Vous êtes sur la page 1sur 4

- VOZ -

Exercícios para terapia de Voz

1. Apoio respiratório insuficiente


2. Hipertensão da cintura escapular
3. Hipertensão da Laringe
4. Proteção vocal insuficiente
5. Esforço vocal excessivo
6. Quebras de sonoridade
7. Freqüência fundamental muito grave ou muito aguda
8. Intensidade reduzida ou excessiva
9. Ataque vocal brusco ou aspirado
10. Articulação indiferenciada
11. Abertura de boca restrita
12. Ritmo reduzido ou elevado
13. Falta de resistência

1. APOIO RESPIRATÓRIO INSUFICIENTE


Qualquer trabalho respiratório e possível se o corpo tem condições de efetuá-lo, o que quer dizer
que não adianta tentar encher de ar uma bexiga cujas paredes são de arco. Os exercícios
conscientização de respiração geralmente servem para percebermos o quanto respiramos de
maneira incorreta.

Exercícios Indicados:
Trabalho corporal de massagem e martelinho
Respiração após estiramento muscular. Exemplos:
1. Respiração fazendo movimento do corpo para cima (inspiração)e para baixo (expiração), segurar
o ar na pausa entre e respiração e a expiração.
2. Posição deitada, braços paralelos ao solo associados com o ciclo respiratório; inserir na expiração
a emissão prolongada dos sons básicos /s/ /x/ /f/ /z/ /j/ /v/
3. Elevação de braços até unir as mãos sobre a cabeça, pausa e soltar lentamente os braços,
associados com o ciclo respiratório; inserir emissão prolongada de sons básicos.
4-Voz salmodiada com texto de tamanho crescente: seqüências automáticas, palavras, frases,
etc....

2. HIPERTENSÃO DA CINTURA ESCAPULAR


A cintura escapular é, geralmente, a região corporal mais comprometida juntamente com a face. A
tensão dessa região pode ocorrer por vários motivos entre as quais os mais comuns são a tensão
associada à hipercontração laríngica e a tentativa de compensar a falta de clareza da voz disfônica.

Exercícios indicados:
1-exercício de pegar frutas na árvore.
2- exercício de rotação de tronco, com pés firmes no chão, pegando ar no meio e soltando nas
laterais.
3- exercício de rotação de ombros conjutamente e alternados, sem e com emissão de sons de apoio.
4- auto-massagem de pescoço e ombros, com mãos espalmadas, e dedilhando com o apoio do
polegar.
5- massagem de laringe, com a polegar e o indicador, deslocando gentilmente a laringe lateralmente
no pescoço.
6- cabeça para trás e abertura e fechamento lentos e repetidos de boca- estiramento da
musculatura supra-hioídea.

3. HIPERTENSÃO DE LARINGE
O paciente refere sensação de “aperto”, “bola” e “estrangulamento” na garganta, dentre uma série
de outras sensações proprioceptivas referentes à tensão da musculatura laríngica. Podem ser
empregados todos os exercícios sugeridos para hipercontração de cintura escapular, além de outros.
Exercícios indicados:
1- exercícios de OFA e deglutição
2- método mastigatório de Froeschels
3- método do bocejo

4. PROJEÇÃO VOCAL INSUFICIENTE


A projeção vocal inadequada é como rádio de pilhas francas, a voz carece de alcance vocal e o
orador acaba por não convencer o ouvinte. Projeção de voz, porém, não significa intensidade, nas
sim qualidade vocal apropriados.
Exercícios indicados:
1- Fricativas em diferentes dimensões do espaço- surdas e sonoras
2- emissão dos sons nasais alongados e fixação das sensações proprioceptivas relacionadas a essas
zonas de articulação.
3- mastigação do m com vogais orais e nasais
4- nasais em seqüência articulatória, com as diferentes vogais:
ma na nha
mé né nhé... uma e várias seqüências repetidas
mu nu nhu
* mãos em concha- vogais
* ressonância em três andares: m...m...vogal
- em intensidade crescente
* escala de altura e de intensidade com trrr...e brrr....em legato e staccato.

