Vous êtes sur la page 1sur 12

PRODUÇÃO TEXTUAL

INTERDISCIPLINAR
EM GRUPO – PTG
PRODUÇÃO TEXTUAL
INTERDISCIPLINAR Serviço Social
EM GRUPO – PTG

TEMOS PRONTO 38 99826

6952

CURSO: Serviço Social


PRODUÇÃO TEXTUAL
INTERDISCIPLINAR
EM GRUPO – PTG

Serviço Social
Curso: Serviço Social Semestre: 3º flex / 4º Reg
Disciplinas:  Antropologia
 Sociologia Crítica
 Fundamentos Históricos, Teóricos e Metodológicos do Serviço
Social II
 Ciência Política
 Seminário Interdisciplinar IV
 Ed - Lógica Matemática
Professores  Elias Barreiros
 Maria Gisele de Alencar
 Paulo Sérgio Aragão
 Mariana de O. Lopes
 Vanessa Vilela Berbel
Competências:  Compreender e aplicar conceitos teóricos relacionados às
disciplinas do semestre;
 Desenvolver o pensamento crítico-reflexivo;
 Compreender a importância da análise social no contexto social
na atualidade;
 Provocar o treinamento das habilidades escritas
e argumentativas;
 Desenvolver pesquisa social através de métodos e instrumentos
próprios.
Habilidades: Ao concluir as etapas propostas neste desafio, você terá desenvolvido as
seguintes competências e habilidades:

PRODUÇÃO TEXTUAL
INTERDISCIPLINAR
EM GRUPO – PTG
Objetivos da Serviço Social
Aprendizagem:
 Fornecer sólida formação humanística e visão global que habilite
o acadêmico a compreender os meios social, político, cultural e
econômico.
 Promover a capacidade investigativa e de análise crítico-reflexiva.
 Formar profissionais com visão integral, capacidade de adaptação
e flexibilidade, que atuem de forma interdisciplinar.
A produção textual é um procedimento metodológico de ensino
aprendizagem que tem por objetivos:
• Favorecer a aprendizagem.
• Estimular a corresponsabilidade do aluno pelo
aprendizado eficiente e eficaz.
• Promover o estudo dirigido a distância.
• Desenvolver os estudos independentes, sistemáticos e o auto
aprendizado.
• Oferecer diferentes ambientes de aprendizagem.
• Auxiliar no desenvolvimento das competências requeridas
pelo Catálogo Nacional de Cursos Superiores em Tecnologia
do Ministério da Educação.
• Promover a aplicação da teoria e conceitos para a solução de
problemas práticos relativos à profissão.
• Direcionar o estudante para a busca do raciocínio crítico e a
emancipação intelectual.

Prezados alunos/as,

Sejam bem-vindos/as a este semestre!

A proposta de Produção Textual em Grupo (PTG) terá como temática: “O cenário brasileiro
de migrações pós século XXI”. O tema está relacionado diretamente com o Serviço Social por tratar
PRODUÇÃO TEXTUAL
INTERDISCIPLINAR
EM GRUPO – PTG

Serviço Social
das relações sociais na atualidade, da proteção de direitos e da compreensão histórica de
um fenômeno de importante impacto na vivência social e científica.

ORIENTAÇÕES DA PRODUÇÃO TEXTUAL

1. Formação dos Grupos


Organizem grupos de 2 (dois) a 7 (sete) alunos/as do mesmo curso e turma, dia e horário
(alunos de diferentes dias, horários, cursos e/ou turmas não poderão desenvolver o trabalho em
grupo, mesmo que ensalados juntos).
Para realizar a atividade de portfólio em grupo, vocês deverão criar um texto de
própria autoria, utilizando-se do material disponibilizado. O texto deverá ser estruturado seguindo
as normas da ABNT e as regras indicadas neste documento de orientação.

2. Leitura e interpretação da Situação Geradora de Aprendizagem (SGA)

Por meio da leitura da SGA e, também, da situação-problema destacada, vocês,


futuros profissionais, deverão elaborar uma produção textual, com respaldo metodológico nas
disciplinas
que foram cursadas ao longo deste semestre.

