Vous êtes sur la page 1sur 8

131

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício


ISSN 1981-9900 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b p f e x . c o m . b r

O TREINAMENTO PROPRIOCEPTIVO E A PREVENÇÃO DE LESÕES NO ESPORTE


1
Cecília Gross Windmoller

RESUMO ABSTRACT

Introdução: a prática esportiva expõe os Proprioceptive training and sports injuries


participantes a um maior risco de lesões, o prevention
treinamento proprioceptivo está sendo
reconhecido como um elemento importante na Introduction: sports exposes participants to a
prevenção devido a adaptações nos greater risk of injury, proprioceptive training is
mecanismos de controle neuromuscular. being recognized as an important element in
Objetivo: identificar se o treinamento prevention through changes in the
proprioceptivo é eficiente na prevenção de mechanisms of neuromuscular control.
lesões esportivas. Materiais e métodos: Objective: identify whether proprioceptive
revisão sistemática nas bases de dados Lilacs, training is effective in preventing sports
Medline e Pubmed, busca por artigos injuries. Material and Methods: systematic
controlados de intervenção do treinamento review using Lilacs, Medline and Pubmed
proprioceptivo em praticantes de esportes. A search for controlled intervention of
medida de evolução incidência de lesões proprioceptive training with sports players. The
deveria ser analisada. Resultados: foram outcome measure incidence of injuries should
encontrados 11 estudos. Discussão: 07 be examined. Results: 11 studies were found.
encontraram uma diminuição estatisticamente Discussion: 07 found a significant decrease in
significativa na incidência de lesões. 02 the incidence of lesions. 02 found a decrease
encontraram uma diminuição não significativa was not statistically significant, 01 found a
estatisticamente, 01 encontrou diminuição, decrease, but not compared statistically, and
mas não comparou estatisticamente, e 01 01 found a decrease and an increase in the
encontrou diminuição e aumento na incidência incidence of different lesions in the intervention
de diferentes lesões no grupo intervenção. group. Conclusion: the review presented
Conclusão: a revisão apresentou estudos com studies with lower incidences of sports injuries
menores incidências de lesões esportivas nos in participants of proprioceptive training, so
participantes do treinamento proprioceptivo, that training was effective in preventing sports
portanto tal treinamento foi eficiente na injuries. Importantly, the training protocols
prevenção de lesões esportivas. É importante were multifaceted, with aspects of strength
ressaltar que os protocolos de treinamento training and agility, which made an exclusive
eram multifacetados, com aspectos de association with proprioception sports injury
treinamento de força e agilidade, o que difficult.
dificultou uma associação exclusiva da
propriocepção com a lesão esportiva. Key words: Proprioception, Prevention, Injury,
Sport.
Palavras-chave: Propriocepção, Prevenção,
Lesão, Esporte.

E-mail:
ceciliawind@gmail.com

1-Programa de Pós-Graduação Lato Sensu da Endereço para correspondência:


Universidade Gama Filho - Fisiologia do Avenida Praia de Copacabana, lote 01 quadra
Exercício: Prescrição do Exercício. D1, Villas do Atlântico, Lauro de Freitas, Bahia
CEP: 42700-000

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.7, n.38, p.131-138. Mar/Abril. 2013. ISSN 1981-9900.
132
Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício
ISSN 1981-9900 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b p f e x . c o m . b r

