Vous êtes sur la page 1sur 27

ENGENHARIA CIVIL

AULA 12
PROF. DR. JOSÉ NERES DA SILVA FILHO
©2004 by Pearson Education 1-1
ESTRUTURAS DE MADEIRA
INTRODUÇÃO
Definição - São peça sujeitas à solicitação de tração axial.
“As peças de madeira submetidas a um esforço axial
de tração apresentam comportamento elasto-frágil
até à ruptura, sem a ocorrência de valores
significativos de deformações antes do rompimento”.

• Tirantes ou pendurais;
• Contraventamentos de pórticos;
• Hastes de treliça.
©2004 by Pearson Education 1-2
ESTRUTURAS DE MADEIRA

ANÁLISE DO ELU
• Nas barras tracionadas axialmente os estados limites últimos se configuram
por ruptura das fibras na seção líquida, ou na seção bruta quando não houver
furos, com o material seguindo um comportamento elasto-frágil.

• Condição de Segurança:

ATENÇÃO!
O item 10.3 da NBR7190/97 limita a esbeltez máxima de peças tracionadas em
λ Pearson
©2004 by = 170. Education 1-3
ESTRUTURAS DE MADEIRA

INTRODUÇÃO

©2004 by Pearson Education 1-4


ESTRUTURAS DE MADEIRA

TRAÇÃO CENTRADA
• A madeira tem boa resistência à tração na direção das fibras;
•A emenda é o ponto crítico para o dimensionamento.

ATENÇÃO TURMA!

O esforço resistente de tração é igual à:

Área Líquida
X
Tensão resistente à tração.
©2004 by Pearson Education 1-5
ESTRUTURAS DE MADEIRA

DISPOSITIVOS DE EMENDA PARA PEÇAS TRACIONADAS

• As emendas de peças tracionadas em geral se localizam entre


pontos de ligação com outros elementos.

©2004 by Pearson Education 1-6


ESTRUTURAS DE MADEIRA

DISPOSITIVOS DE EMENDA PARA PEÇAS TRACIONADAS

• São utilizados duas talas de madeira ou aço conectadas às peças


por pregos, pinos, parafusos ou conectores metálicos.

©2004 by Pearson Education 1-7


ESTRUTURAS DE MADEIRA

DISPOSITIVOS DE EMENDA PARA PEÇAS TRACIONADAS

• Pregos produz ligações com boa rigidez mas conduz a talas


muito longas;

•Os parafusos e pinos produzem ligações deformáveis;

•Os conectores metálicos produz ligações bastante rígidas sendo


o tipo mais eficiente.

©2004 by Pearson Education 1-8


ESTRUTURAS DE MADEIRA

DISPOSITIVOS DE EMENDA PARA PEÇAS TRACIONADAS

©2004 by Pearson Education 1-9


ESTRUTURAS DE MADEIRA

DISPOSITIVOS DE EMENDA PARA PEÇAS TRACIONADAS

©2004 by Pearson Education 1-10


ESTRUTURAS DE MADEIRA

DISPOSITIVOS DE EMENDA PARA PEÇAS TRACIONADAS

©2004 by Pearson Education 1-11


ESTRUTURAS DE MADEIRA
CRITÉRIO DE CÁLCULO
“Nas barras tracionadas axialmente os estados limites últimos
se configuram por ruptura das fibras na seção líquida, ou na
seção bruta quando não houver furos, com o material seguindo
um comportamento elasto-frágil”.

ATENÇÃO!

