Vous êtes sur la page 1sur 10

Transporte nos animais

 Nos animais mais simples, não existe um sistema de transporte


especializado
 Nos animais mais complexos, existe um sistema circulatório (também
designado por sistema cardiovascular (do grego -> Kardia, coração e do
latim -> Vas, vaso)) pela condução de oxigénio e nutrientes, desde os
locais de absorção até às células dos diferentes órgãos, bem como pela
remoção de substâncias resultantes do metabolismo celular.

Sistema sanguíneo

Pode ser

Aberto Fechado
ex: artrópodes e vários ex:minhocas, chocos,lulas,polvos, e
animais vertebrados (peixes,anfibios,
moluscos repteis, aves e mamíferos)
Sistema de transporte aberto – sistema de transporte onde o fluído circulante – a
hemolinfa – circula em vasos e em cavidades entre as células.

Sistema de transporte fechado – sistema de transporte onde o fluido circulante –


o sangue – circula em vasos apenas.

Fluído Circulante – corresponde à hemolinfa e ao sangue. É a solução aquosa que


circula no sistema circulatório.

Linfa – solução aquosa que envolve as células e tem origem no plasma sanguíneo.

Sangue – fluido circulante dos sistemas circulatórios fechados. No ser humano,


este tecido é constituído por glóbulos vermelhos, glóbulos brancos, plaquetas e
plasma.

Nota: o sangue e o fluido intersticial, que banha diretamente as células


constituem o meio interno dos animais.
Sistema sanguíneo

Pode ser

aberto fechado

inclui pode ocorrer

circulação circulação
lacunas
simples dupla
nos
pode ser
nos

insetos Incompleta Completa


peixes
antrópodes e nos nos
vários moluscos

Anfíbios Aves Mamíferos

Circulação Simples – Quando existe apenas um circuito: o sangue sai do coração


para os pulmões (ou os brônquios) e, depois passa pelos restantes órgãos do
organismo, regressando ao coração.

Circulação Dupla – Quando o sangue percorre dois circuitos distintos. Um


circuito tem como finalidade a oxigenação do sangue: o sangue venoso sai do
coração, passa pelos pulmões, regressando ao coração como sangue arterial.
No circuito complementar, o sangue arterial vai percorrendo os restantes órgãos,
regressando ao coração já venoso.

Sangue arterial – rico em oxigénio.

Sangue venoso – rico em dióxido de carbono.

Circulação completa – diz-se completa, quando os dois circuitos, a nível do


coração, estão completamente separados, não havendo mistura entre o sangue
arterial (oxigenado), que vem dos pulmões e o sangue venoso (rico em CO2)
proveniente do resto do corpo.

Circulação incompleta – ocorre a mistura entre os dois tipos de sangue, venoso e


arterial.

Nota:
Em todos os vertebrados o sangue, circulando em veias, chega às aurículas e
passa para o(s) ventrículo(s), de onde sai para as diferentes partes do corpo
circulando em artérias.

Os animais com circulação dupla apresentam:


 Circulação Pulmonar – o sangue venoso sai do coração, vai aos pulmões,
onde é oxigenado e regressa à aurícula esquerda pelas veias pulmonares.
 Circulação Sistémica – o sangue arterial sai do coração, dirige-se para
todos os órgãos e regressa venoso à aurícula direita.

Nota:
A circulação dupla é a mais eficiente que a circulação simples, pois
assegura um fluxo vigoroso de sangue para os diferentes órgãos, uma vez
que o sangue dos pulmões volta ao coração, sendo impulsionado sob
pressão para os diferentes órgãos.

Um coração com 4 cavidades é mais eficiente, pois deixa de haver mistura


de sangues.
O miocárdio é o músculo cardíaco, que é irrigado pelas artérias coronárias.
Com a contração do coração (sístoles) e os relaxamentos (diástoles) é possível o
sangue percorrer os vasos sanguíneos.
Assim o sangue flui no seguinte sentido:

Coração

Veias Artérias

Vénulas Arteríolas

Capilares

Características dos vasos sanguíneos


Artérias – têm paredes fortes e elásticas, o que permite dilatarem-se e
contraírem-se em cada batimento cardíaco.

Veias – apresentam paredes mais finas e têm maiores diâmetros que as artérias
correspondentes. Funcionam como reservatórios de volume de sangue, contendo
50% a 60% do volume sanguíneo total.

Capilares – paredes muito finas, constituídas por uma única camada de células.
O organismo necessita de manter em permanência a circulação sanguínea, para
garantir um fornecimento constante de gases e nutrientes às células dos
diferentes tecidos, removendo os seus produtos de excreção e CO2.
Quando o coração contrai (Sístole), impulsiona o sangue com elevada pressão
para as artérias – pressão sistólica (deverá ser aproximadamente 120 mmHg). As
contrações do coração ocorrem em intervalos regulares intercalares com
períodos de relaxamento (diástole), em que a pressão nas artérias atinge o valor
mais baixo – pressão diastólica (deverá ser aproximadamente 80 mmHg).
A pressão sanguínea vai diminuindo ao longo dos vasos. Ao nível da extensa rede
de capilares, a pressão reduzida, associada a uma menor velocidade e maior área
de contacto e as suas paredes finas, permite optimizar as trocas com as células.

Nota:
A pressão sanguínea (vulgarmente conhecida como pressão arterial) é
determinante pela pressão exercida pelos ventrículos em sístole pela resistência
oferecida pelas arteríolas ao fluxo sanguíneo.

A pressão sanguínea pode atingir valores mais elevadas do que o normal, em


caso de hipertensão, ou valores mais baixos do que o normal, em situações de
hipotensão.

Quando o sangue entra nas veias, a pressão é reduzida, não sendo suficiente para
o impulsionar até ao coração. Assim existem vários mecanismos que contribuem
para que o sangue regresse ao coração:

 As veias possuem músculos esqueléticos associados que, ao contraírem-


se, provocam a sua compressão, empurrando o sangue.
 As veias possuem válvulas que impedem que o sangue retorne, auxiliando
no seu transporte.

 Os movimentos respiratórios também contribuem para que o


sangue das veias volte ao coração. Durante a inspiração a
diminuição da pressão na caixa torácica provoca o deslocamento
em direção ao coração, do sangue contido nas veias mais afastadas.
 O abaixamento da pressão nas aurículas durante a diástole
também provoca um movimento do sangue na direção do coração.

Nota:
A eficácia dos sistemas de transporte pode ser comprometida por
anomalias congénitas ou problemas que surjam posteriormente,
como por exemplo, o enfarte do miocárdio.

Enfarte do miocárdio – corresponde à morte de uma zona mais ou


menos extensa do músculo cardíaco por falta de oxigénio.
Entre os factores de risco que podem levar ao enfarte do miocárdio
temos: hipertensão, obesidade e stress.

Sistema sanguíneo

Pode incluir
órgão vasos Fluído
Lacunas
propulsor sanguíneos circulante
podem ser
como o
Artérias Capilares Veias
coração

realiza

Sístoles Diástoles

Sistema linfático

inclui
vasos
linfa
linfáticos
por exemplo
pode ser
Capilares Veias
linfáticos linfáticas
intersticial circulante
Fluídos Circulantes – Sangue e linfa