Vous êtes sur la page 1sur 5

CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS

EFA SECUNDÁRIO

Relatório do Inquérito sobre a Crise


Económica Espalhada PELO Mundo

No âmbito das Áreas de Competência de Cultura, Língua e Comunicação e de Sociedade,


Ciência e Tecnologia do Curso EFA Escolar Secundário de Iniciação, foi-nos proposto pelos
respectivos formadores redigir um pequeno relatório ao Inquérito que cada um de nós desenvolveu
nas sessões. Em consequência disso, concebi este pequeno relatório, que terá como base, saber a
opinião de algumas pessoas respondendo a algumas questões sobre a Crise Económica espalhada
pelo Mundo.
Comecei então por elaborar as questões, sem alguma dificuldade.
Depois de o inquérito pronto, enviei por e-mail aos respectivos formadores para correcção,
sendo devolvido por estes para ser impresso.
No final foi entregue, no total de 30 inquéritos, a formandos e formadores das duas turmas do
Curso EFA Secundário, para ser preenchido.
Após serem preenchidos pelos diferentes formandos e formadores consegui obter os
seguintes resultados:

Pergunta 1 – Sabe o que é a crise?

Nesta questão foi afirmada por 27 pessoas que sabiam o


10% que era a crise, conseguindo obter assim 90% dos
resultados. E apenas 3 pessoas responderam que sabiam
0%
mais ou menos o que era a crise, só obtendo assim por
conseguinte 10% dos resultados.

90%

SIM NÃO MAISOUMENOS

FORMANDO: Nuno Renato Paiva Gonçalves


Página 1 de 5
CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS
EFA SECUNDÁRIO

Pergunta 2 – Sentia-se preparado para a Crise Económica?


A seguir nesta questão 13 inquiridos
responderam que se sentiam mais ou menos
27% preparados para a Crise Económica, obtendo assim
43% 43%. 9 inquiridos responderam que não estavam
preparadas, obtendo 30% e 8 inquiridos responderam
que sentiam-se completamente preparadas para a Crise
30% Económica. Estas tiveram um resultado de 27% das
respostas.
SIM NÃO MAISOUMENOS

Pergunta 3 – Está de acordo que a crise gera insegurança?

Como se verifica através do gráfico nota-se que


quem está completamente de acordo que a crise gera
13%
insegurança, obteve o resultado máximo de 74%,
13% respondida assim por 22 pessoas. Por sua vez quem
não está de acordo e quem está indiferente obtiveram o
mesmo resultado, de 13%, respondido, por 4 pessoas.
74%

SIM NÃO MAISOUMENOS


Pergunta 4- Acha que a crise existe em todas
as classes sociais?

Através deste gráfico, verifica-se que 63% dos inquiridos


acha que a crise não existe em todas as classes sociais,
10%
27% conseguindo obter 19 respostas iguais. Alguns dos
inquiridos reponderam que acham que a crise existe em
todas as classes sociais, obtendo 27% das 8 respostas
obtidas. A minoria respondeu que talvez achassem que a
63% crise existisse em todas as classes sociais, obtendo deste
modo, só 10% de 3 respostas obtidas.
ACHO NÃOACHO TALVEZACHO

FORMANDO: Nuno Renato Paiva Gonçalves


Página 2 de 5
CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS
EFA SECUNDÁRIO

Pergunta 5 – Como pode combater a crise?

Nesta questão notou-se que a maioria dos


inquiridos respondeu que a melhor maneira de combater a
crise é poupando nas despesas, obtendo um resultado de
33%
67%, das 20 respostas conseguidas. A minoria das
pessoas acha que tanto poupando, ou não dar ouvidos
0% 67% aos outros não são as soluções para combater a crise, e
só será resolvida tomando outras precauções.
Responderam assim 10 inquiridos, alcançando um valor
POUPANDO
de 33%.
NÃODAROUVIDOSAOSOUTROS
TOMAROUTRASPRECAUÇÕES

Pergunta 6 – Onde acha que pode poupar nas suas despesas?