“O índice de esbeltez da peça λ deve ser menor do que 170 - NBR 7190”
©2004 by Pearson Education 1-12
ESTRUTURAS DE MADEIRA

a) Área líquida An na ligação com prego

b) Área líquida An na ligação com conectores de anel

©2004 by Pearson Education 1-13


ESTRUTURAS DE MADEIRA
b) Área líquida An no caso de parafusos alinhados na direção da carga

c) Área líquida An no caso de parafusos não-alinhados

ATENÇÃO!
De acordo com a NBR 7190,
os furos podem ser
desprezados desde que não
ultrapassem 10 % da área da
seção bruta
©2004 by Pearson Education 1-14
ESTRUTURAS DE MADEIRA
EXEMPLO DE PROJETO
Um pendural de pinho brasileiro de segunda categoria usado em um ambiente
de classe 3 de umidade está ligado por parafusos com diâmetro de 25 mm a
duas talas laterais metálicas. O pendural está sujeito aos esforços de tração de
Ng = 15 kN (carga permanente) e Nq = 10 kN (carga variável). Verificar a
segurança do pendural em tração paralela às fibras.

©2004 by Pearson Education 1-15


ESTRUTURAS DE MADEIRA

CONCLUSÃO:
O pendural atende com
folga o critério de
segurança em termos de
©2004 by Pearson Education resistência à tração. 1-16
ESTRUTURAS DE MADEIRA
EXEMPLO DE PROJETO
Uma peça de dimensões 7,5 x 11,5 cm de Louro Preto está sujeito a um esforço
solicitante de projeto de 55 kN (tração). Pede-se: (a) dimensionar a emenda da
tala de madeira com parafuso; (b) dimensionar a emenda com tala de madeira
com prego. Admitir carga de longa duração e classe 3 de umidade.

©2004 by Pearson Education 1-17


ESTRUTURAS DE MADEIRA
1-Seção adotada
•Usar parafuso de 19 mm de aço fyk = 240 MPa;
•Usar b = 50 mm (maior que a metade da peça emendada).

©2004 by Pearson Education 1-18


ESTRUTURAS DE MADEIRA

N= 55/7,18 = 7,66 ≈ 8 (oito)


São necessários oito parafusos de 19 mm em cada lado da peça.
©2004 by Pearson Education 1-19
ESTRUTURAS DE MADEIRA

©2004 by Pearson Education 1-20


ESTRUTURAS DE MADEIRA
EXEMPLO DE PROJETO
•Uma peça de dimensões 7,5 x 11,5 cm de Louro Preto está sujeito a um esforço
solicitante de projeto de 55 kN (tração). Pede-se: (a) dimensionar a emenda com
tala de madeira com prego. Admitir carga de longa duração e classe 3 de
umidade.

©2004 by Pearson Education 1-21


ESTRUTURAS DE MADEIRA
1-Seção adotada
•Usar pregos 120 x 59 (d = 59 mm e l = 120 mm);
•O prego adotado atende aos quesitos de penetração da NBR 7190/97.

©2004 by Pearson Education 1-22


ESTRUTURAS DE MADEIRA

©2004 by Pearson Education 1-23


ESTRUTURAS DE MADEIRA
EXEMPLO DE PROJETO
Uma peça de dimensões 7,5 x 11,5 cm de Louro Preto está sujeito a um esforço
solicitante de projeto de 55 kN (tração). Pede-se: (a) dimensionar a emenda da
tala de madeira com conectores de anel. Admitir carga de longa duração e classe
3 de umidade.

©2004 by Pearson Education 1-24


ESTRUTURAS DE MADEIRA
1-Seção Genérica
•A espessura da peça central igual a 75 mm é adequada para receber entalhes de
dois anéis de 19 mm de altura, um em cada face.
•Calculam-se as largura mínimas da madeira para emprego dos conectores de
anel de modo a satisfazer o espaçamento mínimo entre os conectores e as bordas.

©2004 by Pearson Education 1-25


ESTRUTURAS DE MADEIRA
1-Seção adotada
•Anela dotado de 64 mm;
•Parafuso adotado de 12 mm;
•Diâmetro do furo d’ = 13 mm.

©2004 by Pearson Education 1-26


ESTRUTURAS DE MADEIRA
1-Seção adotada
A NBR 7190 é conservadora (14 conectores). Nesse caso é melhor adotar as
recomendações da norma norte americana (NDS). Nesse caso seria necessário 12
conectores.

©2004 by Pearson Education 1-27