Vous êtes sur la page 1sur 28

ASSISTÊNCIA AO PUERPÉRIO

Profª Tatiana Melo

1 Professora Msc. Tatiana Melo


Caro aluno(a)!
Nessa aula, abordaremos as ações
no período pós-parto conhecido
como puerpério, enfocando
especialmente a consulta puerperal.

Bons estudo!!!

2 Professora Msc. Tatiana Melo


Puerpério
• É período cronologicamente variável, durante o qual
se desenrolam todas as manifestações involutivas e
de recuperação da genitália materna havidas após o
parto.
• Vai do parto até a volta do organismo materno às
condições pré-gravídicas
• A involução puerperal completa-se no prazo de 6
semanas.
• Pós-parto imediato (do 1º ao 10º dia)
• Pós-parto tardio (do 11º ao 45º dia)
• Pós-parto remoto (além do 45º dia, com término
imprevisto)

3 Professora Msc. Tatiana Melo


Importante
• Recomenda-se uma visita domiciliar na primeira
semana após a alta do bebê.
• Caso o RN tenha sido classificado como de risco,
a visita deverá acontecer nos primeiros 3 dias
após a alta.
• O retorno da mulher e do recém-nascido ao
serviço de saúde e uma visita domiciliar, entre 7 a
10 dias após o parto, devem ser incentivados
desde o pré-natal, na maternidade e pelos
agentes comunitários de saúde na visita
domiciliar.

4 Professora Msc. Tatiana Melo


Primeira Semana de Saúde Integral
“Primeira Semana de Saúde Integral”: ações que
devem ser desenvolvidas durante o acolhimento da
mulher e do RN por profissional de saúde habilitado:
• Apresente-se, pergunte o nome da mulher e do
recém-nascido e atenda-os com respeito e
gentileza;
• Escute o que a mulher tem a dizer, incluindo
possíveis queixas, estimulando-a a fazer perguntas;
• Informe a ela dados sobre os passos da consulta e
esclareça suas dúvidas.
5 Professora Msc. Tatiana Melo
Assistência no Período Puerperal
No planejamento das ações da equipe de Atenção Básica,
deve-se garantir o acompanhamento integral da mulher e da
criança, além de estimular (desde o pré-natal) o retorno
precoce da mulher e do recém-nascido ao serviço de saúde
após o parto. Isso pode ser concretizado com:
• agendamento do primeiro atendimento na AB antes no
momento da alta da maternidade;
• realização da visita domiciliar na primeira semana após o
recém-nascido (RN) ter recebido alta (em até três dias da
alta em caso de recém-nascido de alto risco); e
• agendamento de consulta de puerpério tardio até 42 dias
após o parto.
Essas ações prioritárias devem ocorrer no puerpério imediato
e tardio. O cuidado no puerpério remoto deve ser
singularizado de acordo com as necessidades da mulher.
6 Professora Msc. Tatiana Melo
Pós-parto imediato
• Crise genital – prevalecem os fenômenos
catabólicos e involutivos das estruturas
hipertrofiadas ou hiperplasiadas pela prenhez.
• Nas primeiras 12 hs pós-parto o fundo de útero
mede 12 cm entre a cicatriz umbilical e a pubis.
• Até o 10º dia o útero é um órgão abdominal; depois
retorna a pelve.

7 Professora Msc. Tatiana Melo


Pós-parto imediato
COLO DO ÚTERO:
• A reconstituição é relativamente rápida;
• Com 3 dias do parto está anatomicamente
reconstituído.
Na lactante, a involução uterina é mais rápida, pelo
exacerbarem-se retração e contratilidade uterinas, a
cada amamentação. É o reflexo utero-mamário.
LÓQUIOS: primeiros 3 a 4 dias são sanguíneo, depois
tornam-se serossanguíneo de coloração acastanhada.

8 Professora Msc. Tatiana Melo


Pós-parto Tardio
• É o período de transição onde toma impulso a
recuperação genital.
• ÚTERO: continua a regredir, porém nunca a proporções
de uma nulípara;
• LÓQUIOS: prossegue até meados do pós-parto tardio,
passando de serossanguíneo a seroso.

