Vous êtes sur la page 1sur 9

PLANO DE ENSINO

CURSO: Psicologia SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Direito da Criança, Adolescente e Estatuto do Idoso – Oferecida em EAD CARGA HORÁRIA SEMANAL: 1,5 Horas/aula CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 30 Horas/aula

I – EMENTA

Estatuto da Criança e do Adolescente – Doutrina da Proteção Integral da Criança – Políticas Públicas de Atendimento e Medidas de Proteção. Atos Infracionais e Medidas Socioeducativas. Conselho Tutelar. Estatuto do Idoso. Novas Perspectivas para a Terceira Idade.

Estatuto do Idoso. Novas Perspectivas para a Terceira Idade. II – OBJETIVOS GERAIS  Compreensão do

II – OBJETIVOS GERAIS

Compreensão do como a Legislação Brasileira promove e protege os Direitos das Crianças e dos Adolescentes.

Desenvolvimento do raciocínio crítico em relação à Doutrina da Proteção Integral à Criança e ao Adolescente e sua realização na prática do psicólogo.

Desenvolvimento do raciocínio crítico e reflexivo em relação aos Direitos dos Idosos e sua realização na prática do psicólogo.

III – OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Tais competências serão desenvolvidas a partir das seguintes habilidades:

Conhecer a legislação nacional e suas implicações para a prática do psicólogo atuante em políticas públicas.

Fazer interlocução, eticamente orientada, com profissionais de outra formação (equipes multiprofissionais).

Realizar discussões teoricamente orientadas com o objetivo de desenvolver e aprimorar o conhecimento dos Direitos Humanos da criança, do adolescente e do idoso.

Saber identificar os limites e possibilidades da atuação do psicólogo a partir da aplicação das políticas públicas relacionadas à criança, adolescente e idoso.

Levantar informação bibliográfica através dos meios convencionais e eletrônicos.

Expressar o pensamento de forma clara, coerente e concisa.

Código para verificação: 20192513864 http://sec.unip.br/verificacao.aspx

1
1

IV

– CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

1. Conhecimento sobre a legislação brasileira, sobre a criança, o adolescente, o idoso e os direitos humanos. O Estatuto da Criança e do Adolescente, Estatuto do Idoso e suas premissas gerais.

2. As Varas da Infância e Juventude e as medidas jurídicas contempladas.

3. Medidas socioeducativas relativas aos jovens em conflito com a lei.

4. Direitos Fundamentais da Criança, do Adolescente e do Idoso.

5. Medidas protetivas contempladas no trabalho do psicólogo nas Varas da Infância e Juventude - guarda, tutela, acolhimento. Reforçar a importância do contato com a família de origem e o caráter provisório do acolhimento.

6. Conselhos de Direitos.

7. Políticas de Atendimento às Crianças, Adolescentes e aos Idosos.

de Atendimento às Crianças, Adolescentes e aos Idosos. 8. Dos crimes e infrações à criança, adolescente

8. Dos crimes e infrações à criança, adolescente e idoso.

V – ESTRATÉGIA DE TRABALHO

O curso será desenvolvido por meio de conteúdos interativos via internet.

VI – AVALIAÇÃO

Duas provas bimestrais de aplicação do conteúdo exposto.

A média do semestre será calculada de acordo com o Regimento da IES.

VII – BIBLIOGRAFIA

BÁSICA

CARVALHO, M. C. N. (ORG.). Psicologia e Justiça: Infância, Adolescência e Família. Curitiba: JURUÀ, 2012.

HABIGZANG, L. F.; KOLLER, S. H. Violência contra crianças e adolescentes – teoria, pesquisa e prática. Porto Alegre: Artmed, 2012.

SHINE, S. A Espada de Salomão: A Psicologia e a Disputa de Guarda de filhos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007.

COMPLEMENTAR

ANTUNES, A L.M.P.A.; MAGALHÃES, A.S.; FERES-CARNEIRO, T. Litígios intermináveis: uma perpetuação do vínculo conjugal? Aletheia. N. 26, p199- 211, 2010.

Código para verificação: 20192513864 http://sec.unip.br/verificacao.aspx

2
2

BRANDÃO, Eduardo; GONÇALVES, Hebe Signorini (Coords.). Psicologia Jurídica no Brasil. 3ª ed. Rio de Janeiro: Nau Editora, 2015.

GALLO, A. E.; WILLIANS, L. C. A. Adolescentes em conflito com a lei: uma revisão para os fatores de risco para a conduta infracional. Psicologia: Teoria e Prática. Vol. 7, n. 1, 81-95, 2005.

