Vous êtes sur la page 1sur 24

1

        L
        A Endomarketing na prática
Fundado em 18 de outubro de 1971         I
pelo educador Dr. Romeu Ritter dos Reis         R
Reitor         O Imagine-se no lugar de uma empresa que, em
Flávio Romeu D’Almeida Reis
        T
Vice-Reitora         I meio à crise mundial, demite 400 dos mil funcio-
nários – e precisa continuar com os 600 restantes
Hélvia Lúcia Krüger dos Reis         D a seu lado, a despeito da indignação destes em
Pró-Reitora de Ensino E           E relação à demissão dos colegas e do medo de tam-
Beatriz Tricerri Felippe X   bém perderem seus empregos a qualquer momen-
to ... Mais do que nunca, o Endomarketing – ou
Pró-Reitor de Pesquisa, Pós-Graduação
e Extensão P   Comunicação Interna, como queiram - surge como
Sidnei Renato Silveira E    a tábua de salvação, a mão amiga na hora difícil. A
Diretora Administrativa D   matéria de capa desta edição da revista Conexão
UniRitter esclarece, com quem entende do assun-
Ivelone Nagel Reis
I     
E    to, o que é Endomarketing, como fazê-lo e mos-
Campus Porto Alegre tra quem tem feito de forma eficiente – incluindo
Rua Orfanotrófio, 555 – Alto Teresópolis
90840-440 – Porto Alegre RS
N   uma entrevista com a papisa do assunto, a gaúcha
Fone: (51) 3230 3333 T    Analisa de Medeiros
Medeiros Brum, diretora da HappyHou-
 seBrasil, maior agência de Endomarketing do país.
Campus Canoas E   
Rua Santos Dumont, 888 – Niterói Outra entrevista de destaque nesta edição é a rea-
Caixa Postal 358 – 92120-110 – Canoas RS lizada com o escritor Ruy Castro, autor de algu-
Fone: (51) 3464 2000 mas das biografias mais bem escritas lançadas
www.uniritter.edu.br no país – ele já dissecou Nelson Rodrigues, Gar-
rincha e Carmen Miranda. Em tempo de bisbi-
lhotices televisivas com o amado e odiado Big
Brother Brasil ,
 , a matéria à página 14 oferta
as biografias como uma outra possibilidade
Órgão Informativo do Centro
de se poder espiar vidas alheias cheias de
Universitário Ritter dos Reis
meandros, dramas e histórias divertidas.
Circulação Bimestral - Distribuição gratuita
Tiragem: 8.000 exemplares - ISSN 1981-3503 No âmbito do Direito, esclarecemos as
Gerente de Comunicação e Marketing diferenças entre Mediação, Conciliação
Cláudia Mallmann e Arbitragem na matéria da página 6.
Na 8, mostramos como foi a viagem da
Editora Responsável
Andréa Lopes - MTb 7858 turma do Curso de Direito do UniRitter
a Montevidéu, onde os alunos puderam constatar
Edição e Redação as semelhanças entre a Justiça brasileira e a uru-
Andréa Lopes, Evelise Morais e Sabrina Ortácio  guaia – e suas particularidades também.
Capa
Ilustração de Fernando Bragança Não poderíamos esquecer a indefectível Reforma
Editoração Ortográfica da Língua Portuguesa, que pegou a
Everton Porto e Fernando Bragança todos de calças mais ou menos curtas nesse come-
ço de 2009 – vá lá na página 18 que a professora
Revisão da Licenciatura e do Mestrado em Letras do Uni-
Maria Araujo Reginatto
Ritter,
Ritter, Regina da Costa da Silveira, dá dicas precio-
Impressão  sas para ninguém se perder entre letras e acentos
Gráfica Odisséia Ltda. que apareceram e sumiram.
Av. França, 954 - Porto Alegre/RS
Fone: (51) 3303.5555 Boa leitura e bom começo de ano letivo!
É permitida a reprodução parcial ou total de matérias aqui publicadas,
desde que conservada a forma e citados a fonte e o autor. As matérias
assinadas são de responsabilidade
responsabilidade de seus autores.

Fale Conosco: conexao@uniritter.edu.br Andréa Lopes


Editora Responsável 

2
ÍNDICE

6 4 Palavra da Reitoria

5 Opinião
Jogos Digitais, por Michel Anderson Lutz Teixeira

8 6 Mediação, Conciliação e Arbitragem:


diferenças e vantagens

8 A viagem dos acadêmicos de Direito a Montevidéu

10 10 Capa
Endomarketing:
o que é, como fazer, quem faz bem feito

14 Biografias: vamos dar uma espiadinha?

16 Entrevista
Ruy Castro, escritor

16 18 A Reforma Ortográfica da Língua Portuguesa

20 Pelo UniRitter
Qualificação Docente, visita da secretária municipal
de Educação ...

22 22 Perfil
André Luís Polezelo, egresso da Arquitetura

23 Traço Livre

3
A rearmação da indissociabilidade entre
Ensino, Pesquisa e Extensão

A
ssumir a ProPEx – Pró-Reitoria Com relação à Extensão, verifica-se um As atividades de Pesquisa, Extensão e
de Pesquisa, Pós-Graduação aumento no número de projetos ex- Pós-Graduação contribuem, sobrema-
e Extensão – é um novo de- tensionistas, destacando a inserção dos neira, para a formação dos alunos, qua-
safio profissional, permeado de boas professores e alunos na comunidade do lificação do corpo docente e reconheci-
perspectivas e possibilidades de cresci- entorno dos campi do UniRitter. mento externo, dentro de um contexto
mento e qualificação das atividades de- de Educação Superior de excelência,
senvolvidas. Neste sentido, as diretrizes Entre as diretrizes da ProPEx para 2009 preconizado por nossa Instituição.
da ProPEx para 2009 estão voltadas à destacam-se, ainda, os esforços voltados
consolidação do trabalho desenvolvido ao estabelecimento de parcerias interins- O ano de 2009 reveste-se de grandes
até então, alicerçado pelas Câmaras de titucionais, visando alavan- horizontes para o fortalecimen-
Extensão (CamEx) e de Pesquisa e Pós- car projetos de pesquisa, to das atividades de Pesquisa
Graduação (CamPesP). pós-graduação e exten- e Extensão, fortemente arti-
são em conjunto com culadas ao ensino de Gradu-
Em se tratando das atividades de Pes- outras Instituições de ação e de Pós-Graduação,
quisa, destaca-se a efetiva implantação Ensino Superior, na- mantendo o princípio ba-
do Quadro de Docentes Pesquisadores, cionais e estrangeiras. silar do UniRitter, que é a
permitindo a qualificação e aprofun- Neste sentido, a forma- indissociabilidade entre en-
damento dos projetos, linhas e grupos lização de convênios com sino, pesquisa e extensão.
de pesquisa. Busca-se direcionar os empresas também será
esforços institucionais para a propos- incentivada.
ta de implantação de novos cursos de
Pós-Graduação Stricto Sensu, nas áreas
de Arquitetura e Urbanismo, Design e   s
   i
  a
  r
  o
Direito, além do Mestrado em Letras,    M
  e
  s
   i
   l
implantado em 2007.   e
  v
   E
  :
  o
   t
  o
   F
Na área de Pós-Graduação, destaca-se
a organização dos cursos de Pós-Gra-
duação Lato Sensu – Especialização,
que passa a ser dirigida pela ProPEx.
Pretende-se elaborar um projeto de cre-
denciamento para ofertar cursos a dis-
tância, unindo os esforços da ProPEx e
da ProEn, através do NEaD – Núcleo de
Educação a Distância.

Prof. Dr. Sidnei Renato Silveira


Pró-Reitor de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão do UniRitter 

