Vous êtes sur la page 1sur 5

Afasia

Afasia é a disfunção de linguagem que pode envolver a compreensão prejudicada ou


expressão de palavras ou equivalentes não-verbais das palavras. É o resultado de
disfunção dos centros de linguagem no córtex cerebral e gânglios da base ou dos
caminhos da matéria branca que os conectam. O diagnóstico é clínico, muitas vezes, os
testes neuropsicológicos, com imagens cerebrais (TC, RM) para identificar a causa. O
prognóstico depende da causa e extensão dos danos e da idade do paciente. Não há
tratamento específico, mas a terapia de fala pode promover a recuperação.

A função de língua reside essencialmente no seguinte:

 Póstero-superior do lóbulo temporal, que contém área de Wernicke


 lóbulo parietal inferior Adjacente
 Póstero parte do lóbulo frontal imediatamente anterior ao córtex motor (que contém a
área de Broca)
 Subcortical ligação entre as regiões, normalmente no hemisfério esquerdo, mesmo em
pessoas canhotas

Danos a qualquer parte dessa área aproximadamente triangular (por exemplo, infarto,
tumor, trauma ou degeneração) interfere com algum aspecto da função da
linguagem. Prosódia (ritmo e qualidade da ênfase que acrescenta significado ao
discurso) é geralmente influenciada por ambos os hemisférios, mas às vezes é afectada
pela disfunção do hemisfério não dominante sozinho.

Afasia é distinto de transtornos do desenvolvimento da linguagem e da disfunção da via


motora e os músculos que produzem a fala (disartria).

Ela é dividida em afasia receptiva e expressiva.

 Receptivo (sensorial, fluentes, ou de Wernicke) afasia: Os pacientes não podem


compreender ou reconhecer palavras, visual, auditiva ou tátil símbolos. É causada por
um distúrbio do giro póstero-temporal do hemisfério língua dominante (área de
Wernicke). Muitas vezes, (perda da capacidade de ler palavras) alexia também está
presente.
 Expressiva (motor, nonfluent, ou de Broca) afasia: A capacidade de criar palavras
está prejudicada, mas a compreensão e capacidade de conceituar são relativamente
preservadas. É devido a um distúrbio que afeta a área frontal esquerdo dominante ou
frontoparietal, incluindo a área de Broca. É muitas vezes provoca a agrafia (perda da
capacidade de escrever) e prejudica a leitura oral.

Existem outros tipos de afasia ...Que podem sobrepor-se consideravelmente. Nenhum


sistema de classificação da afasia é o ideal. Descrevendo os tipos de déficits é muitas
vezes a maneira mais precisa para descrever uma afasia particular.
Tabela 1

Tipos de Afasia
Tipo Localização da lesão Causas Fala Padrão
que causa * comuns

Anômico Lesão (geralmente Vários distúrbios Anomia em linguagem oral


pequenas) em (levando a vazio, fala,
qualquer lugar do circunlóquios parafásica) e na
hemisfério esquerdo linguagem escrita, a fala fluente,
áreas de linguagem boa auditiva e compreensão de
leitura, a repetição normal

Broca grande lesão na Hemorragia Anomia linguagem oral e escrita,


(nonfluent, região frontal a fala não-fluente (com
Infarto
motor, esquerda ou produção lenta, esforçada, frase
Trauma
expressivo) frontoparietal, curta duração, prosódia
incluindo a área de Tumor prejudicada, e redução do uso de
Broca preposições e conjunções), boa
compreensão, a repetição
prejudicada, dificuldade em
escrever (agrafia)

Wernicke grande lesão na área Infarto Anomia em linguagem oral e


(fluente, temporoparietal escrita, fala fluente (com
Tumor
receptivo, esquerda, incluindo a parafasias, uma variedade de
sensorial) área de Wernicke formas gramaticais, mas
geralmente transmitindo pouco
significado), auditiva pobres e
compreensão da escrita, a
repetição prejudicada, erros de
leitura (alexia), agrafia

Condução Lesão subcortical no Hemorragia Anomia (com destaque


hemisfério esquerdo, parafasias), caso contrário, fala
Infarto
muitas vezes sob o fluente, boa compreensão,
Tumor
giro temporal dificuldade de repetição (com
superior, ou sob lobo parafasias freqüente), boa
parietal inferior compreensão de leitura

Escrevendo afetado

Global grande lesão na área Hemorragia Grave anomia na linguagem oral


da esquerda e escrita, a fala nonfluent
Infarto
frontoparietotemporal, (muitas vezes com escassa
Trauma
incluindo as áreas de produção), compreensão,
Broca e Wernicke Tumor repetição prejudicada, alexia,
agrafia
transcortical Lesão na área frontal Encefalite Semelhante a afasia de Broca,
motora esquerda, excluindo exceto com a repetição normal
Hemorragia
as áreas de Broca e
Articulação freqüentemente
Infarto
Wernicke
afetados
Trauma

Tumor

Transcortical Lesão na área Encefalite Semelhante à afasia de


sensorial temporoparietal, com Wernicke, exceto com a
Hemorragia
exclusão de Broca e repetição normal
Infarto
Wernicke áreas
Trauma

Tumor

* Lesão causal é linguagem no hemisfério dominante (geralmente à esquerda).