INTRODUÇÃO funcional enquanto melhora a força de tecidos


estruturais (Myer e colaboradores, 2005).
A prática de esportes como um Herman e colaboradores (2012)
coadjuvante de uma vida saudável vem sendo defendem o treinamento proprioceptivo como
amplamente difundida devido aos seus uma ferramenta preventiva de lesões devido
benefícios na saúde e condicionamento físico aos efeitos da melhora do senso de
geral. Porém, acompanhado com a prática posicionamento e estabilidade articular e pelo
esportiva está o maior risco de lesões desenvolvimento de reflexos articulares
musculoesqueléticas. protetores.
Como visto por Parkkari, Kujala e Mercado e colaboradores (2003)
Kannus (2001) o crescente incentivo à adoção propõem que a coordenação apropriada de co-
de um estilo de vida fisicamente ativo deve ativação muscular (co-contração de agonistas-
considerar a possibilidade de lesões antagonistas) atenua as cargas através da
associadas à atividade física. A participação cartilagem articular, promovendo assim a
em esportes envolve um maior risco de lesões, consciência de posicionamentos e movimentos
tanto no nível profissional como para os articulares, velocidade e a detecção da força
amadores (Aaltonen e colaboradores, 2007). do movimento.
Lesões esportivas podem causar Melhoras funcionais e frequências
dores e outros inconvenientes físicos, que menores de lesões como resultado de
resultam em custos financeiros e absentismo exercícios de equilíbrio são frequentemente
ao trabalho. Devido à sua demanda sobre os discutidas em associação com adaptações nos
recursos financeiros da saúde, sugere-se que mecanismos de controle neuromuscular como
as lesões do esporte sejam reconhecidas a propriocepção (Zech e colaboradores, 2010).
como um problema de saúde pública O atual trabalho tem como objetivo
(Verhagen e colaboradores, 2005). identificar se o treinamento proprioceptivo é
Silvers e Mandelbaum (2007) eficiente na prevenção de lesões esportivas.
alertaram sobre o custo de uma lesão. Eles
observaram que nos Estados Unidos da MATERIAIS E MÉTODOS
América cerca de 250000 lesões de ligamento
cruzado anterior (LCA) acontecem Trata-se de uma revisão sistemática
anualmente. A carga fiscal de tal lesão é através das bases de dados Lilacs, Medline e
grande; os autores contabilizaram um custo Pubmed. As seguintes palavras-chave foram
anual maior de 2 bilhões de dólares utilizadas: propriocepção, treinamento
considerando os custos de uma ressonância proprioceptivo, treinamento neuromuscular,
magnética, cirurgia reconstrutora e treinamento de equilíbrio, lesões, prevenção e
reabilitação. Uma vez que durante o exercício lesões esportivas.
físico a exposição aos riscos de lesões é maior Os critérios de inclusão foram artigos
se torna necessário à procura por estratégias científicos controlados ou estudos de coorte
de prevenção práticas e eficientes. prospectivos publicados na língua inglesa,
O treinamento proprioceptivo é usado portuguesa e espanhola sem restrições ao
na reabilitação de lesões esportivas e está período de publicação. Os estudos deveriam
sendo reconhecido como um elemento realizar o treinamento proprioceptivo em
importante na prevenção destas lesões indivíduos que não apresentassem lesão no
(Emery e colaboradores, 2005). momento da pesquisa, pois o interesse era o
A propriocepção é descrita como uma aspecto profilático do treinamento, e não a
aquisição dos estímulos pelos receptores reabilitação. O treinamento deveria durar pelo
periféricos com a conversão de estímulos menos 04 semanas. Os participantes do
mecânicos para um sinal neural que é estudo deveriam ser praticantes de alguma
transmitido através de caminhos aferentes do atividade esportiva e saudáveis. O protocolo
sistema sensório-motor (Mandelbaum e do treinamento proprioceptivo precisava estar
colaboradores, 2005). descrito e a medida de evolução incidência de
O treinamento neuromuscular lesões analisada. Foram aceitos estudos que
dinâmico ativa estabilização articular, utilizaram “treinamento de equilíbrio” ou
desequilíbrios musculares e biomecânica “treinamento neuromuscular” após a leitura do
resumo dos mesmos se fosse assumido uma