SITUAÇÃO GERADORA DE APRENDIZAGEM (SGA)

3. Leia e interprete a Situação Geradora de Aprendizagem (SGA)

Situação-problema

A América Latina construiu-se historicamente pelas migrações. O estabelecimento dos


europeus, notadamente espanhóis e portugueses, foi o berço geracional de transformações sociais,
destruindo e construindo formas de convivência humana. Por sua vez, as batalhas pela
independência do século 19, a eclosão das Guerras Mundiais no século XX e as crises humanitárias
do século XXI promoveram novos fluxos migratórios, cruciais para a construção da identidade
nacional e a reconfiguração de suas economias.
PRODUÇÃO TEXTUAL
INTERDISCIPLINAR
EM GRUPO – PTG

Serviço Social
Em outro passo, a globalização neoliberal e a fortificação econômica de alguns países
capitalistas impulsionaram o caminho inverso, acentuando o fluxo de latino e sul-americanos que
migraram em busca de emprego, segurança financeira e garantias sociais.
Paralelamente aos processos migratórios baseados na desigualdade e discriminação e
controlados e limitados pelos Estados-nação, reforça-se, na aurora do século XXI, a esperança da
concretização plena da “migração-mobilidade”, a partir do qual o cruzar as fronteiras geográficas é
impulsionado tão-só pela vontade e liberdade (CASTELLS, 2010, p. 15). Contudo, dados
da Organização das Nações Unidas (ONU) indicam que dos aproximadamente 250 milhões de
pessoas que vivem em países distintos dos que nasceram e, 68 milhões encontram-se em
situação de deslocamento forçado (ACNUR, 2019, p.06).
Fato é que o deslocamento massivo de populações em todo o mundo - seja de forma
efêmera ou de longo prazo, voluntário ou impulsionado por pressões econômicas e sociais -
produz reconfigurações sociais significativas nos locais de partida e chegada, capazes de gerar
pressões sociais, econômicas e políticas.
O Brasil, particularmente, é considerado, a um só tempo, um país de origem, de trânsito e de
destino de migrantes (ACNUR, 2019, p.07), o que implica em desafios ainda maiores.
Um caso particular de migração é digno de nota: a situação dos refugiados. Entende-se por
refugiados as pessoas que não tiveram outra opção a não ser a de sair de seus países de origem, por
motivos de perseguições diversas e de violações de direitos humanos, as quais poderiam até custar-
lhes a vida.
Informa, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR, 2017) 1, que 33.866 pessoas solicitaram
o reconhecimento da condição de refugiado no Brasil em 2017. Os venezuelanos, em 2017,
representavam mais da metade dos pedidos realizados, com 17.865 solicitações. Na sequência estão
os cubanos (2.373), os haitianos (2.362) e os angolanos (2.036). Os estados com mais pedidos de
refúgio são Roraima (15.955), São Paulo (9.591) e Amazonas (2.864), segundo dados da
Polícia Federal.

4. Reflita sobre a seguinte situação-problema:

O ACNUR, a Agência da ONU para Refugiados e a OIM, a Agência da ONU para as Migrações,
anunciaram, em novembro de 2018, que o número de refugiados e de migrantes oriundos da

1
Dados disponíveis em: https://www.acnur.org/portugues/dados-sobre-refugio/dados-sobre-refugio-no-brasil/
Consulta em 08/07/2019.
PRODUÇÃO TEXTUAL
INTERDISCIPLINAR
EM GRUPO – PTG

Serviço Social
Venezuela atingiu a soma de três milhões de pessoas no mundo todo2. Ainda segunda a fonte de
notícias da ACNUR,3. o Brasil abriga 85 mil refugiados venezuelanos.
Mesmo com o aumento no número de migrantes no país nos últimos anos, o Brasil ainda
possui contingentes menores que países vizinhos; a Colômbia abriga o maior número de
refugiados e migrantes da Venezuela, representando o total de mais de um milhão de pessoas;
após figura o Peru, com mais de meio milhão de venezuelanos, seguido pelo o Equador com mais
de 220 mil e a Argentina, com 130 mil.
O agravamento da crise no país vizinho faz surgir questionamentos com a chegada dos
imigrantes ao país. Estaríamos recebendo mais imigrantes do que poderíamos suportar?
Deveríamos fechar a fronteira com a Venezuela? Estas perguntas foram levantadas inclusive por
políticos e governantes.
Os números são provocadores e propõe a reflexão e debate da situação dos migrantes no
Brasil, a partir de diversos matizes científicos. Propomos, portanto, que vocês elaborem um texto
único, contemplando as seguintes perspectivas disciplinares:

ORIENTAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DO TRABALHO

Algumas etapas são fundamentais para estruturar o seu trabalho acadêmico; por isso
apontamos um caminho de itens que necessariamente devem constar em sua produção trabalho.
Atente-se a eles.

