Vous êtes sur la page 1sur 16

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO INTERCONTINENTAL DE LUANDA

DEPARTAMENTO DE ENSINO E INVESTIGAÇÃO DAS


CIÊNCIAS DA ENGENHARIA E TECNOLOGIA

PRÉ – PROJECTO

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE


TRANSPORTE – MÓDULO VENDA DE BILHETES DE
PASSAGENS

TRANSMAYA, LDA 2018.

Autor: Simão Guedes Cangombe Ribeiro


Licenciatura: Engenharia Informática
Opção: Programação
Orientador: Aldair André da Silva, Lic.

LUANDA, 2019
INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO INTERCONTINENTAL DE LUANDA
DEPARTAMENTO DE ENSINO E INVESTIGAÇÃO DAS
CIÊNCIAS DAS ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

SIMÃO GUEDES CANGOMBE RIBEIRO

PRÉ - PROJECTO

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE


TRANSPORTE – MÓDULO VENDA DE BILHETES DE
PASSAGENS

MACOM, LDA 2018.

Pré - Projecto apresentado ao Instituto Superior


Politécnico Intercontinental de Luanda como um
dos requisitos parcial para obtenção do grau de
Licenciatura em Engenharia de Informática, sob
orientação do Prof. Aldair André da Silva.

LUANDA, 2019
INTRODUÇÃO

Com a rápida evolução tecnológica, as pessoas ficam cada vez mais


dependentes dos recursos e de aparatos tecnológicos como: computadores,
celulares, tvs digitais e tablets. Dentre outros surgem diariamente novos projetos
e por conta dessa rápida evolução faltam mão-de-obra especializada e softwares
em diversas áreas para poder responder as insufiências apresentadas. No atual
mundo informatizado, empresas e instituições possuem necessidade de
armazenar cada vez mais dados e de forma mais rápida. Essa demanda, que se
torna cada vez maior, faz com que seja imprescindível uma melhor organização
dos processos que se tornam sempre mais complexos. Anotações feitas de
forma manual funcionam por determinado tempo, mas chega um momento em
que é preciso um controle mais rígido sobre a documentação, e então surge a
conveniência de sistemas informatizados.

O presente pré-projeto apresentado ao Instituto Superior Politécnico


Intercontinental de Luanda, destina-se no: Desenvolvimento de um sistema
gestão de Transporte: Um estudo na Empresa MACOM - 2018.”, enquadrado
no âmbito da Licenciatura em Engenharia Informática, como requisito parcial
para o desenvolvimento da monografia.

A compra dos bilhetes, a identificação dos veículos a serem usados para


viagens além dos relatórios, são criados e atualizados de forma manual, o que
consome muito tempo, além de haver a possibilidade de armazenamento de
dados imprecisos, já que não há nenhuma forma de se garantir a precisão dos
mesmos.

Logo, o presente projecto será desenvolvido a partir de uma linguagem de


programação C# com banco de dados SQL Server 2012 que servirá de apoio
significativo a gestão dos serviços de viagens da empresa Macom Transporte.

Neste trabalho estarão também apresentadas as características do


sistema assim como também as informações necessárias para o entendimento
das suas funcionalidades.
IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA

Desde o início das suas actividades a Macom Transporte, vem


enfrentando dificuldades no que diz respeito à gestão de viagens, que é feita
pela administração da mesma, problemas estes que abrange a organização dos
dados, geração de relatórios, entre outras atividades.

Atualmente o controle das viagens é feito de forma manual ou seja por


apontamentos atraves de blocos de anotações e os relatórios são feitos com
ajudas de planilhas eletrônicas como excel, que algumas vezes dificulta a gestão
das informações relacionadas aos viajantes, veículo usados para viagens,
valores referente as viagens, relatórios, etc.

