Vous êtes sur la page 1sur 12

Diário de Bordo Digital

Edição 03 Rio de Janeiro, Julho de 2019

Conheça Moises Haddad, Diretor de Operações da Frota 2

Sou brasileiro, carioca, casado, católico, flamenguista, tenho três


filhos e cinquenta anos bem vividos, dos quais praticamente 17
trabalho no grupo DOF. Sou bacharel em Gestão Ambiental, com
MBA executivo pela FGV em Gestão Estratégica e Econômica de
Negócios. Tenho um mestrado também pela FGV em Gestão
Empresarial e algumas especializações adicionais, dentre elas:
Engenharia Submarina Aplicada a Produção de Petróleo e Gás;
Offshore pelo Pan-American Institute of Naval Engineering; Segu-
rança de Processos em Unidades de Produção de Petróleo no
Mar pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Examinador
pela Fundação Nacional da Qualidade e Auditor Líder, certificado
em diferentes disciplinas normativas.

Iniciei minha carreira na área Naval com 18 anos, onde trabalhei Moises Haddad, Diretor de
no ramo de reparação naval, acompanhando as atividades Operações da Frota 2.
administrativas empresariais bem como as de reparo. Em 1989,
com 21 anos, entrei na Petrobras através de concurso público,
onde atuei por 10 anos na área operacional, mais especifica-
mente na área de utilidades (geração e distribuição de vapor,
energia, água, ar, óleo etc.) da Refinaria Duque de Caxias.

Com três anos de Petrobras, através de um concurso interno, tive


Siga as nossas páginas no
a oportunidade de iniciar minha experiência no gerenciamento de LinkedIn DOF Subsea e DOF
pessoas, onde passei a ter, com apenas 24 anos, sob minha ASA e fique por dentro das
supervisão, três diferentes unidades operacionais com aproxima- últimas novdades.
damente 40 colaboradores no total. Três anos depois, em 1992,
trabalhando em turnos de revezamento, fui convidado a participar
do processo de reorganização corporativa da Refinaria Duque de Contato com a área de
Caxias, como representante da direção. A Refinaria buscava se Marketing e Comunicação
certificar nas normas ISO internacionais, e com isso, tive a opor- da DOF Brasil:
tunidade de adquirir conhecimentos em processos de reorgani- Gisele Leal
zação empresarial. gisele.leal@dofsubsea.com

Em 1994, eu e mais 2 gerentes da Petrobras criamos a Kaizen

(Continua na próxima página)


1
Consultores Associados, uma empresa de consul- recebida pela empresa: o Norskan Flamengo. A
toria, auditoria e treinamento na área de reorgani- partir de então, iniciei minha caminhada na DOF
zação empresarial, onde atuei em paralelo com as Brasil.
atividades na Petrobras por quase 5 anos. Em
1999, através de um processo de demissão Nesta época, o escritório da empresa era em uma
voluntária, tendo a Kaizen já se estabelecido no pequena casa localizada no bairro da Urca, no
mercado e com uma carteira substancial de clien- Rio de Janeiro, e existia apenas uma pequena
tes, resolvemos sair da Petrobras para uma dedi- base operacional em Macaé. Com pouco tempo
cação exclusiva a nossa própria empresa. Na de trabalho, assumi o departamento de QMS
Kaizen, além das atividades de consultoria, audi- (Qualidade, Meio Ambiente, Segurança e Saúde)
toria e treinamentos, eu era também responsável bem como a posição de DPA (Designated
pelas áreas administrativa e financeira dos Person). Ao longo da minha carreira em QMS,
escritórios do Rio de Janeiro e posteriormente assumi as posições de Gerente, Diretor e
São Paulo e Minas Gerais. Enquanto permaneci Vice-Presidente e tive a oportunidade de formar e
na empresa, realizamos trabalhos em mais de participar de equipes de excelência e totalmente
uma centena de pequenas, médias e grandes comprometidas com o departamento e com a
empresas, nacionais e Internacionais, nos mais empresa.
diversos segmentos e escopos de serviço.
Ao longo destes 17 anos na DOF, vislumbrei e
Através de um cliente que gerenciava embar- vivenciei um crescimento espetacular desta
cações da Docenave (Sea & Port), tive a oportuni- organização. Passei por muitos e diferentes
dade de me especializar no ISM CODE preparan- momentos organizacionais e de mercado, que me
do e certificando embarcações em vários países proporcionaram aprendizados especiais. Em
(Korea, Austrália, Japão, EUA etc.), com traves- 2014, o então CEO, Eirick Torressen, me convi-
sias as vezes maiores que 30 dias. Posterior- dou para assumir uma nova posição como Project
mente, realizei semelhante trabalho em várias Executive onde seria responsável por toda a
outras empresas de navegação e ou agenciamen- pré-operação dos 4 PLSVs em construção da JV
to como a Hamburg Sud, Evergreen, Frota da DOF com a TechnipFMC: o Skandi Açu;
Oceânica, Metalnave e Transtur. Em 2003, fui Skandi Buzios; Skandi Recife e Skandi Olinda.
chamado para um contrato de consultoria na
Norskan Offshore, tendo como objetivo receber e Naquele momento, este era o maior e mais
certificar a primeira embarcação própria a ser impactante projeto desenvolvido pelo Grupo DOF.

