Vous êtes sur la page 1sur 20

1

CENTRO UNIVERSITÁRIO MAURÍCIO DE NASSAU


NÚCLEO DE SAÚDE
CURSO DE FÁRMACIA

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM FARMÁCIA

José Maria Aguiar Sousa

São Luís - MA
Julho, 2019
2

FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU


NÚCLEO DE SAÚDE
CURSO DE FÁRMACIA

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM FARMÁCIA

José Maria Aguiar Sousa

Relatório final de conclusão de estágio curricular


em Farmácia supervisionado I realizado pelo
Discente, José Maria Aguiar, apresentado como
parte das exigências curriculares do curso de
Farmácia.

São Luís – MA
Julho, 2019
3

RESUMO
O presente material pretende descrever as principais valências e conhecimentos
adquiridos no período de 25 dias de estágio em farmácia de manipulação da empresa
Special Pharma. Sua relevância mostra-se ao observar o funcionamento da farmácia de
manipulação no âmbito assistencial, técnico-cientifica e administrativa, um ambiente
em que são realizadas atividades de compra, armazenamento, controle, manipulação e
dispensação de medicamentos e materiais magistrais, assim como a função do
farmacêutico na gestão deste estabelecimento, haja vista seu grau de conhecimento
indispensável para o bom funcionamento das ações voltadas a promoção da saúde e no
desenvolvimento de métodos e diretrizes junto ao corpo da farmácia para minimizar os
custos, reduzir o desperdício e erro de medicações, além de condicionar o uso racional
de medicamentos. No intervalo deste estágio o farmacêutico responsável buscou criar
atividades que integrassem o estagiário à funcionalidade da farmácia magistral
rotacionando-o pelos setores da farmácia, bem como proporcionar contato com a equipe
de atendimento, analisando as relações interprofissional. Outrossim se tratou de atentar
para o preparo de medicamentos sejam eles sólidos ou líquidos em que o farmacêutico
habilitado junto a equipe multidisciplinar é responsável por avaliar o estado e a
prescrição do paciente, manutenção do suporte, padronizar e reavaliar práticas
farmacotécnicas. O discente aqui visualiza e realiza várias atividades inerentes a
profissão farmacêutica, tais como o preparo de substancias farmacêuticas, relação de
envasamento, dispensação, fracionamento e avaliação de prescrição médica, além de ter
contato direto com paciente em várias situações, observando sua influência no paciente
e na subtração de males. Ademais, a possibilidade de compreender a importância da
relação profissional-utente na atenção farmacêutica prestando informações necessárias a
promoção de saúde e bem-estar.
4

SUMÁRIO

Sumário
1 INTRODUÇÃO ............................................................................................................................. 5
2 OBJETIVOS .................................................................................................................................. 6
2.1 OBJETIVO GERAL ................................................................................................................. 6
2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS ...................................................................................................... 6
3 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ...................................................................................................... 6
3.1 FARMÁCIA DE MANIPULAÇÃO ............................................................................................ 6
4 CARACTERIZAÇÃO DO ESTÁGIO ................................................................................................. 7
4.1 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA ......................................................................................... 7
4.2 SUPERVISÃO DE ESTÁGIO .................................................................................................... 9
5 LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS E PROFISSIONAIS APLICÁVEIS .......................................................... 9
6 PORTIFÓLIO .............................................................................................................................. 13
7 ATIVIDADES DE ESTÁGIO .......................................................................................................... 14
7.1 AVALIAÇÃO DE PRESCRIÇÃO MEDICA; ........................................................................ 14
7.2 MEDICAMENTOS SUJEITOS A CONTROLE ESPECIAL; .................................................. 14
7.3 MANIPULAÇÃO E ENCAPSULAMENTO DE MEDICAMENTOS SÓLIDOS ....................... 15
7.4 MANIPULAÇÃO E ENVASAMENTO DE MEDICAMENTOS LÍQUIDOS ............................ 16
7.5 CONTROLE DE QUALIDADE; ........................................................................................ 17
7.6 DISPENSAÇÃO E ATENDIMENTO AO PÚBLICO .................................................................. 17
8 CONSIDERAÇÕES FINAIS ........................................................................................................... 19
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ................................................................................................... 20
5

