença
do mosquito transmissor do vírus da dengue, do vírus chikungunya e do vírus da zika.
Dentre as medidas previstas nessa lei, está a possibilidade de entrada forçada em imóveis públicos
e particulares, no caso de situação de abandono, ausência ou recusa de pessoa que possa permitir o
acesso de agente público, regularmente designado e identificado, quando se mostre essencial para a
contenção das doenças (art. 1º § 1º, IV da lei), veja o dispositivo:
Art. 1º Na situação de iminente perigo à saúde pública pela presença do mosquito transmissor do vírus da
dengue, do vírus chikungunya e do vírus da zika, a autoridade máxima do Sistema Único de Saúde – SUS
de âmbito federal, estadual, distrital e municipal fica autorizada a determinar e executar as medidas
necessárias ao controle das doenças causadas pelos referidos vírus, nos termos da Lei no 8.080, de 19 de
setembro de 1990, e demais normas aplicáveis, enquanto perdurar a Emergência em Saúde Pública de Im-
portância Nacional – ESPIN.
§ 1º Entre as medidas que podem ser determinadas e executadas para a contenção das doenças causadas
pelos vírus de que trata o caput, destacam-se:
IV – ingresso forçado em imóveis públicos e particulares, no caso de situação de abandono, ausência ou
recusa de pessoa que possa permitir o acesso de agente público, regularmente designado e identificado,
quando se mostre essencial para a contenção das doenças.
De acordo com a doutrina, a referida lei não se mostra inconstitucional diante da relativização do
direito à inviolabilidade domiciliar em ponderação com o direito à vida e saúde.
Sigilo de Correspondência e das Comunicações
A CF protege dentro dos direitos à privacidade as correspondências e as comunicações dos indi-
víduos, nos seguintes termos:
XII – é inviolável o sigilo da correspondência e das comunicações telegráficas, de dados e das comuni-
cações telefônicas, salvo, no último caso, por ordem judicial, nas hipóteses e na forma que a lei estabele-
cer para fins de investigação criminal ou instrução processual penal;
Este dispositivo prevê quatro formas de comunicação, que possuem proteção constitucional:
Correspondência; Comunicação telegráfica; Comunicação de dados; Comunicações telefônicas.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Destas quatro formas de comunicação, apenas uma obteve autorização constitucional para
sua restrição: AS COMUNICAÇÕES TELEFÔNICAS. Por comunicações telefônicas entende-se o
conteúdo da conversa feita ao telefone durante o momento da sua realização. A violação dessa comu-
nicação se dá por meio da interceptação telefônica (grampos telefônicos).
Contudo, a autorização constitucional não é ampla, pois a própria CF estabelece como requisito
que a restrição dessa comunicação seja determinada apenas por meio de uma decisão judicial fun-
damentada, ou seja, apenas um juiz, poderá determinar a violação dessa forma de comunicação,
tratando-se de cláusula de reserva jurisdicional.
Ademais, o juiz só poderá determinar a quebra das comunicações telefônicas para fins de inves-
tigação criminal ou instrução processual penal e nos estritos termos da lei (lei. 9296/96) – (reserva
legal qualificada), é dizer quenão pode ser determinada a quebra das comunicações telefônicas para
investigação administrativa, em uma ação de natureza civil, ou mesmo em um processo de extradição1.
Contudo, tal fato não impede que as provas obtidas, por meio da interceptação telefônica, devi-
damente autorizadas em investigação criminal ou em instrução processual penal, sejam posterior-
mente emprestadas para instruir processo administrativo.
Entretanto, entende-se que nenhuma liberdade individual é absoluta, sendo possível, respeita-
dos certos parâmetros, a interceptação das correspondências e comunicações telegráficas e de dados
sempre que as liberdades públicas estiverem sendo utilizadas como instrumentos para práticas
ilícitas, ou seja, quando o exercício desse direito estiver em conflito com outros direitos fundamen-
tais, como, por exemplo, o direito à vida.
Assim, vamos analisar os principais pontos a respeito dessas formas de comunicação.
CORRESPONDÊNCIA: em regra inviolável, contudo, como já ressaltado, não existe direito
absoluto, nem mesmo a correspondência de um indivíduo, dessa forma, se a carta de um seques-
trador for interceptada pela família da vítima, por exemplo, o sequestrador não vai poder alegar que
houve a violação ao sigilo de suas correspondências, pois o direito não pode ser utilizado para asse-
gurar o exercício de prática ilícitas.
Ademais, de acordo com a Lei de Execução Penal em seu art. 41, parágrafo único2o diretor do
estabelecimento prisional pode interceptar a correspondência de preso, em decisão motivada. Tal
possibilidade portanto é medida excepcional e já foi acolhida pelo STF.3
Tem se entendido também pela possibilidade de quebra do sigilo de correspondência por deter-
minação judicial, sempre que em conflito com outros direitos fundamentais, ponderando-se a sua
necessidade no caso concreto.
Ademais, a CF permite a restrição do sigilo de correspondência nas hipóteses de decretação de
estado de defesa e estado de sítio (art. 136 § 1º, I, b e art. 139, III da CF/88).
Outrossim, a correspondência é considerada sigilosa enquanto estiver fechada, assim, na hipótese
de apreensão de uma carta aberta pela polícia em cumprimento a determinado mandado judicial,
não haverá quebra de sigilo de correspondência.
COMUNICAÇÕES TELEGRÁFICAS: em regra inviolável, podendo ser restringida no Estado
de defesa e estado de sítio, ou por ordem judicial em um caso concreto.
1 EEXT 1.021. Min. Celso de Mello, 06.03.2007
2 LEP – Art. 41 – Constituem direitos do preso: XV – contato com o mundo exterior por meio de correspondência escrita, da leitura e de
outros meios de informação que não comprometam a moral e os bons costumes. Parágrafo único. Os direitos previstos nos incisos V, X e XV
poderão ser suspensos ou restringidos mediante ato motivado do diretor do estabelecimento.
3 STF – HC 70.814-5 – Min. Celso de Mello.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

COMUNICAÇÃO DE DADOS 4: por comunicação de dados, entende-se os dados bancários,


fiscais, informáticos e telefônicos. De acordo com o STF, a proteção constitucional refere-se a co-
municação desses dados e não dos dados em si, por esse motivo entendeu que a apreensão do disco
rígido (HD) de um computador não configura quebra de sigilo da comunicação de dados, pois o que
fora apreendido são os dados em si e não a sua comunicação5.
A jurisprudência tem permitido sua quebra por determinação judicial e por determinação de
COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO.
→→ Dados bancários:
O STF, ao julgar cinco processos que questionavam a constitucionalidade da LC 105/2001, garantiu
ao Fisco – autoridade tributária – acesso aos dados bancários dos contribuintes sem necessidade de
autorização judicial, quando houver processo administrativo instaurado ou procedimento fiscal em
curso, entendendo não se tratar de quebra de sigilo, mas de transferência de informações sigilosas.
Merece destaque a seguinte jurisprudência:
Não é cabível, em sede de inquérito, encaminhar à Receita Federal informações bancárias obtidas
por meio de requisição judicial quando o delito investigado for de natureza diversa daquele apurado pelo
fisco. Ademais, a autoridade fiscal, em sede de procedimento administrativo, pode utilizar-se da faculda-
de insculpida no art. 6º da LC 105/2001, do que resulta desnecessário o compartilhamento in casu.
[Inq 2.593 AgR, rel. min. Ricardo Lewandowski, j. 9-12-2010, P, DJE de 15-2-2011.]
Dessa forma, o Ministério Público não tem competência (legitimidade) para determinar a
quebra de sigilo de dados bancários de entes privados. Em um único caso, o STF entendeu pela
legitimidade do MP para determinar a quebra dos dados bancários de entidade pública, em procedi-
mento investigativo que visava à defesa do patrimônio público – emprego indevido de verba pública.
→→ Dados telefônicos ou sigilo telefônico
Importante ainda é diferenciar o sigilo das comunicações telefônicas, com o sigilo de dados/registros
telefônicos. As comunicações telefônicas referem-se ao conteúdo da conversa feita ao telefone durante o
momento da sua realização, enquanto que os dados telefônicos se referem aos registros das chamadas,
duração de chamada e números discados constantes dos registros das operadoras de telefone.
COMUNICAÇÕES TELEFÔNICAS, importante diferenciarmos as interceptações telefônicas,
das escutas telefônicas, da gravação telefônica.
INTERCEPTAÇÃO TELEFÔNICA: é a captação e gravação da conversa telefônica, no mesmo
momento em que ela se realiza, por terceira pessoa sem o conhecimento de qualquer dos interlocuto-
res, é a forma de comunicação protegida pela CF e depende de 3 requisitos:
→→ Ordem Judicial;
→→ Para fins de Investigação criminal ou instrução processual penal;
→→ Nas hipóteses e na forma que a lei estabelecer.
ESCUTA TELEFÔNICA: A escuta telefônica é a captação de conversas feitas por um terceiro,
com o conhecimento de apenas um dos interlocutores.
A GRAVAÇÃO TELEFÔNICA: A gravação é a captação da conversa por um dos interlocutores,
sem consentimento ou ciência do outro.
4 Quanto ao TCU – MS 22801; AUTORIDADE FAZENDÁRIA: RE 389808; MINISTÉRIO PÚBLICO: MS 160646
5 (RE 418416, Relator(a): Min. SEPÚLVEDA PERTENCE, Tribunal Pleno, julgado em 10/05/2006, DJ 19-12-2006 PP-00037
EMENT VOL-02261-06 PP-01233)
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

Para a doutrina de Vicente Paulo e Marcelo Alexandrino, a escuta e a gravação telefônica, por
não serem formas de interceptação, não precisam de autorização judicial e podem, a depender do
caso concreto, serem utilizadas de forma lícita em um processo:
“A relevância de tal distinção é que a escuta e a gravação telefônicas – por não constituírem intercepta-
ção telefônica em sentido estrito – não se sujeitam a inarredável necessidade de ordem judicial prévia
(…)”(Direito Constitucional Descomplicado, pg. 139)
Contudo, a doutrina processual penal defende que há necessidade de autorização judicial apenas
para a escuta telefônica, uma vez que a gravação telefônica, aquela realizada por um dos interlocu-
tores, de acordo com o STF6, quando AUSENTE CAUSA LEGAL DE SIGILO ou de RESERVA DA
CONVERSAÇÃO, não depende de autorização judicial.
EMENTA: AÇÃO PENAL. Prova. Gravação ambiental. Realização por um dos interlocutores sem co-
nhecimento do outro. Validade. Jurisprudência reafirmada. Repercussão geral reconhecida. Recurso ex-
traordinário provido. Aplicação do art. 543-B, § 3º, do CPC. É lícita a prova consistente em gravação
ambiental realizada por um dos interlocutores sem conhecimento do outro.
(RE-QO-RG 583937, Relator(a): Min. CEZAR PELUSO, julgado em 19/11/2009, publicado em 18/12/2009)
CONSTITUCIONAL. PROCESSO CIVIL AGRAVO REGIMENTAL EM AGRAVO DE INSTRUMEN-
TO. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MATERIAIS E MORAIS. GRAVAÇÃO. CONVERSA TE-
LEFÔNICA FEITA POR UM DOS INTERLOCUTORES, SEM CONHECIMENTO DO OUTRO. INE-
XISTÊNCIA DE CAUSA LEGAL DE SIGILO OU DE RESERVA DE CONVERSAÇÃO. LICITUDE DA
PROVA. ART. 5º, XII e LVI, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL. 1. A gravação de conversa telefônica feita
por um dos interlocutores, sem conhecimento do outro, quando ausente causa legal de sigilo ou de reserva
da conversação não é considerada prova ilícita. Precedentes. 2. Agravo regimental improvido.
(AI 578858 AgR, Relator(a): Min. ELLEN GRACIE, Segunda Turma, julgado em 04/08/2009, DJe-162
DIVULG 27-08-2009 PUBLIC 28-08-2009 EMENT VOL-02371-08 PP-01674 RTJ VOL-00211-01
PP-00561 RDDP n. 80, 2009, p. 150-151)
Essa regra, entretanto, não se aplica quando se tratar de gravação de conversa informal entre os
policiais e o réu ou investigado, em respeito ao direito do preso de permanecer em silêncio.
DIREITO PROCESSUAL PENAL. ILICITUDE DE PROVA. GRAVAÇÃO SEM O CONHECIMENTO
DO ACUSADO. VIOLAÇÃO DO DIREITO AO SILÊNCIO.
É ilícita a gravação de conversa informal entre os policiais e o conduzido ocorrida quando da lavratura
do auto de prisão em flagrante, se não houver prévia comunicação do direito de permanecer em silêncio.
O direito de o indiciado permanecer em silêncio, na fase policial, não pode ser relativizado em função do
dever-poder do Estado de exercer a investigação criminal. Ainda que formalmente seja consignado, no
auto de prisão em flagrante, que o indiciado exerceu o direito de permanecer calado, evidencia ofensa ao
direito constitucionalmente assegurado (art. 5º, LXIII) se não lhe foi avisada previamente, por ocasião
de diálogo gravado com os policiais, a existência desse direito. HC 244.977-SC, Rel. Min. Sebastião Reis
Júnior, julgado em 25/9/2012.
É ainda possível se falar na restrição das comunicações no estado de defesa e no estado de sítio:
Art. 136. O Presidente da República pode, ouvidos o Conselho da República e o Conselho de Defesa
Nacional, decretar estado de defesa para preservar ou prontamente restabelecer, em locais restritos e de-
terminados, a ordem pública ou a paz social ameaçadas por grave e iminente instabilidade institucional
ou atingidas por calamidades de grandes proporções na natureza.
§ 1º O decreto que instituir o estado de defesa determinará o tempo de sua duração, especificará as
áreas a serem abrangidas e indicará, nos termos e limites da lei, as medidas coercitivas a vigorarem,
dentre as seguintes:
I – restrições aos direitos de:
b) sigilo de correspondência;
c) sigilo de comunicação telegráfica e telefônica;

6 RE-QO-RG 583937, Relator(a): Min. CEZAR PELUSO, julgado em 19/11/2009, publicado em 18/12/2009
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

Art. 139. Na vigência do estado de sítio decretado com fundamento no art. 137, I, só poderão ser tomadas
contra as pessoas as seguintes medidas:
III – restrições relativas à inviolabilidade da correspondência, ao sigilo das comunicações, à presta-
ção de informações e à liberdade de imprensa, radiodifusão e televisão, na forma da lei;
Exercício
01. A proteção constitucional à inviolabilidade domiciliar há que ser entendida restritivamen-
te aos conceitos de residência e domicílio, não devendo, portanto, ser estendido a locais não
abertos ao público no qual a pessoa exerça sua profissão ou atividade.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - Errado

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
7
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Direitos e Garantias Individuais e Coletivos����������������������������������������������������������������������������������������������������2
Direitos de Segurança – Garantias Individuais�������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Conceito�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Princípio da Segurança nas Relações Jurídicas – Irretroatividade da Lei������������������������������������������������������������������2
Direito Adquirido���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Ato Jurídico Perfeito�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Coisa Julgada�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Devido Processo Legal������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Princípio da Proporcionalidade ou Razoabilidade���������������������������������������������������������������������������������������������������4
Contraditório e Ampla Defesa�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Duplo Grau de Jurisdição���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Assistência Judiciária Gratuita����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Direitos e Garantias Individuais e Coletivos


Direitos de Segurança – Garantias Individuais
Conceito
A CF assegura de forma genérica o direito à segurança no caput do seu Art. 5º. A segurança a que
se refere a Constituição não é a segurança pública (polícia), mas sim a segurança nas relações jurí-
dicas, sejam elas de natureza processual ou não. São também chamadas de garantias individuais.
Essas garantias podem estar relacionadas: (i) à segurança jurídica; (ii) a garantias de natureza penal;
(iii) a garantias de natureza processual.

Princípio da Segurança nas Relações Jurídicas – Irretroatividade da Lei


Esse princípio tem como objetivo garantir a estabilidade das relações jurídicas, impedindo que o
Estado adote leis retroativas em prejuízo dos indivíduos. A referida regra se aplica a todo e qualquer
ato normativo infraconstitucional, ou seja, uma lei ordinária, complementar, de ordem pública ou
dispositiva1. Vejamos o que diz a Constituição:
XXXVI – a lei não prejudicará o direito adquirido, o ato jurídico perfeito e a coisa julgada;
Em linhas gerais, podemos assim conceituar os três institutos mencionados:
Direito Adquirido
˃˃ Direito Adquirido: é o direito já incorporado ao patrimônio do titular, ou seja, se um indivíduo
preenche todos os requisitos para a aquisição de um determinado direito sob a vigência de uma
lei, caso uma lei posterior altere esse direito, em prejuízo do indivíduo, essa lei nova não poderá
retirar-lhe o direito, então adquirido. Destaca-se que o direito não precisa ter sido exercido
para ser considerado como adquirido.
Não se deve confundir as hipóteses de direito adquirido com expectativa de direito, esta se refere
à possibilidade de adquirir um determinado direito previsto em lei, enquanto aquela é a aquisição
efetiva do direito por meio da implementação de todos os requisitos legais vigentes.
O STF entende não existir direito adquirido nas seguintes situações:
a) Uma nova Constituição – Poder Constituinte originário. Obs.: tem direito adquirido em face
de emenda constitucional.
b) Mudança de moeda – padrão monetário.
c) Criação ou aumento de tributos.
d) Mudança de regime jurídico-estatutário.
→→ CUIDADO: a respeito de vantagens pessoais adquiridas por servidores públicos, já decidiu o STF
que a revogação por lei posterior viola o direito adquirido:
EMENTA: AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO. ADMINISTRATIVO. QUIN-
QUÊNIO. LEI NOVA. EXTINÇÃO DO ADICIONAL POR TEMPO DE SERVIÇO. DIREITO ADQUIRI-
DO. PRECEDENTES. 1. O Supremo Tribunal Federal fixou entendimento no sentido de que a lei nova
não pode revogar vantagem pessoal já incorporada ao patrimônio do servidor sob pena de ofensa ao
direito adquirido. 2. A verificação, no caso concreto, da ocorrência, ou não, de violação do direito adqui-
rido, do ato jurídico perfeito e da coisa julgada situa-se no campo infraconstitucional. Agravo regimental
a que se nega provimento.
(AI 762863 AgR, Relator(a): Min. EROS GRAU, Segunda Turma, julgado em 20/10/2009, DJe-213
DIVULG 12-11-2009 PUBLIC 13-11-2009 EMENT VOL-02382-11 PP-02240)

1 RE 204.769/RS.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Imaginemos que um servidor tenha tomado posse no dia 1° de janeiro de 2017, e nessa data estava
vigente a Lei A, que estabelecia um adicional por tempo de serviço de 0,5% do vencimento para
cada ano de efetivo exercício, e que em outubro de 2017 foi publicada a lei B, revogando a referida
vantagem. Nesse caso, não poderá o servidor invocar o direito adquirido para manter o regime
jurídico existente na data da sua posse, entretanto, se o servidor já tivesse completado um ano faria
jus ao benefício apenas daquele ano, uma vez que o direito já teria sido incorporado ao seu patri-
mônio. Contudo, não fará jus ao benefício cumulativo nos anos seguintes, como previa a lei que foi
revogada.
Ato Jurídico Perfeito
É aquele ato, que no momento da sua realização, preencheu todos os requisitos formais necessá-
rios exigidos pela lei vigente, não podendo dessa forma ser prejudicado por uma lei posterior. É um
complemento ao direito adquirido, vale dizer, o ato jurídico perfeito está compreendido no direito
adquirido, isso porque não existe direito adquirido se não for decorrente de um ato jurídico perfeito.
Coisa Julgada
A coisa julgada acontece quando uma decisão judicial transita em julgado, ou seja, não comporta
mais recurso, tornando-se imutável. A lei, dessa forma, não poderá violar uma decisão judicial
transitada em julgado, pois ela estará protegida pela coisa julgada. A coisa julgada classifica-se
em material e formal. É material, quando a decisão torna-se efetivamente imutável em qualquer
processo, e formal, quando no processo não comporta mais recurso.
A respeito do dispositivo constitucional, destacamos a Súmula 654 do STF:
A garantia da irretroatividade da lei, prevista no art. 5º, XXXVI, da CF, não é invocável pela entidade
estatal que a tenha editado. [Súmula 654.]
Ademais, a regra da irretroatividade é relativizada no âmbito penal, uma vez que a lei penal mais
benéfica para o réu poderá retroagir.
Art. 5º. XL – a lei penal não retroagirá, salvo para beneficiar o réu.