Passo 1: Com base nas leituras indicadas e nos materiais das disciplinas semestrais desenvolvam
uma produção de no mínimo 5 (cinco) e no máximo 8 (oito) laudas, sem contar
introdução, conclusão e referências bibliográficas.
Passo 2: A produção textual deverá conter a seguinte estrutura: introdução, desenvolvimento,
conclusão e referências, em itens separados, conforme as normas da ABNT.
Passo 3: Contemplem, em seu texto, todas as questões/reflexões abaixo indicadas pelos
professores de cada uma das disciplinas do semestre. Essas questões devem ser usadas para
nortear a produção do texto final, o qual, apesar de ser uma produção textual global, deverá
indicar expressamente a contemplação da resposta aos quesitos das disciplinas.

2
ACNUR/OIM, Genebra. Notícia: “Número de refugiados e migrantes venezuelanos chega a 3 milhões”, veiculada em 9
Nov. 2018, disponível em: https://www.acnur.org/portugues/2018/11/09/numero-de-refugiados-e-migrantes-
venezuelanos-chega-a-3-milhoes/ Acesso em: 15 Julho de 2019.
3
Dados de 2018 https://oglobo.globo.com/mundo/com-exodo-venezuelano-pedidos-de-refugio-no-brasil-crescem-136-
em-2018-chegando-80-mil-23749456 . Ainda, Relatorio UNHCR Global trends- https://www.unhcr.org/globaltrends2018/
PRODUÇÃO TEXTUAL
INTERDISCIPLINAR
EM GRUPO – PTG

Serviço Social
a) Antropologia

A Antropologia é uma ciência privilegiada para tratar de questões relacionadas aos processos
migratórios, na medida em que ela toma para si, desde seu surgimento no final do século XIX, a
tarefa de investigar a diversidade e as relações de alteridade. Num primeiro momento,
através da antropologia evolucionista, analisando os relatos de viajantes, navegadores,
missionários e administradores coloniais, depois realizando trabalhos de campo nas regiões
colonizadas pelos europeus, como na África, a Antropologia construiu ferramentas conceituais e
metodológicas para pensar relações culturais, étnicas, raciais - entre outros marcadores sociais da
diferença.
A partir dessa consideração inicial, relacione os conceitos de etnocentrismo e
relativismo cultural para pensar os processos migratórios, como destacado em nossa Situação
Geradora de Aprendizagem.

Bibliografia recomendada:

FERIANI, D. M. Fundamentos antropológicos e sociólogicos / Daniela Moreno Feriani, Marcos


Roberto Mesquita. – Londrina : Editora e Distribuidora Educacional S.A., 2018.

b) Seminário Interdisciplinar IV

O Artigo 14 da Declaração Universal dos Direitos Humanos afirma o direito de todo


ser humano requerer e se beneficiar de refúgio. Porém, até o advento da Convenção de 1951,
Relativa ao Estatuto dos Refugiados, nenhuma definição internacional precisa havia sido dada
ao termo “refúgio” e, via de consequência, “refugiados”. Atualmente, a Convenção da ONU de
1951, e seu Protocolo de 1967, são os pilares do regime de proteção de refugiados, definindo,
em bases universais, seus direitos e deveres fundamentais. Como base nesta questão, pergunta-se:
os termos “refugiado” e “migrante” são sinônimos? O que caracteriza a situação de refugiado?
como é feito o pedido de refúgio no Brasil?