5 .ESFORÇO VOCAL EXCESSIVO


O indivíduo que fala com esforço excessivo transfere ao ouvinte sensações desagradáveis e aflitivas.
É como se ele conseguisse tudo na vida através de lutas desesperadas contra as dificuldade
encontradas. Esse indivíduo não consegue dosar a tensão da musculatura laríngea e a corrente
aérea que seria necessária para levantar um pacote de açúcar.

Exercícios indicados:
1- treinamento auditivo, visual e proprioceptivo
2- massagem e auto-massagem
3- cervicais simples
4- cervicais com emissão muscular
5- fonação em associação ao bocejo e aos sons básicos de m e trrr..., etc...
6- fala lentificada: de vogais a frases, com e sem “M”.

6. QUEBRAS DE SONORIDADE
Interrompem a cadeia de sonoridade, dão insegurança ao falante e refletem falta de controle da
fonação e conflito psicológico. Observação: todos esses exercícios para quebras de sonoridade
servem também para equilíbrio ressonantal.

Exercícios indicados:
1- treinamento auditivo em auto-avaliação de uma fita gravada para a identificação dos momentos
de quebra de sonoridade
2- monitoramento com mãos e concha na face e abertura de m... para as vogais
3-monitoramento com mãos em concha por detrás dos ouvidos- reforço da via aérea
4-monitoramento com ouvidos tapatos- reforço d via óssea
5- início e fim com m.. ou n..., e vogal no meio:
m....a...m...
m...é....m...
depois ao contrário ou início e fim com vogal e m... ou rapidamente e depois o mais lentificado
possível
m...u....a....m...u...a....m...u...a...
m...u....a....m...u...a....m...u...a...
mama mëmé mêmê mómó mômô
mamama mémémé mêmêmê mimimi mómómó mômômô mumumu...,
mana mana mana...
méné méné méné...

6- exercíçios de passagem de sonoridade com sons fricativos e finalmente, com vogais. Exemplo:
f f f f f f ....v v v v v v ...
idem, associado com vogais:
s s s s s s s s ......z z z z z z z z z ....zá

7. FREQÜÊNCIA FUNDAMENTAL MUITO GRAVE OU MUITO AGUDA


Ambos os extremos representam uso inadequado da voz. A não ser casos específicos de muda
vocal, ou e disfonias em doenças neurológicas, raramente é necessário trabalho com a altura da voz
diretamente, pois é um parâmetro que se encaixa quando a ressonância, a tensão muscular e a
psicodinâmica já estiverem equilibradas. Tendo sido feitas essas considerações podemos sugerir
algumas técnicas de trabalho.

Exercícios indicados:
1- conscientização das diferentes alturas vocais que podem ser utilizadas e de seus significados
2- discriminação auditiva da própria emissão e de vozes gravadas.
3- escala musicais com os sons de apoio principalmente com as vibrações trrrr... e brrr..., que são
facilitadores para a variação de tom
4- exercícios de oposição de altura com os sons de apoio

8. INTENSIDADE REDUZIDA OU EXCESSIVA


O uso de intensidade elevada “invade” o ouvinte.O uso de uma intensidade reduzida revela timidez,
e pode comprometer a transmissão da mensagem. O uso de uma determinada intensidade reflete a
psicodinâmica de um indivíduo, desde que eliminados problemas orgânicos, tais como deficiência
auditiva e doenças neurológicas.
Exercícios indicados:
1-conscientização do significado da intensidade
2-quadro diário de controle do uso da intensidade
3-exercícios de oposição de intensidade: sons básicos, vogais, seqüências articulatórias, palavras e
frases.
4- emissão sob mascaramento auditivo
5- treinamento de maior abertura de boca e maior fluxo de ar
6-exercícios de movimentação corporal com emissões correspondentes ao gesto
7- leitura de textos e poesias com marcação de intensidade
8-treinamento de plasticidade vocal: marcação vocal da intenção do discurso:

- É expressamente proibido fumar neste local.


