Vous êtes sur la page 1sur 20

Matéria: DIREITO PENAL MILITAR Professor: RODRIGO GONÇALVES

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves APRESENTAÇÃO Olá, amigos! É com grande prazer que

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves

APRESENTAÇÃO

Olá, amigos!

É com grande prazer que faço parte dessa equipe inovadora e competente do Curso Exponencial!

Estava na posição de vocês, estudando alucinadamente todos os bons materiais que via pela frente, “dando o sangue” para alcançar o objetivo de ser aprovado no concurso para Força Aérea Brasileira. Primeiro ingressei na Aeronáutica por meio de concurso para o quadro temporário, e servir às Forças Armadas foi a minha vocação, motivo pelo qual me dediquei para ser aprovado no concurso para ser militar de carreira.

A vontade de ser aprovado no concurso aumentou depois de ter ingressado na Força Aérea e ter sentido a vocação de cumprir com o dever de exercer uma atividade muito específica. Como o tempo passava e a permanência no serviço ativo era reduzido, a dedicação aos estudos foi total. Foram dias incansáveis de estudo até ser aprovado e matriculado no Curso de Formação de Sargentos.

Minha trajetória, posso resumir, foram 4 meses de estudo para o primeiro concurso, e depois, mais 8 meses para ser aprovado no segundo concurso.

Após concluir o curso de formação, ingressei no curso de direito na UNISAL. Ao ser graduado bacharel em direito fui designado para atuar na Assessoria Jurídica da Organização Militar. Na sequência, realizei Curso de Polícia Judiciária Militar e o Curso de Direito Internacional dos Conflitos Armados no Centro de Instrução e Especialização da Aeronáutica. E a especialização militar em Polícia Judiciária Militar na Corregedoria da Polícia Militar do Estado de São Paulo, além de outros cursos militares.

Academicamente, somado aos cursos militares, sou especialista em Direito Público pela UNISAL e, atualmente, pós-graduando em Direito Penal e Processo Penal pela USCS e pós-graduando em Planejamento, Gestão e Implementação de Educação a Distância pela UFF.

Sirvo na Escola de Especialistas de Aeronáutica onde exerço atividades na área jurídica e a função de instrutor (professor) nesta escola militar.

Nossa missão é oferecer um material completo com a máxima objetividade. No curso de Direito Processual Penal Militara para o MPU estudaremos os princípios desta área específica, com ênfase nos pontos que o diferencia em relação ao direito processual penal.

Nos momentos oportunos, serão apresentados exercícios para complementar as teorias, bem como tabelas e esquemas com o objetivo de facilitar a resolução das questões e suas respectivas pegadinhas na hora da prova.

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves Haverá dinamismo nas nossas aulas, de modo que

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves

Haverá dinamismo nas nossas aulas, de modo que determinados assuntos iremos interagir com perguntas e respostas que, apesar de não ser questão de prova, ajudará a resolver os assuntos cobrados no concurso.

Nesta primeira aula abordaremos aspectos gerais do Direito Processual Penal Militar que é necessário para compreende os demais assuntos no decorrer do curso.

Desde o início iremos detalhar conceitos típicos da atividade militar, incluindo doutrina e legislação castrense. Não se preocupe, sempre que necessário, voltaremos às definições julgadas importantes para o nosso estudo. Logo você estará familiarizado com os termos específicos da nossa disciplina. Mas, em caso de dúvidas, vamos interagir: estarei à disposição no fórum (nossa sala de aula) para esclarecer qualquer ponto que não tenha ficado muito claro.

Percorreremos três passos em nosso estudo: Conhecimento Assimilação Domínio
Percorreremos três passos em nosso estudo:
Conhecimento
Assimilação
Domínio

Contem comigo nesse estudo! Estarei à disposição sempre! Fórum! Tire suas dúvidas.