Bibliografia recomendada:
ONU Brasil. “Qual a diferença entre ‘refugiados’ e ‘migrantes’?”. Disponível em:
https://nacoesunidas.org/qual-a-diferenca-entre-refugiados-migrantes/
ACNUR. Relatório UNHCR Global trends.
Disponível em: https://www.acnur.org/portugues/publicacoes/
PRODUÇÃO TEXTUAL
INTERDISCIPLINAR
EM GRUPO – PTG

Serviço Social
Mazzuoli, Valerio de Oliveira. Curso de direito internacional privado / Valerio de Oliveira Mazzuoli. −
2. ed. − São Paulo: Forense, 2017. (Minha Biblioteca). Disponível
em:
https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788530976422/cfi/6/10!/4/20/2@0:18.1
NASSER, Salem. Direito Internacional Público. São Paulo: Atlas, 2012. Minha biblioteca. Disponível
em: https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788522475223/cfi/4!/4/4@0.00:0.00
Legislação:
BRASIL, República Federativa do. Lei Nº 9.474/1997. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9474.htm

c) Sociologia Crítica

A Sociologia como conhecimento, adquire status de ciência a partir do século XIX cuja
proposta era compreender os processos de transformações em curso na sociedade europeia, que
culminaram na consolidação do modo de produção capitalista. Deste modo, a disciplina Sociologia
Crítica busca instrumentalizar a análise sobre a vida social e as suas contradições, a partir de um
arcabouço teórico que lhe dará condições de compreender o fenômeno da imigração no
Brasil proposto pelo PTG. Como recorte teórico, para esta disciplina, será necessário analisar a
relação entre o fenômeno da imigração e as relações de trabalhos, uma vez que, segundo o
material do Observatório das Migrações Internacionais de 2014, “é no mercado de trabalho
que é possível compreender a posição social que ocupam os imigrantes e que ocuparão os
seus descendentes” (CAVALCANTI et al.p.13). Contudo, no bojo das relações de trabalho, na
atualidade ter-se-ão: “mudanças nas leis trabalhistas estão sendo implementadas com o
objetivo, real ou fictício, de aumentar a competitividade em um contexto de crise econômica.
Essas reformas, em geral, visam flexibilizar os contratos de trabalho e, ao mesmo tempo, alterar os
processos de negociação coletiva. Na realidade, para além dos discursos oficiais, o que ocorre é
uma redução dos direitos dos trabalhadores. É nesse clima geral que milhões de migrantes e
refugiados se inserem no mercado de trabalho dos países de trânsito e de destino” (MARINUCCI,
2017, p.7).
Considerando os apontamentos acima, problematize a seguinte questão: Como as transformações
que ocorreram ao longo dos séculos XX e XXI, impactaram no mundo do trabalho? Mais
precisamente no século XXI, é possível identificar a precarização das relações de trabalho? Quais
os impactos gerados para a população imigrante, e existem políticas que asseguram o direito ao
trabalho?

Bibliografia recomendada:
ALVES. M.O. Fundamentos históricos, teóricos e metodológicos do Serviço Social: das origens aos
dias atuais. Editora InterSaberes. Curitiba PR. 2017. [Biblioteca Virtual 3.0]
https://bv4.digitalpages.com.br/?filtro=livros&term=%25C3%25A9tica%2520servi%25C3%25A7o%2
520social&searchpage=1#/busca
PRODUÇÃO TEXTUAL
INTERDISCIPLINAR
EM GRUPO – PTG

