Vous êtes sur la page 1sur 2

King James viveu cercado de inimigos

Líderes católicos romanos tentaram assassinar o rei James em 1605, episódio que ficou
conhecido como “A conspiração da pólvora”. Nessa conspiração, Guy Fawkes e outros
católicos, planejaram explodir, mediante o uso de grande quantidade de pólvora, o rei e todo
o Parlamento Britânico. Como relatado pelo próprio rei James em suas obras: “essa
conspiração foi milagrosamente descoberta e debelada a tempo.” De acordo como rei James,
em seu tratado intitulado: “Um catálogo de todas as falsas acusações públicas com suas
breves refutações”, seu atentado não foi apenas fruto de um estado de desespero ocasional
dos “traidores da pólvora”, mas uma ação planejada e coordenada pelos jesuítas para causar
derramamento de sangue; e o rei James ainda pede que seus leitores vejam as páginas 291
a 235 de sua obra “Premonição” e o livro intitulado: “O processo contra os traidores
falecidos”. O fracasso do atentado contra a vida do rei James é lembrado todos os anos na
Inglaterra no dia 5 de novembro e ficou conhecido como “Guy Fawkes Night / A noite de
Guy Fawkes”.
King James foi um evangelista e pregava o verdadeiro Evangelho, o que, desde muito cedo,
o fez inimigo mortal de Roma (conceito que não é totalmente aceito pela Igreja Católica
Romana que afirma ter sempre visto no rei James um valente ambicioso). King James, por
sua vez, de fato, às vezes, exagerava, por exemplo, ao identificar o Anticristo com a figura e
a posição do Papa na Igreja. Além disso, o rei James elencou várias vezes em suas obras e
pregações o que considerava “os erros de Roma como a superstição e a arrogância”, mesmo
que, na maior parte do tempo, o rei James procurasse tratar todos os assuntos pertinentes
à Igreja Católica Romana com compreensão e justiça. O embaixador católico Nicolo Molin
fez a seguinte declaração sobre King James:
“Ele é um Protestante … e, como tal, o rei tenta levar sua religião protestante para todos os
cantos da ilha. O rei é um implacável inimigo da nossa religião. Frequentemente fala sobre
isso em termos de desgraça. Ele se tornou ainda mais áspero depois da última conspiração
contra sua vida e amigos… ele acredita que os jesuítas têm suas mãos sujas de sangue nisso
tudo.”
Como um escocês comandando ingleses o rei James enfrentou vários preconceitos, como o
racismo e as calúnias – especialmente pelos nobres ingleses e suas damas – quase todos
substituídos por escoceses de confiança do rei. Sendo assim, infelizmente, muitos
historiadores em nossos dias, olham para seus escritos com hostilidade e preconceito, como
os eruditos Sir Anthony Weldon e Francis Osborne e suas profundas descrições sobre a vida
e a obra do rei James.
Um dos detratores do rei James, Sir Anthony Weldon, chegou a ser condecorado pelo
próprio rei, mas, posteriormente, demitido, depois que James descobriu os muitos textos
racistas, escritos por Weldon contra a Escócia, a terra natal do rei. (Por exemplo, como no
artigo de Weldon: “Uma perfeita descrição do povo e do país da Escócia”). Muitos
historiadores, hoje em dia, citam Weldon e outros assuntos, sempre hostis, ao rei James.
Muitos são os ataques feitos à moral, honra e caráter desse ilustre monarca. “Boatos não
fazem um homem correto, culpado, mesmo que esses rumores sejam espalhados por
pessoas nobres e eruditas” Era uma das frases de King James, o qual ainda escreveu sobre
seus inimigos:
“Os inimigos questionam-me e fazem suas intrigas contra mim (não pelo mal ou vícios que
veem em mim), mas porque sou o rei, que eles imaginam que seja o principal dos males, e
porque se sentem envergonhados de professar tal querela, eles se mantêm ocupados em
averiguar detalhadamente cada atitude minúscula de minha parte, quando ofereço a todos
um fosso aberto em meus olhos; sim, mas um falso relatório é assunto suficiente para o
trabalho que desejam realizar contra mim.”
King James foi um homem que enfrentou com fé suas próprias lutas e dores.

Ainda que James (Tiago) I tenha vivido uma vida de muitas e magníficas realizações, fora
um homem familiarizado com o sofrimento em suas diversas modalidades e expressões.
Sofreu com necessidades especiais em suas pernas; tinha dificuldade para pronunciar as
palavras com clareza, ainda que fosse um homem extremamente culto e poliglota. Como
resultado de sua pouca força nas pernas e instabilidade para andar, tinha quedas comuns, e
muitos machucados pelo corpo, além de sofrer com a humilhação e a zombaria dos inimigos
que se aproveitavam dessas fraquezas para criticá-lo. James ainda lutou contra várias outras
enfermidades, como artrite, cólicas abdominais, gota, insônia, espasmos e fraqueza,
náuseas, diarreias, e horríveis dores renais. Muitos pesquisadores e biógrafos acreditam
que os vários males de saúde de James eram congênitos e produzidos pelo sistema nervoso.
Além desses martírios físicos, o rei padecia de depressão, motivada, principalmente, pela
maneira como perdeu os pais e sua amada esposa, Queen Anne, ocorrida em 1619, e que
fora precedida pela morte de seu filho mais velho, Prince Henry, em 1612. King James foi
um homem que conheceu a dor e o sofrimento em suas várias dimensões e soube usar sua
própria dor para se compadecer do próximo ao mesmo tempo em que se tornou um
valoroso encorajador. O pôr do sol da vida do rei James VI e I ocorreu no dia 27 de março de
1625 em Theobolds Park na cidade de Herts, Inglaterra. Morreu aos 58 anos de idade e foi
sepultado na abadia de Westminster. Diferentemente de muitos monarcas escoceses, King
James morreu em sua própria cama, em paz, tendo o carinho de seus súditos e de muitos
líderes estrangeiros. Transferiu seu reinado – sem máculas – para seu filho adulto, o que
também não era comum entre os monarcas do Reino Unido naqueles tempos.
Após mais de 400 anos de existência e frequentes aperfeiçoamentos, como os
implementados na nova tradução atualizada para a língua portuguesa, realizada com
maestria e total dedicação pelo Comitê Internacional de Tradução da Sociedade Bíblica
Ibero-Americana e editora Abba Press, a Bíblia King James mantém sua trajetória de sucesso
e a preferência dos leitores em todo o mundo, e, agora, pelos leitores de língua portuguesa,
conduzindo diariamente milhares de pessoas, crianças, jovens, adultos e idosos, ao
conhecimento de Jesus Cristo como único e poderoso Salvador de suas vidas, aqui, na terra
e em nosso tempo, e por toda a eternidade na Nova Jerusalém (Ap 21 KJA).
Nota do Tradutor: O prezado leitor encontrará nesse site vários artigos em inglês, se desejar
a tradução para a língua portuguesa de qualquer um dos textos publicados, por favor, nos
solicite, será um prazer enviar-lhe.