Vous êtes sur la page 1sur 25

Mecânica dos Fluidos I

2018-2019
Mestrado Integrado em Engenharia Aeroespacial

1
HIDROESTÁTICA

Mecânica dos Fluidos I

Mestrado Integrado em Engenharia Aeroespacial

Carlos Bettencourt da Silva – DEM/IST

2018-2019
2
SUMÁRIO

• Matéria
• Pressão num fluido em repouso.
• Resultante das forças de pressão sobre um elemento
de fluido.
• Equação da Hidrostática.
• Distribuição de pressão num fluido em repouso.
• Medição de pressões com manómetros.
• Exemplos.

3
HIDROESTÁTICA

• Matéria
• Força sobre um corpo imerso - Impulsão.
• Equilíbrio de um corpo imerso.
• Estabilidade do equilíbrio.
• Distribuição de pressão num fluido em movimento
sólido.
• Movimento de translação.
• Movimento de rotação.

4
CONCEITO MECÂNICO DE PRESSÃO
MOLECULAR:
• Fluido em repouso.

q Não há tensões tangenciais t xy = t xz = t yx = t yz = t zx = t zy = 0

q Tensões normais são iguais s xx = s yy = s zz = - p

n Fluido em movimento " σ σ yx σ zx %'


$ xx
Estado de tensão
σ ij = $ σ xy σ zy '
q
σ yy
$ '
$ σ σ yz σ zz '
# xz &
Definição mecânica de pressão:
Média das tensões normais. Positiva para o estado de compressão
1
p = - (s xx + s yy + s zz )
3
5
ESTADO DE TENSÃO NUM
ELEMENTO DE FLUIDO

" σ %
$ xx σ yx σ zx '
σ ij = $ σ xy σ yy σ zy '
$ '
$ σ σ yz σ zz '
# xz &
" −p+ τ τ yx τ zx %
$ xx '
=$ τ xy − p + τ yy τ zy '
$ '
$ τ xz τ yz − p + τ zz '
# &

6
FORÇA DE PRESSÃO SOBRE UM
ELEMENTO DE SUPERFÍCIE
!
n
dA p
Força elementar sobre a superfície:

! !
dF = − pndA
!
dF

A força de pressão actua perpendicularmente à superfície no sentido


oposto ao da normal

7
PRESSÕES ABSOLUTAS E RELATIVAS

A pressão pode ser dada em relação à pressão no vazio (zero absoluto):


Pressão absoluta.
A pressão pode ser dada em relação à pressão atmosférica local (zero
relativo): Pressão relativa.
prel = pabs - patm
8
A pressão relativa A é positiva. A pressão relativa B é negativa.
FORÇA DE PRESSÃO SOBRE UM
ELEMENTO DE FLUIDO
Pressão é função da posição e do tempo p = p ( x, y , z , t )

Força resultante das forças de pressão


que actuam no elemento:

Segundo x: ¶p ¶p
dFx = pdydz - ( p + dx)dydz = - dxdydz
¶x ¶x
¶p ¶p
Segundo y: dFy = pdxdz - ( p + dy )dxdz = - dxdydz
¶y ¶y
¶p ¶p
Segundo z: dFz = pdxdy - ( p + dz )dxdy = - dxdydz
¶z ¶z
FORÇA DE PRESSÃO SOBRE UM
ELEMENTO DE FLUIDO

Pressão é função da posição e do tempo p = p ( x, y , z , t )

Força resultante das forças de pressão


que actuam no elemento:

! ! ! !
dF = dFx i + dFy j + dFz k =
∂p ! ∂p ! ∂p !
−( i + j + k )dxdydz
∂x ∂y ∂z

Força por unidade de volume

!
! dF ∂p ! ∂p ! ∂p !
fp = = −( i + j + k ) = −∇p ≡ −grad p
dxdydz ∂x ∂y ∂z
DISTRIBUIÇÃO DE PRESSÃO NUM
FLUIDO EM REPOUSO – Pressão
hidroestática
Fluido em repouso:
A resultante das forças que actuam num elemento de fluido é nula