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.7, n.38, p.131-138. Mar/Abril. 2013. ISSN 1981-9900.
133
Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício
ISSN 1981-9900 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b p f e x . c o m . b r

relação sinônima com o treinamento A partir da busca inicial dos artigos


proprioceptivo. Os resultados dos estudos nas bases de dados foram identificados 74
foram considerados como significativos artigos, destes foram selecionados 15 a partir
quando p < 0,05. da leitura dos títulos, resumos e palavras-
Estudos que não apresentavam chave. Foram excluídos 4 artigos pelos
medidas de evolução do treinamento, estudos seguintes fatores: ausência de grupo controle,
de revisão, estudos sem intervenção e que ausência de análise da incidência de lesões
não comparavam os efeitos do treinamento após o treinamento proprioceptivo e um estudo
com um grupo controle foram excluídos. onde os participantes não praticavam esporte
As características e os resultados dos de forma sistemática. Um total de 11 artigos
artigos foram extraídos e apresentados de randomizados controlados foi incluído na
forma descritiva, auxiliados por um quadro. revisão.
Características dos estudos (tamanho
RESULTADOS amostral, esporte praticado, protocolo do
treinamento proprioceptivo, incidência de
lesões) são apresentados no Quadro 1.

Quadro 1 - Treinamento proprioceptivo e a prevenção de lesões esportivas.


Protocolo do TTE proprioceptivo
Acompanhamento
Autor (ano) Amostra (♂/♀) Esporte Prescrição/parâmetro Incidência de lesões
Supervisão Duração Freq. Exercícios
fisiológico
Dificuldade
INT (19/7) Equilíbrio CON: 3,54/1000h
22 sem aumentou
Cumps, L. e Idade: 17 Basquete com meia- INT: 1,19/1000h
Supervisionado por 22 sem progressivamente
colaboradores CON (16/9) Jogadores 3 X sem bola Sem diferença
pesquisadores do 10 min Não utilizou
(2007) Idade: 18 profissionais Funcionais significativa
estudo parâmetro fisiológico
do esporte Recomenda o tte
para prescrever
Equilíbrio Dificuldade CON: 17/100
com aumentou adolescentes
INT (30/39) Não Diário nas
Emery, C.A. e 6 meses prancha de progressivamente a INT: 3/100
Idade: 15 especificou 6 meses 1as 6 sem,
colaboradores Sem supervisão, tte equilíbrio cada 2 sem; adolescentes
CON (27/2) Jogadores 20 min 1 X sem
(2005) feito em casa Fortalecime Não utilizou Diferença
Idade: 15 amadores até o final
nto de core parâmetro fisiológico significativa (p<0.05)
para prescrever Recomenda o tte
INT Dificuldade
CON: 4,19/1000h
(0/737) Futebol e Força, aumentou
LaBella, C.R. e 1 ano INT: 1,78/1000h
Idade: 16 basquete 1 ano pliometria, progressivamente
colaboradores Supervisionado 3 X sem Diferença
CON Jogadoras 20 min equilíbrio e Não utilizou
(2011) pelos treinadores significativa (p<0.05)
(0/755) amadoras de agilidade parâmetro fisiológico
Recomenda o tte
Idade: 16 para prescrever
Não descreveu se a
CON: 0,51/1000h
Mandelbaum, INT (0/1041) dificuldade
Futebol 2 anos Força, INT: 0,13/1000h
B.R. e CON (0/1905) 1 ano Não aumentava
Jogadoras Supervisionado pliometria e Diferença
colaboradores Idade grupos: 20 min relatou Não utilizou
amadoras pelos treinadores equilíbrio significativa (p<0.05)
(2005) 14 a 18 parâmetro fisiológico
Recomenda o tte
para prescrever
Equilíbrio Maior quantidade de
INT: Redução do
com exercícios
McGuine, T.A. INT (112/261) Futebol e 1as 4 sem risco de entorse no
8 meses prancha de semanalmente
e Idade: 16 basquete 8 meses 5X tornozelo em 38%
Supervisionado equilíbrio Não utilizou
colaboradores CON (130/262) Jogadores 10 min 5a até o Diferença
pelos treinadores Força parâmetro fisiológico
(2006) Idade:16 amadores fim 3X significativa (p<0.05)
Funcionais para prescrever
Recomenda o tte
do esporte
CON: 0,14/1000 h
INT: 0,13/1000 h
INT
(primeiro ano)
(0/855)
Equilíbrio INT: 0,09/1000 h
(1º ano) Dificuldade
2 anos as com (segundo ano)
INT 1 7 sem aumentou
Primeiro ano prancha de Sem diferença
Myklebust G. e (0/850) Handball 3 X, progressivamente
supervisionado 2 anos equilíbrio significativa
colaboradores (2º ano) Jogadoras Depois 1X Não utilizou
pelos treinadores 15 min Funcionais Entre os atletas que
(2003) CON profissionais durante a parâmetro fisiológico
Segundo ano por do esporte completaram o tte,
(0/942) temporada para prescrever
fisioterapeutas Fortalecime existiu uma redução
Não relatou
nto de core significativa
idade
comparada com
aqueles que
deixaram o tte