Serviço Social
Aragão, Paulo Sérgio. Fundamentos históricos, teóricos e metodológicos do serviço social II. Editora
e Distribuidora Educacional S.A., Londrina 2014.
https://biblioteca-virtual.com/detalhes/livro/900
BATTINNI. O. Apontamentos sobre a História do Serviço Social no Brasil – 80 anos. Revista Serviço
Social em Revista. V.19. n1. 2016. [EBSCO].
https://biblioteca-virtual.com/detalhes/eds/edsdoj/edsdoj.8632b6110f0f441bacb81523d6220fcd
BULLA L. C . Relações sociais e questão social na trajetória histórica do serviço social brasileiro.
Revista Virtual Texto & Contexto. N 2. Rio Grande do Sul. 2003. [EBSCO].
https://biblioteca-
virtual.com/detalhes/eds/edsdoj/edsdoj.26d5875737a4419db00e93450864c89aIAMAMOTO.
Marilda Villela. CARVALHO. de Raul. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil. Esboço de
uma interpretação histórico-metodológica. 13 ed. Cortez. São Paulo. 2000.
CARNEIRO, Cynthia Soares. Migrações internacionais e precarização do trabalho: o contexto global,
os acordos de residência do Mercosul e os imigrantes sul-americanos no Brasil. Argumenta Journal,
Jacarezinho – PR, Brasil, n. 26. p. 337-374. Disponível
em: http://seer.uenp.edu.br/index.php/argumenta/article/view/749 Acesso em: 15 de julho de
2019. CAVALCANTI, Leonardo; OLIVEIRA, Antonio Tadeu; TONHATI, Tânia (Orgs.) A Inserção dos
Imigrantes no Mercado de Trabalho Brasileiro. Brasília: Cadernos do Observatório das
Migrações Internacionais, 2014. Disponível em:
https://oestrangeirodotorg.files.wordpress.com/2014/11/relatorio-parcial-a-inserc3a7ao-dos-
imigrantes-no-mercado-de-trabalho-brasileiro.pdf Acesso em: 15 de julho de 2019.
MARINUCCI, Roberto. Editorial Migrações e trabalho: precarização, discriminação e
resistência. REMHU, Rev. Interdisciplinar de Mobilidade Humana. Brasília, v. 25, n. 49, 2017, p. 7-
11. Disponível em:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1980-85852017000100007 Acesso em: 15
de julho de 2019.
NETTO. José Paulo. Ditadura e serviço social: uma análise do serviço social no Brasil pós-64. 15a. ed.
Cortez. São Paulo. 2010.
SANCHES, Wilson; FERREIRA, Leonardo Antonio Silvano; ALENCAR, Maria Gisele de. Sociologia
Crítica. Londrina. Editora e Distribuidora Educacional. S.A. 2016.

d) Fundamentos Históricos, Teóricos e Metodológicos do Serviço Social II

Diante das diferentes expressões da questão social, a profissão de Serviço Social vem
se materializando no Brasil através de um longo caminho, o qual recorre a um universo
variado de teorias, filosofias e concepções políticas que incidiram diretamente nas intervenções
desta profissão. Olhando para a sua história é possível identificar avanços em sua execução e
produção de conhecimentos, contribuindo assim para um posicionamento mais próximo das reais
necessidades daqueles que contemporaneamente utilizam seus serviços.
Neste sentido, em tempo de barbárie neoliberal, a profissão sofre cotidianamente a redução
do campo dos direitos e a entrega a sorte daqueles que pouco possuem para sua inserção e
permanência em uma sociedade cuja uma de suas principais características é a desigualdade.
PRODUÇÃO TEXTUAL
INTERDISCIPLINAR
EM GRUPO – PTG

Serviço Social
Ao discente, frente à Situação Geradora de Aprendizagem, na temática dirigida à disciplina de
Fundamentos Históricos, Teóricos e Metodológicos do Serviço Social II, faz-se as seguintes reflexões:
Como se dava a intervenção profissional mais marcante antes do início da década de 1980?
Como o Serviço Social se apresentava em seu posicionamento político frente às profundas
expressões da questão social? Como se dará estas mesmas questões do início da década de 1980 em
diante? De acordo com o tipo de Serviço Social defendido nos anos de 1980 em diante qual seria o
posicionamento da categoria frente ao fenômeno da migração?

Bibliografia recomendada:
PRATES, Jane Cruz. 80 anos de Serviço Social no Brasil: as construções e os desafios à profissão.
Revista
Textos & Contextos (Porto Alegre), v. 15, n. 1, p. 01 - 09, jan./jul. 2016. Disponível
em:
http :/ /revistaselet ron icas.p u crs.b r/oj s/in d ex.p hp/ fass/arti cle/ view/24 594/ 14 628

