Vous êtes sur la page 1sur 48

Livro Eletrônico

Aula 00

Balistica Forense para Concursos - Curso Regular 2018


Professor: Wagner Luiz Heleno Marcus Bertolini

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

APRESENTAÇÃO DO CURSO

SUMÁRIO PÁGINA
1. Saudação e Apresentação do professor 01
2. Apresentação do curso 03
3. Cronograma das Aulas 04
4. Balística Interna. Aspectos iniciais 04
5. Questões resolvidas e comentadas 29

1. SAUDAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR

Olá meus novos amigos,


É com grande satisfação que apresento a vocês este curso de BALÍSTICA
FORENSE PARA CONCURSOS, projetado especialmente para ajudá-los a
serem aprovados no concurso de seus sonhos.
Quero tranquilizá-los quanto ao curso: tenho 100% do curso feito.
Se você conhece algum dos meus cursos sabe que tenho centenas e
centenas de questões das bancas mais importantes do país e,
principalmente, dos concursos mais recentes.
Já tenho várias aulas gravadas em vídeo (que serão colocadas de acordo
com o conteúdo). Ao estudar por um material ruim você estará perdendo
tempo. Já aconteceu comigo quando fui um breve concurseiro.

Permitam-me fazer uma breve apresentação de minha trajetória acadêmica


e profissional:
- Sou Perito Criminal da Polícia Científica do Estado de São Paulo.
- Professor de editoras voltadas a concursos públicos, ministrando diversos
cursos e, em especial, na área de Segurança Pública.
-Graduado pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas pela USP-RP, em 1990;

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

- Mestre em síntese de complexos bioinorgânicos de Rutênio, com liberação


de óxido nítrico, pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas USP-RP;
- Doutor em farmacotécnica, estudando o efeito de promotores de absorção
cutânea visando à terapia fotodinâmica para o câncer de pele, Faculdade de
Ciências Farmacêuticas pela USP-RP;
- Especialista em espectrometria de massas, pela Faculdade de Química,
USP-RP;
- Professor de Química em ensino Médio e pré-vestibular (Anglo, Objetivo,
COC) desde 1992.
- Professor de Química (Orgânica, Geral, Analítica, Físico-Química e
Inorgânica) em cursos de graduação;
- Professor de Química Farmacêutica, em curso de graduação em Farmácia;
- Professor de Pós-Graduação em Biotecnologia (controle de produtos e
processos biotecnológicos);
- Analista Químico em indústria farmacêutica, AKZO do Brasil, em São Paulo
- SP.
Espero poder contribuir com a sua capacitação para este concurso e consiga
realizar seu sonho, como eu consegui realizar o meu.

A felicidade em ver meu aluno ser aprovado é muito grande, pois,


indiretamente valoriza meu trabalho e nos dá a satisfação de ver que pude
ajudar alguém a atingir seus sonhos.
Só para ilustrar: nos últimos concursos diversos alunos que adquiriram meu
curso foram aprovados em Perito Criminal de SP; Perito Criminal de Goiás
(inclusive, o primeiro colocado foi meu aluno); Papiloscopistas em Goiás e
do Distrito Federal; Químicos para o Ministério da Agricultura; diversos
cargos em concursos da PETROBRÁS, etc.
E tenho grande orgulho em dizer que meus cursos sempre são muitíssimo
bem avaliados pelos meus alunos (geralmente 90 a 95% entre ótimo e
excelente).

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 2 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

2. APRESENTAÇÃO DO CURSO

Seguem abaixo comentários acerca do conteúdo e da metodologia do nosso


curso:
 Os tópicos são de abordagem compatível com o que é cobrado pela
banca.
 Teremos aulas em pdf, com direito a fórum de dúvidas e outros
assuntos pertinentes.
 Meus cursos para diversos concursos foram muito bem avaliados.
Inclusive com índice de aprovação de quase 70% dos alunos que
prestaram para o cargo de Perito Criminal da PC-SP e que estudaram
por ele, além de vários concursandos aprovados em PRIMEIRO lugar
em diversos concursos. Fora os que entraram dentro das vagas em
excelentes posições.
 As vídeo-aulas serão disponibilizadas, de imediato e gratuitamente
dentro deste curso, quando forem gravadas.
 A proposta do curso é facilitar o seu trabalho e reunir toda a teoria e
inúmeros exercícios, no que tange aos assuntos do edital, em um só
material.
 Nosso curso será completo (teoria detalhada e muitas questões
por aula).
 Teremos as questões de diferentes bancas e colocarei várias questões
para você resolver.
Esperamos contribuir muito para que você consiga alcançar seu objetivo (por
sinal o objetivo de milhares de brasileiros) que á a aprovação em um concurso
público.
Valorize o professor que se dedica para você conseguir seu objetivo, que é
o mais importante. Compre seu curso dignamente. Não busque apenas
incentivar a pirataria.

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 3 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

3. PROGRAMAÇÃO DO CURSO

AULA CONTEUDO VIDEO DATA

00 Balística forense. INTERNA SIM 20FEV

01 BALISTICA. Lesões perfurocontusas decorrentes de disparo de arma de SIM 28MAR


fogo

02 BALISTICA.EXAMES DE EFICIÊNCIA SIM 10 ABR

03 SIMULADO 20ABR

FIQUE ATENTO: como esta é uma aula de apresentação, apenas


uma demonstração do curso e metodologia.

4. BALÍSTICA FORENSE

Olá, meus caros alunos


Hoje veremos um assunto relacionado à Criminalística e que serve de rica
fonte de informações à Medicina Legal: a balística forense.
Iremos estudar um pouco dos principais aspectos relacionados às armas e
munições.
Muito importante para o cotidiano de um perito, delegado, médico legista
e demais cargos da Segurança Pública.
Vamos começar a brincadeira.

