Vous êtes sur la page 1sur 22

OPSIS - Revista do NIESC, Vol.

4, 2004

Frei Francisco do Monte Alverne, pregador imperial:


roteiro para um novo estudo.

Maria Renata da Cruz Duran1


Resumo: Abstract:
Neste artigo nós procuramos In this article we looking for works
trabalhos a respeito da sermonística about the sermonistic in Brazil,
no Brasil, especialmente sobre Frei especially about Frei Francisco do
Francisco do Monte Alverne, entre Monte Alverne, between 1808 and
1808 e 1830. Após esta análise, nós 1830. After this analysis, we try make
tentamos fazer uma proposta para um one propose to new study.
novo estudo.

O Brasil oitocentista tinha poucos leitores e ainda menos


espaços de reunião. A Igreja Católica, desde a colônia, havia
desenvolvido um contato de cunho pedagógico com a população. A
figura do padre e a sua voz entoada pelos sermões concentravam as
atenções e a população num único lugar que, portanto, tornou-se um
espaço de sociabilidade. A sermonística no Brasil desenvolveu-se sob
estes parâmetros. A partir de 1808, galgou maior destaque pelo fato
de que D. João VI aproximou o gênero da casa real; com sua volta a
Portugal, em 1822, a sermonística passou a perder o espaço conquistado.
D. Pedro I não era adepto do gênero, nem tampouco era afeito às
críticas que os pregadores haviam se acostumado a fazer, mas manteve
alguns pregadores imperiais e as pompas desta fala até sua abdicação,
em 1831. O período regencial no Brasil, entretanto, abrigou conflitos
que ultrapassaram a capacidade agregadora de alguns sermonistas, a
urgência pela criação e enraizamento de uma cultura nacional,
desenvolvida de 1808 a 1831, já não estava presente da mesma forma
no período posterior. A figura do sermonista perdeu a importância
anteriormente obtida em face desta nova configuração nacional e
também do declínio do gênero, herdado da Europa. Assim, os limites
de nossa pesquisa vão de 1808 até meados de 1830. Frei Francisco do
Monte Alverne foi uma das principais figuras deste processo, quer
pelo fato de ter sido Pregador Imperial de 1816 a 1836, quer pela
importância conquistada com este posto. Um estudo de sua figura
propõe, conquanto, a análise da influência da sermonística na formação
de uma opinião pública que, então, se auto-denominaria brasileira.
1
Pós-graduanda em História, pelo programa da FHDSS/ Unesp – Franca, com a
orientação do Prof. Dr. Jean Marcel Carvalho França.
126
OPSIS - Revista do NIESC, Vol. 4, 2004

Frei Francisco do Monte Alverne nasceu em 1783, no Rio de


Janeiro. Estudou teologia no Convento São Francisco de Assis, em
São Paulo, onde se tornou pregador passante e professor de filosofia.
Alcançou o posto de Pregador Real em 1816 e mudou-se para o Rio
de Janeiro. Lecionou Retórica e outras disciplinas no Colégio São José/
RJ. Recolheu-se da cena pública quando foi tomado pela cegueira, em
1836. Morreu em 1858, na casa de amigos, em Niterói. Foi
responsabilizado por Gonçalves de Magalhães como precursor das
idéias românticas no Brasil. Como estas idéias consistem, no dizer de
autores como Antonio Candido (1969), Silvio Romero (1902) e Sérgio
Buarque de Holanda (195), nas letras de fundação da identidade nacional
e, ao cabo, na invenção de uma intelectualidade brasileira, parece-nos
de suma importância analisar os trabalhos que levaram Monte Alverne
e a sermonística a esta relevância. Neste momento, acreditamos que a
melhor forma de apresentá-lo é oferecendo um quadro geral dos
estudos que discorreram a respeito de sua figura e de seu gênero, seguido
de um detalhamento das fontes que serviram ao embasamento dos
mesmos. Aproveitando o ensejo, gostaríamos de apresentar a nossa
proposta de trabalho em relação a este personagem e a metodologia
com a qual pretendemos efetivar esta pesquisa, assim compondo um
artigo que consiste na proposta de um roteiro para um novo estudo a
respeito da sermonística no Brasil, segundo a figura do Frei Francisco
do Monte Alverne.

A) O Frei

João Antônio da Silva era pai de Monte Alverne. Ourives,


natural da Ilha de Picos, nos Açores, era filho de Manuel Gomes de
Oliveira, sapateiro, e Madalena Josefa de Santa Rosa. Ana Francisca da
Conceição era a mãe de Monte Alverne. Natural do Rio de Janeiro era
filha de Joaquim José de Souza Machado, cuja profissão ainda é
desconhecida, e Rita Maria de Carvalho. João Antonio e Ana Francisca
casaram-se em 9 de junho de 1783. Francisco José de Carvalho
nasceu no mesmo ano, era provavelmente o primeiro filho do casal.
O nome Francisco José de Carvalho não está desta maneira grafado
pelo fato de que Monte Alverne fosse talvez um filho bastardo, mas,
como neste período os pais podiam optar pelos sobrenomes, Francisco
foi registrado como Carvalho e seu provável irmão foi registrado
como Silveira, Antônio João Silveira. São poucos os registros de sua

127
OPSIS - Revista do NIESC, Vol. 4, 2004

família, apenas uma carta foi enviada pelo irmão, em 7 de fevereiro de


1856. Frei Roberto Lopes pondera que2,

Insinuam alguns autores que Monte Alverne estudou


na escola régia dirigida pelo poeta Manuel Inácio da
Silva Alvarenga que, em agosto de 1782, abriu seu
curso de Retórica e Poética sob a proteção do vice-rei
D. Luís de Vasconcelos. Fechou-se esta escola em
dezembro de 1794 quando foi o poeta levado
prisioneiro para a Ilha das Cobras, onde permaneceu
por dois anos e meio, isto é, até 9 de julho de 1797.
Monte Alverne contava com 13 anos de idade. Saindo
o poeta do cárcere, reabriu a escola e ocupou-se de
novo em ensinar Retórica e advogar sempre com
crédito e geral estimação. (Lopes, 1958: 1958)

A Igreja não contava com muito prestígio no momento em


que Monte Alverne ingressou nos estudos religiosos, pois desde D.
José I não eram aceitos noviços em suas ordens, os erários haviam
diminuído e exercitava-se uma política de contenção de gastos. Os
poucos créditos da família, provavelmente, tornaram o estudo de uma
profissão algo impossível ao jovem Francisco. O Convento Santo
Antonio era o mais conhecido no Rio de Janeiro e, em tempos de
crise, um dos poucos que aceitavam novos integrantes. Ao ingressar
no Convento Santo Antonio, Francisco José de Carvalho ingressava
na ordem franciscana, cujo carisma – aspecto pelo qual a ordem deve
ser exercitada e diferenciada das demais - é a simplicidade e o
desprendimento material. O voto mais importante desta ordem ainda
é o voto de pobreza. Em 1800, Francisco José de Carvalho apresentou-
se ao Convento Santo Antônio, no Rio de Janeiro. O ministro provincial
do período, Frei Antônio de São Bernardo, expediu o documento
oficial de ingresso em 27 de julho de 1801, com a ajuda do Frei Vitorino
de São José. A inquirição jurídica, em que se atesta a iminência de seu
ingresso, foi realizada em duas datas: 9 e 10 de setembro de 1802,
respectivamente com o testemunho de José de Freitas e João de Mello,
Inácio Botelho de Siqueira e João de Souza Machado. O ingresso na
vida religiosa era marcado por uma nova identidade, que significava