1 INTRODUÇÃO

A Farmácia Magistral é o estabelecimento de saúde em que os medicamentos


são preparados de forma personalizada para atender as necessidades
farmacoterapêuticas específicas de seus usuários mediante a prescrição de médicos,
dentistas e, atualmente, também de nutricionistas. Representa um recurso tecnológico à
disposição destes profissionais e ocupa um importante espaço no cuidado à saúde. Neste
contexto, estudos relacionados a formulações magistrais são evidentemente necessários
para que estas tenham garantidas a qualidade, a segurança e a eficácia esperadas.
Esta característica do setor exige do profissional farmacêutico que nele atua um
amplo conhecimento das doenças, dos recursos farmacotécnicos, dos fármacos, da
garantia da qualidade, entre outros assuntos, para, assim, estar apto a produzir e propor
soluções em medicamentos ajustadas às necessidades individuais dos pacientes.
A farmácia magistral representa hoje um nicho de mercado para o profissional
farmacêutico, sendo o ramo da profissão que mais cresceu nos últimos anos, um
segmento que vem se destacando no cenário de medicamentos brasileiro e, é, por isso
que possibilita ao farmacêutica ascensão social e econômica com completa realização
profissional, encontrando na farmácia a possibilidade de exercer com amplitude todas as
atividades inerentes ao verdadeiro profissional do medicamento. A farmácia de
manipulação exerce um papel de extrema importância nos cuidados para com a saúde. É
também um dos ramos que mais emprega farmacêuticos no Brasil e que melhor os
remunera, porém, exige do profissional intensa e constante atualização e
aperfeiçoamento.
Os medicamentos manipulados possuem várias vantagens frente aos
industrializados, como por exemplo, a economia, segurança, associação de
medicamentos, disponibilidade de mercado, dosagem individual, rótulo personalizado e
relacionamento médico-farmacêutico. Já os medicamentos industrializados são
produzidos nas indústrias em grandes quantidades, utilizando equipamentos que têm
capacidade para fabricar lotes de até milhares de unidades. São produzidos em dosagens
ou concentrações padronizadas, de modo a serem utilizados por um grande número de
pacientes.
6

O objetivo da farmácia de modo geral, é a manipulação de fórmulas e venda de


produtos naturais, buscando sempre a oferta de saúde e bem-estar aos seus pacientes.

2 OBJETIVOS
2.1 OBJETIVO GERAL

Descrever a atuação do farmacêutico na farmácia manipulação e sua


importância.
2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

 Relatar as principais atividades da farmácia de manipulação;


 Identificar as atribuições do farmacêutico na farmácia;
 Especificar o ciclo da assistência Farmacêutica.

3 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

3.1 FARMÁCIA DE MANIPULAÇÃO

Não há quem não se impressione com a performance que a Farmácia Magistral


vem apresentando, nos últimos anos, no Brasil. O segmento só cresce. Por trás das
curvas ascendentes que fazem brilhar os gráficos do setor está à organizadíssima
Anfarmag (Associação de Farmacêuticos Magistrais), sendo está o farol do segmento
(Pharmacia Brasileira, 2002).
Criada, em 1986, por um grupo de Farmacêuticos encharcados de ideias, como o
de resgatar a cultura farmacêutica da manipulação, perdida com o surgimento das
drogarias, lá pelos anos 40, e ancorados também nas coisas praticas, como o
gerenciamento moderno, a captação dos recursos financeiros etc (Pharmacia Brasileira,
2002). A Anfarmag, é uma instituição que acompanha as mudanças pertinentes ao seu
tempo, tem priorizado a constante discussão, junto aos poderes constituídos, como um
dos principais instrumentos de defesa de temas que impactam o setor magistral (Revista
da Farmácia Magistral, 2013). As farmácias magistrais seguem normas e
legislações sanitárias onde buscam garantir qualidade, segurança e eficácia. Isto é
obtido graças a um sistema de garantia da qualidade, que inclui controle de matérias-
primas e embalagem, monitoramento do processo de manipulação das formulações,
qualificação de fornecedores, treinamento de funcionários, entre outros requisitos no
7

atendimento à população. Além disso, as farmácias magistrais sempre têm um ou mais


