Vous êtes sur la page 1sur 22

(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE FUVEST 2012 – SEGUNDA FASE – CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

MATEMÁTICA 2cos(2α ) + 3cos α + 1 = 0 .

QUESTÃO 01 Nessas condições, calcule


O polinômio p ( x ) = x 4 + ax 3 + bx 2 + cx − 8 , em que a, b e c são a) o valor de senα ;

números reais, tem o número complexo 1 + i como raiz, bem como b) o comprimento do lado AC .
duas raízes simétricas. Resolução
a) De acordo com o enunciado, temos que:
a) Determine a, b e c e as raízes de p ( x ) .
b) Subtraia 1 de cada uma das raízes de p ( x ) e determine todos os 2cos(2α ) + 3cos α + 1 = 0
polinômios com coeficientes reais, de menor grau, que possuam esses Substituindo a identidade do arco duplo cos ( 2α ) = 2cos2 α − 1 , temos:
novos valores como raízes.
Resolução
2cos(2α ) + 3cos α + 1 = 0 ⇔ 2 ⋅ ( 2cos2 α − 1) + 3cos α + 1 = 0 ⇔
a) Por hipótese, p ( x ) é um polinômio de grau 4. Além disso, p ( x )
1
possui duas raízes simétricas: α e −α . 4cos2 α + 3cos α − 1 = 0 ⇔ cos α = −1 ou cos α =
4
Sendo p ( x ) um polinômio com coeficientes reais, temos que um
Sendo α a medida de um ângulo interno agudo de um triângulo, isto é,
número complexo é raiz se e somente se o seu conjugado também for.
0° < α < 90° , descartamos a possibilidade cos α = −1 e ficamos com:
Portanto, p ( x ) tem 4 raízes:
1
x1 = 1 + i (pelo enunciado) cos α =
4
x2 = 1 − i (coeficientes reais)
Da relação fundamental da Trigonometria, vem que:
x3 = α
2
x4 = −α  1 15
sen2 α + cos2 α = 1 ⇔ sen2 α +   = 1 ⇔ sen α = ±
4 4
Usando a quarta relação de Girard para uma equação de grau 4,
Também pelo fato de que 0° < α < 90° , descartamos o valor negativo,
a0
x1 ⋅ x2 ⋅ x3 ⋅ x4 = = −8 ⇔ (1 + i ) ⋅ (1 − i ) ⋅ α ⋅ ( −α ) = −8 ⇔ α 2 = 4 ⇔ α = ±2 e ficamos com:
a4
15
sen α =
Com isso, as quatro raízes de p ( x ) são: 4
b) Marcamos as medidas dos ângulos internos de vértices B e C,
x1 = 1 + i , x2 = 1 − i , x3 = 2 e x 4 = −2 .
conhecidos, e seja β a medida do ângulo interno de vértice A. Temos a
Pelo teorema da decomposição, figura:
A
p ( x ) = ( x − (1 + i ) ) ⋅ ( x − (1 − i ) ) ⋅ ( x + 2 ) ⋅ ( x − 2 ) ⇔

( )( )
⇔ p ( x ) = x 2 − 2 x + 2 ⋅ x 2 − 4 = x 4 − 2 x 3 − 2 x 2 + 8 x − 8. β

Então:

a = −2 α/2 α

b = −2 . B C
c = 8

Novamente utilizando a identidade do arco duplo, mas agora
b) Subtraindo uma unidade de cada raiz de p ( x ) , obtemos como relacionando as medidas α e α/2, segue que:
conjunto solução:
 α α α
cos α = cos  2 ⋅  = 2 ⋅ cos2   − 1 = 1 − 2 ⋅ sen2   ⇔
S = {(1 + i ) − 1, (1 − i ) − 1, 2 − 1, − 2 − 1} = {i , − i , 1, − 3} .  2 2 2
1 2α 2α
Usando o teorema da decomposição, o novo polinômio q ( x ) é: = 2 ⋅ cos   − 1 = 1 − 2 ⋅ sen   ⇔
4 2 2
q ( x ) = a4 ⋅ ( x − i ) ⋅ ( x − ( −i ) ) ⋅ ( x − 1) ⋅ ( x − ( −3 ) ) ⇔  α 10
cos   = ±
 2 4
q ( x ) = a4 ⋅ ( x + 1) ⋅ ( x + 2 x − 3 ) ⇔
2 2

 α 6
q ( x ) = a4 ( x 4 + 2 x 3 − 2 x 2 + 2 x − 3 ) , com a4 ∈ ℝ * sen  2  = ± 4

QUESTÃO 02 α
Como 0° < α < 90° ⇔ 0° < < 45° , descartamos novamente os
A 2
valores negativos e ficamos com:

 α 10
cos   =
 2 4

 α 6
sen  2  = 4
B C
A partir disso, temos que:
No triângulo acutângulo ABC, ilustrado na figura, o comprimento do
lado BC mede 15 5 , o ângulo interno de vértice C mede α, e o   α   α
sen β = sen  180° −  α +   = sen  α +  ⇔
ângulo interno de vértice B mede α/2. Sabe-se, também, que   2   2

1
(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE FUVEST 2012 – SEGUNDA FASE – CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

α α 15 10 6 1 (II) P(final entre Maria e José, e Maria vencer José):
sen β = sen α ⋅ cos   + sen   ⋅ cos α = ⋅ + ⋅ ⇔
2 2 4 4 4 4 2
Maria vence João: P = ;
3 6 5
sen β =
8 3
José vence Marta: P = ;
Por fim, aplicando o teorema dos senos no triângulo ABC: 5
2
15 Maria vence José: P = .
5
AC BC AC 2 15
= ⇔ = 5 ⇔ AC = Portanto:
 α  sen β 6 3 6 15
sen   2 3 2 12
2 4 8 P(final entre Maria e José, e Maria vencer José) = ⋅ ⋅ = ;
5 5 5 125
QUESTÃO 03
a) Dez meninas e seis meninos participarão de um torneio de tênis (III) P(final entre Marta e João, e Marta vencer João):
infantil. De quantas maneiras distintas essas 16 crianças podem ser
separadas nos grupos A, B, C e D, cada um deles com 4 jogadores, 3
João vence Maria: P = ;
sabendo que os grupos A e C serão formados apenas por meninas e o 5
grupo B, apenas por meninos? 2
b) Acontecida a fase inicial do torneio, a fase semifinal terá os jogos Marta vence José: P = ;
5
entre Maria e João e entre Marta e José. Os vencedores de cada um
dos jogos farão a final. Dado que a probabilidade de um menino 2
Marta vence João: P = .
3 5
ganhar de uma menina é , calcule a probabilidade de uma menina Portanto:
5
vencer o torneio. 3 2 2 12
Resolução P(final entre Marta e João, e Marta vencer João) = . . = ;
5 5 5 125
a) Usando as restrições do enunciado, podemos montar os grupos dos
seguintes modos:
Grupo A: apenas 4 meninas, escolhidas dentre 10 possíveis: Assim, a probabilidade de uma menina vencer o torneio é de:

 10  4 12 12 44
  = 210 possibilidades; + + = .
4 25 125 125 125
Grupo B: apenas 4 meninos, escolhidos dentre 6 possíveis:
QUESTÃO 04
6
  = 15 possibilidades;
 4 A base do
tetraedro
Grupo C: apenas 4 meninas, escolhidas dentre 6 possíveis: PABCD é o
quadrado
6 ABCD de lado
  = 15 possibilidades; ℓ , contido no
 4
plano α.
Grupo D: 4 pessoas, dentre as 4 que não foram escolhidas:

 4 Sabe-se que a projeção ortogonal do vértice P no plano α está no



  = 1 possibilidade. semiplano de α determinado pela reta BC e que não contém o lado
 4
AD . Além disso, a face BPC é um triângulo isósceles de base BC
Pelo Princípio Multiplicativo, temos:
cuja altura forma, com o plano α, um ângulo θ, em que 0 < θ < π 2 .
210 × 15 × 15 × 1 = 47250 Sendo PB = ℓ 2 2 , determine, em função de ℓ e θ ,
possibilidades de formar os grupos do torneio. a) o volume do tetraedro PABCD ;
b) Uma menina vence o torneio se: b) a altura do triângulo APB relativa ao lado AB ;
(I) A final for entre Maria e Marta ou c) a altura do triângulo APD relativa ao lado AD .
(II) A final for entre Maria e José, e Maria vencer José ou Resolução
(III) A final for entre Marta e João, e Marta vencer João. Observação: Apesar de não influenciar na resolução do exercício, a
figura descrita e apresentada na figura não é um Tetraedro, como
Entendendo que a probabilidade de um menino ganhar de uma
afirma o exercício, e sim uma Pirâmide de Base Quadrada. A
3 caracterização de um tetraedro é que o mesmo apresenta 4 faces e 4
menina é implica que a probabilidade de uma menina ganhar de
5 vértices, enquanto claramente o sólido aqui proposto apresenta 5
2 faces e 5 vértices.
uma menino é , e que os jogos são eventos independentes, as
5 a) Seja M o ponto médio de AD e N o P
probabilidades são: ponto médio de BC .
(I) P(final entre Maria e Marta): Primeiramente vamos descobrir o
2 valor de PN , para isso considere o
Maria vence João: P = ; triângulo PCB, isósceles representado
5 ℓ 2 ℓ 2
ao lado:
2 2 2
Marta vence José: P = .
5
Portanto:

2 2 4 C ℓ N ℓ B
P(final entre Maria e Marta) = ⋅ = ;
5 5 25 2 2

2
(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE FUVEST 2012 – SEGUNDA FASE – CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Aplicando o Teorema de Pitágoras, temos que: QUESTÃO 05


Determine para quais valores reais de x é verdadeira a desigualdade
2
 ℓ 2   ℓ 2 ℓ x 2 − 10 x + 21 ≤ 3 x − 15 .
PN =  = .
 2   2 

  2
Resolução
Para descobrir o volume da pirâmide, devemos determinar a distância Primeiramente notamos que x = 5 não é solução da inequação.
do ponto P ao plano α, que representa a altura dessa pirâmide. Para Excluindo então esse ponto, podemos dividir a equação por x − 5 e
isso, ao seccionarmos a pirâmide por um plano que passa por MN e temos:
é ortogonal a α, temos a seguinte figura:  x 2 − 10 x + 21 ≤ 3 x − 15 x 2 − 10 x + 21 3 x − 15
P  ⇔ ≤ ⇔
 x ≠ 5 x −5 x −5

x 2 − 10 x + 21
⇔ ≤3
x −5

h Mas sabemos que k ≤ a ⇔ − a ≤ k ≤ a , então temos:
2

 x2 − 10 x + 21
θ  ≥ −3 (1)
x 2 − 10 x + 21 x −5
≤3 ⇔  2
M N H x −5 x − 10 x + 21
ℓ d  ≤3 (2)
x −5

Desse modo, no triângulo PHN (onde H é a projeção de P sobre α): Resolvendo (1):
Podemos separar em dois casos.
h ℓ
sen θ = ⇔ h = ⋅ sen θ ,
ℓ 2 1.1. Para x > 5 :
 
2  x 2 − 10 x + 21
 ≥ −3
 x −5 ⇒ x 2 − 10 x + 21 ≥ −3 x + 15 ⇔ x 2 − 7 x + 6 ≥ 0 ⇔
e, portanto, o volume da pirâmide PABCD será dado por:
x > 5

1 1 ℓ ℓ3 ⇔ x ≥ 6 ou x ≤ 1 . Como x > 5 , temos x ≥ 6 como solução deste
V= ⋅ Abase ⋅ h = ⋅ ℓ 2 ⋅ ⋅ sen θ ⇔ V = ⋅ sen θ .
3 3 2 6 caso.

b) Devemos determinar a distância entre o ponto P e a reta AB , que 1.2. Para x < 5 :
corresponderá à altura h2 pedida. Observe a figura abaixo:  x 2 − 10 x + 21
 ≥ −3
 x −5 ⇒ x 2 − 10 x + 21 ≤ −3 x + 15 ⇔ x 2 − 7 x + 6 ≤ 0 ⇔
x < 5

⇔ 1 ≤ x ≤ 6 . Como x < 5 , temos 1 ≤ x < 5 como solução desse caso.
Assim, a solução da inequação (1) é 1 ≤ x < 5 ou x ≥ 6 .
h
h2
Resolvendo (2):
Separaremos novamente em dois casos.
ℓ N H

ℓ 2.1. Para x > 5 :
2
2  x 2 − 10 x + 21
K  ≤3
ℓ d  x −5 ⇔ x 2 − 10 x + 21 ≤ 3 x − 15 ⇔ x 2 − 13 x + 36 ≤ 0 ⇔
x > 5

⇔ 4 ≤ x ≤ 9 . Como x > 5 , temos 5 < x ≤ 9 como solução desse
Aplicando o Teorema de Pitágoras no triângulo PHK:
caso.
2
ℓ ℓ2 ℓ2 ℓ 2.2. Para x < 5 :
h2 = h2 +   = ⋅ sen2 θ + ⇔ h2 = 1 + sen2 θ
2 4 4 2  x 2 − 10 x + 21
 ≤3
 x −5 ⇔ x 2 − 10 x + 21 ≥ 3 x − 15 ⇔ x 2 − 13 x + 36 ≥ 0 ⇔
c) Pela secção utilizada no item (a), no triângulo PHN temos que: x < 5

d ℓ ⇔ x ≥ 9 ou x ≤ 4 . Como x < 5 , temos x ≤ 4 como solução desse
cos θ = ⇔ d = ⋅ cos θ caso.
ℓ 2
  Então a solução da inequação (2) é 5 < x ≤ 9 ou x ≤ 4 .
2
Como temos que satisfazer (1) e (2) simultaneamente,
Agora, como o triângulo PBC é isósceles, também será isósceles o
interseccionamos suas soluções e chegamos em:
triângulo PAD (pela simetria do sólido), de modo que sua altura
relativa ao lado AD coincide com a medida de sua mediana PM .
{1 ≤ x < 5 ou x ≥ 6} ∩ {5 < x ≤ 9 ou x ≤ 4} = 1 ≤ x ≤ 4 ou 6 ≤ x ≤ 9
Assim, aplicando o Teorema de Pitágoras no triângulo PMH, temos: Então, a solução da inequação do enunciado é S = [1, 4] ∪ [ 6, 9] .