9 Professora Msc. Tatiana Melo


Pós-parto Remoto
• É o período de duração imprecisa, a variar com a
presença ou não da lactação.
• Nas mulheres que não amamentam a menstruação
retorna, em média, com 1,5 mês;
• Nas lactantes, os prazos dependem da duração do
aleitamento.

10 Professora Msc. Tatiana Melo


Involução dos Sistemas Extragenitais
SISTEMA ENDÓCRINO:
• A amamentação pode inibir a fertilidade pela
ação direta do estímulo do mamilo sobre o
hipotálamo por via neurendócrina, elevando a
prolactina e inibindo o FSH e o LH.

SISTEMA CARDIOVASCULAR:
• Aumento do rendimento cardíaco na 1ª hora do
pós-parto
• Normalização da pressão venosa dos MMII.

11 Professora Msc. Tatiana Melo


Involução dos Sistemas Extragenitais

SISTEMA SANGUÍNEO:
• Concentração de Hb volta a níveis pré-gravídicos em 6
sem do parto
• Aumenta a tendência à coagulação
SISTEMA URINÁRIO:
• A diurese é inicialmente escassa, do 2º ao 6º dia
estabelece abundante excreção urinária, que elimina a
água acumulada durante a gestação.

12 Professora Msc. Tatiana Melo


Involução dos Sistemas Extragenitais

SISTEMA DIGESTIVO:
• O funcionamento fisiológico dos intestinos é
restaurado no 3º ou 4º dia.
PELE
• Alterações cutânea desaparecem (hiperpigmentação,
lanugem)
PESO
• Perda acentuada nos primeiros 10 dias.

13 Professora Msc. Tatiana Melo


Consulta Puerperal

• ATENÇÃO!!!
• O retorno da mulher e do recém-nascido ao serviço de
saúde, depois do parto, deve ser incentivado desde o
pré-natal e na maternidade.
• Uma vez que boa parte das situações de morbidade e
mortalidade materna e neonatal acontecem na
primeira semana após o parto.

14 Professora Msc. Tatiana Melo


OBJETIVOS
•Avaliar estado de saúde da mulher e retorno às condições
pré-gravídicas;
•Avaliar aleitamento materno;
•Orientar planejamento familiar;
•Identificar situações de risco e conduzi-las
•Avaliar interação com o recém-nascido; e
•Complementar ou realizar ações não executadas no pré-
natal.

15 Professora Msc. Tatiana Melo


Histórico
•Identificação de antecedentes patológicos e ou
obstétricos durante a gravidez e no parto;
•Patologias no puerpério imediato;
•Dados do parto;
•Dados do recém-nascido;
•Dados sobre amamentação;
•Identificação de intercorrências na gestação, no parto e
no pós-parto;
•Uso de medicamentos (ferro, ácido fólico, vitamina A).

16 Professora Msc. Tatiana Melo


Exame Físico
• Verificar sinais vitais;
• Avaliar o estado psíquico da mulher;
• Observar estado geral: pele, mucosas, presença de
edema, cicatriz (parto normal com episiotomia ou
laceração/cesárea) e membros inferiores;
• Examinar mamas, verificando a presença de
ingurgitamento, sinais inflamatórios, infecciosos ou
cicatrizes que dificultem a amamentação;
• Examinar abdômen, verificando a condição do útero e
se há dor à palpação;
• Examinar períneo e genitais externos (verificar sinais
de infecção, presença e características de lóquios);
17 Professora Msc. Tatiana Melo
Conduta
• Orientar sobre:
 higiene, alimentação, atividades físicas;
 atividade sexual, informando sobre prevenção de
DST/Aids;
 cuidado com as mamas, reforçando a orientação sobre
o aleitamento (considerando a situação das mulheres
que não puderem amamentar);
 cuidados com o recém-nascido;
 direitos da mulher (direitos reprodutivos, sociais e
trabalhistas).

18 Professora Msc. Tatiana Melo


 Aplicar vacinas, dupla tipo adulto e tríplice viral, se
necessário;
 Oferecer teste anti-HIV e VDRL, com aconselhamento
pré e pós-teste, para as puérperas não aconselhadas
e testadas durante a gravidez e o parto;
 Prescrever suplementação de ferro: 40mg/dia de
ferro elementar, até três meses após o parto, para
gestantes sem anemia diagnosticada;
 Tratar possíveis intercorrências;
 Registrar informações em prontuário;
 Agendar nova consulta de puerpério (entre 30 e 42
dias pós-parto).