4
Games: diversão para uns,
excelente negócio para outros

O
mercado de jogos eletrônicos estava ficando louco falando sozinho, considerado o maior evento de internet
tem crescido muito nos últimos quando na verdade estava jogando do mundo, que ocorreu em São Paulo,
anos no Brasil. Infelizmente, com um headset   (fone de ouvido com em janeiro.
gamers que possuem vídeo games (con- microfone, tipo aquele das operadoras Para os que gostam de jogos como eu
soles) da nova geração, como Xbox 360 de telemarketing), interagindo com e têm o sonho de poder um dia ver al-
(Microsoft), Playstation 3 (Sony) e Wii outros jogadores. Mas a pergunta é: guém jogar um jogo feito por você, cor-
(Nintendo)  e não querem desbloquear como isso funciona? Poderia ficar ex- ra atrás, pois existem ferramentas dis-
seu videogame para não perder a garan- plicando termos técnicos e todas as co- poníveis e gratuitas para os que querem
tia e desfrutar de outras vantagens, têm nexões e configurações, periféricos que desbravar esta área de entretenimento,
que desembolsar, em média, R$160 por são necessários para isso, mas prefiro como PlayStation Network  e  Xbox Live
 game. Caro, não? Principalmente com deixar a coisa mais simples citando um  Arcade. Com o framework   gratuito da
a pirataria, mesmo com tanta tecnolo- exemplo. Uma empresa que desenvol- Microsoft , o  XNA, é possível desenvol-
gia de discos de Blu-Ray , criptografia de veu um determinado jogo disponibiliza ver jogos tanto para PC quanto para
discos e outras possibilidades, as pessoas servidores com mapas de cenários, ar-  Xbox 360. E também existem empresas
conseguem copiar um disco que custa mamentos, veículos... Tendo o jogo ins- de desenvolvimento de jogos com por-
R$160 e vender por R$30 na internet ou talado em minha máquina com acesso tas abertas para você como, por exem-
para vendedores ambulantes. Os jogos à internet e outra pessoa, lá no Japão, plo, a francesa Ubisoft , desenvolvedora
on-line ainda são os mais buscados devi- tendo o mesmo jogo instalado e com de alguns jogos como Rayman, Myst,   r
  e
   t
   t
do à interação com outros jogadores ao acesso à internet, ambos podemos nos Splinter Cell , Prince of Persia... No ano    i
   R
   i
  n
   U
redor do globo. conectar ao servidor do game, que está passado, eles abriram um estúdio em    /
  a
  ç
Algumas pessoas ainda ficam curiosas nos Estados Unidos, formando uma São Paulo e compraram a empresa de   n
  a
  g
  a
  r
em saber como funcionam os jogos rede. Pronto, já podemos jogar, tro- desenvolvimento de jogos Southlogic    B
  o
   d
on-line. Minha mãe, car informações, conversar... Existem Studios, aqui de Porto Alegre.   n
  a
  n
  r
  e
há um tempo atrás, eventos voltados ao entretenimento Recado: meu GamerTag na Xbox Live é    F
  :
  m
  e
entrou no meu quar- eletrônico, como a BossOver. Grande abraço, bons jogos, e   g
  a
   t
  n
to achando que eu Campus Party , nos vemos on-line por ai.   o
   M
  -
  s
   i
  a
  r
  o
   M
  e
  s
   i
   l
  e
  v
   E
  :
  o
   t
  o
   F

Michel Anderson Lutz Teixeira


 Acadêmico do 2º semestre do Curso de
Sistemas de Informação do UniRitter 

55
Mediação, Texto: Sabrina Ortácio
 Fotos: Evelise Morais

Conciliação e
Arbitragem
Diferenças e peculiaridades na facilitação
das decisões da Justiça

H
ora do almoço. flitos aplicada por um terceiro imparcial, dos filhos e a manutenção dos vínculos;
Acirrada disputa denominado mediador. Esse profissional, e propiciar um espaço à família que está
dos irmãos pela que pode ser bacharel em Direito ou da vivendo a separação a reorganizar-se mais
batata frita. A mãe intervém fa- área da psicologia ou serviço social, por rápida e eficazmente, minimizando danos.
cilitando o entendimento dos meio de técnicas interdisciplinares de faci-
filhos de que é preciso respeito litação da comunicação, auxilia os media- O advogado observa que hoje, no Brasil,
e educação à mesa. Esse eficaz dos a construírem, de forma autônoma, o vivencia-se uma etapa de grande divulga-
método utilizado pela mãe é um bom acordo. “A Mediação pode ser aplicada ção da Mediação, que cada vez mais tem
exemplo de Mediação que, na Justiça em litígios familiares, empresariais, comu- sido discutida nas Faculdades de Direito e
brasileira, ainda é confundida com a nitários, trabalhistas e internacionais, en- em Pós-Graduações pelo país. “Eu leciono
Conciliação e a Arbitragem, outros dois tre outros”, explica. essa disciplina em cursos de Pós-Gradua-
conceitos que vêm auxiliando na resolução ção em Porto Alegre, Florianópolis, Cuia-
de questões, sobretudo as relacionadas ao A atuação da Mediação desenvolve-se em bá e Goiânia. Então, há uma tendência da
Direito de Família. Vale destacar as peculiari- processos instaurados, preferencialmente, mediação se desenvolver ainda mais nos
dades de cada um – afinal, os três estão à em separações que envolvam filhos me- próximos anos”, comenta Conrado, que
disposição dos cidadãos para facilitar a vida nores, encaminhados pelos Juízes titulares também é administrador institucional de
de quem precisa da Justiça para solucionar das Varas, por solicitação das partes ou uma associação de mediadores intitulada
problemas. por indicação dos Assistentes Sociais no Desatando Nós, que capacita pessoas para
laudo da Perícia Social. “Os conflitos fami- trabalharem na área.
Advogado graduado no UniRitter, liares são caracterizados pela grande carga
Conrado Paulino da Rosa especializou- emotiva. Assim, se o litígio entre o casal Em outra ponta, a Arbitragem é um meio
se, ainda na faculdade, em Mediação não é tratado de forma adequada, a se- não-estatal para a resolução de conflitos.
Familiar, e também durante o curso paração pode acarretar em prejuízos que “Significa que as partes envolvidas esco-
começou a atuar como mediador. Hoje podem durar pelo resto da vida”, pontua lhem superar as divergências através da
ele é mestrando em Direito e professor Conrado. Segundo ele, os objetivos prin- decisão de um terceiro sujeito, sem interes-
universitário com atuação nas áreas de cipais são identificar as reais necessida- se ou relação com a disputa, que tenha a
Direito de Família, Sucessões e Direito des do casal em separação, preservando confiança de ambas as partes”, explica o
Homoafetivo e membro da Diretoria os interesses dos filhos; responsabilizar o professor Eduardo Silva da Silva, coordena-
Executiva do Instituto Brasileiro de Di- casal em separação em sua tomada de dor do Núcleo de Pesquisa e Extensão em
reito de Família – IBDFAM / Seção RS. decisões; minimizar os conflitos vindos do Mediação e Arbitragem do UniRitter. Para
processo de separação; restabelecer uma tanto, é eleito um árbitro ou um conjunto
Conrado destaca que a Mediação é uma comunicação parental funcional, levan- de árbitros, o Tribunal Arbitral, que mere-
forma alternativa de tratamento de con- do em consideração sempre o bem-estar ça a confiança de ambos os contendores.

6
“A arbitragem é muito mais usada do que mesmo espaço, fazendo uma reorganização
parece. Como seus procedimentos são si- lógica nos direitos de cada um. “Eliminamos
gilosos, muitas vezes ela tem início e fim e os pontos incontroversos para delimitarmos
nem se toma conhecimento. As estatísticas o conflito. O resultado é a celebração do
não mentem”, conta o professor Eduardo, acordo”, destaca Barbedo.
autor do livro Arbitragem e Direito da Em-
presa. Ele lembra que, em 2007, o Brasil A Conciliação é aplicada principalmente
ficou entre os cinco países com mais pro- quando as partes negam o conflito e objeti-
cedimentos arbitrais no mundo, perdendo vam a celebração do acordo como uma for-
“ Os conflitos familiares são apenas para gigantes como Estados Unidos ma de liberação daquela situação oriunda
caracterizados pela grande e França, que detêm longa tradição na Câ- do litígio. Para isso, assumem compromisso
carga emotiva”  mara de Comércio Internacional de Paris. mútuo, orientado pelo princípio da autono-
mia da vontade. “Entendo que a Concilia-
Conrado Paulino da Rosa No Brasil, o professor destaca o funciona- ção, em determinadas situações, é um meio
Advogado graduado no UniRitter mento pleno de Câmaras como a da Fede- apropriado para a resolução de questões
ração das Indústrias do Estado de São Paulo que envolvam o Direito das famílias, uma
(FIESP) e do Conselho Arbitral do Estado de vez que objetiva a composição imediata das
São Paulo (CAESP). No Rio Grande do Sul relações interpessoais e possibilita a redução
há uma estrutura preparada via Câmara de de passagens traumáticas entre as partes na
Arbitragem da Federasul, do Conselho Re- solução do conflito”, opina a professora.
gional de Engenharia e Arquitetura (CREA
RS) e do Conselho Regional de Administra- Cláudia Gay Barbedo lembra que a Conci-
ção (CRA), entre outras iniciativas. liação é bastante utilizada no Direito brasi-
leiro. No Rio Grande do Sul, por exemplo,
Eduardo Silva prevê como novidade para há o Projeto Conciliação Família, nascido
2009 o surgimento da Câmara de Arbi- em 1994 com o objetivo de desafogar o
“O MEC e a própria OAB exigem tragem da própria OAB, voltada à solução trabalho das varas de família e sucessões,
que o profissional do Direito de conflitos entre advogados e sociedades o qual atualmente abrange todos os jui-
 seja preparado para os meios advocatícias e que estará aberta a atender zados de família da Capital com exceção
complementares de acesso à solicitações de toda a sociedade. “O MEC da 5ª vara. “Um dos objetivos do projeto
 justiça” e a própria OAB exigem que o profissional é acelerar uma solução amigável para o
do Direito seja preparado para os meios conflito familiar que chega até o Judiciário,
Eduardo Silva da Silva complementares de acesso à justiça”, reduzindo o grau de beligerância que todo
Professor do UniRitter lembra Silva, destacando que desde 2003 processo tende a acentuar, trazendo gran-
o Núcleo de Pesquisa e Extensão em Me- des vantagens para os envolvidos, inclusive
diação e Arbitragem do UniRitter realiza na órbita financeira.” Atualmente, o Proje-
eventos, pesquisas e seminários para mos- to de Conciliação Família é composto por
trar aos acadêmicos uma nova mentalida- um Juiz Substituto e da respectiva estrutura
de sobre as soluções das disputas. cartorária. Também atuam um Promotor de
Justiça e um Defensor Público com atribui-
Já a Conciliação intervém com sugestões ções específicas. Esta iniciativa vincula so-
e alerta sobre as possibilidades de perdas mente ações litigiosas novas. Não havendo
recíprocas das partes. “Hoje as pessoas ad- sucesso na tentativa conciliatória, o proces-
mitem perder menos num acordo do que, so é devolvido à vara de origem para regu-
no futuro, numa sentença desfavorável”, lar tramitação, normalmente com a citação
“ Um dos objetivos do projeto é exemplifica a professora Cláudia Gay Barbe-  já concretizada. Havendo acordo, este é
acelerar uma solução amigável do, que ministra a disciplina Direito de Famí- homologado e remetido à vara de origem
 para o conflito familiar.”  lia na Faculdade de Direito do UniRitter e é para as providências de encerramento do
orientadora do Serviço de Assistência Judi- feito. O índice mensal de conciliações os-
Cláudia Gay Barbedo ciária Gratuita do UniRitter (Sajuir). Cláudia cila entre 50% a 70% das ações remetidas
Professora do UniRitter e afirma que o conciliador, apoiado em técni- ao projeto – a pauta de audiências normal-
Orientadora do Sajuir UniRitter cas adequadas, aproxima as partes em um mente não é superada em trinta dias.