Para começar é sempre importante ter uma ideia do tema. Então, vejamos
conceitos para o que vem a ser a Balística forense:

Conceito – Balística Forense é a disciplina que estuda basicamente as


armas de fogo, as munições, os fenômenos e efeitos dos disparos destas
armas, a fim de esclarecer questões de interesse judicial.

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 4 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

Outro conceito: Disciplina integrante da Criminalística, que estuda as armas


de fogo, sua munição e os efeitos dos tiros por elas produzidos, sempre
que tiverem uma relação direta ou indireta com infrações penais, visando
esclarecer e provar sua ocorrência.

Como mencionamos termos como arma de fogo, munições, também


devemos ver os conceitos destes:

Armas de fogo – São engenhos mecânicos destinados a lançar projéteis


no espaço pela ação da força expansiva dos gases oriundos da combustão
da pólvora.

ARMA DE FOGO: Engenho mecânico capaz de propelir um ou mais projéteis


mediante o uso de uma explosão controlada

Perceba um grande detalhe neste conceito. A arma de fogo foi desenvolvida


especificamente para atuar como um instrumento para causar lesão. Quero
dizer que isto é diferente do uso de uma faca: ela pode ser usada para
causar lesões, mas, não foi desenvolvida para esta finalidade. Foi
desenvolvida para cortar coisas.
Outro detalhe muito relevante é que quem expele o projétil (contido na
munição) é a força decorrente da expansão dos gases. Portanto, no interior
das armas teremos reação química que irá gerar grande volume gasoso e
este tende a sair por algum orifício, devido à grande pressão interna que
foi gerada devido à presença dos gases. Assim, o caminho de saída é o
cano da arma, preferencialmente (veremos detalhes quanto a revólver e
pistola, futuramente).

A balística forense apresenta algumas divisões. Na verdade, estas divisões


servem para organizarmos os estudos em três diferentes momentos,
principalmente para o projétil: dentro da arma, ”viajando” no meio

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 5 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

(geralmente o ar) e quando atinge um anteparo (corpo ou outro).

Divisões

a) Balística interna ou interior é aquela que estuda os mecanismos internos


das armas, sua estrutura, munições e propelentes.
Ocorre dentro da arma de fogo; analisando as causas do movimento;
impulso e seus efeitos sobre o projétil.

b) Balística externa é a que cuida da trajetória do projetil, sua


estabilidade. (Não confunda com trajeto. Este é o caminho percorrido
dentro de um anteparo. BIZU: Trajeto = dentro; trajetória = fória do
anteparo). Espaço compreendido entre a arma e o anteparo; trata da
descrição do movimento; comportamento do projétil durante o
deslocamento.

c) Balística terminal é a que trata da maneira como o projetil é afetado


quando atinge o alvo e como o alvo é afetado pelo projetil. Lembra a lei da
ação e reação. Afeta e é afetado.
Depois de que o projétil atinge o anteparo; término do movimento; efeito
do projétil ao atingir o alvo.

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 6 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

Classificação das armas de fogo

Constituição das armas de fogo


Qualquer que seja o tipo de arma considerada terá algumas peças que
entram invariavelmente em sua composição:

•armação;
•cano;
•dispositivos de pontaria;
•percussor, pino ou agulha;
•gatilho;
•extrator;
•ejetor;
•depósito de munição.

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 7 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

Revólver

Pistola semi-automática

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 8 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

As armas são classificadas sob alguns aspectos. Um dos aspectos mais


relevantes é quanto à alma do cano.

Classificação quanto à alma do cano


As armas de porte individual dividem-se em dois grandes grupos:

•armas com canos de alma lisa; e


•armas com canos de alma raiada.
Já que classificamos as armas em função das raias, precisamos conhecer o
que seriam estas danadas.

Raias são sulcos produzidos na parte interna do cano (alma), dando


origem a um determinado número de ressaltos e cavados, dispostos de
forma helicoidal e cuja finalidade principal é imprimir ao projetil um
movimento de rotação ao redor de seu próprio eixo centro-longitudinal.

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 9 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

Esse movimento de rotação tem por finalidade conferir maior estabilidade


ao projetil em sua trajetória.

BIZU
RAIA ≠ ESTRIAS
CLAUDIA RAIA
Raias do cano fazem estrias nos projéteis.
FINALIDADE DAS RAIAS: fazer o projetil girar. Isto aumenta estabilidade
e precisão do tiro.

Classificação quanto a alma do cano


As armas de alma raiada utilizam cartuchos de munição com projéteis
unitários.
Podem ser curtas (revólveres, garruchas, pistolas etc) ou longas
(carabinas, fuzis, etc).

Ao ser comprimido contra a ALMA raiada do cano estas produzem


desgastes, tipos de riscos, que marcam o projetil e a análise destes riscos
(denominados de estrias) pode ser empregada para identificar o cano da
arma empregada no disparo de tal projétil. AS ESTRIAS estão presentes
NO PROJETIL disparado por alma raiada.

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 10 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

Estrias primárias no projetil dextrogiras ou sinistrógiras. Conhecendo as


estrias pode-se eliminar canos de armas suspeitas de disparo.
Estrias para a direita ou esquerda
Dextrógira ou Sinistrógira

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 11 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

Pistola é desmontável e o atirador pode trocar o cano da pistola para


disfarçar a arma original.

ARMAS DE ALMA LISA


As armas de alma lisa são as que utilizam cartuchos de munição com
projéteis múltiplos ou unitários e são, geralmente, usadas para caça
(espingardas) ou tiro esportivo.

ESPINGARDA NÃO TEM RAIA.

