Vous êtes sur la page 1sur 199

Editora Poisson

Educação no Século XXI


Volume 3

1ª Edição

Belo Horizonte
Poisson
2018
Editor Chefe: Dr. Darly Fernando Andrade

Conselho Editorial
Dr. Antônio Artur de Souza – Universidade Federal de Minas Gerais
Dra. Cacilda Nacur Lorentz – Universidade do Estado de Minas Gerais
Dr. José Eduardo Ferreira Lopes – Universidade Federal de Uberlândia
Dr. Otaviano Francisco Neves – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Dr. Luiz Cláudio de Lima – Universidade FUMEC
Dr. Nelson Ferreira Filho – Faculdades Kennedy

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)


E24
Educação no Século XXI – Volume 3/
Organização Editora Poisson – Belo
Horizonte - MG : Poisson, 2018
199p

Formato: PDF
ISBN: 978-85-93729-49-2
DOI: 10.5935/978-85-93729-49-2.2018B001

Modo de acesso: World Wide Web


Inclui bibliografia

1. Educação 2. Tecnologia. I. Título

CDD-370

O conteúdo dos artigos e seus dados em sua forma, correção e confiabilidade são de
responsabilidade exclusiva dos seus respectivos autores. Os artigos contidos nessa obra foram
originalmente apresentados no XXIII CIAED – Congresso Internacional da ABED de
Educação a Distância, Foz do Iguaçu, PR, Brasil 2017

www.poisson.com.br

contato@poisson.com.br
SUMÁRIO
Capítulo 1: A reestruturação de um sistema de tutoria de um curso a distância
para profissionais da área da saúde .................................................................... 7
Mariana Aparecida de Lélis, Sara Shirley Belo Lança, Gustavo Silva Storck, Roberta de Paula Santos,
Raphael Augusto Teixeira Aguiar, Maria Jose Batista Pinto Flores, Cacilda da Silva Rodrigues, Gabriel
Henrique Silva Teixeira

Capítulo 2: Lúmen: experiência inovadora na prática de educação a distância


na polícia rodoviária federal ................................................................................. 13
Andreza Regina Lopes da Silva, Adriana Shicano, Ana Paula Pereira Oliveira, Anderson Prohonoski,
Adilson Albuquerque, Fernando Secchi Ribeiro, João André Rigo, Joel Gomes do Sacramento, Tatiana
Ulisses de Carvalho Borges

Capítulo 3: Planejamento estratégico na educaçao a distância .......................... 20


Sebastião Gonçalves Neves, Ademar Batista Neto, Antônio Vagne Silva, Aloir Pedruzzi Junior, Jonimar
da Silva Souza, Samuel Santos Junio, Ana claúdia dias Ribeiro

Capítulo 4: Metodologias ativas e a sua aplicação na educação à distância:


uma análise da produção do congresso internacional ABED.............................. 26
Rodrigo de Cássio da Silva, Eliane do Rocio Vieira, Augusto Lima da Silveira, Sangerson Santos,
André Maciel Pelanda, Márcia Cristiane Kravetz Andrade, Daniel de Christo

Capítulo 5: UNA-SUS Amazônia - telessaúde e teleducação em saúde utilizando


plataformas móveis .............................................................................................. 34
Waldeyde Oderilda Magalhães dos Santos, Vinicius de Araújo Oliveira, Haline Pereira de Oliveira
Barbosa, Ingrid Nunes Rodrigues

Capítulo 6: Política nacional de alimentação e nutrição: educação à distância


como estratégia para promoção da saúde .......................................................... 40
Juliana Macedo Reis Mercês, Marcia Maria Pereira Rendeiro

Capítulo 7: Responsabilidades gestoras no último ano de mandato: relato de


experiência educacional para gestores municipais de saúde............................. 47
Lina Sandra Barreto Brasil, Roberto Francisco Vianna, Alysson Feliciano Lemos

Capítulo 8: A importância do papel do tutor EAD no ensino em oncologia ......... 53


Telma de Almeida Souza, Mônica Nogueira da Costa Figueiredo, Márcio da Silva Camilo

Capítulo 9: O design de interação como pressuposto de formação docente ..... 59


Elaine Grebogy, Luana Priscila Wunsch, Rodrigo Otávio dos Santos

Capítulo 10: Questões de projeto de interfaces web para ensino a distância ..... 66
Márcio da Silva Camilo, Mônica Nogueira da Costa Figueiredo, Telma de Almeida Souza
SUMÁRIO
Capítulo 11: Metodologias ativas na EAD e os diversos papéis exercidos pelo
professor .............................................................................................................. 73
Kenia Rosa de Paula Nazario, Helena Gordon Silva Leme, Rosimeire Moreira Vizentim

Capítulo 12: Vivências em metodologias ativas de ensino-aprendizagem: novas


perspectivas para o ensino à distância ............................................................... 80
Maiara de Moraes, Tammy Rodrigues, Valdenize Lopes do Nascimento

Capítulo 13: Via libras: proposta inovadora no ensino de libras na modalidade


EAD ...................................................................................................................... 85
Adriana Barroso de Azevedo, Elaine Gomes Vilela, Wharlley dos Santos

Capítulo 14: A aplicação de inteligência artificial - IA no reconhecimento da


técnica do pontilhismo em obras de arte ............................................................. 91
Tatiane Kuckel, Fagner Alexandre Sotorriva Neckel, Roberta Galon Silva, Luciano Frontino de
Medeiros

Capítulo 15: Práticas colaborativas com uso de recursos da internet na


formação de professores ..................................................................................... 99
Adriana Aparecida de Lima Terçariol, Gilmar Luis Mazurkievicz Monica Mandaji, Renata Kelly da Silva,
Renata Aquino Ribeiro, Nuria Pons Vilardell Camas

Capítulo 16: SPC Brasil: investindo na ead para reduzir custos e garantir a
qualidade nas capacitações ................................................................................ 106
Silvana Denise Guimarães, Ana Caroline Lima Assis, Elaine Cristina Freitas, Ely Priscila Pardin Silva,
Mariane dos Santos Franco

Capítulo 17: SPC Brasil: promovendo a capacitação pela ead e sempre de olho
na evasão ............................................................................................................. 113
Ana Caroline Lima Assis, Ana Paula de Oliveira Santos, Bruna Pascoalini, Elaine Cristina Freitas,
Silvana Denise Guimarães

Capítulo 18: Avaliação de satisfação de cursos a distância para o meio rural:


oferta de curso FIC Pronatec Agro ....................................................................... 119
Larissa Arêa Sousa, Fabiana Márcia de Rezende Yehia

Capítulo 19: A EAD como ferramenta para formação, qualificação e capacitação


continuada na polícia militar do estado do Rio de Janeiro. ................................. 125
Carlos Eduardo Oliveira Da Costa
SUMÁRIO
Capítulo 20: A inter-relação e formação continuada dos agentes na central de
tutoria do Sebrae .................................................................................................. 131
Ana Paula Archer de Arruda Borges, Andreia Sardagna Sudoski, Cláudio dos Santos Lino, Janaina da
Silva Cardoso Cassel -, Leonardo Cabral, Rafaela Carvalho de Oliveira, Rosiane Petry, Sônia Inez
Grüdtner Floriano

Capítulo 21: A concessão de uso de bem público como alternativa de captação


de recursos para financiamento da infraestrutura dos polos municipais de apoio
presencial UAB do estado do Espírito Santo ....................................................... 137
Juliano Pereira Bossato, Luiz Carlos Zardini Junior, Margareth Vetis Zaganelli

Capítulo 22: Experiência de governança digital: mediações tecnológicas para a


gestão do conhecimento em políticas públicas intersetoriais............................. 144
Samuel Brauer Nascimento, Fernanda Severo, André Guerrero, Fabiana Damásio -, Nadjanara Alves
Vieira, Bárbara Coelho Vaz, June Scafuto, Enrique Araujo Bessoni, Marlon Cavalcanti Lima

Capítulo 23: Processo de criação de infográfico interativo para curso


autoinstrucional na área da saúde. ...................................................................... 151
Paola Trindade Garcia, Ana Emilia Figueiredo Oliveira, Regimarina Soares Reis, Steffi Greyce de
Castro Lima, Ludmila Gratz Melo, Isabelle Aguiar Prado, Stephanie Matos Silva

Capítulo 24: As tecnologias digitais e virtuais e a emancipação do


conhecimento humano ......................................................................................... 158
Paulo Faccioni

Capítulo 25: Educação para o setor do asseio e conservação............................ 166


Maria Letizia Marchese, Luci Ane Moro Rosa

Capítulo 26: Metodologias de acessibilidade: possibilidade de equidade para


deficientes visuais nos cursos autoinstrucionais da una-sus UERJ. .................... 173
Rita de Cassia dos Santos Nunes Lisboa, Márcia Maria Pereira Rendeiro

Autores:. ............................................................................................................... 179


Capítulo 1

Mariana Aparecida de Lélis


Sara Shirley Belo Lança
Gustavo Silva Storck
Roberta de Paula Santos
Raphael Augusto Teixeira Aguiar
Maria Jose Batista Pinto Flores
Cacilda da Silva Rodrigues
Gabriel Henrique Silva Teixeira

Resumo:Este trabalho tem como objetivo apresentar o processo de reestruturação


do sistema de tutoria de cursos na área de saúde. Por meio desta experiência
buscou-se melhorar a qualidade dos cursos oferecidos e concentrar esforços no
aprimoramento de ações de acompanhamento, avaliação e monitoramento,
inerentes ao sistema de tutoria. Os resultados mostram a relevância de se
considerar a tutoria como fator fundamental em um processo educativo a distância,
criando condições pedagógicas por meio de um sistema que seja apoiado de
maneira integral, articulando aspectos tecnológicos, pedagógicos e gerencial.

Palavras chave: Tutoria a Distância; Educação a Distância; Formação em saúde


8

1.INTRODUÇÃO: organização diferenciada na qual os sujeitos


se interagem com o auxílio das tecnologias da
O presente trabalho tem por objetivo
informação e comunicação (TIC). Dentre
apresentar o processo de reestruturação do
esses sujeitos, o tutor é o ator responsável
sistema de tutoria de cursos na área de
pela mediação pedagógica de percursos de
saúde. Por meio desta experiência buscou-se
aprendizagens junto aos estudantes.
melhorar a qualidade dos cursos oferecidos e
concentrar esforços no aprimoramento de Segundo TANJI (2011), são competências
ações de acompanhamento, avaliação e dos tutores: organizar e estimular situações
monitoramento, inerentes ao sistema de de aprendizagem, acompanhar o
tutoria. desenvolvimento do estudante, valorizar a
heterogeneidade, envolver os alunos em suas
O sistema de tutoria aqui apresentado trata
aprendizagens e no trabalho, trabalhar em
de uma experiência de ampla abrangência,
equipe, participar da gestão dos processos
instalada desde 2007 sob a forma de
educacionais, utilizar as novas tecnologias,
especialização lato sensu ofertada por
enfrentar os deveres e os dilemas éticos da
universidade pública federal, e tem, como
profissão e gerir sua própria formação
estudantes, membros da área de saúde.
contínua.
Trata-se, portanto, de uma experiência
comprometida com o processo de Nesse sentido, são diversos os desafios
consolidação do Sistema Único de Saúde – enfrentados no cotidiano das práticas de
SUS – no Brasil. tutoria, pois são demandadas competências
múltiplas para o exercício de sua função,
Entre outras iniciativas de aprimoramento da
apontadas por autores como AMARO (2012) e
gestão em educação a distância, focalizamos
LÔBO (2012), que dividiram estas funções em
aqui a experiência de avaliação e
pedagógicas, gerenciais, sociais e técnicas.
reestruturação do sistema de tutoria, cujo
processo envolveu a realização de um Para a construção das competências em
diagnóstico visando identificar demandas, todas essas dimensões e a organização das
prioridades e estratégias de ação para ações dos tutores em um curso, torna-se
minimização dos problemas e elevação da imprescindível o investimento em um sistema
qualidade do sistema. A partir desse de tutoria efetivo e eficaz, que seja capaz de
diagnóstico esboçou-se a proposta articular teoria e prática para estabelecer
implementada. diretrizes essenciais no âmbito das ações de
acompanhamento, monitoramento e avaliação
A seguir buscamos apresentar essa
dos alunos e tutores, bem como promover a
experiência explicitando a reestruturação
formação inicial e permanente com o objetivo
prevista para o sistema de tutoria e as
de garantir a qualidade do processo
análises acerca desse processo.
educativo desenvolvido. Nesse sentido, a
capacitação de tutores para EaD é
indispensável para o sucesso e qualidade
2. OBJETIVO:
dos cursos ofertados, uma vez que irá refletir
Apresentar e explicitar o processo de diretamente no desempenho dos alunos por
reestruturação de um sistema de tutoria de meio da mediação pedagógica realizada.
curso de especialização lato sensu em seus Portanto, considera-se necessária a formação
aspectos tecnológicos, pedagógicos e de profissionais com habilidades específicas
gerenciais em prol da melhoria da qualidade para atuarem como tutores, contribuindo para
da oferta de Educação a Distância – EaD – seu próprio desenvolvimento profissional no
para a formação em saúde. âmbito educacional, social e político (BRASIL,
2009).
Para melhor apoiar o processo de ensino e
3. REFERENCIAL:
aprendizagem, considera-se importante
A Educação a Distância, por ser uma realizar o monitoramento das ações do tutor,
modalidade de educação mediada por de forma a permitir a avaliação da mediação
tecnologias em que alunos e professores e interatividade realizadas e mensurar o seu
estão separados espacial e ou temporalmente desempenho na intenção de melhorar os
- ou seja, nem sempre estão fisicamente procedimentos adotados ao longo do
presentes em um ambiente presencial de processo (ALMEIDA et al, 2012). Isso
ensino e aprendizagem - possui uma pressupõe criar condições de trabalho e

Educação no Século XXI - Volume 3


9

formação da tutoria em prol da qualidade para identificar, nas experiências, os


pretendida nos cursos. Esse trabalho envolve principais problemas enfrentados pelo
não somente as ações de acompanhamento, sistema de tutoria.
avaliação e monitoramento, mas também
Foram considerados também os documentos
outras que incluam propostas formativas
Referenciais de Qualidade para Educação
concretas e o diálogo online. Para SANTOS
Superior a Distância, elaborado pelo
(2010), não é o ambiente online que define a
Ministério da Educação, e o Projeto Politico
educação online. Ele apenas condiciona, mas
Pedagógico de um Curso de especialização
não determina o processo educativo. A autora
em oferta.
destaca que os movimentos comunicacional e
pedagógico dos sujeitos envolvidos, que Esse procedimento permitiu um diagnóstico
garantem a interatividade e a cocriação, irão contextualizando os principais problemas
conduzir o processo educativo no ambiente vivenciados pelo sistema de tutoria, conforme
online. Para a autora, o aluno e o material apresentamos a seguir.
didático constituem o centro do processo na
O diagnóstico constatou a necessidade de
EaD, que deveria ser a relação dialógica entre
aprimoramento do sistema no sentido de
os sujeitos envolvidos no processo de ensino
atualizar-se em relação às transformações
e aprendizagem e entre estes sujeitos e o
vivenciadas ao longo da experiência.
próprio conhecimento a ser construído.
Considerando a longevidade do curso de
Dentre as funções, o professor-tutor é especialização (09 anos), ficou evidente que
caracterizado como mediador do processo de ao longo dessa trajetória houve mudanças
ensino aprendizagem, responsável por substanciais nas características da oferta da
orientar o estudo e a apropriação dos educação a distância que este sistema de
conhecimentos, e dar apoio psicossocial ao tutoria contempla, tais como: capacidade de
estudante (BELLONI, 2003, p.82). Segundo atendimento e abrangência, reestruturação
esta autora, o papel do professor tem curricular e mudanças no sistema de gestão
passado por profundas transformações nos e, nesse processo, o sistema de tutoria foi se
últimos tempos devido às novas exigências adaptando sem um alinhamento substancial
relacionadas às especificidades da Educação no seu processo de organização e trabalho.
a Distância. PEREIRA (2007) corrobora com
Nesse sentido, foram detectadas as seguintes
BELLONI (2003) e aponta para os desafios
demandas:
vivenciados no cotidiano das práticas de
tutoria que envolvem a necessidade de  Atualização e sistematização de
construção de novas competências que diretrizes para composição de um
atendam aos desafios contemporâneos. A procedimento de seleção de tutores
autora afirma que as funções condizentes com o contexto atual da
desempenhadas pelos tutores não devem ser oferta de educação a distância;
exercidas por meio de uma prática social
 Organização e implementação de
descontextualizada do modelo de cada
estratégias para formação inicial e
programa e das expectativas e necessidades
continuada dos tutores atuantes no
dos sujeitos a ele vinculados.
sistema, tanto os iniciantes quanto os
mais experientes;
4. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS  Estabelecimento de sistema de
acompanhamento, monitoramento e
Para subsidiar o desenvolvimento da proposta
avaliação dos processos de trabalho
de reestruturação, foi realizada uma revisão
dos tutores.
de literatura sobre os conceitos, funções,
procedimentos e ações pertinentes à tutoria, Esse diagnóstico nos deu base para a
supervisão e coordenação em cursos a reestruturação da proposta de tutoria,
distância. Foi feito também um diagnóstico, considerando a experiência acumulada ao
por meio de consultas à coordenação das longo dos anos e as mudanças recentes no
equipes de Tecnologia da Informação, cenário da oferta, tanto em relação ao público
Secretaria Acadêmica e Design Educacional, atendido quanto às condições dadas para
para verificação de dados secundários esse atendimento.
referentes ao funcionamento da central de
O processo de implementação consistiu,
atendimento e do ambiente virtual de
inicialmente, em sistematizar, registrar e
aprendizagem utilizado no curso - Moodle -
socializar, com a equipe de gestores e

Educação no Século XXI - Volume 3


10

tutores, o fluxo de trabalho, as atribuições e O sistema de tutoria era composto por


os suportes disponíveis para consolidar a coordenação de tutoria e um Núcleo de Apoio
reestruturação do sistema. Pedagógico, composto por supervisores de
tutores, tutores a distância e tutores
presenciais. Esses últimos realizavam
5. APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS atividades de natureza logística e
RESULTADOS: administrativa, apoiando a realização dos
encontros presenciais.
Na nova proposta, o sistema de tutoria recebe um novo desenho, conforme apresentado na Figura
1:

Figura 1: Novo Sistema de Tutoria

Nessa nova configuração, funções e anterior: um tutor para cada 25 alunos e um


atribuições são redefinidas, contemplando: supervisor para cada 15 tutores, todos
coordenação de tutoria, supervisão de tutores regidos pela coordenação de tutoria 1.
e tutores a distância. O tutor presencial,
Assim, cada integrante do sistema também
devido à sua função mais operacional, não
passou por redefinições em suas atribuições,
aparece na nova proposta do sistema de
cujas atividades principais passaram a ser
tutoria, passando a se chamar apoiador local
listadas sistematicamente, para ao longo da
e a se vincular diretamente à gestão da
implementação servirem de referências para
secretaria acadêmica.
A capacidade de atendimento é organizada a
1
partir do número de alunos e sua distribuição Em maio de 2017, contávamos com 687 alunos,
se mantém à mesma proporção do sistema 27 tutores e 2 supervisores de tutoria

Educação no Século XXI - Volume 3


11

a avaliação e possíveis alterações em e empreendedora, bem como o


conformidade com o contexto de trabalho. desenvolvimento das habilidades e
competências previstas no curso para
A listagem de atribuições passa, portanto, a
o alcance dos objetivos propostos.
configurar como dispositivo orientador para
Mediante esse mecanismo de revisão
explicitar as ações principais de cada
e atualização das funções, também
integrante, funcionando também como um
se buscou estabelecer, de forma
regulador das superposições de práticas,
integrada, os seguintes
pois muitas vezes no cotidiano de trabalho de
procedimentos: diretrizes para
tutoria, nas interfaces e interações, facilmente
seleção de tutores com criação de um
um tutor assumia ações que extrapolavam o
banco de talentos e definição de perfil
escopo pedagógico, com o intuito de auxiliar
adequado para a função; diretrizes
os estudantes.
para acompanhamento e
Embora na EaD o foco seja os estudantes a monitoramento do trabalho de tutoria;
serem atendidos efetivamente, as práticas proposta de capacitação para um
superpostas acabam gerando dificuldades programa de formação inicial e
entre os tutores e interferem na organização continuada dos integrantes do
do processo pedagógico. sistema de tutoria; implementação de
recursos tecnológicos para o
Esse processo permitiu, ainda, a redefinição
desenvolvimento pleno do trabalho
das atribuições de cada componente do
dos tutores e um sistema de
sistema de tutoria, as quais apresentamos a
acompanhamento e avaliação dos
seguir:
estudantes. Essa integração de
 Coordenador de Tutoria:Compete ao mecanismos tecnológicos,
Coordenador de Tutoria por meio do pedagógicos e gerenciais, voltados
supervisor, acompanhar o andamento para o sistema de tutoria, constitui
do curso no que diz respeito às ações peça fundamental para viabilizar um
referentes a atuação dos tutores de fluxo de trabalho e interação mais ágil
modo geral. É importante sua e eficiente, evitando possíveis
atuação, junto ao Supervisor de sobreposições e sobrecargas de
Tutoria, nas ações, intervenções e atividades.Nesse sentido, facilita o
interações online, buscando sempre trabalho pedagógico dos tutores
que necessário, estratégias que liberando tempo que antes era
visem à melhoria do processo de despendido com atividades de
mediação pedagógica no AVA. levantamento de dados de ordem
mais administrativa.A receptividade
dessa mudança entre os integrantes
 Supervisor de tutoria:Compete ao
do sistema de tutoria constitui-se
Supervisor o acompanhamento dos
desafio ao longo do processo de
tutores no processo de mediação no
implementação, uma vez que houve
AVA, orientando e avaliando a
acomodamento e, agora, há um
atuação pedagógica em suas
caminho de mudança estabelecido, o
respectivas turmas, observando como
que requer esforço de todos os
tem sido estimulado o autodidatismo,
envolvidos.Nessa perspectiva,
a capacidade de autoavaliação e
convive-se com resistências em níveis
autocrítica, o desenvolvimento das
diferenciados, e, nesse percurso, a
habilidades e competências previstas
negociação permanente tem sido o
no curso para a qualidade da atuação
fator chave para o desenvolvimento
profissional do participante.
desta reestruturação.
 Tutor a distância:Compete ao Tutor à
Distância mediar o processo de
aprendizagem no AVA, orientando os 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS:
alunos para a sistematização de seus
O sistema de tutoria de um curso de
hábitos e métodos de estudo. Nesse
especialização lato sensu a distância constitui
sentido, faz-se necessário
o eixo principal da proposta pedagógica em
acompanhar o desenvolvimento do
ação, pois são os tutores os sujeitos
aluno estimulando o autodidatismo, a
responsáveis pela concretização do processo
participação com uma postura crítica
educativo, estabelecendo a mediação

Educação no Século XXI - Volume 3


12

pedagógica nos percursos de aprendizagens capaz de potencializar os sujeitos tutores em


com os estudantes. seus processos de trabalho.
É para esse trabalho que converge toda a Nesse sentido, a sensibilidade para captar as
estrutura de um curso e, ainda que não haja demandas e as necessidades e, a partir
uma coerência nessa convergência, é sabido destas, criar condições efetivas para atendê-
que a tutoria, muitas vezes, faz a correção las, mostrou-se um ponto crucial da proposta.
dos conflitos entre as estruturas e os sujeitos Essa perspectiva contribui para não imputar
estudantes por meio de interações e apenas aos tutores a responsabilidade por
mudanças personalizadas em suas todo o processo educativo, mas também às
abordagens online. condições tecnológicas e gerenciais..
É nessa perspectiva que foi desenhada a Nesse cenário, a reestruturação de um
proposta de reestruturação apresentada sistema de tutoria enfrenta o desafio de ser
neste trabalho e todo o processo integral e de lidar com as resistências como
desenvolvido, desde o diagnóstico até a forma de reeducação das relações de
proposição de ações integradoras e trabalho estabelecidas até então.
reguladoras do sistema de tutoria, de forma a
se estabelecer uma proposta pedagógica

7. REFERÊNCIAS: <http://portal.mec.gov.br/arquivos/redediversidade/
pdfs/Manual.pdf>.
[1] Almeida , Alexandre de; PIMENTEL, Edson [5] Brasil. Ministério da Educação e Cultura.
Pinheiro; STIUBIENER, Itana. Estratégias para o Secretaria de Educação a Distância. Referenciais
Monitoramento de Ações de Tutoria na Educação a de qualidade para educação superior a distância.
Distância. In: Congresso Brasileiro de Informática Brasília: MEC, 2007. Disponível em:
na Educação, Rio de Janeiro, RJ, 2012. Anais… <http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/legisla
Porto Alegre, RS: CEIE/SBC, 2012. 10 p. cao/refead1.pdf>
Disponível em: <http://www.br- [6] Brasil. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA.
ie.org/pub/index.php/wcbie/article/view/1947/1706 Decreto nº 5622, de 19 de dezembro de 2005.
> Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9394 de 20 de
[2] Amaro, Rosana. Mediação Pedagógica dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e
online: análise das funções do tutor na bases da educação nacional..
Universidade Aberta do Brasil. 2012. 102 f. [7] Lobo, Soraya Oka. Os desafios da/na
Dissertação (Mestrado em Educação e prática pedagógica na educação profissional e
comunicação) - Universidade de Brasília, Brasília - tecnológica: o ser e o fazer do professor- tutor a
DF, 2012. distância. 2012. 199 f. Dissertação (Mestrado em
[3] Belloni, Maria Luiza. Educação a Educação)- Universidade Federal do Piauí, Piauí.
distância. 2. ed. Campinas, SP: Autores [8] Moodle - Open-source learning platform.
Associados, 2003. Disponível em: <https://moodle.org/>.
[4] BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. [9] Pereira, Jovanira Lázaro. O Cotidiano da
Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização Tutoria. In: CORREA, J. (org). Educação a
e Diversidade. Curso de Formação de Tutores. Distância: orientações metodológicas. Porto
In:_____. Manual operacional rede de educação Alegre: Artmed, 2007.
para a diversidade: Curso de formação de tutores.
Brasília: MEC, 2009. p. 57-59. Disponível em:

Educação no Século XXI - Volume 3


13

Capítulo 2

Andreza Regina Lopes da Silva


Adriana Shicano
Ana Paula Pereira Oliveira
Anderson Prohonoski
Adilson Albuquerque
Fernando Secchi Ribeiro
João André Rigo
Joel Gomes do Sacramento
Tatiana Ulisses de Carvalho Borges

Resumo: A dinâmica social está cada vez mais pautada nas relações apoiadas
pela tecnologia digital. A conectividade à internet possibilita interações,
intervenções e compartilhamentos a qualquer momento e espaço. Dessa forma, a
Educação a Distância (EaD) assume um papel fundamental na formação
corporativa. Neste artigo tem-se o objetivo de apresentar a experiência de
planejamento e desenvolvimento do curso “Programa EFI”, a partir do ambiente on-
line Lúmen. Para atender este objetivo os procedimentos metodológicos utilizados
na pesquisa foram o exploratório e o descritivo, a partir de um estudo de caso.
Como resultado evidenciou-se que a implementação do projeto de modernização
do ambiente on-line da ANPRF e de produção do Curso “Programa EFI” são ações
inovadoras que num ambiente corporativo contribuem para o fortalecimento e o
desenvolvimento de competências.

Palavras chave: Educação Corporativa. Ambiente on-line. Lúmen.

Educação no Século XXI - Volume 3


14

1. INTRODUÇÃO própria guiada pelas concepções da


organização. Percebe-se que ações como
A sociedade contemporânea pauta-se nas
estas aproximam os servidores das
relações e trocas intensivas de conhecimento
estratégias organizacionais e favorecem a
que formam redes de expansão do saber.
relação do conteúdo com a realidade
Este movimento é apoiado pela larga
profissional. Para atender esta realidade
possibilidade das tecnologias digitais que
considera-se a relevância de práticas EaD e o
vem ampliando possibilidades de formação
contexto do ambiente on-line é um artefato de
ao mesmo tempo que exige inovações no
apoio ao processo de desenvolvimento
fazer pedagógico à luz de diferentes
corporativo. Contudo, Teperino et al. (2006)
contextos. Dessa forma, a Educação a
chamam atenção para a necessidade de uma
Distância (EaD) assume um papel
equipe multidisciplinar envolvida no
fundamental na formação corporativa. Além
desenvolvimento de um ambiente de
da flexibilidade temporal e do alcance
qualidade que promova a aprendizagem
geográfico, essa modalidade oportuniza ao
significativa. Assim, destaca-se que para o
aluno a gestão do conhecimento, a autoria
bom andamento de um curso on-line é
partilhada e a interatividade colaborativa.
essencial infraestrutura tecnológica e são
Componentes importantes dentro de um
imprescindíveis competências humanas.
processo de ensino e aprendizagem que
busca desenvolver competências nas A EaD, segundo o Decreto-Lei 5.622/2005, é
organizações. uma modalidade educacional onde aluno e
professor distantes temporalmente e
A Polícia Rodoviária Federal (PRF) concebe a
geograficamente promovem o processo de
EaD como meio de democratização dos
ensino e aprendizado, potencializado pelo
saberes, construção de conhecimentos e
uso de diferentes recursos de mediação
desenvolvimento de competências. Dessa
didático-pedagógica (BRASIL, 2005). O que
forma, esforços são empenhados no
aponta que o conceito de “distância” está
aperfeiçoamento e expansão da utilização
diretamente relacionado ao fator tempo e
desta modalidade de ensino e aprendizagem
espaço e não ao ato de “estar distante”. Para
em seus cursos dentro da organização.
tanto, conceitos e práticas de tecnologias de
Dentro desse universo digital existem
informação e comunicação digital tem
inúmeras possibilidades de aprendizagem,
impulsionado este cenário atendendo
porém o sucesso do ensinar e aprender está
demandas de educação formal e não formal,
diretamente relacionado à atualização
como no caso da educação corporativa que,
pedagógica e tecnológica da qualidade da
segundo Meister (1999), pode ser utilizada
oferta e da proximidade ao cursista.
como um elemento estratégico para
Partindo destas considerações tem-se por desenvolvimento de colaboradores. Percebe-
objetivo neste artigo apresentar a experiência se, neste contexto, que o uso de ambiente on-
do planejamento e desenvolvimento do curso line destaca-se como elemento de promoção
“Programa EFI”, a partir do ambiente on-line do desenvolvimento de competências, pois
Lúmen. Para atender a este objetivo os permite a construção e a troca de
procedimentos metodológicos utilizados são conhecimento entre duas ou mais pessoas,
de uma pesquisa exploratória, descritiva a mesmo distantes. Segundo Brasil (2016),
partir de um estudo de caso o que permitiu modelos materializados em ambiente on-line
organizar o estudo neste artigo em quatro favorecem a maior articulação, efetiva
seções distintas. Essa primeira introdutória. A interação e complementaridade entre a
segunda apresenta-se a concepção presencialidade e a virtualidade, criando
conceitual dirigida ao tema. Em seguida, novas possibilidades de aprendizagem.
realiza-se a discussão a respeito das
Os ambientes on-line de aprendizagem,
experiências desenvolvidas no projeto do
segundo Almeida (2003), são sistemas
“Programa EFI”. E, por fim, na quarta seção
disponíveis na internet com o objetivo de
apresenta-se as considerações finais
mediar o processo de ensino e aprendizagem
resultantes desta experiência.
por meio da integração de múltiplos recursos
midiáticos, contribuindo para a interação
entre os indivíduos e os diferentes elementos
2. CONCEPÇÃO TEÓRICA
e recursos educacionais. Na EaD é
Considera-se que um espaço destinado à importante utilizar a integração de diferentes
formação corporativa deve ter uma identidade mídias, suportes e linguagens, bem como a

Educação no Século XXI - Volume 3


15

interação entre múltiplos atores do processo dos PRFs, na construção do conhecimento,


de concepção, até a fase de execução e descrito a seguir.
disseminação do conhecimento (BRASIL,
2016).
3. CONCEPÇÃO EMPÍRICA:
Como ação inovadora dentro do contexto
DESENVOLVIMENTO DO AMBIENTE LÚMEN
corporativo, a EaD contribui com o
desenvolvimento de competências frente a O processo de ensino e aprendizagem na
uma sociedade baseada no conhecimento, modalidade a distância na PRF iniciou no ano
que tem a necessidade de formação de 2006 com o uso da plataforma E-Proinfo,
continuada. Como aponta Starec (2011), a ambiente colaborativo de aprendizagem
educação corporativa tem relação direta com disponibilizada pelo Ministério da Educação
as facilidades propiciadas pela evolução das (MEC), para desenvolver competências em
tecnologias, que permitem a informação seus colaboradores. Com o avanço das
tornar-se acessível a todos a qualquer tempo. tecnologias digitais e a necessidade de um
Neste sentido, o desafio da educação espaço para compartilhar conhecimento,
corporativa é se beneficiar destas práticas novas ações na PRF foram desenvolvidas.
para cumprir sua missão, que tem relação Sendo assim, a Divisão de Planejamento e
direta com a atualização e motivação da Pesquisa da Coordenação de Ensino
equipe de trabalho da organização, (DPPCE), no ano de 2010 adotou como
contribuindo com o desenvolvimento do ambiente de disseminação de cursos e
indivíduo de forma continuada (STAREC, materiais a plataforma Moodle (versão 1.9) e
2011). denominou-se este ambiente de Unidade de
Educação a Distância (Uned).
Para atender a esta demanda, modelos de
Design Instrucional (DI) contribuem com a No mesmo ano foi disponibilizado o primeiro
organização de cursos em ambiente on-line. curso na Uned - Acidentes e Levantamento
Encontra-se na literatura mais de 60 modelos de Local. Entre 2011 e 2012 foram
de DI difundidos em aproximadamente 7 disponibilizados outros cinco cursos voltados
décadas de pesquisa na área. Filatro (2008) e à atualização pedagógica de instrutores de
Silva e Spanhol (2014) destacam o modelo cursos presenciais da instituição. No ano de
ADDIE (acrônimo de analysis – análise; 2013 foi lançado o primeiro ciclo de cursos da
design - desenho ; development – Uned com um total de 11 cursos em diversas
desenvolvimento; implementation – áreas do conhecimento. Além de cursos, a
implementação; e evaluation – avaliação) Uned contou com uma área destinada aos
como o modelo de DI mais difundido no docentes, com salas específicas para
contexto educacional por meio de uma instrutores e tutores interagirem e trocarem
proposta de estruturação do processo de conhecimentos, bem como uma sala
ensino e aprendizagem organizada em cinco destinada aos servidores que trabalhavam na
fases distintas, porém, como afirmam Silva e área de gestão de capacitação das
Spanhol (2014), estas fases são interligadas superintendências regionais.
de modo dependente entre si. Este modelo
Outra funcionalidade da plataforma foi a
permite o planejamento de ensino-
divulgação de editais de cursos presenciais e
aprendizagem com base na análise das
a distância bem como a realização de
necessidades de formação. Um modelo
algumas etapas de cursos presenciais,
sólido, proposto pela Universidade da Florida
disponibilizando materiais para os alunos e
para atender ao exército estadunidense
realizando enquetes. Havia ainda uma
(SILVA, 2017).
biblioteca digital onde compartilhava-se com
Existem diferentes modelos de design os colaboradores trabalhos científicos e
instrucional, como destaca a professora, documentos relacionados a diversas áreas de
pesquisadora e doutora Silva (2017), interesse da instituição. Contudo, com o
especialista no assunto. O modelo ADDIE não passar do tempo, percebeu-se que o uso
é uma solução universal de DI, mas foi desse ambiente on-line estava direcionado
selecionado, neste momento, como para a reposição de materiais dos cursos
concepção teórica adequada a orientar as presenciais.
grandes fases do projeto de desenvolvimento
No segundo semestre de 2016, considerando
do ambiente on-line Lúmen e do curso
questões político-econômicas, projetou-se um
“Programa EFI”, na PRF, enfatizam o papel
cenário de restrições orçamentárias para os

Educação no Século XXI - Volume 3


16

órgãos públicos e identificou-se a plataforma Moodle em sua versão mais atual -


necessidade de atualização do ambiente on- 3.2, por ser gratuita, de fácil edição, além de
line, por considerar as potencialidades da esta ser considerada a mais utilizada para
EaD na manutenção da formação continuada, oferta de cursos de EaD.
no desenvolvimento de competências e no
A partir dessa premissa iniciou-se a
engajamento da equipe envolvida com as
renovação da identidade visual que incluiu o
questões educacionais. Outro fator que
layout do ambiente e definição do nome. Este
contribuiu para a retomada da EaD foi o
trabalho ocorreu por meio de brainstorm, uma
alcançasse de um maior número de
prática de gestão do conhecimento, que
servidores com menor custo, pela redução
contou com a colaboração de todo o grupo
dos gastos com deslocamentos.
envolvido na concepção deste novo ambiente
Para concepção deste novo espaço alguns on-line. Assim surgiu o Lúmen, definido como
passos foram considerados relevantes, como: unidade de medida de fluxo luminoso e vem
definição de uma plataforma digital para dar da metáfora “luz” que significa entendimento,
suporte ao projeto, identidade visual e aquilo que ilumina, esclarecimento. O logotipo
funcionalidades de recursos a serem - uma lâmpada acesa e uma árvore -
utilizados com o objetivo de promover o acompanha uma concepção voltada ao
engajamento dos colaboradores, contribuindo desenvolvimento de competências ao trazer à
com o desenvolvimento de competências. luz talentos e compartilhá-los.
Dada a relevância, o Projeto Lúmen, após
O desenvolvimento deste ambiente on-line
análise do Escritório de Projetos da
deu-se por meio de uma equipe que ao longo
Coordenação de Gestão Estratégica da
do projeto foi tornando-se cada vez mais
instituição, passou a ser reconhecido como
multidisciplinar. Inicialmente a equipe de EaD
um dos projetos estratégicos da PRF.
contava com dois colaboradores, sendo um
Atualmente, a educação a distância da PRF é policial e um técnico em assuntos
gerida pela Divisão de Educação Corporativa educacionais (formação em pedagogia). Para
(DEC) que funciona na ANPRF, localizada na o desenvolvimento do projeto Lúmen a equipe
região da grande Florianópolis, no estado de foi ampliada e contou com a participação de
Santa Catarina. Neste contexto desenvolveu- mais um policial formado na área de
se o processo de atualização do ambiente on- Tecnologias da Informação (TI), um técnico
line da instituição. em assuntos educacionais (formação
pedagogia) e um agente administrativo.
Inicialmente realizou-se dois encontros com
um servidor do Tribunal Regional Eleitoral do Além desses profissionais foi necessária a
Rio Grande do Sul (TRE-RS) com experiência convocação, por um período determinado,
em plataforma Moodle. Como resultado do para contribuir com o desenvolvimento da
primeiro encontro ocorreu a definição de nova identidade visual, um policial formado na
ações iniciais para o desenvolvimento do área de design gráfico e outro na área de
projeto. No segundo encontro foram feitas publicidade e propaganda. Na produção das
discussões e análises sobre modelo animações contou-se com uma policial
pedagógico, modelo de design instrucional, formada em fonoaudiologia que desenvolveu
temas, layout, plugins e definição geral para a narração, um desenhista voluntário que
oferta de um curso piloto. Para potencializar produziu os desenhos e a edição das
este desenvolvimento contou-se também com animações e outro policial trabalhou na
uma visita técnica à Secretaria de Educação edição dos vídeos. Durante o projeto também
do RS. contamos com orientações de uma professora
doutora em Engenharia e Gestão do
Para a elaboração do cronograma de
Conhecimento pela Universidade Federal de
implementação e acompanhamento on-line do
Santa Catarina, coach, consultora e gestora
projeto foi utilizado uma versão gratuita do
de Projetos em EaD.
software Team Gantt que por meio do gráfico
de Gantt permite a modelagem das principais O planejamento do ambiente, enquanto
tarefas deste projeto. espaço de ensino e aprendizagem, iniciou-se
com a escolha do tema no Moodle – optou-se
Para a continuidade das atividades, foi
pelo Theme Caters EduHub por ser
necessária a decisão sobre a plataforma a ser
responsivo e ter um visual de fácil
utilizada como base ao novo ambiente on-line
customização além de possibilitar o
de aprendizagem. Após análise da equipe,
atendimento das exigências do Manual de
optou-se pela continuidade da utilização da

Educação no Século XXI - Volume 3


17

Identidade Visual da PRF, principalmente no desenvolvimento. Também foi identificado,


tocante às fontes e cores. Também houve juntamente com a gestão da Divisão de
atenção ao escolher e testar plugins de modo Educação Corporativa (DEC), se o curso seria
que estes fossem compatíveis com o Moodle produzido externamente ou internamente e
mobile. Outra preocupação da equipe foi quais os recursos que estariam envolvidos.
fazer parte das comunidades ativas de Essas informações foram registradas numa
desenvolvedores do Moodle de modo a versão atualizada de Proposta de oferta de
identificar rapidamente qualquer atualização curso.
buscando minimizar possíveis problemas de
Para o planejamento e desenvolvimento do
responsividade no ambiente.
curso partiu-se de conceitos do modelo de
Juntamente com a customização foi realizada design instrucional ADDIE com fases
a integração do Moodle com os serviços já compartilhadas e organizadas dentro de um
existentes na PRF, como, autenticação de espaço on-line denominado GT, criado
usuários, serviços de e-mail, importação dos especialmente para o curso. Este ambiente
cursos encerrados. Esta foi uma ação conta com três áreas específicas. Uma área
fundamental na atualização do ambiente, pois para a documentação do projeto, outra para a
anteriormente perdia-se muito tempo com estrutura e atividades do curso e uma área
tarefas de manutenção de usuários, que para o encerramento do curso. Cada uma
agora estão totalmente automatizadas. Essas dessas áreas pode ser configurada conforme
atividades reforçam a importância da gestão a necessidade do curso, criando áreas
do conhecimento enquanto sustentação, pois adicionais ou retirando as que não serão
são ações estruturantes que mantêm o utilizadas.
histórico de conhecimento elaborado pelos
Visando garantir o desenvolvimento do curso
colaboradores da organização e advindo de
de forma sistemática e coerente, o modelo de
parcerias com organizações externas.
design instrucional ADDIE foi utilizado como
Considera-se que a consolidação de qualquer concepção ampla de organização de um
sistema informatizado está profundamente curso na modalidade a distância com vista a
ligado a sua sustentação. Neste sentido, para desenvolver competências dentro do contexto
garantir a sustentação do ambiente on-line de formação continuada e coorporativa.
Lúmen, procura-se manter um canal de
Na fase de análise mapeou-se aspectos
comunicação direto com as áreas de TI,
essenciais para garantir o bom andamento
comunicação, gestão e pedagógica
das atividades. Definiu-se as principais áreas
trabalhando-se em elementos como
envolvidas para colaborar com as estratégias
organização e atualização de manuais
do seu envolvimento no projeto (aqui contou-
orientativos e de navegabilidade que tenham
se com o envolvimento da ANPRF, o
claro procedimentos para as principais
Programa de Saúde do Servidor (PROSSERV);
tarefas dentro do ambiente, como a criação
a Divisão de Saúde do Servidor e Assistência
de cursos e Grupos de Trabalho (GT).
Social (DISAS); e a Coordenação Geral de
A partir do projeto Lúmen, surge a Recursos Humanos (CGRH)). Na sequência
necessidade de um curso que além de delimitou-se o público-alvo (policial rodoviário
atrativo fosse relevante e atendesse uma federal que aderiu, ou tenha interesse em
grande necessidade organizacional, assim aderir a educação física institucional, maioria
optou-se por um curso que divulgasse as do gênero masculino e trabalhando em
regras de ingresso e permanência no regime de escala). Este levantamento
programa Educação Física Institucional (EFI). contribui para um mapeamento das
A educação física institucional é um direito do necessidades de aprendizagem e
policial e tem como objetivo proporcionar identificação das principais competências a
condições para manutenção de sua saúde serem desenvolvidas (praticar hábitos
física e emocional e melhorias em sua saudáveis e aplicar as regras do Programa
qualidade de vida. A concepção deste curso EFI). Outra etapa na fase de análise foi o
ocorreu com a formalização da demanda por levantamento das restrições organizacionais
meio do Sistema Eletrônico de Informações no contexto da EaD (ambiente on-line
(SEI). Logo após foi elaborado o documento desatualizado, carência de colaboradores e
chamado Proposta de Oferta de Curso. limitações de recursos técnicos). Por fim,
Com base na proposta analisou-se a nesta etapa de análise mapeou-se os
complexidade do projeto para definir quais as possíveis meios de solucionar as limitações e
ações específicas e necessárias para o seu identificou-se a necessidade de: atualização

Educação no Século XXI - Volume 3


18

do ambiente on-line; convocação de recursos atividades utilizou-se uma enquete para


humanos e técnicos e convocação de despertar interesse dos alunos para o
colaboradores que dominam edição de vídeo conteúdo de um vídeo sobre dilemas da
e imagem para auxiliar na produção do curso. atividade física. Também se formulou o
questionário considerando questões sobre as
regras essenciais e as que causam confusões
Na fase de desenho iniciou-se a definição do e distorções sobre o programa EFI. Elaborou-
conteúdo do curso considerando as se questões com o intuito de gerar uma auto-
necessidades de aprendizagem e os reflexão do aluno em relação a sua postura
objetivos organizacionais. Os conteúdos diante do curso. Ao longo do desenvolvimento
foram selecionados a partir dos quatro pilares do projeto todas as mídias foram testadas no
da saúde preconizados pela PRF (qualidade ambiente Lúmen verificando a sua
do sono, alimentação saudável, exercício compatibilidade com o Moodle. Como
físico e saúde mental e emocional). A partir evidência de validação do sistema construiu-
desse momento, a equipe pedagógica, com se um plano de teste que foi executado por
uma atuação de designer instrucional, um grupo de servidores previamente
ampliou a análise bibliográfica em selecionados e seus apontamentos foram
documentos como: caderno de conteúdo da registrados e corrigidos.
disciplina Princípios Básicos da Saúde (PBS),
As duas últimas fases previstas no modelo
normativas internas sobre o programa EFI e
ADDIE, implementação e avaliação, que
um livro sobre atividade física, saúde e
contemplam publicação do curso avaliação
qualidade de vida. Em seguida organizou-se
interna do processo (fases), avaliação externa
a sequência da disposição dos conteúdos
do processo (impacto), revisão e
em: apresentação do curso (texto com dados
aperfeiçoamento do curso estão em
básicos); dois módulos do curso (o primeiro
desenvolvimento.
com o conteúdo dos quatro pilares da saúde
subdivididos em cinco unidades, sendo as
quatro primeiras uma introdução aos pilares
4. CONSIDERAÇÕES FINAIS
da saúde e a última integrando-as e o
segundo módulo com duas unidades, uma O desenvolvimento de competências no
tratando do papel da DISAS e a outra do contexto organizacional interfere diretamente
programa EFI), e por fim, para encerramento na construção do conhecimento do indivíduo
do curso, propôs-se um momento de e consequentemente em suas práticas
autoavaliação, avaliação do curso e do profissionais.
ambiente on-line com a intenção de
No âmbito da PRF, os projetos educacionais
aperfeiçoar o projeto. Além disso, definiu-se a
estão integrados aos recursos de tecnologia
carga horária considerando a quantidade e
da informação e da comunicação digital,
nível de proposição do conteúdo e os tipos de
potencializando a formação contínua do
atividades de aprendizagem. Outro elemento
policial. Neste sentido o uso de um ambiente
analisado foi a questão de certificação, o qual
on-line favorece maior oferta de vagas,
optou-se pela certificação de participação
otimiza o tempo nos cursos com atividades
sem cunho avaliativo.
práticas, tem alcance geográfico estendido,
A partir disso, na fase de desenvolvimento, os diversifica recursos didáticos. Neste cenário,
conteúdos foram distribuídos em diferentes práticas de EaD destacam-se e assumem
tipos de recursos de aprendizagem. Foram papel fundamental, pois permitem o
definidos os desenhos ilustrativos, desenvolvimento de competências
infográficos e transposição didática de organizacionais.
conteúdo, base para uma linguagem clara,
Por fim, pode-se perceber que a integração
direta e dialógica com contribuição efetiva no
entre os diferentes recursos tecnológicos e a
processo de formação de competências.
equipe multidisciplinar consolida o
Desenvolveu-se, também, animações,
desenvolvimento de projeto educacional, bem
utilizando uma linguagem espontânea e bem
como potencializa as possibilidades do curso
humorada, no intuito de não causar
atingir seus objetivos de aprendizagem.
sonolência e nem cansaço ao aluno. Para os
Sendo assim, evidencia-se que é primordial
vídeos trabalhou-se por meio de fichas
inovar em projetos de EaD nas organizações,
organizadas com o objetivo de
uma vez que fortalece a gestão do
aprendizagem, o conteúdo, o tempo estimado
conhecimento e o planejamento estratégico
e um vídeo de exemplo. Em uma das

Educação no Século XXI - Volume 3


19

organizacional por meio do desenvolvimento de competências.

REFERÊNCIAS [6] Starec, C. Educação corporativa em


xeque: até que ponto treinamento é um bom
[1] Almeida, M. E. B. de A. Educação a negócio para as organizações? Rio de Janeiro:
distância na internet: abordagens e contribuições Senac Rio, 2011.
de ambientes digitais de aprendizagem. Educação [7] Silva, A. R. L. da; SPANHOL, F. J. Design
e Pesquisa, São Paulo, v. 29, n. 2, p. 327-340, instrucional e construção do conhecimento na EaD.
jul./dez., 2003. São Paulo: Paco editorial, 2014.
[2] Brasil. Decreto nº 5.622, de 19 de [8] Silva, A. R. L. da. DESIGN EDUCACIONAL
dezembro de 2005. Diário Oficial da União, PARA GESTÃO DE MÍDIAS DO CONHECIMENTO.
Brasília, DF, 20 de dezembro de 2005, Seção, p. 1- Tese de Doutorado. PPGEGC/UFSC. Florianópolis,
4. 2017.
[3] Brasil. Ministério da Educação. Conselho [9] Teperino, A. S. et al. Educação a distância
Nacional de Educação. Câmara de Educação em organizações públicas. mesa-redonda de
Superior. Resolução nº 1, de 11 de março de 2016 pesquisa-ação. Brasília: ENAP, 2006.
(Resolução CNE/CES 1/2016. Diário Oficial da [10] Tori, R. Educação sem distância: as
União, Brasília, DF, 14 de março de 2016, Seção 1, tecnologias interativas na redução de distâncias
p. 23-24). em ensino e aprendizagem. São Paulo: Senac SP,
[4] Filatro, A. Design Instrucional na prática. 2010.
São Paulo: Pearson, 2008.
[5] MEISTER, J. C. Educação corporativa. São
Paulo: Makron Books, 1999.

Educação no Século XXI - Volume 3


20

Capítulo 3

Sebastião Gonçalves Neves


Ademar Batista Neto
Antônio Vagne Silva
Aloir Pedruzzi Junior
Jonimar da Silva Souza
Samuel Santos Junio
Ana Claúdia Dias Ribeiro

Resumo:O presente trabalho tem por objetivo fazer uma análise da contribuição do
planejamento estratégico em uma instituição de ensino a distância, por entender
que esse modelo de ensino tem crescido na preferência de uma parcela
significativa da população. O conhecimento a distância surge nas primeiras
décadas do século XX e continua sua expansão no século XXl. Entender o motivo
desse crescimento, quais as ferramentas que o sistema se apropria para tornar o
ensino eficaz, foi o principal motivo que incentivou a pesquisa. Ressaltar a sua
importância e função, com destaque para os benefícios que proporciona ao
desenvolvimento das atividades e de que maneira o planejamento estratégico
contribui para a atuação das funções administrativas e para o alcance dos
resultados almejados. Apresenta-se, também, as características e elementos que o
planejamento possui para indicar sua presença e aplicação no ambiente
organizacional, bem como os fatores que são utilizados como referenciais para a
sua classificação e para o seu dimensionamento no tempo e no espaço. A EaD tem
sido o modelo de ensino mais procurado entre pessoas que trabalham, com idade
acima dos trinta anos, e precisam aprimorar conhecimentos mediante a adequação
do espaço e tempo disponível. Neste contexto, priorizou-se a discursão acerca da
avaliação da aprendizagem EaD, fato que norteou boa parte do trabalho. Portanto a
pesquisa foi realizada dentro de uma abordagem qualitativa de caráter
bibliográfico, procurando responder os fundamentos que envolvem o Ensino a
Distância. O resultado mostrou que esse modelo de ensino acompanhou o
desenvolvimento do sistema educacional do Brasil.

Palavras-chave: Ensino a Distância; Planejamento Estratégico; Gestão Estratégica.

