Vous êtes sur la page 1sur 2

O conceito de Organização Internacional varia de doutrinador para doutrinador, como

Marcelo Varella, que vê as OIs como uma pessoa jurídica de direito internacional que
têm ordens jurídicas diferentes dos Estados que as integram, sendo o resultado da
manifestação da vontade dos sujeitos de direito internacional. Seguindo uma linha de
raciocínio um pouco diferente, o Doutor Ricardo Seitenfus, conceitua Organização
Internacional como sociedades entre Estados, constituída através de um tratado, com a
finalidade de buscar interesses comuns através de uma permanente cooperação entre
seus membros. Juntando os conceitos dados pelos doutrinadores é possível afirmar que
Organização Internacional é uma pessoa jurídica de Direito internacional que faz
associações entre Estados com determinadas finalidades que são constituídas por meio
de tratados que possuem um ordenamento jurídico distinto dos Estados-membros, além
de possuírem institutos, órgãos e serem divididos em espécies.

Para classificar uma Organização Internacional por espécie é necessário levar em conta
o seu alcance (universal ou regional) e o seu domínio de atividade (Político e
específico). Uma organização de alcance universal tem por objetivo acolher o maior
número de Estados possível sem restrições geográficas, culturais, econômicas, entre
outras. No caso do domínio as organizações são separas por: Domínio político que visa
a preservação da paz e segurança, mas podem tratar de outros assuntos, e Domínio
específico que estaria voltado primordialmente para um fim econômico, financeiro,
cultural ou algo mais técnico.

Organização Internacional de alcance universal e domínio político:

Temos como exemplo dessa espécie de organização a ONU (Organização das Nações
Unidas), que possui hoje 193 países membros e tem como objetivo principal preservar a
paz entre as nações, desenvolvendo soluções pacíficas para conflitos entre países e
propondo medidas de segurança coletiva. Fica muito claro o alcance e o domínio da
ONU neste exemplo, pois ela foi criada após a segunda guerra com a intenção de evitar
um novo conflito, buscando o maior número de Estados-membros possível sem
restrições geográficas, culturais, econômicas, entre outras.

Organização Internacional de alcance universal e domínio específico:

Nessa espécie de organização temos as chamadas “agências especializadas” da ONU


que é uma organização autônoma que atua em cooperação com a Organização das
Nações Unidas, mas na realidade são Organizações Internacionais distintas, onde cada
uma delas tem uma personalidade jurídica própria. Embora seus Estados-membros
sejam praticamente os mesmos essa confusão entre agências especializadas e ONU se
dá pelo seguinte fato: É possível em uma reunião da ONU estabelecer assuntos ligados
a essas agências pelo motivo dos Estados-membros de ambas as organizações serem
praticamente os mesmos.

São exemplos de agências especializadas a OIT (Organização Internacional do


Trabalho, fundada em 1919 e sediada em Genébra), UNESCO (Organização das Nações
Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, fundada em 1946 e sediada em Paris),
FAO (Organização para a Alimentação e a Agricultura, fundada em 1945 e sediada em
Roma). Além do Fundo Monetário Internacional (FMI — 1945), a Organização da
Aviação Civil Internacional (OACI — 1947), a Organização Mundial de Saúde (OMS
— 1948) e o Banco Internacional para a Reconstrução e o Desenvolvimento (BIRD —
1946), também chamado de Banco Mundial.

Organização Internacional de alcance Regional e domínio Político:

Aqui encontramos organizações de escala regional que reproduzem os objetivos da


ONU, como exemplo a Organização dos Estados Americanos (OEA – 1951), a Liga dos
Estados Árabes (LEA — 1945), a Organização da Unidade Africana (OUA — 1963).
Ambas têm como principal objetivo preservar a paz entre seus próprios membros.

Organização Internacional de alcance Regional e domínio específico:

Neste caso temos organizações de caráter regional que buscam cooperação


primordialmente para um fim econômico, financeiro, cultural ou algo mais técnico, e
temos como exemplo a União Europeia (1992) e suas precursoras na Europa
comunitária: a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA — 1952) e a
Comunidade Europeia da Energia Atômica (CEEA — 1957); a Associação Latino-
Americana de Integração (ALADI — 1981), o Acordo de Livre Comércio da América
do Norte (NAFTA — 1994) e o Mercosul (1995), pois todas buscam uma integração
econômica ou um fim técnico.

Referências:

RESEK, Francisco. Direito Internacional Público – Curso Elementar. 15ed. Saraiva,


2015

SEITENFUS, Ricardo. Manual das organizações internacionais. 5ed. Livraria do


Advogado.

VARELLA, Marcelo Dias. Direito Internacional Público. 4ed. Saraiva, 2012