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.7, n.38, p.131-138. Mar/Abril. 2013. ISSN 1981-9900.
134
Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício
ISSN 1981-9900 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b p f e x . c o m . b r

Equilíbrio
com Dificuldade
INT: 4,7/1000 h
INT (150/808) prancha de aumentou
Olsen, O.E. e Handball 8 meses 8 meses CON: 10,3/1000 h
Idade: 16 equilíbrio progressivamente
colaboradores Jogadores Supervisionado 18 min 1 X sem Diferença
PLA (101/778) Funcionais Não utilizou
(2005) amadores pelos treinadores significativa (p<0.05)
Idade: 16 do esporte parâmetro fisiológico
Recomenda o tte
Fortalecime para prescrever
nto de core
Equilíbrio
com Não descreveu se a
INT Floorball INT: 0,65/1000 h
prancha de dificuldade
Pasanen, K. e (0/256) (espécie de 6 meses CON: 2,08/1000 h
6 meses 1a3X equilíbrio aumentava
colaboradores Idade: 24 hóquei) Supervisionado Diferença
30 min por sem Funcionais Não utilizou
(2008) CON (0/201) Jogadoras pelos treinadores significativa (p<0.05)
do esporte parâmetro fisiológico
Idade: 23 profissionais Recomenda o tte
Fortalecime para prescrever
nto de core
Frequência de
INT
Não descreveu se a entorses tornozelo
(0/17) Equilíbrio
Stasinopoulos, dificuldade INT: 3 (18%)
CON1 (0/18) Vôlei com
D. e 1 ano 1 ano aumentava CON1: 2 (12%)
CON Jogadoras Diário prancha de
colaboradores Sem supervisão 30 min Não utilizou CON2: 17 (35%)
(0/17) profissionais equilíbrio
(2004) parâmetro fisiológico Não comparou
Idade dos 3 Força
para prescrever significância
grupos: 23
estatística
Lesões ao todo
INT: 2,1/1000 h
CON: 2,4/1000 h
Sem diferença
INT
Equilíbrio estatística
(392) Dificuldade
36 sem com Entorse de tornozelo
Idade: 24 aumentou
Tempo prancha de INT: 0,5/1000 h
Verhagen, E. e CON Vôlei 36 semanas progressivamente
para Não equilíbrio CON: 0,9/1000 h
colaboradores (340) Jogadores Supervisionado semanalmente
completar relatado Funcionais Diferença
(2004) Idade: 24 profissionais pelos treinadores Não utilizou
14 do esporte significativa (p<0.05)
Não relatou qtd parâmetro fisiológico
exercícios Fortalecime Joelho - uso
homens e para prescrever
nto de core excessivo
mulheres
INT: 0,8/1000 horas
CON: 0,5/1000 horas
Diferença
significativa (p<0.05)
Dificultar quando Reduziu a frequência
Equilíbrio todas as repetições de lesões no LCA
INT (0/2479) Funcionais fossem realizadas em 64%
Walden, M. e Futebol 7 meses
Idade: 14 7 meses do esporte com bom controle INT: 7
colaboradores Jogadoras Supervisionado 2 X sem
CON (0/2085) 15 min Fortalecime neuromuscular CON: 14
(2012) amadoras pelos treinadores
Idade: 14 nto de core Não utilizou Diferença
parâmetro fisiológico significativa (p<0.05)
para prescrever Recomenda o tte

