Vous êtes sur la page 1sur 24

19999037

Instituição de ensino:

Aluno:

SIMULADO ENEM
PROVA DE CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS
PROVA DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS

CÓDIGO: 24

2O DIA

2 a
Exame Nacional do Ensino Médio
Série
2018 PROVA 2

A COR DA CAPA DO SEU CADERNO DE QUESTÕES É AMARELO. MARQUE -A EM SEU CARTÃO-RESPOSTA.

ATENÇÃO: transcreva no espaço apropriado do seu CARTÃO-RESPOSTA,


com caligrafia usual, considerando as letras maiúsculas e minúsculas, a seguinte frase:

O Sol aqueceu a face da criança.

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES SEGUINTES:

1. Este CADERNO DE QUESTÕES contém 60 questões numeradas de 61 a 120, dispostas da seguinte maneira:
a) questões de número 61 a 90, relativas à área de Ciências da Natureza e suas Tecnologias;
b) questões de número 91 a 120, relativas à área de Matemática e suas Tecnologias.
2. Confira se a quantidade e a ordem das questões do seu CADERNO DE QUESTÕES estão de acordo com as
instruções anteriores. Caso o caderno esteja incompleto, tenha defeito ou apresente qualquer divergência,
comunique ao aplicador da sala para que ele tome as providências cabíveis.
3. Para cada uma das questões objetivas, são apresentadas 5 opções. Apenas uma responde corretamente
à questão.
4. O tempo disponível para estas provas é de três horas e dez minutos.
5. Reserve os 30 minutos finais para marcar seu CARTÃO-RESPOSTA. Os rascunhos e as marcações
assinaladas no CADERNO DE QUESTÕES não serão considerados na avaliação.
6. Quando terminar as provas, acene para chamar o aplicador e entregue este CADERNO DE QUESTÕES e
o CARTÃO-RESPOSTA.
7. Você poderá deixar o local de prova somente após decorrida uma hora e trinta minutos do início da aplicação
e poderá levar seu CADERNO DE QUESTÕES ao deixar em definitivo a sala de prova nos 30 minutos que
antecedem o término das provas.

Selo FSC aqui

D3-8014-CNT-MT-2S-P2-01a24.indd 1 2/22/18 11:06 AM


Envidamos nossos melhores esforços para localizar e indicar adequadamente os créditos dos textos e imagens
presentes nesta obra didática. No entanto, colocamo-nos à disposição para avaliação de eventuais irregularida-
des ou omissões de crédito e consequente correção nas próximas edições.

As imagens e os textos constantes nesta obra que, eventualmente, reproduzam algum tipo de material de publici-
dade ou propaganda, ou a ele façam alusão, são aplicados para fins didáticos e não representam recomendação
ou incentivo ao consumo.

D3-8014-CNT-MT-2S-P2-01a24.indd 2 2/7/18 3:55 PM


CIÊNCIAS DA NATUREZA Conforme descrito no texto, quando exposto a um ambiente frio
por longos períodos, as reações do organismo buscam
E SUAS TECNOLOGIAS
A aumentar o ganho de calor do ambiente a fim de manter a tem-
Questões 61 a 90 peratura média do interior do corpo e a circulação sanguínea
constante.
QUESTÃO 61 B diminuir a perda de calor para o ambiente a fim de diminuir a
temperatura e aumentar a circulação sanguínea nas extremi-
Uma prática sustentável está se tornando comum em muitos dades do corpo.
lares brasileiros: trata-se da vermicompostagem. Apesar do
nome estranho, a prática é simples e consiste basicamente C aumentar a temperatura do interior do corpo humano e da
corrente sanguínea a fim de aumentar as trocas de calor com
na compostagem de resíduos orgânicos pela ação de minho-
o ambiente.
cas. Na vermicompostagem, os restos de alimentos do dia a
dia, junto com um resíduo orgânico seco (serragem, folhas D diminuir a perda de calor para o ambiente a fim de manter a
temperatura média do interior do corpo em detrimento das
secas etc.), são adicionados a uma composteira onde vivem
extremidades.
as minhocas. O local é protegido por uma tela, evitando as-
sim o aparecimento de larvas de moscas e de outros animais E reduzir a temperatura no interior do corpo humano minimi-
zando as trocas de calor com o ambiente para preservar os
indesejáveis. A partir daí as minhocas fazem o trabalho de
órgãos periféricos.
degradar o resíduo orgânico, transformando-o em húmus, um
valioso adubo orgânico.
QUESTÃO 63
Ainda que hoje seja possível saber a origem das minhocas
existentes em uma composteira, esse assunto foi foco de muita [...]
discussão no passado. Uma explicação para a origem dos se-
Quem visita as praias do Sono e Ponta Negra, em Paraty
res vivos de uma composteira condiz com o posicionamento de
(RJ), se impressiona com a organização dos varais de peixe
A Needham, que entendia que as minhocas da composteira só seco, presos com pregador, ganhando cor de ferrugem e sa-
poderiam ser originadas a partir de outras minhocas.
bores complexos. “O ribeirinho salga e seca peixe o ano todo”,
B Francesco Redi, que acreditava que microrganismos poderiam
conta a chef Ana Bueno, do Banana da Terra. Para quem sabe
surgir espontaneamente na composteira desde que o princípio
vital fosse mantido. o valor do trabalho do pescador, não há abundância que jus-
tifique o desperdício.
C Spallanzani, que considerava que o surgimento de larvas na
composteira seria o resultado da geração espontânea em ra- [...]
zão das condições favoráveis.
FRAGA, Olívia. A multiplicação dos peixes salgados. Estadão, 4 abr. 2012.
D Jan Baptist van Helmont, que defendia que as minhocas po- Disponível em: <www.estadao.com.br/noticias/geral,a-multiplicacao-dos-peixes-
salgados-imp-,4908>. Acesso em: 2 dez. 2017.
deriam surgir espontaneamente em uma composteira, se hou-
vesse restos de alimentos disponíveis. A reportagem acima apresenta um processo de conservação
E Pasteur, que presumia que todas as formas de vida existentes de alimentos bastante comum. Nesse caso, os peixes são con-
na composteira teriam surgido espontaneamente a partir da servados porque
força vital contida nos restos alimentares. A a eliminação dos microrganismos patogênicos nos peixes é
feita pela radiação solar.
QUESTÃO 62 B o crescimento de microrganismos é dificultado pela eliminação
da água das células pela osmose.
[...]
C a eliminação das bactérias ocorre pela ação bactericida do sal.
A temperatura média do interior do corpo humano fica entre
D o crescimento de microrganismos é impedido pelo cloreto de
36 °C e 37 °C. Quando o ambiente está suficientemente frio e a sódio, que entra nas células por osmose.
perda de calor do corpo aumenta, o organismo utiliza diversas
E o meio isotônico causa a absorção da água e a ruptura das
medidas para gerar mais calor ou diminuir a perda de calor membranas celulares.
corpóreo, como aumentar a atividade muscular involuntária
(“tremendo” ou alterando a frequência cardíaca), variando a QUESTÃO 61 enquanto a restrição da circulação san-
intensidade e frequência das inspirações e expirações, restrin- Conteúdo: Origem da vida guínea nas extremidades contribui para a
C1 | H3 diminuição das trocas de calor com o am-
gindo a circulação sanguínea nas extremidades do corpo [...]. Dificuldade: Difícil biente. Ao reduzir a circulação sanguínea
Se o ambiente estiver suficientemente frio, ou se o organismo Jan Baptist van Helmont era um defensor nos órgãos periféricos, como orelhas e
da abiogênese e chegou a criar receitas nariz, por exemplo, esses órgãos podem
for exposto por longos períodos a um ambiente moderadamente para o surgimento de camandungos a par- sofrer lesões graves.
tir de roupas sujas. Portanto, conforme o
frio, mesmo estas medidas involuntárias deixarão de ser eficien- QUESTÃO 63
posicionamento dele, o surgimento de mi-
Conteúdo: Osmose
tes e a temperatura corporal diminuirá, causando problemas nhocas espontaneamente seria possível. C4 | H15
fisiológicos, por vezes sequelas duradouras ou permanentes QUESTÃO 62 Dificuldade: Fácil
Conteúdo: Trocas de calor, conceito de A adição de sal na superfície dos peixes
e, em último caso, levando ao coma ou à morte. temperatura torna o meio externo hipertônico, fazen-
C4 | H14 do com que as células dos peixes percam
BELATTO, Leandro. Hipotermia e cuidados com o tempo frio. Climatempo, 11 jun. 2016.
Dificuldade: Média água por osmose; e um ambiente com
Disponível em: <www.climatempo.com.br/verao/noticia/2016/06/11/hipotermia-e-cuidados-
com-o-tempo-frio--4193>. Acesso em: 2 dez. 2017. Os movimentos involuntários contribuem pouca água disponível dificulta a instala-
para o aumento local de temperatura ção de microrganismos.

CN - 2a Série | 2o Dia - AMARELO - Página 3

D3-8014-CNT-MT-2S-P2-01a24.indd 3 2/7/18 3:55 PM


QUESTÃO 64 QUESTÃO 65
[...] COSMÉTICOS: A QUÍMICA DA BELEZA

Por conveniência de estudo a atmosfera é usualmente sub- A palavra cosmético deriva da palavra grega kosmetikós,
dividida em camadas [...]. que significa “hábil em adornar”. Existem evidências
arqueológicas do uso de cosméticos para embelezamento
A camada inferior, onde a temperatura decresce com a al-
e higiene pessoal desde 4 000 anos antes de Cristo.
titude, é a troposfera, que se estende a uma altitude média de
Os primeiros registros tratam dos egípcios, que pintavam
12 km [...].
os olhos com sais de antimônio para evitar a contemplação
A camada seguinte, a estratosfera, se estende até [aproxi-
direta do deus Ra, representado pelo sol. Para proteger sua
madamente] 50 km. [...] Temperaturas mais altas ocorrem na
pele das altas temperaturas e secura do clima desértico da
estratosfera porque é nesta camada que o ozônio está con-
região, os egípcios recorriam à gordura animal e vegetal,
centrado. [...]
cera de abelhas, mel e leite no preparo de cremes para a
Na mesosfera a temperatura novamente decresce com a pele. Existem registros de historiadores romanos relatando
altura [...]. Acima [...], e sem limite superior definido, está a ter- que a rainha Cleópatra frequentemente se banhava com leite
mosfera, onde a temperatura é inicialmente isotérmica e depois para manter pele e cabelos hidratados.
cresce rapidamente com a altitude [...]. GALEMBECK, Fernando; CSORDAS, Yara. Sala de Leitura: Cosméticos, a química da
beleza. Disponível em: <http://web.ccead.puc-rio.br/condigital/mvsl/Sala%20de%20Leitura/
Disponível em: <http://fisica.ufpr.br/grimm/aposmeteo/cap1/cap1-2.html>.
conteudos/SL_cosmeticos.pdf>. Acesso em: 2 dez. 2017.
Acesso em: 2 dez. 2017 .

Uma vez que a densidade do ar diminui com a altitude, O antimônio (Sb) é um ametal; no entanto, já foi classificado
como semimetal, pois possui propriedades intermediárias entre
A por colidirem menos umas com as outras, as moléculas de ar metais e a maioria dos ametais. Nos dias atuais, muitos dos
da termosfera determinam a temperatura de qualquer corpo
compostos contendo antimônio são proibidos ou têm seu uso
que estiver em órbita.
controlado por causa de sua alta toxicidade, especialmente
B a temperatura de um satélite em órbita é mais influenciada quando apresenta valência +3. O composto utilizado pelos
pela radiação solar absorvida do que pela temperatura do ar egípcios para pintar os olhos também era utilizado pela rainha
que o cerca.
Cleópatra para se embelezar e era conhecido como kohl ou
C por colidirem menos com corpos estranhos, as moléculas de kajal, responsável pelos famosos traços mais escuros de sua
ar da termosfera atingem velocidades maiores do que as mo- maquiagem nos olhos. O delineador utilizado por Cleópatra
léculas da estratosfera.
tinha em sua composição
D a temperatura de um satélite em órbita é mais influenciada
A Sb(OH)3.
pela temperatura do ar que o cerca do que pela radiação
solar absorvida. B Sb2O3.
E por colidirem mais umas com as outras, as moléculas de ar da C Sb.
termosfera atingirão altas velocidade seja qual for sua tempe-
D HSbF6.
ratura inicial.
E Sb2S3.

QUESTÃO 64
Conteúdo: Densidade, temperatura QUESTÃO 65
C5 | H18 Conteúdo: Classificação de compostos inorgânicos
Dificuldade: Média C7 | H24
Como a baixa densidade implica menos colisões das moléculas de ar com o satélite Dificuldade: Média
em órbita, mesmo que a temperatura na termosfera seja alta, o que mais influenciará O delineador usado por Cleópatra era constituído por sais. Entre as alternativas, o
a temperatura do satélite é a absorção da radiação solar. sulfeto de antimônio (Sb2S3) é o único composto representado que é um sal, pois re-
presenta a ligação iônica entre uma espécie que se comporta como metal (antimônio)
e um não metal (o enxofre).