Devido Processo Legal


O devido processo legal é um princípio comum a todas as demais garantias relacionadas à efeti-
vação da justiça; surge como uma defesa dos indivíduos contra os abusos do Estado, impondo a ele
um limite ao seu poder, condicionando a restrição da liberdade de alguém ou a privação de seus bens
à existência de um procedimento legalmente estabelecido, no qual se respeitem todos os direitos e
garantias processuais previstos na CF e na lei. É o que diz o inciso LIV do artigo 5º:
LIV – ninguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o devido processo legal.
A exigência constitucional do devido processo legal aplica-se aos processos em geral, ou seja,
tanto aos processos judiciais quanto aos processos administrativos.
Esse direito/princípio possui dois sentidos (acepções):
˃˃ Acepção processual (formal) que garante aos indivíduos o direito de ter um julgamento adequado
de acordo com um procedimento previamente estabelecido. Essa acepção tem como principal desti-
natário o juiz, que deverá observar as regras processuais na condução do processo.
˃˃ Acepção substancial (material) está ligada a ideia de se assegurar um processo justo e adequado,
pautado pelos critérios da justiça, da razoabilidade e da proporcionalidade.
Por exemplo: um processo judicial que respeite todos os ritos processuais previamente estabele-
cidos, mas que perdure por trinta anos, pode até ter respeitado o aspecto formal do devido processo
legal, mas certamente violou a sua acepção material, pois um processo que se arraste por tanto tempo
certamente não é um processo justo, razoável e muito menos adequado.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Desse princípio surgem diversas outras garantias constitucionais, como: a garantia à proporcio-
nalidade e razoabilidade; o contraditório e a ampla defesa que serão analisados a seguir.
Princípio da Proporcionalidade ou Razoabilidade
O princípio da razoabilidade ou proporcionalidade é uma garantia processual que NÃO está
expressa na Constituição, tratando-se, portanto, de um princípio implícito, mas extremamente im-
portante para a efetivação do devido processo legal.
Esse princípio relaciona-se à ideia de necessidade e adequação, tanto no processo judicial quanto
na esfera administrativa. São utilizados como parâmetro de ponderação quando adotadas medidas
pelo Estado, principalmente no que tange à restrição de bens e direitos dos indivíduos.

Contraditório e Ampla Defesa


O contraditório e a ampla defesa são garantias de natureza processual asseguradas aos litigantes,
tanto no processo judicial quanto administrativo e decorrem do exercício do Devido Processo Legal,
aliás, só se atenderá ao devido processo legal, caso sejam assegurados o contraditório e a ampla
defesa. Vejamos a disposição do texto constitucional:
LV – aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral são assegurados o
contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes.
Contraditório é o direito de tomar conhecimento e contradizer, contrariar, contraditar o que lhe
foi imputado.
Já a Ampla Defesa é a possibilidade de, no exercício do direito de defesa, utilizar-se de todos os
meios de prova admitidos em direito.
Em regra, o contraditório e a ampla defesa são garantidos em todos os processos judiciais ou
administrativos. Contudo, a legislação brasileira previu alguns procedimentos administrativos,
que em virtude de sua natureza meramente investigatória, são incompatíveis com o exercício desses
direitos, são eles:
˃˃ inquérito policial;
˃˃ inquérito civil;
˃˃ sindicância investigativa.
Em suma, nos referidos procedimentos investigatórios, uma vez que eles não têm o condão de
punir o investigado, não serão garantidos o contraditório e a ampla defesa.
CUIDADO com a Súmula 14 do STF
SV nº 14 – É direito do defensor, no interesse do representado, ter acesso amplo aos elementos de prova
que, já documentados em procedimento investigatório realizado por órgão com competência de polícia
judiciária, digam respeito ao exercício do direito de defesa.
Essa súmula assegura ao advogado regularmente constituído pelo indiciado o direito de pleno
acesso ao inquérito, mesmo que sujeito a regime de sigilo, desde que se trate de provas já produzi-
das e formalmente incorporadas ao procedimento investigatório. Dessa forma, o advogado não terá
acesso apenas àquelas informações e providências tomadas no inquérito que ainda não foram docu-
mentadas.
→→ Atente para outras Súmulas Vinculantes do Supremo Tribunal Federal que versam sobre este tema:
SV nº 3 – Nos processos perante o Tribunal de Contas da União asseguram-se o contraditório e a ampla
defesa quando da decisão puder resultar anulação ou revogação de ato administrativo que beneficie o
interessado, excetuada a apreciação da legalidade do ato de concessão inicial de aposentadoria, reforma
e pensão.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

SV nº 5 – A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a
Constituição.
SV nº 21 – É inconstitucional a exigência de depósito ou arrolamento prévios de dinheiro ou bens para
admissibilidade de recurso administrativo. (grifo nosso)

Duplo Grau de Jurisdição


Duplo grau de jurisdição seria a necessidade de se estabelecer a possibilidade de uma causa ser
reapreciada por outro órgão, ou seja, de existir pelo menos duas instâncias.
De acordo com a posição atual do STF, o princípio do duplo grau de jurisdição não é uma
garantia constitucional, pois a CF estabelece competências originárias para julgar algumas autori-
dades, como instância única2.
Apesar de não estar previsto na CF, é uma garantia prevista no Pacto de San José da Costa Rica:
O acesso à instância recursal superior consubstancia direito que se encontra incorporado ao sistema
pátrio de direitos e garantias fundamentais. Ainda que não se empreste dignidade constitucional
ao duplo grau de jurisdição, trata-se de garantia prevista na Convenção Interamericana de Direitos
Humanos, cuja ratificação pelo Brasil deu-se em 1992, data posterior à promulgação do CPP. A incor-
poração posterior ao ordenamento brasileiro de regra prevista em tratado internacional tem o condão
de modificar a legislação ordinária que lhe é anterior.
[HC 88.420 , rel. min. Ricardo Lewandowski, j. 17-4-2007, 1ª T, DJ de 8-6-2007.

Assistência Judiciária Gratuita


Para se assegurar a efetividade do acesso à Justiça, a CF assegurou a assistência judiciária integral
e gratuita àqueles que comprovarem insuficiência de recursos, ou seja, comprovarem a sua hipossu-
ficiência.
Esse benefício inclui os honorários de advogado e de perito.
Em decorrência disso, decidiu o STF3 que o Estado deverá custear o exame de DNA para aqueles
beneficiários da justiça gratuita.
LXXIV – o Estado prestará assistência jurídica integral e gratuita aos que comprovarem insuficiência
de recursos.
Esse direito constitucional deve ser assegurado por meio das defensorias públicas.
Exercícios
01. O direito adquirido, entendido como aquele que já se incorporou ao patrimônio do seu titular,
não poderá ser prejudicado por lei posterior.
Certo ( ) Errado ( )
02. Nos processos judiciais, são assegurados aos litigantes os direitos fundamentais do contra-
ditório e da ampla defesa. Entretanto, diante do princípio da autotutela administrativa, essa
garantia é inaplicável aos processos administrativos.
Certo ( ) Errado ( )

2 O duplo grau não é absoluto no âmbito jurisdicional. Desse modo, a previsão legal de instância única no contencioso admi-
nistrativo não viola o alegado direito ao mencionado instituto.
[RE 794.149 AgR, rel. min. Dias Toffoli, j. 18-11-2014, 1ª T, DJE de 4-12-2014.]
3 Reconhecimento, pelas Turmas desta Corte, da obrigatoriedade do custeio do exame de DNA pelo Estado-Membro, em
favor de hipossuficientes. O custeio do exame pericial da justiça gratuita viabiliza o efetivo exercício do direto à assistência judiciá-
ria, consagrado no Art. 5º, LXXIV, da CF/1988.
[ADI 3.394, rel. min. Eros Grau, j. 2-4-2007, P, DJE de 15-8-2008.] = RE 207.732, rel. min. Ellen Gracie, j. 11-6-2002, 1ª T, DJ de
2-8-2002
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

03. Os direitos adquiridos sob a égide de Constituição anterior, ainda que sejam incompatíveis
com a Constituição atual, devem ser respeitados, dada a previsão do respeito ao direito adqui-
rido no próprio texto da CF.
Certo ( ) Errado ( )
04. Entidade estatal que editar determinada lei poderá invocar a garantia da irretroatividade para
assegurar que a referida norma não prejudique ato jurídico perfeito, direito adquirido e coisa
julgada.
Certo ( ) Errado ( )
05. Nos processos perante o TCU, asseguram-se o contraditório e a ampla defesa quando da
decisão puder resultar anulação ou revogação de ato administrativo que beneficie o interessa-
do, excetuada a apreciação da legalidade do ato de concessão inicial de aposentadoria, reforma
e pensão.
Certo ( ) Errado ( )
06. O duplo grau de jurisdição consubstancia garantia constitucional.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - Certo
02 - Errado
03 - Errado
04 - Errado
05 - Certo
06 - Errado
Referências Bibliográficas
BRASIL. Constituição Federal.
CANOTILHO, J.J. GOMES e outros. Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2014.
LENZA, Pedro. Direito Constitucional. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Atlas, 2014.
NOVELINO, Marcelo. Curso de Direito Constitucional. 11. ed. Salvador: JusPodivm, 2016.
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Constitucional descomplicado. 15 ed. São
Paulo: Método, 2016.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Direitos e Garantias Individuais e Coletivos����������������������������������������������������������������������������������������������������2
Direitos de Segurança – Garantias Individuais�������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Direito de Petição e Certidões�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Princípio da Inafastabilidade da Jurisdição��������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Juiz Natural��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Princípio do Promotor Natural����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Gratuidade das Certidões de Nascimento e de Óbito�����������������������������������������������������������������������������������������������4
Defesa do Consumidor�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Direitos e Garantias Individuais e Coletivos


Direitos de Segurança – Garantias Individuais
Direito de Petição e Certidões
XXXIV – são a todos assegurados, independentemente do pagamento de taxas:
a) o direito de petição aos Poderes Públicos em defesa de direitos ou contra ilegalidade ou abuso de
poder;
b) a obtenção de certidões em repartições públicas, para defesa de direitos e esclarecimento de situa-
ções de interesse pessoal; (grifo nosso)
A CF assegura independentemente do pagamento de taxas dois direitos, que são verdadeiros
remédios administrativos: (i) direito de petição e o (ii) de obtenção de certidões.
O direito de petição é uma garantia dada aos indivíduos para que eles possam, em interesse
próprio ou coletivo ou geral, realizar duas coisas:
˃˃ a) levar ao conhecimento dos Poderes Públicos uma situação de ilegalidade ou abuso de poder;
˃˃ b) para defesa de direitos contra o próprio Estado.
Trata-se de um direito universal, na medida em que qualquer pessoa pode utilizá-lo (nacional,
estrangeira, física ou jurídica), sem a necessidade de advogado.
É exemplo de direito de petição o direito de obter vista ou cópia de processos.
ATENÇÃO: não confundir com direito de ação.
O direito de certidão serve também para a defesa de direitos, contudo sua finalidade é para es-
clarecimento de situações de interesse pessoal do requerente.
É preciso demonstrar a finalidade da certidão? DIVERGÊNCIA!
Posição dominante – não precisa demonstrar a finalidade.
Caso o direito de petição ou o de certidão sejam violados, por ilegalidade ou abuso de poder o
remédio constitucional cabível é o Mandado de Segurança.
Princípio da Inafastabilidade da Jurisdição
Este princípio, também conhecido como Princípio do Livre Acesso ao Poder Judiciário ou
Direito de Ação, garante às pessoas, físicas ou jurídicas, o acesso direto ao Poder Judiciário, sempre
que alguém se sentir ameaçado ou tiver lesionado o seu direito.
Assim prevê a Constituição Federal:
XXXV – a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito;
Convém perceber que a proteção possui sentido duplo: lesão ou ameaça a direitos. Significa dizer
que a garantia pode ser utilizada tanto de forma preventiva como de forma repressiva, tanto para
prevenir a ofensa a direito como para reprimir a ofensa já cometida.
Contudo, nem todas as controvérsias podem ser submetidas à apreciação do Poder Judiciário,
como, por exemplo: a decisão do Senado no processo de impeachment; o mérito administrativo; as
decisões privativas das Casas Legislativas, aqueles atos interna corporis.
Também decorre deste princípio a ideia de que não é necessário o esgotamento das vias adminis-
trativas para ingressar com uma demanda no Poder Judiciário, uma vez que como regra, não existe a
chamada “instância administrativa de cunho forçado” ou “jurisdição condicionada”.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Quanto ao acesso ao Judiciário independente do esgotamento das vias administrativas, temos


algumas circunstâncias em que se exige o esgotamento das instâncias administrativas ou pelo menos
a utilização inicial delas, vejamos:
˃˃ Justiça Desportiva – para que se admita no Poder Judiciário uma ação relativa às competições
desportivas, é preciso o esgotamento da instância administrativa junto à Justiça Desportiva. É o
que prevê o Art. 217, § 1º, da CF:
Art. 217, § 1º – O Poder Judiciário só admitirá ações relativas à disciplina e às competições desportivas
após esgotarem-se as instâncias da justiça desportiva, regulada em lei.
˃˃ Compromisso arbitral – A Lei 9.307/96 prevê que as partes, quando em discussão patrimo-
nial, poderão optar pela arbitragem como forma de resolução de conflito. Nesse caso, a discus-
são nem poderá ser levada a conhecimento do juiz, que deverá extinguir o processo sem nem
analisar o mérito.
˃˃ Habeas data – O artigo 8º da Lei 9.507/97 exige, para impetração do habeas data, a compro-
vação da recusa ao acesso à informação. Nesse caso, não é preciso aguardar o esgotamento da
instância administrativa, apenas o requerimento administrativo já é suficiente para autorizar o
ajuizamento da Ação Judicial. Vejamos a súmula nº 2 do STJ:
Não cabe habeas data se não houve recusa de informações por parte da autoridade administrati-
va.
˃˃ Reclamação: só é cabível reclamação ao STF em face de ato administrativo ou de omissão da
Administração Pública que contrarie súmula vinculante, após o esgotamento das instâncias
administrativas. Lei 11.417/2006
˃˃ Benefício previdenciário: ação judicial requerendo a concessão de benefício previdenciário.
O requerimento de benefício previdenciário deve ser feito ao INSS, pela via administrativa.
Segundo o STF, só depois da requisição administrativa é que se admite que seja ajuizada ação
judicial requerendo a concessão de benefício previdenciário.
Destaca-se ainda a orientação do STF no sentido de entender como sendo inconstitucional, por
violar o livre acesso ao Poder Judiciário, o cálculo do valor da taxa judiciária sem limite sobre o valor
da causa.
Viola a garantia constitucional de acesso à jurisdição a taxa judiciária calculada sem limite sobre
o valor da causa.
[Súmula 667.]
E, ainda, de acordo com a súmula vinculante 28:
É inconstitucional a exigência de depósito prévio como requisito de admissibilidade de ação
judicial na qual se pretenda discutir a exigibilidade de crédito tributário.
Juiz Natural
A imparcialidade do Poder Judiciário e a segurança do povo contra o arbítrio estatal são garan-
tidas pelo princípio do juiz natural ou juiz legal, previsto em dois incisos do Art. 5º da CF, vejamos:
LIII – ninguém será processado nem sentenciado senão pela autoridade competente;
XXXVII – não haverá juízo ou tribunal de exceção;
Significa dizer que em um processo, seja ele judicial ou administrativo, só será válida a decisão
proferida por quem detenha competência para tanto. Por exemplo: sendo um processo de natureza
penal, quem deverá proferir sentença será o juiz da vara criminal, não podendo ser o juiz da Justiça
do Trabalho, pois esse não tem competência para tal atribuição.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

A vedação da criação de juízo ou tribunal de exceção (ad hoc) significa que não se pode de forma
arbitrária criar tribunais para julgamento de um caso específico ou ainda criar um tribunal após o
caso que se pretenda julgar.
Princípio do Promotor Natural
Gratuidade das Certidões de Nascimento e de Óbito
A Constituição traz expressamente que:
LXXVI – são gratuitos para os reconhecidamente pobres, na forma da lei:
a) o registro civil de nascimento;
b) a certidão de óbito;
Cumpre observar que o texto Constitucional condiciona o benefício da gratuidade do registro
de nascimento e da certidão de óbito apenas para os reconhecidamente pobres. Entretanto, a Lei
6.015/73 (registros públicos), alterada pela Lei 9.534/1997, estendeu esse direito a todos, independen-
temente de sua situação econômica:
Art. 30 – Não serão cobrados emolumentos pelo registro civil de nascimento e pelo assento de óbito, bem
como pela primeira certidão respectiva.
§ 1º Os reconhecidamente pobres estão isentos de pagamento de emolumentos pelas demais certidões ex-
traídas pelo cartório de registro civil.
O STF entendeu pela constitucionalidade desse dispositivo, pois a certidão de nascimento e a
de óbito são documentos necessários ao exercício da cidadania, e a CF assegura a gratuidade desses
documentos1.
LXXVII-são gratuitas as ações de habeas corpus e habeas data, e, na forma da lei, os atos necessários ao
exercício da cidadania. (grifo nosso)
Defesa do Consumidor
A CF determina que o Estado deverá promover a defesa do consumidor.
XXXII – o Estado promoverá, na forma da lei, a defesa do consumidor;
Esse direito é tão importante que também foi elencado como princípio da ordem econômica
(Art. 170, V da CF):
Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, tem por
fim assegurar a todos existência digna, conforme os ditames da justiça social, observados os seguintes
princípios:
V – defesa do consumidor;
Consumidor é toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como des-
tinatário final.
Por tratar-se de norma de eficácia limitada, o exercício desse direito foi assegurado com a edição
do Código de Defesa do Consumidor – Lei 8.078/90, que assegura diversos instrumentos de proteção
ao consumidor, especialmente em virtude de sua hipossuficiência.
Exercícios
01. O direito de petição configura instrumento de controle administrativo: por meio dele, assegu-
ra-se a qualquer pessoa a defesa de direitos, individuais ou coletivos, bem como o direito de pe-
ticionar contra ilegalidade ou abuso de poder, perante autoridade administrativa competente
de qualquer dos poderes constituídos.
Certo ( ) Errado ( )

1 LXXVII – são gratuitas as ações de habeas corpus e habeas data, e, na forma da lei, os atos necessários ao exercício da cida-
dania.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

02. Dada a garantia constitucional de acesso à justiça, é vedada a exigência de prévio ingresso
pelas vias extrajudiciais como requisito para o acesso ao Poder Judiciário, não sendo extensí-
vel, tal vedação, às ações relativas às competições desportivas.
Certo ( ) Errado ( )
03. Ninguém será processado nem sentenciado, senão pela autoridade competente, em respeito ao
princípio constitucional do juiz natural.
Certo ( ) Errado ( )
04. A gratuidade do registro civil de nascimento e da certidão de casamento é direito de todas as
pessoas.
Certo ( ) Errado ( )
05. É dever do Estado promover a defesa dos direitos do consumidor na forma da lei.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - C
02 - C
03 - C
04 - E
05 - C

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Direitos e Garantias Individuais e Coletivos����������������������������������������������������������������������������������������������������2
Direitos de Segurança – Garantias Individuais�������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Princípio da Razoável Duração do Processo – Celeridade Processual������������������������������������������������������������������2
Direito à Informação����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Publicidade dos Atos Processuais�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Extradição����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Inadmissibilidade das Provas Ilícitas�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Direitos e Garantias Individuais e Coletivos