7
Texto: Evelise Morais
 Fotos: acadêmicos e
 professores participantes

Estudos foram promovidos pelo


Núcleo de Relações Internacionais
do UniRitter, coordenado pelo
Prof. Felipe Reis, e contou com a
organização e participação dos
professores Renato Selayaram,
Laura Frantz e Fernanda Barbosa.

Acadêmicos do Direito vivenciam as

8 8
Mont
C erca de 30 estudantes de Di-  já ter uma boa noção de tudo isso. A disciplinas de Direito Penal, Direito
reito participaram da primeira integração entre os países do Mercosul Constitucional e do Consumidor e Di-
Viagem Orientada de Estudos é mais econômica do que de qualquer reito Internacional Público. A formanda
a Montevidéu realizada pelo Curso do outra natureza. Para ela se tornar efeti- Karoline de Souza constatou o que já
UniRitter. Durante uma semana, os aca- va também em aspectos sociais e cultu- havia aprendido durante a faculdade:
dêmicos realizaram atividades na ca- rais é necessária a troca mais efetiva e n- “a maior lição foi a de que o Direito
pital uruguaia, frequentaram aulas na tre os cidadãos, e ela pode começar no sempre pode melhorar para abranger
Universidade Católica do Uruguai e vi- meio acadêmico”, atesta o professor. as parcelas mais necessitadas da popu-
sitaram importantes instituições, como lação. Durante as aulas também pude
a sede do Mercosul, da Associação La- Montevidéu foi escolhida como destino conhecer o Direito Uruguaio e as dife-
tino-Americana de Integração (ALADI) da viagem justamente por sediar im- renças com o Direito Brasileiro”.
e a Suprema Corte uruguaia. A viagem portantes organizações internacionais.
foi promovida pelo Núcleo de Relações Durante o período em que estiveram O professor Felipe Reis destacou a im-
Internacionais do UniRitter, coordenada na capital uruguaia, os acadêmicos do portância do intercâmbio para a for-
pelo Prof. Felipe Reis, e contou com a UniRitter visitaram a Associação Latino- mação acadêmica. “Trata-se de uma
participação e organização dos profes- Americana de Integração (ALADI), que oportunidade única para os alunos se
sores Renato Selayaram, Laura Frantz e congrega países da América do Sul, identificarem com seus pares de outros
Fernanda Barbosa. México e Cuba, a sede da Suprema países, como o Uruguai, e ter a visão de
Corte de Justiça, do Mercosul e a Em- como os alunos uruguaios se compor-
Promover a convivência entre alunos do baixada do Brasil. tam, como é a instituição física deles,
UniRitter e estudantes de um país di- como são as aulas, os prós e contras de
ferente, gerando troca acadêmica e vi- A sede da Secretaria do Mercosul foi seu sistema. O retorno é um saldo mui-
vência com outra cultura foi a proposta o local que mais chamou a atenção to positivo, porque são vivências que,
da atividade. Renato Selayaram ressalta do formando Carlos Ribeiro Cruz: “lá principalmente no Curso de Direito,
que, apesar da proximidade com o Bra- tivemos a oportunidade de conhecer costuma ser algo inusitado”.
sil, há muitas diferenças com o Uruguai. aspectos importantes do complicado
“Há grandes diferenças culturais e so- funcionamento e dos objetivos desse A viagem a Montevidéu gerou mais do
cioeconômicas entre os dois países, as acordo. Podemos verificar, em um país que integração e experiência para os
quais refletem-se, sem dúvida, nos or- bem menor que o Brasil, o quanto o es- acadêmicos e docentes. Os professo-
denamentos jurídicos”, destaca o pro- tudo do Direito é importante e quais as res do UniRitter trataram de um pro-
fessor Selayaram. “Podemos dizer que dificuldades e facilidades que esse país grama de intercâmbio acadêmico com
no Brasil somos mais liberais e no Uru- enfrenta comparado ao nosso”. a Universidade Católica do Uruguai,
guai ainda persiste um conservadoris- que deve ser solidificado nos próximos
mo. Tais diferenças devem ser aparadas Além das visitas, os alunos também meses, possibilitando a troca mais
para que possa avançar a integração no participaram de aulas na Universida- efetiva e constante de informações.
Mercosul. Em uma semana podemos de Católica do Uruguai, assistindo às A meta é viabilizar a possibilidade de
os alunos do UniRitter estudarem na
Universidade Católica do Uruguai pela

 questões do Mercosul em viagem a

vidéu
manhã e, à tarde, estagiarem na Se-
cretaria do Mercosul. De acordo com
o professor Felipe Reis, atualmente só
há uma instituição de ensino brasilei-
ra conveniada com o Mercosul nes-
ses parâmetros. “Voltamos de lá com
grandes possibilidades de sermos a
segunda instituição brasileira a ter um
convênio direto com o Mercosul. Falta
apenas a formalização do contrato do
convênio, que já está muito bem en-
caminhado”, garante ele.

Texto e Fotos: Evelise Morais

9
Endomarketing
O que é? Como se faz? Quem faz bem feito?
Gênero de primeira necessidade para empresas que desejam crescer,
conquistar mercados, manter os índices que já possuem ou, simples -
mente, garantir a sua sobrevivência nos próximos anos.
Texto: Paulo Meira, M.Sc. UniRitter 
e Renato Oliveira, M.Sc. UCPel, autores do livro
“Comportamento do Cliente”

principal objetivo fortalecer as relações


internas da empresa com a função de
integrar a noção de cliente e fornecedor

N o ambiente interno, a comu- O Endomarketing pode ser definido interno, fazer com que todos os funcio-
nicação destina-se a manter como um conjunto de ações utilizadas nários tenham uma visão compartilhada
o quadro de pessoal sempre por uma empresa para vender a sua pró- sobre o negócio da empresa, incluindo
informado do que ocorre na empresa, pria imagem a funcionários e familiares. itens como gestão, metas, resultados,
como um fator de motivação e parti- É nas ações mais simples que o público produtos, serviços e mercados nos quais
cipação. Desde o momento em que se interno encontra aquilo que procura: a atua. O que propicia melhorias tanto na
contrata um novo funcionário, ele deve informação, o reconhecimento e o estí- qualidade dos produtos como na produ-
se familiarizar com o ambiente de traba- mulo necessário para um bom trabalho. tividade pessoal e na qualidade de vida
lho, a filosofia e os objetivos da empre- O conceito de marketing interno ou En- no trabalho. Trata-se de uma necessida-
sa. O essencial é que o empreendedor domarketing envolve temas como mo- de imediata das empresas que desejam
transmita aos funcionários a ideia de tivação dos funcionários, comunicação, crescer, conquistar mercados, manter os
que todos estão envolvidos no desenvol- comprometimento, valores, instrumen- índices que já possuem ou, simplesmen-
vimento dos negócios, criando um clima tos de marketing e satisfação do con- te, garantir a sua sobrevivência nos pró-
de parceria, de confiança. sumidor. O Endomarketing tem como ximos cinco anos.

