Vous êtes sur la page 1sur 1

ANÁLISE DOS RESULTADOS DA ESCALA DE ANSIEDADE

DE BECK-A EM ALUNOS DE MEDICINA

XXVI Encontro de Iniciação à Docência

Encontros Universitários da UFC 2017


Isadora Lopes Bessa, Catarina Brasil D'alva, Larissa Freire Alves Nogueira, Samily Cordeiro
de Oliveira, Eveline Gadelha Pereira Fontenele, Manoel Ricardo Alves Martins

O transtorno de ansiedade configura uma das desordens mais comuns entre


as síndromes psiquiátricas. Da mesma forma, percebe-se a ansiedade como um
fator iminente de prejuízo à qualidade de vida e risco de suicídio. Vários estudos
têm demonstrado uma prevalência elevada de transtorno de ansiedade em alunos
de medicina. Dentre os fatores que podem contribuir para esse achado estão a
carga horária extensa, a complexidade dos conteúdos e a responsabilidade
envolvida no exercício da profissão. Há poucos estudos avaliando os alunos da
Faculdade de Medicina da UFC. O objetivo deste trabalho é avaliar a prevalência
desse transtorno entre alunos cursando o sexto semestre do curso de Medicina,
buscando também detectar quais os principais sintomas relacionados. Aplicamos a
Escala de Ansiedade de Beck-A em 60 alunos dentre os 80 matriculados. Esse
questionário avalia a prevalência de sintomas característicos da ansiedade no
decorrer da última semana. A escala pode ter um resultado máximo de 63 pontos
e as categorias são 0-10 (grau mínimo de ansiedade), 11-19 (ansiedade leve),
20-30 (ansiedade moderada) e 31-63 pontos (ansiedade severa). Como resultado,
tivemos 38 alunos cujos questionários indicaram ansiedade em grau mínimo, 17
em leve e 5 em ansiedade moderada. Nenhum aluno atingiu pontuação para grau
severo, porém apenas 4 completaram escore zero (todos os sintomas ausentes).
Os sintomas mais apresentados foram “inseguro(a)” com 44, “nervoso(a)” com 40,
“medo de acontecimentos ruins” com 38 e “incapaz de relaxar” com 36
questionários. Aqueles mais contados como severos foram “inseguro(a)” e “medo
de acontecimentos ruins”, ambos com 3. Os resultados deste trabalho comprovam
a alta prevalência (37% dos entrevistados) do transtorno de ansiedade em alunos
de medicina. Dessa forma, é necessário um acompanhamento e suporte a esses
alunos por parte da faculdade e da sociedade em geral.

Palavras-chave: Ansiedade. Medicina. Questionário. Prevalência.

Encontros Universitários da UFC, Fortaleza, v. 2, 2017 2383