Da esquerda para a direita: Leonardo Araujo (TechnipFMC), Lucio Couto (DOF) e Moises Haddad.

(Continua na próxima página)


2
Contratos vultuosos de 8 anos e investimentos profissionais de competência e capacidade de
extremamente significativos e desafiadores em gerenciamento diferenciados.
embarcações consideradas o “estado da arte” em
tecnologia. Trabalhar com diferentes stakeholders, Com este novo cenário e formato organizacional,
de diferentes nacionalidades, ter capacidade de sob a direção atual do CEO Mario Fuzzeti,
negociação interna e externa para o atingimento torna-se necessário cada vez mais o reforço aos
de uma meta em comum, foram os maiores desa- valores do grupo DOF e um trabalho de alinha-
fios desse projeto. mento cultural e de objetivos comuns, incre-
mentando a comunicação e o trabalho em equipe.
O resultado foi simplesmente fantástico. Através Um outro importante pilar e grande desafio é
de um grupo de trabalho integrado, extremamente tornar cada vez mais a JV integrada, com uma
profissional e motivado, o último projeto Skandi identidade única, vertendo para resultados e
Olinda foi entregue em fevereiro de 2019 e todos objetivos comuns criando um ambiente de
os 4 projetos, sem exceção, foram entregues trabalho sinérgico e cada vez mais saudável e
dentro do prazo e orçamento. próspero. Nosso futuro enquanto grupo é desa-
fiador, mas não tenho dúvidas de que mantendo o
Em 2015, através do então CEO, Gary Kennedy, foco nas pessoas e no negócio como temos feito,
fui indicado para compor a Diretoria da ABEAM conseguiremos vencer este período onde o mer-
(Associação Brasileira das Empresas de Apoio cado começa a demonstrar uma reação e certa-

Equipe da DOF e da TechnipFMC em assinatura de contrato.

Marítimo) onde permaneço até hoje, participando mente continuaremos sendo cada vez mais esta
de discussões e soluções importantes para o potência empresarial no segmento de Apoio
nosso segmento com entidades governamentais, Marítimo e Atividades Subsea.
clientes, entidades de classe, dentre outras.
Em relação especificamente à frota 2, temos o
Em 2018, a empresa criou um novo formato desafio futuro da manutenção e melhoria dos
operacional, passando de um modelo de departa- contratos vigentes de alta performance operacio-
mentos para um modelo de frotas, e eu fui convi- nal e de segurança além de reativar as duas
dado para assumir a Frota 2 (frotas dos PLSVs) embarcações hoje em Layup (ociosos). O Skandi
como Diretor de Operações. Esta frota é extrema- Niterói já se encontra em pré-operação, se prepa-
mente importante e representativa para o Grupo rando para o retorno às operações junto à Equinor
DOF e para a nossa parceria com a TechnipFMC. em setembro de 2019, em duas campanhas que
Os números são vultuosos tanto em termos de irão até 2020.
faturamento quanto de pessoas que formam este
enorme time. São embarcações com capacidade Me sinto orgulhoso de ter participado da
de até 120 POB (People On Board), compostas construção desta história e de ainda poder conti-
por diferentes empresas, de atividades extrema- nuar contribuindo para o que nos espera no
mente complexas, de alto risco e que requerem futuro. Que venha o futuro!

3
25/06 - Dia do Marítimo
Day of the Seafarer

O que você mudaria para melhorar a diversidade no mundo marítimo?


Ao longo de 2019 há uma forte ênfase no mundo marítimo sobre a importância e valor das mulheres no
mercado de trabalho.

Este ano, para a Campanha de Dia do Marítimo, a IMO (International Maritime Organization) está incen-
tivando através do site dayoftheseafarer.imo.org/2019 que os marítimos, homens e mulheres, mostrem
solidariedade ao tema da igualdade de gênero na navegação marítima.

