Vous êtes sur la page 1sur 21

IFPA-Instituto Federal do Pará

Curso:Eletrotécnica
Disciplina: Automação Predial

Prof.André Nascimento
HISTÓRICO
 Os primeiros sistemas de de automação predial foram
desenvolvidos na década de 80;
 Os prédios desenvolvidos nessa época foram chamados de
“prédios inteligentes”,que eram equipados com sistemas
automatizados destinados ao atendimento dos serviços de
comunicação, sistemas de ar condicionado e aquecimento,
segurança patrimonial e controle de acesso.
 A partir da década de 1990,os projetos que até então se
destinavam apenas à telefonia ou aos sistemas de
aquecimento e energia, passaram a observar os novos
requisitos dos sistemas para voz, dados e imagem.
INTEGRAÇÃO DOS SISTEMAS
CONTROLADOR LÓGICO
PROGRAMÁVEL - CLP
CARACTERÍSTICAS DO CLP
 Teclas de funções especiais, teclas de navegação e LEDs
indicadores independentes.
 Módulo de entradas digitais e analógicas.
 Memória de programa.
 Memória de dados.
 Módulo de sáidas digitais e analógicas.
 Flexibilidade para configurar e expandir o módulo I/O.
 Linguagem de programação ladder.
 Comunicação serial RS-232.
SUBESTAÇÃO
CONTROLE NA SUBESTAÇÃO
 Verificar a temperatura de operação do transformador.
 Verificar se as chaves seccionadoras estão abertas ou
fechadas.
 Verificar as correntes em cada fase do secundário do
transformador.
 Verificar os níveis de tensão do primário e secundário do
transformador.
 Os níveis de carga ativa, reativa e aparente.
CONTROLADORAS DE
CENÁRIO DE ILUMINAÇÃO
CONTROLE PARA QUADROS
DE ILUMINAÇÃO
 Verificar se os disjuntores estão armados ou desarmados.
 Ligar e desligar o circuito de iluminação de ambientes de
pouca movimentação, de acordo com a presença de
movimento.
 Regular a carga luminosa em função do melhor
aproveitamento da luminosidade natural do ambiente
 Controlar o nível de iluminação para os variados ambientes.
SIMULAÇÃO ELEVADOR
ELEVADORES
 Identificar em que posição o elevador se encontra;
 Monitorar e informar a quantidade de carga em cada
elevador;
 Informar problemas técnicos no elevador;
 Indicar qual andar deve ter prioridade, quando uma ou
mais solicitações forem feitas;
 Abrir as portas ao chegar ao andar solicitado;
 Parar suavemente na queda de tensão, permanecendo
com suas portas fechadas;
 Permitir acesso só para pessoas autorizadas, através de
mecanismos de segurança.
GRUPO GERADOR
GRUPO GERADOR
 Verificar e atuar na alta temperatura do motor;
 Verificar a baixa de pressão do óleo;
 Informar e identificar o nível de combustível;
 Regular a tensão de saída, de acordo com fator de
potência, nível de carga e queda de rotação.
 Controle de freqüência para cargas constantes entre vazio e
plena carga.
BOMBAS D'ÁGUA
BOMBAS
 Verificar e atuar nos níveis de água na cisterna;
 Desligar a bomba quando a cisterna estiver em nível
baixo (pouca água);
 Indicar e atuar nos níveis de água da caixa d’água;
 Alternar as bombas de acordo com a temperatura.
QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO
QUADRO GERAL DE
DISTRIBUIÇÃO
 Atuar contra sobrecarga;
 Atuar contra queda de tensão.
 Destina-se a distribuição de energia CA da rede elétrica ou
do grupo motor gerador aos sistemas de energia CA e CC
que alimentam os componentes das centrais telefônicas.
 São compostos de disjuntores ou fusíveis, voltímetro,
sistemas de proteção contra sobrecargas, proteção contra
raios, tomadas e sinalizações.
VISÃO GERAL

3-Monitoramento e Medição:
Medidores de energia ;

Power
Pm9
Meter 500
VISÃO GERAL
13- Interface com usuários.
UM LINK COM AUTOMAÇÃO
RESIDENCIAL
BENEFÍCIOS DA AUTOMAÇÃO
PREDIAL
 Economia de energia elétrica por meio da ação
coordenada sobre os sistemas de iluminação , ar
condicionado, elevadores, bombas, etc.
 Aumento da segurança física e patrimonial por meio da
detecção de situações de emergência e a conseqüente
execução de procedimentos especiais.
 Redução de custo operacional por meio da supervisão e
controle centralizados das diversas instalações.
 Redução do custo de manutenção, por meio da gestão
integrada e da pronta detecção de falhas.
 Aumento do conforto dos usuários decorrente do
operacional eficaz.