 ℓ  ℓ
2

2
Solução alternativa:
PM = MH 2 + PH 2 =  ℓ + ⋅ cos θ  +  ⋅ sen θ  ⇔
 2  2  Traçando o gráfico da função f ( x ) = x 2 − 10 x + 21 e g ( x ) = 3 x − 15 :

PM = 5 + 4cos θ
2
3
(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE FUVEST 2012 – SEGUNDA FASE – CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS



mede
b) Como a reta CD é tangente à circunferência, o ângulo ADC
90°, de modo que o triângulo ADC é retângulo em D. Logo:
2 2 2
AC 2 = AD 2 + CD 2 ⇔ ( 8 3 ) = ( 2r ) + ( 4 3 ) ⇔ r = ±6

Novamente como se trata de um comprimento, descartamos o valor


negativo, e ficamos com:

r =6

c) Primeiramente, vamos determinar a medida do ângulo BAD


. Para
isso, observe que o triângulo ABD é retângulo em B, já que se trata de
um triângulo inscrito numa circunferência e um de seus lados é um
diâmetro da mesma.

C
B
Agora, para encontrarmos os pontos A e B , cruzaremos a parábola
x 2 − 10 x + 21 e − x 2 + 10 x − 21 com a reta 3 x − 15 e escolheremos a
solução em que x > 5 . Então:
i) x 2 − 10 x + 21 = 3 x − 15 ⇔ x 2 − 13 x + 36 = 0 ⇔ 
x
=4 ou x = 9 α
não convém A O D
2 2
ii) − x + 10 x − 21 = 3 x − 15 ⇔ x − 7 x + 6 = 0 ⇔ x = 1 ou x = 6

não convém

Então a abscissa de A é 6 e a de B é 9 .
Poderíamos resolver outra equação para encontrar os pontos C e D ,
mas fica mais fácil utilizar a simetria do gráfico em torno de x = 5 ,
onde a raiz de g(x) coincide com o vértice da parábola cujo módulo
, temos:
Assim, sendo α a medida do ângulo BAD
compõe f(x):
x A − 5 = 5 − xC ⇔ 6 − 5 = 5 − xC ⇔ xC = 4 AB 6 3 3
cos α = = =
xB − 5 = 5 − xD ⇔ 9 − 5 = 5 − xD ⇔ x D = 1 AD 2 ⋅ 6 2
Sabendo as abscissas, podemos ver que resolver nossa inequação é
é um ângulo interno do triângulo ABD, segue que:
Como BAD
equivalente a ver a região em que o gráfico de f ( x ) esta abaixo ou
α = 30°
igual ao de g ( x ) , ou seja, entre os pontos A e B e entre os pontos
C e D . Então temos que a solução é S = [1, 4] ∪ [ 6, 9] . Vamos agora considerar o triângulo AOB na figura a seguir. Observe
que tal triângulo é isósceles, pois OA = OB = r . Assim, os ângulos

e OBA
OAB
medem ambos 30°, e o ângulo AOB
, por sua vez, mede
QUESTÃO 06
120°.
C
B C
B

30°
r
120°
A O D 30°
A r O D


Na figura, a circunferência de centro O é tangente à reta CD no ponto

D, o qual pertence à reta AO . Além disso, A e B são pontos da
circunferência, AB = 6 3 e BC = 2 3 . Nessas condições, determine:
Logo, a área do triângulo é AOB pode ser calculada por:
a) a medida do segmento CD ;
b) o raio da circunferência; 1 1 3
c) a área do triângulo AOB; SAOB = ⋅ OA ⋅ OB ⋅ sen120° = ⋅ 6 ⋅ 6 ⋅ ⇔ SAOB = 9 3 .
d) a área da região hachurada na figura. 2 2 2
Resolução
d) A área da região hachurada corresponde à diferença entre a área
a) Usando potência de ponto nos segmentos AC e CD , temos: e a área do
do setor circular determinado pelo menor arco AB
triângulo AOB. Assim, temos:
AC ⋅ BC = CD 2 ⇔ ( 2 3 + 6 3 ) ⋅ 2 3 = CD 2 ⇔ CD = ±4 3

Como se trata de um comprimento, descartamos o valor negativo, e 120° 1


Shachurada = ⋅ π ⋅ r 2 − SAOB = ⋅ π ⋅ 62 − 9 3 ⇔ Shachurada = 12π − 9 3 .
ficamos com: 360° 3
CD = 4 3
4
(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE FUVEST 2012 – SEGUNDA FASE – CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

FÍSICA Utilizando a semelhança de triângulos, indicada na figura abaixo, o


volume consumindo por minuto será:
QUESTÃO 01
A energia que um atleta gasta pode ser determinada pelo volume de
oxigênio por ele consumido na respiração. Abaixo está apresentado o
gráfico do volume V de oxigênio, em litros por minuto, consumido por
um atleta de massa corporal de 70 kg, em função de sua velocidade,
quando ele anda ou corre.

Φ − 1,6 4,0 − 1,6 9


= ⇔ Φ = 1,6 + ⋅ 2,4 ≅ 3,564 ℓ / min
15 − 6 17 − 6 11
Assim, a potência dissipada será:
3,564 ℓ 5 kcal 17,82 kcal 1 min 4000 J
P= ⋅ = ⋅ ⋅ = 1188 W
min ℓ min 60s 1 kcal
Considerando que para cada litro de oxigênio consumido são gastas 5 Observação: se fosse utilizado o valor aproximado para o volume
kcal e usando as informações do gráfico, determine, para esse atleta, consumido de 3,6 /min, a potência correspondente seria:
a) a velocidade a partir da qual ele passa a gastar menos energia 3,6 ℓ 5 kcal 18 kcal 1 min 4000J
P= ⋅ = ⋅ ⋅ = 1200 W
correndo do que andando; min ℓ min 60 s 1 kcal
b) a quantidade de energia por ele gasta durante 12 horas de repouso
(parado); d) Para a velocidade 7 km/h, o consumo de ar será, segundo o gráfico,
c) a potência dissipada, em watts, quando ele corre a 15 km/h; de 1,6 λ/min. A energia gasta por minuto será:
d) quantos minutos ele deve andar, a 7 km/h, para gastar a quantidade
E 1,6 ℓ 5 kcal
de energia armazenada com a ingestão de uma barra de chocolate de P= = ⋅ = 8 kcal / min
100 g, cujo conteúdo energético é 560 kcal. ∆t min ℓ
NOTE E ADOTE Como a energia total a ser gasta é 560 kcal, o tempo necessário para
1 cal = 4 J. isso será:
Resolução E 560
= 8 kcal / min ⇔ ∆t = = 70min
A figura abaixo mostra os pontos para os itens a), b) e d). ∆t 8

QUESTÃO 02
Nina e José estão sentados em cadeiras, diametralmente opostas, de
uma roda gigante que gira com velocidade angular constante. Num
certo momento, Nina se encontra no ponto mais alto do percurso e
José, no mais baixo; após 15 s, antes de a roda completar uma volta,
suas posições estão invertidas. A roda gigante tem raio R = 20 m e as
massas de Nina e José são, respectivamente, MN = 60 kg e MJ = 70
kg. Calcule
a) o módulo v da velocidade linear das cadeiras da roda gigante;
b) o módulo aR da aceleração radial de Nina e de José;
c) os módulos NN e NJ das forças normais que as cadeiras exercem,
respectivamente, sobre Nina e sobre José no instante em que Nina se
encontra no ponto mais alto do percurso e José, no mais baixo.

NOTE E ADOTE
π=3
a) Como a energia gasta é proporcional à taxa de ar respirado Aceleração da gravidade g = 10 m/s2
(volume/tempo), a velocidade em que o gasto energético passa a ser
menor quando o atleta corre é dada pelo cruzamento das duas curvas. Resolução
Pelo gráfico, esse valor está em torno de 8,3 km/h . a) Para meia volta, o deslocamento escalar de Nina e José foi de πR.
Como se trata de um movimento uniforme, temos que:
b) No repouso (velocidade 0 km/h) o volume consumido, conforme
mostrado no gráfico, será de 0,2 /min. Como a cada litro consumido ∆s πR 3 ⋅ 20
são gastas 5 kcal, a energia consumida por minuto será: v= = ≈ ⇔ v = 4 m/s
∆t ∆t 15
E 0,2ℓ 5 kcal
P= = ⋅ = 1 kcal / min
∆t min ℓ b) A aceleração radial (ou centrípeta) é dada pela equação:
Por fim, a energia gasta será:
1 kcal v 2 42
E = P ⋅ ∆t = ⋅ 12 ⋅ 60min = 720 kcal aR = aCP = = ⇔ aR = 0,8 m/s2
min R 20

c) Observando atentamente o gráfico, podemos perceber que a curva c) Para resolver este problema, vamos fazer o diagrama de corpo livre
que indica a corrida não passa pelos cruzamentos entre as linhas de para cada um dos dois integrantes da roda gigante. A seguir, estão
referência. Para encontrar o valor correspondente a 15 km/h podemos representadas as duas forças que atuam sobre Nina e José, que são o
usar os pontos extremos: peso (vertical para baixo) e a força normal aplicada pela cadeira
6 km/h → 1,6 /min e 17 km/h → 4,0 /min (vertical para cima) em cada caso.

5
(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE FUVEST 2012 – SEGUNDA FASE – CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

 O símbolo ● representa o ponto de ligação entre dois fios.


NN Resolução
a) A relação entre potência e energia é dada por:

E
P= ⇔ E = P ⋅ ∆t
∆t

FRES  Com isso, as energias consumidas pelos aparelhos são:
PN
Aquecedor: E Aq = 990 W ⋅ 3h
Ferro: EF e = 980 W ⋅ 3h
L1 e L2: EL1 = EL 2 = 60 W ⋅ 3h
  12
FRES NJ Chuveiro: Ech = 4400 W ⋅ h = 880 Wh
60

Somando os valores, a energia total consumida será:

ET = E Aq + EF e + 2 ⋅ EL1 + Ech =

 = ( 990 + 980 + 2 ⋅ 60 ) ⋅ 3 + 880 = 7150 Wh = 7,15 kWh


PJ
b) De acordo como o “Note e Adote”, as tensões entre as fases e o
Note que como a resultante centrípeta deve apontar para o centro da
neutro deverão ser de 110 V, enquanto a diferença de tensão entre as
circunferência, isso significa que tal resultante será vertical para baixo
fases deve ser de 220 V. Simplificando a análise para corrente
em Nina e vertical para cima em José. Assim, fazemos:
contínua, para que isso aconteça, um sistema coerente com essas
relações entre os potenciais é dado pelas equações:
FRES = FCP = PN − NN (Nina) M ⋅ a = MN ⋅ g − NN
 ⇔ N R ⇔
F
 RES = F = N − P (José) MJ ⋅ aR = NJ − MJ ⋅ g
CP J J
ef 1 − ef 2 = 220 V

 ef 1 − en = 110 V
NN = MN ⋅ ( g − aR ) = 60 ⋅ (10 − 0,8 ) NN = 552 N  e − e = 110 V
 ⇔   n f2
NJ = MJ ⋅ ( g + aR ) = 70 ⋅ (10 + 0,8 ) NJ = 756 N
Se considerarmos o potencial do neutro como referencial, com valor
QUESTÃO 03
A figura abaixo representa, de forma esquemática, a instalação igual a 0 V, as outras fases serão: ef 1 = +110 V , ef 2 = −110 V . Note
elétrica de uma residência, com circuitos de tomadas de uso geral e que esses valores poderiam se alterar se mudássemos a referência ou
circuito específico para um chuveiro elétrico. o sistema de equações. O circuito redesenhado para incluir essas
tensões e as correntes está abaixo:

As fontes internas ao quadro de distribuição não existem na realidade,


servindo apenas para indicar os potenciais.
O terra foi retirado, pois seu propósito em circuitos reais não é de
alimentar aparelhos, mas servir de referência de tensão e correção de
variações. A inclusão do terra na análise não é possível pois as
relações entre ele e as outras conexões e seu nível de tensão em
relação ao neutro não foram explicitados. O “Note e Adote” deveria ter
explicitado o tratamento a ser dado ao terra de modo a evitar
confusões por parte do candidato.
Nessa residência, os seguintes equipamentos permaneceram ligados As correntes que atravessam os aparelhos podem ser calculadas pela
durante 3 horas a tomadas de uso geral, conforme o esquema da relação:
figura: um aquecedor elétrico (Aq) de 990 W, um ferro de passar
roupas de 980 W e duas lâmpadas, L1 e L2, de 60 W cada uma. P
P =U ⋅i ⇔ i =
Nesse período, além desses equipamentos, um chuveiro elétrico de U
4400 W, ligado ao circuito específico, como indicado na figura,
funcionou durante 12 minutos. Para essas condições, determine Assim, as correntes para cada aparelho são:
a) a energia total, em kWh, consumida durante esse período de 3
horas; 990 W
Aquecedor: i Aq = = 9A
b) a corrente elétrica que percorre cada um dos fios fase, no circuito 110 V
primário do quadro de distribuição, com todos os equipamentos, 980 W
inclusive o chuveiro, ligados; Ferro: i F e =
110 V
c) a corrente elétrica que percorre o condutor neutro, no circuito
primário do quadro de distribuição, com todos os equipamentos, 60 W
L1 e L2: i L1 = i L 2 =
inclusive o chuveiro, ligados. 110 V
NOTE E ADOTE 4400 W
Chuveiro: i ch = = 20 A
A tensão entre fase e neutro é 110 V e, entre as fases, 220 V. 220 V
Ignorar perdas dissipativas nos fios.

