Vous êtes sur la page 1sur 5

Resumo de Imunologia – Propriedades Gerais das Respostas Imunes

Por: Vitor Luiz Back Teló

O termo imunidade deriva do latim e significa proteção. Historicamente define-se o SI como a


proteção do corpo contra doenças, sendo constituído por células e moleculas que coordenam a
resposta imunológica contra substâncias estranhas. A função fisiológica do SI é a defesa contra
microorganismos infecciosos e substâncias estranhas.
 Atualmente define-se como a reação contra microorganismos e moléculas reconhecidos
como agentes estranhos, independente da origem.
 Em determinadas situações moléculas do proprio corpo podem desencadear respostas
imunes (resposta autoimune)
 A imunologia é uma ciência experimental e relativamente nova, porém existem relatos de
conhecimentos de imunidade desde o Séc V A.C na Grécia.
 No século XVIII, Edward Jenner realizou os primeiros trabalhos de vacinação bem sucedidos,
levando assim a uma ampla aceitação deste método na prevenção de infecções. Graças a
vacinação, em 1980, a OMS declarou a varíola erradicada.
 Desde a década de 60 os conhecimentos sobre o SI cresceram exponencialmente graças as
novas tecnologias de cultura celular, imunoquímica e metodologias com DNA.
A defesa contra os MO e substâncias estranhas é mediada por reações de imunidade inata e
adaptativa:
 Imunidade Inata: denominada de imunidade natural, é a primeira linha de defesa do corpo.
São mecanismos celulares e bioquímicos que já existem antes da infecção ocorrer e estão de
prontidão para respostas rápidas. Esses mecanismos respondem da mesma maneira em
todas as ocasiões.
 Os componentes da imunidade inata são:
 Barreiras Físicas e Químicas: os epitélios íntegros e os antimicrobianos
secretados em suas superfícies
 Células Fagocitárias (Neutrófilos e Macrófagos), células dendríticas e células
natural-killer (NK)
 Proteínas Sanguíneas como as do sistema complemente e mediadores
inflamatórios
 Citocinas: reguladores e coordenadores das atividades das células da
imunidade natual.
 A imunidade inata tem pouca diversidade de abrangência, além de não produzir
céulas de memória,
 Imunidade Adaptativa: é a imunidade adquirida a partir da exposição a agentes cuja
magnitude da resposta cresçe conforme ocorrem exposições. Esse tipo de imunidade é
caracterizado pela capacidade de memória, ou seja, de produzir células que numa segunda
exposição já estão prontas e são capazes de produzir uma resposta mais agressiva ao MO.
 Ela é capaz de reconhecer a reagir a uma vasta quantidade de agentes microbianos e
não-microbianos. É também capaz de distinguir MO e moléculas extremamente
semelhantes, sendo chamada de imunidade específica.
 É denominada de adquirida pois as respostas protetoras dependem de contato prévio.
 Seus principais componentes são os linfócitos e suas secreções, os anticorpos.
 As substâncias que desencadeiam as respostas específicas são denominadas de
antígenos.
 Existem dois tipos de resposta imune adaptativa, a humoral e a celular:
 Imunidade Humoral; é mediada por moléculas do sangue e por secreções nas
mucosas de anticorpos produzidos pelos LINFÓCITOS B. Os anticorpos
reconhecem antígenos, neutralizam a virulência e promovem sua eliminação
através de vários mecanismos efetores. É o principal meio de defesa contra
MO extracelulares.
o Os anticorpos se ligam aos MO e induzem sua fagocitose;
o Os anticorpos se ligam a células de defesa e causam a liberação de
mediadores inflamatórios, sendo então transportados para combater
os MO.
 Imunidade Celular: denominada imunidade mediada por células, é mediada
por LINFÓCITOS T. Esse tipo de imunidade serve contra MO intracelulares não
atingíveis pelos anticorpos circulantes, seja através da eliminação dos MO ou
da célula infectada.
A imunidade protetora é induzida pela resposta do hospedeiro aos MO, podendo ser ativa ou passiva:
 Imunidade Ativa: induzida pela exposição ao antígeno. O indivíduo possui papel ativo . Os
linfócitos virgens e imunológicamente inexperientes são alterados. Os indivíduos que já
tenam sido expostos ao antígeno estarão protegidos.
 Imunidade Passiva: é através da transferência de soro ou linfócitos de um indivíduo
imunizado para um virgem. O receptor torna-se imune sem nunca ter sido exposto ao
antígeno. A vantagem é que ocorre uma imunização rápida porém sem formação de
memória. Ex: soro antiofídico
A resposta imune é de longe a mais complexa e a mais estudada. As principais características desta
são:
 Especificidade e Diversidade: as respostas são específicas para diferentes antígenos, podendo
ser diferente para diferentes partes de uma mesma molécula de antígeno. A parte do
antígeno reconhecida é denominada de epítopo. A especificidade é decorrente da expressão
de receptores na membrana dos linfócitos que reconhecem diferenças sutis nos epítopos.
Estima-se que um ser humano seja capaz de reconhecer uma quantidade na ordem de 107 a
109 epítopos, formando o chamado repertório dos epítopos.