2
Como esta informação não pode ser comprovada, não discutiremos a respeito
dela.
128
OPSIS - Revista do NIESC, Vol. 4, 2004

uma nova postura diante do mundo. O novo nome era escolhido pela
ordem, e o que foi recebido por Francisco remetia a um período de
reflexão. Monte Alverne foi o local para onde Francisco de Assis,
fundador da ordem, dirigiu-se a fim de refletir sua religiosidade.
Retornou com a perspectiva da renúncia aos prazeres mundanos e da
solidariedade em relação ao próximo. Os primeiros estudos de
Francisco, então renomeado como Frei Francisco do Monte Alverne,
foram realizados sob o comando do Frei Alexandre de São José. A
cadeira de retórica estava ocupada pelo Padre Sampaio, renomado
orador do período. Quando chegou ao Convento São Francisco em
1802, Monte Alverne estudou filosofia e teologia por quatro anos,
junto a uma turma em que constavam 11 brasileiros e 11 portugueses,
graças à instituição pela qual o mesmo número de brasileiros e de
portugueses deveria ter acesso aos estudos religiosos no Brasil. O novo
guardião e regente do Convento, Frei Antônio de Santa Úrsula
Rodoalho, considerado um sábio da época, lhe ministrou as primeiras
aulas. Entre as aulas de Filosofia e as de Teologia, Monte Alverne
instruiu-se nas Ordens Sacras e, em 1808, recebeu as quatro ordens
menores. Apenas duas delas foram registradas: em 1 de fevereiro de
1808 o subdiácono, ou Epístola, e em 8 de fevereiro o diaconato, ou
Evangelho; ambas foram recebidas pelas mãos de Dom Mateus de
Abreu Pereira. No ano de 1810, a Congregação do Convento mudou
o corpo docente do Colégio São Paulo e, embora fosse tradição que
um instrutor acompanhasse a turma até o término de seus estudos, o
Frei Inácio de Santa Justina Leite, que lecionava Filosofia, foi transferido
para Taubaté como superior do Convento de Santa Clara. Frei Antônio
do Bom Despacho Macedo foi quem o substituiu no cargo de Lente
de Prima e Frei Joaquim de Santa Catarina Loyola como Lente de
Vésperas e, posteriormente – 1818, como Núncio Apostólico; em
outras palavras, as aulas e as demais atividades foram divididas para
que o curso não perdesse o ritmo anteriormente conquistado. Estas
mudanças e transferências atingiriam a outros partícipes do Convento.
Monte Alverne foi eleito para Pregador Passante, transitório, do
Convento. Desta maneira, Monte Alverne ingressou na atividade do
púlpito, “pira em que arderam meus olhos” (MONTE ALVERNE: 1858,
p. XV). Seu primeiro sermão teve o título “Sobre o amor dos inimigos” e
aconteceu no primeiro domingo da quaresma daquele ano. Na
Congregação Capitular de 24 de abril de 1813, realizada no Rio de
Janeiro, Monte Alverne foi eleito Professor de Filosofia do Colégio

129
OPSIS - Revista do NIESC, Vol. 4, 2004

São Paulo. Segundo as Tábuas Provinciais, sua primeira aula começa


por uma reflexão: “há pouco ainda discípulo”, agora como mestre. Parecia
ter consciência de que uma situação inusitada o colocara na situação de
Pregador e Professor relativamente cedo. Para lecionar, segundo Manuel
Joaquim do Amaral, discípulo de Monte Alverne, os padres paulistas
recebiam entre 200 e 150 contos de réis anuais. Entretanto, como
franciscano, Monte Alverne deveria contentar-se com o bastante para
sua sobrevivência e doar o restante para a Ordem (Taunay, 1956).
Professor e pregador, Monte Alverne passava a maior parte de seu
tempo na biblioteca do Convento que, na época contava com cerca
de 4 mil volumes (IHGBSP, Vol.20). Graças a esta condição, pode
gabar-se, ao longo de sua vida, do autodidatismo pelo qual aprendeu
francês. Os primeiros contatos com o ecletismo de Victor Cousin nos
parecem ter sido efetivado durante estes anos. Os diferentes cargos,
assumidos em tão poucos anos, fizeram do jovem de 29 anos um
trabalhador assíduo. Se antes era aclamado como um dos mais
estudiosos, agora precisava ainda mais destes estudos.
As influências do kardecismo, do positivismo e da homeopatia
(Alencastro, 1994) eram observadas em São Paulo, mas desprovidas
da forte entonação percebida no Rio de Janeiro. Neste ensejo, a capital
paulistana não constituía um espaço de efervescência cultural aos moldes
cariocas. Entretanto, dada a gradativa diminuição de ingressantes nas
ordens e da igualmente crescente diminuição dos investimentos ou
arrecadações para esta área, conventos como o Santo Antonio, no Rio
de Janeiro, não dispunham de tantos professores ou recursos para o
aprimoramento de seu “exército da fé”. Em São Paulo, além da herança
jesuíta, Monte Alverne pode desfrutar da convivência com cerca de
400 internos, da instrução de renomados pensadores como Frei
Rodoalho e Frei Santa Justina e do fato de ter concluído sua formação
no mesmo espaço em que freis como Antônio Feijó e Galvão. De
1802 a 1816 o quadro paulistano era o de uma cidade pouco
urbanizada, como o Rio de Janeiro até 1808, a vida social era menor
ainda e as atividades religiosas concentravam a atenção da população.
A chegada da corte ao Brasil, influenciou a capital paulista na medida
em que exigiu de todo o país um cuidado maior consigo mesmo. O
espaço da cidade era redimensionado e a vida de Monte Alverne
também. Do garoto de 19 anos que chegara à cidade, poderíamos
esperar o fortalecimento da voz de barítono (Silveira Bueno, 1968).
Em São Paulo, Monte Alverne estudou 8 anos, começando a pregar 2

