Vous êtes sur la page 1sur 4

1

CENTRO UNIVERSITÁRIO INTERNACIONAL UNINTER

IDENTIFICAÇÃO
Daiana Hoffmeister RU 1559100

1 TEMA

Formação do leitor no contexto escolar.

1.1 DELIMITAÇÃO DO TEMA

A escola e a sua influência na formação de alunos leitores.

2 OBJETIVOS

2.1 Objetivo Geral

Analisar o papel da escola na formação de alunos leitores.

2.2 Objetivos Específicos

 Analisar a questão da Literatura como disciplina em sua capacidade de


despertar hábitos de leitura nos alunos;

 Abordar sobre a influência da escola e dos professores no incentivo à leitura;

 Contextualizar sobre os benefícios que a leitura traz para os educandos na


vida escolar e em seu letramento.

3 FORMULAÇÃO DO PROBLEMA

Diante do contexto abordado, como a escola e a disciplina de literatura podem


favorecer a formação de leitores no contexto escolar?
2

4 JUSTIFICATIVA

Aventa-se a hipótese de que a escola é considerada um dos meios mais


importantes para se reter conhecimento e, sendo o professor a figura central nesse
ambiente, torna-se imprescindível que ambos propiciem aos estudantes a
possibilidade de desenvolver o hábito da leitura no ambiente escolar. Que o
professor goste e acredite naquilo que faz, mostrando na prática seus hábitos de
leitura e a importância de desenvolver essa habilidade em seus alunos.
Um dos principais benefícios da leitura para os jovens é proporcionar maior
desenvolvimento para a aprendizagem no geral. Os alunos que desenvolvem a
habilidade de leitura têm mais capacidade de concentração, são mais propensos a
desenvolver as habilidades de interpretação e de resolução de problemas na escola
e na vida cotidiana.

5 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

5.1 O que é literatura?

Literatura é um substantivo que abrange muito mais atividades do que ler. A


literatura abrange a leitura, a escrita, a contagem de histórias, etc. Martins e Ledo
assim definem o substantivo:
Literatura nada mais é do que uma combinação de palavras como
uma interação estética, cujos gêneros podem ser classificados em
epopeia, poema e teatro. Ao combinarem-se as palavras, alcançam-
se novos significados, (metáforas), sobre os quais o escritor acaba
criando sua própria realidade através da imaginação [...] literatura é
invenção, e o autor cultiva essa realidade imaginaria através de
situações básicas da vida, sua visão do mundo, seu talento e sua
sensibilidade. (MARTINS e LEDO, 2001, p.03).

Apesar da definição simples, a diversidade com que se apresenta a literatura


é vasta e variada, não sendo apenas identificada coma uma única variável:
Sobre assuntos específicos, diários de viagens, revistas, jornais, etc.
Livros de contos, romances, poesia, enciclopédias, dicionários,
jornais, revistas (infantis, em quadrinhos, de palavras cruzadas e
outros jogos), livros de consulta das diversas áreas do conhecimento,
almanaques, revistas de literatura de cordel, textos gravados em
3

áudio e em vídeo, entre outros. Além dos materiais impressos que se


pode adquirir no mercado, também aqueles que são produzidos
pelos alunos — produtos dos mais variados projetos de estudo —
podem compor o acervo da biblioteca escolar: coletâneas de contos,
trava-línguas, piadas, brincadeiras e jogos infantis, livros de
narrativas ficcionais, dossiês, etc. (BRASIL, 1998, p.61).

A literatura possui uma diversidade de tipos e formas, como notícias, poesias,


dramas, contos, novelas, etc, mesmo assim “A leitura não é socialmente valorizada,
em uma sociedade em que o livro não tem um lugar assegurado. Tanto é que 86%
dos não leitores nunca foram presenteados com livros na infância, enquanto no
universo dos considerados leitores esse índice cai para 48%.” (ILP, 2008, p13).
O desafio do professor e da escola é tornar a literatura tão atrativa aos alunos
quanto os inúmeros recursos tecnológicos para entretenimento disponíveis
atualmente no mercado.

6 METODOLOGIA

O dеѕеnvоlvіmеntо dа реѕquіѕа terá соmо fundаmеntо o lеvаntаmеntо


bibliográfico, serão selecionadas qualitativamente аѕ оbrаѕ соnѕіdеrаdаѕ relevantes
раrа a apresentação dо tеmа e раrа a explanação das ideias pertinentes sobre o
assunto.
Em seguida, será feita a lеіturа dа bіblіоgrаfіа соlеtаdа, buscando ѕubѕídіоѕ
раrа соmрrееndеr e арrоfundаr o tеmа, relacionando-o àѕ hірótеѕеѕ іnісіаlmеntе
еvосаdаѕ e o рrоblеmа proposto, раrа então proceder à аnálіѕе dа реrtіnênсіа
dеѕѕеѕ dаdоѕ соm os оbjеtіvоѕ dо еѕtudо.
.
REFERÊNCIAS

BAMBERGER, Richard. Como incentivar o hábito de leitura. São Paulo: Ática, 6ª


edição, 1995.
BATISTA, Orlando Antunes. Formação do leitor e construção do imaginário
textual. Adamantina, SP: Editora OMNIA, 1998.
FARIA, Maria Alice. Como usar a literatura infantil na sala de aula. São Paulo:
Contexto, 5ª Edição, 2010.
4

FERREIRO, Emília. Reflexões sobre alfabetização. 26. ed. São Paulo: Cortez,
2011.
KLEIMAN, Angela. Oficina de Leitura: teoria e prática. Campinas, São Paulo:
Pontes, 6ª edição, 1998.
LAJOLO, Marisa. Literatura: leitores e leitura. São Paulo: Moderna, 2001.
MARTINS, Maria Helena. O que é leitura. 19 ed. São Paulo: Brasiliense, 2001.