Vous êtes sur la page 1sur 4

INTRODUÇÃO AS ESTRUTURAS - CCA1141

INTRODUÇÃO AS ESTRUTURAS
Perfil Docente
Graduação em Arquitetura ou Engenharia Civil, com pós-graduação (preferencialmente
strictu-sensu) em sistemas construtivos ou estruturas. Desejável doutorado e experiência
docente.

Contextualização
Disciplina do núcleo básico que inicia o eixo temático de estruturas.
Idealizada como uma disciplina híbrida oferecerá conteúdos disponibilizados através de
material didático (produzido pela Universidade), links, vídeos e textos complementares,
etc., sendo proposta uma metodologia que inclui sala de aula invertida.
No Plano de Aula o procedimento pré-aula e pós-aula é parte constituinte dessa
metodologia. Para as Aulas Hibridas, na pré-aula será solicitado ao Aluno uma pesquisa
dos conteúdos teóricos críticos que podem ser encontrados nos textos, links, e apostilas
em PDF, etc. Durante a aula aconselha-se uma rápida verificação dos conhecimentos
adquiridos pelo aluno através da pesquisa solicitada na pré-aula e destinar a maior parte
do tempo para uma exposição do tema a ser debatida/dialogada com os alunos;
exemplificando sempre com obras referenciais de reconhecido valor.
Atividades de Pós-Aula devem ser criadas como forma de exercitar, consolidar, repetir a
instrumentalização da informação, para que, individualmente o aluno reconheça a
contextualização da informação transformando-a num saber.
Desta maneira, os Planos de Aula que complementam este Plano de Ensino sempre fazem
referência a conteúdos disponibilizados via portal do aluno, com os quais dialogam de
forma interdependente.

Ementa
Conhecimento básico e geral sobre morfologia estrutural. Relação entre estrutura e
arquitetura. Conceitos básicos de estática e equilíbrio de elementos estruturais.
Carregamentos que atuam nas estruturas. Solicitações e tensões. Propriedades físicas e
mecânicas de materiais. Resistência e deformabilidade dos principais materiais
estruturais. Características geométricas e análise qualitativa do comportamento estrutural
de elementos estruturais como cabos, treliças planas, treliças espaciais, vigas de alma
cheia, vigas vierendeel, pórticos, arcos, placas e lâminas.

Objetivos Gerais
Oferecer referências teóricas iniciais para a compreensão do comportamento de sistemas
construtivos estruturais. Preparação do discente para a disciplina posterior, onde os
sistemas estruturais serão avaliados quantitativamente e serão abordados conceitos
práticos de pré-dimensionamento.

Objetivos Específicos
Apresentação das características geométricas e o comportamento estrutural de diversos
elementos estruturais, enfatizando a importância desses conhecimentos na elaboração de
projetos de arquitetura e no controle do processo construtivo em campo. Oferecer
conceitos básicos de cálculo estrutural, preparando-os para conhecimentos posteriores em
áreas como a concepção estrutural e o dimensionamento de estruturas. Estimular a
utilização de elementos estruturais como elementos expostos e destacados da forma
arquitetônica.

Conteúdos
1. MORFOLOGIA DAS ESTRUTURAS
1.1. FATORES QUE INFLUENCIAM NA MORFOLOGIA ESTRUTURAL
1.2. EVOLUÇÃO DAS FORMAS ESTRUTURAIS
1.3. ELEMENTOS ESTRUTURAIS E SISTEMAS ESTRUTURAIS
FUNDAMENTAIS
2. RELAÇÃO ENTRE ESTRUTURA E ARQUITETURA
2.1. A ESTRUTURA NA CONSTRUÇÃO
2.2. ESTRUTURA OCULTA, EXPOSTA E DESTACADA
2.3. COMPREENSÃO DO COMPORTAMENTO ESTRUTURAL
3. ESTÁTICA E EQUILÍBRIO DE UM ELEMENTO ESTRUTURAL
3.1. MASSA E PESO
3.2. FORÇAS COPLANARES
3.3. MOMENTO DE UMA FORÇA EM RELAÇÃO A UM PONTO
3.4. GRAUS DE LIBERDADE NO PLANO
3.5. CONDIÇÕES DE EQUILÍBRIO ESTÁTICO
3.6. MODELO RETICULADO
3.7. CLASSIFICAÇÃO DOS ELEMENTOS ESTRUTURAIS
3.8. VÍNCULOS ESTRUTURAIS
3.9. GRAU DE ESTATICIDADE EXTERNO E INTERNO
3.10. REAÇÕES DE APOIO EM SISTEMAS ISOSTÁTICOS
4. AÇÕES QUE ATUAM NAS ESTRUTURAS
4.1. CARGAS ESTÁTICAS E DINÂMICAS
4.2. CLASSIFICAÇÃO DAS CARGAS ESTÁTICAS
4.3. COMBINAÇÃO DE AÇÕES
5. SOLICITAÇÕES SIMPLES E COMPOSTAS
6. ESFORÇOS INTERNOS
7. TENSÃO E DEFORMAÇÃO
8. MATERIAIS ESTRUTURAIS: PROPRIEDADES
8.1. MATERIAIS ESTRUTURAIS USUAIS
8.2. MASSA ESPECÍFICA
8.3. ISOTROPIA E ANISOTROPIA
8.4. DUCTILIDADE E FRAGILIDADE
8.5. ELASTICIDADE E PLASTICIDADE
8.6. DILATAÇÃO TÉRMICA
9. MATERIAIS ESTRUTURAIS: RESISTÊNCIA E DEFORMABILIDADE
9.1. MATERIAIS ESTRUTURAIS USUAIS
9.2. MÓDULO DE ELASTICIDADE LONGITUDINAL
9.3. COEFICIENTE DE POISSON
9.4. MÓDULO DE ELASTICIDADE TRANSVERSAL
9.5. TENSÃO DE RUPTURA
9.6. COEFICIENTE DE SEGURANÇA E TENSÃO ADMISSÍVEL
9.7. ESTADO LIMITE ÚLTIMO E ESTADO LIMITE DE SERVIÇO
10. CARACTERÍSTICAS GEOMÉTRICAS E COMPORTAMENTO ESTRUTURAL
DE ELEMENTOS E SISTEMAS ESTRUTURAIS
10.1. CABOS
10.2. TRELIÇAS PLANAS
10.3. TRELIÇAS ESPACIAIS
10.4. ARCOS FUNICULARES
10.5. PILARES
10.6. VIGAS DE ALMA CHEIA
10.7. VIGAS VIERENDEEL
10.8. PÓRTICOS E ARCOS
10.9. PLACAS E GRELHAS
10.10. MEMBRANAS
10.11. CASCAS