Um aspecto relevante é que o projétil será expelido a uma dada velocidade,


contendo uma dada energia (depende muito desta velocidade). Quanto
maior o cano da arma e quanto mais pólvora, maior a velocidade do projétil.
Lembrando que a energia cinética se calcula através da seguinte relação:
Ec = mv2/2.
Nesta relação temos que m é a massa do projétil e v é a velocidade do som
(340 m/s no ar), que é elevada ao quadrado. Então, por ser um valor muito
grande a velocidade confere uma boa parte da energia cinética do projétil.

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 12 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

Armas de cano longo apresentam maior aproveitamento dos gases


produzidos na combustão e tendem a apresentar projétil com maior
velocidade, portanto, maior energia cinética relativa.
A velocidade dos projéteis depende do meio em que este percorre em sua
trajetória. Vejamos abaixo algumas velocidades do som em função do
estado físico do meio:
- AR: 340 m/s
- Líquidos: 1.500 m/s
- Sólidos: 5.000 m/s

Velocidades dos projeteis calculadas em relação velocidade som no ar

•Menor: 340 m/s, baixa velocidade


•Mais do dobro da velocidade som (acima de 680 m/s): alta velocidade.
•Entre este intervalo: média velocidade (entre 340m/s e 680 m/s).
Existe uma relação entre energia cinética do projétil com as lesões e
características destas.
Relação da velocidade do projetil com as lesões maiores na cabeça?
Quanto maior densidade do órgão (maior resistência) maior a energia
liberada pelo projetil.

Em função deste poder de energia as armas serão classificadas quanto ao


uso em:

•Armas de uso permitido: baixa velocidade.


•Alta: são de uso restrito.
Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 13 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

Armas curtas
Armas curtas são armas para uso exclusivamente individual, de dimensões
pequenas, são compactas com peso dificilmente superior a 1 kg e
normalmente manejáveis com uma só mão.
Dentre as armas curtas distinguem-se o revólver e a pistola
semiautomática.

Armas longas
Armas longas são aquelas que, em razão do comprimento do cano e da
coronha, possuem uma grande dimensão longitudinal, exigindo para seu
uso o apoio do ombro e de ambas as mãos do atirador, normalmente (o
Rambo nem sempre usa as duas mãos).

Dentre as armas longas portáteis, distinguem-se a espingarda e escopeta,


a carabina, o rifle, o fuzil e o mosquetão.

Munição
Pelo termo munição podemos designar projéteis, pólvoras e demais
artefatos explosivos com que se carregam armas de fogo. É o conjunto
destes componentes.
Conceito: conjunto metálico também chamado de cartucho (estojo,
projétil, propulsor, iniciador, espoleta e pólvora) disponíveis para uma arma
de fogo.

Partes componentes das munições:

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 14 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

Estojo: cápsula de metal destinada a alojar o projétil, a pólvora e a


espoleta.

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 15 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

Alguns tipos de estojos:

Um aspecto muito importante para a perícia:


Revólver: estojo fica.
Revolver: leva o estojo embora. Não fica no local. (dificulta a perícia)
Pistola: estojo jogado fora.
Pistola tem uma garra que joga o estojo fora.
Esta marca no estojo, da garra, pode ajudar a identificar a arma.
Importante para a perícia para chegar a várias conclusões, entre elas a
possível distância entre vítima e atirador.

Espoleta: conjunto, capa metálica/mistura iniciadora, responsável pela


deflagração da carga de projeção (pólvora) que impulsiona o projétil.
A espoleta é uma pequena cápsula situada na base do estojo. Local onde
ocorre a faísca que irá promover a queima da pólvora (produzindo gás, que
irá expelir o projeto que sairá pelo cano).

Espoleta mais antiga


Misturas iniciadoras à base de estifinato de chumbo [PbO2H(NO2)3], nitrato
de bário, trissulfeto de antimônio, tetrazeno e alumínio.

Quando o percutor deforma a cápsula de espoletamento, a mistura


iniciadora nela contida é comprimida contra a bigorna, quebrando os
cristais de estifinato de chumbo e tetrazeno.

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 16 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

Inicia-se assim uma chama cujo combustível é o nitrato de bário e o


oxidante é o trissulfeto de antimônio.

Espoletas mais modernas


A partir de 1998 a CBC lançou os cartuchos denominados de clean range,
cuja mistura iniciadora da espoleta não possui chumbo, bário e antinônio.
Esta mistura é composta por diazol, nitrato de estrôncio, pólvora e
tetrazeno.

Pino percutor ou percussor (na arma) pressiona a espoleta que irá


produzir a faísca incendiando a pólvora.

Pólvora (carga de projeção): elemento combustível responsável por


gerar a força de impulsão do projétil.
Projétil: composto, em geral, por liga de Pb com Sn e/ou Sb, podendo ser
total ou parcialmente revestido (blindado/jaquetado) com Cu, Zn ou aço.

Embuchamento (alma lisa). Buchas de discos: cartuchos “de caça”


(armas com cano liso). Elementos de plástico, serragem prensada ou
papelão responsáveis pela separação entre a pólvora e os projéteis e a
vedação do cartucho.

Mecanismo simplificado do disparo:

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 17 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

No momento do tiro são expelidos, além do projétil, diversos resíduos


sólidos
(provenientes do projétil, da detonação da mistura iniciadora e da pólvora)
e produtos
gasosos (monóxido e dióxido de carbono, vapor d’água, óxidos de
nitrogênio e outros). Isto é muito importante na análise das lesões, em
Medicina Legal.

Munição para armas com cano de alma lisa

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 18 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

BUCHA: minimizar a perda de gases entre os balins e perder eficiência.

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 19 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

PROJÉTEIS
O projétil é o mais típico agente pérfurocontundente. É composto de
chumbo e revestido ou não por outros metais. Possuem formas variáveis:
cilíndricas ou ogivais

Energia de projetil não transfixante é maior (pois desaceleram no corpo),


com maior efeito no corpo)

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 20 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

Hollowpoint: objetivo é não transfixar. A abertura após achatamento é para


evitar a transfixação e, assim, transferir toda energia armazenada pelo
projetil.
Quanto mais deformante, menos penetrante ele é.