10
Santo de Casa que faz milagre tempinho”, atesta Camila. “Para a in-
dústria é uma solução bacana, hoje não
vejo formato melhor.”

Imagine uma empresa como a Perdi- funcionários, nem todos topam. Enfren- Em termos de mercado, a turma da Santo
gão, com 58 mil empregados espalha- tamos diferentes culturas e nosso traba- de Casa vê o Endomarketing sendo cada
dos pelo Brasil e pelo mundo, tendo lho é, muitas vezes, invasivo.” vez mais valorizado. A crise, por enquan-
que falar para todos esses funcionários, to, não afetou o trabalho da agência.
integrando-os na cultura da empresa e Daniel resume Endomarketing como “Sentimos uma retração, alguns clientes
unificando suas condutas. Aí entra o En- a importação dos atributos do Marke- diminuíram as verbas, mas não perdemos
domarketing, que no Rio Grande do Sul ting para dentro de uma organização. ninguém”, conta Parahim. “Nessas ho-
é praticado com maestria pela Santo de “Trata-se de um processo gerencial ras complicadas, com demissões, é que a
Casa. A agência, especializada na maté- que, como outros, requer controle, comunicação interna é mais importante.
ria, foi criada em janeiro de 2007 por um organização e coordenação, tudo isso Quem fica precisa vestir como nunca a ca-
trio familiar: Daniel Costa, 32 anos, Dire- utilizando ferramentas multidisciplina- miseta da empresa. O Endomarketing vai   o
   ã
  ç
  a
tor Executivo, Camila Lustosa, 33 anos, res de Comunicação, Psicologia, Admi- se encarregar de ajudar a manter a calma   g
   l
  u
  v
   i
Diretora de Jornalismo, e Parahim Neto, nistração, até da Arquitetura.” A Santo dos funcionários e a excelência do que    D
  :
  o
   t
32, Diretor de Criação. Hoje a Santo de de Casa contou com arquitetos, por restou”, avalia.   o
   F

Casa reúne 23 colaboradores. Na cartela exemplo, na elaboração


de clientes, Perdigão, Transpetro, Zaffari, da Praça de Comunicação
Grupo RBS e, mais recentemente, a AES da Famastil. Foi criada
Brasil – conquistada depois do trabalho uma área para onde to-
exitoso com a AES Sul. dos os canais de comuni-
cação convergem, junto
“Marketing todo mundo conhece, mas com outros serviços como
Endomarketing ainda é um termo que terminais bancários, tele-
está chegando às empresas”, conta Da- visão, rádio, espaço mul-
niel. “No Endomarketing, tão importan- timídia e o famoso cafezi-
te quanto falar às pessoas é ouvi-las. Se nho. “Temos as pesquisas
você começa a falar é obrigado a ouvir. que comprovam inclusive
E nem toda a empresa está disposta a o aumento no consumo
isso.” Ele cita o exemplo do tradicional de café, porque as pes-
café com o diretor. “Ao sugerirmos que soas agora param nesse
o diretor vá ao refeitório falar com os local e ficam mais um

Quando os conceitos da qualidade pas- nários comuns) continua tendo um envol- de mudança e de modernização em-
saram a ser trabalhados, houve uma vimento menor, a não ser que a empresa presarial, pois as mudanças, quando
dificuldade muito grande das organiza- coloque a sua disposição as informações implementadas, esbarram em formas
ções em perceber que todo e qualquer de que necessita para o engajamento de trabalho tradicionais e conserva-
processo educativo e de mudança exige total. As reações constatadas na base da doras, capazes de desencadear um
um processo acelerado de comunicação. pirâmide são, muitas vezes, resultado da estresse organizacional que dificulta e
inexistência de um processo de comuni- impede o desenvolvimento pleno de
O que aconteceu, na maior parte das em- cação interna adequado, que se utilize qualquer atividade.
presas, foi um desabamento na pirâmide de instrumentos sistêmicos e integrados,
organizacional em relação ao grau de de forma a tornar as pessoas motivadas a Um programa de Endomarketing bem
comprometimento das pessoas com os trabalharem pelo mesmo fim. feito é capaz de tornar o funcionário um
programas. Sabe-se que ainda hoje o en- ser comprometido com a nova postura
volvimento maior se dá na parte de cima Vivemos um momento no qual o “ho- da empresa e com a modernidade, cada
da pirâmide (alta direção e gerências). A mem” deve ser visto como elemento um em sua área de atuação e por meio
base da pirâmide (supervisores e funcio- principal de todo e qualquer processo do seu trabalho.

11
ANALISA DE MEDEIROS BRUM Falou em Endomarketing,
lembrou de Analisa de Medeiros
Papisa do Endomarketing no Brasil Brum, gaúcha de Quaraí que, em
2000, abriu a HappyHouse, hoje
HappyHouseBrasil, em Porto
Alegre. Em oito anos, Analisa
transformou a empresa em uma
referência na área de Comuni-
cação Interna no país – e a si
própria na maior autoridade no
assunto. Conra a trajetória e
as dicas de alguém que apostou
no acaso, aproveitou as oportu-
nidades e virou expert.