Sintomas e Sinais
de afasia de Wernicke: Pacientes falar fluentemente palavras normais, muitas vezes
incluindo fonemas sem sentido, mas não sei o seu significado ou relacionamentos. O
resultado é um amontoado de palavras ou "salada de palavras". Pacientes são
geralmente desconhecem que sua fala é incompreensível para os outros. Um corte de
campo visual direito geralmente acompanha a afasia de Wernicke, porque o sistema
visual está perto da área afetada.

de afasia de Broca: Os pacientes podem compreender e conceituar relativamente


bem, mas sua habilidade de formar palavras é prejudicada. Normalmente, a deficiência
afeta a produção da fala e da escrita (agrafia, disgrafia), tentativas de pacientes
extremamente frustrante 'para se comunicar. afasia de Broca pode incluir anomia
(incapacidade de nomear objetos) e prosódia prejudicadas.

Diagnóstico
 Exclusão de outros problemas de comunicação
 Cabeceira e testes neuropsicológicos
 Imagens do cérebro

interação verbal normalmente pode identificar afasias bruta. No entanto, o médico deve
tentar diferenciar afasias de problemas de comunicação que resultam da disartria
grave, deficiência auditiva, de visão (por exemplo, ao ler a avaliação), ou motor
habilidade para a escrita.

Inicialmente, a afasia de Wernicke pode ser confundido com o delírio. No entanto, a


afasia de Wernicke é uma perturbação da linguagem pura, sem outras características
do delírio (por exemplo, flutuação do nível de consciência, alucinações, falta de
atenção).

Testes para identificar déficits específicos deve incluir a avaliação das seguintes
características:

 fala espontânea: Discurso é avaliada para a fluência, o número de palavras, a


capacidade de iniciar a fala, a presença de erros espontâneos, palavra-encontrando
pausas, hesitações, e prosódia.
 Nomeação: Os pacientes são convidados a nomear os objetos. Aqueles que têm
dificuldade em identificar, muitas vezes circunlóquios utilização (por exemplo, "o que
você usa para dizer o tempo" para "relógio").
 Repetição: Os pacientes são convidados a repetir frases gramaticalmente complexas
(por exemplo, "nenhum ifs, sem apelo nem agravo").
 Compreensão: Os pacientes são convidados a apontar para objetos nomeados pelo
médico, realizar uma etapa e os comandos de várias etapas, e com respostas simples e
complexas sim-ou-nenhumas perguntas.
 Leitura e escrita: Os pacientes são convidados a escrever de forma espontânea e de
ler em voz alta. Compreensão de leitura, ortografia e escrita em resposta ao ditado são
avaliados.

Formal testes cognitivos por um neuropsicólogo ou fonoaudióloga pode detectar níveis


mais refinados de disfunção e auxiliar no planejamento do tratamento e avaliação do
potencial de recuperação. Vários testes formais para diagnosticar afasia (por exemplo,
Boston para Diagnóstico de Afasia, Western Afasia bateria, teste de nomeação Boston,
Teste Token, Teste de Nomeação de acção) estão disponíveis.

Imagens do cérebro (por exemplo, TC, RM, com ou sem protocolos angiográfica) é
necessário para caracterizar a lesão (por exemplo, infarto, hemorragia de
massa). Outros testes são feitos para determinar a etiologia da lesão (por exemplo,
acidente vascular cerebral, convulsões)

Prognóstico
A recuperação é influenciada pelo tamanho da causa e localização da lesão, grau de
comprometimento da linguagem e, em menor grau, a idade, educação e saúde geral do
paciente. Crianças <8 anos, muitas vezes recuperar a função da linguagem após lesão
grave de um ou outro hemisfério. Após essa idade, a maioria recuperação ocorre dentro
os primeiros 3 meses, mas a melhoria continua, em grau variável, até um ano.

Tratamento
 Fonoaudiologia
 dispositivos de comunicação aumentativa

Eficácia do tratamento é claro, mas acho que a maioria dos clínicos que o tratamento
por fonoaudiólogos ajuda qualificada e que os pacientes tratados logo após o início
melhorar mais. Pacientes que não conseguem recuperar as habilidades básicas da
língua e cuidadores de pacientes com esses às vezes são capazes de transmitir
mensagens com dispositivos de comunicação aumentativa (por exemplo, uma placa de
livro ou de comunicação que contenha imagens ou símbolos das necessidades diárias
de um paciente, dispositivos baseados em computadores).