Educação no Século XXI - Volume 3


21

1. INTRODUÇÃO envolvidos, sua eficácia na formação e


capacitação profissional em todos os níveis
A Educação a Distância é um tema bastante
do ensino, como também analisou o motivo
discutido atualmente, devido sua incalculável
pelos quais leva um indivíduo a acreditar e se
importância em atender uma significativa
tornar um aluno desse modelo de ensino
quantia de alunos, que a cada dia se
chamado Educação a Distância.
identificam com essa modalidade de ensino.
A EaD ao longo de sua história traçou uma
trajetória de grandes avanços, ao ponto de
2. BREVE HISTÓRICO SOBRE O ENSINO A
ser capaz de atender e oferecer capacitação
DISTÂNCIA
para a melhoria no desenvolvimento das
atividades profissionais em nosso país e no As primeiras experiências de Educação a
mundo. Distância foram registradas no primeiro
século da era cristã, são as conhecidas
A constituição Federal da República
cartas do apóstolo Paulo, que segundo Araújo
Federativa do Brasil de 1988, garante ao
(2013) tinham como finalidade fortalecer a fé
cidadão o direito mínimo necessário para
cristã, porém foram significativas para as
usufruto da dignidade humana. Conforme a
pessoas que tinham acesso a esse
redação do art. 205 da carta magna de 1988,
ensinamento. Se considerarmos as sagradas
diz: a educação, direito de todos e dever do
cartas paulinas como uma forma de ensino,
Estado e da família, visa o pleno
mesmo de caráter escolástico, chegamos à
desenvolvimento da pessoa, seu preparo
conclusão que a Educação a Distância é
para o exercício da cidadania e sua
bastante antiga. Araújo (2013, p. 2) faz a
qualificação para o trabalho.
seguinte descrição:
A Educação a Distância fundamenta-se em
Desde os primórdios bíblicos
um histórico de formação e capacitação de
neotestamentários, onde foi evidenciada
profissionais que se tornaram desejosos em
por meio das cartas. Até os dias de hoje
adquirir conhecimento rápido, de forma
por meio das tecnologias da informação,
prática e acessível através das tecnologias de
ela apresenta-se como forma alternativa de
informação e comunicação especialmente
superar as carências socioeducacionais
desenvolvida para a metodologia EaD. Nesse
da humanidade na aquisição de
contexto, a EaD torna-se um instrumento
conhecimento.
fundamental de promoção de oportunidade,
possibilitando o indivíduo apropriar-se do
método EaD para concluir um curso superior
Diante das mudanças devido o aparecimento
e abraçar novas oportunidades. Somando- se
de tecnologia, o Ensino a Distância tem sua
a isso, a metodologia da Educação a
característica em estreitar as relações dos
Distância, possui uma relevância social muito
povos no mundo. O século XV, marcado na
importante, quando inclui pessoas do
história pelas grandes descobertas dos
processo educacional que já se encontravam
continentes, os colonizadores utilizaram o
excluídos pelo sistema presencial.
ensino dos evangelhos cristãos como forma
A pesar do progresso da Educação a de ensinar uma convivência social e
Distância, estudos mostram que muitas espiritual, e a base desses ensinamentos
estratégias ainda precisam ser discutidas eram as cartas de Paulo, e os professores
para melhoria do ensino a distância, eram os padres jesuítas, e tinha a missão de
envolvendo a sociedade e em especial os ensinar segundo os interesses da coroa
governos, federal, estadual e municipal, portuguesa. Como registra a bíblia, as cartas
pesquisadores, alunos e professores. do apóstolo Paulo levaram ensinamentos a
Destacamos como fator chave, os avanços muitos povos, eram de grande valia na sua
tecnológicos que tornaram visíveis o época, e até hoje, estão inseridas no livro
desenvolvimento da EaD, no final do século sagrado, norteando uma significativa parte
XlX e no início do século XX. O Brasil foi da população mundial em nossos dias
considerado um país propulsor da atuais.
metodologia da Educação a Distância.
Segundo Carvalho (2011), os jesuítas tiveram
Com base nos estudos, o presente trabalho um papel fundamental no processo de
fez uma reflexão sobre o avanço dessa colonização no Brasil, possibilitando o
modalidade de ensino, mencionando suas governo português alcançar seus objetivos,
principais características, métodos e atores alicerçando uma educação junto aos nativos,

Educação no Século XXI - Volume 3


22

que gerassem obediência e produtividade a estavam surgindo nas cidades.


coroa portuguesa. Como são conhecidos, os
O Ensino a Distância tem um avanço
jesuítas deixaram uma herança de um modelo
significativo, no século XlX e XX, Com
educacional no Brasil e seus traces
invenção do rádio e avião, esses instrumentos
permanece até hoje.
permitiram o avanço do Ensino a Distância
No século XVlll, denominado de século das pela facilidade de acesso as locais distantes
luzes, termo que nasce com a corrente e inacessíveis. Como relata Araújo (2013, p.
filosófica iluminista que tinha como lema a 3)
proliferação do conhecimento pela ciência e
pela educação, tinha como ideário o
estandarte da democratização da educação O ensino por correspondência em alguns
da massa, somando a esse movimento, países, contou com o apoio do rádio e até
destacamos os benefícios produzidos graças do avião. O ensino a distância tornou-se
a revolução industrial ocorrido também no ainda mais importante para pessoas que
século XVlll, que exigia a qualificação da mão moravam em colônias como os britânicos,
de obra para produzir o máximo possível e por exemplo, que tinha nessa modalidade
atingir os patamares do crescimento a oportunidade de se prepararem para os
econômico, tal exigência permitia o exames da universidade de Londres.
aprimoramento dos meios tecnológicos e
informativos, dos quais os trabalhadores
passaram a ter acesso ao conhecimento O difusionismo contribuiu-o para a formação
profissional e adequar-se as exigências do de profissionais em diversos cursos técnicos,
mercado de trabalho. Ainda no século XVlll, isso porque, o mercado de trabalho
nos Estados Unidos, surge o material necessitava de mão de obra qualificada, e os
impresso e, com o apoio dos correios, a cursos por correspondência tinha como
modalidade do Ensino a Distância, passa a objetivo atender a demanda do mercado que
oferecer os primeiros cursos por cresciam com a industrialização.
correspondência.
Sobre a abrangência do Ensino a Distância, é
3. FUNÇÃO DO PLANEJAMENTO
notório a contribuição desse modelo de
ESTRATÉGICO NA ORGANIZAÇÃO EAD
ensino nos Séculos, XVlll, XlX e XX. Com o
surgimento da industrialização, através das O ensino a distância vem crescendo e
tecnologias, surgem também equipamentos profissionalizado a medida do tempo,
modernos e potentes de grande capacidade tornando um importante mecanismo na
de produção industrial, com capacidade de proliferação do conhecimento, tornando
transformar a matéria prima em produto para também uma área de investimento de capital
ser comercializado em grande escala, público e privado. O governo federal tem
exigindo qualificação para manusear com contribuído com esse crescimento, dando
essas máquinas. Diante das transformações, uma atenção especial na criação de leis,
os países industrializados não contavam com ferramentas, incentivos e outros mecanismos
mão de obra qualificada devido à maioria que possam tornar o conhecimento a
dos trabalhadores não ter acesso à escola. distância mais eficiente e eficaz. Devido ao
crescimento as intuições necessitam de
Para manter o processo de produção, as
implementar um modelo de gestão que posso
indústrias necessitavam de mão de obra e
manter o nível interno e externo. Segundo Mill
pessoas qualificadas, logo os empresários
(2002) a gestão educacional é um campo de
perceberam a necessidade de qualificar
extrema importância para se compreender o
pessoas para atuarem no setor de produção.
conjunto do processo de ensino-
Diante das necessidades os países em
aprendizagem na educação básica ou
desenvolvimento passaram a depender de
superior e, também, na educação presencial
uma modalidade de ensino que pudesse
ou a distância.
atender a demanda do mercado de trabalho,
no início houve grande dificuldade de reciclar Oliveira (2013), conclui que planejar tem sido
pessoas devido a falta de tecnologia e a função de gestores que demostram sua
estabelecimento adequado, também vale preocupação com o futuro de uma
considerar que a maioria das pessoas organização. Precisa ser continuo, um
moravam no campo, em pequenos vilarejos, exercício diário, independente da vontade
não tenha acesso as informações que especifica de um indivíduo. Planejar é uma

Educação no Século XXI - Volume 3


23

atividade complexa em decorrência natural, 4. CONTRIBUIÇAO DA GESTÃO


envolve uma ação continua para obter uma ESTRATÉGICA NO ENSINO EAD
noção do futuro, entrelaçando diversas
Quando falamos de gestão, estamos nos
etapas que apontam pontos fortes e fracos
referindo a mais complexa função atualmente
das organizações.
de uma instituição de ensino, quer seja de
O planejamento estratégico é uma ferramenta nível médio ou superior, presencial ou a
da administração, é considerado a mola distância, no Brasil ou em todo mundo.
mestra da arte de planejar, vem de origem Gestão nas instituições de ensino a distância
grega e remete ao significado de a arte do torna-se mais complexas devido a
geral. Segundo Oliveira (2013, p.17) faz a ramificação nas camadas populacionais,
seguinte descrição: parcerias utilizadas, implantação de polos,
modelo pedagógico eficiente, metodologia
eficaz, enfim, podemos considerar que
Planejamento estratégico é o processo tratamos de um ambiente minado que precisa
administrativo que proporciona de muito cuidado para manter-se nesse
sustentação metodológica para se ambiente que se moderniza e modifica a cada
estabelecer a melhor direção a ser dia. Segundo Chiavenato (2009, p. 422) nos
seguida pela empresa, visando ao leva a entender essa mudança nas
otimizado grau de interação com os fatores organizações, com o seguinte raciocínio:
externos não controláveis e atuando de
forma inovadora e diferenciada.
As organizações e as pessoas que nelas
trabalham estão em constante mudança.
Oliveira (2013) nos leva a entender a Novos objetivos são estabelecidos,
importância do planejamento estratégico para enquanto velhos objetivos são revistos e
as instituições do ensino a distância, quando modificados; novos departamentos são
considera o planejamento estratégico como criados e os velhos reestruturados; as
uma ferramenta da administração, capaz de pessoas saem da organização ou mudam
proporcionar sustentação e estabelecer uma de cargos; novas pessoas são admitidas;
direção ao método de administrar e buscar os produtos sofrem alterações profundas;
eficácia, ou seja, fazer a coisa certa e o que a tecnologia avança inexoravelmente. As
precisa ser feito. pessoas também se desenvolvem,
aprendem novas coisas, modificam seu
Nos sistemas EaD, a aplicação de uma boa
comportamento e suas atitudes,
metodologia de ensino faz com que alunos e
desenvolvem novas motivações e criam
professores possam interagir e melhorar o
novos problemas.
entendimento sobre os temas que estão
disponíveis no ambiente virtual. Bem sabemos
que os sistemas do ensino a distância têm
Chiavenato colabora com o entendimento
como característica utilização de métodos
sobre o planejamento estratégico quando
onde o professor não está presente em sala
pensa no sistema de toda organização, no
de aula.
conjunto que integra toda a empresa. Relata
Outra contribuição do planejamento as constantes mudanças não só do sistema
estratégico no EaD, está relacionado com a como também de toda a estrutura da
criação dos polos de ensino. Visto organização. Segundo Oliveira (2013. P, 38)
internamente, esses polos passam uma “o planejamento estratégico não deve ser
sensação de inoperância, incapacidade, considerado apenas como uma afirmação
principalmente quando comparados as das aspirações de uma empresa, pois inclui,
instituições presenciais que se montam dentro também, o que deve ser feito para tornar essa
de uma estrutura gigantescas como é o caso aspiração em realidade”. Como vemos,
das universidades. No entanto, estudos Oliveira e Chiavenato compartilham das
mostram que a importância dessa extensão mesmas observações, quando questiona o
de ensino tem sido a sustentação do método que deve fazer para que as aspirações de
do ensino a distância. uma organização se transformem em
realidade. Portanto o que vemos é a teoria e a
prática, sendo que a prática e uma virtude do
planejamento estratégico que responde como
fazer, quando fazer, pra quem fazer e onde

Educação no Século XXI - Volume 3


24

fazer. velocidade alucinante”. Em síntese a EAD


conta com várias opções que fortalecem os
As instituições que ministram o ensino EaD
conceitos, e fundamenta a prática do ensino e
precisam entender a responsabilidade quanto
aprendizado, deixando um legado para todos
a gestão de suas unidades, em especial os
que estudam pelo modelo de Ensino a
polos, por estarem afastados dos grandes
Distância.
centros urbanos, sendo na maioria a única
alternativa para pessoas que precisam
concluir um curso superior. Precisam
5. CONSIDERAÇÕES FINAIS
funcionar como uma orquestra totalmente em
sintonia e em harmonia. Os setores da A consolidação do Ensino a Distância se dá
tecnologia da informação precisam estar em mediante inúmeras ferramentas que contém
consonância com as necessidades sua metodologia, engloba um conjunto de
especificas dessa instituição de ensino, processos pelas quais torna possível
focando não só as necessidades internas da reconhecer uma determinada realidade,
organização, mas principalmente o suporte às produzir determinado objeto ou desenvolver
funcionalidades de seus sistemas e certos procedimentos ou comportamentos. O
ferramentas para o bom uso dos alunos da Ensino a Distância não teria sucesso sem
instituição. englobar dois termos importantes, método e
técnica. Sem o método o aluno e professor
Apesar dos avanços tecnológicos, hoje,
não completariam as etapas de uma
disponíveis nos ambientes virtuais de
pesquisa, e a técnica é a instrumentação
aprendizagem através da internet tais como:
específica da ação de uma pesquisa. O
metodologia abrangente, planejamento
Ensino a Distância fundamenta-se na
estratégico, professores qualificados e outros,
pesquisa para alcançar o objetivo,
não restam dúvida que o Ensino a Distância
disponibilizando ao aluno várias ferramentas
precisa passar por uma discursão mais
através da internet, sem as quais seria
abrangente para melhorar a qualidade do
impossível a eficácia de seu método.
ensino EaD. Segundo Magnol (2009, p.337)
entende que: O trabalho possibilitou uma visão concreta
das diferentes partes que configuram a
modalidade de Ensino a Distância, esclarece
Apesar do processo recente da educação através da pesquisa, o real entendimento dos
a distância, muitos dos seus principais temas da palavra chave, dos quais foi o norte
pontos estratégicos ainda não foram da pesquisa. Diante do entendimento
discutidos com a profundidade necessária. podemos afirmar que o Ensino a Distância e
Pode-se destacar como ponto ainda composto por inúmeras características que
controverso na EaD, os seus objetivos, a promovem o autodesenvolvimento do
forma de transmissão, os provedores de indivíduo, permitindo a ampliação do
tecnologia, a população alvo dos cursos conhecimento através da metodologia EaD.
ofertados, a formação e organização dos
O Ensino a Distância descaracterizou o
projetos pedagógicos, os métodos de
pragmatismo, ou seja, é visto nos dias atuais
avaliação de aprendizagem, entre tantos
como uma pedagogia moderna que engloba
outros.
um conjunto de técnicas, princípios, métodos,
e estratégias da educação e do ensino,
podendo ser julgado pelo que realmente é, e
Concordamos com os ajustes para tornar
não pela que deveria ser levantando dúvidas
ensino EaD mais eficiente, porém,
da eficácia do seu método.
ressaltamos que a tecnologia de
comunicação e informação tem contribuído Na trajetória da pesquisa, descobriu-se que a
para o desenvolvimento do método EaD, Educação a Distância é muito antiga, que no
através dos materiais de apoio, propostas que início foi guiada pela corrente empírica e
permitem o desenvolvimento de habilidades e passou por várias transformações até chegar
competências e outros. Segundo Formiga e à nova filosofia da ciência defendida por Kunh
Litto (2009, p. 39) “ EaD está intrinsicamente (1922-1966), onde afirma que a metodologia é
ligado às TICs por se construir setor instrumento que precisa ser partilhada entre
altamente dinâmico e prodígio em inovação, alunos professores e cientistas. O Ensino a
que transforma, moderniza e faz caducar Distância superou todas as expectativas com
termos técnicos e expressões linguísticas em o poio das tecnologias da informação e

Educação no Século XXI - Volume 3


25

comunicação, alcançando o objetivo através no sucesso desse modelo de ensino.


de planejamento e estratégia, contribuindo
Hoje, o Ensino a Distância é conceituado por
com o desenvolvimento dos setores
diversos autores e cada um destes enfatiza
econômico, político e social, considerados o
alguma característica especial de seu
tripé do desenvolvimento. Ressaltamos o
conceito, passando mais credibilidade para
papel daEaD quando resgata o indivíduo da
as pessoas que estão e os que ingressarão
margem social e coloca no meio social,
nessa modalidade de ensino. Em suma o
permitindo que uma pessoa possa tornar-se
trabalho apresenta um breve histórico sobre a
aluno e ter uma profissão. Juntando a fatores
EaD, prova que durante séculos esse modelo
positivos destacamos o empenho do Governo
de ensino vem deixando um legado para o
Federal na criação de mecanismos que
cidadão desde alfabetização ao curso
estruturaram o Ensino a Distância,
superior, tem acompanhado as mudanças e
possibilitando o interesse da iniciativa privada
se adequando através de sua inovada
e órgãos não governamentais em acreditarem
metodologia.

REFERÊNCIAS
[1] Araújo, E. M. et al. A Gestão da Inovação na [7] Libâneo, J. C. Pedagogia e pedagogos, para
Educação a Distância. São Carlos: v. 20. 2013. quê? 6, ed, - São Paulo. Cortez, 2002.
[2] Brasil. Constituição da República Federativa [8] Litto, F. M.: FORMIGA, M. Educação a
do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988. Distância: o estado da Arte. São Paulo.
[3] Brasil. Decreto 5622, de 19 de dezembro de Pearson Education do Brasil, 2009.
2005. Regulamenta o artigo 80 da lei nº 9.394, [9] Magnol, M. A Educação a Distância no Brasil:
de 20 de dezembro de 1996, que estabelece conceitos e fundamentos. Rev. Diálogo Educ.
as diretrizes e bases da educação nacional. Curitiba. v. 9 n. 27, p. 335 - 349, maio/ago.
Diário oficial da república federativa do Brasil. 2009.
Brasília, DF, 20 de dez. 2005. Disponível em:
[10] Mill, D. Estudos sobre processos de trabalho
[4] http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004. em EaD mediada por tecnologias da
2006/200stDecreto/D5622,htm Acesso em 15 informação e da comunicação. Belo Horizonte:
dez. 2016. FAE/UFMG. 2002. 193p. Dissertação
[5] Carvalho, F. V. Os jesuítas no Brasil colônia. (Mestrado em Educação) - Faculdade de
Jul. 2011. Disponível em: Educação, Universidade Federal de Minas
http://frankvcarvalho.blogspot.com/2011/06/05- Gerais, Belo Horizonte, 2002.
jesuitas-e-educação-no-brasil.Acessoem 17 [11] Oliveira, D. P. R. Planejamento estratégico:
dez. 2016. conceitos, metodologia e práticas.
[6] Chiavenato, I. Recursos humanos: o capital [12] 31. ed. São Paulo: Atlas, 2013.
humano das organizações. 9. ed. – Rio de
Janeiro: Elsevier, 2009.

Educação no Século XXI - Volume 3


26

Capítulo 4

Rodrigo de Cássio da Silva


Eliane do Rocio Vieira
Augusto Lima da Silveira
Sangerson Santos
André Maciel Pelanda
Márcia Cristiane Kravetz Andrade
Daniel de Christo

Resumo:O presente artigo tem como objetivo quantificar o uso das metodologias
ativas dentro do contexto da Educação à Distância (EaD) e com isso compreender
as perspectivas desta forma de ensinar e aprender, bem como sua aplicabilidade
no ensino à distância que se diferenciam dos métodos tradicionais de ensino. O
presente estudo é uma revisão integrativa de literatura que tem como base as
produções intelectuais publicadas nos ANAIS do Congresso Internacional ABED de
Educação à Distância entre os anos de 2010-2016, procurando identificar, analisar
e sintetizar os resultados sobre o uso das metodologias ativas no ensino à
distância. Foram selecionados 13 artigos que tratam da temática “metodologia
ativas”, dos quais, grande parte foram elaborados na região de São Paulo, embora,
o tema já venha sendo discutido no cenário educacional. Foi possível constatar que
a utilização das metodologias ativas, de acordo com os estudos, pode ocorrer
através das redes sociais desde que estejam em conformidade com as diretrizes
pedagógicas nas instituições que trabalham com a Educação à Distância (EaD).
Mesmo com grandes discussões na área de metodologias ativas, existem muitos
desafios que cercam esta nova metodologia de ensino, especialmente na
aplicabilidade para a Educação à Distância (EaD).

Palavras-chave: Metodologias Ativas; Ensino; Educação à Distância

Educação no Século XXI - Volume 3


27

1 INTRODUÇÃO objetivos gerais para todos os cursos, dentre


os quais, se ressalta:
Vivemos uma realidade de constantes
mudanças na organização da sociedade e na “Incentivar uma sólida formação geral,
forma como o conhecimento está disponível, necessária para que o futuro graduado
por isso, existe uma pressão cada vez maior possa vir a superar os desafios de
por novas formas de pensar e fazer renovadas condições de exercício
educação. Mesmo com essa pressão, grande profissional e de produção do
parte da educação brasileira ainda se resume conhecimento, permitindo variados tipos
em replicar modelos ultrapassados de ensino de formação e habilitações diferenciadas
que não preparam efetivamente os alunos em um mesmo programa; Estimular
para as constantes transformações que irão práticas de estudo independentes, visando
enfrentar no dia-a-dia. (BARBOSA; MOURA, uma progressiva autonomia profissional e
2013). intelectual do aluno.” (BRASIL, CNE,2001,
p. 2). PARECER Nº: CNE/CES 583/2001.”
As formações dos professores podem ter
falhado no sentido de não ser apresentado ao
profissional do magistério as múltiplas e
Para se alcançar este objetivo são
diversas metodologias que podem ser
necessárias alterações significativas em
aplicadas em sala de aula. Entretanto, o
várias estruturas, como, por exemplo, nos
professor de qualquer modalidade e nível de
projetos pedagógicos, na organização
ensino deve estar preparado ou se preparar
curricular, nos tempos e espaços
para tornar suas aulas atrativas, instigantes,
pedagógicos, nos encaminhamentos
interessantes, e para tanto, se faz necessário
metodológicos das disciplinas e nos
encaminhamentos metodológicos diversos,
processos avaliativos e educativos
de acordo com o conteúdo a ser
decorrentes da nova organização e
desenvolvido para atingir a finalidade do
estruturação dos cursos. Neste contexto, os
ensino formal, a efetivação do processo
encaminhamentos metodológicos exercem
ensino aprendizagem que conduza o aluno ao
um papel fundamental, pois a metodologia
sucesso escolar. Neste contexto, as
utilizada em sala de aula deve se diferenciar
metodologias ativas possibilitam que o aluno
da metodologia tradicional, na qual, os alunos
se torne protagonista da construção do
são meros receptores de informação e
conhecimento e assim, o aprendizado ser
passivos diante do conhecimento transmitido.
efetivado de forma significativa, contribuindo
Assim, as metodologias denominadas como
para a autonomia do estudante.
ativas são as mais indicadas para possibilitar
O presente estudo foi desenvolvido com os a autonomia intelectual e profissional do
objetivos de quantificar o uso das aluno. Compreendem-se metodologias ativas
metodologias ativas no contexto da Educação como “processos interativos de
à Distância (EaD) e, além disso, compreender conhecimento, análise, estudos, pesquisas e
quais as perspectivas para esta forma de decisões individuais ou coletivas, com a
ensinar e aprender, bem como a finalidade de encontrar soluções para um
aplicabilidade nesta modalidade de ensino. problema.” (Bastos, 2006, p. 10).
As metodologias ativas, como por exemplo, o
ensino hídrido ou blended,a sala de aula
1.1 AS METODOLOGIAS ATIVAS NO
invertida, Peer Instruction ou aprendizagem
PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM
por pares, metodologia de projetos ou de
O Ministério da Educação, a partir do ano de resolução de problemas e estudos de casos
2001, por meio do Conselho Nacional de vem sendo empregadas com sucesso tanto
Educação, institui as Diretrizes Curriculares no ensino formal presencial, como na
Nacionais (DCNs) para os cursos de Educação à Distância (EaD), porém, a
graduação, objetivando garantir a efetivação das metodologias ativas vem
flexibilidade e a qualidade da formação ocorrendo de forma lenta e gradual. Segundo
oferecida nas Instituições de Ensino Superior Moran (2015), as instituições de ensino
(IES), procurando assegurar aos alunos de precisam investir nas metodologias ativas, se
qualquer região do Brasil, a qualidade dos pretendem obter sucesso acadêmico e
cursos ofertados nas diversas modalidades. gerencial, sendo que ainda afirma que “as
Segundo as DCNs ficam estabelecidos instituições utilizarão o blended como modelo

Educação no Século XXI - Volume 3


28

predominante de educação, que unirá o


presencial e o EaD” (Moran, 2015, p.30).
3. RESULTADOS E DISCUSSÃO
No presente estudo, foram selecionados 13
2. METODOLOGIA artigos que apresentavam os termos
combinados: “METODOLOGIA(S) ATIVA(S)”.
O presente estudo se trata de uma revisão
Destes, 1 artigo do ano de 2013, 1 artigo do
integrativa de literatura que foi produzida com
ano de 2014, 6 artigos do ano de 2015 e 5
base nas produções intelectuais (artigos
artigos do ano de 2016 ( quadro 1).
científicos) publicados nos ANAIS do
Congresso Internacional ABED de Educação Em termos regionais, observou-se que as
à Distância entre os anos de 2010 e2016. produções sobre o assunto estão nas cidades
de Ribeirão Preto/SP (3); São Paulo/SP (3); Rio
Uma revisão integrativa de literatura é uma
de Janeiro (2); Resende/RJ (2); Bento
metodologia que “determina o conhecimento
Gonçalves/RS (1); Sobral/CE (1); Curitiba/PR
atual sobre uma temática específica, já que é
(1), sendo, portanto, a maior produção
conduzida de modo a identificar, analisar e
proveniente da região Sudeste do país. Ainda,
sintetizar resultados de estudos
ressalta-se que, dos trabalhos analisados,
independentes sobre o mesmo assunto (...)”
dois deles pertencem a um mesmo grupo
(SOUZA, SILVA, CARVALHO, 2010). Ou,
(Resende/RJ) e um deles traz uma parceria
ainda de acordo com os mesmos autores:
com uma Instituição Internacional (Aveiro –
“A revisão integrativa, finalmente, é a mais Portugal).
ampla abordagem metodológica referente
Este resultado demonstra que, embora as
às revisões, permitindo a inclusão de
metodologias que discutem o papel ativo do
estudos experimentais e não-
aluno na construção do seu “saber”
experimentais para uma compreensão
(metodologias ativas) sejam discutidas há um
completa do fenômeno analisado”
certo tempo (DEWEY, 1950; ROGERS, 1973;
(SOUZA, SILVA, CARVALHO, 2010).
NOVACK e GOWIN 1999; FREIRE, 2009) a
incipiência desse assunto, sobretudo quanto
a sua aplicabilidade na Educação à Distância,
Para o presente estudo, foi realizada uma
é observada.
busca nos ANAIS do referido congresso
durante os anos selecionados, utilizando o Entretanto, é importante ressaltar que, este
descritor “METODOLOGIA(S) ATIVA(S)” em estudo não avaliou os artigos que utilizaram
cada um dos artigos publicados durante o metodologias que se caracterizavam como
período explicitado. Como critério de metodologias ativas como, por exemplo,
inclusão, qualquer publicação que tivesse a flipped classroom, Aprendizagem Baseada
presença deste termo, pelo menos uma vez, em Problemas ou em Projetos, blended
seria considerada. learning, peer instruction, em função do
grande número de publicações a serem
Após a seleção dos artigos, a segunda etapa
avaliadas, que dificultaria uma discussão
consistiu em uma análise crítica destes
mais pontual e profunda dos trabalhos.
estudos e construção de um quadro
comparativo com categorias descritivas de Destacamos que no estudo proposto por
acordo com a metodologia STROBE Oliveira et al. (2013) são analisadas práticas
(Strengthening the Reporting of Observational pedagógicas transversais e a utilização da
Studies in Epidemiology) (MALTA et al., 2010). rede social Facebook como uma plataforma
que possibilita o ensino e a aprendizagem. A
A etapa seguinte constou da elaboração de
Educação à Distância (EaD) vem se
uma nuvem de palavras a partir dos resumos
fortalecendo, e as instituições de ensino
dos trabalhos selecionados utilizando o
devem possibilitar a construção de um
website . A nuvem de palavras tem como
espaço onde exista o encontro de um
principal objetivo facilitar a visualização dos
mediador, já que não é mais possível apenas
principais verbetes encontrados em
reescrever o processo de EaD com base nos
determinado texto de acordo com a
moldes das metodologias utilizadas no ensino
frequência com que estes aparecem. Nesse
presencial, sendo que as diversas
caso, ao tamanho da palavra será
metodologias devem coexistir e se reinventar,
proporcional ao número de vezes que ela
estimulando o aluno a desenvolver seus
aparece no texto.
estudos de forma autônoma. Desta forma, as

Educação no Século XXI - Volume 3


29

metodologias ativas podem ser utilizadas com Facebook não se trata de modismo, pois é
certa facilidade em redes sociais, sendo que necessário um olhar educativo que apresenta
devem estar em conformidade com as uma visão em relação às possibilidades
modalidades. motivacionais e de maior proximidade com as
novas gerações, porém, é necessário que o
No estudo realizado por Lehfeld et al. (2013) a
uso seja baseado em uma metodologia de
rede social Facebook também é apresentada
ensino adequada.
como uma ferramenta que possibilita um
auxílio na educação, focalizando a Apresentamos no Quadro 1, os principais
Metodologia da Problematização e resultados obtidos a partir da análise dos
Aprendizagem Baseada em Projetos (ABP). textos publicados nos anais do evento.
Os autores enfatizam que a rede social

Quadro 1 - principais resultados obtidos a partir da busca efetuada nos trabalhos selecionados para
o estudo
Ideias ou Resultados
Identificação do estudo Delineamento e Métodos Principais Metodologias ativas
Elaboração de cursos em
Bistane, R. H.; Silva, S. S.; Utilizar a Taxonomia de
EaD utilizando a Taxonomia
Caritá, E. C. (Ribeirão Bloom como contribuição
de Bloom. Estudo descritivo
Preto/SP) 2016 - didático-pedagógica na
sobre a aplicação de um Utilização da
Taxonomia de Bloom para capacitação ofertada,
curso de capacitação de taxonomia de Bloom
delineamento de cursos permitindo a aquisição de
Agentes Comunitários de
de educação continuada conhecimentos de forma
Saúde sobre a prevenção e
na modalidade EAD. reflexiva e evolutiva.
promoção de saúde bucal.
Houve grande envolvimento
dos docentes (87%) nas
A pesquisa fornece dados
atividades práticas de projeto
sobre um programa de
colaborativo. A maioria Projeto colaborativo
Cavalcanti, C. M. C. et al. formação de professores
reconheceu que as atividades com uso do Design
(Rio de Janeiro/RJ) 2015 - (on line) utilizando TICs.
poderão realizar em sala de Thinking. Uso do
Integração das TIC na Fez-se uso das ferramentas
aula. Demonstrou-se que o Livro Didático Digital
educação: inovação na Design Thinking, livro
Design Thinking teve um (LDD) - tablet.
formação de professores digital e Pensamento
papel importante no projeto Pensamento Crítico
online. Crítico. O público alvo
colaborativo. A maioria (Critical Thinking).
foram professores de IES
afirmou que irão aplicar as
privada.
aprendizagens adquiridas em
sua prática docente.
Integração das disciplinas do
Feliciano, P. O.; Barbosa, curso de Hotelaria em um
Descrição da implantação
R. A. G.; Matta, C. E. projeto integrador; Utilização Na implementação
de metododologia EaD
(Bento Gonçalves/RS) do ambiente virtual da EAD do projeto utiliza-se a
para o projeto integrador
2015 - Monitoramento e para realização do projeto; plataforma
do curso. Apresenta a
avaliação de projetos Por meio da ferramenta Blackboard para
concepção do projeto
integradores através da "grupos" o projeto é acompanhamento de
integrador no AVA
utilização do ambiente desenvolvido e passam a atividades.
Blackboard.
virtual “blackboard”. produzir conhecimento a
partir da colaboração.
A EaD é vista como sinônimo
de educação massificada e Aparece no texto
Pesquisa analítica de de má qualidade; quando a autora
Ferreira, A. A. (Ribeirão
bibliografias na área de Desenvolvimento do Serviço aborda a questão de
Preto/SP) 2016 - Educação
serviço social e EaD. Não Social para uma abordagem que o conhecimento
à distância e o serviço
especifica as metodologias mais crítica frente à deve ser passado de
social: análise positiva que
utilizadas, menciona exploração de classes; formas diferenciadas
fomenta a crítica
apenas que é uma Projetos de cursos em EaD em relação ao
construtiva.
pesquisa bibliográfica. devem ser melhor analisados modelo tradicional
em função de que podem de ensino.
apresentar qualidade.

Educação no Século XXI - Volume 3


30

Quadro 1 - principais resultados obtidos a partir da busca efetuada nos trabalhos selecionados para
o estudo (continuação)
Ideias ou Resultados
Identificação do estudo Delineamento e Métodos Principais Metodologias ativas
Ambiente flexível abrangendo
determinados conceitos, tais Metodologias ativas
Proposição de modelo como espaço, suporte e como forma de
educacional para promover disponibilidade de meios, oportunizar ao
Fonseca, J. J. S.; Moura,
a qualidade na educação. com a finalidade dos estudante uma
A. A.; Fonseca, S. H. P.
Pesquisa bibliográfica à estudantes poderem escolher participação nos
(Sobral/CE) 2015 - A
respeito de autores que a forma de estudo. processos
aprendizagem invertida
abordam a aprendizagem Aprendizagem centrada no pedagógicos, no que
em Educação a Distância.
invertida nas ações de estudante, transformando-os tange à questão de
ensino. em protagonistas do seu ensino e
próprio processo de aprendizagem
aprendizagem.
Na EaD é fundamental um
As metodologias
contato mais efetivo do
Análise comparativa entre ativas colocam o
Ruthes, G. et al. professor para que os
as perspectivas dos alunos aluno como centro
(Curitiba/PR) 2016 - O conteúdos sejam melhor
iniciantes e concluintes no do processo
semipresencial: o que se trabalhados em aula e
curso semipresencial de educativo, sendo
faz necessário? Análise também na transmissão do
pedagogia. Aplicação de importante seu
comparativa sobre as saber. A comunicação entre
questionários e trabalho e atuação
perspectivas de alunos alunos e professores pode
levantamento de dados para o aprendizado,
iniciantes e finalistas de ser a melhor alternativa para
bibliográficos para sua diminuindo assim o
um curso de pedagogia. melhoria da qualidade de
fundamentação teórica. foco sobre o
ensino nos cursos de EaD
professor.
e/ou semipresencial.
A proposição do Facebook
como uma ferramenta não se São mencionadas
Lehfeld, N. P. S.; et al. trata de um modismo, mas de diversas vezes no
Facebook como ferramenta
(Ribeirão Preto/SP) 2013 - um olhar educativo que estudo quando os
para auxíliar a educação.
Associação de visualiza as possibilidades autores abordam as
Metodologia da
Metedologias de Ensino e motivacionais e de maior questões da
Problematização e
Facebook para o Apoio ao proximidade com as utilização de outros
Aprendizagem Baseada em
Processo de Ensino- gerações jovens, atualmente, modos pedagógicos
Projetos (ABP)
Aprendizagem. desde que o uso seja para estimular os
baseado em uma alunos.
metodologia de ensino.
Apresentar os principais
Descrever o processo Aprendizagem
resultados obtidos nas
pedagógico dos cursos de Baseada em
avaliações realizadas ao
graduação da UNIVESP. Problemas e Por
Loyolla, W. et. al. (2016) - longo dos terceiro e quarto
Análise quantitativa e Projetos, aliada ao
Organização do processo bimestres. Os estudantes
qualitativa, na qual foram Design Thinking.
pedagógico nos cursos de entendem a articulação entre
analisados dados Aliado a isso, utiliza-
graduação da UNIVESP. os variados componentes que
coletados em questionários se um AVA com
fundamentam o modelo
avaliativos de pesquisa características
pedagógico dos cursos de
institucionais multimídia.
graduação da instituição.
Ambiente virtual é a
Mendonça, L. F. F. (Rio de sala de aula:
Janeiro/RJ) 2015 - Criando Apresenta modelo de Desenvolver um modelo de interação entre pares
Redes de Significações e ensino para um curso de ensino que propiciasse aos e recursos materiais;
Saberes no Curso de Pedagogia Online com estudantes o protagonismo Whatsapp para
Pedagogia: A construção diretrizes pedagógicas e na formação permanente do comunicação rápida
de um modelo de ensino uso de metodologias ativas. saber "aprender a aprender". entre estudantes e
que propicie o Realização de Uma proposta para superar a professores; Grupo
protagonismo dos levantamento bibliográfico. distância espacial da EaD. do Facebook para o
participantes. compartilhamento de
conteúdos.

Educação no Século XXI - Volume 3


31

Quadro 1 - principais resultados obtidos a partir da busca efetuada nos trabalhos selecionados para
o estudo (continuação)
Ideias ou Resultados
Identificação do estudo Delineamento e Métodos Principais Metodologias ativas
O EaD se fortalece e afirma
Práticas pedagógicas que a escola deve ser capaz
transversais e a utilização de se estabelecer em
do Facebook como qualquer espaço onde haja a São mencionadas
Oliveira, J. H. C. et al. plataforma de ensino e possibilidade de construir o diversas vezes no
(Ribeirão Preto/SP) 2013 - aprendizagem. encontro de um mediador. estudo quando os
Temas transversais de Metodologias ativas podem Não é mais possível apenas autores abordam as
formação geral e redes ser utilizadas com reescrever o processo de questões da
sociais: experiências facilidade em redes sociais, EaD, utilizando metodologias utilização de outros
educacionais inovadoras como o Facebook em que foram criadas no ensino modos pedagógicos
no ensino superior. conformidade com as presencial. É preciso que para estimular os
modalidades de ensino à metodologias coexistam e se alunos.
distância e com suas novas reinventem, intensificando o
competências. desafio para o aluno estudar
de forma autônoma.
Algumas questões já
amplamente debatidas sobre
o assunto, foram novamente
Aparece no texto
evidenciadas no estudo (i.e. a
Aplicação de questionários quando o autor
Santos, M. C. D. pouca experiência anterior
para verificar a percepção aborda a questão de
(Resende/RJ) 2015 - em EaD, uso da plataforma
dos alunos de cursos que o conhecimento
Planejamento e gestão de online, prazo para a
presenciais, sobre o deve ser passado de
disciplinas realização das tarefas, falta
andamento das disciplinas formas diferenciadas
semipresenciais: debates, de comunicação com o
ministradas na modalidade em relação ao
pesquisa e propostas. professor, etc.). Observação
semipresencial. modelo tradicional
da equipe EaD: estava
de ensino.
incompleta e os professores
realizavam múltiplas tarefas
(como professores e tutores).
Perfil dos professores tutores
e conteudistas de disciplinas
A pesquisa quantitativa do semipresenciais; Formação Fóruns, Chats,
tipo Survey, aplicada em necessária para os Wikies, estudo de
Santos, M. C. D. dos
professores tutores e professores e conteudistas caso, blog, fórum,
(Resende/RJ) 2016 -
conteudistas que ministram que atuam em disciplinas wiki. Além das
Pesquisa sobre o perfil e a
disciplinas semipresenciais; metodologias ativas:
atuação de professores
semipresenciais. Pesquisa Necessidade de uma Peer instruction e
tutores de disciplinas
aplicada descritiva e formação que capacite para Flipped classroom
semipresenciais.
abordagem quantitativa por atuar em EaD; Motivar (sala de aula
meio de questionário. professores a utilizar invertida).
metodologias ativas e
colaborativas.
Discutir as vantagens da sua
Sala de Aula
utilização não somente como
Descrever a utilização da Invertida. Trata-se de
recurso de ensino-
Tomelin, K.N.; Tomelin, J. ferramenta web conferência uma metodologia
aprendizagem, mas também
F (2015) - "Web invertida": de maneira invertida. cooperativa em que
de interação e motivação.
experiências inovadoras Descrição de relatos se aprende com os
Destaca a aprendizagem
de metodologias de ensino apesentados por colegas que
colaborativa mediada pelo
ativas na Educação a estudantes após a participam
professor ou tutor com o
Distância. realização de web ativamente da
recurso web conferência
conferência. construção do
enquanto uma experiência
conhecimento.
síncrona.

Educação no Século XXI - Volume 3


32

A figura 1 apresenta os resultados obtidos a os estudos utilizados neste trabalho.


partir da análise da nuvem de palavras para

Figura 1. Nuvem de palavras (word cloud) gerada a partir dos resumos dos artigos utilizados na
revisão de literatura utilizando o website wordcloud.com.

Por meio da análise da nuvem de palavras, poderiam ocorrer de forma constante e


formada a partir dos trabalhos selecionados continua dentro da instituição que tem a
para o presente estudo, podemos avaliar que modalidade EaD.
ao tratar das metodologias ativas as questões
A importância na reformulação das maneiras
mais discutidas obviamente permeiam os
de ensinar e aprender demandam um grande
temas da aprendizagem e educação,
esforço para o alcance da autonomia dos
temáticas diretamente relacionadas à
estudantes e, neste sentido há a necessidade
preocupação e objeto de estudo das
de maiores discussões acerca da temática,
metodologias ativas. Podemos destacar a
de forma a permitir uma aplicação mais
presença de termos como “integrador”, já que
efetiva das metodologias ativas para esta
esta metodologia busca o desenvolvimento e
modalidade de ensino.
a construção conjunta do conhecimento pelos
alunos, além da formação de uma É fundamental também favorecer a formação
consciência crítica e reflexiva sobre as de professores já atentos à esta nova
práticas do dia-a-dia (LIMA, 2016). realidade, preparados para a aplicação e
pesquisa de novos modelos mais efetivos no
processo de ensino e aprendizagem, uma vez
4 CONSIDERAÇÕES FINAIS que, mesmo com todas as modificações
observadas na sociedade, pouco se avançou
As metodologias ativas se apresentam como
na formação dos docentes.
opção para potencializar a participação do
aluno no processo de ensino e aprendizagem,
entretanto, o uso destas metodologias

REFERÊNCIAS http://educacaoemedicina.blogspot.com.br/2006/0
2/metodologias-ativas.html acesso em 20 abr.2017.
[1] Barbosa, E. F.; Moura, D. G.. Metodologias [3] Bistane, R. H.; Silva, S. S.; Caritá, E. C.
ativas de aprendizagem na Educação Profissional Taxonomia de Bloom para delineamento de cursos
e Tecnológica. B. Tec. Senac, v. 39, n°. 2, p. de educação continuada na modalidade EAD.
48-67, 2013. Disponível em: Ribeirão Preto/SP, 2016. Disponível em
http://www.bts.senac.br/index.php/bts/article/view/3 http://www.abed.org.br/congresso2016/trabalhos/2
49 acesso em 20 abril de 2017. 40.pdf acesso em 03 mai. 2017.
[2] Bastos, C. C. Metodologias Ativas. 2006. [4] Brasil. Conselho Nacional de Educação.
Disponível em: Câmara de Educação Superior. Parecer n.º
CNE/CES 583/2001. Orientação para as diretrizes

Educação no Século XXI - Volume 3


33

curriculares dos cursos de graduação. Diário [16] Mendonça, L. F. F. Criando Redes de


Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasilia, Significações e Saberes no Curso de Pedagogia: A
DF, 29 de outubro 2001. Disponível em construção de um modelo de ensino que propicie o
http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES0583. protagonismo dos participantes. Rio de Janeiro/RJ,
pdf acesso 01 mai. 2017. 2015. Disponível em
[5] Cavalcanti, C. M. C. et al. Integração das http://www.abed.org.br/congresso2015/anais/pdf/B
TIC na educação: inovação na formação de D_230.pdf acesso em 03 mai. 2017.
professores online. Rio de Janeiro/RJ, 2015. [17] Moran, J. Mudando a educação com
Disponível em metodologias ativas. In: SOUZA, C.A.; MORALES,
http://www.abed.org.br/congresso2015/anais/pdf/B O. E. T. (orgs). Convergências midiáticas,
D_99.pdf acesso em 03 mai. 2017. Educação e Cidadania: aproximações jovens.
[6] Dewey, J. Vida e Educação. São Paulo: Ponta Grossa: UEPG/PROEX, 2015. Disponível em:
Nacional. 1959a. http://www.youblisher.com/p/1121724-Colecao-Mid
[7] Feliciano, P. O.; Barbosa, R. A. G.; Matta, ias-Contemporaneas-Convergencias-Midiaticas-
C. E. Monitoramento e avaliação de projetos Educacao-e-Cidadania-aproximacoes-
integradores através da utilização do ambiente jovensVolume-II/ acesso em 20 abr. 2017.
virtual “blackboard”. Bento Gonçalves/RS, 2015. [18] Novak, J. D.; Gowin, D. B. Aprender a
Disponível em aprender. 2. ed. Lisboa: Plátano Edições Técnicas.
http://www.abed.org.br/congresso2015/anais/pdf/B 1999.
D_303.pdf acesso em 03 mai. 2017. [19] Oliveira, J. H. C.; Lemos, A. P. S.;
[8] Ferreira, A. A. Educação à distância e o Levenhagem, L.; AMARO, T.; BRAZ, M. R. Temas
serviço social: análise positiva que fomenta a transversais de formação geral e redes sociais:
crítica construtiva. Ribeirão Preto/SP, 2016. experiências educacionais inovadoras no ensino
Disponível em superior. Ribeirão Preto/SP, 2013. Disponível em:
http://www.abed.org.br/congresso2016/trabalhos/7. www.abed.org.br/hotsite/20-
pdf acesso em 03 mai. 2017. ciaed/pt/anais/pdf/209.pdf acesso em 03 mai.
[9] Fonseca, J. J. S.; MOURA, A. A.; 2017.
FONSECA, S. H. P. A aprendizagem invertida em [20] Rogers, C. Liberdade para Aprender. Belo
educação a distância. Sobral/CE, 2015. Disponível Horizonte: Ed. Interlivros, 1973.
em [21] Ruthes, G. et al. O semipresencial: o que
http://www.abed.org.br/congresso2015/anais/pdf/B se faz necessário? Análise comparativa sobre as
D_86.pdf acesso em 03 mai. 2017. perspectivas de alunos iniciantes e finalistas de um
[10] Freire, P. Pedagogia da Autonomia. 36. curso de pedagogia. Curitiba/PR, 2016. Disponível
ed, São Paulo: Paz e Terra, 2009. Disponível em: em
http://www.apeoesp.org.br/sistema/ck/files/4- http://www.abed.org.br/congresso2016/trabalhos/1
%20Freire_P_%20Pedagogia%20da%20autonomia. 90.pdf acesso em 03 mai. 2017.
pd f acesso em 20 de abril de 2017. [22] Santos, M. C. D. dos. Planejamento e
[11] Lehfeld, N. A. S.; Carita, E. C.; Gabarra, M. gestão de disciplinas semipresenciais: debates,
H. C. Associação de metodologias de ensino e pesquisa e propostas. Resende/RJ, 2015.
facebook para apoio ao processo de ensino- Disponível em
aprendizagem. Ribeirão Preto/SP, 2013. Disponível http://www.abed.org.br/congresso2015/anais/pdf/B
em: D_84.pdf acesso em 03 mai. 2017.
http://www.abed.org.br/congresso2013/cd/241.doc [23] Santos, M. C. D. dos. Pesquisa sobre o
acesso em 03 mai. 2017. perfil e a atuação de professores tutores de
[12] lima, V. V.. Espiral construtivista: uma disciplinas semipresenciais. Resende/RJ, 2016.
metodologia ativa de ensino-aprendizagem. Disponível em
Interface (Botucatu), v. 21, n. 61, p. 421-434, 2016. http://www.abed.org.br/congresso2016/trabalhos/1
Disponível em: 30.pdf acesso em 03 mai. 2017.
http://www.scielo.br/pdf/icse/v21n61/1807-5762- [24] Souza, M. T., Silva, M. D. S., Carvalho, R.
icse-1807-576220160316.pdf acesso em 20 de Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein.
abril de 2017. 2010; 8(1 Pt 1):102-6.
[13] Loyolla, W. et. al. Organização do [25] Tomelin, K.N. ; TOMELIN, J. F. "Web
processo pedagógico nos cursos de graduação da invertida": experiências inovadoras de
[14] UNIVESP. São Paulo/SP, 2016. Disponível metodologias de ensino ativas na Educação a
em Distância. São Paulo/SP, 2015. Disponível em
http://www.abed.org.br/congresso2016/trabalhos/2 http://www.abed.org.br/congresso2015/anais/pdf/B
20.pdf acesso em 03 mai. 2017. D_85.pdf acesso em 03 mai. 2017.
[15] Malta, M. CARDOSO, L. O., BASTOS, F. I.,
MAGNANINI, M. M. F., SILVA, C. M. F. P. Iniciativa
STROBE: subsídios para a comunicação de
estudos observacionais. Revista Saúde Pública, v.
44, n°. 3, p. 559- 565, 2010. Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/rsp/v44n3/21.pdf acesso
em 20 de abril de 2017.

Educação no Século XXI - Volume 3


34

Capítulo 5
Waldeyde Oderilda Magalhães dos Santos
Vinicius de Araújo Oliveira
Haline Pereira de Oliveira Barbosa
Ingrid Nunes Rodrigues

Resumo:O projeto UNA-SUS Amazônia busca solucionar a questão do acesso à


formação e informação, através do desenvolvimento de tecnologias, incluindo
aplicativos móveis, que disponibilizam recursos educacionais de modo off-line. A
solução é baseada no armazenamento local de dados e sincronização (upload e
download) quando há conexão disponível, levando sempre em consideração o
deslocamento do profissional. Além disso, o projeto visa capacitar profissionais em
teleducação em saúde, incorporar novas tecnologias interativas, como ambientes
de realidade virtual e realidade ampliada e desenvolver serviços e produtos de
teleducação móvel no contexto de saúde.

Palavras-chave: UNA-SUS Amazônia, teleducação, aplicativos móveis, novas


tecnologias interativas.

Educação no Século XXI - Volume 3


35

AGRADECIMENTOS O uso dessas tecnologias para promover e


apoiar o cuidado e a educação em saúde
Os autores agradecem à Universidade do
quando os participantes dessa ação estão
Estado do Amazonas e SAMSUNG pelo
à distância, é definido por telessaúde. No
apoio para a realização deste trabalho.Parte
Brasil a integração de soluções tecnológicas
dos resultados apresentados neste artigo foi
com serviços de qualidade que possibilitam
obtida por meio de atividades de P&D,
melhorar as atividades de educação, de
patrocinado pela Samsung Eletrônica da
planejamento da logística de saúde, de
Amazônia Ltda., sob os termos da lei federal
regulação da teleassistência e de
No. 8.248/91.
implementação de métodos para
proporcionar pesquisas multicêntricas, tem
sido fortemente difundida por entidades
1. INTRODUÇÃO
representativas de telemedicina e telessaúde
O Brasil vive um momento de grande (WEN, 2011).
demanda por serviços de saúde de
qualidade e conforme cresce a
dependência do setor de saúde por
recursos humanos, cresce também a 2. UNIVERSIDADE ABERTA DO SUS – UNA-
demanda por qualificação e educação SUS AMAZÔNIA
permanente dos profissionais de saúde
A educação permanente dos profissionais de
(SARRETA, 2009). Dessa forma, o desafio
saúde, por sua vez, tem sido uma
de capacitar profissionais às necessidades
preocupação do Ministério da Saúde do
do Sistema Único de Saúde (SUS) implica,
Brasil, pois é vista como um meio de
dentre outras mudanças, em determinadas
transformar as práticas educativas da
alterações na forma de organização da
formação, da atenção, da gestão, de
formação e capacitação destes profissionais.
formação de políticas, de participação
A busca de alternativas que possibilitem a
popular e de controle social no setor de
concepção de programas de ensino que
saúde (OLIVEIRA M. A. N, 2007).
forneçam maior aderência aos desenhos de
Devido a essa dificuldade, o Governo
organização da atenção à saúde,
Federal do Brasil criou em dezembro de
aprendizagens significativas e
2010 a Universidade Aberta do SUS (UNA-
desenvolvimento da capacidade de
SUS), por meio do Decreto nº 7.385/2010,
intervenção crítica e criativa no sistema
que é composta por três elementos
nacional de saúde, leva à incorporação do
estruturantes: uma rede de universidades
conceito de competência profissional, cuja
que oferecem cursos livres para qualificação
compreensão passa pela vinculação entre
dos profissionais de saúde (Rede UNA-SUS)
educação e trabalho, formação e
(PALÁCIO DO PLANALTO, 2010); um
desenvolvimento institucional, aprendizagem
sistema de informações sobre os
e resolutividade da rede de atenção à saúde
profissionais de saúde do Brasil (Plataforma
(MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2004).
AROUCA) e o Acervo de Recursos
Nesse sentido, a introdução de tecnologias
Educacionais em Saúde (ARES), onde todos
no ensino amplia o acesso à informação e
os conteúdos educacionais produzidos pela
interatividade entre os profissionais da
UNA-SUS são disponibilizados, assim, o
saúde, permitindo um processo
investimento realizado pelo Ministério da
educacional interativo que pode ser
Saúde na produção de cursos para
encorajado por meio da integração de
educação a distância é transformado em
múltiplas mídias, linguagens e recursos
patrimônio público, com acesso aberto na
(BARRETO, 2003). Diferentes estudos tem
internet (UNA-SUS, 2010; OLIVEIRA V. A,
mostrado que os dispositivos móveis
2011).
podem ser utilizados por profissionais de
No entanto, uma das características dos
saúde como meios eficazes para apoiar a
cursos da UNA-SUS é o uso online, o que
aprendizagem/educação permanente em
implica em dificuldades para profissionais
saúde em áreas remotas, estimular o
nas áreas mais remotas e carentes,
desenvolvimento profissional contínuo
municípios isolados e regiões indígenas.
através do acesso a várias fontes de
Devido a essa problemática, a Fundação
informação e até facilitar o processo de
Oswaldo Cruz (Fiocruz) produziu para a
tomada de decisão de casos clínicos
UNA-SUS um conjunto de métodos e
(PIMMER C et al, 2014; OLIVEIRA V. A et al,
tecnologias capazes de superar essa
2015; COSTA et al, 2009).
situação em um projeto chamado UNA-

Educação no Século XXI - Volume 3


36

SUS Mobile (INSTITUTO LEÔNIDAS E MARIA de soluções, como o desenvolvimento de


DAENE, 2015). Esses métodos, contudo, não um aplicativo, o APP UNA-SUS cuja a
haviam sido agregados em uma solução principal finalidade é levar informação e
para uso em larga escala, com os devidos formação para estes profissionais, por
investimentos em usabilidade e testes de meio da divulgação de ofertas de
conexão e sincronia para otimização. Foi cursos, notícias, eventos,
então que a Universidade do Estado do compartilhamento de informações e,
Amazonas (UEA) passou a integrar o principalmente, acesso a recursos
Sistema UNA-SUS em 2014, passando a ter educacionais, que são os materiais
acesso aos métodos e tecnologias disponibilizados pela Rede UNA-SUS em
desenvolvidos pelo projeto UNA-SUS Mobile, formato off-line na Plataforma ARES.
criando assim, um grupo de trabalho A qualificação da equipe em temas
chamado UEA- Fiocruz, para desenvolver e relacionados à educação à distância, através
testar soluções de telessaúde e teleducação de revisão da literatura, é uma das
em saúde utilizando plataformas móveis metodologias utilizadas, assim como a
(FIOCRUZ, 2015). informação a respeito das metodologias e
Esse grupo de trabalho identificou a tecnologias atualmente existentes que visam
necessidade de realizar diversas atividades a inovação no ensino à distância de forma a
de pesquisa e desenvolvimento, resultando, manter este profissional sempre motivado e
assim, na implementação da UNA-SUS na engajado na sua formação continuada,
Amazônia, que tem como objetivo principal fazendo com que a população seja a
desenvolver tecnologias para implantação de principal beneficiada com uma atendimento
serviços e soluções de teleducação em de qualidade.
saúde voltadas a profissionais de saúde, Além da qualificação da equipe do
assim como a formação de recursos projeto, as soluções desenvolvidas
humanos na área de Teleducação, passam por pesquisas seguindo a
principalmente das áreas de Ciências da metodologia do design de interação,
Saúde e Tecnologia da Informação e permitir baseado em um modelo de ciclo de vida
aos membros do projeto analisar, criticar e que incorpora a iteração e encoraja o foco
propor melhorias através do uso de centrado no usuário (PREECE,
dispositivos móveis de processos 2005).
educacionais mediados por tecnologia. O processo de design de interação constitui-
se de cinco atividades básicas: identificação
das necessidades através de pesquisa,
3. MÉTODOS estabelecimento dos requisitos com a
ideação, desenvolvimento de designs
Visando minimizar as dificuldades de
alternativos através de protótipos, construção
aprendizagem continuada enfrentadas pelos
de versões interativas dos designs de forma
profissionais da saúde, especialmente
que eles possam ser comunicáveis e a
localizados em áreas remotas aos
validação por meio de avaliações, como
centros urbanos e, incentivado pela
mostra a FIGURA 1.
UNA-SUS, o projeto UNA-SUS
Amazônia está desenvolvendo uma série

Figura 1. Processo de design de interação

A UNA-SUS Amazônia atualmente está UNA-SUS (PPU), um recurso educacional


realizando estudos de caso para utilizado pela rede UNA- SUS, utilizando
reestruturação, alcance de estabilidade, ferramentas altamente eficientes no
definição de processos e geração de builds desenvolvimento Front-End. Optou se por
no desenvolvimento de Pacotes Padrão utilizar o Caso Gabriela para melhorias no

Educação no Século XXI - Volume 3


37

que se refere a código, estrutura, um meio de divulgação dos produtos


estabilidade e geração de versões que desenvolvidos e das linhas de pesquisa,
atendam à realidade amazônica em com o objetivo de divulgar notícias,
questões de conexão à internet. indicadores, publicações, agenda de
treinamentos, capacitações, eventos e
seminários e demais informações. O site teve
4. RESULTADOS
papel importante no alinhamento técnico da
Como resultados da primeira fase de equipe, para definições de padrões como o
execução do projeto, destacam-se as processo de desenvolvimento de software,
capacitações da equipe, contando com 22 padrões de versionamento de códigos,
profissionais em 11 eventos distintos, sendo definições do processo de teste e
os principais deles: a Primeira Oficina de qualidade.
Produção de Cursos, realizada na sede do Ainda na fase de prototipação, um aplicativo
UNA-SUS Amazônia para os integrantes chamado APP UNA-SUS também está em
do projeto; Workshop UX Overdrive – VR fase de desenvolvimento e será dividido
Edition, realizado no Samsung Ocean Center em 3 etapas: pré-curso, curso e pós-
por funcionário do SIDIA para os integrantes curso, tendo sempre como público alvo
da equipe técnica; Minicursos de profissionais de saúde cadastrados no
desenvolvimento e design de apps realizado Sistema UNA- SUS. Em um primeiro
no Samsung Ocean Center para os momento o aplicativo irá se basear em
integrantes da equipe de desenvolvimento e recomendações de acordo com o histórico
design; Workshop de Experiências de cursos do profissional e seus dados
Educacionais Apoiadas em Tecnologias, cadastrados, já na fase do curso, o aplicativo
realizada via web conferência pela UNA- irá fornecer cursos de capacitação e
SUS para as universidades integrantes da educação continuada, onde o aluno poderá
rede UNA-SUS. ter acesso de forma offline e por fim, o pós-
Na segunda fase, no processo de curso, que tem por objetivo oferecer
prototipação, foi elaborado um aplicativos complementares de acordo com
protótipo/wireframe do UNA-SUS Conecta, o curso realizado. Entre as funcionalidades
uma proposta de rede social para do aplicativo destacam-se a gestão de
profissionais da área de saúde que visa identidade, perfil, notícias, acesso à
estabelecer conexões entre esse público, plataforma ARES, realização de cursos,
com finalidade de troca de experiências, sincronização de informações, interação com
informações e principalmente a alunos e tutores e gamificação. Estudos a
aprendizagem colaborativa e geração de respeito de wireframes de baixa e alta
conteúdo pelo próprio usuário. fidelidade, serviços web, tecnologias que
Em paralelo à fase de estudos, pesquisas e trabalham com modo offline e stream de
prototipação, também foi desenvolvido o vídeos em
primeiro produto do projeto, o site do Android estão sendo realizados.
UNA-SUS Amazônia, que é definido como

Educação no Século XXI - Volume 3


38

Na fase atual também destacam-se as linhas ensino à distância dependem de boa


de pesquisa em andamento, como: a criação conectividade para serem realizadas. Em
do Banco de Imagens para colaboração locais de baixa conectividade, como no
interativa, que consiste em elaborar um caso da região atendida pela UEA, se faz
banco de imagens dermatológicas, que necessária a adaptação dos conteúdos para
pode tornar-se uma base de referência para fazer frente a esta restrição. Dessa forma a
detecção de doenças dermatológicas; o distribuição de pacotes de conteúdo
UNA-SUS Recomenda, que consiste em educacional
estudos sobre um sistema de recomendação armazenados em dispositivos móveis,
que tem como objetivo a recomendação de disponíveis também para uso offline, é
cursos e objetos educacionais para uma excelente solução que vem sendo
profissionais de saúde cadastrados na testada em laboratório e desenvolvida pelo
plataforma AROUCA; estudos investigativos UNA-SUS Amazônia em parceria com a
sobre processos de validação de Universidade do Estado do Amazonas que já
tecnologias educacionais com escalas de possui forte experiência na área de
aceitabilidade de conteúdo a fim de teleducação e telessaúde.
estabelecer padrões de construção nos Outro ponto a destacar são os levantamentos
processos de formação em saúde por EAD e de requisitos que serão realizados com o
estudos sobre gamificação, que busca intuito de explorar novas tecnologias. O
utilizar elementos de jogos, para motivar e aplicativo de apoio às atividades
engajar pessoas. educacionais tende a ser uma inovação no
que tange a formação de banco de dados
para educação em saúde. Já as
5. CONCLUSÃO
recomendações para personalização de
Frente à situação de grande demanda por conteúdos objetivam a formação de uma
qualificação profissional, vale ressaltar que o rede social de profissionais de saúde, que
projeto tem potencial para resolver essa otimiza a interação entre eles.
problemática em regiões remotas e de baixa
conectividade, visto que atividades de

REFERÊNCIAS [8] Oliveira, Marluce Alves Nunes.