6
(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE FUVEST 2012 – SEGUNDA FASE – CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

A corrente que passa pela fase 1 inclui as correntes do aquecedor e C C'


do chuveiro, sendo dada por: E1
o o'
i f 1 = i Aq + i ch = 9 + 20 = 29 A

Na fase 2 estão ligadas as lâmpadas, o ferro e o chuveiro, de modo


que a corrente dessa fase será: E2

980 + 2 ⋅ 60
i f 2 = i F e + 2 ⋅ i L1 + i ch = + 20 = 30 A
110 P A P'
c) Aplicando a lei de Kirchhoff ao nó entre as fontes, temos que:
Obs.: Note que, como afirmado no enunciado, o tamanho y do
if 2 = if 1 + in ⇔ i n = if 2 − if 1 espelho é o tamanho mínimo. Entretanto note que o raio representado
não “toca” a extremidade inferior do espelho, caracterizando uma
imprecisão do desenho fornecido na prova.
Substituindo os valores do item (b), chegamos a: b) Na figura da questão anterior estão representados dois triângulos
hachurados, o triângulo OP'C' e OE2E1. Por semelhança de triângulos,
i n = i f 2 − i f 1 = 30 − 29 = 1A encontramos que:
y H
=
Comentários: As instalações elétricas utilizam corrente alternada, d 2d
sendo que a defasagem entre as tensões é de 120º, em vez dos 180º Isolando H obtemos: H = 2y .
utilizados na questão, de forma que as tensões entre fase e neutro
valem 127 V e a tensão entre fases vale 220 V. Também não se fala Substituindo o y dado, encontramos H = 2 m .
em tensões positivas e negativas, já que as polaridades se invertem. c) Da mesma forma que no exercício anterior, podemos fazer uma
O valor de tensão do neutro pode variar, devido à sua resistência e às semelhança de triângulos entre os triângulos PP'O e P'AE2,
correntes que o atravessam, sendo que apenas o terra serve de encontramos a relação:
verdadeiro referencial 0 V. Y h
=
As fontes desenhadas representam, de forma simplificada, todo o d 2d
sistema de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica,
Isolando Y encontramos a relação Y = h , que ao substituir h nos
cuja dinâmica não é tão estável como uma fonte de tensão contínua. 2
fornece Y = 0,8 m .
QUESTÃO 04
Um rapaz com chapéu observa sua imagem em um espelho plano e d) Utilizando do resultado obtido nos itens b e c (que H = 2y e que
vertical. O espelho tem o tamanho mínimo necessário, y = 1,0 m, para Y = h / 2 ), vemos que H e Y não dependem da distância d, assim
que o rapaz, a uma distância d = 0,5 m, veja a sua imagem do topo do independente do valor de d os valores de y' e de Y' são os mesmos,
chapéu à ponta dos pés. A distância de seus olhos ao piso horizontal é assim:
h = 1,60 m. A figura da página de resposta ilustra essa situação e, em y ' = 1 m e Y ' = 0,8 m
linha tracejada, mostra o percurso do raio de luz relativo à formação
da imagem do ponto mais alto do chapéu. QUESTÃO 05
a) Desenhe, na figura da página de resposta, o percurso do raio de luz Um ciclista pedala sua bicicleta, cujas rodas
relativo à formação da imagem da ponta dos pés do rapaz. completam uma volta a cada 0,5 segundo. Em
b) Determine a altura H do topo do chapéu ao chão. contato com a lateral do pneu dianteiro da
c) Determine a distância Y da base do espelho ao chão. bicicleta, está o eixo de um dínamo que
d) Quais os novos valores do tamanho mínimo do espelho (y’) e da alimenta uma lâmpada, conforme a figura ao
distância da base do espelho ao chão (Y’) para que o rapaz veja sua lado. Os raios da roda dianteira da bicicleta e
imagem do topo do chapéu à ponta dos pés, quando se afasta para do eixo do dínamo são, respectivamente,
uma distância d’ igual a 1 m do espelho? R = 50 cm e r = 0,8 cm. Determine
a) os módulos das velocidades angulares ωR
NOTE E ADOTE
O topo do chapéu, os olhos e a ponta dos pés do da roda dianteira da bicicleta e ωD do eixo do dínamo, em rad/s;
rapaz estão em uma mesma linha vertical. b) o tempo T que o eixo do dínamo leva para completar uma volta;
c) a força eletromotriz ε que alimenta a lâmpada quando ela está
FOLHA DE RESPOSTAS operando em sua potência máxima.
NOTE E ADOTE
π =3
O filamento da lâmpada tem resistência elétrica de 6 Ω
quando ela está operando em sua potência máxima de
24 W.
Considere que o contato do eixo do dínamo com o pneu se
dá em R = 50 cm.
Resolução
a) A velocidade angular da roda ωR pode ser calculada pela equação:

ωR =
TR
Onde TR é o período de rotação da roda (0,5 s). Substituindo os
dados nesta equação encontramos ωR = 12 rad/s .
Resolução Como a roda permanece em contato com o eixo do dínamo, então a
a) Observe a figura a seguir (a utilizaremos para todos os itens desta velocidade escalar de ambos são iguais, assim:
questão). O raio pedido está representado com uma seta que aponta a ω ⋅R
v R = v D ⇒ ωR ⋅ R = ωD ⋅ r ⇒ ωD = R
direção do raio luminoso, saindo do pé (ponto P) e atingindo o olho no r
ponto O. Substituindo os dados, encontramos ωD = 750 rad/s .

7
(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE FUVEST 2012 – SEGUNDA FASE – CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

b) Para o dínamo, podemos utilizar a equação QUÍMICA



ωD = QUESTÃO 01
TD
Ao misturar acetona com bromo, na presença de ácido, ocorre a
Isolando TD e substituindo os dados, encontramos:
transformação representada pela equação química
2π 2⋅3
TD = ⇒ TD = ⇒ TD = 8 ⋅ 10 −3 s O
ωD 750 O
H+ + HBr
c) Utilizando a equação da potência: C + Br2 C
H3C CH3 H3C CH2Br
ε2
P = ε⋅i ⇒ P = ⇒ ε = P ⋅R
R Dentre as substâncias presentes nessa mistura, apenas o bromo
Substituindo os dados do enunciado, encontramos: possui cor e, quando este reagente for totalmente consumido, a
solução ficará incolor. Assim sendo, a velocidade da reação pode ser
ε = 24 ⋅ 6 ⇒ ε = 12 V
determinada medindo-se o tempo decorrido até o desaparecimento da
QUESTÃO 06 cor, após misturar volumes definidos de soluções aquosas de acetona,
Em um laboratório de física, estudantes fazem um experimento em ácido e bromo, de concentrações iniciais conhecidas. Os
que radiação eletromagnética de comprimento de onda λ = 300 nm resultados de alguns desses experimentos estão na tabela
incide em uma placa de sódio, provocando a emissão de elétrons. Os apresentada na página de resposta.
elétrons escapam da placa de sódio com energia cinética máxima a) Considerando que a velocidade da reação é dada por
Ec = E − W , sendo E a energia de um fóton da radiação e W a energia concentração de Br2
,
mínima necessária para extrair um elétron da placa. A energia de cada tempo para desaparecimento da cor
fóton é E = hf , sendo h a constante de Planck e f a frequência da complete a tabela apresentada na página de resposta.
radiação. Determine b) A velocidade da reação é independente da concentração de uma
a) a frequência f da radiação incidente na placa de sódio; das substâncias presentes na mistura. Qual é essa substância?
b) a energia E de um fóton dessa radiação; Justifique sua resposta.
c) a energia cinética máxima Ec de um elétron que escapa da placa de
sódio; FOLHA DE RESPOSTAS
d) a frequência f0 da radiação eletromagnética, abaixo da qual é a)
impossível haver emissão de elétrons da placa de sódio. Expe Concentra Concentra Concentr Tempo Velocid
NOTE E ADOTE rime ção inicial ção inicial ação decorrid ade da
Velocidade da radiação eletromagnética: c = 3 x 108 nto de de H+ inicial de o até o reação
m/s. acetona (mol L-1) Br2 desapar (mol L-1
1 nm = 10-9 m. (mol L-1) (mol L-1) eciment s-1)
h = 4 x 10-15 eV ⋅ s. o da cor
W (sódio) = 2,3 eV. (s)
1 eV = 1,6 x 10-19 J. 1 0,8 0,2 6,6 x10-3 132
2 1,6 0,2 6,6 x10-3 66
Resolução 3 0,8 0,4 6,6 x10-3 66
a) Substituindo na equação da ondulatória 4 0,8 0,2 3,3 x10-3 66
v = λ ⋅f Resolução
Com v = c sendo a velocidade de propagação da onda a) A tabela apresenta a coluna referente a velocidade da reação de
eletromagnética, encontramos: cada experimento incompleta. Para se obter estas velocidades, deve-
v 3 ⋅ 108 15
se, para cada experimento, calcular a razão:
v = λ⋅f ⇒ f = ⇒ f = ⇒ f = 1⋅ 10 Hz
λ 300 ⋅ 10 −9
b) Para encontrarmos a energia, basta substituirmos na equação dada concentração de Br2
no enunciado: E = hf . Isto é, tempo para desaparecimento da cor
( ) ( )
E = 4 ⋅ 10 −15 ⋅ eV ⋅ s ⋅ 1015 Hz ⇒ E = 4 eV
conforme orienta o enunciado deste item. Chamaremos de v1, v2, v3 e
c) A energia cinética máxima é encontrada utilizando-se da outra v4 as velocidades dos experimentos 1, 2, 3 e 4 respectivamente, e os
equação dada no enunciado Ec = E – W. Substituindo os dados: valores de concentração de Br2 e de tempo para desaparecimento da
EC = E − W = 4 − 2,3 ⇒ EC = 1,7 eV cor para cada experimento são obtidos da tabela.
d) A frequência de corte é tal que a energia cinética do elétron ejetado
Experimento 1 Experimento 2
é mínima, isto é, EC = 0 ⇒ E − W = 0 ⇒ E = W .
6,6 x 10 −3 6,6 x 10 −3
Substituindo a equação da energia nesta equação: v1 = = 5 x 10 −5 mol L-1 s-1 v2 = =1x 10−4 mol L-1 s-1
132 66
W
h ⋅ f0 = W ⇒ f0 =
h Experimento 3 Experimento 4
Substituindo os dados, encontramos a frequência de corte (ou
6,6 x 10−3 3,3 x 10−3
frequência mínima): v3 = =1x 10 −4 mol L-1 s-1 v4 = = 5 x 10−5 mol L-1 s-1
2,3 66 66
f0 = ⇒ f0 = 5,75 ⋅ 1014 Hz
4 ⋅ 10−15 Assim, a tabela completa ficará da seguinte forma:
Expe Concentra Concentra Concentr Tempo Velocid
rime ção inicial ção inicial ação decorrid ade da
nto de de H+ inicial de o até o reação
acetona (mol L-1) Br2 desapar (mol L-1
(mol L-1) (mol L-1) eciment s-1)
o da cor
(s)
1 0,8 0,2 6,6 x10-3 132 5x10-5
2 1,6 0,2 6,6 x10-3 66 1x10-4
3 0,8 0,4 6,6 x10-3 66 1x10-4
4 0,8 0,2 3,3 x10-3 66 5x10-5

8
(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE FUVEST 2012 – SEGUNDA FASE – CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

b) A velocidade da reação é independente da concentração de Br2. 33


Pode-se concluir isto comparando-se o experimento 1 com o
experimento 4. Percebe-se que entre estes dois experimentos apenas
32
a concentração de Br2 é alterada, enquanto a concentração de
acetona e de H+ permanecem constantes. Como as velocidades dos
31
experimentos 1 e 4 são iguais, isto significa que uma mudança apenas
na concentração de Br2 não interfere na velocidade da reação, ou
seja, a velocidade da reação não depende da concentração de Br2. 30

QUESTÃO 02 29

Temperatura (ºC)
Um aluno efetuou um experimento para avaliar o calor envolvido na
reação de um ácido com uma base. Para isso, tomou 8 tubos de 28

ensaio e a cada um deles adicionou 50 mL de uma mesma solução


aquosa de HCℓ e diferentes volumes de água. Em seguida, 27

acondicionou esses tubos em uma caixa de isopor, para minimizar


trocas de calor com o ambiente. A cada um desses tubos, foram 26

adaptados uma rolha e um termômetro para medir a temperatura


máxima atingida pela respectiva solução, após o acréscimo rápido de 25

volumes diferentes de uma mesma solução aquosa de NaOH. O


volume final da mistura, em cada tubo, foi sempre 100 mL. Os 24
resultados do experimento são apresentados na tabela.
23
Tubo Volume de Volume de Volume de Temperatura 0 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50