Para mostrar a importância que o tema tem para a DOF (é uma das metas da companhia e está no
Global Improvement Plan 2019), os funcionários dos escritórios do Brasil e a tripulação do Skandi Ama-
zonas, Skandi Olinda e Skandi Ipanema celebraram a data utilizando a #IamOnBoard.

Engaje mais pessoas sobre o tema! Use a #IamOnBoard e #DOF em suas redes sociais.

4
Índice
Últimos acontecimentos de Junho/2019

Notícias da Corporação
Pg. 6 - Mudanças na equipe Executiva Sênior da DOF
(Artigo de Toril Traeen).

Pg. 6 - Skandi Hav tem contrato prorrogado com a


Petrobras.

Pg. 7 - DOF é sinônimo de excelência. (Artigo de Sig


Bjorn).
Mario Fuzetti, EVP DOF Brasil.

Notícias da Subsea
Pg. 8 - DSV Skandi Achiever. Saiba mais sobre o
primeiro DSV da DOF no Brasil (Artigo de Rafael
Bomfim).

Pg. 11 - DOF Brasil recebe o Skandi Seven em


águas brasileiras (Artigo de Yuri Almeida).
Equipe de saturação do Skandi Achiever.

Notícias da Marine
Pg. 12 - DOF Brasil participa de workshop da Petro-
bras sobre Prevenção de Queda de Objetos.

Pg. 12 - Skandi Recife: 1 ano sem acidentes regis-


tráveis (Artigo de Moises Haddad).
Tripulação do Skandi Recife.

5
Notícias da Corporação

Mudanças na equipe Executiva Sênior da


DOF
Toril Traeen, Vice-Presidente de Recursos Humanos, DOF Subsea

Temos o prazer de anunciar que o Sr. Mario Fuzetti


aceitou a responsabilidade geral por todas as ativi-
dades da DOF no Brasil.

Mario Fuzetti ingressou na DOF Subsea como EVP,


Brasil, em 2014. Ele tem mais de 40 anos de experiên-
cia mundial na indústria de O & G, adquirida em cargos
de liderança no setor, incluindo cargos de gerência
sênior, comercial e gerenciamento de projetos. Desde
30 de maio, Mario assumiu a gerência da Norskan,
além de suas responsabilidades na DOF Subsea, e
tem o suporte das equipes dedicadas das duas empre-
sas, que já trabalham em um modelo de "serviço Mario Fuzetti, EVP DOF Brasil.
compartilhado".
Agradecemos a Raymond por suas muitas
contribuições durante seu tempo com a
Também no Brasil, o Sr. Mauro Fernando Sales, EVP
DOF Subsea e desejamos a ele tudo de
Norskan, deixou a Companhia no final de maio. Dese-
bom no futuro.
jamos a ele o melhor para o futuro.
Continuamos nossos esforços para garantir
Na equipe corporativa, em 31 de maio, o Sr. Raymond
o cumprimento dos direcionamentos esta-
Semple decidiu renunciar como COO para buscar
belecidos para o Grupo - 'posicionar a
novos desafios fora da empresa. Suas responsabili-
organização para a recuperação do merca-
dades foram entregues a Mons Aase, ao CCO Steinar
do'.
Riise e às equipes regionais de Projeto e Operações.

Skandi Hav tem contrato prorrogado com a


Petrobras
O Skandi Hav teve seu contrato prorrogado com
a Petrobras por mais 1 ano, aplicável a partir de
junho de 2019. A embarcação trabalha para a
Petrobras desde 2009, quando foi reconstruída
para uma embarcação de manuseio de FSO.

O Skandi Hav, construído em 1983, está atual-


mente trabalhando como uma embarcação de
RSV apoiando as operações de FPSO no Brasil.
O navio tem 87,9 metros de comprimento, 18,5 O CEO da DOF ASA, Mons S. Aase, disse: "Esta-
metros de largura, peso morto de 3.034 toneladas mos satisfeitos com este contrato, que confirma
e pode acomodar 40 pessoas. ainda mais a nossa forte posição de mercado no
Brasil".
6
Notícias da Corporação

DOF é sinônimo de Excelência


A entrega de excelência é importante em qualquer mercado, sob quaisquer condições. Mas quando um
mercado é pequeno, oferecer excelência é a melhor maneira de se destacar da concorrência.

Sigbjorn Stangeland, Diretor de Operações Marine DOF ASA

Por que excelência é importante?