DISCUSSÃO desenvolver lesões devido a técnicas


esportivas inadequadas, fraqueza muscular e
Características da amostra déficit na propriocepção (Habelt e
colaboradores, 2011).
A maioria dos estudos (n=6, 55%) A maior parte eram estudantes e
revisados realizou o estudo apenas com o praticavam esporte de forma amadora (n=6,
sexo feminino. Mulheres apresentam riscos 55%). Existiu uma diversidade de esportes:
maiores de sofrerem lesões no joelho de 3 a 5 basquete (n=1), futebol e basquete (n=2),
vezes (Olsen e colaboradores, 2005). futebol (n=2), handball (n=2), vôlei (n=2) e
Controle neuromuscular diminuído ou flootball (n=1).
alterado durante a execução de movimentos
esportivos, que resulta em uma carga Treinamento proprioceptivo
excessiva nas articulações do membro inferior,
pode aumentar o risco de lesões no LCA em Não foi encontrado nenhum estudo
mulheres atletas (Myer e colaboradores, onde o treinamento proprioceptivo fosse
2008). realizado unicamente. O protocolo do
A idade dos participantes variou entre treinamento era multifacetado, envolvendo
14 a 24 anos, e na maioria (n=8, 73%) dos aspectos de agilidade, funcionais do esporte e
estudos os participantes eram adolescentes. força muscular, o que dificultou uma
Eles podem estar em um risco maior de

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.7, n.38, p.131-138. Mar/Abril. 2013. ISSN 1981-9900.
135
Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício
ISSN 1981-9900 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b p f e x . c o m . b r

associação exclusiva da propriocepção com a Incidência de lesões


prevenção de lesões.
Dois estudos não monitoraram o Entre os 11 estudos, 07 encontraram
treinamento de forma contínua (Emery e uma diminuição estatisticamente significativa
colaboradores, 2005; Stasinopoulos, 2004). na incidência de lesões após o início do
Isso permitiu que os participantes não treinamento proprioceptivo. 02 encontraram
realizassem o protocolo de treinamento ou uma diminuição, mas não significativa
realizassem de forma incorreta. estatisticamente, 01 encontrou diminuição,
Os responsáveis pela supervisão no mas não comparou estatisticamente, e 01
estudo de Cumps, Verhagen e Meeusen encontrou diminuição e aumento na incidência
(2007) foram pesquisadores do estudo. No de de diferentes lesões no grupo intervenção.
Myklebust e colaboradores (2003) o primeiro Entre os que encontraram diminuição,
ano foram os treinadores e o segundo ano de mas não estatisticamente significativa, os
treinamento foi supervisionado por autores fizeram ressalvas: Cumps, Verhagen e
fisioterapeutas. Nos demais estudos a Meeusen (2007) atribuíram ao o resultado ao
supervisão foi realizada pelos treinadores. pequeno tamanho amostral e Myklebust e
Existiu uma heterogeneidade no colaboradores (2003) descreveram que apesar