A FORÇA DO ACASO
“Trabalhava há sete anos na ADVB/RS e re-
solvi mudar de ares. Em 1990, aos 27 anos,
assumi a coordenação de Comunicação do
Senai e foi lá que comecei a trabalhar com
comunicação interna. Minha diretora saiu,
resolvi fazer um compêndio com tudo que
tínhamos feito de comunicação interna para
dar de presente a ela. Ela gostou tanto que
sugeriu que eu inscrevesse o case em prê-
mios. Ganhei todos, inclusive o Opinião Pú-
blica, em São Paulo, que era uma das maio-
res premiações na época. Percebi que pouca
gente entendia do assunto, não havia cursos,
nada. Vislumbrei uma oportunidade e come-
cei a ler, a estudar sobre o assunto. Em 1994
 já lançava meu primeiro, Endomarketing,
bem básico. Eu estava aprendendo sobre o
assunto. Por isso, classifico-o como uma ou-
sadia. A verdade é que, se eu não tivesse ido
para o Senai, talvez o Endomarketing jamais
  o
   ã
teria cruzado o meu caminho. Por isso não
  ç
  a
  g
   l
  u
posso dizer que a HappyHouseBrasil é a rea-
  v
   i
   D
  :
lização de um sonho. Eu jamais ousei sonhar
  o
   t
  o
   F com algo assim.”
ENDOMARKETING NÃO É SUBINDO A ESCADA, decisões e representam a agência externa-
CAMISETA, BRINDE, BOTTON DEGRAU POR DEGRAU mente sempre que necessário. Nunca toma-
“As pessoas veem muito o Endomarketing “Certa vez fui assistir a uma palestra do Da- mos uma decisão importante sem ouvi-los.
como evento, festa, camiseta, bottom. niel Godri. Ele disse que Deus dá a cada ser Para crescermos tínhamos que evoluir na
Muitas vezes eu estou conversando com humano uma escada. É o ser humano quem gestão, que não podia mais ficar concen-
alguém e digo que trabalho com comu- decide se vai carregá-la debaixo do braço, se trada nos sócios. O G10 foi a maneira que
nicação interna, muita gente rebate com vai subi-la de costas, se vai se jogar pro últi- encontramos para manter conosco os nossos
‘ah, tu fazes o jornalzinho da empresa’. Há mo degrau de uma vez só, correndo o risco melhores profissionais, aumentando suas res-
uma imagem muito distorcida e ultrapassa- de se estabanar no chão... Casualmente, ponsabilidades e, consequentemente, seus
da da área. Endomarketing é um processo quando pedi para o designer Claudio Car- ganhos. não é um grupo fechado, pode mu-
composto por uma série de esforços. O pri- doso projetar um ícone para nossa agência dar todo o ano, damos oportunidade para
meiro passo para se fazer Endomarketing ele criou uma escada, que virou nosso sím- todos subirem seus degraus. Nosso maior
numa empresa é a coerência entre discurso bolo máximo. Uma escada são vários Hagás, mérito é que, quando começamos, em 2000,
e prática. O segundo é estruturar um bom um grudado no outro, né? Achei perfeito, ninguém queria trabalhar aqui.”
processo de informação, que possa trazer tinha a ver com os Hagás da HappyHouse,
resultados também em nível de integração. com RH, com Humano. Com a escada a Ha- ADMINISTRAÇÃO, CURSO
Ninguém gosta daquilo que não conhece. ppyHouse procura transpor o muro muitas DAS GENERALIDADES?
As pessoas não resistem às mudanças, mas vezes existente entre patrão e empregado.” “A questão do generalismo não depende
à falta de informação sobre o que está sen- do curso que escolhemos, nem do mercado.
do mudado pela empresa.” DE POA PARA O MUNDO Depende da pessoa. Os cursos universitários
“Em 2005 agregamos Brasil ao nosso nome deveriam ter uma disciplina chamada ‘posi-
ENDOMARKETING e passamos a nos chamar HappyHouseBrasil. cionamento profissional’. Um profissional
COMO PROCESSO Nossa atuação foi nacional desde o início. Um deve se posicionar como produto, escolhen-
“O processo da Comunicação Interna e dos nossos primeiros clientes foi a Eletronor- do a forma como deseja ser percebido pelo
do Endomarketing é algo muito diferente te, empresa que distribui energia para toda mercado. Isso inclui a especialização. Dentro
da visão lúdica que algumas pessoas ainda a Amazônia Legal, cuja sede fica em Brasília. de um mundo de generalidades, é preciso to-
possuem sobre esses temas. Na HappyHou- Hoje atendemos a todas as companhias de mar a decisão de ser especialista em alguma
seBrasil não ficamos o tempo todo criando energia do Nordeste. A Vale é nossa cliente coisa, caso contrário o sucesso ficará fora do
ações motivacionais. Nosso trabalho é mui- desde 2002. Manter a nossa estrutura e inte- alcance. Foi o que fiz. Creio que o mercado
to concreto. Temos o desafio de dar uma ligência em Porto Alegre sempre foi um desa- de Endomarketing esteja só começando. A
forma criativa para a informação, além de fio. Mas a tecnologia da qual podemos usu- Faculdade de Administração, principalmen-
finalizar, produzir e entregar os materiais fruir, hoje, nos permite atender clientes em te nessa época de crise, talvez seja a que dê
em todas as unidades de nossos clientes. todo o País e entregar materiais em diversas mais subsídios, mais capacidade de movi-
Portanto, também cuidados de logística.” partes do mundo sem prejuízo algum para o mentação ao profissional. Ela complementa
cliente. No começo nos sentíamos assim ‘sou outros cursos, inclusive.
DISCIPLINA, feio, pobre e moro longe’, mas nosso cresci-
DISPONIBILIDADE, mento mostrou o contrário. Trabalhar na Ha- A IMPORTÂNCIA DO FOCO
DELICADEZA ppyHouseBrasil significa viajar. Sempre que “Depois que decidi que me dedicaria ao
“A comunicação interna é um universo de podemos, convidamos nossos clientes para Endomarketing, não houve um único dia
detalhes. Por isso, nossos três valores são realizarem reuniões na nossa sede. No fim, da minha vida que eu não trabalhasse para
disciplina, disponibilidade e delicadeza. estar em Porto Alegre virou o nosso charme.” isso. Na HappyHouseBrasil, a orientação é
Isso é o que nos tem permitido crescer. Na a mesma. Quando decidimos que seríamos
área de Atendimento, temos profissionais OLHANDO PARA DENTRO uma agência de Endomarketing, trabalha-
de relações públicas e publicidade. Na área “Hoje dirijo a Happy com outras duas pesso- mos para sermos percebidos dessa forma
de Criação, temos Diretores de Arte, Desig- as, uma do financeiro outra da criação. Dois pelo mercado nacional. Isso significa em-
ners e Redatores cuja formação é publici- estão sempre viajando, um está sempre na preender um esforço contínuo. Não é pos-
dade e propaganda. E no Núcleo Editorial agência. Temos um modelo de gestão dife- sível descansar um só minuto, pois a ima-
temos jornalistas. É o composto de Comu- rente. Não temos gerentes. Temos os três di- gem é construída a partir de uma série de
nicação Social dedicado ao relacionamento retores e o G10, um grupo de dez diretores fatores, valores e princípios. Isso vale para
das empresas com seus empregados. No de área, que são os mais capacitados, que um profissional e para uma empresa. No
nosso negócio, sustentabilidade é ter pro- estão há mais tempo trabalhando conosco. caso da HappyHouseBrasil, por exemplo,
fissionais competentes.” Essas pessoas gerenciam processos, tomam não abrimos jamais mão do foco.”

13
Quer dar uma
Texto: Andréa Lopes espiadinha?
Em tempos de Big Brother , a revista Conexão UniRitter
sugere: se você quer saber mais sobre a vida íntima de
personagens interessantes, leia biograas!

V
“ amos dar aquela espiadinha?”, rolas sobre a vida dos personagens perfi- dimensão à obra.”   Quan-
sugere o apresentador Pedro Bial lados que jamais imaginaríamos. Inclusive, do Caio faleceu, Jeanne
a cada intervalo do Big Brother muitos conhecidos e aparentados de bio- tinha 15 anos. “ Recons-
Brasil 9, um dos programas mais adorados grafados acabaram descobrindo caracte- truí sua história por
e detestados dos últimos tempos da tevê rísticas e situações desconhecidas – muitas meio de cartas,
brasileira. Gostando ou não, o fato é que vezes bem ‘cabeludas’ - a respeito de seus de entrevistas
a maioria das pessoas já teve seu momen- conhecidos famosos. com a família,
to de bisbilhoteiro, de querer saber o que amigos, co-
se passa com um colega, um amigo, um “ Há quem seja contra as biografias justa- legas de
conhecido. O advento das revistas sobre mente por isso”,  atesta Jeanne Calligari, traba-
celebridades só fomentaram o clima ‘Ja- biógrafa do escritor gaúcho Caio Fernan- lho.”
nela Indiscreta’. Para quem gosta de saber do Abreu (1948-1996). “ Outras acham
um pouco mais sobre a vida de gente in- que do artista basta conhecer a obra, que
teressante (ou nem tanto ...), aí vai uma a vida pessoal não interessa. Contudo,
dica: que tal conferir uma boa biografia para quem gosta de um cantor, um escri-
lançada no mercado editorial? Trata-se de tor, conhecer sua vida, as circunstâncias
uma maneira inteligente de bisbilhotar a em que ele se tornou a pessoa que tantos
vida alheia – geralmente se descobrem pé- admiram, é muito importante. Adiciona

  o
   ã
PARA LER
Disponíveis na Biblioteca Dr. Romeu Ritter dos Reis
  ç
  u
   d
  o
  r
  p
  e
   R
  :
  s
  o
   t
  o
   F
1 2 3 4 5 6
A jornalista, repórter da revista Época SP, Estudioso do tema, o jornalista Sergio real não é bem assim. Para cada sujeito
mergulhou no universo do escritor, leu to- Vilas Boas, diretor do site Texto Vivo e de destaque há dezenas, centenas de car-
dos os seus livros e os livros dos autores que professor da Associação Brasileira de Jor- regadores de piano. E os supostos gênios
ele admirava - Hilda Hilst e Clarice Lispector nalismo Literário, fez mestrado e douto- extraordinários são criaturas laboriosíssi-
na lista. Ouviu Caetano Veloso e Keith Jar- rado na Escola de Comunicação e Artes mas, que se dedicam arduamente a um
rett. Assistiu a filmes de Pedro Almodóvar. da Universidade de São Paulo com campo ou domínio e exatamente por
Também reuniu material sobre o período pesquisas sobre narrativas isso deixam de experimentar
histórico em que Caio viveu. “ Eu respirava biográficas. O mestrado re- outras instâncias da vida, e
Caio, só falava nisso” , confessa. Sobre um sultou no livro Biografias muitas vezes se frustram
outro personagem que despertaria nela a & Biógrafos, lançado com isso. É a história da
vontade de incursionar novamente pela se- pela editora Summus; sorte no jogo e azar no
ara das biografias, ela é categórica: “ Oscar o doutorado, em Bio- amor.” Para ele, uma
Wilde. Além de escritor genial e de ter tido  grafismo  (2008), da biografia reflete tão
uma vida intensa, ele está morto há muitos editora Unesp. Sergio somente o biografado
anos. Portanto, não teria que questiona alguns pon- segundo seu biógrafo.
lidar com os vivos tos geralmente desen- “ Como na escrita da
ciumentos que volvidos nas biografias História, que é uma
sobraram!“  vistas nas prateleiras resposta provisória so-
das livrarias. Por exem- “Conhecer a vida de uma pessoa bre o passado, a escri-
plo, a importância da que tantos admiram adiciona ta biográfica também
ancestralidade do per- dimensão à obra.”  transporta a carga de
sonagem biografado. seu autor, suas impres-
 Jeanne Calligari 
“ Antes de recorrer às sões pessoais, sua for-
 Jornalista e Biógrafa
linhas de parentesco, mação, sua história de
o biógrafo deveria se vida, seus compromis-
perguntar se a descendência constitui o sos com a sociedade que o formou e con-
caráter de uma pessoa necessariamente. sigo – o mesmo amplo conjunto de valo-
Qual o grau de influência que a família res, aliás, que constituem o biografado,
realmente exerce sobre um indivíduo.”  O evidentemente. No entanto, as biografias
 jornalista tenta desmistificar a ideia de ge- contemporâneas parecem condicionadas
nialidade inata dos biografados. “ Parece ainda à ideia de que a verdade pode ser
que os autores estão dizendo ‘meu per- atingida em sua totalidade apenas com
sonagem tinha todas as qualidades para informação e volume”, pondera. Mais:
vencer e, vejam só: ele venceu, claro, pois “ como autores que são, os biógrafos aca-
é tão extraordinário!’. No entanto, a vida bam se revelando em suas escolhas, seus
estilos, sua visão de mundo, através das
biografias e dos personagens sobre os
quais escrevem”.