CN - 2a Série | 2o Dia - AMARELO - Página 4

D3-8014-CNT-MT-2S-P2-01a24.indd 4 2/7/18 3:55 PM


QUESTÃO 66 QUESTÃO 68
As máquinas lavadoras e secadoras de roupa utilizam tambores ANTICORPO ANTIDENGUE TAMBÉM PROTEGE CONTRA
de rotação para efetuar suas operações com maior eficiência. O VÍRUS DA ZIKA, AFIRMA PESQUISA
Por meio de um motor elétrico, tais equipamentos executam ci-
clos de lavagem, enxágue e/ou secagem, entre outros, de forma [...]
automática, de acordo com o tipo e a quantidade de roupa. No Para chegar aos resultados, cientistas infectaram camun-
caso dos ciclos de centrifugação, a alta rotação do tambor faz dongos adultos com o vírus da zika e depois administraram
com que a água em excesso seja escoada pelos orifícios do
um dos anticorpos antidengue um, três ou cinco dias após a
tambor da máquina, deixando a roupa bem menos encharcada.
infecção. Para comparação, outro grupo de ratos foi infectado
O processo de separação de misturas detalhado acima é tam- com o vírus, mas recebeu placebo.
bém fundamental
Dentro de três semanas após a infecção por zika, mais de
A na obtenção de gasolina a partir do petróleo.
80% dos camundongos não tratados haviam morrido, enquanto
B nos garimpos, para separar o ouro de impurezas, como a areia.
todas as cobaias que receberam o anticorpo antidengue per-
C nas salinas, para obter sal marinho a partir da água dos mares maneceram vivas três dias depois. [...]
e oceanos.
Anticorpo antidengue também protege contra o vírus da zika, afirma pesquisa. G1, 25
D na produção de leite desnatado a partir de leite integral. set. 2017. Disponível em: <https://g1.globo.com/bemestar/noticia/anticorpo-anti-dengue-
tambem-protege-contra-o-virus-da-zika-afirma-pesquisa.ghtml>. Acesso em: 2 dez. 2017.
E na purificação do ar em indústrias de manipulação de alimentos.
Na pesquisa acima, a utilização de placebo em um grupo de
ratos permite
QUESTÃO 67
A demonstrar a ação farmacológica do medicamento no orga-
nismo dos ratos.
Eye of Science/SPL/Latinstock

B dividir o trabalho entre os cientistas, fracionando os grupos


estudados entre eles.
C testar duas hipóteses simultaneamente, reduzindo os gastos
com pesquisas futuras.
D reduzir o número de indivíduos a serem testados, facilitando
a análise dos resultados.
E verificar a eficácia real do medicamento, isentando-se de pos-
síveis reações de natureza psicológica.

QUESTÃO 66
Conteúdo: Processos de separação de misturas
C2 | H6
Dificuldade: Fácil
A centrifugação é um processo de separação de misturas heterogêneas, em que o
soluto encontra-se disperso no solvente. Pode ser utilizada para separar dois líquidos
A imagem acima mostra bacteriófagos atacando uma bactéria. ou um sólido de um líquido. A separação, nessa técnica, ocorre por meio da rotação
acelerada da mistura. A força centrífuga colabora para que a fase de maior densidade
Pode-se observar o que usualmente se convencionou de “vírus se separe daquela de menor densidade. No caso das máquinas de lavar e/ou de secar,
nu” para descrever a estrutura viral após a penetração, pela a centrifugação é usada para retirar a água em excesso na roupa, separando a fase
membrana, da célula hospedeira. Essa expressão pode ser líquida da sólida. A água em excesso é escoada pelos orifícios do tambor da máquina,
deixando a roupa bem menos encharcada. No caso da produção de leite desnatado
interpretada como a partir de leite integral, que é uma emulsão estável de nata (gordura) dispersa em
A a destruição da membrana plasmática viral após a invasão. água, entre outros componentes, utiliza-se a rotação em uma centrífuga para que a
nata (menos densa) se separe do leite desnatado (mais denso).
B a dissipação da membrana nuclear após a ocupação da célula. QUESTÃO 68
Conteúdo: Método científico
C o abandono do DNA cromossômico do vírus após a entrada C8 | H30
na célula Dificuldade: Média
Na reportagem acima, como pede a metodologia científica, há a checagem das hipó-
D a degradação do capsídeo após a penetração do material teses com testes em mais de um grupo e um deles, de controle.
genético viral na célula.
E a retirada das mitocôndrias virais após o contato com a mem-
brana plasmática da célula.

QUESTÃO 67
Conteúdo: Replicação viral
C5 | H17
Dificuldade: Difícil
O capsídeo constitui o conjunto de proteínas estruturais formadoras do envoltório
que circunda e protege o material genético viral. O capsídio tem a capacidade de
combinar-se quimicamente com substâncias presentes na superfície celular, sendo
degradado após a penetração do material genético viral.

CN - 2a Série | 2o Dia - AMARELO - Página 5

D3-8014-CNT-MT-2S-P2-01a24.indd 5 2/26/18 2:30 PM


QUESTÃO 69 QUESTÃO 70
A função da panela de pressão é cozer alimentos a uma O mercúrio é o único metal que, em condições ambiente, é
temperatura maior do que seria atingida em um recipiente aber- encontrado no estado líquido. A seguir, são apresentadas duas
to. Em um recipiente aberto o cozimento em água se dará na fotografias: uma de mercúrio líquido sobre vidro (I) e outra de
temperatura de 100 graus Celsius caso a pressão exercida mercúrio líquido sobre uma tela de prata (II).
sobre a água seja 1 atm. As panelas de pressão usuais per- I
mitem, por pressurização do ambiente interno à panela, que a

MarcelClemens/Shutterstock.com
pressão interna seja cerca de 1 atm maior do que a externa. [...]
O gráfico abaixo [...] pode ser interpretado como relacionando
a temperatura de ebulição da água com a pressão externa a água.
Disponível em: <www.if.ufrgs.br/cref/?area=questions&id=412>. Acesso em: 2 dez. 2017.

Ilê comunicação
2,5
P (atm)

2,2

1,9

1,6
Mercúrio sobre superfície de vidro.
1,4
II
1,2

Graphic Compressor/Shutterstock.com
1,0

0,8

0,6

0,4
81
84
87
90
93
96
99
102
105
108
111
114
117
120
123
126
129

T (°C)

A cidade de La Paz, na Bolívia, fica a cerca de 3 700 m de altitude


e está submetida a pressão atmosférica em torno de 0,6 atm.
Considerando as informações apresentadas no texto e no gráfi-
co, nesta cidade, a temperatura de ebulição da água aumenta Mercúrio sobre superfície de prata.

A continuamente até 150 °C enquanto se mantém a panela aberta. A diferença no padrão de molhabilidade do mercúrio nessas
B cerca de 12 °C, se a água for colocada em uma panela de pressão. duas superfícies pode ser explicada pela(s)
C para 100 °C, quando aquecida em uma panela de pressão. A interações dipolo-dipolo que ocorrem entre o mercúrio e a
prata, mas que não ocorrem com o vidro.
D para cerca de 115 °C, se a água for aquecida na panela aberta.
B interações dipolo induzido-dipolo induzido que ocorrem entre
E cerca de 27 °C, se a água for colocada em uma panela de pressão.
o mercúrio e a prata, mas que não ocorrem com o vidro.
C formação de ligações de hidrogênio que ocorrem entre o mer-
cúrio e o vidro (sílica), mas que não ocorrem com a prata.
QUESTÃO 70
Conteúdo: Interações intermoleculares D interações dipolo induzido-dipolo induzido que ocorrem entre
C7 | H24 o mercúrio e o vidro, mas que não ocorrem com a prata.
Dificuldade: Difícil
Molhabilidade é a habilidade de um líquido em manter contato com uma superfície E interações dipolo-dipolo que ocorrem entre o mercúrio e o
sólida. vidro, mas que não ocorrem com a prata.
Pelas imagens, é possível afirmar que a interação entre o mercúrio e a prata é maior
que entre o mercúrio e o vidro, porque o mercúrio está mais espalhado na superfície
de prata. Nesse caso, as interações estabelecidas entre o mercúrio e a prata são do
tipo dipolo induzido-dipolo induzido, característica de substâncias apolares, como é o QUESTÃO 69
caso dos metais. No caso do vidro, composto por sílica (SiO2), as interações não são Conteúdo: Trocas de calor, conceito de temperatura
favoráveis, pois o mercúrio é apolar e a sílica é polar. Assim, as gotas de mercúrio ficam C4 | H17
altas e volumosas, de modo a minimizar as interações do mercúrio com o vidro (forças Dificuldade: Média
de adesão) e maximizar as interações do mercúrio com ele mesmo (forças de coesão). Pelo gráfico, obtém-se que a temperatura de ebulição da água em La Paz é cerca
de 87 °C. Com o aumento de 1 atm, a pressão na panela será cerca de 1,6 atm e a
temperatura de ebulição será cerca de 114 °C. Portanto, o aumento da temperatura
de ebulição é cerca de 27 °C (114 – 87).

CN - 2a Série | 2o Dia - AMARELO - Página 6

D3-8014-CNT-MT-2S-P2-01a24.indd 6 2/7/18 3:55 PM


QUESTÃO 71 QUESTÃO 73
A energia solar pode ser aproveitada para o aquecimento A ÁGUA COM GÁS FAZ MAL?
da água em residências, antes de seu consumo. Para isso, é [...]
necessário que a água passe por uma caixa semelhante a uma
Se você já deixou moedas em um copo de refrigerante tipo
estufa de plantas. A radiação solar incide na face transparente
cola por algumas horas, pôde ver que elas saem limpas e bri-
do coletor, e parte dela atinge a chapa de alumínio pintada de
lhantes. O motivo para isso é que o ácido fosfórico presente na
preto, que está no interior da caixa.
bebida remove a camada de óxido que se acumula nas moedas.
Colada à placa de alumínio está a tubulação de água, tam-
E água com gás, faz mal?
bém pintada de preto. [...]
Comecemos pelo estômago. A água com gás é fabricada
SILVA, Domiciano C. M. da. Coletor Solar. Mundo Educação. Disponível em:
<http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/fisica/coletor-solar.htm>. Acesso em: 2 dez. 2017. com a adição de dióxido de carbono sob pressão ao líquido.

O texto descreve algumas partes que compõem um coletor O resultado é que a bebida passa a conter ácido carbônico,
solar utilizado para o aquecimento de água. Nesse sistema, um ácido fraco.
a chapa de alumínio e a tubulação de água do coletor são [...]
pintadas de preto, pois, dessa forma, uma
HAMMOND, Claudia. A água com gás faz mal? BBC, 14 set. 2015.
A maior parcela da energia que incide na chapa metálica é Disponível em: <www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/09/150914_vert_fut_agua_gas_ml>.
Acesso em: 2 dez. de 2017.
absorvida, aumentando a temperatura da água, enquanto
uma pequena parcela dessa energia é refletida para o ar. Considerando que as camadas de óxido que se acumulam
B maior área da chapa metálica reflete a energia incidente, nas moedas são compostas de óxido de cobre (II), as reações
transmitindo parte dessa energia para o ar, enquanto uma químicas mencionadas no texto responsáveis pelos fenômenos
pequena parcela dessa energia é absorvida para a água. descritos são, respectivamente,
C menor parcela da energia que incide na chapa metálica é (Dados: íon fosfato = PO3− ; íon carbonato = CO2−)
4 3
absorvida, refletindo parte dessa energia para a água, en-
quanto uma grande parcela dessa energia é irradiada para A 3 CuO + 2 H3PO4 → Cu3(PO4)2 + 3 H2O;
o ar. H2O + CO2 E H2CO3.
D menor área da chapa metálica reflete a energia incidente, B 3 Cu + 2 H3PO4 → Cu3(PO4)2 + 3 H2;
transmitindo parte dessa energia para o ar, enquanto uma
pequena parcela dessa energia é absorvida pela água. H2O + 2 CO2 + 1/2 O2 E 2 HCO3.

E maior parcela da energia que incide na chapa metálica é ab- C 3 CuO + 2 H3PO4 → Cu3(PO4)2 + 3 H2O;
sorvida, refletindo parte dessa energia para a água, enquanto H2O + CO E H2CO2.
uma grande parcela dessa energia é irradiada para o ar.
D CuO + H2PO4 → CuPO4 + H2O;
QUESTÃO 72 3 H2O + 2 CO2 E 2 H3CO3 + 1/2 O2.

Os ambientes aquáticos abrigam uma grande diversidade animal, E CuO + H2PO4 → CuPO4 + H2O;
englobando artrópodes e vertebrados. A vida neste ambiente exi- H2O + CO2 E H2CO3.
ge uma série de adaptações, incluindo a presença de um sistema
respiratório capaz de extrair o oxigênio em baixa concentração
dissolvido na água. Nesse contexto, diversos grupos de animais QUESTÃO 71
aquáticos desenvolveram o sistema respiratório do tipo branquial, Conteúdo: Transmissão de calor
C5 | H18
em que as trocas gasosas se dão por difusão entre a água am- Dificuldade: Fácil
biente, que banha os filamentos, e o sangue dos capilares. A cor preta facilita a absorção de radiação incidente e a emissão de radiação para a
água, diminuindo a reflexão para o ar.
A presença deste tipo de sistema respiratório em animais aquá-
ticos de grupos distintos evidencia a QUESTÃO 72
Conteúdo: Reconstrução da filogenia
A ausência do processo de seleção natural nesses ambientes, C4 | H16
resultando em adaptações aleatórias. Dificuldade: Média
A presença de um mesmo sistema respiratório em diversos grupos de animais evi-
B pouca influência que o ambiente onde os seres vivos habitam dencia a evolução convergente, uma vez que estes animais, mesmo distantes filoge-
exerce na modelagem das espécies. neticamente, apresentam adaptações semelhantes voltadas para a sobrevivência no
ambiente aquático.
C presença de órgãos vestigiais que foram úteis em outros mo- QUESTÃO 73
mentos da história evolutiva desses animais. Conteúdo: Reações inorgânicas
C5 | H17
D evolução convergente, uma vez que animais filogeneticamente Dificuldade: Média
distantes apresentam adaptações semelhantes. A primeira reação é entre a superfície de uma moeda, composta de óxido metálico
(no caso, óxido de cobre (II), CuO), um óxido básico, e o ácido fosfórico (H3PO4):
E divergência evolutiva, pois, ainda que esses animais sejam 3 CuO + 2 H3PO4 → Cu3(PO4)2 + 3 H2O. Já a segunda reação é entre a água e o dióxido
filogeneticamente próximos, possuem adaptações diferentes. de carbono (CO2), formando o ácido carbônico (H2CO3), um ácido fraco (por isso a
seta de equilíbrio): H2O + CO2 F H2CO3.