Acesse o

à disposição sempre! Fórum! Tire suas dúvidas. Acesse o Histórico e análise das provas Direito Penal

Histórico e análise das provas Direito Penal Militar

O Direito Penal Militar é uma área pouco explorada nos bancos acadêmicos. Concordo com vocês que se assuntam com o edital do concurso quando encontram, dentre as matérias exigidas no certame, as disciplinas de direito militar. Não somente no concurso para o MPU nossa matéria é exigida. Aqui devemos saber que dentre as atividades que você poderá exercer após a posse, há atividades relacionadas ao Ministério Público Militar. Por isso, vamos em cada aula trazer questões de Direito Penal Militar em um total de 70 questões da banca CESPE. Vamos estipular uma meta neste nosso curso? Em cada aula resolva a questão comentada, e quando for para as demais questões, após assinalar a resposta, faça um comentário, e quando conferir o resultado, nossa meta será acertar 75%. É muito? Não! É dedicação!

As questões da banca CESPE são bem elaboradas, e com a sua dedicação, tenho certeza que compreenderá o conteúdo da nossa aula e atingirá nossa meta.

Na tabela abaixo fizemos um RAIO-X das últimas três provas para AFRE- RJ com o objetivo de ajudar na orientação de seu estudo. Na última coluna está indicado em que aula cada assunto será tratado.

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves     PROVA MPU ASSUNTO (Quantidade de questões

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves

   

PROVA MPU

ASSUNTO

(Quantidade de questões por assunto)

2013

Total

Crime militar

1

1

Pena principal

1

1

Crime Militar em tempo de paz

1

1

por assunto) 2013 Total Crime militar 1 1 Pena principal 1 1 Crime Militar em tempo

No quadro abaixo segue o programa do nosso curso. Os temas são apresentados conforme o edital do deste concurso.

Aula

Conteúdo

00

Aplicação da Lei Penal Militar.

01

Crime.

02

Imputabilidade.

03

Concurso de agentes.

04

Penas principais.

05

Penas acessórias.

06

Efeitos da condenação.

07

Ação penal.

08

Extinção da punibilidade.

09

Crimes militares em tempo de paz: crimes contra a autoridade ou disciplina militar; crimes contra o serviço e o dever militar; crimes contra a administração militar.

10

Jurisprudência dos Tribunais Superiores.

*Confira o cronograma de liberação das aulas no site do Exponencial, na página do curso.

Finalmente, hora de iniciar nossos estudos! Tenha uma boa aula!

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves Aula – Aplicação da Lei Penal Militar.  

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves

Aula Aplicação da Lei Penal Militar.

1- Aplicação da Lei Penal Militar

O Direito Penal Militar possui legislação específica, o CPM (Código de Processo Militar; Decreto-Lei nº 1.001, de 21 de outubro de 1969) que é dividido em Parte Geral (Livro Único) e Parte Especial que possui Livro I (Dos Crimes Militares em Tempo de Paz) e Livro II (Dos Crimes Militares em Tempo de Guerra).

Parte Geral

Parte Especial Crimes Militares em Tempo de Paz Crimes Militares em Tempo de Guerra
Parte Especial
Crimes Militares em Tempo de Paz
Crimes Militares em Tempo de Guerra

Muitas teorias e conceitos são semelhantes ao direito penal (aqui iremos chamar de direito penal comum, para diferenciar do direito penal militar).

Deve-se ter atenção aos tipos penais que estão previsto somente no Código Penal Militar (CPM), bem como identificar as circunstâncias

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves imprescindíveis para que o crime que possui idêntica

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves

imprescindíveis para que o crime que possui idêntica definição na legislação penal comum e na lei penal militar seja de competência da Justiça Militar.

Ademais, identificaremos as semelhanças e as diferenças entre a Justiça Militar da União e a Justiça Militar Estadual, que competem, respectivamente, julgar os seguintes acusados:

Justiça Militar da União • Marinha • Exército • Aeronáutica • Civis
Justiça Militar da União
• Marinha
• Exército
• Aeronáutica
• Civis
Justiça Militar Estadual • Polícia Militar • Bombeiro Militar
Justiça Militar Estadual
• Polícia Militar
• Bombeiro Militar

E um ponto importante que não podemos esquecer, todos os tipos penais de contidos no CPM são de competência de julgamento da justiça castrense (militar).