- É expressamente proibido fumar neste local.
- É expressamente proibido fumar neste local.
- É expressamente proibido fumar neste local.

Outras frases: “Eu não agüento mais você!”, Amanhã vou revelar o que eu decidi”.

9. ATAQUE VOCAL BRUSCO OU ASPIRADO


É sempre um falta de equilíbrio entre a forças aerodinâmicas da respiração e as mieolásticas da
laringe.

Exercícios indicados:
* treinamento auditivo e proprioceptivo para identificação dos diferentes tipos de ataque vocal
* prática negativa dos diferentes ataques vocais inadequados
* método do bocejo para os ataques bruscos
* uso de sons de apoio nasais e fricativos associados ás vogais, para os ataques bruscos

10. ARTICULAÇÃO INDIFERENCIADA

Exercícios indicados:
* exercício de OFA
* leitura e seqüências automáticas com espaçadores de oclusão
* seqüências articulatórias simples:
pa ta ca
*seqüências articulatórias com grupos consonantais com \ r \ e co \ l \
bra\ dra\ gra\
fla\ sla\ zla\
não importa que a seqüência não
exista em português, o que vale é o treinamento
conseguido e a flexibilidade da articulação
resultante.

11. ABERTURA DE BOCA RESTRITA


A articulação travada reflete e transfere agressividade, além de prejudicar a projeção do som e
comprometer a inteligibilidade da mensagem.

Exercícios indicados:
* massagem facial e auto-massagem com os indicadores no interior da boca
* mastigação do “M”
* emissão do bocejo para as vogais
* leitura e emissão de seqüências automáticas com espaçadores de oclusão
* leitura e emissão de seqüências automáticas com mordedor garrote
* leitura com articulação exagerada
* leitura somente de vogais- em emissão encadeada

12. RITMO REDUZIDO OU ELEVADO


Para o indivíduo, as alterações de ritmo estão diretamente relacionadas à velocidade do pensamento
à idéia que se faz do falante como um pensador. Um ritmo excessivamente lento transfere
dificuldade de pensamento e falta de clareza de idéias enquanto que um ritmo excessivamente
acelerado traduz ansiedade, agitação e falta de preocupação como tempo que o ouvinte necessita
para decodificar a mensagem, ou ainda o objetivo de não passar claramente a mensagem para o
ouvinte.

Exercícios indicados:
* voz salmodiada lentificada com ritmo definido ) batidas, metronomo, etc...) ou vogais séries
* mastigação do “M” com vogais e palavras com alternâncias de ritmo
* leitura de textos observando a pontuação e a sonoridade de todos os sons.

13. FALTA DE RESISTÊNCIA VOCAL


A falta de resistência vocal é impeditiva ao uso profissional da voz, limitando a atuação do indivíduo.
Neste item os exercícios deverão ser repetidos muitas vezes, para se fixar o dinamismo muscular e
propiciar uma melhor organização da musculatura envolvida na produção do som, o que
indiretamente aumenta o tempo de resistência ao uso da voz.

Exercícios indicados:
* exercícios gerais de OFA e OFA associados a emissões variadas
* vibrações em diferentes alturas e intensidades
* eco com sons nasais e vogais em engrandecimentos
* leitura somente da vogais em falta encadeada
* leitura com espaçadores de oclusão
* exercícios de imitação de flexibilidade: seqüências de silabas, vogais orais “X” nasais e frases
trava-língua

CONCLUSÃO:

As possibilidade de exercícios são infinitas e devem ser criadas à cada necessidade, a cada
objetivo, para cada indivíduo, evitando-se o uso mecânico e sem sentido de formulas pré-fabricadas.
Nenhuma voz pode ser usada em sua potencialidade total, se os órgãos que compõem o
aparelho fonador não constituem uma unidade funcional. Finalmente, nenhuma voz soará
harmônica, se ela não satisfizer o pré-requisito essencial da comunicação, que é a transmissão
efetiva da mensagem, num processo quase-mágico que chamamos de ressonância humana.

Exercícios retirados dos livros: Educação da voz falada . Edmée Brandi


Avaliação Vocal . Mara Behlau