130
OPSIS - Revista do NIESC, Vol. 4, 2004

anos depois da chegada da Corte ao Brasil. Dos 27 aos 33 anos pregou


e lecionou no Convento São Francisco de Assis, ocupando toda a
sorte de cargos, conforme as necessidades da Província franciscana.
Esta flexibilidade, inclusive nas disciplinas ministradas, colaborou com
a diversidade dos temas abordados em seus sermões. Quando
convidado a pregar no Rio de Janeiro, Monte Alverne não seria o
único Pregador Real, mas era um dos poucos que guardava uma
educação muito próxima dos moldes jesuítas e uma proposta filosófica
modernizadora, o ecletismo. Entre pregadores como Frei São Carlos,
que primou pela poesia, e Januário da Cunha Barbosa, ressaltado por
sua colaboração política, a presença de Monte Alverne atuou como
um agente transformador no papel e na postura dos oradores sagrados
no Brasil. De parâmetro religioso, estes pregadores serviriam como
modelos ao discurso político da época, e Monte Alverne, senão mediou,
exercitou suas capacidades justamente no hiato entre a primeira e a
segunda proposta. Seu retorno ao Rio de Janeiro foi marcado pela
sensação de mudança. Em São Paulo seu destaque não ultrapassou a
regra, o capuchinho não alcançou a proeminência de criador de um estilo,
mas de um personagem que desenvolveu muito bem os papéis que
lhe couberam segundo as normas vigentes. Seria no Rio de Janeiro que
sua figura tomaria a substância de inventor de uma cultura nacional,
seja pela transformação por que passaram suas idéias, seja pelo volume
de pessoas que agora atingia. Em São Paulo, o convento franciscano
herdara dos jesuítas uma tradição nos estudos, no Rio de Janeiro
desenvolveu-se o debate político – haja vista estar na sede da colônia
e, então, do império. As duas importâncias tiveram medida na atuação
de Monte Alverne. Em São Paulo, Monte Alverne esteve afeito ao
moderno ecletismo, era diferente. No Rio de Janeiro, concordou com
o rei, era igual. Norma e exceção, Monte Alverne mudou de opinião a
respeito da monarquia, a respeito da religião; mas manteve o ecletismo
de sua filosofia e a sermonística como forma de expressão. Em 1816,
retornou para o Rio de Janeiro, convidado por D. João VI para exercer
a função de Pregador Real. Em 1836, a cegueira lhe tomou as
perspectivas, e o frei franciscano voltou ao claustro.
A doença que lhe atingiu os olhos é chamada de amaurose. A
amaurose é o estágio máximo da cegueira, a pessoa não pode ver
vultos, ter noção do claro e do escuro, de distância. Causada, na maioria
das vezes, por problemas neurológicos ou psicológicos, também pode
ser contraída congenitamente, neste caso, desde a infância detectam-se

131
OPSIS - Revista do NIESC, Vol. 4, 2004

os primeiros estágios (http://www.rafe.com.br/enciclopedia/


am_ao.asp, acessado em 30 de novembro de 2003). Monte Alverne
reclamava da fraqueza de sua visão em algumas cartas enviadas para o
amigo Gonçalves de Magalhães, em meados de 1830. Psicológica?
Neurológica? Não há como saber as causas desta doença em Monte
Alverne, caso fosse uma doença congênita, faltar-nos-iam relatos de
sua infância e de seus parentes. O que nos parece mais provável é que
fosse uma doença neurológica ou psicológica, pois, além da cegueira,
Monte Alverne reclamava da falta de lembrança, do cansaço, do
nervosismo. Esgotado, dizia, em suas cartas para Gonçalves de
Magalhães, não ter forças para falar, para pensar ou mesmo para ouvir.
Junto às suas dores, o período de Regências, antecedido pelo governo
de D. Pedro I, apresentava turbulências que não mais favoreciam sua
atuação como pregador. As dificuldades se generalizaram e a doença
teve campo para seu avanço. Em 1836, Frei Francisco do Monte
Alverne retirou-se da cena pública e, a partir desta data, vagou por
alguns lugares, o Convento Santo Antonio/ RJ, o Convento da Penha/
ES, o Convento São Francisco/ SP, a casa de amigos em Niterói. Foi
o primeiro orador sacro a publicar os sermões, que reformulou com
a ajuda de Francisco Luís Pinto, a pedido de Gonçalves de Magalhães,
em 1852. Com a concessão do voto de chancela ainda participou de
muitas atividades na Ordem Franciscana, mas nenhuma remunerada
como as aulas e os sermões. Em 1837, solicitou à Nunciatura absolvição
de seus gastos, que lhe foi concedido “pelas circunstâncias especiais”
(Schubert, 1984). Em 1855, voltou a reclamar divisas para o tratamento
e foi tranqüilizado pelo bispo de então, o Conde de Irajá. Monte Alverne
manteve-se como sócio do Instituto Histórico da França, membro
honorário do Instituto Histórico Geográfico Brasileiro, da Sociedade
Amante da Instrução e da Associação do Ensaio Filosófico, de 1836
até a sua morte.
Um pedido de D. Pedro II, em 1854, fez Monte Alverne subir
ao púlpito para uma última palavra. Diz-se desta ocasião que fora a
glória do pregador, mas Monte Alverne parecia ciente da decadência
de seu gênero literário e da decrepitude de seu estado.
Não, não poderei terminar o quadro que acabei de
bosquejar: compelido por ser uma força irresistível a
encetar de novo a carreira que percorri 26 anos,
quando a imaginação está extinta, quando a robustez
da inteligência está enfraquecida por tantos esforços.

132
OPSIS - Revista do NIESC, Vol. 4, 2004

Não vejo as galas do santuário, e eu mesmo pareço


estranho àqueles que me escutam, como desenterrar
este passado tão fértil em reminiscências? Como
reproduzir esses transportes, esse enlevo com que
realcei as festas da religião e da pátria?. (Monte
Alverne apud Martins, 1997: 468).

Entretanto, esta ocasião parece ter motivado o capuchinho de


alguma forma. Após 1854, deu-se o direito de aparecer em público
algumas vezes, de tentar fazer mais um sermão em 1855 e de participar
das atividades da Província de maneira mais freqüente. Mesmo doente,
resistiu 75 anos, idade avançada para o período. Em 1858, Monte
Alverne faleceu. Sofrendo as dores de uma congestão cerebral teve,
além dos olhos, a mente dissipada pela escassez da luz. Trasladado de
Niterói, onde estava na casa de amigos, para o Rio de Janeiro, foi
sepultado nas imediações do Convento Santo Antônio. Porto alegre
prestou-lhe uma das últimas homenagens e, alguns de seus amigos
quiseram crer que os custos da viagem e do funeral haviam sido pagos
pelo próprio imperador, entretanto, as anotações da Ordem atestam
os custos para a mesma. Este velho Pregador Imperial já não era tão
importante. Algumas biografias e discursos foram registrados
posteriormente. Com a sua morte, o silêncio dos oradores sacros, o
som da voz de uma geração romântica.

B) Os estudos

A sermonística foi tratada com menos entusiasmo que seus


personagens. São muito poucos os trabalhos a respeito deste gênero
no Brasil. Embora muitos historiadores se dediquem ao entendimento
de figuras como o Padre Antonio Vieira e alguns ao estudo de Januário
da Cunha Barbosa, poucos se preocuparam com as características que
pudessem unir os oradores sacros em sua atividade comum: a
sermonística. Esta forma de expressão teve alguns momentos de maior
impulso e outros de menor, aliás, como todas as formas de expressão.
O período oitocentista abriga a maior quantidade de oradores sacros,
bem como a mais efetiva representatividade dos mesmos junto à
sociedade de seu tempo. Os sermões eram comentados, os sermonistas
eram apoiados pela monarquia, o que fez com que neste período
pudéssemos contar com vários nomes atuando neste campo, como:

133
OPSIS - Revista do NIESC, Vol. 4, 2004

Frei São Carlos, Frei Sampaio, Padre Januário da Cunha Barbosa e


Frei Francisco do Monte Alverne. Os escritos de Monte Alverne serão
nosso ponto de partida aos estudos da trajetória da sermonística no
Brasil oitocentista. A sermonística alverniana, como um corpo literário
dotado de perspectivas estéticas, políticas e éticas, oferece a possibilidade
de uma pesquisa de quatro dimensões: a análise de sua beleza poética,
de sua intenção política, de sua contribuição religiosa e de sua proposta
filosófica. Destas quatro vertentes, por nós levantadas, todas já foram
suscitadas entre os poucos estudos que se dedicaram a sermonística e
à figura de Monte Alverne. Quanto aos estudiosos do primeiro grupo,
as opiniões sobre Alverne variam: Ramiz Galvão (1867) coloca-o entre
os principais oradores sacros de sua época; Haroldo Paranhos (1937),
e coetâneos ao frei3, elogiaram-no por sua notabilidade e eloqüência;
Sílvio Romero (1902), qualificou-o como um filósofo e literato
medíocre e pretensioso; José Veríssimo (1910) o saudou como entusiasta
de uma definição da nacionalidade brasileira; Ronald de Carvalho
(1976), pelo delineamento e inspiração dos parâmetros românticos; e
Afrânio Coutinho (1956) detectou em sua obra a instrumentalização
religiosa da moralidade política. Nestes breves comentários, uma
característica é recorrente: as linhas que tangenciam a figura do pregador
resumem-se a passagens que comentam os antecedentes do romantismo
e que, portanto, analisam a sermonística como uma forma de expressão
literária. Para estes autores, a literatura do Brasil oitocentista afirmou-
se como arte e, neste ensejo, alargou suas possibilidades. Sua beleza,
neste contexto, dependia das emoções alcançadas e das relações
estabelecidas com a cor local, com a singularidade brasileira. No Brasil,
como nos demais aspirantes à Nação, era necessário que esta
individualidade construísse as nuanças de uma unidade. O que, para
Afrânio Coutinho (1975), conferiu aos estudos literários uma
“confusão” entre a história das formas de arte e a história das instituições
nacionais, fazendo da literatura um mero “documento para o estudo do
desenvolvimento de um espírito nacional, a história literária confundiu-se com a
história da civilização”. (COUTINHO: 1975, p. 15); seriam necessários,
então, estudos que privilegiassem a literatura oitocentista não apenas
sob o cunho da análise política. Para Ronald de Carvalho (1976),
A história da literatura brasileira pode ser dividida
em três períodos, muito embora a precariedade de
tais classificações dê sempre ensejo para referver
3
Como é o caso de João Caetano em suas Lições Dramáticas (1970).
134
OPSIS - Revista do NIESC, Vol. 4, 2004

contendas inúteis. Entre os anos de 1509 e 1750,


mais ou menos transcorre o seu período, ou de
formação, quando era absoluto o predomínio do
pensamento português; de 1750 a 1830, quando os
árcades da escola mineira começaram a neutralizar,
ainda que palidamente, os efeitos da influência
lusitana, entrou ela em segundo período, ou de
formação; finalmente, quando os românticos, os
naturalistas e os simbolistas trouxeram às nossas
letras o influxo das novas correntes de idéias, isto é,
de 1830 em diante, tornou-se a literatura brasileira
realmente nacional, começando, então, ao terceiro
período, que poderíamos chamar autonômico.
(Carvalho, 1976: 34).

Para José Veríssimo (1969), entre os predecessores do


romantismo, que Afrânio Coutinho situou nos idos de 1800-1830,
destacaram-se entre os poetas José Bonifácio de Andrada e Silva, e
entre os prosadores, Frei Francisco do Monte Alverne, segundo o
qual adverte:
A forma oral e popular da literatura tinha a sua
mais alta, mais freqüente e mais autorizada expressão
no sermão. Desta educação recebida, na escola e fora
dela, de eclesiásticos, mais do que um real sentimento
religioso resultou o hábito de expressões de caráter
religioso não só em a nossa conversação corrente, mas
locuções proverbiais que a expressão de verdadeiro
sentimento religioso. Justamente nesta fase, os dois
sentimentos, patriótico e religioso, misturaram-se aqui.
Nas crises nacionais graves, como nos transes
individuais, o espírito humano apavorado, revendo a
origem deste sentimento, faz-se religioso. Aqui, demais,
eram em grande número eclesiásticos os principais
adeptos e fatores da revolução que se operava. Do
púlpito, as vozes mais ou menos eloqüentes de Januário
da Cunha Barbosa, de São Carlos, de Sampaio e
de Monte Alverne pregavam ao mesmo tempo pela
religião e pela pátria. Nas aulas, mestres, em maioria
clérigos regulares ou seculares, juntavam à suas lições

135
OPSIS - Revista do NIESC, Vol. 4, 2004

fundamentalmente religiosas as suas excitações


patrióticas. No Rio de Janeiro, o principal foco do
movimento de independência nacional, Frei Francisco
do Monte Alverne, fazia do púlpito ou da cátedra
estrado de tribuno político, misturado, constantemente,
com eloqüência retumbante, havia então por sublime
a religião e a pátria. De resto, o romantismo europeu,
mesmo na Alemanha, foi em seus princípios, não só
uma reação religiosa, mas até católica. Esta sua
feição bastava para tornar simpático, aqui, onde o
elemento eclesiástico era mentalmente preponderante.
(Veríssimo, 1969: 134).

Desta maneira, a estética que conferiu aos sermões brasileiros


o ensejo de predecessores do romantismo no Brasil, possuía, mais do
que características árcades, pressupostos românticos, anotados por
Afrânio Coutinho (1975) como: um estilo universal, individualismo,
subjetivismo, senso de mistério, reformismo, pitoresco, exagero, ausência
de formalidades ou homogeneidade na escrita, entre outros
encontrados na sermonística alverniana4. O que foi desdobrado em
características essenciais ao Romantismo, iniciadas por Gonçalves de
Magalhães, conforme ressalta Ronald de Carvalho (1976), porque lhe
deu mais liberdade, maior movimento de ritmos e fantasia nos assuntos; e porque
introduziu um caráter religioso e patriótico, largo e eloqüente. Silveira Bueno
(1968) afirma haver a recorrência deste suporte na literatura brasileira,
para ele:
Este pendor natural dos brasileiros para o
sentimental, para o imaginoso, com abundância de
adjetivos, de figuras, de metáforas, teve na oratória
sagrada a sua melhor expressão. Todos os grandes
pregadores, que começaram a salientar-se depois da
chegada de D. João VI ao Rio de Janeiro, foram
românticos. Nenhum deles, entretanto, mais
romântico, mais nativista ou melhor que Monte
Alverne (...) Monte Alverne já cita o Gênio do
Cristianismo de Chateaubriand, os escritos de

4
Tais características foram observadas nos textos de Alverne como indicativos de
seu espiritualismo e de seu ecletismo (SCHUBERT: 1984), entretanto, acreditamos
serem uma somatória de ambas as percepções.
136
OPSIS - Revista do NIESC, Vol. 4, 2004

Beauchamp, sinal de que estava a par da literatura


francesa, cita Ossian, Pope, Milton, Klopstock,
Schiller, Tasso, Dante, etc. Monte Alverne foi, sem
dúvida alguma, a figura maior dessa época pré-
romântica, o preparador dos que depois viriam dar
o impulso definitivo à reforma literária das nossas
letras. Magalhães, Torres Homem e tantos outros
grandes do momento receberam dele a sua formação
literária, o entusiasmo pelas novas idéias que deviam
ligar o escritor à terra, às tradições do povo, ao
grande romantismo, enfim, brasileiro. A sua grande
personalidade, não só de orador máximo da língua
portuguesa no Brasil, mas de romântico, atraiu a
Castilho, embora sendo o menor pelo talento, foi de
certo, o de maior autoridade entre os românticos de
Portugal, o guardião do romantismo português até o
momento em que a escola realista de Coimbra entrou
em luta com ele. Pode-se, portanto, dizer que Castilho
encontrava em Monte Alverne senão o chefe do
romantismo incipiente, ao menos, sua figura principal.
(Silveira Bueno, 1968: 125)