Procedimentos de Ensino
Aula expositiva dialogada. Recomenda-se disponibilizar o conteúdo de cada aula
antecipadamente, estimulando o aluno à leitura prévia e, consequentemente, viabilizando
a discussão em sala de aula. O procedimento proposto tem por objetivo estimular a
reflexão por parte do aluno sobre a tema a ser desenvolvido em sala de aula. Recomenda-
se a apresentação de situações concretas, a partir do compartilhamento de conhecimentos
por parte do educador e/ou de vídeos e filmes com estudos de caso apropriados ao
conteúdo da disciplina.

Recursos
Uso do quadro branco, projetor, maquetes físicas e/ou eletrônicas.

Procedimentos de Avaliação
O processo de avaliação da disciplina será composto de três etapas, Avaliação 1 (AV1),
Avaliação 2 (AV2) e Avaliação 3 (AV3).
A AV1 contemplará o conteúdo da disciplina até a sua realização, tendo seu conteúdo e
forma definidos pelo professor (prova objetiva e discursiva individual, trabalho de
pesquisa e participação em fóruns e seminários). As provas AV2 e AV3 abrangerão todo
o conteúdo da disciplina, e a critério da ESTÁCIO, essas avaliações poderão estar
incluídas nas Provas Nacionais Integradas, de valor 10,0.
Para aprovação na disciplina, o aluno deverá:
- Atingir resultado igual ou superior a 6,0, calculado a partir da média aritmética entre os
graus das avaliações, sendo consideradas apenas as duas maiores notas obtidas dentre as
três etapas de avaliação (AV1, AV2 e AV3). A média aritmética obtida será o grau final
do aluno na disciplina;
- Obter grau igual ou superior a 4,0 em, pelo menos, duas das três avaliações;
- Frequentar, no mínimo, 75% das aulas ministradas.
Bibliografia Básica
ALMEIDA, Marco Antonio Milazzo de. INTRODUÇÃO À ESTRUTURA. 1ª Edição.
Rio de Janeiro: SESES, 2016.

HIBBELER, Russel Charles. ESTÁTICA: MECÂNICA PARA ENGENHARIA. 12ª


Edição. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011.

REBELLO, Yopanan Conrado Pereira. A CONCEPÇÃO ESTRUTURAL E A


ARQUITETURA. 11ª reimpressão. São Paulo: Zigurate, 2000.

Bibliografia Complementar
CHING, Francis D.K. ONOUYE, Barry S. ZUBERBUHLER, Douglas. SISTEMAS
ESTRUTURAIS ILUSTRADOS: PADRÕES, SISTEMAS E PROJETO. 2ª Edição.
Porto Alegre: Bookman, 2015.

DIEZ, Glória. PROJETO ESTRUTURAL NA ARQUITETURA. 1ª Edição. São


Paulo: Masquatro, 2012.

HIBBELER, Russel Charles. RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS. 7ª reimpressão. São


Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

REBELLO, Yopanan Conrado Pereira. BASES PARA PROJETO ESTRUTURAL NA


ARQUITETURA. 2ª Edição. São Paulo: Zigurate, 2007. 1.

Outras Informações
A disciplina é híbrida, e 4 roteiros de estudos estão disponíveis aos alunos. O professor
deve incentivar os alunos a acessarem os materiais disponíveis, enfatizando que o
conteúdo híbrido faz parte do conteúdo programático da disciplina a ser cobrado nas
avaliações AV1, AV2 e AV3.