Direitos de Segurança – Garantias Individuais
Princípio da Razoável Duração do Processo – Celeridade Processual
A EC 45/2004, inseriu o inciso LXXVIII no Art. 5º da CF, para o fim de assegurar a todos, tanto
no processo judicial e administrativo uma prestação estatal rápida e eficiente. Vejamos:
LXXVIII – a todos, no âmbito judicial e administrativo, são assegurados a razoável duração do
processo e os meios que garantam a celeridade de sua tramitação.
Esta é a garantia da celeridade processual, contudo não existe um prazo predeterminado para
que os processos tenham um fim. Decorre do princípio da eficiência que obriga o Estado a prestar
assistência em tempo razoável. Celeridade quer dizer rapidez, mas uma rapidez com qualidade. É
um comando tanto para o juiz na condução do processo evitando medidas protelatórias (enrolação
do processo), como para o Legislativo, impondo-lhe um dever de melhorar a legislação vigente.
Após a inclusão deste dispositivo entre os direitos fundamentais, várias medidas para acelerar a
prestação jurisdicional foram adotadas, dentre as quais destacamos:
˃˃ Juizados Especiais;
˃˃ súmula vinculante;
˃˃ realização de inventários e partilhas por vias administrativas;
˃˃ informatização do processo.
Estas são algumas das medidas que foram adotadas para trazer mais celeridade ao processo.
Garantia aplicável ao inquérito policial.
Direito à Informação
O direito à informação é assegurado em dois momentos na Constituição, vejamos o primeiro:
XIV – é assegurado a todos o acesso à informação e resguardado o sigilo da fonte, quando necessário ao
exercício profissional;
O acesso à informação é o direito de informar, de se informar e de ser informado.
Esse inciso tem dois desdobramentos: assegura o direito de acesso à informação (desde que esta
não fira outros direitos fundamentais, como, por exemplo, a intimidade) e resguarda os jornalistas,
possibilitando que estes obtenham informações sem terem que revelar sua fonte. Não há conflito,
todavia, com a vedação ao anonimato. Caso alguém seja lesado pela informação, o jornalista respon-
derá por isso.
Em um segundo momento, a CF prevê no inciso XXXIII o direito à informação, impondo neste
caso um dever aos órgãos públicos de prestar essas informações:
XXXIII – todos têm direito a receber dos órgãos públicos informações de seu interesse particular, ou de
interesse coletivo ou geral, que serão prestadas no prazo da lei, sob pena de responsabilidade, ressalva-
das aquelas cujo sigilo seja imprescindível à segurança da sociedade e do Estado. (grifo nosso)
Esse dispositivo apresenta o direito à informação, que deve ser conjugado com o PRINCÍPIO
DA PUBLICIDADE, que obriga a todos os órgãos e entidades da Administração Pública, direta e
indireta (incluindo empresas públicas e sociedades de economia mista), a dar conhecimento aos ad-
ministrados de informações de interesse particular, coletivo ou geral.
O princípio da publicidade evidencia-se, assim, na forma de uma obrigação de transparência.
Todavia, os órgãos públicos não precisam fornecer toda e qualquer informação de que disponham.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Aquelas informações cujo sigilo seja imprescindível à segurança da sociedade e do Estado não devem
ser fornecidas.
E, ainda, é possível a manutenção de informações sigilosas no caso de defesa da privacidade.
As hipóteses do exercício do direito à informação e as suas restrições encontram-se regulamen-
tadas na Lei 12.527/2011.
Publicidade dos Atos Processuais
Em regra, os atos processuais são públicos. Esta publicidade visa garantir maior transparên-
cia aos atos administrativos bem como permite a fiscalização popular. Além disso, atos públicos
possibilitam um exercício efetivo do contraditório e da ampla defesa. Entretanto, esta publicidade
comporta algumas exceções:
LX – a lei só poderá restringir a publicidade dos atos processuais quando a defesa da intimidade ou o
interesse social o exigirem;
Nos casos em que a intimidade ou o interesse social exigirem, a publicidade poderá ser restrin-
gida apenas aos interessados. Imaginemos uma audiência em que estejam envolvidas crianças, neste
caso, como forma de preservação da intimidade, o juiz poderá restringir a participação na audiência
apenas aos membros da família e demais interessados.
Extradição
A extradição permite que determinada pessoa seja entregue a outro país para que seja responsa-
bilizada pelo cometimento de algum crime, com a aplicação das leis daquele Estado. É uma medida
de cooperação internacional. Existem duas formas de extradição:
˃˃ Extradição Ativa – ocorre quando o Brasil pede para outro país a entrega de alguém para ser
aqui julgado pelas normas brasileiras. Não precisa do STF.
˃˃ Extradição Passiva – quando algum país pede para o Brasil a extradição de alguém.
»» Extradição instrutória: quando existe procedimento persecutório, com ordem de prisão
emanada.
»» Extradição executória: quando já há sentença penal condenatória.
A Constituição Federal preocupou-se em regular a extradição passiva por meios dos incisos LI e
LII do Art. 5º, conforme se depreende a leitura abaixo:
LI – nenhum brasileiro será extraditado, salvo o naturalizado, em caso de crime comum, praticado
antes da naturalização, ou de comprovado envolvimento em tráfico ilícito de entorpecentes e drogas
afins, na forma da lei;
LII – não será concedida extradição de estrangeiro por crime político ou de opinião;
˃˃ De acordo com a inteligência desses dispositivos, três regras podem ser adotadas em relação à
extradição passiva:
»» Brasileiro Nato – nunca será extraditado.
»» Brasileiro Naturalizado – será extraditado em duas hipóteses:
• crime comum cometido antes da naturalização;
• comprovado envolvimento com o tráfico ilícito de drogas, antes ou depois da naturalização.
»» Estrangeiro – poderá ser extraditado, SALVO em dois casos:
• crime político;
• crime de opinião.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Procedimento: regulamentada pela Lei de Migração 13.445/2017 (Art. 89).


O pedido de extradição se inicia com o requerimento do Estado estrangeiro, que deverá ser
recebido pelo órgão competente do Poder Executivo e, após exame da presença dos pressupostos
formais de admissibilidade exigidos nesta Lei ou em tratado, encaminhado à autoridade judiciária
competente, ou seja, especificamente ao Supremo Tribunal Federal (102, I, g), que deverá se pronun-
ciar pela legalidade e procedência do pedido.
Se o pedido for julgado procedente, a entrega do extraditando dependerá de ato discricionário do
Presidente da República (Art. 84, VII).
A extradição, contudo, depende de o Estado requerente assumir o compromisso de comutar as
penas, substituindo, se for o caso, quando a pena aplicável ao extraditando for uma das penas proibi-
das no Brasil. Por exemplo, se houver a possibilidade do extraditando ser condenado a pena de morte
no país requerente e não for a hipótese autorizada pela nossa Constituição (guerra declarada) o país
solicitante deverá substituir a pena de morte por privativa de liberdade. Ou se a pena for de prisão
perpétua, deverá reduzir para o limite máximo de prisão no Brasil, que é de 30 anos.
Não impede a extradição a circunstância de ser o extraditando casado com brasileira ou ter filho
brasileiro.
[Súmula 421.]
Não se deve confundir Extradição com a Expulsão, com a deportação, nem com a entrega (sur-
render).
˃˃ EXPULSÃO: a expulsão consiste em medida administrativa de retirada compulsória de
migrante ou visitante do território nacional, conjugada com o impedimento de reingresso por
prazo determinado.
»» Não se realiza a expulsão se o expulsando:
• tiver filho brasileiro que esteja sob sua guarda ou dependência econômica ou socioafetiva
ou tiver pessoa brasileira sob sua tutela;
• tiver cônjuge ou companheiro residente no Brasil, sem discriminação alguma, reconhecido
judicial ou legalmente;
• tiver ingressado no Brasil até os 12 (doze) anos de idade, residindo desde então no País;
• for pessoa com mais de 70 (setenta) anos que resida no País há mais de 10 (dez) anos, consi-
derados a gravidade e o fundamento da expulsão.
˃˃ D
EPORTAÇÃO: a deportação é medida decorrente de procedimento administrativo que
consiste na retirada compulsória de pessoa que se encontre em situação migratória irregular em
território nacional.
˃˃ E
NTREGA (surrender): é a entrega de cidadão brasileiro para ser julgado pelo Tribunal Penal
Internacional.
Demais detalhes a respeito da extradição serão analisados na matéria de legislação especial.
Inadmissibilidade das Provas Ilícitas
A CF assegura, no processo, a inadmissibilidade de uso de provas ilícitas. Vejamos o inciso LVI
do Art. 5º:
LVI – são inadmissíveis, no processo, as provas obtidas por meios ilícitos;
Para sabermos o que é uma prova ilícita, temos que fazer a diferença entre prova ilegal, prova
ilegítima e prova ilícita.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

Provas ilegais são gênero, que tem como espécies as provas ilícitas e as provas ilegítimas.
A prova ilícita é aquela obtida por meio da violação da CF ou de normas de direito material. Por
exemplo: a CF assegura a inviolabilidade das comunicações telefônicas, entendendo que essas co-
municações são sigilosas, contudo é possível ocorrer a quebra desse sigilo por meio de uma decisão
judicial. Caso alguém viole as comunicações telefônicas (grampeie o telefone) de alguém sem auto-
rização judicial, as gravações obtidas ali não poderão ser usadas em nenhum processo, pois foram
obtidas de forma ilícita.
A prova ilícita contamina todas as demais provas decorrentes dela, esse é o efeito da chamada
Teoria dos Frutos da Árvore Envenenada (fruits of the poisonous tree). Segundo essa teoria, se a
árvore está envenenada, os frutos também o serão, significa dizer que se uma prova foi produzida de
forma ilícita, as demais provas dela decorrentes também serão ilícitas (ilicitude por derivação).
Outro aspecto relevante é o de que a simples presença da prova ilícita não torna nulo ou invalida
todo o processo, mas apenas aquelas provas decorrentes da prova ilícita, que não poderão ser usadas
no processo.
As questões envolvendo o conhecimento dessa norma constitucional geralmente encontram-se
relacionadas com as provas decorrentes das violações dos direitos à privacidade: sigilo das comuni-
cações e inviolabilidade domiciliar.
A prova ilegítima é aquela decorrente da violação de um direito processual. Por exemplo:
produzir no processo uma prova fora do prazo, essa prova será ilegítima, e não ilícita.
A prova ilícita é inadmissível tanto no processo judicial quanto no processo administrativo.
Exercícios
01. No âmbito judicial e administrativo, a todos são assegurados a razoável duração do processo
e os meios que garantam a celeridade de sua tramitação, previsão essa caracterizada como
direito fundamental no Pacto de San José da Costa Rica e instituída na CF por emenda consti-
tucional.
Certo ( ) Errado ( )
02. O princípio da razoável duração do processo e dos meios que garantam a celeridade de sua tra-
mitação não alcança o inquérito policial em razão das peculiaridades que envolvem o trabalho
investigativo.
Certo ( ) Errado ( )
03. O direito fundamental à razoável duração do processo só pode ser exigido no âmbito judicial.
Certo ( ) Errado ( )
04. Segundo o disposto expressamente na Constituição Federal, o acesso à informação é assegura-
do a todos que tenham interesse direto e pessoal na informação, vedado o sigilo da fonte.
Certo ( ) Errado ( )
05. Conforme o que estabelece expressamente a Constituição Federal, todos têm direito a receber
dos órgãos públicos informações de seu interesse particular, ou de interesse coletivo ou geral,
que serão prestadas no prazo da lei, sob pena de responsabilidade, ressalvadas aquelas cujo
sigilo seja imprescindível à segurança da sociedade e do Estado.
Certo ( ) Errado ( )
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

06. Situação hipotética: Em 2010, João foi naturalizado brasileiro e, em 2012, se envolveu em
tráfico ilícito internacional de entorpecentes. Devido a essa infração penal, determinado país
requereu a sua extradição. Assertiva: Nessa situação, o pedido deverá ser negado, uma vez que
a CF veda a extradição de brasileiro.
Certo ( ) Errado ( )
07. É permitida a extradição do brasileiro naturalizado que pratique, após a naturalização, crime
comum ou crime de tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins.
Certo ( ) Errado ( )
08. São inadmissíveis, no processo, as provas obtidas por meios ilícitos. Elas são nulas e conta-
minam as demais provas delas decorrentes, de acordo com a teoria dos frutos da árvore enve-
nenada, não tendo, porém, o condão de anular o processo, permanecendo válidas as demais
provas lícitas e autônomas.
Certo ( ) Errado ( )
09. As provas obtidas por meios ilícitos poderão ser admitidas no processo, quando ficar devida-
mente comprovada a dificuldade em obtê-las.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - Certo
02 - Errado
03 - Errado
04 - Errado
05 - Certo
06 - Errado
07 - Errado
08 - Certo
09 - Errado

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Direitos e Garantias Individuais e Coletivos����������������������������������������������������������������������������������������������������2
Direitos de Segurança – Garantias Penais����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Princípio da Presunção de Inocência�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Tribunal do Júri�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Crimes Imprescritíveis, Inafiançáveis e Insuscetíveis de Graça e Anistia�������������������������������������������������������������3
Pessoalidade da Pena – Art. 5º, XLV���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Individualização da Pena: Penas Permitidas e Proibidas, Art. 5º, XLVI e XLVII�������������������������������������������������5

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Direitos e Garantias Individuais e Coletivos


Direitos de Segurança – Garantias Penais
Princípio da Presunção de Inocência
A CF assegura a presunção de inocência no inciso LVII do Art. 5º:
LVII – ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória;
Trata-se de uma garantia individual de natureza processual penal de que as pessoas devem ser
consideradas inocentes até que o Estado prove o contrário, por meio de decisão judicial definitiva,
que não comporte mais recurso, ou seja, uma decisão transitada em julgado, de modo que se existi-
rem dúvidas quanto à culpabilidade de uma pessoa, esta deverá ser considerada inocente – in dubio
pro reo, inclusive se houver empate na votação de decisão condenatória, o réu deverá ser absolvido.
Esse direito/garantia também impede seja lançado o nome do réu no rol dos culpados antes do
trânsito em julgado da decisão condenatória.
Ponto importantíssimo para a sua prova é a interpretação do STF quanto ao início do cumpri-
mento da pena, ou seja, se seria possível a execução provisória da pena antes da decisão transitada
em julgado, autorizando, por exemplo, a prisão do réu.
De acordo com o STF, a execução de decisão penal condenatória proferida em segundo grau de
jurisdição, embora sujeita a recurso, não viola a presunção de inocência.
CONSTITUCIONAL. HABEAS CORPUS. PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL DA PRESUNÇÃO DE
INOCÊNCIA (CF, ART. 5º, LVII). SENTENÇA PENAL CONDENATÓRIA CONFIRMADA POR
TRIBUNAL DE SEGUNDO GRAU DE JURISDIÇÃO. EXECUÇÃO PROVISÓRIA. POSSIBILIDADE. 1.
A execução provisória de acórdão penal condenatório proferido em grau de apelação, ainda que sujeito a
recurso especial ou extraordinário, não compromete o princípio constitucional da presunção de inocência
afirmado pelo artigo 5º, inciso LVII da Constituição Federal. 2. Habeas corpus denegado.
(HC 126292, Relator(a): Min. TEORI ZAVASCKI, Tribunal Pleno, julgado em 17/02/2016, PROCESSO
ELETRÔNICO DJe-100 DIVULG 16-05-2016 PUBLIC 17-05-2016)
Isso significa que o réu poderá iniciar o cumprimento de sua pena ainda que pendente de recurso,
mesmo que a decisão não tenha transitado em julgado.
Ressalta-se ainda que a presunção de inocência tem aplicação também no processo civil e ad-
ministrativo. Por exemplo, em decorrência desse princípio, é vedada a exclusão de candidato de
concurso público pelo simples fato de responder a inquérito ou ação penal sem trânsito em julgado
da sentença condenatória.
Tribunal do Júri
O Tribunal do Júri tem como fundamento o princípio democrático, porque assegura ao cidadão
o direito de ser julgado por seus semelhantes, outros cidadãos, escolhidos aleatoriamente.
É uma instituição pertencente ao Poder Judiciário que possui competência específica para julgar
determinados tipos de crime.
→→ A Constituição Federal apresenta alguns princípios que regem este tribunal:
XXXVIII – é reconhecida a instituição do júri, com a organização que lhe der a lei, assegurados:
a) a plenitude de defesa;
b) sigilo das votações;
c) a soberania dos veredictos;
d) a competência para o julgamento dos crimes dolosos contra a vida;
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

→→ Segundo este texto, o Tribunal do Júri é regido pelos seguintes princípios:


˃˃ Plenitude de defesa – é a ampla defesa também assegurada aos acusados em geral. Esse prin-
cípio permite que no júri sejam utilizadas todas as provas permitidas em direito. Aqui, o
momento probatório é bastante explorado, haja vista a necessidade de convencer os jurados, que
são pessoas comuns da sociedade, que às vezes não conhecem nada de direito.;
˃˃ Sigilo das votações – o voto é sigiloso para manter a imparcialidade do julgamento. Durante o
julgamento, não é permitido que um jurado converse com o outro sobre o julgamento sob pena
de nulidade.
˃˃ Soberania dos veredictos – o que for decidido pelos jurados será considerado soberano. Nem o
Juiz presidente poderá modificar o julgamento. Essa soberania não impede que a decisão do júri
seja objeto de recurso.
˃˃ Competência para julgar os crimes dolosos contra a vida – muito cuidado quanto a isso em
prova. O júri não julga qualquer tipo de crime, mas apenas os dolosos contra a vida. Crimes
dolosos, são aqueles praticados com intenção, com vontade. São diferentes dos crimes culposos,
os quais são praticados sem intenção. E devem ser apenas crimes contra a vida, não podendo ser
crimes contra o patrimônio, ordem econômica etc. Por exemplo, o latrocínio não é considerado
crime contra a vida, portanto, não será de competência do Tribunal do Júri1.
Ressalta-se que a competência do Tribunal do Júri não é absoluta, isso porque algumas pessoas
possuem prerrogativa de foro em virtude de suas funções, devidamente previstas na CF, de modo
que caso cometam crimes contra a vida, não serão julgados pelo júri, e sim pelos Tribunais pre-
viamente estabelecidos. Ex.: parlamentares federais que são julgados pelo STF (Art. 102, I, b, CF).
Cumpre observar que apenas se sobrepõe a competência do júri àqueles foros por prerrogativa de
função previstos na CF, de modo que se estiver estabelecido apenas na Constituição Estadual, deverá
prevalecer a competência do júri.
É esse o teor da súmula vinculante 45:
A competência constitucional do Tribunal do Júri prevalece sobre o foro por prerrogativa de função esta-
belecido exclusivamente pela Constituição Estadual.
Ademais, de acordo com a jurisprudência do STF, a competência do Júri pode ser ampliada por
norma infraconstitucional. Vejamos:
A competência do Tribunal do Júri, fixada no art. 5º, XXXVIII, d, da CF, quanto ao julgamento de crimes
dolosos contra a vida é passível de ampliação pelo legislador ordinário. A regra estabelecida no art. 78, I,
do CPP de observância obrigatória, faz com que a competência constitucional do Tribunal do Júri exerça
uma vis atractiva sobre delitos que apresentem relação de continência ou conexão com os crimes dolosos
contra a vida. (...) A manifestação dos jurados sobre os delitos de sequestro e roubo também imputados ao
réu não maculam o julgamento com o vício da nulidade. [HC 101.542, rel. min. Ricardo Lewandowski, j.
4-5-2010, 1ª T, DJE de 28-5-2010.] = RHC 98.731, rel. min. Cármen Lúcia, j. 2-12-2010, 1ª T, DJE de 1º-2-
2011 (grifo nosso)

Crimes Imprescritíveis, Inafiançáveis e Insuscetíveis de Graça e Anistia


A CF dispõe nos incisos XLII, XLIII, XLIV do Art. 5º a respeito de diversos crimes e o tratamento
constitucional que devem ter. Essas normas estabelecem um comando para o legislador, que na hora
de elaborar as normas penais deve observar o disposto na CF.
Inicialmente, destacamos a VEDAÇÃO AO RACISMO, considerado como crime inafiançável e
imprescritível, sujeito à pena de RECLUSÃO.
XLII – a prática do racismo constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão,
nos termos da lei; (grifo nosso)

1 Súmula 603 do STF: A competência para o processo e julgamento de latrocínio é do juiz singular e não do tribunal do júri.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

O repúdio ao racismo é um dos princípios da RFB no que tange às suas relações internacionais:
Art. 4º A República Federativa do Brasil rege-se nas suas relações internacionais pelos seguintes princí-
pios:
VIII – repúdio ao terrorismo e ao racismo;
Ressalta-se que a expressão “racismo”, de acordo com o STF, abrange todas as formas de discri-
minação que impliquem distinções entre as pessoas, em virtude de sua raça, cor, credo, descendên-
cia. Entendeu o STF em caso específico que a apologia de ideias discriminatórias e preconceituosas
contra os judeus (antissemitismo), configura racismo:
HABEAS CORPUS. PUBLICAÇÃO DE LIVROS: ANTISSEMITISMO. RACISMO. CRIME IMPRES-
CRITÍVEL. CONCEITUAÇÃO. ABRANGÊNCIA CONSTITUCIONAL. LIBERDADE DE EXPRESSÃO.
LIMITES. ORDEM DENEGADA. 1. Escrever, editar, divulgar e comerciar livros “fazendo apologia de
ideias preconceituosas e discriminatórias” contra a comunidade judaica (Lei 7716/89, artigo 20, na
redação dada pela Lei 8081/90) constitui crime de racismo sujeito às cláusulas de inafiançabilidade e
imprescritibilidade (CF, artigo 5º, XLII). (HC 82424, Relator(a): Min. MOREIRA ALVES, Relator(a) p/
Acórdão: Min. MAURÍCIO CORRÊA, Tribunal Pleno, julgado em 17/09/2003, DJ 19-03-2004 PP-00017
EMENT VOL-02144-03 PP-00524) (grifo nosso)
Outros tipos de crime tiveram também especial previsão na Constituição em virtude de sua
extrema gravidade:
XLIII – a lei considerará crimes inafiançáveis e insuscetíveis de graça ou anistia a prática da tortura,
o tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, o terrorismo e os definidos como crimes hediondos,
por eles respondendo os mandantes, os executores e os que, podendo evitá-los, se omitirem; (grifo nosso)
XLIV – constitui crime inafiançável e imprescritível a ação de grupos armados, civis ou militares,
contra a ordem constitucional e o Estado Democrático. (grifo nosso)
As questões sobre esse tema geralmente são mais superficiais, exigindo mais a memorização do
que a compreensão do significado de cada crime. Desse modo, seguem algumas dicas para facilitar a
sua memorização:
→→ Imprescritível: RAÇÃO.
→→ Insuscetíveis de graça ou anistia: 3TH.