Enquanto o romance ainda não se tornava o gênero literário


mais preponderante, o sermão e a crônica jornalística fizeram as vezes
de meios pedagógicos pelos quais o povo deveria ser ensinado a viver.
O texto deveria ser claro, mas a sermonística alverniana não o era
exatamente. Apontado pela erudição, e muitas vezes pelo pedantismo,
Alverne costumava iniciar seus sermões por alegorias ou
questionamentos do cotidiano. Com inícios políticos ou religiosos,
finalizava seus sermões de forma abrupta, como se algo ainda pudesse
ficar “no ar”, para ser levado a debate logo após a missa. Um dos
únicos a investir-se de citações e referências em seus textos, tratava
também de filosofia na Igreja e reservava para os panegíricos suas
pretensas conjecturas políticas. O tom de seus discursos era dado pela
eloqüência, pela encenação de que estas linhas se embuiam. Entre a
estética árcade e a romântica, Monte Alverne possuía as características
transitórias de quem está situado no final de uma e na formulação da

137
OPSIS - Revista do NIESC, Vol. 4, 2004

próxima5. A literatura alverniana possui uma soma destas características


e antecede um período em que,

O círculo é relativamente estreito. Fecha-se no universo


caseiro e diz respeito apenas àqueles que passam pela
experiência mencionada no texto produzido.
Inaugura-se, assim, uma outra concepção de literatura
e leitura, que as vê integradas à existência cotidiana,
impregnadas de significado pessoal e vinculadas ao
âmbito dos sentimentos. (Lajolo, 1991:86).

Ao falar do Brasil, Monte Alverne propiciou uma identidade


nacional que ainda estava em seus primeiros passos. A estética de sua
literatura era a contemporânea: individualista, compunha os sermões
conforme a maré subia. A ordenação das falas nos sermões, entretanto,
obedecia a uma lógica praticamente barroca, vulto permitido pela
tradição européia da sermonística. Entre a antecipação do romantismo
na escolha dos temas e a formulação barroca de sua narrativa, a
conclusão da maior parte destes autores é a de que a literatura alverniana
é ambígua, pode ser situada tanto entre os últimos árcades, como
entre os predecessores do romantismo. Em nossa ótica, Monte Alverne
fez parte destas duas classificações, como brasileiro oitocentista, ele
compunha um quadro que ainda estava diluído no decorrer de um
processo histórico. Ansiava por mudanças e, ao mesmo tempo,
afirmava tradições. Monte Alverne era um homem de seu tempo, ao
destaca-lo, destacamos o ordinário e é sob este aspecto que nossa
proposta toma relevância: o estudo do comum, do papel da
sermonística no Brasil oitocentista.
5
Os árcades procuravam o equilíbrio expressional com os clássicos antigos, que
haviam sido codificados pelos teóricos dos séculos XVI e XVII (Candido, 1982).
Suas matrizes teóricas eram os escritos de Luiz Antonio Verney, O verdadeiro
método de estudar, e de Francisco José Freire, Arte poética. Para Antonio Cândido
e Antonio Castello (1982), o grande feito dos árcades era o de fazer com que nossa
literatura tomasse consciência de seus próprios temas, de sua individualidade; além
de alargar o horizonte cultural do país até o sul de seus limites geográficos. O
romantismo, portanto, caminhou numa direção parecida. Ao permitir o senso de
aventura e criação, individualizava os temas segundo seus escritores: estando no
Brasil, era necessário falar do Brasil – embora o tom permanecesse homogêneo. A
opção estética de Monte Alverne era a mesma de Victor Cousin, para quem a
finalidade da arte era o belo moral e sua liberdade seria alcançada na expressão
daquele. Ao invéz do conflito de paixões, a unidade da literatura romântica era dada
pelos momentos históricos a serem narrados ou diluídos na ficção beletrista.
138
OPSIS - Revista do NIESC, Vol. 4, 2004

No tocante ao segundo grupo, Lúcio Gambarra (1927)


destacou a atuação de Monte Alverne como mestre da alma; Frei Hélio
Lopes6 (1958), seu maior estudioso, apontou o cunho intelectual da
carreira religiosa de Monte Alverne, propondo o roteiro de um estudo
biográfico; Frei Piva (1998), ressaltou sua importância na divulgação
da fé franciscana; e Frei Sandro Roberto da Costa (2000) abordou a
elaboração de um Plano de Reforma da Província Imaculada da
Conceição do Brasil e o questionamento da profissão de fé. Nestes
autores, Monte Alverne é analisado como contraponto à política e à
religião vigentes. Tal análise, todavia, circunscreve-se ao meio religioso,
não se estendendo à atuação do Frei num cenário mais amplo. A não
ser pelos trabalhos de Ramiz Galvão (1922) e Hélio Lopes (1958),
estes dois primeiros itens não oferecem material para discussão mais
aprofundada a respeito da sermonística alverniana no sentido que nos
propomos a analisar. No primeiro, contamos com uma análise da
sermonística no Brasil dividida em quatro tempos de vigência, Alverne
está situado no quarto e mais importante período. Para Ramiz Galvão,
embora Monte Alverne seja pouco criativo e recorra a muitos
galicismos, imprimiu larga influência na fala oitocentista. Ricas alegorias
e sugestivas relações com o tempo corrente fizeram da eloqüência de
Alverne um marco na oratória religiosa e política do Brasil. Para o
autor, a capacidade de seduzir o público, e não as idéias, redundantes
e filosoficamente pouco desenvolvidas, seriam a força do discurso de
Monte Alverne. Quanto ao segundo, o que podemos notar é uma
profunda correspondência entre o estudado e o estudioso. Como Monte
Alverne, Frei Hélio Lopes veio de família humilde e teve os estudos
possibilitados pela condição de religioso. Seu trabalho ganhou muito
pelo largo acesso as fontes7 e pela paixão com que a pesquisa foi
realizada, mas perdeu pelo que nos parecem projeções de um em
relação ao outro. Muitos trabalhos de Hélio Lopes foram publicados
a respeito de Monte Alverne, entretanto, como seu interesse maior era
o padre, sua colaboração ao nosso trabalho se limita as características
biográficas dispostas em seus textos.
Os estudos mais recentes tratam da teoria eclética no Brasil,
que propiciaria a agregação aos múltiplos interesses da época, como o
estudo de Paulo Mercadante (1980) que, preocupado com o
pensamento conservador no país, analisou a influência de Monte

6
Também encontrado como Roberto Lopes.
7
Dado o fato de ser um franciscano também.
139
OPSIS - Revista do NIESC, Vol. 4, 2004