 Memória: a exposição aumenta a capacidade de responder novamente aquele antígeno. As
respostas subsequentes denominadas secundárias serão mais rápidas e de maior
intensidade. Essa memória se deve ao fato de que cada exposição aos antígenos gera
LINFÓCITOS-B DE MEMÓRIA. Além disso, essas células de memória são mais eficientes.
 Expansão Clonal: os linfócitos sofrem uma considerável prolferação após a exposição. O
termo expansão clonal é usado pois a proliferação gera células com os mesmos receptores a
antígenos. Isso permite que a resposta ocorra na mesma velocidade de divisão dos MO.
 Especialização: o sistema imune responde por vias distintas a diferentes antígenos,
maximizando a eficiência dos mecanismos de defesa.
 Contração e Homeostasia: as respostas imunes normais diminuem sua ação com o passar do
tempo e tornam o corpo ao estado de homeostase. Isso ocorre pois o SI visa a eliminação do
antígeno. Uma vez que este fora eliminado, o estímulo de ativação do SI deixa de existir e o
corpo retorna ao estado basal.
 Não reatividade ao próprio: uma das características mais marcantes do SI é a capacidade de
reconhecer antígenos estranhos, reagir a eles e eliminá-los, tudo isso sem reagir contra
substância antigênicas do próprio indivíduo. Essa ausência de resposta é denominada
tolerância. Anormalidades nesse processo geram doenças autoimunes.
As respostas imunológicas são reguladas por feedback positivo, ou seja, as reações amplificam as
seguines, o que impede reações inapropriadas ou patológicas.
A imunidade adaptativa envolve 3 tipos de células, os linfócitos, as células apresentadores de
antígenos e as células efetoras:
 Linfócitos: são as células que reconhecem e respondem aos antígenos, atuando como
mediadores das imunidades humoral e celular.
 Linfócitos B: São as células produtoras de anticorpos. Elas reconhecem antígenos de
superfície e se diferenciam em plasmócitos secretores.
 Linfócitos T: são células da imunidade celular que reconhecem os antígenos de MO
intracelulares, ajudando os fagocítocos a destruir a célula ou destruindo-a eles
mesmos. Não secretam anticorpos e possuem especificidade restrita a antígenos
associados a superfície celular, não reconhecendo antígenos dissolvidos. Podem ser:
 Linfócitos T Auxiliares (Helpers): secretam as citocinas, moléculas mensageiras
das respostas imunes. Elas estimulam a proliferação e diferenciação de células
T, ativam células B, macrófagos e outros leucócitos.
 Linfócitos T Citotóxicos (Citolíticos): são responsáveis por destruir as células
infectadas por vírus ou outros MO.
 Linfócitos T Reguladores: agem inibindo a resposta imunológica
 Células Assasinas Naturais (NK): são células envolvidas na imunidade natural
contra vírus e outros MO intracelulares.
 Os linfócitos são diferenciados pelas diferentes proteínas de superfície que exibem,
denominadas moléculas CD e designadas por números.
 Células Apresentadoras de Antígenos: responsáveis por capturas os antígenos e os apresentar
para os linfócitos
 Células Efetoras: são as responsáveis pela eliminação do antígeno. Os linfócitos T, os fagócitos
e outros leucócitos são efetores, estando localizados gelramente em orgãos linfóides.
As respostas imunes são mediadas e reguladas por uma classe heterogêna de proteínas denominadas
citocinas. Elas não são armazenadas e sua produção é iniciada por processos de ativação celular.
 A ação das citocinas é geralmente local, seja na célula produtora (autócrina) ou nas células
vizinhas (parácrina). Algumas citocinas são secretadas no sítio de contato com as células
apresentadoras de antígenos, constituindo a sinapse imunológica.
 Quando produzidas em grandes quantidades, as citocinas podem atuar a distância
(endócrina). Ex: fator de necrose tumoral.
 Algumas citocinas são mediadoras da imunidade natural e são produzidas por células
dendríticas ou macrófagos, impulsionando o processo inflamatório e combatendo infecções
virais.
 As citocinais produzidas por células T auxiliares contribuem com a imunidade adaptativa e
regulam as respostas. Essas citocinas são responsáveis por ativar e diferenciar as células T e
as células B. Elas também podem ser fatores de crescimento hematopoiético.
O sistema imune deve combater microorganismos diversos, sendo que a resposta imune a todos os
patógenos apresenta características semelhantes e ao mesmo tempo outras distintas.
 Imunidade Natural: ele bloqueia a entrada de microorganismos e limita o crescimento dos
colonizadores. Os locais de interação entre o meio e o corpo – pele e mucosas – são revestidos
por epitélios que funcionam como barreiras. Caso os MO rompam essa barreira eles se
encontram com as células da imunidade natural. A reação da imunidade natural contra os
MO consiste em duas fases:
 Inflamação: processo de recrutamento de leucócitos e proteínas plasmáticas, sua
ativação e a destruição dos MO. Os principais leucócitos são os neutrófilos e
monócitos que se ligam aos MO e os ingerem.