HCℓ (aq) H2O (mL) NaOH (aq) máxima (ºC) Volume de NaOH adicionado(mL)

(mL) (mL)
b) A reação que ocorre entre o ácido e a base libera calor, ou seja, é
1 50 50 0 23,0 uma reação exotérmica. Isto pode ser verificado pelo fato de o tubo 1
2 50 45 5 24,4 possuir apenas o ácido e apresentar temperatura de 23 ºC. Nos outros
3 50 40 10 25,8 tubos, quando certa quantidade de base é adicionada ao ácido, a
4 50 35 15 27,2 temperatura da solução aumenta, pois o calor liberado pela reação é
5 50 30 20 28,6 absorvido pela solução, fazendo a temperatura da mesma aumentar.
6 50 25 25 30,0 c) Primeiramente devemos perceber que o ponto estequiométrico da
7 50 20 30 30,0 reação (ponto em que todo o ácido é neutralizado pela base) se dá
8 50 15 35 30,0 quando o volume de NaOH adicionado é 25 mL, pois neste ponto
temos o menor volume de base necessário para que a temperatura
a) Construa um gráfico, no quadriculado apresentado na página de máxima dentre todos os dados apresentados fosse obtida. A partir
resposta, que mostre como a temperatura máxima varia em função do deste ponto, a temperatura permanece a mesma, mesmo que o
volume de solução aquosa de NaOH acrescentado. volume de base adicionado seja maior, indicando que há adição de
excesso de base, uma vez que não ocorre mais neutralização do
b) A reação do ácido com a base libera ou absorve calor? Justifique ácido, já que a temperatura para de aumentar a partir daí.
sua resposta, considerando os dados da tabela. Considerando a reação entre o HCl e o NaOH abaixo:
HCl ( aq ) + NaOH( aq ) → H2O( ℓ ) + NaCl( aq )
c) Calcule a concentração, em mol ⋅ L−1 , da solução aquosa de HCℓ , Percebemos que a proporção estequiométrica entre o ácido e a base é
sabendo que a concentração da solução aquosa de NaOH utilizada de 1:1, ou seja, o número de mols do ácido (nác) é igual ao número de
era 2,0 mol ⋅L−1 . mols da base (nb). Como o número de mols pode ser escrito em
função da concentração e do volume ( n = C ⋅ V ) , temos:
FOLHA DE RESPOSTAS nác = nb ⇒ Các × Vác = Cb × Vb
a)
Các × 50mL = 2mol ⋅ L-1 × 25mL ⇒ Các = 1 mol ⋅L-1

QUESTÃO 03
Peptídeos são formados por sequências de aminoácidos, como
exemplificado para o peptídeo a seguir:

Para identificar os dois primeiros aminoácidos desse peptídeo e


também a sequência de tais aminoácidos, foram efetuadas duas
reações químicas. Na primeira reação, formaram-se uma hidantoína e
um novo peptídeo com um aminoácido a menos. Esse novo peptídeo
foi submetido a uma segunda reação, análoga à anterior, gerando
Resolução outra hidantoína e outro peptídeo:

a) Para a construção do gráfico representamos os valores de volume


de NaOH (em mL) adicionado no eixo das abscissas e os valores de
temperatura (em ºC) no eixo das ordenadas. A escala foi escolhida de
forma a dar melhor visualização ao gráfico e assim, cada quadrinho no
eixo das abscissas representa a variação de 5 mL enquanto que o
mesmo quadrinho no eixo das ordenadas representa a variação de
1 ºC.

9
(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE FUVEST 2012 – SEGUNDA FASE – CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

O mesmo tipo de reação foi utilizado para determinar a sequência de QUESTÃO 04


aminoácidos em um outro peptídeo de fórmula desconhecida, que é
formado por apenas três aminoácidos. Para tanto, três reações foram
realizadas, formando-se três hidantoínas, na ordem indicada na
página de resposta.
Preencha a tabela da página de resposta, escrevendo
a) as fórmulas dos três aminoácidos que correspondem às três
respectivas hidantoínas formadas;
b) a fórmula estrutural do peptídeo desconhecido formado pelos três
aminoácidos do item a).
FOLHA DE RESPOSTAS Uma estudante de Química realizou um experimento para investigar
as velocidades de difusão dos gases HCℓ e NH3 . Para tanto, colocou,
simultaneamente, dois chumaços de algodão nas extremidades de um
tubo de vidro, como mostrado na figura acima. Um dos chumaços
estava embebido de solução aquosa de HCℓ (g), e o outro, de solução
aquosa de NH3 (g). Cada um desses chumaços liberou o respectivo
gás. No ponto de encontro dos gases, dentro do tubo, formou-se, após
10s, um anel de sólido branco ( NH4Cℓ ), distante 6,0cm do chumaço
que liberava HCℓ (g).
a) Qual dos dois gases, desse experimento, tem maior velocidade de
difusão? Explique.
b) Quando o experimento foi repetido a uma temperatura mais alta, o
anel de NH4Cℓ (s) se formou na mesma posição. O tempo necessário
para a formação do anel, a essa nova temperatura, foi igual a, maior
ou menor do que 10s? Justifique.
c) Com os dados do experimento descrito, e sabendo-se a massa
Resolução
molar de um dos dois gases, pode-se determinar a massa molar do
a) Ao analisarmos com cuidado a reação do enunciado é possível
outro. Para isso, utiliza-se a expressão
identificar nos produtos das reações, a parte proveniente do
aminoácido (pontilhada na figura abaixo) e a parte proveniente do velocidade de difusão do NH3 (g) massa molar do HCℓ
=
composto aromático, como ilustra a figura: velocidade de difusão do HCℓ (g) massa molar do NH3
Primeira reação: Considere que se queira determinar a massa molar do HCℓ . Caso o
algodão embebido de solução aquosa de NH3 (g) seja colocado no
O
H
O tubo um pouco antes do algodão que libera HCℓ (g) (e não
H2N
N
N R + S simultaneamente), como isso afetará o valor obtido para a massa
C N
H
N molar do HCℓ ? Explique.
O NH
Resolução
S
a) O anel branco formando no tudo ( NH 4Cℓ ) é o produto da reação
Segunda Reação:
entre o gás amônia e o cloreto de hidrogênio:
HCℓ ( g ) + NH3( g ) → NH4Cℓ ( s )
O
Sendo assim o anel branco no tubo marca o ponto onde o gás amônia
H
N R + S N
se encontrou com o gás cloreto de hidrogênio. Como os algodões
H2N C foram colocados simultaneamente no tubo, os gases amônia e cloreto
N NH
O de hidrôgenio deslocaram-se 9,0cm e 6,0cm, respectivamente, em um
S
mesmo período detempo. Desta forma conclui-se que a velocidade de
Dessa forma podemos completar a tabela da seguinte maneira: difusão da amônia gasosa é maior que a do cloreto de hidrogênio.
Hidantoína
O O O b) Em uma temperatura maior, o tempo necessário para a formação
C H
N
C
CH
C
2
N CH
CH3 C H2
C do anel foi menor, pois, em uma maior temperatura, a energia cinética
N CH
NH NH
NH
OH das partículas gasosas é maior, aumentando assim a velocidade de
S S
difusão dos dois gases. O anel se forma na mesma posição devido ao
primeira segunda S
terceira aumento relativo das velocidades de difusão ser igual para ambos os
hidantoína hidantoína
hidantoína gases.
O O O
Aminoácido OH c) Se o algodão que contém amônia for colocado um pouco antes do
H2
HO
C
C HO
C
CH3 C
CH2
que o algodão que contem o HCl, isso implicaria em uma velocidade
CH CH HO CH aparente de difusão da amonia maior que a real, pois o periodo de
H2N H 2N
H2N tempo medido para a formação do anel será menor que o real, ou
(alanina) (serina) seja, menor do que aquele quando os dois algodões são colocados
(fenilalanina)
b) O peptídeo formado será a combinação dos 3 aminoácidos na simultaneamente.
ordem descrita no enunciado. Lembrando que o peptídeo é formado Dessa forma, isolando a massa molar do HCl (aqui chamada de MHC ℓ )
pela reação entre um ácido carboxílico e uma amina, formando uma na expressão fornecida pelo exercício, temos:
amida, o peptídeo em questão é:
velocidade de difusão do NH3 (g) massa molar do HCℓ
= ⇔
velocidade de difusão do HCℓ (g) massa molar do NH3
2
 velocidade de difusão do NH3 (g) 
  × MNH3 = MHC ℓ
OH  velocidade de difusão do HCℓ (g) 
O Colocando-se do algodão com HCl no tubo antes do algodão com
H NH3, o ponto de formação do NH4Cl será mais distante do algodão
N OH com HCl, dando a impressão de que o HCl se difundiu mais
H2N N rapidamente do que ele realmente se difunde. Esse aumento na
H velocidade calculada implicará a obtenção de um valor de massa
O CH3 O molar do HCl maior do que ele realmente é, como mostrado na
fórmula acima.

10
(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE FUVEST 2012 – SEGUNDA FASE – CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

QUESTÃO 05 O
Dois tipos de reação, bastante utilizados na síntese e transformação CH3
de moléculas orgânicas, são: CH3
• Ozonólise - reação química em que cada carbono da ligação dupla
de um composto orgânico forma uma ligação dupla com oxigênio, O
como exemplificado: C H3C C D
CH3
1) O3 CH3 (I)
2) Zn/ácido acético
H H3C
H 3C CH3 H3C + O
B
CH3
H O C
O
• Condensação aldólica - reação química em que dois compostos
carbonílicos se unem e perdem água, formando um novo composto b) No enunciado é descrita a reação de condesção aldolicas, onde
carbonílico com uma ligação dupla adjacente ao grupo carbonila, observamos:
como exemplificado:
O O O CH3 O O O CH3
+ KOH(aq) + KOH(aq)
CH3 CH3 + H2O CH3 CH3 + H2O
H3C CH3 H3C H3C H3C CH3 H3C H3C

Em 1978, esses dois tipos de reação foram utilizados na síntese do


hormônio progesterona, de acordo com a sequência abaixo, em que A’ Fazendo-se o mesmo processo no produto da reação do item a e
e A identificam, respectivamente, partes das fórmulas estruturais dos observando que o enunciado descreve: “A é um anel constituído por 6
produtos I e II, cujas representações, ao abaixo, não estão completas. átomos de carbono, e que o anel B não possui grupo carbonila”,
O O
CH3 CH3
podemos destacar as partes da molécula envolvidas na reação:
CH3 CH3
O
Etapa 1 CH3
H3C H3C C D
CH3
1) O3 (I)
2) Zn/ácido acético O
A' B
C H3C C D

H3C Etapa 2 H3C


KOH(aq) B
O C
CH3 O
CH3

E teremos a segunda representação solicitada:


H3C C D O
(II) CH3
B CH3
A

Na página de resposta, complete as fórmulas estruturais H3C C D


a) do composto I; (II)
b) do composto II, em que A é um anel constituído por 6 átomos de
carbono, e em que o anel B não possui grupo carbonila. B
FOLHA DE RESPOSTAS C C
O
a) b) KO
O O
CH3 QUESTÃO 06
CH3
CH3 CH3 A determinação da carga do
elétron pode ser feita por
H3C C D H3C C D método eletroquímico,
(I) (II) utilizando a aparelhagem
B A B representada na figura ao
A'
lado.
Duas placas de zinco são
Resolução mergulhadas em uma
a) Na etapa 1 ocorre a reação de ozonólise (exemplificada no solução aquosa de sulfato
enunciado) onde a dupla ligação é rompida. de zinco (ZnSO4). Uma das
O placas é conectada ao polo positivo de uma bateria. A corrente que flui
CH3 pelo circuito é medida por um amperímetro inserido entre a outra placa
CH3 de Zn e o polo negativo da bateria. A massa das placas é medida
antes e depois da passagem de corrente elétrica por determinado
tempo. Em um experimento, utilizando essa aparelhagem, observou-
H3C se que a massa da placa, conectada ao polo positivo da bateria,
diminuiu de 0,0327 g. Este foi, também, o aumento de massa da placa
conectada ao polo negativo.
a) Descreva o que aconteceu na placa em que houve perda de massa
C e também o que aconteceu na placa em que houve ganho de massa.
C b) Calcule a quantidade de matéria de elétrons (em mol) envolvida na
variação de massa que ocorreu em uma das placas do experimento
H3C descrito.
c) Nesse experimento, fluiu pelo circuito uma corrente de 0,050 A
Dupla que vai sofrer reação durante 1920 s. Utilizando esses resultados experimentais, calcule a
carga de um elétron.
Forma-se, nesse caso, duas novas carbonilas e, dessa forma, a Dados: massa molar do Zn = 65,4 g mol-1
representação solicitada é a seguinte: constante de Avogadro = 6,0 x 1023 mol-1