A entrega de excelência em gerenciamento de embar-


cações oferece uma vantagem competitiva e o valor
disso é demonstrado pela comparação de nosso
backlog com nossos pares durante a desaceleração. O
feedback que recebemos dos clientes é geralmente
muito bom, por vezes excelente, e temos uma reputa-
ção muito boa no mercado. A entrega de excelência é
importante em qualquer mercado durante qualquer
condição de mercado, mas quando o mercado é
pequeno, com mais oferta do que demanda, oferecer
excelência é a única maneira de ganhar contratos e
sobreviver. O mercado em 2019 ainda é difícil e espe-
ra-se que continue difícil, apesar de vermos melhorias Sigbjorn Stangeland, Diretor de Operações Marine, DOF
ASA
em alguns segmentos. Como grupo, precisamos con-
tinuar oferecendo excelência.
éticos e acima de tudo, SEGUROS. Todas
Como entregar excelência? essas expectativas são capturadas na visão
da DOF que é; “Ser uma empresa offshore
Para sermos capazes de oferecer excelência, precisa- integrada de classe mundial, fornecendo
mos do compromisso e da contribuição de toda a serviços maritimos e soluções subsea de
empresa. Existem restrições, como orçamentos e uma maneira responsável, equilibrando riscos e
frota envelhecida, mas a experiência que construímos oportunidades de forma sustentável, juntos,
durante os 35 anos de operação deve ser usada para todos os dias”.
superar esses problemas. O principal impulsionador
para a entrega da excelência é a atitude de nossos A consistência é fundamental para oferecer
funcionários a bordo e em terra, e precisamos que excelência. Como equipe, devemos nos
todos vocês se concentrem nos resultados e executem esforçar para nos orgulhar de nossos
todas as tarefas com o mais alto padrão. Todos os navios, ativos e do nosso trabalho, entregan-
nossos funcionários são importantes para tornar a do excelência aos nossos clientes todos os
empresa bem-sucedida e todos nós precisamos dar dias.
um pouco mais de nós todos os dias para permanecer-
mos bem sucedidos no futuro. Trabalhar na DOF é um compromisso com
nossos valores e precisamos seguir todos
O que é excelência? eles em nosso trabalho diário e, seguindo
nossos valores, teremos sucesso no futuro.
Para mim, a excelência é o nosso compromisso de
qualidade com nossos proprietários, nossos clientes e
nossa equipe. A expectativa de nossos proprietários é
que todos os nossos navios sejam sempre arrumados
e limpos. A expectativa de nossos clientes é que aten-
damos aos requisitos definidos nos contratos. A expec-
tativa da nossa equipe, é que sejamos honestos,
7
Notícias da Subsea

DSV Skandi Achiever


Saiba mais sobre o primeiro DSV da DOF no Brasil.

Rafael Bomfim, Especialista Sênior em Segurança Offshore

O DSV (Diving Support Vessel) é um navio que é móveis de perfuração de petróleo, de lançamento
usado como uma base flutuante para projetos de de linhas ou de barcaças de guindastes.
mergulho profissional. Um DSV é projetado para
operações de mergulho realizadas abaixo e ao No segundo trimestre de 2018, a DOF Subsea
redor de plataformas de produção de petróleo e conquistou um contrato firme de três anos com
instalações relacionadas em águas abertas. Estas uma opção de extensão de mais dois anos com a
embarcações são usadas para reparos, inspeções, Petrobras no Brasil para o fornecimento do navio
obras de construção, intervenções em poços etc. de apoio de mergulho Skandi Achiever (ROV e
serviços de mergulho).
Como regra, as embarcações DSV são equipadas
com sistemas de posicionamento dinâmico (siste- O DSV Skandi Achiever foi construído em 2007 e
mas DP2 ou DP3) e de um sistema de mergulho é equipado com posicionamento dinâmico DP 2,
saturado. também possui um guindaste de içamento pesado
de 140 T com capacidade para águas profundas.
Os navios DSVs de apoio comercial de mergulho É projetado para suportar veículos operados
iniciaram suas operações nos anos 60 e 70, remotamente (ROVs) classe operária. Para estes
quando surgiu a necessidade de operações de propósitos, há um hangar especial ROV e uma
mergulho realizadas abaixo e ao redor de platafor- sala de controle de ROV, que é totalmente inte-
mas de produção de petróleo e instalações asso- grada à embarcação.
ciadas em águas abertas no Mar do Norte e no
Golfo do México. Até aquele momento, a maioria A DOF Subsea fez uma parceria com uma empre-
das operações de mergulho eram de plataformas sa de mergulho, a SISTAC, para a prestação de
(Continua na próxima página) 8
Notícias da Subsea

Skandi Achiever.

serviços de mergulho relacionados ao contrato.