Em função desta argumentação formulou-se a seguinte pergunta de


partida: Como dinamizar os procedimentos de gestão das informações
relacionados as viagens da empresa Trans-Maya -Lda, de maneira que se
garante, o controle e se agilize o processamento da informação?

OBJECTIVOS DO ESTUDO

Objectivo Geral

Desenvolver um sistema Desktop de Gestão de Transporte – Módulo


Viagem (Trans-Maya).

Objectivos Específicos

(1) Dinamizar o processo de venda dos bilhetes;


(2) Facilitar o controle dos dados referentes as viagens;
(3) Gerar relatórios diário, mensal e anual de forma automático.

HIPÓTESES

Com o desenvolvimento e implementação do sistema de gestão de


transporte módulo venda de bilhetes de passagem temos a seguinte hipótese.
H1: Com a implementação do sistema na empresa “Macom Transporte”
possíveis situações como: anotações dos dados de forma manual,
armazenamento dos dados imprecisos, ineficácia no tratamentos dos dados
recolhidos deixaram de ser problemas, pois as funcionalidades do sistemas
ultrapassaram as mesmas.

IMPORTÂNCIA DO ESTUDO

A escolha do tema por abordar deu-se pelo fato da entidade não possuir
nenhum tipo de sistema informatizado e por este facto muitas vezes são visíveis
as dificuldades apresentada pelas pessoas que funcionam dentro dela e, caso o
projeto seja aprovado pela instituição, irá trazer grande facilidade na gestão das
viagens.
A proposta desta pesquisa é procurar buscar uma eventual mudança no
tratamento e manuseamento dos dados armazenados pela empresa em estudo,
e para isso seram analisadas com detalhes cada elementos envolvido no
funcionamento da mesma.

DELIMITAÇÃO DO ESTUDO

Segundo Marconi, Lakatos(2003) “Delimitar a pesquisa é estabelecer


limites para a investigação”. É importante frisar que a pesquisa pode ser
delimitada em três relações que são:

 ao assunto – selecionando um tópico, afim de impedir que se torne ou


muito extenso ou muito complexo;
 à extensão – porque nem sempre se pode abranger todo o âmbito onde
o facto se desenrola;
 a uma série de factores – meios humanos e econômicos.

Tendo em conta as relações apresentadas não será possível abranger todas


as dimensões do problema levantado na pesquisa, mas será necessário
estabelecer alguns pressupostos orientadores e algumas delimitações no âmbito
da pesquisa tendo como ponto de partida a Macon Transporte empresa
angolana de direito privado, concessionária dos serviços públicos de transporte
rodoviário de passageiros (Urbano e Interprovincial) com uma moderna frota de
veículos. Sua base central está localizada na província de Luanda, no município
de Belas (Kilamba Kiaxi), tendo como referência a via do Golfe atrás da Igreja
Simão Toco. No total, a Macon emprega 1.800 funcionários por toda Angola.

DEFINIÇÃO DE CONCEITOS

a) Sistema:

Para (Oliveira, 2001, p. 23), “sistema é um conjunto de partes


iterangentes e interdependentes que, conjuntamente, formam um todo unitário
com determinado objectivo e efectua determinada função”.

b) Sistema de Gestão:

Segundo (Stair & Reynolds, 2011) “Um sistema de gestão é um programa


de computador que ajuda a cuidar das atividades de uma empresa. Ele é um
software inteligente que tem como objetivo facilitar as atividades do dia a dia,
automatizando o máximo de processos possível”.

c) Transporte:

Segundo (Saliba, 2000, p.15) “ transporte: é a movimentação física de


mercadorias ou pessoas entre pontos”.

d) Módulo de um sistema:

Módulo é a parte do sistema responsável por uma tarefa bem definida.


CAPÍTULO I - FUNDAMENTAÇÃO TÉCNICO/CIENTÍFICA

1.1. Conceitos sobre Sistemas de Informação

Por se tratar de um projeto que engloba todo o ciclo de desenvolvimento


de uma aplicação a fundamentação técnica desta temática será dividido em três
partes: primeiro serão apresentados alguns conceitos relacionados com tema;
segundo serão fundamentados conceitos de sistemas similares e por fim serão
estudadas as tecnologias utilizadas para realização do projecto.