Projetil de maior velocidade tem maior energia, transfere menor energia se


for transfixante.

Revolver cano curto: distância do projétil menor (devido menor


aproveitamento dos gases).

LESÃO DEPENDE do tipo do projetil


- Ponta arredonda, chumbo mole: arma não transfixante.
Projetil de borracha: intimidar o agressor.

- Ponta menos arredondada


- Ponta fina
- Gases empurram o projetil (impulsionam), após a combustão da pólvora.
- Distância percorrida pelo projetil depende de vários fatores: quantidade
do propelente, tamanho do cano, dureza do projétil.

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 21 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

Munição para armas com cano de alma lisa

Espingarda e escopeta
O termo espingarda deriva do francês espingarde e serve para designar
qualquer arma de fogo longa, com cano de alma lisa. As espingardas podem
ser dotadas de um ou dois canos, paralelos ou colocados um sobre o outro.

O termo escopeta é usado para designar as armas de alma lisa de cano


curto e grosso calibre, reservando-se a denominação espingarda para as
armas de cano longo e calibres menores.

Carabina
De origem italiana, o termo carabina designa armas de fogo portáteis, de
repetição, cano longo e alma raiada. O cano das carabinas mede entre 18"
e 20" (de 45 cm a 51 cm), e é exatamente pelo comprimento menor que
diferem dos rifles, que têm canos maiores.

Rifles
Os rifles são armas de fogo longas, portáteis, de carregamento manual (não
automáticos) ou de repetição, cano longo e alma raiada.
Sua diferença em relação às carabinas reside exatamente no comprimento

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 22 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

maior do cano, que atinge 24" (61 cm).

Fuzil
Fuzil é uma arma de fogo longa, portátil, automática, com alma raiada,
calibre potente e, normalmente, de uso militar, podendo ser utilizado para
caça de grande porte.

O fuzil é uma arma automática, que apresenta uma cadência de tiro entre
650 a 750 disparos por minuto.

Mosquetão
Da mesma forma que o fuzil o mosquetão é uma arma de fogo longa,
portátil, de repetição, com cano e alma raiada. Nele o carregamento é
manual, pelo sistema de ferrolho, que é recuado manualmente pelo
atirador. Segundo o R 105, o mosquetão é definido como um fuzil pequeno,
de emprego militar, maior que uma carabina, de repetição por ação de
ferrolho montado no mecanismo da culatra, acionado pelo atirador por meio
da sua alavanca de manejo.

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 23 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

CALIBRE DAS ARMAS DE FOGO


Ao se falar em calibre é preciso identificar quatro noções distintas:
- calibre das armas de alma raiada
- calibre das armas de alma lisa

Calibre das armas de cano de alma raiada


O calibre real ou nominal das armas de alma raiada é dado pelo diâmetro
interno do cano da arma antes da execução do raiamento (diâmetro
entre cheios) e pode, na dependência do sistema adotado, ser indicado
em centésimos de polegada (sistema norte-americano), milésimos de
polegada (sistema inglês) ou em milímetros (sistema métrico).

O diâmetro ou calibre efetivo do projetil, nas armas onde o número de


raias é par, corresponde ao espaço entre dois cavados e nas armas onde
o número de cavados é ímpar, corresponde à distância entre um cheio e o
ressalto diametralmente oposto.

O calibre efetivo do projetil é, portanto, sempre um pouco maior que o

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 24 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

calibre real ou nominal da arma considerada.

Calibre dos projéteis das armas de alma raiada

A - Calibre real (espaço entre


cheios ou diâm etro interno do
cano antes do raiam ento).
A B - Calibre do projétil (es paço
entre os cavados, se o núm ero
de raias for par; ou espaço
entre um cavado e um cheio,
se o núm ero de raias for
ím par).

B B

Calibre das armas de cano de alma lisa


O calibre das armas de alma lisa, ou de caça, não é expresso pelo diâmetro

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 25 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

interno do cano, mas sim pelo número de esferas de chumbo puro de


diâmetro igual ao do cano em referência, necessário para atingir 1 libra de
peso (454 g).

Isto não significa que os projéteis por ela disparados terão o diâmetro do
cano. Ao contrário, são geralmente bem menores.

Calibres de armas de alma lisa, a análise do calibre é mais difícil de fazer,


portanto, mais provável de cair na prova

Quanto maior o numero de bolinhas para completar UMA libra menor o


diâmetro do cano.
Diferente das armas de cartucho único, que já traz o calibre do chumbo
do projétil.
A bolinha teste deve ser do tamanho do diâmetro do cano.

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 26 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

1 lb

Calibre Calibre real


nominal

12 18,50 mm
16 17,00 mm
20 15,70 mm
24 14,80 mm
28 14,00 mm
32 12,80 mm
36 (.410) 10,40 mm

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 27 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

Calibre Tamanho Quantidade Número


do em gramas médio
Chumbo de
esferas

TTT 32

3 32 130

12 5 200

6 36 300

7 32 350

TTT 27

3 110
20 27
5 170

7 300

T 12

3 35
36 9
5 55

7 100

PERITO ANALISA O PADRÃO DE ESPAÇAMENTO DOS BALINS.


Permite ter uma ideia da distância entre arma e alvo
Arma serrada: maior abertura dos balins

Nos disparos efetuados com cartuchos de munição de projéteis múltiplos


(armas de alma lisa), o aspecto da lesão depende, basicamente, da

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 28 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

distância em que foi realizado o disparo e da consequente abertura do cone


de dispersão.
Em tiros muito próximos ou encostados, os projéteis múltiplos causam
grande destruição tecidual muitas vezes acompanhada de significativa
perda de substância.
Nos disparos efetuados à distância o que observamos é a existência de
lesões múltiplas, como se produzidas por vários disparos unitários,
distribuídas ao redor de um ponto central, e que se afastam mais um do
outro quanto maior for a distância entre o atirador e o alvo.