Após passar cerca de 2 meses no estaleiro (RE-


NAVE), o contrato foi assinado em 7 de setembro
de 2018, tornando este o primeiro DSV da DOF
no Brasil.

O sistema de mergulho do Skandi Achiever


possui um único sino que suporta o mergulho a
uma profundidade máxima de 300 metros e
funciona da seguinte forma:

• Câmara de Mergulho Submersível (SDC-Bell)


SINO: Onde os mergulhadores descem para os
trabalhos. Equipe do SINO. Da esquerda para a direita em pé: Fabio
costa (supervisor de manutenção de mergulho); Cesar Taveira
(supervisor de manutenção de mergulho); Alexandre Valente
• Cinco câmaras de descompressão de decks (mergulhador); Rafael Bomfim e André Batista (mergulhador).
(DDC) e uma câmara de transferência sob Da esquerda para a direita, abaixado: Hugo Waschinski
pressão (TUP): Onde os mergulhadores ficam (superintendente de mergulho); José Carlos (supervisor de
mergulho); Jaime Brito (offshore manager) e Marcos Pedrosa
pressurizados durante 28 dias. (mergulhador).

• Sistema de controle de saturação: Onde é feito


todo controle da atmosfera e mistura respiratória
artificial nas câmaras hiperbáricas.

• Sistema de controle de mergulho: Onde o


supervisor de mergulho coordena as operações e
trabalhos designados aos mergulhadores.

• Sistema de Lançamento e Recuperação


(LARS): Mecanismo dos guinchos que lançam o
Sino.
Câmara de descompressão ou hiperbárica.
(Continua na próxima página)
9
Notícias da Subsea

As cinco câmaras estão todas localizadas no


convés principal juntamente com a sala de
controle de Saturação. O sistema suporta
até três profundidades diferentes dentro do
complexo de câmara com três câmaras
conectadas diretamente ao TUP (câmara de
transferência sob pressão).

Duas outras câmaras estão incluídas, mas


não se conectam diretamente ao TUP e,
portanto, normalmente operam na mesma
profundidade que a câmara à qual estão
conectadas ou, no caso da câmara de
boreste, como uma câmara de descom- Equipe de Saturação. Da esquerda para a direita: Marcos Pedrosa
(mergulhador); Fernando da Luz (mergulhador); Jaime Brito
pressão de 3/6 homens. (offshore manager); Rafael Bomfim; Cesar Taveira (supervisor de
manutenção); Claudio Navarine (supervisor de saturação e Hugo
O mergulho com saturação é uma técnica Waschinski (superintendente de mergulho).
que permite aos mergulhadores reduzir o
risco de doença descompressiva ("as
curvas") quando trabalham em grandes
profundidades por longos períodos. Os
mergulhadores de saturação normalmente
respiram uma mistura de hélio-oxigênio para
evitar a narcose por nitrogênio. Além disso,
vivem em ambiente pressurizado, confina-
dos nas Câmaras de Descompressão por 28
dias.

Além das instalações, também possuímos 2


ROVs: um para serviços de inspeção e outro
somente designado para acompanhar o
mergulhador no fundo do mar durante os Supervisores de manutenção e saturação.
serviços, filmando em tempo real e gerando
as imagens para a superfície. Este último é
chamado de Mohican.

A equipe que trabalho no Skandi Achiever é


de aproximadamente 80 pessoas, sendo
eles equipe de hotelaria, colaboradores da
Sistac (mergulhadores, supervisor de mer-
gulho, superintendente de mergulho, equipe
de saturação, manutenção de mergulho,
técnicos de operações, técnico de planeja-
mento) e colaboradores da DOF (departa-
mento de convés, departamento de máqui-
nas, guindasteiro, rádio operador, especialis-
ta de segurança e equipe de ROV).
Operação de mergulho.

10
Notícias da Subsea

DOF Brasil recebe o Skandi Seven em


águas brasileiras
Yuri Almeida, Gerente de Projetos DOF Subsea

No dia 28 de maio, o Skandi Seven chegou ao porto


de Fortaleza para um projeto de 20 dias para a Sapura
Energy do Brasil. O contrato tem opções de extensão
de 4x5 dias.