O projeto será desenvolvido utilizando algumas ferramentas da Microsoft,


bem como algumas técnicas de programação no lado do cliente para tornar o
ambiente cliente mais amigável, performático e otimizado para atingir o nível
requerido de usabilidade.

Sistema: Para (Oliveira, 2001, p. 23), “sistema é um conjunto de partes


iterangentes e interdependentes que, conjuntamente, formam um todo unitário
com determinado objectivo e efectua determinada função

Sistema de informação:

Sistema de informação baseados em computadores

Transporte:

Sistemas Similares:

Durante o período de investigação, foi possível constatar a


existência de alguns sistema que foram desenvolvidos para realização de
tarefas semelhantes ao futuro sistema que nos propose,os\ a ser desenvolvido,
deste modo seguir são referenciados com algumas das sua características,
porém adianta – se que são aplicativos web.

TMS (Sistema Gerenciamento de Transporte ) - é um software para melhoria


da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este sistema
permite controlar toda a operação e gestão de transportes de forma integrada. O
sistema é desenvolvido em módulos que podem ser adquiridos pelo cliente,
consoante as suas necessidades.
O sistema tem como finalidade identificar e controlar os custos inerentes
a cada operação, sendo importante identificar e medir os custos de cada
elemento existente na cadeia de transporte, a qual envolve não só o veículo em
si, mas também a gestão dos recursos humanos e materiais, o controle das
cargas, os custos de manutenção da frota e índices de discrepâncias nas
entregas, bem como as diversas tabelas de fretes existentes (peso, valor,
volume) apresentando o modelo que melhor se ajusta (Silva, 2016).

1.1. Visual Studio

O Visual Studio é um conjunto de ferramentas de desenvolvimento que


contém editores de códigos, IntelliSense, assistentes e diferentes linguagens em
um mesmo ambiente de desenvolvimento integrado para principiantes e profi
ssionais. Apresenta-se em diferentes plataformas: PC´s, servidores, aplicações
web e móveis. Em uma visão mais abrangente, o Visual Studio permite o
desenvolvimento rápido de aplicativos, recursos de depuração e banco de
dados, sem depender dos recursos oferecidos pelo Framework 3.5. Auxilia no
desenvolvimento Web habilitado para o AJAX, contando ainda com os recursos
do ASP.NET.

1.2. Framework .NET

Desenvolvido pela Microsoft, o .NET Framework é um modelo de


programação de código gerenciado para criar aplicativos cliente, servidores ou
dispositivos móveis. É formado por um conjunto variado de bibliotecas que
facilitam o desenvolvimento de aplicações, desde as mais simples até as mais
complexas, bem como a instalação e distribuição de aplicações. Baseado em
tecnologia de máquina virtual, o .NET Framework é totalmente orientado a
objetos. Ela roda primariamente no Microsoft Windows e inclui uma grande
quantidade de componentes que dão suporte a várias linguagens de
programação além de permitir uma interoperabilidade entre elas (cada
linguagem pode utilizar os códigos escritos em outras linguagens).
Segundo Filho e Ribeiro (2010, p. 186) O .NET Framework 3.5 incrementa
as versões anteriores com novas implementações ASP.NET e AJAX e aumenta
a integração com o LINQ (Language Integrated Query, ou consulta integrada de
linguagem) que é uma nova ferramenta de pesquisas em base de dados, além
de suporte total para Windows Workfl ow Foundation (WF), Windows
Communication Foundation (WCF), Windows Presentation Foundation (WPF) e
Windows CardSpace.

