Vous êtes sur la page 1sur 12

A chave

da cura
Pe. Rufus Pereira

A chave
da cura
Tradução
Vinícius Adamo
Editora: Cristiana Negrão
Assistente Editorial: Jocelma Cruz
Capa e Projeto gráfico: Claudio Tito Braghini Junior
Preparação: Leonardo Meira
Lilian Miyoko Kumai
Revisão: Patricia Bernardo de Almeida

Sumário

Deus se revela.................................................................................7
Quem é Jesus para mim?..............................................................11
Cura, começo de vida nova..........................................................25
Cura interior: importância e como alcançá-la.............................35
Rezando pelos estágios da vida...................................................53
Editora Canção Nova
Rua São Bento, 43 - Centro
Bloqueios para a cura................................................................... 61
01011-000 São Paulo SP
Telefax [55] (11) 3106-9080 Ação do demônio: áreas e fontes de ataque...............................69
e-mail: editora@cancaonova.com
vendas@cancaonova.com
http://twitter.com/editoracn
Home page: http://editora.cancaonova.com
Todos os direitos reservados.
ISBN: 978-85-7677-219-4
© EDITORA CANÇÃO NOVA, São Paulo, SP, Brasil, 2010
Deus se revela

Eu vos tenho dito estas coisas enquanto es-


tou convosco. Mas o Defensor, o Espírito
Santo que o Pai enviará em meu nome, ele
vos ensinará tudo e vos recordará tudo o
que eu vos tenho dito (Jo 14,25-26).

Jesus deixa claro nesta passagem que voltará para o


Pai, mas que Ele enviará o Espírito Santo para ensinar os


apóstolos ao longo do tempo. Assim, o Espírito Santo é quem diz: “Ele não só estará convosco, Ele estará em vo-
dom do Pai, mas também dom de Jesus. cês”. Logo, o meu nome favorito para o Espírito Santo é
Deus em mim.
Quando Deus revela o mundo a nós, percebemos de
que maneira Ele vem à nossa vida. Deus Pai tem mui- Deus Pai revela-se como Deus por nós, Jesus como
tos nomes na Bíblia, mas o nome que eu mais gosto é Deus conosco e o Espírito Santo enquanto Deus em mim.
aquele que São Paulo usa na Carta aos Romanos: “Se Essa é a beleza do cristianismo. No entanto, para viver
Deus é por nós, quem será contra nós?” (Rm 8,31). essa experiência de revelação, é preciso responder a um
Logo, aquele nome que eu gosto de dar a Deus é este: questionamento fundamental: Quem é Jesus para mim?
Deus Pai é Deus por nós.

Deus Pai manda-nos Jesus e, para Jesus, também são da-


dos muitos nomes na Bíblia. Qual é o meu nome favorito
para Jesus? É o nome que Mateus anuncia no Evangelho,
o nome que o anjo recomendou a Maria e a José. “O seu
nome deve ser Emanuel, que significa Deus conosco” (cf.
Jo 1,18-25). E este é o meu nome favorito para Jesus: Deus
conosco. Mais ainda, no mesmo Evangelho de Mateus,
lemos as últimas coisas que Jesus falou aos apóstolos: “Es-
tarei sempre convosco” (cf. Mt 28,20). O meu nome favo-
rito para Jesus é Deus estará sempre conosco.

Jesus e o Pai enviam-nos o Espírito Santo, e também


ao Espírito são dados muitos nomes na Bíblia. Qual é o
meu nome favorito para o Espírito Santo? É o que Jesus
mesmo indica no seu discurso de despedida: “[...] é bom
para vós que eu vá! Se eu não for, o Defensor não virá a
vós. Mas, se eu for, eu o enviarei a vós” (Jo 16,7), como

 
Quem é Jesus para mim?