Alverne como a de um crítico moderado e conciliador, tentando


difundir o mérito de uma autonomia brasileira que mantivesse o estatuto
de poder vigente; e o de Marcelo Francisco de Almeida (2001), mais
preocupado com a circulação de idéias identitárias na imprensa brasileira
e, assim, com a criação de uma literatura elitista e ao mesmo tempo
crítica no país. A tese de doutoramento de Maria Orlanda Pinassi (1996)
tratou das idéias apresentadas na Revista Niterói como resultado de
um pensamento já desenvolvido nas aulas de filosofia de Alverne, no
Seminário São José / Rio de Janeiro. A cientista social Maria Orlanda
Pinassi se dispôs a resolver a questão: Seria romântica a primeira geração
romântica do Brasil? Nesta geração incluiu os três principais autores da
Revista Niterói: Sales Torres Homem, Araújo Porto alegre e Gonçalves
de Magalhães -ao último conferiu maior importância e influência de
Monte Alverne. Para a autora, o romantismo no Brasil não foi
romântico, no sentido europeu do termo. Nossos românticos eram
críticos que esperavam reformas, mas não revoluções. A difusão do
ecletismo feita por Monte Alverne referendaria esta concepção
romântica. De caráter conciliador, o ecletismo alverniano procuraria
ressaltar os prós de uma monarquia constitucional, legitimando o
sistema que lhe convinha. Inflexível, como apontou Elide Rugai Bastos
na apresentação da tese, Maria Orlanda Pinassi esforçou-se por explicar
como os padrões estéticos, que para ela são eticamente valoráveis, do
romantismo brasileiro não se encaixam àqueles demonstrados por
Georg Luckács, em sua análise da literatura de Goethe. Ao nosso ver,
se por um lado a terminologia romântica não é precisa, por outro, a
história também não é; o que nos leva a crer que uma análise pautada
por modelos a serem perseguidos não contribuiria muito para a nossa
proposta. Destes, o único estudo que se destinou especificamente ao
ecletismo alverniano foi um trabalho de 1946, de Laerte Ramos de
Carvalho. Neste trabalho, o autor analisou, de maneira muito profícua,
o Compêndio de Filosofia do Padre-Mestre, por suas influências
espiritualistas e escolásticas, indicando no Compêndio os resquícios
das Reformas Pombalinas na Educação e as propostas brasileiras de
intervenção na mesma. Para Laerte Ramos de Carvalho, a urgência
modernizadora, moda nos conventos, em razão das sucessivas reformas
educacionais no Brasil e no mundo, sugeriu para Monte Alverne a
necessidade de reformulação das perspectivas filosóficas no país.
Entretanto, a educação jesuítica, que recebeu nos conventos onde
estudou, fez dos trabalhos de Monte Alverne o resultado da soma do
olhar jesuíta à linguagem eclética. Na opinião deste autor, os trabalhos
140
OPSIS - Revista do NIESC, Vol. 4, 2004

de Alverne são tradicionais e conservadores, mas apontam para a


urgência de uma transformação - de um pensador que quer, mas ainda
não mudou.
Quanto aos interesses políticos, em sua tese de doutoramento,
“Os Cruzados do Império”, a professora Teresa Malatian (1988), lidou
com a relevância comunicativa da oratória sagrada num plano nacional
e na construção de uma forma política de atuação no país. Esta atuação
estaria permeada por um misto de representação – eloqüência – e fé.
Ubiratan Borges de Macedo (1997), ao procurar refletir acerca da
“Idéia de Liberdade no século XIX: o caso brasileiro”, reservou um
capítulo para Monte Alverne, no qual concluiu que o ensejo eclético
era uma das faces conciliadoras do liberalismo no Brasil. Contudo,
este autor apenas anotou como o ecletismo, com seu caráter agregador,
referendou as intenções liberais, não chegando a analisar a posição de
Monte Alverne nesta situação8.
Maria Beatriz Nizza da Silva (1978) e Jean Marcel Carvalho
França (1999) formam o que seria nosso quarto grupo ao concatenar
as opções filosófica, política e religiosa numa análise pautada pelo
entendimento da construção da identidade cultural brasileira. Sua
preocupação foi com o cotidiano, com a formação de um pensamento
e de uma cultura brasileira que, especificamente, residia na Corte. Para
estes autores, a importância de Monte Alverne estava na sermonística,
que impulsionou uma discussão acerca da nacionalidade brasileira, e
no ecletismo, que substantivou propostas conciliadoras no plano político
e literário do Brasil. Com a sermonística, Monte Alverne contribuiu
para o desenvolvimento de um público para o pensamento brasileiro
e, assim, de pensadores brasileiros. Neste grupo poderíamos inserir
Antonio Candido (1969), que avaliou o surgimento de temas nacionais
como a formação da literatura brasileira e, portanto, a expressão de
uma identidade nacional. Para nós a relevância deste último grupo de
8
Se este grupo estivesse incluso nos estudos acerca do ecletismo, não ressaltaria o
fato de que aqueles entendem no ecletismo o agente fomentador da política
conciliadora e de que estes observam no ecletismo a influência da ação liberal. Esta
diferença metodológica modifica as conclusões a respeito de Monte Alverne nestes
trabalhos. Nos primeiros, o pregador participou como criador de um processo
civilizatório impingido ao país, nos segundos ou foi manobrado pelo referido
processo, ou fez parte de uma dinâmica histórica resultante da combinação dos
elementos de seu tempo. Ainda não nos consideramos na possibilidade de optar por
uma das interpretações, sequer de concluir qual delas foi o caminho tomado por
estes autores. Presumimos que, com o tempo de amadurecimento da pesquisa, as
respostas à estas questões serão alcançadas.
141
OPSIS - Revista do NIESC, Vol. 4, 2004

autores foi a de indicar uma pesquisa ainda por ser feita: o estudo da
figura de Monte Alverne como capital para o entendimento da
sermonística naquele momento, e de sua sermonística como um eixo
articulador na proposta de uma unidade entre as idéias liberais,
iluministas e lusitanas que corriam nas bocas do Rio de Janeiro
oitocentista.
A bibliografia a respeito de Monte Alverne consiste, como
pudemos notar, em três eixos de interesse: a literatura, para o qual
Monte Alverne foi precursor do romantismo; a religião, onde figura
como importante difusor de poder e; o ecletismo, servindo de respaldo
ao discurso político da época. Articulando estas três vertentes: o caráter
fundador de suas letras. Focalizar Frei Francisco do Monte Alverne na
sermonística da primeira metade dos oitocentos no Brasil e sua
relevância na fundação de uma intelligentsia brasileira é um trabalho
que ainda não foi feito e nos sugere importância pela recorrência com
que esta forma de expressão foi utilizada no país9.