farmacêuticos disponíveis para esclarecer suas dúvidas e orientá-lo em relação ao seu
tratamento e, como em qualquer estabelecimento de saúde, a limpeza e o bom estado de
conservação da estrutura física da farmácia magistral estão previstas pelas Boas Práticas
de Manipulação determinadas pela Anvisa.
O medicamento manipulado está sob cuidado de um rigoroso conjunto de
regulamentações da Agencia Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA, que
coordena o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária (SNVS) do Ministério da
Saúde e ao qual estão relacionadas todas as vigilâncias sanitárias dos estados e
municípios, responsáveis pelo importante e regular inspeção sanitária (Manual do
Consumidor da Farmácia Magistral, 2010).
Medicamentos manipulados são aqueles preparados diretamente na farmácia,
pelo profissional farmacêutico, a partir das fórmulas inscritas no Formulário Nacional
reconhecido pela ANVISA, ou ainda a partir de uma prescrição de profissional
habilitado, que estabeleça em detalhes sua composição, forma farmacêutica, posologia e
modo de usar.
Ainda, vale ressaltar que na manipulação existe a possibilidade de associações
de princípios ativos, já que muitos pacientes portadores de doenças crônicas precisam
tomar vários medicamentos por dia. Os rótulos personalizados evitam a troca de
medicamentos e hoje em dia, em alguns casos, o paciente pode escolher o formato do
medicamento em cápsulas, xarope, sachês, shakes, supositórios, gomas, entre outros. O
comprador também pode optar pela cor desejada de cápsulas e ainda a adição de sabores
especiais. O uso dos medicamentos manipulados impede a automedicação, já que eles
só podem ser produzidos com prescrição médica e vem exatamente na quantidade que o
consumidor necessita. Esse ponto é importante, visto que a automedicação é a terceira
causa de internação por alergia ou intoxicação aos medicamentos (BIAZON, A.C. B).

4 CARACTERIZAÇÃO DO ESTÁGIO

4.1 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA

NOME FANTASIA Special Pharma


RAZÃO SOCIAL J B Lima – Farmácia de manipulação Eireli
8

DESCRIÇÃO Comércio varejista de produtos farmacêuticos, com manipulação


de fórmulas
C.N.P.J. 07. 477. 476/ 0001-67
Av. Colares Moreira, Q/121, Lote 11 A 13
ENDEREÇO NÚMERO: 12 COMPLEMENTO: Sala 2
BAIRRO: Renascença II
CIDADE: São Luís ESTADO: MA
CEP: 65075-441
HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DO ESTABELECIMENTO

Segunda –feira 8:00h às 18:00


Terça –feira 8:00h às 18:00
Quarta –feira 8:00h às 18:00
Quinta –feira 8:00h às 18:00
Sexta –feira 8:00h às 18:00
Sábado 8:00h às 12:00
Domingo -

E-MAIL: specialpharma@hotmail.com
TELEFONE: (98) 3227-0664
RESPONSÁVEL TECNICO: Josélio Bezerra Lima
CRF – MA: 1218
AREA FÍSICA (descrição da empresa)

Laboratórios de Sólidos
Laboratórios de semi-sólidos e líquidos
Sala de controle de qualidade
Setor administrativo
Área de dispensação
Área de manipulação
Área de lavagem
Estoque de matérias-primas
Vestiário
Área de rotulagem dos medicamentos e produtos;
Copa;
Banheiro;
Depósito de Material de Limpeza

AREA FÍSICA DO AMBIENTE DE ESTÁGIO (descrição do local de estágio)

A farmácia magistral conta com uma área que compreende diversos setores distribuídos
dentro da empresa: a área de atendimento, a área limpa/suja, copa, setor de estocagem,
laboratório de sólidos, laboratório de semi-solidos e líquidos, setor de lavagem, setor de
controle de qualidade, dispensação e incluindo Área administrativa. Conta também com
seção de fracionamento e etiquetagem e sala de atenção farmacêutica. Estas últimas
apresenta os seguintes equipamentos e mobiliários:
9

 Uma cabine de fluxo laminar vertical;


 Bancadas de granito polido;
 Exaustão de ar exclusiva com filtro de carvão ativado
 Cadeiras com estofamento impermeável e lavável, com estrutura metálica;
 EPIs de uso descartável e matérias para higiene;
 Protocolos das boas práticas de manipulação;
 Atas dispondo das manipulações realizadas e respectivos manipuladores;

Além disso, possui central de abastecimento (almoxarifado) localizado na própria


farmácia para facilitar o acesso e o controle dos medicamentos, copa, sanitários e
depósito de material de limpeza.

