Vous êtes sur la page 1sur 1

Sociedade do cansaço

16 SETEMBRO, 2016 | POR ISABELA GAGLIANONE

Já filósofo
O
Han
“A não
sociedade
tem
vivemos
atualizado
sul-coreano
doem
trabalho
uma
osradicado
temas
sociedade
e a sociedade
dana
filosofia
imunológica:
Alemanha,
do
alemã de
a
Byung-Chul Han,
violênciasimples
desempenho
professor
maneira imanente
universitário
não esão
original:
aosociedades
sistema
de filosofia
analisando
é neuronal
livres.
e estudos
oElas
homem
e, geram
portanto,
novas
culturais
contemporâneo,
coerções.
na
nãoUniversidade
desenvolve
Aa dialética
subjetividade,
uma
dedoArtes
reação
senhor
asem
novas
de
eBerlim,
escravo“Sociedade
rejeição
formas no
de do

corponão
está,
Byung-Chul
dominação,
social.
emaHan,
última
depressão
teve
instância,
o livro
e as esperanças,
Sociedade
para aquela
doseus cansaço”
sociedade
cansaço
escritos parecem
publicado
na qualdefinir
cada
no Brasil
um
diretamente
éem
livre
2015,
e que
ocom
que
seria
tradução
somos,
capaz
também
de
no Enio
mundoPaulo
deem
terque
Gianchini,
tempo
vivemos.
livre
pela
para
editora
o lazer.
Vozes.
Leva, ao
contrário, a uma sociedade do trabalho, na qual o
próprio senhor se transformou num escravo do
trabalho. Nessa sociedade coercitiva, cada um
carrega consigo seu campo de trabalho. A
especificidade desse campo de trabalho é que
somos ao mesmo tempo prisioneiro e vigia, vítima e
agressor. Assim, acabamos explorando a nós
mesmos. Com isso, a exploração é possível mesmo
sem senhorio”.