CN - 2a Série | 2o Dia - AMARELO - Página 7

D3-8014-CNT-MT-2S-P2-01a24.indd 7 2/7/18 3:55 PM


QUESTÃO 74 QUESTÃO 75
Na ponte da imagem abaixo podemos observar algumas frestas VOCÊ SABIA? POR QUE OCORREM AS MARÉS
que, em termos técnicos, recebem o nome de juntas de dilatação. ALTA E BAIXA?
vitormarigo/Shutterstock.com

[...]
Juntas de dilatação
As marés alta e baixa estão ligadas à força gravitacional
da Lua e da Terra [...].
[...] Em um determinado momento, quando se estiver “em-
baixo” da Lua, haverá maré alta. […] a rotação da Terra terá
levado esse ponto a 90° da Lua, e ele terá maré baixa. […]
Também a força gravitacional do Sol interfere nas marés,
apesar de menos intensamente. Quando a […] força está na
mesma direção da atração lunar […] torna as marés mais altas.
Junta de dilatação da ponte Rio-Niterói, Rio de Janeiro (RJ).
Disponível em: <www.terra.com.br/noticias/ciencia/voce-sabia-por-que-ocorrem-as-mares-
É comum algumas pessoas se assustarem ao ver esse tipo de alta-e-baixa,1d8b24618a8a4c32995a596c04b3649771qr9w9k.html>. Acesso em: 2 dez. 2017.
fissura ao longo de diferentes pontes, confundindo-as, muitas
A posição da Lua e do Sol em relação à Terra faz a variação
vezes, com rachaduras. No entanto, se essas estruturas não
da altitude das marés serem maiores durante
fossem projetadas com esses espaçamentos,
A a lua nova, pois nesse período a Lua e o Sol estão em posições
A seriam mais seguras, permitindo maiores velocidades de trá- inversas em relação à Terra, de modo que o Sol anula a força
fego em baixas temperaturas. exercida pela Lua sobre os mares.
B poderiam sofrer abalo em sua estrutura devido à dilatação B as luas crescente e minguante, pois a posição entre a Lua, a
térmica dos materiais. Terra e o Sol implica maior força resultante sobre os mares.
C seriam menos seguras e com menor abalo em sua estrutura C a lua crescente, pois nesse período a Lua e o Sol se encontram
devido à variação de temperatura. em posições contrárias em relação à Terra, de modo que o Sol
D precisariam de menor manutenção devido à dilatação térmica anula a força exercida pela Lua sobre os mares.
dos materiais. D as luas cheia e nova, pois a disposição da Lua, da Terra e do
E poderiam sofrer abalo em sua estrutura devido ao aumento de Sol nesses períodos a força do Sol se soma à força exercida
velocidade dos automóveis. pela Lua sobre os mares.
E a lua cheia, porque a Terra e o Sol estão em posições opostas
QUESTÃO 74 em relação à Lua nesse período, de modo que a força exercida
Conteúdo: Dilatação térmica pelo Sol se soma à força exercida pela Lua.
C5 | H18
Dificuldade: Fácil
A dilatação térmica implica no aumento ou na diminuição do tamanho das placas QUESTÃO 76
da ponte de acordo com a variação de temperatura, podendo causar danos em sua
estrutura, como a deformação ou as rupturas das placas de concreto. Um fazendeiro deseja aumentar a eficiência energética de
QUESTÃO 75 sua granja de porcos, que consome diariamente 5 kW para
Conteúdos: Gravitação cada 1 kg de carne suína produzida. Para isso, instalou um
C6 | H20 biodigestor subterrâneo que consegue produzir energia a par-
Dificuldade: Difícil
Mesmo estando mais distante, o Sol influencia os movimentos das águas do oceano tir do produto do processamento dos dejetos dos animais. A
no planeta, só que com menor intensidade do que a Lua. Nas luas cheia e nova, os biodigestão ocorre por meio da ação de bactérias anaeróbias
três astros estão alinhados, fazendo com que o efeito do Sol se some ao da Lua. que processam esses rejeitos animais e os transformam em
QUESTÃO 76 biogás (constituído, em massa, de 75% de metano e 25% de
Conteúdo: Termoquímica, combustíveis. dióxido de carbono), que será usado para produzir energia.
C1 | H4 Para sustentar a produção diária de 100 kg de carne suína de
Dificuldade: Difícil
Para produzir 100 kg de carne suína em um dia, a granja consome 500 kW. Con- sua granja, o biodigestor deve ser capaz de produzir, a partir
vertendo para kJ, em um dia, tem-se 500 ⋅ 103 · 86,4 = 4,32 ⋅ 107 kJ. O biodigestor das fezes dos porcos,
produz, a partir dos dejetos animais, o biogás, que será queimado para produzir
energia a partir da combustão de gás metano (CH4) contido nele. Assim, sabendo que (Dados: Entalpia-padrão de combustão completa do metano: -
para cada mol de metano (massa molar = 16 g) são liberados 800 kJ de energia, para 800 kJ/mol; massas molares (g/mol): H = 1, C = 12, O = 16; 1 W =
produzir 4,32 x 107 kJ devem ser gastos:
= 1 J/s = 86,4 kJ/dia)
16 g ––– 800 kJ
x g ––– 4,32 ⋅ 107 kJ A 11,3 kg de biogás.
16 ⋅ 4,32 ⋅ 10 7
B 43,2 t de biogás.
x= = 8,64 ⋅ 105 g = 864 kg de metano
800
Como o metano corresponde a 75% da composição do biogás, devem ser produzidos C 72 kg de biogás.
no biodigestor:
1 mol = 75% ––– 864 kg
D 1,13 t de biogás.
100% ––– x kg E 864 kg de biogás.
100% ⋅ 864
x = = 1128 kg ≈ 1,13 t de biogás
75%

CN - 2a Série | 2o Dia - AMARELO - Página 8

D3-8014-CNT-MT-2S-P2-01a24.indd 8 2/26/18 2:46 PM


QUESTÃO 77 QUESTÃO 79
Sabe aquela pessoa que come de tudo e não engorda? Já dá Em vias públicas, curvas circulares são projetadas para operar
para esquecer aquele papo de “magro de ruindade”. A ciência com velocidades máximas seguras considerando o raio mínimo
indica que se manter magro ou estar acima do peso pode estar e a superelevação de compensação transversal, entre outros
relacionado às bactérias presentes na nossa flora intestinal [...] fatores. A tabela abaixo apresenta valores aproximados para o
[...] raio mínimo de curvas circulares para três velocidades previstas
no Código de Trânsito Brasileiro.
Ilya Metchnikoff [...] descreveu o papel da nossa flora in-
testinal no desenvolvimento de várias doenças e, ao observar
uma longevidade maior na Bulgária, notou que aquela popu- Raio mínimo para curvas circulares com superelevação
de 4% para diferentes velocidades de projeto
lação ingeria algumas bactérias presentes em alimentos como
o iogurte e que eles poderiam promover o equilíbrio da flora. Velocidade de
Tipo de via Raio mínimo (m)
[...] projeto (km/h)
ANDRADE, Thamires. Por que há magros que comem de tudo? Local 30 35
O segredo pode ser a flora intestinal. UOL, 29 set. 2017. Disponível em:
<https://estilo.uol.com.br/vida-saudavel/noticias/redacao/2017/09/29/e-magro-e-come-de-
tudo-o-segredo-pode-ser-a-flora-intestinal.htm>. Acesso em: 2 dez. 2017. Arterial 60 150
As bactérias citadas na reportagem
Rápida 80 280
A parasitam as paredes do intestino humano.
B influenciam no perfeito funcionamento do organismo humano. Considerando as informações acima, um automóvel com ve-
C devem ser eliminadas do organismo humano, por serem locidade de 80 km/h que se depara com uma curva circular à
patogênicas. direita precisará
D resistem ao uso dos antibióticos, diferentemente dos demais A diminuir sua velocidade em um quarto para fazer a curva sem o
eucariotos. risco de escapar para a esquerda, se estiver em uma via arterial.

E utilizam o gás carbônico produzido no intestino para sintetizar B manter sua velocidade constante para fazer a curva, se
a glicose. estiver em uma pista local, pois com menor velocidade es-
caparia para a direita.

QUESTÃO 78 C aumentar sua velocidade em um quarto para fazer a curva sem


o risco de escapar para a direita, se estiver em uma via rápida.
TEXTO I D diminuir sua velocidade em um quarto para fazer a curva sem
PESTE BUBÔNICA PROVOCA PÂNICO EM MADAGASCAR o risco de escapar para a direita, se estiver em uma via local.

Desde o final de agosto deste ano, 24 pessoas morreram E manter sua velocidade constante para fazer a curva, se estiver
em uma pista arterial, pois com menor velocidade escaparia
devido à doença no país para a esquerda.
[...]
Peste bubônica provoca pânico em Madagascar. Gauchazh, 4 out. 2017.
Disponível em: <https://gauchazh.clicrbs.com.br/mundo/noticia/2017/10/peste-bubonica- QUESTÃO 77
provoca-panico-em-madagascar-cj8dg2z14007901ltiji3nygb.html>. Acesso em: 2 dez. 2017. Conteúdo: Características dos procariotos
C4 | H14
TEXTO II Dificuldade: Fácil
As bactérias que compõem a flora intestinal exercem papel metabólico e nutricional.
MORTE POR SUSPEITA DE FEBRE MACULOSA É A flora intestinal tem ainda uma função antibacteriana, imunomodeladora e protetora
INVESTIGADA NO INTERIOR DE MINAS da mucosa.

[...] QUESTÃO 78
Conteúdo: Surgimento dos eucariontes: Doenças causadas por bactérias
A mulher teria sido picada pelo carrapato transmissor da C4 | H14
doença em um sítio, na zona rural do município [...]. Dificuldade: Fácil
Ambas as doenças possuem roedores como hospedeiros. No caso da peste bubôni-
Morte por suspeita de febre maculosa é investigada no interior de Minas. Hoje em dia, ca, os ratos são os hospedeiros principais, e na febre maculosa a capivara é o prin-
30 jun. 2017. Disponível em: <http://hojeemdia.com.br/horizontes/morte-por-suspeita-de-febre- cipal hospedeiro.
maculosa-%C3%A9-investigada-no-interior-de-minas-1.539781>. Acesso em: 2 dez. 2017.

Os títulos das reportagens acima mencionam duas doenças QUESTÃO 79


Conteúdo: Movimento circular
bacterianas. Sobre a relação entre essas doenças, pode-se C4 | H17
dizer que ambas Dificuldade: Média
Em uma pista arterial, a velocidade de projeto para uma curva circular é de 60 km/h,
A possuem hospedeiros roedores. um quarto a menos que 80 km/h. Caso não reduza a velocidade, o automóvel precisa-
rá de um raio maior para fazer a curva, escapando para a esquerda da pista.
B são transmitidas de pessoa para pessoa.
C apresentam agentes etiológicos eucariotos.
D podem ser prevenidas por meio de vacinas.
E possuem um mesmo agente transmissor, o carrapato.

CN - 2a Série | 2o Dia - AMARELO - Página 9

D3-8014-CNT-MT-2S-P2-01a24.indd 9 2/7/18 3:55 PM


QUESTÃO 80 QUESTÃO 81

Draftfcb, USA
Solubilidade do gás oxigênio na água (mg/L)

grau pressão atmosférica (mm de Hg)


Celsius 680 700 720 740 760

7 10,5 11,0 11,0 11,5 11,5

8 10,5 10,5 11,0 11,0 11,5

9 10,0 10,5 10,5 11,0 11,0

10 9,8 10,0 10,5 10,5 11,0

12 9,4 9,6 9,9 10,0 10,5

14 8,9 9,2 9,5 9,7 10,0


A imagem acima foi utilizada em uma campanha publicitária
15 8,7 9,0 9,2 9,5 9,8 intitulada “How to drop a billion pounds” (Como perder um bi-
lhão de libras), da Dow Chemical Company. Essa campanha
16 8,6 8,8 9,1 9,3 9,6
busca mostrar o impacto de se eliminar um bilhão de libras
18 8,2 8,5 8,7 8,9 9,2 (equivalente a mais de 450 milhões de quilogramas) de gordu-
ras trans e gorduras saturadas da dieta dos norte-americanos,
20 7,9 8,1 8,4 8,8 8,8 pela substituição dessas substâncias por óleo de girassol e óleo
de canola. A propaganda alcança seu propósito artístico pelo
21 7,8 8,0 8,2 8,6 8,7
fato de as moléculas de gordura saturada e de gordura trans
22 7,6 7,9 8,1 8,5 8,5 A possuírem apenas ligações simples, sendo muito compridas.

23 7,5 7,7 7,9 8,3 8,3 B terem alto valor energético e serem de difícil metabolismo.

Fonte: Atkins, P. W.; Jones, L. Princípios de química: questionando a vida moderna e o C conterem grupos ésteres, com átomos de elevados raios
meio ambiente. Porto Alegre: Bookman, 2012. atômicos.
Sabe-se que os peixes se alimentam melhor, crescem mais D fazerem ligações de hidrogênio entre si, formando polímeros.
rápido e são mais saudáveis quando os níveis de gás oxigênio
E serem muito volumosas, ocupando um grande espaço.
dissolvidos na água são maiores. Cinco aquários iguais, todos
saturados de gás oxigênio nas condições de pressão e tem-
peratura de cinco localidades diferentes foram montados. Sa- QUESTÃO 81
bendo que a pressão atmosférica é inversamente proporcional Conteúdo: Energia nos alimentos
C1 | H2
à altitude, o aquário mais propício para manter uma população
Dificuldade: Fácil
de peixes maior é aquele que simula as condições A substituição de moléculas de gorduras trans e saturada por óleo de canola e de
girassol é associada, na propaganda, ao emagrecimento. Ao retirar um bilhão
A dos Alpes suíços. de libras (mais de 450 milhões de kg) de gorduras da dieta, promove-se uma dieta
B de uma praia no Nordeste brasileiro. mais saudável, que colaborará para o emagrecimento em massa da população (no
caso, a americana). Isso ocorre porque essas moléculas possuem alto teor ener-
C de uma praia no Alasca. gético, sendo difícil seu metabolismo pelas células do corpo humano; por isso, se
ingeridas em excesso, podem se acumular e causar diversos problemas de saúde.
D do deserto do Saara. QUESTÃO 82
Conteúdo: Forças
E dos Andes equatorianos.
C6 | H20
Dificuldade: Média
Durante os 180 segundos que compreendem os três estágios descritos no texto, os pro-
QUESTÃO 80 pulsores estão agindo sobre o foguete. Nesse período, a força dos propulsores é sempre
Conteúdo: Grandezas químicas relacionadas a gases, geografia física do mundo maior que a força da gravidade e por isso a força resultante é vertical e para cima.
C8 | H28
Dificuldade: Média
A tabela indica que a maior concentração de gás oxigênio dissolvido na água é obtida
quando a temperatura da água é mais baixa e a pressão atmosférica é maior, isto é, a
altitude é menor. Assim, cidades localizadas ao nível do mar em locais gelados apre-
sentam maior concentração de O2 dissolvido na água, favorecendo a vida aquática.
Dessa forma, uma praia (nível do mar) no Alasca (baixas temperaturas) apresenta
ambas as condições mais propícias para se obter uma maior população de peixes.