Educação à distância como estratégia para a
[1] Sarreta, Fernada de Oliveira. Educação educação permanente em saúde:
permanente em daúdede para os trabalhadores possibilidades e desafios; 2007, vol.60, n.5,
do SUS. Sa?o Paulo; 2009. Disponível em: pp.585-589. ISSN 0034-7167. Disponível em:
http://static.scielo.org/scielobooks/29k48/pdf/sarret http://www.scielo.br/pdf/
a-9788579830099.pdf. Acessado em 15 de reben/v60n5/v60n5a19.pdf. Acessado em 20 de
Novembro de 2015. Setembro de 2015.
[2] Brasil. Ministério da Saúde; Secretaria de [9] Brasil. Decreto no 7385 de 8 de
Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, dezembro de 2010. Institui o Sistema
Departamento de Gestão da Educação na Universidade Aberta do Sistema U?nico de
Saúde. Perfil de competências profissionais do Sau?de – UNA-SUS, e da? outras provide?ncias.
Agente Comunitário de Saúde. Brasília, 2004. (2010). Disponível em:
[3] Barreto, Raquel Goulart. Tecnologias http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-
na formação de professores: o discurso do [10] 2010/2010/Decreto/D7385.htm.
Mec. Educ Pesquisa; 2003; 271-86. Acessado em 20 de Setembro de 2015.
[4] Pimmer, Christoph, et al. Informal mobile [11] UNA-SUS – Universidade Aberta do SUS.
learning in nurse education and practice in remote Disponível em:
áreas - A case study from rural South Africa. http://www.unasus.gov.br/page/una-
Nurse Education Today 34; 2014;1398–1404. sus/legislacao. Acessado em 15 de Setembro
[5] Oliveira, Vinícius de Araújo, et al. de 2015.
Elearning for Health in Brazil: UNA-SUS in [12] Oliveira Vinícius de Araújo, et al. The
Numbers. J Int Soc Telemed eHealth 4; e9; 2015. open university of the national health system: a
[6] Costa, Cleinaldo de Almeida, et al. blended learning strategy to improve the health
Telehealth in the Amazon: development, results care system in Brazil. IADIS International
and perspectives. Lat Am J Telehealth Conference e-Society, 2011 Mar 10-13; Berlin,
2009;1(2):170-183. Germany. Lisbon: IADIS; 2012. 634p.
[7] Wen, Chao Lung. Teleducação em [13] Instituto Leônidas e Maria Deane.
Saúde. In: Prado C, Peres HHC, Leite MMJ, Disponível em:
editoras. Tecnologia da informação e http://amazonia.fiocruz.br/saladeimpre
comunicação em enfermagem. São Paulo: nsa/destaque/1477-fiocruz-amazonia-uea-e-una-
Atheneu; 2011; 127-37 sus-criam-grupo-de-trabalho-para-fortalecimento-

Educação no Século XXI - Volume 3


39

da-atencao-primaria-a-usuarios-do-sus-2. desenvolvimento-de-tecnologias-para-educacao-
Acessado em 15 de Setembro de 2015. e- informacao. Acessado em 15 de Novembro de
[14] Fundação Oswaldo Cruz-FIOCRUZ. 2015.
Fiocruz AM fecha parcerias em tecnologias [15] Preece, Jennifer. Design de interação:
para educação e informação em saúde. além da interação homem-computador. Porto
Disponível em: http://portal.fiocruz.br/pt- Alegre: Bookman, 2005.
br/content/fio cruz-am-fecha-parcerias-para-o-

Educação no Século XXI - Volume 3


40

Capítulo 6

Juliana Macedo Reis Mercês


Marcia Maria Pereira Rendeiro

Resumo: A Política Nacional de Alimentação e Nutrição (PNAN) tem como


propósito melhorar as condições de alimentação, nutrição e saúde da população
brasileira, mediante a promoção de práticas alimentares adequadas e saudáveis,
a vigilância alimentar e nutricional, a prevenção e o cuidado integral dos agravos
relacionados à alimentação e nutrição. Para contribuir com a eficácia da PNAN e
atendendo a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde, o Ministério
da Saúde, em parceria com a Secretaria Executiva da Universidade Aberta do
SUS (UNA-SUS) e a UNA-SUS da Universidade do Estado do Rio de Janeiro
(UNA-SUS/UERJ), lançou em 2016 o “Curso Doenças Endócrino-Metabólicas e
Nutrição” na modalidade educação a distância, aberto ao público interessado
pelo tema e autoinstrucional. Dentro desse contexto, o objetivo dessa pesquisa foi
analisar o perfil dos alunos na oferta do curso, percepção sobre o nível de
conhecimento adquirido e avaliação dos alunos sobre a metodologia aplicada.
Utilizamos dados secundários, que foram extraídos da Plataforma Arouca e do
Questionário de Auto-avaliação do Ambiente Virtual do curso. Utilizamos a
metodologia quali-quantitativa dentro de uma perspectiva de pesquisa
exploratória. Assim, com base nos dados, concluímos que a Educação a Distância
e a oferta livre para qualquer interessado na temática é uma excelente estratégia
para ultrapassar barreiras geográficas, promover a saúde e apoiar a
implementação de políticas públicas. Além disso, a escolha pedagógica
incorporada no curso obteve avaliação positiva dos alunos por proporcionar a
reflexão sobre situações práticas e aquisição de conhecimentos importantes para
a prática profissional.

Palavras-chave: Educação à distância; educação permanente; política pública.

Educação no Século XXI - Volume 3


41

1. INTRODUÇÃO para a realização da navegação nos recursos


educacionais, o curso teve como público-
A promoção da saúde é uma estratégia
alvo profissionais e gestores da área da
fundamental para o enfrentamento dos
saúde vinculados ao SUS; no entanto foi
problemas de saúde das populações. Ela é
disponibilizado para qualquer pessoa
definida como “o processo de capacitação
interessada no tema.
da comunidade para atuar na melhoria da
sua qualidade de vida e saúde, incluindo Na estratégia de ensino e aprendizado foi
uma maior participação no controle deste aplicado o conceito de Andragogia, no qual o
processo” (BUSS,1999). Para isso, o Estado ensino e aprendizagem é voltado para o
deve implementar políticas, programas e aluno dentro da concepção de aprender a
ações que possibilitem responder às aprender. Segundo Teixeira (2005) a
demandas da sociedade. Andragogia é a arte e ciência de orientar
adultos a aprender. Ademais, o ensino a
A Política Nacional de Alimentação e Nutrição
distância parte do pressuposto também da
(PNAN), regida pela Portaria n.º 710, de 10
Heutagogia (do grego heuta = próprio +
de junho de 1999, tem como propósito a
agogus = guiar, conduzir, educar) que de
promoção da saúde e aponta como diretriz a
acordo com Hase e Kenyon (2000) o
“promoção das práticas alimentares e estilos
indivíduo busca pelo conhecimento, a
de vida saudáveis”, cujo destaque está na
autoaprendizagem como processo ativo de
“socialização do conhecimento sobre
autonomia na construção do conhecimento.
alimentos e o processo de alimentação bem
como acerca da prevenção dos problemas Assim, ao final do percurso de
nutricionais, desde a desnutrição - incluindo aprendizagem, espera-se que o aluno seja
as carências específicas - até a obesidade” capaz de agregar conhecimento para
(BRASIL, 2000). orientar seus pacientes em relação à
prevenção das doenças oriundas do estilo de
O foco central da PNAN, relacionado à
vida e à longevidade com qualidade de vida.
proposta educativa, está na disseminação de
informações das práticas alimentares O conteúdo foi organizado em 7 livros: (I)
saudáveis, reconhecendo a importância dos Abordagem Nutricional Geral: Educação em
meios de comunicação para estimular Saúde; (II) Recomendações de Macro e
campanhas educativas. Micronutrientes; (III) Abordagem da Atividade
Física Geral: Educação em Saúde; (IV)
Diante desse contexto, visando potencializar
Abordagem Nutricional nas principais
a implementação da PNAN e atender a
doenças Endócrino-metabólicas; (V)
Política de Educação Permanente (PNEP)
Orientações Alimentares para indivíduos com
(BRASIL,2007 e 2014) , o Ministério da
obesidade; (VI) Orientações alimentares para
Saúde, em parceria com a Secretaria
indivíduos com Diabetes Mellitus; (VII)
Executiva da Universidade Aberta do SUS
Orientações alimentares para indivíduos com
(UNA-SUS) e a UNA-SUS da Universidade do
Síndrome Metabólica.
Estado do Rio de Janeiro (UNA-SUS/UERJ),
lançou em 2016 o “Curso Doenças Em complementação à estrutura, cada livro
Endócrino-Metabólicas e Nutrição”, na digital apresenta as temáticas enriquecidas
modalidade educação a distância (EaD). com Objetos Educacionais como vídeos,
Este curso pretende orientar os profissionais ilustrações, sínteses, propostas de reflexão,
de saúde sobre a abordagem da avaliação conteúdos complementares em boxes de
nutricional nos principais comprometimentos saiba mais e atividades formativas, com o
endócrino-metabólicos, descrevendo as objetivo de facilitar a construção do
orientações alimentares feitas para indivíduos conhecimento. Podemos destacar:
com obesidade, diabetes mellitus ou
 Vídeos (Fig.1) - situações
síndrome metabólica, destacando que a
reais retratadas em dramatizações;
atenção básica proposta se baseia, em
 Ilustrações (Fig.2) - imagem,
parte, na PNAN.
desenho ou pintura para auxiliar um
Segundo Seixas (2011), a introdução da EaD texto e facilitar a reflexão e
dentro do Sistema de Educação Permanente enriquecimento sobre os conteúdos.
para o SUS representa uma possibilidade de  Quizzes (Fig.3) - permite a
expansão do acesso a processos interatividade com o conteúdo e mais
educacionais. informações com o objetivo de fixar
conceitos importantes.
Ofertado no formato autoinstrucional, sem
tutoria, tendo como carga horária 15 horas
Educação no Século XXI - Volume 3
42

Figura 1: Vídeos produzidos internamente – “Avaliação do Inquérito Alimentar”

Figura 2: Ilustração

Educação no Século XXI - Volume 3


43

Figura 3: Quizz – Atividades para fixar conteúdo.

O desenvolvimento do curso contou com O recorte dessa enquete versa sobre a


uma equipe multidisciplinar, a qual envolveu análise: (1) a compreensão em relação ao
diversos especialistas na construção da conteúdo disponibilizado; (2) o feedback
análise, desenvolvimento, implementação, quanto à aprendizagem; (3) o método
execução e avaliação do curso aplicado sobre situações práticas; (4)
agregação de conhecimento para a prática
Nesta perspectiva, analisar a aplicabilidade
profissional.
de utilização de um curso a distância, em um
país de dimensões continentais como o O questionário apresenta questões fechadas,
Brasil, poderia ser considerada uma ação no qual o aluno indica sua satisfação por
estratégica para superar as barreiras meio da escala - 0 (Muito Insatisfeito) a 5
geográficas e oportunizar o aprendizado, (Muito Satisfeito) - e por questões abertas,
difundir ideias e apresentar uma Política. registrando seus comentários e sugestões
para aperfeiçoamento do curso.
Com isso, este estudo analisou o perfil dos
alunos, o nível de conhecimento adquirido e
avaliação dos alunos sobre a metodologia
3. RESULTADOS
aplicada, assim como o alcance geográfico.
A oferta do curso iniciou dia 12 de setembro
de 2016 e finalizou dia 17 de abril de 2017.
2. METODOLOGIA Nesse período 11.931 pessoas se
inscreveram e 3.328 concluíram o curso.
Como ferramenta para mapear e analisar o
perfil dos profissionais/alunos, bem como Segundo a Plataforma Arouca
explorar o alcance geográfico do curso, (https://arouca.unasus.gov.br/plataformaarou
utilizamos os relatórios gerados pela base ca), trata-se de um público majoritariamente
de dados nacional da Plataforma Arouca, a jovem e do sexo feminino, com
qual permite conferir condicionantes sobre os predominância da faixa etária de 21 a 35
cursos ofertados pela Rede de Instituições anos (Graf. 1). Além disso, os dados
que fazem parte da UNA-SUS. apontam que os profissionais de saúde estão
pulverizados em diversas áreas da saúde,
Além disso, foi realizada uma pesquisa
com dominância de Técnicos/Auxiliares de
exploratória de cunho quali-quantitativo tendo
Enfermagem (26,71%), Enfermeiros (18,68%)
como instrumento o Questionário Auto-
e Nutricionistas (17,48%) (Graf.2). – para
Avaliação do Curso – preenchimento
estes cálculos foram retirados os
opcional ao final do curso - disponível no
profissionais não identificados.
ambiente virtual de aprendizagem (AVA).

Gráfico 1- Fonte: Plataforma Arouca

Educação no Século XXI - Volume 3


44

Gráfico 2- Fonte: Plataforma Arouca

Os alunos estão presentes em todo território auxiliar na propagação do conhecimento.


nacional, revelando que a modalidade a (Graf.3)
distância é uma excelente método para

Gráfico 3 – Fonte: Plataforma Arouca

Educação no Século XXI - Volume 3


45

Dentre os 3.328 alunos que concluíram o  “Parabéns a todos que


curso, 2299 responderam o Questionário de montaram e participaram da montagem
Auto-Avaliação do Curso. do curso.”;
 “Foi de muita utilidade,
Os dados indicaram que 72,21% qualificaram
material didático muito esclarecedor de
como Muito Satisfeito (maior grau) que o
fácil.”;
conteúdo do curso foi apresentado com
 “Entendimento, com certeza
clareza e facilidade de entendimento e que
meu conhecimento foi aprimorado e meus
60% dos alunos responderam que o curso
atendimentos foram aperfeiçoados diante
atingiu a expectativas de aprendizagem. Vale
de novos conhecimentos adquiridos no
ressaltar que 69,76% revelaram que a
curso.”;
metodologia adotada estimula a reflexão
sobre situações práticas e 65,54%  “foi uma atualização bem
qualificaram como Muito Satisfeito (maior interessante para meu curriculum,
melhorou bastante meu nível de
grau) que houve apropriação de
conhecimentos importantes para a prática conhecimento, os conteúdos são
profissional. Além disso, 67,28% modernos e atualizados, adorei.”
responderam que estimulou o desejo de
aprofundamento no tema. 4. CONCLUSÃO
Na análise qualitativa, os alunos Nesta pesquisa, percebe-se que
manifestaram opiniões positivas em relação a profissionais de diversas categorias,
metodologia aplicada. Selecionamos inseridos em diversas regiões do país tiveram
algumas respostas que resumem o aspecto a mesma oportunidade de acesso ao curso.
positivo: Assim, pode-se afirmar que o curso na
modalidade de educação a distância
 “Curso excelente, assunto
viabiliza a aprendizagem continuada, sendo
descrito de forma clara e objetiva”;
uma ferramenta adicional e estratégica ao
 “Excelente material, os
alcance de uma grande maioria
arquivos disponíveis na biblioteca
ultrapassando barreiras geográficas.
também são muito bons agradeço por
criarem um curso que incentiva uma O Curso Doenças Endócrino-Metabólicas e
equipe multidisciplinar.”; Nutrição é congruente com a
 “O curso é excelente e responsabilidade do MS em promover a
enriquece muito nosso conhecimento.”; saúde da população e ainda promover a
 “achei o curso bem didático, capacitação por meio da educação
completo em informações, e o sistema permanente dos profissionais de saúde.
autoexplicativo, sem intercorrências para
Ademais, a avaliação positiva dos alunos
acessá-lo.”;
demonstra que a metodologia utilizada tem
 “Gostei muito da metodologia
potencial e pode ser adotada como recurso
utilizada, dos materiais que foram
adicional para atender a Política de
disponibilizados e dos links sugestivos
Educação Permanente.
para estudo. Os vídeos também foram
importantes.”

REFERÊNCIAS Executivo, Brasília, DF, n. 162, 22 ago. 2007.


Seção 1.
[1] Brasil - Ministério da Saúde. Portaria n. [4] ______. Portaria GM/MS nº 278, de 27 de
710, de 10 de junho de 1999. Aprova a Política fevereiro de 2014. Institui diretrizes para
Nacional de Alimentação e Nutrição. Brasília (DF): implementação da Política de Educação
Diário Oficial da União, 1999. Permanente em Saúde, no âmbito do Ministério da
[2] BRASIL. Ministério da Saúde. Política Saúde (MS). Diário Oficial da União, Poder
Nacional de Alimentação e Nutrição.2.a edição Executivo, Brasília, DF, 28 fev. 2014. Seção 1, p.
revista. Brasília- DF. 2003 .Disponível em: 59-60.
https://extranet.who.int/nutrition/gina/sites/default/fil [5] Buss PM. Promoção e educação em
es/BRA%201999%20Pol%C3%ADtica%20nacional saúde no âmbito da Escola de Governo em Saúde
%20de%20alimenta%C3%A7%C3%A3o%20e%20 da Escola Nacional de Saúde Pública. Cad Saúde
nutri%C3%A7%C3%A3o.pdf. Pública. 1999; 15(2):177-85.
[3] BRASIL. Portaria GM/MS nº 1.996, de 20 [6] HASE, Stewart & KENYON, Chris. From
de agosto de 2007. Dispõe sobre as diretrizes Andragogy to Heutagogy Australia, Southern
para a implementação da Política Nacional de Cross
Educação Permanente em Saúde e dá outras [7] University, Melbourne, 2000.
providências. Diário Oficial da União, Poder
Educação no Século XXI - Volume 3
46

[8] TEIXEIRA, Gilberto. ANDRAGOGIA: A Angela Biancocini Trindade. São Paulo: Instituto
APRENDIZAGEM NOS ADULTOS. Disponível em: de Saúde, 2011.
.http://lecschool.com.br/v1/biblioteca/EDUAndrago [10] Plataforma Arouca. Distribuição dos
gi2.pdf. profissionais matriculados em Cursos do Sistema
[9] SEIXAS, P. H. D.A.; Considerações a UNA-SUS por unidade da Federação de atuação.
respeito das possibilidades e oportunidades de se [internet] Brasil: Universidade Aberta do Sistema
incorporar ações de EaD no Sistema de Educação Único de Saúde. (UNA-SUS); [atualizado em 01
Permanente para o SUS-SP. In: As tecnologias da Set 2015]. Disponível em:
Informação e Comunicação (TIC) no http://www.unasus.gov.br/page/una-sus-em-
Desenvolvimento de Profissionais do Sistema numeros/una-sus-em-numeros
Único de Saúde (SUS), organizado por Maria

Educação no Século XXI - Volume 3


47

Capítulo 7

Lina Sandra Barreto Brasil


Roberto Francisco Vianna
Alysson Feliciano Lemos

Resumo: O trabalho aborda os aspectos inovadores, tanto pedagógicos quanto


tecnológicos, no desenvolvimento da experiência educacional voltada para
gestores municipais de saúde de todo o Brasil, desenvolvida pela Universidade
Aberta do SUS (UNA-SUS) em parceria com o Conselho Nacional das Secretarias
Municipais de Saúde (CONASEMS) e financiamento do Ministério da Saúde, por
meio de Carta Acordo com a Organização Pan-Americana de Saúde/Organização
Mundial da Saúde (OPAS/OMS). A ação educacional tinha o objetivo de auxiliar
esses gestores, em seu último ano de mandato, a cumprirem com os compromissos
orçamentários, financeiros e fiscais de encerramento do exercício. As inovações
podem ser observadas já a partir do desenho da ação educacional, em formato de
sistema de apoio à decisão, levando em consideração que tanto os prazos exíguos
dos compromissos objetos da ação, como o perfil do público destinatário, exigiam
um desenho diferente dos cursos tradicionais ofertados na web. Nesse artigo serão
apresentadas as bases teóricas e os arranjos tecnológicos utilizados para
desenvolver e ofertar o curso online autoinstrucional denominado
Responsabilidades Gestoras no Último Ano de Mandato, voltado para gestores
municipais de saúde. Foram utilizados recursos pedagógicos como metáforas,
estilos de aprendizagem e comunidades de práticas para distribuir recursos
educacionais.

Palavra-chave: metáforas, comunidades de prática, estilos de aprendizagem,


formação gestores da saúde.

Educação no Século XXI - Volume 3


48

1.INTRODUÇÃO 269.144 profissionais já se certificaram nos


diversos cursos ofertados.
Na administração pública municipal,
especificamente da pasta da Saúde, os Ancorada nessa experiência educacional e na
secretários são premidos pelos prazos expertise de especialistas nas temáticas do
cotidianos de sua gestão, definidos em curso selecionados pelo CONASEMS, a
legislação e normativas. Dentre as quais, solução educacional para gestores
pode-se citar a captação de recursos, a municipais foi idealizada como um sistema de
prestação de contas, a alimentação de apoio à decisão, visando auxiliar os gestores
bancos de dados e prazos para prestação de municipais da saúde em seu último ano de
serviços. mandato a cumprirem com os compromissos
Para auxiliar esses secretários a monitorarem orçamentários, financeiros e fiscais do
e acompanharem os prazos de ações, o exercício.
Conselho Nacional das Secretarias Municipais
de Saúde (CONASEMS) tomou a iniciativa de
desenvolver, em parceria com a UNA-SUS, 2. OBJETIVOS
uma ação educativa online de âmbito
GERAL:
nacional. Essa ação educativa ficou a cargo
da Secretaria Executiva do Sistema Apresentar como os estudos sobre estilos de
Universidade Aberta do SUS (SE/UNA-SUS). aprendizagem, metáforas na educação e
O Sistema UNA-SUS foi instituído pelo comunidades de prática foram utilizados para
Decreto n. 7385/2010 com a finalidade de o desenvolvimento da solução educacional
atender às necessidades de capacitação e online para gestores municipais de saúde,
educação permanente dos trabalhadores do denominada “Responsabilidades Gestoras no
Sistema Único de Saúde (SUS), por meio do Último Ano do Mandato”, com o objetivo de
desenvolvimento da modalidade de educação auxiliá-los a monitorar e cumprir com os
a distância na área da saúde, ampliando a compromissos previstos em lei para o último
escala de ofertas por meio de Tecnologias de ano de mandato.
Informação e Comunicação (TICs) e
integrando ensino-serviço na área da atenção
básica. Desde a sua criação, mais de 866.430 3. ESPECÍFICOS:
profissionais da saúde que atuam
 Descrever como os estudos sobre
preferencialmente no SUS, se matricularam
estilos de aprendizagem podem apoiar na
em 172 cursos desenvolvidos e ofertados
exploração do perfil do usuário no desenho
pelas 35 Instituições de Ensino Superior que
da ação educacional;
integram a Rede UNA-SUS. Os cursos da
UNA-SUS estão presentes nas 27 Unidades  Descrever o uso de metáforas como
da Federação, 5.470 municípios e 435 regiões apoio à aprendizagem de adultos, no caso o
de saúde. aplicativo Agenda;
 Descrever a utilização de
O Sistema UNA-SUS tem como princípio o comunidades de práticas, no caso as salas
amplo acesso à educação continuada aos de debates online, como estímulo à
profissionais da saúde do SUS; que a aprendizagem colaborativa dos alunos do
aprendizagem é o ponto de partida da curso.
educação e não o ensino; que o
conhecimento é um bem público que deve
circular sem restrições e ser livremente 4. REFERENCIAL TEÓRICO
adaptado aos diferentes contextos. Os pilares 4.1 ESTILOS DE APRENDIZAGEM E PERFIL
que sustentam esses princípios são: a Rede DO ALUNO
colaborativa de Instituições de Ensino
Superior (http://unasus.gov.br/page/una- No contexto de ensino e aprendizagem da
sus/rede-una-sus/quem-compoe); o Acervo educação, inclusive a online, é um desafio
de Recursos Educacionais em Saúde (ARES) saber como as pessoas aprendem. Apesar de
(https://ares.unasus.gov.br/acervo/ ); o não haver certezas sobre os resultados das
Sistema de Informações sobre Trabalho e pesquisas realizadas nesta área,
Saúde (Plataforma AROUCA) especialmente quando se trata de
(https://arouca.unasus.gov.br/plataformaarouc aprendizagem de adultos, se aplicadas
a/Home.app). Atualmente a Plataforma tem o corretamente, estas teorias e seus
registro de 523.428, CPFs únicos. Ao total, instrumentos podem auxiliar na compreensão

Educação no Século XXI - Volume 3


49

dos fatores que contribuem ou não para o Esse estilo de aprendizagem ajudou a orientar
sucesso da aprendizagem (SMITH, 2002). o desenho educacional do curso, visando
O mapeamento do perfil do aluno para possibilitar a esse aluno virtual uma maior
desenhar cursos mediados por tecnologias autonomia sobre o seu percurso, permitindo
interativas a distância ou presenciais contribui que ele definisse o sequenciamento do
com o planejamento das estratégias de conteúdo conforme a sua preferência e/ou
aprendizagem a serem utilizadas, com o necessidade, customizando assim, sua
planejamento e arranjo de mídias que irão experiência de aprendizagem. Para isso, os
mediar a aprendizagem virtual, além de recursos midiáticos e a apresentação do
fornecer elementos para um sistema de conteúdo foram dispostos não linearmente,
avaliação da aprendizagem mais efetivo. Para ficando a critério do aluno a ordem e
Schnitman (2010) “Considerando que na preferência de como iria estudá-los.
educação online toda a interação ocorre
através de uma interface digital, conhecer
mais sobre as características individuais dos 4.2 METÁFORAS NA EDUCAÇÃO
alunos virtuais poderá possibilitar uma melhor
Aprender um assunto novo é sempre uma
mediação do processo de ensino e
experiência que exige alguma ancoragem por
aprendizagem. ”
parte do ensino com o intuito de apoiar o
Teorias identificando as características
processo de aprendizagem. Essa ancoragem
cognitivas de um aluno são alternativas para a
é costumeiramente feita por metáforas.
compreensão das diferenças individuais e
Segundo Gibbs (1994) “metáfora seria a
sua interferência na aprendizagem. Uma
transposição de traços entre dois domínios
dessas teorias é a que tem o foco nos estilos
conceituais distintos. Assim, um domínio
de aprendizagem, como a de Kolb (1984).
conceitual seria seletivamente entendido ou
A utilização do Modelo de Kolb (KOLB, 1984)
mapeado a partir de um outro domínio de
no ensino superior tem demonstrado que
conhecimento”.
ensinar alunos reconhecendo o seu estilo de
Assim, quando foi apresentada a
aprendizagem os ajuda a aprender melhor.
necessidade de se desenhar conteúdos
Programas em universidades americanas que
educacionais que apoiassem esses gestores
utilizaram o Modelo de Kolb ajudaram
municipais a cumprirem com suas obrigações
professores a compreender as diferenças
legais em seu último ano de mandato, e
individuais dos alunos, a respeitarem e
sabedores que a maior pressão que sofriam
explorar as preferências desses alunos, a
era o fator tempo, entendeu-se que entregar
fomentar a utilização de novas estratégias
uma ação educacional tradicional iria onerar
didáticas no planejamento de seus cursos
ainda mais esse fator. Então, seguindo a
(FELDER, 1996).
premissa que “quanto mais convencional for a
Na ação educacional objeto deste artigo, o
metáfora em questão, mais se aproximam os
planejamento definiu os objetivos de
processos de produção e compreensão e
aprendizagem e descreveu como os recursos
menos importantes se tornam o contexto e a
tecnológicos e didáticos seriam utilizados a
situação no processo de construção de
partir da análise do perfil dos gestores de
sentido” (GIBBS, 2002), uma metáfora sobre
saúde municipal, para quem o curso foi
tempo apresentou-se como a mais adequada,
desenvolvido. De acordo com referencial
sendo representada por uma agenda dos
teórico de estudos sobre o perfil do gestor
compromissos do último ano de mandato do
municipal de saúde, baseado principalmente
gestor, funcionando como um portal de
em Boniatti, 2012; Brito e Braga, 2010; Silva e
entrada para os outros recursos educacionais
Roquete, 2013, considerou-se no Modelo de
desenvolvidos.
Kolb (KOLB, 1984) um dos quatro tipos
Segundo Brito e Souza (2003), algumas
diferentes de estilos de aprendizagem desse
razões para o uso das metáforas na
modelo para classificar o perfil desse gestor
educação são: metáforas expressam o
municipal de saúde. O tipo de estilo escolhido
significado mais precisamente do que o
foi “Acomodadores – Pragmáticos”, cuja
equivalente não metafórico; metáforas
aprendizagem, segundo o autor, se dá por
convidam à interação, forçando os ouvintes a
ações (experiência ativa); possui habilidades
perceberem a semelhança entre os domínios
para fazer as coisas; corre riscos, tem
fonte e alvo; metáforas funcionam como
influência sobre outras pessoas e nos
clichês básicos, pelos quais os professores
acontecimentos através da ação das coisas.
transformam as imagens em modelos que

Educação no Século XXI - Volume 3


50

passam a fazer parte do repertório de outros


falantes. 6.RECURSOS UTILIZADOS
Estilos de aprendizagem e Perfil do aluno: a
4.3 COMUNIDADES DE PRÁTICA partir da análise do perfil dos gestores de
saúde municipais, definido a partir de estudos
Segundo Moran (2006), o uso de grupos de
sobre o perfil profissional e competências
discussão nas atividades educacionais
desse grupo e aliado ao tipo de estilo de
virtuais ainda é dominado por fóruns de
aprendizagem de Kolb (1984)
discussão sobre tópicos específicos
“Acomodadores – Pragmáticos”, foi possível
centrados no professor, na contramão do
planejar e desenvolver o curso orientado para
conceito de comunidade, que implica
uma maior autonomia do aluno sobre o seu
compromissos mais amplos e constantes do
percurso de aprendizagem, escolhendo o
que os de realizar tarefas isoladas, e exige
sequenciamento do conteúdo conforme a sua
modelos educacionais centrados nos alunos e
preferência e/ou necessidade. Para isso, os
na aprendizagem flexível pessoal e grupal.
recursos midiáticos e a apresentação do
O uso no curso da rede social, no sentido de
conteúdo foram dispostos não linearmente,
um espaço de trocas entre pares, neste caso
ficando a critério do aluno a ordem e
os gestores municipais de saúde, está
preferência de como iria estudá-los.
ancorado no conceito de comunidades de
A Metáfora no curso: para sustentar a
prática. Segundo Terra (2002), as
distribuição dos recursos educacionais de
comunidades de prática são formadas por
forma não linear e que representasse de
pessoas ligadas informalmente, assim como
forma literal os reais interesses do gestor para
contextualmente, por um interesse comum no
quem foi desenhado, optou-se pelo uso do
aprendizado e, principalmente, na aplicação
conceito do tempo como uma metáfora
prática. A ideia de utilizar comunidades de
representada por uma agenda das
prática em lugar de apoio de tutores teve
obrigações legais em seu último ano de
também o papel de chamar a atenção dos
mandato. No aplicativo Agenda, desenvolvido
gestores para o fato de que o conhecimento é
especialmente para o curso, cada
socialmente construído e se renova com as
compromisso marcado possuía uma breve
contribuições dos indivíduos que participam
descrição do seu escopo, um resumo das
da comunidade.
penalidades previstas pelo não cumprimento
do compromisso, e links para recursos de
5. METODOLOGIA aprendizagem, cujos objetivos eram auxiliar
os gestores a realizarem as ações
O desenvolvimento do curso foi via internet
necessárias para cumprirem o compromisso.
com momentos presenciais, onde os
Com isso, tanto a Agenda, como os recursos
parceiros CONASEMs e UNA-SUS
de aprendizagem assumiram um papel
compartilhavam ideias, debatiam
educacional no qual a Agenda ressaltava a
metodologias e estratégias de aprendizagem.
urgência do compromisso e as
Foi utilizada a plataforma online Basecamp
consequências de não o cumprir, e os
para a postagem de arquivos e debates. Para
recursos de aprendizagem auxiliavam o
aplicação da metáfora agenda foi
gestor a cumprir de forma correta todos os
desenvolvido um aplicativo com a função de
compromissos. Todos esses recursos foram
armazenar e distribuir os recursos de
baseados em situações-problema típicos do
aprendizagem e gestão da trilha dos gestores
cotidiano de trabalho dos gestores de saúde.
e que se ligava à Plataforma Arouca para
A partir dessas situações eram apresentadas
captar e enviar dados.
as soluções a serem aplicadas, baseadas em
legislação própria. Os recursos acessados
pela Agenda estavam disponíveis na web, de
5.1 APRESENTAÇÃO DO CURSO
forma gratuita, para os gestores municipais
Baseado nos referenciais teóricos aqui de saúde em todo o país acessá-los em
expostos, o curso autoinstrucional online qualquer horário e de forma autônoma.
denominado “Responsabilidades Gestoras no Comunidades de Prática: Para apoiar os
Último Ano do Mandato”, ofertado a gestores gestores, ajudando-os no cumprimento
municipais da saúde, foi baseado em três desses compromissos, foram criadas
pressupostos teóricos de aprendizagem: os comunidades de prática por meio de salas de
estilos de aprendizagem; a metáfora e as debates online com mediação de
comunidades de prática. profissionais de cada área temática,

Educação no Século XXI - Volume 3


51

preparados para mediar o diálogo entre os penalidades 9.073 vezes pelos usuários
gestores participantes do ambiente. matriculados, destacando os recursos
As temáticas abordadas pelo curso tanto na educacionais Gastos em Saúde, Gestão de
Agenda, quanto nos recursos educacionais e Pessoal e Execução pelo Fundo Municipal.
nas salas de debates foram: Lei Observou-se ainda, que 13,38 % dos
Complementar n. 141/12; Instrumentos de gestores acessaram as salas de debates,
Planejamento e Gestão; Responsabilidades num total de 3.311 visualizações, destacando
Orçamentárias e Fiscais; Condutas Vedadas o acesso à sala de debate Instrumentos de
Legalmente. Planejamento e Gestão, com o total de 1025
Cada uma dessas salas possuía cinco destas visualizações.
moderadores capacitados para atuarem no
O massivo acesso dos gestores
sentido de construírem comunidades de
exclusivamente à Agenda já era esperado,
aprendizagem, as quais visavam reduzir o
pois o recurso representava um resumo
isolamento do aprendiz e criar um espaço
comentado e baseado na legislação de todos
para a participação democrática no curso,
os compromissos do último ano de mandato
pois todas as vozes têm o mesmo peso.
do gestor. Sendo assim, o recurso foi utilizado
O papel dos moderadores visava apoiar a
como uma ferramenta de apoio para esses
presença social em primeiro lugar, ou seja, a
compromissos. Afinal, ele foi pensado
capacidade de os alunos/gestores formarem
também para cumprir essa função.
vínculos entre si e um entendimento de quem
O baixo acesso aos recursos de
é cada um como pessoa real, juntamente com
aprendizagem pelos gestores deve ser objeto
um forte sentido de inclusão. Essa presença
de análise mais detalhada em próximos
social se manifesta no apoio que cada
estudos, pois segundo informações de
membro da comunidade dá para o
técnicos que acompanham esse trabalho nos
surgimento da presença cognitiva, ou seja, do
municípios, há muitas dúvidas sobre como
entendimento dos temas propostos.
elaborar relatórios e preencher formulários
Avaliação da aprendizagem: o curso não
nos sistemas oficiais de prestação de contas,
tinha como propósito fazer avaliação somativa
justamente o que os recursos se propunham a
da aprendizagem nem de certificar os
ajudar a resolver. No entanto, tendo em vista
gestores. No entanto, todos os recursos de
que todos esses recursos estão disponíveis
aprendizagem construídos possuíam
no repositório da UNA-SUS, o ARES
avaliações formativas que permitiam àqueles
(https://ares.unasus.gov.br/acervo/), para
que desejassem, verificar seu nível de
consultas ou downloads de forma livre e
aprendizagem.
gratuita, ainda será possível aos gestores
acessá-los nessa plataforma, desde que isso
seja amplamente divulgado a todos.
7. CONSIDERAÇÕES FINAIS
Analisando os 13,95 % de participação de
O aplicativo foi acessado num total de 5.102 gestores nas salas de debate, se pode
vezes pelos 2.420 usuários individuais apontar alguns fatores que impactam esse
matriculados. Destes, 1.143 são gestores baixo índice. Um deles é a falta de prática
municipais de todo o Brasil, que tiveram suas dos gestores com uso de redes sociais para
matrículas habilitadas para acessar a ação consulta e apoio à decisão, muitos deles não
educacional, baseadas em cruzamento com o usam a rede nem mesmo para ações
Banco de Dados do SIOPS. cotidianas como governo eletrônico e home
Pela análise dos dados da plataforma de banking. Outro fator influente nessa questão,
oferta do curso, foi possível observar que é que não é fácil construir uma cultura do uso
houve um real interesse dos gestores em da rede em um curso com curtíssima
acessar o curso, tendo em vista que 1.143 duração, como foi o caso deste.
gestores tiveram suas matrículas habilitadas. Simplesmente não há tempo suficiente para
Se considerarmos que a base de dados que se estabelecer os laços de confiança e a
gerencia o cadastro nacional de 5.786 percepção dos diversos perfis das pessoas
gestores registrados estava bastante que dela participam.
defasada, fato que impediu que a maior parte Por outro lado, a atuação dos mediadores das
deles recebesse o convite para o curso, o comunidades se deu dentro do nível e limites
número de matrículas habilitadas foi da capacitação recebida, tendo em vista o
significativo. curto tempo de duração da oferta da ação
O aplicativo Agenda foi explorado nos itens educacional como fator relevante para
que apontavam os compromissos e suas aumentar a dificuldade para se apropriarem

Educação no Século XXI - Volume 3


52

dessa “cultura” de comunidade de práticas. A gestores de saúde, os dados dessa oferta


maioria deles vinha de uma prática tradicional apontam a necessidade de se explorar em
de tutoria, ou seja, estavam prontos a dar outras ações similares e de forma
respostas e não a estimular perguntas e sistematizada a utilização de métodos,
colaborações entre os participantes. Mesmo técnicas e estratégias apontadas pelos
assim, alguns gestores que aderiram às salas estudos publicados, analisando seus
de debate tentaram estimular o grupo a resultados e buscando respostas que
participar, fizeram perguntas interessantes e indiquem novos caminhos a serem trilhados
formularam algumas reflexões sobre suas na formação continuada dos gestores da
responsabilidades. saúde.
Considera-se que, como primeira experiência
educacional da UNA-SUS voltada para

REFERÊNCIAS
[1] Boniatti, J. Análise do perfil sócio [6] Moran, J. M; MASETTO, M.; BEHRENS, M.
profissional dos gestores do SUS da região do Alto Novas tecnologias e mediação pedagógica. 12.
Uruguai. 2012. Trabalho de conclusão de curso ed. São Paulo: Papirus, 2006.
(Especialista) - Escola de Administração, Curso de [7] Palloff, R. M.; PRATT, K. Construindo
Especialização em Gestão em Saúde UAB, comunidades de aprendizagem no ciberespaço:
Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Novo estratégias eficientes para salas de aula on-line.
hamburgo, 2012. Disponível Porto Alegre: Artmed Editora, 2002.
em:<https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10 [8] Schnitman, I.M. O perfil do aluno virtual e
183/67758/000870604.pdf?sequence=1>. Acesso as teorias de estilos de aprendizagem. In:
em: 10 maio 2017. SIMPÓSIO HIPERTEXTO E TECNOLOGIAS NA
[2] Brito, L.; BRAGA, J., Perfil ideal de EDUCAÇÃO (UFPE), 3, 2010, Pernambuco. Anais
competência profissional de gestores da área de eletrônicos.... Disponível em:
saúde. Revista de administração hospitalar e <https://www.ufpe.br/nehte/simposio/anais/simposi
inovação em saúde, v. 5, n. 5, p. 26-39, jul./dez. o2010.html>. Acesso em: 10 jul. 2016.
2010. [9] Silva, Y.; ROQUETE F. Competências do
[3] Brito, M.; SOUZA, A. C. As metáforas e gestor em serviços de saúde: análise da produção
sua relevância no processo de ensino científica, no período de 2001 a 201. Revista de
aprendizagem de língua estrangeira. Fragmentos, administração em saúde, v. 15, n. 58, p. 2-12,
Florianópolis, n. 24, p. 29-44, jan./jun. 2003. jan./mar, 2013.
[4] Gibbs JUNIOR, R. W. The poetics of mind: [10] Smith, M. K. Malcolm Knowles, informal
figurative thought, language, and understanding. adult education, self-direction and andragogy.
Cambridge: Cambridge University Press, 1994. Infed (the encyclopedia of informal education),
[5] Kolb, D. A. Experiential learning: 2002. Disponível em: <www.infed.org/thinkers/et-
experience as the source of learning and knowl.htm>. Acesso em: 25 abr. 2017.
development. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall, [11] Terra, J. C.; GORDON, C. Portais do
1984. conhecimento corporativo. São Paulo: Editora
Negócio, 2002.

Educação no Século XXI - Volume 3


53

Capítulo 8

Telma de Almeida Souza


Mônica Nogueira da Costa Figueiredo
Márcio da Silva Camilo

Resumo:Trata-se de um relato de experiência sobre a estratégia de mediação


desenvolvida para os cursos a distância do Instituto Nacional de Câncer, no
período de 2013 a 2016. O tutor EAD possui importante papel no processo ensino-
aprendizagem, contribuindo para diminuição da evasão, desenvolvimento da
autonomia e estímulo ao aluno. Em cursos a distância para a área da saúde, o
trabalho do tutor é essencial para que o aluno não se sinta isolado no processo e
desenvolva as habilidades necessárias, construindo a aprendizagem de forma mais
autônoma e ativa. A estratégia se organizou nos seguintes passos: Análise do perfil
dos alunos e dos tutores da instituição; Elaboração e implementação de oficinas de
capacitação para tutores EAD; Levantamento do índice de conclusão dos cursos; e
Avaliação. O conteúdo das oficinas abordou formas de comunicação em ambientes
virtuais, recursos do ambiente virtual, métodos de tutoria e experiência dentro do
ambiente virtual. Quanto ao perfil, os alunos do INCA são profissionais de saúde,
com nível de escolaridade médio e superior, que trabalham na assistência ao
câncer. Os tutores são profissionais do Instituto, de diversas categorias
profissionais. As oficinas capacitaram 61 tutores e sensibilizaram o corpo docente-
assistencial para a questão do uso das tecnologias para o ensino em saúde.
Reconheceu-se a importância da tutoria para melhorar o aprendizado e o índice de
conclusão e, assim, esta foi introduzida em todos os cursos. Após essa inserção, a
média de conclusão dos cursos aumentou de 36% para 76%. A estratégia, além de
estabelecer bases para a educação permanente dos profissionais do Instituto,
sensibilizando para a questão do uso das tecnologias nos processos educacionais
em saúde, vem produzindo um corpo docente mais qualificado para conduzir e
aprimorar as ações de ensino, que promovem a educação permanente de
profissionais em âmbito nacional e internacional, ressaltando o potencial da EAD
para o ensino em Oncologia.

Palavras-chave: Educação a Distância. Educação Permanente em Saúde. Tutoria.

Educação no Século XXI - Volume 3


54

1 INTRODUÇÃO 2 REFERENCIAL TEÓRICO


O Instituto Nacional de Câncer (INCA) iniciou O uso das tecnologias configura-se em
a oferta de cursos a distância em 2005, em importante recurso para a educação
parceria com a Fundação Oswaldo Cruz permanente, integrada aos locais de trabalho
(Fiocruz). Posteriormente, adotou o uso da e às expectativas e necessidades dos
plataforma Moodle para desenvolvimento de indivíduos. Segundo Belloni (2006) este uso
suas ações educacionais a distância. Porém, possibilita a superação da demanda de
somente a partir de 2013, o Instituto formação continua gerada pela obsolescência
estabeleceu uma equipe destinada ao acelerada da tecnologia e do conhecimento,
planejamento, implementação e gestão da tendendo cada vez mais a se tornar um
Educação a Distância (EAD). Esta equipe, elemento regular dos sistemas educativos. A
composta por profissionais das áreas de EAD deve ter como princípio orientador o
saúde, educação e tecnologia, buscou a ensino e a aprendizagem centrada no
capacitação por meio de cursos livres e estudante, criando condições de
cursos lato e stricto sensu na área de EAD aprendizagem e de maior autonomia, com o
para aprimorar o trabalho desenvolvido. uso de metodologias ativas (BELLONI, 2006).
O INCA tem como uma de suas missões a A tutoria em cursos a distância é
qualificação de profissionais de saúde e caracterizada pela ação docente mediadora,
áreas afins para a prevenção e controle do que impulsiona e guia o aluno nas atividades
câncer no país. Neste âmbito, seu programa didáticas, de forma dialógica e
de ensino contempla diversos temas problematizadora. Esta mediação proporciona
relacionados ao câncer e destinados a uma troca de conhecimentos e experiências,
variadas categorias profissionais, como levando o aluno a construir sua aprendizagem
medicina, física-médica, enfermagem, de forma mais autônoma e ativa (BARION,
fisioterapia, psicologia, nutrição, serviço 2012). Segundo a autora, na tutoria online o
social, farmácia, abrangendo profissionais de tutor deve coordenar as discussões e
nível de escolaridade médio e superior. trabalhos em grupo, motivar os estudantes,
problematizar os temas propostos, mobilizar
Considerando a necessidade de superar
os conhecimentos prévios dos alunos,
barreiras geográficas em um país com
fornecer feedback de desempenhos e motivá-
dimensões continentais como o Brasil, bem
los a desenvolver as habilidades necessárias
como limitações temporais e financeiras de
dentro do processo de aprendizagem. A
acesso à educação, cada vez mais o INCA
mediação pedagógica exige recursos
utiliza as tecnologias educacionais interativas,
tecnológicos, saberes técnicos e
para complementar os processos de ensino e
competências e ganhou um forte incentivo
possibilitar o contato com outros centros e
com a incorporação das Tecnologias de
com profissionais de diferentes localidades
Informação e Comunicação (TIC) e o
e/ou regiões mais remotas.
desenvolvimento dos Ambientes Virtuais de
Neste contexto, ressalta-se a importância do Aprendizagem (AVA) (BARION, 2012).
papel do professor-tutor em EAD, profissional
Assim, o trabalho desenvolvido pelo tutor é
responsável por mediar o processo de
um dos principais pilares que sustentam o
ensino-aprendizagem a distância. O tutor tem
adequado funcionamento da EAD,
como função manter o aluno ativo,
possibilitando que o aluno não se sinta
participante e motivado, contribuindo para a
isolado no processo de ensino aprendizagem,
diminuição da distância transacional entre
mesmo estando separado fisicamente dos
aluno e professor. Sendo a tutoria um dos
colegas e do professor.
pilares da EAD, é essencial que o tutor esteja
qualificado para exercê-la, principalmente em O tutor deve diminuir as distâncias e fazer a
ações ligadas à complexidade do processo aproximação do aluno com o material e com
de trabalho em saúde, como o ensino em os outros alunos. Segundo Andrea Velloso et
oncologia. Nesse trabalho, abordamos al (2013) o papel do professor-tutor é
questões sobre a importância do professor- fundamental nos cursos a distância, ele é o
tutor para o processo de ensino- responsável por garantir a inter-relação
aprendizagem e, também, questões práticas personalizada e contínua dos estudantes com
sobre o processo de desenvolvimento da o sistema. Elas colocam que a ação do tutor
mediação tutorial nos cursos do INCA. viabiliza a articulação necessária entre os
elementos do processo educativo e os

Educação no Século XXI - Volume 3


55

objetivos propostos. quanto à importância da interatividade entre


Segundo Belloni (2001), o professor tutor tem educador e aluno, bem como entre os alunos
um papel de parceiro dos estudantes no no processo de ensino (ABED, 2012).
processo de construção do conhecimento,
Segundo reportagem do site da ABED,
orienta o aluno em seus estudos relativos à
publicada em 2009, os índices de evasão em
disciplina pela qual é responsável, esclarece
cursos a distância, entre 2007 e 2008,
dúvidas e explica questões relativas aos
estavam em torno de 70% (ABED, 2017).
conteúdos da disciplina; em geral participa
Santos et al (2008) afirmam que a falta de
das atividades de avaliação.
tutoria é uma das causas de evasão em
A tutoria pode ser caracterizada como cursos a distância e sugerem a capacitação
motivacional, com o acompanhamento do do professor-tutor como uma estratégia de
percurso do aluno no curso, incentivando a prevenção da evasão, facilitando a
realizar as atividades e a finalizar dentro dos interatividade entre professores e alunos e
prazos do curso; de esclarecimento de privilegiando ações que promovam e
dúvidas, tanto de acesso e tecnológicas, favoreçam o “estar junto” virtual.
quanto de conteúdo, e também como
Em 2010, o governo federal através do
socializadora, de forma a promover a
Ministério da Saúde instituiu o Sistema
interação entre alunos e professores no
Universidade Aberta do SUS (UNASUS). Este
ambiente virtual, por meio de chat, fórum, web
sistema foi criado para atender à demanda de
e videoconferências, entre outros recursos.
capacitação e educação permanente dos
Conforme Tecchio et al (2009, p.11), no
profissionais de saúde que atuam no SUS.
processo de EAD, é necessário que os tutores
Segundo Abreu e Lima e Alves (2011), uma
possuam uma ampla quantidade de
das premissas da universidade aberta é
competências, uma vez que seu papel é fator
investir em um modelo dialógico de ensino
fundamental no desempenho do curso.
para o acompanhamento dos conteúdos,
As trocas mediadas proporcionam a sendo que “[...] uma das interações existentes
construção dos saberes. Um bom mediador neste processo é o feedback entre tutor e
participa pouco, mas com presença ativa, estudante” (ABREU E LIMA; ALVES, 2011, p.
permitindo que os alunos façam suas 190).
considerações e coletivamente cheguem às
O ensino em oncologia requer o uso de
suas próprias conclusões. O papel do tutor
metodologias, planejamentos e recursos que
virtual é permitir estes caminhos, orientando
levem em conta a superação de barreiras
os alunos e fazendo a condução das
geográficas, temporais e financeiras, bem
informações e conhecimentos apresentados
como a complexidade do trabalho em saúde.
pelo grupo. Para Flemming et al (2005) o tutor
Vargas et al (2016) falam da responsabilidade
tem a capacidade de gerar e/ou manter laços,
do SUS na formação de seus profissionais e
formando uma rede de comunicação aberta
citam em seu artigo a importância da
entre os participantes, promovendo a
utilização da EAD nessa qualificação pelo
socialização das ideias e permitindo uma
país. Apontam que a modalidade a distância
construção coletiva e o compartilhamento de
não deve ser considerada uma alternativa, e
saberes em comum. Gatti (2003) considera o
sim um novo método para ensinar e aprender,
tutor como um elo privilegiado de
tendo em vista que não se restringe apenas à
comunicação, enfatizando seu papel na
transmissão de conhecimento, eliminação de
criação de laços sociocognitivos, afetivos e
barreiras geográficas ou formação de um
motivacionais, entre o programa e sua
grande número de pessoas.
proposta, entre professores e alunos e entre
os alunos e o material didático. Desta forma, é essencial que os cursos de
educação a distância na área da saúde
Conforme o levantamento de dados
tenham tutores capacitados e qualificados
estatísticos sobre a realização de programas
para exercer o ensino, a motivação e a
de aprendizagem a distância no Brasil,
orientação de forma efetiva, incentivando a
realizado pela Associação Brasileira de
colaboração e a interatividade e favorecendo
Educação a Distância (ABED) em 2012, a
o processo de ensino-aprendizagem.
maioria das instituições formadoras prevê a
interação educador e educando e deste com
seus pares durante a execução dos cursos a
distância. Isso indica que há uma
preocupação por parte dessas instituições

Educação no Século XXI - Volume 3


56

3 O DESENVOLVIMENTO DA ESTRATÉGIA cursos a distância, introduzindo-se a figura do


DE MEDIAÇÃO TUTORIAL tutor em todos os cursos.
3.1 AVALIAÇÃO PRÉVIA COMO BASE PARA
INTERVENÇÃO
3.2 ESTRUTURAÇÃO DA ESTRATÉGIA
A partir da institucionalização de uma equipe
A fim de basear a introdução de tutoria nos
responsável pelo desenvolvimento das
cursos a distância do INCA, a equipe de
atividades de EAD, houve a necessidade de
educação a distância delineou as etapas da
avaliar os processos em andamento, a fim de
estratégia a ser desenvolvida. Primeiramente,
conhecer os principais pontos de atuação.
analisou o perfil dos alunos e dos potenciais
Elegeu-se, para avaliação prévia, o curso de
tutores dos cursos da instituição. Os
maior procura, oferecido pela instituição na
resultados dessa análise apontaram que os
modalidade EAD. Esse curso era oferecido no
alunos do INCA são, em sua maioria,
formato autoinstrucional, sem tutoria. Após
trabalhadores da saúde, com nível de
cálculo de amostra do número de
escolaridade médio e superior, que exercem
participantes do curso, foi realizada análise
atividade na rede de atenção à saúde das
dos seguintes itens: tempo entre início e
pessoas com doenças crônicas no âmbito do
conclusão do curso; navegação no conteúdo
SUS, em um dos três níveis de atenção
do curso; comentários dos alunos no
(primária, secundária e terciária), nas diversas
questionário de opinião; índice de
regiões do país. O perfil dos alunos foi
evasão/conclusão. Não é objeto deste
avaliado para conhecer melhor o público-alvo
trabalho descrever todo o levantamento
dos cursos e basear o planejamento da
prévio realizado, mas demonstrar uma das
capacitação dos tutores, a fim de alinhar esse
questões que motivou a elaboração e
processo às demandas dos alunos de forma
implementação da estratégia de mediação
mais adequada.
tutorial descrita neste estudo.
Os potenciais tutores dos cursos a distância
Após análise dos dados, chegou-se às
do INCA são profissionais de saúde do
seguintes conclusões: o índice de evasão no
próprio Instituto, de diversas categorias
curso em 2012 foi de 74%. Apenas 3,6% dos
profissionais (médicos, enfermeiros, entre
participantes que emitiram certificado de
outros). Eles possuem vasto conhecimento
conclusão realmente navegaram por todas as
nos temas específicos de cada área, além de
páginas do curso e realizaram as atividades
prática em docência, porém, a maioria não
até sua conclusão, com tempo compatível
tinha muita experiência com atividades de
com a carga horária do referido curso. A
educação a distância. Esses profissionais
maioria dos alunos navegou pelas primeiras
possuem uma demanda muito grande de
unidades e foi direto para a avaliação final a
trabalho em suas funções
fim de conseguir finalizar e obter certificação.
assistenciais/gerenciais dentro do Instituto.
Dentre os comentários analisados, foram
Há, também, dificuldade desses profissionais
citadas dificuldades de acesso, dúvidas
disponibilizarem tempo para dedicação às
relacionadas à tecnologia e ao conteúdo e
atividades de ensino, por não terem uma
falta de estímulo.
carga horária específica destinada a essa
O objetivo das ações educacionais do atividade. Como na maioria dos processos de
Instituto é que o profissional entre em contato inovação nas instituições, havia um grande
com o conteúdo ofertado, compreenda desconhecimento e resistência por parte de
conceitos, procedimentos e técnicas, atualize alguns profissionais em assumir o papel de
seus conhecimentos e amplie seus horizontes tutor a distância.
para a melhoria das práticas em saúde, e não
Uma segunda etapa da estruturação foi a
apenas uma simples certificação. A literatura
elaboração do planejamento de oficinas de
científica demonstrou que o trabalho do tutor
capacitação pedagógica e tecnológica para
pode contribuir para a diminuição da evasão,
tutores EAD. Diante do perfil analisado, as
estimular a continuidade no curso e auxiliar
oficinas foram planejadas de forma a
nos aspectos negativos que foram citados,
considerar os compromissos dos profissionais
como falta de estímulo e dificuldade de
envolvidos, com uma carga horária que fosse
acesso dos alunos. Baseando-se na literatura
possível cumprir, conciliando com as demais
e nos resultados encontrados na avaliação,
atividades deste profissional. Portanto, a
decidiu-se alterar a lógica de oferta dos
oficina apresenta um programa completo,
porém ministrado com abordagem objetiva,

Educação no Século XXI - Volume 3


57

oferecendo material estimulante e questões


que os instiguem a continuar participando do
4 PRINCIPAIS RESULTADOS
processo com entusiasmo. Acreditava-se,
também, que a difusão do conhecimento No período de 2013 a 2016 as oficinas
sobre o assunto possibilitaria um melhor capacitaram 61 tutores para atuarem nos
entendimento e a superação das resistências cursos oferecidos pelo INCA. Atualmente são
encontradas. 16 cursos oferecidos a distância, todos com
suporte do tutor EAD.
As oficinas de capacitação foram organizadas
de forma presencial, com carga horária de 12 A inserção de tutoria em todos os cursos a
horas, também com realização de atividades distância, a partir de 2013, foi realizada em
online para possibilitar aos tutores a virtude do alto índice de evasão em curso
experiência dentro do ambiente virtual. Foi autoinstrucional e do reconhecimento da
criada no Instituto uma sala de tutoria, importância do papel do tutor em cursos a
equipada com computadores e rede de distância. Após esta inserção, levantamentos
internet que possibilitou, além de um espaço anuais do índice de conclusão nos cursos a
adequado para capacitação destes distância foram realizados, para aferir a
profissionais, um local destinado para a hipótese proposta. Acreditava-se que o tutor
realização da tutoria dos cursos a distância. O poderia motivar o aluno no processo de
conteúdo das capacitações envolveu o ensino em oncologia, auxiliando-o em suas
conhecimento sobre competências dificuldades de acesso e dúvidas sobre o
pedagógicas, tecnológicas e gerenciais do conteúdo, estimulando-o a dar continuidade
tutor, ferramentas utilizadas na EAD, ao curso, a realizar as atividades e cumprir os
importância da clareza na comunicação prazos, diminuindo assim o índice de evasão.
escrita, princípios da netiqueta, referenciais
No período avaliado, os índices de conclusão
de qualidade em EAD, construção de
nos cursos aumentaram progressivamente de
mensagens motivacionais e recursos do AVA.
36% para 76% (tabela 1), confirmando que a
Fazendo uso de uma metodologia tutoria contribuiu de forma significativa para o
problematizadora, a oficina colocou os tutores aumento da taxa de conclusão dos cursos a
em contato com solução de situações- distância.
problemas mais recorrentes no exercício da
tutoria. A capacitação direcionou o tutor para
o ensino com foco no aluno e na qualidade.
Tabela 1 – Percentual total de concluintes dos cursos a distância do INCA, por ano, no período de
2013 a 2016.