SHINE, S. (org.) Avaliação Psicológica e Lei: adoção, vitimização, separação conjugal, dano psíquico e outros temas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2014.

SIQUEIRA, A. C.; JAEGER, F. P. & KRUEL, C. S. Família e Violência – Conceitos, Práticas e Reflexões Críticas. Curitiba: Juruá Editora, 2013.

TEXTOS E ARTIGOS CIENTÍFICOS

Juruá Editora, 2013. TEXTOS E ARTIGOS CIENTÍFICOS LAGO, V. M. et al. Um breve histór ico

LAGO, V. M. et al. Um breve histórico da Psicologia Jurídica no Brasil. Estudos de Psicologia (Campinas). Vol. 26, no. 24, 483-491, 2009. LINKS PARA PESQUISA

Biblioteca Digital Crescer Sem Violência. Disponível: http://bibliotecacrescersemviolencia.org/

Cartilha ‘Navegar com Segurança: Protegendo seus filhos da pedofilia e da pornografia infanto-juvenil na internet’ do Instituto WCF-Brasil Disponível: http://www.wcf.org.br/pdf/Navegar_com_Seguranca.pdf

Direitos Humanos no Brasil. Biblioteca Virtual de Direitos Humanos. Universidade de São Paulo-USP. Disponível: http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/Table/Direitos- Humanos-no-Brasil/

Entre o Direito e a Lei: uma história da Psicologia Jurídica em São Paulo. Vídeo CRP-SP. Disponível em http:// www.crpsp.org.br/portal/comunicação/juridica/juridica.html

Estatuto da Criança e do Adolescente - ECA. Lei Federal n.8069, de 13 de julho de 1990. CEDECA – Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente. Versão Atualizada. Rio de Janeiro, 2017. Disponível:

http://www.chegadetrabalhoinfantil.org.br/wp-

content/uploads/2017/06/LivroECA_2017_v05_INTERNET.pdf

Guia para Atendimento de Crianças e Adolescentes Vítimas de Violência (Instituto Sedes Sapientiae e SMADS - Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social da Prefeitura Municipal de SP, 2008). Capa: http://www.sedes.org.br/Centros/12357_Capas.pdf Miolo: http://www.sedes.org.br/Centros/12357_Miolo.pdf

Lei Maria da Penha. Lei n. 11.340 de 07 de agosto de 2006.

Código para verificação: 20192513864 http://sec.unip.br/verificacao.aspx

3
3

Disponível:

2006/2006/lei/l11340.htm

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-

O Fim da Omissão: A implantação de pólos de prevenção à violência doméstica (Fundação ABRINQ, 2002). Disponível: http://www.sedes.org.br/Centros/O%20fim%20da%20omissão.pdf

Orientações técnicas: Serviços de acolhimento para crianças e adolescentes (junho de 2009). Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. Conselho Nacional de Assistência Social Disponível:

www.mp.rs.gov.br/areas/infancia/arquivos/conanda_acolhimento.pdf

Re-Construção de Vidas: Como prevenir e enfrentar a violência doméstica, o abuso e a exploração sexual de crianças e adolescentes (Instituto Sedes Sapientiae e SMADS - Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social da Prefeitura Municipal de SP, 2008). Capa: http://www.sedes.org.br/Centros/12358_Capas.pdf Miolo: http://www.sedes.org.br/Centros/12358_Miolo.pdf

Miolo: http://www.sedes.org.br/Centros/12358_Miolo.pdf Referências Técnicas para Atuação do Psicólogo em Vara

Referências Técnicas para Atuação do Psicólogo em Vara de Família. CFP-CREPOP. Disponível:

http://www.crpsc.org.br/ckfinder/userfiles/files/13_%20Varas%20de%20Familia

_2011.pdf

Referências técnicas para atuação das (os) psicólogas (os) no Sistema Prisional. CFP-CREPOP. Disponível: http://site.cfp.org.br/publicacao/referencias-tecnicas-para-a- atuacao-das-os-psicologas-os-no-sistema-prisional/