O CPM faz referência a dois conceitos que merecem ser atualizados para

o contexto da aula. Ministério em que o militar pertence, deve ser entendido

como Comando em que o militar pertence, visto que a partir de 1999 foi criado

o Ministério de Estado da Defesa, órgão do Governo Federal que exerce a

direção superior das Forças Armadas que é constituída pelo Comando da Marinha, Comando do Exército e Comando da Aeronáutica.

Ministro da Marinha
Ministro da
Marinha
Ministro do Exército
Ministro do
Exército
Ministro da Aeronáutica
Ministro da
Aeronáutica
Ministro da Defesa
Ministro da
Defesa
Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves Ministério da Defesa Comando da Marinha Comando do

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves

Ministério da Defesa

Comando da Marinha

Comando do Exército

Comando da

Aeronáutica

O outro conceito é o assemelhado, servidor civil submetido a preceitos de

disciplina militar em virtude de lei ou regulamento (art. 21 do CPM) que não

existe mais no universo jurídico desde a edição do Decreto nº 23.203/1947.

O art. 1º, do CPM, possui a mesma redação do art. 1º do CP; XXXIX, do

art. 5º, da CF, não há crime sem lei anterior que o define, nem pena sem prévia cominação legal.

Art. 1º, do CPM

Art. 1º, do CP

Art. 5º, XXXIX, da CF

Não há

crime sem lei

Não há crime sem lei anterior que o defina. Não há pena sem prévia cominação legal.

não

crime sem

lei

anterior que o defina,

anterior que o defina,

nem pena sem prévia cominação legal.

nem pena sem prévia cominação legal;

Está contido, portanto, o Princípio da Legalidade.

Por este princípio, somente a União por meio do Poder Legislativo (por lei) pode definir fato típico e cominar a pena.

1.1- Aplicação da Lei Penal Militar no tempo

Princípio da Anterioridade, por ser necessária além da lei define o delito e comina a pena, a lei deve estar em vigor antes de o agente praticar a conduta delitiva.

Assim como no Código Penal, o CPM afirma que ninguém pode ser punido por fato que lei posterior deixa de considerar crime (abolitio criminis lei supressiva de incriminação), cessando, em virtude dela, a própria vigência de sentença condenatória irrecorrível, salvo quanto aos efeitos de natureza civil.

A lei penal militar, em regra, não retroage. Mas cabe exceção, quando

a nova lei penal retroagir para beneficiar o réu. Quando se trata de novatio legis in pejus, a lei não retroage. Por exemplo, nova lei que reduz a pena do crime:

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves Pena: detenção de 6 meses a 2 anos.

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves

Pena: detenção de 6 meses a 2 anos. Pena: detenção de 3 meses a 1
Pena: detenção
de 6 meses a 2
anos.
Pena: detenção de
3 meses a 1 ano.

Porém, no caso de novatio legis in mellius a lei retroage por beneficiar o réu. Por exemplo, nova lei que aumenta a pena do crime:

Pena: detenção de 1 a 4 anos. Pena: detenção de 6 meses a 2 anos.
Pena:
detenção de 1
a 4 anos.
Pena:
detenção de 6
meses a 2 anos.

Aprecia-se a nova lei penal militar nos casos concretos para verificar se a lei posterior é realmente benéfica ao réu. Por exemplo, se a nova lei reduzir o mínimo e o máximo da pena em abstrato, e majorar o aumento de pena para as qualificadoras do crime, apreciam-se as circunstâncias para concluir sobre a retroatividade da lei. Analisa para sabe o que será mais benéfico para o réu.

Pena: recluão de 3 a 8 anos. reduz Pena: reclusão de 2 a 6 anos.
Pena: recluão de 3 a 8
anos.
reduz
Pena: reclusão de 2 a 6
anos.
A pena é aumentada
de 1/6 até a 1/3.
majora
A pena é aumentada
de 1/3 até 1/2.
Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves Agora, no caso de leis excepcionais ou temporárias

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves

Agora, no caso de leis excepcionais ou temporárias a lei penal militar poderá ser ultra ativa. Isto significa que a lei pode manter seus efeitos de regular acontecimento ocorrido durante sua vigência, mesmo que os fatos estão sendo apurados após sua revogação.