Percentual de 2013 2014 2015 2016


Concluintes por ano 36% 49% 65% 78,7%
Fonte: Núcleo de Educação a Distância. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva, 2016.

Além de contribuir para a qualificação de virtual, com atualização da plataforma Moodle


tutores na instituição, as oficinas e com a programação de interfaces mais
sensibilizaram o corpo docente-assistencial atrativas e amigáveis para alunos e
para a questão do uso das tecnologias para o professores.
ensino em saúde. Novas equipes do Instituto
buscam desenvolver o ensino mediado por
tecnologias para aprimorar seus processos 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS
de qualificação pelo país, havendo
Concluiu-se que o trabalho do tutor em cursos
atualmente em produção mais dez projetos
a distância na área oncológica mostrou-se de
de cursos ou módulos a distância de apoio
extrema importância para a diminuição do
aos cursos presenciais.
índice de evasão, contribuindo para o
Outra medida importante, em fortalecimento das ações educacionais
desenvolvimento a partir do final de 2016, que promovidas pelo Instituto Nacional de Câncer.
também poderá contribuir para o aumento
A estratégia descrita nesse trabalho, foi
das taxas de conclusão nos cursos a
essencial para sensibilizar os profissionais
distância, é a remodelação do ambiente

Educação no Século XXI - Volume 3


58

para a questão do uso das tecnologias nos É importante ressaltar que esse processo
processos educacionais em saúde e produzir deve estar em constante análise e
um corpo docente mais qualificado para permanente evolução, para acompanhar as
conduzir e aprimorar as ações de ensino do inovações tecnológicas e pedagógicas,
INCA. A melhoria crescente nos processos de reconhecendo que é necessário o
qualificação profissional, demonstra ainda a investimento contínuo em planejamento
importância da EAD para o ensino em educacional, qualificação profissional,
Oncologia. metodologias e recursos.

REFERÊNCIAS /678/2005/
11/monitorias_e_tutorias_um_trabalho_cooperativo_
[1] Abed. Censo EAD Brasil 2012. Disponível na_educacao_a_distancia_. Acesso: 16 abril 2017.
em: <http://www.abed.org.br/censoead/ [8] Gatti, B. Formação continuada de
censoEAD.BR_2012_pt.pdf> Acesso: 1 set. 2014. professores: a questão psicossocial. Cadernos de
[2] ____. Site ABED. Pesquisa, São Paulo, n.119, 191-204, 2003.
http://www.abed.org.br/site/pt/midiateca/clipping_a Disponível em: http://www.scielo.br/
bed/916/estudantes_ scielo.php?pid=S0100-
de_cursos_a_distancia_dobraram_em_um_ano. 15742003000200010&script=sci_abstract&tlng=pt.
2009. Acesso: 25 abril 2017. Acesso: 16 abril 2017.
[3] Abreu e Lima, D.M.; Alves, M.N. O [9] Santos, E.M.; Tomotake, M.E.; Neto,
feedback e sua importância no processo de tutoria J.D.O.; Cazarini, E.W.; Araújo, E.M.; Oliveira, S.R.M.
a distância. Pro-Posições, Campinas, v. 22, n. 2 Evasão na Educação a Distância: identificando
(65), p. 189-205, maio/ago. 2011. Disponível em: < causas e propondo estratégias de prevenção.
http://www.scielo.br/pdf/pp/v22n2/v22n2a13.pdf>. 2008. Disponível em:
Acesso: 16 abril 2017. http://www.abed.org.br/congresso2008/
[4] Barion, Eliana Cristina Nogueira. O tc/511200845607PM.pdf. Acesso: 16 abril 2017.
professor-tutor, as TIC e os alunos no cenário da [10] Velloso, Andrea; Lannes, Denise; Barros,
EAD: vozes e tensões. SP: CUML, 2012. 199f. Solange. O Papel do Tutor na EaD. Tutoria a
Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro Distância: diferentes funções, diferentes
Universitário Moura Lacerda. Ribeirão Preto, 2012. competências. 2013. Disponível em:
[5] Belloni, Maria Luiza. Educação à <www.educacaopublica.rj.gov.br/biblioteca/educa
distância. 2ª edição. Campinas, SP: Autores cao/0407.html>. Acesso: 16 abril 2017.
Associados, 2001. [11] Vargas, F.M.A.; Trindade, M.C.N.;
[6] _______. Educação a distância. Gouveia, G.D.A.; Farias, M.R. A educação a
4.ed.Campinas: Autores Associados, 2006. distância na qualificação de profissionais para o
[7] Flemming, D.M.; Luz, E.F.; Luz, R.A. Sistema Único de Saúde: metaestudo (2016).
Monitorias e Tutorias: Um Trabalho Cooperativo na Disponível em:
Educação a Distância. 2005. In: Associação http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&
Brasileira de Educação a Distância (ABED). pid=S1981-77462016000300849#B4. Acesso: 25
Disponível em: abril 2017.
http://www.abed.org.br/site/pt/midiateca/textos_ead

Educação no Século XXI - Volume 3


59

Capítulo 9

Elaine Grebogy
Luana Priscila Wunsch
Rodrigo Otávio dos Santos

Resumo:Os alunos, nativos digitais, estão chegando no Ensino Fundamental com


competências criativas e tecnológicas bastante apuradas. Contudo, vê-se que
ainda existe um longo caminho pela frente, de forma que os professores devem
saber atuar com os mesmos. Trazer as TIC (tecnologias de informação e
comunicação) para a realidade da sala de aula seria uma das alternativas.
Mas, como trabalhar com a inserção de ferramentas tecnológicas nesse nível de
ensino sem a formação adequada dos professores? Impossível. Assim, é
destacada a relevância de pensar em ações formativas mais contextualizadas com
o cenário do professor.
Com as bases do Design de Interação, o presente artigo pretende propor reflexões
acerca da formação continuada, as quais devem ser pensadas de acordo com a
necessidade do usuário - neste caso, do professor - que atua diretamente na ponta,
em sala de aula. Para que isso ocorra, é fundamental mapear a realidade em que
esse profissional está inserido e conhecer suas necessidades previamente para se
propor tais formações. Envolver o professor no processo, ouvi-lo antes, durante e
depois seria a proposta desta reflexão.
Nesse cenário, uma proposta de formação tem muito mais chances de ser eficaz,
diferente de muitas opções “prontas” que, muitas vezes, são oferecidas aos
professores de maneira padronizada, sem levar em consideração os usuários, as
realidades e os contextos.

Palavras-chave: Design de interação; Formação continuada; TIC.

Educação no Século XXI - Volume 3


60

1. INTRODUÇÃO científico, ou dos conteúdos, em nível


pedagógico e tecnológico.
O design de interação não é explicado como
a maioria das palavras que encontramos no
2. TEORIA E PRÁTICA DE ENSINO
dicionário. Ele não é um produto, um objeto
físico, mas sim um conceito. O bom design de Um dos principais desafios da formação de
interação encontra-se disfarçado em meio à professores é a articulação entre teoria e
filosofia do design centrado no usuário, prática. Muitos profissionais saem da
estudo que consiste em envolver o público- universidade com o domínio do conteúdo,
final de um produto em todo o decorrer do mas com pouca base didática e práticas de
seu processo de desenvolvimento. ensino necessárias para atuação. Outros que
A preocupação central do design de já lecionam há mais tempo e dominam essa
interação é projetar produtos interativos que base didática podem apresentar dificuldades
sejam de fácil aprendizagem, eficazes no uso em integrar novas tecnologias e metodologias
e capazes de proporcionar ao usuário uma às suas aulas, ainda que essa integração
experiência gratificante. Um excelente ponto signifique uma aproximação com a realidade
de partida do entendimento a respeito da dos atuais alunos.
área, segundo Preece, Rogers e Sharp Segundo Valente, “deve haver consenso em
(2005), é a comparação entre bons e maus dominar as técnicas necessárias ao uso da
exemplos de design, pois, através da tecnologia e ao conhecimento pedagógico”
especificação de pontos fracos e fortes de (Valente, 2005, p. 20), isto é, de nada adianta
produtos e sistemas interativos, passa-se a ter a pedagogia, a didática de um professor e
compreender a definição de algo usável ou não dominar essa área da tecnologia e vice-
não. versa. Com efeito, essas práticas devem
Ao se utilizar os princípios do design de caminhar paralelamente à aquisição desses
interação, exige-se que se leve em conta o conhecimentos.
usuário que irá utilizá-lo (neste caso, os A integração da tecnologia na sala de aula
professores) e o local onde ele será utilizado exige uma correlação entre o conteúdo, a
(o contexto da escola onde será aplicado). pedagogia, a tecnologia e o contexto em que
A abordagem do design centrado no usuário, a aula está inserida. Ao pensar nessa
introduzida inicialmente por Donald Norman, integração, Mishra e Koehler (2006)
preocupa-se em formar bases para se evitar apresentam um referencial teórico que
situações de confronto entre o usuário e o denominaram de Technological Pedagogical
produto do design. Norman (1988) define que Content Knowledge (TPACK), tendo como
a abordagem do design centrado no usuário premissa base a combinação ideal entre as
tem como princípio uma filosofia baseada nas TIC e o currículo (Figura 1).
necessidades e nos interesses do usuário, Em termos teóricos, o TPACK resulta da
com ênfase na criação de produtos utilizáveis interseção de três tipos diferentes de
e compreensíveis. conhecimento: o PCK (Pedagogical Content
Nesta proposta, utilizamos como exemplo um Knowledge), que é a capacidade de ensinar
curso de formação continuada para um determinado conteúdo curricular; o TCK
professores que lecionam no ensino (Technological Content Knowledge), que
fundamental I, ou seja, do primeiro ao quinto corresponde à seleção dos recursos
ano, para uso ou inserção de recursos tecnológicos mais adequados para comunicar
tecnológicos em sala de aula. um determinado conteúdo curricular; e o TPK
Para justificar a importância da inserção de (Technological Pedagogical Knowledge), que
tecnologias em sala, utilizamos como ponto se destina a saber usar esses recursos no
de partida o referencial do TPAK processo de ensino e aprendizagem. No
(Technological Pedagogical Content centro do TPACK está a dinâmica entre
Knowledge), que tem como premissa base a conteúdo, pedagogia e tecnologia. Logo, um
combinação ideal da integração das TIC ao ensino com tecnologia eficaz exige a
currículo. O objetivo é uma mistura compreensão das relações de reforço mútuo
balanceada de conhecimentos em nível entre esses três elementos em conjunto.

Educação no Século XXI - Volume 3


61

Figura 1: O quadro TPACK e os seus componentes do conhecimento (KOEHLER; MISHRA, 2009).

3. FORMAÇÃO CONTINUADA Proinfantil e o Parfor (Plano Nacional de


Formação de Professores para Educação
Falar em educação de qualidade sem se
Básica). Outros, por sua vez, visam melhorar
preocupar com os profissionais que nela
o processo de alfabetização, de leitura e
estão inseridos seria utopia. A atuação do
escrita, como o PNAIC e o Proletramento no
docente na contemporaneidade precisa
ensino fundamental I e Gestar II no ensino
atender a necessidade dos mais variados
fundamental II. Há ainda aqueles que
tipos de alunos.
incentivam o uso didático-pedagógico das
A formação inicial, seja do magistério ou da
tecnologias da informação e comunicação
pedagogia, e a formação continuada
(TIC) no cotidiano escolar, como o Proinfo
precisam ser aperfeiçoadas constantemente.
Integrado, e os de meios virtuais de
Novas metodologias e novas tecnologias
aprendizagem a distância, como o e-Proinfo.
surgem com frequência, o que torna um
No entanto, esses cursos padronizados, na
desafio manter-se atualizado. Além desse
maioria dos casos, não conseguem atender a
desafio, surge também a dificuldade de se
necessidade dos mais diversificados públicos
colocar em prática tudo o que se aprendeu na
e profissionais. Nessa situação, a diferença
teoria e dentro de diferentes contextos. Daí a
estaria nas formações centradas nas
importância de se repensar e de transformar a
necessidades dos usuários (professores) e
formação do professor, pois este é figura
nos princípios do design de interação.
fundamental no atendimento das
A formação continuada proporciona ao
necessidades dos alunos e da sociedade
professor reflexões sobre sua prática,
contemporânea.
discussão entre pares, trocas de
A formação continuada de professores
experiências. Além disso, apresenta novas
permite o aperfeiçoamento da prática
formas de ensinar, de pesquisar, de
pedagógica que, como consequência,
reconstruir seu saber, condições tão
melhora o processo de ensino e
necessárias para uma inovação em sua
aprendizagem, e a qualidade da educação.
prática pedagógica. Zabalza (2004) aponta
Atualmente, o Ministério da Educação (MEC)
ser necessário insistir exaustivamente em uma
oferece vários cursos de formação
formação que sirva para qualificar as
continuada, entre eles os que pretendem
pessoas, a fim de atingir um desenvolvimento
qualificar profissionais atuantes e que não
pessoal, de conhecimentos e de
possuem graduação específica, como o
competências. Todo esse processo acaba

Educação no Século XXI - Volume 3


62

por resultar em uma visão mais ampla de


mundo, com ações mais autônomas. O autor pontua, obrigatoriamente, os
Ao considerar toda essa importância de aspectos da boa usabilidade em qualquer
formação continuada, faz-se necessário tipo de produto que o design se propõe a
planejar cursos de maneira personalizada, realizar. Ao adotar essa abordagem como
atrelados à realidade de cada procedimento de projeto, as equipes de
escola/professor. Somente assim é possível design passam a preocupar-se em gerar e
que eles se tornem mais eficazes, tenham boa desenvolver soluções mais fáceis de serem
usabilidade e, como consequência, os compreendidas, usadas e manuseadas,
usuários tenham boa aprendizagem. independentemente do tipo de produto a ser
projetado, seja ele tangível ou intangível,
4. PRINCÍPIOS DE DESIGN E USABILIDADE tendo como foco os fatores a respeito do
usuário e dos seus cenários de uso.
Vários princípios já foram desenvolvidos,
Sobre isso, Donald Norman define algumas
sendo os mais famosos aqueles que
diretrizes em nome da boa usabilidade, como
determinam as ações dos usuários durante a
tornar as ações mais simples de serem
realização de tarefas. Os princípios descritos
executadas; mais visíveis, de forma que o
a seguir estão baseados na obra de Donald
usuário não tenha dúvidas em relação ao que
Norman (2006), O Design do dia a dia, onde o
deve ser feito; evitar instruções, manuais ou
autor aborda sua experiência na observação
etiquetas que forneçam informações a
de usuários e suas experiências frustradas na
respeito de como interagir perante os
utilização de objetos.
produtos.
Uma das maneiras de explicar a usabilidade
1. Visibilidade: quanto mais visíveis
é através dos chamados princípios de design,
forem as funções do sistema, mais os
que é a mistura de conhecimentos baseados
usuários saberão o que fazer;
em teorias, experiências e senso comum,
2. Feedback: refere-se ao retorno que o
destinados a orientar os designers sobre seus
usuário recebe após suas ações, permitindo
trabalhos, sugerindo o que deve e não deve
que ele continue suas atividades;
ser feito. No entanto, os princípios nunca
3. Restrições: diz respeito à
estabelecem os padrões de como deve ser
especificação das áreas e funções que o
realizado um projeto de design.
usuário pode utilizar, desativando opções
Nesse caso, entendamos como projeto a
impossíveis ou, em casos de sites ou
formação continuada para o uso de
softwares, sombreando botões que não
tecnologias em sala de aula. A importância de
podem ser clicados;
não estabelecer padrões nesse tipo de
4. Mapeamento: diz respeito à relação
proposta é uma tentativa de atender as
entre os controles e seus efeitos, geralmente
diferentes necessidades que surgem em uma
seguindo uma convenção, como no caso dos
mesma escola.
botões de controle de som;
As metas de usabilidade definidas por
5. Consistência: diz respeito à projeção
Preece, Rogers e Sharp (2005, p. 35-37) são
de interfaces que possuam operações
as seguintes: ser eficaz no uso (eficácia); ser
comuns entre si, utilizando elementos
eficiente no uso (eficiência); ser segura no
semelhantes para a realização de tarefas
uso (segurança); ser de boa utilidade
parecidas;
(utilidade); ser fácil de aprender (learnability);
6. Affordance: refere-se ao atributo de
ser fácil de lembrar como se usa
um objeto que permite às pessoas saber
(memorability). Esses conceitos podem ser
como utilizá-los, ou seja, significa “dar uma
observados na Figura 01 a seguir:
pista” (NORMAN, 2006).

Educação no Século XXI - Volume 3


63

Figura 01: Metas de Usabilidade. Adaptado de Preece, Rogers e Sharp (2005).

Fonte: FILHO (2012)

Um objeto educacional deve garantir boa de boa usabilidade. A Figura 02, na página a
experiência por apresentar boa usabilidade, seguir, representa esse silogismo (FILHO,
já que proporciona boa aprendizagem a partir 2012).

Figura 02: Silogismo: boa usabilidade garante boa aprendizagem por ter boa usabilidade

Fonte: FILHO (2012)

A fim de melhor compreender esse silogismo,  Considerar quais alternativas poderão ser
existem ainda outros fatores importantes que colocadas, a fim de prestar auxílio aos
devem ser observados, segundo os autores usuários diante de atividades que eles
Preece, Rogers e Sharp (2005): ainda não conhecem;
 Pensar no que pode proporcionar
 Considerar no que seus usuários são experiências de qualidade aos usuários;
bons ou não (os professores);  Ouvir os usuários e envolvê-los no design;

Educação no Século XXI - Volume 3


64

 Utilizar técnicas baseadas no usuário que dedicada a ele. Isso graças à importância
sejam testadas e aprovadas durante o dada ao entendimento das atitudes e reações
desenvolvimento do produto. dos usuários finais sobre cada um dos
produtos.
5. METODOLOGIA O resultado da união de tantas pessoas, com
formações diferentes em um mesmo
Por meio de uma revisão bibliográfica sobre o
processo, corresponde a mais ideias
tema, surgiu a proposta de uma formação
geradas, novos métodos sendo
continuada centrada nas necessidades do
desenvolvidos e designs de maior qualidade,
professor e que priorize a inserção ou
criatividade e originalidade. Ademais,
aperfeiçoamento do uso das TIC em sala de
segundo Preece, Rogers e Sharp (2005),
aula. Porém, como inserir esses recursos
“pessoas com formações diferentes
tecnológicos sem saber quais desses a
apresentam perspectivas e maneiras
escola ou o professor possui?
diferentes de ver e falar sobre o mundo”.
Um dos pontos de partida seria, então,
Envolver os profissionais que atuam
mapear os recursos existentes na escola e,
diretamente na educação na proposta de
posteriormente, identificar quais deles já são
formação continuada seria fundamental para
utilizados. Dos que não são utilizados, ouvir
que a mesma se torne viável, ou seja, tenha
os profissionais para entender os motivos da
usabilidade dentro do cenário educacional.
não utilização e as necessidades em relação
ao uso de tecnologias em sala de aula. Para
6. CONCLUSÃO
tanto, precisamos conhecer nosso sujeito
(neste caso, os professores) a fim de definir Design de interação é a área do design que
essas necessidades. O levantamento foi feito se preocupa com o incentivo e a facilidade de
por meio de observação, entrevista, interações/comunicações entre seres
questionários. humanos e determinados produtos. Quando
No design de interação investigam-se o uso pensamos em formação continuada de
de artefatos e o público-alvo a partir de professores, um dos pontos principais para
abordagens centradas no usuário. De acordo que essas formações sejam eficazes é
com Preece, Rogers e Sharp (2005), “por considerar a particularidade de quem irá se
design de interação, entendemos o seguinte: utilizar delas, neste caso, os professores.
design de produtos interativos que fornecem Saber quem é o profissional, quais suas reais
suporte às atividades cotidianas das pessoas, necessidades.
seja no lar ou no trabalho”. Em outras Sabe-se que, para tal, muito tempo deve ser
palavras, design de interação significa criar investido em pesquisas, análises de relatórios
experiências que busquem aperfeiçoar e e, principalmente, interação. Interação sim,
entender a maneira como as pessoas pois o design de interação não se trata
trabalham, se comunicam e interagem. apenas de produtos, mas também de seres
Uma das principais razões para dedicar humanos. Esses “usuários” devem estar
tamanha atenção aos usuários se deve ao inseridos no decorrer dos projetos de criação
fato de que, segundo Preece, Rogers e Sharp e correção de uma formação, tornando-se
(2005), os “usuários diferentes têm não apenas aprendizes e sim codesigners,
necessidades diferentes e produtos codesenvolvedores de suas formações.
interativos precisam ser projetados de acordo O design de interação, em seus processos e
com tais necessidades”. metas, busca a satisfação do usuário final, daí
Um ponto de extrema importância a respeito a intenção de uma proposta de formação
do design de interação é que, para que ele centrada nas necessidades particulares de
tenha sucesso, diferentes profissionais devem cada profissional.
estar envolvidos em uma mesma equipe

REFERÊNCIAS http://www.citejournal.org/vol9/iss1/general/article1.
cfm Acesso em: setembro de 2017.
[1] Filho, Vilson Martins. Design de [3] Mishra, Punya; KOEHLER, Matthew.
Experiência Educacional. 2012. 239f. Dissertação Technological Pedagogical Content Knowledge: A
(Mestrado em Design). Universidade Federal de Framework for Teacher Knowledge. In: Teachers
Santa Catarina, Florianópolis, 2012. College Record, v. 108, n. 6, p. 1017-1054, Jun.
[2] Koehler, Matthew; MISHRA, Punya. What 2006.
is technological pedagogical content knowledge? [4] Normann, Donald A. O Design do dia-a-
In: Contemporary Issues in Technology and dia. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 2006.
Teacher Education, v. 9, n. 1, 2009. Disponível em:

Educação no Século XXI - Volume 3


65

[5] Preece, Jennifer; ROGERS, Yvone; aprendizagem: um contributo para o estado da


SHARP, Helen. Design de Interação: Além da arte. Rio de Janeiro: LATEC/UFRJ, 2012.
Interação homem-computador. São Paulo: Editora [8] Valente, J. A. O salto para o futuro.
Bookman, 2005. Cadernos da TV -Escola. Brasília: Sede MEC, 2005.
[6] Primo, Alex. Interação Mediada por Disponível em:
Computador: comunicação, cibercultura, cognição. http://www.cibersociedad.net/congres2009/es/com
Porto Alegre: Sulina, 2007. s/infoinclusao-digital/1040 Acesso em: 17 jul. 2016.
[7] Sampaio P. A. da S. R; COUTINHO C. P.
Avaliação do TPACK nas atividades de ensino e

Educação no Século XXI - Volume 3


66

Capítulo 10

Márcio da Silva Camilo


Mônica Nogueira da Costa Figueiredo
Telma de Almeida Souza

Resumo:O projeto de interfaces web para Educação a Distância é um processo


desafiador que demanda conhecimento multidisciplinar. Este artigo tem por intuito
traçar um panorama inicial exploratório sobre questões de projeto de interfaces
web para Educação a Distância. Realizou-se uma análise de questões de projeto
de interfaces como: o desenho gráfico, o desenho de interação, a usabilidade
(também contemplando ergonomia e acessibilidade) e o design instrucional. Essa
análise permitiu entender como essas questões podem possibilitar maior
interatividade e motivação nas interfaces presentes em objetos de aprendizagem e
ambientes virtuais de aprendizagem. Em especial, é possível perceber que a
construção de uma comunicação eficaz, interativa e motivadora deve direcionar a
criação de interfaces web que resultem em ambiente gráfico agradável, com
flexibilidade no processo de design instrucional e a utilização de padrões de
usabilidade que suportem e ao mesmo tempo sirvam como um diferencial na
interação com os alunos na Educação a Distância.

Palavras-chave: Ambientes virtuais de aprendizagem. Ensino a distância. Interfaces


web. Usabilidade.

Educação no Século XXI - Volume 3


67

1 INTRODUÇÃO Além disso, as interfaces web podem ser


desenhadas para propiciar a maior
Interface web é o conjunto de textos (e suas
interatividade proporcionando maior
características tipográficas), imagens,
engajamento, concentração e motivação no
gráficos, animações, sons e vídeos que
processo de aprendizagem como mostram
compõem a interface gráfica com usuário.
Prevedello (2011), Sitzmann, Ely e Wisher
Esse conjunto permite que um usuário interaja
(2008), Sun e Cheng (2007), Burleson et al.
com sistemas computacionais acessíveis pela
(2009) e Liu, Liao e Pratt (2009).
Internet (Passos, 2010; Burgos, 2010;
Silva,2006; Passos e Behar,2011). No restante do trabalho serão desenvolvidas
as questões de projeto: desenho gráfico,
Elas podem variar de simples apresentação
desenho de interação, usabilidade e design
de conteúdos textuais e imagéticos até
instrucional; consideradas importantes para a
complexos sub-sistemas que permitam a
construção de interfaces web que sejam bem
interação do usuário de forma rica,
sucedidas na comunicação entre o conteúdo
apresentando: sofisticação na estilização de
e o aluno.
layout, navegação por temas hiperligados,
intervenção dinâmica sobre o conteúdo
apresentado, feedbacks das ações
2 DESENHO GRÁFICO
realizadas, entre outros (Scott e Neil, 2009;
Filatro, 2008). O desenho gráfico é responsável por realizar
a composição entre os elementos textuais e
Cabe observar que as tecnologias
imagéticos de forma a criar um layout que
conhecidas como front-end (HTML5, CSS3,
permita a apreensão do conteúdo
de acordo com W3C) permitem realizar textos
apresentado ao usuário. Prevedello (2011)
em layouts sofisticados com cores, fontes e
observa que o projeto de inteface deve
estilos diversos que possibilitam criar o realce
atribuir credibilidade através da
de conteúdos, bem como bordas e listas de
sistematização de cores e layout ao longo das
tópicos e áreas de interesses como quadros
telas a fim de proporcionar aprendizagem e
de resumo, quadros de observação, entre
motivação em um conteúdo apresentado.
outros.
Ainda segundo Prevedello (2011), os
Outra tecnologia de front-end, o Javascript,
conceitos estéticos consagrados aliados a
de acordo com Standard ECMA-262, permite
princípios básicos da Gestalt, são resumidos
criar peças interativas e animações realizando
em cinco dimensões a serem observadas:
interfaces mais complexas que permitem a
proximidade e alinhamento; equilíbrio,
interação do usuário com o conteúdo,
proporção e simetria; contraste, cores e
organização visual e processo de busca,
brancos; ordem, consistência, repetição e
percepçáo e descoberta, como por exemplo:
integração; simplificação e legibilidade.
menus sanfonas, lightboxes2, tooltips3,
carrossel de imagens, entre outros. Filatro (2008) observa que a informação pode
ser reduntantemente apresentada na forma
Seja na construção de objetos de
de textos e gráficos aumentando a
aprendizagem, como mostrado em Wiley
capacidade de aprendizagem do conteúdo.
(2000), Braga (2014), Braga (2015) e Drofenik
Também ressalta a importância do princípio
et al. (2001) ou na apresentação de
da proximidade espacial segundo o qual
ambientes virtuais de aprendizagem, como
textos e imagens devem ser apresentados de
mostrado em Miranda (2015), Batista (2008),
forma integrada orquestrando-se um uso
Silva (2006), Mattar (2014), as interfaces web
eficaz de recursos cognifitivos por parte dos
são relevantes na apresentação de conteúdo
usuários.
de forma adequada e agradável para o
usuário. Alguns estudos como Tractinsky, Katz e Ikar
(2000), Schaik e Ling (2008) e Tractinsky et al.
(2006) indicam a importância do prazer
2
Interface que mostra texto ou imagem em um estético em proporcionar um sentimento de
painel na frente do conteúdo atual da página que conforto e engajamento ao conteúdo
pode ser exibido ou escondido pelo usuário. apresentado.
3
Interface que mostra texto ou imagem quando o Burgos (2010) ressalta que a criação de
usuário passa o mouse ou clica sobre determinado conteúdo virtual textual em uma interface
conteúdo. web, vai além do significado apreendido pela

Educação no Século XXI - Volume 3


68

simples leitura, já que os conteúdos possuem como os materiais educacionais são


cores, gráficos vetoriais, ícones, sons, projetados, desenvolvidos e entregues para o
hiperlinks e animações. Dessa forma, todos público-alvo.Uma dessas mudanças é a
esses elementos devem ser utilizados de evolução do desenho de interface – uma
forma a proporcionar um aprendizado eficaz atividade multidisciplinar que procura tornar a
por parte daquele que está aprendendo com experiência do usuário (que utiliza a interface
o conteúdo. do produto), além de eficaz, prazerosa.
Além disso, os elementos iconográficos A interação é a troca de informações entre o
devem ser utilizados não como simples usuário e o sistema e, por esse motivo, o
adornos ao texto mas como pontes para principal objetivo do desenho de interação é
construção de elos semânticos com o que o usuário seja a peça central do processo
estudante do conteúdo. De acordo com Filatro de desenvolvimento do produto, de acordo
(2008), todas as possíveis funções de um com Rogers, Sharp e Preece (2013).
gráfico (decoração, representação,
O objetivo de se inserir o desenho de
organização, relação, transformação,
interação no projeto de objetos de
interpretação) devem ser cuidadosamente
aprendizagem e ambientes virtuais de
exploradas. Assim também as cores devem
aprendizagem é colocar o usuário/aluno como
ser utilizadas considerando de forma
peça central do processo de interação
consciente o seu poder de significação.
propiciando um diálogo dinâmico, adaptado
Segundo Feifer e Tazbaz (1997), os hiperlinks ao aluno, ativo, de comunicação efetiva,
devem ser utilizados para criar uma multi- interatividade (disponibilidade dada ao
linearidade, de conteúdo a ser explorada pelo usuário de influenciar o seu conteúdo) e
usuário que vai por meio dessa multi- acessibilidade.
linearidade criando seu próprio conhecimento
Batista (2008) observa que na comunição
de forma individualizada.
entre ser humano e computador em
Pomales-Garcia e Liu (2006) observam que a programas computacionais, que são
composição de uma página web (layout) multimeios interativos, não há emissão de
pode ser capaz de alcançar bons resultados mensagens, mas a construção de um sistema
em requisitos tais como: clareza, organização, com rotas de navegação e conexões. Feifer e
simplicidade, atratividade e excitação. Tazbaz (1997) chamam essa forma de
comunicação de "não-linear". A mensagem,
Ressalta-se a necessidade de haver
segundo Passos e Behar (2011) é então
consistência no layout da interface web
construída à medida em que se navega pelo
conforme mencionado por Ozok e Salvendy
sistema.
(2004). Ou seja, cores, ícones, áreas de borda
e estilos de texto e demais artefatos de O desenho de interação deve procurar levar
representação textuais ou imagéticos devem em conta que as interfaces não são somente
corresponder sempre a um mesmo objetivo a infra-estrutura para a realização da
criando um padrão de comunicação que dá navegação e interação de um produto, elas
credibilidade à comunicação estabelecida podem ser em si objetos ou ferramentas que
entre a interface web e o usuário. possibilitem a construção de conhecimento.
Barros e Carvalho (2011), Passos e Behar
(2011) e Hack (2010) destacam que as
3 DESENHO DE INTERAÇÃO
interfaces são artefatos que funcionam como
Um dos responsáveis pela rápida evolução catalisadores de informações, permitindo a
da Educação a Distância, nos últimos anos, percepção, o raciocínio, a memorização e a
foi o desenvolvimento das Tecnologias de tomada de decisões, quando realizam a
Informação e Comunicação (TICs). Tais representação de conhecimento através de
tecnologias serviriam para dar suporte ao palavras, conceitos gráficos, imagens, sons e
Educação a Distância mas também associações.
disponibilizam novas possibilidades de
Outra preocupação existente no projeto de
organização de pensamento uma vez que
desenho de interação de objetos de
amplificam, exteriorizam e modificam funções
aprendizagem e ambientes virtuais de
cognitivas humanas como memória,
aprendizagem são a capacidade de suplantar
percepção, imaginação e raciocínios.
as dificuldades da não presença do professor
Tais mudanças também ocorrem no modo no momento do processo de aprendizagem.

Educação no Século XXI - Volume 3


69

Sobre isso, Miranda (2015) aponta para a  ser fácil de aprender


importância da interface em fazer com que o
 ser fácil de lembrar como funciona
conteúdo seja acessível pelo aluno.
 visibilidade (funções devem estar bem
O aluno não deve se sentir sozinho no
visíveis)
processo de diálogo com o sistema. Segundo
Filatro (2008) a personalização deve ser  feedback (retorno que o usuário deve
utilizada para minimizar a frieza na receber da ação desempenhada)
comunicação com um sistema computacional.
Dessa forma, alguns artifícios de interface  restrições (delimitação de opções)
podem ser utilizados tais como: linguagem  mapeamento (relação entre os controles
afetiva, dialógica e acolhedora e a utilização e seus efeitos)
de avatares ou agentes pedagógicos, com
balões de diálogos, de forma a simular uma  consistência (apresentar as mesmas
conversação entre o sistema e o aluno. funcionalidades para contextos
semelhantes)
Dessa forma, o desenho de interação deve
permitir a criação de uma interface que sirva  affordance (dar uma "pista" da função
de meio de comunicação, que explore as dos objetos)
possíveis dimensões de criação de itinerários  antecipação (necessidades dos usuários
de conhecimento e que supra a falta do devem ser antecipadas)
professor como presença física no processo
de aprendizagem a distância.  autonomia (permitir ao usuário ter
domínio no processo de interação)
 evitar problemas com percepção de
4 USABILIDADE cores
De acordo com a International Standard  explorável (com pontos de referência
Organization (ISO) e a International bem sinalizados)
Electrotechnical Comission (IEC) em sua
norma 25010:2011, acerca da qualidade de  curto tempo de espera (para respostas
sistemas em engenharia de sistemas e do sistema)
software, a usabilidade é o grau em que  metáforas (sobretudo para comunicação
produtos e sistemas podem ser utilizados por visual não verbal)
usuários específicos para o atingimento de
metas específicas, com efetividade, eficiência  legibilidade
e satisfação em um contexto de uso  proteção (em caso de erro, o trabalho do
específico. aluno não deve ser perdido)
A efetividade é entendida como a corretude e  monitoração dos passos do aluno
completude com qual usuários atingem metas
específicas. A eficiência são os recursos  familiaridade de linguagem
utilizados para que a efetividade seja
 flexibilidade (soluções básicas e
atingida. A satisfação é a medida de quanto
avançadas para alunos com perfis
as necessidades dos usuários foram
diversos)
satisfeitas quando um produto ou sistema é
utilizado em um contexto de uso específico.  ajuda e documentação
Alguns autores, como Prevedello (2011) e  evitar informações irrelevantes
Passos (2010), enumeram metas de
usabilidade de interfaces como as que se
seguem: Silva (2006) ressalta critérios ergonômicos
como ferramentas para avaliação de
 eficácia (permitir a completude da tarefa
interfaces humano-computador tais como:
proposta)
 eficiência (mínimo de recursos para
execucação da tarefa) a) Presteza (informações sobre o estado ou
contexto atual)
 segurança (proteger o usuário de
situações indesejáveis) b) Feedback imediato
 utilidade (deve propiciar funcionalidade) c) Legibilidade (nas características

Educação no Século XXI - Volume 3


70

cognitivas e perceptivas) Vlissides para a ciência da computação, de


acordo com Gamma et al. (1995). Os padrões
d) Agrupamento / Distinção de itens
são soluções, consagradas pelo uso,
e) Brevidade (concisão de informações e geralmente utilizadas para problemas comuns
ações) na prática, associados a princípios de projeto.
f) Densidade informacional adequada Os padrões são reunidos em um catálogo de
padrões que apresenta para cada um: o
g) Controle explícito do usuário
problema a ser enfrentado, como ele
h) Flexibilidade soluciona esse problema, e exemplos de
implementação do padrão. Assim, é possível
i) Experiência rica do aluno
utilizar uma linguagem unificada por todos
j) Proteção contra erros aqueles que conhecem o catálogo de
padrões para se referir a problemas comuns e
k) Mensagens de erros
compartilhar as soluções enunciadas no
l) Correções de erros catálogo, segundo Ivory e Rodrick (2005).
m) Consistência (de formas e de usos)
n) Significado (forte ligação semântica entre 5 DESIGN INSTRUCIONAL
códigos e referentes)
Segundo Filatro (2008), o design instrucional
o) Compatibilidade (com o vocabulário e pode ser entendido como o conjunto de
nível de conhecimento do aluno) atividades, estratégias, sistemas de
avaliação, métodos e materiais instrucionais
realizados como planejamento do processo
Afim de cumprir o seu papel de comunicação de ensino-aprendizagem.
com o sistema de aprendizagem as interfaces
A Internet e as interfaces web apresentam
web devem ser acessíveis a seus usuários.
novas ferramentas e desafios ao design
Devem ser projetadas de forma a acomodar
instrucional. Prevedello (2011) observa que
na maior extensão possível as múltiplas
para atingir uma aprendizagem atual,
diferenças entre os usuários nos mais
autônoma, motivadora e interativa deve-se
variados contextos de uso.
utilizar também formas diferentes de
Braga (2014) observa que a acessibilidade é apresentação do conteúdo. Por isso, os
um fator primordial para o exercício da desenhistas instrucionais precisam estar
cidadania em objetos de aprendizagem e preparados para utilizar modernas
ambientes virtuais de aprendizagem, bem tecnologias de informação e comunicação de
como um requisito legal. A implementação de forma que possam proporcionar a motivação,
acessibilidade em uma interface web é feita o engajamento, a empatia e a interatividade
seguindo-se diretrizes do Desenho Universal4 no processo de ensino-aprendizagem.
e compatibilizando-se com recursos de
Uma possível estratégia para atingir esses
Tecnologia Assistiva e princípios de
objetivos é integração de uma equipe
acessibilidade web enunciados pelo World
multidisciplinar formada por desenhistas
Wide Web Consortium (W3C).
profissionais, designers gráficos,
Scott e Neil (2009) propõem a estruturação de webdesigners de acordo com Batista (2008),
interfaces de acordos com padrões de bem como programadores de sistemas e
projeto, obedecendo cada interface a um psicólogos de acordo com Nam e Smith-
princípio de projeto que lhe dê justificativa. Jackson (2007).
Tais princípios estariam pautados na
Outra forma seria a repetição incremental do
usabilidade da interface, segundo Ozok e
processo de desenvolvimento de materiais
Salvendy (2004).
instrucionais, segundo Filatro (2008) e Braga
Padrão de projeto é um conceito criado por (2015). Desse modo, as fases de análise,
Christopher Alexander no campo da projeto, implementação e avaliação, comuns
arquitetura que depois foi extendido por Erich em processos de desenvolvimento de
Gamma, Richard Helm, Ralph Johnson e John material instrucional, não ocorrem uma única
vez, mas são repetidos incrementalmente
4 para a melhoria do produto, até que se
Define a concepção de objetos, equipamentos e
sistemas destinados a utilização por todas as chegue ao resultado final desejado.
pessoas, visando acessibilidade plena.

Educação no Século XXI - Volume 3


71

Além disso, a criação de protótipos, como promover uma comunicação eficaz entre o
mostrado em Nam e Smith-Jackson (2007) ou sistema e o usuário de forma a propiciar
de um catálogo de interfaces web pode servir empatia e engajamento no processo de
para que a equipe realize testes e avalie a ensino-aprendizagem.
melhor forma de apresentar um conteúdo ao
A flexibilização no processo de design
aluno.
instrucional na forma de repetições das
Dessa forma, pode-se criar um banco de etapas, realizando o aprimoramento de
interfaces com informações como forma de interfaces web, bem como a
utilização e resultados esperados para que o multidisciplinaridade da equipe, podem ser
desenhista instrucional possa selecionar as fatores chaves na criação de interfaces mais
interfaces mais apropriadas a determinado adaptadas a atender as necessidades dos
contexto. usuários.
A utilização de interfaces baseadas em
princípios de interação consagrados pelo uso
6 CONSIDERAÇÕES FINAIS
e disponíveis sobre a forma de um catálogo
Foram analisados neste trabalho de que de interfaces pode ser bastante valioso na
formas as questões de projeto como: o comunicação da equipe multidisplinar
desenho gráfico, o desenho de interação, a responsável pela criação de interfaces web
usabilidade e o design instrucional; são para ensino a distância.
capazes de potencializar uma interface web
Essa pesquisa aponta possibilidades de
de forma a fazê-la interativa e motivadora na
melhoria do processo do projeto de criação
Educação a Distância.
de interfaces e também no sentido de uma
A criação de um ambiente gráfico agradável avaliação quantitativa e qualitativa do impacto
que utilize de textos, gráficos, imagens, das interfaces web no processo de ensino-
ícones, sons, animações e objetos de aprendizagem.
interação (botões, menus, hiperlinks) pode

REFERÊNCIAS %20from%20GROE%20April%202009%20Worksho
p.pdf
[1] Barros, M. G. e CARVALHO, A. B. G. As [7] Drofenik, U.; JOHANN W. K., PETER J. D.;
concepções de interatividade nos ambientes PAVOL B. "New web-based interactive e-learning in
virtuais de aprendizagem. In: SOUSA, R. P.; MIOTA, power electronics and electrical machines."
F. M. C. S. C. e CARVALHO, A. B. G. (org). In Industry Applications Conference, 2001. Thirty-
Tecnologias digitais na educação [online]. Sixth IAS Annual Meeting. Conference Record of
Campina Grande: EDUEPB, 2011, p 209-232 the 2001 IEEE, vol. 3, pp. 1858-1865. IEEE, 2001.
[2] Batista, M. L. F. S. Design instrucional: [8] Feifer, R. G. e TAZBAZ, D. Interface design
uma abordagem do design gráfico para o principles for interactive multimedia. Telematics and
desenvolvimento de ferramentas de suporte à Informatics. Vol. 14, No. I, pp. 51-65. 1997.
Educação a Distância. Dissertação de mestrado, [9] Filatro, A. Design instrucional na prática.
Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 2008. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2008.
[3] Braga, J. (org). Objetos de Aprendizagem. [10] Gamma, E.; HELM, R.; JOHNSON, R.;
Volume 1- Introdução e fundamentos. São Paulo: VLISSIDES, J. Padrões de Projeto. Soluções
UFABC, 2014. reutilizáveis de software orientado a objetos.
[4] Braga, J. Objetos de Aprendizagem. Boston: Longman Publishing Co., 1995.
Volume 2 – Metodologia de Desenvolvimento. São [11] Hack, J. R. Linguagem virtual e
Paulo: UFABC, 2015. audiovisual na EaD.In: TAFNER, E. P. Et al.
[5] Burgos, T. L. Comunicacao gráfica em Produção de materiais autoinstrutivos para EaD.
interfaces de hipermídia de educação a distância Indaial: Asselvi, 2010, p 59-87.
via web. Dissertação de mestrado, Universidade [12] Ivory, M. Y. e RODRICK, M. Evolution of
Federal do Rio Grande do Norte, Rio Grande do web site design patterns. Journal ACM
Norte, 2010. Transactions on information systems. Vol 23, Issue
[6] Burleson, W.; BISWAS, G.; MULDNER, K.; 4. 2005.
BAYLOR, A. Rich Interfaces – 20 year Horizon. [13] Liu, S.; LIAO, H.; PRATT, J. A. Impact of
GROE April 2009 Workshop, disponível em: media richness and
http://archive2.cra.org/ccc/files/docs/groe/Rich%20
Interfaces%20-%20Burleson%20et%20al%20-
[14] flow on e-learning technology [15] Mattar, J. Guia de educação à distância.
acceptance. Computers and Educations. Vol. 52, São Paulo: Cencage Learning, 2014.
Issue 3, pp 599-607. 2009. [16] Miranda, G. S. S. Tecnologia, interação e

Educação no Século XXI - Volume 3


72

interatividade: desafios para docentes em international.org/publications/standards/Ecma-


ambientes virtuais de aprendizagem. Dissertação 262.htm, 2017.
de mestrado, Universidade do Vale do Sapucaí, [25] Schaik, P. e LING, J. Modelling user
Porto Alegre, 2015. experience with web sites: usability, hedonic value,
[17] Nam, C. S. e SMITH-JACKSON, T. L. Web- beauty and goodness. Interacting with computers.
Based Learning Environment A Theory-Based Vol. 20 pp 419-432. 2008.
Design Process for development and evaluation. [26] Scott, B. e NEIL, T. Designing web
Journal of Information Technology Education. Vol. 6, interfaces: principles and patterns for rich
2007. interactions. Sebastopol, CA: O’Really Media, 2009.
[18] Ozok, A. A. e SALVENDY, G. Twenty [27] Silva, T. A. E. Avaliação da usabilidade de
guidelines for the design of web-based interfaces interfaces web segundo critérios ergonômicos.
with consistent language. Computers in Human Dissertação de mestrado, Universidade Federal do
Behavior. Vol. 20 pp. 149-161. 2004. Rio Grande do Norte, Rio Grande do Norte, 2006.
[19] Passos, J. E. Metodologia para o design [28] Sitzmann T.; Ely, K.; Wisher R. Designing
de interface de ambiente virtual centrado no web-based trainning courses to maximize learning.
usuário. Dissertação de mestrado, UFRGS, Porto In: ORVIS, K. L. e Lassiter A. L. R. (org) Computer-
Alegre, 2010. supported collaborative learning: best practices
[20] Passos, P. C. S. J. e BEHAR, P. A. and principles for instructors. Hershey :IGI Global,
Interação e interatividade através das interfaces de 2008.
materiais educacionais digitais. Renote – Revista [29] Sun, P. C. e Cheng, H. K. The design of
Novas Tecnologias na Educação. Vol 9, n. 1. 2011. instructional multimedia in e-Learning: A media
[21] Prevedello, C. F. Design de interação e richness theory-based approach. Elsevier
motivação nos projetos de interface para objetos Computers-Education, Vol. 49, Issue 3, 2007.
de aprendizagem para EAD. Dissertação de [30] Tractinsky, N.; Katz, A. S.; IKAR, D. What is
Mestrado, UFRGS, Porto Alegre, 2011. beautiful is usable. Interacting with Computers. Vol
[22] Pomales-Garcia, C. e LIU, Y. Web-Based 13 pp. 127-145. 2000.
Distance Learning Technology: Interface Design [31] Tractinsky, N.; Cokhavi , A.; Kirschenbaum,
Variables and their Effects. International Journal of M.; Sharfi, T. Evaluating the consistency of
Instructional Technology and Distance Learning. immediate aesthetic perceptions of web pages.
Vol. 3, No. 5, 2006. International Journal of Human-Computer Studies.
[23] Rogers, V.; Sharp, H.; Preece; J. Design de Vol 64 pp 1071-1083. 2006.
Interação: além da interação humano-computador. [32] Wiley II, D. A. Learning object design and
3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2013. sequencing theory. Dissertação de PhD, Brigham
[24] Standard ECMA-262. Ecmascript 2016 Young University, Utah, 2000.
Language Specification. Disponível em: [33] W3c. World Wide Web Consortium.
https://www.ecma- Disponível em: https://www.w3.org/, 2017.

Educação no Século XXI - Volume 3


73

Capítulo 11

Kenia Rosa de Paula Nazario


Helena Gordon Silva Leme
Rosimeire Moreira Vizentim

Resumo:O presente artigo apresenta reflexões sobre a utilização de uma atividade


virtual baseada em metodologias ativas proposta em um curso online de formação
continuada de professores com relação ao uso das redes sociais e da tecnologia
móvel no apoio à aprendizagem na EaD. A discussão proposta tem como ponto de
análise os diversos papéis exercidos pelo professor na docência online ao atuar na
promoção da autonomia na aprendizagem dos participantes ao utilizar as
metodologias ativas. Especificamente, na análise de uma atividade que usou a
metodologia da Aprendizagem Baseada em Projetos (ABP), levantou-se que são
necessários ao professor atuar como curador, provocador de questões-problema,
agente motivador, orientador e avaliador. Para essa análise, um dos projetos
criados pelos grupos dos professores em formação recebeu os depoimentos de
atuação do professor conteudista e responsável pela formação, do professor tutor e
do professor em formação. Esse relato de experiência tem como objetivo instigar a
reflexão sobre os diversos papéis exercidos na docência online e levar os
professores a aprofundarem seus conhecimentos sobre as possibilidades
pedagógicas de uso das metodologias ativas para que estas sejam incorporadas
em suas respectivas áreas.

Palavras-chave: Metodologias Ativas, Redes sociais, Formação de Professores,


Aprendizagem Baseada em Projetos, EaD.

Educação no Século XXI - Volume 3


74

1. INTRODUÇÃO em metodologias que utilizem de maneira


eficaz as tecnologias de modo a tornar o
Segundo Moran (2015), combinar a sala de
processo de ensino-aprendizagem mais
aula e ambientes virtuais é fundamental para
significativo, interessante e importante.
abrir a escola para o mundo e para trazer o
mundo para dentro da escola. Uma outra Segundo Moran (2015), as metodologias
combinação, ou “blend” é a de prever ativas são pontos de partida para avançar
processos de comunicação mais planejados, para processos mais avançados de reflexão,
organizados e formais com outros ambientes de integração cognitiva, de generalização, de
mais abertos, como os que acontecem nas reelaboração de novas práticas, além disso o
redes sociais. Nesse contexto, entende-se aprendizado se dá a partir de problemas e
que são exigidos novos papéis para situações reais; os mesmos que os alunos
professores e alunos, com destaque para a vivenciarão depois na vida profissional, de
adoção de metodologias ativas incorporadas forma antecipada, durante o curso.
na sala de aula seja presencial ou virtual. Dos
Podemos destacar alguns exemplos de
professores são exigidas novas competências
Metodologias Ativas, como sendo:
e diferentes formas para o planejamento e
Aprendizagem Baseada em Projetos (ABP),
gerenciamento das disciplinas. Nesse
Sala de aula invertida, Gamificação,
sentido, a formação de professores assume
Aprendizagem baseada em problemas, entre
novos desafios:
outros. Dentre essas metodologias, optou-se
por utilizar a Aprendizagem Baseada em
Projetos, na proposta da atividade virtual
“É preciso que um novo profissional
descrita neste trabalho, aplicada em um curso
docente - conhecedor profundo das inter-
online de formação continuada de
relações pedagógicas, psicológicas,
professores com relação ao uso das redes
políticas e tecnológicas nas atividades de
sociais e da tecnologia móvel no apoio à
ensino e aprendizagem - esteja presente
aprendizagem na EaD.
para dimensionar, programar e orientar
com habilidade a produção de ações Penuel (1999 apud Toyohara, 2010) destaca
educativas que vá ao encontro das que, a metodologia da aprendizagem
necessidades de formação continuada das baseada em projetos (ABP), em conjunto com
pessoas em diferenciados caminhos.” a utilização de novas tecnologias, traz um
(Kenski, 2013 p.10) novo sentido para a aprendizagem, pois
auxilia os alunos a desenvolverem habilidades
e competências para a vida numa sociedade
Nesse contexto, o presente relato busca baseada no conhecimento e altamente
discutir os diferentes papéis exercidos pelo tecnológica.
professor frente a essa proposta, a partir de
De acordo com Rodrigues (2015), a ABP é
uma experiência realizada em um curso de
uma abordagem pedagógica de caráter ativo
formação continuada com enfoque no uso
que enfatiza as atividades de projeto e tem
das redes sociais e tecnologias na educação
foco no desenvolvimento de competências e
sob a perspectiva do professor, do tutor e do
habilidades. A expressão ABP, às vezes é
aluno (professor em formação).
confundida com Aprendizagem Baseada em
A presente análise aponta para a questão Problemas, pois o desenvolvimento de um
inseparável entre teoria e prática, invertendo o projeto geralmente ocorre com a resolução de
papel do professor, antes visto como detentor problemas. Porém a Aprendizagem Baseada
do saber para o novo papel de curador e em Problemas (cuja abreviação é a mesma
provocador ao lançar questões-problema, da Aprendizagem Baseada em Projetos -
enquanto o aluno assume um papel mais ativo ABP) tem como foco a resolução de
para uma aprendizagem significativa. problemas, e a ABP, o projeto como produto
final. Por outro lado, ambas têm como objetivo
Nesse sentido busca-se levantar questões
central o ensino centrado no aluno e a
que ajudem na reflexão sobre o papel do
aprendizagem colaborativa e participativa,
professor, e os novos desafios que permeiam
sendo ambas consideradas metodologias
a prática pedagógica, exigindo assim, uma
ativas.
nova postura desse profissional em sua
atuação. Por esse motivo, é preciso pensar

Educação no Século XXI - Volume 3


75

Portanto, a Metodologia Ativa ABP enfatiza as enunciado da atividade foi fundamental para
atividades que levem a elaboração de essa etapa. O enunciado da atividade teve
projetos, cuja principal característica é a por objetivo expressar a proposta do projeto
construção coletiva do conhecimento por meio de orientações claras e de critérios
interdisciplinar e centrada no aluno. Sua ação de avaliação que norteassem as tarefas
fundamenta-se na utilização de temas solicitadas. Assim, a elaboração do
transversais e interdisciplinares, enunciado foi pensada tendo o cuidado de
possibilitando ao aprendiz uma visão geral do incluir todas as informações necessárias
conhecimento (MARKHAM, LARMER E procurando antecipar-se às dúvidas.
RAVITZ, 2008).
Após a descrição da proposta da atividade, o
Nesse sentido, Moran (2015) destaca que a professor e o tutor atuaram no suporte ao
ABP exige uma fundamentação teórica, processo de desenvolvimento do projeto, a
interação (aluno-aluno; professor-aluno; partir da seleção e curadoria de exemplos,
aluno-tutor), colaboração, cooperação e orientações pontuais e flexibilização de prazo.
comunicação. O projeto necessita de O tutor participou das etapas de
instrumentos de avaliação para monitorar o desenvolvimento do projeto como motivador e
processo de desenvolvimento; precisa de incentivador, mentor, acompanhador e
pesquisa e informação, e; promove a gerenciador do trabalho dos grupos.
interdisciplinaridade e a aprendizagem Finalizando, houve a etapa em que o tutor
significativa. O papel do professor, segundo o realizou a avaliação dos projetos segundo os
autor, deve ser de mediador de conflitos e critérios de avaliação apresentados no início
aprendizagens e estar apto a fazer as da atividade. Destaca-se que, o
intervenções necessárias. desenvolvimento do projeto foi centrado na
participação ativa dos alunos (professores em
formação). Para tanto, alguns elementos
2. APRESENTAÇÃO DA ATIVIDADE - fundamentais foram: a comunicação,
PROJETO colaboração e cooperação dos integrantes
dos grupos.
A atividade virtual, baseada na metodologia
ativa ABP, foi proposta no curso online de A proposta dessa atividade buscou sanar
formação continuada de professores que teve esses desafios através do uso de diferentes
como tema o uso das redes sociais e da ferramentas disponíveis no ambiente virtual,
tecnologia móvel no apoio à aprendizagem na que serviram para engajar a colaboração dos
EaD, e foi desenvolvido no Ambiente Virtual alunos. Foram utilizadas as seguintes
de Aprendizagem (AVA) - Moodle. ferramentas do ambiente virtual de
aprendizagem Moodle
A atividade - Projeto, foco do presente
(https://ead.sead.ufscar.br/):
trabalho, teve como objetivo motivar os
participantes a descobrirem novas  Escolha - utilizado como quiz para
possibilidades de aplicação das Tecnologias que os alunos se organizassem em
da Informação Móveis e Sem Fio (TIMS) na grupos;
educação e a elaborarem atividades que
 Fórum - para que os grupos
auxiliassem seus alunos na aprendizagem
trabalhassem colaborativamente na
usando as vantagens da tecnologia móvel. A
discussão do projeto;
atividade teve a seguinte proposta: “Criação
de uma atividade que utilize recursos das  Fórum de dúvidas da unidade - As
TIMS atreladas ao AVA (Moodle) em um curso dúvidas sobre a elaboração da
EaD”. atividade e demais questões puderam
ser sanadas nessa ferramenta.
Para fundamentar essa atividade, o professor
disponibilizou materiais de leitura e vídeos  Página Web - onde foram
que serviram para fundamentar o projeto. disponibilizados alguns exemplos de
Essas leituras foram apresentadas no guia de projetos disponíveis online, e
estudos da unidade, onde os exemplos de
pesquisas e projetos colaborativos facilitaram  Base de Dados - para que os
a compreensão dos novos conceitos. Em grupos compartilhassem a versão
seguida, apresentou-se a proposta do projeto final do Projeto com os demais
destacando as etapas que deveriam ser participantes do curso e recebessem
realizadas pelo grupo. A elaboração do os comentários gerais.

