Vous êtes sur la page 1sur 22

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE

CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS


UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

MODELAGEM DE
PROBLEMAS

Prof. Valterlin da Silva Santos


O MODELO

SISTEMA REAL

SISTEMA REDUZIDO
ÀS VARIÁVEIS MODELO
PRINCIPAIS
TIPOS DE MODELOS

 Modelos conceituais
– Relacionam de forma seqüencial e lógica as
informações e as fases do processo, permitindo
um desenvolvimento controlado e consistente
com os objetivos em mente
 Modelos simbólicos ou matemáticos;
– São baseados na pressuposição de que todas as
informações e variáveis podem ser quantificadas.
Isso nos leva a utilizar símbolos e funções
matemáticas para descrever e operar o sistema.
TIPOS DE MODELOS

 Modelos heurísticos
– São construídos quando a complexidade é de tal
ordem que a utilização de relações matemáticas
torna-se impraticável.
– Os modelos construídos com base nas técnicas
de inteligência artificial são considerados
modelos heurísticos.
VARIÁVEIS

 Variáveis de decisão
– São aquelas que foram definidas pelo analista
como fornecedoras das informações que servirão
de base para a tomada de decisão.
 Variáveis controláveis ou endógenas
– São as variáveis geradas pelo próprio
modelo, durante o processo de solução, sendo
dependente dos dados fornecidos, das hipóteses
estabelecidas e da própria estrutura do modelo.
VARIÁVEIS

 Variáveis não-controláveis ou exógenas


– São os fatores ou dados externos fornecidos ao
modelo e que representam as hipóteses
assumidas ou as condições que devem ser
respeitadas.
MODELOS MATEMÁTICOS

 A metodologia da pesquisa operacional é


mais desenvolvida para a solução de
problemas que podem ser representados
por modelos matemáticos.
MODELOS MATEMÁTICOS

 O modelo mais apropriado para um dado


contexto ou problema depende de vários
fatores como:
– Natureza matemática das relações entre as
variáveis
– Objetivos do tomador de decisão
– Nível de incerteza associado ao ambiente de
decisão
MODELOS MATEMÁTICOS

 Simulação
 Otimização
SIMULAÇÃO

 Representação do mundo real com o


objetivo de permitir a geração e análise de
alternativas, antes da implementação de
qualquer uma delas.
 Dá ao analista um considerável grau de
liberdade e flexibilidade com relação a
escolha da ação mais conveniente.
SIMULAÇÃO

 O critério de escolha da melhor alternativa


não é fixado na estrutura do modelo, sendo
aplicado pelo analista.
VANTAGENS

 A simulação possibilita o estudo e o comportamento


do sistema através de um modelo, não interferindo
no sistema real;
 Melhorar a compreensão do sistema, o que
possibilita melhorá-la;
 Comparar alternativas de operação do sistema
sobre os quais se tem pouca operação;
 Permitir avaliar as interações existentes entre as
diversas variáveis de um sistema.
DESVANTAGENS

 Bons modelos podem ser caros, por exigirem longo


e complicado processo de desenvolvimento;
 Os resultados de um estudo de simulação estão
sujeitos a variações;
 A simulação não aponta a solução ótima para
determinado problema.
TIPOS

 SIMULAÇÃO DETERMINÍSTICA
 SIMULAÇÃO ESTOCÁSTICA
CONSTRUÇÃO DO MODELO

1. DEFINIÇÃO DO PROBLEMA
2. IDENTIFICAÇÃO DAS VARIÁVEIS RELEVANTES
3. DESENVOLVIMENTO DO MODELO
a) FORMALIZAÇÃO DAS EQUAÇÕES DO MODELO
b) ESQUEMATIZAÇÃO
4. TESTE DO MODELO
5. APLICAÇÃO DO MODELO
EXEMPLO 1

Uma empresa de laticínios produz um tipo de queijo


cuja a curva Preço×Demanda abaixo. O custo de
produção do queijo é de R$ 10,00 a unidade.

Construa um modelo de
1000 DEMANDA= 1000-10×PREÇO simulação para
determinar o lucro do
Demanda

500
tipo de queijo.
Verifique o lucro se o
preço do queijo for R$
0
0 50 100 20,00
Preço
EXEMPLO 2

Uma empresa produz dois produtos, P1 e P2, que


vende com margem de lucro unitário de R$10 e R$6,
respectivamente.
Para o produto P1 estão agendadas 35 horas de
trabalho sabendo-se que, tecnicamente, a produção de
uma unidade de P1 requer em média 5 horas.
Aconselha-se não produzir mais do que 7 unidades do
produto P2.
No que diz respeito a matéria prima a utilizar o estoque
existente é de 40 kg sendo o consumo de 5 kg por
unidade por unidade produzida de P1 ou P2.
EXEMPLO 2

a) Construa um modelo de simulação para determinar


o lucro da empresa.
b) A empresa conseguiria atender um pedido de 6
unidades do produto P1 e 3 unidades do produto
P2?
c) Caso afirmativo qual seria o lucro? Em caso
negativo, o porquê?
EXEMPLO 3 (ENADE)

A Cia. de Produtos Vegetais – CPV possui duas fábricas que


abastecem três depósitos. As fábricas têm um nível máximo de
produção baseado nas suas dimensões e nas safras previstas.
Os custos em R$/t estão anotados em cada rota (ligação entre as
fábricas e depósitos).
EXEMPLO 3 (ENADE)
José de Almeida, estudante de Administração, foi contratado pelo
Departamento de Logística com a finalidade de atender a
demanda dos depósitos sem exceder a capacidade das
fábricas, minimizando o custo total do transporte. Em sua decisão
ele considerou as seguintes alternativas:
I. 1.000 unidades devem ser transportadas da Fábrica 2 para o
Depósito 1. A demanda restante deve ser suprida a partir da
Fábrica 1;
II. 2.500 unidades devem ser transportadas da Fábrica 1 para os
Depósitos 1 e 2. A demanda restante deve ser suprida a partir
da Fábrica 2;
III. 1.000 unidades devem ser transportadas da Fábrica 2 para o
Depósito 2. A demanda restante deve ser suprida a partir da
Fábrica 1.
EXEMPLO 3 (ENADE)

a) Construa um modelo de simulação para determinar


o custo total de transporte.
b) A resposta do estudante é viável?
c) Caso afirmativo qual seria o custo? Em caso
negativo, o porquê?
REFERENCIAS

 CORRAR, J. L; et. al. Pesquisa operacional para decisão


em contabilidade e administração. São Paulo: Atlas,
2008.
 ANDRADE, E. L. Introdução a pesquisa operacional:
Métodos e modelos para análise de decisões. 3 ed. Rio
de Janeiro: LTC, 2008.
 MOREIRA, D. A. Pesquisa operacional: curso
introdutório. São Paulo: Thomson Learning, 2007.