1.2.1. Entity framework

Para Lerman (2010, p. 918) O Entity Framework é um componente


integrante do Framework .NET que possibilita aos desenvolvedores criarem uma
camada de acesso aos dados programando através do modelo conceitual da
aplicação ao invés de programarem diretamente pelo esquema de
armazenamento relacional.

O objetivo é diminuir a quantidade de código e manutenção transformando


o modelo relacional em um modelo orientado a objetos. Com isto, o Entity
Framework provê os seguintes benefícios:

 Incluem um mecanismo sofisticado de mapeamento que pode lidar


com esquemas reais de banco de dados e funciona bem com
stored procedures (procedimentos armazenados).
 As aplicações podem se relacionar com os dados utilizando os
conceitos de orientação a objetos incluindo tipos com herança,
membros complexos e relacionamentos.
 As aplicações podem operar com uma série de servidores de
banco de dados diferentes e ficam livres das dependências em
nível de código de um banco de dados particular ou esquema de
armazenagem.
 Mapeamentos entre o modelo conceitual e o esquema específico
de armazenamento podem ser alterados sem efetuar alterações no
código da aplicação.
 Os desenvolvedores podem trabalhar com um modelo de objetos
consistente da aplicação mapeados a vários esquemas de
armazenamento possibilitando implementações e integrações com
diferentes sistemas de banco de dados.
 Vários modelos conceituais podem ser mapeados a um único
esquema de armazenamento.
 Possibilita utilizar o Language-integrated query (LINQ) que suporta
a validação em tempo de compilação das consultas através do
modelo conceitual.

1.3. Linguagem de Programação C# 4.0

C# é uma linguagem relativamente nova desenvolvida baseada em


conceitos encontrados em suas linguagens predecessoras, podendo ser dito que
é descendente das linguagens C e C++ tornando-a bastante familiar para
programadores experientes. (MICHAELIS, 2009; SCHILDT, 2009).

1.4. Banco de Dados

Um banco de dados é um conjunto de informações armazenadas em um


meio físico (papel, disco rígido etc.), organizadas de tal forma que seja possível
fazer sua manutenção (inclusão, alteração e exclusão) e diferentes formas de
pesquisas. Considerando os bancos de dados informatizados, os SGBDs
(Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados) possuem recursos para
manutenção, acesso, controle de usuários, segurança, e outras ferramentas de
gerenciamento. O SQL (Structured Query Language, ou linguagem de consulta
estruturada) é uma linguagem de manipulação de dados que se tornou padrão
para SGBDRs (Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Relacionais).
Entre os sistemas de gerenciamento de SGBDRs populares estão: o Microsoft
SQL Server, o Oracle, o IBM DB2, oPostgreSQL e o MySQL.

1.4.1. SQL Server

1.5. UML (Unified Modeling Language)

A UML, sigla em inglês de linguagem modular unificada, é dedicada à


especificação, visualização, construção e documentação que usa notação
gráfica para modelar softwares. É uma uma linguagem muito utilizada pelas
empresas que desenvolvem aplicações orientadas a objetos, assim como
também tem servido de grande suporte para desenvolvedores individuais de
projecto tanto académico como profissional.
CAPÍTULO II. METODOLOGIA DO ESTUDO

Segundo Fonseca (2002) Metodologia, é o caminho em direção a um


objectivo, ou seja é o estudo da organização, dos caminhos a serem percorridos,
para se realizar uma pesquisa ou um estudo ou ainda para se fazer ciência.

2.1. Modo de Investigação

De acordo com Fonseca (2002) , a pesquisa possiblita uma aproximação


e um entendimento da realidade a investigar, como um processo permanente
inacabado. Ela se processa através de aproximações sucessivas da realidade,
fornecendo subsídios para uma intervenção no real.

Quanto a natureza: estamos diante de uma pesquisa aplicada, uma vez


que a mesma objectiva gerar conhecimentos para aplicação prática, dirigidos à
solução de problemas práticos.

