Vous êtes sur la page 1sur 9

Marx era filósofo?

Eu tenho sido tão criticado por fazer certas afirmações sobre Marx

que resolvi voltar ao tema das qualificações profissionais do

pensador e começo exatamente daí:a distinção entre um pensador

e um filósofo.

Ao longo da vida,desde , perguntava o que era a filosofia e a

resposta era sempre esta:não se preocupe com isto meu filho

porque a maioria dos filósofos não sabe,pois cada um dá uma

definição própria, diferente da dos outros.

Perseverei,no entanto,a vida toda e encontrei uma definição que eu

considero profissional na professora Katia Muricy,que em seus

manuais diz assim:” a filosofia é puramente pensamental;a

filosofia(profissionalmente considerada[digo eu])é grega,foi

criada pelos gregos.Continua Katia Muricy:”ela relaciona idéias

em si mesmas e constrói um discurso”;” estas idéias são mais ou

menos inter-relacionadas””constituindo um sistema de

pensamento”.

No passado a única coisa que unificava a todos na busca de uma


definição da filosofia e do filósofo era a sistematicidade deste

saber(não uma ciência),mas ,como vemos,existem outros

fundamentos no caldeirão de sua caracterização.

Todo filósofo é um pensador,mas nem todo pensador é um

filósofo.No sentido profissional próprio,que fundamenta a sua

profissionalidade, filosofia é isto,puramente pensamental.

Mas como todo saber e toda a produção cultural humana,aquilo

que acrescenta algo de novo ou de distinto(já que ex nihilo nihil )é

de se destacar,de se definir.

Conforme disse em outros artigos,muitas afirmações são comuns

a muitos pensadores e produtores culturais.Aquilo que cada um

descobre ou produz de distinto é que faz a sua fortuna crítica,mas

certas ideias são comuns a muitos.

Se Rafael Sanzio tivesse morrido em 1490 ele não teria nenhuma

importância.Foi só quando abraçou a técnica do afresco tirada de

Michelângelo que se tornou històricamente conhecível e

reconhecível.

Há um crítico americano que faz uma afirmação que muito


jumento aí não aceita:Orson Welles era basicamente um

realizador.Não tinha ,nesta condição,”criatividade”,conteúdos,que

lhes eram dados pelos roteiristas ou textos que usava.As maiores

obras de Welles são baseadas em Shakespeare,em livros clássicos

ou em roteiros,como o de “ Cidadão Kane”.Se tivesse feito só “

Verdades e Mentiras” ou “ Condessa de Shang Hai” só teria

importância como criador de imagens,um realizador.

Aqui no Brasil,como relatei e vou relatar de novo,Josué Montelo

escandalizou muita gente,na época da exibição pela TV Globo,da

adaptação por Walter Avancini de “ Grande Sertão-Veredas”,ao

dizer que Guimarães Rosa só era importante pela linguagem,não

necessariamente pelos conteúdos.

É assim que penso em relação aos autores como Marx.Nunca

disse que ele não era filósofo,mas alguns de seus textos são

abordados como filosofia sem o ser.

Os saberes são distintos mas a realidade os une.Pode se fazer uma

discussão axiológica e sociológica ao mesmo tempo(e

filosófica,politica,etc,etc.),como ele faz em A Ideologia


Alemã;pode se fazer uma análise filosófica e econômica,como nos

Manuscritos Econômico-Filosóficos ou nos Grundrisse,mas os

saberes são distintos,são coisas diversas.

A obra de Marx é um amálgama destes saberes,unidos,segundo

ele,pela dialética ,com a exceção talvez de a Sagrada

Família.Neste livro se observa a contribuição filosófica real de

Marx,que o torna filósofo:o materialismo é aplicado ao mundo

social real.O que ele acrescenta é isto,na história do

materialismo:ele o aplica na vida social.

Mas os Grundrisse não podem ser considerados estritamente de

filosofia,como muita gente diz.Certo,ele se refere ao “ concreto de

pensamento”que nada mais é do que um aprofundamento do

método dedutivo-racional de Aristóteles:ele quer dividir o mundo

social real até encontrar o concreto mais individualizado

possível,mas,como eu já disse,isto é impossível.

O que é uma abstração vazia?Uma ideação sem correspondente no

real?Vou retornar a estes problemas:quando se idealiza um

ser,uma mulher,por exemplo,é lógico que a forma que a


subjetividade idealiza não se adequa porque o

tempo,imediatamente,a modifica inexoravelmente.Uma abstração

é feita para extrair padrões comuns às coisas.Se digo fruta,sei que

não existe uma fruta destacada,mas várias “ frutificações” com

caracteres comuns.Isto não é uma forma de “concreto de

pensamento”?

Abstração vazia são os trancendentais como DEUS(São Tomás de

Aquino);a geometria de Platão ou as figuras geométricas de

Kant,apreendidas pelos Juízos Sintéticos A Priori(o apriorismo de

Kant é uma tentativa frustrada de criar um idealismo separado do

real,da experiência humana[definir o mundo previamente,sem o

seu concurso ,é um objetivo quimérico de Kant]).