protocolo do treinamento proprioceptivo. A de o grupo intervenção não apresentar uma
duração variou entre 10 a 30 minutos, o tempo diminuição significativa quando comparado
entre 6 semanas a 2 anos e a frequência com o grupo controle, foi observado uma
semanal entre diariamente a 1 vez por redução na incidência de lesões comparando
semana. Alguns estudos associaram o treino os atletas que completaram o treinamento com
proprioceptivo com exercícios funcionais do aqueles que abandonaram. Portanto eles
esporte, com a intenção de melhora do destacaram a importância da motivação do
alinhamento articular e consequente participante no treinamento.
prevenção de lesões. A incidência de entorses de tornozelo
O treinamento consistia de exercícios diminuiu com o treino proprioceptivo nos
de equilíbrio em bases estáveis ou instáveis, estudos de Cumps, Verhagen e Meeusen,
com desestabilizações frequentes, com e sem (2007) e Verhagen e colaboradores (2004).
o uso de bolas, e mimetizando gestuais Ambos atentaram para a “consciência de
esportivos. lesões”, presente na pesquisa esportiva e
A maioria dos estudos não descreveu possível viés dos resultados. Os participantes
como foi feita a progressão da dificuldade dos podem praticar atividades com mais cuidado e,
exercícios. portanto, terem menores incidências de
Walden e colaboradores (2012) lesões. Os dois estudos tentaram minimizar tal
relataram que quando o participante viés fornecendo aos grupos intervenção e
apresentava um bom controle neuromuscular controle o mesmo conhecimento sobre o
na realização dos exercícios os exercícios estudo no início do programa.
aumentavam a dificuldade. Nenhum estudo Stasinopoulos (2004) comparou o
utilizou um parâmetro fisiológico na prescrição treinamento proprioceptivo com o treinamento
dos exercícios. de força e o uso de órteses na prevenção de
Apesar de o treinamento entorses no tornozelo em jogadoras de vôlei.
proprioceptivo não exigir intensidades O treinamento de força e o proprioceptivo
específicas de exercícios como no treinamento apresentaram resultados semelhantes na
de força, a progressividade do mesmo deve incidência de novas lesões (12% e 18%,
ser realizada para que a intensidade não se respectivamente). 35% do grupo que fez uso
torne muito leve e assim não desafie a da órtese apresentou entorse de tornozelo.
execução dos movimentos. O estudo de Verhagen e
O acompanhamento da dificuldade da colaboradores (2004) foi o único que
realização dos exercícios, tendo como encontrou uma incidência maior em um tipo de
exemplo a Escala de Percepção Subjetiva de lesão - no joelho, entre os participantes do
Esforço de Borg, permitiria um controle da grupo intervenção. Eles levantaram uma
intensidade e consequente dificuldade dos hipótese que ao treinar a propriocepção do
exercícios. tornozelo essa articulação estaria protegida a