Quanto aos procedimentos: estamos diante a um estudo de caso onde


se realiza coleta de dados junto a pessoas, com o recurso de diferentes tipo de
pesquisa (pesquisa ex-post-facto, pesquisa-ação, pesquisa participante, etc.).

Quanto à abordagem: é uma pesquisa qualitativa, pois, não se preocupa


com representatividade númerica, mas, sim, com o aprofundamento da
compreensão de alguns elementos que fornecerão informaçãoes necessárias
para a pesquisa.

2.2. Variáveis

2.2.1. Variável dependente

Sistema de Administração Desktop.

2.2.2. Variável independente

Qualidade na aplicação, C#, Visual Studio, SQL Server 2012.


2.3. População e Amostra

Para este trabalho, definiu-se como população de pesquisa 20 pessoas


das quais 10 funcionários e 10 passageiros. Tendo como amostra 5 técnicos
administrativos que estão directamente ligados no processo de vendas dos
bilhetes.

2.4. Instrumentos de Investigação

Para o presente trabalho, recorreu-se a técnica de entrevista para a


recolha de dados, pois perguntas objectivas e subjectivas seram necessaria para
se ter uma ideia aprofundada do actual funcionamento da Transmaya para
posterior melhoria com a implementação do sistesma serão necessárias. Ainda
assim foi possível recorrer aos instrumentos tradicionalmente usados para estes
tipos de trabalho que são: os livros científicos nos seus formatos físicos e digitais
que retratam questões ligadas a problemática do tema, assim como a internet

2.5. Processamento e Tratamento de Dados

A modelagem do banco de dados seguirá padrões de orientaçao a


objectos seguindo o conceito da UML 2.0 presente no livro UML 2 Uma
Aboradagem Prática(GUEDES, 2009). O modelo de dados a usar será baseado
nas técnicas e práticas sugeridas por Peter Chen, que propõe um modelo
baseado em Entidade e Relacionamento, onde será disponiblizado um meio
simplificado de representar a armazenagem de dados presentes no livro
Modelagem de Dados: Abordagem Entidade Relacionamento para projecto
Lógico, 1ª 14º Edição(CHEN,1990).

As ferramentas utilizadas para a documentação de todas as informações


relevantes para o desenvolvimento do projecto são: Diagrama de Fluxo de
Dados, Microsoft Visio v.2013 para organogramas, Microsoft Word v.2013 para
textos, Microsoft Excel v2013 para gráficos e tabelas, BrModelo v.2.0.0. para
modelagem de dados e Astha Community v. 7.0 para Diagramas.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CHEN, Peter P. Modelagem de Dados: A Abordagem Entidade Relacionamento


Para Projeto Lógico, 1ª Edição. Makron, 1990.

FONSECA, J.J.S. Metodologia de pesquisa científica.Fortaleza: UEC, 2002.


Apostila.
GUEDES, Gilleanes T.A. UML 2 Uma Abordagem Prática, São Paulo: Novatec,
2009

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnica de pesquisa 5ª


Ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MICHAELIS, M. Microsoft .NET Development Series: Essential C# 3.0 For .NET


Framework 3.5. Addison-Wesley, 2009. p. 1.

LERMAN, Julia. Programming Entity Framework: Building Data Centric Apps with
the ADO.NET Entity Framework. 2. ed. Sebastopol: O'reilly Media, Inc, 2010. 918
p.
LAUDON, Kenneth; LAUDON, Jane. Sistemas de Informações Gerenciais.
7ª. ed. São Paulo: Prentice Hall,
2007.
LAUDON, Kenneth; LAUDON, Jane. Princípio de sistema de informação. 9ª.
ed. São Paulo: Cengage Learning,
2011.
MARQUES, Vitor. Utilizando o TMS para uma gestão eficaz de transportes.
Copead – UFRJ, 2000. 9p.
SALIBA, Cristano. Manual do Comercio Exterior. São Paulo: Atlas, 2000.
APÉNDICES