4.2 SUPERVISÃO DE ESTÁGIO

SUPERVISOR Pedro Satiro Carvalho Júnior


CRF 2156
FUNÇÃO Farmacêutico
DESCRIÇÃO Professor de Estágio Supervisionado da UNINASSAU
Rua Zoe Cerveira
ENDEREÇO NÚMERO: 120 COMPLEMENTO:
BAIRRO: Alemanha
CIDADE: São Luís ESTADO: MA
CEP: 65036-720
HORÁRIO DE PERMANÊNCIA DO SUPERVISOR

Segunda –feira -
Terça –feira 18:30h às 20:10h
Quarta –feira -
Quinta –feira -
Sexta –feira -
Sábado -
Domingo -

E-MAIL: 160200396@prof.uninassau.edu.br
TELEFONE: (98) 3133-1900

5 LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS E PROFISSIONAIS APLICÁVEIS

Em uma farmácia de manipulação, cuja principal função é a promoção da saúde,


o cuidado com a cadeia dos medicamentos e produtos para saúde, suas ações são o
resultado da combinação de estrutura, processos, pessoas e tecnologia para o constante
10

aperfeiçoamento das atividades e qualidade nos serviços realizados. Para isso, é


imprescindível que o farmacêutico magistral conheça além dos preceitos técnicos, os
requisitos legais e regulamentares pertinentes à sua área de atuação. É importante
ressaltar que a aplicabilidade desses requisitos vai depender das características do
serviço de saúde e das atividades realizadas.
A legislação sanitária e profissional passa por constantes atualizações que
podem ser emitidas por várias entidades governamentais como: Ministério da Saúde,
Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Secretaria Estadual de Saúde, Conselhos de
Classe: Conselho Federal da Farmácia e Conselho Regional de Farmácia entre outros,
através de publicações em Diários Oficiais da União, Estados e Municípios.
Legislação e requisitos relacionados à área sanitária: incluem o controle de
infecções, saneantes e germicidas, reprocessamento de materiais e gerenciamento de
risco; fracionamento, preparo de quimioterapia e antineoplásicos, preparo de Nutrição
Enteral e Parenteral e preparo de misturas intravenosas.
Lei nº 9.431 de 06/01/1997 Ementa: Dispõe sobre a obrigatoriedade da
manutenção de programa de controle de infecções em ambientes de manipulação do
País. Diz no artigo Art. 1º que as empresas do País são obrigados a manter Programa de
Controle de Infecções – PCI, visando à redução máxima possível da incidência e da
gravidade das infecções, por meio de um conjunto de ações desenvolvidas deliberada e
sistematicamente com esse propósito.
Para isso o artigo Art. 2° orienta sobre sua execução e adequação incumbindo da
criação da Comissão de Controle de Infecções.
Lei nº 13.331 de 23/11/2001 diz sobre: Aprova o regulamento técnico e seus
anexos, objeto desta portaria, contendo disposições sobre procedimentos de unidade de
esterilização por óxido de etileno e de suas misturas e seu uso, bem como, de acordo
com suas competências, estabelecer as ações sob reponsabilidade do Ministério da
Saúde e Ministério do Trabalho e Emprego.
Portaria MS/GM nº 1.660 de 22/07/2009: Institui o Sistema de Notificação e
Investigação em Vigilância Sanitária - VIGIPOS, no âmbito do Sistema Nacional de
Vigilância Sanitária, como parte integrante do Sistema Único de Saúde - SUS.
Portaria MS/GM nº 2914 de 12/12/2011: Dispõe sobre os procedimentos de
controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de
potabilidade.
11