As leis temporárias são as que entram em vigor após a publicação e é revogada em data pré-estabelecida.

Lei Geral da Copa Lei nº 12.663, de 5 de junho de 2012

“os tipos penais previstos neste Capítulo terão vigência até o dia 31 de dezembro de 2014.”

Utilização indevida de Símbolos Oficiais

Art. 30. Reproduzir, imitar, falsificar ou modificar indevidamente quaisquer Símbolos Oficiais de titularidade da FIFA:

Pena - detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano ou multa.

As leis excepcionais possuem apenas data de início da entrada em vigor, sendo a data da revogação correspondente ao fim da situação excepcional.

Livro II da Parte Especial do CPM (Crimes Militares em Tempo de Guerra)

Entra em vigor com a declaração da guerra e é revogada com o fim das atividades beligerantes.

Ainda sobre a aplicação da lei penal militar no tempo, há a norma penal militar em branco.

Esta norma necessita de complementação para efetivar o preceito primário do tipo penal. Ela pode ser em sentido lato ou homogênea, quando o complemento provém da mesma fonte material que a norma penal, ou pode ser em sentido estrito ou heterogênea, quando se busca o complemento em fonte material de natureza diversa da norma penal.

ou

homogênea o crime de desobediência:

É exemplo de norma

penal

em

branco

em

sentido

lato

Art. 301, do CPM. Desobedecer a ordem legal de autoridade militar.

Art. 22, do CPM. É considerada militar, para efeito da aplicação deste Código, qualquer pessoa que, em tempo de paz ou de guerra, seja incorporada às forças armadas, para nelas servir em posto, graduação, ou sujeição à disciplina militar.

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves Um exemplo de norma penal em branco em

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves

Um exemplo de norma penal em branco em sentido estrito ou heterogênea é o artigo 290 do CPM.

Art. 290. Receber, preparar, produzir, vender, fornecer, ainda que gratuitamente, ter em depósito, transportar, trazer consigo, ainda que para uso próprio, guardar, ministrar ou entregar de qualquer forma a consumo substância entorpecente, ou que determine dependência física ou psíquica, em lugar sujeito à administração militar, sem autorização ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar.

Complemento: Portaria nº 344, de 12 de maio de 1998, que aprova o regulamento técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial.

E há norma penal em branco ao inverso (avesso ou revés) quando

o complemento é necessário para integrar o preceito secundário, a pena em

abstrato.

A doutrina do direito penal comum exemplifica por meio do art. 1º da lei nº 2.889/1956 (crime de genocídio) que traz no preceito secundário que a pena para o agente que matar membro de grupo nacional, étnico, racial ou religioso está sujeito as penas do art. 121, §2 do CP, ou seja, reclusão, de 12 a 30 anos.

No Direito Penal Militar, o exemplo de norma penal em branco ao inverso também é o art. 290 do CPM. O preceito secundário deste artigo é a pena abstrata de reclusão de até 5 anos.

O complemento está no art. 59, do próprio CPM, em que estabelece que o mínimo da pena de reclusão é de 1 ano.

Conhecemos a lei penal.

A entrada em vigor da lei penal militar e seu período de vigência.

Sabemos que a lei não retroage, exceto em benefício para o réu.

Mas, quando se considera o tempo do crime?

Pois bem, considera-se o tempo do crime o momento da conduta correspondente à ação (teoria da atividade) ou à omissão.

Nos crimes de ação (comissivos), como no homicídio, o tempo do crime é o momento em que o agente efetua os disparos contra a vítima. Já no estelionato, quando o agente ilude a vítima para obter vantagem ilícita.

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves Nos crimes omissivos o fato considera-se praticado no

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves

Nos crimes omissivos o fato considera-se praticado no lugar em que deveria realizar-se a ação omitida, por exemplo, na omissão de socorro. O lugar do crime é aquele em que se iniciou a execução da conduta criminosa.

