Vous êtes sur la page 1sur 35

Redes Públicas

• Internet
– A internet é a rede por comutação de pacotes mundial
desenvolvida a partir da ARPANET que foi desenvolvida no final
dos anos 60 para o Departamento Americano de Defesa.

– A Internet é a maior rede de informação e existem vários


Internet Service Providers (ISP) que fornecem serviços internet
tanto para clientes particulares ou empresas.

– O envolvimento de serviços comerciais, novas tecnologias de


acesso e serviços de voz e vídeo vão a aumentar a sua
importância num futuro próximo.
Redes Públicas
Redes de Rádio e Televisão

• As redes de rádio e televisão são geralmente redes de rádio


unidireccionais para comunicação de massas.

• Tradicionalmente os operadores dessas redes não forneciam


serviços de telecomunicações bidireccionais.

• Com a difusão da rede de televisão por cabo de banda larga aos


clientes, esta plataforma já fornece comunicações bidireccionais,
como telefone fixo ou acesso a alto débito à internet.
Redes Privadas

• As redes privadas são construídas e projectadas para


servir as necessidades das organizações particulares.

• Geralmente, são as organizações que constroem e


mantêm as suas próprias redes.

• Os serviços fornecidos poderão ser voz, dados, e por


exemplo, informação especial de controlo.
Redes Privadas
• Redes Privadas de Comunicação de Voz

– Exemplos de redes dedicadas de voz são as redes da policia e


outros serviços de emergência e organizações de táxis usando
o Rádio Móvel Privado (PMR). As companhias de caminho de
ferro também têm redes de voz privadas usando cabos ao longo
das linhas.

• Redes de Comunicação de Dados

– As redes de comunicação de dados são redes dedicadas que


são especialmente concebidas para transmissão de dados entre
departamentos de uma dada organização. Por exemplo, os
bancos, cadeias de hotéis, agencias de viagens, etc.
A Rede Telefónica
Rede de Acesso Local
•A rede de acesso local
fornece a ligação entre os
clientes e o comutador local.
• Existem vários meios e
tecnologias empregues na
rede de acesso local.
•Por exemplo, um telefone
normal, uma linha RDIS ou
ADSL usam dois pares de
cobre.
•Clientes especiais podem
necessitar de linhas de
grande capacidade e utilizam
fibra óptica ou ligação de
microondas.
A Rede Telefónica
Comutador Local
•A linha de assinante está ligada ao
comutador local, que é o nível mais baixo na
hierarquia de comutação.

•As funções do comutador local são:


•Determinar se é possível estabelecer
ligação;

•Ligar um assinante a outro na mesma


área local;

•Ligar o assinante a um comutador


regional para ligações de longa
distância;

•Converter uma ligação 2-fios numa


ligação 4-fios;

•Converter sinal de voz analógico em


sinal digital (PCM);
A Rede Telefónica
Rede interurbana
• Constituída por comutadores que
estão ligados entre si e que permitem
que qualquer assinante comunique
para outro em qualquer ponto do
país.

• As ligações entre comutadores são


feitas com ligações ópticas de
elevada capacidade (acima de 2.4
Gbits/s).

• Estas ligações têm a capacidade de


redundância.

• Aos sistemas de transmissão que


ligam a rede interurbana, é chamada
a rede de transmissão ou
transporte.

• Os comutadores interurbanos
encontram-se normalmente nas
maiores cidades.
A Rede Telefónica
Rede Internacional
• Cada país tem pelo menos um
centro de comutação
internacional sobre o qual toda
a rede interurbana está ligada.
• É através destes comutadores
que as chamadas internacionais
são estabelecidas.
• As ligações de alta capacidade
são feitas utilizando ligações
ópticas, via satélite, microondas,
ou cabos submarinos.
• O primeiro cabo submarino
telefónico que atravessou o
Oceano Atlântico data de 1936
e tinha a capacidade de 36
canais de voz.
• Os cabos submarinos ópticos
actuais têm a capacidade de
centenas de milhares de canais
de voz.
• Os sistemas de satélite são
usados como canais de backup
no caso de congestão
A Rede Telefónica
Hierarquia de Comutação

Ligações internacionais
Estação de tráfego internacional

Estações Interurbanas

Estações Principais

Estações Regionais

Estações Locais
Redes de Dados
Vantagens das redes de comunicação de dados:

- partilha de recursos: minimizar os custos e tempo. Por ex. partilha


de dispositivos caros. Permitir o acesso a recursos por parte de
pessoas localizadas a grande distância. E abandono dos
mainframes (dispositivos extremamente caros);

- distribuição mais rápida e eficiente da informação levando a


melhor organização. Bases de dados nacionais/internacionais;

- maior fiabilidade: recursos podem ser replicados em várias


máquinas - redundância (importante por ex. em processos
industriais químicos, centrais nucleares);

- Automatização de sistemas industriais;

- Processamento distribuído : maior rapidez;

- excelente meio de comunicação entre pessoas.