Referências técnicas para atuação de psicólogo no âmbito das medidas socioeducativas em unidades de internação. CFP-CREPOP. Disponível:

http://www.crpsp.org.br/portal/comunicacao/artes-graficas/arquivos/2010-

CREPOP-Socioeducativas-UI.pdf

Serviço de Proteção a crianças e adolescentes vítimas de violência, abuso e suas famílias: referências para a atuação do psicólogo. CFP- CREPOP. Disponível:

http://site.cfp.org.br/wp-

content/uploads/2009/10/CREPOP_Servico_Exploracao_Sexual.pdf

TRINDADE, Jorge. Manual de Psicologia Jurídica para operadores do Direito. Parte I Psicologia e Psicologia Jurídica. Disponível:

https://www.passeidireto.com/arquivo/11279975/livro-manual-psicologia-

juridica-para-operadores-do-direito-jorge-trindade

Código para verificação: 20192513864 http://sec.unip.br/verificacao.aspx

4
4
Código para verificação: 20192513864 http://sec.unip.br/verificacao.aspx 5

Código para verificação: 20192513864 http://sec.unip.br/verificacao.aspx

5
5

PLANO DE AULAS DIREITO DA CRIANÇA, ADOLESCENTE E ESTATUTO DO IDOSO – 2019

AULA 1 Apresentação do Curso Ler a ementa com os alunos. Apresentar os critérios de avaliação. Fazer uma breve discussão da expectativa dos alunos quanto aos conteúdos discutidos e as possibilidades de atuação do psicólogo nesta área.

AULA 2 Documentário – “A invenção da infância” (2000) Ser criança não significa ter infância. Uma reflexão sobre o que é ser criança no mundo contemporâneo– Discutir com os alunos a compreensão destes em relação ao documentário, bem como a possibilidade da construção de uma visão crítica em relação ao tema.

da construção de uma visão crítica em relação ao tema. AULA 3 História da Infância –

AULA 3 História da Infância – Abandono de Crianças Apresentar a trajetória das crianças no Brasil – desde o Brasil Colônia até a concepção da criança abandonada como problema social – na atualidade. Leitura Obrigatória TRINDADE, Judite Maria Barboza. O abandono de crianças ou a negação do óbvio. Rev. bras. Hist., São Paulo, v. 19, n. 37, p. 35-58, set 1999.

CAVALCANTE, CLAUDIA V. A importância da sociologia da infância e as práticas pedagógicas: a criança como sujeito histórico e de direitos. Caderno de artigos: infâncias, adolescências, juventudes e famílias – desafios contemporâneos. 1ª ed. – Goiânia: Gráfica e Editora América, 2014 – Publicação CONANDA.

AULA 4

A

Adolescente. Leitura Obrigatória SILVA, PATRICIA R DA M. A meninice e a institucionalização da situação de rua: práticas institucionais, discurso e subjetividade. In: Shine, S. (org.)

Avaliação Psicológica e Lei: adoção, vitimização, separação conjugal, dano psíquico e outros temas. São Paulo. Casa do Psicólogo. 2014. 113-

evolução do Código de Menores para o Estatuto da Criança e do

156.

AULA 5

A família e as políticas sociais públicas de atendimento à criança e ao

adolescente

Leitura Obrigatória MOREIRA, M R de A. O lugar da família nas políticas sociais públicas. Direitos

da Criança e do Adolescente: defesa, controle democrático, políticas de atendimento e formação de conselheiros em debate. Organizadoras:

Medeiros, A. A. A.; Moreira, M. R. de A. Natal, RN: EDUFRN,

Oliveira, I. M

2014 – Publicação CONANDA.

;

6
6

Código para verificação: 20192513864 http://sec.unip.br/verificacao.aspx

AULA 6 Trabalho Infantil FILME: Menino de Carvão ou Infâncias Roubadas Promover uma discussão com os alunos sobre o trabalho infantil – a partir de pesquisas bibliográficas feitas por eles e pelos filmes apresentados. O objetivo principal desta atividade é fazer com que eles desenvolvam uma visão crítica e atualizada sobre o que é o trabalho infantil, suas conseqüências físicas e emocionais – bem como seu substrato social.

AULA 7 Trabalho Infantil Leitura Obrigatória Estatuto da Criança e do Adolescente Capítulo V – Artigos 60-69.

da Criança e do Adolescente Capítulo V – Artigos 60-69. DUTRA-THOMÉ, L; TELMO, A Q; KOLLER,

DUTRA-THOMÉ, L; TELMO, A Q; KOLLER, S H. Trabalho e Violência:

impactos na juventude brasileira. In: HABIGZANG, L F; KOLLER, S H (ORG.) Violência contra crianças e adolescentes – teoria, pesquisa e prática. Porto Alegre. ARTMED. 2012. 147-159.