5. QUESTÕES

01. (2008 -CEFET-BA -PC-BA -Delegado de Polícia).

A designação do calibre nominal de uma espingarda indica o

a) exato diâmetro interno do cano, em fração da polegada.

b) diâmetro interno da câmara, em centésimos de polegada.

c) diâmetro interno do cano, em milímetros.

d) comprimento do cano da espingarda, em polegadas.

e) número de esferas de chumbo do calibre, cuja massa dá uma libra.

02. (2016 -SENAI - PR -ITAIPU BINACIONAL -Agente de


Segurança).

A parte oca no interior do cano de uma arma de fogo, que orienta o projétil
entre a culatra e a boca do cano é denominada:

a) Raiamento.

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 29 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

b) Alma.

c) Calibre.

d) Tambor.

e) Diâmetro entre cheios.

03. (2011 -FGV -PC-RJ -Perito Legista).

Assinale a alternativa que completa o fragmento a seguir.

O calibre nominal de uma espingarda é expresso _____

a) pelo número de esferas de ferro com diâmetro igual ao da boca da arma


necessárias para completar 0,453g.

b) pelo número de esferas de chumbo com diâmetro igual ao da câmara de


combustão da arma necessárias para pesar uma libra.

c) pelo número de bagos de chumbo nº 6 que cabem no cartucho.

d) pelo resultado da divisão do comprimento do cano pelo seu diâmetro


interno.

e) pela medida do diâmetro máximo da rosa de tiro na distância padrão de


5m, expresso em polegadas.

04. (2017 -FUNDATEC -IGP-RS -Perito Médico-Legista)

A equipe Pericial é acionada para o atendimento de uma ocorrência de


suicídio por disparo de arma de fogo.

Ao chegar no local, havia uma equipe da Polícia Civil, chefiada pela


Autoridade Policial, aguardando a chegada da Perícia.

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 30 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

De acordo com relatos dos policiais presentes, tratava-se de um escritório


onde um importante advogado criminalista teria sido encontrado morto por
sua secretária.

Foram fatos observados pelo Perito Criminal:

• Ausência de vestígios de arrombamento dos meios de acesso ao interior


do imóvel e ausência de sinais de luta e/ou busca em seu interior.

• Cadáver jazia sentado sobre uma cadeira com a cabeça pendente para
trás e para a direita.
==0==

• Sobre o piso, junto aos pés da vítima, havia um revólver de calibre 32


contendo em seu tambor dois (02) estojos com marca de percussão em
suas espoletas, além de três (03) cartuchos íntegros.

• Notou-se manchas de sangue por espirro, impregnação e escorrimento


na porção anterior da camisa que a vítima vestia, assim como manchas de
sangue por acúmulo sobre o piso sob a cadeira em que a vítima se
encontrava.

• Durante o exame perinecroscópico, foram observados dois (02)


ferimentos perfurocontusos compatíveis com entradas de projetis de arma
de fogo (ambos os ferimentos apresentavam zona de esfumaçamento): um
ferimento na região auricular esquerda e um ferimento na região
mentoniana (queixo).

Em relação ao revólver encontrado no local, durante a sua descrição no


Laudo, o Perito Criminal deverá fazer constar as seguintes características,
EXCETO:

a) Marca e modelo.

b) Calibre nominal e/ou real.

c) Número de série do carregador.

d) Estado de conservação.

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 31 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0

Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

e) Comprimento do cano.

05. (2010 -FUNIVERSA -SECTEC-GO -Perito Criminal).

Com relação aos cartuchos para armas de fogo raiadas, é correto afirmar
que

a) o estojo é o componente externo de maior dimensão, possui forma


bastante variada, apresenta o culote saliente, semi-saliente e sem saliência
(rim, semirrim e rimless) e geralmente é confeccionado em latão 70:30.

b) a espoleta ou cápsula de espoletamento é um pequeno recipiente


metálico que contém a pólvora ou a carga de projeção, localizada no centro
do culote do estojo.

c) a pólvora, ou carga de projeção, é um combustível líquido, agranular,


apresentando sempre os mesmos tipos de formatos de grãos, produzindo
grandes quantidades de gases e elevação da temperatura e necessita de
oxigênio externo.

d) a pólvora antiga, ou pólvora negra ou preta, é composta por 75% de


salitre, 13% de carvão vegetal e 12% de enxofre; e a pólvora de base
química ou sem fumaça apresenta apenas um único tipo de componente,
que é a nitrocelulose.

e) a pólvora, ou carga de projeção, é um combustível sólido, agranular,


apresentando sempre os mesmos tipos de formatos de grãos, produzindo
grandes quantidades de gases e elevação da temperatura e necessita de
oxigênio externo.

06. (2008 -PC-MG -PC-MG -Delegado de Polícia).

O percurso realizado por um projétil de arma de fogo no interior do corpo


humano é denominado

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 32 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

a) deformação.

b) halo.

c) trajeto.

d) trajetória.

07. (2015 – FUNCAB - PC-AC - Perito Médico-Legista).

No disparo de arma de fogo produzido por fuzil, a principal característica


que determina a gravidade das lesões é o (a):

a) formato pontiagudo do projétil

b) capacidade de fragmentação do projétil

c) calibre do projétil

d) massa do projétil

e) velocidade do projétil

08. (2011 – FGV - PC-RJ - Perito Legista).

Com relação ao trajeto dos projéteis de arma de fogo no corpo humano,


analise as afirmativas a seguir.

I. A cavidade temporária é formada no trajeto de qualquer projétil.

II. Os projéteis encamisados tendem a ser transfixantes.

III. Um projétil calibre 45 de ponta deformável é capaz de derrubar um


soldado de 70Kg, que seja atingido em região protegida do tronco por
colete à prova de balas porque lhe transfere toda sua energia cinética.