Resolução do CFM nº 1.552 de 23/08/1999: dispõe sobre a prescrição de


antibióticos nas unidades hospitalares obedecerá às normas emanadas da Comissão de
Controle de Infecções Hospitalares
Resolução CONAMA nº 358 de 29/04/2005: O CONSELHO NACIONAL DO
MEIO AMBIENTE-CONAMA Dispõe sobre o tratamento e a disposição final dos
resíduos dos Serviços de Saúde e dá outras providências, considerando os princípios da
prevenção, da precaução, do poluidor pagador, da correção na fonte e de integração
entre os vários órgãos envolvidos para fins do licenciamento e da fiscalização.
Resolução MS/ANVISA nº 2.605 de 11/08/2006: Estabelece a lista de produtos
médicos enquadrados como de uso único, proibido de ser reprocessados.
Resolução SESA nº 674 / 201: Aprova o regulamento técnico que estabelece as
ações em vigilância em saúde a serem desenvolvidas no controle de Bactérias
Multiresistentes (BMR) e Bactérias oriundas de infecções e de surtos em serviços de
saúde.
Resolução da SESA nº 321 de 14/06/2004: Implanta e torna obrigatória a
utilização do Roteiro de Inspeção para liberação da licença sanitária aos
estabelecimentos de manipulação.
Resolução MS/ANVISA nº 6 de 30/01/2012: Dispõe sobre as Boas Práticas de
Funcionamento para as Unidades de Processamento de Roupas de Serviços de Saúde e
dá outras providências.
Resolução MS/ANVISA nº 15 de 15/03/2012: Dispõe sobre requisitos de boas
práticas para o processamento de produtos para saúde e dá outras providências.
Resolução MS/ANVISA nº 186 de 27/07/2004: Dispõe sobre a notificação de
drogas ou insumos farmacêuticos com desvio de qualidade comprovado pelas empresas
fabricantes de medicamento, importadoras, fracionadoras distribuidoras e farmácias
Resolução MS/ANVISA nº 220 de 21/09/2004: Aprova o Regulamento
Técnico de Funcionamento dos Serviços de Terapia Antineoplásicas.
Legislação e requisitos relacionados às áreas profissionais aplicáveis: Dizem
sobre à Responsabilidade Técnica, ao âmbito Profissional e Código de Ética da
Profissão Farmacêutica.
Decreto nº 20.377 de 08/09/1931: Regulamentação da Profissão Farmacêutica
no Brasil.
12

Decreto nº 77.052 de 19/01/1976: Dispõe sobre a fiscalização sanitária das


condições de exercício de profissões e ocupações técnica e auxiliares.
Decreto nº 85.878 de 9/04/1981: Estabelece normas para execução da Lei nº
3.820/60, sobre o exercício da profissão farmacêutica, e dá outras providências.
Deliberação do CRF-PR nº 411/1995: Dispõe sobre o preenchimento do
questionário descrito sobre a Instituição e a Farmácia de manipulação.
Deliberação do CRF-PR nº 717 de 29/02/2008: Dispõe sobre a carga horária e
assistência farmacêutica.
Lei nº 3.820 de 11/11/1960: Cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais
de Farmácia, e dá outras providências. Lei nº 13. 021 de 8/08/2014: Dispõe sobre o
exercício e a fiscalização das atividades farmacêuticas.
Resolução do CFF nº 292 de 24/05/1996: Retifica a competência legal para o
exercício de atividades de Nutrição Parenteral e Enteral, pelo farmacêutico.
Resolução do CFF nº 349 de 20/01/2000: Estabelece a competência do
farmacêutico em proceder a intercambialidade ou a substituição genérica de
medicamentos.
Resolução do CFF nº 354 de 20/09/2000: Dispõe sobre a assistência
farmacêutica em atendimento pré-hospitalar, às urgências.
Resolução do CFF nº 415 de 29/06/2004: Dispõe sobre as atribuições do
farmacêutico no Gerenciamento dos Resíduos dos Serviços de Saúde.
Resolução do CFF nº 437 de 28/07/2005: Regulamenta a atividade profissional
do farmacêutico no fracionamento de medicamentos.
Resolução do CFF nº 449 de 24/10/2006: Dispõe sobre as atribuições do
farmacêutico na Comissão de Farmácia e Terapêutica.
Resolução do CFFnº 467 de 28/11/2007: Define, regulamenta e estabelece as
atribuições e competências do farmacêutico na manipulação de medicamentos e de
outros produtos farmacêuticos.
13

6 PORTIFÓLIO
14

7 ATIVIDADES DE ESTÁGIO

O estágio curricular em farmácia de manipulação foi realizado no período de


vinte e cinco dias, em que foram feitas atividades a respeito da profissão farmacêutica
observando o ciclo da assistência farmacêutica e realidade profissional. As principais
atividades do estágio foram:

 Avaliação de prescrição medica;


 Medicamentos sujeitos a controle especial;
 Manipulação e encapsulamento de medicamentos sólidos;
 Manipulação e envasamento de medicamentos líquidos;
 Controle de qualidade;
 Dispensação.
7.1 AVALIAÇÃO DE PRESCRIÇÃO MEDICA;

Toda prescrição deve ser avaliada pelo farmacêutico antes de ser aviada. Em
casos de eventuais dúvidas ou problemas detectados na avaliação, o farmacêutico
deve contatar o prescritor, de maneira educada, ética e profissional, para obter os
esclarecimentos necessários (CRF-SP, 2009).