AMAZARRAY, M R; KOLLER, S H. Assédio Moral e Violência Psicológica:

riscos sutis no processo de inserção dos jovens no mercado de trabalho. In:

HABIGZANG, L F; KOLLER, S H (ORG.) Violência contra crianças e adolescentes – teoria, pesquisa e prática. Porto Alegre. ARTMED. 2012.

137-147

AULA 8 Judicialização das relações – A violência nas escolas. Leitura Obrigatória LISBOA, C; EBERT, G. Violência na Escola: reflexão sobre as causas e propostas de ações preventivas focais. In: HABIGZANG, L F; KOLLER, S H (ORG.) Violência contra crianças e adolescentes – teoria, pesquisa e prática. Porto Alegre. ARTMED. 2012. 190-203

LISBOA, C.; BRAGA, L. L.; EBERT, G. O fenômeno bullying ou vitimização entre pares na atualidade: definições, formas de manifestação e possibilidades de intervenção. Contextos Clínicos, 2 (1), p 59-71. 2009

AULA 9 Medidas protetivas contempladas no trabalho do psicólogo nas Varas da Infância e Juventude - guarda, tutela, acolhimento. Reforçar a importância do contato com a família de origem e o caráter provisório do acolhimento Leituras:

Estatuto da Criança e do adolescente (Brasil, 1990). Título II – Das Medidas de Proteção – Artigos 98 ao 102. Título IV – Das Medidas pertinentes aos pais – Artigos 129 ao 130.

HABIGZANG, L.F.; KOLLER, S.H. Violência contra crianças e adolescentes – teoria, pesquisa e prática. Porto Alegre: Artmed, 2012, pg. 176-189.

7
7

Código para verificação: 20192513864 http://sec.unip.br/verificacao.aspx

Orientações técnicas: Serviços de acolhimento para crianças e adolescentes (junho de 2009) - Conselho Nacional dos Direitos da Criança e

do Adolescente

Conselho Nacional de Assistência Social Disponível:

www.mp.rs.gov.br/areas/infancia/arquivos/conanda_acolhimento.pdf

SIQUEIRA, A. C.; JAEGER, F. P. & KRUEL, C. S. Família e Violência – Conceitos, Práticas e Reflexões Críticas. Curitiba: Juruá Editora, 2013, pg. 97 - 109.

Revisão da matéria para avaliação.

AULA 10 Período previsto para Avaliação NP1.

AULA 10 Período previsto para Avaliação NP1. AULA 11 Mostra Pedagógica da avaliação NP1. AULA 12

AULA 11 Mostra Pedagógica da avaliação NP1.

AULA 12 Adolescentes em conflito com a lei Leitura Obrigatória

FERREIRA, E R; CARVALHO, M C N. Infração na Adolescência: A família e a complexidade na implantação das medidas socioeducativas. In: CARVALHO, M

C

Curitiba. JURUÀ. 2012. 203-218

N (ORG.). Psicologia e Justiça: Infância, Adolescência e Família.

AULA 13 Adolescentes em conflito com a lei. Leitura Obrigatória COSTA, L S. Intervenção com Famílias de adolescentes em conflito com a lei:

reflexão sobre uma prática no CREAS. In: CARVALHO, M C N (ORG.). Psicologia e Justiça: Infância, Adolescência e Família. Curitiba. JURUÀ. 2012. 221-234

AULA 14 Direito do Idoso Discussão sobre o lugar do idoso em nossa sociedade na atualidade e após – leitura e discussão dos artigos do Estatuto do Idoso. Leitura Obrigatória Estatuto do Idoso. Título I – Artigos 1º. Ao 7º. Título II – Capítulos I ao X. Título III – Capítulos I e II

AULA 15 Direito do Idoso Leitura Obrigatória MENDES, M. R. S. S.; GUSMÃO, J. L.; MANCUSSI e FARO, A. N.; LEITE, R. C. B. A situação social do idoso no Brasil, uma breve consideração. Acta Paul. Enfermagem. 18(4): 422-426. 2005.

8
8

Código para verificação: 20192513864 http://sec.unip.br/verificacao.aspx

AULA 16 Revisão da matéria para avaliação.

AULA 17 Período previsto para Avaliação NP2.

AULA 18 Mostra Pedagógica da avaliação NP2. Avaliação Substitutiva.

AULA 19 Período previsto para Exame.

AULA 20 Semana de revisão de notas e faltas.

para Exame. AULA 20 Semana de revisão de notas e faltas. Código para verificação: 20192513864

Código para verificação: 20192513864 http://sec.unip.br/verificacao.aspx

9
9