Assinale:

a) se apenas as afirmativas I e II estiverem corretas.

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 33 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

b) se todas as afirmativas estiverem corretas.

c) se apenas as afirmativas II e III estiverem corretas.

d) se apenas as afirmativas I e III estiverem corretas.

e) se apenas a afirmativa I estiver correta.

VEJAM COISAS QUE APARECERAM NA PROVA DE SC. No edital não


mencionava nada sobre POP do SENASP. Questões sob avaliação recursal.

09. (2017 – IESES - IGP-SC - Perito Criminal Geral).

Considerando as munições de armas de fogo de porte à venda no Brasil,


em específico, as munições para revólveres de calibre 38 SPL e pistolas de
calibre 380 ACP é verdadeiro afirmar que:

I. Todos estes revólveres e pistolas utilizam somente munição de fogo


central.

II. Estes revólveres podem utilizar munições montadas com espoletas do


tipo Boxer.

III. Estas pistolas utilizam munições nacionais originais com propelentes de


base tripla.

IV. As munições utilizadas por estes revólveres e pistolas podem ser


utilizadas em outras armas de fogo existentes.

a) Somente o Item I está correto.

b) Somente o Item II está incorreto.

c) Somente o item IV está correto.

d) Somente o item III está incorreto.

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 34 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

10. (2017 – FUNDATEC - IGP-RS - Perito Médico-Legista)

A equipe Pericial é acionada para o atendimento de uma ocorrência de


suicídio por disparo de arma de fogo.

Ao chegar no local, havia uma equipe da Polícia Civil, chefiada pela


Autoridade Policial, aguardando a chegada da Perícia.

De acordo com relatos dos policiais presentes, tratava-se de um escritório


onde um importante advogado criminalista teria sido encontrado morto por
sua secretária.

Foram fatos observados pelo Perito Criminal:

• Ausência de vestígios de arrombamento dos meios de acesso ao interior


do imóvel e ausência de sinais de luta e/ou busca em seu interior.

• Cadáver jazia sentado sobre uma cadeira com a cabeça pendente para
trás e para a direita.

• Sobre o piso, junto aos pés da vítima, havia um revólver de calibre 32


contendo em seu tambor dois (02) estojos com marca de percussão em
suas espoletas, além de três (03) cartuchos íntegros.

• Notou-se manchas de sangue por espirro, impregnação e escorrimento


na porção anterior da camisa que a vítima vestia, assim como manchas de
sangue por acúmulo sobre o piso sob a cadeira em que a vítima se
encontrava.

• Durante o exame perinecroscópico, foram observados dois (02)


ferimentos perfurocontusos compatíveis com entradas de projetis de arma
de fogo (ambos os ferimentos apresentavam zona de esfumaçamento): um
ferimento na região auricular esquerda e um ferimento na região
mentoniana (queixo).

De acordo com a SENASP, quando da análise de cartuchos íntegros de arma


de fogo, o Perito Criminal deverá descrever em seu Laudo:

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 35 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

I. O calibre nominal.

II. As características da cápsula de espoletamento.

III. A numeração de série e/ou montagem.

IV. O tipo de raiamento.

V. O tipo de projétil.

Quais estão corretas?

a) Apenas I e II.

b) Apenas I e III.

c) Apenas III e IV.

d) Apenas I, II e V.

e) Apenas II, IV e V.

11. (2017 – IESES - IGP-SC - Perito Criminal Geral).

Considerando os revólveres e pistolas de fabricação Nacional posteriores


ao ano 2000 qual o item verdadeiro:

a) Os revólveres realizam disparos em ação dupla ou simples, por sua vez


as pistolas somente realizam disparos em ação simples.

b) Caso ocorra o disparo destas armas de fogo e por alguma falha o projétil
não seja expelido cano afora o atirador poderá efetuar novo disparo uma
vez que nenhum dano ocorrerá ao equipamento.

c) Os revólveres de calibre 38 SPL poderão ser utilizados para disparos com


munição especificada 38 SPL +P+, assim como as pistolas de calibre 380
ACP poderão ser utilizadas para disparos com munição 380 ACP +P.

d) Nenhuma arma curta de porte descrita no enunciado poderá utilizar


munições com características +P ou +P+.

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 36 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

RESPOSTAS E COMENTÁRIOS

01. (2008 -CEFET-BA -PC-BA -Delegado de Polícia).

A designação do calibre nominal de uma espingarda indica o

a) exato diâmetro interno do cano, em fração da polegada.

b) diâmetro interno da câmara, em centésimos de polegada.

c) diâmetro interno do cano, em milímetros.

d) comprimento do cano da espingarda, em polegadas.

e) número de esferas de chumbo do calibre, cuja massa dá uma libra.

Resposta: E.

O calibre nominal, utilizado nas armas de "alma lisa", não possui relação
com o diâmetro interno do cano ou da câmara de explosão, mas sim com
a unidade de medida Gauge, que se refere ao número de esferas de chumbo
cuja soma da massa dá uma libra (aproximadamente 450g).

Exemplo: na famosa "calibre 12" , doze esferas de chumbo somariam a


massa de uma libra, e é por isso que seu cartucho é maior que um cartucho
calibre (20 Gauge, pois nesse último a massa de uma libra seria alcançada
com (20 esferas de chumbo, e não 12 (esferas calibre (20 < esferas calibre
12).

02. (2016 -SENAI - PR -ITAIPU BINACIONAL -Agente de


Segurança).

A parte oca no interior do cano de uma arma de fogo, que orienta o projétil
entre a culatra e a boca do cano é denominada:

a) Raiamento.

b) Alma.

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 37 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

c) Calibre.

d) Tambor.

e) Diâmetro entre cheios.