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.7, n.38, p.131-138. Mar/Abril. 2013. ISSN 1981-9900.
136
Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício
ISSN 1981-9900 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b p f e x . c o m . b r

forças externas e o joelho se tornaria mais CONCLUSÃO


suscetível a lesões.
Labella e colaboradores (2011) A revisão apresentou estudos com
realizaram um estudo com treinadores incidências menores de lesões esportivas nos
esportivos de escolas colegiais. Eles recebiam participantes do treinamento proprioceptivo,
um treinamento sobre a técnica apropriada. Os portanto tal treinamento foi eficiente na
participantes apresentaram uma redução de prevenção de lesões esportivas.
56% em lesões sem contato e 66% nas É importante ressaltar que os
entorses de tornozelo. O custo – efetividade foi protocolos de treinamento eram
feito através do seguinte cálculo: para evitar 1 multifacetados, com aspectos de treinamento
lesão que necessitaria de cirurgia, 189 atletas de força e agilidade, o que dificultou uma
deveriam participar do treinamento associação exclusiva da propriocepção com a
proprioceptivo. Isso equivaleria a uma média lesão esportiva.
de 16 treinadores, um custo total de $1280
dólares, substancialmente mais barato que um REFERÊNCIAS
tratamento estimado de lesão no LCA ($
17000 dólares). 1-Aaltonen, S.; Karjalainen, H.; Heinonen, A.;
Parkkari, J.; Kujala, U. Prevention of Sports
Mecanismos subjacentes aos menores Injuries: Systematic Review of Randomized
índices de lesões esportivas Controlled Trials. Archives of internal medicine.
Vol. 167. Núm. 15. 2007. p.1585-1592.
Os estudos revisados explicavam aos
participantes a importância da execução 2-Cerulli, C.; Benoit, D. L.; Caraffa, A.;
correta dos movimentos na manutenção do Ponteggia, F. Proprioceptive Training and
controle e cuidado do posicionamento articular Prevention of Anterior Cruciate Ligament
dos membros inferiores. Em todos foi injuries in soccer. Journal of Orthopaedic &
encorajada a qualidade dos movimentos Sports Physical Therapy. Vol. 31. Núm. 11.
durante o treinamento proprioceptivo. 2001. p.655-660.
Uma das razões pela qual o
treinamento proprioceptivo é justificado é pelo 3-Cumps, E.; Verhagen, E.; Meeusen, R.
fato de que esse tipo de treinamento procura Efficacy of a sports specific balance training
abordar principalmente o mecanismo de programme on the incidence of ankle sprains
“feedforward” para antecipar forças externas in basketball. Journal of Sports Science and
ou cargas para estabilizar a articulação, Medicine. Vol. 6. Núm. 1. 2007. p.212-219.
protegendo assim as estruturas inerentes
(Mandelbaum e colaboradores, 2005). 4-Emery, C. A.; Cassidy, J. D.; Klassen, T. P.;
Informações sensoriais periféricas Rosychuk, R. J.; Rowe, B. H. Effectiveness of
geradas em experiências pregressas são a home-based balance-training program in
aprendidas, armazenadas e usadas para reducing sports-related injuries among healthy
planejar e executar a atividade muscular adolescents: a cluster randomized controlled
adequada. Essa ativação muscular ocorre em trial. Canadian Medical Association journal.
preparação para a absorção das cargas Vol. 172. Núm. 6. 2005. p.749-754.
mecânicas seguintes (Leporace, Metsavaht e
Sposito, 2009). 5-Habelt, S.; Hasler, C. C.; Steinbrück, K.;
O treinamento pode alterar a resposta Majewski M. Sport injuries in adolescents.
neuromuscular a perturbações inesperadas. Orthopedic Reviews. Vol. 3. Núm. 18. 2011.
Isso indica que, de alguma forma, o feedback p.82-86.
derivado pode modificar a resposta
neuromuscular. 6-Herman, K.; Barton, C. Malliaras, P.;
É possível que estruturas dentro do Morrissey, D. The effectiveness of
LCA, tecidos moles dentro e ao redor do joelho neuromuscular warm-up strategies, that
podem fornecer informação sensória que require no additional equipment, for preventing
poderia contribuir ao sistema proprioceptivo lower limb injuries during sports participation: a
(Cerulli e colaboradores, 2001). systematic review. BioMed Central. Vol. 10.
Núm. 1. 2012. p.1-29.

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.7, n.38, p.131-138. Mar/Abril. 2013. ISSN 1981-9900.
137
Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício
ISSN 1981-9900 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b p f e x . c o m . b r

7-LaBella, C. R.; Huxford, M. R.; Grissom J.; 14-Myklebust, G.; Engebretsen, L.; Braekken,
Kim, K. Y.; Peng, J.; Christoffel, K. K. Effect of I. H.; Skjolberg, A.; Olsen, O. E.; Bahr, R.
Neuromuscular Warm-up on Injuries in Female Prevention of Anterior Cruciate Ligament
Soccer and Basketball Athletes in Urban Public Injuries in Female Team Handball Players: A
High Schools. Archives of pediatrics and Prospective Intervention Study Over Three
adolescent medicine. Vol. 165. Núm. 11. 2011. Seasons. Clinical Journal of Sport Medicine.
p.1033-1040. Vol. 13. Núm. 2. 2003. p.71-78.