Redes de Dados

• Classificação:

• Aplicações telemáticas tradicionais

• Aplicações multimédia

• Novas aplicações telemáticas


Redes de Dados
• Aplicações telemáticas tradicionais
– Aplicações associadas à criação das primeiras redes de
informáticas e que não exigem requisitos apertados de
qualidade de serviço (em termos de débito e atrasos).
Exemplos:
• Acesso remoto a ficheiros:
- FTP (File Transfer Protocol);
- NFS (Network File System) que assenta na utilização de RPC
(Remote Procedure Call);
- Partilha de ficheiros em ambientes Windows9X, ME, NT, 2000,
XP (através do Network Neighbourhood) e SAMBA para partilha
de ficheiros entre sistemasUNIX e Windows.
- Aplicações P2P.
• Acesso remoto a sistemas informáticos:
– Telnet e rlogin permitem ter acesso a sistemas remotos através
de terminais virtuais.
– Existem outros actualmente utilizados em ambientes Windows
tais como o VNC, remote sharing, etc.
Redes de Dados
• Acesso remoto a recursos: por exemplo, impressoras.;

• Acesso a bases de dados;

• Comunicação entre utilizadores: talk, e-mail, news, forums de


discussão, IRC (Internet Relay Chat), ICQ (I seek you), etc;

• Aplicações de acesso a informação: WWW (World Wide Web)


que disponibiliza informação através de documentos hipermédia,
escritos em linguagem HTML (Hypertext Markup Language).
Disponibilizam informação do tipo texto, gráfica e multimédia. WAP
para acesso a browsers a partir de telemóvel.

• Suporte de funcionamento das redes: DNS, DHCP, SNMP, etc.


Redes de Dados
• Aplicações multimédia
– Transferência de informação que pode ser constituída por
dados, imagens paradas, ou em movimento (vídeo) e som.
Exige normalmente elevados requisitos de qualidade de
serviço.
Exemplos:
– Videotelefone, video-conferência (VoC), vídeo a pedido (Video-
on-Demand - VoD), voz sobre IP (Voice over IP - VoIP)

• Novas Aplicações Telemáticas


– Exemplos: super-computação distribuída, tele-medicina,
realidade virtual, etc.
Redes de Dados
Classificação segundo a área física/geográfica:

•Redes miniatura
- Redes de comprimento até 5 cm, para ligação de elementos
dentro do mesmo circuito impresso (normalmente
transmissão em paralelo).
•Redes Pequenas
- Redes de comprimento até 50 cm, para ligação de placas
dentro do mesmo equipamento (normalmente transmissão em
paralelo).
•Redes de área pessoal (Wireless Personal Area Networks -
WPAN)
- Redes de comunicação sem fios utilizadas por exemplo para
a ligação de periféricos a computadores e utilizadas em áreas
restritas. Exemplos: IEEE 802.15 baseada na Bluetooth™
v1.1 (http://www.bluetooth.org).
Redes de Dados
• Redes de armazenamento (Storage Area Networks – SAN)
– Redes de interligação de servidores a dispositivos de
armazenamento em massa.
Redes de Dados

• Redes de Computadores

– Redes locais (LAN – Local Area Network);


– Redes Metropolitanas (MAN- Metropolitan Area Network);
– Redes de Área alargada (WAN – Wide Area Network).
Redes locais (LAN – Local Area
Network)
-Redes de computadores mais
utilizadas. Servem normalmente
para ligação de computadores no
mesmo edifício ou edifícios
adjacentes (podem atingir alguns
km);

-Utilizadas para partilha de recursos


como ficheiros e impressoras e para
acesso a outras redes;

-Estas redes são normalmente


classificadas de acordo com 1)
tamanho, 2) tecnologia; e 3)
topologias;

- Actualmente a tecnologia de rede


mais utilizada é a Ethernet.
Redes de Dados
Redes de Dados
• Redes Metropolitanas (MAN- Metropolitan Area Network)
- Interligam tipicamente redes LAN da mesma cidade. Podem ser
vistas como uma versão maior das LAN podendo utilizar as
mesmas tecnologias que as LAN. Utilizadas para interligar
instituições pertencentes ao mesmo organismo;
- Redes com algumas dezenas de Km.
Redes de Dados
Redes de Área alargada (WAN – Wide Area Network)
- Redes de longa distância (cobrem distâncias de centenas ou
milhares de km) no mesmo país (nacional) ou países diferentes
(internacional);
- Tipicamente interligam LANs ou WANs. A sua ligação utiliza
geralmente operadores públicos (Por ex. Telecom);
Redes de Dados
Redes de Dados
Rede telefónica (PSTN - Public
switched telephone network). Neste
caso deverá ser utilizado um modem em
cada extremo da ligação para converter
os sinais digitais em sinais analógicos).