CN - 2a Série | 2o Dia - AMARELO - Página 10

D3-8014-CNT-MT-2S-P2-01a24.indd 10 2/7/18 3:55 PM


QUESTÃO 82 QUESTÃO 83
COMO É O LANÇAMENTO DE UM FOGUETE? Na virada de março para abril de 1978, uma nuvem tóxica com
[...] cheiro de amoníaco avançou pelo Litoral Sul deixando para trás
animais mortos e uma população em pânico, com ardência na
O primeiro passo do lançamento é acender [...] um pavio
garganta, dores de cabeça e dificuldade para respirar. Os efeitos
que [...] inicia a queima do combustível.
se dissiparam dias depois, mas, quatro décadas mais tarde, o
O primeiro estágio propulsor do foguete funciona durante mistério sobre o que provocou o fenômeno conhecido como maré
os 60 segundos [...]. Ao final desse tempo, [...] um sistema vermelha, no balneário de Hermenegildo, ainda paira sobre o Esta-
eletrônico solta os quatro motores do estágio [...], que caem do e desperta temores de que a onda sufocante um dia reapareça.
no mar [...]. [...]
O segundo estágio [...] também queima por 60 segundos. GONZATTO, Marcelo. Maré vermelha, mistério em Hermenegildo. Gauchazh.
Disponível em: <http://especiais.zh.clicrbs.com.br/especiais/desastres-ambientais/mare-
Dois minutos após o lançamento [...] o 2º estágio é solto e cai. vermelha.html> Acesso em: 3 dez. 2017.

O terceiro estágio queima por mais 60 segundos e se apaga O mistério da maré vermelha em Hermenegildo pode ser en-
[...]. Sem motores, a velocidade do foguete diminui [...] mas ele tendido como
continua subindo [...]. A a liberação de glicose na circunvizinhança decorrente do au-
ARAÚJO, Tarso. Como é o lançamento de um foguete? Mundo Estranho, 18 abr. 2011. mento das taxas fotossintéticas de bactérias unicelulares.
Disponível em: <https://mundoestranho.abril.com.br/tecnologia/como-e-o-lancamento-de-
um-foguete/>. Acesso em: 2 dez. 2017. B a proliferação de algas pardas que possuem em seu hialoplasma
o pigmento vermelho ficoeritrina, tóxico às demais formas de vida.
Durante o lançamento de um foguete, a força resultante sobre
C a reprodução descontrolada de fungos multicelulares, que
ele é diferente em cada estágio de propulsão e também após
ficam em suspensão na água impedindo a penetração da luz
o terceiro estágio. Essa força resultante é vertical e para solar na coluna d’água.
A baixo até 180 segundos após o lançamento, pois a força da D o crescimento exacerbado da população de protozoários do
gravidade é maior que a força dos propulsores do foguete grupo dos dinoflagelados, componentes do plâncton cuja pro-
nesse período. dução de toxina afeta a fauna vizinha.
B baixo após 120 segundos do lançamento, pois a resistência do E a explosão demográfica de algas macroscópicas do grupo
ar se soma à força da gravidade e impede a subida do foguete. das diatomáceas, as quais possuem carapaças tóxicas que,
ao serem ingeridas pelos animais, entram na cadeia alimentar.
C cima durante os primeiros 180 segundos do lançamento, pois a
força dos propulsores do foguete é maior que a da gravidade,
nesse período. QUESTÃO 84
D cima após 180 segundos do lançamento, pois a força dos
propulsores é maior que a da gravidade nessa etapa.
TANQUE DE CARRETA DE GÁS QUE TOMBOU E
FECHOU BR-040 FOI RETIRADO DO LOCAL
E cima após 120 segundos do lançamento, pois a força da gra-
vidade passa a empurrar o foguete para cima. O tanque da carreta carregada com gás GLP que tombou na
BR-040 e deixou a rodovia fechada por cerca das 16h, foi retirado
no fim da tarde desta terça-feira. [...] O motorista da carreta com
QUESTÃO 83
Conteúdo: Diversidade e filogenia dos protozoários 24 toneladas de gás perdeu o controle do veículo, saiu da pista e
C4 | H15 caiu de uma altura de 15 metros num talude. Houve vazamento
Dificuldade: Média
As marés vermelhas são causadas por dinoflagelados unicelulares que em condições do produto em uma das válvulas e o trânsito foi fechado na via,
ambientais favoráveis se proliferam em demasia. A proliferação desses organismos com isolamento de uma área de dois quilômetros.
libera substâncias tóxicas que podem causar mortandade de peixes e de outros ani-
mais, além de provocar danos à saúde dos seres humanos. Tanque de carreta de gás que tombou e fechou BR-040 foi retirado do local.
Estado de Minas, 26 set. 2017. Disponível em: <www.em.com.br/app/noticia/gerais/2017/09/26/
QUESTÃO 84 interna_gerais,903767/tanque-de-carreta-de-gas-que-tombou-e-fechou-br-040-foi-retirado-do-lo.
Conteúdo: Estequiometria, entalpia de combustão shtml>. Acesso em: 3 dez. 2017.
C3 | H10
Dificuldade: Difícil O GLP é uma mistura de gases propano e butano. Nas condi-
Das 24 toneladas de GLP contidas na carga, 25% (6 t) são de gás propano e 75% ções de temperatura e pressão do acidente, as entalpias de
(18 t) são de gás butano. A massa molar do propano (C3H8) é 44 g/mol, enquanto a
combustão completa desses gases são iguais a – 550 kcal/mol
do butano (C4H10) é 58 g/mol. Assim, a partir das entalpias de combustão fornecidas
no enunciado, pode-se calcular a energia liberada na combustão dos dois gases. e – 696 kcal/mol, respectivamente. Considerando que o GLP
Propano: contido nessa carreta era uma mistura desses gases contendo
1 mol = 44 g ––– 550 kcal 25% de propano, a energia liberada se todo o gás transportado
6 ⋅ 106 g ––– x kcal queimasse de forma completa seria
6 ⋅ 550 ⋅ 106
x= = 75 ⋅ 106 kcal (Dados: massas molares: C = 12 g/mol; H = 1 g/mol).
44
Butano: A 2,91 ⋅ 108 kcal.
1 mol = 58 g ––– 696 kcal B 2,16 ⋅ 108 kcal.
18 ⋅ 106 g ––– x kcal
18 ⋅ 696 ⋅ 106 C 7,5 ⋅ 107 kcal.
x = = 216 ⋅ 106 kcal
58 D 659,5 kcal.
Assim, a soma das energias liberadas por toda a carga é:
75 ⋅ 106 kcal + 216 ⋅ 106 kcal = 291⋅ 106 kcal = 2,91⋅ 108 kcal
E 137,5 kcal.

CN - 2a Série | 2o Dia - AMARELO - Página 11

D3-8014-CNT-MT-2S-P2-01a24.indd 11 2/7/18 3:55 PM


QUESTÃO 85 QUESTÃO 87
FELIX BAUMGARTNER FAZ SALTO DA ESTRATOSFERA MEDIAX DA UNIVERSIDADE DE STANFORD
O paraquedista Felix Baumgartner saltou de uma cápsula O mediaX da Universidade de Stanford é um catalisador
presa a um balão a 38,6 quilômetros de altura [...]. A queda de parcerias setoriais e acadêmicas que analisa o impacto da
livre durou quatro minutos e 20 segundos. Depois disso, ele tecnologia da informação sobre a sociedade. Os programas
abriu o paraquedas e pousou em segurança no Centro Aéreo do mediaX se concentram em como a relação entre pessoas e
de Roswell, nos Estados Unidos. O salto marca a primeira que- tecnologia pode ser intensificada, ampliada e aprimorada. (...)
da livre supersônica e sem veículo motorizado da história. [...]
MÓDULO INTERNACIONAL STANFORD UNIVERSITY – EUA.
Innovating at The Intersection of People and Technologies. MBA Executivo FGV. 2017.
[...] De acordo com os cálculos do centro de controle da Disponível em: <http://mgm-saopaulo.fgv.br/sites/default/files/arquivos/domain-4/arquivos/
stanford_2017_bx.pdf>. Acesso em: 3 dez. 2017.
missão, o paraquedista quebrou a barreira do som nos primei-
ros 40 segundos de queda livre, quando atingiu 1 173 km/h. A palavra “catalisador”, utilizada no excerto acima em sentido
Felix Baumgartner faz salto da estratosfera. Último segundo, 14 out. 2012. Disponível em:
análogo ao que tem em Físico-Química, significa que os pro-
<http://ultimosegundo.ig.com.br/ciencia/2012-10-14/felix-baumgartner-faz-hoje-salto-da- gramas do mediaX se propõem a
estratosfera.html>. Acesso em: 3 dez. 2017.
A criar novas parcerias setoriais e acadêmicas.
Em outubro de 2012, o paraquedista Felix Baumgartner quebrou
diversos recordes realizando o voo de paraquedas mais alto B equilibrar parcerias setoriais e acadêmicas.
do mundo, partindo da estratosfera. Com as informações do C acelerar parcerias setoriais e acadêmicas.
trecho acima, pode-se concluir que nos primeiros 40 segundos
de queda livre, a aceleração média do paraquedista foi cerca de D aumentar parcerias setoriais e acadêmicas.

A 29 km/h2, menor que a aceleração da gravidade na superfície E restabelecer parcerias setoriais e acadêmicas.
da Terra.
B 8 m/s2, menor que a aceleração da gravidade na superfície QUESTÃO 88
da Terra.
[...] “Eles fazem a dispersão de sementes nas áreas alaga-
C 10 km/h2, igual a aceleração da gravidade na superfície da Terra.
das. Essa interação peixe-planta ocorre no período de cheia
D 29 m/s2, maior que a aceleração da gravidade na superfície em áreas alagáveis como o Pantanal e na Amazônia”, explica
da Terra.
a pesquisadora Joisiane Araújo.
E 8 km/h2, maior que a aceleração da gravidade na superfície
da Terra. Mas o que acontece com os frutos que os peixes comem?
Em busca de respostas, os pesquisadores pegam os animais e
QUESTÃO 86 recolhem o material que eles têm no estômago e depois soltam
de volta no rio. O pacu é um campeão. Ele nada pra longe e
Um encontro mundial de chefs de cozinha reúne estudantes
leva na barriga um jardim a ser semeado.
e experts da gastronomia em Guararema. [...]
“Encontramos indivíduos com mais de 3 500 sementes intei-
[...]
ras, com uma diversidade de 14 espécies de plantas diferentes
O evento também aborda a questão da sustentabilidade dentro dele. Então o pacu, pra gente é considerado o melhor
e o aproveitamento total dos alimentos. O chef César Santos dispersor que as outras espécies”, diz a pesquisadora.
destaca que muita gente come o caju e joga fora a castanha.
[...]
“A castanha é a melhor parte do caju e é a mais cara. [...]”
“Peixe jardineiro” ajuda a reflorestar o Pantanal dispersando sementes. G1, 22 set. 2017.
[...] Disponível em: <http://g1.globo.com/globo-reporter/noticia/2017/09/peixe-jardineiro-ajuda-
reflorestar-o-pantanal-dispersando-sementes.html> Acesso em: 3 dez. 2017.
DIÁRIO TV. Encontro de gastronomia reúne chefs em Guararema. G1, 22 set. 2017.
Disponível em: <https://g1.globo.com/sp/mogi-das-cruzes-suzano/noticia/encontro-de- A atuação do pacu é importante para a perpetuação das plan-
gastronomia-reune-chefs-em-guararema.ghtml>. Acesso em: 3 dez. 2017.
tas do Pantanal, pois
Do ponto de vista botânico, o alimento citado
A possibilita a polinização das flores, garantindo a plena forma-
A é um fruto partenocárpico, portanto não possui sementes. ção dos frutos.
B tem seu fruto desperdiçado quando a castanha é descartada. B garante a germinação de todas as sementes que caem na
água, elevando a população das espécies.
C tem seu fruto aproveitado ao consumir a parte carnosa.
C elimina as sementes mais fracas, que não sobrevivem às con-
D tem na utilização culinária da castanha o aproveitamento do
dições adversas do sistema digestório do peixe.
receptáculo floral.
D viabiliza que as sementes germinem somente em áreas férteis,
E possui microssementes na polpa que são ingeridas com a
aumentando a taxa de sobrevivência das espécies.
parte carnosa.
E assegura que as sementes não germinem próximas à planta-
mãe, reduzindo, consequentemente, a competição.
QUESTÃO 85 Transformando a velocidade de km/h para m/s se
Conteúdo: Movimento uniforme- obtém, aproximadamente, 325 m/s (1 173 : 3,6).
mente variado, queda livre Assim, tem-se a aceleração média de cerca de 8 m/s2
C6 | H20 (325 : 40). Essa aceleração é menor do que a
Dificuldade: Difícil aceleração da gravidade ao nível do mar, que é de
aproximadamente 10 m/s2.