Educação no Século XXI - Volume 3


76

Imagem 1 - Ferramentas das atividades da Unidade 2 .

Fonte: https://ead.sead.ufscar.br/ (2015)

A imagem acima, permite ver que para iniciar ao lançar a questão-problema que levou os
a atividade foi disponibilizado um Quiz grupos à elaboração dos projetos. A atuação
(Escolha do grupo), com o uso da ferramenta do professor conteudista e formador
Escolha do Moodle, para que os participantes configurou-se como curador, apresentando
pudessem se organizar em grupos dando alguns exemplos de projetos previamente
início ao projeto. As demais ferramentas selecionados, cujos links foram
utilizadas também constam da imagem em disponibilizados no ambiente virtual para os
questão. alunos fossem inspirados na elaboração dos
projetos. Também elaborou todas as
Na ferramenta Fórum, os tópicos foram
orientações, bem como os critérios de
abertos por grupo, e cada grupo pode
avaliação que foram elencados no enunciado
discutir colaborativamente a elaboração do
da atividade - Projeto.
projeto. Portanto, no fórum, o grupo deveria:
O artigo "Mobile Learning Engine Moodle
 Escolher o assunto do projeto, o
(MLE - Moodle): das funcionalidades a
recurso a ser usado e a aplicação
validação em curso a distância utilizando
desse recurso no Moodle.
dispositivos móveis" foi indicado para que os
 Discutir a elaboração do projeto do grupos fossem motivados a discutir as
grupo. possibilidades e necessidades de recursos
usando o Moodle e a tecnologia móvel. O
 Desenvolver a apresentação do
artigo está disponível em:
projeto para ser postado na
http://seer.ufrgs.br/renote/article/view/14026.
ferramenta base de dados até o prazo
Acesso em 05 de maio de 2017.
final da atividade.
O tutor atuou no suporte e orientação dos
 Escolher um responsável pela grupos durante o processo de construção do
postagem do Projeto final (no formato projeto; e os alunos (professores em
escolhido pelo grupo). formação) assumiram um papel ativo na
discussão, colaboração e construção do
projeto o que os levou à uma aprendizagem
Para um bom desenvolvimento dos projetos, o significativa. As interações registradas no
professor inicialmente atuou como provocador AVA, nos fóruns dos grupos, possibilitaram

Educação no Século XXI - Volume 3


77

tanto ao professor como ao tutor acompanhar como contribuições suas experiências no


as discussões no processo de criação e ensino.
desenvolvimento do projeto de cada grupo.
Ao todo, foram desenvolvidos 6 projetos
A análise feita no presente relato de
com a participação ativa de 30 (trinta)
experiência fundamenta-se nos depoimentos
professores em formação (alunos). Como
de cada um dos atores deste processo. No
projetos finais, os grupos apresentaram:
primeiro depoimento (Relato 1) o professor
conteudista e responsável pela formação
descreve como foi idealizada a atividade
 Projeto 1 - Utilização do Mobile Study
baseada nas Metodologias Ativas; em
(QUIZ) http://www.mobilestudy.org/ ,
seguida, o depoimento do Tutor (Relato 2),
teve como tema principal o Novo
que acompanhou e mediou a atividade
Acordo Ortográfico.
realizada pelo grupo; e finalmente, o
 Projeto 2 - Criação e apreciação de depoimento de um dos alunos, que é
melodias tendo como base o sistema professor em formação (Relato 3) ao
tonal com o uso do MuseScore. participar da elaboração do projeto do grupo
Disponível em: 1.
 http://www.quiz-creator.com/online- Relato1 - Professor: No caso desse curso,
quiz-maker) para desenvolver o como professora conteudista e também
conhecimento literário e cultural. responsável pela formação atuei desde a
criação do curso construindo as atividades
 Projeto 4 - Uso de aplicativos até o acompanhamento das interações dos
educacionais em smartphones e professores em formação (alunos). Como
tablets. conteudista, minha atuação foi de planejar e
 Projeto 5 - Uso de dispositivo móvel redigir os enunciados das atividades e guias
para desenvolver e praticar os das unidades provocando a investigação e
conceitos utilizados em um autonomia de aprendizagem dos professores
diagnóstico e caracterização de em formação. Para tanto, a elaboração das
cursos d'água. atividades foi planejada usando as
metodologias ativas, em particular, a ABP.
 Projeto 6 - Uso de jogos para Também atuei como instigadora ao elaborar
disciplina de Matemática. questões-problema para as atividades e pela
curadoria de materiais selecionados como
exemplos para reflexão. Além disso, como
3. DISCUSSÃO professor responsável pela formação dos
Como a construção coletiva do conhecimento professores, atuei nas decisões sobre
é fundamental na metodologia ativa da flexibilização de prazos, critérios de avaliação
Aprendizagem Baseada em Projetos (ABP), das atividades e suporte às ações dos tutores
um dos grandes desafios é envolver os alunos ao acompanhar as discussões e interações
promovendo a motivação necessária para a nos fóruns e postagens das atividades.
realização da atividade. Relato 2 - Tutor: Neste curso, tive o papel de
Na EaD existe a possibilidade de acompanhar orientar, dirigir e supervisionar o processo de
(monitorar) as interações que ficam ensino-aprendizagem dos participantes.
registradas no AVA. Assim, o papel do Estabelecemos uma comunicação por meio
professor/tutor no acompanhamento das dos fóruns de discussão, email interno, chats
ações durante a construção do projeto e de outros mecanismos de comunicação.
permite também atuar como gerenciador, Como tutora, tive que mediar a comunicação
inclusive auxiliando na resolução de conflitos. de conteúdos entre o professor e os
A diversificação das ferramentas utilizadas participantes do curso; acompanhei as
para gerenciar o processo foi outro aspecto atividades conforme o cronograma do curso;
que contribuiu para o trabalho de busquei apoiar o professor formador no
acompanhamento das ações desenvolvidas desenvolvimento das atividades
pelos alunos, pois a diversidade de docentes;mantendo a regularidade de acesso
ferramentas possibilitou o trabalho ao Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) e
colaborativo onde os alunos puderam trazer dar retorno às solicitações dos participantes,
estabelecendo contato permanente com os

Educação no Século XXI - Volume 3


78

participantes e mediando suas atividades.  Motivador/incentivador dos grupos


Além disso, realizei a avaliação da (Palavras de estímulo, auxílio ao tutor)
participação e as atividades dos
 Acompanhador e Monitor dos Projetos
participantes.
dos grupos (gerenciamento)
Relato 3 - Aluno (Professor em formação): As
 Avaliador dos projetos (critérios,
atividades do Curso foram motivadoras e nos
rubrica, avaliação levando em conta a
instigaram o tempo todo a buscar
auto-avaliação dos alunos)
informações sobre o tema proposto (uso das
redes sociais e da tecnologia móvel), além de
oferecer de forma democrática e dinâmica o
Nesse contexto, o professor exerceu diversos
trabalho em grupo. A proposta constituiu-se
papéis, desencadeando um processo
em, apoiados na disponibilização do artigo
contínuo na busca pela melhoria da qualidade
"Mobile Learning Engine Moodle (MLE -
e novas estratégias de aprendizagem. Assim,
Moodle): das funcionalidades a validação em
o “O papel do professor não mais como
curso a distância utilizando dispositivos
provedor e controlador direto das informações
móveis" (O artigo está disponível em:
e da aprendizagem, mas como planejador e
http://seer.ufrgs.br/renote/article/view/14026.),
gestor das estratégias adequadas e mediar
elaborarmos um projeto que contemplasse o
entre todos os recursos disponíveis... ”
uso de ferramentas e aplicativos que
(PETEROSSI e ITOCAZU, 2005, p. 106)
pudessem ser utilizados no Moodle e que
fosse um estímulo a aprendizagem. Através
da abertura do Fórum de Discussão (grupo
4. CONSIDERAÇÕES FINAIS
2), discutimos o tema, as ideias e em seguida,
elaboramos coletivamente a apresentação. Segundo Libânio (1998) os momentos de
Um dos membros do grupo ficou responsável formação continuada levam os professores a
pela postagem final na Ferramenta (Base de uma ação reflexiva. Uma vez que após o
Dados) no Moodle, dentro do prazo desenvolvimento da sua prática, os
estabelecido. Todos puderam colaborar e professores poderão reformular as atividades
assumir seus respectivos papéis de forma para um próximo momento, repensando os
ativa, exercendo assim seu papel como pontos positivos e negativos ocorridos
protagonistas de seu aprendizado, mediados durante o processo de ensino-aprendizagem.
pelo professor e tutor. O encerramento do Nesse contexto, é importante que o professor
trabalho se deu da melhor forma possível, busque uma atualização profissional por meio
pois todos os trabalhos foram disponibilizados de cursos de formação continuada com
a todos os grupos do curso e tivemos a objetivo de promover uma reflexão sobre a
oportunidade de conhecer os outros olhares prática diante dos diversos papéis assumidos
para a proposta da atividade através do pelo professor no uso das metodologias
compartilhamento dos outros grupos. Dessa ativas no processo de ensino-aprendizagem.
forma, ampliarmos a visão sobre nosso
Projeto e também pudemos comentar e Entende-se que Aprendizagem Baseada em
contribuir com os Projetos dos outros grupos Projetos (ABP) pode potencializar as
na ferramenta Base de Dados. atividades pedagógicas desenvolvidas em
sala de aula seja ela virtual ou presencial, de
forma que ocorra de fato uma aprendizagem
Em resumo, o professor atuou em diversas significativa, além de envolver todos os
frentes e podemos observar que foram participantes em torno de ações didático-
exigidos dele várias posturas em relação à pedagógicas, contribui, entre outros
proposta das metodologias ativas. Vejamos: aspectos, para o aprender a aprender, ou
seja, para o processo de aprendizagem
contínua. Acredita-se também que uma das
principais etapas com relação ao uso de
 Elaborador da atividade (proposta
projetos seja o planejamento das atividades
com enunciados claros, critérios de
que serão desenvolvidas, a definição do
avaliação, prazo)
papel do participante como agente principal e
 Orientador do processo (seleção e responsável pelo processo de ensino
curadoria dos exemplos, orientações aprendizagem, comprometendo-se com o seu
pontuais, flexibilização de prazo) aprendizado, e o papel do professor como

Educação no Século XXI - Volume 3


79

curador e incentivador/motivador dessa disciplinas, concordando com Silva (2012)


aprendizagem. que destaca que, “estes aprendizados
passam a ser incorporados nas atividades
Nesse sentido entende-se que cursos de
didáticas, e dessa forma, os alunos também
formação continuada podem permitir aos
começam a incorporar as ferramentas
professores um aprofundamento de seus
tecnológicas e seus mecanismos de
conhecimentos sobre as metodologias ativas
comunicação e interação em suas atividades
e as possibilidades pedagógicas de uso das
pessoais.”
mesmas podendo ser incorporadas como
recursos didáticos em suas respectivas

REFERÊNCIAS [8] Peterossi, H. G.; ITOCAZU, N. A. As novas


tecnologias de informação e comunicação e a
[1] Kenski, V. Educação e tecnologias. O prática docente. In PETEROSSI, H. G.; MENEZES,
novo ritmo da informação. Campinas: J. G. C. (Org.). Revisando o saber e o fazer
Papirus.Editora. 2013 docente. São Paulo: Pioneira, p. 113-130, 2005.
[2] Libâneo, José Carlos. Adeus Professor, [9] Ribeiro, P. S.; MEDINA, R.D. "Mobile
Adeus Professora? novas exigências educacionais Learning Engine Moodle (MLE - Moodle): das
e profissões docente. São Paulo: Cortez, 1998. funcionalidades a validação em curso a distância
[3] Markham, T.; LARMER, J.; RAVITZ, J. utilizando dispositivos móveis Disponível em
Aprendizagem baseada em projetos: guia para acesso em 25 abr 2017.
[4] professores de ensino fundamental e [10] Rodrigues, S. Metodologias Ativas: O Que
médio. Porto Alegre: Artmed, 2008 É Aprendizagem Baseada Em Projeto.
[5] Morán, José. Mudando a educação com [11] Disponível em: acesso em 25 abr 2017.
metodologias ativas. In: SOUZA, Carlos Alberto de; [12] Silva, S. Ambiente Pessoal de
MORALES, Ofelia Elisa Torres (orgs.). Coleção Aprendizagem (PLE) como recurso de
Mídias Contemporâneas. Convergências aprendizagem para o professor. Revista GEINTEC.
Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações V. 2, no. 2. São Cristóvão/SE, 2012. p. 120-128.
jovens. Vol. II. PG: Disponível em: . acesso em 25 abr 2017.
[6] Foca Foto-PROEX/UEPG, 2015. Disponível [13] Silva, W. Metodologias Ativas De
em: Aprendizagem: Relato De Experiência Com
http://www2.eca.usp.br/moran/wpcontent/uploads/2 [14] Aprendizagem Baseada Em Projetos.
013/12/mudando_moran>. Acesso em: 27 fev. Disponível em: acesso em 25 abr 2017.
2015. [15] Toyohara, D. Q. K. Aprendizagem
[7] Penuel, W.R. & MEANS, B. (1999). Baseada em Projetos – uma nova Estratégia de
“Observing Classroom Process in Project-Based Ensino para o Desenvolvimento de Projetos. 2010.
Learning Using Multimedia: A Tool for Evaluators”. Disponível em acesso em 25 abr 2017.
Disponível em . Acesso em 1999.

Educação no Século XXI - Volume 3


80

Capítulo 12

Maiara de Moraes
Tammy Rodrigues
Valdenize Lopes do Nascimento

Resumo:A educação superior vem passando por mudanças significativas desde o


século XIX. Os avanços científicos e tecnológicos no mundo moderno promoveram
uma transformação na forma de educar e alavancaram novas estratégias para o
ensino-aprendizagem, como as metodologias ativas e a educação a distância. Nas
escolas de Medicina elas se tornaram uma exigência como estratégia educacional,
onde o aprendizado é baseado em resultados e competências enfatizando a
aquisição de conhecimentos, habilidades e atitudes. A maioria das Instituições de
Ensino Superior que já fazem uso de abordagens ativas ou educação a distância
aponta como principal desafio a resistência docente, sobretudo pelo fato de termos
tido uma formação tradicional presencial de ensino-aprendizagem. Outro fator
complicador é que nestes modelos há uma mudança de papel de transmissor do
conteúdo para ativador da aprendizagem. Tendo em vista esta nova demanda de
formação e educação permanente, este trabalho tem por objetivo apresentar
algumas reflexões sobre um curso de vivências em metodologias ativas de ensino-
aprendizagem como possibilidade de um novo campo de atuação na Universidade:
o uso das metodologias ativas na educação à distância.

Palavras-chave: aprendizagem ativa; ensino superior; aprendizagem baseada em


problemas; educação a distância.

Educação no Século XXI - Volume 3


81

1. INTRODUÇÃO requer a integração de conhecimentos e


participação em atividades interdisciplinares
O curso de Medicina da Universidade Federal
de planejamento e avaliação. De uma forma
Rural do Semi-Árido (UFERSA) é o primeiro
geral, sentem-se inseguros por
curso na instituição a contemplar as
desconhecerem as metodologias ativas,
metodologias ativas em seu projeto
queixam-se de não estarem aptos a trabalhos
pedagógico. Dentro da nova proposta de
em grupo, além de alegarem medo e
formação médica, é de extrema importância
imaturidade nos sistemas de avaliação que
para a região do Semi-Árido, podendo
contemplam além de avaliação cognitiva, a
promover uma mudança de perfil assistencial
avaliação de habilidades e atitudes (ALMEIDA
(PPC, 2016). Na região nordeste, temos
& BATISTA, 2011).
alguns cursos utilizando essa nova
abordagem ativa do ensino-aprendizagem Neste contexto, apresentamos neste trabalho
sendo a aprendizagem baseada em o relato de experiência em uma ação de
problemas (ABP, do inglês problem based extensão desenvolvida por duas docentes do
learning - PBL) eixo norteador de nossas curso de Medicina da UFERSA (duas das
atividades. autoras deste texto), com um pequeno grupo
de vinte (20) participantes, sendo a maioria
A ABP foi primeiramente instituída na
docente do ensino superior presencial das
Faculdade de Medicina da Universidade de
áreas de saúde ou ciências biológicas e
McMaster (Canadá), na década de 1960 e na
apenas uma docente da área de matemática,
Universidade de Maastrich, na década de
atuante nas duas modalidades de educação,
1970 onde todos os cursos de graduação
presencial e distância (terceira autora deste
foram fundados com o PBL. No Brasil, as
texto), todos dispostos a ampliar seus
instituições pioneiras foram a Faculdade de
conhecimentos nesse novo e amplo campo
Medicina de Marília (FAMEMA, em 1997) e o
de processo de ensino-aprendizagem.
curso de Medicina da Universidade Estadual
de Londrina, em 1998. A ABP parte de
situações fictícias e é uma estratégia de
2. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
aprendizagem na qual os estudantes
identificam questões levantadas por A experiência tratou-se de uma ação de
problemas específicos, para facilitar o extensão na área da educação (facilitação de
desenvolvimento da compreensão de processos educacionais) com carga horária
conceitos e princípios subjacentes ao tema de 45h/a, onde foi oferecido um total de vinte
do problema. É uma forma colaborativa de (20) vagas (5 delas para público externo à
aprendizagem na qual a construção ativa do instituição). O curso foi realizado no período
conhecimento, ao invés do simples de setembro a dezembro de 2016, prevendo
processamento, é o foco das atividades. Os atividades presenciais e a distância. Foram
principais aspectos da ABP são: (1) previstos um total de onze (11) encontros,
aprendizagem significativa; (2) a sendo sete (07) presenciais e quatro (04) a
indissociabilidade entre teoria e prática; (3) o distância. Para o desenvolvimento das
respeito à autonomia do estudante; (4) o atividades à distância o curso foi inserido na
trabalho em pequenos grupo; (5) a educação Plataforma MOODLE disponibilizada pelo
permanente; (6) e a avaliação formativa. A Núcleo de Educação a Distância - NEaD da
ABP é capaz de permitir a formação de um Instituição. Em um dos primeiros encontros
estudante apto a construir seu próprio houve uma apresentação do MOODLE e de
conhecimento e de trabalhar em grupo de suas principais ferramentas.
modo articulado e fecundo (revisado em
Foram criadas duas turmas com 10
MITRE, et al, 2008).
participantes cada e uma facilitadora para
O desconhecimento e a pouca vivência e cada uma das turmas. Alguns requisitos
domínio de metodologias ativas, da necessários para a certificação no curso
metacognição e da avaliação formativa foram a frequência mínima de 75% nas
ampliam as resistências às mudanças nas atividades dos encontros presenciais; e o
práticas docentes. A principal causa de desempenho satisfatório nas atividades
resistência docente se refere ao fato de os presenciais e a distância, incluindo o
conteúdos e atividades serem integrados em cumprimento de prazos estabelecidos pelos
temas e/ou necessidades de saúde, o que facilitadores.

Educação no Século XXI - Volume 3


82

As principais ações educacionais utilizadas membros começam a compreender os seus


foram: Aprendizagem baseada em problemas papéis em relação um ao outro e,
(problem based learning); a espiral estabelecem uma visão ou meta comum. Uma
construtivista; narrativas da prática; Fish Bowl; vez que estas normas se estabelecem, o
oficinas de trabalho; viagem; e práticas de grupo estará pronto para se concentrar na
facilitação. O eixo norteador do evento foi a produção e vai entrar na fase de realização. É
aprendizagem baseada em problemas. nesta fase que eles vão trabalhar mais
efetivamente como uma equipe (PLA Notes,
2001).
3. APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS
Uma ocorrência interessante e bastante
RESULTADOS
comum na prática de facilitação foi a
Foi realizada divulgação interna e externa da confusão na identificação dos problemas e na
ação de extensão e após a abertura das elaboração das hipóteses pelos participantes
inscrições surgiu o nosso primeiro desafio no momento da apresentação do problema. A
que era o de conseguir adesão do corpo identificação dos problemas deve ser livre e
docente da Universidade, mais sem pré-julgamentos permitindo que todos
especificamente, dos docentes do curso de exponham suas ideias sem emissão de juízo
Medicina. Ampliamos o prazo de de valor e de forma aberta. Os problemas
encerramento das inscrições e finalizamos geralmente carregam em si uma carga
com um total de 20 participantes, servidores negativa, devem ser centrados na
da UFERSA e de outras instituições de ensino problemática apresentada pelo docente, você
superior, sendo apenas 6 docentes médicos deve ser capaz de descrevê-lo. Os problemas
do nosso curso, nos levando a crer que essa precisam ser explicados, descritos e ter suas
baixa adesão dos docentes médicos reflete causas identificadas para, sobre elas, se
bem a falta de tempo e o fato da docência ser desenhar o plano. Para construí-lo a primeira
uma “segunda profissão” conforme descrito providência é descrever o problema usando
por Almeida & Batista (2011). um conjunto de frases curtas, chamadas de
descritores. Esse conjunto deve ser
O primeiro encontro foi marcado pela
necessário e suficiente para precisar o
ansiedade de todos os envolvidos. As
conteúdo do problema e não deve referir-se
atividades se desenrolaram bem e a turma se
nem a causas e nem a consequências do
mostrou promissora, alguns tinham alguma
mesmo. Para testar se os descritores estão
noção do que se tratavam as metodologias
bem formulados, faz-se a pergunta: caso
ativas, outros mais resistentes às novidades,
sejam eliminadas as cargas negativas dos
porém bastante interessados. As atividades
descritores, o problema seria resolvido? Se a
correram conforme o planejamento inicial. A
resposta for afirmativa ele estará bem
partir do segundo encontro, os participantes
descrito. Se for negativa, é possível que
foram aos poucos se reconhecendo como
esteja faltando algum descritor ou que os
grupo e compreendendo a necessidade de
descritores escolhidos não sejam apropriados
trabalhar em equipe. No encontro onde foram
(IIDA, 1993; PADILHA et al., 2016). De acordo
apresentadas as ferramentos do Moodle, os
com as experiências vivenciadas acreditamos
participantes também se mostraram bastante
que as hipóteses podem ter caráter negativo
interessados.
e os problemas nem sempre terão esse
Para as facilitadoras ficou bem nítida a caráter negativo. Os problemas relatam um
formação do grupo e suas fases. Na fase de desafio, um desconforto e temos que ser
formação inicial, o grupo é uma coleção de capazes de descrevê-los.
indivíduos, cada um com o seu/sua própria
Já no segundo encontro do grupo tutorial
agenda e expertise, e pouca ou nenhuma
(fechamento do problema) a maioria dos
experiência compartilhada. Quando estes
participantes não trouxe
indivíduos tornam-se mais familiarizados uns
referências/embasamento teórico para a
com os outros, eles quase certamente irão
discussão em grupo. Para nós houve
entrar em uma fase de ataque onde os
incômodo com a falta de cumprimento de
valores e princípios pessoais são desafiados;
uma etapa importante da ABP, haja vista que
papéis e responsabilidades são tomados e/ou
ela se utiliza de setes passos e que ocorrem
rejeitados; e os objetivos do grupo e a forma
em duas sessões: a primeira sessão,
de trabalhar em conjunto são definidos. Na
chamada de abertura do problema, inicia-se
fase de normatização, o grupo se estabelece
pela leitura do problema, esclarecimento de
e desenvolve uma identidade clara. Os

Educação no Século XXI - Volume 3


83

termos desconhecidos, identificação do/s compartilhamento de ideias, de aproximação,


problema/s, formulação de hipóteses carinho e união no grupo.
explicativas, resumo das hipóteses e
Outra ocorrência frequente em nosso curso foi
formulação dos objetivos de aprendizagem. A
a baixa adesão às atividades à distância. Não
sexta etapa é o estudo individual e a sessão
conseguimos trazer os estudantes para
tutorial finaliza na segunda sessão com o
participação na plataforma Moodle.
fechamento do problema, rediscussão,
Corroborando o discurso de várias pesquisas
confrontamento das hipóteses com as
na EAD (ALMEIDA et al., 2017;FARIA, 2015;
soluções encontradas e avaliação individual,
MERCADO, 2007) que mostram que muitos
por pares e do tutor/facilitador (BERBEL,
estudantes queixam-se de dificuldades com
1998). No fechamento da sessão tutorial os
uso das tecnologias da informação, outros
estudantes devem apresentar a bibliografia
resistência ao uso das ferramentas e à
utilizada; discutir soluções para o problema e
proposta metodológica inovadora, além de
para tomada de decisão e, por fim confrontar
alegarem que as atividades exigidas (teóricas
hipóteses inicialmente formuladas.
e práticas) demandam tempo que os mesmos
Em uma de nossas atividades trabalhamos não dispõem. Na EaD a flexibilização do
com narrativas-problemas na perspectiva da horário muitas vezes é confundida com
espiral construtivista. A espiral construtivista “menos” dedicação e exigência intelectual
encontra-se ancorada na teoria sócio (FARIA, 2015). Isso não é verdade, pois para
interacionista (construtivista). Nela, a que se execute as atividades propostas na
combinação entre os elementos experiência, educação à distância, os estudantes além de
ambiente e capacidades individuais permite tempo para cumprir as atividades propostas
contemplar as diferentes maneiras de devem dispor de um tempo maior ainda para,
aprender e ampliar capacidades, a partir das sozinhos, buscarem o conhecimento.
interações do sujeito que aprende com o
Mesmo tendo enviado antecipadamente a
mundo. Tal como na aprendizagem baseada
programação com as atividades a à distância;
em problemas, o conhecimento é construído
realizado cadastro de fóruns de discussão; e
num processo espiral, que ocorre num
postado filmes na plataforma, tivemos
primeiro momento de síntese provisória:
dificuldades em conseguir captar o grupo
reconhecimento dos conhecimentos prévios
para o uso do Moodle. Neste sentido, a falta
do estudante, o levantamento de hipóteses e
de habilidade para facilitar em ambientes
formulação de questões de aprendizagem;
virtuais foram fatores de reflexão para nós.
em seguida, um momento individual de busca
Segundo Mercado (2007), as frustrações dos
e estudos; e um terceiro momento de nova
alunos e tutores na EaD podem estar
síntese, no qual os estudantes compartilham
motivadas por vários fatores: ausência de
os conhecimentos construídos
ajuda ou de resposta imediata por parte de
individualmente e passam a elaborar uma
tutores ou colegas, instruções ambíguas no
nova síntese sobre as questões de
curso, problemas técnicos, inadequação do
aprendizagem elaboradas anteriormente
modelo pedagógico aos estilos cognitivos e
(PADILHA et al., 2016). Os participantes
características pessoais dos estudantes e
acharam fantástica a utilização das narrativas
dificuldades relacionadas com aspectos da
produzidas por eles mesmos para
situação vital dos alunos (aspectos sociais,
cumprimento das etapas da espiral
familiares e pessoais). Carmo (2014) (apud
(identificação de problemas, hipóteses e
FARIA, 2015) afirma que na EaD os
questões de aprendizagem).
estudantes ganham diversas competências
Algumas desistências foram ocorrendo ao cognitivas, que o ajudam a controlar o ritmo
longo do curso e para nós, foi um pouco da aprendizagem, a enfrentar as emoções
desanimador. Aos poucos fomos percebendo negativas, a gerir as informações disponíveis
que o mais importante era estarmos para transformá-la em conhecimento e usar
desempenhando a nossa proposta com zelo e as novas e velhas tecnologias de informação
dedicação, independente das eventuais e comunicação, consoante a sua
desistências. Sensação passageira, a ternura, acessibilidade e adequação. Dessa forma a
apoio que o grupo nos forneceu deixou EaD permite ao estudante lidar melhor com o
transparecer a importância de se valorizar a tempo e com a mudança, tornando-se mais
qualidade do grupo e realizamos encontros autônomo e crítico, requisitos essenciais
incríveis, do ponto de vista de quando se utiliza uma abordagem ativa de
ensino-aprendizagem. Para isso, os docentes

Educação no Século XXI - Volume 3


84

devem estar familiarizados e dispostos a se abordagem ativa e voltado para a saúde


tornarem agentes de transformação, incitando humana isto significa muito. Encerramos este
os alunos a: aprender a aprender; ter curso com a possibilidade de criação de
flexibilidade no raciocínio; tentar novas turmas para o ano de 2017 e com uma
contextualizar as situações e demandas do proposta de elaboração e planejamento de
cotidiano, superando o senso comum; discutir um curso de capacitação multiprofissional
e propor soluções de forma coletiva, (Metodologias ativas voltadas ao ensino à
valorizando diferente saberes (apud FARIA, distância) para a equipe do NEaD/UFERSA na
2015). Nesta perspectiva integradora o curso perspectiva de aprofundar conhecimentos
trouxe à tona problemas comuns à integradores do uso de metodologias ativas e
abordagem ativa e ao ensino à distância: o ensino à distância e melhorar aspectos
papel do facilitador na motivação, importância motivacionais, além de desenvolver
do feedback e o desenvolvimento de competências (conhecimentos, habilidades e
competências para o facilitador/tutor. atitudes). Um ganho pessoal para as autoras
que participaram da ação como facilitadoras
foi o amadurecimento nesta função. Para a
4. CONSIDERAÇÕES FINAIS outra autora, o contato com as metodologias
ativas, despertou-lhe o interesse em
O projeto se desenvolveu com algumas
prosseguir na área de Educação, mais
desistências, mas com evidente crescimento
precisamente, desenvolvendo pesquisas
dos que permaneceram, barreiras foram
relacionadas ao uso de metodologias ativas
transpostas e pequenas sementes de uma
no ensino de matemática e na Educação à
nova prática educacional foram
Distância.
disseminadas. Novas parcerias se formaram e
dentro de uma instituição que está
aprendendo a lidar com um novo curso com

REFERÊNCIAS
[1] MITRE, Sandra Minardi et al . Jun.1997. Disponível em:
Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na http://pubs.iied.org/pdfs/G01718.pdf.
formação profissional em saúde: debates atuais. [6] Padilha, Roberto et al. Aperfeiçoamento e
Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 13, supl. especialização em metodologias ativas: caderno
2, p. 2133-2144, Dec. 2008 . do curso 2016 -- São Paulo: Hospital Sírio-Libanês
[2] Projeto Pedagógico do Curso de Ensino e Pesquisa, 2016. 46 p. (Pós-graduação) .
Medicina. Campus Central Mossoró. Maio/2016. [7] Iida, Itiro. Planejamento estratégico
(disponível em: situacional. Prod., São Paulo , v. 3, n. 2, p. 113-
<https://documentos.ufersa.edu.br/wp- 125, Dec. 1993 .
content/uploads/sites/79/2016/02/Projeto_Pedagogi [8] Almeida, Onília Cristina de Souza de et al .
co_Medicina.pdf> Acesso em: 25 abril. 2017 Evasão em cursos a distância: fatores
[3] Almeida, Maria Tereza Carvalho; BATISTA, influenciadores. Rev. bras. orientac. prof, São
Nildo Alves. Ser docente em métodos ativos de Paulo , v. 14, n. 1, p. 19-33, jun. 2013 .
ensino-aprendizagem na formação do médico. [9] Faria, Jeniffer de Souza. Metodologia Ativa
Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro , v. 35, n. 4, de Aprendizagem na Educação a Distância: notas
p. 468-476, Dec. 2011 . sobre a formação do professor.Trabalho
[4] Berbel, Neusi Aparecida Navas. A apresentado no III Simpósio Internacional de
problematização e a aprendizagem baseada em Inovação em Educação 2015. Modalidade
problemas: diferentes termos ou diferentes semipresencial e a distância. Disponível
caminhos? Interface (Botucatu), Botucatu , v. 2, n. em:<http://www.lantec.fe.unicamp.br/inova2015/im
2, p. 139-154, Feb. 1998 . ages/trabalhos/artigos2/B3.pdf>Acesso em: 25
[5] Pla Notes. A brief guide to group abril. 2017
dynamics and team building. PLA notes CD-ROM [10] Mercado, Luis Paulo Leopoldo.
1988-2001: participatory learning and action.The Dificuldades da educação à distância
International Institute for Environment and online.(2007). Disponível em:
Development (IIED). Performance and participation. <http://www.abed.org.br/congresso2007/tc/552007
PLA Notes, IIED London, v. 29, Cap. 25, pp.92–94, 61718PM.pdf> Acesso em: 25 abril. 2017.

Educação no Século XXI - Volume 3


85

Capítulo 13

Adriana Barroso de Azevedo


Elaine Gomes Vilela
Wharlley dos Santos

Resumo:O presente artigo reflete sobre a possibilidade do ensino de Libras


(Processos Tradutórios) através da modalidade EAD, dirigidos a profissionais
Tradutores Intérpretes da Língua de Sinais (TILS), com a finalidade de proporcionar
formação contínua na qualificação do atendimento ao surdo. A pesquisa investiga
as práticas de ensino concretas mediadas pelo uso de tecnologias Digitais de
Informação e Comunicação (TDIC) na possibilidade de compartilhamento de
estudos da tradução da LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais), através da
modalidade EAD no intuito de complementar as práticas de TILS. A pesquisa
analisa os estágios evolutivos e uso de Tecnologias Digitais e Comunicação (TDIC)
da Escola de Formação e Aperfeiçoamento VIA LIBRAS EAD, com ênfase no
estudo de processos de tradução da Língua Brasileira de Sinais. No decorrer desse
processo os alunos profissionais TILS avaliaram o uso de recursos e ferramentas
utilizadas, e através das devolutivas/narrativas, a VIA LIBRAS foi alterando as
estratégias e recursos de TDIC para melhoria da comunicação/interação dos pares.

Palavras-Chave: Libras, Educação a distância, Tradutores Intérpretes da Língua de


Sinais

Educação no Século XXI - Volume 3


86

1. INTRODUÇÃO se configura somente pelos gestos ou


expressões, mas como um conjunto de
As “novas” tecnologias abrem a possibilidade
conceitos e ações incluindo a estrutura
de uma reconstituição das relações de
morfológica, sintática e semântica.
trabalho dos sistemas de produção em bases
sociais, econômicas e geográficas
inteiramente distintas (HARVEY, 1989, p.177),
Entende-se como Língua Brasileira de Sinais-
portanto, o domínio e acesso às novas
LIBRAS, a forma de comunicação e
tecnologias tornam-se indispensáveis para a
expressão em que o sistema linguístico de
vida no século XXI.
natureza visual-motora, com estrutura
A educação a distância - EAD, modalidade gramatical própria, constituem um sistema
educativa que se define a partir da mediação linguístico de transmissão de ideias e fatos,
pedagógica que se dá pela presença das oriundos de comunidades de pessoas surdas
Tecnologias Digitais de Informação e do Brasil (LEI 10436/2002, art 1°, Parágrafo
Comunicação – TDIC, tem se constituído único).
como um desafio para consolidar
democraticamente o ensino superior com
qualidade no país e ampliar o acesso de A lei 10.436 de 2002 foi criada com o intuito
inúmeras pessoas à formação complementar, de reconhecer a Língua Brasileira de Sinais,
aberta, de qualidade, pois apresenta-se como como forma de comunicação e
uma possibilidade flexível de acesso à interação/expressão do surdo, fortalecendo
formação, superando as dificuldades assim o uso e difusão da língua materna da
estabelecidas pelas distâncias geográficas e comunidade Surda. Essa lei também
favorecendo a administração do tempo por implementa a garantia de atendimento ao
parte de alunos e professores. surdo nos espaços escolares além de
sancionar a inclusão da disciplina de Libras
A educação a distância no Brasil, vem sendo
nos cursos de formação de professores
elemento importante para a socialização e
(Graduação em Pedagogia), julgando ser o
democratização do saber. O traço marcante
suficiente para a especialização e
da modalidade é a midiatização das relações
atendimento desse aluno. Porém para
entre professores e alunos, substituindo a
efetivação desse direito é necessário muito
aula presencial tradicional, por uma proposta
mais do que uma disciplina nos cursos de
na qual o tempo e o espaço podem ser
graduação (MASUTTI, SANTOS).
distintos.
Em 22 de dezembro de 2005, o Decreto nº
Neste artigo relatamos uma experiência
5.626, regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de
inovadora de ensino de Libras (Processos
abril de 2002, visando o acesso à informação
Tradutórios) através da modalidade EAD,
para as pessoas surdas, propondo uma
dirigidos a profissionais Tradutores Intérpretes
comunicação efetiva entre surdos e ouvintes
da Língua de Sinais (TILS), alunos da Escola
dentro da sociedade, e tornando a LIBRAS
de Formação e Aperfeiçoamento VIA LIBRAS
reconhecida nacionalmente, tornando o Surdo
EAD. O objetivo do curso é contribuir para a
respeitado pela Língua que utiliza,
formação contínua na qualificação desses
valorizando sua forma de comunicação e
profissionais que fazem atendimento aos
expressão na inserção social dentro dos
surdos. O artigo relata como a tecnologia foi
diversos setores onde a comunicação se faz
sendo implantada na formação desses
necessária para aquisição de bens de
agentes e como o processo de avaliação do
informação, educação, instrução,
uso dessas tecnologias, no âmbito do curso,
acessibilidade, acontecimentos, lazer e
junto aos alunos, foi fundamental para
serviços.
retoralimentar as mudanças no planejamento
e nas estratégias e recursos de TDIC, visando O intérprete de Língua de Sinais (TILS) se faz
a melhoria da comunicação/interação dos necessário nesse contexto para que esse
pares. direito seja efetivado. Ele tem o papel
primordial de fazer essa ponte no processo
de significação do surdo (MASUTTI,
2. REFERENCIAL TEÓRICO SANTOS).
A LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais), é uma O intérprete de Língua de Sinais realiza o
língua gestual-visual que possui uma estrutura processo tradutório fazendo aproximações
gramatical que a identifica como língua. Não culturais e linguistas inerentes à comunidade

Educação no Século XXI - Volume 3


87

surda, para isso passa por um processo de profissionais intérpretes empíricos, ou seja, os
internalização de cultura e conceitos, por isso intérpretes de língua de sinais que atuam
a interpretação envolve processos sistematicamente sem nenhum tipo de
complexos. formação formal (MEC SEESP, 2004, p. 87).

Quanto mais se reflete sobre a presença dos Nessa perspectiva faz-se necessário a
intérpretes de Língua de Sinais, mais se criação de cursos para a formação gradativa
compreende a complexidade de seu papel, dos profissionais TILS na promoção de
as dimensões e a profundidade de sua qualidade na prestação de serviços levando
atuação. Mais se percebe que os intérpretes em considerando a aquisição de
de Língua de Sinais são também intérpretes competências e habilidades interpretativas
da cultura, da língua, da história, dos nos processos tradutórios.
movimentos, das políticas da identidade e da
subjetividade surda, e apresentam suas
particularidades, sua identidade, sua 3. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
orbitalidade (PERLIN, 2006, p.137).
Os procedimentos metodológicos adotados
se configuram na pesquisa qualitativa em
caráter exploratório, na modalidade narrativa,
O ato de interpretar envolve a ação cognitiva-
caracterizada pela pesquisa-ação visto que
linguística em que o intérprete faz as escolhas
os autores estão imersos nesse universo da
lexicais, semânticas estruturais e pragmáticas
proximidade com o EaD e os processos
de uma língua fonte para uma língua alvo no
tradutórios em Libras (mediação e
intuito de aproximar o máximo possível a
aprendizagem). Os instrumentos
informação trazida pela língua fonte. Essas
selecionados baseiam-se na obtenção de
escolhas devem ser apropriadas e isso só é
dados através das narrativas dos sócios-
possível através de conhecimento técnico.
diretores (administradores) da Via Libras,
Nesse contexto o intérprete está envolvido e
questionários aplicados aos alunos na
interage (social e cultural) na prática
obtenção de referencias sobre a qualidade de
comunicativa, e possui influencia sobre o
ensino aprendizagem através do uso das
objeto e produto da sua interpretação. Por
ferramentas em EaD e diálogo com alunos ao
isso torna-se imprescindível a qualificação
longo das aulas (a princípio pelo chat, depois
(MEC SEESP, 2004)
pela sala de bate-papo) no desvelamento de
questões respondidas ao vivo nas vídeo-
aulas.
Essa variação em níveis de qualificação
reflete um desenvolvimento sóciocultural da
comunidade surda. A preocupação em formar
4. APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS
intérpretes surge a partir da participação ativa
RESULTADOS
da comunidade surda na comunidade em que
está inserida (MEC SEESP, 2004, p. 51). A Escola de Formação e Aperfeiçoamento VIA
LIBRAS nasceu, em 2015, primeiramente, por
um forte desejo de divulgar a Libras,
No Brasil não existe uma formação para conforme prevê o Decreto 5.526, tanto para o
intérpretes adequada às necessidades da benefício da pessoa surda, como para
estrutura da LIBRAS (FERREIRA, 2015). Os promover a inclusão da pessoa ouvinte na
tradutores intérpretes de Língua de Sinais comunidade dos surdos, mas, sobretudo
geralmente possuem uma formação divulgar e ensinar a Libras com qualidade e
superficial, e dessa forma são inseridos nos seriedade.
espaços de atuação. Existem vários cursos
A equipe administrativa é composta por dois
em diferentes pontos do Brasil voltados para
professores de Libras e profissionais TILS:
validação do intérprete; porém, cursos
Wharlley dos Santos, Graduado em Letras
voltados para os estudos da tradução são
Libras (UFSC) e proficiente no ensino e na
escassos.
tradução/interpretação de Libras (Prolibras) e
Há vários cursos de capacitação sendo Roberta Gomury, Graduada em Letras
ministrados em diferentes pontos do Brasil. (Português e Espanhol), proficiente no ensino
Tais cursos funcionam como cursos de da Libras (Prolibras) e pós-graduanda em
validação, pois são voltados para àqueles Docência, Tradução/Interpretação da Libras.

Educação no Século XXI - Volume 3


88

A escola não oferece apenas o conteúdo do (...) foi bom a gente pode conversar com
idioma Libras, mas também, outros conteúdos várias regiões do Brasil foi muito bom,
que visam à formação profissional do experiências que a maioria dos TILS
cidadão. E isso é possível, na modalidade estavam com a mesma duvida, como
EaD – Educação a Distância, através da estava acontecendo nas escolas, em salas
plataforma Moodle. de aulas, nomenclaturas e experiências
(E1)
Para contemplar um espaço de discussão e
formação continuada, foi dado início a um
projeto nominado Grupo Nacional de Estudos
Nesta primeira turma tiveram 215 inscritos em
em Tradução e Interpretação, as reuniões
todo território nacional, mas, apenas 75
desse grupo eram transmitidas online com a
concluíram o curso, em função de várias
mediação do professor Wharlley no intuito de
razões: trabalho, outros cursos, inabilidade
discutir livros e publicações que versavam
tecnológica entre outros.
sobre a prática do TILS. As publicações
escolhidas eram livros, disponibilizados em A Plataforma escolhida para dar suporte às
formato físico ou em formato digital. No total reuniões do Grupo Nacional, foi o Moodle 5 e
foram 5 livros, sendo: 1) Intérpretes indexando a ele foi utilizado o aplicativo
Educacionais de Libras: orientações para a Google Hangout6, que permitia a transmissão
prática profissional (AMPESSAN, LUCHI E da aula em tempo real.
GUIMARÃES, 2013); 2) O Tradutor e
As transmissões do grupo de estudos
Intérprete de Língua Brasileira de Sinais e
aconteciam aos sábados às 14 hs. Era
Língua Portuguesa (MULLER, 2004); 3) Sua
iniciado com o Hangout que era transmitido
Majestade, o intérprete: o fascinante mundo
diretamente no Moodle, porém a interação era
da tradução simultânea (MAGALHAES, 2007);
síncrona, com certo delay de 35 segundos,
4) As imagens do outro sobre a cultura surda
através da ferramenta chat do Moodle que era
(STROBEL, 2013) e 5) Libras? Que língua é
utilizada para fazer perguntas pelos alunos e
essa?: crenças e preconceitos em torno da
as respostas eram dadas em tempo real
língua de sinais e da realidade surda
dentro da videoconferência. Nessa
(GESSER, 2009). As turmas eram ministradas
metodologia citamos alguns relatos:
semestralmente.
Esse projeto se deu pelo fato de muitos
profissionais TILS buscarem especialização (...) eu participei do primeiro momento,
na área de processos tradutórios e não haver daquele grupo nacional e para mim foi
cursos específicos nessa para tal atuação. uma coisa muito boa; pois, eu não tinha
experiência em aulas EaD, (...), os pontos
Essa proposta surgiu para mostrar a
positivos era que as aulas eram gravadas
quantidade de referencias existentes que não
circulam, com o intuito de fazerem esses e poderiam ser assistidas em outro
conteúdos e pesquisas conhecidos. Dessa momento que não era o ao vivo (E1)
forma a TILS E1 compartilha que:
(...)o conteúdo foi muito bem explicado,
No semestre seguinte foi iniciada a segunda
muitos teóricos e bibliografias, assim como
turma, com 125 inscritos. A metodologia de
assuntos, e coisas que eu não estudei em
ensino permaneceu a mesma, porém esta
minha faculdade, e ali conseguimos dar
metodologia, já dava sinais de desgaste e de
mais ênfase, o legal foi que o conteúdo
falta de acessibilidade para alguns alunos, o
abordou questões cotidianas, nós saímos
do texto escrito e a conversação fluiu muito
melhor, um ponto extremamente positivo 5 O Moodle - sigla de Modular Object-Oriented
(E1). Dynamic Learning Environment ou, em português,
Ambiente Modular de Aprendizagem Dinâmica Orientada
a Objetos - é uma plataforma de aprendizagem de EaD,
Pelo fato de ser difícil reunir as pessoas de baseada em software livre. (CORREA, 2014 p.13).
estados diferentes no mesmo espaço físico, o 6 O Hangout é um aplicativo da Google® que permite a
EAD proporciona essa oportunidade de transmissão de videoconferência, bate papo com os
discussão. De acordo com a narrativa de E1 amigos, fazer trabalhos escolares, dentre outras funções.
ela cita que: Possui uma versão gratuita anexada ao YouTube.
(DUTRA, s/d).

Educação no Século XXI - Volume 3


89

que fez a escola repensar o formato do chat e (...) a segunda forma de oferta ficou muito
da vídeoconferência. Assim nos mostra esse melhor, pois permite esse retorno e
relato: interação, e discussões muito mais
dinâmicas (E3).

(...) no primeiro momento teve interação,


mas, era atrasada; pois, as pessoas Nesta busca por nova metodologia, nasceu
escreviam em texto e em seguida havia efetivamente a VIA LIBRAS, Escola de
uma outra pessoa que te auxiliava no Formação e Aperfeiçoamento, pois os
sentido de passar as informações, mas administradores buscavam autonomia para
não tinha o feedback diretamente com o gerenciar a emissão de certificados bem
aluno que estava do outro lado tentando como ofertar novos cursos. No ano de 2016,
interagir ( E2). em janeiro, surge então esta escola, e com
ela a nova metodologia de ensino através da
interação síncrona, em uma grande sala de
Ao final de todas as turmas era realizada uma bate papo.
avaliação com os alunos sobre a metodologia
Depois da aplicação da nova metodologia na
empregada, essa avaliação consistia em:
terceira turma houve 125 inscritos. Foi um
avaliar o mediador, os alunos e a metodologia
sucesso; pois, agora não era preciso a
empregada. Os resultados foram claros que a
utilização do chat, mas a interação acontecia
metodologia naquele momento não estava
nesta grande sala de bate papo. A
agradando aos alunos.
importância do contato visual foi
frequentemente relatada pelos alunos:
(...) na primeira modalidade ofertada
através da videoconferência, foi o máximo,
(...)também a gente conseguia ver a
eu fiquei surpresa pela forma como foi
pessoa, mesmo quando ela não queria
encontrada para passar o conteúdo,
falar; mas, pela webcam a gente percebia
atendendo a pessoas de todos os estados
quando a pessoa não havia entendido e
(...) como ponto negativo era a demora
quando ela tinha entendido, era bem legal
entre a pergunta e a resposta, e as vezes
(E2).
não dava para retomar para fazer o
contraponto (E3).
Foram ofertadas mais duas turmas utilizando
esta metodologia e enfim o projeto do Grupo
Devido essas devolutivas foram traçado
de Estudos foi finalizado momentaneamente
novas estratégias. A terceira turma passou
para dar lugar a outros cursos que versassem
por uma reformulação, foi necessário refletir
sobre outros temas ligados a formação do
sobre uma nova metodologia,
TILS assim como o ensino de Libras e outras
concomitantemente. A Google estava
oportunidades, inclusive com turmas de
implantando uma nova função ao Hangout, a
surdos. Com o auge da escola em 2016
sala de videoconferência que antes apenas
iniciaram a oferta de cursos mais elaborados
transmitia e agora passou a receber
com aulas previamente gravadas, com isso foi
videochamadas ficando parecida com uma
realizada a troca de Plataforma e passaram a
sala de aula onde o professor tinha o controle
disponibilizar os vídeos na Plataforma Vimeo.
da participação dos alunos e os visualizava,
através da webcam que é acessada pelo Em um dos cursos de curta duração a VIA
Hangout. Sobre essa nova metodologia a E1 LIBRAS retomou a metodologia do Grupo
ressalta: Nacional de Estudos em Tradução e
Interpretação (ao vivo), esse curso abordou a
(...)no segundo momento foi bem mais
inserção e prática do TILS no contexto
interessante, a interação professor-aluno,
Judiciário, e foi considerado inovador, pois,
porque o professor vê a expressão do
não existe nenhuma oferta de formação para
aluno pela webcam e percebe se o aluno
atuação do TILS neste contexto.
entendeu ou não ( E1)
Outro aluno sobre essa mesma
perspectiva pontuou:

Educação no Século XXI - Volume 3


90

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS ensino e aprendizagem de uma língua de


modalidade visual, tal como a LIBRAS (Língua
A Escola de Formação e Aperfeiçoamento Via
Brasileira de Sinais), que necessita de outros
Libras tem produzido um conteúdo inovador.
recursos audiovisuais para que seu ensino e
Através da oferta de cursos com as mais
aprendizagem seja eficaz nesta modalidade
variadas temáticas, tem trazido essa
de ensino.
oportunidade a muitos TILS de se
especializarem através de formação Diante das reflexões e da devolutiva
continuada utilizando a EaD, todavia observa- contributiva dos alunos percebemos a
se no feedback dos alunos, realizado ao final inovação que se configura nessa
de cada curso, de que a metodologia de possibilidade de aprendizagem de conteúdos
ensino, nesta modalidade, abrange tal como em aulas presenciais. Dessa forma
ferramentas que estão em constante processo percebemos a importância das TDIC no
de inovação tecnológica e é necessário âmbito educacional e de formação de TILS, e
avançar juntamente com elas. A associação a VIA LIBRAS têm contribuído para essa
destas ferramentas tais como o ambiente idealização.
Moodle, Hangout® e aplicativos semelhantes,
tem contribuído significativamente para o

REFERENCIAS Petrópolis, RJ : Arara Azul, 2008. Intérpretes de


língua de sinais: uma política em construção Mara
[1] Correia, 2014. Corrêa, Denise Mesquita Lúcia Masutti, Silvana Aguiar dos Santos
Introdução à educação a distância e AVEA / [4] Mec Seesp, 2004. O tradutor e intérprete
Denise Mesquita Corrêa. 2. ed. -- Florianópolis : de língua brasileira de sinais e língua portuguesa /
IFSC, 2014. Secretaria de Educação Especial; Programa
[2] Lei 10.436, 2002. LEI 10436/2002, art 1°, Nacional de Apoio à Educação de Surdos - Brasília
Parágrafo único). Disponível em: : MEC ; SEESP, 2004. 94 p. : il.
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004- [5] Perlin, Gládis. Surdos: cultura e
2006/2005/decreto/d5626.htm Acesso em: pedagogia. A invenção da surdez II. Org. Adriana
20/04/2017 da Silva Thoma, Maura Corcini Lopes. Santa Cruz:
[3] Masutti, SANTOS, 2008.Estudos Surdos III Edunisc, 2006.
/ Ronice Müller de Quadros (organizadora). –
[6] http://www.vialibras.com.br/quemsomos. Acessado em 21/04/2017

Educação no Século XXI - Volume 3


91

Capítulo 14

Tatiane Kuckel
Fagner Alexandre Sotorriva Neckel
Roberta Galon Silva
Luciano Frontino de Medeiros

Resumo:Este artigo tem como objetivo analisar uma aplicação para classificação
de técnicas de obra de arte afim de possibilitar uma pré classificação para o
professor ao analisar se os seus alunos atingiram o objetivo da atividade se
utilizando do pontilhismo como teste para a aplicação de inteligência artificial
distribuída. O modelo do pandemônio de Selfridge, por meio de um sistema
multiagente, mostrou-se viável para o reconhecimento de técnicas aplicadas em
obras de arte de um determinado movimento artístico. Para executar a tarefa total,
cada agente deverá reconhecer uma característica particular da técnica, para que
em um contexto global seja possível identificar e classificar essa obra de arte.

Palavras-chave: Inteligência articial, pandemônios, pontilhismo, obras de arte.