19 Professora Msc. Tatiana Melo


Método Anticoncepcional
durante o Aleitamento
• A escolha do método deve ser sempre personalizada.
• Para orientar o uso de métodos anticoncepcionais no
pós-parto, deve-se considerar: o tempo pós-parto, o
padrão da amamentação, o retorno ou não da
menstruação, os possíveis efeitos dos
anticoncepcionais hormonais sobre a lactação e o
lactante.
• A associação amenorréia e lactação exclusiva com livre
demanda (LAM)

20 Professora Msc. Tatiana Melo


Método Anticoncepcional durante o Aleitamento
• A mulher que está amamentando e necessita, ou deseja,
proteção adicional para prevenir a gravidez deve primeiro
considerar os métodos sem hormônios (DIU e métodos
de barreira);
• O anticoncepcional hormonal oral apenas de
progestogênio (minipílula) e Injetável trimestral (com
progestogênio isolado) podem ser utilizados por
lactantes.
• Nos casos da minipílula e do injetável trimestral o inicio
do uso deve ser após 6 semanas do parto.
• O anticoncepcional hormonal oral combinado e o
injetável mensal não devem ser utilizados em lactantes,
pois interferem na qualidade e na quantidade do leite
materno e podem afetar adversamente a saúde do bebê.
21 Professora Msc. Tatiana Melo
Aspectos Emocionais do Puerpério
•Quando uma criança nasce, ocorrem mudanças na vida
da mãe e da sua família e surge a necessidade de
adaptação à chegada do novo ser.
•E adaptar-se não é uma tarefa fácil, especialmente
quando se trata do primeiro filho. Os pais necessitam
modificar seu sistema conjugal, criando um espaço para
o filho, seja ele o primeiro ou não. Além disso, precisam
aprender a unir as tarefas financeiras e domésticas com a
função da educação dos pequenos.

22 Professora Msc. Tatiana Melo


Aspectos Emocionais do Puerpério

• Os profissionais de saúde da atenção primária têm


um papel importante quando observam problemas
na relação dos pais com os bebês.
• No atendimento à puérpera e ao seu bebê, é
importante observar, no ato da amamentação, se o
bebê busca encontrar o olhar da mãe e se esta
consegue responder tais solicitações, se
comunicando com ele. Ou nos casos em que a
amamentação não é possível, observar a forma
como a mãe e a criança se olham e se comunicam.

23 Professora Msc. Tatiana Melo


É importante que o profissional da
Atenção Primária à Saúde:
• Esteja atento a sinais e sintomas que se configurem como
mais desestruturantes e que fujam da adaptação “normal”
e da característica do puerpério;
• Leve em consideração a importância do acompanhamento
da puérpera desde a primeira semana após o parto,
prestando o apoio necessário à mulher no seu processo de
reorganização psíquica, quanto ao vínculo com o seu bebê,
nas mudanças corporais e na retomada do planejamento e
da vida familiar;
• Inclua a família nos atendimentos de puericultura e no
amparo à puérpera;
• Forneça orientações quanto ao aleitamento materno
exclusivo, acolha as ansiedades e fantasias da puérpera,
abra espaço para dúvidas e ofereça dicas práticas para
facilitar o ato da amamentação.
24 Professora Msc. Tatiana Melo
Diferencial sinóptico dos sofrimentos
mentais puerperais

25 Professora Msc. Tatiana Melo


Diferencial sinóptico dos sofrimentos
mentais puerperais

26 Professora Msc. Tatiana Melo


Estudamos que a assistência no
período puerperal implica na
oferta de visita na “Primeira
Semana de Saúde Integral” e na
consulta puerperal, visando a
identificação de riscos e
vulnerabilidades.

Sucesso sempre!

27 Professora Msc. Tatiana Melo


REFERÊNCIAS
BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Sírio-Libanês de
Ensino e Pesquisa. Protocolos da Atenção Básica: saúde
das mulheres. Brasília: Ministério da Saúde, 2016. 230 p.

BRASIL. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de


Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco.
Caderno de atenção básica nº32. Brasília/ DF: Ministério
da Saúde, 2012.

28 Professora Msc. Tatiana Melo