• ALUGUER de linhas:
Se as LANs a ligar pertencerem à mesma empresa e se tiverem de trocar
grandes quantidades de informação, normalmente alugam-se linhas de
transmissão aos operadores públicos. Neste caso teremos uma rede
empresarial privada de longa distância. Estas soluções são viáveis apenas
quando existe um tráfego suficientemente intenso para justificar o custo do
aluguer das linhas.
Redes de Dados
•Redes PSDN – Public Switched Data Network.

•As operadoras públicas começaram a converter as redes PSTN de modo a


integrarem dados e voz (sem necessidade de modems).

•Estas redes são chamadas ISDN (Integrated Services digital network) em


português RDIS (rede digital de integração de serviços).
Funções de um sistema de
comunicações
• Utilização do Sistema de Transmissão – Tornar possível a partilha
de recursos por vários utilizadores. Necessidade de multiplexagem.
• Interfaces – Realização de interface entre um serviço e os meios
físícos que o suportam.
• Geração de sinais – Forma e intensidade adequados para que a
informação,
• seja transmitida através do meio físico de transmissão;
• seja interpretada no receptor;
• Sincronismo – É necessário garantir que o receptor quando a
informação começa a chegar e quando termina.
• Controlo da ligação – Necessidade de controlo de início e de fim de
ligação. Exemplo: Telefone.
• Detecção e correcção de erros – Fundamental quando não podem
existir erros. Exemplo: transferência de ficheiros de um computador
para outro.
Funções de um sistema de
comunicações
• Controlo de fluxo – Para que o transmissor não envie dados que o
receptor não possa receber.

• Endereçamento e encaminhamento - Estabelecimento de caminhos


entre emissor e receptor.

• Recuperação – Diferente da correção de erros. Capacidade da rede


reestabelecer uma ligação perdida no ponto onde foi perfida.
Exemplo: transferência de ficheiros.

• Formatação das mensagens – Acordo entre transmissor e receptor


sobre a forma de trasnmissão da informação. Exemplo:encriptação.

• Gestão de rede – Configuração, monitorização reação a colapsos,


plano de crescimento.
Modelo OSI
Arquitecturas de comunicação:
• Agrupamento de determinadas funções de uma rede em camadas
-“DIVIDE TO CONQUER”
A distribuição de funções por camadas tem como principais vantagens:
- Facilitar a concepção do sistema. É possível desenvolver as
camadas independentement preocupando-nos apenas com
questões de interface entre as camadas;
- Facilitar a sua manutenção posterior. Se a qualquer momento for
necessário alterar uma camada por esta ser ineficiente ou por
surgirem novas tecnologias bastará refazer essa camada sem
termos de alterar as outras camadas.
Modelo OSI
• Exemplo de uma estrutura de tarefas por camadas
Modelo OSI
• Modelo OSI – Open System Interconnection da ISO –
International Standards Organizations:

- Surgiu no início dos anos 80 com o objectivo de criar protocolos de


comunicação de dados que facilitassem a inter-operatividade
entre vendedores;
- Na altura, foi considerado o protocolo final para inter-operatividade
mundial;
- Falhou porque criou um conjunto de especificações nunca sujeitas
a qualquer implementação, contrariamente ao protocolo IP;
- no entanto, modelo que serviu e serve de referência à
implementação de novas arquitecturas;
Modelo OSI
Modelo OSI
Modelo OSI
Modelo OSI
Objectivos da Disciplina
• O âmbito da disciplina está ao nível da a camada 1 do
modelo OSI.
• Caracterização dos sinais;
• Conversão analógico-digital;
• Transmissão digital;
• Transmissão analógica;
• Utilização da largura de banda disponível:
multiplexagem e espalhamento espectral;
• Meios de transmissão;
• Comutação;
• Transmissão de dados pela rede telefónica e rede de
televisão por cabo.
Bibliografia
• Anttalainen, Tarmo – “Introduction to Telecommunications Network
Engineering” Artech House Publishers 1999.
• [4] Data Communications Networking, 4th Edition
Behrouz A Forouzan, DEANZA COLLEGE, McGraw-Hill;
• [5] Data Communications, Computer Networks and Open Systems,
Fred Halsall, Addison-Wesley;
• Gabriel Pires - Apontamentos de Redes de Dados, IPT
• Pedro Correia – Apontamentos de Telecomunicações e Redes
Integradas