Educação no Século XXI - Volume 3


92

A obra de arte não é apenas uma fonte de quanto ao uso de redes neurais artificiais
experiência pessoal, é também um tipo de (RNA’s) e visão computacional para equipar o
complexidade, que faz dela um ponto de comportamento do agente.
encontro de diferentes linhas causais. É o
Redes neurais artificiais são compostas de
resultado de, pelo menos, três condições
elementos simples inspirados no sistema
diferentes: psicológicas, sociológicas e
nervoso biológico, que operam em paralelo
estilísticas (Hauser, 1976, p.23). No intuito de
permitindo o reconhecimento de padrões a
se obter um sistema intencional inteligente
partir do conhecimento gravado em suas
capaz de armazenar, copilar, endereçar e
sinapses. Pode-se treinar uma rede neural
compreender a técnica utilizada em uma obra
para executar ações particulares através de
ou até mesmo uma linha artística que essa
treinamento supervisionado ou não. Cabe
obra pertence, pode-se usufruir da
ressaltar que para o objetivo aqui desejado
inteligência artificial aplicada a agentes.
pretende-se, com agentes modulados
Entende-se por agente “tudo o que pode ser
computacionalmente e equipados com RNA’s,
considerado capaz de perceber seu ambiente
a interpretação e classificação de obras
por meio de sensores e de agir sobre este
artísticas, como suas respectivas técnicas.
ambiente por intermédio de atuadores.”
(Russel, S.; Norvig, p., 2004, p. 33). A construção de sistema multiagentes para o
reconhecimento e classificação de padrões,
Os agentes inteligentes apropriados como
em específico de obras artísticas, apropria-se
autônoma a ponto de perceber, se relacionar
no modelo de pandemônio de Selfridge 8,
e realizar ações necessárias para alcançar
sendo que nesta arquitetura para cada grupo
seus próprios objetivos, tendo por
de “demons” é atribuído um estado de
fundamentação na inteligência artificial (IA).
reconhecimento particularizado e
De acordo com (Barr; Feigenbaum, 1981,p.):
fragmentado em função sensorial de entrada,
IA é a parte da ciência da computação perfazendo um trabalho individualizado e em
que se preocupa em desenvolver sistemas paralelo.
computacionais inteligentes, isto é,
Cada “demons” em singular qualifica, de seu
sistemas que exibem características, as
ponto de vista um sistema intencional,
quais nós associamos com a inteligência
individualizado e endereçado pela
no comportamento humano - por exemplo,
caracterização e setorização de trabalho
compreensão da linguagem, aprendizado,
relevante, entretanto, somente será um
raciocínio, resolução de problemas, etc.
sistema ideal se cada função individual [de
cada agente] for acoplada ao sistema
intencional global. Neste caso, preconiza
A apropriação de sistemas baseados em IA
conversação nas principais etapas no
preconiza a aplicação em aspectos não
processamento da arquitetura do pandemônio
somente tecnológicos, mas estratifica também
que segundo Selfridge (1959) podem ser
ações filosóficas e sociais, expandidas à
classificados em: Image demons: grava a
ética, perfazendo não apenas o
imagem pelo sensorial de entrada; Feature
desenvolvimento/conhecimento de entidades
demons: representa características
que podem ser classificadas como
específicas, sendo particularizado informar
inteligentes, como também, indiscutivelmente,
se detectar uma característica
imprimindo questionamentos entre ser e estar
correspondente à entrada; Cognitive demons:
raciocinando como “humano”. Em vista disso,
responsável por um padrão específico
a mescla de agentes inteligentes e seu
quando recebida o processamento dos
ambiente de aprendizado pode potencializar
features demons; Decision demon: representa
o trabalho funcional de seleção crítica de
a etapa final da arquitetura e nesta que se
obras artísticas através de referências
[percepções] completas em torno das
observações em que cada agente internaliza estrutura que contém um conjunto de unidades de
em qualquer instante. A possibilidade do uso processamento criada para imitar os neurônios do
de agentes inteligentes para a classificação cérebro. (McClelland e Rumelhart,1986).
de obras artísticas, finda-se no conexionismo7 8
Sistema de inteligência distribuída composta de
“demons”, com aprendizagem bottom-up e
7 circuitos de feedback de avaliação e subdisivão de
Em Inteligência Artificial o conexionismo se
sistema, expondo a particularidade de ação para
apresenta numa arquitetura baseada em
cada agente.
Processamento Distribuído em Pararelo (PDP):

Educação no Século XXI - Volume 3


93

encontra tomadas de decisões quanto às no ajuste de pesos de entrada para o


demais fases anteriores. Importante frisar que aprendizado do sistema intencional.
nesta arquitetura pode-se conciliar ao
algoritmo backpropagation, oriundo da RNA’s,

Na apropriação do pandemônio de Selfridge tecnica do pontilhismo, devemos considerar


e o algoritmo backpropagation como essência os seguintes agentes de reconhecimento:
de pesquisa de um trabalho relevante
Quadro 1: Agentes identificadores, fonte: os
baseado em IA torna-se capaz de identificar e
autores.Para classificar a obra como
classificar obras artísticas e suas respectivas
pertencente a técnica do pontilhismos os
linhas causais, ajustando proporcionalmente à
agentes inteligentes listados no quadro 1
diferença entre o padrão correto [desejável]
serão treinado e deverão obedecer as
e também a função de ativação dos demons
seguintes regras:
quanto a etapa cognitiva: “pode-se programar
um algoritmo, baseado em sua aprendizagem A. O primeiro agente a ser consultado é
individualizada, para o reconhecimento e o 01;
armazenamento das obras devidamente B. A segunda regra a ser verificada é a
classificadas e consolidadas pelos ausência de formatos geométricos em
movimentos existencialistas”. alta percentual de identificação,
diferente de pontos e linhas curtas;
A história da arte está repleta de
C. elementos geométricos só poderão
agrupamentos e classificações, entre eles
ser identificados se estes tiverem um
temos os períodos, escolas, tendências,
percentual baixo e forem compostos
estilo, movimentos, técnicas e cada uma tem
por pontos ou linhas com tamanho de
suas próprias características que o diferencia
menos de um centímetro.
dos demais um exemplo seria o pontilhismo
D. Pelo menos um objeto entre os
que de acordo com Gombrich (2009 p. 544),
agentes de 04 até 10 devem ser
Georges Seurat em seus estudos sobre a
reconhecidos;
visão cromática se utilizou de pequenas
E. Se forem identificados elementos do
pincelas “pontos” coloridos para composição
05 ao 08 estes devem seguir a
da obra, ao apreciar a obra como um todo
seguinte composição: 05 e 06 podem
deve se tomar uma certa distância para que a
fazer uma composição, o 07 pode
obra fique clara.
estar composto com o 08;
Considerando que para ter a aplicação do
reconhecimento das características da

Educação no Século XXI - Volume 3


94

Quadro 1: Agentes identificadores, fonte: os autores.

Agente de Regras do agente Regra para o Pontilhismo


reconhecimento

01 Formato Identificar a(s) forma(s) geométrica(s) Formato de ponto e linhas curtas até um
Geométrico centímetro deve ser apresentado em
porcentagem alta

02 Cor Identificar a(s) cor(es) que compõe a Alta quantidade de cores


obra no formato RPG

03 Textura Identificar se a obra apresenta um ou Um tipo de textura


mais formatos de textura e qual o
formato predominante na obra

04 Paisagem Identificar se a obra possui caso o agente identifique um objeto de


elementos como: montanhas, paisagem, este não deve apresentar alto
arvore(s), flor(es), lagos, rios, casas, percentual de identificação
castelos e outros elementos que
podem caracterizar uma paisagem

05 Rosto Identificar rostos femininos e caso o agente identifique um rosto, este


masculinos não deve apresentar alto percentual de
identificação e não deve estar unido a um
corpo de animal

06 Corpo humano Identificar corpos humanos femininos caso o agente identifique um corpo
e masculinos humano, este não deve apresentar alto
percentual de identificação e não deve
estar unido a uma cabeça de animal

07 Cabeça de Identificar cabeça de animais caso o sistema identifique a cabeça de


Animal um animal, esta não deve pertencer a um
corpo humano e não deve apresentar alto
percentual de identificação

08 Corpo de animal Identificar corpo de animais caso o sistema identifique o corpo de um


animal, este não deve pertencer a um
rosto humano e não deve apresentar alto
percentualde identificação

09 Objeto Identificar os objetos do cotidiano caso o sistema identifique os objetos


tais como: vaso, cama, relógio, livro, citados, estes não devem apresentar alto
fruteira, e outros objetos percentual de identificação e não devem
estar fragmentado

10 Frutas, verduras e Identificar frutas, verduras e legumes caso o sistema identifique os itens
legumes citados, estes não devem apresentar alto
percentual de identificação e não devem
estar fragmentado

11 Material Identificar o material que é pode ter um ou mais, verificação não


predominante na obra tal como: tinta, obrigatória
giz pastel, lápis, carvão, e outros
materiais

12 Plano Identificar a quantidade de planos poder ter um ou mais, verificação não


que contem a obra obrigatória

13 Repetição de Identificar quantidade de vezes que pode ser aplicado, verificação não
elemento um mesmo elemento é repetido na obrigatória
obra

Educação no Século XXI - Volume 3


95

Para demostrar como a consulta será (figura 2) e a de Jackson Pollock intitulada


realizada utilizamos as obras de Georges Um, 1950.(figura 3)
Seurat, intitulada de A ponte de Courbevoie

Figura 2: A ponte de Courbevoie, autor Georges Seurat fonte: Gombrich, p.509, 2009

A obra da figura 2 ao ser analisada pelos O agente 05 é identificada em baixa


agentes seguirá as regras que caraterizam o percentual e o agente 06 faz composição com
movimento pontilhismo, iniciando pelo agente o objeto identificado pelo agente 05, com
01, regra A, será possível identificar que identificação média a baixa obedecendo
pontos e linhas curtas são predominantes na assim a regra E.
obra, obtendo assim um alto percentual de
Após a analise dos agentes é possível
identificação, outros formatos geométricos
observar que o quadro de Georges Seurat
como triângulos e retângulos podem ser
obedece todas as regras para identificação
identificados com um baixo percentual
do movimento, podendo ser assim
obedecendo assim as regras B e C.
enquadrado como pertencendo a técnica do
O agente 04 de identificação de paisagem pontilhismo.
conseguirá identificar um médio percentual
obedecendo a regra D

Educação no Século XXI - Volume 3


96

Figura 3: Um, 1950 autor Jackson Pollock. Fonte: Gombrich, p.603, 2009

A segunda obra analisada é a de Jackson assim que a obra não pertence a essa
Pollock (figura 3). As primeiras regras relatam técnica.
que o agente 01 deverá ser o primeiro a ser
Ao utilizar a ferramenta Transformado de
consultado e nesta obra pode se observar a
Hough (HT) aplicada em obras com
presença de pontos e linhas curtas em alta
pontilhismo pode-se observar que é possível
porcentagem, assim podemos verificar que a
identificar elementos que apresentam
obra se classifica na primeira regra.
característica da técnica do pontilhismo.
Ao verificar a regra B que busca a ausência
Após a verificação das imagens e realização
de formatos geométricos diferente de ponto e
dos testes, essas imagens podem ser
linhas curtas em alta definição, a obra não se
processadas na perspectiva da arquitetura do
enquadra, pois é possível identificar curvas e
pandemônio de Selfridge (1959). Podendo ser
linhas retas longas e médias, nesse caso
classificada em quatro etapas.
classifica-se a obra de Jackson Pollock como
não pertencente à técnica do Pontilhismo. A primeira etapa chamada por Selfridge de
Mas continuando a análise verifica-se que a Image Demons – nessa etapa grava-se a
regra C é encontrada. Os agentes que se imagem pelo sensorial.
referem a regra D não conseguirão encontrar
os objetos correspondentes, assim não
podendo ser aplicada a regra E, concluindo

Educação no Século XXI - Volume 3


97

Exemplo: inserção da imagem advinda do


resultado do HT.
particularizado a informar se detecta as
A segunda etapa (Feature Demons) – características correspondentes a entrada.
representa características especificas,

Exemplo: Verifica-se características do Exemplo: Após a verificação faz-se a


pontilhismo. classificação
A terceira etapa (Cognitive Demons) – recebe Na última etapa (Decision Demons) –
dados processados pelo feature demons e encontra-se a tomada de decisão a partir da
inicia o processo de classificação dos análise das etapas anteriores.
valores.

Exemplo: Analisa-se o resultado preliminar Uma vez que o objetivo da pesquisa é a


obtido pelas etapas anteriores. possibilidade da utilização de agentes
inteligentes no reconhecimento de técnicas
Nos casos em que não resultados
aplicadas a obras de arte para aplicação de
satisfatórios, foi verificada a necessidade
classificação dos trabalhos postados pelos
nesta arquitetura de conciliar ao algoritmo
alunos, podendo assim a ferramenta verificar
back propagation, oriundos das RNA’s, o
a probabilidade do educando ter atingido ou
ajuste de pesos de entrada buscando um
não o objetivo da atividade assim
melhor aprendizado do sistema intencional.
possibilitando uma pré classificação ao

Educação no Século XXI - Volume 3


98

professor, podemos concluir que se os preestabelecidas sendo assim possível a


agentes trabalharem inicialmente de forma identificação de técnicas de obras de arte,
particular, ou seja cada agente é treinado como pudemos observar no exemplo do
para reconhecer determinada especificidade pontilhismo que foi apresentado
da técnica pesquisada e após essa anteriormente. Fica agora a motivação para
identificação realizada por cada agente verificar se essa mesma análise pode ser
participantes, esses mesmos agentes aplicada na identificação de períodos,
trabalham em uma composição global escolas, tendências, estilos e movimentos
conversando entre eles a partir de regras artísticos.

REFERÊNCIAS [6] Russel, S.;NORVIG, P. Inteligência


Artificial. Rio de Janeiro: Campus, 2004.
[1] Mañas, A. V. Administração de sistemas [7] LINDSAY, P.; NORMAN, D. A. Human
de informação. 9.ed. São Paulo: Érica, 2004. Information Processing: An introduction to
[2] Polloni E. G. F. Administrando sistemas de Psychology. 2ed. New York: Academic Press.1977.
informação: estudo de viabilidade. São Paulo: [8] Searle, J. R. A Redescoberta da Mente.
Futura, 2000. São Paulo: Martins Fontes, 1997
[3] Stair, R. M. Princípios de sistemas de [9] Barr A.; FEIGENBAUM E.A. The Handbook
informação: uma abordagem gerencial. 2. ed. Rio of Artificial Inteligence, volume I-II. Willian
de Janeiro: LTC, c1998. Kaufmann Inc., Los Altos, California, 1981.
[4] Steiner, M. T. A. et al. Meta-Heurísticas em [10] Gombrich, E. H. A história da arte. Rio de
pesquisa operacional. 1.ed. Curitiba: Omnipax, Janeiro : LTC, 2009
2013. 436 p. [11] Johnson, S. Emergência: A Dinâmica de
[5] França, J. L. et al. Manual para Redes em Formigas, Cérebros, Cidades e
normalização de publicações técnico-científicas. 6. Softwares. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.
ed. rev. e ampl. Belo Horizonte: UFMG, 2003. 230
p.

Educação no Século XXI - Volume 3


99

Capítulo 15

Adriana Aparecida de Lima Terçariol


Gilmar Luis Mazurkievicz
Monica Mandaji
Renata Kelly da Silva
Renata Aquino Ribeiro
Nuria Pons Vilardell Camas

Resumo: O presente trabalho apresenta o relato de experiências desenvolvidas no


âmbito do ensino superior, a partir do estabelecimento de práticas inovadoras e
colaborativas com uso de recursos disponíveis na Internet, atuando como extensão do
espaço presencial de ensino e aprendizagem. Estas iniciativas de práticas foram
desenvolvidas com o intuito de ampliar o conhecimento de professores iniciantes e
daqueles que já estão em ação, orientando-os para o uso de ferramentas de busca, de
autoria, de interação e construções coletivas, por meio de espaços colaborativos,
visando uma atuação pedagógica sintonizada com a eradigital e o perfil dos estudantes
do século XXI. Os principais resultados evidenciaram que a Internet e as Redes Sociais
propiciam meios e estímulos para a construção colaborativa de novos conhecimentos e
desenvolvimento de competências favoráveis a uma melhor apropriação das
Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC), contribuindo também para o
letramento digital de professores.

Palavra chave: Colaboração; Construções Coletivas, Práticas Inovadoras, Letramento


Digital.

Educação no Século XXI - Volume 3


100

1. INTRODUÇÃO deixa de ser meramente instrumental para


converter-se em estruturais, e com isso os
Sempre que vem à tona a discussão sobre o uso
indivíduos passam a ter a necessidade de
de redes sociais e ferramentas web para o
desenvolverem outras racionalidades, ritmos de
desenvolvimento de processos de aprendizagem
vida e relações com os objetos e com as
significativa reacende-se a discussão da
pessoas (BARBERO, 2009).
importância e de como incorporar as Tecnologia
Digitais de Informação e Comunicação (TDIC) É neste processo que surge o termo colaboração
aos processos de ensino e aprendizagem, além que está diretamente ligado à nova forma de
da observação da resistência por parte de trabalho e de vida na sociedade moderna. No
professores e gestores para incorporá-las, ainda novo modelo de sociedade, a aprendizagem
mais quando se trata das tecnologias sociais. passa a ser uma necessidade constante, o que
ocasiona a mudança de paradigma da
Um dos motivos, pelo qual tal resistência é
aprendizagem centrada no indivíduo para a
criada, reside no fato de que novas demandas
colaborativa na qual, além das habilidades
exigem que estes profissionais sejam capazes
tradicionalmente consideradas como essenciais,
de ajustarem seus processos e métodos às
também passam a ser necessários o uso e o
novas realidades da sociedade, do
domínio da tecnologia, a capacidade de resolver
conhecimento, dos diversos universos culturais,
problemas e de trabalhar em colaboração com
dos meios de comunicação. Para que isto ocorra
criatividade.
é necessário ampliar o entendimento da cultura
geral, desenvolver habilidades comunicativas, De acordo com Mandaji (2012) para que a
além do domínio da linguagem informacional, ou colaboração ocorra, é preciso criar e manter
seja, a habilidade de fazer uso dos meios de relações que incluam os interesses pessoais e
comunicação e as mídias sociais de forma sociais comuns dos parceiros, sendo
articulada. Pode-se dizer que a sociedade fundamental que exista um entendimento pessoal
começa a mudar, pois a mediação das TDIC a respeito do que cada um pode
oferecer ao processo de colaboração, a Conforme as TDIC foram se desenvolvendo, as
compatibilidade filosófica e a visão distâncias entre as pessoas diminuíram, como
compartilhada. nos lembra Tori (2010) é distância que aproxima.
De acordo com Bates (2016, p. 55), a tecnologia
Chega-se então a reflexão de se ter as redes
está levando a grandes mudanças na economia,
sociais como o espaço para a difusão de
na forma de nos comunicarmos e relacionarmos
ambientes colaborativos de aprendizagem que
com os outros, e cada vez mais no modo como
levem os alunos a construções de processos de
aprendemos.
aprendizagem significativa que é o que este
artigo pretende apresentar, tendo como base Na Educação, o uso das TDIC oportuniza rever
experiências de uso das TDIC na formação de hábitos comportamentais de estudo, entre
professores. aqueles que aprendem e aqueles que ensinam,
possibilitando processos de aprendizagem
significativa. Para Almeida e Valente (2011, p. 9)
2. A INTERNET E AS REDES SOCIAIS NO o uso educacional das TDIC exige tanto o
ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO domínio das principais funcionalidades e modos
de operação dos recursos tecnológicos
Para que se possa compreender a importância e
disponíveis como, também, a identificação de
transformação da comunicação e como este
suas potencialidades pedagógicas para que o
desenvolvimento afeta os processos de ensino e
professor possa incorporar seu uso, em
aprendizagem, na Educação do Século XXI, é
atividades, em consonância com as intenções
fundamental pensarmos com o advento da
implícitas na proposta curricular.
internet. O potencial exponencial da
comunicação entre pessoas, ampliou-se de Entendemos que é necessário a formação
forma não linear devido a interação nas redes acadêmica para uso educacional das TDIC. Os
sociais. De acordo com Santaella e Lemos (2010, alunos não são mais os mesmos, o mundo não é
p. 39), as redes indicam que os recursos estão mais o mesmo e, consequentemente, as
concentrados em diferentes lugares ligados uns instituições de ensino superior não poderiam ser
aos outros, o que proporciona a expansão de mais as mesmas. Diante deste fato, o professor
recursos em diferentes locais e situações. precisa operar mudanças em sua prática, em
sala de aula, seja presencial ou a distância. É
preciso rever sua proposta pedagógica. Para

Educação no Século XXI - Volume 3


101

Kenski (2013) a formação de professores precisa


ser repensada em novos caminhos que garantam
3. RELATO DE EXPERIÊNCIAS
a todos a prática docente em novos rumos.
Portanto, as instituições de ensino superior A primeira experiência foi realizada em um curso
devem cumprir o seu papel de forma a garantir a de Pedagogia em uma Instituição de Ensino
excelência na formação dos atuais e novos Superior localizada no interior de São Paulo, na
profissionais da educação. disciplina Tecnologias Aplicadas à Educação,
ofertada na modalidade a distância. O desafio
Assim, o processo de ensino e aprendizagem
proposto foi à construção colaborativa de um
pode ser viabilizado favorecendo uma
Recurso Educacional Digital (RED). Para o seu
aprendizagem significativa e colaborativa caso
desenvolvimento a turma foi organizada em
as instituições de ensino superior consigam
grupos de trabalho. Cada grupo contou com um
introduzir o ensino híbrido, o qual favorece a
espaço colaborativo (Fórum do Grupo) disponível
colaboração compartilhada. Este é um dos
no Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA),
grandes desafios para as instituições de ensino
adotado pela instituição. Nesse espaço,
superior, ou seja, moldar-se para atender as
chamado de Fórum de Grupo, os integrantes de
qualificações exigidas nesta era digital.
cada equipe puderam trocar informações,
Há, porém, uma necessidade premente que a materiais, links de apoio entre outros, visando o
formação do professor vá além do instrucional, alcance do objetivo proposto. Vale destacar que,
ou seja, que o professor também repense o uso dentre os recursos educacionais digitais mais
pedagógico das TDIC em sala de aula, explorados pelos grupos foi o Facebook.
repensando a postura, a dinâmica, a Exemplos dos produtos obtidos pelas equipes de
metodologia e as estratégias em um novo trabalho na rede social Facebook são
movimento didático a partir destas novas apresentados a seguir:
práticas estabelecidas.

Figura 01 - Página no Facebook – intitulada - SAÚDE É VIDA

Fonte: https://www.facebook.com/SA%C3%9ADE-%C3%89-VIDA-234419126936458/

Educação no Século XXI - Volume 3


102

Figura 02 - Página no Facebook – intitulada – Pedagogia Online

Fonte: https://www.facebook.com/Pedagogia-online-245685145791592/

Figura 03 - Página no Facebook – intitulada – Educação & Pet Uma união que deve ser Incentivada.

Fonte: https://www.facebook.com/Educa%C3%A7%C3%A3o-Pet-Uma-uni%C3%A3o-
que-deve-ser-incentivada-1750684688478720/

Outra experiência realizada envolveu professores docentes foram instigados a refletirem sobre a
universitários de várias áreas. A oficina, que tinha diferença entre informação e conhecimento,
o tema “Perfil Docente na Era Digital: Os compreendendo que a instrução é passada pelo
Recursos Educacionais Abertos (REA) e as professor, no entanto o estudante elabora o
Possibilidades para Inovar a (na) Sala de Aula, conhecimento, muitas vezes até equivocado. Na
envolveu 67 participantes sendo que cada sequência foram apresentados aos docentes
encontro teve a duração de 04 horas. diversos Portais disponíveis na WEB com
recursos educacionais abertos que podem ser
A Oficina teve como proposta pedagógica criar
utilizados pelos professores em suas respectivas
um diálogo com os participantes a respeito do
salas de aula, de forma livre e criativa.
Papel Docente e Discente na Era Digital. Para
dar início a oficina foi realizada uma dinâmica Após a apresentação dos portais os docentes
chamada “Sala de Estar”, fundamentada na foram convidados a explorarem cada um deles,
Educação Bancária (o estudante apenas recebe com o intuito de conhecerem melhor seus
informações e recebe orientação para recursos. Em seguida, foi solicitado que
transcrevê-las). Ao término da dinâmica, os construíssem uma sequência didática, a partir de

Educação no Século XXI - Volume 3


103

uma das disciplinas com as quais atuavam, em sala de aula. A sistematização desse
selecionando um ou mais REA. Essa atividade foi planejamento, por cada equipe, foi elaborado em
realizada, de forma colaborativa, envolvendo formato de apresentação, cujo arquivo, depois
professores da mesma área, com o intuito de de finalizado, foi compartilhado no Mural Virtual –
vivenciarem e refletirem, minimamente, a respeito Padlet e, posteriormente, distribuído em um
da necessidade de planejamento que deve grupo no Facebook.
anteceder a inserção de um recurso tecnológico

Figura 04 – Padlet – Mural Virtual – Perfil Docente na Era Digital – Sequências Didáticas.

Fonte: https://padlet.com/dricalimasp/utxvx1coxoc

A experiência vivenciada nessa Oficina professores da Rede Estadual do município de


demostrou aos docentes do ensino superior que Porto União no estado de Santa Catarina, na
o uso desse espaço “grupo” disponível no modalidade semi-presencial.
Facebook pode ampliar os espaços de ensino e
A base curricular do referido curso consistiu em
aprendizagem. Para o docente esse ambiente
temáticas relacionadas à Alfabetização e
pode ser utilizado como pano de fundo para o
Letramento e o uso das Tecnologias Digitais de
seu planejamento prévio, quer de uma aula quer
Comunicação e Informação na prática
de uma sequência didática, por exemplo.
pedagógica, tendo como pressupostos teóricos
A terceira experiência ocorreu em uma e metodológicos a Proposta Curricular de Santa
Universidade localizada no estado de Santa Catarina e os cadernos do PNAIC. Este curso foi
Catarina na área de Formação continuada e foi planejado e direcionado principalmente para os
intitulada “Estudo em rede e uso das Tecnologias professores dos anos iniciais do ensino
Digitais de Informação e Comunicação (TDIC) na fundamental, devido a necessidade de formação
Educação: Reflexões sobre a prática pedagógica na área de tecnologias digitais solicitada pelos
nos anos iniciais” professores numa avaliação realizada do curso
PNAIC, que aconteceu nos anos de 2013 e 2014
A necessidade desta formação surgiu da
na Regional.
premissa de que nos dias atuais, os professores
e gestores encontram-se imersos num contexto Os sujeitos deste relato foram 21 professores
crescente do uso das tecnologias digitais em participantes do curso de formação continuada
especial das tecnologias móveis de citado e que atuam nos anos iniciais do Ensino
comunicação (smartphones, tablets, netbooks, Fundamental como titulares de turma, 2º
notebooks, etc. professor (Educação Especial), Educação Física
ou projetos e que se inscreveram
Os sujeitos desta prática foram definidos a partir
espontaneamente no referido curso. No entanto,
do público de professores inscritos
vale enfatizar neste relato é a metodologia que
espontaneamente para o curso de formação
permeou todo o desenvolvimento do curso, ou
continuada, gratuito, ofertado a todos os

Educação no Século XXI - Volume 3


104

seja, a integração e apropriação das temáticas facebook e um grupo dos participantes no


propostas por meio do uso das tecnologias wathsapp. Como todos os participantes tinham
digitais. A interatividade, a autoria e cocriação, acesso a internet e possuíam algum tipo de
fez com que os participantes se tornassem dispositivo móvel, facilitou o compartilhamento
protagonistas do processo de formação. tanto do material utilizado durante os encontros
presenciais do curso como os relatos e materiais
Assim, com o intuito de instigar o
baseados na experiência profissional que traziam
compartilhamento de ideias, experiências,
para trocar com os colegas. Dessa forma, tudo o
materiais e conhecimento, optou-se em utilizar
que foi coletado e criado durante os encontros
quatro ambientes on-line gratuitos disponíveis: o
de formação foram compartilhados entre o
gmail, o google drive, um grupo fechado no
grupo.

Figura 05 – Print grupo fechado facebook.

Durante a formação foi possível perceber a possibilidades com olhar nas práticas do
importância da capacitação constante para indivíduo e suas relações com o meio e que
professores, pois, para acompanhar a evolução tivesse como processo a utilização das TDIC.
tecnológica da sociedade é preciso estar atentos
Foi possível perceber em todas as experiências
às metodologias de ensino em que, os
que é preciso primeiro se construir a cultura de
educandos sintam-se estimulados a aprenderem
uso das TDIC integrada ao Currículo e também a
e acima de tudo serem produtores do
cultura de colaboração que exige a superação
conhecimento. Como produção final do curso
de um conjunto de problemas que fazem parte
foram desenvolvidos e-books produzidos a partir
do contexto educacional, tais como a sobrecarga
de relatos de práticas realizadas em sala de aula
de atividades, a prática do trabalho isolado, a
durante o ano pelos professores cursistas.
fragmentação provocada pela estrutura do
currículo, entre outras. Vale então destacar que o
professor precisa cada vez mais atuar como um
4. CONSIDERAÇÕES FINAIS
facilitador da aprendizagem além de propiciar o
Este artigo teve por intuito apresentar desenvolvimento de atividades e estratégias que
experiências de utilização de redes sócias e possibilitem a colaboração entre os pares e o
aplicativos digitais no processo de colaboração uso das Tecnologias de Informação e
em trabalhos de coautoria de formação de Comunicação.
professores. Nesse sentido, o desafio imposto foi
o de abranger um conjunto amplo de

Educação no Século XXI - Volume 3


105

REFERÊNCIAS [14] Lemos, A. Cibercultura: tecnologia e vida


social na cultura contemporânea. 3. ed.
[1] Almeida, M. E. B.; Valente, J. A. Tecnologias e [15] Porto Alegre: Sulina, 2007
currículo: trajetórias convergentes ou divergentes? São [16] Levy, P. Cibercultura. São Paulo. Ed 34, 1999.
Paulo: Papirus. 2011. p. 9. [17] _______. A inteligência coletiva: Por uma
[2] Barbero, J. Educación y Cultura en la antropologia no ciberespaço. São Paulo: Loyola. 1998.
Sociedad de la Información Revista [18] Mattar, J. Web 2.0 e redes sociais na
[3] Electrónica Teoría de la Educación. educação. São Paulo: Artesanato educacional, 2013.
http://www.usal.es/teoriaeducacion Vol. , v.10. Nº , n.1. p. 26 – 27.
Marzo, 2009. [19] Patrício, M. R. V. & Gonçalves, V. M. B.(2010).
[4] Bates, T. Educar na era digital: design, ensino Utilização Educativa do Facebook no Ensino Superior.
e aprendizagem, São Paulo: I Conference Learning and Teaching in Higher
[5] Artesanato educacional. 2016. p. 55 – 520. Education:
[6] Costa, F. Digital e Currículo no início do [20] Universidade de Évora. Retrieved
Século XXI. In P. Dias & A. Osório (Eds.). from,
[7] Aprendizagem (In)Formal na Web Social. http://bibliotecadigital.ipb.pt/bitstream/10198/2879/4/71
Braga: Centro de Competência, Universidade do 04.pdf.
Minho. 2011. [21] Santaella, L.; LEMOS, R. Redes sociais
[8] Freitas, M. T. A. Tecnologias digitais: digitais: A cognição conectiva do Twitter. São Paulo:
cognição e aprendizagem. 37ª Reunião Nacional da Paulus. 2010. p. 39.
ANPED – GT16-Educação e Comunicação. UFSC – [22] _____________. Navegar no ciberespaço: o
Florianópolis, 2015. perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulus,
[9] Freire, P. Pedagogia da Autonomia. Rio de 2004.
Janeiro: Paz e Terra. 1997. [23] _____________. Comunicação ubíqua:
[10] ________. Educação como prática da repercussões na cultura e na educação. São Paulo:
liberdade. Rio de Janeiro, Paz e Terra. 1983a. Paulus, 2013.
[11] ________. Criando métodos de pesquisa [24] Santos, E. Currículos – Teorias e práticas. In:
alternativa. In: In: BRADÃO, C. R. (Ed.) Pesquisa RAMAL et al. (Orgs.). Rio de Janeiro:
Participante, 3ª edição. São Paulo: Brasiliense. 1983b. [25] LTC. 2012. p. 223
[12] ________. Extensão ou comunicação. Rio de [26] Sevcenko N. A corrida para o século XXI – no
Janeiro: Paz e Terra. (ICIRA, Santiago do Chile, 1969). loop da montanha-russa. São Paulo:
1979. [27] Companhia das Letras, 2005.
[13] Kenski, V. M. Tecnologias e tempo docente. [28] Tori, R. Educação sem distância. São Paulo:
Campinas, SP: Papirus, 2013. p. 27 89. Senac. 2010.

Educação no Século XXI - Volume 3


106

Capítulo 16

Silvana Denise Guimarães


Ana Caroline Lima Assis
Elaine Cristina Freitas
Ely Priscila Pardin Silva
Mariane dos Santos Franco

Resumo: O SPC Brasil é um tradicional bureau de informação que está no mercado há


60 anos. Tem como principal objetivo fomentar as 2000 Entidades, Câmera de Dirigentes
Lojistas (CDL) e Associações Comerciais no Brasil, com produtos e serviços que levam
soluções para o mercado varejista, auxiliando as empresas a crescerem mais e
reduzirem as suas taxas de inadimplência. Desde 2012 se tem o desafio de levar
informações às 2000 Entidades de forma gratuita, garantindo a veracidade, rapidez e
qualidade informação. Outro desafio para implementação do projeto EaD, iniciado em
2012, além do cultural, era o financeiro. O objetivo era ofertar capacitações gratuitas às
Entidades onde o SPC Brasil teria que fazer o investimento de tecnologia, material e
equipe. A ferramenta de webconferência foi a forma encontrada para trabalhar a
modalidade EaD, com encontros pela internet ao vivo, junto a materiais de apoio. Desta
forma, percebe-se o investimento e a redução de custos, assim como a garantia no
aumento da qualidade da informação repassada para as Entidades por meio das
capacitações.

Palavras chave: webconferência; qualidade; investimento; custo; informação.

Educação no Século XXI - Volume 3


107

1.INTRODUÇÃO Associações Comerciais. Está em 1 milhão de


pontos de vendas, entrando todo mês outros
O presente trabalho apresenta um case do SPC
3.300 Associados. Do número de empresas
Brasil, um tradicional bureau de informação que
associadas, 90% são PMEs, desta forma o SPC
tem por objetivo integrar e ofertar informações
Brasil auxilia na tomada de decisões para
para 2000 Associações Comerciais e Câmaras
concessão de crédito das empresas.
de Dirigentes Lojistas (CDL), denominadas de
Entidades, em todo o país. Estas são as O SPC Brasil possui aproximadamente 180
responsáveis por ofertar e comercializar as milhões de pessoas físicas (CPF) e 26 milhões de
soluções para lojistas e empresários em todo o pessoas jurídicas (CNPJ) de todo o país, dentre
Brasil. os quais, pessoas em débito e também os
adimplentes. As empresas associadas realizam
Sendo assim, era necessário um modelo de
50 milhões de consultas mês em nosso banco de
capacitação que assegurasse a qualidade da
dados. Constituindo-se no maior banco de dados
informação e que permitisse um repasse rápido
da América Latina em informações creditícias.
para as Entidades. Vale ressaltar que as
Entidades não pagam pelos encontros e o SPC
Brasil fica responsável pelo financiamento dos
3.1.1 ÁREA DE CAPACITAÇÃO
custos.
A Área de Capacitação está ligada à Gerência
Para trabalhar a modalidade EaD, com baixa
de Negócios e a Superintendência de Bureau de
banda de internet e atender ao público
Crédito, tem como missão contribuir para o
diversificado por todo o Brasil, o SPC Brasil
desempenho das Entidades por meio da
buscou um Ambiente Virtual de Aprendizagem
disseminação de informações técnicas,
que além das webconferências com os chats
comerciais e de gestão. É responsável
síncronos, possui compartilhamento de telas,
diretamente pela capacitação operacional das
ferramenta para fórum de discussão,
Entidades e dos colaboradores do SPC Brasil,
compartilhamento de mídia, áudio e vídeo.
com o objetivo de difundir informações dos
produtos e serviços ofertados.
2. OBJETIVOS Até 2012 o SPC Brasil possuía uma única
colaboradora que realizava capacitações in loco,
2.1 OBJETIVO GERAL
nas capitais de todo o Brasil. Até esta data não
Investir na EaD para realização das capacitações tinha como atender Entidades que não possuíam
garantindo a qualidade das informações verbas para viagem (transporte, hospedagem,
repassadas para as Entidades sobre os produtos alimentação, etc) e não havia rapidez no repasse
e serviços e reduzir dos custos de capacitações. das informações, ficando algumas Entidades
com informações defasadas quanto ao uso do
sistema do SPC Brasil.
2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Neste mesmo ano, o SPC Brasil iniciou o
 Capacitar as Entidades sobre os investimento na área de capacitação e contratou
produtos e serviços do SPC Brasil. uma profissional da área de pedagogia,
 Fomentar as Entidades com rapidez especialista em EaD, com o objetivo de estruturar
sobre as informações do mercado. a área. Hoje a área é formada por uma equipe
 Garantir o repasse das informações constituída por 1 Gestora (especialista em EaD),
por equipe multidisciplinar de especialistas do 2 Analistas, 5 Assistentes e 1 jovem aprendiz, e
conteúdo. possui duas salas físicas para realização de
 Investir na EaD para promoção de capacitações presenciais. Para apoiar as
capacitações. capacitações externas, utiliza-se um LMS que
 Reduzir custos de capacitações possui salas de webconferências com chats
para as Entidades e para SPC Brasil. síncronos, compartilhamento de telas, ferramenta
para fórum de discussão, compartilhamento de
mídia, áudio e vídeo, ofertando diariamente
3. REFERENCIAL TEÓRICO
encontros operacionais para grupos de
3.1 CONHECENDO O SPC BRASIL colaboradores de Entidades em todo o Brasil.
O SPC Brasil é um sistema de informações que
recebe dados de 2000 Entidades: 1.500
Câmaras de Dirigentes Lojistas (CDL) e 500

Educação no Século XXI - Volume 3


108

3.2 EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA do professor com uso desta mídia, ele não é um
simples apresentador conforme cita Belonni
Segundo Moore e Kearsley (2007), a primeira
(1999), ele precisa interagir e proporcionar as
geração da EaD é caracterizada pela instrução
interações do grupo para que possa tornar o
por correspondência. A segunda utilizando rádio
meio atrativo e garantido a qualidade da
e TV. A terceira geração quando se caracteriza
aprendizagem.
pela integração do material impresso aos meios
audiovisuais com orientação por
correspondência e conferências por telefone. Já
3.4 INVESTIMENTOS X REDUÇÃO DE CUSTOS
na quarta geração, década de 80, se iniciou o
uso de ferramentas que permitissem a interação Quando se fala de investimento em capacitação
em tempo real utilizando áudio e corporativa ou não corporativa na modalidade
videoconferência. E então chega-se na quinta EaD, fala-se automaticamente em redução de
geração utilizando a internet para o ensino custos. Existe um investimento em equipe,
aprendizagem. infraestrutura, equipamentos e internet, mas ao
mesmo tempo se fala em redução de gastos
Acreditando neste avanço e nas novas formas de
quanto a hospedagem, alimentação, transporte,
ver o mundo e de aprender, a educação se
material, entre outros. Segundo Intelliplan (2016):
apropria desta tecnologia, permitindo uma
modalidade de ensino que possibilita a
transformação do espaço e do tempo; em que a
O treinamento corporativo via EAD é
sala de aula e o horário de estudar são
extremamente mais econômico em relação ao
escolhidos pelo principal interessado no assunto:
presencial, visto que custos com
o próprio aluno (NUNES, 1994).
deslocamento e infraestrutura para
Segundo Nunes (apud Vergara, 2000), a treinamentos presenciais são superiores aos
educação a distância com o uso da Internet virtuais. Os valores do modelo online caem
representa um recurso de grande importância ainda mais quando é considerado o tempo
como modo apropriado para atender a grandes poupado nos treinamentos revertidos em
contingentes de alunos, profissionais, de forma produção.
mais efetiva que outras modalidades e sem
riscos de reduzir a qualidade dos serviços
oferecidos em decorrência da ampliação do Desta forma, entende-se que existe uma redução
número de pessoas atendidas. de custos significativa. Segundo a reportagem
da Gazeta do Povo, no site da ABED (2006) a
Rede Globo Fez um investimento em EaD para
3.3. WEBCONFERÊNCIA capacitar seus colaboradores e de acordo com a
Gerente de RH, Sônia M. B. Siqueira, existem
Quando se fala de mídias na educação a
pontos positivos do sistema e-learning como o
distância, fala-se de vários meios de
baixo valor do investimento, a possibilidade de
comunicação que privilegiam e contemplam uma
administração do tempo e a grande variedade
ampla distribuição de mensagens de um ponto
oferecida.
ou emissor para muitos pontos ou receptores.
(FRANCO, 2003). Dentre elas podemos destacar
a webconferência que é um meio de maior
4. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
utilização e frequência, pois contribui na
disseminação da informação na modalidade a Neste trabalho utilizou-se a abordagem
distância dentro da quinta geração. qualitativa de pesquisa, tendo como foco
principal a técnica da pesquisa-ação e seus
A webconferência é um encontro virtual realizado
desdobramentos, voltada para a compreensão
pela internet sendo uma “Ferramenta que
extraída de uma situação vivenciada, prevendo a
apresenta inúmeras possibilidades de
participação ativa e efetiva dos envolvidos, para
comunicação em um mesmo ambiente,
uma ressignificação de seus papéis e atitudes.
permitindo interações por voz, texto (chat) e
vídeo simultaneamente. ” (DOTTA, 2013). A dinâmica de uma pesquisa-ação favorece um
modelo de intervenção baseado em dados da
A webconferêcia permite a interação em tempo
realidade que dificilmente podem ser
real unindo som, imagem e movimento, desta
contestados, bem como favorece uma reflexão
forma se aproximando muito aos encontros
coletiva oriunda da interação pesquisador-
presenciais. Mas não se pode esquecer do papel
pesquisado fato que colabora para uma relação

Educação no Século XXI - Volume 3


109

baseada na confiança entre as partes. Utilizou-se 5.1 PARTICIPAÇÕES NAS CAPACITAÇÕES DAS
análise quantitativa, o método de coleta de dado ENTIDADES
por amostra e análise de relatórios, resgatada
No gráfico a seguir observa-se o crescimento
dos eventos realizados.
das participações em eventos, dos
colaboradores das Entidades pela Web, e
diminuição nos encontros presenciais.
5. APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS
Paralelamente nota-se o aumento de temas e
RESULTADOS
especialistas para ministrar os encontros. Em
Apresenta-se neste momento a análise dos 2012 se trabalhava presencialmente com 1 tema
dados apurados por meio de análise dos e 1 ministrante. Em 2016, teve um crescimento
relatórios extraídos do sistema e de nos encontros presenciais, devido a migração do
documentação financeira. estado da Bahia, que até então não utilizava o
sistema SPC Brasil, aumentando o número de
participações presenciais. No ano de 2016 se
teve 59 temas com 35 ministrantes.

Gráfico 1. Quantidade de Participações Entidades x temas x ministrantes

6000 70

5000 59 60
52
50
4000 45
40
3000 35
32 31
30
2000 20 25
20
14
1000 12 1496
959 13744877 10
0 907 654 584 3480 524 5867 28
0 1 0
2012 2013 2014 2015 2016 2017

Presencial EaD Ministrante temas

5.2 PARTICIPAÇÕES NAS CAPACITAÇÕES DOS produtos e serviços do SPC Brasil, com o
COLABORADORES SPC BRASIL objetivo de contribuir no desenvolvimento de
novas soluções para o negócio e auxiliar nas
No gráfico abaixo é possível notar que em 2012
dúvidas das Entidades.
não havia atendimento para os colaboradores do
SPC Brasil. Com investimento na área de Se nota que os colaboradores do SPC Brasil
Capacitação, o planejamento não foi somente a obtiveram participação pouco relevante nos
capacitação de Entidades, mas também a encontros pela EaD, porém, com nova gestão de
capacitação operacional dos colaboradores que RH, este número tende a aumentar devido ao
atendiam as Entidades. Existe a necessidade de futuro investimento na modalidade.
os colaboradores terem o conhecimento dos

Educação no Século XXI - Volume 3


110

Gráfico 2. Quantidade de Participações Colaboradores SPC Brasil


72
142
1200
1000
800
600 1078
839 32
400
200 373 417 270
0 0
2012 2103 2014 2015 2016 2017
Presencial EaD

5.4 SATISFAÇÕES DOS PARTICIPANTES acerca da sua satisfação quanto aos cursos,
como é apresentado a seguir: “A princípio não
O índice de satisfação, dos participantes dos
tenho nada para reclamar, só tenho a agradecer
cursos ofertados pela EaD, quanto aplicabilidade
pela ajuda. Obrigado SPC Capacita, e continuem
do conteúdo são de 90%.
com o excelente trabalho!!”CDL São José do
Ao final da avaliação de satisfação, os Vale do Rio Preto/RJ.
participantes podem escrever um depoimento

Gráfico 4. Satisfação dos participantes

Insatisfeito 4

Muito Satisfeito 81

Satisfeito 5

0 20 40 60 80 100

5.5 INVESTIMENTOS X CUSTO investimento de ambiente (SETUP) de R$10 mil e


a mensalidade de R$ 1.050,00/mês. Percebe-se
O SPC Brasil até 2012 realizava os encontros
que o investimento já valeu a pena. Conforme
presencialmente, na média de 2 por mês,
gráfico abaixo, se continuasse no mesmo modelo
obtendo em 1 ano 24 encontros. Por viagem,
presencial gastaria R$360 mil com os encontros,
gastava-se em média 3 mil reais, com a
enquanto pela EaD o investimento foi de R$58
ministrante, sem contabilizar o pagamento de
mil.
espaço físico, alimentação, hospedagem,
transporte dos participantes, entre outros. Em
2013, com implementação da EaD, teve um

Educação no Século XXI - Volume 3


111

Gráfico 5. Investimento EaD

custo x investimento
R$ 400.000,00 R$ 360.000,00

R$ 200.000,00
R$ 58.000,00
R$ 0,00
2012 2013 2014 2015 2016 total

Presencial EaD

Ao pensar numa estimativa de quantidade de que a EaD trouxe para o SPC Brasil, pois durante
eventos que se realiza no mês por EaD, em o mesmo período de 5 anos, para realizar os
média 20 encontros, o custo seria de R$ 3 mil por encontros presenciais que foram realizados pela
evento. Pode-se perceber o real custo benefício EaD, o custo seria de R$3.6 milhões.

Gráfico 6. Estimativa de custo

R$ 4.000.000,00 R$ 3.600.000,00
R$ 3.000.000,00

R$ 2.000.000,00

R$ 1.000.000,00 R$ 720.000,00
R$ 288.000,00
R$ 72.000,00
R$ 0,00
2012 2013 2014 2015 2016 total

Presencial EaD

6. CONCLUSÃ O possibilitando uma interação com o participante


e munindo-o de informações.
Diante do presente artigo, percebe-se que o SPC
Brasil conseguiu atingir seu objetivo investindo Outro detalhe importante é a questão da redução
na área de EaD. Com a EaD, realizou de custos significativos e simultaneamente o
capacitações para um número maior de aumento da qualidade do repasse das
participantes, aumentou a quantidade de temas informações. O SPC Brasil investiu R$58 mil em 5
abordados por especialistas das áreas, anos e economizou mais de R$ 3 milhões. A
garantindo a veracidade, e pronto atendimento atividade realizada em 5 anos, sendo o que foi
quanto ao tema abordado, aumentou a qualidade trabalhado por EaD, se continuasse no mesmo
e também a rapidez no repasse da informação. modelo de 2012, levaria mais de 18 anos para
ser realizado.
Com a webconferência pode-se utilizar áudio,
vídeo, compartilhamento de mídias (vídeo/áudio Busca-se manter a qualidade e aos poucos
em FLV e apresentações criadas no Powerpoint mesclar a metodologia realizando capacitações
ou até mesmo arquivos em PDF), chat para em webconferência, mas também ofertar temas
interação em tempo real e também com vídeo aula para que os participantes que
compartilhamento de tela para que possam não participam devido à falta de tempo, possam
apresentar qualquer documento como, por ter as informações quanto aos serviços e
exemplo, o sistema operacional do SPC Brasil, produtos do SPC Brasil.

Educação no Século XXI - Volume 3


112

REFERÊNCIAS [5] Nunes, Ivônio B. Noções de Educação a


distância. 1994. Disponível em: <
[1] Belloni, Maria Luiza. Educação a distância. http://www.intelecto.net/ead/ivonio1.html > Acessado
Campinas, São Paulo: Autores Associados, 1999. em 28 de jun 2004.
[2] Dotta, Silvia. Uso da Webconferência em [6] Vergara, Sylvia. Educação a distância: limites
Educação a Distância. 2013. Disponível em: < e possibilidades. Disponibilizado em
http://proex.ufabc.edu.br/uab/webconf2/texto_complet <http://www.timaster.com.br/revista/artigos/main_artigo
o.pdf > Acessado em 05 de mai 2015. .asp?codigo=85 > Acessado em 09 de maio de 2015.
[3] Intelliplan. Treinamento Corporativo em EaD. [7] Censo Ead.Br 2015 relatório analítico da
Disponibilizado em: aprendizagem a distância no Brasil.Disponível em:<
http://www.intelliplan.com.br/treinamento-corporativo- http://abed.org.br/arquivos/Censo_EAD_2015_POR.pdf
ead Acessado em 22 de nov de2016. >. Acessado em 20 abr 2017.
[4] Moore, Michael; Kearsley, Greg. Educação a [8] Powered by TCPDF (www.tcpdf.org)
Distância: uma visão integrada. Tradução Roberto
Galman. São Paulo: Thomson Learning, 2007.

Educação no Século XXI - Volume 3


113

Capítulo 17

Ana Caroline Lima Assis


Ana Paula de Oliveira Santos
Bruna Pascoalini
Elaine Cristina Freitas
Silvana Denise Guimarães

Resumo: O SPC Brasil é o sistema de informações de cerca de 2.000 Câmaras de


Dirigentes e Lojistas e Associações Comerciais, denominadas Entidades, espalhadas
por todo território nacional. Para que consiga desenvolver as Entidades e mantê-las
competitivas diante do cenário atual da economia no país, utiliza-se da educação a
distância para disseminação de informações, entretanto tem a evasão como uma
realidade nos cursos ofertados. O presente artigo tem como objetivo apresentar os
fatores que influenciam a evasão e compará-las com o que nos mostra o Censo EAD
2015.

Palavra chave: Educação à distância, educação corporativa, Evasão

Educação no Século XXI - Volume 3


114

1 INTRODUÇÃO
Em se tratando de educação corporativa no 3 REFERENCIAL TEÓRICO
cenário do SPC Brasil, investir em educação a
3.1. APRESENTANDO O SPC BRASIL
distância é uma das melhores soluções,
modalidade esta adotada pela empresa SPC No SPC Brasil as ações de capacitação são
Brasil. destinadas as Câmaras de Dirigentes e Lojistas e
Associações Comerciais, nas quais são
O SPC Brasil é o sistema de informações de
denominadas de Entidades, espalhadas por todo
cerca de duas mil Câmaras de Dirigentes e
território nacional. O SPC Brasil é o sistema de
Lojistas e Associações Comerciais, denominadas
informações das Entidades, integrando-se como
Entidades, espalhadas por todo território
Sistema CNDL (Confederação Nacional de
nacional. Por conta da capilaridade alcançada
Dirigentes Lojistas), onde estas são responsáveis
pelo SPC Brasil, para que consiga desenvolver
por ofertar e comercializar as soluções do bureau
as Entidades e mantê-las competitivas diante do
de crédito e informação para lojistas e
cenário atual da economia no país.
empresários em todo o Brasil.
A educação a distância contribui para exclusão
Neste contexto, o SPC Brasil oferta capacitações
de barreiras geográficas, redução de custos e
técnicas, comerciais e de gestão, gratuitas e não
rapidez na disseminação de informação.
obrigatórias às Entidades, para que estas se
Contudo, a evasão é uma realidade que afeta as
desenvolvam e mantenham-se competitivas no
capacitações ofertados pelo SPC Brasil.
mercado.
O presente artigo tem por objetivo identificar os
fatores que influenciam a evasão nas
capacitações a distância do SPC Brasil e 3.2 A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SPC
compará-las com o que nos apresenta o Censo BRASIL
EAD 2015.
O SPC Brasil conta com uma área de
De acordo com o Censo EAD 2015, as capacitação responsável pela disseminação de
instituições que disponibilizaram os cursos livres informações técnicas, comerciais e de gestão,
corporativos 30,77% são de evasão, destes para as Entidades. Por conta da capilaridade
estão entre 0%-5% de evasão, seguido de alcançada pelo SPC Brasil e pela distribuição
26,15% entre 26%-50%. das Entidades por todo território nacional, a
educação a distância contribui para quebra de
Diante do exposto, para melhor compreensão,
barreiras regionais, rapidez na entrega da
apresentaremos como funciona a educação a
informação com baixo custo.
distância no SPC Brasil, tendo em vista a não
obrigatoriedade dos cursos ofertados para as A implementação de ofertas de capacitações a
Entidades, evasão, dados de pesquisa e distância, se deu a partir do ano de 2013 com o
conclusões. uso de Skype e web conferência, permitindo a
interação em tempo real unindo som, imagem e
movimento, potencializando os atendimentos. A
2. OBJETIVOS web conferência é uma “Ferramenta que
apresenta inúmeras possibilidades de
2.1 OBJETIVO GERAL
comunicação em um mesmo ambiente,
Apresentar os fatores que influenciam a evasão permitindo interações por voz, texto (chat) e
nas capacitações EAD ofertadas pelo SPC Brasil vídeo simultaneamente. ” (DOTTA, 2013).
para as Entidades.
Percebendo a efetivamente da metodologia de
ensino a distância, o SPC Brasil, a partir de 2014
implementou um ambiente virtual de
2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS
aprendizagem voltado para oferta de
 Capacitar as Entidades sobre os capacitações totalmente a distância, onde foi
produtos, sistemas e serviços do SPC Brasil. possível ofertas de diferentes temas e maior
 Evidenciar fatores que influenciam a número de participantes, conforme apresentado
evasão nas capacitações. no Gráfico 1.

Educação no Século XXI - Volume 3


115

Gráfico 1. Quantidade de participações por EAD

5867
6000 4877
5000

4000 3480

3000

2000 1496
654
1000
9
0
2012 2013 2014 2015 2016 2017
2017 até 31/03

Gradativamente foi possível aculturar as 2.4 EVASÃO EDUCACIONAL


Entidades no modelo de ensino a distância, onde
Quando tratamos de educação, independente
estas enxergaram valor nesta entrega.
das suas variações, sejam cursos presenciais, a
distância, livres não corporativos ou ainda livres
corporativos, temos sempre a preocupação
2.3 EDUCAÇÃO CORPORATIVA
quanto a evasão, ou seja, taxa de desistência ou
Numa sociedade cada vez mais competitiva e ainda não conclusão de participantes nas ofertas
diante do cenário econômico atual do país, a educacionais. Segundo Silva e Gomes (2015)
educação corporativa é uma necessidade no apud Vargas (2004) “...evasão é o índice de
investimento de qualificação de profissionais e abandono do curso, ou seja, o número de
no processo de aprendizagem ativo. estudantes que se matricularam, mas não
cumpriram os requisitos para sua conclusão. ”
Para Meister (1999) a educação é um "guarda-
chuva estratégico para o desenvolvimento e a Quando se trata de educação a distância o
educação de funcionários, clientes e índice de evasão é superior ao presencial. De
fornecedores, buscando otimizar as estratégias acordo com CENSO 2015, divulgada pela ABED
organizacionais, além de um laboratório de – Associação Brasileira de Educação a Distância,
aprendizagem para a organização e um polo de “...40% das instituições que ofereceram cursos
educação permanente". regulamentados totalmente a distância
apresentaram uma evasão de 26%-50%”. Quanto
Para assegurar a qualidade do serviço,
aos cursos livres não corporativos observa-se
vantagem competitiva no mercado e manter-se
que de acordo com o CENSO 2015 a maioria
atualizado, faz-se necessário que o colaborador
(31,71%) estão entre 26%-50% de evasão, os
tenha flexibilidade, autonomia e conhecimento
cursos livres corporativos 30,77%, destes estão
suficiente para atender as necessidades da
entre 0%-5% de evasão, seguido de 26,15%
empresa.
entre 26%-50%.
Para Martins (2005) a educação corporativa
As evasões em cursos corporativos, muitas
entende-se como um conjunto de ações que
vezes ofertados gratuitamente, com a
visam desenvolver conhecimentos, habilidades e
possibilidade de realização dos estudos dentro
competências alinhadas ao interesse estratégico
do espaço e horário de trabalho, acabam
da organização e, por conseguinte, capazes de
resultando em evasão, tendo como conflito as
incrementar o potencial competitivo.
atividades profissionais.
Sendo assim, a educação corporativa tem como
Segundo Silva e Gomes (2015) apud Henke e
pressuposto a disseminação de conhecimento,
Russum (2000) os autores “pesquisaram sobre a
visando assegurar a qualidade dos serviços
evasão em cursos de educação corporativa, que
prestados, otimizando tempo e contribuindo para
identificou como indicador de maior influência o
resultados econômicos do negócio.
conflito do curso com compromissos
profissionais. ”

Educação no Século XXI - Volume 3


116

Desta forma, ao buscar os motivos que levam a Utilizou-se análise quantitativa, o método de
evasão, a falta de tempo sempre aparece como coleta de dado por amostra e análise de
primeiro da lista. Como afirma Almeida (2015): relatórios, resgatada dos eventos realizados e
pesquisa realizada com os participantes acerca
...observa-se a falta de tempo ou sobrecarga
do não comparecimento nos cursos.
de trabalho como uma das principais razões
citadas pela maioria dos autores que
pesquisam a evasão em cursos a distância.
4. APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS
As demandas simultâneas do curso, trabalho
RESULTADOS
e família tornam difícil para o aluno planejar e
seguir uma agenda de estudo. A falta de A questão da evasão na educação a distância, é
apoio administrativo da instituição, problemas uma realidade que afetam os cursos ofertados
de desenho do curso e mal desempenho do pelo SPC Brasil. Diante do cenário apresentado
sistema de tutoria podem agravar as dos cursos que são ofertados no Sistema CNDL,
dificuldades do aluno adulto que estuda a considerando-se que são cursos voltados a
distância. educação corporativa, porém sem
obrigatoriedade de comparecimento devido aos
colaboradores das Entidades não serem
Ao analisar a evasão dentro do sistema CNDL, diretamente do SPC Brasil, e sim de cada
pode-se perceber que a falta de tempo, também Entidade, que vendem produtos e serviços do
está dentro do resultado mais relevante. SPC Brasil, porém são ligados a um mesmo
órgão, a CNDL.

3. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
4.1 EVASÃO
O presente artigo utilizou-se da abordagem
qualitativa de pesquisa, tendo como foco Dentro da realidade apresentada acima, após
principal a técnica da pesquisa-ação e seus levantamento de informações acerca da evasão
desdobramentos, voltada para a compreensão nos cursos, observa-se que se obteve uma
extraída de uma situação vivenciada, prevendo a variação no percentual de evasão. A partir do
participação ativa e efetiva dos envolvidos, para ano de 2014, onde efetivamente começou-se a
uma ressignificação de seus papéis e atitudes. cultura da educação a distância no Sistema
CNDL, pulando de 13 temas ofertados em 2013,
A dinâmica de uma pesquisa-ação favorece um
para 33 em 2014, sendo uma constante nos anos
modelo de intervenção baseado em dados da
seguintes, a evasão aumentou gradativamente,
realidade que dificilmente podem ser
contrapondo-se ao número de participações,
contestados, bem como favorece uma reflexão
conforme apresentado no Gráfico 2.
coletiva oriunda da interação pesquisador-
pesquisado fato que colabora para uma relação
baseada na confiança entre as partes.

Gráfico 2. Evasão

80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%
2013 2014 2015 2016 2017

Educação no Século XXI - Volume 3


117

6.2 MOTIVOS PARA A EVASÃO Na pesquisa realizada com os participantes dos


cursos, é possível entender alguns motivos da
Diante do exposto, é possível analisar que a
evasão. Diante da realidade apresentada do
partir de meados de 2013 e 2014, quando se
público alvo dos cursos do SPC Brasil, observou-
começou a implementação da educação a
se que os horários das capacitações influenciam
distância no Sistema CNDL, a evasão encontra-
na evasão, o que acarreta para a falta de tempo,
se menor que nos anos seguintes, por fatores
devido as capacitações serem ofertadas no
como menor número de matriculados, menos
horário da jornada de trabalho, conflitando com
pessoas impactadas pelo novo processo de
compromissos profissionais. No Gráfico 3,
capacitação do sistema e curiosidade em
apresenta-se as respostas mais relevantes para
conhecer a metodologia de ensino aplicada. A
a questão da evasão nos cursos, entretanto,
partir de 2015, o número de evasão encontra-se
alguns participantes não quiseram identificar o
maior, porém obteve-se um índice superior em
motivo, como nos mostra 29% das respostas
relação a participações, conforme já
coletadas.
apresentado no Gráfico 1.

Gráfico 3. Motivos para a evasão

29%
33%
Horário
Falta de tempo
Problemas
Outros

24%
14%

6.3 TIPO DE INTERNET comparecimento no curso, levando em


consideração que na modalidade de ensino a
Outro fator mencionado durante a pesquisa,
distância adotada pelo SPC Brasil é a web
levou-se em consideração a internet utilizada nas
conferência e o uso da internet é primordial.
Entidades em todo o Brasil. Ainda hoje, existem
lugares onde a internet não contribui para a
educação a distância, o que ocasiona no não

Quadro 1: Tipo de internet utilizada nas Entidades


Tipo de internet
3G 5%
Banda Larga 55%
Fibra Ótica 24%
Rádio 6%

Educação no Século XXI - Volume 3


118

De acordo com o Censo EAD 2015, o elemento


mais mencionado entre os cursos corporativos 7 CONCLUSÃO
com relação à evasão é a falta de tempo, com Tratando-se de educação, independente das
concordância de 2,84, sendo a mais alta do suas variações, sendo cursos presenciais, a
levantamento. Desta forma, comparando com o distância, livres não corporativos ou livres
que foi apresentado na pesquisa do SPC Brasil, corporativos, a preocupação quanto a evasão é
obteve-se um índice equivalente ao do Censo. sempre presente.
Por falta de tempo e internet, o SPC Brasil inova Buscou-se por meio deste artigo investigar a
no conceito de educação a distância ao seu evasão na educação a distância e contrapor ao
público alvo, trazendo para o ano de 2017, que acontece nos cursos ofertados às Entidades
cursos gravados, com plano de aula e avaliações pelo SPC Brasil. Pode-se perceber que a
obrigatórias. questão da evasão na educação corporativa a
distância, tem de mais relevante a falta de tempo
do aluno, devido aos cursos serem ofertados em
6.4 MONITORIA DE ALUNOS horário da jornada de trabalho.
Diante do apresentado, para assegurar a Em virtude da capilaridade alcançada pelo SPC
qualidade do ensino e tentar diminuir a evasão Brasil, com duas mil Entidades em todo território
dos cursos, o SPC Brasil trabalha com a nacional, e ofertando-se cursos não obrigatórios
monitoria de alunos visando motivar o acesso ao e gratuitos, pode-se perceber-se que o SPC
ambiente de aprendizagem, trabalhando Brasil consegue atingir um número
principalmente com a questão operacional e de significativamente alto de participantes, embora
acesso tecnológico. ainda tenham uma evasão considerável.
A monitoria é responsável pelo envio de e-mails, Os números mostram que a educação a
antes do curso e no dia, aos alunos matriculados distância é uma realidade que está cada vez
nas turmas, para informa-los dos horários do mais imersa no público alvo dos cursos
curso, inclusão de materiais e avaliações nas ofertados.
salas. A partir da ação da monitoria é possível
perceber que os alunos se sentem motivados a
participar do curso.

REFERÊNCIAS [3] Dotta, Silvia. Uso da Webconferência em


Educação a Distância. 2013. Disponível em: <
[1] Almeida, O. C. S. Evasão de cursos a http://proex.ufabc.edu.br/uab/webconf2/texto_complet
distância: validação de instrumento, fatores o.pdf > Acessado em 04 de mai 2017.
influenciadores e cronologia da desistência. [4] Martins, H. G., 2005, “ Para onde vai a
Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília, universidade corporativa? Notas para uma agenda da
Brasília, 2007. educação corporativa brasileira”. In: O Futuro da
[2] Censo Ead.Br 2015 relatório analítico da Indústria: educação corporativa – Coletânea de
aprendizagem a distância no Brasil.Disponível em:< artigos, Brasília, MDIC/STI.
http://abed.org.br/arquivos/Censo_EAD_2015_POR.pdf [5] Meister, J. Educação corporativa. São Paulo:
>. Acessado em 20 abr 2017. Makron Books, 1999.

Educação no Século XXI - Volume 3


119

Capítulo 18

Larissa Arêa Sousa


Fabiana Márcia de Rezende Yehia

Resumo :O presente artigo tem por objetivo apresentar os resultados das avaliações de
satisfação dos alunos do curso de Assistente de Planejamento, Programação e Controle
de Produção – Bovinocultura de Leite a distância dos estados de MS e SC no âmbito do
Pronatec, observando a sua contribuição para melhoria da educação profissional. Para
alcançar tal objetivo, também será contextualizada a oferta dos cursos presenciais de
Formação Inicial e Continuada – FIC/ Pronatec pelo SENAR, serão apresentadas a
importância da avaliação de satisfação nos cursos a distância e o índice da avaliação de
satisfação do curso nos estados de MS e SC.

Palavras-chave: Senar; EaD; Formação Inicial e Continuada; Pronatec; Educação


Profissional Rural; Avaliação de Satisfação

Educação no Século XXI - Volume 3


120

1. INTRODUÇÃO sucedida das competências apreendidas aos


exercícios laborais e na vida em sociedade.
A recente expansão da educação a distância no
Brasil, seguiu a tendência de oferta crescente da É importante ressaltar que a metodologia do
educação profissional, principalmente com os SENAR valoriza fundamentalmente o saber-fazer
incentivos governamentais ao Programa Nacional aliado aos essenciais saber-conhecer
de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego – (conhecimentos), o saber-ser e o conviver
Pronatec. O referido Programa possui cursos (atitudes e valores). Exercer uma atividade
ofertados em duas modalidades de bolsa- profissional requer mais do que realizar as
formação: 1) Bolsa-Formação estudante e 2) atividades, pois os conhecimentos e
Bolsa-Formação trabalhador. Nesta última, são fundamentos técnicos e científicos que embasam
ofertados os cursos de Formação Inicial e a ação prática, as atitudes e os valores inerentes
Continuada – FIC ou qualificação profissional devem ser mobilizados de forma específica e
presenciais, com carga horária mínima de 160 adequados à solução de cada situação laboral
(cento e sessenta) horas9 apresentados no Guia encontrada.
de Formação Inicial e Continuada, publicação do
Cabe ressaltar que a sala de aula do SENAR não
MEC que reúne todos os cursos das Instituições
é aquela tradicional, em que se trabalha a teoria,
Ofertantes (4ª edição – 2016).
acrescida de oficinas e laboratórios de ensaios
Em 2015, a Portaria nº 817/2015, em seu artigo técnicos e tecnológicos para a “parte prática”.
6º, apresentou que: “A SETEC-MEC incentivará a Ela vai além desses ambientes, considerando
oferta de cursos que utilizem estratégias que o curral, o pasto e a plantação tornam-se
pedagógicas inovadoras.”, o que contribuiu para ambientes de ensino e de aprendizagem. Isso
a decisão do SENAR de transpor a oferta do amplia os horizontes da educação rural,
curso objeto deste artigo, da modalidade contribuindo para o que se chama de
presencial para a distância. E em seu artigo 26º, contextualização, aqui favorecida pelo ambiente
diz: “A SETEC-MEC utilizará critérios relativos à real de trabalho, cenário da situação de
priorização da oferta nas áreas relacionadas aos aprendizagem.
processos de inovação tecnológica e à elevação
Nesse contexto, o curso FIC de Assistente de
de produtividade e competitividade da economia
Planejamento, Programação e Controle de
do País, conforme prevê o art. 6º A, § 4º da Lei nº
Produção ofertado na modalidade presencial
12.513, de 2011”.
dentro do portfólio do GUIA FIC Pronatec, foi o
O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural – escolhido para ser ofertado na modalidade a
SENAR, parceiro ofertante do Pronatec, tem distância no âmbito da Bovinocultura de Leite
como missão realizar a Educação Profissional, a como experiência piloto, considerando a
Assistência Técnica e as atividades de Promoção necessidade de aulas presenciais para a prática.
Social, contribuindo para um cenário de
crescente desenvolvimento da produção
sustentável, da competitividade e de avanços 2. OBJETIVOS
sociais no campo.
2.1 OBJETIVOS GERAIS
Para se entender o contexto do curso analisado
Apresentar os resultados das avaliações de
neste trabalho, é necessário apresentar a
satisfação dos alunos do curso de Assistente de
metodologia educativa utilizada pelo SENAR,
Planejamento, Programação e Controle de
denominada participativa ou ativo participativa,
Produção – Bovinocultura de Leite a distância
uma vez que é centrada na participação efetiva
dos estados de MS e SC no âmbito do Pronatec,
de quem aprende, em suas experiências e
observando sua contribuição para melhoria da
expectativas para o mundo do trabalho. A
educação profissional.
metodologia é baseada em princípios
pedagógicos e andragógicos, referentes à
educação de adultos e considera as
2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS
especificidades das populações do campo.
Prima por estratégias que aliam teoria e prática e Contextualizar a oferta dos cursos de Formação
a conjugação das experiências dos educandos e Inicial e Continuada – FIC do Pronatec pelo
do educador, o que promove a aplicação bem SENAR;
Apresentar a importância da avaliação de
9
Conforme previsto no art. 5º, § 1º, da Lei nº 12.513, satisfação nos cursos a distância;
de 2011, e no Decreto nº 5.154, de 2004.

Educação no Século XXI - Volume 3


121

Apresentar o índice da avaliação de satisfação 3. A OFERTA DOS CURSOS DE FORMAÇÃO


do curso nos estados de MS e SC. INICIAL E CONTINUADA – FIC/PRONATEC
PELO SENAR
O SENAR aderiu ao Pronatec em dezembro de
2011, ofertando 80 cursos presenciais no país
inteiro, distribuídos nos eixos tecnológicos
definidos no GUIA FIC Pronatec.
Desde então, atendeu de forma crescente cerca
de 131 mil alunos, conforme quadro abaixo:
Quadro 1 –Panorama histórico da oferta do podendo ser beneficiários de programas de
Pronatec pelo SENAR transferência de renda do Governo Federal, com
idade mínima de 16 anos completos no ato da
Ano Nº de turmas Nº de alunos matrícula, além de terem concluído ou estarem
cursando o ensino médio e/ou técnico.
2012 1.417 21.253
As turmas tiveram início em dezembro de 2015 e
2013 2.374 35.604 terminaram em junho de 2016 com a carga
2014 3.536 53.041 horária de 200 (duzentas) horas, distribuídas em
11 (onze) unidades curriculares que foram
201510 1.395 20.924 realizadas de forma híbrida, compostas por 80%
TOTAL 8.722 130.822 da carga horária a distância e 20% em práticas
presenciais. O conteúdo foi apresentado na
totalidade por meio de material impresso, e 25%
de forma online.
Os cursos de qualificação profissional, inclusive
de formação inicial e continuada de A experiência piloto teve como finalidade avaliar
trabalhadores ofertados pelo Pronatec através da a pertinência da oferta na modalidade híbrida,
bolsa-formação trabalhador, referem-se, uma vez que os cursos voltados às atividades de
conforme Decreto 5.154/2004 à capacitação, o agricultura, pecuária e silvicultura apresentam a
aperfeiçoamento, a especialização e atualização, indispensável necessidade do desenvolvimento
e podem ser ofertados segundo Itinerários de aulas práticas e atividades de campo. O
formativos, objetivando o desenvolvimento de curso concentra conteúdos da bovinocultura de
aptidões para a vida produtiva e social. Leite, nas áreas de gestão da propriedade rural e
na metodologia da Assistência Técnica e
Em 2015 o SENAR foi procurado pela instituição
Gerencial preconizada pelo SENAR.
demandante, o Ministério da Agricultura,
Pecuária e Abastecimento – MAPA, para
estruturação e implementação de pelo menos 01
4. A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO DE
(um) curso FIC Pronatec, na modalidade a
SATISFAÇÃO NOS CURSOS A DISTÂNCIA
distância. Tal iniciativa foi corroborada pelo
Ministério da Educação – MEC que, ao longo do Todos os projetos, incluindo os educacionais,
exercício de 2015, estabeleceu a necessidade possuem um início e um fim, e a gestão e o
de ampliação da oferta de cursos nesta acompanhamento são de suma importância para
modalidade. o seu sucesso. Dessa forma, o processo de
desenvolvimento e execução de cursos a
Assim, ficou acordada a oferta do curso
distância possui várias fases, mas quatro
Assistente de Planejamento, Programação e
momentos bem definidos, que atuam de maneira
Controle de Produção, já realizado na
contínua: planejamento, execução, conferência e
modalidade presencial, para a experiência piloto
ações corretivas, mais conhecidos como ciclo
a distância, em apenas 02 (dois) estados: Mato
PDCA (do inglês, plan, do, check, act).
Grosso do Sul (MS) e Santa Catarina (SC) no
âmbito da Bovinocultura de Leite. O público do É nesse último momento, de correção, que está a
curso foi composto por pessoas ligadas direta ou análise dos resultados da avaliação de
indiretamente ao processo agrossilvipastoril, satisfação, instrumento de coleta de opiniões dos
participantes do curso que pode identificar
pontos fortes e fracos para reforçar ou melhorar o
10
Algumas turmas de 2015 foram concluídas até o 2º curso ofertado.
semestre de 2016. Em 2016 não houve ofertas de
As novas formas de organização da sociedade e
vagas para o Pronatec em Cursos FIC.
mercado de trabalho requerem que as

Educação no Século XXI - Volume 3


122

instituições educacionais ofertem cursos a unidade curricular no Ambiente Virtual de


distância para formação contínua das pessoas. Aprendizagem.
Segundo Goldstein (1991, apud MENESES, 2010,
O questionário foi aplicado de forma obrigatória e
126) “a avaliação pode ser definida como um
a avaliação do curso foi obtida a partir de um
processo sistemático de coleta de informações
universo amostral, em que se adotou um intervalo
que irá proporcionar a revisão e o aprimoramento
de confiança de 90%. Isto requer para o universo
de eventos”.
de 299 alunos um mínimo de 56 respondentes
Os instrumentos de avaliação devem ser por unidade curricular. Do universo de alunos
previstos na etapa de desenvolvimento da mencionado, duzentos eram do estado do Mato
produção do curso, bem como quando serão Grosso do Sul e noventa e nove de Santa
aplicados. Os participantes avaliam a efetividade Catarina e no total foram 272 alunos
em relação à metodologia proposta, materiais respondentes ao questionário ao final de cada
didáticos, ambiente virtual e atuação da tutoria, unidade curricular.
entre outros.
Os itens da pesquisa de satisfação atenderam a
Por isto, os resultados da avaliação de satisfação um modelo padrão comum a todas as unidades
dos alunos participantes da experiência piloto do curriculares e envolveram a avaliação de 6 (seis)
curso de Assistente de Planejamento, itens: o ambiente virtual, a sala de aula, o
Programação e Controle de Produção – conteúdo, o apoio do monitor, o apoio do tutor e
Bovinocultura de Leite foram utilizados para o curso. Os itens foram dimensionados em 31
avaliar as ações bem sucedidas e as que (trinta e um) aspectos alinhados a critérios de
precisavam ser revisadas e, por fim, a qualidade, que direcionam a avaliação dos
pertinência da oferta. alunos ao mesmo critério, gerando maior rigor
aos resultados.
Segundo Marks, Sibley e Arbaugh (2005, apud
Marcuzzo, Gubiane e Lopes, 2015) essa As alternativas de respostas equivalem a sim,
avaliação traduz a experiência de aprendizagem, não e não usei. Foram tomadas como respostas
tendo em vista que na educação a distância o válidas apenas as respostas de alternativas sim e
processo ensino-aprendizagem é centrado no não. Isto significa que, para a análise, as
aluno. respostas neutras (não usei) foram
desconsideradas para não gerar
O intuito de analisar as informações
representatividade nos índices de satisfação
disponibilizadas nas pesquisas de satisfação
positivo e negativo.
preenchidas ao final de cada unidade curricular
foi menos de mensurar a aprendizagem, e mais Ao analisarmos os resultados da avaliação de
de aferir para a aprendizagem, de forma a satisfação dos estudantes respondentes nos dois
fortalecer as estratégias que ajudem o aluno na estados observou-se um índice de satisfação
construção autogerida do próprio conhecimento. geral de 92% em SC e 96% em Mato Grosso do
Sul.
Outro item importante a ser observado é o de
5. O ÍNDICE DA AVALIAÇÃO DE SATISFAÇÃO
Ambiente Virtual que possui dimensões como:
DO CURSO ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO,
matrícula, o visual do curso, o funcionamento de
PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE PRODUÇÃO
ferramentas, o uso do chat, arquivos de
– BOVINOCULTURA DE LEITE
biblioteca, os temas do fórum e ajuda, e obteve
Diante da característica piloto do curso a 96% de satisfação positiva nas turmas em MS e
distância de Formação Inicial e Continuada de 93% em Santa Catarina. A dimensão Uso do chat
Assistente de Planejamento, Programação e em Santa Catarina teve 88,20% de satisfação
Controle de Produção – Bovinocultura de Leite positiva e Ajuda 88,5%, porém é considerado um
pelo SENAR foram previstas, em seu índice baixo tendo em vista que o computo geral
desenvolvimento, pesquisas de satisfação a do item foi de 93% de satisfação positiva,
serem respondidas pelos alunos ao final de cada conforme quadro 2 abaixo

Educação no Século XXI - Volume 3


123

Quadro 2 – Satisfação quanto ao item Ambiente de aprendizagem

MS SC
Serviço Dimensão Qualidade % Satisfação % Satisfação
Resp. Resp.
Positiva Negativa Positiva Negativa
Matrícula Facilidade 186 95,89 4,11 86 94,86 5,14
Visual do curso Agrado 186 96,61 3,39 86 93,62 6,38
Funcionamento
186 86
Ambiente ferramentas Estabilidade 94,56 5,44 94,64 5,36
de Uso do chat Facilidade 186 92,11 7,89 86 88,2 11,8
aprendizagem Arquivos
186 86
Biblioteca Contribuição 98,18 1,82 93,36 6,64
Temas fórum Contribuição 186 97,53 2,47 86 96,28 3,72
Ajuda Contribuição 186 95,81 4,19 86 88,5 11,5
Subtotal 96 4 93 7

Já os itens Sala de Aula e Conteúdo obtiveram principalmente por se tratar de um curso da


96% de satisfação positiva nas turmas em MS e educação profissional.
93% em Santa Catarina. Importante ressaltar
Quanto ao item apoio do monitor, a avaliação
que, no item conteúdo, houve 94% de satisfação
teve 97% de satisfação positiva no Mato Grosso
positiva das turmas de SC e de 96% do MS na
do Sul e de 93% em Santa Catarina. No item
dimensão “aplicação na realidade”. Faz-se
apoio do tutor, os índices foram de 96% em MS e
necessário o realce dessa dimensão,
94% em SC, conforme quadro 3 abaixo:

Quadro 3 - Satisfação quanto aos itens: Apoio monitor e Apoio tutor.

MS SC
Serviço Dimensão Qualidade % Satisfação % Satisfação
Resp. Resp.
Positiva Negativa Positiva Negativa
Orientar sobre curso Capacidade 186 97,77 2,23 86 93,78 6,22
Chat ambientação Contribuição 186 96,84 3,16 86 94,33 5,67
Apoio
monitor Tempo de resposta
186 86
(monitor) Agilidade 96,49 3,51 93,92 6,08
Resposta monitoria Precisão 186 97,18 2,82 86 90,78 9,22
Subtotal 97 3 93 7
Orientar aplicação do
186 86
conteúdo Capacidade 96,61 3,39 95,76 4,24
Chat com tutor Contribuição 186 96,86 3,14 86 92,89 7,11
Apoio
Discussões fórum Contribuição 186 96,19 3,81 86 95,66 4,34
tutor
Tempo de resposta
186 86
(tutor) Agilidade 94,89 5,11 92,46 7,54
Resposta tutor Precisão 186 96,07 3,93 86 94,3 5,7
Subtotal 96 4 94 6

Por fim, o item curso obteve uma satisfação geral de 90% de satisfação positiva nos dois estados.
positiva de 96% no MS e 92% em SC, porém nas Nos comentários dos estudantes, lê-se que a
dimensões atendimento personalizado e solicitação de preenchimento do formulário ao
pesquisa de satisfação obteve um índice abaixo final de cada unidade curricular é desnecessária.

Educação no Século XXI - Volume 3


124

Vale ressaltar que as unidades curriculares piloto, e contribuíram para discussões acerca da
tinham duração online (em dias) variada, mas a educação a distância e da utilização da
maioria durou em média sete dias e uma única avaliação de satisfação para a retroalimentação
unidade curricular teve a duração de 41 dias. do processo de desenvolvimento e execução de
cursos que utilizam novas tecnologias.
Os resultados analisados corroboraram que a
6. CONSIDERAÇÕES FINAIS
modalidade a distância é adequada para as
A análise dos resultados das avaliações de ofertas educativas do SENAR e das
satisfação dos alunos do curso de Assistente de necessidades de seu público.
Planejamento, Programação e Controle de
Em suma, com correções a serem feitas na
Produção – Bovinocultura de Leite/Pronatec a
frequência da pesquisa de satisfação, que
distância nos estados de MS e SC comprovaram
obteve resultado de mais de 10% de satisfação
o caráter inovador da iniciativa tendo em vista as
negativa, os dados obtidos demonstram que os
especificidades e exigências da educação
estudantes ficaram satisfeitos no computo geral
profissional rural. Também demonstraram os
dos itens e suas dimensões avaliados com mais
bons resultados alcançados nessa experiência
de 90% de satisfação nos dois estados.

REFERÊNCIAS nº 12.513 de 26/10/2011. Institui o PRONATEC.


Disponível em:
[1] Brasil, Decreto Federal nº 5.154, de 23 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-
Julho 2004. Regulamenta o § 2º do art. 36 e os arts. 39 2014/2011/lei/l12513.htm Acesso em: 13 abr 2017.
a 41 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que [5] ________. Serviço Nacional de Aprendizagem
estabelece as diretrizes e bases da educação Rural. Série Metodológica - Informações Institucionais.
nacional, e dá outras providências. Disponível em: Brasília: SENAR, 2015.
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004- [6] Dias, L. Sato; Filho, M. C. Farias. A avaliação
2006/2004/decreto/d5154.htm como instrumento de gestão: a experiência do
[2] _________. Portaria MEC nº 817/15, de 13 de Programa de Educação a Distância da Universidade
agosto de 2015. Dispõe sobre a oferta da Bolsa- da Amazônia. In: Congresso Internacional de
Formação no âmbito do Programa Nacional de Acesso Educação a Distância, 2004.
ao Ensino Técnico e Emprego – Pronatec, de que trata [7] Kenski, Vani Moreira (org.). Design
a Lei n o 12.513, de 26 de outubro de 2011, e dá instrucional para cursos online. São Paulo: SENAC SP,
outras providências. Disponível em: 2015.
http://pronatec.mec.gov.br/images/stories/pdf/portaria_ [8] Marcuzzo, Maria M. Veduim; GUBIANE, J.
mec_817_13082015.pdf Acessado em: 27 abr 2017. Salete; e LOPES, Luís F. Dias. A satisfação dos alunos
[3] _________. Lei de Diretrizes e B. Lei nº de educação a distância em uma Instituição de Ensino
9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Superior. Universidade Federal de Santa Maria, 2015
diretrizes e bases da educação nacional. Disponível [9] Meneses, Pedro; Zerbini, Thais; Abbad,
em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm Gardênia. Manual de Treinamento Organizacional.
Acessado em 13 abr 2017. Porto Alegre: Artmed, 2010.
[4] _________.MEC. PRONATEC. Programa
Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego. Lei

Educação no Século XXI - Volume 3


125

Capítulo 19

Carlos Eduardo Oliveira da Costa

Resumo:O presente artigo aborda a importância da Educação a Distância na formação,


na qualificação e na capacitação continuada de policiais da Polícia Militar do Estado do
Rio de Janeiro. O estudo faz um diagnóstico do funcionamento da Escola Virtual,
apresentando dados acerca da consolidação das modalidades a distância na
corporação, tendo em vista os milhares de policiais militares capacitados em um
intervalo de vinte oito meses; refletindo, ainda, sobre os impactos na segurança pública
do Rio de Janeiro, caso tais profissionais tivessem sido retirados das ruas para o
exercício de atividades educacionais presenciais.

Palavras-chave: Escola Virtual da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, Polícia


Militar do Estado do Rio de Janeiro, EAD na PMERJ, EVPMERJ, capacitação continuada
de policiais.

Educação no Século XXI - Volume 3


126

1. INTRODUÇÃO Desta forma o presente artigo abordará o


trabalho desenvolvido pela Escola Virtual na
É indiscutível a revolução que a Educação a
formação, qualificação e capacitação dos
Distância (EAD) está proporcionando na
policiais militares, apontando suas
sociedade em geral, abrindo um leque de
características, dificuldades e soluções
oportunidades e de possibilidades antes
encontradas, construídas no dia-a-dia.
minimizado ou inexistente, quando o assunto
considerado era o ensino tradicional. Com a
consolidação, expansão e popularização da rede
2. OBJETIVOS
mundial de computadores a partir da década de
1990, a Internet deu nova dimensão a EAD, O presente artigo terá como escopo apresentar o
fazendo com que a formação, qualificação e trabalho desenvolvido pela Escola Virtual, no
capacitação de grande número de pessoas, com ensino aos policiais militares fluminenses,
qualidade e de maneira dinâmica, fossem uma tomando-se por base o período de janeiro de
realidade, não só para os indivíduos integrantes 2015 à março de 2017, mostrando-se como uma
da sociedade civil, mas também para instituições ferramenta capaz de suprir parcialmente a
particulares e públicas. demanda educacional da instituição, sem retirar
os policiais militares das suas atividades junto ao
Com isso as instituições em geral puderam levar
policiamento ostensivo nas ruas.
o conteúdo da sala de aula para seus
profissionais, visando aperfeiçoá-los e buscar a
excelência em suas atividades, com a barreira
3. REFERENCIAL TEÓRICO
do espaço e do tempo minimizados; uma vez
que a EAD proporciona ao aluno moldar-se 3.1- A EAD NA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO
conforme seu tempo disponível e possibilita que DO RIO DE JANEIRO
o local para estudos seja sua própria residência,
Cada vez mais a Educação a Distância tem se
seu dispositivo móvel, um telecentro, etc... Como
mostrado como a ferramenta mais adequada,
ensina Brindley:
capaz de conciliar o aspecto formativo de
Espera-se que os alunos a distância planejem qualidade com a impossibilidade de ausentar os
seus programas acadêmicos, estabeleçam policiais militares da atividade fim, tendo em vista
seus horários de estudo, mantenham a natureza do serviço prestado.
equilíbrio entre seus estudos e demais
Diante disso é fundamental que instituição
responsabilidades (trabalho/família),
entenda a importância estratégica e dote com os
escrevam com proficiência, encontrem e
recursos humanos, logísticos, tecnológicos e
usem os recursos de aprendizagem e leiam e
financeiros mais adequados, uma vez que ao
façam sínteses eficientemente. (BRINDLEY,
elevar o potencial educacional da instituição e de
2015)
seus integrantes, necessariamente haverá
reflexos positivos na qualidade da prestação do
serviço do policial no dia-a-dia em contato com a
Influenciadas por tais preceitos algumas
população; legitimando assim que "a educação a
instituições públicas, civis e militares, adaptaram-
distância é, portanto, uma opção viável e
se e moldaram-se para que parte de suas
estratégica para a formação e o desenvolvimento
atividades, no que concerne a formação,
de profissionais, tanto em instituições privadas
qualificação ou capacitação continuada de seus
quanto no serviço público” (MULLER, 2009, p.
profissionais, antes limitada às atividades
33).
exclusivamente presenciais, tivessem seu
horizonte ampliado e pudessem se socorrer das Diversas barreiras ainda são encontradas,
ferramentas disponíveis pela EAD. Neste norte a principalmente através de policiais que
Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro vivenciaram cursos à distância com referenciais
(PMERJ), órgão da administração direta do de qualidade duvidosos, ou, ainda, que insistem
Estado do Rio de Janeiro, criou dentro da sua em resistir aos avanços tecnológicos, não
estrutura organizacional a Escola Virtual reconhecendo que a era da revolução digital
(EVPMERJ), seção que funciona subordinada ao deve ser encarada no sentido de potencializar ao
Centro de Qualificação de Profissionais de máximo todos os processos, levando a qualquer
Segurança e que por sua vez subordina-se à local do mundo a informação desejada, além de
Diretoria-Geral de Ensino e Instrução (DGEI). pôr a disposição ferramentas e inovações

Educação no Século XXI - Volume 3


127

plurais, que podem ser incorporadas estrategicamente considerado ao ser constatado


adequadamente à instituição. Porém com o a necessidade de profissionais especialmente
tempo tais paradigmas preconceituosos estão qualificados para tais funções, que infelizmente
sendo superados e cada vez mais a EAD na não são encontrados com certa facilidade, em
instituição tem alcançado, de maneira face das formações específicas diversas que são
reconhecida, seus integrantes, pois como nos requeridas, tais quais, programadores,
ensina Muller: operadores de rede, designers instrucionais,
diagramadores, pedagogos, tutores,
Na organização “que aprende” há que se
profissionais especializados em EAD, etc...,
considerar e agregar o crescimento
todos concorrendo para o "planejamento, o
vertiginoso da tecnologia, principalmente dos
desenvolvimento e a utilização de métodos,
meios eletrônicos de comunicação e difusão
técnicas, atividades, materiais, eventos e
do conhecimento, cujo poder de distribuição
produtos educacionais em situações didáticas
e compartilhamento de conhecimento vem
específicas" (FILATRO, 2004). Abaixo encontra-
provocando grandes mudanças da educação
se a estrutura interna da Escola Virtual que busca
organizacional. (2009, p. 33)
sobretudo:

3.2- A ESTRUTURAÇÃO DA ESCOLA VIRTUAL


no desenvolvimento de programas de ensino,
DA PMERJ
optar por uma metodologia de produção,
Organicamente subordinada ao Centro de mesmo nas etapas criativas de uma proposta
Qualificação de Profissionais de Segurança, a de curso ou material didático, permite reunir
Escola Virtual da PMERJ centraliza toda as melhores soluções, evitando a dispersão
coordenação, planejamento, organização e de ideias e fuga dos objetivos (BANDEIRA,
controle das atividades que envolvam a EAD na 2009, p. 150).
instituição. O formato centralizado das ações foi

Para tanto, internamente, a Escola Virtual possui a seguinte organização:


Figura 1: Organograma da EVPMERJ.

CHEFIA

SEÇÃO DE ANÁLISE E SEÇÃO DE RECURSOS


SEÇÃO ADMINISTRATIVA
CONSTRUÇÃO ÁUDIO VISUAIS E
E DE SUPORTE (SAS)
PEDAGÓGICA (SACP) DIAGRAMAÇÃO (SRAVD)

Fonte: Relatório de Gestão 2015.


Diante disso cabe a chefia assessorar o escalão Já à Seção de Análise e Construção Pedagógica
superior da instituição nos assuntos inerentes a incumbe a construção do mapa educacional dos
EAD, bem como receber, analisar, discutir, cursos gerenciados pela Escola Virtual, bem
orientar, planejar, controlar, organizar e como a orientação e construção pedagógica dos
coordenar as atividades necessárias, para que processos educacionais (conteúdos, criação de
uma ação educativa a distância possa ser cursos, avaliações, ensino, aprendizagem, etc.).
concretizada, através das ações do escalão A tal seção cabe, ainda, a análise ortográfica do
subordinado. conteúdo e a orientação aos batalhões que

Educação no Século XXI - Volume 3


128

desejem submeter seus cursos, para que sejam a restrição de acesso aos usuários específicos
implementados e geridos pela Escola Virtual. dos cursos. Com isso desenvolveu-se
internamente algumas adaptações ao sistema de
Para a Seção de Recursos Áudio Visuais e
login e certificação de dados, ou seja, o usuário
Diagramação cabe construir e orientar a
é registrado na plataforma através de um sistema
construção de materiais interativos, tendo por
externo ao Moodle, que de acordo com os dados
base conteúdos previamente preparados,
inseridos pelo usuário, as informações são
adotando recursos tecnológicos diversificados,
certificadas junto ao banco de dados do Sistema
seja na adequação visual e padronização de
de Pessoal da Polícia Militar do Estado do Rio de
textos, seja na criação de vídeo aulas, ou de
Janeiro e se confirmadas, o usuário é adicionado
podcast, que sirvam como meios para um melhor
ao banco de dados do AVA. Da mesma forma foi
aprendizado por parte dos alunos.
criado um sistema acadêmico, que quando o
Diante disso resta à Seção Administrativa e de usuário entra no mesmo, tem acesso aos seus
Suporte a incumbência do exercício das cursos em andamento, concluídos, certificados,
atividades burocráticas relacionadas à etc., e ao clicar no link dos cursos em
confecção e arquivamento de documentos, bem andamento, automaticamente é direcionado para
como o atendimento ao público externo de o interior do Moodle, referente ao curso
policiais militares, seja pessoalmente, seja desejado.
através do correio eletrônico ou através de
Tal sistematização dos processos adequou-se a
chamadas telefônicas. Também é incumbência
realidade desejada pela instituição, trazendo
da referida seção o suporte técnico na área de
simplicidade e segurança ao usuário e à PMERJ.
informática, relacionados aos softwares e aos
hardwares, bem como o desenvolvimento lógico
de programação e seu acompanhamento, para
3.4- OS TIPOS DE CURSOS MINISTRADOS PELA
fins de manutenção da plataforma necessária
ESCOLA VIRTUAL
para o Ambiente Virtual de Aprendizagem.
Para efeitos do presente estudo será
considerado como curso de formação o Curso
3.3- O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM de Aperfeiçoamento de Sargentos (CAS) e o
Curso de Aperfeiçoamento de Sargentos
A partir dos cursos realizados em 2017 a
Auxiliares de Saúde (CASAS), como cursos
plataforma utilizada passou a ser o Moodle
necessários para ascensão profissional, ou seja,
(Modular Object-Oriented Dynamic Learning
para que a praça no posto de segundo sargento
Environment), em substituição a uma plataforma
esteja habilitada a graduação de subtenente. Os
desenvolvida internamente, em face dos
cursos de qualificação, como cursos necessários
constantes problemas que causavam transtornos
para o exercício de alguma atividade específica,
ao andamento das atividades educacionais,
para tanto foram considerados o Ciclo Diretivo de
passando a mesma a ser a plataforma oficial de
Atualização de Profissionais de Segurança
trabalho da Escola Virtual, como descreve Silva:
Pública (CiDAPS), como necessário para os
O Moodle (...) trabalha com uma perspectiva policiais que foram afastados da instituição e
dinâmica da aprendizagem em que a retornaram e o Curso de Policiamento de
pedagogia socioconstrutivista e as ações Proximidade em Ambiente Escolar (CPPAE),
colaborativas ocupam lugar de destaque. exigido aos policiais que desejarem trabalhar em
Nesse contexto, seu objetivo é permitir que projetos estaduais e municipais em apoio às
processos de ensino-aprendizagem ocorram Secretarias de Educação e, finalmente, como
por meio não apenas da interatividade, mas, cursos de capacitação continuada os Cursos de
principalmente, pela interação, ou seja, Qualificação para os Eventos Olímpicos (CQEO),
privilegiando a construção/reconstrução do Curso de Uso Diferenciado da Força (CUDF) e o
conhecimento, a autoria, a produção de Curso “Blá-Blá-Blá: Você sabe se comunicar?”
conhecimento em colaboração com os pares (Blá-Blá-Blá), estes de realização facultativa e
e a aprendizagem significativa do aluno. voltados para a melhoria do exercício das
(2013, p. 19) funções policiais.

Diante da colocação em prática do Moodle fez-


se necessário algumas adaptações, tendo em
vista o sigilo de algumas informações, bem como

Educação no Século XXI - Volume 3


129

3.5- A EXPANSÃO E A BUSCA DE


PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS
A pesquisa descritiva observa, registra,
Ainda para o ano de 2017 a Escola Virtual analisa e correlaciona fatos ou fenômenos
planeja terminar a criação e ministrar cursos de (variáveis) sem manipulá-los. Procura
formação de tutores, visando especializar descobrir, com a maior precisão possível, a
profissionais em tal atividade, função que é frequência com que um fenômeno ocorre, sua
completamente diversificada dos instrutores relação e conexão com outros, sua natureza e
militares e dos professores civis, como explica suas características. Busca conhecer
Tenório: diversas situações e relações que ocorrem na
vida social, política econômica e demais
aspectos do comportamento humano,
O tutor a distância, em geral, exerce múltiplas tomando isoladamente como de grupos e
atividades, que objetivam orientar, facilitar e comunidades mais complexas. A pesquisa
motivar a construção de conhecimento em descritiva pode assumir diversas formas,
ambientes virtuais (AVA), dentre elas: como: estudos descritivos e pesquisa
monitorar e instigar a participação dos alunos documental. (CERVO; BERVIAN; SILVA, 2007,
nas atividades do curso, sugerir sequências p.62)
de estudo dos conteúdos, resolver dúvidas,
ajudar alunos com dificuldades de
aprendizagem, promover debates e auxiliar Como apresentado acima a pesquisa descritiva
no uso de tecnologias de informação e oferece uma dimensão de observação e
comunicação (pag. 12). proximidade com o fenômeno, possibilitando a
identificação de problemas e sua análise.

3. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
4. APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS
Para fins do presente estudo foram observados e
RESULTADOS
pesquisados documentos e relatórios acerca das
atividades desempenhadas na Escola Virtual, Ao se considerar a PMERJ com um efetivo
consolidado no recorte de uma pesquisa previsto de sessenta mil policiais militares, é de
descritiva; visando identificar, registrar e analisar fácil constatação que no período de janeiro de
características ou variáveis que se relacionam 2015 até abril de 2017 foram submetidos a
com o uso da EAD como ferramenta para as atividades de ensino quase trinta e nove mil
atividades formativas da PMERJ. Como policiais militares, como aponta o quadro a
apresentado por Cervo, Bervian e Silva (2007): seguinte
:
Quadro 1: Demonstrativo de policiais militares inscritos por tipo de curso.
Tipo de Curso Quantidade de inscritos
Formação 2112
Qualificação 7012
Capacitação continuada 29804
Total 38928
Fonte: Relatório de Gestão da Escola Virtual.

Obviamente existem instruções policiais que forma o efetivo ser qualificado sem ser retirado
necessitam de atividades em campo, atividades das ruas.
práticas, atividades de adestramento, etc.,
Destarte, pode-se supor qual teria sido o impacto
porém também é correto afirmar que parte
nos índices criminais referente à segurança
significativa dos currículos policiais militares é
pública, se aproximadamente trinta e nove mil
formado por conteúdos teóricos e que podem ser
policiais militares, em um período de vinte e oito
apresentados, discutidos e debatidos por aulas a
meses, tivessem sido afastados de suas
distância ou semipresencial; podendo desta

Educação no Século XXI - Volume 3


130

atividades fins junto ao policiamento ostensivo recursos logísticos, humanos e financeiros em


nas ruas. Logo, depreende-se que a EAD deve prol da Escola Virtual.
ser considerada como um dos pilares
Outra ação fundamental para o desenvolvimento
fundamentais para formação, qualificação e
e a melhoria das atividades é a transformação da
capacitação continuada dos policiais militares.
Escola Virtual da PMERJ em um Órgão de Apoio
de Ensino, estando alinhada hierarquicamente
com as demais unidades de ensino da PM e
5. CONSIDERAÇÕES FINAIS
subordinada diretamente ao Diretor-Geral de
Diante de todo o exposto, verifica-se que a EAD Ensino e Instrução, sendo, desta forma,
na PMERJ, através da sua Escola Virtual, está autônoma administrativamente, podendo gerir e
fomentando, desenvolvendo e promovendo a viabilizar suas próprias estratégias de ensino nos
capacitação de policiais em diversos tipos de moldes do preconizado pela alta cúpula da
cursos na instituição, sem retirá-los de suas PMERJ; uma vez que atualmente a Escola Virtual
jornadas de trabalho nas ruas. Porém é não passa de uma seção de uma unidade, o
necessário que algumas posturas ainda se Centro de Qualificação de Profissionais de
consolidem, a fim de substanciar e validar a Segurança, que não realiza todas suas ações
prática de tal modalidade dentro da instituição, com foco na EAD e que de uma forma geral é
para tanto os gestores máximos da instituição composta por oficiais e praças que não detém
devem ter em mente da importância e da conhecimento específicos para gestão,
eficiência da EAD, nas ações educacionais dos desenvolvimento e educação das modalidades
policiais militares, isto é, apoiando o semi-presenciais ou à distância
desenvolvimento da modalidade e priorizando
.

REFERENCIAL [6] SILVA, Róbson S., Moodle para autores e tutores.


3. ed. São Paulo: Novatec, 2013.
[1] Muller, Claudia Cristina. EAD nas Organizações. [7] Polícia MILITAR DO ESTADO DO RIO DE
Curitiba, PR: IESDE, 2009. JANEIRO. Relatório de Gestão da Escola Virtual –
[2] Brindley, Jane. Apoio ao aluno em educação a 2015. Rio de Janeiro: CQPS, 2015.
distância online. In: ZAWACKI-RICHTER, Olaf; [8] Polícia MILITAR DO ESTADO DO RIO DE
ANDERSON Terry (Org.). Educação a distância Online. JANEIRO. Relatório de Gestão da Escola Virtual –
Construindo uma agenda de pesquisa. São Paulo: 2016. Rio de Janeiro: CQPS, 2016.
ABED, 2015, p. 295-318. [9] Tenório, A.; COSTA, M.; TENÓRIO, T. A influência
[3] Filatro, Andrea. Design instrucional da empatia como competência socioafetiva na
contextualizado. São Paulo: SENAC, 2010. atuação de tutores a distância. Revista brasileira de
[4] Bandeira, Denise. Materiais Didáticos. Curitiba, aprendizagem aberta e a distância (ABED), São Paulo,
PR: IESDE, 2009. v. 15, p. 11-21, setembro de 2016.
[5] Cervo, A. L.; BERVIAN, P. A.; SILVA, R. da.
Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Pearson
Prentice Hall, 2007.

Educação no Século XXI - Volume 3


131

Capítulo 20

Ana Paula Archer de Arruda Borges


Andreia Sardagna Sudoski
Cláudio dos Santos Lino
Janaina da Silva Cardoso Cassel -
Leonardo Cabral
Rafaela Carvalho de Oliveira
Rosiane Petry
Sônia Inez Grüdtner Floriano

Resumo: Este artigo relata a importância do processo de inter-relação entre tutores


e coordenadores de conteúdo e o processo de formação continuada como
estratégias para garantir a qualidade do atendimento aos alunos de cursos via
internet. Para tanto, foi utilizado embasamento teórico e o case da Central de
Tutoria do projeto EAD SEBRAE. Serão apresentados os profissionais envolvidos,
suas atribuições, a forma de interação entre eles, como ocorre o processo de
formação continuada, os resultados da satisfação da tutoria com o processo de
formação, bem como a contribuição para o aprendizado e o impacto na Avaliação
de Reação que os alunos/clientes respondem ao final dos cursos.

Palavras-Chave: Central de Tutoria; Inter-relação; Agentes; Formação continuada.

Educação no Século XXI - Volume 3


132

1. INTRODUÇÃO e pedagógicas relacionadas à aplicabilidade


de conteúdo a serem implantadas na EAD.
O avanço da tecnologia é uma realidade que
vem transformando o comportamento da
sociedade mundial, trazendo consigo
2. A CENTRAL DE TUTORIA E SEUS
impactos na economia, nas demandas de
AGENTES
mercado, nas relações sociais e na forma de
ensinar e aprender. A Central de Tutoria define-se como solução
de atendimento aos alunos do EAD SEBRAE.
Apesar de ainda causar espanto, a
É composta por uma equipe multidisciplinar
velocidade com que as informações
de 225 tutores e 15 coordenadores de
transitam, assim como as novas ferramentas
conteúdo, espalhados por todo o território
que possibilitam a interconexão mundial, são
nacional.
fundamentais para propiciar o
desenvolvimento de diferentes métodos de Essa equipe atua de acordo com os
aprendizagem e de troca de conhecimento. Referenciais Educacionais da instituição em
Nesse contexto, a tecnologia e metodologias quatro diferentes funções: gestão de contrato,
bem planejadas veem se tornando coordenação pedagógica, coordenação de
importantes aliadas no processo de formação conteúdo e tutoria, que serão descritas no
continuada. Quadro 1.
Esse cenário exige, especialmente, das
instituições de educação à distância (EAD)
A equipe de tutoria e coordenação de
uma busca constante por desenvolvimento e
conteúdo é formada por profissionais experts
aprimoramento de estratégias didático –
em diversas áreas de gestão, como estudo de
pedagógicas que atendam às necessidades
viabilidade econômica, estratégia, marketing,
de formação com aporte tecnológico de
gestão financeira, qualidade e recursos
ambientes virtuais de aprendizagem. Diante
humanos. Possuem um nível de formação
do exposto, surge o seguinte questionamento:
acadêmica elevado e experiência em
como gerar inter-relação entre a tutoria e a
consultoria e docência em outras instituições,
equipe de coordenação de conteúdo no
dando respaldo teórico e prático à função de
processo de formação continuada na
tutoria. Desses profissionais, 8% são
modalidade à distância? Que será discutido
doutores, 30% são mestres, 55% são
ao longo desse estudo por meio da Central de
especialistas e 7% têm apenas graduação,
Tutoria do projeto EAD SEBRAE do Serviço
formação exigida no contrato. Além disso, do
Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas
total de profissionais, 80% prestam
Empresas (SEBRAE). Essa Central foi criada
consultoria e 45% são docentes em
para oferecer capacitação aos
instituições de ensino superior.
empreendedores por meio de cursos online
gratuitos, em larga escala, com o objetivo de Mesmo diante de um capital intelectual de
estimular e aprimorar as competências de alto nível de conhecimento teórico e prática
abertura e gestão dos negócios. O Instituto de empresarial/docente, entende-se que o
Estudos Avançados – IEA, em parceria com o processo de inter-relação e de formação
SEBRAE Nacional, é responsável pela Central continuada de forma planejada, sistemática e
de Tutoria – CT. permanente de seus agentes são essenciais
para a garantia do sucesso da Central de
Sendo assim, esse artigo objetiva descrever
Tutoria. Pois, para Cortelazzo (2005), grande
como ocorre a relação entre tutoria e
parte do sucesso das iniciativas de EAD
coordenação de conteúdo no processo de
relaciona-se com o desempenho dos tutores,
formação continuada, de forma a promover a
precisamente nas competências técnicas,
troca de experiências, de conhecimento e,
pedagógicas, comunicacionais e
com isso, propiciar o aprendizado e o
metodológicas.
desenvolvimento das competências técnicas

Educação no Século XXI - Volume 3


133

Quadro 1: Atores da Central de Tutoria e suas responsabilidades.

Função Atribuições

Garantir que o projeto atenda ao público-alvo; gerenciar os recursos humanos e


Gestor de materiais; monitorar e avaliar os processos; ser o elo principal de comunicação com a
contrato equipe técnica do SEBRAE e munir o SEBRAE com as principais informações
referentes ao projeto.
Responsável pelo planejamento, organização e orientação aos tutores e
coordenadores de conteúdo, assumindo o comando e o controle de todas as
Coordenador atividades didáticas e pedagógicas. Atua, junto aos tutores e coordenadores de
pedagógico conteúdo, na mobilização para o conhecimento, na definição e organização dos
procedimentos e no aproveitamento dos recursos tecnológicos disponíveis para o
exercício da tutoria e da coordenação, respectivamente.
Orienta os tutores no sentido de atenderem as concepções educacionais do SEBRAE;
acompanha e orienta o tutor nas dúvidas de conteúdo; orienta a relação do conteúdo
Coordenador com a realidade das MPE; indica exemplos, estudos de caso, além de capacitar de
de conteúdo forma continuada a equipe de tutores em relação ao conteúdo; produz artigos
científicos, além de organizar as respostas em FAQs ( frequently asked questions ou
perguntas frequentes).
Atua diretamente com o cliente/aluno. Seu papel é mediar o processo de construção
do conhecimento dos mesmos por meio de estratégias que favoreçam a
Tutor aprendizagem; do incentivo ao estudo e à pesquisa; da colaboração e do
compartilhamento de informações; provocar reflexões; propiciar discussões e
esclarecer dúvidas, direcionando-os para a concretização dos objetivos do curso.
Fonte: Autoria própria.
SEBRAE, o desenvolvimento das
competências para empreender.
3. INTER-RELAÇÃO ENTRE TUTORIA E
COORDENAÇÃO DE CONTEÚDO É diante desse contexto que a inter-relação
entre os atores do projeto torna-se de grande
O SEBRAE reconhece a inter-relação e a
relevância, já que impacta diretamente na
formação dos agentes como aspectos
atuação diária do tutor, no sentido de atender,
determinantes para o alcance dos seus
apoiar e acompanhar o cliente em sua
objetivos e metas no que diz respeito à
vivência empreendedora, bem como apoiar o
educação a distância pela internet
SEBRAE o cumprir sua missão de ajudar os
(DIRETRIZES PROJETO EAD SEBRAE, 2015).
empreendedores a alcançarem os melhores
Visto que viabiliza confrontação de ideias,
resultados em seus empreendimentos
trocas de experiências, compartilhamento de
(DIRETRIZES PROJETO EAD SEBRAE, 2015).
estratégias pedagógicas e técnicas. Enfim, o
conhecimento ora singular é construído e A interação entre os agentes ocorre, de forma
reconstruído colaborativamente, tornando-se espontânea por meio das ferramentas de
em saber grupal. E também configurando no mensagens e orientações disponibilizadas no
que Carvalho e Ramoa (2000, p. 27) definem Learning Management System (LMS), com
como um sistema vivo, dinâmico, complexo, frequência diária ou de acordo com a
com padrões de comportamento próprios que necessidade diagnosticada tanto pela tutoria
transcendem os comportamentos singulares, como pela coordenação de conteúdo.
tornando-se essencial para que haja unidade Também segue um planejamento anual
e sistematização das ações junto aos alunos. previamente agendado pela Coordenação
Pedagógica, por meio de webconferências e
Dessa forma, o foco principal é no tutor, pois
LMS. Essas relações estão em conformidade
ele é o mediador do processo de ensino-
com o entendimento de que “a instituição
aprendizagem e está diretamente em contato
deve planejar a preparação tanto de alunos
com o cliente/aluno, por isso, precisa
como de professores, para aprender e
aprimorar continuamente sua prática diária,
ensinar a distância” (GUAREZI; MATOS, 2009,
que influenciará no aprendizado e no
p. 118). E ocorrem para atender as
aproveitamento daquele que busca, junto ao
necessidades didático - pedagógicas,

Educação no Século XXI - Volume 3


134

técnicas e conceituais, construindo o as discussões e geração de novas ações são


processo de formação continuada, momentos respaldadas nos Referenciais Pedagógicos
de qualificação profissional planejados para a do SEBRAE.
atualização dos profissionais que trabalham
Considerando a necessidade da
no projeto e para atender às demandas do
aplicabilidade imediata do conhecimento
mercado (DIRETRIZES PROJETO EAD
adquirido no decorrer da formação, os fatores
SEBRAE, 2015).
críticos de sucesso a serem considerados
Essa constante troca entre tutoria e nesse Projeto, segundo Carulla (2014), são:
coordenação de conteúdo cria vínculo entre
1º. Fator: clareza dos temas a serem
eles e a instituição, reforçando o
trabalhados por meio do diagnóstico,
comprometimento tanto com o projeto como
planejamento e metodologia, com
com o aprendizado dos alunos. Também dá
diretrizes e objetivos entre todos os
sustentação e contribui com a consolidação
envolvidos.
do processo de formação continuada.
Fator: internalização do conhecimento,
ou seja, para que efetivamente ocorra
o processo de aprendizagem,
4. O PROCESSO DE FORMAÇÃO
entendido como mudança de prática e
CONTINUADA COMO FATOR CRÍTICO DE
postura, é preciso que os agentes
SUCESSO
sintam a necessidade de tal
Entende-se por formação continuada “toda e aprendizado, tenham dedicação,
qualquer atividade que tem por objetivo organização de tempo para sua
provocar uma mudança de atitudes e/ou formação e autoconfiança.
comportamentos a partir da aquisição de
2º. Fator: aplicação imediata da
novos conhecimentos, conceitos e atitudes”
internalização do conhecimento. Todo
(LOWE, 1977 apud DESTRO, 1995, p. 25).
o conhecimento adquirido no decorrer
No Projeto EAD SEBRAE, a formação da formação precisa ser aplicado junto
continuada é compreendida como um aos alunos, para que possa ser
processo de qualificação, voltado para o experimentado e testado.
desenvolvimento das competências técnicas
3º. Fator: planejamento de novas
e pedagógicas, para atender as
estratégias pedagógicas de
necessidades de aperfeiçoamento dos
aplicabilidade de conteúdo na
profissionais que atuam no projeto e para
realidade do cliente/aluno.
atender a necessidade da instituição e as
demandas do mercado. É requisito essencial
para o desenvolvimento do potencial
Esses fatores atuam como balizadores no
empreendedor de seus clientes/alunos.
planejamento, no alinhamento de ações e
Dessa forma, o processo de formação aplicabilidade do processo de formação
contínua tem como premissas: ser condizente continuada.
com as reais necessidades dos tutores, ter
sincronia entre teoria e prática por meio da
sequência “ação, reflexão e nova ação”, e 5. A APLICABILIDADE DO PROCESSO DE
estar voltado para a aplicabilidade imediata FORMAÇÃO CONTINUADA
dos novos conhecimentos construídos no
O processo de formação inicia com um curso,
decorrer da formação.
via internet, de capacitação técnica em tutoria
Para isso, o planejamento parte das para atuação no Projeto, cujo objetivo é
necessidades diagnosticadas na atuação orientar os tutores para o desempenho de
diária com os clientes/alunos, alinhadas ao suas atribuições. É composto por módulos de
contexto da instituição e do projeto, e estudos que contemplam a visão e as
condizentes com as necessidades especificidades, bem como a descrição das
econômicas e de mercado. Visto que a funcionalidades tecnológicas disponíveis para
formação continuada tem maior relevância e a execução das atribuições de tutoria e de
efetividade quando parte das experiências e coordenação de conteúdo.
necessidades dos professores em formação,
Após a conclusão do curso inicia o processo
ou seja, é somente na ação e sobre a ação
de formação continuada. Ao longo dos quatro
que se pode alcançar domínio dos saberes
anos de operacionalização da Central de
acadêmicos e práticos (SCHÖN, 2003). Todas

Educação no Século XXI - Volume 3


135

Tutoria, esse processo foi sendo aprimorado, também ocorrem trocas entre coordenadores
no sentido de repensar a ação por meio da de conteúdo e suas equipes de tutores para
reflexão com embasamento teórico, alinhamento e desenvolvimento do trabalho
culminando em uma nova ação. Sempre de tutoria, processos de elaboração e revisão
seguindo um planejamento anual, de planos de tutoria, bem como atualização
intercalando um mês formação dos aspectos de conteúdo, sempre que necessário.
técnicos de conteúdo e outro os aspectos
Após concluída qualquer atividade de
didático - pedagógicos, voltado para a
formação continuada, é elaborada uma
aplicabilidade do conhecimento adquirido
síntese dos principais aspectos abordados e
pelos alunos/clientes.
das melhores práticas a serem adotadas por
A formação das competências didático- todos no processo de tutoria, até que novas
pedagógicas ocorre, por meio de reflexões atualizações sobre o tema sejam elaboradas.
teóricas, discussões, compartilhamento de
percepções sobre temas relacionados a
atuação da tutoria e desenvolvimento de 6. OS RESULTADOS NA PRÁTICA
melhores práticas a serem adotadas pelos
Os resultados obtidos com a formação
tutores. Cada tema é trabalhado na
continuada nesses quatro anos de operação
ferramenta Fórum do LMS com um mês de
da Central de Tutoria são considerados
duração. Privilegiando assim o pensamento
positivos, visto que é unânime a aprovação de
reflexivo acerca de saberes teóricos e
relevância pela tutoria, sendo que
práticos que favorecem o exercício da tutoria.
praticamente 100% dos agentes estão
Já a formação das competências técnicas de satisfeitos em fazer parte do projeto. Observa-
conteúdo ocorre através de conferências se também que 88% informam estarem
virtuais em ferramenta específica de satisfeitos com o processo de formação das
webconferência, voltadas para reflexões, competências técnicas de conteúdo, seguido
discussões e trocas de experiências de 85% em relação à formação de
relacionadas ao conteúdo de cada curso e competências didático-pedagógicas. Esses e
sua aplicabilidade junto aos clientes/alunos. outros dados podem ser verificados na figura
Geralmente são conduzidas por a seguir:
coordenadores de conteúdo e Coordenação
Pedagógica. Além desses momentos,

Figura 1: Satisfação geral da equipe de tutoria.