C) As fontes

O caráter dos quatro eixos de estudo acerca de Monte Alverne


pode ser diferenciado entre duas perspectivas de análise: uma que parte
dos discursos proferidos para entender os interesses e o cotidiano da
época, situando sua percepção num âmbito pretensamente mais político,
o que implica em creditar ao sujeito uma ação de sua única
responsabilidade, e outra que parte da contraposição de fontes do
período com as falas e escritos de Monte Alverne, procurando, com
esta metodologia, encontrar o lugar social de Monte Alverne, e assim
da sermonística, por meio de um mapeamento da cultura. Tomaremos
o segundo caminho como nossa metodologia, para este intento
contaremos com algumas fontes que foram por nós segmentadas em
duas partes: primárias e secundárias.
Das primeiras participam as Obras oratórias, o Compêndio
de Filosofia e as cartas de e para Monte Alverne – até o momento
apuramos 14 entre Monte Alverne e Castilho, 12 entre Monte Alverne,
9
Caso nossa dúvida nos remeta a uma resposta negativa – Monte Alverne não teve
significado neste período (1808 – 1836), nem em momento posterior – outras
questões poderão ser respondidas – Qual e como funcionou a sermonística neste
momento? O ecletismo foi aceito apenas como tipologia? Como a oratória política
serviu-se da sermonística, desenvolvendo uma cultura política no Brasil? O que já
nos parece algo merecedor de pesquisa.
142
OPSIS - Revista do NIESC, Vol. 4, 2004

Gonçalves de Magalhães e Araújo Porto Alegre e 2 entre Monte Alverne


e D. Pedro II -, das segundas participam algumas publicações que nos
ajudarão a entender melhor o período. Das Obras Oratórias fazem
parte 81 sermões, a primeira edição foi efetivada pela Tipografia
Laemmert, dois volumes foram publicados em 1853 e outros dois
em 1854. Uma nova edição, da P.Podestá, editora portuguesa,
acompanhada de uma biografia de Monte Alverne feita pelo amigo
Castilho, saiu em 1867. Em 1885 a mesma P.Podestá lançou uma
segunda edição da obra. No Rio de Janeiro, a Garnier encarregou-se
de nova edição, seguida pela Laemmert, em 1863, que acrescentou
mais dois sermões e a correção de Raimundo Câmara Bittencourt. As
Obras Oratórias possuem o seguinte formato: a) sermões quaresmais
e de “Mistério”; b) panegíricos – elogio do santo festejado; c) sermões
fúnebres; e, finalmente, d) sermões congratulatórios –ação de graças e
festejos patrióticos. O Compêndio de Filosofia não foi tão bem aceito
pelo público, contando, após a primeira publicação de 1854 – Laemmert,
apenas com uma segunda edição, da Garnier, em 1858. Tratado como
filosofia menor, não obteve, como as Obras Oratórias, publicações
separadas de suas partes, nem menções em obras posteriores. Salvo o
trabalho do Padre Leonel Franca (195?), poucos estudos detiveram-se
na análise de suas concepções filosóficas em face da filosofia produzida
no Brasil. Quatro retratos tentaram captar-lhe a imagem: em 1830,
por seu aluno Manuel de Araújo Porto Alegre; em 1853, uma litografia
de Brito e Braga; em 1858, uma pintura a óleo foi feita por Marignier,
com a função de ser colocada em seu túmulo; e ainda em 1860, Tirone
o pinta à óleo para ser colocado na sala dos guardiões do Convento
Santo Antonio.
Das fontes secundárias participam as obras que acreditamos
poder fornecer um quadro em que Monte Alverne seja colocado como
expressão da sermonística a ser acompanhada. Incluímos trabalhos
que falam a respeito do tempo que permite o desenvolvimento da
sermonística, e da sermonística brasileira que comporta a figura de
Monte Alverne. Neste primeiro item, gostaríamos de utilizar os
trabalhos corográficos de A .J.de Melo Moraes (1866), que noticiou a
composição urbanística da cidade do Rio de Janeiro de 1700 a 1850;
assim como o mapa da população da corte e das províncias do Rio
de Janeiro em 1821, publicado pela revista do IHGB no tomo 33; o
catálogo da livraria Ganier das décadas de 1860 e 1870; a História do
Brazil, do Barão do Rio Branco (1889); e o Atlas do Império do Brazil, de
Mendes de Almeida (1869). Com estes textos e alguns outros -ainda
143
OPSIS - Revista do NIESC, Vol. 4, 2004

por serem levantados, pretendemos formular uma aproximação do


espaço de gestação da sermonística no Brasil oitocentista. Outras três
obras complementarão nossos estudos: o trabalho do Barão de
Feuchtersleben (1888), poderá conferir a dimensão pedagógica que
algumas obras alcançavam no Brasil; as Preleções Filosóficas, de Silvestre
Pinheiro Ferreira (1970), será utilizada para melhor compreender o
ecletismo que foi desenvolvido no Brasil e, em certa medida, na
sermonística; o conjunto de poesias de Domingos de Magalhães, em
Suspiros Poéticos e Saudades (1836), caberá neste trabalho como meio de
constatar a intervenção da sermonística e de Monte Alverne, bem como
a mudança literária pela qual passou o Rio de Janeiro na primeira metade
do século XIX. Quanto ao segundo item, o trabalho de Ramiz Galvão,
O púlpito no Brasil, que, embora publicado em 1922 na Revista do IHGB,
foi escrito em meados de 1869 – comportando uma recordação muito
próxima de nosso recorte; os trabalhos de Manuel Duarte de Azevedo
(1860) e de J. M. Pereira da Silva, que traçam alguns dos perfis dos
sermonistas, religiosos e literatos oitocentistas – fornecendo-nos a regra
destas figuras, para o entendimento das exceções promovidas por
Monte Alverne; a exposição dos quadros gerais de funcionamento da
Igreja no Brasil oitocentista, feita por Antonio R.V. de Oliveira (1866)
– indicando-nos importância da sermonística em 1819, quando foi
escrita; e a apresentação dos pregadores brasileiros até 1818, escrita
pelo Padre Inácio Felizardo Fortes – que inclui uma regra geral de
intervenção para os padres que pretendiam seguir a carreira de
sermonistas. Quatro obras complementarão este panorama da
sermonística no Brasil: uma edição dos sermões de Bossuet (1909) e o
segundo volume do Gênio do Cristianismo de Chateubriand (1928), que
foram utilizados como base para a confecção da maior parte dos
sermões oitocentistas brasileiros; a crítica à filosofia e à atuação da
Igreja Católica no Brasil oitocentista, de L. P. Barreto (1874); e, por
fim, a Theoria da História da literatura portugueza, de Theóphilo Braga
(1896), que desenvolveu um capítulo acerca da importância da
sermonística como literatura para as nações lusófonas. Por último,
veremos algumas obras que citaram ou destinaram-se ao estudo de
Monte Alverne nos idos de 1800, entre elas: Crônicas da coluna ao correr
da pena, de José de Alencar (1829-1877); Discurso sobre a história da literatura
do Brasil, publicado por Gonçalves de Magalhães (1833) na Revista
Niterói; Lições dramáticas, de João Caetano (198??); as biografias do
Padre Monte Alverne, de Domingos de Magalhães (1882), e de Felizardo

144
OPSIS - Revista do NIESC, Vol. 4, 2004

Castilho (1854); sete cartas de Gonçalves de Magalhães a Monte Alverne


- são as cartas de: 2 de janeiro de 1834; 8 de março de 1834; 22 de
julho de 1834; 15 de janeiro de 1835; 23 de fevereiro de 1835; 27 de
novembro de 18356; 29 de janeiro de 1836 - que, dispostas no Arquivo
da Província da Imaculada Conceição do Brasil, contém as anotações
de Gonçalves de Magalhães e Araújo Porto alegre, quando de sua
viagem à Europa, em meados de 1830; e três cartas de Castilho a
Monte Alverne, respectivamente, de: 19 de junho de 1855, quando
oferece a Monte Alverne uma cópia do poema dedicado a D. Teresa
Cristina, 8 de março de 1856 e a carta de 25 de agosto de 1856.
Acreditamos que este quadro de fontes, primárias e secundárias,
poderá nos ajudar a compor uma noção da relevância da sermonística
no Brasil oitocentista como um movimento que colaborou com a
invenção de uma opinião pública brasileira, segundo a figura do Frei
Francisco do Monte Alverne. Este será o leme de nosso roteiro para um
novo estudo acerca da sermonística no Brasil, a ser melhor delimitado no
item abaixo.