Resposta: b

03. (2011 -FGV -PC-RJ -Perito Legista).

Assinale a alternativa que completa o fragmento a seguir.

O calibre nominal de uma espingarda é expresso _____

a) pelo número de esferas de ferro com diâmetro igual ao da boca da arma


necessárias para completar 0,453g.

b) pelo número de esferas de chumbo com diâmetro igual ao da câmara de


combustão da arma necessárias para pesar uma libra.

c) pelo número de bagos de chumbo nº 6 que cabem no cartucho.

d) pelo resultado da divisão do comprimento do cano pelo seu diâmetro


interno.

e) pela medida do diâmetro máximo da rosa de tiro na distância padrão de


5m, expresso em polegadas.

Resposta: b

O calibre para as armas de caça (ou armas de alma lisa) é determinado


pelo número de esferas de chumbo (balins), de diâmetro igual ao do cano,
que perfazem uma libra de massa (454g). Ex: calibre 12 significa que 12
esferas de chumbo do diâmetro do cano pesam uma libra.

04. (2017 -FUNDATEC -IGP-RS -Perito Médico-Legista)

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 38 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

A equipe Pericial é acionada para o atendimento de uma ocorrência de


suicídio por disparo de arma de fogo.

Ao chegar no local, havia uma equipe da Polícia Civil, chefiada pela


Autoridade Policial, aguardando a chegada da Perícia.

De acordo com relatos dos policiais presentes, tratava-se de um escritório


onde um importante advogado criminalista teria sido encontrado morto por
sua secretária.

Foram fatos observados pelo Perito Criminal:

• Ausência de vestígios de arrombamento dos meios de acesso ao interior


do imóvel e ausência de sinais de luta e/ou busca em seu interior.

• Cadáver jazia sentado sobre uma cadeira com a cabeça pendente para
trás e para a direita.

• Sobre o piso, junto aos pés da vítima, havia um revólver de calibre 32


contendo em seu tambor dois (02) estojos com marca de percussão em
suas espoletas, além de três (03) cartuchos íntegros.

• Notou-se manchas de sangue por espirro, impregnação e escorrimento


na porção anterior da camisa que a vítima vestia, assim como manchas de
sangue por acúmulo sobre o piso sob a cadeira em que a vítima se
encontrava.

• Durante o exame perinecroscópico, foram observados dois (02)


ferimentos perfurocontusos compatíveis com entradas de projetis de arma
de fogo (ambos os ferimentos apresentavam zona de esfumaçamento): um
ferimento na região auricular esquerda e um ferimento na região
mentoniana (queixo).

Em relação ao revólver encontrado no local, durante a sua descrição no


Laudo, o Perito Criminal deverá fazer constar as seguintes características,
EXCETO:

a) Marca e modelo.

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 39 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

b) Calibre nominal e/ou real.

c) Número de série do carregador.

d) Estado de conservação.

e) Comprimento do cano.

Resposta: c

05. (2010 -FUNIVERSA -SECTEC-GO -Perito Criminal).

Com relação aos cartuchos para armas de fogo raiadas, é correto afirmar
que

a) o estojo é o componente externo de maior dimensão, possui forma


bastante variada, apresenta o culote saliente, semi-saliente e sem saliência
(rim, semirrim e rimless) e geralmente é confeccionado em latão 70:30.

b) a espoleta ou cápsula de espoletamento é um pequeno recipiente


metálico que contém a pólvora ou a carga de projeção, localizada no centro
do culote do estojo.

c) a pólvora, ou carga de projeção, é um combustível líquido, agranular,


apresentando sempre os mesmos tipos de formatos de grãos, produzindo
grandes quantidades de gases e elevação da temperatura e necessita de
oxigênio externo.

d) a pólvora antiga, ou pólvora negra ou preta, é composta por 75% de


salitre, 13% de carvão vegetal e 12% de enxofre; e a pólvora de base
química ou sem fumaça apresenta apenas um único tipo de componente,
que é a nitrocelulose.

e) a pólvora, ou carga de projeção, é um combustível sólido, agranular,


apresentando sempre os mesmos tipos de formatos de grãos, produzindo
grandes quantidades de gases e elevação da temperatura e necessita de
oxigênio externo.

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 40 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

Resposta: a

06. (2008 -PC-MG -PC-MG -Delegado de Polícia).

O percurso realizado por um projétil de arma de fogo no interior do corpo


humano é denominado

a) deformação.

b) halo.

c) trajeto.

d) trajetória.

Resposta: C

Trajetória - Caminho do projetil da saída do cano da arma até o alvo.

Trajeto - Caminho percorrido pelo projetil dentro do corpo do agente


lesionado.

07. (2015 – FUNCAB - PC-AC - Perito Médico-Legista).

No disparo de arma de fogo produzido por fuzil, a principal característica


que determina a gravidade das lesões é o (a):

a) formato pontiagudo do projétil

b) capacidade de fragmentação do projétil

c) calibre do projétil

d) massa do projétil

e) velocidade do projétil

Resposta: E.

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 41 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

Formato pontiagudo é um fator que ajuda no coeficiente aerodinâmico do


projétil, mas o principal fator é a velocidade, pois na equação da energia
cinética:

Ec = (massa x velocidade ao quadrado) / 2

a velocidade aparece ao quadrado.

08. (2011 – FGV - PC-RJ - Perito Legista).

Com relação ao trajeto dos projéteis de arma de fogo no corpo humano,


analise as afirmativas a seguir.

I. A cavidade temporária é formada no trajeto de qualquer projétil.

II. Os projéteis encamisados tendem a ser transfixantes.

III. Um projétil calibre 45 de ponta deformável é capaz de derrubar um


soldado de 70Kg, que seja atingido em região protegida do tronco por
colete à prova de balas porque lhe transfere toda sua energia cinética.