CN - 2a Série | 2o Dia - AMARELO - Página 12

D3-8014-CNT-MT-2S-P2-01a24.indd 12 2/7/18 3:55 PM


QUESTÃO 89
A volta dos dias de chuva [...] trouxe também o perigo dos acidentes de trânsito provocados pela pista mais escorregadia.
As pistas molhadas facilitam, sobretudo, as colisões traseiras, afirmam especialistas. A chuva, mesmo leve, também pode oca-
sionar perda de contato do carro com o solo, a chamada aquaplanagem. [...]
[...]
O perigo é maior nas rodovias por causa da velocidade. “A 100 km/h, o atrito entre o pneu e a superfície cai pela metade.
O veículo precisa de mais distância para parar” [...].
Chuva leve também gera risco de aquaplanagem; veja dicas de direção. G1, 15 jul. 2010. Disponível em: <http://g1.globo.com/carros/noticia/2010/07/chuva-leve-tambem-gera-risco-de-
aquaplanagem-veja-dicas-de-direcao.html> Acesso em: 3 dez. 2017.

O texto alerta sobre o perigo de acidentes entre automóveis nos dias de chuva. Nesses dias, o risco aumenta, pois
A o giro das rodas e a frenagem ficam mais eficientes quando as pistas estão molhadas. QUESTÃO 89
Conteúdo: Força de atrito
B a aquaplanagem em pistas escorregadias melhora a estabilidade e facilita a frenagem do automóvel. C6 | H20
Dificuldade: Fácil
C frear e controlar o veículo em pistas molhadas requer maior força no pedal de freio.
A perda de contato entre alguma das
D a perda de contato com o solo leva a uma frenagem perfeita entre as rodas do automóvel. rodas e a pista pode causar diferen-
ça no giro entre as rodas levando à
E o giro das rodas pode ocorrer de modo desigual fazendo com que se perca o controle do automóvel. perda de controle do veículo.

QUESTÃO 90
Alguns alimentos foram comprados por um homem em um supermercado, no dia 20 de novembro de 2017. Somente ao chegar
a sua casa, ele olhou as datas de fabricação (Fab.) e de validade (Val.) dos alimentos e constatou:

Feijão Água de Coco Muçarela fatiada Purê congelado Bolo caseiro


Fab. 17/05/2017 Fab. 14/08/2017 Fab. 12/11/2017 Fab. 20/11/2017 Fab. 18/11/2017
Val. 17/05/2018 Val. 14/02/2020 Val. 19/11/2017 Val. 21/05/2019 Val. 21/11/2017

Entre os produtos comprados, o alimento que possui a maior velocidade de degradação, tornando-o impróprio para o consumo
mais rápido, é
QUESTÃO 90
A o feijão. Conteúdo: Velocidade de reação
C2 | H7
B a água de coco. Dificuldade: Fácil
Analisando o intervalo entre a data de fabricação e a data de validade dos produtos comprados, o bolo é o
C a muçarela fatiada. que possui o menor intervalo: apenas 3 dias. A validade de um produto indica um estágio na reação a partir
do qual as características essenciais do produto são significativamente alteradas pelas reações químicas de
D o purê congelado. degradação. Isso torna o seu consumo não recomendado a partir dessa data. Quanto menor o intervalo entre
E o bolo caseiro. a fabricação de um alimento e a sua validade, mais rápidas essas reações químicas acontecem; esse é o caso
do bolo caseiro, quando comparado aos outros alimentos apresentados.

QUESTÃO 86
Conteúdo: Pseudofrutos
C5 | H17
Dificuldade: Média
A castanha do caju resulta da fecundação do ovário, portanto, constitui botanicamente o fruto do cajueiro; a semente está contida no interior da castanha.

QUESTÃO 87
Conteúdo: Catalisadores
C1 | H3
Dificuldade: Média
Os catalisadores são substâncias que participam de uma reação química diminuindo sua energia de ativação, de modo a acelerá-la, mas eles não são consumidos na reação. Assim,
eles aceleram a reação entre os reagentes. Esse é o sentido do uso da palavra neste excerto: ao dizer que os programas mediaX são catalisadores de parcerias setoriais e acadêmicas, o
intuito é dizer que esses programas facilitarão tais parcerias, acelerando-as, tornando-as mais rápidas e efetivas, do mesmo modo que os catalisadores facilitam e aceleram as reações
químicas.

QUESTÃO 88
Conteúdo: Dispersão das sementes
C4 | H15
Dificuldade: Média
A dispersão das sementes pelos pacus ao longo do rio possibilita que os novos indivíduos colonizem locais diversos, evitando, assim, a competição intraespecífica com a
planta-mãe.

CN - 2a Série | 2o Dia - AMARELO - Página 13

D3-8014-CNT-MT-2S-P2-01a24.indd 13 2/7/18 3:55 PM


MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS QUESTÃO 93
QUESTÃO 91
Conteúdo: Corpos redondos Escher foi um artista holandês conhecido pelo uso da geometria
Questões 91 a 120 C2 | H9 em suas obras, construindo imagens aparentemente impossí-
Dificuldade: Difícil veis e explorando o infinito. A imagem a seguir baseia-se nas
QUESTÃO 91
obras de Escher.
Ox
Um produtor de laranjas precisa transportá-las em caixas

ESZAdesign/Shutterstock.com
cúbicas, que suportam até 25 kg, com capacidade de 4 096 cm³.
Considerando que o raio médio de uma laranja é 4 cm e admitindo
que seu formato seja esférico, então o volume máximo de laranjas que
pode ser transportado é aproximadamente (adote π = 3,1)
A 1,06 litro. O volume da laranja é:
4 4 256
B 2,12 litros. V = πr 3 = π ( 4 cm) =
3
π cm3
3 3 3
C 4,23 litros. O volume máximo para o transporte será de 8 laranjas, então:
Oy
D 10,60 litros. Vmáx. = 8 ⋅ 256 π cm3  2120 cm3
3
E 21,20 litros. Como 1 cm3 = 1 mL, 2 120 cm3 = 2 120 mL = 2,12 L

QUESTÃO 92
QUAL O TAMANHO DO LIXO ESPACIAL. E COMO LIDAR
COM O PROBLEMA
[Em 4 de outubro de 2017], o lançamento do satélite russo
Oz
Sputnik completou 60 anos. Trata-se do primeiro objeto criado por A imagem acima é formada a partir de rotações de
seres humanos colocado com sucesso em órbita ao redor da Terra. A 30° QUESTÃO 93
Conteúdo: Isometria
Ao longo dessas seis décadas, milhares de outros satélites B 60° C2 | H7
– e, mais recentemente, algumas estações espaciais – foram Dificuldade: Fácil
C 90° A figura pode ser dividida por três eixos: Ox, Oy e Oz.
colocados no espaço. Ao serem desativados, muitos desses Para que, após uma rotação da imagem, o eixo Ox coincida com Oy,
D 120° Oy com Oz e Oz com Ox, os ângulos entre os eixos devem ser con-
veículos espaciais não foram trazidos de volta: eles perma-
gruentes entre si. Seja α a medida do ângulo entre os eixos. Então,
necem vagando na órbita da Terra. Há também os destroços, E 180°
α + α + α = 360° ⇒ α = 120°
pedaços dessas naves que se desprendem.
Todos esses corpos em órbita preocupam cientistas com QUESTÃO 94
relação a lançamentos de programas espaciais futuros. Os res- Para facilitar a venda de melões, alguns feirantes decidiram
tos de experiências passadas ameaçam colidir com satélites vendê-lo em fatias, repartindo a fruta em 6 partes iguais que
ativos hoje, danificando-os. serão embaladas em sacos pláticos transparentes.
[…] Considerando o melão uma esfera de raio médio igual a 7 cm,
O peso total de todo detrito deixado pelos humanos no para cada melão os feirantes precisarão de aproximadamente
espaço é de 5 000 toneladas – são cerca de mil quilos de lixo (Dado: π = 3,1.)
por cada lançamento desde o Sputnik.
A 253 cm2 de plástico.
LIMA, Juliana Domingos de. Qual o tamanho do lixo espacial. E como lidar com o problema.
Nexo, 6 out. 2017. Disponível em: <www.nexojornal.com.br/expresso/2017/10/06/Qual-o- B 607 cm2 de plástico.
tamanho-do-lixo-espacial.-E-como-lidar-com-o-problema>. Acesso em: 15 out. 2017.
C 911 cm2 de plástico.
A densidade de resíduos metálicos pesados é, em média, 800 kg/m . 3
D 1 470 cm2 de plástico.
1
Quando compactado, o volume do resíduo passa a ter do
4 E 1 519 cm2 de plástico.
volume inicial. Adotando a mesma densidade de resíduos metá-
licos para o detrito deixado pelo ser humano no espaço e consi- QUESTÃO 94
derando uma caçamba de lixo com formato de paralelepípedo Conteúdo: Área de fuso esférico
C2 | H9
reto de dimensões 6 m × 2,5 m × 2 m, o número aproximado de Dificuldade: Média
caçambas necessárias para armazenar, de forma compactada, Como o melão será dividido em 6 partes iguais, cada fatia terá uma parte externa
todo o detrito deixado no espaço é O volume
1
do lixo compactado equivale (de casca) equivalente a um fuso esférico de 360° : 6 = 60°, com um raio de 7 cm.
QUESTÃO 92 a do seu volume inicial. Então, os Para calcular a área desse fuso, além das laterais do corte para estimar a área total de cada
A 7 Conteúdo: Grandezas e medidas 4 fatia a ser coberta pelo plástico:
C3 | H12 6 250 m3 são reduzidos a 1 562,5 m3 2
B 42 Dificuldade: Difícil de lixo compactado. Uma caçamba A fuso de 60° = πr 2
em forma de paralelepípedo com as 3
De acordo com os dados do enun-
C 52 ciado, 800 kg de resíduo ocupam um medidas fornecidas tem um volume laterais
dafatia
 partecom casca

espaço equivalente a 1 m3. Como uma de V = 4 ⋅ 2,5 ⋅ 2 = 30 m3. Por propor- 1 2 1 2 2 2 5 5 ⋅ 3,1
A fatia = πr + πr + πr = πr 2 ⇒ A fatia  ⋅ 49 ⇒ A fatia = 253,16 cm2
D 104 tonelada equivale a 1 000 kg, então ção direta, o número N de caçambas 2 2 3 3 3
0,8 tonelada ocupa 1 m3. Há cerca de necessárias para armazenar 1 562,5
E 208 5 000 toneladas de lixo no espaço; por 1562,5 Como são seis fatias, tem-se
m3 de lixo é N =  52. A total = 6 ⋅ 253,16 = 1518,96  1519 cm2 .
proporção direta, essa quantidade de 30
lixo ocupa um volume de 6 250 m3.
MT - 2a Série | 2o Dia - AMARELO - Página 14

D3-8014-CNT-MT-2S-P2-01a24.indd 14 2/26/18 3:29 PM


QUESTÃO 95 QUESTÃO 97
Atualmente, a cobrança de energia elétrica funciona pelo Siste-
ma de Bandeiras Tarifárias, que se divide em quatro categorias:

Bandeira Verde: Sem valor adicional cobrado na conta de luz.


Aplicada quando as condições de geração de energia estão
favoráveis.

Africa Studio/Shutterstock.com
Bandeira Amarela: Tem valor de R$ 0,020 para cada

Liv friis-larsen/Shutterstock.com
1 kWh consumido, que é aplicado quando as condições de
geração de energia estão menos favoráveis.
Bandeira Vermelha: No acionamento da bandeira ver-
melha há dois valores, divididos conforme abaixo (estes
valores serão aplicados quando as condições de geração
de energia estão críticos):
• Patamar 1: (divulgada também como bandeira rosa): João e Roberto foram tomar milk shake na lanchonete do bairro e
A bandeira vermelha patamar 1 será de R$ 0,030 para cada pediram, respectivamente, um de morango e outro de chocolate.
1 kWh consumido; A bebida estava disponível em dois formatos de copo: o cone e
o tronco de cone. Eles decidiram escolher o copo cônico, mas
• Patamar 2: A bandeira vermelha patamar 2 será de o vendedor garantiu que o outro copo, no formato de tronco,
R$ 0,035 para cada 1 kWh consumido. tem o mesmo volume e, por isso, custa o mesmo preço.

O total a ser pago pelo consumo de energia elétrica em uma Roberto resolveu conferir a afirmação do vendedor. Os dois
residência é composto da Tarifa de Uso do Sistema de Distri- copos tinham mesmo raio R na parte superior, e o raio r da base
buição (TUSD), da Tarifa de Energia (TE) e da Bandeira tarifária. do tronco era metade do raio maior.
Sendo 0,24446 R$/kWh o valor da TUSD e 0,32296 R$/kWh
o da TE, a função que descreve o valor total T a ser pago pelo R
consumo de e kWh em um mês de Bandeira Rosa é
R
A T(e) = 0,56742 e QUESTÃO 95
Conteúdo: Algebrização
B T(e) = 0,03 e C5 | H19
Dificuldade: Fácil
H
C T(e) = 0,59742 e
O valor a ser pago é dado pela soma das tarifas multi-
D T(e) = 0,60242 e plicado pela quantidade de kWh gastos (representado h
por e). Logo: T(e) = (0,24446 + 0,32296 + 0,03) e =

Ilê comunicação
E T(e) = 0,0023699 e = 0,59742 e.