 Defesa Anti-Viral: reações mediadas por citocinas em que as células adquirem
imunidade viral ou são destruídias pelas células NK.
 Os MO que resistem a essas linhas de defesa encontram as proteínas plasmáticas do
sistema complemento. As reações da imunidade natural são efetivas no controle das
infecções, acontece que a maioria dos patógenos evoluiu para sobrepor essa
imunidade.
 Imunidade Adaptativa
 O sistema adaptativo utiliza 3 estratégias para combater os MO. A resposta adquirida
consiste em ativar uma dessas vias
 Anticorpos: moléculas que se ligam aos MO e bloqueiam sua capacidade
infectante e promovem sua ingestão por fagóctios
 Células T auxiliares: aumentam a capacidade dos fagócitos
 Linfócitos T citotóxicos: destroem as células infectadas que não são acessíveis
aos anticorpos e facócitos.
 Captura e Apresentação Antígenos: as células dendritícas são as responsáveis por
apresentar os antígenos aos linfócitos TCD4 e TCD8. Localizadas nos epitélios, elas
capturam os MO, digerem seus peptídeos e os expressam em sua superfície. Elas
transportam sua carga de antígenos até os gânglios satélites onde os linfócitos T
circulam, aumentando a possibilidade de contato. Antígenos intactos são
reconhecidos por linfócitos B específicos.
 Reconhecimento de Antígenos: existem linfócitos específicos para vários antigenos
antes mesmo da exposiação ao determinado antígeno. Quando o organismo entra em
contato com o antígeno as células específicas são ativadas. Esse é o conceito da
hipótese da seleção clonal.
 A ativação dos linfócitos virgens exige o reconhecimento do complexo
peptídeo-MHC apresentado pelas células dendríticas. A existência de MHC
garante que a interação do linfócito T ocorrerá somente com a célula, não com
o antígeno livre, uma vez que o MHC é uma proteína de superfície celular. Isso
é necessário pois todas as funções dos linfócitos T dependem da interação
célula-célula. Para que a resposta ocorra, as células T tem que reconhecer
também os coestimuladores, moléculas expostas pela célula por influência dos
MO. Isso garante duas coisas:
o Especificidade à resposta
o Segurança de que os linfócitos estão respondendo a MO e não a
moléculas inofensivas.
 Ativação dos Linfócitos T e Eliminação dos MO intracelulares: Os linfócitos TCD4
ativados se proliferam e se diferenciam em células efetoras cujas funções são
mediadas pelas citocinas. Uma das primeiras ações dos linfócitos TCD4 ativados é
secretar interleucina-2 que atua sobre outros linfócitos e estimula sua proliferação.
 Parte dessa prolferação se concentra na área e o restante migra para outros
locais de infecção. Quando esses efetores ativados que migraram são expostos
aos MO, eles irão desempenhar suas funções de eliminação.
 Algumas células T irão secretar citocinas que estimulam a produção de
microbicidas pelos fagócitos, ajudando-os a realizar sua função. Outras
secretam citocinas que estimulam a produção de imunoglobulina (IgE) que
ativa eosinófilos capazes de eliminar parasitas maiores.
 Os linfócitos TCD8 ativados se diferenciam em linfócitos T citotóxicos que irão
destruir células infectadas por MO.
 Ativação dos Linfócitos B e Eliminação e MO Extracelulares: uma vez ativados os
linfócitos B se diferenciam em células secretoras de anticorpos com funções distintas.
A resposta dos linfócitos B depende de sinais ativadores emitidos pelos linfócitos
TCD4.
 Parte dos linfócitos B se diferenciam em plasmócitos que secretam os
anticorpos com o mesmo sítio de ligação para o antígeno que as células B
precursoras possuiam.
 Os antígenos de natureza polissacarídea ou lipídica stimulam a secreção de
uma classe de anticorpos denominada IgM. Os antígenos proteicos estimulam
a secreção de IgM inicialmente e depois de IgG, IgA e IgE. Essa mudança é
denominada mudança de classe e requer ação das células T.
 As células T também podem estimular a produção de anticorpos com afinidade
aumentada, melhorando a qualidade da resposta imune.
 A resposta imune humoral atua de diferentes maneiras. Os anticorpos ligam-
se aos MO e neutralizam sua capacidade de infectar as células. Geralmente os
anticorpos possuem vida curta, porém alguns vivem por até 3 semanas. Certos
plasmócitos migram para a medula e sobrevivem por anos em baixa atividade
o IgG: recobrem os MO e os marcam como alvo de fagocitose
o IgM e IgG: ativam o sistema complemento cujos produtos promovem
a fagocitose ou destruição direta dos MO.
o IgA: atua especificamente no lúmem gastrointestinal e respiratório
o IgG Materno: protege o recém-nascido ate que seu SI esteja
desenvolvido.
 Memória: A resposta imunológica efetiva irá eliminar os MO e em seguida reduzir as
populações de linfócitos. A ativação dos linfócitos gera células de memória que
sobrevivem por anos. As células de memória são mais efetivas pois são específicas e
respondem mais rapidamente.