Há ainda os crimes omissivos impróprios, o CPM adotou neste caso a teoria normativa: hipótese em que o agente está obrigado a agir para impedir o resultado. Ele assume a condição de garantidor (garante). Não é qualquer pessoa que está obrigada a agir para evitar o resultado, mas apenas aquelas pessoas que estão nas situações previstas na norma. São exemplos, o médico militar tem por obrigação de cuidado garantir que não haja o resultado morte e salva-vidas como garantidor de banhistas.

1.2- Aplicação da Lei Penal Militar no espaço

Considera-se praticado o crime no momento da ação ou da omissão, no todo ou em parte e ainda que sob forma de participação, bem como onde se produziu ou deveria produzir-se o resultado.

Neste sentido, é possível identificar que o CPM adotou a teoria mista ou da ubiquidade para os crimes comissivos, ou seja, o lugar em que se desenvolveu o fato pode ser tanto o lugar do início da execução como aquele em que ocorreu o resultado ou deveria ocorrer.

E adotou a teoria da atividade para os crimes omissivos, pois considera praticado o crime no lugar em deveria realizar-se a conduta omitida.

Lei penal militar no espaço

Teoria Mista ou da Ubiquidade

Crimes comissivos

Teoria da Atividade

Crimes omissivos

Outro ponto a ser tratado como aplicação da lei penal militar no espaço versa a territorialidade e a extraterritorialidade.

O CP adota como regra o princípio da territorialidade e o CPM o princípio

da extraterritorialidade, uma vez que se aplica a lei penal militar, sem prejuízo

de convenções, tratados e regras de direito internacional, ao crime cometido, no todo ou em parte, no território nacional, ou fora dele, ainda que, neste caso, o agente esteja sendo processado ou tenha sido julgado pela justiça estrangeira.

A doutrina justifica a adoção do princípio da extraterritorialidade ao direito

penal militar pelo fato de os militares atuarem em missões de manutenção da paz ou outras atividades fora do território nacional.

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves Código Penal Código Penal Militar Princípio da

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves

Código Penal

Código Penal Militar

Princípio da Territorialidade

Princípio da Extraterritorialidade

Art. 5º - Aplica-se a lei brasileira, sem prejuízo de convenções, tratados e

Art. 7º - Aplica-se a lei penal militar, sem prejuízo de convenções, tratados

e

regras de direito internacional, ao

regras de direito internacional, ao crime cometido no território nacional.

§ 1º - Para os efeitos penais, consideram-se como extensão do território nacional as embarcações e aeronaves brasileiras, de natureza pública ou a serviço do governo brasileiro onde quer que se encontrem, bem como as aeronaves e as embarcações brasileiras, mercantes ou de propriedade privada, que se achem, respectivamente, no espaço aéreo correspondente ou em alto-mar.

crime cometido, no todo ou em parte no território nacional, ou fora dele, ainda que, neste caso, o agente esteja sendo processado ou tenha sido julgado pela justiça estrangeira.

Território nacional por extensão

§

1° - Para os efeitos da lei penal

militar consideram-se como extensão do território nacional as aeronaves e os navios brasileiros, onde quer que se encontrem, sob comando militar ou militarmente utilizados ou ocupados por ordem legal de

autoridade competente, ainda que de propriedade privada.

§ 2º - É também aplicável a lei brasileira aos crimes praticados a bordo de aeronaves ou embarcações estrangeiras de propriedade privada, achando-se aquelas em pouso no território nacional ou em voo no espaço aéreo correspondente, e estas em porto ou mar territorial do Brasil.

Ampliação a aeronaves ou navios estrangeiros

§

2º - É também aplicável a lei penal

militar ao crime praticado a bordo de aeronaves ou navios estrangeiros, desde que em lugar sujeito à administração militar, e o crime atente contra as instituições militares.

 

Conceito de navio

3º - Para efeito da aplicação deste Código, considera-se navio toda embarcação sob comando militar.

§

Entende-se por território o solo, subsolo, águas interiores, mar territorial e espaço aéreo onde o Estado exerce sua soberania.

Consideram-se como extensão do território nacional as aeronaves e os navios do país, onde quer que se encontrem, sob comando militar ou militarmente utilizados ou ocupados por ordem legal de autoridade competente, ainda que de propriedade privada.

