Vous êtes sur la page 1sur 5

3

UNIVERSIDADE PAULISTA
EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

PROJETO DE INTERVENÇÃO
Drogas e álcool

THAYNE KELLY PEREIRA DOS SANTOS

PORTO ESTRELA
2018
4

1 APRESENTAÇÃO

Este projeto vem a ser inserido na orientação de estagio e tem como objetivo
principal conscientizar os jovens com relação à prevenção das drogas enfatizando
suas causas e conseqüências. O trabalho pedagogo tem como objeto as relações de
ensinar/aprender na instituição, eliminando assim fatores que interferem
negativamente na aprendizagem, orientando e direcionando todos os envolvidos
neste processo.
É de fundamental importância que na família haja um bom relacionamento
que esteja sempre presente desempenhando papel de mediador na evolução no
desenvolvimento da criança e principalmente no seu aprendizado. A família tem que
estar sempre presente na vida do aluno em todos momentos, principalmente no
período em que estiver na escola.
Sendo assim a viabilização do projeto foi decorrente da necessidade de se
trabalhar o tema no CRAS do município de Porto Estrela- MT, visto que o mesmo
possui um número significativo de adolescestes que utilizam a droga indevidamente,
alguns com o intuito de fugir de seus problemas, outros por curiosidade.

2. JUSTIFICATIVA

Atualmente, o uso de drogas configura-se como um complexo problema de


saúde pública, que pode ser visto a partir de alguns recortes específicos, tais como o
debate sobre as políticas públicas, a discussão política acerca do enfrentamento e da
prevenção, a perspectiva dos usuários, os diferentes equipamentos sociais que se
direcionam ao tratamento (CRAS, comunidades terapêuticas, etc.), entre outros.
Porém, no presente artigo o recorte enfatizado se baseia na perspectiva de que as
substâncias psicoativas fazem parte da realidade social e que, muito frequentemente,
é na juventude, conforme afirmam Soldera, Dalgalarrondo, Corrêa Filho & Silva (2004)
e Figueiredo (2011), que ocorrem as primeiras experiências envolvendo o uso de
álcool e outras drogas.
Desse modo, ao abordar a prevenção do uso de álcool e outras drogas
para/com os jovens, é necessário contextualizar as ações para que possamos saber
com que jovem estamos falando, quais os fatores que importam e fazem sentido para
5

essa juventude e quais as possíveis estratégias de redução de danos que podem ser
utilizadas, considerando o território ocupado por esses jovens.
Dentro desse panorama, deve-se abordar a temática das drogas priorizando
discussões que apostem na capacidade dos jovens de intervirem concretamente nos
espaços sociais em que estão inseridos. Desse modo, deixam de ser vistos como
"problemas sociais" e passam a ser considerados como sujeitos capazes de formular
questões relevantes que contribuam para a transformação de suas realidades
(Abramo, 1997)
O atendimento pedagógico-educacional busca atender às necessidades do
desenvolvimento psíquico e cognitivo de crianças e jovens que, dadas as suas
condições especiais de saúde, se encontram impossibilitados de partilhar as
experiências sócio intelectuais de sua família, de sua escola e de seu grupo social.

3. OBJETIVOS
Diante da pratica de estagio podemos determinar o objetivo proposto pelo
projeto.

3.1 GERAL
Conscientizar os jovens com relação à prevenção das drogas enfatizando
suas causas e consequências.

3.2 ESPECÍFICOS
- Identificar e captar precocemente os adolescentes e familiares que se encontram
nessa situação de vulnerabilidade;
- Conscientizar a equipe de saúde para realização de rodas de conversas sobre o
álcool e discutir e traçar metas para ação da equipe.
- Melhorar o acesso e garantir a qualidade do atendimento aos jovens no CRAS;

4. PÚBLICO ALVO
As famílias e os jovens que estão inseridos no CRAS.

5. METAS A ATINGIR
Com este projeto, tenta-se ampliar os conhecimentos inerentes a o tema
em questão da maior quantidade possível de jovens e adolescentes, para tanto
6

pretende -se sensibilizar ou envolver 100% do publico através da realização


das palestras.

6. METODOLOGIA
O desenvolvimento de um trabalho de extensão é de extrema relevância, já
que o seu processo possibilita a integração da teoria com a prática, numa busca
constante com a realidade, culminando no movimento dialético. Portanto, para por em
prática as ações planejadas contamos com a participação das famílias que
participação no CRAS do município de Porto Estrela. Serão desenvolvidas várias
atividades educativas e de cunho prioritariamente de conscientização, através de
palestras, dinâmicas, oficinas e discussões e atividades recreativas, onde o corpo de
alvo tem a oportunidade de expressar seus conhecimentos acerca das drogas e
esclarecer suas dúvidas

7. RECURSOS HUMANOS
As famílias, jovens e adolescentes que estão inserida do CRAS
8. PARCEIROS OU INSTITUIÇÕES APOIADORAS
CRAS
Prefeitura de Porto Estrela

9. AVALIAÇÃO (
As avaliações serão continuo e adicionadas conforme o projeto for executado
e assim atingir as famílias do programa.

10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO


As atividades serão desenvolvidas sempre quando necessário e entre o grupo
uma vez por semana, a ser definido dia e horário pela equipe do CRAS.

Quadro 1 – Cronograma de execução das atividades do Projeto


2018
ATIVIDADES JUL AGO SET OUT NOV DEZ
Escolha do
tema. Definição
do problema de
pesquisa x
Definição dos
objetivos, x
7

justificativa.
Definição da
metodologia. x

Palestra sobre a
Drogas no
CRAS x

11. REGISTRO REFLEXIVO


O pedagogo trabalha de forma interdisciplinar em todos do contexto escolar,
desde os professores, equipe pedagógica, alunos e fundamentalmente com a família..
Necessita-se ainda, mudanças políticas, sociais e culturais em relação ao pedagogo,
uma profissão relativamente nova e enriquecedora no ambiente escolar. Tendo como
vínculo primordial a qualidade do ensino, e proporcionando condições favoráveis ao
processo ensino- aprendizagem.
Através das intervenções pedagógicas, das propostas educativas, o
pedagogo consegue proporcionar a criança a ter os vínculos escolares assegurados,
fazendo com que ela não tenha um atraso no seu desenvolvimento escolar e evitando
assim também um fracasso escolar.

12. BIBLIOGRAFIA REFERENCIADA


Figueiredo, R. (2011). Prevenção ao abuso de drogas utilizando estratégias culturais
de redução de danos. In Dossiê Juventude e Drogas - é preciso encarar essa
associação de forma menos estereotipada e mais crítica 2011.

Soldera, M., Dalgalarrondo, P., Corrêa Filho, H. R., & Silva, C. A. Uso de drogas
psicotrópicas por estudantes: prevalência e fatores sociais associados. Rev. Saúde
Pública, São Paulo 2004.