7.2 MEDICAMENTOS SUJEITOS A CONTROLE ESPECIAL;

Os critérios e procedimentos para a autorização, o comércio, o transporte,


a prescrição, a escrituração, a guarda, os balanços, a embalagem, o controle e a
fiscalização de substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial são
estabelecidos pela Portaria SVS/MS n° 344/1998 e pela instrução normativa aprovada
pela Portaria SVS/MS nº 06/1999.As substâncias e medicamentos sujeitos a controle
especial são divididos em listas constantes no Anexo I da Portaria SVS/MS n°
344/1998, que são revisadas e atualizadas frequentemente. Dessa forma, deve-se
sempre consultar o site da Anvisa para verificar se houve modificações.

As listas possuem adendos, onde são apontados alguns detalhes e exceções.


Dadas as peculiaridades das substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial, a
15

dispensação é diferenciada entre as listas e seus adendos, incluindo, em alguns casos,


receituário de controle especial e até notificação de receita.
As prescrições e notificações de receita devem estar preenchidas de forma
legível, sendo a quantidade em algarismos arábicos e por extenso, sem emenda ou
rasura. A farmácia ou drogaria somente poderá aviar ou dispensar quando todos os itens
da receita e da Notificação de Receita estiverem devidamente preenchidos.
Um fato que comumente gera dúvidas no momento da dispensação é como
realizar o cálculo da duração de um frasco de medicamento em gotas. Nesse caso, deve-
se levar em consideração a dose e a posologia que constam na receita, a concentração e
o volume da apresentação farmacêutica

7.3 MANIPULAÇÃO E ENCAPSULAMENTO DE MEDICAMENTOS SÓLIDOS

Na farmácia Special Pharma foi possível observar e realizar o processo de


encapsulamento de medicamentos manipulados, primeiramente no laboratório de
sólidos o encapsulamento de medicamentos em cápsulas de gelatina dura são as formas
farmacêuticas mais preparadas em farmácias de manipulação, e uma das formas de
medicamentos de maior frequência nas administrações orais.
Há diferentes tamanhos disponíveis paras as cápsulas duras e de acordo com o
volume desejado os invólucros são escolhidos ressaltam que o volume do princípio
ativo utilizado depende de sua densidade e compressibilidade.
No preparo de cápsulas duras gelatinosas faz-se necessário preencher os
invólucros, no entanto, para isso é preciso saber o volume que será ocupado. Pinheiro
(2008) esclarece que o volume de princípio ativo prescrito normalmente não preenche o
invólucro completamente, havendo necessidade de completar o volume do invólucro
com um pó inerte (excipiente).
Deve-se realizar pesagem individual dos componentes da fórmula a ser
manipulada em balança, que deve está isolada em local sem correntes de ar e vibrações,
para evitar comprometimento de precisão. Na pesagem deve-se levar em consideração
como lembra Ferreira (2008): as “conversões (diluição, fator de correção e fator de
equivalência) e do número de cápsulas (quantidade prescrita na receita) ”.
No método de enchimento com encapsuladeira manual de cápsulas é realizado o
nivelamento manual dos pós.
16

7.4 MANIPULAÇÃO E ENVASAMENTO DE MEDICAMENTOS LÍQUIDOS

Chamado pelos colaboradores de DERMATO, este laboratório é onde são


produzidos os fármacos dermatológicos, como: cremes, loção, shampoo, esmaltes,
pomadas e outros. As matérias-primas mais utilizadas neste laboratório encontram-se
em uma estante que fica próxima a porta de entrada, sendo assim, encontradas as que
são utilizadas com mais frequência, como: Ureia, Dexametasona acetato, manitol,
progesterona, sacarina ambos alopáticos (sintéticos). Outros como: Tintura de Alecrim,
tintura de arnica, Óleo de semente de uva são fitoterápicos. Por fim, encontram-se
armazenadas dentro de um freezer as substâncias Termolábeis como, por exemplo:
Vitamina D3 pura, Nistatina, Papaína, Same, etc.

