Vous êtes sur la page 1sur 2

ESCOLA MUNICIPAL ___________________________________________________________________

TERESINA, _________ DE ________________________________________________________ DE 2018.


ALUNO(A): _____________________________________________________________________________
PROFESSOR(A): _________________________ TURMA: ___________ TURNO: _________________

ATIVIDADE – LÍNGUA PORTUGUESA – 7º ANO / 2ª REVISÃO BIMESTRAL

Leia o texto e responda às questões de 1 a 3. Leia o texto e responda às questões de 4 a 6.

Um pequeno conto: A rosa e o cravo

Num jardim um aroma chama atenção, este exala


por todo jardim. Lá bem no meio, a mais bela de todas
as rosas vive a sonhar. Um belo dia, plantaram bem
juntinho dela um cravo. Este se pôs a crescer, tão belo
e charmoso, cobiçado por todas as rosas.
Mas este se encantou só por uma delas, a mais
bela de todas. Esta, por tua vez, nem lhe deu bola,
coitado do cravo! Sentiu-se o mais infeliz. De tantas
flores belas, foi logo escolher justo ela! A rosa mal
dava bola, mal olhava pra ele.
Este foi entristecendo e com o passar dos dias foi
definhando cada vez mais. Foi arrancado deste jardim
e jogado fora. Quase sem vida, passou uma pessoa e o
viu ali naquele estado. Pegou-o com muito cuidado e
carinho, levou pro teu jardim, e o plantou com todo 4. (D16) O trecho que há presença de humor é
amor. a) “Isso eu também eu não sei. ”
Passado o tempo, este cresceu lindo novamente, b) “Pai, por que os barcos não afundam? ”
cobiçado por todas as rosas. Lá viveu seus dias feliz c) “Pai você não se incomoda de eu ficar fazendo essas
esquecendo que um dia conheceu a mais bela que perguntas, não é? ”
amor a ele negou. Hoje quem vive só é ela .... pois d) “Claro que não, meu filho! Se você não perguntar,
nunca vai aprender nada! ”
amor lhe negou e igual a este...... jamais encontrou.
5. (D12) O texto tem a finalidade de
https://www.recantodasletras.com.br/contosdefantasia/1685588
a) instruir o filho sobre como pescar.
b) narrar uma pescaria de um pai com seu filho.
1. (D10) No texto, o que gera o conflito é o fato
c) opinar sobre os ensinamentos dos pais para seus filhos.
a) do cravo ser arrancado do jardim.
d) narrar de forma divertida uma conversa entre pai e filho.
b) de todas as rosas quererem o amor do cravo. D
c) da rosa não corresponder ao amor do cravo. 6. (D4) De acordo com o trecho “Pai você não se incomoda
d) da rosa que negou amor ao cravo terminar sozinha. de eu ficar fazendo essas perguntas, não é? ”, por que o
filho pensou que o pai estava incomodado?
2. (D11) O que levou o cravo a se sentir o mais infeliz? _______________________________________________
_______________________________________________ _______________________________________________
_______________________________________________
Leia o texto e responda às questões de 7 a 9.
3. (D17) O ponto de exclamação em “...coitado do
cravo!” expressa QUE SORTE A NOSSA (Matheus e Kauan)
a) espanto.
b) compaixão. Diz que pensa tanto em mim
c) indignação. Que tá querendo me ver
d) admiração. Diz que tá me lembrando bastante
Acredito em você

Tô sabendo de tudo, tô lendo seus recados


Minhas fotos que você curtiu, tô seguindo você
E aí, o que é que a gente vai fazer?
Diz aí, se você quer e eu também tô querendo você
Tantos sorrisos por aí, você querendo o meu
10. (D2) A palavra destacada em “O homem era um
Tantos olhares me olhando e eu querendo o seu
Eu não duvido não, que não foi por acaso assassino condenado” refere-se ao
Se o amor bateu na nossa porta, que sorte a nossa a) Carlos Cavalcanti.
b) George Andrade.
Tantos sorrisos por aí, você querendo o meu c) Philip Workman.
Tantos olhares me olhando e eu querendo o seu d) leitor.
Eu não duvido não, que não foi por acaso 11. (D18) No trecho “Digo isso porque achei a
Se o amor bateu na nossa porta, que sorte a nossa
linguagem muito cheia de termos técnicos...”, a
(...) palavra em destaque foi usada para estabelecer relação
de
http://www.suasletras.com/letra/Matheus-e-Kauan/Que-Sorte-A-Nossa/21904 a) explicação.
b) conclusão.
c) oposição.
7. (D9) Qual a ideia transmitida pela última estrofe do
d) adição.
texto?
_______________________________________________ 12. (D3) Em “...ter o direito de tentar se redimir...”, a
_______________________________________________ palavra destacada possui o sentido de
8. (D6) O tema do texto é a) desculpar.
a) uma desilusão amorosa. b) libertar.
b) a sorte de encontrar um amor. c) obrigar.
c) uma troca de mensagens entre um casal. d) livrar.
d) uma relação de amor não correspondido.
9. (D19) Em “E aí, o que a gente vai fazer? ”, se o sujeito
fosse substituído por “nós”, como a oração ficaria? GABARITO
_______________________________________________
1. C
_______________________________________________
2. A rosa por qual o cravo se encantou
Leia o texto e responda às questões de 10 a 12. não ter lhe dado bola.
3. B
Parabéns para a revista pela matéria sobre os pedidos 4. D
de “última refeição” dos condenados à morte. Achei 5. D
muito interessante, respeitosa até, a maneira como a 6. Porque o filho estava lhe fazendo
revista abordou o assunto. Mas fiquei surpreso com a muitas perguntas e ele não respondia
generosidade do condenado Philip Workman, além de nenhuma.
achar uma crueldade não terem atendido seu último 7. O eu lírico se sente valorizado e amado.
pedido. O homem era um assassino condenado, mas 8. B
tentou realizar um último ato de bondade antes de 9. “E aí, o que nós vamos fazer? ”
10. C
morrer e não foi atendido. Acho que todos deveriam
11. A
ter o direito de tentar se redimir e acalmar um pouco a
12. A
consciência. Pelo menos o gesto inspirador dele
motivou outras pessoas a realizarem seu desejo. Só a
Mundo Estranho para trazer matérias tão
interessantes sobre assuntos que ninguém merece!
Parabéns, pessoal. George Andrade, por e-mail.

Pisou na bola

Muito fraca a reportagem sobre personalidade. Digo


isso porque achei a linguagem muito cheia de termos
técnicos, o que não combina com a revista. Também
achei a matéria muito curta: quando começa a ficar
interessante, acabou! Pisaram na bola dessa vez,
edição. Carlos Cavalcanti, Salvador – BA.

Por: Miriã Lira

Centres d'intérêt liés