Jesus estava orando, a sós, e os discípulos


estavam com ele. Então, perguntou-lhes:
“Quem dizem as multidões que eu sou?”
Eles responderam: “Uns dizem que és
João Batista; outros, que és Elias; outros
ainda acham que algum dos antigos pro-
fetas ressuscitou”. Mas Jesus perguntou:
“E vós, quem dizeis que eu sou?” Pedro
respondeu: “O Cristo de Deus”. Mas ele

11
advertiu-os para que não contassem isso que eu sou?” E os apóstolos disseram: “Jesus, as pessoas
a ninguém. E explicou: “É necessário o têm um apreço muito grande por você. Chamam-no de
Filho do Homem sofrer muito e ser re- grande profeta, alguns até dizem que você é o profeta
jeitado pelos anciãos, sumos sacerdotes Elias, outros chegam a dizer que você é João Batista que
e escribas, ser morto e, no terceiro dia
voltou à vida”. Então, Jesus voltou-se a seus apóstolos e
ressuscitar” (Lc 9,18-22).
perguntou: “Quem sou eu para vocês? Vocês têm me ou-
vido pregar por três anos, têm me visto curar e expulsar
Essa é uma das passagens-chave da Bíblia, que me faz demônios, conhecem-me melhor do que qualquer uma
lembrar a primeira vez que peregrinei para a Terra Santa. dessas pessoas. Quem vocês dizem que eu sou? Quem sou
O guia conduziu-nos para o norte, além da Galileia. Per- eu para vocês?” E então, cheio do Espírito, Pedro respon-
guntei para ele: “Mas aqui já termina a Terra Santa, para deu: “Senhor, para nós, você não é outro profeta, nem
onde está nos conduzindo?” E ele disse-nos: “Esperem alguém desse mundo, mas alguém do Alto. Você não é
um momento”. Finalmente, levou-nos a um lugar hoje outro trabalhador, você é o Salvador, o poderoso Salva-
chamado Balias, mas que, naquele tempo, chamava-se dor que veio do Céu – o Filho de Deus”.
Panion, lugar dedicado ao antigo deus grego Pan e que, Também hoje Jesus nos faz a mesma pergunta: “Quem
na época da Bíblia, era chamado de Cesareia de Filipe sou eu para você? Talvez eu seja só mais uma pessoa a
– cidade dedicada ao imperador de Roma e construída quem você homenageia, a quem você presta atenção ou,
pelo tetrarca da Galileia, chamado Filipe. talvez, eu seja somente mais um dos grandes do mun-
Naquele local, o guia leu para nós essa passagem do do de hoje”. É importante respondermos pessoalmente a
esta pergunta: “Quem é Jesus para mim?”
Evangelho. Jesus levou os seus apóstolos para aquele lu-
gar, que era muito popular e ficava na montanha, e eles O primeiro Jesus que conheci foi quando eu era crian-
viam milhares de pessoas adorando aquele deus chama- ça. Para mim, nesta fase, Ele era apenas um retrato, uma
do Pan. Ali estava Jesus com os Doze, quase todos pesca- estatueta, talvez o bebê menino na manjedoura, no tem-
dores vindos das aldeias da Galileia, e lhes faz uma per- po de Natal. Agora sei que aquele não é Jesus. Ele não é
gunta: “O que as pessoas dizem de mim, quem eles dizem uma estatueta ou um retrato que guardamos.