QUESTÃO 96 r
Rafael solicitou ao banco um empréstimo de R$ 3.000,00, de
juros correspondentes à taxa fixa de 6% ao mês. A expressão Se o copo cônico possuía H = 21 cm de altura, então, para que
que corresponde ao total (P) pago por Rafael, em função do o copo em forma de tronco tivesse o mesmo volume do outro
tempo (t), em meses, é P(t) = 3 000 ⋅ (1,06)t. copo, sua altura h deveria ser igual a
Rafael irá quitar a dívida após 3 meses de empréstimo. Assim, A 9 cm
o valor pago por ele será de, aproximadamente
B 12 cm
A R$ 3.180,00
C 14 cm
B R$ 3.540,00
D 21 cm
C R$ 3.573,00
E 36,75 cm
D R$ 3.930,00
E R$ 9.540,00
QUESTÃO 97
Conteúdo: Volume de cone, tronco de cone
C3 | H13
QUESTÃO 96 Dificuldade: Média
Conteúdo: Função exponencial Se o vendedor estava falando a verdade, então os volumes dos dois tipos de copo
C5 | H21 devem ser iguais.
Dificuldade: Média 1 hπ 2
Substituindo o valor de t = 3 na expressão: Vcone = Vtronco ⇒ πR2H = (R + R ⋅ r + r 2 ) ⇒ R2H = h (R2 + R ⋅ r + r 2 ) .
3 3
P(3) = 3 000 ⋅ (1,06)3 = 3 000 ⋅ 1,191 = 3 573. R R2 R2 
  7R2  7 4
Como r = , então: R2H = h  R2 + +  ⇒ R2H = h  ⇒H = h⋅ ⇒h = H
2  2 4  4  4 7
Pelo enunciado, H = 21 cm. Então, h = 12 cm.

MT - 2a Série | 2o Dia - AMARELO - Página 15

D3-8014-CNT-MT-2S-P2-01a24.indd 15 2/22/18 11:17 AM


QUESTÃO 98 QUESTÃO 99
Harvey, Irma, Jose e Katia. Quatro grandes tempestades e Quem passa pela primeira vez na Avenida Paulista dificil-
furacões passaram ou ainda passam por países do Golfo do mente deixa de notar um edifício de formato inusitado: a sede
México e do Caribe em menos de duas semanas. da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).
O furacão Harvey, formado no dia 25 de agosto, deixou um […]
rastro de destruição por onde passou, sobretudo no estado do O que mais chama a atenção, para quem o vê de fora, é
Texas, nos Estados Unidos. O número atualizado de mortos já a progressão dos andares em direção ao topo em formato de
passava de 70 na quarta-feira [6/9/17]. pirâmide – aspecto estético e ao mesmo tempo funcional por
José e Katia, com ventos de 120 km/h, são classificados como garantir maior insolação dos andares inferiores.
tempestades tropicais e, por ora, alvos menores de preocupação. […]
Por outro lado, o furacão Irma, classificado como tal por Edifício da Fiesp. Disponível em: <www.fiesp.com.br/sobre-a-fiesp/edificio-da-fiesp/>.
Acesso em: 2 dez. 2017.
alcançar ventos de 297 km/h, vem assumindo o título de um
dos furacões mais poderosos já registrados.
RONCOLATO, Murilo. Qual a diferença entre furacão e tufão e como seus nomes
são escolhidos. Nexo, 7 set. 2017. Disponível em: <https://www.nexojornal.com.br/

ck.com
expresso/2017/09/07/Qual-a-diferen%C3%A7a-entre-furac%C3%A3o-e-tuf%C3%A3o.-E-
como-seus-nomes-s%C3%A3o-escolhidos>. Acesso em: 15 out. 2017.

uttersto
Suponha que o furacão Irma esteja, em sua velocidade máxima
constante, se dirigindo a uma ilha a 2 376 km de distância, que

eiro/Sh
precisará ser evacuada rapidamente. A população local é de

Alf Rib
3 360 habitantes, quando a ilha começa a ser evacuada. Os
barcos utilizados para a evacuação comportam 120 pessoas e
partem de hora em hora (tempo necessário para irem à margem
e voltarem para buscar mais pessoas). A quantidade mínima de
barcos necessários para que a ilha esteja totalmente evacuada
1 hora antes da chegada do furacão é
A 4
Em um esboço do prédio da Fiesp é possível aproximar sua
B 3,5
estrutura por um bloco prismático de base retangular e outro
C 1,5 prisma de base triangular
D 28
E
E 48 H
F
G
QUESTÃO 98
Ilê comunicação

Conteúdo: Proporção
C4 | H16
Dificuldade: Média
Pela velocidade do furacão indicada no texto, ele percorre 297 km em 1 h. Assim,
2376 M
para percorrer os 2 376 km até chegar à ilha, ele demorará = 8 horas. Como a
297 L N
ilha deve estar evacuada 1 hora antes do furacão, tem-se 7 horas para a evacuação. A
3360 A P
população é de 3 360, portanto, a cada hora devem sair da ilha = 480 pessoas. B D
7
Como cada barco comporta 120 pessoas por hora, precisa-se de, no mínimo, C
480
= 4 barcos. Podem-se definir diversas retas que contenham ospontos
120 
identificados
  na figura. Considere os pares de retas CE e DF ,
 
QUESTÃO 99 BF e PG, e AD e PN. As posições relativas desses pares de
Conteúdo: Posição relativa entre retas retas são respectivamente
C2 | H6
Difi
 culdade:
 Fácil A reversas, reversas e paralelas.
CE e DF são duas das diagonais do bloco ABCDHEFG;
 logo,
  elas se cruzam num ponto
central do interior do bloco. Do mesmo modo, BF ePG vão
 se cruzar, pois a distância B reversas, reversas e concorrentes.
entre essas retas não é constante. Por outro lado, AD e PN não se cruzam, nem pos-
suem um plano em comum. Portanto, são retas reversas. C concorrentes, concorrentes e reversas.
D reversas, concorrentes e reversas.
E concorrentes, concorrentes e paralelas.

MT - 2a Série | 2o Dia - AMARELO - Página 16

D3-8014-CNT-MT-2S-P2-01a24.indd 16 2/22/18 11:18 AM


QUESTÃO 100 QUESTÃO 101
Em 2015, o Senado Federal realizou uma pesquisa com 1 102 São chamados de polígonos regulares os polígonos convexos
mulheres. Destas, 29% disseram ter sofrido algum tipo de vio- que tem todos os lados com a mesma medida e todos os ân-
lência. Os dados foram coletados por meio de entrevistas via gulos com a mesma medida.
telefone com mulheres a partir de 16 anos de idade, residentes
Veja um exemplo de polígono regular:
no Brasil, nos 27 estados brasileiros. Os gráficos a seguir são
resultado dessa pesquisa.

Violência sofrida

70% 66%

60%
48%

Ilustrações: Ilê comunicação


50%

40% 31%

30%

20% 11%
6% 4%
10%

0%
Física Psicologica Moral Sexual Patriarcal Total

Relação entre a vítima e o agressor

A medida de cada ângulo interno desse polígono é


Outros 10% A 22,5° .
Tio/Primo/Filho 4% B 67,5° .
Pai/Padrasto 6% C 157,5° .
Irmão/Cunhado 6% D 180° .
Ex-namorado/Ex-marido/
21%
E 202,5° .
Ex-companheiro
Marido/Companheiro/
53%
Namorado
QUESTÃO 101
0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% Conteúdo: Ângulos
C2 | H7
Fonte: Violência doméstica e familiar contra a mulher. Data Senado, ago. 2015.
Disponível em </www12.senado.leg.br/noticias/arquivos/2015/08/10/violencia-domestica-e- Dificuldade: Média
familiar-contra-a-mulher>. Acesso em: 18 out. 2017. A imagem representa um polígono de 16 lados.
Como a soma da medida dos ângulos internos A de um polígono é dada por (n – 2) · 180,
A razão entre o número de entrevistadas que sofreram violência tem-se:
A = (n – 2) ⋅ 180 ⇒ A = (16 – 2) ⋅ 180 ⇒ A = 14 ⋅ 180 ⇒ A = 2 520
física e o número de entrevistadas que sofreram violência de seu
Portanto, a medida de cada ângulo interno desse polígono será:
marido/companheiro/namorado ou ex-marido/ ex-companheiro/ 2 520
= 157,5°
ex-namorado é aproximadamente igual a 16
727
A .
815
211
B .
237
211
C .
170
727
D .
584
211
E .
67

QUESTÃO 100
Conteúdo: Estatística
C6 | H24
Dificuldade: Difícil
De acordo com o texto, foram entrevistadas 1 102 mulheres das quais 29% disseram
29
ter sofrido algum tipo de volência, ou seja, 29% de ⋅ 1102  320 mulheres. Desse
100
66
grupo de 320 mulheres, 66% sofreram violência física, ou seja, ⋅ 320  211 mu-
100
lheres. A porcentagem das 320 mulheres que foram vítimas de seus companheiros
ou ex-companheiros é a soma de 53% e 21%, ou seja, 74%. Assim, o número de
74 211
vítimas é ⋅ 320  237. Portanto, a razão solicitada no enunciado vale .
100 237

MT - 2a Série | 2o Dia - AMARELO - Página 17

D3-8014-CNT-MT-2S-P2-01a24.indd 17 2/22/18 11:21 AM


QUESTÃO 102 QUESTÃO 103
O edifício do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateau- COMO OS TERREMOTOS SÃO CAUSADOS PELA
briand (Masp) foi concebido em 1957 e inaugurado em 1968, ATIVIDADE HUMANA E ONDE ELES OCORREM
na avenida Paulista, em São Paulo. Importante exemplo da ar- Diferentes tipos de atividades relacionadas à interação hu-
quitetura moderna na América do Sul, foi, na época, um grande mana com o subsolo podem gerar tremores […].
desafio arquitetônico e estrutural.
A mineração, por exemplo, é a causa mais comum […].
CÁRDENAS, Alexandra Silva. Masp: estrutura, proporção e forma.São Paulo: ECidade, 2015.
Outras situações que podem gerar tremores são a extração
de petróleo e gás, a extração de água, o represamento de
Paulo Vilela/Shutterstock.com

reservatórios de água subterrâneos e até o teste de bombas.


[…]
A média da magnitude desses terremotos é baixa. […]
Os dois maiores casos estudados e que fazem parte do
levantamento são um terremoto de 2008 na China que atingiu os
7,9 graus na escala Richter e o do Nepal em 2015, que chegou
aos 7,8 graus. Eles teriam sido causados, respectivamente, pelo
represamento e pela extração de água subterrânea.
Ao mesmo tempo, os tremores mais suaves não passaram dos 2
graus negativos. […] Um terremoto com grau negativo de amplitude
representa um tremor tão ínfimo que é impossível de ser sentido.
Dezoito deles aconteceram no Brasil, todos relacionados à
O grande desafio desta construção foi sua sustentação, que extração ou ao represamento de água. O mais recente foi em
foi feita “por cima”, mantendo um vão livre (muito famoso en- Irapé, em Minas Gerais, no ano de 2005.
tre os turistas), dando a impressão de não haver nada que IANDOLI, Rafael. Como os terremotos são causados pela
sustente o prédio. Considerando que a estrutura do prédio é atividade humana e onde eles ocorrem. Nexo, 10 out. 2017.
Disponível em: <www.nexojornal.com.br/expresso/2017/10/10/Como-terremotos-
um paralelepípedo reto retângulo suspenso a uma altura de s%C3%A3o-causados-pela-atividade-humana-e-onde-eles-ocorreram>.
2 Acesso em: 20 out. 2017
aproximadamente 21 m com um vão de 70 m que está a da
5
A magnitude de um terremoto na escala Richter pode ser calcu-
altura do prédio e profundidade 30 m, então o “volume” livre
lada utilizando-se a função a seguir, em que M é a magnitude,
por debaixo do prédio deve ser de
E é a energia liberada no terremoto em kWh e E0 é constante
A 5 880 m3. e vale 7 ⋅ 10–3 kWh.
B 17 640 m3.
2 E
M= ⋅ log10  
C 18 081 m3. 3  E0 
D 25 200 m3. Aproximando para 2 graus negativos a intensidade dos tremo-
E 26 460 m3. res suaves, o total de energia liberada por todos os tremores
ocorridos o Brasil, relacionados à extração ou ao represamento
de água, é igual a
QUESTÃO 102 A 7,434 kWh.
Conteúdo: Volume de prisma
C2 | H8 B 1,26 ⋅ 102 kWh.
Dificuldade: Fácil
2 2 C 7,00 kWh.
A altura do vão é h = H, em que h é a altura do prédio. Então: h = ⋅ 21 = 8,4 m.
5 5
Assim, o volume livre vale Vlivre = Ab ⋅ h = 70 ⋅ 30 ⋅ 8,4 = 2 100 ⋅ 8,4 = D 7,00 ⋅ 10–6 kWh.
= 17 640 m
E 1,26 ⋅ 10–4 kWh.

QUESTÃO 103
Conteúdo: Função logarítmica
C5 | H21
Dificuldade: Média
Aplicando a fórmula para M = –2:
2  E   E 
−2 = ⋅ log10  ⇒ − 3 = log10  ⇒
3  7 ⋅ 10−3   7 ⋅ 10−3 
E
⇒ 10−3 = ⇒ E = 7 ⋅ 10−6 kWh
7 ⋅ 10−3
Como o texto indica que foram 18 tremores no Brasil, tem-se 18E = 18 ⋅ 7 ⋅ 10–6 =
= 126 ⋅ 10–6 = 1,26 ⋅ 10–4 kWh.