Como eu disse em outros artigos que relembro agora,às vezes o

que um autor diz não faz o sentido que ele deseja.Neste último

caso de Kant,ele intenta uma idealização,mas o reconhecimento da

união da razão com a percepção e a sensibilidade,na consciência

subjetiva o desmente.Às vezes um autor é datado e é traído pelas

condicionantes de seu tempo.Por isso o temor reverencial a um


autor é prejudicial ao progresso.Imagine se Galileu tivesse este

temor diante de Aristóteles e sua risivel “Physica”?

Hegel se refere à “ Razão Universal”,fato que levou Marx e outros

a chamá-lo de idealista,mas ele está falando sobre a “Physis”,o Ser

em geral.A razão universal é uma abstração vazia,porque ela não

abarca o mundo todo.Propô-la filosoficamente é idealismo,mas

não é bem isto o que Hegel diz.

Então Marx é um pensador porque aborda muitos saberes.Mas

nem sempre é profissional,embora dê contribuições como

pesquisador e estudioso.

O fato dele pesquisar um livro como a “ Filosofia do Direito” de

Hegel não o torna advogado.E as contribuições de sua crítica a

este texto são religiosas:” O respiro da criatura oprimida,o coração

de um mundo sem coração” e os fundamentos de suas

reflexões,que atraíram Engels, são Feuerbachianos(Feuerbach,que

por sua vez se inspira num Pré-socrático:Xenófanes de

Colofão).Fora isto não tem nada.E o que ele acrescenta é a visão

de classe(ausente em Feuerbach).
Ler um livro jurídico não o torna advogado,precisa de mais coisa

para ser profissional.

Porque Marx não foi professor de filosofia?Bruno Bauer prometeu

a ele um lugar na Universidade,mas perdeu o seu lugar e não pode

cumprir a promessa.Isto aconteceu porque Bauer não ia discutir a

relação alma/corpo,como Marx também.Quando Bauer se recusou

a tratar destes assuntos foi excluído para sempre.Acaso Marx ia

fazer estas discussões terológicas?Mas ele não tinha a

compreensão do que falamos acima,do caráter profissional da

filosofia,que é grega.Então invectivou contra esta

matéria,inquinando-a de idealismo e de desimportância.Dizem que

esta frase:”a filosofia está para a vida,como a masturbação para o

sexo”é dele(não pude confirmar),mas a filosofia,depois do fim da

Grécia,se tornou uma mistura amadora de questões ideológicas e

politicas,em grande parte discurso de poder.Foi com isto que ele

tomou contato.

Hegel foi tido por uma banca examinadora,como “ inapto para a

filosofia”,mas esta avaliação entra nesta melèe aí:o que era


filosofia na época?A filosofia se profissionalizou em alguns

autores e no século XX tomou novo impulso neste aspecto.

O fato de Marx acrescentar algo ao materialismo(o materialismo

histórico[resignificado])o torna um profissional?Talvez sim,mas

esta contribuição só não é suficiente.

Marx era profissionalmente um economista,um pesquisador em

diversas áreas,filósofo(viram?),pensador,um publicista,um

jornalista e poderia ser mais coisa.Marx é uma das pouquíssimas

pessoas que transitaria em alto nível pelas ciências humanas e as

ciências naturais.Eu achava e acho Marx um gênio,mas pensava

que ele era como todo estudioso da sociedade: limitado aos

saberes sociais,mas vi uma vez na “ Dialética da Natureza” uma

observação de Engels a respeito de sua condição de “ matemático

consumado”.Pensava eu que os cálculos de “ O Capital” não eram

dele,mas eram e recentemente foi descoberto um texto dele sobre

cálculo integral e diferencial que habilitaria Marx,se ele tivesse

caído entre aqueles físicos do século XIX,a chegar à relatividade...


Mas Marx,por limitação de época,não conheceu a sociologia e

comete erros nesta área e como politico era muito ruim(eu vou

falar sobre isto em outro artigo).

Como Freud(outro judeu)ele tem um natureza profissional e uma

condição de pensador/pesquisador que aborda tudo e tira

conclusões úteis,mas nem sempre profissionais,ou

suficientemente profissionais.Freud,psicanalista ,influencia outras

profissões,como pensador das consequencias do seu trabalho no

mundo.Marx também.

Marx ,como aponta Isaiah Berlin,era obsessivo e um Leonardo Da

Vinci:dividia o seu escritório com cordas,cada uma separando um

lugar próprio de um saber.Economia,História,Politica.Aliás é

conhecido o texto histórico de Marx sobre Bolivar,muito

ruim.Quem diz isto é Perry Anderson.Marx era péssimo

historiador,embora tenha oferecido novos conceitos para ela.

Marx e Da Vinci são figuras ciclópicas,gênios,mas não acertam

sempre.Assunto para outro artigo.