D) A nossa proposta

Pretendemos estudar a relevância da sermonística na formação


da intelectualidade brasileira oitocentista, por meio da vida e a da obra
do pregador imperial e lente de filosofia do Colégio São José, Frei
Francisco do Monte Alverne, ao longo do período compreendido
entre a chegada da corte portuguesa ao Brasil (1808) e o fim do Primeiro
Império no Brasil, momento que marcou também a queda da
sermonística (1831). Tal estudo nos parece justificável na medida em
que o referido personagem é uma peça fundamental do processo de
invenção da intelligentsia brasileira: a sua trajetória como orador sacro
conferiu-lhe notabilidade para uma atuação política na defesa da
construção de uma identidade nacional; e o exercício de docência na
cadeira de filosofia culminou na transmissão de uma interpretação
muito peculiar do ecletismo de Victor Cousin. Monte Alverne, entre
sermões e aulas, conciliou os discursos da composição agregadora
que daria corpo à intelectualidade brasileira.
Com o material acima enumerado acreditamos ser possível
desenvolver um trabalho a respeito da trajetória de Monte Alverne
como sermonista. Até aqui analisamos as vertentes que se preocuparam
com o estudo de sua figura e observamos a falta de uma reflexão

145
OPSIS - Revista do NIESC, Vol. 4, 2004

acerca de seu papel - e da sermonística - como inventor de uma


intelligentsia brasileira. Relacionamos o material disponível para este
trabalho e as formas com que pretendemos abordá-los. Desta feita,
acreditamos ter apresentado nosso personagem e os limites de um
estudo a respeito do mesmo, assim como a proposta de um roteiro
de pesquisa10. Acreditamos que a apresentação de um roteiro para
novos estudos possa ser válida na medida em que dispõe novas
possibilidades metodológicas e temáticas no tratamento da construção
de uma intelectualidade brasileira e que, sua relevância seja dada também
no âmbito do debate historiográfico, em que o produto de nossas
expectativas muitas vezes não atinge a amplitude das necessidades do
tema. Assim, expor uma pesquisa ainda em andamento nos parece
importante pela contribuição esperada do leitor deste caminho que,
como ainda está por ser feito, pode ser reavaliado, melhorado ou
mesmo modificado.
Em 1958, Frei Roberto Lopes propôs um roteiro para um estudo
acerca da mesma figura, Frei Francisco do Monte Alverne, este estudo
teve como foco a vida e a obra do sermonista. Nossa proposta é a de
tomar esta trajetória como perspectiva pela qual pretendemos entender
a contribuição da sermonística no Brasil oitocentista, desta feita, nosso
roteiro para um novo estudo consiste em um alargamento da proposição
de Frei Roberto Lopes e, ao mesmo tempo, em um redirecionamento
de nosso olhar, da especificidade, pretendemos alcançar a generalidade
de um Brasil ainda por ser feito e, esperamos que o roteiro agora
estabelecido nos ajude nesta empreitada.

Referências Bibliográficas

ALENCAR, José. Textos Escolhidos. São Paulo: Publifolha, 1995.


ASSIS, Machado. Monte Alverne – Ao Padre Mestre A. J. Da Silveira
Sarmento, Crisálidas. In: Poesias completas. Rio de Janeiro/São Paulo/
Porto Alegre: W.M. Jackson Inc, 1953.
BARRETO, L.P. As três philosophias. Rio de Janeiro: Laemmert, 1874.
CAETANO, João. Lições dramáticas. Brasília: MEC/ Serviço de
Documentação.

10
Num próximo momento nos esforçaremos em refletir o estado da cidade do Rio de
Janeiro na primeira metade do século XIX, a fim de, com este passeio etnográfico,
dimensionar ao leitor as condições nas quais se deu a atuação da sermonística e as
influências de Monte Alverne na construção de uma identidade nacional por meio
desta forma de comunicação.
146
OPSIS - Revista do NIESC, Vol. 4, 2004

CANDIDO, A. O nacionalismo literário. In: Formação da literatura


brasileira. São Paulo: Martins, 1969, p.9 -22.
______. Literatura e Sociedade. São Paulo: Publifolha, 2000.
CARRATO, José Ferreira. O iluminismo em Portugal e as reformas pombalinas
do ensino. São Paulo: Seção Gráfica da USP, 1980.
CARVALHO, Laerte Ramos de. A Lógica em Monte Alverne. São Paulo:
Universidade de São Paulo, 1946.
CARVALHO, Ronald. Estudos Brasileiros. Rio de Janeiro: Biblioteca
Nacional, 1976.
COSTA, Frei Sandro Roberto da. Frei Francisco do Monte Alverne e
o Plano da Reforma para a província da Imaculada Conceição do
Brasil. In: Vida Franciscana, ano LVII, no. 74. Rio de Janeiro: Vozes,
2000.
COUTINHO, Afrânio. Introdução à literatura no Brasil. Rio de Janeiro:
GB, 1975.
FRANÇA, Jean Marcel Carvalho. Literatura e sociedade no Rio de Janeiro
oitocentista. Lisboa: Casa da Moeda/ Imprensa Nacional, 1999.
KIEMEN, Mathias. Francisco Monte Alverne’s plan for the franciscan Province
of Rio de Janeiro, 1833. Washington: P.O. Box , 1972.
LOPES, Frei Roberto. Oratória Sacra no Brasil (Do século XVI ao
século XIX). Separata da Revista Língua e Literatura, no. 5. São Paulo:
USP/ FFLCH, 1976.
______. Monte Alverne: Pregador imperial. Roteiro para um estudo.
Rio de Janeiro: Vozes, 1958.
MACEDO, Ubiratan Borges de. A idéia de liberdade no século XIX:
o caso brasileiro. Brasília: Expressão e Cultura, 1997.
MAGALHÃES, Domingos de. Biografia do Padre Monte Alverne. Rio de
Janeiro: Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, no.(a
conferir).
MENDONÇA, Yolanda. Frei Francisco do Monte Alverne: esteta da palavra.
Rio de Janeiro: Livraria Antunes, 1942.
PAIM, Antônio. O ecletismo esclarecido. In: História das idéias filosóficas
no Brasil. São Paulo: Grijalbo, 1967. (51-125 pp.).
PARANHOS, Haroldo. História do Romantismo no Brasil (1830-1850).
São Paulo: Edições Cultura Brasileira, 1937.
PINASSI, Maria Orlanda. Três devotos, uma fé, nenhum milagre. São Paulo:
Unesp, 1998.
PRADO, Maria Emília. (org.) O Estado como vocação. Rio de Janeiro:
UERJ, 2000.
SILVA, Maria Beatriz Nizza. A cultura explícita. In: Cultura e sociedade no
Rio de Janeiro (1808 – 1821). São Paulo: Brasiliana 1978, p.113-215.
VERISSIMO, José. História da Literatura Brasileiras. Rio de Janeiro: José
Olympio, 1969.

147

Centres d'intérêt liés