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves Considerando o fato de o agente poder ser

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves

Considerando o fato de o agente poder ser processado ou ter sido julgado pela justiça estrangeira, não podemos esquecer que a homologação da decisão estrangeira deve ser feita pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), art. 101, I, i, da CF.

A pena cumprida no estrangeiro atenua a pena imposta no Brasil pelo mesmo crime, quando diversas, ou nela é computada, quando idênticas.

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves 2- Questões Comentadas 1- (DPU – Defensor Público

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves

2- Questões Comentadas

1- (DPU Defensor Público Federal - CESPE - 2010) No que concerne

ao direito penal militar e a seus critérios de aplicação, julgue o item a seguir.

Considere que um militar, no exercício da função e dentro de unidade militar, tenha praticado crime de abuso de autoridade, em detrimento de um civil. Nessa situação, classifica-se a sua conduta como crime propriamente militar, porquanto constitui violação de dever funcional havida em recinto sob administração militar.

(

Resolução:

O erro da questão está em afirmar que o crime é propriamente militar. A

doutrina majoritária diz que crime militar é aquele praticado exclusivamente por militar, por ser uma exigência do tipo penal.

Gabarito 1: E

) Certo

(

) Errado

2- (Câmara dos Deputados - Analista Legislativo - CESPE - 2014)

Julgue o item que se segue, a respeito da justiça militar.

O crime militar cometido no exterior é enquadrado na lei penal militar brasileira, de acordo com o Código Penal Militar.

(

Resolução:

A questão versa sobre a aplicação da lei penal militar no espaço, mais

precisamente acerca do Princípio da Extraterritorialidade. A resposta é encontrada no caput do art. 7º, do CPM: Aplica-se a lei penal militar, sem prejuízo de convenções, tratados e regras de direito internacional, ao crime cometido, no todo ou em parte no território nacional, ou fora dele, ainda que, neste caso, o agente esteja sendo processado ou tenha sido julgado pela justiça estrangeira.

Gabarito 2: C

) Certo

(

) Errado

3- (STM - Analista Judiciário Execução de Mandados - CESPE -

2011) Em relação ao tempo do crime, o Código Penal Militar adotou a teoria da atividade.

(

Resolução:

O tempo do crime é o momento da ação ou da omissão, e considerando os

crimes comissivos, o Código Penal Militar adota a Teoria da Atividade.

) Certo

(

) Errado

Gabarito 3: C Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves 4- (STM - Analista Judiciário

Gabarito 3: C

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves

4- (STM - Analista Judiciário Execução de Mandados - CESPE -

2011) Julgue os itens a seguir, relativos ao direito penal militar. No Código Penal Militar, para efeitos de incidência da norma penal castrense, consideram-se como extensão do território nacional as aeronaves e os navios brasileiros, onde quer que se encontrem, sob comando militar ou militarmente utilizados ou ocupados por ordem legal de autoridade competente, ainda que de propriedade privada. É também aplicável a lei penal militar ao crime praticado a bordo de aeronaves ou navios estrangeiros, desde que em lugar sujeito à administração militar, e o crime atente contra as instituições militares.

(

Resolução:

A questão tem duas partes. Primeiro, considerando o território nacional por extensão, o art. 7º, §1º, do CPM, trata da extraterritorialidade, e por isso, a questão está correta em afirmar que é extensão do território nacional as aeronaves e os navios brasileiros, onde quer que se encontrem, sob comando militar ou militarmente utilizados ou ocupados por ordem legal de autoridade competente, ainda que de propriedade privada. E a segunda parte da questão também está correta por tratar da ampliação a aeronaves e navios estrangeiros, art. 7º, §2º, do CPM.

Gabarito 4: C

) Certo

(

) Errado

5- (STM - Analista Judiciário Execução de Mandados - CESPE -

2011) Julgue os itens a seguir, relativos ao direito penal militar. A lei penal militar excepcional ou temporária possui disciplinamento diverso do contido no Código Penal (CP) comum, uma vez que preconiza, de forma expressa, a ultratividade da norma e impõe a incidência da retroatividade da lei

penal mais benigna.