12 13
Certa vez, fui à casa de uma família bem espiritual, ca- de Jesus. Meu sangue de jovem seminarista fervia e, então,
rismática, em Bombaim (Índia), e comecei a conversar com comecei a estudar outras obras para provar a real existên-
a filha pequena do casal. Apontei para o quadro de Jesus na cia de Jesus. Agora, sei que ali também não é Jesus. Ele
parede e disse: “Você sabe que aquele é Jesus?” Ela olhou não é simplesmente uma pessoa que realmente existiu há
para mim com os olhos arregalados e disse: “Aquele não muito tempo, mas sim alguém que é muito mais do que o
é Jesus, é um quadro. Jesus é o que está no meu coração”. Jesus histórico.
Quando tinha a idade dela, pensava que aquele quadro era
Logo depois, cheguei à fase da teologia: pude ler a Bí-
Jesus. É bom termos retratos e imagens nas nossas casas para
blia e todas as Escrituras e fiquei fascinado com os lindos
lembrarmos de Jesus, mas precisamos saber que eles estão lá
ensinamentos de Jesus. Para mim, Ele transformou-se em
apenas para nos fazer lembrar dele; aquilo não é Jesus.
um grande professor, no maior professor do mundo. Con-
Na época do colegial, li uma linda história da Bíblia. tudo, pude perceber que aquele também não era Jesus.
Na página da esquerda, havia um lindo desenho de um Ele não é simplesmente um grande professor, como foi,
milagre de Jesus; na página da direita, uma descrição da por exemplo, Mahatma Gandhi, um grande homem do
história daquele milagre. A partir desse fato, para mim, meu país, a Índia. Jesus é muito mais do que o maior pro-
Jesus tornou-se um grande curador, aquele que faz gran- fessor do mundo.
des coisas. Mas agora eu sei que esse também não é Jesus. Em outra ocasião, vivi uma experiência a partir da
Ele não é simplesmente um curador, alguém que faz coi- qual pude perceber que Jesus não era mais uma pessoa
sas maravilhosas hoje. Mesmo no seu tempo, quando as histórica, um professor ou um realizador de milagres. Ele
pessoas o seguiam somente pelas curas e milagres, Jesus passou a ser uma pessoa mais viva e real do que qualquer
fugia delas, escondia-se. Infelizmente, as pessoas ainda outra que conhecia. Uma pessoa com quem poderia ter
seguem para determinados lugares em virtude somente um relacionamento; alguém que certamente me ouvi-
das curas. Jesus é muito mais do que simplesmente um ria quando eu falasse, da mesma forma que eu o ouviria
curador, um milagreiro. quando Ele me dissesse algo. Esse é Jesus.

Anos mais tarde, ao chegar ao seminário, li um livro Jesus é uma pessoa que deseja ardentemente ter um relacionamento
escrito por um ateu, que questionava a existência histórica pessoal com cada um de nós. Percebi isso quando reli o primeiro

14 15
capítulo do Evangelho de São João. Certo dia, João Batista vinde e eu o farei pescador de homens. Vinde beber das
conversava com dois de seus discípulos, e Jesus passou ali águas vivas da minha fonte”. Logo no início do Evangelho
perto. João Batista reconheceu aquela pessoa que passava de São João, Jesus diz “Vinde. Lá, então, vereis”.
como o Salvador do Mundo e disse aos seus discípulos:
Na Bíblia, o verbo ver não significa simplesmente en-
“Eis o Cordeiro de Deus” (Jo 1,36). Ainda hoje, Jesus passa
xergar com os olhos, mas também experimentar tudo
próximo a nós: talvez não o reconheçamos, porque não
aquilo que você sempre quis e ainda não realizou, ter
estamos atentos para perceber sua passagem ou estejamos
uma satisfação e uma felicidade jamais sentidas, apresen-
surdos quando alguém nos indica: “Ali está Jesus”.
tar uma paz e força que até então desconhecia.
Aqueles dois discípulos ouviram João Batista e viram
“Vinde e vede”. E o que aqueles discípulos fizeram? Se-
Jesus passar. O que eles fizeram? Imediatamente, deixa-
guiram a Jesus. O Evangelho nos conta que passaram o
ram João Batista e começaram a seguir Jesus. Em um certo
resto do dia com Jesus. Você sabe como foi esse dia com
momento, Jesus volta-se para eles e pergunta: “O que vo-
Ele? Não fizeram nada mais, nada menos que olhá-lo e
cês querem?” O Senhor faz essa mesma pergunta a cada
ouvi-lo. Experimentaram Jesus como pessoa.
um de nós: “O que você quer? O que você quer da vida?
O que você quer de Deus, o seu Pai? O que você real- Depois dessa experiência, os dois discípulos foram
mente quer?” Jesus fez àqueles discípulos uma pergunta, e contar aos seus familiares e amigos que haviam encon-
eles responderam fazendo outra: “Mestre, onde moras?”, trado Jesus. Um dos discípulos era André, que foi até o
como quem diz: “Não queremos nada de ti, não queremos seu irmão Pedro e disse-lhe: “Encontramos aquele que
uma cura ou um milagre, não precisamos de um ensina- estávamos procurando, encontramos Jesus, o Messias”. E
mento, nós queremos a ti, como pessoa. Só queremos estar também Pedro foi, juntamente com André, até Jesus.
contigo, visitar o lugar onde moras”. A resposta de Jesus fo-
Hoje, Ele faz a mesma pergunta: “Quem sou eu para
ram somente três palavras – muitas vezes suas respostas são
você?” E quando respondermos corretamente, Ele dirá a
curtas, mas muito importantes: “Vinde e vede”. “Vinde”
cada um de nós: “Vinde e vede”.
significa que você está sendo convidado – Jesus nunca for-
ça ninguém. Todo o Evangelho começa com este convite É isso que percebi no grande livro de Jó, aparente-
de Jesus: “Vinde, vinde e eu vou libertá-lo dos seus fardos, mente monótono num primeiro momento – sempre com