MT - 2a Série | 2o Dia - AMARELO - Página 18

D3-8014-CNT-MT-2S-P2-01a24.indd 18 2/7/18 3:55 PM


QUESTÃO 104 QUESTÃO 106
Foram muitas as contribuições de Euler para a ciência, e uma […] Os Estados Unidos estavam com um pé na Copa da
grande ferramenta que ele deixou foi a expressão que relaciona Rússia, mas uma estranha combinação de resultados os eli-
os vértices, as faces e as arestas de sólidos geométricos.
minou. Os norte-americanos perderam de (2 × 1) para a pior
D equipe da fase classificatória, Trinidad e Tobago. Somou-se a
isso a virada de Honduras (3 × 2) sobre o México, até então
C
invicto. A estocada final foi o triunfo do Panamá (2 × 1), nos
A últimos minutos de jogo, contra a Costa Rica, o que levou os
canaleros à sua primeira Copa do Mundo.
B
RESULTADOS E CLASSIFICAÇÃO NA CONCACAF
Ilê comunicação

H
Time Pontos Saldo de gols
G
México 21 9
E Costa Rica 16 6

F Panamá 13 –1

Honduras 13 –6
No cubo ABCDEFGH verifica-se a relação V + F – A = 2. Ao
unir os pontos médios das arestas deste cubo (que formam Estados Unidos 12 4
quadrados nas faces), tem-se um novo poliedro que contém
Trinidad e Tobago 6 –12
A 10 vértices, 14 faces e 22 arestas.
Fonte: MANCERA, Diego. EUA ficam fora da Copa, e Panamá se classifica pela primeira
B 12 vértices, 14 faces e 24 arestas. vez. El País, 11 out. 2017. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2017/10/11/
deportes/1507686116_271346.html>. Acesso em: 21 out. 2017.
C 12 vértices, 16 faces e 24 arestas.
D 10 vértices, 16 faces e 24 arestas. Os times da Concacaf tiveram, nas eliminatórias para a Copa,
em média
E 12 vértices, 16 faces e 22 arestas.
A 6,3 gols e 13,5 pontos.
B 6 gols e 13 pontos.
QUESTÃO 105
C 0 gol e 13,5 pontos.
D 0 gol e 81 pontos.
E 38 gols e 81 pontos.
don padungvichean/Shutterstock.com

QUESTÃO 104
Conteúdo: Relação de Euler
C2 | H7
Dificuldade: Fácil
São 6 faces no cubo e em cada face serão marcados 4 pontos, formando 4 arestas do novo
poliedro, então são 6 ⋅ 4 = 24 arestas. São 6 faces quadradas e 8 triangulares, totalizando
14 faces. Pela relação de Euler: V + F – A = 2 ⋅ V + 14 – 24 = 2 ⋅ V – 10 = 2 ⋅ V = 12

QUESTÃO 105
Conteúdo: Área
C3 | H12
Dificuldade: Difícil
A quantidade de vidro necessária é dada pela área das faces do sólido. Como o terrário
é formado por 12 pentágonos de mesma área, tem-se:
Um terrário é um recipiente, com diferentes formas, aberto ou
8⋅4 3
fechado, no qual é possível cultivar algumas espécies de plantas, Áreapentágono : 5 ⋅ = 80 3 cm2
2
simulando o seu ambiente natural. A imagem acima mostra um Desse modo, a quantidade de vidro necessária para produzir o terrário é: 12 ⋅ 80 3 =
terrário de vidro com a forma de um dodecaedro regular, no qual o
= 960 3 = 960 ⋅ 1,7 = 1 632,0
lado de cada face mede 8 cm. A quantidade de vidro necessária
para a produção de um terrário como esse é QUESTÃO 106
Conteúdo: Estatística
(Considere 3 = 1,7.) C7 | H27
A 466,8 cm2. Dificuldade: Fácil
A média é calculada somando-se as parcelas e dividindo o resultado pelo número de
B 538,0 cm2.
parcelas. Assim, a média de gols é X gols =
(9 + 6 − 1 − 6 + 4 − 12) = 0 gol
6
C 1 632,0 cm2. Da mesma forma, a média de pontos é
D 1 126,0 cm2. (21 + 16 + 13 + 13 + 12 + 6 ) = 81 = 13,5 pontos
X pontos =
6 6
E 1 570,8 cm . 2

MT - 2a Série | 2o Dia - AMARELO - Página 19

D3-8014-CNT-MT-2S-P2-01a24.indd 19 2/22/18 11:31 AM


QUESTÃO 107 QUESTÃO 108
SPINNER, FEBRE NAS ESCOLAS O mundo enfrenta uma crise global de má nutrição causada
[…] tanto pela falta de comida como pelo consumo de alimentos
processados pouco saudáveis. […]
A tradução do nome é a própria função do brinquedo. Mas
o que ele faz? Roda, e mais nada. Mesmo assim, virou sucesso. No mundo já há 124 milhões de crianças e jovens – entre
cinco e 19 anos – que sofrem de obesidade, um número dez
[…]
vezes maior do que o registrado há quatro décadas. Enquanto
O brinquedo é uma hélice de três pontas circulares feita de o problema segue crescendo entre os mais jovens, o avanço da
plástico e metal. […] O spinner foi criado no início da década desnutrição está diminuindo a nível global. Se estas tendências
de 90 para ajudar no tratamento de crianças com déficit de continuarem nos próximos anos, em 2022 haverá no mundo
atenção. Mas, de repente, virou moda, virou febre. […] mais crianças e jovens obesos do que desnutridos, acrescenta
Spinner, febre nas escolas, desperta atenção de educadores e especialistas. G1, 12 jun. o trabalho, que também ressalta que há outros 213 milhões de
2017. Disponível em: <https://g1.globo.com/educacao/noticia/spinner-febre-nas-escolas-
desperta-atencao-de-educadores-e-pais-de-alunos.ghtml>. Acesso em: 9 nov. 2017. garotos e garotas com sobrepeso. A este problema é preciso
somar o dos 192 milhões de crianças e jovens com desnutri-
DedMityay/Shutterstock.com

ção moderada e aguda, um problema que afeta especialmente


países asiáticos, como a Índia.
DOMÍNGUEZ, Nuño. Número de crianças obesas se multiplica por dez em quaro décadas.
El País, 12 out. 2017. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2017/10/11/
ciencia/1507708265_379711.html>. Acesso em: 20 out. 2017.

Os dados da pesquisa são de 2017. Supondo que o número de


crianças e jovens continue crescendo de forma proporcional,
ou seja, considerando que o crescimento seja uma função afim,
então, a quantidade de crianças obesas em 2037 será
A 117,8 milhões.
B 179,8 milhões.
C 235,6 milhões.

O segredo de um bom spinner está nos rolamentos, que em D 496,0 milhões.


geral são constituídos de sete pequenas esferas metálicas com E 620,0 milhões.
1
diâmetro de cm .
2
Fotos: Martin Spurny/Shutterstock.com

QUESTÃO 108
Conteúdo: Proporção
C4 | H16
Dificuldade: Difícil
Se havia 124 milhões de crianças e jovens obesos, em 2017, e esse número é 10 ve-
zes maior que há quatro décadas, então, em 1977, esse número era de 12,4 milhões
de crianças e jovens. Portanto, houve um aumento de 111,6 milhões em 40 anos.
A pergunta se refere ao ano de 2037, ou seja, 20 anos depois da contagem de 124 milhões
de obesos. Considerando o crescimento de forma proporcional, isso significa que, em 20
anos (metade de 40 anos), o crescimento será de 55,8 milhões (metade de 111,6). Assim,
o total de obesos será de 124 + 55,8 = 179,8 milhões.

Sendo a densidade do metal 19 g/cm3, um spinner tradicional


contém então aproximadamente
(adote π = 3,14) QUESTÃO 107
Conteúdo: Volume da esfera e proporção
A 2 200 mg de metal. C2 | H8
Dificuldade: Média
B 2 770 mg de metal.
Primeiro, deve-se calcular o volume de cada esfera de
C 8 600 mg de metal. 1
raio cm.
4
D 8 700 mg de metal. 3
4  1 π
V = π  = cm3.
E 7 000 mg de metal. 3  4 48

Como são 7 esferas em cada rolamento, o volume



total será cm3.
48
1cm 3
19 g

cm3 m
48
7π ⋅ 19 7 ⋅ 3,14 ⋅ 19
m=   8,7 g
48 48
m = 8 700 mg

MT - 2a Série | 2o Dia - AMARELO - Página 20

D3-8014-CNT-MT-2S-P2-01a24.indd 20 2/7/18 3:55 PM


QUESTÃO 109 QUESTÃO 110
A tabela a seguir mostra o percentual médio de estudantes com Uma nova sorveteria está buscando a melhor opção para
bom desempenho em avaliações de matemática e de leitura, os preços de seus produtos. Eles vão servir sorvetes em casqui-
por grupo de renda e região. nhas no formato de cone e de tronco de cone, como mostram
COMO OS ALUNOS DO PRIMÁRIO ESTÃO SE SAINDO NAS as figuras 1 e 2, respectivamente:
AVALIAÇÕES DE APRENDIZAGEM?

Matemática Leitura

photka/Shutterstock.com
Baixa renda 13,9 4,5
1 2
Renda
36,8 28,7
media-baixa
Renda
61,3 72,3
media-alta
O cone (1) tem raio igual a 3 cm e altura igual a 4 cm.
Renda alta 93,2 95,3 O tronco de cone (2) tem raio maior igual a 4 cm e raio menor
igual a 3 cm e possui a metade da geratriz do cone (1). Para
África o próximo verão, vem uma novidade: casquinha mergulhada
14,4 6,9
Subsaariana no chocolate. Os sorveteiros precisam saber quanta calda de
chocolate é necessária para cobrir cada casquinha e analisar
Oriente Médio
40,0 48,4 se é viável o investimento, considerando que a calda de choco-
e Norte da África late custa em média R$ 0,03 cada cm² e que o gasto com essa
América Latina calda não deve ultrapassar R$ 1,90 em cada casquinha. Então,
42,2 70,4 realizados os cálculos, conclui-se que
e Caribe
Ásia do Leste (Dado: π = 3,1.)
55,3 66,2
e Pacífico A é viável fazer a novidade apenas para a casquinha tipo 1.

Europa e Ásia B é viável fazer a novidade para a casquinha tipo 2, mas não
81,4 86,2 para a casquinha tipo 1 que ultrapassa o limite de R$ 1,90.
Central
C é viável fazer com os dois tipos de cone, pois ambos não
Nota: Os dados sobre regiões (cinco últimas linhas) não incluem os
ultrapassam o valor de R$ 1,90.
países de alta renda.
D deve-se fazer a novidade com a casquinha tipo 2, que fica
Fonte: Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial, usando a Base de Dados mais barata que a do tipo 1.
Mundial sobre a Qualidade da Educação de Altinok, Angrist e Patrinos, 2017.
E não será possível fazer esta novidade com estes preços.
De acordo com a tabela, o bom desempenho escolar
A não está relacionado com a renda do estudante, uma vez que
QUESTÃO 109 QUESTÃO 110
o grupo com renda média-alta tem um bom desempenho em Conteúdo: Estatística Conteúdo: Cone e tronco de cone
leitura: 72,3%. C6 | H26 C2 | H8
Dificuldade: Fácil Dificuldade: Difícil
B é melhor em leitura do que em matemática em todas as regiões. Observando-se o gráfico, nota-se No cone 1: r = 3 cm e h = 4 cm, então, pelo
Isso ocorre porque os estudos em matemática são mais com- que o índice de bom desempenho em teorema de Pitágoras: g = 5 cm.
plexos e exigem uma capacidade intelectual mais aprimorada. Matemática cresce conforme há um Alateral = πrg ⋅ Alateral = π ⋅ 3 ⋅ 5 =
aumento de renda: =15π ⋅ Alateral = 46,5 cm²
C está relacionado com a renda do estudante, uma vez que, entre baixa renda = 13,9%
os estudantes com renda média-alta e renda alta, o índice de renda média-baixa = 36,8% Valor de calda para o cone 1 :
bom desempenho em leitura e matemática é maior que 80%; renda média-alta = 61,3% 46,5 ⋅ 0,03 = R$ 1,39
já entre os estudantes com renda média-baixa e renda baixa, renda alta = 93,2%
No cone 2, tem-se
esse índice não ultrapassa 40%. O mesmo crescimento se nota no
desempenho em leitura: 5
R = 4 cm, r = 3 cm e g =
D em matemática, em todas as regiões, não ultrapassa 60% baixa renda = 4,5%v 2
de estudantes, enquanto o índice de bom desempenho em renda média-baixa = 28,7% A lateral = πg (R + r ) ⇒
renda média-alta = 72,3%
leitura nas regiões da América Latina e Caribe, Ásia do Leste 5 35
renda alta = 95,3%. ⇒ A lateral = π ⋅ 7 = π ⇒
e Pacífico, e Europa e Ásia Central ultrapassou 66%. 2 2
⇒ A lateral = 54,2 cm2
E está relacionado com a renda do estudante. Os índices de
bom desempenho tanto em leitura como em matemática são O “fundo” da casquinha também receberá
chocolate. Então:
maiores conforme a renda do estudante aumenta.
Afundo = pr² = 9π
Área total: 82,1 cm2
Valor de calda para o cone 2: 82,1 ⋅ 0,03 =
= R$ 2,46
Esse valor não é viável, pois ultrapassou o li-
mite imposto no enunciado. Assim, só é viável
realizar a novidade com o cone do tipo 1.

MT - 2a Série | 2o Dia - AMARELO - Página 21

D3-8014-CNT-MT-2S-P2-01a24.indd 21 2/7/18 3:55 PM


QUESTÃO 112 Sejam x, y e z as medidas das At = 376 cm² ⋅ 2 (xy + xz + yz) = 376 ⋅ (xy + xz + yz) = 188
Conteúdo: Volume de prisma, arestas do paralelepípedo que são Substituindo as variáveis pelas respectivas relações com a constante k :
proporção proporcionais a 3, 4 e 5; então: 12k² + 15k² + 20k² = 188 ⋅ 47k² = 188 ⋅ k² = 4 ⋅ k = 2 (–2 não convém)
C2 | H8 x = 3k, y = 4k e z = 5k Logo, as dimensões do paralelepípedo são: 6 cm, 8 cm e 10 cm.
Dificuldade: Média Então: Vparalelepípedo = 6 ⋅ 8 ⋅ 10 ⋅ V = 480 cm³
QUESTÃO 111 QUESTÃO 113
A torre tem 55,8 metros de altura e pesa 14 700 toneladas.