Dentre as biografias disponíveis no merca-


do, Sérgio Villas Boas destaca Maysa – Só
1 - Audrey (1996) ,
Numa Multidão de Amores, de Lira Neto.
de Barry Paris, biografia da atriz Audrey Hepburn
O compêndio virou base de pesquisa da
2 - Maysa – Só numa multidão de amores (2007),
minissérie sobre a cantora exibida pela
de Lira Neto, sobre a cantora Maysa
Globo, em janeiro. “ Dentro do possível,
3 - Caio Fernando Abreu - Inventário de um escritor irremediável (2008),
o livro é bastante honesto e responsável.
de Jeanne Callegari, sobre o escritor gaúcho
Quanto à forma, ainda bastante conven-
4 - Mauá: Empresário do Império (2004),
cional. Mas o autor é um biógrafo um
de Jorge Caldeira, sobre Visconde de Mauá
pouco diferente dos biógrafos best-sellers
5 - Paulo Freire, uma História de Vida (2006),
que nadam de braçada sem que ninguém,
de Ana Maria Araújo Freire, sobre o mestre da Educação
exceto eu, os conteste. Lira é um sujeito
6 - The Beatles – A Biografia (2007),
aberto a ouvir, a dialogar, aprender. E isso
de Bob Spitz, sobre os lendários garotos de Liverpool 
se reflete no texto dele.” 

15
“Não escolhi nenhum
deles - eles é que me
escolheram.”
Um dos maiores biógrafos do Brasil, Ruy Castro
fala sobre seu processo de trabalho para escrever
uma biografia. “Entrevistas bem feitas são o
coração da matéria”, ensina.

Texto: Andréa Lopes


 Fotos: Bel Pedrosa, Divulgação
Companhia das Letras

Como as biografias apareceram na que a conversa com uma fonte renda bem, les, por exemplo, era o Bueno, que já tinha,
sua vida? Foi um gênero que sempre lhe o biógrafo precisa estar absolutamente pre- em 1967, mais de 50 anos de Correio (foi o
chamou atenção, pelo qual você sempre parado não apenas sobre o seu biografado, primeiro fotógrafo contratado da imprensa
pensou em incursionar? mas também sobre a fonte com quem ele brasileira). E sem esquecer a Seleções, de
Inconscientemente, talvez. Lembro-me de vai conversar. Isso pode parecer maníaco, que também fui editor nos anos 70, em Lis-
ter lido algumas biografias americanas e mas é verdade - ou, pelo menos, é a manei- boa, e onde aprendi a valorizar o conteúdo
inglesas nos anos 70 e 80, e de ter ficado ra com a qual eu trabalho: se vou entrevistar humano de uma história.
intrigado com a riqueza de detalhes levan- X a respeito de Y, procuro aprender tudo
tados pelo biógrafo. Eu me perguntava: também sobre X antes de ir falar com ele. Como se dá o processo da feitura de
“Como ele pode ter descoberto isso?”. No uma biografia? Qual o seu método?
final de cada livro, vinha uma extensa lista Seu trabalho em veículos como Manche - Primeiro, reúno e leio todo o material impres-
de pessoas a quem o biógrafo agradecia por te, Fairplay, Diners, Correio da Manhã foram so, sonoro, filmado etc, disponível sobre o bio-
lhe terem fornecido informações. Então eu a escola para seu trabalho de biógrafo? grafado. Levo uns dois ou três meses lendo e
concluí: “Ah, sim, é assim que se faz - con- Como você vê, houve uma grande varieda- decupando aquilo tudo, extraio uma lista de
versando com centenas de pessoas...” Claro de de veículos na minha vida profissional possíveis fontes a entrevistar - nunca menos
que não é só isso, como eu viria a descobrir, - e todos foram importantes. Na Manche- de 150 ou 200 - e finalmente saio a campo.
mas o segredo básico era esse: o acesso a te, aprendi como era importante escrever Essa última etapa consome 70% do trabalho.
um número muito grande de fontes. “bem” para uma publicação popular; na Dois, três ou quatro anos depois, convenço-
Fairplay, aprendi a editar - fui o último editor me de que já posso começar a escrever.
Há entrevistas feitas por você publi - desta revista, em 1970, que foi a primeira
cadas, por exemplo, na “Playboy”, que “masculina” do Brasil; na Diners, conheci Nelson Rodrigues, Garrincha, Carmen
são clássicas. Uma boa biografia começa a liberdade dada pelo editor, que era Pau- Miranda eram personagens pelos quais
com entrevistas bem feitas? lo Francis; no Correio da Manhã, o convívio você já se interessava? Como eles surgi -
Pode não começar por aí, mas entrevistas com aqueles veteraníssimos repórteres, co- ram na sua cabeça como biografáveis?
bem feitas são o coração da matéria. Para pys e fotógrafos foi inesquecível - um de- Não escolhi nenhum deles - eles é que “me

16
escolheram”. Todos já faziam parte do meu dia às exigências que eu me pus para decidir continua a ser Carmen - onde vou achar
universo desde a infância. Enfim, há muito que alguém seria verbete - deveria ser uma outro com tanta coisa que me fascina
eu já estava escalado para biografá-los, ape- pessoa atrevida, experimentalista, meio ma- como ela? Talvez por isso eu vá fazer mais
nas não sabia disso. Se, num futuro próximo luca, meio suicida etc. Não bastava ser rica e um livro sobre ela este ano. Mas um livro
ou remoto, surgir um novo nome, será pelo famosa. Ou seja, a receita exigiu um pouco de imagens, a se chamar O álbum de recor-
mesmo processo. das minhas “impressões”. Mas teve também tes de Carmen Miranda.
muita investigação e conversa com inúmeros
E depois de biografá-los, sua impressão vivos. O que talvez seja uma surpresa para Como anda sua produção, o que pode -
sobre eles mudou? O que ficou mais marca - você é que me excluí deliberadamente de vá- mos esperar para 2009?
do para você das personalidades dos três? rios verbetes de que poderia ter participado Um deles é este de que acabei de falar. Ou-
Mudou, sempre para muito melhor. Em to- - não quis que as pessoas achassem que era tro será mais um livro de imagens, só que
dos eles, o que me impressionou ao fim da um livro de “memórias” pessoais. sobre o Flamengo, a ser feito no segundo
investigação e da escrita foi o fato de serem semestre. E, no meio do ano, deve sair mais
grandes intuitivos - foram gênios à sua ma- Algum biógrafo o inspirou, ou há algu - uma coletânea de artigos organizada pela
neira e sem nenhum preparo para isso - e ma biografia, seja nacional ou estrangei - Heloisa Seixas, desta vez de literatura, com
o sentimento de tragédia com que convive- ra, que você tenha lido e tenha pensado o título de O leitor apaixonado. No fim do
ram no fim da vida. ‘puxa, essa é uma excelente biografia’? ano passado, saiu Ruy Castro - Álbum de re-
Que biografias você curtiu ler? tratos, uma minifotobiografia afetiva a meu
Em Ela é Carioca você traça vários Gosto de muitas biografias, e uma das que respeito organizada pela Heloisa. Saiu pela
perfis biográficos de personagens inte - mais admiro é Judy, de Gerold Frank, sobre pequena editora carioca Folha Seca, você
ressantíssimos do bairro de Ipanema, uns Judy Garland, publicada nos anos 70 e nun- viu? E, ah, sim, acaba de sair uma nova edi-
 já falecidos, outros ainda bem vivos. Os ca lançada no Brasil (em compensação, já ção de Rio Bossa Nova, pela Casa da Pala-
verbetes foram feitos a partir das suas lançaram várias bem fraquinhas sobre ela). vra, com dezenas de verbetes novos, e, em
impressões e pesquisas ou você chegou a Sou fã também de uma historiadora já fale- março, sairá de novo pela Companhia das
entrevistar alguém da turma? cida, Barbara Tuchman. Ela me foi de gran- Letras o Livro de insultos de H. L. Mencken,
Uma linda ipanemense famosa que ficou de inspiração nos anos 70. traduzido e editado por mim em 1988 e que
de fora do livro (uma cantora...) me acusou estava fora de catálogo há mais de quinze
de não ter me lembrado dela no livro. Res- Depois de Carmen Miranda, você decla - anos e que muita gente adora.
pondi-lhe que não fiz esse livro com a minha rou que não gostaria de voltar a biografar
própria memória, mas com a memória dos ninguém. Por acaso não mudou de opinião Você concorda que uma biografia
outros. O que queria dizer (mas não disse) nesse tempo? Nenhum personagem o le- pode ser uma boa maneira de se dar uma
é que ninguém se lembrou dela como uma varia a reconsiderar isso? Não há o ‘perso - espiada na vida alheia, tipo um Big Bro -
personagem importante no período básico nagem dos sonhos’ ainda a ser biografado? ther com conteúdo?
em que se passa o livro - até 1970. Na ver- Juro que não tenho ninguém em mente. Querida, nunca vi nem dois minutos desse
dade, apesar de talentosa etc, ela não aten- Por enquanto, o personagem dos sonhos negócio chamado Big Brother.