(

Resolução:

As leis excepcionais ou temporárias do Código Penal Militar possuem as mesmas características que as leis excepcionais ou temporárias do Código Penal. Estas leis podem ser ultra ativa, ou seja, podem manter seus efeitos de regular acontecimento ocorrido durante sua vigência, mesmo que os fatos estão sendo apurados após sua revogação, não se aplica a retroatividade de lei mais benéfica.

Gabarito 5: E

6- (DPU Defensor Público - CESPE - 2010) Diversamente do direito

penal comum, o direito penal militar consagrou a teoria da ubiquidade, ao

) Certo

(

) Errado

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves considerar como tempo do crime tanto o momento

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves

considerar como tempo do crime tanto o momento da ação ou omissão do agente quanto o momento em que se produziu o resultado.

(

Resolução:

O direito penal comum e o direito penal militar, de modo idêntico, adotam a

teoria mista ou da ubiquidade para os crimes comissivos, ou seja, o lugar em que se desenvolveu o fato pode ser tanto o lugar do início da execução como aquele em que ocorreu o resultado ou deveria ocorrer.

Gabarito 6: E

) Certo

(

) Errado

7- (Inédita) O Código Penal Militar é divido de modo idêntico ao Código

Penal comum, ou seja, Parte Geral em que trata da aplicação do direito penal

militar e Parte Especial, em livro único, em que define os tipos penais.

(

Resolução:

O Código Penal Militar possui estrutura diferente do Código Penal comum.

Apesar de ser dividi em duas partes, Geral e Especial, a Parte Especial é formada pelo Livro 1, Crimes Militares em Tempo de Paz, e pelo Livro 2, Crimes Militares em Tempo de Guerra.

Gabarito 7: E

) Certo

(

) Errado

8- (Inédita) O Direito Penal Militar trata da norma penal em branco ao

inverso (avesso ou revés) como complemento necessário para integrar o preceito secundário, a pena em abstrato.

(

Resolução:

O direito penal militar trata da norma penal em branco ao inverso e tem como

exemplo o preceito secundário do art. 290, do CPM, cuja pena é de reclusão até 5 anos. Sabe-se que genericamente, as penas de reclusão, no Código Penal Militar é no mínimo de 1ano e no máximo de 30 anos, art. 58, do CPM.

Gabarito 8: C

) Certo

(

) Errado

9- (Inédita) O Direito Penal Militar quando trata do Princípio da Legalidade,

difere do Direito Penal comum, onde afirma que não há crime sem lei anterior que o defina. Não há pena sem prévia cominação legal.

(

Resolução:

) Certo

(

) Errado

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves O art. 1º do Código Penal Militar, o

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves

O art. 1º do Código Penal Militar, o art. 1º do Código Penal comum são semelhantes e estão em sintonia com o art. 5º, XXXIX, da CF. Portanto, não há diferença quando se trata do Princípio da Legalidade.

Gabarito 9: E

10- (Inédita) O Direito Penal Militar adotou a teoria da atividade para os

crime s omissivos impróprios, na hipótese de o agente estar obrigado a agir para impedir o resultado.

(

Resolução:

Nos crimes omissivos impróprios, o agente está obrigado a agir para impedir o resulta por assumir a condição de garantidor (garante), sendo que esta teoria não é a da atividade, mas a Teoria Normativa pelo fato de não ser qualquer pessoa que está obrigada a agir para evitar o resultado, mas aquelas pessoas que estão nas situações previstas na lei, como é o caso do médico que deve garantir que não haja o resultado morte.

Gabarito 10: E

) Certo

(

) Errado

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves 3- Questões da aula (sem comentários) 1- (DPU

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves

3- Questões da aula (sem comentários)

1- (DPU Defensor Público Federal - CESPE - 2010) No que concerne

ao direito penal militar e a seus critérios de aplicação, julgue o item a seguir.

Considere que um militar, no exercício da função e dentro de unidade militar, tenha praticado crime de abuso de autoridade, em detrimento de um civil. Nessa situação, classifica-se a sua conduta como crime propriamente militar, porquanto constitui violação de dever funcional havida em recinto sob administração militar.