e) Ciência Política

A questão da migração tem como pano de fundo o tema dos Direitos Humanos. Afinal, os
indivíduos são livres para buscar novos espaços, territórios? De onde surgiu o direito dos homens à
liberdade e igualdade? Como podemos analisar a postura dos governos nos últimos anos frente ao
aumento no número de refugiados e imigrantes? Como se posicionou o Estado brasileiro frente a
isso? Para responder à estas questões, primeiro precisamos estudar o tema dos Direitos Humanos
que tem como bibliografia básica os chamados contratualistas. Por outro lado, para darmos conta da
compreensão do tema na contemporaneidade, precisaremos recorrer à autores mais recentes como
Hannah Arendt, por exemplo.
Nos últimos anos vimos a retomada do autoritarismo no mundo. Exemplo disso foi a
ascensão de Trump nos EUA, as eleições da direita em diversos países da Europa e na América
Latina. Neste momento, vimos surgir tanto na Europa quanto no Brasil o (res) surgimento de
movimentos sociais de direita e na mesma medida, movimento de xenofobia, racismo e preconceito
resultado da crise econômica, social e política do capital. Como consequência da crise, guerras civis,
embargos dentre outras variáveis os indivíduos se veem obrigados a lutar pela própria vida, o
que muitas vezes acarreta na busca de refúgio ou melhores oportunidades em outros países. A
chegada de imigrantes e refugiados nem sempre é bem vista pelos cidadãos dos países de
destino acarretando ações xenofóbicas e de extrema violência. Uma das violências que podemos
elencar é aquela caracterizada pelo limite de direito do indivíduo no país de destino.
Neste sentido, leia o texto de apoio “A ruptura dos direitos humanos na filosofia política de
Hannah Arendt”, de autoria de Fausto Brito, veiculado na revista Kriterion, vol.54 no.127,
Belo Horizonte, Junho/2013, disponível em anexo a este PTG ou no
site http://www.scielo.br/scielo.php?
script=sci_arttext&pid=S0100512X2013000100010&lng=en&nrm=
PRODUÇÃO TEXTUAL
INTERDISCIPLINAR
EM GRUPO – PTG

Serviço Social
iso. Ainda, estude os autores do contratualismo (Hobbes, Locke e Rousseau) presentes no
livro didático da disciplina de Ciência Política e, após, formule uma reflexão que responda à
seguinte questão: Como a discussão dos Direitos Humanos nos autores do contratualismo e na
teoria política de Hannah Arendt podem nos auxiliar a pensar a questão da migração nos últimos
anos?

Bibliografia obrigatória:
BRITO, Fausto. A ruptura dos direitos humanos na filosofia política de Hannah Arendt. Kriterion,
Belo Horizonte , v. 54, n. 127, p. 177-196, June 2013 . Disponível
em: http://www.scielo.br/scielo.php?
script=sci_arttext&pid=S0100512X2013000100010&lng=en&nrm=
iso

NORMAS PARA ELABORAÇÃO E ENTREGA DA PRODUÇÃO TEXTUAL

A Produção Textual deverá ser postada no ambiente virtual.


Nessa produção, vocês deverão obedecer às normas a seguir:

1. Deve ser elaborada conforme as normas da ABNT. A estrutura geral do trabalho deve
contemplar os elementos Pré-textuais, Textuais e Pós-Textuais, exigidos em um trabalho
acadêmico.
2. Deve conter, depois de pronto, capa e folha de rosto padrão do curso, sendo organizado
no que tange à sua apresentação visual (tipos e tamanhos de fontes, alinhamento do
texto, espaçamentos, adentramento de parágrafos, apresentação correta de citações e
referências, entre outros elementos importantes). Essas orientações estão disponíveis na
Biblioteca Digital da instituição.
3. Deverá ser em formato Word.
4. Deverá ser realizada em grupo.
5. Em caso de dúvidas para elaboração do trabalho, vocês deverão buscar orientação junto
ao tutor à distância.
6. Atenção aos prazos de postagens!
PRODUÇÃO TEXTUAL
INTERDISCIPLINAR
EM GRUPO – PTG

Serviço Social
A seguir, apresentamos a vocês alguns dos critérios avaliativos que nortearão a análise
para o conceito a ser atribuído pelo Tutor à Distância à produção textual:

 Normalização correta do trabalho, em respeito às normas da ABNT. Para isso, acesse a


Biblioteca Digital da instituição.
 Contemplação dos elementos: Introdução (pré-textual), Desenvolvimento (textual) e
Conclusão (pós-textual)
 Uso de linguagem acadêmica adequada, com clareza e correção, atendendo à norma padrão.
 Abordagem de todos os itens propostos para reflexão, considerando os seguintes aspectos:
clareza de ideias, objetividade, criatividade, originalidade e autenticidade.
 Fundamentação teórica do trabalho, com as devidas referências dos autores eventualmente
citados.

Um ótimo trabalho!
Equipe de professores/as do semestre.