As bases utilizadas na produção dos fármacos são oriundas do próprio


laboratório. As chamadas bases galênicas contidas neste departamento são produzidas
no mesmo, como: creme ginecológico, gel base de sepigel, creme base não iônico e
creme base lanette.
Como também se trata de um laboratório de líquidos, este se faz também a
produção de Xaropes, sendo três tipos mais produzidos, como: Xarope base, Xarope
dietético e Xarope óleo de oliva extra virgem.
Na produção de cada fármaco são utilizadas essências de vários aromas, por exemplo:
hortelã, menta, chocolate e etc.
Existem vários aparelhos que auxiliam na produção dos fármacos neste
laboratório, tais como:
a) Aparelho de osmose reversa: Este faz a purificação da água, deixando-a pura,
totalmente sem íons e sem matérias primas.
b) Agitadores ou rotadores: Estes aparelhos servem para auxiliar na
homogeneização das misturas nas quais estão sendo preparados os fármacos.
c) Phgametro: Este aparelho mede o ph de cada mistura homogeneizada para
verificar se seu ph está correto ou não.
d) Frascos de vidro: É utilizado como embalagem dos fármacos de alta
corrosividade.
17

7.5 CONTROLE DE QUALIDADE;

A Resolução de Diretoria Colegiada (RDC) n° 67, de 08 de outubro de 2007,


que trata Boas Práticas de Manipulação de Preparações Magistrais e Oficinais para Uso
Humano em farmácias, exige para todas as preparações magistrais e oficinais que sejam
realizados, conforme a Farmacopeia Brasileira ou outro Compêndio Oficial reconhecido
pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), no mínimo os ensaios
apresentados no quadro abaixo (BRASIL, 2007).
Logo, sendo as cápsulas formas farmacêuticas sólidas faz-se necessário a
realização dos ensaios: “descrição, aspecto, caracteres organolépticos, peso médio”
(BRASIL, 2007) que podem ser encontrados na Farmacopeia Brasileira 5ª edição
(BRASIL, 2010) e no Formulário Nacional da Farmacopeia Brasileira, 2ª edição
(ANVISA, 2011).

Na RDC n° 67, de 08 de outubro de 2007, ainda determina que “quando


realizado o ensaio de peso médio, devem ser calculados também, o desvio padrão e o
coeficiente de variação em relação ao peso médio” (BRASIL, 2007). O coeficiente de
variação também é conhecido como desvio padrão relativo.
Faz-se necessário que os resultados das análises sejam registrados e arquivados
para a disposição da Autoridade Sanitária, por no mínimo 2 anos (BRASIL, 2007).

7.6 DISPENSAÇÃO E ATENDIMENTO AO PÚBLICO

Atividade realizada que permitiu contato direto com o público/paciente, tendo o


cuidado a orienta-lo, mediante aos medicamentos ali dispensados, os quais serão
administrados por eles. Prevalecendo a Atenção Farmacêutica, cuja atenção é
18

relacionada com a mera explicação de como e quando será usado o medicamento


dispensado pela farmácia.
Setor externo da farmácia (venda) onde está diretamente relacionado com o
atendimento direto ao público/paciente, tendo um cuidado a mais, por este ser deficiente
de conhecimento mediante aos medicamentos ali dispensados, os quais serão
administrados por eles. Onde também, neste setor, prevalece a Atenção
Farmacêutica, cuja atenção é relacionada com a mera explicação de como e quando será
usado o medicamento dispensado pela farmácia. Contudo, tendo em vista um número
abrangente de pacientes que utiliza a manipulação, faz-se necessário um cadastro prévio
para o controle de medicamentos que cada pessoa utiliza com sua dada quantidade,
assim tem-se registrado a quantidade de produtos dispensados na farmácia para aquele
paciente. Portanto neste referido setor da farmácia de manipulação, os atendentes devem
reter todas as primeiras vias das receitas ali entregues e dispensar os referidos
medicamentos relacionados nelas.
Esta área da farmácia é ampla, segura e confortável para seus clientes, contendo
bancos e cadeiras para o conforto de sua clientela. Para ser agiu e atender todos seus
clientes em um menor espaço de tempo possível, a Spacial Pharma dispõem de um
balcão de atendimento com três computadores, para orçamentos, captação de receitas e
dispensação de fórmulas manipuladas, sendo também orientados de como devem
utiliza-los.
Os medicamentos são guardados em um armário que fica atrás do balcão de
atendimento, sendo estes organizados por ordem alfabética para facilitar sua localização
e a dispensação ao público.
Há uma parte desse armário que contém uma porta preta e identificada
(Controláveis - Portaria 344) e, nesta, estão guardados todos os fármacos já
manipulados que obedecem a Portaria 344 e a norma RDC nº20 onde são somente
comercializados através de uma receita medica especial.
A dispensa de medicamentos, incluindo medicamentos manipulados,
medicamentos estupefacientes e psicotrópicos, produtos para o autocontrolo da diabetes
mellitus, ou outros, tem de ser feita no modelo de receita médica aprovado pelo
Despacho 15700/2012, de 30 de Novembro, na sua redação atual.
19