11
(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE FUVEST 2012 – SEGUNDA FASE – CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Resolução BIOLOGIA
a) Na placa em que houve perda de massa ocorreu oxidação do zinco
metálico. Esta oxidação pode ser descrita pela seguinte equação de QUESTÃO 01
semi-reação: O sangue transporta o gás oxigênio ( O2 ) para os tecidos e remove
Zn( s ) → Zn(2aq+ ) + 2 e − deles o dióxido de carbono ( CO2 ), produto residual do metabolismo.
Nesta oxidação, cada átomo de zinco metálico da barra perde 2 a) Cada molécula de hemoglobina nas hemácias pode transportar até
elétrons, convertendo-se em um cátion do metal zinco, que é quatro moléculas de O2 . Ordene os vasos sanguíneos – veia
transferido para a solução aquosa, causando diminuição de massa da
barra metálica. pulmonar, artéria pulmonar e capilares da circulação sistêmica, de
acordo com a concentração de hemoglobina saturada de O2 neles
Na placa em que houve aumento de massa ocorreu depósito de zinco encontrada, da maior para a menor concentração. Justifique sua
metálico sobre a mesma, devido à redução de cátions de zinco da resposta.
solução aquosa. Esta redução pode ser descrita pela seguinte b) Cerca de 5% do CO2 produzido nos tecidos é transportado em
equação de semi-reação:
solução, no plasma sanguíneo. Como o restante do CO2 é
Zn(2aq+ ) + 2 e − → Zn( s )
transportado dos tecidos para os pulmões?
Neste processo de redução, cada cátion de zinco da solução recebe 2 Resolução
elétrons formando zinco metálico que se deposita sobre a barra, a) Para a resolução desta questão, o candidato deveria se lembrar
causando o aumento de massa da mesma. que, dos vasos mencionados no enunciado, a veia pulmonar é a única
veia, nos humanos adultos, que transporta sangue arterial, rico em O2,
b) A quantidade de matéria em mol pode ser calculada pela expressão dos pulmões para o coração. A artéria pulmonar também consiste em
m uma exceção, a única artéria no humano adulto que transporta sangue
n= onde m é a variação da massa de zinco sofrida por uma barra
M venoso, rico em CO2, do coração para os pulmões. Os capilares
mencionados, da circulação sistêmica, são aqueles que irrigam os
e M é a massa molar do zinco, que vale 65,4 g ⋅ mol −1
0,0327 g tecidos do corpo. A partir deles ocorrem as trocas de gases entre os
n= = 5 ×10−4 mol tecidos e o sangue. Com isso, o sangue que passa por esses
65,4 g ⋅ mol −1 capilares tem, ao longo do trajeto, um decréscimo progressivo da
concentração de O2, que está se difundindo para os tecidos, e um
c) Para se calcular a carga de 1 elétron, devemos primeiramente acréscimo progressivo da concentração de CO2, que se difunde dos
calcular a carga total (Q) em Coulombs envolvida na eletrólise, tecidos para o sangue no capilar.
sabendo que Q = i ×∆t , onde i é a corrente elétrica em àmpere e ∆t Com isso, a ordenação correta, da maior para a menor concentração
de hemoglobina saturada com O2, apontada pelo candidato, deveria
é a variação de tempo em segundos. ser veia pulmonar → capilares da circulação sistêmica → artéria
Q = 0,050 ×1920 = 96 C pulmonar.
Através de qualquer uma das semi-reações, percebe-se que a b) O CO2 pode ser transportado no sangue de três maneiras
proporção estequiométrica entre a quantidade de matéria de zinco e diferentes:
elétrons é de 1:2 respectivamente. Sendo assim, para a quantidade 1. cerca de 5% encontra-se diluído no plasma sanguíneo, como
mencionado pelo enunciado;
total de Zinco oxidada (ou reduzida), que é igual a 5 ×10−4 mol , temos: 2. cerca de 10% encontra-se associado às moléculas de
hemoglobina, formando um complexo chamado carboemoglobina
1 mol Zn 2 mol de elétrons (ou carbaminoemoglobina) no interior das hemácias. Uma vez que a
5 x 10−4 mol Zn x afinidade entre a hemoglobina e o O2 é afetada pelo pH do meio, num
ambiente rico em CO2 (e com um pH consequentemente baixo, veja
x = 10−3 mol de elétrons abaixo) há menos hemoglobina ligada ao oxigênio. Com isso, pode
ocorrer a ligação entre hemoglobina e CO2 e a consequente formação
Dessa forma, a carga total de 96 coulombs calculada anteriormente de carboemoglobina.
refere-se a 10-3 mol de elétrons. Para se calcular a carga de 1 elétron, 3. O restante (cerca de 85% do CO2) é transportado também no
pode-se fazer: plasma, mas na forma de íons bicarbonato (HCO3-). A conversão do
96C 10−3 mol × 6 × 1023 elétron ⋅ mol −1 CO2 em HCO3- ocorre no interior das hemácias, em cujo interior
encontra-se a enzima anidrase carbônica. Em altas concentrações de
y 1 elétron CO2, a anidrase carbônica catalisa sua reação com a água, que leva à
Dessa forma, a carga do elétron é obtida como y = 1,6 ⋅ 10 −19 C formação de ácido carbônico:
H2O + CO2 → H2CO3
Ocorre, então, a dissociação do ácido carbônico, diminuindo o pH no
interior da hemácia:
H2CO3 → H + + HCO3 −
Os íons bicarbonato formados difundem-se, então, do interior das
hemácias para o plasma.
Uma vez nos pulmões, as reações acima são revertidas. Com isso,
ocorre a reconversão do bicarbonato em CO2 e, assim, o dióxido de
carbono, agora em alta concentração, pode se difundir do sangue para
o ar no interior dos alvéolos pulmonares.
QUESTÃO 02

12
(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE FUVEST 2012 – SEGUNDA FASE – CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

c) Cerca de sete a oito dias após a ovulação, o embrião se implanta


no endométrio do útero. Esse processo culmina na formação da
placenta decorrente da diferenciação das células do trofoblasto, que
compõem a porção fetal da placenta, e das células endometriais, que
originam a porção materna da placenta.
Durante a diferenciação do trofoblasto, o córion, derivado deste tecido,
produz gonadotrofina coriônica, que mantém o corpo lúteo ativo,
mantendo estáveis os níveis de progesterona. Com a formação da
As figuras acima mostram os ciclos ovariano e uterino e as variações porção materna da placenta, esta continuará produzindo gonadotrofina
dos hormônios hipofisários relacionadas com esses ciclos, na mulher. coriônica temporariamente, além de estrógenos e progesterona até o
Em cada figura, a representação dos eventos se inicia em tempos final da gravidez. Os altos níveis de hormônios placentários reprimem
diferentes. As figuras estão reproduzidas na página de resposta. a produção de FSH e LH pela hipófise anterior por feedback negativo.
a) Nas linhas horizontais abaixo das figuras A e B, indique, com a letra
M, o início da menstruação. QUESTÃO 03
b) Na linha horizontal abaixo da figura C, indique, com a letra O, o A figura A abaixo mostra o par de cromossomos sexuais humanos X e
momento da ovulação. Y. Esses cromossomos emparelham-se na meiose, apenas pelos
c) Na gravidez, o que ocorre com a produção dos hormônios segmentos homólogos que possuem nas extremidades de seus
representados na figura C? braços curtos. Ocorre permuta entre esses segmentos.
Resolução
O primeiro dia da menstruação é considerado como o início do ciclo
menstrual feminino, por convenção. Neste momento, o endométrio
sofre um processo de descamação, ocasionado pela queda dos
hormônios estrógeno e progesterona.
A diminuição da concentração desses dois hormônios leva ao
aumento da produção dos hormônios hipofisários FSH e LH. Desta
forma, o hormônio folículo estimulante (FSH) irá atuar no ovócito
proporcionando a sua maturação e produção de estrógeno pelas
células foliculares que envolvem o ovócito. Esse hormônio, além de
atuar no endométrio causando proliferação de células, irá alimentar a
produção de LH que atinge seu pico cerca de dois dias antes da
ovulação.
Após a ovulação, as células foliculares, que permanecem no ovário, se No heredograma (figura B), os indivíduos I-1 e II-2 são afetados por
transformam, por ação do LH, no corpo lúteo, que produz estrógeno e uma doença que tem herança dominante ligada ao X.
progesterona, sendo esta última em maior escala. A progesterona irá
agir no tecido endometrial, principalmente na produção de glândulas,
finalizando a preparação deste tecido para receber o embrião.
Caso não ocorra a fecundação, a taxa de estrógeno diminui e a
concentração de progesterona abaixa devido à degeneração do corpo
lúteo. Seguindo a queda dos dois hormônios, o endométrio descama,
iniciando a menstruação e um novo ciclo.
Dessa forma, seguem resolução:
a)
a) Desenhe os cromossomos sexuais de I-1 e II-2, representando-os
como aparecem na figura A.
b) Indique os genótipos de I-1 e II-2, localizando, nos cromossomos
desenhados, o alelo (d) normal e o alelo (D) determinante da doença.

Resolução
Segundo o enunciado a doença é ligada ao cromossomo X e tem
caráter dominante, ou seja, a doença se manifesta quando o gene
M está presente em heterozigose nas mulheres (XDXd) ou em cópia única
nos homens (XDY). Desta forma, podemos concluir que o individuo I-1
tem no seu genoma a combinação XDY, por ser macho e doente,
enquanto o Individuo I-2 possui XdXd (feminino e normal).
Os descendentes do sexo feminino desse casal receberão um
cromossomo X da mãe (Xd - normal) e o outro do pai (XD - portador),
sendo assim o individuo II-2 será XDXd (feminino e doente). Já os filhos
do sexo masculino receberão um Xd materno e o Y paterno, desta
forma o individuo II-1 é XdY (masculino e normal).
M
a)
b) I-1 II-2

O
13
(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE FUVEST 2012 – SEGUNDA FASE – CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
2
A filogenia apresentada acima não é a mais aceita entre os
b) pesquisadores na atualidade. Dados morfológicos, moleculares e
I-1 II-2 embriológicos sustentam amplamente outra hipótese, na qual os filos
Arthropoda e Anellida não são monofiléticos e, portanto, a metameria
(ou segmentação corporal) não representa uma sinapomorfia para
D D d esses grupos. A hipótese mais amplamente sustentada pelas
evidências disponíveis sobre as relações entre os animais é a
representada na figura a seguir:

A região homóloga é a porção dos cromossomos onde há equivalência


de lócus. Assim, podemos inferir que os alelos causadores da doença
em questão se localizam num lócus que se encontra na região externa
à tal região (podendo ser representado pelo candidato em qualquer
parte da área não hachurada da figura). Além disso, é necessário, por
se tratar de um gene ligado ao X, que o gene seja indicado apenas
neste cromossomo.

QUESTÃO 04
O diagrama abaixo representa uma das hipóteses sobre a evolução
dos animais metazoários. Nele, os retângulos com os números I, II, III
e IV correspondem ao surgimento de novas características
morfológicas. Isso significa que os grupos de animais situados acima
Note que, nessa filogenia, anelídeos e artrópodes estão em grupos
desses retângulos são portadores da característica correspondente.
monofiléticos diferentes - Lophotrocozoa e Ecdisozoa,
respectivamente. Com isso, a segmentação corporal teria surgido
independentemente nos dois grupos, não sendo, portanto, homólogas.
Esta hipótese foi proposta pela primeira vez na literatura por Agnaldo
et al. (1997) e vem sendo corroborada desde então (e.g. Hickman et
al., 2008).
Literatura citada:
Aguinaldo, A. M. A., J. M. Turbeville, L. S. Linford, M. C. Rivera, J. R.
Garey, R. A. Raff, and J. A. Lake. 1997. Evidence for a clade of
nematodes, arthropods and other moulting animals. Nature 387:489-
493.
Hickman, C.P., L.S. Roberts, A. Larson, and H. l´Anson. 2008.
Integrated Principles of Zoology, 14th ed. Boston, MA: McGraw-Hill.
b) A ordenação proposta pelo candidato deveria ser:
Cérebro → coluna vertebral → pulmões → ovo amniótico → endotermia.
Para esta questão, o candidato poderia considerar a filogenia abaixo:
a) Liste as características morfológicas que correspondem,
respectivamente, aos retângulos com os números I, II, III e IV.
b) Ordene as seguintes características dos cordados, de acordo com
seu surgimento na história evolutiva do grupo, da mais antiga à mais
recente: pulmões, ovo amniótico, coluna vertebral, endotermia,
cérebro.
Resolução
a) Na filogenia apresentada, o candidato deveria associar aos nós do
cladograma as seguintes características:
Nó I – Presença de tecidos verdadeiros; Presença de lâmina basal sob
a epiderme; Presença de junções do tipo gap; Presença de gônadas
organizadas; Presença de ectoderme e endoderme.
Nó II – Presença de simetria bilateral; Presença de mesoderme1.
Nó III – Blastóporo da gástrula originando o ânus (deuterostomia);
Clivagem radial; Celoma originando-se de invaginações de tecido do
revestimento do arquêntero (enteroceloma).
Nó IV – Segmentação teloblástica, resultando num corpo que
apresenta segmentação ou metameria2.
Como pode-se observar, a coluna vertebral é uma sinapomorfia dos
1
O candidato poderia associar a este nó, no cladograma apresentado, vertebrados, surgindo nó 1 do cladograma. Já os pulmões,
o aparecimento da mesoderme e, portanto, o surgimento de um modificações da bexiga natatória, é uma sinapomorfia compartilhada
embrião que apresenta três tecidos embrionários. Com isso, entre os Dipnoi (peixe pulmonados) e os vertebrados terrestres. Seu
poderíamos concluir, de forma equivocada, que o surgimento da surgimento corresponde ao nó 2 do cladograma. O ovo amniótico
simetria bilateral e da condição triblástica do embrião surgiram permite que o desenvolvimento embrionário ocorra, sem risco de
concomitantemente. Isso se deve a uma simplificação da desidratação do embrião, no ambiente terrestre. É compartilhado por
representação da diversidade animal no cladograma apresentado, mamíferos e répteis, correspondendo ao nó 3 da filogenia acima. Já a
com a exclusão de filos importantes como o Filo Ctenophora, um endotermia é uma característica que surge independentemente duas
grupo de animais que, como os Cnidaria, apresenta ainda simetria vezes na história dos vertebrados. Uma delas, nos mamíferos,
radial e já apresenta mesoderme. corresponde ao nó 5. O outro surgimento, nas Aves, corresponde ao
nó 6.