Editoria de Arte
É preciso subir 296 degraus para se chegar ao topo da estru-
tura. O ditador fascista Benito Mussolini teria tentado consertar
a torre, ordenando a colocação de um contrapeso em torno da
base, mas a medida não funcionou.
A C
Quatro curiosidades sobre a Torre de Pisa. O Globo. Disponível em: <https://oglobo.globo.
com/sociedade/quatro-curiosidades-sobre-torre-de-pisa-17131432>. Acesso em: 9 nov. 2017. B D

B D AC BD
Fedor Selivanov/Shutterstock.com

A C

Sopre aqui

Mesmo passados tantos anos desde sua construção em 1178


e de sua pequena inclinação 5 anos depois, a torre ainda per-
manece em pé. Considerando o formato da torre um cilindro
reto, sua base está apoiada em uma circunferência de
(Dado: densidade do concreto = 2 500 kg/m³ ; π = 3,1.) Acompanhando a construção acima, Flávia quis fazer um balão
para decorar sua festa. Para não se perder nas construções,
A diâmetro entre 5 e 6 metros.
marcou os vértices indicados no primeiro quadrado do passo 1
B raio entre 5 e 6 metros. do seguinte modo:
C raio maior que 6 metros. D H C
D raio menor que 5 metros.
E diâmetro maior que 12 metros.

Ilê comunicação
QUESTÃO 112
E F
Em um colégio da cidade de São Paulo, os alunos farão uma O
homenagem ao Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand
e, para isso, decidiram elaborar uma maquete como mostra
a figura. O paralelepípedo reto retângulo que representa o
prédio suspenso possui área total 376 cm² e as dimensões são A G B
proporcionais a 3, 4 e 5.
No passo 2 uniu os vértices E e F (passando por O) e, nos
passos seguintes de sobreposição de triângulos, apareceu o
ponto médio dos segmentos AE e BF, P e Q, respectivamente.
Ao finalizar a construção, as retas EF e PQ que eram paralelas
passaram a ser
s
rio A pertencentes à mesma face do balão, ou seja, coplanares e

inice
ep
sM paralelas.
Ke
B coplanares, mas não paralelas.
C retas perpendiculares.
Desse modo, o volume necessário de material para compor
apenas esse paralelepípedo será D retas reversas.

A 188 cm³ QUESTÃO 111 2 500 kg/m3, então o volume E pertencentes a faces consecutivas do balão.
Conteúdo: Volume de cilindro da torre é de:
B 240 cm³ C3 | H14 m 14700000
Dificuldade: Fácil V= ⇒V= = 5880 m3 QUESTÃO 113 No passo 2 da construção, os pontos E e F serão unidos, então
C 376 cm³ Mesmo inclinado, o prédio d 2500
Conteúdo: Posição relativa E ≡ F. Logo, a reta que passa por E e O é perpendicular ao plano
480 cm³ possui 55,8 m de altura. Sen- V = πr ⋅ h ⇒ 5880 = 3,1⋅ r ⋅ 55,8 entre duas retas do papel. No passo da construção em que as abas de vértices A
2 2
D
do a densidade do concreto r 2  34 ⇔ 5 < r < 6 C2 | H6 e B serão dobradas para dentro, P e Q se tornarão pertencentes
E 1 620 cm³ Dificuldade: Difícil à mesma face do balão e, no passo final, ao encher o balão, a
reta PQ será reversa com a reta que passa pelos pontos E e O.

MT - 2a Série | 2o Dia - AMARELO - Página 22

D3-8014-CNT-MT-2S-P2-01a24.indd 22 2/22/18 11:36 AM


Dada uma superfície esférica S com centro cunferência de centro

QUESTÃO 114 Dada uma superfície esférica S com centro O e raio


Conteúdo: Geometria r e um plano E que passa por O, a intersecção E ∩ S
de posição é o conjunto de todos os pontos de E cuja distância
C2 | H7 a O é igual a r. Essa é exatamente a definição de uma
Dificuldade: Fácil circunferência de centro O e raio r.
QUESTÃO 114 QUESTÃO 116
Na obra Elementos, Euclides fundamentou uma geometria ba- Define-se uma sequência como uma função de termos orde-
seada em axiomas e demonstrações. Esse modelo é utilizado nados cujo domínio é o conjunto dos números naturais. Sendo
até hoje pelos matemáticos para teoremas como o seguinte: π π
uma sequência construída pela expressão a n = ⋅ n + , em
4 3
Teorema: A intersecção de uma superfície esférica com um que n é um número natural diferente de zero, qual seria um
plano passando pelo seu centro é uma circunferência de mes- 3
mo centro e mesmo raio. possível valor de n nessa sequência para que sen ( a n ) = ?
QUESTÃO 116 2
A 6 Conteúdo: Ciclo trigonométrico
S C5 | H22
B 8 Dificuldade: Média
E
3
C 10 Para sen ( an ) =

Ilê comunicação
; os arcos côngruos (em radianos) têm expressão
2
D 11 π
an = + 2kπ , com k ∈ . Então:
r 3
O E 12 π π π π
⋅ n + = + 2kπ ⇒ n = 2kπ ⇒ n = 8k
4 3 3 4
Portanto, a única alternativa numérica na forma 8k é 8.
QUESTÃO 117
A quantidade de peixes na região costeira do Brasil pode ser
medida por meio de funções periódicas tendo em vista o seu
Como o método empregado por Euclides, o teorema acima ciclo anual.
pode ser demonstrado utilizando-se  πt 
Em determinada região, a função P ( t ) = 720 + 250 ⋅ sen  
4
A as definições de ponto e de reta. descreve a quantidade de peixes, em toneladas, com o tempo
B as definições de reta e de plano.
t medido em meses. Se 0 < t < 1 representa o mês de janeiro,
C as definições de plano e de circunferência.
em quais meses a quantidade atingirá 845 toneladas?
D as definições de circunferência e de espaço.
A Janeiro e junho.
E apenas a definição de espaço.
B Janeiro e julho.
C Janeiro e setembro.
QUESTÃO 115
D Fevereiro e julho.
Ao planejar a comercialização de uma nova linha de ervilhas
E Fevereiro e setembro.
em lata, uma indústria de alimentos pretende gastar o míni-
mo possível na embalagem. Um matemático foi consultado e
apresentou diversas opções. Caso a escolha seja uma emba-
QUESTÃO 115
lagem cilíndrica, o desenho mais econômico está no formato Conteúdo: Volume e área total do cilindro
de cilindro equilátero. C3 | H13
Dificuldade: Média
432 mL = 432 cm3
Netkoff/Shutterstock.com

A altura do modelo atual utilizado é:


V = πR2H ⇒ 432 = 3 ⋅ 42 ⋅ H ⇒ H = 9 cm .
Logo, a área total do modelo antigo da lata vale:
A total = 2πR (H + R ) = 2 ⋅ 3 ⋅ 4 ⋅ ( 9 + 4) ⇒ A total = 312 cm2
Por ser um cilindro equilátero, a nova lata tem o raio da base igual à metade da altura.
2
 h
V = πr 2h ⇒ 432 = 3 ⋅   ⋅ h ⇒ h3 = 576 ⇒ h = 3 576 = 4 3 9 = 8,32 cm
 2
h
r= = 4,16 cm
2

A linha anterior de produtos da marca utilizava latas cilíndricas A total = 2πr (h + r ) = 2 ⋅ 3 ⋅ 4,16 ⋅ ( 8,32 + 4,16 ) ⇒ A total = 24,96 ⋅ 12,48  311,5 cm2
não equiláteras. Após a consultoria, o gerente de produção
A diferença entre as áreas totais das latas vale 312 – 311,5 = 0,5 cm2.
decide mudar as latas para o formato equilátero, porém sem
mudar o volume do produto que é de 432 mL. O raio da lata QUESTÃO 117
Conteúdo: Ciclo trigonométrico
utilizada atualmente pela indústria é 4 cm. Com a nova emba-
C3 | H3
lagem, a área total será menor em aproximadamente Dificuldade: Média
Para atingir 845 toneladas:
(Dado: π = 3 e 3 9 = 2,08.)
 πt  125  πt 
P ( t ) = 845 ⇒ 845 = 720 + 250 ⋅ sen   ⇒ = sen   ⇒
A 0,24 cm2  4 250  4

B 0,5 cm2  πt  1 πt π 2
⇒ sen   = ⇒ = + 2kπ ⇒ t = + 8k
 4 2 4 6 3
C 1,0 cm2
2 2
Para k = 0: t = + 8 ⋅ 0 =  0,6 , ou seja, ainda em janeiro.
D 2,4 cm2 3 3
2 26
E 5,0 cm2 Para k = 1: t = + 8 ⋅ 1=  8,6 , ou seja, em setembro.
3 3

MT - 2a Série | 2o Dia - AMARELO - Página 23

D3-8014-CNT-MT-2S-P2-01a24.indd 23 2/7/18 3:55 PM


QUESTÃO 118 QUESTÃO 120
A tábua de marés é uma importante referência para comuni- MAMÍFERO REDUZ CÉREBRO E CRÂNIO PARA SE
dades litorâneas. Em certa região, a altura das ondas varia de ADAPTAR A FRIO DO INVERNO
5
acordo com a expressão H(t) = + sen(3t), em que t é o tempo,
2 [...] o musaranho da espécie Sorex araneus, bastante co-
em horas, e H é a altura dessas ondas, em metros. Desse modo, mum na Europa e na Ásia, consegue reduzir o tamanho de seu
a altura máxima atingida pelas ondas nesta região é
crânio e do cérebro em cerca de 15% [...].
A 1,5 m
[…]
B 2,5 m
Na primavera, os bichos [...] recuperam dois terços do vo-
C 3m lume craniano. O restante cresce até o meio do verão.
D 3,5 m
O corpo dos bichos não passa ileso, perdendo 17,6% de
E 7,2 m massa e recuperando 83,4%, em média, na primavera.
NEW YORK TIMES. Mamífero reduz cérebro e crânio para se adaptar a frio do
QUESTÃO 119 inverno. Folha de S.Paulo, 26 out. 2017. Disponível em: <http://m.folha.uol.com.br/
ciencia/2017/10/1930328-mamifero-reduz-cerebro-e-cranio-para-se-adaptar-ao-frio-do-
inverno.shtml?mobile>. Acesso em: 26 out. 2017.
No ciclo cardíaco humano, os ventrículos contraem-se bom-
beando sangue para fora do coração: é a chamada sístole Considere um musaranho com massa corpórea igual a 20 g
ventricular. Logo em seguida, relaxam; o período de repouso antes do inverno. Na primavera, após recuperar sua massa
é chamado diástole. perdida, ele ficará com massa de aproximadamente
QUESTÃO 120
A 16,68 g Conteúdo: Porcentagem
C1 | H3
Alila Medical Media/Shutterstock.com

B 19,41 g Dificuldade: Média


No inverno, o musaranho perde 17,6% de sua massa. Como
C 20,00 g massa inicial é igual a 20 g, tem-se que 17,6% de 20 = 0,176 ⋅ 20 =
= 3,52 g perdidas. Na primavera, ele não recupera toda a
D 30,22 g massa perdida e sim 83,4% dela. Ou seja, 83,4% de 3,52 =
= 0,834 ⋅ 3,52 = 2,93 g recuperadas.
E 36,68 g Assim, após o inverno, o musaranho pesava 16,48 (20 – 3,52) g e,
após sua recuperação, 19,41 (16,48 + 2,93) g.

QUESTÃO 118
Conteúdo: Ciclo trigonométrico
Sístole ventricular Diástole ventricular C5 | H21
Dificuldade: Fácil
A pressão arterial está relacionada à força que o fluxo de san- O valor máximo para H(t) ocorre para os arcos cujo seno vale 1. Então, o argumento
gue exerce nas artérias e é composta da pressão sistólica e π
deve ser da forma + 2kπ. Logo:
diastólica. A unidade de medida da pressão arterial usual é 2
milímetros de mercúrio (mmHg). Quando os níveis de pressão π π 2π
3t = + 2kπ ⇒ t = + k ,com k ∈ 
de um indivíduo forem superiores a 140 mmHg por 80 mmHg, 2 6 3
ele apresenta tendência à hipertensão. Uma pessoa apresenta Por exemplo, para k = 0:
hipotensão quando os níveis são menores do que 90 mmHg t=
π
+ 0⋅
2π π
= h
por 60 mmHg. Quando um médico diz, por exemplo, que “sua 6 3 6
pressão está 12 por 8”, isso significa que a pressão sistólica  π 5  3π  5 7
H   = + sen   ⇒ Hmáx = + 1→ Hmáx = = 3,5 m
aproximada é de 120 mmHg e a diastólica é de 80 mmHg.  6 2  6 2 2

A pressão arterial também pode variar de acordo com a altitude QUESTÃO 119
do local onde a pessoa está. Conteúdo: Equação trigonométrica
C5 | H21
Em determinada cidade, um cardiologista modelou o compor- Dificuldade: Fácil
O ciclo do da função cos (2t) apresenta valor máximo para 2t = 2kπ ⇒ t = kπ e valor
tamento da pressão arterial da população com a expressão
mínimo em
P (t) = 115 + 35 ⋅ cos (2t), em que t é o momento no qual ela é π
2t = ( 2k + 1) π ⇒ t = k + , com k ∈  . Assim, considerando ambos os valores com
2
calculada em minutos, a partir da hora zero do dia. Conside- k = 0:
rando as pressões máxima e mínima de um habitante desta t = 0 ⇒ Pmáx = 115 + 35 ⋅ cos0 ⇒ Pmáx = 115 + 35 = 150 mmHg
região, ele possui π
t= ⇒ Pmin = 115 + 35 ⋅ cos π ⇒ Pmin = 115 − 35 = 80 mmHg
2
A hipertensão com sistólica de 80 mmHg e diastólica de 150 mmHg.
Como o habitante apresenta pressão sistólica de 150 mmHg e diastólica de 80
B hipertensão com sistólica de 150 mmHg e diastólica de 80 mmHg. mmHg, ele está com “15 por 8” e, pelos valores de referência, apresenta hipertensão.

C hipotensão com sistólica de 150 mmHg e diastólica de 80 mmHg.


D hipotensão com sistólica de 80 mmHg e diastólica de 150 mmHg.
E uma variação de pressão que está na normalidade da me-
dida padrão.

MT - 2a Série | 2o Dia - AMARELO - Página 24

D3-8014-CNT-MT-2S-P2-01a24.indd 24 2/22/18 11:44 AM

Centres d'intérêt liés