Forças de superfície: Forças de pressão


!
Resultante das forças de pressão por unidade de volume: f p = −∇p

Forças mássicas: Forças gravíticas


! !
Resultante das forças gravíticas por unidade de volume: f g = ρg
! !
Aceleração da gravidade: g, g = g = 9,81 m/s 2
! !
Equação de equilíbrio: −∇p + ρg = 0 ⇒ ∇p = ρg

11
DISTRIBUIÇÃO DE PRESSÃO NUM
FLUIDO EM REPOUSO – Pressão
Distribuição
hidroestáticade pressão num fluido em
repouso – Pressão hidrostática
!
Equação de equilíbrio hidrostático: ∇p = ρg z g
Se Equação
o eixo dosdezzequilíbrio
do sistemahidrostático:
de coordenadas pcartesiano
g
for positivo no sentido ascendente k j y
Se o eixo dos zz do sistema de coordenadas cartesiano
no! sentido ascendente ∇p = −ρgk
! x
!
for positivo i
g = −gk Þ

g gk ¶pp gk¶p ¶p
Componentes cartesianas: = 0, = 0, = -rg
¶x ¶y ¶z
p p p
Componentes cartesianas: 0, 0, g
As superfícies de pressão constante
x são
y planos horizontais
z
dphorizontais
As superfícies de pressão constante são planos
Distribuição hidrostática de pressão = -rg
dz
dp
Distribuição hidrostática de pressão g
dz 12
DISTRIBUIÇÃO DE PRESSÃO NUM
FLUIDO EM REPOUSO – Pressão
hidroestática
Equação da distribuição hidrostática de pressão: dp
= -rg = -g
dz
Peso volúmico: g = rg

z
Integração: Þ p = p0 - ò rgdz
z0

p0 Pressão no ponto z0
Diferença de pressão entre dois pontos 1 e 2
z2 z2
p2 - p1 = - ò rgdz = - ò gdz
z1 z1

A determinação da distribuição de pressão com a cota depende da variação


γ(z) do peso volúmico

13
DISTRIBUIÇÃO HIDROESTÁTICA DE
PRESSÃO – massa volúmica
constante
z
Equação da distribuição hidrostática de pressão: p = p0 - ò rgdz
z0

Massa e Peso volúmicos constantes: g = rg

Integração: p = p0 - rg ( z - z0 ) = p0 - g( z - z0 )

Diferença de pressão entre dois pontos 1 e 2

p2 - p1 = -rg ( z2 - z1 ) = -g( z2 - z1 )
Introduzindo a diferença de profundidade h h = z1 - z2
p2 - p1 = rgh = gh
A diferença de pressão é igual ao peso da coluna de fluido entre os dois
níveis com uma unidade de área na base.

14
DISTRIBUIÇÃO HIDROESTÁTICA DE
PRESSÃO – massa volúmica
constante
Equação da distribuição hidrostática de pressão: p = p0 - rg ( z - z0 )
Pressão piezométrica é constante:

p + rgz = p0 + rgz0 = const


A equação exprime a conservação de energia para um fluido
em repouso: a energia de pressão por unidade de volume +
energia gravítica por unidade de volume é constante

A equação para a energia por unidade de peso:


p
Altura piezométrica = + z = const
rg
Cota
Altura de carga
15
DISTRIBUIÇÃO HIDROESTÁTICA DE
PRESSÃO – fluido estratificado
¶p ¶p ¶p
Distribuição de pressão: = 0, = 0, = -rg
¶x ¶y ¶z

Massa volúmica variável dependente da posição: r = r( x, y, z )


¶ 2
p ¶r ¶2 p ¶r
Derivando em ordem a x e y: = -g =0 = -g =0
¶x¶z ¶x ¶y¶z ¶y
Equilíbrio hidrostático só é possível se r = r( z ) p = p( z )