14
(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE FUVEST 2012 – SEGUNDA FASE – CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

A análise do cladograma nos permite entender o padrão temporal de QUESTÃO 06


surgimento das características ao longo da evolução. O coqueiro (Cocos nucifera) é uma monocotiledônea de grande porte.
O cérebro, entendido como uma fusão de gânglios nervosos na região Suas flores, depois de polinizadas, originam o chamado coco-verde ou
anterior do corpo, tem um surgimento muito mais antigo que os coco-da-baía. A água de coco é o endosperma, cujos núcleos
próprios vertebrados. Pelo menos em moluscos, mais notadamente triploides estão livres no meio líquido.
nos animais da classe Cephalopoda (polvos, lulas e sépias), podemos a) O coco-da-baía é um fruto ou uma semente? Copie a frase do texto
notar um cérebro complexo e diferenciado. acima que justifica sua resposta.
b) O endosperma triploide é uma novidade evolutiva das
QUESTÃO 05 angiospermas. Que vantagem essa triploidia tem em relação à
Na vitória-régia, mostrada na figura abaixo, os estômatos localizam-se diploidia do tecido de reserva das demais plantas?
na superfície superior da folha, o que acontece também em outras Resolução
plantas aquáticas. a) De acordo com o texto da questão, o candidato deveria concluir que
o coco-da-baía é, então, um fruto, pois são os ovários das flores que
se transformam nesta estrutura, após estas flores serem polinizadas.
A frase que comprova isso está abaixo indicada:
“Suas flores, depois de polinizadas, originam o chamado coco-verde
ou coco-da-baía.”
Frutos são estruturas originadas a partir do desenvolvimento do ovário
de uma flor, após a ocorrência da polinização, crescimento do tubo
polínico e consequente fecundação dos óvulos maduros internos a
este ovário. As sementes são resultantes do desenvolvimento destes
óvulos maduros fecundados.
Cada óvulo apresenta uma série de sete células, sendo as duas
principais a oosfera e a célula-média (com os dois núcleos polares). A
chegada do tubo polínico a um óvulo maduro possibilita o encontro
das chamadas células espermáticas (gametas masculinos carregados
pelo tubo), com as duas principais células do óvulo. Ocorre então a
a) Considerando o ambiente em que a vitória-régia ocorre, seus famosa dupla fecundação característica das angiospermas:
estômatos passam a maior parte do tempo abertos ou fechados? - A primeira célula espermática fecunda a oosfera, originando o zigoto
Justifique sua resposta. 2n, que será o embrião da semente.
b) Liste o que entra e o que sai do estômato aberto de uma folha. - A segunda célula espermática fecunda a célula-média, que possui os
Resolução dois núcleos polares haplóides. Isto leva a formação de um zigoto 3n,
a) A vitória-régia é uma planta aquática da família das Nymphaeaceae, que se desenvolverá no tecido de reserva nutritiva da semente, o
típica da região amazônica. Ela possui uma folha em forma de círculo chamado endosperma secundário.
que vive flutuante na superfície da água. Dessa maneira, a vitória-
régia apresenta uma imensa disponibilidade de água que é b) Como descrito no item anterior, o endosperma secundário, tecido
continuamente absorvida por suas raízes submersas. de reserva nutritiva das sementes das angiospermas, é derivado da
Consequentemente, ela também apresenta uma grande massa de união entre a segunda célula espermática (gameta masculino
água que corre pelos seus vasos condutores e que deve ser mantida haplóide) com a célula-média do óvulo (célula com dois núcleos
em fluxo, para perfeita distribuição da própria água, e dos sais haplóides, chamados núcleos polares). Esta união gera um zigoto
minerais, pelos tecidos da planta. Este fluxo de água interno é, então, triplóide, que se desenvolve mitoticamente até a formação do
mantido pela intensa taxa transpiratória que estas plantas aquáticas endosperma secundário. Comparativamente a núcleos haplóides ou
demonstram. Sabendo-se que a transpiração de um vegetal (liberação diplóides, um núcleo triplóide apresenta-se mais volumoso, já que
de vapor de água) ocorre em 99% através dos estômatos, tem-se que possui, nitidamente, maior quantidade de material genético. Sendo
uma parcela daquela água absorvida deve ser sempre dirigida para as assim, as células que contêm tais núcleos triplóides, também devem
células-guarda que compõem os estômatos da folha. Isto torna estas ser maiores para comportarem estes núcleos. Finalmente, conclui-se
células túrgidas, o que acarreta em abertura da fenda estomática, que esta maior quantidade de material genético dirige uma maior
chamada ostíolo. Finalmente, podemos concluir que, na vitória-régia, produtividade de substâncias nutritivas a serem estocadas e, além
assim como em todas as plantas da família Nymphaeaceae, os disso, este maior volume celular possibilita uma maior capacidade de
estômatos devem ser mantidos abertos, na maior parte do tempo, estocagem deste material de reserva nutritiva. Com isso, a abundância
para que possam realizar livremente, e intensamente, o fenômeno de de reservas nutritivas permite um melhor desenvolvimento do embrião,
transpiração e, assim, darem continuidade ao fluxo de água interno à que tira proveito destes nutrientes durante o seu crescimento como
planta. uma nova planta.
b) Estômatos são estruturas celulares responsáveis pelas trocas Vale ressaltar que este item da pergunta, ao questionar a vantagem da
gasosas entre um vegetal e o ambiente ao redor. Sabendo disso, o triploidia das células do endosperma das sementes das
candidato deveria se atentar para os gases que uma planta capta ou angiospermas em relação à diploidia dos tecidos de reserva das
elimina para manter seus processos vitais em atividade. Estes gases demais plantas, não está se referindo ao tecido de reserva nutritiva
são: das sementes de gimnospermas, chamado endosperma primário, pois
CO2 (gás carbônico) – absorvido e utilizado como agente oxidante este é um tecido formado por células haplóides, visto que se origina do
(sofre redução pelo NADPH2) na fase química da fotossíntese, sendo desenvolvimento do megaprótalo, estrutura totalmente haplóide.
a fonte de todo o carbono presente nas moléculas finais de
carboidratos formados. É, também, produto do processo de respiração
celular, sendo eliminado, principalmente, durante o ciclo de Krebs
quando alguns átomos de carbono, doados pelo Acetil-CoA (derivado
da glicólise), sofrem uma série de transformações até o aparecimento
de certas moléculas de CO2.
O2 (oxigênio) – absorvido e utilizado como aceptor final de
hidrogênios durante a Cadeia Transportadora de Elétrons, última
etapa do processo de respiração celular. É, também, produto do
processo de fotossíntese, sendo eliminado na fase fotoquímica como
resíduo do fenômeno de fotólise da água.
H2O(v) (vapor de água) – como descrito no item (a), o vapor de água é
eliminado durante o processo de transpiração dos vegetais, fenômeno
que ajuda a determinar um fluxo hídrico contínuo, interno aos vegetais.

15
(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE FUVEST 2012 – SEGUNDA FASE – CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

HISTÓRIA Europa da atualidade, e é neste contexto que a vontade da Europa de


“preservar suas riquezas” pode dizer respeito:
QUESTÃO 01 - ao desejo europeu de evitar o colapso por sobrecarga dos seus
Não é possível pôr em dúvida por mais tempo, ao passar em revista o Estados, que de acordo com a argumentação anti-imigração não
estado atual dos conhecimentos, ter havido realmente uma guerra de seriam capazes de dar conta de garantir seus extensos direitos civis a
Troia histórica, em que uma coligação de Aqueus ou Micênios, sob um tantos novos cidadãos, e de sua economia, que não comportaria
rei cuja suserania era conhecida pelos restantes, combateu o povo de tantos novos postos de trabalho;
Troia e os seus aliados. A magnitude e duração da luta podem ter sido - à lógica de “preservar” o que seria a cultura “original” dos países
exageradas pela tradição popular em tempos recentes, e os números europeus, que estaria ameaçada pela presença maciça dos imigrantes
dos participantes avaliados muito por cima nos poemas épicos. Muitos e de suas manifestações culturais árabes, africanas, eslavas, latino-
incidentes, tanto de importância primária como secundária, foram sem americanas, etc.
dúvida inventados e introduzidos na narrativa durante a sua viagem Vale ainda comentar que a ideia (perigosa) de que existe uma cultura
através dos séculos. Mas as provas são suficientes para demonstrar europeia a ser preservada é desmentida pelo próprio texto do
não só que a tradição da expedição contra Troia deve basear-se em enunciado, em que Duby mostra como a própria gênese da Europa e
fatos históricos, mas ainda que boa parte dos heróis individuais sua expansão e relevância foram marcadas profundamente pela
mencionados nos poemas foi tirada de personagens reais. miscigenação dos povos e pela mestiçagem cultural.
Carl W. Blegen. Troia e os troianos. Lisboa, Verbo, 1971. Adaptado.
QUESTÃO 03
A partir do texto acima,
A formação histórica do atual Estado do Rio Grande do Sul está
a) identifique ao menos um poema épico inspirado na guerra de Troia
intrinsecamente relacionada à questão fronteiriça existente entre os
e explique seu título;
domínios das duas coroas Ibéricas na América meridional. Desde o
b) explique uma diferença e uma semelhança entre poesia épica e
século XVIII, esta região foi cenário de constantes disputas territoriais
história para os gregos da Antiguidade.
entre diferentes agentes sociais. Atritos que não estiveram restritos
Resolução
apenas às lutas travadas entre luso-brasileiros e hispano-americanos
a) A Ilíada é um poema épico escrito por Homero no século VIII a.C.
pelo domínio do Continente do Rio Grande.
sobre a Guerra de Troia. Seu nome deriva de Ílion, outro nome grego
Eduardo Santos Neumann, “A fronteira tripartida”, Luiz Alberto Grijó (e
para Tróia. Também poderia ser citada a Eneida, de Virgílio, escrita no
outros). Capítulos de História do Rio Grande do Sul. Porto Alegre:
século I a.C., que narra a história de Enéas (origem do título), um
Editora da UFRGS, 2004, p. 25. Adaptado.
troiano que foi salvo dos gregos em Troia.
b) No mundo grego antigo, tanto a poesia épica quanto a história a) Caracterize a “questão fronteiriça”, mencionada no texto acima.
visavam produzir narrativas a respeito de grandes acontecimentos e b) Quais são as principais diferenças e semelhanças entre a
personagens importantes para o povo grego, como conflitos internos, organização socioeconômica do Rio Grande colonial e a de regiões
guerras, batalhas e expedições marítimas. No entanto, a partir de açucareiras, como Bahia e Pernambuco, na mesma época?
Heródoto, o termo história (que em grego significa “investigação”) Resolução
passa a designar uma narrativa diferente da poesia por sua a) A “Questão Fronteiriça” mencionada no texto está relacionada à
preocupação em distinguir o falso do verdadeiro, e, portanto, com a penetração luso-brasileira além da Linha de Tordesilhas (1494),
existência real dos acontecimentos, personagens e explicações tratado que estabelecia a divisão oficial entre a América Portuguesa e
elencados na narrativa. a América Espanhola. Inicialmente, já no século 17, os padres jesuítas
se refugiaram na região sul, fugindo dos paulistas (bandeirantes) que
QUESTÃO 02 desejavam capturar os indígenas. Lá, inclusive, formaram os
Nos tempos de São Luís [Luís IX], as hordas que surgiam do leste chamados “7 povos das missões”. A destruição das missões levou a
provocaram terror e angústia no mundo cristão. O medo do formação de um contingente de cabeças de gado ditas “sem dono”.
estrangeiro oprimia novamente as populações. No entanto, a Europa Muitos colonos para lá migraram em busca de emprego na atividade
soubera digerir e integrar os saqueadores normandos. Essas invasões pecuária. Teoricamente, grande parte das terras sulistas eram
tinham tornado menos claras as fronteiras entre o mundo pagão e a pertencentes à Espanha, que sentia grande insatisfação pela presença
cristandade e estimulado o crescimento econômico. A Europa, então lusitana devido à proximidade da bacia platina. Os luso-brasileiros
terra juvenil, em plena expansão, estendeu-se aos quatro pontos acabaram fundando, próximo a Buenos Aires, a colônia de
cardeais, alimentando-se, com voracidade, das culturas exteriores. Sacramento (1680). Tentando disciplinar a ocupação da região sul e
Uma situação muito diferente da de hoje, em que o Velho Continente admitindo a inutilidade de Tordesilhas, as coroas ibéricas firmaram o
se entrincheira contra a miséria do mundo para preservar suas Tratado de Madrid (1750), que determina o princípio do “usucapião”,
riquezas. ou seja, quem ocupa determinada terra deve continuar ocupando-a.
Georges Duby. Ano 1000 ano 2000. Na pista de nossos medos. São Haveria duas exceções: Portugal deveria entregar Sacramento para os
Paulo: Unesp, 1998, p. 50-51. Adaptado. espanhóis e a Espanha os “7 povos das missões” aos portugueses.
a) Justifique a afirmação do autor de que “essas invasões tinham (...) Como os indígenas e os padres jesuítas se recusaram a abandonar a
estimulado o crescimento econômico” da Europa cristã. região em disputa, estourou a Guerra Guaranítica (1753-1756),
b) Cite um caso do atual “entrincheiramento” europeu e explique, em travada entre os Estados Ibéricos e seus colonos contra os indígenas
que sentido, a Europa quer “preservar suas riquezas”. associados aos jesuítas. Como consequência desse conflito, o
Resolução Convênio de El Pardo (1761) anulou as fronteiras estabelecidas por
a) As invasões as quais o enunciado se refere são as invasões Madrid. Em 1777, foi firmado o Tratado de Santo Ildefonso, que dava
normandas, perpetradas a partir do século VIII d.C. Embora tenham se à Espanha o domínio sobre o Sacramento e os 7 povos das missões.
dado a partir principalmente de saques e sido bastante destrutivas, é Dessa forma, o impasse sobre a “questão fronteiriça” se estendeu até
possível falar em “estímulo a crescimento econômico” numa 1801, quando foi estabelecido o Tratado de Badajós, que deu às
perspectiva de longo prazo. Isso porque as invasões normandas nossas fronteiras no atual Rio Grande do Sul contornos semelhantes
tiveram como efeito posterior a expansão das fronteiras comerciais ao que é hoje.
para o extremo Norte do continente, uma vez que os normandos, b) As duas regiões em questão possuíam como característica
provenientes dos países escandinavos, foram assimilados ao mundo fundamental a prática agropecuária, porém enquanto no Sul existiu a
cristão europeu, principalmente na Inglaterra e no norte da França. predominância da pecuária voltada ao couro e ao charque (que
b) O “entrincheiramento europeu” é visível principalmente nas medidas contribuiu para o desenvolvimento de um mercado interno), no
de restrição à imigração e aos imigrantes, das quais são exemplos a nordeste, devido ao solo e clima favoráveis, o foco estava na atividade
construção de muros no estreito de Gibraltar, na Espanha, para açucareira, que era voltada à exportação. As duas sociedades foram
dificultar o acesso dos imigrantes africanos, ou a polêmica lei francesa marcadas pelo emprego da mão de obra escrava e pela existência de
que proibiu o uso do véu islâmico pelas alunas nas escolas da rede uma sociedade patriarcal, exemplificada pela “casa grande & senzala”
pública. Esta postura política dos países europeus se dá ligada à atividade açucareira nordestina e pelas “estâncias”, ligadas a
principalmente contra os imigrantes de países mais pobres, atividade pecuária sulista. Segundo alguns historiadores, pode-se
majoritariamente de países africanos ou do Leste europeu, que inferir que, devido ao desenvolvimento de um mercado interno e a
chegam nestes locais em busca de trabalho e melhores condições de existência de camadas intermediárias, a mão de obra livre foi mais
vida. A discussão sobre imigração é uma das mais importantes na significativa na região sul.