Aqui neste gráfico, 70% dos inquiridos, acharam
3%
que a maneira de poupar nas despesas não será na
27%
alimentação, ou no vestuário, mas sim em outras
inúmeras coisas. Houve neste caso 21 respostas obtidas.
Outros responderam a 8, que a melhor maneira de poupar
70% era no vestuário, alçando um valor de 27%. E só uma
pessoa respondeu que devia gastar menos dinheiro na
alimentação, obtendo só um resultado de 3%.
NA ALIMENTAÇÃO NOVESTUÁRIO OUTROS

Pergunta 7 – Mesmo poupando nas suas despesas consegue poupar algum


dinheiro?
Afirmou-se nesta questão que os inquiridos conseguem
poupar pouco dinheiro com 47% das 14 respostas obtidas.
20%
33%
33% de outros inquiridos certifica-se que ainda fazem
alguma poupança, sendo considerada esta opinião por 10
inquiridos. A minoria rende-se aos 20%, obtidas por 6
pessoas. Estes dizem que não conseguem fazer qualquer
47%
poupança, devido a salários baixos, preços altos e uma
grande taxa de desemprego elevada existente na sua
ALGUM POUCO NENHUM família.

FORMANDO: Nuno Renato Paiva Gonçalves


Página 3 de 5
CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS
EFA SECUNDÁRIO

Pergunta 8 – Acha que a crise poderá facultar ao governo uma decisão de


aumentar o salário mínimo e baixar o preço dos produtos considerados de
primeira necessidade?
Neste gráfico a maioria obteve 54% das 16 respostas
alcançadas. A maior parte dos inquiridos não acham que a
23% 23% crise poderá facultar ao governo uma decisão de
aumentar o salário mínimo e baixar o preço dos produtos
considerados de primeira necessidade. Mas 23% estão de
acordo com a questão e outros ponderam esta situação.
54% Como estes obtiveram a mesma percentagem, tiveram o
mesmo valor de respostas: 7.
ACHO NÃOACHO TALVEZACHO

Pergunta 9 – Na sua opinião, que factor originou este pesadelo?


Nesta questão liderou que os factores culpados
pela Crise foram vários como: o governo, a população, o
20% desemprego e a nova moeda. 67% tinha esta opinião,
sendo abrangida por 20 respostas da parte dos inquiridos.
13% Por conseguinte 20% acha que a culpa deste pesadelo só
67% 0% pode ter sido do governo, obtendo neste caso 6 respostas
0%
alcançadas e 13% acha que o desemprego também pode
ter sido o factor que originou a Crise, obtendo neste
inquérito 4 respostas abrangidas.
GOVERNO DESEMPREGO
POPULAÇÃO NOVA MOEDA
TODOSESTESFACTORES

Pergunta 10 – Está de acordo, que um dia a Crise será ultrapassada, e teremos


mais estabilidade económica?
Através deste gráfico, 50% dos inquiridos abrangeram que
acreditam que a Crise será ultrapassada, gerando a partir
daí melhores recursos financeiros. Esta percentagem foi a
40%
maioria nesta questão, sendo obtida por 15 respostas
50% iguais pelos inquiridos. Alguns dos 40%, com 12
respostas, suponham que a Crise pode ser ultrapassada.

10%

SIM NÃO TALVEZ

FORMANDO: Nuno Renato Paiva Gonçalves


Página 4 de 5
CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS
EFA SECUNDÁRIO

A minoria não acredita que a Crise será ultrapassada. Alcançaram destes inquiridos 10%, de 3
respostas dadas por estes.
Conclusão:
Concluindo este relatório, reparei que quase todos os que responderam, disseram que sabiam
o que é a Crise Económica, e pouco previam esta situação.
Estamos a passar por uma crise, nunca antes vista, mas existe muita população que esteja
pior que nós. Todos nós vivemos a Crise de diferentes maneiras, dependendo dos rendimentos.
Claro com um ordenado mínimo, preços exagerados de produtos de consumo de primeira
necessidade, pouco ou nenhum se pode poupar.
Só dependendo dos rendimentos, é que se verá se dá para poupar em alguma coisa ou não.
Os factores que deram luz a este grande pesadelo são diversos e diz respeito a sociedade
onde estamos e que fazemos parte. Não damos conta, mas inúmeras vezes pelas nossas atitudes
somos culpados por esta Crise.
Não se sabe quando este pesadelo será eliminado, mas todos nós temos uma esperança que
seja ultrapassado para breve.

FORMANDO: Nuno Renato Paiva Gonçalves


Página 5 de 5