Assinale:

a) se apenas as afirmativas I e II estiverem corretas.

b) se todas as afirmativas estiverem corretas.

c) se apenas as afirmativas II e III estiverem corretas.

d) se apenas as afirmativas I e III estiverem corretas.

e) se apenas a afirmativa I estiver correta.

Resposta: a

ASSERTIVA "I" - Correto, tanto os PAF comuns (baixa - até 300 m/s - ou
média - + 300 m/s e - 600m/s- energia) quanto os PAF de alta energia (+
600 m/s) produzirão a cavidade temporária, a diferença é que nos PAF de

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 42 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

alta energia as consequências desse fenômeno serão mais prejudiciais e


acentuadas;

ASSERTIVA "II" - Entende-se por "PAF ENCAMISADO" o núcleo de chumbo


revestido (total ou parcialmente) com uma camisa de percentuais de cobre,
zinco e níquel (podendo descartar um destes elementos), tendo como
vantagens: não provocam chumbeamento nas raias e permitem maiores
velocidades iniciais. Projéteis totalmente encamisados apresentam maior
penetração do que os projéteis de chumbo ou ponta de chumbo, podendo
transfixar alvos com facilidade.

ASSERTIVA III: não tenho certeza se derrubaria, pois, depende de vários


fatores, entre estes: local atingido, posição da vítima, distância do disparo,
etc. Coisa meio maluca. Quanto a transferir a energia acredito ser correto.

VEJAM COISAS QUE APARECERAM NA PROVA DE SC. No edital não


mencionava nada sobre POP do SENASP. Questões sob avaliação recursal.

09. (2017 – IESES - IGP-SC - Perito Criminal Geral).

Considerando as munições de armas de fogo de porte à venda no Brasil,


em específico, as munições para revólveres de calibre 38 SPL e pistolas de
calibre 380 ACP é verdadeiro afirmar que:

I. Todos estes revólveres e pistolas utilizam somente munição de fogo


central.

II. Estes revólveres podem utilizar munições montadas com espoletas do


tipo Boxer.

III. Estas pistolas utilizam munições nacionais originais com propelentes de


base tripla.

IV. As munições utilizadas por estes revólveres e pistolas podem ser


utilizadas em outras armas de fogo existentes.

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 43 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

a) Somente o Item I está correto.

b) Somente o Item II está incorreto.

c) Somente o item IV está correto.

d) Somente o item III está incorreto.

Resposta: E.

10. (2017 – FUNDATEC - IGP-RS - Perito Médico-Legista)

A equipe Pericial é acionada para o atendimento de uma ocorrência de


suicídio por disparo de arma de fogo.

Ao chegar no local, havia uma equipe da Polícia Civil, chefiada pela


Autoridade Policial, aguardando a chegada da Perícia.

De acordo com relatos dos policiais presentes, tratava-se de um escritório


onde um importante advogado criminalista teria sido encontrado morto por
sua secretária.

Foram fatos observados pelo Perito Criminal:

• Ausência de vestígios de arrombamento dos meios de acesso ao interior


do imóvel e ausência de sinais de luta e/ou busca em seu interior.

• Cadáver jazia sentado sobre uma cadeira com a cabeça pendente para
trás e para a direita.

• Sobre o piso, junto aos pés da vítima, havia um revólver de calibre 32


contendo em seu tambor dois (02) estojos com marca de percussão em
suas espoletas, além de três (03) cartuchos íntegros.

• Notou-se manchas de sangue por espirro, impregnação e escorrimento


na porção anterior da camisa que a vítima vestia, assim como manchas de
sangue por acúmulo sobre o piso sob a cadeira em que a vítima se
encontrava.

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 44 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

• Durante o exame perinecroscópico, foram observados dois (02)


ferimentos perfurocontusos compatíveis com entradas de projetis de arma
de fogo (ambos os ferimentos apresentavam zona de esfumaçamento): um
ferimento na região auricular esquerda e um ferimento na região
mentoniana (queixo).

De acordo com a SENASP, quando da análise de cartuchos íntegros de arma


de fogo, o Perito Criminal deverá descrever em seu Laudo:

I. O calibre nominal.

II. As características da cápsula de espoletamento.

III. A numeração de série e/ou montagem.

IV. O tipo de raiamento.

V. O tipo de projétil.

Quais estão corretas?

a) Apenas I e II.

b) Apenas I e III.

c) Apenas III e IV.

d) Apenas I, II e V.

e) Apenas II, IV e V.

Resposta: d

Numeração de série e raiamento do cano são características de armas e


não de munições.

11. (2017 – IESES - IGP-SC - Perito Criminal Geral).

Considerando os revólveres e pistolas de fabricação Nacional posteriores


ao ano 2000 qual o item verdadeiro:

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 45 de 46

00000000000 - DEMO
BALÍSTICA FORENSE
0 Teoria e exercícios
Prof. WAGNER LUIZ

a) Os revólveres realizam disparos em ação dupla ou simples, por sua vez


as pistolas somente realizam disparos em ação simples.

b) Caso ocorra o disparo destas armas de fogo e por alguma falha o projétil
não seja expelido cano afora o atirador poderá efetuar novo disparo uma
vez que nenhum dano ocorrerá ao equipamento.

c) Os revólveres de calibre 38 SPL poderão ser utilizados para disparos com


munição especificada 38 SPL +P+, assim como as pistolas de calibre 380
ACP poderão ser utilizadas para disparos com munição 380 ACP +P.

d) Nenhuma arma curta de porte descrita no enunciado poderá utilizar


munições com características +P ou +P+.

Resposta: c

Como é uma aula de apresentação não coloquei muitas questões.


Mas, teremos uma boa quantidade delas nas aulas.

Hoje paramos por aqui.


Bons estudos.
Prof. Wagner

Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br Página 46 de 46

00000000000 - DEMO