16
(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE FUVEST 2012 – SEGUNDA FASE – CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

QUESTÃO 04 empregaram suas práticas imperialistas naquele continente, com o


Não parece fácil determinar a época em que os habitantes da América objetivo de abastecer suas indústrias de matérias primas e obter
lusitana, dispersos pela distância, pela dificuldade de comunicação, mercados consumidores. Partilharam a África, especialmente a partir
pela mútua ignorância, pela diversidade, não raro, de interesses da Conferência de Berlim (1884-85), sem considerar as
locais, começam a sentir-se unidos por vínculos mais fortes do que especificidades dos povos que nela habitavam, fator que levou a
todos os contrastes ou indiferenças que os separam, e a querer eclosão de inúmeros conflitos, como a Guerra dos Bôeres (1899-
associar esse sentimento ao desejo de emancipação política. No 1902), entre os britânicos e as Repúblicas de Orange e Transvaal,
Brasil, as duas aspirações – a da independência e a da unidade – não localizadas no sul da África. Para tanto, inclusive, desenvolveram-se
nascem juntas e, por longo tempo ainda, não caminham de mãos justificativas ideológicas racistas para esse projeto de dominação, que
dadas. redundaram na suposta crença da superioridade do homem branco
Sérgio Buarque de Holanda, “A herança colonial – sua desagregação”. europeu sobre o negro africano.
História geral da civilização brasileira, tomo II, volume 1, 2ª ed., b) O comércio transatlântico de escravos africanos por europeus no
São Paulo: DIFEL, 1965, p. 9. período colonial usou-se amplamente dos conflitos internos aos reinos
a) Explique qual a diferença entre as aspirações de “independência” e e sociedades da África. Sendo comum a esses reinos e sociedades a
de “unidade” a que o autor se refere. cultura de que os vencidos da guerra tornavam-se escravos dos
b) Indique e caracterize ao menos um acontecimento histórico vencedores, era prática o apoio dos europeus a grupos africanos em
relacionado a cada uma das aspirações mencionadas no item a). conflito com objetivo de comercializar os opositores vencidos para
Resolução alimentar de mão de obra a empresa colonial nas Américas. Assim,
a) Podemos afirmar que a ideia de “independência” é anterior em podemos dizer que a diáspora africana é uma importante
nossa história ao desejo de “unidade”. Os primeiros movimentos decorrência da política colonial em questão.
separatistas do período colonial, que foram a Inconfidência Mineira Também decorrente deste tipo de prática, após a divisão do continente
(1789), a Conjuração Baiana (1798) e a Revolução Pernambucana africano, a política neocolonial de reforço sistemático às rivalidades
(1817) não tinham em suas bandeiras a questão da unidade territorial. internas dos países africanos (através inclusive de financiamento e
Ao contrário: estavam ligadas a interesses muito específicos das armamento dos grupos aliados aos europeus) fez com que durante e
regiões onde ocorreram. Só no auge do processo de independência, já após o processo de descolonização estes Estados enfrentassem
durante a Regência de D. Pedro (1821-22) a questão da unidade sangrentas guerras civis, muitas vezes amplificadas por auxílio
territorial apareceu mais fortemente, simbolizada pela adoção de uma ideológico, material e logístico externo. De maneira geral, pode-se
monarquia centralizadora no pós independência. Muito contribuiu para dizer que os europeus escolhiam os grupos aliados a partir do que
a emergência dessa nova visão a fragmentação da América lhes possibilitava um melhor domínio político, bem como uma
Espanhola e suas guerras de independência, bem como o desejo de exploração mais proveitosa dos recursos econômicos.
manutenção por parte de nossas elites agrárias do mesmo modelo A complexidade de fatores envolvida na atuação européia nos
agrário-exportador já vigente durante a colônia. Ainda vale dizer que, conflitos internos do continente africano é bem ilustrada através do
apesar de iniciado durante o movimento pela independência, o projeto caso de Ruanda, que desde o século XV consistia em um reino
de unificação do Brasil só se consolidou durante o Segundo Reinado africano onde uma minoria da etnia tutsi constituía-se em grupo
(1840-1889). politicamente dominante perante uma maioria da etnia hutu.
b) Acontecimentos ligados a questão da Independência: Inconfidência Aproveitando este contexto cultural, os colonizadores belgas escolhem
Mineira (1789), Conjuração Baiana (1798) e Revolução os tutsis para compor a administração do país e empreendem políticas
Pernambucana (1817), que aconteceram ainda durante o período públicas para acirrar as diferenças étnicas (que pode ser
colonial. Podemos citar também movimentos que ocorreram no exemplificada por uma lei que forçava a população a portar uma
Primeiro Reinado (1822-1831), como a Confederação do Equador carteira com o registro de sua etnia). A aplicação sistemática de
(1824) e Regência (1831-1840), como a Sabinada/BA (1837-38) e a políticas segregacionistas trouxe ao país grande instabilidade política
Farroupilha/RS (1835-1845), embora eles já colocassem em xeque a ao longo das décadas, e culminou no genocídio de 1994, que matou
unidade territorial estabelecida com a independência. Já para 800.000 pessoas (tutsis e hutus).
exemplificar acontecimentos históricos relacionados com a É importante enfatizar que o candidato deve tomar cuidado com
manutenção da unidade territorial brasileira, poderíamos citar a respostas que tenham como pressuposto a incapacidade africana em
adoção da Constituição de 1824, de caráter centralizador, e do formar estados nacionais, ou que creditem os graves dramas
processo de revisão do Ato Adicional (1834) empreendido a partir da econômicos e sociais africanos ao “tribalismo”, ambas explicações de
Regência de Araújo Lima (1837-1840) entre outros possíveis cunho etnocêntrico e que desconsideram a presença de reinos,
exemplos. Estados e outras organizações políticas na África desde períodos
remotos.
QUESTÃO 05
Leia este texto, que se refere à dominação europeia sobre povos e QUESTÃO 06
terras africanas. O cartaz abaixo, parte de uma campanha sindical pela redução da
jornada diária de trabalho, foi divulgado em 1919 pela União
Desde o século XVI, os portugueses e, trezentos anos mais tarde, os Interdepartamental da Confederação Geral dos Trabalhadores da
franceses, britânicos e alemães souberam usar os povos [africanos] Região do Sena, na França.
mais fracos contra os mais fortes que desejavam submeter. Aliaram-se
àqueles e somaram os seus grandes números aos contingentes, em
geral pequenos, de militares europeus.
Alberto da Costa e Silva. A África explicada aos meus filhos. Rio de
Janeiro: Agir, 2008, p. 98.
Tradução dos escritos do cartaz:
a) Diferencie a presença europeia na África nos dois períodos aos
“União dos Sindicatos de
quais o texto se refere.
Trabalhadores do Sena”. “As 8
b) Indique uma decorrência, para o continente africano, dessa política
horas”. “Operário, a regra foi
colonial de estimular conflitos internos.
aprovada, mas apenas sua ação
Resolução
a fará ser aplicada”.
a) No século 16 a Europa vivia a fase das chamadas “grandes
navegações”. Os Estados Nacionais Europeus, em especial os
portugueses, tinham objetivos mercantilistas ao explorarem a África
por meio da fundação de feitorias (entrepostos comerciais). O desejo
era a obtenção de balança comercial favorável, seja por meio da
exploração de ouro e de marfim ou o desenvolvimento do tráfico
negreiro, que abasteceria de mão de obra o complexo açucareiro a) Identifique um elemento visual no cartaz que caracterize a principal
português que estava sendo montado no Brasil Colônia da época. reivindicação dos sindicatos e o explique.
Já no século 19, o capitalismo vivia o período industrial. As potências b) Identifique e analise a visão de luta social que a cena principal do
ligadas a esse processo eram fundamentalmente a Inglaterra e a cartaz apresenta.
França, além da Alemanha e Itália recém unificadas. Assim,
17
(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE FUVEST 2012 – SEGUNDA FASE – CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Resolução GEOGRAFIA
a) Aparece em posição central no cartaz a figura de um grande
relógio. O relógio tem o formato de um número oito, e acima e abaixo QUESTÃO 01
dele podem-se ler, respectivamente, as palavras “Les” e “heures”, IMAGEM 1
formando assim a expressão “les 8 heures”, ou “As oito horas”,
principal reivindicação dos sindicatos. O aluno também poderia
apontar que o lugar onde convencionalmente se localizam os números
no relógio está ocupado por letras que formam a frase “Appliquera les
8 heures”, ou seja, “Aplicará as oito horas”, da qual faz parte a mesma
reivindicação.
b) A cena principal do cartaz mostra os ponteiros do relógio marcando
oito horas. O ponteiro dos minutos tem duas cordas amarradas a si,
uma puxada para o lado esquerdo por operários, enquanto a outra é
puxada para o lado direito por personagens caracterizados como
patrões. A disputa entre os grupos, que possuem a mesma quantidade
de personagens, parecendo assim equilibrados em termos de força,
pode fazer com que o relógio marque mais de oito horas, caso vençam
os patrões, ou menos, caso a vitória seja dos operários. Assim, trata-
se de uma representação visual bastante explícita da luta de classes IPT, 2011.
no capitalismo industrial, em que os operários lutam para garantir
direitos (como a jornada de oito horas diárias) contra a vontade dos IMAGEM 2
burgueses detentores dos meios de produção, a quem interessam
mais horas de trabalho por parte de seus operários e mais lucro, em
detrimento das condições gerais de vida que possuem estes mesmos
trabalhadores.

Ândrea Moreira de Araujo, 2011.