Projeto FSRU da Sapura

A Centrais Elétricas de Sergipe S.A. (CELSE) está


Skandi Seven.
construindo uma usina de 1.5GW no norte da cidade
de Aracaju, em Sergipe. A usina será abastecida por
gás natural fornecido por um Terminal de GNL com Cronograma
uma Unidade de Armazenamento e Regaseificação
Flutuante (FSRU). A FSRU será ancorada em um O Skandi Seven partiu de Sekondi-Takoradi
único ponto com um SSYMS, localizado em águas (Gana) no último dia 19 de maio, às 12:00
rasas (aproximadamente 20m de profundidade de UTC e chegou em Fortaleza no dia 28 de
água) a 6,5 km da costa. Um gasoduto offshore conec- maio, às 12:00 UTC.
tará o SSYMS à usina em terra.
Após o desembaraço aduaneiro, a Sapura
A FSRU é destinada para ancoragem permanente em iniciou a mobilização de equipamentos no
20m de profundidade de água nas coordenadas convés em Aracaju.
preliminares 10o 51 '43 ”S, 36o 52' 58” W, WGS1984.
De acordo com a Sapura, a mobilização
As instalações do Projeto CELSE consistem em: estava prevista para acontecer durante a
semana 24 (10 a 14 de junho), quando a fase
• Oleoduto de exportação de gás de 18 ”x 6,5km da offshore de 10 dias foi iniciada. A fase
costa até 20m de profundidade de água; offshore termina em julho, quando ocorrerá o
• Oleoduto enterrado em terra de 18 ”x 1,5km; demob de 5 dias.
• Subsea Soft Yoke Mooring System (SSYMS);
• FSRU;
• Riser Flexível e Umbilical;
• Portão da cidade.

Escopo do trabalho da DOF

O escopo do trabalho da DOF neste projeto consiste


em:

• Tempo de fretamento da Embarcação;


• Fornecimento de riggers e operador de guindaste;
• Fornecimento de equipe e equipamento de Survey
(pessoal + equipamento);
• Suporte de HSEQ (incluindo a criação da documen-
tação de ponte e suporte HAZID).
11
Notícias da Marine

DOF participa de workshop da Petrobras


sobre Prevenção de Queda de Objetos
No dia 06 de junho de 2019, representantes da DOF
Brasil participaram do Workshop OPSUB/SMS – Siste-
mas de Prevenção de Queda de Objetos, realizado
pela Petrobras, na base da empresa em Imbetiba,
Macaé. O evento teve como objetivo reunir as princi-
pais contratadas da Petrobras para discutir as ações
que estão sendo tomadas pelas empresas na
prevenção de eventos de queda de objetos. Além
disso, a JV da DOF com a TechnipFMC foi escolhida
para compartilhar ações de sucesso com os demais
participantes. Recentemente, foi constatado que houve Workshop Petrobras.
um aumento nos incidentes/acidentes relativos ao
tema.
Coordenadora de HSEQ. Para Leonardo, “a
O workshop contou com a participação de importantes participação nesse tipo de evento é impor-
players do mercado como: TechnipFMC; SUBSEA 7; tante para a disseminação de boas práticas
FUGRO; SAPURA; BRAM; FLEXBRAS(BAVIT); relacionadas à prevenção de queda de obje-
OceanPact; SISTAC. tos, onde empresas com maior maturidade
no assunto podem compartilhar experiência
Representando a DOF, estiveram presentes Leonardo com empresas que ainda estão iniciando
Antolin, Gerente de Projetos e Cristiane Almeida, neste processo”.

Skandi Recife: 1 ano sem acidentes


registráveis
Moises Haddad, Diretor de Operações Fleet 2

No dia 12 de junho o Skandi Recife que dar continuidade ao trabalho já iniciado para atingirmos
concluiu 1 ano sem acidentes regis- o segundo ano sem acidentes registráveis e por que não,
tráveis, ou seja, os primeiros 365 dias atingirmos a meta de zero acidentes.
de operação da embarcação, que possui
contrato de 8 anos com a Petrobras. Parabéns a toda a equipe envolvida!

Essa conquista é fonte de orgulho para


todos nós, pois passamos por diversas
dificuldades, principalmente nos
primeiros meses de operação. Mas a
dedicação, empenho e foco da tripu-
lação que vem trabalhando em conjunto,
como um único time, permitiu atingirmos
este importante marco.

Agora não podemos esmaecer e temos

Expediente: Projeto gráfico, produção editorial e jornalista responsável: Gisele Leal


Edição: 03 / Ano: 2019 12