˃˃ A graça, apesar da divergência doutrinária quanto à sua existência, é o perdão concedido pelo
Presidente da República, favorecendo um condenado por crime comum ou por contravenção,
extinguindo-lhe ou diminuindo-lhe a pena imposta.
˃˃ Se o perdão tiver natureza coletiva, será chamado de indulto.
˃˃ A anistia é um perdão também, mas concedido apenas por meio de lei, aplicável a crimes coleti-
vos, geralmente políticos.
Atenção:
Os crimes inafiançáveis englobam todos os crimes previstos nos incisos XLII, XLIII e XLIV.
Os crimes que são insuscetíveis de graça e anistia não são imprescritíveis, e vice-versa. Dessa
forma, nunca na sua prova pode haver uma questão que apresente as três classificações ao mesmo
tempo.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

Pessoalidade da Pena – Art. 5º, XLV


O princípio da pessoalidade ou intransmissibilidade da pena significa que a pena deve ser
cumprida apenas por aquele que cometeu ou participou da conduta criminosa, não podendo ser
transferida a outra pessoa, ou seja, a parentes ou amigos.
XLV – nenhuma pena passará da pessoa do condenado, podendo a obrigação de reparar o dano e a
decretação do perdimento de bens ser, nos termos da lei, estendidas aos sucessores e contra eles execu-
tadas, até o limite do valor do patrimônio transferido;
Contudo, no que se refere à obrigação de reparação de danos e à perda de perdimento de bens,
é possível que os sucessores sejam responsáveis, mas dentro dos limites do patrimônio que lhes foi
transferido.
Individualização da Pena: Penas Permitidas e Proibidas, Art. 5º, XLVI e XL-
VII
O Art. 5º, XLVI, da CF determina que a lei deverá individualizar a pena e, na sequência, estabele-
ce em rol EXEMPLIFICATIVO, algumas penas permitidas no Brasil, são elas:
XLVI – a lei regulará a individualização da pena e adotará, entre outras, as seguintes:
a) privação ou restrição da liberdade;
b) perda de bens;
c) multa;
d) prestação social alternativa;
e) suspensão ou interdição de direitos;
Por se tratar de rol exemplificativo, pode a lei estabelecer outros tipos de penas, desde que não
incida das hipóteses de pena proibida, prevista no Art. XLVII:
XLVII – não haverá penas:
a) de morte, salvo em caso de guerra declarada, nos termos do art. 84, XIX;
b) de caráter perpétuo;
c) de trabalhos forçados;
d) de banimento;
e) cruéis;
Essas são as penas que não podem ser aplicadas no Brasil. Contudo, cumpre observar que, inobs-
tante a pena de morte ter sido proibida, a própria CF traz uma possibilidade de sua decretação, no
caso de guerra declarada.
Assim, é possível afirmar que existe pena de morte do Brasil, mesmo que em apenas uma situação.
A pena de caráter perpétuo é aquela que deve ser cumprida até a morte. Não existe esse tipo
de pena no Brasil, pois as penas aqui são temporárias. Ressalta-se, ainda, que as penas de caráter
perpétuo se estendem também para a esfera administrativa2.
2 EMENTA: – DIREITO CONSTITUCIONAL, ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL. PENA DE INABILITAÇÃO
PERMANENTE PARA O EXERCÍCIO DE CARGOS DE ADMINISTRAÇÃO OU GERÊNCIA DE INSTITUIÇÕES FINANCEI-
RAS. INADMISSIBILIDADE: ART. 5 , XLVI, “e”, XLVII, “b”, E § 2 , DA C.F. REPRESENTAÇÃO DA UNIÃO, PELO MINISTÉ-
RIO PÚBLICO: LEGITIMIDADE PARA INTERPOSIÇÃO DO R.E. RECURSO EXTRAORDINÁRIO. 2. No mérito, é de se manter
o aresto, no ponto em que afastou o caráter permanente da pena de inabilitação imposta aos impetrantes, ora recorridos, em face
do que dispõem o Art. 5 , XLVI, “e”, XLVII, “b”, e § 2 da C.F. 3. Não é caso, porém, de se anular a imposição de qualquer sanção,
como resulta dos termos do pedido inicial e do próprio julgado que assim o deferiu. 4. Na verdade, o Mandado de Segurança é de ser
deferido, apenas para se afastar o caráter permanente da pena de inabilitação, devendo, então, o Conselho Monetário Nacional
prosseguir no julgamento do pedido de revisão, convertendo-a em inabilitação temporária ou noutra, menos grave, que lhe parecer
adequada. 5. Nesses termos, o R.E. é conhecido, em parte, e, nessa parte, provido. 10
(RE 154134, Relator(a): Min. SYDNEY SANCHES, Primeira Turma, julgado em 15/12/1998, DJ 29-10-1999 PP-00017 EMENT VOL-
01969-01 PP-00191) (grifo nosso)
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

A outra pena é a de trabalhos forçados. É aquela pena em que o indivíduo é obrigado a trabalhar
de forma a denegrir a sua condição como ser humano.
Temos ainda a pena de banimento. É a expulsão do brasileiro, tanto nato como naturalizado.
Citam-se ainda as penas cruéis, em respeito ao princípio da dignidade da pessoa humana, e da
vedação à tortura e a tratamento desumano ou degradante. Isso também é proibido.
Exercícios
01. O princípio da presunção de inocência (ou da não culpa) expresso na CF/1988 no artigo
5º, inciso LVII, determina que ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado
de sentença penal condenatória. Destarte, não é aceitável a decretação (excepcional) de uma
prisão temporária ou preventiva sobre alguém sobre o qual pairam indícios suficientes de
autoria, mas que ainda não pode ser considerado culpado.
Certo ( ) Errado ( )
02. É reconhecida a instituição do júri, com a organização que lhe der a lei, assegurados a plenitu-
de de defesa; o sigilo das votações; a soberania dos veredictos e a competência para o julgamen-
to dos crimes dolosos contra a vida.
Certo ( ) Errado ( )
03. A competência pela prerrogativa de função prevalece sobre a competência do Tribunal do Júri,
com exceção das hipóteses em que a prerrogativa de função é estabelecida exclusivamente pela
Constituição Estadual.
Certo ( ) Errado ( )
04. A CF determina que os crimes de racismo, a prática da tortura e o terrorismo são imprescrití-
veis, inafiançáveis e insuscetíveis de graça ou anistia.
Certo ( ) Errado ( )
05. Escrever, divulgar e comercializar livros fazendo apologia de ideias preconceituosas e discri-
minatórias contra a comunidade judaica constitui crime de racismo sujeito às cláusulas de
inafiançabilidade e imprescritibilidade.
Certo ( ) Errado ( )
06. A aplicação da pena deve ajustar-se à situação de cada imputado adotando-se, dentre outras, a
prestação social alternativa, a suspensão ou interdição de direitos e a multa.
Certo ( ) Errado ( )
07. A lei regulará a individualização da pena, proibidas, em qualquer situação, a pena de morte, a
de caráter perpétuo, a de trabalhos forçados, a de banimento e a cruel.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - Errado
02 - Certo
03 - Certo
04 - Errado
05 - Certo
06 - Certo
07 - Errado

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Direitos e Garantias Individuais e Coletivos����������������������������������������������������������������������������������������������������2
Direitos de Segurança – Garantias Penais����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Prisão Civil por Dívida�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Princípio da Legalidade Penal e Retroatividade da Lei Mais Benéfica – Art. 5O XXXIX e XL���������������������������2
Identificação Criminal – Art. 5O LVIII����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Hipóteses de Prisão�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Ação Penal Subsidiária�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Direito dos Presos���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Direitos dos Sentenciados��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Discriminação Atentatória aos Direitos Fundamentais������������������������������������������������������������������������������������������4
Erro Judiciário���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Direitos e Garantias Individuais e Coletivos


Direitos de Segurança – Garantias Penais
Prisão Civil por Dívida
A CF destaca que não se devem prender as pessoas por dívidas de natureza civil, contudo a CF/88
estabeleceu duas exceções, possibilitando nesses casos a prisão civil por dívida, são elas:
→→ Devedor voluntário e inescusável de pensão alimentícia.
→→ Depositário infiel.
LXVII – não haverá prisão civil por dívida, salvo a do responsável pelo inadimplemento voluntário e
inescusável de obrigação alimentícia e a do depositário infiel;
Contudo, o Brasil em 1992 ratificou o Pacto de San José da Costa Rica que só permite a prisão
civil por dívida do devedor de alimentos. Acolhendo então as determinações do tratado interna-
cional, o STF entende como lícita apenas a prisão do devedor de pensão alimentícia, considerando
como ilícita a prisão do depositário.
Isso não significa que a ratificação do Brasil ao tratado internacional tenha revogado o disposto
na CF, isso porque um tratado não pode revogar o texto de uma Constituição. O que ocorre é que essa
previsão constitucional, quanto ao depositário, deixou de ter aplicabilidade.
Esse entendimento encontra-se inclusive sumulado. Vejamos o teor da Súmula Vinculante nº
25:
É ilícita a prisão civil de depositário infiel, qualquer que seja a modalidade do depósito.

Princípio da Legalidade Penal e Retroatividade da Lei Mais Benéfica – Art.


5O XXXIX e XL
Como desdobramento do princípio da legalidade, previsto de forma genérica no Art. 5º, II da CF,1
temos o inciso XXXIX que dispõe sobre a necessária previsão legal para a tipificação de crimes, ou
seja, apenas a lei formal poderá definir as condutas reprováveis socialmente, tratando-se de matéria
de reserva legal, lembrando ainda que a competência para legislar sobre direito penal é privativa da
União (Art. 22, I CF2). Dessa forma, apenas lei federal poderá criminalizar comportamentos. Em
virtude disso, sabe-se que não é possível criar crimes por meio de medida provisória3.
XXXIX – não há crime sem lei anterior que o defina, nem pena sem prévia cominação legal4;
Além disso, podemos extrair desse inciso que uma determinada conduta só poderá ser conside-
rada como crime se quando ela foi realizada já existia a lei penal definindo aquele comportamento
como criminoso. Trata-se do princípio da anterioridade da lei penal.
Podemos destacar, ainda, o inciso XL, que apresenta como regra geral a irretroatividade da lei
penal, contudo, no seu texto já prevê uma exceção, quando se tratar de lei mais benéfica ao réu, auto-
rizando nesse caso que a lei penal opere efeitos retroativos.
XL – a lei penal não retroagirá, salvo para beneficiar o réu;
Dessa forma, podemos afirmar que a lei penal benigna (lex mitior) é sempre retroativa e poderá
ser aplicada ainda que o réu já tenha sido condenado.
1 Art. 5 º II – ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei;
2 Art. 22. Compete privativamente à União legislar sobre:
I – direito civil, comercial, penal, processual, eleitoral, agrário, marítimo, aeronáutico, espacial e do trabalho;
3 Art. 62. § 1º É vedada a edição de medidas provisórias sobre matéria: I – relativa a: b) direito penal, processual penal e proces-
sual civil;
4 Brocardo jurídico: nullum crimem, nulla poena sine praevia lege.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Contudo, se a lei for desfavorável ao réu (lex gravior) ela não poderá retroagir, somente sendo
aplicada para eventos futuros.
Vale apenas ressaltar ainda o enunciado da Súmula 711 do STF:
A LEI PENAL MAIS GRAVE APLICA-SE AO CRIME CONTINUADO OU AO CRIME PERMANENTE,
SE A SUA VIGÊNCIA É ANTERIOR À CESSAÇÃO DA CONTINUIDADE OU DA PERMANÊNCIA.

Identificação Criminal – Art. 5O LVIII


A CF afirma que a pessoa que tiver identificação civil, aquela atestada por meio de documentos
públicos, como, por exemplo: carteira de identidade, carteira de trabalho, passaporte ou carteira
profissional, não precisará se submeter à identificação criminal, que é o processo datiloscópico e o
fotográfico.
Contudo, o referido artigo é norma de eficácia contida, de modo que a lei poderá estabelecer hi-
póteses em que, mesmo o indivíduo tendo identificação civil, deverá ser identificado criminalmente.
A lei que regulamenta o dispositivo constitucional é a Lei 12.037/20095 e, em seu artigo 3º, traz
situações em que deverá ocorrer a identificação criminal.
LVIII – o civilmente identificado não será submetido a identificação criminal, salvo nas hipóteses pre-
vistas em lei;

Hipóteses de Prisão
A CF assegura que os cidadãos civis só podem ser presos em duas circunstâncias: a) flagrante
delito; b) determinação judicial.
Contudo, destaca que para os militares, além das hipóteses constitucionais, também será possível
a prisão administrativa – por ordem de um superior hierárquico.
É o que dispõe o inciso LXI:
LXI – ninguém será preso senão em flagrante delito ou por ordem escrita e fundamentada de autori-
dade judiciária competente, salvo nos casos de transgressão militar ou crime propriamente militar,
definidos em lei;

Ação Penal Subsidiária


A CF assegura no inciso LIX que se o Ministério Público não realizar a Ação Penal Pública no
prazo legal, ou seja, ficar inerte, não cumprindo sua obrigação institucional, o particular poderá
realizar queixa-crime no lugar da denúncia.
LIX – será admitida ação privada nos crimes de ação pública, se esta não for intentada no prazo legal;

Direito dos Presos


A CF, em diversos dispositivos, assegura direitos aos presos. Em Direito Constitucional esses
incisos costumam ser cobrados na sua literalidade. Vejamos:
O inciso LXII determina que a prisão de qualquer pessoa não pode ser mantida em sigilo,
devendo necessariamente ser comunicada à sua família ou pessoa indicada e ao juiz competente.
5 Art. 3º Embora apresentado documento de identificação, poderá ocorrer identificação criminal quando:
I – o documento apresentar rasura ou tiver indício de falsificação;
II – o documento apresentado for insuficiente para identificar cabalmente o indiciado;
III – o indiciado portar documentos de identidade distintos, com informações conflitantes entre si;
IV – a identificação criminal for essencial às investigações policiais, segundo despacho da autoridade judiciária competente, que
decidirá de ofício ou mediante representação da autoridade policial, do Ministério Público ou da defesa;
V – constar de registros policiais o uso de outros nomes ou diferentes qualificações;
VI – o estado de conservação ou a distância temporal ou da localidade da expedição do documento apresentado impossibilite a
completa identificação dos caracteres essenciais.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

LXII – a prisão de qualquer pessoa e o local onde se encontre serão comunicados imediatamente ao juiz
competente e à família do preso ou à pessoa por ele indicada;
A comunicação da prisão feita ao juiz é relevante na medida em que se o juiz entender que a
prisão é ilegal, poderá relaxá-la, ou seja, poderá soltar o preso, sem prejuízo da condução regular do
processo penal.
LXV – a prisão ilegal será imediatamente relaxada pela autoridade judiciária;
Ademais, aos presos é assegurado o direito ao silêncio, o direito de permanecer calado, isso
porque ninguém é obrigado a produzir prova contra si mesmo. É o chamado direito à não autoincri-
minação:
LXIII – o preso será informado de seus direitos, entre os quais o de permanecer calado, sendo-lhe asse-
gurada a assistência da família e de advogado;
Ressalta-se que o silêncio do réu não pode ser considerado como confissão, como já decidiu o
STF:
O exercício do direito ao silêncio, que se revela insuscetível de qualquer censura policial e/ou
judicial, não pode ser desrespeitado nem desconsiderado pelos órgãos e agentes da persecução penal,
porque a prática concreta dessa prerrogativa constitucional – além de não importar em confissão
– jamais poderá ser interpretada em prejuízo da defesa. [HC 99.289, rel. min. Celso de Mello, j. 23-6-
2009, 2ª T, DJE de 4-8-2011.]
O preso tem ainda como garantia o direito de saber os responsáveis pela sua prisão ou pelo seu
interrogatório. A intenção desse dispositivo é impedir, ou pelo menos coibir as arbitrariedades e
ilegalidades no ato da prisão ou do interrogatório, possibilitando a responsabilização por eventuais
abusos.
LXIV – o preso tem direito à identificação dos responsáveis por sua prisão ou por seu interrogatório
policial;
Por fim, destaca-se que a regra geral é a de que as pessoas respondam aos processos em liberdade,
de modo que a exceção é a manutenção do indivíduo preso, em respeito ao princípio da presunção
de inocência. Dessa forma, determina a CF que se for cabível a liberdade provisória, por não estarem
presentes os requisitos da prisão preventiva, essa deverá ser concedida, não se mantendo o réu preso.
LXVI – ninguém será levado à prisão ou nela mantido quando a lei admitir a liberdade provisória,
com ou sem fiança;
Direitos dos Sentenciados
A CF assegura direitos àqueles réus já sentenciados que estão cumprindo pena. Esses direitos
decorrem do princípio constitucional da dignidade da pessoa humana, uma vez que é dever do
Estado manter a integridade física e moral dos presos. Vejamos os incisos relevantes para a sua prova:
XLVIII – a pena será cumprida em estabelecimentos distintos, de acordo com a natureza do delito, a
idade e o sexo do apenado;
XLIX – é assegurado aos presos o respeito à integridade física e moral;
L – às presidiárias serão asseguradas condições para que possam permanecer com seus filhos durante o
período de amamentação;
Discriminação Atentatória aos Direitos Fundamentais
XLI – a lei punirá qualquer discriminação atentatória dos direitos e liberdades fundamentais;
Erro Judiciário
A CF assegura que caso o Poder Judiciário cometa algum erro, por exemplo, condenando um in-
divíduo que depois provou ser inocente, ou ainda que ficou preso além do tempo fixado na sentença,
o Estado deverá indenizá-lo pelos danos sofridos.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