As imagens acima ilustram uma contradição característica de médios


e grandes centros urbanos no Brasil, destacando-se o fato de que
ambas dizem respeito a formas de segregação socioespacial.
Considerando as imagens e seus conhecimentos, identifique e
explique
a) duas causas socioeconômicas geradoras do tipo de segregação
retratado na Imagem 1;
b) o tipo de segregação retratado na Imagem 2 e uma causa
socioeconômica responsável por sua ocorrência.
Resolução
a) A imagem 1 retrata uma favela, tipo de submoradia encontrada nas
médias e grandes cidades de todo o Brasil. As favelas são
consequência da imensa concentração de renda existente no Brasil
(3° país mais desigual do mundo), da especulação imobiliária e do tipo
de planejamento urbano.
A concentração de renda se refere à distribuição desigual da renda de
um país ou região pelas diversas camadas sociais. No Brasil, a partir
dos anos 60, adotou-se uma política econômica que aumentou a
histórica concentração da renda. Apesar do crescimento dos setores
secundário e terciário, devido à internacionalização da economia, os
salários não acompanharam o “milagre econômico”, ficando muito
achatado para as classes mais pobres e gerando acúmulo de capital
nas mãos das classes mais abastadas que, no entendimento dos
governos militares, provocaria e incentivaria a poupança e o
investimento e, consequentemente, o crescimento da produção.
Para atingir esses objetivos, os governos controlaram fortemente as
negociações salariais entre trabalhadores e patrões, proibiu greves,
dentre outras medidas coercitivas.
O arrocho salarial dos trabalhadores pouco qualificados possibilitou
que os aumentos de produtividade do sistema fossem, em sua maior
parte, retidos nas mãos dos empresários.
Nesse período, as grandes capitais brasileiras passam a receber
grandes levas de população expulsa do campo pela chegada do
capitalismo e aumento da concentração fundiária. Assim, os baixos
salários, associados aos elementos citados acima, impõem a esta
parcela da sociedade a submoradia em áreas de risco, como encostas
de morros e várzeas alagáveis, feitas com material improvisado e de
baixa qualidade em função da especulação imobiliária.

18
(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE FUVEST 2012 – SEGUNDA FASE – CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

b) A imagem 2 retrata os enclaves fortificados (os condomínios QUESTÃO 03


fechados). Esse tipo de moradia teve forte expansão durante os
últimos anos do século XX. O aumento da violência urbana e a
sensação de insegurança nas cidades brasileiras contribuíram para a
estruturação desse tipo de organização de moradias, que também não
deixa de ser uma segregação socioespacial.
A população residente nos enclaves fortificados se vê obrigada ao
confinamento devido ao aumento da criminalidade e insegurança das
cidades. É prudente salientar que os condomínios fechados são
responsáveis por reorganizar as relações entre o público e o privado
no Brasil.

QUESTÃO 02
Considere a tabela, que traz dados sobre o equilíbrio federativo
brasileiro.

Nos mapas, estão representados os Eixos de Integração e


Desenvolvimento previstos pela Iniciativa para a Integração da
Infraestrutura Regional Sul-Americana (IIRSA), da qual o Brasil é um
dos países membros, desde o ano 2000.
Com base nos mapas e em seus conhecimentos,
a) identifique todos os Eixos de Integração com impacto direto sobre o
mercado externo brasileiro, analisando, particularmente, o Eixo de
Integração 9. Explique.
Com base na tabela e em seus conhecimentos, b) identifique e analise dois possíveis impactos ambientais do Eixo de
a) analise a representatividade político-espacial no Brasil; Integração 8.
b) identifique uma consequência da criação de um novo estado para o
equilíbrio federativo brasileiro. Explique. Resolução
Resolução a) Os eixos de integração com impacto direto sobre o mercado externo
a) A representatividade político-espacial do Brasil se dá de forma brasileiro são: os eixos 3, 4, 5, 6, 8, 9, 10.
diferenciada no Senado e na Câmara dos Deputados. O eixo 9 – Mercosul-Chile – tem forte impacto sobre o mercado
O Senador é representante do estado que o elegeu e, cada unidade externo brasileiro porque integra o Brasil ao Pacífico e à Ásia, visando
federativa, ou seja, cada estado, elege três senadores. Desta maneira, as exportações para os países da Bacia do Pacífico, tais como a
as regiões com maior número de estados têm maior força política no China (hoje seu maior parceiro comercial), Japão e outros.
encaminhamento dos projetos e das verbas devido ao maior número b) O eixo 8 abrange áreas sob forte pressão do desmatamento e da
de senadores. Esse é o caso das regiões Nordeste e Norte, com 9 e 7 especulação fundiária para ocupação da soja, cana-de-açúcar e
estados respectivamente. O Nordeste tem 27 senadores e o Norte, 21. pecuária, tais como parte significativa do Cerrado brasileiro, o pantanal
Enquanto isso, as regiões do Centro-Sul, muito populosas, mas com mato-grossense, os chacos bolivianos e a parte sul da floresta
menor número de estados, têm também menor número de senadores amazônica.
– 9 no Sul, 12 no Sudeste e 12 no Centro-Oeste. A construção de estradas de integração neste eixo passa por áreas
Já o número de Deputados Federais é proporcional ao número de ocupadas por populações indígenas, mudando rapidamente o perfil
habitantes do estado. Sendo assim, os estados mais populosos, econômico e cultural e gerando impacto ambiental com a substituição
localizados no Centro-Sul, principalmente, São Paulo, Rio de Janeiro e da vegetação por áreas agropecuárias e, depois, urbanas (como
Minas Gerais, tem o número máximo de deputados permitido – 70 –, ocorreu no Centro-Oeste do Brasil a partir da década de 1970).
enquanto que os estados menos populosos, localizados nas regiões
Norte e Nordeste têm número menor de deputados (o número mínimo QUESTÃO 04
é 8 deputados para os estados menos populosos). Assim, na Câmara Há mais de 40 anos, a Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965,
dos Deputados, os estados do Centro-Sul têm hegemonia no conhecida como Código Florestal, estabeleceu no seu Artigo 1º: “As
encaminhamento dos projetos e verbas. florestas existentes no território nacional e as demais formas de
A questão da representatividade político-espacial é mais evidente no vegetação, reconhecidas de utilidade às terras que revestem, são
Senado porque o Senador representa o estado (base territorial) e não bens de interesse comum a todos os habitantes do País, exercendo-se
a população. A relação entre senador e população não é direta, mas os direitos de propriedade, com as limitações que a legislação em
sim, mediada pelo espaço (o estado). Tal fato é o que causa o geral e especialmente esta Lei estabelecem”.
desequilíbrio federativo brasileiro: um grande número de senadores Em pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha, em junho de 2011,
para regiões pouco populosas. para saber a opinião do cidadão brasileiro sobre a proposta de
b) Se um novo estado for criado, haverá maior desequilíbrio no mudanças no Código Florestal, 85% dos entrevistados optaram por
Senado, visto que essas regiões terão maior número de unidades “priorizar a proteção das florestas e dos rios, mesmo que, em alguns
federativas e, consequentemente, de senadores. Porém, na Câmara casos, isto prejudique a produção agropecuária”; para 10%, deve-se
dos Deputados a situação deverá se alterar pouco porque com a “priorizar a produção agropecuária mesmo que, em alguns casos, isto
criação de um novo estado a quantidade de deputados seria prejudique a proteção das florestas e dos rios”; 5% não sabem.
distribuída entre esse novo estado e o restante do território. No a) O Artigo 1º da Lei nº 4.771 indica a existência de um conflito, de
entanto, ainda vale observar as situações extremas: estados que natureza social, que justifica a necessidade da norma legal. Que
apresentam o número máximo de Deputados Federais, com uma conflito é esse? Explique.
eventual divisão, teriam, somados, uma quantidade maior de b) Analise os resultados da pesquisa feita pelo Instituto Datafolha,
deputados (um estado com 70 representantes, ao ser desmembrado, acima expostos, relacionando-os com o Artigo 1º da Lei nº 4.771.
geraria dois ou mais estados com quantidade de deputados que Resolução
poderia atingir esse máximo, visto que a população de cada nova a) O artigo 1 da lei 4771 indica a existência de conflito entre a
unidade poderia ser bastante significativa). Também, se um estado limitação do direito de propriedade para salvaguardar os interesses
possuir um número próximo ou igual ao mínimo de deputados, em comuns a todos os habitantes do País.
uma eventual divisão, poderia gerar territórios tão pouco povoados Mesmo que uma área tenha um proprietário, quando nela houver
que a quantidade de deputados por região teria que ser a mínima, mananciais, vegetação nativa, rios e outros bens imprescindíveis à
tornando a representatividade da mesma região, somada, maior. saúde do meio ambiente e, consequentemente da própria população,
os direitos de propriedade devem ser submetidos aos interesses da
coletividade, garantindo que as próximas gerações possam usufruir
desses bens essenciais à vida.

19
(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE FUVEST 2012 – SEGUNDA FASE – CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

b) Segundo a pesquisa, a maior parte da população entende que os QUESTÃO 06


recursos naturais devem ser preservados, mesmo em detrimento da Anualmente, as principais bacias hidrográficas do mundo fazem
expansão contínua da agropecuária. Enquanto apenas 10% da ingressar nos oceanos dezenas de bilhões de toneladas de partículas
população acredita que a expansão da economia deve ficar acima da sólidas removidas das áreas continentais, resultantes do trabalho
preservação dos recursos, mostrando-se contraria a uma tendência erosivo das águas correntes superficiais. Observe o mapa:
mundial que visa a sustentabilidade.
O resultado da pesquisa feita pelo Datafolha mostra que o artigo 1º da
lei 4771 vem ao encontro dos interesses da maioria da população
entrevistada que valoriza os bens de interesse comum.

QUESTÃO 05

A bacia hidrográfica Ganges-Brahmaputra, se comparada à do


Com base nos gráficos e em seus conhecimentos, Amazonas, produz 3,4 vezes mais sedimentos por unidade de área,
a) caracterize o processo de transição demográfica em curso no tendo, aproximadamente, 1/4 da área de drenagem e 18% da vazão
Brasil; média da bacia hidrográfica amazônica.
b) cite e explique dois possíveis impactos da transição demográfica Comparando-se os dados acima apresentados, a posição geográfica e
brasileira sobre políticas públicas. o uso do solo nessas áreas, identifique um fator responsável pela
Resolução a) quantidade relativamente baixa da produção anual de sedimentos,
a) Desde os anos 60 do século XX o Brasil tem sofrido fortes por unidade de área, da bacia hidrográfica amazônica. Explique;
mudanças do quadro populacional. O processo de urbanização e de b) elevada produção anual de sedimentos, por unidade de área, da
industrialização foram os principais responsáveis pelas mudanças bacia hidrográfica Ganges-Brahmaputra. Explique.
demonstradas nos gráficos, pois reduziram a taxa de fecundidade e Resolução
provocaram fortes reduções no crescimento vegetativo (crescimento a) A baixa produção anual de sedimentos por unidade de área da
da população baseada no número de nascimentos). bacia Amazônica deve-se ao fato dessa bacia percorrer extensa área
Além disso, a revolução médico-sanitária proporcionou a queda da de planície recoberta de floresta tropical e ter grande parte das matas
taxa de mortalidade e aumento na longevidade, que por sua vez, vem de igapó (ciliares) preservadas.
promovendo a diminuição da população jovem e o aumento da A agricultura é de várzea, sendo praticada apenas nos momentos de
população idosa e “super idosa”. vazante do rio, não provocando desmatamento. Além disso, a região
A pirâmide etária brasileira, apesar de ainda apresentar certa percorrida pela bacia é de baixa concentração demográfica. Essa
semelhança com a dos países subdesenvolvidos, torna-se cada vez forma de ocupação do solo é determinante pelo tipo de processo
mais parecida com a pirâmide dos países desenvolvidos. Fase esta erosivo das margens e na quantidade de sedimentos transportados,
identificada como de transição demográfica. apesar da extensa área percorrida e da vazão ser muito maior que na
b) Dentre as mudanças previstas, podemos citar: bacia do Ganges-Bramaputra.
1. A elevação do número de idosos e, consequentemente, de b) A bacia do Ganges-Bramaputra também percorre extensa área de
aposentados, aliada à diminuição da receita direcionada à previdência planície (Planície Indo-gangética). Porém, essa área possui altíssima
social – ocasionada pela redução da população adulta, concentração demográfica, grandes cidades, inclusive industriais, e
economicamente ativa – exigirá grandes mudanças no sistema de grande movimentação do solo causada pela agricultura do trigo e
previdência social. arroz. O processo erosivo é intenso, causando elevada produção
2. Outra questão a ser considerada pelos governos está relacionada a anual de sedimentos por unidade de área.
políticas de emprego, pois o aumento do número de idosos vai
diminuir a mão de obra disponível para o mercado de trabalho e o
número de consumidores mais ativos (os jovens), colocando em risco
o crescimento da economia;
3. Mudanças nas políticas relativas à saúde pública. Os idosos
necessitam de atendimento médico frequente e diferenciado, o que
aumentará os gastos com esta área.
5. Adequação dos meios de transporte, como a criação de vagas de
estacionamento, ônibus adequados, passeio público com rampas e
outros recursos que facilitem a locomoção;
6. Criação e manutenção de espaços adequados de lazer e
informação, como as universidades da Terceira Idade.

20
(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE FUVEST 2012 – SEGUNDA FASE – CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Equipe desta resolução

Biologia
Camila Lopes Purchartti
Luís Felipe Tuon
Marcelo Monetti Pavani

Física
Danilo José de Lima
Felipe Costa Mercadante

Geografia
Lincoln Gonsales
Lúcia Regina Brocanelo Gentil

História
André Gustavo Bengtson
Juliana Ferrari Guide

Matemática
Darcy Gabriel Augusto de Camargo Cunha
Rodrigo do Carmo Silva

Química
Roberto Bineli Muterle
Vinícius Garcia Freaza

Revisão
Edson Vilela Gadbem
Fabiano Gonçalves Lopes
Frederico Luís Oliveira Vilela
Marcelo Duarte Rodrigues Cecchino Zabani

Digitação, Diagramação e Publicação


Rafaela Cristina de Campos
William Yang Chen Fan

21