ALGUMAS DE SUAS OBRAS:

O Anjo Pornográfico* – A Vida de Nelson Rodrigues (1992)


Estrela Solitária – Um Brasileiro Chamado Garrincha (1995)
Ela é Carioca – Uma Enciclopédia de Ipanema (1999)
Carmen, Uma Biografia (2005)
*Disponível na Biblioteca Dr. Romeu Ritter dos Reis.

17
Repaginada
Falada por cerca de 230 milhões de
pessoas no Brasil e no mundo - gente
de Portugal, África e comunidades
asiáticas e americanas - a Língua
Portuguesa passou por uma
na Língua
recauchutagem nesse começo Portugal. Mas, drama! Vamos ter  sério. Fui ministrante e aprendiz
de 2009. A Reforma tem como que reaprender a escrever? Mais o tempo todo” , reconhece. Aqui,
principal objetivo unificar a ou menos... O mais interessante a professora Regina resume um
ortografia da Língua Portuguesa seria reaprendermos juntos, pouco a história dessa Reforma
nos oito países que falam o idioma como ocorreu no curso livre Ortográfica da Língua Portuguesa
- Angola, Moçambique, Cabo sobre o assunto promovido pela – e nos damos conta de que ela vai
Verde, Guiné-Bissau, São Tomé Escola de Verão do UniRitter, além da mera mudança de letras
e Príncipe, Timor Leste, Brasil e em janeiro. A ministrante foi a ou abolição de acentos. Infiltra-se
Portugal - para facilitar o processo professora da Licenciatura e do na cultura dos povos lusófonos e
de intercâmbio cultural e científico Mestrado em Letras do Centro tenta provocar um diálogo mais
e para uma divulgação mais Universitário Regina da Costa efetivo entre eles. Confira um
ampla do idioma e da literatura da Silveira. “Aquela conhecida roteiro elaborado pela professora
em Língua Portuguesa. O Acordo frase rosiana, de Grande Sertão: Regina com as mudanças na
resolverá 98% das diferenças Veredas, ‘mestre não é aquele que ortografia clicando no www.
ortográficas existentes entre  sempre ensina, mas o que também uniritter.edu.br/novaortografia.
o português do Brasil e o de aprende’ foi mesmo levada a (Andréa Lopes) 
 A quem interessa a
Reforma?
“A Reforma Ortográfica torna-
se importante a todos os paí-
ses lusófonos porque avalia
e redimensiona a Língua
Portuguesa não só
como sistema. Trata- dade, tão difícil: para os brasileiros, segundo contos e trechos de ro-
se de uma excelente estimativas, só vai mudar 0,43% do nosso mances dos oito países de
oportunidade para pensar dicionário; para os portugueses, no entanto, idioma português, enquanto se ob-
sobre a ortografia, mas as discussões as alterações ficarão em 1,42%. servava o que havia mudado nesses textos
não podem se restringir apenas ao conjunto diante do Manual da Nova Ortografia.
de regras e sinais que regem a norma culta. Principais mudanças
Imaginar que estamos todos - Angola, Bra- Para nós, caem a maioria dos acentos di- E os problemas apareciam quando?
sil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, ferenciais, acentuação dos ditongos ei e Quando o Manual não dava conta dos
Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste – oi, em paroxítonas, cai o trema, mas nada exemplos. O jeito era recorrermos à inter-
falando a mesma língua significa anular pecu- que nos perturbe tanto quanto o hífen net, para “acordos e diferenças” de opini-
liaridades regionais que cedo se manifestam que ora cai (infraestrutura), ora se man- ões sempre em conjunto. O grupo foi in-
na oralidade e só muito mais tarde passam tém (pós-graduação). Ainda, há casos em terativo e inteligente. Na medida em que
para os registros escritos da norma culta. In- que ele agora deve ser acrescentado (mi- íamos examinando a ortografia, contextua-
teressante lembrar não apenas que essas na- cro-ondas, tele-entrega). E, por acaso, tí- lizávamos no tempo e na geografia os dife-
ções distantes entre si, colônia e ex-colônias nhamos certeza de que aí antes hífen não rentes textos literários lusófonos. Enquanto
portuguesas, possuem em comum algumas havia? Também não há tanta pressa para isso, viajávamos pelos “sítios” da Internet,
normas que regem o Acordo Ortográfico, assimilação dessas novidades: podemos conhecendo os lugares mencionados nos
unificando-se assim o idioma de acordo com nos acostumar com elas até dezembro de contos. Situamos nos mapas as ilhas com
as propostas de cada país, mas saber que a 2012. Enquanto isso, para valer a refor- suas belas praias e cidades de além-mar;
Comunidade dos Países de Língua Portugue- ma nos concursos e processos seletivos, verificamos a situação socioeconômica dos
sa (CPLP) vai pensar a língua pela via compa- só se no Edital for expressa a exigê ncia do países de língua portuguesa. De fato, che-
ratista. E se comparar é apontar diferenças, novo Acordo Ortográfico. gamos a combinar uma viagem, extraofi-
e é também, de modo especial nesse caso, cialmente, para o próximo verão, seja de
pensar numa política identitária para que o  E no curso ministrado no UniRitter, micro-ônibus pelas autoestradas brasileiras,
bloco lusófono ganhe força e dê visibilidade qual a sua impressão sobre os alunos? seja em voos para além-fronteiras: para Lu-
ao idioma, fazendo com que o português se Tinha gente apavorada? anda, na Angola de Luandino Vieira, cida-
torne uma das línguas oficiais da ONU. Aquela conhecida frase rosiana, de Grande de cheiinha de infraestrutura; para Mapu-
Sertão: Veredas, “mestre não é aquele que to, em Moçambique, tantas vezes citada na
Portugal esperneou, não queria a  sempre ensina, mas o que também apren- literatura pós-colonialista de Mia Couto e
reforma. Os portugueses estão sofrendo de”   foi mesmo levada a sério: sob o calor de Paulina Chiziani. Tudo isso em ativida-
mais com ela, certo? ameno de janeiro, fui ministrante e apren- de extraescolar, e, se a crise mundial não
A preocupação maior parece mesmo vir de diz o tempo todo em A língua e a litera- tornar anti-heroica nossa intenção, vamos
Portugal, que deseja manter seus objectos tura em cena para acordos e diferenças. ser, afinal, verdadeiros heróis em mais uma
intactos. A Reforma não chega a ser, na ver- Foi assim que lemos e apreciamos poemas,  jornada da lusofonia.

19
Docentes e Reitoria reunem-se para qualicação
O XI Seminário de Pedagogia Universitá- O evento integra o Programa Institucional de
ria – O melhor Centro Universitário do Rio Apoio à Formação e Qualificação Pedagógi-
Grande do Sul: compromissos e desafios ca Docente, promovido pela Pró-Reitoria de
reuniu professores, coordenadores de curso Ensino - ProEn do UniRitter. A proposta do
e Reitoria para avaliar o trabalho que vem encontro é propiciar a troca de experiências
sendo desenvolvido na Instituição (foto). entre docentes e gerar uma sistemática que
“Não trazemos esse tema para mostrar or- permita a inclusão de novas opiniões nos
gulho ou arrogância, mas para evidenciar debates institucionais. Cada coordenador de
o que fazemos como educadores e o que curso atendeu ao pedido da Reitoria e pre-
Foto: Evelise Morais / UniRitter
podemos melhorar ainda mais”, resumiu o parou uma apresentação baseada no tema
Reitor, Flávio D’Almeida Reis. “A força dos UniRitter em 3D: diferenciais, desafios e dese-
bons deve ser usada em benefício de to-  jos. O momento foi de troca de experiências
dos”, falou a Pró-Reitora de Ensino, Beatriz entre os docentes e a direção da casa, tudo
Felippe, citando um provérbio hindu. preparando o ensino no UniRitter para 2009.

Curso e prova de prociência em Língua Inglesa


marcados para março
O Curso de Letras do Centro Universitário Ritter dos Reis está com as inscrições abertas para o
curso preparatório para a Prova de Proficiência em Língua Inglesa. As aulas serão ministradas de
16 a 19 de março, das 19h às 22h40min, no Prédio D do campus Porto Alegre do UniRitter. Já a
prova de proficiência será aplicada no dia 27 de março, às 14h.