LXXV – o Estado indenizará o condenado por erro judiciário, assim como o que ficar preso além do
tempo fixado na sentença;
Exercícios
01. É lícita a prisão civil de depositário infiel, qualquer que seja a modalidade do depósito.
Certo ( ) Errado ( )
02. A CF admite a prisão por dívida do responsável pelo inadimplemento voluntário e inescusável
de obrigação alimentícia.
Certo ( ) Errado ( )
03. Não há crime sem lei anterior que o defina, nem pena sem prévia cominação legal.
Certo ( ) Errado ( )
04. A lei penal mais grave aplica-se ao crime continuado ou ao crime permanente, se sua vigência
é anterior à cessação da continuidade ou da permanência.
Certo ( ) Errado ( )
05. A lei penal não poderá retroagir nem mesmo para beneficiar o réu.
Certo ( ) Errado ( )
06. O civilmente identificado não será submetido à identificação criminal, salvo nas hipóteses
previstas em lei.
Certo ( ) Errado ( )
07. Ressalvada a hipótese de flagrante delito, a prisão decorrente da prática de transgressão militar
dependerá de ordem escrita e fundamentada de autoridade judiciária competente.
Certo ( ) Errado ( )
08. Ninguém será preso senão em flagrante delito ou por ordem escrita e fundamentada de autoridade
judiciária competente, salvo nos casos de transgressão militar ou crime impropriamente militar,
definidos em lei.
Certo ( ) Errado ( )
09. Não se admite ação privada nos crimes de ação pública, ainda que esta não seja intentada no
prazo legal.
Certo ( ) Errado ( )
10. Ninguém será levado à prisão ou nela mantido, quando a lei admitir a liberdade provisória,
desde que efetuado o necessário pagamento da fiança.
Certo ( ) Errado ( )
11. A prisão de qualquer pessoa e o local onde se encontre serão comunicados imediatamente ao
juiz competente e, na sua falta, à família do preso ou à pessoa por ele indicada.
Certo ( ) Errado ( )
12. A prisão ilegal será imediatamente relaxada pelo Delegado de Polícia.
Certo ( ) Errado ( )
13. O preso será informado de seus direitos, entre os quais o de permanecer calado, sendo-lhe
assegurada a assistência da família e, mediante pagamento, a presença de advogado.
Certo ( ) Errado ( )

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

14. O exercício do direito ao silêncio não gera presunção de culpabilidade para o acusado,
tampouco pode ser interpretado em prejuízo da defesa.
Certo ( ) Errado ( )
15. O preso não possui direito à identificação dos responsáveis por sua prisão ou por seu interrogatório
policial.
Certo ( ) Errado ( )
16. De acordo com o rol de direitos e deveres individuais e coletivos elencados no Art. 5.° da
Constituição Federal de 1988 (CF) a definição do estabelecimento prisional onde será
cumprida a pena independe do delito, da idade e do sexo do apenado
Certo ( ) Errado ( )
17. Às presidiárias serão asseguradas condições para que possam permanecer com seus filhos
durante o período de amamentação.
Certo ( ) Errado ( )
18. A lei punirá qualquer discriminação atentatória dos direitos e liberdades individuais.
Certo ( ) Errado ( )
19. Maria foi condenada à pena de prisão por 10 anos e João à pena de prisão, pela prática de crime
diverso, por 8 anos, ambos em sentença penal transitada em julgado, proferida em processo
criminal que lhes garantiu a ampla defesa e o contraditório. Maria ficou presa por 10 anos
e dois meses. João foi solto após 2 anos de prisão, uma vez que se comprovou que o crime
pelo qual cumpria pena foi cometido por outra pessoa. Nessa situação, segundo a Constituição
Federal, cabe ao Estado indenizar Maria pelo tempo que ficou presa além do tempo fixado na
sentença e indenizar João por erro judiciário.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - Errado
02 - Certo
03 - Certo
04 - Certo
05 - Errado
06 - Certo
07 - Errado
08 - Errado
09 - Errado
10 - Errado
11 - Errado
12 - Errado
13 - Errado
14 - Certo
15 - Errado
16 - Errado
17 - Certo
18 - Certo
19 - Certo

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Remédios Constitucionais����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Habeas Corpus�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Habeas Data������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Ação Popular����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Remédios Constitucionais
Os remédios constitucionais são espécies de garantias constitucionais que visam proteger deter-
minados direitos e até outras garantias fundamentais.
A Contituição Federal apresenta dois tipos de remédios constitucionais:
a) Os remédios administrativos, que são o direito de petição e o direito de certidão;
b) Os remédios judiciais, que são ação constitucionais, Habeas corpus, Habeas data, Mandado
de Segurança, mandado de injunção e Ação Popular.
O Direito de petição e certidão já foram estudados anteriormente, motivo pelo qual passamos a
analisar os remédios de natureza judicial.
Habeas Corpus
É o remédio constitucional que visa proteger a liberdade de locomoção. Vejamos o que diz o texto
constitucional:
LXVIII – conceder-se-á “habeas-corpus” sempre que alguém sofrer ou se achar ameaçado de sofrer
violência ou coação em sua liberdade de locomoção, por ilegalidade ou abuso de poder;
O Habeas Corpus é utilizado para proteger a liberdade de locomoção, ou seja, o direito de ir, vir
ou permanecer do indivíduo, em decorrência de ato de ilegalidade ou abuso de poder. É possível
ainda o HC na hipótese de ameaça indireta, reflexa, potencial a liberdade de locomoção.
Natureza da Ação: O HC é uma ação de natureza penal, de procedimento especial, ou seja, é
uma ação que tem uma tramitação mais rápida, mais célere.
Contudo, mesmo diante desse procedimento mais rápido, é possível a concessão de liminar nessa
ação, ou seja, de se adiantar os efeitos da sentença, já no início do processo. Entretanto, isso só é
possível se preenchidos os requisitos para o seu deferimento, a saber: periculum in mora, ou seja,
deve haver um perigo real e concreto com possibilidade de dano irreparável e fumus boni iuris, que é
a fumaça de bom direito, ou seja, deve haver indícios de que a prisão se deu por ilegalidade ou abuso
de poder.
Existem dois tipos de Habeas Corpus:
→→ Habeas Corpus preventivo (salvo-conduto) que é aquele utilizado para prevenir a violência ou
coação à liberdade de locomoção.
→→ Habeas Corpus repressivo (liberatório) que é aquele utilizado para reprimir a violência ou
coação à liberdade de locomoção, ou seja, é utilizado quando a restrição da liberdade de locomo-
ção já ocorreu.
Perceba que não se trata de qualquer tipo de restrição à liberdade de locomoção que caberá o
remédio, mas apenas àquelas cometidas com ilegalidade ou abuso de poder.
Nas relações processuais que envolvem a utilização do Habeas Corpus, é possível identificar a
participação de três figurantes:
˃˃ IMPETRANTE – O impetrante é a pessoa que impetra a ação. Quem entra com a ação é quem
tem legitimidade ATIVA. A titularidade desta ferramenta é Universal, pois qualquer pessoa
pode impetrar o HC. Não precisa sequer de advogado. Sua possibilidade é tão ampla que não
precisa possuir capacidade civil, política, de idade, profissão, estado mental ou mesmo qualquer
formalidade, pode ser inclusive impetrado por analfabeto, nesse caso, o HC será assinado a
rogo. É possível a impetração em proveito próprio ou de terceiros (habeas corpus de terceiro).
Este remédio é desprovido de condições que impeçam sua utilização da forma mais ampla
possível. Poderá impetrar esta ação tanto uma pessoa física quanto jurídica, desde que a pessoa
jurídica impetre HC em favor de uma pessoa física.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

O que não se admite é a impetração apócrifa, aquela sem assinatura, sem identificação, uma
vez que a CF veda o anonimato, sendo também proibida a impetração em língua estrangeira1, em
respeito ao artigo 132 da CF, que estabelece que a língua portuguesa é o idioma oficial do Brasil.
Destaca-se que o Ministério Público3 também tem legitimidade ativa para impetrar habeas
Corpus.
˃˃ Paciente – pode ou não ser o impetrante e é quem está doente, quem precisa do remédio, ou seja,
quem teve restringido ou está sendo ameaçado de ter restringido a sua liberdade de locomoção.
Ele será o beneficiário do habeas corpus. Só pode ser paciente uma pessoa física, pessoa jurídica
não pode ser paciente de habeas corpus, pois a liberdade de locomoção é um direito incompatí-
vel com sua natureza jurídica.
˃˃ Autoridade Coatora – é quem restringiu ou está ameaçando de restringir a liberdade de loco-
moção de alguém por ilegalidade ou abuso de poder. Poderá ser tanto um ente privado quanto
uma autoridade pública.
Ressalta-se que essa ação é integralmente GRATUITA:
LXXVII-são gratuitas as ações de “habeas-corpus” e “habeas-data”, e, na forma da lei, os atos necessá-
rios ao exercício da cidadania.
Ademais, a Constituição proíbe a utilização deste remédio constitucional em relação às punições
disciplinares militares. É o que prevê o artigo 142, § 2º:
§ 2º – Não caberá “habeas-corpus” em relação a punições disciplinares militares.
Contudo, o STF tem admitido o remédio quando impetrado por razões de ilegalidade da prisão
militar. Isso significa que não cabe HC para discutir o mérito da prisão, os motivos da prisão dis-
ciplinar, mas tal somente aspectos formais da prisão, por exemplo: se a autoridade que decretou a
prisão era competente para tanto, a duração da prisão, dentre outros.
Por último, cabe ressaltar que o magistrado poderá concedê-lo de ofício4, ou seja, independente-
mente de qualquer pedido ou provocação, o juiz poderá colocar em liberdade um indivíduo irregu-
larmente preso.
Algumas JURISPRUDÊNCIAS sobre o Habeas Corpus que merecem destaque:
→→ Não cabe habeas corpus em relação às penas pecuniárias, multas, advertências ou ainda, nos
processos administrativos disciplinares e no processo de Impeachment. Nestes casos o não cabi-
mento deve-se ao fato de que essas medidas não visam restringir a liberdade de locomoção.
1 É inquestionável o direito de súditos estrangeiros ajuizarem, em causa própria, a ação de habeas corpus, eis que
esse remédio constitucional – por qualificar-se como verdadeira ação popular – pode ser utilizado por qualquer pessoa,
independentemente da condição jurídica resultante de sua origem nacional. A petição com que impetrado o habeas
corpus deve ser redigida em português, sob pena de não conhecimento do writ constitucional (CPC, art. 156, c/c CPP,
art. 3º), eis que o conteúdo dessa peça processual deve ser acessível a todos, sendo irrelevante, para esse efeito, que o
juiz da causa conheça, eventualmente, o idioma estrangeiro utilizado pelo impetrante. A imprescindibilidade do uso
do idioma nacional nos atos processuais, além de corresponder a uma exigência que decorre de razões vinculadas à
própria soberania nacional, constitui projeção concretizadora da norma inscrita no art. 13, caput, da Carta Federal,
que proclama ser a língua portuguesa ‘o idioma oficial da República Federativa do Brasil’. Não há como admitir o pro-
cessamento da ação de habeas corpus se o impetrante deixa de atribuir à autoridade apontada como coatora a prática
de ato concreto que evidencie a ocorrência de um específico comportamento abusivo ou revestido de ilegalidade. [HC
72.391 QO, rel. min. Celso de Mello, j. 8-3-1995, P, DJ de 17-3-1995.] Vide HC 94.016, rel. min. Celso de Mello, j. 16-9-
2008, 2ª T, DJE de 27-2-2009
2 Art. 13. A língua portuguesa é o idioma oficial da República Federativa do Brasil.
3 O Ministério Público dispõe de legitimidade ativa ad causam para ajuizar, em favor de terceiros, a ação penal de
habeas corpus. O remédio processual do habeas corpus não pode ser utilizado como instrumento de tutela dos direitos do
Estado. Esse writ constitucional há de ser visto e interpretado em função de sua específica destinação tutelar: a salvaguar-
da do estado de liberdade do paciente. A impetração do habeas corpus, com desvio de sua finalidade jurídico-constitucio-
nal, objetivando satisfazer, ainda que por via reflexa, porém de modo ilegítimo, os interesses da acusação, descaracteriza
a essência desse instrumento exclusivamente vocacionado à proteção da liberdade individual. Não se deve conhecer do
pedido de habeas corpus quando este, ajuizado originariamente perante o STF, é desautorizado pelo próprio paciente
(...). Conversão do julgamento em diligência, para que o paciente, uma vez pessoalmente intimado, esclareça se está de
acordo, ou não, com a impetração do writ.
[HC 69.889 diligência, rel. min. Celso de Mello, j. 2-2-1993, 1ª T, DJ de 1º-7-1993.]
= HC 75.347, rel. min. Carlos Velloso, j. 3-12-1997, P, DJ de 6-3-1998
4 RT 650/331
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

→→ De acordo com a orientação do STF, o habeas corpus não é meio idôneo para impugnar ato de
sequestro ou confisco de bens em processo criminal5.
→→ O habeas corpus não é instrumento cabível para a revisão, em tese, de súmulas editadas por tribu-
nais, ainda que se refiram a liberdade de locomoção, conforme o entendimento do STF6.
→→ Institutos de prescrição, preclusão e decadência não alcançam o Habeas Corpus, conforme orien-
tação do STF7
→→ De acordo com a orientação do STF não se pode interpor Habeas Corpus de forma sucessiva, sem
julgamento de HC anterior já impetrado, contudo essa regra é relativizada quando a violação à
liberdade de locomoção é evidente e decorre de ilegalidade ou abuso de poder8.
→→ Por outro lado, a jurisprudência tem admitido o cabimento do HC para impugnar inserção de
provas ilícitas no processo ou quando houver excesso de prazo na instrução processual penal.
Algumas súmulas sobre o HC:
Súmula 395:Não se conhece de recurso de habeas corpus cujo objeto seja resolver sobre o ônus
das custas, por não estar mais em causa a liberdade de locomoção.
Súmula 692:Não se conhece de habeas corpus contra omissão de relator de extradição, se fundado
em fato ou direito estrangeiro cuja prova não constava dos autos, nem foi ele provocado a respeito.
Súmula 693: Não cabe habeas corpus contra decisão condenatória a pena de multa, ou relativo a
processo em curso por infração penal a que a pena pecuniária seja a única cominada.
Súmula 694:Não cabe habeas corpus contra a imposição da pena de exclusão de militar ou de
perda de patente ou de função pública.
Súmula 695: Não cabe habeas corpus quando já extinta a pena privativa de liberdade.

Habeas Data
O habeas data cuja previsão está no inciso LXXII do artigo 5º tem como objetivo proteger a liber-
dade de informação do indivíduo:
LXXII – conceder-se-á “habeas-data”:
“para assegurar o conhecimento de informações relativas à pessoa do impetrante, constantes de regis-
tros ou bancos de dados de entidades governamentais ou de caráter público” ou “para a retificação de
dados, quando não se prefira fazê-lo por processo sigiloso, judicial ou administrativo”.
O HD é cabível em três hipóteses, sendo as duas primeiras previstas expressamente na CF e a
terceira prevista na Lei 9.507/979 que é a lei que regulamenta o HD, vejamos:
˃˃ Para conhecer a informação;
5 O habeas corpus não é o meio adequado para impugnar ato alusivo a sequestro de bens móveis e imóveis bem
como a bloqueio de valores. [HC 103.823, rel. min. Marco Aurélio, j. 3-4-2012, 1ª T, DJE de 26-4-2012.]
O habeas corpus, garantia de liberdade de locomoção, não se presta para discutir confisco criminal de bem. [HC
99.619, rel. p/ o ac. min. Rosa Weber, j. 14-2-2012, 1ª T, DJE de 22-3-2012.]
6 O habeas corpus não se presta à revisão, em tese, do teor de súmulas da jurisprudência dos tribunais. [RHC
92.886 AgR, rel. min. Joaquim Barbosa, j. 21-9-2010, 2ª T, DJE de 22-10-2010.]
7 O habeas corpus não sofre qualquer peia, sendo-lhe estranhos os institutos da prescrição, da decadência e
da preclusão ante o fator tempo. [HC 91.570, rel. min. Marco Aurélio, j. 19-8-2008, 1ª T, DJE de 24-10-2008.]
8 É pacífica a jurisprudência deste STF no sentido da inadmissibilidade de impetração sucessiva de habeas
corpus, sem o julgamento definitivo do writ anteriormente impetrado. Tal jurisprudência comporta relativização,
quando de logo avulta que o cerceio à liberdade de locomoção dos pacientes decorre de ilegalidade ou de abuso de poder
(inciso LXVIII do art. 5º da CF/1988). [HC 94.000, rel. min. Ayres Britto, j. 17-6-2008, 1ª T, DJE de 13-3-2009.]
9 Lei 9507/97 Art. 7° Conceder-se-á habeas data:
I – para assegurar o conhecimento de informações relativas à pessoa do impetrante, constantes de registro ou banco de dados de
entidades governamentais ou de caráter público;
II – para a retificação de dados, quando não se prefira fazê-lo por processo sigiloso, judicial ou administrativo;
III – para a anotação nos assentamentos do interessado, de contestação ou explicação sobre dado verdadeiro mas justificável e que
esteja sob pendência judicial ou amigável.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

˃˃ Para retificar a informação;


˃˃ Para anotação (inserir informações) nos registros do interessado, de contestação ou explicação
sobre uma informação que embora verdadeira possa ser justificada e que esteja sob pendência
judicial ou administrativa.
Ex: é exemplo de cabimento de HD, quando um contribuinte que queira obter informações
fiscais suas que estejam constantes de registros e bancos de dados do órgãos fiscal de arrecadação
tributária tiver negadas essas informações10.
Natureza da Ação: O HD é uma ação de natureza civil, de rito sumário.
São Sujeitos da Ação do HD:
˃˃ Impetrante: qualquer pessoa física ou jurídica, nacional ou estrangeiro, poderá impetrar HD11.
Contudo, é importante ressaltar que só caberá o remédio em relação às informações do próprio
impetrante, e não de terceiros, o que denota o caráter personalíssimo dessa ação.
→→ Destaca-se que, de acordo com o STF, é parte legítima para impetrar habeas data o cônjuge sobre-
vivente na defesa de interesse do falecido12.
˃˃ Impetrado: Entidade pública ou privada, contudo, o banco de dados ou os registros onde
constem as informações devem ter caráter público. Ex: Serviço de Proteção ao Crédito – SPC é
uma empresa privada, mas pode ser ré em uma ação de HD, pois as informações constantes de
seus registros, de seus bancos de dados, possuem caráter público.
→→ O HD só é cabível diante na negativa (recusa) expressa da autoridade administrativa de forneci-
mento, retificação ou anotação (explicação) das informações solicitadas ou ainda omissão injusti-
ficada, veja o que dispõe o STF:
A prova do anterior indeferimento do pedido de informação de dados pessoais, ou da omissão
em atendê-lo, constitui requisito indispensável para que se concretize o interesse de agir no habeas
data. Sem que se configure situação prévia de pretensão resistida, há carência da ação constitu-
cional do habeas data.
[RHD 22, rel. p/ o ac. min. Celso de Mello, j. 19-9-1991, P, DJ de 1º-9-1995.]
= HD 87 AgR, rel. min. Cármen Lúcia, j. 25-11-2009, P, DJE de 5-2-2010
→→ uma ação gratuita, mas exige a representação por advogado.
LXXVII-são gratuitas as ações de “habeas-corpus” e “habeas-data”, e, na forma da lei, os atos necessá-
rios ao exercício da cidadania.
A respeito do HD, é importante conhecer o entendimento da jurisprudência sobre as hipóteses
de NÃO CABIMENTO do Habeas Data, vejamos algumas delas:
10 “O Habeas Data é garantia constitucional adequada para a obtenção dos dados concernentes ao pagamento de
tributos do próprio contribuinte constantes dos sistemas informatizados de apoio à arrecadação dos órgãos da admi-
nistração fazendária dos entes estatais.” [RE 673.707, rel. min. Luiz Fux, j. 17-6-2015, P, DJE de 30-9-2015, com reper-
cussão geral.]
11 Ementa: DIREITO CONSTITUCIONAL. DIREITO TRIBUTÁRIO. HABEAS DATA. ARTIGO 5º, LXXII, CRFB/88. LEI Nº
9.507/97. ACESSO ÀS INFORMAÇÕES CONSTANTES DE SISTEMAS INFORMATIZADOS DE CONTROLE DE PAGAMENTOS
DE TRIBUTOS. SISTEMA DE CONTA CORRENTE DA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL-SINCOR. DIREITO
SUBJETIVO DO CONTRIBUINTE. RECURSO A QUE SE DÁ PROVIMENTO. (...) 6. A legitimatio ad causam para interpretação
de Habeas Data estende-se às pessoas físicas e jurídicas, nacionais e estrangeiras, porquanto garantia constitucional aos direitos
individuais ou coletivas.
(RE 673707, Relator(a): Min. LUIZ FUX, Tribunal Pleno, julgado em 17/06/2015, ACÓRDÃO ELETRÔNICO REPERCUSSÃO GERAL
– MÉRITO DJe-195 DIVULG 29-09-2015 PUBLIC 30-09-2015)
12 HABEAS DATA DADOS DE CÔNJUGE FALECIDO LEGITIMIDADE DO SUPÉSTITE ARTIGO 5º, INCISO LXXII,
ALÍNEA A, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL. 2. É parte legítima para impetrar habeas data o cônjuge sobrevivente na defesa de
interesse do falecido. Observem o alcance da alínea a do inciso LXXII do artigo 5º da Constituição Federal, que assegura o conhe-
cimento de informações relativas à pessoa do impetrante, constantes de registros ou bancos de dados de entidades governamentais
ou de caráter público. Encerra o acesso presente o interesse de agir. Sendo o servidor militar falecido, a viúva pode atuar visando
obter as informações armazenadas no assentamento funcional dele. 3. Ante o quadro, nego seguimento a este recurso extraordiná-
rio.
(STF – RE: 589257 DF, Relator: Min. MARCO AURÉLIO, Data de Julgamento: 28/12/2012, Data de Publicação: DJe-024 DIVULG
04/02/2013 PUBLIC 05/02/2013)
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