Superfícies de pressão constante e massa


volúmica constante são planos horizontais
2
p2 - p1 = - g ò r( z )dz
1

A diferença de pressão requer o conhecimento da distribuição de massa volúmica


16
DISTRIBUIÇÃO DE PRESSÃO NA
ATMOSFERA
2
Equilíbrio hidrostático r = r( z ) p = p( z ) p2 - p1 = - g ò r( z )dz
1

17
MEDIÇÃO DE PRESSÃO COM UM
MANÓMETRO
p1 + r1 g (h1 - h2 ) = p2 + r1 g (h4 - h3 ) + r2 g (h3 - h2 )

p1 + r1 g (h1 - h2 ) - r2 g (h3 - h2 ) - r1 g (h4 - h3 ) = p2

p2 = p1 - (r2 - r1 ) g (h3 - h2 ) + r1 g (h1 - h4 )

Se: h1 = h4

p1 - p2 = (r2 - r1 ) g (h3 - h2 )

18
EXEMPLO DE APLICAÇÃO

Diferença de pressão: pa - pb = (r2 - r1 ) gh

Ar (1) e água (2): r1 = 1, 2 kg/m3 r2 = 1000 kg/m3 h = 0,10 m


pa - pb = (1000 - 1, 2) kg/m3 ´ 9,81 m/s 2 ´ 0,10 m = 978,8 Pa
Água (1) e Mercúrio (2): r1 = 1000 kg/m3 r2 = 13600 kg/m3 h = 0,10 m
pa - pb = (13600 - 1000) kg/m3 ´ 9,81 m/s 2 ´ 0,10 m = 12348 Pa
19
FORÇA HIDROESTÁTICA SOBRE UM
CORPO IMENSO – IMPULSÃO

Impulsão I = FV (2) - FV (1) = r gV


V: Volume de fluido deslocado pelo corpo
ou
I = ò ( p2 - p1 )dAH = - r g ò ( z2 - z1 )dAH =r gV
S S 20
FORÇA HIDROESTÁTICA SOBRE UM
CORPO IMENSO – principio de
Arquimedes

! ! !
Impulsão I = − ∫ pn dS Teorema de Gauss I = − ∫ ∇p dV
S ∨
! ! ! !
∇p = −ρ gk Þ I = ρ gk ∫ dV = ρ gVk

Impulsão: Força vertical ascendente igual ao peso


do volume de fluido deslocado pelo corpo e actua
no centro de massa B do volume deslocado
21
FLUIDO SUJEITO A ACELERAÇÃO
(mov. Translação)
1 ! !
Força resultante/unidade massa=aceleração − ∇p + g = a
ρ

Distribuição de pressão
! !
∇p = ρ ( g − a)

Componentes:

¶p
= - r ax
¶x
Integração: p = -r ( g + az ) z + f ( x)
¶p ¶p
= - r ( g + az ) = f ¢( x) = - r ax Þ f ( x) = - r ax x + c
¶z ¶x
p = p0 - r ax x - r ( g + az ) z 22
FLUIDO EM ROTAÇÃO SÓLIDA

Distribuição de pressão
! !
∇p = ρ ( g − a)

Componentes em coordenadas
cilíndricas

ar = -W2 r aq = 0 az = 0

¶p
= - r ar = rW2 r
¶r
Integração: p = - r gz + f (r )
¶p
= -r g ¶p 1 2 2
¶z = f ¢(r ) = rW2 r Þ f (r ) = r W r + c
¶r 2
Superfície livre: W2 r 2 Parabolóide
1 2 2 z=
p = p0 - r gz + r W r p = p0 = 0
2 2g
RESUMO DA LIÇÃO

• Pressão num fluido em repouso.


• Resultante das forças de pressão sobre um elemento
de fluido.
• Equação da Hidrostática.
• Distribuição de pressão num fluido em repouso.
• Medição de pressões com manómetros.
• Principio de arquimedes

24
RESUMO DA LIÇÃO

n Bibliografia
q Secções 2.1 a 2.4; 2.6.1 a 2.6.3; 2.6.4; 2.6.5 e 2.7
(2ª edição) – L. A. Oliveira e A.G. Lopes
q Secções 2.1 a 2.9 do Fluid Mechanics (6ª ed.) -
White.

25