As inscrições para a prova podem ser feitas até o dia 25 de março. Inscrições para o curso e para
a prova podem ser feitas no site do UniRitter. Os resultados serão divulgados até o dia 17 de abril.
Alunos que precisarem do resultado antes dessa data devem entrar em contato com a coordenação
do Curso de Letras logo após sua inscrição, pelo e-mail letras@uniritter.edu.br .

Em pauta, a Lei Maria da Penha


O Núcleo de Relações Comunitárias promoveu, em janeiro, as palestras A Lei Maria

 o
 t  
 o

da Penha e sua efetivação e Violência doméstica e o trabalho interdisciplinar e inter-


 e 
l  
i  
institucional, proferidas pela juíza Osnilda Pisa (foto) e pela professora do UniRitter
 s 
 e 
M

Bárbara Stock. As palestras trataram das dificuldades para a implementação da Lei


 o

 a 
i  
 s 

Maria da Penha e a importância da construção de redes de trabalhos interdiscipli-


 /  
 U 
n
i  
nares e institucionais.

i  
 t  
 t  
 e 

Foram apresentadas as atividades resultantes da parceria realizada em 2008


entre o Juizado de Violência doméstica de Porto Alegre e os Núcleos de Di-
reitos Humanos e Relações Comunitárias do Curso de Direito do UniRitter. Na
ocasião foi também assinado o termo de renovação do convênio interinstitu-
cional entre o UniRitter e o juizado.

20
UniRitter recebe a secretária
   D
   E
municipal de Educação
   M
   S
  o
   ã
  ç
  a
O Reitor do UniRitter, Flavio D’Almeida Reis, e a Pró-Reitora de
  g
   l
  u
  v
   i
Ensino, Beatriz Tricerri Felippe, receberam a secretária municipal
   D
de Educação, Cleci Jurach, no final de janeiro, no campus Porto
Alegre (foto). A secretária realizou uma série de visitas a instituições superiores de ensino com curso de formação em Pedagogia. A
proposta é estabelecer uma parceria para a qualificação da aprendizagem dos alunos na Rede Municipal, através de ações voltadas aos
estudantes e para a formação de professores e monitores. A secretária informou-se sobre os projetos desenvolvidos pelas Licenciaturas
de Pedagogia e de Letras do UniRitter a partir de sua política de responsabilidade social, que tem, como uma de suas principais âncoras,
a articulação da Educação Superior com a Educação Básica e a qualificação dos professores do magistério público estadual e municipal.

Docentes das Licenciaturas do UniRitter participarão da aula inaugural para os professores da Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre,
marcada para o dia 3 de março “Nosso foco é qualificar a rede e para isso precisamos do apoio de todas as instituições que trabalham
em prol do ensino”, destacou a Secretária Cleci Jurach.

UniRitter ca em segundo lugar no Jessup


Alunos do 9º semestre do Curso de Direito do UniRitter par- librada, fomos superados pela equipe da UFMG, terminan-
ticiparam da disputa Philip C. Jessup International Law do a competição em 2º lugar”, conta Gabriel. Como
Moot Court Competition, realizada na Universidade destaque, a equipe do UniRitter recebeu alguns prê-
Federal de Ouro Preto/MG, em fevereiro. No total, mios: Melhor Memorial (trabalho escrito) – média
oito equipes participaram da disputa – além do dos memoriais de Applicant e Respondent; Me-
UniRitter, USP, UFMG, UFRGS, Pitágoras-FADOM, lhor memorial de Respondent; Melhor orador da
UniSantos, UPF e FGV. Integraram a equipe do final (Gabriel Freitas); 5º Melhor Orador (Menon
UniRitter o professor Felipe Reis, Coordenador do Machado) e 2º Lugar na Etapa Nacional. “Há a
Núcleo de Relações Internacionais, e os acadêmicos possibilidade de que os dois finalistas brasileiros re-
João Roberto da Silva Tinen (orientador da equipe), Ga- presentem o Brasil na etapa internacional, que ocorre
briel Freitas e Menon Machado (oradores). “Tivemos um no final de março, em Washington, devido ao excelente de-
desempenho muito bom. Na final, em uma disputa muito equi- sempenho de ambos os grupos”, antecipa o acadêmico.

Turma da Arquitetura em estudos pela Europa


Um grupo de 14 alunos da Faculdade de Arquitetura do UniRitter, acom- D 
i  
panhados de quatro professores, estiveram na Europa participando da

 u
l  
 g
 a 
viagem de estudos Arquitetura, Cidade, Cultura: Barcelona e Paris, de 12
 ç 
 ã 
 o
 U 
de janeiro a 2 de fevereiro. n
i  

i  
 t  
 t  
 e 

O curso abordou a relação entre Arquitetura, Cultura e Cidade tendo


como estudo de caso as cidades europeias. Os professores Leonardo Hor-
tencio, Tiago Holzmann, Margot Caruccio e Raquel Lima orientaram os
acadêmicos na viagem. Foram duas semanas em Barcelona e uma em
paris estudando a Arquitetura e o Urbanismo dessas cidades com base
nos conteúdos aprendidos durante o curso. No grupo estão alunos de
diversos semestres, além de dois ex-alunos formados recentemente.

21
Um arquiteto em busca do equilíbrio
entre a continuidade e a ruptura
A
ndré Luís Polezelo nasceu em O conjunto arquitetônico projetado por Arquitetura. “Trata-se de uma atividade
contato com a Construção Ci- André prevê a implantação de um obje- transdisciplinar, que reconhece as energias
vil. Filho de mestre de obras na to alicerçado em dois eixos fundamentais de cada lugar, assume a intrínseca relação
pequena Nova Prata, cidade localizada de intervenção - a cidade e o bairro. Essas com o ser humano e a perfeita harmonia
na encosta superior nordeste do Esta- interfaces são geradoras de um espaço da natureza na busca de uma sociedade
do, a 180 quilômetros da Capital, desde aberto e um outro fechado, na área da mais justa”, resume. (Andréa Lopes)
pequeno as casas imagináveis em cro- Secretaria de Turismo e no centro para
quis eram uma diversão para ele. André visitantes, proporcionando um mix de
credita a essa brincadeira de infância e serviços institucionais, culturais, logísticos
à aproximação com o pai a inspiração e de lazer. “A implantação, a linguagem
para seguir a carreira de arquiteto – e o caráter do projeto são embasados em
formou-se na Faculdade de Arquitetura conceitos da arquitetura moderna brasilei-
e Urbanismo do UniRitter em agosto de ra”, teoriza. “Minha intenção era melho-
2008. Hoje, aos 29 anos, o profissional rar um espaço relevante e recorrente das
traz na bagagem um prêmio de reco- transformações culturais, históricas, po-
nhecimento nacional – no final do ano líticas e sociais da cidade, reconhecendo
passado, André recebeu das mãos do seu caráter público e sua dinâmica, além
Prefeito de Porto Alegre, José Fogaça, a de suas relações com os contextos micro
láurea Destaque Acadêmico, concedida e macro e com a morfologia da cidade.”
pela Sociedade de Engenharia do Rio O arquiteto não pensou na possibilidade
Grande do Sul. A premiação deu-se em de seu projeto ser realmente concretizado,
função de seu projeto de conclusão de mas entregou uma cópia para a equipe
curso sobre a nova sede da Secretaria de da Secretaria Municipal de Turismo
Turismo e o Largo Zumbi dos Palmares, em agradecimento à atenção com
localizado no bairro Cidade Baixa, em sua pesquisa.
Porto Alegre (confira imagens do proje-
to na página ao lado, na seção Traço Para ele, a viabilidade de qualquer
Livre). “Fiquei extremamente feliz com trabalho arquitetônico nasce de
o reconhecimento e por tudo que viven- soluções construtivas recorrentes
ciei e aprendi na FAU/UniRitter, sobretu- e do estudo criterioso do lugar.
do com professores maravilhosos como “Em Arquitetura em geral, a
Cláudio Araújo, Sérgio Marques e Hele- necessidade de soluções que
na Karpouzas”, afirmou o rapaz na oca- incorporem as dimensões
sião. A escolha dos laureados obedeceu culturais, históricas, políti-
a critérios de mérito e de público reco- cas e sociais dos lugares
nhecimento, considerando seu alcance geralmente esbarra em
social e humano. “Pretendo percorrer interesses pessoais, da es-
uma linha de trabalho profissional entre fera pública e da privada.
a ruptura e a continuidade. Ruptura com Para vencer essa barreira a
a academia, continuidade dos conceitos capacitação profissional tor-
e ideais, concebendo projetos que incor- na-se um diferencial”, ensina.
porem as dimensões sociais, culturais e Contudo, qualquer percalço
econômicas dos lugares”, adianta. vira desafio frente à paixão pela

22
Confira imagens do projeto para
o Largo Zumbi dos Palmares,
elaborado pelo egresso de Arqui-
tetura e Urbanismo do UniRitter
André Luís Polezelo
(leia mais na página ao lado).

23
24