16 17
discussões entre ele e seus amigos sobre Deus, que per- Na vida de cada pessoa há algo que se torna o cen-
manece ouvindo pacientemente. Nos últimos capítulos, tro, deixando todo o restante em segundo plano. Para
porém, Deus começa a falar a Jó: “Onde estavas, quando algumas, o centro da vida pode ser realmente algo mui-
lancei os fundamentos da terra? Informa-me, se tens o to ruim, como o álcool, por exemplo. Para o alcoólatra,
entendimento" (Jó 38,4). Deus, nos três capítulos e meio nada tem mais valor do que o álcool. Para o viciado em
seguintes, continua fazendo perguntas e mais perguntas a droga, esta é a única coisa que importa, e assim por dian-
Jó, que responde no último capítulo: “Eu te conhecia só te. Para tais pessoas, algo terrível, algumas vezes até sa-
por ouvir dizer, mas, agora, vejo-te com meus próprios tânico, é o centro da vida. Mas há um outro grupo de
olhos. Por isso, acuso-me a mim mesmo e me arrependo, pessoas cujo o centro da vida é algo bom, mas não o
no pó e na cinza” (Jó 42,5-6). melhor, como um hobby, a música, seu trabalho, sua fa-
mília ou até mesmo a sua religião. Há ainda, no entanto,
um terceiro grupo, para quem Jesus e somente Jesus é o
O que é ser cristão?
centro da vida. Esses sim são cristãos autênticos, católicos
Quando fui a Roma, para participar da primeira verdadeiros, que dizem: “Jesus e somente Jesus é o meu
conferência internacional da Renovação Carismática Senhor”. Mas tal dito já foi a causa do martírio de muitos
Católica (rcc), o cardeal León Joseph Suenens era o cristãos nos primeiros séculos.
responsável por toda a rcc na época e fez a mim so-
Naquele tempo, o Império Romano era muito liberal.
mente uma pergunta: “Quando você encontrou-se
Assim, qualquer um poderia praticar qualquer religião,
com Jesus?” Sua intenção era saber quando aconte-
contanto que dissesse: “O imperador é o meu senhor”. Os
cera minha experiência pessoal com Jesus, capaz de
cristãos, contudo, disseram ao imperador e aos governado-
mudar a minha vida.
res das províncias romanas: “Nós honramos o imperador,
Desse modo, a definição do cristão é a seguinte: aquele servimos o imperador, mas ele não é o nosso Senhor, so-
que diz “Jesus é o meu Senhor”, não Jesus é o Senhor em geral, mas mente Jesus é o nosso Senhor”. Diante disso, o imperador
Jesus é o meu Senhor, como fruto de um encontro pessoal com Ele. perguntava-se: “Como pode alguém chamar aquele que
É aquele que acredita no seu coração e professa com a sua boca que foi morto e crucificado como seu Senhor, e não a mim,
Jesus é o seu Senhor. o homem mais poderoso na terra?” E as pessoas diziam:

18 19
“Não se preocupem, coloque um incenso diante da estátua na cruz: “Junto à cruz de Jesus, estavam de pé sua mãe
do imperador e salvem as suas vidas”. Mas os cristãos não [...]” (Jo 19,25). O Evangelho de São João começa com
o faziam, e milhares foram os que morreram simplesmente Maria e termina com Maria, Mãe de Jesus, que se tor-
por terem declarado que Jesus, somente Jesus, era o centro na Mãe do Corpo de Jesus, a Igreja. Maria é, portanto,
de suas vidas. Ao dizer “Jesus, somente Jesus”, significa dizer um sinal do que deve ser cada cristão.
Jesus como homem e Jesus com a sua mensagem.
Na verdade, lemos somente quatro vezes acerca de
Portanto, o que faz a diferença é quando claramente Maria nos Evangelhos, seja sobre ela, seja quando ela
sabemos quem é o Senhor da nossa vida – é alguém mau diz algo. A primeira vez é quando Maria diz ao Anjo
e ruim ou alguém bom, mas não o melhor, ou, então, é Gabriel: “Seja feito segundo a vossa palavra”. Desde
somente Jesus, o Filho de Deus, o Salvador do mundo, o o início do Evangelho, Maria é a mulher da Palavra.
único que disse: “Eu dou uma paz que o mundo não pode “Faça-se em mim segundo a tua Palavra” (Lc 1,38). É
dar” (cf. Jo 14,27); o único que disse: “Todos aqueles que assim que deve responder cada discípulo de Jesus.
vieram antes de mim foram ladrões e assaltantes. [...] O la-
A segunda vez é quando Maria entra na casa de Isabel,
drão vem só para roubar, matar e destruir. Eu vim para que
que já havia dito: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito
tenham vida, e a tenham em abundância” (Jo 10,8.10).
é o fruto do teu ventre” (Lc 1,42), mas logo ela acrescenta:
“Feliz aquela que acreditou, pois o que lhe foi dito da parte
Maria, mãe e modelo do Senhor será cumprido!” (Lc 1,45).
Maria não é somente uma intercessora. Ela é a mãe a
A terceira vez é no Evangelho de São Lucas (cf. Lc
quem nos dirigimos em oração. É, acima de tudo, modelo
8,19-21), quando a mãe e outros parentes de Jesus vão
para nós; a mulher que traz a palavra de Deus, a mulher
procurá-lo e dizem para Ele: “Tua mãe e teus irmãos
do Espírito Santo, presente na cruz. Ela é presença.
estão lá fora e querem te ver” (Lc 8,20). Jesus diz algo
O Evangelho de São João apresenta essa constatação muito dramático. Ele volta-se aos seus discípulos e fala:
de forma compreensível logo no início: “[...] a mãe de “Vocês são tão preciosos para mim quanto o são minha
Jesus estava lá” (Jo 2,1), e no capítulo que, de certa ma- mãe e meus irmãos, porque assim como minha mãe ouve
neira, conclui o Evangelho, quando Jesus está pendurado a Palavra de Deus, vocês estão aqui ouvindo a Palavra de

20 21
Deus proferida por minha boca. Quem é minha mãe e com Isabel? Ela também ficou cheia do Espírito Santo. O
meus irmãos e minhas irmãs? Vocês são, se vocês ouvi- que aconteceu com Zacarias? Ficou repleto do Espírito
rem a Palavra de Deus e obedecê-la” (cf. Lc 8,21). Santo. E o que também aconteceu com Simeão? Igual-
mente ficou repleto do Espírito Santo. O que aconteceu
A quarta vez é quando Jesus, depois de ensinar os
com Ana? Ela ficou repleta do Espírito Santo, como se
discípulos a rezar, vê uma mulher gritando no meio da
Maria tivesse ocasionado uma “epidemia” do Espírito
multidão: “Feliz o ventre que te trouxe e os peitos que te
Santo. Por onde Maria passou, o Espírito Santo também
amamentaram!” (Lc 11,27-28).
esteve presente.
Maria é a mulher da Palavra. Ela também é a mulher
Se é necessário espalharmos uma cultura de Pentecos-
do Espírito. Sempre que Maria é mencionada, de alguma
tes, quem começou tudo foi Maria. E, finalmente, Maria
forma também é mencionado o Espírito Santo, porque
é a mãe das dores, a mãe da cruz. Aos pés da cruz estava
ela é repleta do Espírito. Quando Maria entra na casa de
Maria, a Mãe de Jesus.
Isabel, o que diz?

“Bendita és tu entre as mulheres e bendi-


to é o fruto do teu ventre! Como mereço
que a mãe do meu Senhor venha me visi-
tar? Logo que a tua saudação ressoou nos
meus ouvidos, o menino pulou de alegria
no meu ventre. Feliz aquela que acreditou,
pois o que lhe foi dito da parte do Senhor
será cumprido!” (Lc 1,42-45).

O Evangelho diz-nos que, naquele momento, João


Batista ficou repleto do Espírito Santo. O que aconteceu

22 23