˃˃ O habeas data não se confunde com o direito de obter CERTIDÕES, dessa forma havendo
recusa em fornecer certidões para a defesa de direitos ou situações de interesse pessoal, próprio
ou de terceiros, ou meras informações de terceiros, a via adequada é o mandado de segurança.
˃˃ Não é cabível o habeas data para se obter vista ou cópia de processo administrativo13:
˃˃ Não é cabível para sustar publicação feita em sítios eletrônicos (na internet)14:

Ação Popular
A ação popular é uma ferramenta fiscalizadora utilizada como espécie de exercício direto dos
direitos políticos, é dizer, o seu exercício é um instrumento de democracia participativa. Por isso
que só poderá ser utilizada por cidadãos, ou seja, aqueles indivíduos que detenham o exercício dos
direitos políticos. Veja o que diz o inciso LXXIII do artigo 5º:
LXXIII – qualquer cidadão é parte legítima para propor ação popular que vise a anular ato lesivo ao
patrimônio público ou de entidade de que o Estado participe, à moralidade administrativa, ao meio
ambiente e ao patrimônio histórico e cultural, ficando o autor, salvo comprovada má-fé, isento de
custas judiciais e do ônus da sucumbência;

Qualquer CIDADÃO pode ser o autor dessa ação, entende-se por cidadão aquele que detenha a
chamada capacidade eleitoral ativa, ou seja, o indivíduo que possa votar. Lembre-se de que a capa-
cidade eleitoral ativa pode ser exercida a partir dos 16 anos. Dessa forma, um jovem de 16 anos que
detenha o título de eleitor poderá ser autor de Ação Popular.
Assim, pessoas jurídicas, o Ministério Público e estrangeiros não podem interpor Ação Popular.
A respeito do tema destaca-se a súmula 365 do STF: “Pessoa jurídica não tem legitimidade
para propor ação popular”.
O réu da Ação popular pode ser qualquer pessoa física ou jurídica, de direito público ou privado;
autoridades, funcionários, administradores e beneficiários diretos que tenham cometido algum
ato lesivo ao patrimônio: Público, histórico ou cultural; a moralidade administrativa ou ao meio
ambiente.
A Ação Popular serve para ANULAR ato ou contrato administrativo que seja lesivo:
˃˃ Ao Patrimônio: Público, histórico ou cultural;
˃˃ À Moralidade administrativa;
˃˃ Ao Meio Ambiente.
Dessa forma, a Ação Popular não serve para defesa de direitos individuais, mas de direitos de
natureza coletiva, como concretizadora do princípio republicano que impõe ao administrador
público o dever de prestar contas a respeito da gestão da coisa pública.
Outro ponto relevante é que não é preciso comprovar o prejuízo aos cofres públicos para propor
Ação Popular.
A Ação pode ser interposta de forma preventiva, antes da prática do ato ilegal ou imoral, ou re-
pressiva após a ocorrência do ato lesivo.
13 A ação de habeas data visa à proteção da privacidade do indivíduo contra abuso no registro e/ou revelação de
dados pessoais falsos ou equivocados. O habeas data não se revela meio idôneo para se obter vista de processo adminis-
trativo. HD 90 AgR, rel. min. Ellen Gracie, j. 18-2-2010, P, DJE de 19-3-2010. = HD 92 AgR, rel. min. Gilmar Mendes,
j. 18-8-2010, P, DJE de 3-9-2010.
14 O habeas data é via processual inadequada ao atendimento de pretensão do autor de sustar a publicação de
matéria em sítio eletrônico.[HD 100 AgR, rel. min. Luiz Fux, j. 25-11-2014, 1ª T, DJE de 16-12-2014.]
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

→→ O Ministério Público não pode ajuizar Ação Popular, uma vez que essa prerrogativa é apenas do
cidadão, contudo, caso haja omissão ou abandono da ação pelo autor, o MP poderá substituir o
autor na ação. No mais, o MP atua na Ação Popular apenas como fiscal da lei.
→→ Gratuidade para o Autor. A CF isenta o autor da Ação Popular de pagar custas judiciais ou ônus
da sucumbência, salvo se tiver de má-fé. Observe que a ação em si não é gratuita, a gratuidade é
apenas para o Autor, de boa-fé, e não para o Réu.
→→ Tema importantíssimo para a sua prova diz respeito ao foro por prerrogativa de função que
não alcança a Ação Popular, dessa forma, não existe competência originária para o julgamento
de Ação Popular15. Por ex: uma Ação Popular contra o Presidente da República não deverá ser
ajuizada perante o STF, mas perante o juiz singular, de primeiro grau.
Além da previsão constitucional, esta ação encontra-se regulamentada pela lei 4.717/65.
Exercícios
01. O habeas corpus é o instrumento jurídico correto para trancar ação de impeachment. .
Certo ( ) Errado ( )
02. O habeas corpus é o instrumento jurídico correto para discutir a legalidade de medida proteti-
va de vítima de violência doméstica.
Certo ( ) Errado ( )
03. Como o habeas data não pode ser utilizado por pessoa jurídica, deve ser reconhecida a ilegiti-
midade ativa na hipótese de pessoa jurídica ajuizar habeas data para obter informações de seu
interesse constante de dados de determinada entidade governamental.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - Errado
02 - Certo
03 - Errado

15 Não é da competência originária do STF conhecer de ações populares, ainda que o réu seja autoridade que
tenha na Corte o seu foro por prerrogativa de função para os processos previstos na Constituição. STF – AG.REG.NA
PETIÇÃO : Pet-AgR 3152 PA.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
7
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Remédios Constitucionais����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Mandado de Segurança�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Mandado de Segurança Coletivo��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Súmulas Sobre o Mandado de Segurança:�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Mandado de Injunção�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Remédios Constitucionais
Mandado de Segurança
A Constituição Federal prevê no art. 5º, LXIX:
LXIX – conceder-se-á mandado de segurança para proteger direito líquido e certo, não amparado por
“habeas-corpus” ou “habeas-data”, quando o responsável pela ilegalidade ou abuso de poder for auto-
ridade pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de atribuições do Poder Público;
Natureza da Ação: O MS é uma ação de natureza civil, de rito sumário especial. Destaca-se que o
caráter civil da Ação, não impede que seja impetrado MS contra ato de juiz em processo penal.
Como se pode ver, o mandado de segurança será cabível para proteger DIREITO LÍQUIDO
E CERTO, que é aquele em que os fatos alegados são comprováveis de plano, as provas devem ser
pré-constituídas, pois, no MS, não existe dilação probatória, não existe fase de instrução processual,
que é o momento em que se produz provas. Ex: no MS não será possível ouvir testemunhas, nem
produzir perícia no curso do processo.
É dizer: para ser cabível MS, não pode haver controvérsia sobre os fatos narrados.
Veja que é possível a existência de controvérsia sobre a matéria de direito, ou seja, pode ser impe-
trado MS, mesmo não havendo unanimidade na interpretação da doutrina e da jurisprudência, mas
os fatos devem ser comprováveis de imediato.
Esse entendimento encontra-se sumulado pelo STF, conforme Súmula 625:
Controvérsia sobre matéria de direito não impede concessão de mandado de segurança.
O Cabimento do MS só é possível, também, se o direito não estiver amparado por habeas corpus
ou habeas data, ou seja, nem toda violação a direito líquido e certo será discutida por meio de MS,
somente sendo cabível quando não for protegido por outros remédios constitucionais. Este é o
chamado caráter residual, subsidiário do mandado de segurança.
O texto constitucional exigiu, também, para a utilização desta ferramenta, a ocorrência de ile-
galidade e o abuso de poder praticado por autoridade pública ou privada, esta desde que esteja no
exercício de atribuições do poder público, ou seja, o ato impugnado por meio de MS necessariamente
precisa ser um ATO DE AUTORIDADE, entendido como qualquer manifestação ou omissão do
Poder público ou de agente no exercício de atribuições do Poder Público.
O mandando de segurança poderá ser repressivo quando a ilegalidade já tiver sido cometida ou
preventivo quando o impetrante demonstrar justo receio de sofrer violação de direito líquido e certo
por parte da autoridade impetrada.
O mandado de segurança possui prazo decadencial (que não se interrompe e não se suspende)
para ser utilizado de 120 dias, a contar da data em que o interessado teve conhecimento oficial do ato
a ser impugnado. Esse prazo deve ser verificado na data do ajuizamento da ação, ainda que feito em
juízo incompetente.
O prazo de decadência para o Mandado de Segurança, ainda que protocolado em juízo incompetente, deve
ser aferido na data em que foi originalmente protocolado, desse modo, não decai o direito ao MS se não for
remetido ao juízo competente dentro dos 120 dias, Conforme jurisprudência do STF:
É posição pacífica da jurisprudência desta Suprema Corte que o prazo decadencial para ajuizamento do
mandado de segurança, mesmo que tenha ocorrido perante juízo absolutamente incompetente, há de ser
aferido pela data em que foi originariamente protocolizado.
[MS 26.792 AgR, rel. min. Dias Toffoli, j. 4-9-2012, 1ª T, DJE de 27-9-2012.]
Ademais, de acordo com o STF, é constitucional a fixação de prazo decadencial para o Mandado
de Segurança, conforme Súmula 632 do STF – É constitucional lei que fixa prazo de decadência para
impetração de mandado de segurança.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

O impetrante pode desistir do MS a qualquer tempo, independentemente do consentimento do


impetrado, mesmo que já tenha sido proferida sentença, desde que essa decisão ainda não tenha
transitado em julgado.
“É lícito ao impetrante desistir da ação de mandado de segurança, independentemente de aquiescência da
autoridade apontada como coatora ou da entidade estatal interessada ou, ainda, quando for o caso, dos li-
tisconsortes passivos necessários” (MS 26.890-AgR/DF, Pleno, Min. Celso de Mello, DJe de 23-10-2009), (...)
“mesmo após eventual sentença concessiva do writ constitucional, (…) não se aplicando, em tal hipótese, a
norma inscrita no art. 267, § 4º, do CPC” (RE 255.837-AgR/PR, Segunda Turma, Min. Celso de Mello, DJe
de 27-11-2009).
[RE 669.367, rel. p/ o ac. min. Rosa Weber, j. 2-5-2013, P, DJE de 30-10-2014, com repercussão geral.]
→→ A legitimidade para impetrar mandado de segurança com a finalidade de impedir a aprova-
ção de lei ou emenda que seja incompatível com o processo legislativo constitucional é dada
aos parlamentares, membros da Câmara dos Deputados e do Senado Federal e não a qualquer
cidadão.
O STF admite a legitimidade do parlamentar – e somente do parlamentar – para impetrar mandado de
segurança com a finalidade de coibir atos praticados no processo de aprovação de lei ou emenda constitu-
cional incompatíveis com disposições constitucionais que disciplinam o processo legislativo. Precedentes
do STF: MS 20.257/DF, Min. Moreira Alves (leading case) (RTJ 99/1031); MS 20.452/DF, min. Aldir Pas-
sarinho (RTJ 116/47); MS 21.642/DF, min. Celso de Mello (RDA 191/200); MS 24.645/DF, min. Celso de
Mello, DJ de 15-9-2003; MS 24.593/DF, min. Maurício Corrêa, DJ de 8-8-2003; MS 24.576/DF, min. Ellen
Gracie, DJ de 12-9-2003; MS 24.356/DF, min. Carlos Velloso, DJ de 12-9-2003.
[MS 24.667 AgR, rel. min. Carlos Velloso, j. 4-12-2003, P, DJ de 23-4-2004.] = MS 32.033, rel. p/ o ac. min.
Teori Zavascki, j. 20-6-2013, P, DJE de 18-2-2014
→→ Não cabe MS contra ato que caiba recurso administrativo com efeito suspensivo.
“Não se dará mandado de segurança quando se tratar de ato de que caiba recurso administrativo com
efeito suspensivo” (...).
[MS 26.178 AgR, rel. min. Ayres Britto, j. 6-6-2007, P, DJE de 11-4-2008.]
= MS 26.737 ED, rel. min. Cármen Lúcia, j. 25-6-2008, P, DJE de 13-3-2009

Mandado de Segurança Coletivo


A CF ainda trata do MANDADO DE SEGURANÇA COLETIVO, que é remédio constitucional
para defesa de direitos coletivos e individuais homogêneos:
LXX – o mandado de segurança coletivo pode ser impetrado por:
a) partido político com representação no Congresso Nacional;
b) organização sindical, entidade de classe ou associação legalmente constituída e em funcionamen-
to há pelo menos um ano, em defesa dos interesses de seus membros ou associados;
Observadas as regras do mandado de segurança individual, o mandado de segurança coletivo
possui alguns requisitos que lhe são peculiares: os legitimados para propositura, ou seja, quem pode
propor Mandado de Segurança Coletivo.
De acordo com a CF, são LEGITIMADOS para propor o mandado de segurança coletivo:
→→ Partidos Políticos com representação no Congresso Nacional, ou seja, para se ter representação
no Congresso Nacional, basta um membro na Câmara OU um no Senado.
→→ Organização sindical1,
→→ Entidade de classe,
→→ Associação desde que legalmente constituída e em funcionamento há pelo menos um ano.

1 Agravo Regimental em Recurso Extraordinário RE 696845


Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Observe que o requisito de um ano de constituição e funcionamento só se aplica às associações!!


Os Partidos podem defender direitos relativos a seus integrantes ou relacionados à finalidade
partidária, enquanto que os demais podem defender direitos dos seus membros ou associados, desde
que pertinentes às finalidades da entidade. Ademais, não precisa ser um direito de todos os seus
membros, podendo ser um direito de parte dos membros da entidade.2
Caso um Partido Político perca no curso do processo a sua representação no Congresso Nacional,
isso não será causa para a extinção do mandado de segurança, desse modo, a perda superveniente da
representação no congresso nacional não implica extinção do MS.
No MS Coletivo, os legitimados atuam como substitutos processuais, buscando interesses de seus
filiados em nome próprio, por esse motivo, os legitimados não precisam de autorização expressa dos
seus filiados3
A legitimação das organizações sindicais, entidades de classe ou associações, para a segurança coletiva, é
extraordinária, ocorrendo, em tal caso, substituição processual. CF, art. 5º, LXX. Não se exige, tratando-se
de segurança coletiva, a autorização expressa aludida no inciso XXI do art. 5º da Constituição, que con-
templa hipótese de representação.
[RE 193.382, rel. min. Carlos Velloso, j. 28-6-1996, P, DJ de 20-9-1996.]
= RE 437.971 AgR, rel. min. Cármen Lúcia, j. 24-8-2010, 1ª T, DJE de 24-9-2010

Súmulas Sobre o Mandado de Segurança:


→→ O mandado de segurança não substitui a ação popular. [Súmula 101.]
→→ Não cabe mandado de segurança contra lei em tese. [Súmula 266.]
→→ Não cabe mandado de segurança contra ato judicial passível de recurso ou correição. [Súmula 267.]
→→ Não cabe mandado de segurança contra decisão judicial com trânsito em julgado. [Súmula 268.]
→→ O mandado de segurança não é substitutivo de ação de cobrança. [Súmula 269.]
→→ Concessão de mandado de segurança não produz efeitos patrimoniais em relação a período pretéri-
to, os quais devem ser reclamados administrativamente ou pela via judicial própria. [Súmula 271.]
→→ Pedido de reconsideração na via administrativa não interrompe o prazo para o mandado de
segurança. [Súmula 430.]
→→ Praticado o ato por autoridade, no exercício de competência delegada, contra ela cabe o mandado
de segurança ou a medida judicial. [Súmula 510.]
→→ Não cabe condenação em honorários de advogado na ação de mandado de segurança. [Súmula 512.]
→→ Controvérsia sobre matéria de direito não impede concessão de mandado de segurança. [Súmula 625.]
→→ A impetração de mandado de segurança coletivo por entidade de classe em favor dos associados
independe da autorização destes. (SÚMULA 629)
→→ A entidade de classe tem legitimação para o mandado de segurança ainda quando a pretensão
veiculada interesse apenas a uma parte da respectiva categoria. [Súmula 630.]
→→ É constitucional lei que fixa prazo de decadência para impetração de mandado de segurança.
[Súmula 632.]
2 Súmula 630 – A entidade de classe tem legitimação para o mandado de segurança ainda quando a pretensão veiculada
interesse apenas a uma parte da respectiva categoria.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

Mandado de Injunção
O mandado de injunção é uma garantia que visa assegurar o exercício de direitos e liberdade
constitucionais que ficam inviabilizados pela ausência de regulamentação. Vejamos o que diz a
Constituição:
LXXI – conceder-se-á mandado de injunção sempre que a falta de norma regulamentadora torne
inviável o exercício dos direitos e liberdades constitucionais e das prerrogativas inerentes à nacionali-
dade, à soberania e à cidadania;
Você deve lembrar que algumas normas constitucionais, para que produzam efeitos, dependem
da edição de outras normas infraconstitucionais, estas normas são conhecidas por sua eficácia como
normas de eficácia limitada, caso essas normas regulamentadoras não sejam criadas e por conta
disso se esteja tornando inviável o exercício de direitos fundamentais, será cabível a impetração de
Mandado de Injunção.
Dessa forma, o objetivo do MI é suprir a omissão legislativa que impede o exercício de direitos
fundamentais.
Quando o legislador não regulamenta uma norma constitucional de eficácia limitada, impedin-
do o exercício de direitos fundamentais, fica caracterizada a violação da CF, pela omissão legislativa,
pela inércia, essa é a chamada violação negativa do texto constitucional.
A CF prevê expressamente apenas a possibilidade de impetração de Mandado de Injunção de
natureza individual, contudo a doutrina e a jurisprudência aceitavam, por analogia ao Mandado de
Segurança, o cabimento do Mandado de injunção coletivo.
Contudo, a Lei nº 13.300/2016, disciplinou o processo e julgamento do mandado de injunção
individual e previu expressamente a possibilidade de impetração de mandado de injunção coletivo.
O Mandado de injunção individual pode ser impetrado por pessoas naturais ou jurídicas que se
afirmam titulares de direitos e liberdades constitucionais e das prerrogativas inerentes à nacionali-
dade, à soberania e à cidadania, cujo exercício seja inviabilizado pela ausência da norma regulamen-
tadora. (Lei 13.300/2016, art. 3º).
Pessoas jurídicas de direito Público, apesar de serem titulares de garantias fundamentais, não
possuem legitimidade para impetração de mandado de injunção.
O objeto da ação é a omissão legislativa inconstitucional, ou seja, a mora inconstitucional, que só
se caracteriza após o decurso razoável de tempo para a edição da norma.
O mandado de injunção não é via adequada para impugnar a constitucionalidade de uma norma
regulamentadora ou sanar lacuna normativa de período anterior à sua edição.
Assim, podemos esquematizar três requisitos para o ajuizamento de mandado de injunção:
a) Falta de norma regulamentadora;
b) Inviabilização de um direito ou liberdade constitucional ou de prerrogativas inerentes à
nacionalidade, à soberania e à cidadania;
c) Decurso de prazo razoável para a elaboração da norma regulamentadora.
O mandado de injunção coletivo tem por finalidade proteger direitos, liberdades e prerrogativas
pertencentes, indistintamente, a uma coletividade indeterminada de pessoas ou determinada por
grupo, classe ou categoria.
A legitimidade para impetração, antes conferida, por analogia, aos mesmos legitimados do
mandado de segurança coletivo (CF, art. 5.º, LXX), foi ampliada pelo artigo 12 da Lei nº 13.300/2016.
Art. 12. O mandado de injunção coletivo pode ser promovido:

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

I – pelo Ministério Público, quando a tutela requerida for especialmente relevante para a defesa da
ordem jurídica, do regime democrático ou dos interesses sociais ou individuais indisponíveis;
II – por partido político com representação no Congresso Nacional, para assegurar o exercício de
direitos, liberdades e prerrogativas de seus integrantes ou relacionados com a finalidade partidária;
III – por organização sindical, entidade de classe ou associação legalmente constituída e em funciona-
mento há pelo menos 1 (um) ano, para assegurar o exercício de direitos, liberdades e prerrogativas em
favor da totalidade ou de parte de seus membros ou associados, na forma de seus estatutos e desde que
pertinentes a suas finalidades, dispensada, para tanto, autorização especial;
IV – pela Defensoria Pública, quando a tutela requerida for especialmente relevante para a promoção
dos direitos humanos e a defesa dos direitos individuais e coletivos dos necessitados, na forma do inciso
LXXIV do art. 5º da Constituição Federal.
Parágrafo único. Os direitos, as liberdades e as prerrogativas protegidos por mandado de injunção coletivo
são os pertencentes, indistintamente, a uma coletividade indeterminada de pessoas ou determinada por
grupo, classe ou categoria.
Assim, podemos dizer que podem impetrar Mandado de Injunção coletivo, os mesmos que
podem apresentar mandado de segurança coletivo, ou seja:
→→ Partidos Políticos com representação no Congresso Nacional
→→ Organização sindical4,
→→ Entidade de classe;
→→ Associação desde que legalmente constituída e em funcionamento há pelo menos um ano.
Contudo, além desses legitimados a lei 13.300/2016, conferiu legitimidade também para:
→→ Defensoria Pública
→→ Ministério Público.
Agora, como que o Poder Judiciário deverá proceder na hora de julgar um Mandado de Injunção,
ele pode ou deve assegurar imediatamente os direitos não regulamentados? Ele deve criar a lei? Deve
intimar o legislativo para ele realizar a norma? Essa decisão valerá para todos ou valerá apenas para
as partes do processo?
Antes da lei 13.300/2016, essas perguntas não tinham uma resposta específica, isso porque, de-
pendendo do caso, o poder judiciário fazia uma ou outra coisa, contudo, felizmente a lei resolveu esse
dilema, pacificando o tema.
Quanto aos efeitos do Mandado de Injunção, podemos destacar que a lei 13.300/2016 adotou a
chamada TEORIA CONCRETISTA INTERMEDIÁRIA, por meio da qual o julgador deve primei-
ramente comunicar a omissão ao órgão competente para a elaboração da norma, fixando prazo para
o seu cumprimento e, após, caso não tenha sido cumprido o determinado, o direito seria exercido
nos termos a serem fixados pela decisão judicial:
Art. 8 º Reconhecido o estado de mora legislativa, será deferida a injunção para:
I – determinar prazo razoável para que o impetrado promova a edição da norma regulamentadora;
II – estabelecer as condições em que se dará o exercício dos direitos, das liberdades ou das prerrogativas
reclamados ou, se for o caso, as condições em que poderá o interessado promover ação própria visando
a exercê-los, caso não seja suprida a mora legislativa no prazo determinado.
Parágrafo único. Será dispensada a determinação a que se refere o inciso I do caput quando comprova-
do que o impetrado deixou de atender, em mandado de injunção anterior, ao prazo estabelecido para a
edição da norma.
4 Agravo Regimental em Recurso Extraordinário RE 696845
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

Ainda quanto aos efeitos da decisão do MI, o artigo 9 º adotou como regra a TEORIA CONCRE-
TISTA INDIVIDUAL, com aplicação dos efeitos apenas para as partes do processo (inter partes),
porém, com a possibilidade de extensão desses efeitos para todos ou para um grupo de pessoas (efeitos
ultra partes ou erga omnes), ou seja, podendo ser adotado a TEORIA CONCRETISTA GERAL.
Art. 9 º A decisão terá eficácia subjetiva limitada às partes e produzirá efeitos até o advento da norma
regulamentadora.
§ 1º Poderá ser conferida eficácia ultra partes ou erga omnes à decisão, quando isso for inerente ou indis-
pensável ao exercício do direito, da liberdade ou da prerrogativa objeto da impetração.
→→ Efeito inter partes é o efeito da decisão apenas para as partes integrantes do litígio.
→→ Efeito ultra partes é o efeito da decisão para um grupo, categoria ou classe de pessoas determinadas,
por exemplo, uma associação ou sindicato.
→→ Efeito erga omnes é o efeito da decisão para todos.
Exercícios
01. O cidadão que entender que seu direito líquido e certo foi violado por ato de agente do tribunal
de contas que atuava no exercício de suas funções poderá se valer do remédio constitucional
denominado mandado de segurança.
Certo ( ) Errado ( )
02. A impetração de mandado de segurança coletivo por entidade de classe em favor dos associados
somente pode ser feita com expressa autorização destes.
Certo ( ) Errado ( )
03. A decisão em mandado de injunção, terá, como regra, eficácia ultra partes ou erga omnes.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - Certo
02 - Errado
03 - Errado

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
7
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Direitos Sociais����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Noções Gerais���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Características���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Cláusula da Reserva do Possível X Mínimo Existencial������������������������������������������������������������������������������������������3
Direito Socias Trabalhistas�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Direitos Sociais Individuais dos Trabalhadores�������������������������������������������������������������������������������������������������������4

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Direitos Sociais
Noções Gerais
Os direitos sociais encontram-se previstos a partir do artigo 6º até o artigo 11 da Constituição Federal.
São normas que se concretizam por meio de prestações positivas por parte do Estado, haja vista objeti-
varem reduzir as desigualdades sociais, atuam como liberdades positivas, visando à igualdade social.
São direitos de 2ª dimensão ou geração e visam assegurar a isonomia ou a igualdade.
Pela sua relevante importância na consagração dos direitos humanos, os direitos sociais se en-
contram previstos na Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH), em seu art. XXII:
Todo ser humano, como membro da sociedade, tem direito à segurança social, à realização pelo esforço
nacional, pela cooperação internacional e de acordo com a organização e recursos de cada Estado, dos
direitos econômicos, SOCIAIS e culturais indispensáveis à sua dignidade e ao livre desenvolvimento da
sua personalidade.
Primeiramente devemos analisar quais são os direitos sociais previstos na CF, vejamos:
“Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o transporte,
o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos
desamparados, na forma desta Constituição.”
Para as provas é muito importante que você memorize esses direitos, como dica de memoriza-
ção, veja a seguinte mnemônica.

Respectivamente: educação, moradia, lazer, saúde, trabalho, alimentação, assistência aos de-
samparados, proteção à maternidade e à infância, segurança, transporte e previdência social.
A respeito desses direitos elencados no caput do art. 6º, algumas considerações são pertinentes.
O direito à moradia (inserido pela EC 26/2000) não se confunde com o direito à propriedade,
isso porque o direito à moradia é, como visto, um direito de segunda dimensão que determina que
o Estado deve assegurar a todos um teto, um abrigo. Já o direito de propriedade se caracteriza por
ser um direito de primeira dimensão, ou seja, é o direito do indivíduo de usar, fruir e gozar da coisa
imóvel que lhe pertença, sem a interferência do Estado.
O direito à segurança elencado no artigo 6º refere-se à ideia de segurança pública, nos termos do
art. 144 da CF.
O direito à alimentação (inserido pela EC 64/2010) refere-se ao direito humano a uma alimen-
tação adequada.
O direito ao Transporte foi o último direito social a ser inserido na CF por meio da EC 90/2015.
Características
Os direitos Sociais são normas de ordem pública com as seguintes CARACTERÍSTICAS:
a) Imperatividade: é uma imposição ao Estado que deve necessariamente assegurar os direitos sociais,
não depende da vontade dos indivíduos, pois a norma não é conselho, mas ordem a ser seguida.
b) Inviolabilidade: os direitos sociais não podem ser violados, aliás todos os direitos fundamentais

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

são invioláveis.
c) Aplicação imediata: sabe-se que todos os direitos sociais têm aplicação imediata (uma vez que
são espécies de direitos fundamentais – art. 5º1 § 1º da CF/88), contudo, quanto à eficácia dos
direitos sociais, de uma forma geral, pode-se afirmar que são normas de eficácia limitada, ou
seja, que dependem de regulamentação, desse modo, caso haja omissão legislativa no sentido
de implementar um determinado direito social, será possível a impetração de Mandado de
injunção.
Cláusula da Reserva do Possível X Mínimo Existencial
Sabe-se que a implementação dos direitos sociais, enquanto dever do Estado, depende necessa-
riamente de recursos financeiros, o Estado não tem como assegurar educação, saúde, trabalho e os
demais direitos sem dinheiro.
Dessa forma, no que tange à implementação dos direitos sociais, o Estado é obrigado a assegurá
-los na medida daquilo que for economicamente e financeiramente possível, dessa forma, o Estado
não fica responsável pela total implementação dos direitos sociais, mas apenas daquilo que tenha
dinheiro para executar.
A teoria que diz que o Estado só deve assegurar os direitos sociais na medida daquilo que lhe seja
economicamente viável ficou conhecida como Teoria da Reserva do Possível ou cláusula da reserva
do possível.
A cláusula da reserva do possível traz a ideia de que é impossível garantir de forma ampla todos
os direitos sociais previstos pela CF, tendo em vista a inexistência de recursos públicos suficientes.
Mas então você deve estar se questionando: O Estado não é obrigado a assegurar direitos sociais?
É só ele alegar que não tem dinheiro e pronto, ficamos sem direitos sociais?
A resposta é que o Estado é obrigado a assegurar, no que diz respeito aos direitos sociais, o
mínimo ao respeito da dignidade das pessoas, ou seja, o Estado é obrigado a pelo menos assegurar
o acesso aos direitos sociais. Dessa forma, o Estado não pode alegar insuficiência de recursos para
assegurar o mínimo; essa teoria ficou conhecida como teoria do mínimo existencial.
Dessa forma, podemos dizer que a teoria do mínimo existencial impõe um limite à teoria da
Reserva do Possível, na medida em que o Estado não pode alegar que não tem dinheiro para assegu-
rar o mínimo de acesso aos direitos sociais, que representam o mínimo de dignidade que o Estado
deve proporcionar.
Conclui-se então que a teoria do mínimo existencial determina que o Estado tem o dever de as-
segurar ao cidadão condições mínimas para uma vida digna, independentemente da existência de
recursos públicos para custeio.
Ademais, caso o Estado não assegure o mínimo existencial, de forma excepcional, é possível a
atuação do Poder Judiciário, que inclusive pode determinar medidas coercitivas, como bloqueio de
contas, para que o Estado assegure os direitos sociais. A esse fenômeno de atuação do Poder Judiciá-
rio na gestão da coisa pública no sentido de assegurar os direitos sociais ficou conhecido como Judi-
cialização de Políticas Públicas. Evidentemente que essa atuação do Poder Judiciário é excepcional,
sob pena de violação da separação dos Poderes.

Direito Socias Trabalhistas


No capítulo destinado aos direitos sociais a CF, nos incisos seguintes, tratou apenas de um dos direitos
elencados no art.6º que é o direito ao Trabalho.
Dessa forma, os artigos que se seguem (7º ao 11º) dispõem apenas de direitos sociais de caráter
trabalhista. Os demais direitos sociais são abordados pela CF, especialmente no título da Ordem
1 § 1º As normas definidoras dos direitos e garantias fundamentais têm aplicação imediata.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Social.
Esses direitos podem ser assim classificados em direitos aplicáveis às relações individuais de
trabalho e direitos coletivos dos trabalhadores:

Direitos Sociais Individuais dos Trabalhadores


Vamos analisar então o caput do art.7º da CF:
Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua
condição social:
Pela leitura do caput, podemos observar que o rol de direitos trabalhistas configuram um rol
EXEMPLIFICATIVO, isso porque outros direitos poderão ser assegurados em outros documentos.
Além disso, os direitos elencados são aplicáveis aos trabalhadores URBANOS, RURAIS, e por
expressa disposição da CF são estendidos integralmente aos trabalhadores AVULSOS, observe:
XXXIV – igualdade de direitos entre o trabalhador com vínculo2 empregatício permanente e o tra-
balhador avulso.
Parte desses direitos, não todos, também são extensíveis aos servidores públicos e aos trabalha-
dores domésticos, graças a EC 72/2013, que ficou conhecida como PEC dos domésticos.
As bancas costumam cobrar quais dos direitos desse artigo também são aplicáveis aos domésticos ou
aos servidores públicos, por isso é muito importante que você memorize quais direitos sociais são exten-
síveis a esses trabalhadores.
Para ajudá-lo, ao final desse capítulo, temos uma tabela comparativa entre os direitos de cada
uma dessas classes: trabalhadores urbanos e rurais; domésticos e servidores públicos. Tem que ler!!!!!
Os incisos do artigo 7º costumam cair nas provas de forma bastante literal, é um copia e cola da CF,
sendo assim, a leitura integral dos incisos do artigo 7º é imprescindível. Dessa forma, vamos analisar
aqueles que são mais cobrados ou que exijam um conhecimento a mais:
PROTEÇÃO CONTRA DESPEDIDA ARBITRÁRIA OU SEM JUSTA CAUSA
A CF, buscando proteger as relações de trabalho, estabelece que lei complementar deverá prever
uma indenização compensatória, caso o trabalhador seja despedido arbitrariamente ou sem justa
causa.
2 Segundo a lei 12.023/2009, trabalhado avulso é: “aquele que presta serviços nas áreas urbanas ou rurais de caráter inter-
mitente sem vinculo empregatício, mediante intermediação obrigatória do sindicato da categoria por meio de acordos e conven-
ções coletivas de trabalho para execução das tarefas.”.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

O problema é que essa lei complementar nunca foi criada, dessa forma, até que a lei seja criada,
a indenização deverá ser realizada por meio do pagamento de multa de 40% sobre o valor do FGTS,
conforme determinação do art. 10, I do ADCT.
Ressalta-se que essa regra constitucional é uma norma de eficácia contida.
I – relação de emprego protegida contra despedida arbitrária ou sem justa causa, nos termos de lei
complementar, que preverá indenização compensatória, dentre outros direitos;
GARANTIAS DO TRABALHADOR
A CF, pensando em amparar aquele trabalhador desempregado, prevê um seguro, que é uma
ajuda dada ao trabalhador, caso ele esteja desempregado de forma involuntária, ou seja, caso ele
tenha sido demitido. Isso significa que, se o trabalhador pedir demissão, ele não fará jus ao seguro
desemprego.
II – seguro-desemprego, em caso de desemprego involuntário;
A CF assegura também o Fundo de Garantia do tempo de serviço – FGTS, que nada mais é do
que uma espécie de poupança que o empregador faz, depositando mensalmente um valor em uma
conta vinculada e exclusiva do empregado. Assim, em situações emergenciais ou mesmo em caso de
desemprego, o trabalhador poderá levantar os valores que foram depositados.
III – fundo de garantia do tempo de serviço – FGTS;
Atenção: de acordo com a nova orientação do STF, o prazo para cobrança judicial dos valores do
FGTS é de 5 anos, observado o limite de 2 anos após a extinção do contrato de trabalho e não mais de
30 anos. (RE 134.328).
SALÁRIO MÍNIMO
A garantia do Salário mínimo encontra-se prevista no inciso IV do art. 7º, vejamos a sua redação:
IV – salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender a suas necessidades
vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário,
higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisi-
tivo, sendo vedada sua vinculação para qualquer fim;
Quanto ao salário mínimo, podemos destacar as seguintes características:
→→ Deve ser fixado em Lei: é apenas o Poder Legislativo que deve fixar o valor do salário mínimo.
Contudo, de acordo com o STF a lei que regulamenta o Salário mínimo poderá autorizar que a
mera declaração do valor do salário seja feita por decreto do Presidente da República.
→→ Nacionalmente Unificado: o salário mínimo é estipulado de forma nacional, unificado em todo
o país, sem levar em consideração as peculiaridades de cada região do país.
→→ Reajustes periódicos: como o salário mínimo deve atender a todas as necessidades vitais do
individuo e de sua família, o valor do salário deve ser reajustado com a finalidade de manter
sua capacidade aquisitiva.
→→ Proibição de Vinculação: a CF não admite a vinculação do salário para qualquer finalidade, ou
seja, o salário mínimo não deve servir como índice de correção monetária.
Destaca-se, contudo, a interpretação do STF3 que entende não ofender a CF a vinculação do
salario mínimo como base para cálculo de pensão alimentícia.
A garantia do salário mínimo é assegurada também ao servidor público, entretanto, tal garantia
não se refere ao valor do vencimento básico, mas diz respeito à totalidade da remuneração. A remu-
neração do servidor é composta de: vencimento básico mais adicionais, sendo assim, de acordo com
a SV.16, se o valor do vencimento básico foi inferior ao mínimo, não haverá ofensa a CF, o que não se
3 ARE 842.157, mi. Dias Toffoli, 19.06.2015.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

permite é que a remuneração seja inferior ao mínimo.