Fonte: Autoria própria.


Os resultados apresentados anteriormente longo dos quatro anos, como é demonstrado
também refletem positivamente na satisfação no quadro a seguir:
dos 2.848.299 alunos/clientes atendidos ao

Educação no Século XXI - Volume 3


136

Quadro 2: Satisfação geral dos alunos com os serviços prestados pela tutoria
Pergunta Satisfeito Parcialmente Insatisfeito
satisfeito

2013 Em relação ao tutor quanto à 91,05% 8,36% 0,59%


linguagem, estímulo, interação,
2014 ajuda e atendimento durante 92,50% 6,94% 0,56%
sua participação no curso.

2015 92,45% 7,13% 0,42%

2016 91,14% 8,29% 0,57%

Fonte: Autoria própria.

Esses resultados demonstram que o processo aplicabilidade imediata do conhecimento, se


de formação está alinhado com as apresentam como pilares para a obtenção
expectativas dos alunos do EAD SEBRAE, dos resultados no Projeto EAD SEBRAE.
uma vez que 92% dos alunos/clientes estão
Salienta-se, no entanto, que estabelecer inter-
satisfeitos com o atendimento recebido e com
relação entre tutoria e equipe de coordenação
as estratégias de comunicação e interação
de conteúdo no processo de formação
implementadas pela tutoria durante sua
continuada não são tarefas fáceis. É preciso
participação no curso. Enfim, considerando
que a instituição tenha um bom planejamento,
esses resultados, podemos afirmar que é
estratégias focadas na prática diária dos
possível gerar inter-relação entre a tutoria e a
tutores, realize as adaptações necessárias,
equipe de coordenação de conteúdo no
tenha profissionais comprometidos e
processo de formação continuada na
ferramentas tecnológicas capazes de dar
modalidade à distância.
sustentação a todo o processo. Diante do
exposto e dos resultados entende-se que tais
estratégias podem contribuir para a formação
7. CONSIDERAÇÕES FINAIS
continuada, adotadas pelo SEBRAE podem
É possível perceber que a inter-relação entre servir como referência de boas práticas para
as equipes de trabalho, conjuntamente com a outras instituições que atuam com EAD.
formação continuada com foco a

REFERÊNCIAS 2014_LuanaMartinsCarulla.pdf> Acesso em: 25


abr. 2017.
[1] Carvalho, A.; Ramoa, M. Dinâmicas da [4] Destro, M. R. T. Educação continuada:
formação: recentrar nos sujeitos, transformar os visão histórica e tentativa de
contextos. Porto: Asa, 2000. [5] conceitualização. Cadernos CEDES,
[2] Cortelazzo, I. B. C. Processos de Ensino e Campinas, n. 36, 1995.
Aprendizagem Mediados Pelas Tecnologias de [6] Guarezi, R.; MATOS, M. M. Educação a
Informação e de Comunicação. In: Tecnologia e distância sem segredos. Curitiba: Ibpex, 2009.
Educação: Perspectivas Integradoras. Curitiba: [7] Sebrae. Diretrizes projeto Ead Sebrae; Nº
Editora Positivo, 2005. 001; Educação a Distância – Ead Cursos pela
[3] Carulla, L. M. Avaliação de eficácia da Internet, 2015. Disponível em:
formação continuada de tutores: o caso EAD <http://gestor.ead.sebrae.com.br/gestor/> Acesso
SEBRAE. 2014. Dissertação (Mestrado em em: 26 abr. 2017.
Educação) - Universidade de Brasília, Brasília. [8] Schön, D. A. Educando o profissional
2014. Disponível em: reflexivo: um novo design para o ensino e a
<http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/17537/1/ aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2003.

Educação no Século XXI - Volume 3


137

Capítulo 21

Juliano Pereira Bossato


Luiz Carlos Zardini Junior
Margareth Vetis Zaganelli

Resumo: A presente pesquisa apresenta soluções para as dificuldades


encontradas pelos gestores de polos municipais de EAD no que se refere às
possíveis alternativas de financiamento de suas infraestruturas. Entre elas, a
concessão remunerada de uso do espaço dos polos, mediante processo licitatório,
às instituições de ensino privadas. Essa hipótese ainda é rechaçada pela
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), mas
atualmente é vista como uma possibilidade, diante da aprovação do novo Marco
Legal da EaD, consubstanciado na Resolução 01/2016 do Conselho Nacional de
Educação (CNE). Nesse sentido, o estudo inova trazendo à tona as discussões da
Associação Brasileira de Educação a Distância (ABED), que acenam no sentido da
adoção de parcerias público-privadas como possibilidade de superação dos
desafios financeiros.

Palavras-chave: Educação a distância. Sistema UAB. gestão de polo EaD.


concessão remunerada de bens públicos

Educação no Século XXI - Volume 3


138

1. INTRODUÇÃO 3. METODOLOGIA
O estado de escassez de recursos financeiros De abordagem qualitativa, este estudo tem
pelo qual o Brasil vem passando nos últimos como métodos a coleta de dados, a
anos tem imposto aos gestores públicos e realização de entrevista estruturada e a
privados a tomada de decisões estratégicas observação do universo estudado, bem como
para a redução de custos e a busca por um referencial teórico baseado em pesquisa
alternativas que possam viabilizar seus bibliográfica realizada por meio da análise da
empreendimentos a fim de que prossigam em legislação pertinente ao tema, como livros,
atividade mesmo no momento de crise. Na periódicos e artigos em repositórios virtuais.
realidade vivenciada na gestão de polos
municipais de Educação a Distância (EAD)
não é diferente. Seus gestores enfrentam 3.1 DESCRIÇÃO DO OBJETO ESTUDADO:
enormes desafios de cunho financeiro, pois
O universo da pesquisa, segundo Vergara
dependem exclusivamente do orçamento
(2007, p. 50) compreende “um conjunto de
público para o financiamento da infraestrutura
elementos (empresas, produtos, pessoas, por
física, de equipamentos e de pessoal. Além
exemplo) que possuem as características que
disso, os municípios têm como prioridade a
serão objeto de estudo”, enquanto a “amostra
oferta de ensino fundamental e educação
é uma parte do universo (população),
infantil, conforme prevê o art. 211, §3º da
escolhida segundo algum critério de
Constituição de 1988. Diante disso, podemos
representatividade”. Dessa forma, a presente
supor que diversos municípios não contam
pesquisa tem como universo a Secretaria de
com recursos extras que possam ser
Ensino a Distância (SEAD) da Universidade
investidos na educação de nível superior.
Federal do Espírito Santo (UFES), que está
Nesse contexto, a concessão dos espaços
presente em 27 polos de apoio presencial da
físicos dos polos à iniciativa privada pode
UAB, estrategicamente distribuídos por todas
mostrar-se uma fonte alternativa legal,
as regiões do estado do Espírito Santo, nos
portanto, possível de captação de recursos
municípios de Afonso Cláudio, Alegre,
pelo município para a manutenção da oferta
Aracruz, Baixo Guandu, Bom Jesus do Norte,
do ensino superior e de especializações. Por
Cachoeiro de Itapemirim, Castelo, Colatina,
outro lado, existe a vedação por parte da
Conceição da Barra, Domingos Martins,
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal
Ecoporanga, Itapemirim, Iúna, Linhares,
de Nível Superior (CAPES) do funcionamento
Mantenópolis, Mimoso do Sul, Montanha,
de Instituições de Ensino Superior (IES)
Nova Venécia, Pinheiros, Piúma, Santa
particulares no mesmo espaço em que se
Leopoldina, Santa Teresa, São Mateus,
oferta cursos do Sistema Universidade Aberta
Vargem Alta, Venda Nova, Vila Velha e Vitória.
do Brasil (UAB). No entanto, em março de
2016, com a publicação da Portaria 01/2016 A organização estrutural do Sistema UAB na
do Conselho Nacional de Educação (CNE), UFES inclui, além dos polos de apoio
inúmeras discussões, capitaneadas pela presencial, laboratórios específicos, biblioteca
Associação Brasileira de Educação a e envolve tutores presenciais, coordenadores
Distância (ABED), sob as quais se debruçam dos polos, tutores a distância e
os debates sobre a possibilidade de coordenadores acadêmicos. Os alunos dos
parcerias-público privadas, podem culminar cursos ofertados na modalidade EAD contam
na autorização do compartilhamento de polos ainda com uma plataforma interativa, com os
entre as IES privadas e o sistema público, mais modernos recursos tecnológicos de
integrado pelo Sistema UAB. informação e comunicação, que auxiliam o
aprendizado (POLOS, 2017).
Entretanto, a amostra analisada é composta
2. OBJETIVOS
pelo exame das condições financeiras de oito
O presente trabalho revela as alternativas de polos, sendo oito gestores de polos UAB e
financiamento da infraestrutura de oito gestores de educação do município onde
funcionamento dos polos UAB no Estado do o polo se localiza, contemplando dois polos
Espírito Santo e aponta para mecanismos em cada Macrorregião de Gestão
legais que possibilitam o poder público e a Administrativa do Espírito Santo
iniciativa privada a atuarem em parceria. (Metropolitana, Norte, Central e Sul), com a
análise do orçamento do município destinado
à manutenção da atividade do polo.

Educação no Século XXI - Volume 3


139

Entre os anos de 2002 e 2014, a UFES ofertou Atualmente os cursos acima descritos estão
um total de 10 cursos superiores de em andamento, com a oferta do 5º e do 6º
graduação a distância. O último processo semestre, totalizando 1800 alunos
seletivo para ocupação de vagas na EAD matriculados. O custo de manutenção das
aconteceu em maio de 2014. Foram ofertadas atividades de um polo, segundo levantamento
2.056 vagas, distribuídas em sete cursos de preliminar extraído da análise das entrevistas
graduação (cursos de licenciatura em Artes dirigidas aos seus gestores, é de R$ 130 mil
Visuais, Biologia, Filosofia, Física, História, reais, conforme Tabela :
Pedagogia e Química). Mais de sete mil
candidatos participaram da disputa.
Tabela 1: O custo de manutenção das atividades de um polo
Projeção anual de custos de um Polo UAB
Estrutura: Valor
Conservação do imóvel R$ 5.000,00
Pessoal R$ 86.400,00
Segurança R$ 7.200,00
Água R$ 960,00
Luz R$ 3.600,00
Telefone R$ 1.200,00
Internet Banda Larga R$ 3.480,00
Material de consumo
Impressão e reprografia R$ 8.000,00
Material de limpeza R$ 2.400,00
Material de escritório R$ 3.600,00
Investimento básico
Equipamentos R$ 4.700,00
Móveis R$ 2.500,00
Utensílios R$ 960,00
Total dos custos anuais R$ 130.000,00

Um exemplo de uma parceria-público privada Nacional de Secretários de Educação


bem sucedida vem da Europa. O Projeto (Consed). A iniciativa conta com o apoio da
“Career-Space” ou Espaço-Profissional é uma Fundação Ford, da Universidade Nacional de
parceria formada por companhias de Educação a Distância da Espanha (Uned), da
tecnologia como a Cisco Systems e a Intel Fundação Roberto Marinho e das secretarias
com a Associação Europeia Industrial de estaduais de Educação de 17 estados:
Tecnologias da Informação e Comunicação Amazonas, Ceará, Goiás, Maranhão, Pará,
(TICs), cuja proposta é a de cooperar com o Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de
desenvolvimento do conhecimento econômico Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia,
(ROBERTSON, 2007). Roraima, Santa Catarina, São Paulo, Tocantins
e Sergipe (MACHADO, 2004 p.13).
Aqui no Brasil, temos, em proporções
menores, como caso de parceria entre setor
público e privado com foco na educação,
temos o Programa de Capacitação a
Distância para Gestores Escolares –
PROGESTÃO, desenvolvido pelo Conselho

Educação no Século XXI - Volume 3


140

4. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA regulamentariam essa parceria, sem deixar


de preservar os referenciais de qualidade
4.1. NOVO MARCO LEGAL DA EAD NO
exigidos pela Capes. Portanto, entende-se
BRASIL
que tal parceria pode contribuir para a
No âmbito da regulamentação da EAD no manutenção dos Polos de EAD nos
Brasil, a Câmara de Educação do Conselho municípios e potencializar sua função social
Nacional de Educação (CNE/CES), como espaço de formação profissional em
homologou o parecer CNE/CES Nº 567/2015 e todos os níveis de educação.
aprovou no dia 10 de março de 2016 a
Resolução CNE/CES Nº 01/2016, que
disciplina as diretrizes e normas nacionais 4.2. A CONCESSÃO DE USO DOS POLOS
para a oferta de programas e cursos de MUNICIPAIS DE APOIO PRESENCIAL COMO
educação superior na modalidade EAD. ALTERNATIVA DE FINANCIAMENTO DA
Surgiu assim, o novo Marco Legal da EAD INFRAESTRUTURA
(ANPED, 2016). Entre as inovações trazidas
A baixa oferta de cursos nos polos é uma
pela Resolução 01/2016 CNE/CES, destaca-
realidade que tem preocupado os gestores,
se a possibilidade de parcerias para
visto que o espaço representa, para muitos
instalação de polos, tratada no terceiro
munícipes, a única referência em oferta de
capítulo. Que, de longe, é o assunto que mais
cursos superiores, de aperfeiçoamento e de
interessa aos estudiosos de direito
especialização próximos de sua residência.
educacional. (CONSELHO NACIONAL DE
Assim, destaca-se a função social do polo
EDUCAÇÃO, 2016). Trata-se de um novo
como ambiente de formação profissional,
tema incluído na norma e que não havia sido
sendo característica eminentemente de
tão bem detalhado anteriormente. Assim,
interesse público. Dessa forma, a
conforme prevê o Art. 7 da referida resolução,
possibilidade da oferta de cursos das IES
ficam expressamente permitidas as parcerias
privadas nesses espaços fortalece a
entre IES credenciadas para EAD e outras IES
educação do município, e permite que essas
e o compartilhamento de polos entre IES
instituições possam atuar em nichos onde as
credenciadas, com destaque para a
IES públicas não atuam, atendendo a uma
permissão indireta de parcerias com
demanda mais ampla por outras áreas de
empresas que não são caracterizadas como
formação profissional até então não
instituições de ensino. Com isso, surgiu a
disponíveis no polo. (OURIQUES, et al, 2012).
discussão sobre a possibilidade de
autorização do compartilhamento de polos Nesse sentido, como forma de regulamentar
entre as IES privadas e o sistema público essa parceria, o ordenamento jurídico
integrado pelo Sistema UAB. Essa hipótese brasileiro dispõe do instituto das concessões,
tem sido ventilada pela ABED, que, em mais precisamente aplicado ao caso
encontro com o presidente da CAPES em 26 concreto, a concessão de uso de bem
de agosto de 2015, sugeriu “[...] ser verificada público, conceituada pelo renomado
a possibilidade de ampliar a atuação da UAB professor Carvalho Filho (2008. p.1082), “[...]
por meio de parcerias público-privadas que o contrato administrativo pelo qual o Poder
ampliem a democratização do acesso à Público confere a pessoa determinada o uso
Educação Superior [...]” (ABED, 2015). privativo de bem público, independentemente
do maior ou menor interesse público da
Todavia, essa discussão vai de encontro às
pessoa concedente”. Cabe aqui ressaltar que
normas atuais da UAB, que determinam que o
entre as características deste instituto, a mais
espaço físico destinado ao polo deve ser de
marcante é a bilateralidade, razão pela qual
uso exclusivo das instituições credenciadas
as mesmas se formalizam por contrato
no Sistema UAB, mesmo que seja
administrativo, sendo assim regulamentados
compartilhado com alguma escola no
pela Lei de Licitações e Contratos (Lei
município. O que deixa bem claro que, até
8.666/93). No entanto, de acordo com
então, o espaço do polo da UAB não pode
Carvalho Filho (2008, p.1083) a decisão de se
ser utilizado por instituições de ensino
conferir a utilização privativa do bem público
privadas (CAPES, [2010 ?], p. 3). Assim,
é discricionária, ou seja, submete-se ao juízo
considera-se de extrema relevância discutir
de conveniência e oportunidade, que
os aspectos legais da nova resolução, tanto
necessitam ser devidamente motivadas pela
quanto a possibilidade de atuação dos
Administração.
setores público e privado no mesmo espaço
físico, quanto às formas legais que

Educação no Século XXI - Volume 3


141

Carvalho Filho (2008, p.1083) classifica o vez que a Lei não elegeu uma modalidade
contrato de concessão de uso de bem específica para o seu processamento. Isso
público em duas espécies: concessão decorre da interpretação de que a concessão
gratuita de uso de bem público e a administrativa pode ser considerada um
concessão remunerada de uso de bem serviço, não um bem público em si
público. No caso em estudo, trata-se de caracterizado, e sim a exploração de um
concessão remunerada, pois o intuito de espaço público para que nele se realize
ceder ao particular o espaço do polo é obter atividade de interesse público, sendo que a
em contrapartida recursos financeiros que Administração será remunerada mensalmente
sejam capazes de manter toda estrutura em pelo uso da área. Dessa forma, o beneficiário
funcionamento. Aqui, cabe salientar, que não imediato do serviço não é a Administração e
se pode perder de vista que, para ser sim a coletividade.
considerado apto pela CAPES, o polo deve
Esta é uma forma viável de parceria que, no
permanecer em condições compatíveis com
cenário estudado, contribui para manter a
os referenciais de qualidade estabelecidos.
estrutura do polo em funcionamento, cumpre
Regras essas que devem ser explícitas no
a finalidade à qual foi dada ao espaço físico e
instrumento convocatório de licitação,
colabora com ajuda financeira para investir na
deixando claro aos interessados em firmar o
constante atualização dos recursos
contrato de concessão com o município.
tecnológicos, bibliotecas e laboratórios,
Nesse sentido, cabe esclarecer que esse requisitos exigidos pela CAPES na avaliação
contrato confere ao concessionário um direito do espaço para considerá-lo apto a receber
pessoal, intransferível a terceiros. A relação os cursos das IES públicas integradas pelo
que se estabelece é obrigacional entre o Sistema UAB. Diante disso, entendemos que,
concedente (Administração) e o partindo do princípio de que o município é o
concessionário (particular contratado), da único responsável pela manutenção da
qual a lei geral de licitações, Lei 8.666/93, não infraestrutura física dos polos, de que a
trata especificamente, mas que não quer CAPES não oferece aportes financeiros para
dizer que esteja afastada. Isso porque o art. investimento em infraestrutura, nem para os
37, XXI, da Constituição da República impõe núcleos UAB das universidades públicas,
a regra de licitar obras, serviços, compras e tampouco para os polos municipais de apoio
alienações, sendo esta última gênero do qual presencial, do ponto de vista legal, é
o objeto de nosso estudo é espécie (Di Pietro plenamente possível a concessão do espaço
2008, p.658). dos polos às IES privadas interessadas em lá
ofertar cursos, isso é, desde que o município
Diante disso, fica evidente que o contrato a
realize o devido processo licitatório com as
ser celebrado entre as partes deve ser
formalidades e obedecendo aos princípios a
precedido de licitação, salvo inviabilidade
ele inerentes. Contudo, essa possibilidade
devidamente comprovada, nos termos do
ainda encontra resistência por parte da
artigo 2º da Lei 8.666/93, que silencia quanto
CAPES, que insiste em vedar a permanência
à modalidade a ser utilizada, porém
de cursos de IES privadas nos polos onde
resguarda os princípios afetos a esse tipo de
são ofertados os cursos do Sistema UAB.
certame. E ainda, acerca da modalidade de
licitação a ser utilizada na concessão Entretanto, tal regra pode ser considerada
administrativa de uso de bem público o potencialmente arbitrária, pois segundo
acórdão do Tribunal de Contas da União Nº Carvalho Filho (2008, p.1083) “a celebração
540/2008, decidiu que na concessão de de contrato de concessão de uso depende da
direito real de uso, o gestor tem maior aferição, pelos órgãos administrativos, da
flexibilidade para escolher a modalidade conveniência e oportunidade em conferir a
licitatória, pois necessita observar utilização privativa do bem ao particular”.
estritamente as regras do art. 23 da Lei nº Assim, chegamos à constatação de que não
8.666/1993, que trata exatamente dos limites cabe à CAPES exercer esse juízo de
de valores (TRIBUNAL DE CONTAS DA conveniência e oportunidade, pois é
UNIÃO, 2008). prerrogativa do município dar finalidade aos
bens públicos que integram seu patrimônio.
Em função disso, entendemos que existe uma
No mesmo sentido, quanto à normatização da
certa liberdade na escolha da modalidade a
educação, assevera Gomes, (2009, p.24),
ser utilizada para a concretização do
“[...] se as leis estão desatualizadas em face
processo licitatório de concessão
da realidade social ou são transplantadas de
administrativa de uso de bem público, uma

Educação no Século XXI - Volume 3


142

outra realidade, como plantas exóticas, fonte viável de captação de recursos a serem
tornam-se mera formalidade [...]”. Destarte, destinados à manutenção das atividades dos
mais valioso que o formalismo legal é a polos, inegavelmente é de interesse público,
adequação à realidade e o consequente e por isso não pode ser cerceada pela
atendimento à função social das instituições. vontade de outro ente federativo.
Sobretudo, há que se buscar um equilíbrio
Corroborando ao nosso entendimento, após o
nessas normas regulamentadoras, pois o
advento do novo Marco Legal da EAD, a
conflito em nada colabora para o avanço da
Resolução 01/2016 do CNE, a ABED tem
expansão da educação no país. Da mesma
defendido a possibilidade de parcerias-
forma que será uma perda inestimável para
público privadas, o que pode culminar na
os polos o descredenciamento para oferta
autorização do compartilhamento de polos
dos cursos do Sistema UAB, a subutilização
entre as IES privadas e o sistema público,
do espaço representa para o município um
integrado pelo Sistema Universidade Aberta
prejuízo em matéria de finalidade dos
do Brasil. Entendemos, assim, que deve haver
recursos destinados a construção e
um equilíbrio de entendimento da novel norma
manutenção do polo em atividade.
regulamentadora para que, não só a partir da
análise baseada estritamente na letra da Lei,
mas também no bom-senso, é que
5. CONCLUSÃO
chegaremos a um consenso que realmente
Com os cortes nos gastos públicos pode colaborar para o avanço da expansão
promovidos pelo governo federal o Sistema da EAD no país.
UAB corre o risco de perder seu
Assim, com a conclusão da presente
protagonismo de política pública de expansão
pesquisa não se esgotam as possibilidades
do ensino superior no país, devido à baixa
para a solução do problema proposto,
oferta de cursos superiores nos polos
entretanto, percebe-se que com o seu
municipais de apoio presencial que o
objetivo geral alcançado, existem soluções
integram. Além disso, os gestores de polo
viáveis e possíveis. Sendo assim, além de
enfrentam um dilema: depender
uma importante fonte de informação aos
exclusivamente do orçamento público (da
estudiosos da gestão de polos municipais de
prefeitura), que mal cumpre a obrigação legal
apoio presencial UAB, trata-se de uma
de oferecer o ensino básico, quiçá contar
relevante contribuição para a transformação
com recursos extras para a oferta de ensino
de uma realidade.
superior e especializações. Dessa forma, na
busca por alternativas, identificamos que a
concessão à iniciativa privada, como uma

BIBLIOGRAFIA do Brasil – Uab. Disponível em: Acesso em 02 jun.


2016.
[1] Abed discute o novo marco regulatório [6] _______. Tribunal de Contas da União.
para a educação a distância em visita ao Acórdão nº 540/2008, Plenário. Relator: Min.
presidente da Capes. Abed. São Paulo, 27 ago. Guilherme Palmeira. Diário Oficial [da] República
2015. Disponível em: Acesso em: 12 mai. 2016. Federativa do Brasil, Brasília, 04 abr. 2008.
[2] Aprovação de Diretrizes Nacionais para Disponível em: . Acesso em: 05 jun. 2016.
oferta de Programas e Cursos de Educação [7] Carvalho Filho, José dos Santos. Manual
Superior à Distância. anped. Entrevista concedida de direito administrativo. 20. ed. Rio de Janeiro:
por Luiz Dourado. Rio de Janeiro, 14 mar. 2016. Lumen Juris, 2008.
Disponível em: Acesso em: 12 mai. 2016. [8] Conselho Nacional de Educação (Brasil).
[3] Brasil. Constituição Federal de 05 de Resolução nº 1, de 11 de março de 2016.
outubro de 1988. Publicada no diário Oficial da Estabelece Diretrizes e Normas Nacionais para a
União em 05 de outubro de 1988. Disponível em: Oferta de Programas e Cursos de Educação
Acesso em 12 mai. 2016. Superior na Modalidade a Distância. Disponível
[4] _______. Lei 8.666 de 21 de junho de em: Acesso em 02 jun. 2016.
1993. Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da [9] ______________________________________
Constituição Federal, institui normas para licitações ___. Parecer 564/2015, aprovado em 10 de
e contratos da Administração Pública e dá outras dezembro de 2015. Diretrizes e Normas Nacionais
providências. Disponível em: Acesso em 14 mai. para a oferta de Programas e Cursos de Educação
2016. Superior na Modalidade a Distância. Disponível
[5] _______. Decreto 5.800, de 8 de junho de em: Acesso em 02 jun. 2016.
2006. Dispõe sobre o Sistema Universidade Aberta [10] Di Pietro, Maria Sylvia Zanella. Direito
administrativo. 21. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

Educação no Século XXI - Volume 3


143

[11] Gomes, Candido Alberto da C. A [13] Ouriques, Rafael Nietsche Renzetti et al.
legislação que trata da EAD. In: LITTO, Frederic M.; Gestão de Polos e Políticas de Financiamento:
FORMIGA, Marcos (Org.).Educação a distância: o Desafios e Oportunidades na Área Financeira.
estado da arte. 1. ed. São Paulo: Pearson Disponível em: Acesso em: 17 mai. 2016.
Education, 2009. [14] Polos de apoio presencial do sistema
[12] Machado, M.A. de M. Progestão: Guia Universidade Aberta do Brasil – UAB: orientações
didático. Brasília: CONSED Conselho Nacional de para mantenedores e gestores. Diretoria de
Secretários de Educação, 2001. Reimpressão: São Educação a Distância (DED) da Capes. Brasília,
Paulo, 2004. 2010 [?]. Disponível em: Acesso em 12 mai. 2016.

Educação no Século XXI - Volume 3


144

Capítulo 22

Samuel Brauer Nascimento


Fernanda Severo
André Guerrero
Fabiana Damásio
Nadjanara Alves Vieira
Bárbara Coelho Vaz
June Scafuto
Enrique Araujo Bessoni
Marlon Cavalcanti Lima

Resumo :Esta iniciativa traz a concepção e implementação da plataforma redes


virtual para governança digital em projeto de macropolítica pública sobre álcool e
outras drogas. O Redes virtual é um “Plataforma de governança digital” que tem
como conceito inicial a governança colaborativa integrada e intersetorial aplicada
para colaborar com a sustentabilidade do Redes, tal qual ele se manifestara pelas
49 unidades federadas do país. Para a governança, a plataforma conta com os
articuladores e interlocutores locais como ativadores dos espaços virtuais de
discussão. Possui inúmeros recursos e ferramentas disponíveis para interação,
comunicação, produção e armazenamento de conhecimentos. Após o
desenvolvimento da plataforma redes virtual, foi realizado uma avaliação piloto
com usuários e os resultados foram promissores. Assim, a plataforma REDES
VIRTUAL, consolida-se como uma extensão inovadora, criativa e solidária
agregando valores as redes presenciais, colaborando com a ampliação dos
objetivos do programa por intermédio de práticas de mediações e interações
sociais, além de ser iniciativa inovadora nas metodologias de governança digital
em projetos e políticas públicas.

Palavras-chave: plataformas virtuais; projetos públicos; governança digital;


mediações tecnológicas;

Educação no Século XXI - Volume 3


145

1. INTRODUÇÃO físico-territoriais em um espaço virtualizado


de encontros, trocas e gestão dos
O Projeto Redes - Articulação Intersetorial
conhecimentos, construídos coletivamente,
de Políticas sobre Drogas, é desenvolvido
bem como pensar um painel de
desde 2014 pela Fundação Oswaldo Cruz –
transparência e controle social, foi assim
FIOCRUZ com financiamento e apoio da
idealizada. O momento já era de
Secretaria Nacional de Políticas sobre
encerramento de um ciclo e das rodadas de
Drogas (SENAD) do Ministério da Justiça
avaliação agendadas para outubro de 2016
e Cidadania. Surgiu na perspectiva de
e era necessário fazer brotar novas energias
diminuir a fragmentação das redes de
para sensibilizar e mobilizar os atores
cuidado e das políticas públicas voltadas
estratégicos que realizavam o Redes
para acolher as pessoas com necessidades
cotidianamente. Estes depoimentos
devido ao uso de drogas. Tem como
registrados em vídeo confirmavam e
objetivos promover a intersetorialidade,
agregavam memórias de um “trabalho vivo”
desenvolver tecnologias de cuidado em
que estava sendo realizado pelo Brasil,
rede e induzir processos coletivos para
desafiando ainda mais a criatividade de se
garantir a qualificação do cuidado e da
consolidar novos lugares de encontro para
governança local na política sobre drogas.
apoiar o Redes na gestão do conhecimento e
Por meio do apoio e presença constante
do capital humano integrado.
nos territórios que integram o projeto, as
experiências empíricas vêm mobilizando Assim, a plataforma REDES VIRTUAL,
aprendizados e desenvolvendo espaços de consolida-se como uma extensão
gestão integrada. inovadora, criativa e solidária agregando
valores às redes presenciais do REDES,
O Redes virtual é um “Plataforma de
colaborando com a ampliação dos objetivos
governança digital” que tem como conceito
do programa por intermédio de práticas
inicial a governança colaborativa, integrada e
de mediações e interações sociais. As
intersetorial aplicada para colaborar com a
tecnologias de informação e de
sustentabilidade do Redes, tal qual ele se
comunicação, coordenadas em um ambiente
manifestara pelas 49 unidades federadas do
virtual de aprendizagem mantêm os
País.
interlocutores do REDES (que vinham
Como governança digital, compreende-se o atuando nos territórios fisicamente) como os
processo que visa à manifestação política e à mediadores privilegiados dos processos de
participação da sociedade civil, junto ao compartilhamento de informações, práticas
governo e por meios eletrônicos, na e geração colaborativa de novos
formulação, acompanhamento da conhecimentos. Tal como outras tecnologias
implementação e avaliação das políticas sociais leves, esse tipo de ambiente virtual
públicas, cujo objetivo é o desenvolvimento pauta-se nos valores éticos da
da cidadania e da democracia. aprendizagem colaborativa balizados pelas
(GUIMARÃES e MEDEIROS, 2005, p.06) mediações próprias da cibercultura
contemporânea.
Essa iniciativa foi concebida como ideia a
partir das experiências empíricas das A mediação que aqui se propõe é um
conquistas de muitas produções integrativas processo dinâmico, no qual o uso dos
de gestão e das expectativas de garantir os métodos, ferramentas e signos, pode ser
feitos presenciais iniciados pelo Redes em modelado pelos indivíduos, tendo como
2015. Nos relatos de avaliação dos gestores consequência a alteração do fluxo e a
do Projeto em setembro de 2016, estrutura das funções mentais (Vygotsky,
evidenciava-se a importância da 2000). Nas interações resultantes deste tipo
modelagem de governança democrática e a de diálogos culturais colaborativos “cada
sinergia intersetorial, capilarizada no Brasil organismo poupa muito tempo e esforço,
pelo Redes. Igualmente, a mudança da para não falar de riscos, na exploração do
configuração das equipes de trabalho e a conhecimento e das habilidades já existente
possível supressão gradativa de parte dos nos co-específicos” (Tomasello, 2003, apud
atores estratégicos vinculados diretamente Vicari, 2007).
aos territórios locais, importava uma
Para Vicari (2007), a transmissão cultural é
fragilidade para o processo em
importante porque aprendemos as coisas
consolidação. A alternativa de criar um
junto e por meio dos outros de forma que
ambiente que espelhasse as conquistas
não apenas nos apropriamos dos artefatos e

Educação no Século XXI - Volume 3


146

práticas sociais, mas também dos 4. OBJETIVOS ESPECÍFICOS:


problemas e situações para os quais estes
Os objetivos específicos estão subdivididos
foram desenvolvidos. Desta forma, os
em três grandes eixos centrais
artefatos e práticas apontam para além
comunicantes, a saber:
deles mesmos (mundo físico), apontam para
o mundo psicológico, das intenções e Gestão de informações e processos: Buscas
crenças, das representações mentais dos ágeis e diálogos técnicos
nossos pares conformando o que
 Apoiar a gestão do Projeto
genericamente denomina- se mediação.
ordenando os insumos para o
Nesse sentido, a plataforma REDES monitoramento da Política;
VIRTUAL institui mais um espaço de
 Organizar, indexar e disponibilizar
compartilhamento de informações,
documentos basilares do projeto
conteúdos e principalmente de mediações,
REDES; Gerar armazenamento
interações, integração e trocas de
organizado de informações e
experiências vividas nos territórios de
conhecimentos importantes às
governança local/global. As construções
temáticas do projeto, possibilitando
locais das redes, os desafios e soluções
recuperação sistemática, em
encontradas são muitas vezes singulares, e
consonância com premissas
quando partilhados, podem fomentar novos
contemporâneas de Gestão de
saberes e práticas em um tempo menor.
Informação e Conhecimento;
Nesse sentido, a implicação e a identificação
Possibilitar encontros síncronos
dos atores com as redes de cuidado
para resoluções imediatas de
intersetoriais, por meio das comunicações
problemas ou debates cuja
originais dessas experiências são
necessidade seja tempestiva.
dispositivos que visam colaborar com a
sustentabilidade do que foi protagonizado Gestão e mediações formativas: Tecnologias
pelo Redes e manter ativo os debates da Informação e Comunicação
reflexivos sobre à governança integrada das
 Gerar e disseminar informações
políticas sobre drogas.
sobre ações específicas ou gerais,
permitindo a escolha de públicos-
alvo para tais disparos de
2. OBJETIVOS: OBJETIVO DO ARTIGO
informação;
Relatar experiência de modelagem,
concepção e aplicação de plataforma  Debater de modo organizado,
virtual em projeto de macropolítica pública, temáticas de interesse ao projeto,
com vias ao desenvolvimento de processos em níveis municipal, regional e
de mediação tecnológica, governança digital, nacional;
gestão de informação e de conhecimento.  Organizar Recursos Educacionais
Abertos, compartilhados para toda a
rede, de modo sistematizado,
3. OBJETIVO GERAL DO PROJETO indexado e de fácil recuperação;
Conceber e gerenciar um Ambiente Virtual de  Possibilitar a elaboração de
Aprendizagens para o Redes Intersetoriais - documentos de modo colaborativo,
Fomentar a governança digital e a gestão do com controle de edições e históricos
conhecimento das práticas de gestão de contribuições individuais;
integrada nos territórios do Redes,
potencializando, interações, mediações e  Gerar espaço formal para que
pesquisas sobre a atenção às pessoas em atores diferentes possam trabalhar
sofrimento decorrente do uso de crack, álcool em casos compartilhados.
e outras drogas. Monitorar e gerar insumos de avaliação
 Apoiar a gestão do Projeto ordenando
os insumos para o monitoramento e
avaliação da Política;
 Promover enquetes rápidas de
organização simples;

Educação no Século XXI - Volume 3


147

 Consolidar insumos para pesquisas os interlocutores e articuladores do Redes


qualitativas e quantitativas sobre a como os mediadores privilegiados dos
temática da gestão integrada processos de compartilhamento de
intersetorial e governança digital informações, práticas e geração colaborativa
(atenção às pessoas em sofrimento de novos conhecimentos. Tal como outras
decorrente do uso de crack, álcool e tecnologias sociais leves, esse tipo de
outras drogas) ambiente virtual se pauta nos valores éticos
da aprendizagem colaborativa balizados
 Consolidar subsídios e indicativos
pelas mediações próprias da cibercultura
para aperfeiçoamento das políticas
contemporânea.
públicas, a partir das informações
compartilhadas e debates. Para a governança necessária, a plataforma
estrutura-se com espaços comuns e espaços
setorizados por municípios, regiões e o
5. METODOLOGIA: espaço nacional. Dentro de cada dimensão
territorial, há espelhos do formato definido.
O Redes virtual utiliza a plataforma “LMS
A repetição das estratégias de gestão das
Moodle, 3.2.1”, estruturada com a formação
informações/ replicação das ferramentas de
de coletivos municipais, regionais e
comunicação no modo espelhamento, do
nacional para interação. Além disso conta
recorte das três esferas da gestão pública
com o software Pentaho para inteligência e
deixa o Ambiente de fácil acessibilidade e
mapeamentos, em interação com o Google
cognição. Almeja-se garantir a
Maps, para monitoramento, avaliação e
inteligibilidade intuitiva para que os
gestão.
usuários possam apreendida a navegação
Para a governança, a plataforma conta com em uma das pastas, sintam-se familiarizados
os articuladores e interlocutores locais como com as demais.
ativadores dos espaços virtuais de
Os principais recursos e ferramentas são:
discussão. Possui inúmeros recursos e
mural de avisos; fóruns de práticas, com
ferramentas disponíveis para interação,
curadoria temática, chats e sala de
comunicação, produção e armazenamento
webconferência ( Adobe Connect), acervos
de conhecimentos. Dentre estes, podemos
com motores de busca, simples a
destacar: fórum; sala de reuniões online
avançadas de recursos educacionais
(aberta 24h); web conferência; bibliotecas
abertos – REA ( vídeos, áudios, imagens e
virtuais; bancos de objetos de aprendizagem
documentos de interesse para o projeto),
(textos, vídeos, links de interesse, imagens,
correio e painel de gestão ( com relatoria e
gráficos, infográficos, mapas mentais, etc.;
ferramentas de monitoramento, via Pentaho)
mural de avisos; WIKI (do havaiano wiki wiki,
extremamente rápido); laboratório de A imagens a seguir são da interface:
avaliação, o qual possibilita a criação de
A figura 1 apresenta a interface inicial do
atividades sobre temas escolhidos; glossário,
REDES, organizado em camadas/níveis de
entre outros. As tecnologias de informação e
territorialidade, sendo espaços espelhados de
de comunicação coordenadas em um
interação e comunicação para munícipios,
ambiente virtual de aprendizagem mantém
regiões e para todo o País.

Educação no Século XXI - Volume 3


148

Figura 1: interface da plataforma redes virtual

A figura 2 abaixo apresenta um exemplo de vídeos que são importantes ao projeto.


interface de acervo, no caso, repositório de

Figura 2: interface da plataforma redes virtual

6. DESENHO DE GESTÃO E GOVERNANÇA conjunto de objetivos apresentados acima:


DO REDES VIRTUAL
O modelo de mediação tecnológica está
A governança do Redes virtual foi projetada delineado na imagem a seguir. Nele estão
a partir da aproximação/compatibilização os principais níveis da gestão do projeto e
das atribuições definidas para o REDES e do suas interconexões de articulação.

Educação no Século XXI - Volume 3


149

Figura 3: modelagem de governança digital

Após o desenvolvimento da plataforma redes 7. RESULTADOS E DISCUSSÃO


virtual, foi realizado uma avaliação piloto
Após realização de avaliação piloto, os
com usuários de Várzea Grande, MT, com
resultados estão abaixo. A amostra de
formulário feito no Google forms, cujo link foi
participantes compreendeu 30 integrantes do
enviado por e-mail com perguntas básicas
projeto redes.
sobre usabilidade da plataforma: se foi fácil
navegar, se foi simples de encontrar as A plataforma foi avaliada como fácil ( 100%) e
informações desejadas e se a plataforma é útil para 75%.
útil ao projeto e e que medida. Na seção
seguinte os resultados serão apresentados.
Figura 4: resultados da avaliação de piloto da plataforma redes virtual

Educação no Século XXI - Volume 3


150

O Projeto REDES se consolidou como 8. CONSIDERAÇÕES FINAIS


importante estratégia de intervenção e
Este artigo objetivou relatar experiência de
mobilização para fortalecimento da
modelagem, concepção e aplicação de
intersetorialidade nos territórios
plataforma virtual em projeto de
contemplados pelo projeto. A plataforma
macropolítica pública. Nesse sentido, a
REDES VIRTUAL, por sua vez, institui mais
plataforma REDES VIRTUAL, consolida-se
um espaço de compartilhamento de
como uma extensão inovadora, criativa e
informações, conteúdos e principalmente de
solidária agregando valores às redes
mediações, interações, integração e trocas
presenciais do REDES, colaborando com a
de experiências vividas nos territórios de
ampliação dos objetivos do programa por
governança local/global. As construções
intermédio de práticas de mediações e
locais das redes, os desafios e soluções
interações sociais, agregando e valorizando
encontradas são muitas vezes singulares e,
ainda mais as ações de modo intersetorial,
quando partilhados, podem fomentar novos
uma vez que atua no fortalecimento de
saberes e práticas em um tempo menor.
diversos setores que atuam no projeto. Além
Nesse sentido, a implicação e a identificação
disso, demonstra ser iniciativa inovadora nas
dos atores com as redes de cuidado
metodologias de governança digital em
intersetoriais, por meio das comunicações
projetos e políticas públicas.
originais dessas experiências, são
dispositivos que visam colaborar com a Ainda, pelo piloto já realizado, a plataforma
sustentabilidade do que foi protagonizado demonstra ser simples, amigável, de alto
pelo Redes e manter ativo os debates valor instrumental ao projeto, uma vez que
reflexivos sobre à governança integrada das organiza de modo indexado as informações e
políticas sobre drogas. documentos necessários, bem como divulga
eventos e possibilita a geração em tempo
real de reuniões e encontros de maior
magnitude, com economia de recursos
financeiros e de tempo.

REFERÊNCIAS [3] Oecd. Recommendation of the Council on Digital


Government Strategies. Organisation for Economic
[1] Batista, Fábio Ferreira. Modelo de Gestão do Co-operation and Development, 2014. Disponível
Conhecimento para a Administração Pública em: . Acesso em: 11 jun. 2015
Brasileira Como implementar a Gestão do [4] ROSE, Markus. (org.) Metodologia participativa –
Conhecimento para produzir resultados em Uma introdução a 29 instrumentos. Porto Alegre:
benefício do cidadão. Instituto de Pesquisa Tomo Editorial, 2001.
Econômica Aplicada - Ipea, 2012. [5] Santos, Maria Helena de Castro. Governabilidade,
[2] GUIMARAES, Toma?s de Aquino; Medeiros, Governança e Democracia: criação da
Paulo Henrique Ramos. A relac?a?o entre capacidade governativa e relações executivo-
governo eletro?nico e governanc?a eletro?nica no legislativo no Brasil Pós- Constituinte. In: DADOS
governo federal brasileiro. Cad. EBAPE.BR, Rio – Revista de Ciências Sociais. Rio de Janeiro,
de Janeiro , v. 3, n. 4, p. 01-18, Dec. v.40, n.3, 1997. PP.335-376.
2005. Disponi?vel: [6] Vicari, Rosa Maria. Mediação Tecnológica em
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext& Espaços Virtuais.Novas Tecnologias em Educação.
pid=S1679- CINTED-Ufrgs. 2007
39512005000400004&lng=en&nrm=iso. Acesso: Vygotsky, Lev. A Formação Social da Mente. São
26/03/2016. Paulo: Martins Fontes, 2000.

Educação no Século XXI - Volume 3


151

Capítulo 23

Paola Trindade Garcia


Ana Emilia Figueiredo Oliveira
Regimarina Soares Reis
Steffi Greyce de Castro Lima
Ludmila Gratz Melo
Isabelle Aguiar Prado
Stephanie Matos Silva

Resumo: Com a ampliação e crescente crescimento da oferta de cursos e


capacitações na Educação à Distância, o planejamento de materiais didáticos
instrucionais tornou-se parte fundamental para concepção de projetos nesta forma
de ensino. Neste cenário, os objetos educacionais tornam-se mediadores do
processo de ensino como ferramenta facilitadora e propulsora da aprendizagem. A
partir desta perspectiva, o presente artigo objetivou descrever o processo de
criação de um objeto de aprendizagem do tipo infográfico interativo para um curso
autoinstrucional ofertado pela Universidade Aberta do SUS – UFMA
(UNASUS/UFMA) apresentando-se o processo de adaptação pedagógica de um
material sobre exames de rotina no pré-natal de baixo risco na Atenção Básica em
Saúde como solução em Design Instrucional para a abordagem do tema de forma
interativa e acessível. Apesar das vantagens trazidas por estes objetos de
aprendizagem ainda identificam-se desafios para a proposição, tendo em vista as
limitações quando adequabilidade à diferentes plataformas virtuais bem como as
possibilidades de uso em diferentes contextos. Acresce-se a isto a quantidade
reduzida de trabalhos científicos que discorram sobre a elaboração de materiais
deste tipo coerentes com os pressupostos do Design Instrucional. Os infográficos
animados representam uma inovação na educação em saúde via plataformas
online, portanto almeja-se que o presente trabalho colabore para novas proposições
de objetos de aprendizagem no contexto da Educação à Distância.

Palavras-Chave: Design Instrucional; Objetos de aprendizagem; Infográfico


interativo; Educação a Distância.

Educação no Século XXI - Volume 3


152

1. INTRODUÇÃO 2.2 ESPECÍFICOS


O crescente avanço tecnológico nos últimos Apresentar etapas de elaboração do objeto
anos tem proporcionado expressivo de aprendizagem.
crescimento na utilização da Educação à
Discutir as etapas de elaboração propostas
Distância (EAD) para capacitação profissional
embasando-as teoricamente
em diversas áreas (ABED, 2016). Ao mesmo
tempo, muitos têm sido os desafios para a
aplicação de métodos de ensino voltados
3. REFERENCIAL TEÓRICO
para esta modalidade aliando-se Tecnologias
da Informação e Comunicação (TICs) às Com a ampliação e crescente crescimento da
necessidades pedagógicas para promoção oferta de cursos e capacitações na Educação
de conhecimentos duradouros (BATES, 2016). à Distância, o planejamento de materiais
didáticos instrucionais tornou-se parte
Segundo Abbad (2007), em todo o mundo a
fundamental para concepção de projetos
EAD consolidou-se como uma modalidade
nesta forma de ensino (CLEMENTINO, 2015).
voltada à aprendizagem de adultos sendo
A estruturação a aplicação de estratégias
vinculada à princípios educacionais, como a
eficazes para a transmissão de
educação permanente. Assim, deve
conhecimentos nas plataformas virtuais
oportunizar o empoderamento profissional a
inseriu novas necessidades na concepção
partir das necessidades do público-alvo,
pedagógica de conteúdos a serem
sendo a congruência entre conteúdo e
trabalhados e suas respectivas estratégias
elementos visuais fundamental para que a
de ensino.
informação transmitida seja consolidada
enquanto aprendizagem significativa. Estas novas demandas exigiram também
novos campos profissionais que pudessem
A elaboração de recursos didáticos
adequar-se e, principalmente, responder a
instrucionais para o contexto de Educação a
estas novas necessidades educacionais.
Distância (EaD) inclui o processo de
Assim, surge a profissão de designer
adequação de conteúdos educacionais para
instrucional como uma das peças-chave do
plataformas virtuais oportunizando a utilização
planejamento da educação voltado para
de recursos que potencializem a
plataformas de educação à distância.
consolidação de conhecimentos efetivos para
o aluno (FILATRO; CAIRO, 2015). Neste Segundo Filatro; Cairo (2015), o Design
cenário, os objetos educacionais tornam-se Instrucional engloba etapas de planejamento
mediadores do processo de ensino como e desenvolvimento, além da utilização de
ferramenta facilitadora e propulsora da métodos, técnicas, atividades, materiais,
aprendizagem. eventos e produtos educacionais em
situações didáticas específicas, a fim de
A partir desta perspectiva, o presente artigo
facilitar a aprendizagem humana a partir dos
visa descrever o processo de elaboração de
princípios de ensino-aprendizagem. Conforme
um objeto de aprendizagem do tipo
aponta Braga (2009):
infográfico interativo para um curso
autoinstrucional ofertado pela Universidade
Aberta do SUS – UFMA (UNASUS/UFMA).
"É importante destacar a necessidade de
Para tanto, desenvolveu-se uma solução em
se definir quais serão as estratégias
Design Instrucional para um material sobre
didático-pedagógicas capazes de garantir
exames de rotina no pré-natal de baixo risco,
uma efetiva aprendizagem na modalidade
buscando uma abordagem do tema de forma
EAD, na qual a mídia é utilizada como um
interativa e acessível.
apoio ao processo de ensino-
aprendizagem." (BRAGA, 2009, p.04).
2. OBJETIVOS
2.1 GERAL O material didático na modalidade EAD
representa um aspecto central para a
- Descrever o processo de elaboração de um
mediação do conhecimento a ser transmitido
infográfico interativo para um curso
via plataforma virtual (OLIVEIRA, 2004). Assim
autoinstrucional.
a aplicação de elementos gráficos como
objetos de aprendizagem representa uma
importante potencialidade do trabalho

Educação no Século XXI - Volume 3


153

mediado por tecnologias da informação. objetos meramente decorativos, mas de


Neste sentido o uso da Infografia como examinar a informação e identificar
instrumento de ensino destaca-se enquanto padrões e relações que, de outro modo,
recurso para esta finalidade. provavelmente ficariam ocultos. Só então é
que se procede à sua modelagem sobre
O infográfico é definido como “uma peça
uma mídia física (impressa) ou digital."
gráfica que utiliza simultaneamente a
(FILATRO; CAIRO, 2015, p. 245).
linguagem verbal gráfica, esquemática e
pictórica, voltada prioritariamente à
explicação de algum fenômeno.” (LIMA, 2009,
Kibar e Akkoyunlu (2014), em seu estudo
p. 23). Pode-se afirmar, portanto, que estes
sobre o uso de infográficos na educação,
materiais alinham texto, imagem e/ou formas,
argumentam que, apesar de serem comuns
com a intenção de comunicar uma
nos ambientes digitais da
mensagem, representando, assim,
contemporaneidade, a sua história data de
potencialidades para o ensino à distância.
tempos pré-históricos, onde imagens eram
Os infográficos são produtos que estão em desenhadas nas paredes de cavernas com
consonância com o que foi preconizado por fins comunicativos. Outro ponto destacado
Richard E. Mayer (2005) em sua Teoria da por esses autores é a versatilidade dos
Aprendizagem Multimídia. Ele explica que o infográficos: “Infográficos modernos podem
ser humano possui duas maneiras básicas ser tão complicados a ponto de exibir uma
para apresentar e apreender as informações: análise visual da economia global, ou podem
por palavras e por imagens. Ele acrescenta ser tão simples quanto sinais de trânsito”
que a ideia de aprendizagem multimídia se (Kibar; Akkoyunlu, 2014, p. 457).
baseia na noção de que quando as
O empoderamento do aluno na aquisição de
informações são apresentadas das duas
conhecimentos configura-se como alvo
formas, concomitantemente, a mente humana
central no ensino EAD, sendo o uso
é ativada em sua capacidade total para
consciente de elementos de gráficos e
decodificar a mensagem. Ele propõe que ao
interativos o objetivo final de projetos em
apresentar conteúdos de modo verbal e visual
Design Instrucional. Os infográficos que aliam
ao mesmo tempo, o indivíduo é duplamente
estes elementos destacam-se por permitirem
beneficiado: qualitativa e quantitativamente.
não só o acesso à informação, mas também à
Qualitativamente porque imagens e textos
interação do leitor com a transmissão da
podem ser complementares. E
comunicação (BEZERRA; SERAFIM;
quantitativamente porque os conteúdos são
MEDEIROS, 2011).
representados duas vezes em um mesmo
espaço, reforçando a mensagem (MAYER,
2005).
4. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
Segundo Braga (2009), com base na mídia,
O infográfico interativo foi elaborado no ano
na proposta pedagógica e na finalidade do
de 2016 como parte do módulo de o Atenção
infográfico, pode-se utilizar três possíveis
ao Pré-natal do curso de Saúde Sexual e
métodos de comunicação denominados:
Reprodutiva, o qual faz parte das ações da
estático, animado e interativo. No estático, a
universidade referente à Especialização em
informação é apresentada toda de uma vez
Atenção Básica em Saúde – Trilhas de
só. Já no animado, a construção vai surgindo
Aprendizagem, desenvolvido pelo Ministério
de forma progressiva e seguindo uma
da Saúde e pelo Ministério da Educação em
sequência linear. E no interativo, o aluno é
parceria com a UNASUS/UFMA.
quem determina o ritmo e a ordem (BRAGA,
2009). Contrariamente à alguns equívocos O curso possui carga horária de 45 horas
quanto ao seu objetivo, o infográfico não sendo composto por três unidades
pretende ser apenas uma forma de educacionais, ofertado na modalidade
simplificação de dados, conforme aponta autoinstrucional. O material selecionado
Filatro e Cairo (2015): refere-se aos exames de rotina no pré-natal
de baixo risco ofertados no contexto da
Atenção Básica. Selecionou-se este material
"O principal objetivo do infográfico não é pela relevância do tema para o objetivo
simplificar a informação, no sentido de educacional e