(

) Certo

(

) Errado

2-

(Câmara dos Deputados - Analista Legislativo - CESPE - 2014)

Julgue o item que se segue, a respeito da justiça militar.

O crime militar cometido no exterior é enquadrado na lei penal militar brasileira,

de acordo com o Código Penal Militar.

(

) Certo

(

) Errado

3-

(STM - Analista Judiciário Execução de Mandados - CESPE -

2011) Em relação ao tempo do crime, o Código Penal Militar adotou a teoria da atividade.

(

) Certo

(

) Errado

4-

(STM - Analista Judiciário Execução de Mandados - CESPE -

2011) Julgue os itens a seguir, relativos ao direito penal militar. No Código Penal Militar, para efeitos de incidência da norma penal castrense, consideram-se como extensão do território nacional as aeronaves e os navios brasileiros, onde quer que se encontrem, sob comando militar ou militarmente utilizados ou ocupados por ordem legal de autoridade competente, ainda que de propriedade privada. É também aplicável a lei penal militar ao crime praticado a bordo de aeronaves ou navios estrangeiros, desde que em lugar sujeito à administração militar, e o crime atente contra as instituições militares.

(

) Certo

(

) Errado

5-

(STM - Analista Judiciário Execução de Mandados - CESPE -

2011) Julgue os itens a seguir, relativos ao direito penal militar.

A lei penal militar excepcional ou temporária possui disciplinamento diverso do

contido no Código Penal (CP) comum, uma vez que preconiza, de forma expressa, a ultratividade da norma e impõe a incidência da retroatividade da lei penal mais benigna.

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves ( ) Certo ( ) Errado 6- (DPU

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves

(

) Certo

(

) Errado

6-

(DPU Defensor Público - CESPE - 2010) Diversamente do direito

penal comum, o direito penal militar consagrou a teoria da ubiquidade, ao considerar como tempo do crime tanto o momento da ação ou omissão do agente quanto o momento em que se produziu o resultado.

(

) Certo

(

) Errado

7-

(Inédita) O Código Penal Militar é divido de modo idêntico ao Código

Penal comum, ou seja, Parte Geral em que trata da aplicação do direito penal militar e Parte Especial, em livro único, em que define os tipos penais.

(

) Certo

(

) Errado

8-

(Inédita) O Direito Penal Militar trata da norma penal em branco ao

inverso (avesso ou revés) como complemento necessário para integrar o preceito secundário, a pena em abstrato.

(

) Certo

(

) Errado

9-

(Inédita) O Direito Penal Militar quando trata do Princípio da Legalidade,

difere do Direito Penal comum, onde afirma que não há crime sem lei anterior que o defina. Não há pena sem prévia cominação legal.

(

) Certo

(

) Errado

10- (Inédita) O Direito Penal Militar adotou a teoria da atividade para os

crime s omissivos impróprios, na hipótese de o agente estar obrigado a agir

para impedir o resultado.

(

) Certo

(

) Errado

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves 4- Gabarito Gabarito 1: E Gabarito 6: E

Teoria e Questões comentadas Prof. Rodrigo Gonçalves

4- Gabarito

Gabarito 1:

E

Gabarito 6:

E

Gabarito 2:

C

Gabarito 7:

E

Gabarito 3:

C

Gabarito 8:

C

Gabarito 4:

C

Gabarito 9:

E

Gabarito 5:

E

Gabarito 10:

E

5 Referencial Bibliográfico

ASSIS, Jorge César de. Comentários ao CPM - Parte Especial. 1. ed. Curitiba:

Juruá, 2010.

ROSSETO, Enio Luiz. CPM Comentado. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais,

2015.

NEVES, Cícero R. Coimbra. STREIFINGER, Marcello. Manual de Direito Penal Militar. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

JESUS, Damásio Evangelista de. Código Penal Anotado. 22. ed. São Paulo:

Saraiva, 2014.

Brasil. Superior Tribunal Militar. Cartilha institucional da Justiça Militar da União. Brasília: Superior Tribunal Militar, 2013.

NUCCI, Guilherme de Souza. CPM Comentado. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense,

2014.