8 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Tal estágio foi satisfatório por nos permitir um amplo conhecimento a respeito
de manipulação, ficando a desejar algumas áreas que não tivemos tempo para melhor
conhecimento ou aprofundamento devido à política da Farmácia no ato representado por
sua tão nobre farmacêutica.
O estágio atingiu o objetivo esperado, proporcionando uma visão bastante ampla
acerca de algumas das funções e responsabilidades do profissional farmacêutico na área
magistral. A carga horária, dividida conforme a complexidade das rotinas de cada seção
do ciclo da assistência farmacêutica dentro de uma farmácia de manipulação, foi
suficiente para conhecer o funcionamento de cada setor visitado.
Os conhecimentos teóricos, adquiridos previamente em cada disciplina do curso,
foram de fundamental importância no desempenho de cada atividade realizada,
contribuindo para o bom aproveitamento do estágio. A relação interpessoal com todos
os funcionários deu-se de maneira bastante agradável e respeitosa, possibilitando o
amadurecimento pessoal e profissional.
20

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANVISA –seguranca-do-paciente-legislacao- disponivel em:


<https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/legislacao/item/portaria-
interministerial-n-482-de-16-de-abril-de-1999> acesso em junho de 2018

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (ANVISA).


Formulário Nacional da Farmacopeia Brasileira. 2 ed. Brasília, 2011. 256 p. Disponível
em:
<http://www.anvisa.gov.br/farmacopeiabrasileira/arquivos/FNFB%202%20Vers%C3%
A3o%20DICOL%2009%20Dez%202012.pdf>. Acesso em: 31 maio 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária


(ANVISA). RDC n° 67, de 08 de outubro de 2007, que dispõe sobre Boas Práticas de
Manipulação de Preparações Magistrais e Oficinais para Uso Humano em farmácias.
Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 09 out. 2007. Disponível em:
<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2007/anexo/anexo_res0067_08_10_2
007.pdf>. Acesso em: 31maio 2019.

BRASIL. RESOLUÇÃO Nº 300 DE 30 DE JANEIRO DE 1997. Ementa:


Regulamenta o exercício profissional em Farmácia e unidade hospitalar, clínicas e casa
de saúde de natureza pública ou privada. 1997.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento


de Atenção Básica. Gerência Técnica de Assistência Farmacêutica. Assistência
Farmacêutica: instruções técnicas para a sua organização o / Ministério da Saúde,
Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Gerência Técnica de
Assistência Farmacêutica - Brasília: Ministério da Saúde, 2002.

FERRACINI, FT; BORGES FILHO, WM. Prática Farmacêutica no Ambiente


Hospitalar. 2 ed, Rio de Janeiro: Atheneu, 2010.
FERREIRA, Anderson de Oliveira. Guia Prático da Farmácia Magistral. Juiz de
Fora, 2008. p. 96-139. v.1.

PINHEIRO, G.M. Determinação e avaliação de indicadores da qualidade em


farmácia magistral: preparação de cápsulas gelatinosas duras. 2008. 124 f. Dissertação
(Mestrado em Ciências Farmacêuticas) –Faculdade de Farmácia, Universidade Federal
do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, 2008. Disponível em:
<http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co
_obra=135164>. Acesso em: 31maio2012.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE FARMÁCIA HOSPITALAR – SBRAFH.


Padrões mínimos para farmácia hospitalar. Goiana - Belo Horizonte: SBRAFH, 2007.