8-Leporace, G.; Metsavaht, L.; Sposito, M. M. 15-Olsen, O. E.; Myklebust, G.; Engebretsen,
M. Importância do treinamento da L.; Holme, I.; Bahr, R. Exercises to prevent
propriocepção e do controle motor na lower limb injuries in youth sports: cluster
reabilitação após lesões músculo-esqueléticas. randomised controlled trial. British medical
Acta Fisiátrica. Vol. 16. Núm. 3. 2009. p.126- journal. Vol. 330. Núm. 26. 2005. p.1-7.
131.
16-Parkkari, J.; Kujala, U. M.; Kannus, P. Is it
9-Mandelbaum, B. R.; Silvers, H. J.; possible to prevent sports injuries?: Review of
Watanabe, D. S.; Knarr, J. F.; Thomas, S. D.; controlled clinical trials and recommendations
Griffin, L. Y.; Kirkendall, D. T.; Garrett, W. for future work. Sports Medicine. Vol. 31. Núm.
Effectiveness of a Neuromuscular and 14. 2001. p.985-995.
Proprioceptive Training Program in Preventing
the Incidence of Anterior Cruciate Ligament 17-Pasanen, K.; Parkkari, J.; Pasanen, M.;
Injuries in Female Athletes: 2-Year Follow-up. Hiilloskorpi, H.; Mäkinen, T.; Järvinen, M.;
The American Journal of Sports Medicine. Vol. Kannus, P. Neuromuscular training and the
33. Núm. 7. 2005. p.1-8. risk of leg injuries in female floorball players:
cluster randomised controlled study. British
10-McGuine, T. A.; Keene, J. S. The Effect of a medical journal. Vol. 337. Núm. 1. 2008. p.9-
Balance Training Program on the Risk of Ankle 12.
Sprains in High School Athletes. The American
Journal of Sports Medicine. Vol. 34. Núm. 7. 18-Silvers, H. J.; Mandelbaum, B. R.
2006. p.1003-1011. Prevention of anterior cruciate ligament injury
in the female athlete. British Journal of Sports
11-Mercado, P. S.; Zarco, R. C.; Arias, D. C. Medicine. Vol. 41. Núm. 1. 2007. p.52-59.
Relación entre fuerza muscular y
propiocepción de rodilla en sujetos 19-Stasinopoulos, D. Comparison of three
asintomáticos. Mexicana de Medicina Física y preventive methods in order to reduce the
Rehabilitación. Vol. 15. Núm. 1. 2003. p.17-23. incidence of ankle inversion sprains among
female volleyball players. British journal of
12-Myer, G. D.; Chu, D. A.; Brent, J. E.; sports medicine. Vol. 38. Núm. 2. 2004. p.182-
Hewett, T. E. Trunk and Hip Control 185.
Neuromuscular Training for the Prevention of
Knee Joint Injury. Clinics in sports medicine. 20-Verhagen, E. A.; Beek, A.; Twisk, J.;
Vol. 27. Núm. 3. 2008. p.425-448. Bouter, L.; Bahr, R.; Mechelen, W. The Effect
of a Proprioceptive Balance Board Training
13-Myer, G. D.; Ford, K. R.; Palumbo, J. P.; Program for the Prevention of Ankle Sprains: A
Hewett, T. E. Neuromuscular training improves Prospective Controlled Trial. The American
performance and lower-extremity Journal of Sports Medicine. Vol. 32. Núm. 6.
biomechanics in female athletes. Journal of 2004. p.1385-1393.
Strength and Conditioning Research. Vol. 19.
Núm. 1. 2005. p.51-60. 21-Verhagen, E. A.; Tulder, M. V.; Beek, A. J.;
Bouter, L. M.; Mechelen, W. V. An economic
evaluation of a proprioceptive balance board
training programme for the prevention of ankle
sprains in volleyball. British Journal of Sports
Medicine. Vol. 39. Núm. 2. 2005. p.111-115.

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.7, n.38, p.131-138. Mar/Abril. 2013. ISSN 1981-9900.
138
Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício
ISSN 1981-9900 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b p f e x . c o m . b r

22-Walden, M.; Atroshi, I.; Magnusson, H.;


Wagner, P., Hägglund, M. Prevention of acute
knee injuries in adolescent female football
players: cluster randomised controlled trial.
British medical journal. Vol. 344. Núm. 1. 2012.
p.1-11.

23-Zech, A.; Hübscher, M.; Vogt, L.; Banzer,


W.; Hänsel, F.; Pfeifer, K. Balance Training for
Neuromuscular Control and Performance
Enhancement: A Systematic Review. Journal
of Athletic Training. Vol. 45. Núm. 4. 2010.
p.392-403.

Recebido para publicação 10/12/2012


Aceito em 06/01/2013

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.7, n.38, p.131-138. Mar/Abril. 2013. ISSN 1981-9900.