Súmula Vinculante 16:
Os artigos 7º, IV, e 39, §3º (redação da EC 19/98), da Constituição, referem-se ao total da remuneração
percebida pelo servidor público.
→→ Não viola a Constituição o estabelecimento de remuneração inferior ao salário mínimo para as
praças prestadoras de serviço militar inicial.
[Súmula Vinculante 6.]
→→ Salvo nos casos previstos na Constituição, o salário mínimo não pode ser usado como indexador
de base de cálculo de vantagem de servidor público ou de empregado, nem ser substituído por
decisão judicial.
[Súmula Vinculante 4.]
Exercícios
01. Entre os direitos sociais previstos pela Constituição Federal de 1988 (CF) inclui-se o direito à
propriedade.
Certo ( ) Errado ( )
02. O transporte e o lazer são direitos sociais expressamente previstos na CF.
Certo ( ) Errado ( )
03. A alimentação é um direito social.
Certo ( ) Errado ( )
04. São destinatários dos direitos sociais, em seu conjunto, os trabalhadores, urbanos ou rurais, com
vínculo empregatício, os trabalhadores avulsos, os trabalhadores domésticos e os servidores
públicos genericamente considerados.
Certo ( ) Errado ( )
05. A cláusula de reserva do possível refere-se à possibilidade material de o poder público concre-
tizar direitos sociais e constitui, em regra, uma limitação válida à implementação total desses
direitos.
Certo ( ) Errado ( )
06. A garantia do mínimo existencial, que decorre da proteção constitucional à dignidade da
pessoa humana, restringe a invocação da reserva do possível como óbice à concretização do
acesso aos direitos sociais.
Certo ( ) Errado ( )
07. A cláusula de reserva do possível não pode ser alegada pelo Estado como obstáculo à total
implementação dos direitos sociais.
Certo ( ) Errado ( )
08. Entre os direitos sociais, a Constituição Federal garante os direitos dos trabalhadores
Relação de emprego protegida contra despedida arbitrária ou sem justa causa, nos termos de
lei complementar, que preverá indenização compensatória, dentre outros direitos.
Certo ( ) Errado ( )
09. O salário mínimo deve ser fixado em lei estadual, consideradas as peculiaridades locais, com
vistas ao atendimento das necessidades básicas do trabalhador e de sua família com moradia,
alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

reajustes semestrais que lhe preservem o poder aquisitivo, vedada a vinculação salarial para
qualquer fim.
Certo ( ) Errado ( )
10. Caracteriza-se como violação à CF o estabelecimento de remuneração inferior ao salário
mínimo para as praças prestadoras de serviço militar inicial.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - Errado
02 - Certo
03 - Certo
04 - Errado
05 - Certo
06 - Certo
07 - Errado
08 - Certo
09 - Errado
10 - Errado

TABELA DIREITOS SOCIAIS DOS TRABALHADORES


→→ atendidas as condições estabelecidas em lei e observada a simplificação do cumprimento das obri-
gações tributárias, principais e acessórias, decorrentes da relação de trabalho e suas peculiaridades
TRABALHADORES URBANOS E RURAIS DOMÉSTICOS SERVIDORES PÚBLICOS
(ART. 7º CF) (ART. 7º §Ú) (ART. 39 §3º)

I – relação de emprego protegida contra I – relação de emprego prote-


despedida arbitrária ou sem justa causa, gida contra despedida arbi-
nos termos de lei complementar, que trária ou sem justa causa, nos
preverá indenização compensatória, dentre termos de lei complementar,
outros direitos; que preverá indenização
compensatória, dentre outros
direitos;

II – seguro-desemprego, em caso de desem- * II – seguro-desemprego, em


prego involuntário; caso de desemprego involun-
tário

III – fundo de garantia do tempo de * III – fundo de garantia do


serviço; tempo de serviço

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
7
AlfaCon Concursos Públicos

IV – salário mínimo, fixado em lei, na- IV – salário mínimo, fixado em lei, na- IV – salário mínimo, fixado em lei,
cionalmente unificado, capaz de atender cionalmente unificado, capaz de atender nacionalmente unificado, capaz de
a suas necessidades vitais básicas e às de a suas necessidades vitais básicas e às atender a suas necessidades vitais
sua família com moradia, alimentação, de sua família com moradia, alimenta- básicas e às de sua família com
educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, ção, educação, saúde, lazer, vestuário, moradia, alimentação, educação,
transporte e previdência social, com reajus- higiene, transporte e previdência social, saúde, lazer, vestuário, higiene,
tes periódicos que lhe preservem o poder com reajustes periódicos que lhe preser- transporte e previdência social,
aquisitivo, sendo vedada sua vinculação vem o poder aquisitivo, sendo vedada com reajustes periódicos que lhe
para qualquer fim; sua vinculação para qualquer fim; preservem o poder aquisitivo,
sendo vedada sua vinculação para
qualquer fim;

V – piso salarial proporcional à extensão e à


complexidade do trabalho;

VI – irredutibilidade do salário, salvo o VI – irredutibilidade do salário, salvo


disposto em convenção ou acordo coletivo; o disposto em convenção ou acordo
coletivo;

VII – garantia de salário, nunca inferior ao VII – garantia de salário, nunca inferior VII – garantia de salário, nunca
mínimo, para os que percebem remunera- ao mínimo, para os que percebem remu- inferior ao mínimo, para os que
ção variável; neração variável percebem remuneração variável

VIII – décimo terceiro salário com base VIII – décimo terceiro salário com base VIII – décimo terceiro salário com
na remuneração integral ou no valor da na remuneração integral ou no valor da base na remuneração integral ou
aposentadoria; aposentadoria no valor da aposentadoria

IX – remuneração do trabalho noturno * IX – remuneração do IX – remuneração do trabalho


superior à do diurno trabalho noturno superior à noturno superior à do diurno
do diurno

X – proteção do salário na forma da lei, X – proteção do salário na forma da lei,


constituindo crime sua retenção dolosa; constituindo crime sua retenção dolosa

XI – participação nos lucros, ou resultados,


desvinculada da remuneração, e, excep-
cionalmente, participação na gestão da
empresa, conforme definido em lei;

XII – salário-família pago em razão do * XII – salário-família pago XII – salário-família pago em razão
dependente do trabalhador de baixa renda em razão do dependente do do dependente do trabalhador de
nos termos da lei; trabalhador de baixa renda baixa renda nos termos da lei;
nos termos da lei

XIII – duração do trabalho normal não XIII – duração do trabalho normal não XIII – duração do trabalho normal
superior a oito horas diárias e quarenta e superior a oito horas diárias e quarenta não superior a oito horas diárias e
quatro semanais, facultada a compensa- e quatro semanais, facultada a com- quarenta e quatro semanais, facul-
ção de horários e a redução da jornada, pensação de horários e a redução da tada a compensação de horários
mediante acordo ou convenção coletiva de jornada, mediante acordo ou convenção e a redução da jornada, mediante
trabalho coletiva de trabalho acordo ou convenção coletiva de
trabalho

XIV – jornada de seis horas para o trabalho


realizado em turnos ininterruptos de reve-
zamento, salvo negociação coletiva;

XV – repouso semanal remunerado, prefe- XV – repouso semanal remunerado, XV – repouso semanal remu-
rencialmente aos domingos; preferencialmente aos domingos; nerado, preferencialmente aos
domingos

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
8
AlfaCon Concursos Públicos

XVI – remuneração do serviço extraordiná- XVI – remuneração do serviço ex- XVI – remuneração do serviço
rio superior, no mínimo, em cinquenta por traordinário superior, no mínimo, em extraordinário superior, no
cento à do normal cinquenta por cento à do normal mínimo, em cinquenta por cento à
do normal

XVII – gozo de férias anuais remuneradas XVII – gozo de férias anuais remunera- XVII – gozo de férias anuais remu-
com, pelo menos, um terço a mais do que o das com, pelo menos, um terço a mais neradas com, pelo menos, um terço
salário normal; do que o salário normal a mais do que o salário normal

XVIII – licença à gestante, sem prejuízo XVIII – licença à gestante, sem prejuízo XVIII – licença à gestante, sem
do emprego e do salário, com a duração de do emprego e do salário, com a duração prejuízo do emprego e do salário,
cento e vinte dias; de cento e vinte dias; com a duração de cento e vinte dias;

XIX – licença-paternidade, nos termos XIX – licença-paternidade, nos termos XIX – licença-paternidade, nos
fixados em lei; fixados em lei termos fixados em lei

XX – proteção do mercado de trabalho da XX – proteção do mercado de


mulher, mediante incentivos específicos, trabalho da mulher, mediante
nos termos da lei; incentivos específicos, nos termos
da lei;

XXI – aviso prévio proporcional ao tempo XXI – aviso prévio proporcional ao


de serviço, sendo no mínimo de trinta dias, tempo de serviço, sendo no mínimo de
nos termos da lei; trinta dias, nos termos da lei;

XXII – redução dos riscos inerentes ao XXII – redução dos riscos inerentes ao XXII – redução dos riscos inerentes
trabalho, por meio de normas de saúde, trabalho, por meio de normas de saúde, ao trabalho, por meio de normas de
higiene e segurança; higiene e segurança saúde, higiene e segurança;

XXIII – adicional de remuneração para as


atividades penosas, insalubres ou perigo-
sas, na forma da lei;

XXIV – aposentadoria; XXIV – aposentadoria Aposentadoria por regime


próprio (art. 40)

XXV – assistência gratuita aos filhos e de- * XXV – assistência gratuita


pendentes desde o nascimento até 5 (cinco) aos filhos e dependentes desde
anos de idade em creches e pré-escolas; o nascimento até 5 (cinco)
anos de idade em creches e
pré-escolas;

XXVI – reconhecimento das convenções e XXVI – reconhecimento das convenções


acordos coletivos de trabalho; e acordos coletivos de trabalho;

XXVII – proteção em face da automação,


na forma da lei;

XXVIII – seguro contra acidentes de * XXVIII – seguro contra


trabalho, a cargo do empregador, sem acidentes de trabalho, a cargo
excluir a indenização a que este está do empregador, sem excluir
obrigado, quando incorrer em dolo ou a indenização a que este está
culpa; obrigado, quando incorrer em
dolo ou culpa

XXIX – ação, quanto aos créditos re-


sultantes das relações de trabalho, com
prazo prescricional de cinco anos para os
trabalhadores urbanos e rurais, até o limite
de dois anos após a extinção do contrato de
trabalho

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
9
AlfaCon Concursos Públicos

XXX – proibição de diferença de salários, XXX – proibição de diferença de XXX – proibição de diferença de
de exercício de funções e de critério de salários, de exercício de funções e de salários, de exercício de funções e
admissão por motivo de sexo, idade, cor ou critério de admissão por motivo de sexo, de critério de admissão por motivo
estado civil; idade, cor ou estado civil; de sexo, idade, cor ou estado civil

XXXI – proibição de qualquer discrimi- XXXI – proibição de qualquer discrimi-


nação no tocante a salário e critérios de nação no tocante a salário e critérios de
admissão do trabalhador portador de admissão do trabalhador portador de
deficiência; deficiência;

XXXII – proibição de distinção entre


trabalho manual, técnico e intelectual ou
entre os profissionais respectivos;

XXXIII – proibição de trabalho noturno, XXXIII – proibição de trabalho


perigoso ou insalubre a menores de dezoito noturno, perigoso ou insalubre a
e de qualquer trabalho a menores de dezes- menores de dezoito e de qualquer
seis anos, salvo na condição de aprendiz, a trabalho a menores de dezesseis anos,
partir de quatorze anos; salvo na condição de aprendiz, a partir
de quatorze anos;

XXXIV – igualdade de direitos entre o


trabalhador com vínculo empregatício
permanente e o trabalhador avulso

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
10
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Direitos Sociais����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Direitos Individuais Trabalhistas������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Regras Salariais�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Piso Salarial��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Trabalho Noturno���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Jornada de Trabalho e Hora Extra������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Licença Maternidade e Licença Paternidade�������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Prescrição dos Créditos Trabalhistas�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Proibições�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Assistência Gratuita – Creches e Pré-Escolas������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Demais Direitos�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Direitos dos Domésticos���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Tabela Direitos Sociais dos Trabalhadores���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Direitos Sociais
Direitos Individuais Trabalhistas
Regras Salariais
VI – irredutibilidade do salário, salvo o disposto em convenção ou acordo coletivo;
VII – garantia de salário, nunca inferior ao mínimo, para os que percebem remuneração variável;
VIII – décimo terceiro salário com base na remuneração integral ou no valor da aposentadoria;
X – proteção do salário na forma da lei, constituindo crime sua retenção dolosa;

Piso Salarial
A CF estabelece dentre os direitos assegurados aos trabalhadores urbanos e rurais, o direito ao
piso salarial que deverá ser fixado de forma proporcional à extensão e à complexidade do trabalho.
V – piso salarial proporcional à extensão e à complexidade do trabalho;
Como visto, o valor do piso salarial em relação aos trabalhadores não está definido na Constituição
Federal, ademais essa é uma competência que foi delegada aos Estados e ao DF, através da LC 103/2000.
Trabalho Noturno
IX – remuneração do trabalho noturno superior à do diurno;
Em decorrência do evidente desgaste que o trabalho noturno gera para o empregado a CF
assegura que a hora noturna deve ser paga em valor superior a hora trabalhada em período diurno
Jornada de Trabalho e Hora Extra
A duração da jornada de trabalho no Brasil é, como regra, de oito horas diárias e 44 semanais, o
que for trabalhado além disso deverá ser pago ao trabalhador como hora extra.
Contudo, essa regra não é absoluta isso porque o trabalhador poderá realizar compensação de
horários (banco de horas) ou pode ter a jornada reduzida, desde que prevista em acordo ou conven-
ção coletiva de trabalho.
XIII – duração do trabalho normal não superior a oito horas diárias e quarenta e quatro semanais, faculta-
da a compensação de horários e a redução da jornada, mediante acordo ou convenção coletiva de trabalho;
Quando o trabalhador é obrigado a trabalhar no regime de escala, ou seja, em turnos ininterrup-
tos de revezamento, a jornada é reduzida para seis horas, salvo se tiver outra disposição em acordo ou
convenção coletiva.
XIV – jornada de seis horas para o trabalho realizado em turnos ininterruptos de revezamento, salvo
negociação coletiva;
Observe que o valor da hora extra deve ser de, NO MÍNIMO, 50% a mais do que o valor da hora normal.
XVI – remuneração do serviço extraordinário superior, no mínimo, em cinquenta por cento à do normal;

Licença Maternidade e Licença Paternidade


A CF assegura expressamente o prazo de 120 dias de licença maternidade, oportunizando que a mãe
possa ficar pelo menos os primeiros meses com seu filho, sem prejuízo do seu emprego e do seu salário.
XVIII – licença à gestante, sem prejuízo do emprego e do salário, com a duração de cento e vinte dias;
Licença adotante: De acordo com a jurisprudência do STF o prazo da licença adotante deverá ser
igual ao da licença gestante, nem poderá ser estabelecido prazos distintos em decorrência da idade
da criança adotada. (RE 778.889)
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Em decorrência da igualdade formal entre homens e mulheres a CF também assegura um


período de licença para o pai, contudo não estabelece um prazo específico, deixando esse prazo para
a lei definir. Atualmente, a licença paternidade é de 5 dias, conforme art. 101 § 1º do ADCT:
XIX – licença-paternidade, nos termos fixados em lei;

Prescrição dos Créditos Trabalhistas


O inciso XXIX do art. 7º estabelece algumas regras de prescrição dos créditos trabalhistas, ou
seja, se o trabalhador entender que ele não recebeu todos os direitos a que fazia jus durante o contrato
de trabalho ele poderá reivindicar esses direitos em uma Ação judicial trabalhista. Contudo, a CF
estabelece um prazo para que esse direito de ação seja exercido.
A CF falar em dois prazos distintos um de 2 anos e outro de 5 anos. Vejamos o texto constitucional:
XXIX – ação, quanto aos créditos resultantes das relações de trabalho, com prazo prescricional de cinco anos
para os trabalhadores urbanos e rurais, até o limite de dois anos após a extinção do contrato de trabalho;
Esse prazo de 2 anos refere-se ao prazo que o trabalhador tem para ingressar com uma ação tra-
balhista reivindicando seus direitos. Este prazo é contado a partir do dia em que houve a extinção, a
rescisão do contrato de trabalho.
Já o prazo de 5 anos refere-se ao período anterior ao ajuizamento da ação que o trabalhador terá
para discutir seus direitos trabalhistas.
Por exemplo, imagine que um trabalhador tenha trabalhado em uma empresa por 10 anos e tenha
sido demitido. Ao sair da empresa ele terá um prazo de dois anos para ajuizar a ação, senão fizer nesse
prazo o seu direito ficará prescrito. Imaginemos então que esse mesmo trabalhador, assim que foi
demitido, procurou um advogado que ajuizou imediatamente a Ação trabalhista; a contar da data em
que a ação foi protocolada será possível discutir os créditos existentes apenas nos últimos cinco anos.
Mas você deve se perguntar, ele não trabalhou 10 anos? e os créditos dos cinco anos iniciais? Qualquer
crédito anterior aos cinco anos estará prescrito e o trabalhador não poderá reivindicar esse direito.
CUIDADO!! Não há previsão constitucional para a aplicação do prazo prescricional para os traba-
lhadores domésticos, no entanto, os tribunais têm aplicado a norma aos trabalhadores domésticos
com base na analogia.
Proibições
A CF nos incisos XXX, XXXI, XXXII e XXXIII apresenta algumas regras de proibição, ou seja,
ela veda tratamentos desnecessários e discriminatórios entre trabalhadores, estabelecendo a necessi-
dade de um tratamento igualitário, isonômico entre os trabalhadores. Evidentemente que essa igual-
dade é uma igualdade meramente formal, no sentido de evitar discriminações arbitrárias, contudo
não impede tratamento diferenciado com vistas a assegurar uma igualdade material ou efetiva.
Vejamos os dispositivos:
XXX – proibição de diferença de salários, de exercício de funções e de critério de admissão por motivo
de sexo, idade, cor ou estado civil;
XXXI – proibição de qualquer discriminação no tocante a salário e critérios de admissão do trabalha-
dor portador de deficiência;
XXXII – proibição de distinção entre trabalho manual, técnico e intelectual ou entre os profissionais
respectivos;
XXXIII – proibição de trabalho noturno, perigoso ou insalubre a menores de dezoito e de qualquer
trabalho a menores de dezesseis anos, salvo na condição de aprendiz, a partir de quatorze anos;
1 Art. 10. § 1º Até que a lei venha a disciplinar o disposto no art. 7º, XIX, da Constituição, o prazo da licença-paternidade a
que se refere o inciso é de cinco dias.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Merece destaque o inciso XXXIII, no qual a Constituição determina que é proibido o trabalho
para os menores de 16, ressalvada a condição de aprendiz, a partir dos 14. Dessa forma, o adolescente
com 14 anos poderá trabalhar no Brasil, contudo até os seus 16 anos, esse trabalho deve ser apenas na
condição de aprendiz.
Essa proteção especial é reforçada pelo artigo 227, § 3º, I da CF
Art. 227, § 3º – O direito a proteção especial abrangerá os seguintes aspectos:
I –idade mínima de quatorze anos para admissão ao trabalho, observado o disposto no art. 7º, XXXIII;
Ademais, a CF proíbe, para os menores de 18 anos, o trabalho perigosos, insalubres e noturnos.
Assistência Gratuita – Creches e Pré-Escolas
XXV – assistência gratuita aos filhos e dependentes desde o nascimento até 5 (cinco) anos de idade em
creches e pré-escolas;
Os trabalhadores, por expressa disposição constitucional têm direito a assistência em creches e
pré-escolas, de forma gratuita, aos filhos até os cinco anos de idade.
Esse direito é reforçado pelo art. 208, IV da CF/88 que dispõe a respeito do direito a educação infantil:
Art. 208. O dever do Estado com a educação será efetivado mediante a garantia de:
IV – educação infantil, em creche e pré-escola, às crianças até 5 (cinco) anos de idade;
Nesse sentido, entende o STF ser direito público subjetivo de crianças até cinco anos de idade,
o acesso gratuito a creches e pré-escolas, podendo o Judiciário intervir para assegurar o referido
direito, veja a decisão:
A jurisprudência do STF firmou-se no sentido da existência de direito subjetivo público de crianças
até cinco anos de idade ao atendimento em creches e pré-escolas. (...) também consolidou o entendi-
mento de que é possível a intervenção do Poder Judiciário visando à efetivação daquele direito cons-
titucional. [RE 554.075 AgR, rel. min. Cármen Lúcia, j. 30-6-2009, 1ª T, DJE de 21-8-2009.] = AI
592.075 AgR, rel. min. Ricardo Lewandowski, j. 19-5-2009, 1ª T, DJE de 5-6-2009
A educação infantil representa prerrogativa constitucional indisponível, que, deferida às crianças,
a estas assegura, para efeito de seu desenvolvimento integral, e como primeira etapa do processo de
educação básica, o atendimento em creche e o acesso à pré-escola (CF, art. 208, IV). Essa prerrogativa
jurídica, em consequência, impõe, ao Estado, por efeito da alta significação social de que se reveste
a educação infantil, a obrigação constitucional de criar condições objetivas que possibilitem, de
maneira concreta, em favor das “crianças até cinco anos de idade” (CF, art. 208, IV), o efetivo acesso
e atendimento em creches e unidades de pré-escola, sob pena de configurar-se inaceitável omissão go-
vernamental, apta a frustrar, injustamente, por inércia, o integral adimplemento, pelo Poder Público,
de prestação estatal que lhe impôs o próprio texto da CF. A educação infantil, por qualificar-se como
direito fundamental de toda criança, não se expõe, em seu processo de concretização, a avaliações me-
ramente discricionárias da administração pública nem se subordina a razões de puro pragmatismo go-
vernamental. [ARE 639.337 AgR, rel. min. Celso de Mello, j. 23-8-2011, 2ª T, DJE de 15-9-2011.] = RE
956.475, rel. min. Celso de Mello, decisão monocrática, j. 12-5-2016, DJE de 17-5-2016 = RE 464.143
AgR, rel. min. Ellen Gracie, j. 15-12-2009, 2ª T, DJE de 19-2-2010
Demais Direitos
XI – participação nos lucros, ou resultados, desvinculada da remuneração, e, excepcionalmente, parti-
cipação na gestão da empresa, conforme definido em lei;
XII – salário-família pago em razão do dependente do trabalhador de baixa renda nos termos da lei;
XV – repouso semanal remunerado, preferencialmente aos domingos;
XVII – gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, um terço a mais do que o salário normal;

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

XX – proteção do mercado de trabalho da mulher, mediante incentivos específicos, nos termos da lei;

XXI – aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, sendo no mínimo de trinta dias, nos termos da lei;

XXII – redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde, higiene e segurança;

XXIII – adicional de remuneração para as atividades penosas, insalubres ou perigosas, na forma da lei;

XXIV – aposentadoria;

XXVI – reconhecimen